Recrutamento ético de enfermeiros

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Recrutamento ético de enfermeiros"

Transcrição

1 Recrutamento ético de enfermeiros Posição do CIE: Tomada de posição O CIE e as suas associações membro acreditam firmemente que a qualidade dos cuidados de saúde depende directamente de um fornecimento adequado de enfermeiros qualificados e empenhados, e apoia a evidência que relaciona as boas condições de trabalho com a prestação de serviços de qualidade. O CIE reconhece o direito de os enfermeiros, a nível individual, migrarem 1, e confirma os potenciais resultados benéficos da prática multicultural e das oportunidades de aprendizagem suportadas pela migração. O Conselho reconhece o direito adverso que a migração internacional poderá ter sobre a qualidade dos cuidados de saúde em países com uma grave depleção na sua força de trabalho de enfermagem. O CIE condena a prática de recrutar enfermeiros para países nos quais as autoridades não implementaram um planeamento sólido de recursos humanos e não resolveram problemas que fazem com que os enfermeiros abandonem a profissão e os desencorajem a regressar à enfermagem. O CIE denuncia as práticas não éticas de recrutamento que exploram os enfermeiros ou os levam enganosamente a aceitar responsabilidades profissionais e condições de trabalho que são incompatíveis com as suas qualificações, aptidões e experiência. O CIE reconhece os benefícios da migração circular e apela a mecanismos de suporte dos enfermeiros que desejem voltar para os seus países de origem. O CIE e as suas associações nacionais de enfermeiros membro apelam para um processo de recrutamento regulamentado, baseado em princípios éticos que orientem a tomada de decisão informada e reforce políticas de emprego sólidas da parte dos governos, empregadores e enfermeiros, apoiando assim as práticas de recrutamento e retenção justas e eficazes em termos de custos. Estes princípios chave incluem: Planeamento, gestão e desenvolvimento que leve à auto sustentabilidade nacional de recursos humanos: Têm de introduzir-se estratégias efectivas de planeamento e desenvolvimento, que sejam revistas e mantidas regularmente, para garantir um equilíbrio entre a oferta e a procura nos recursos humanos na enfermagem. Ao mesmo tempo, que é essencial que o planeamento, a gestão e o desenvolvimento aos níveis local e nacional, levem à auto sustentabilidade da força de trabalho de saúde nacional, a globalização irá cada vez mais salientar a importância do planeamento e desenvolvimento de recursos humanos a nível internacional. Uma dimensão essencial do desenvolvimento dos recursos humanos é a formação contínua. Tem de garantir-se o acesso dos enfermeiros aos programas que irão manter as suas competências e apoiar a sua progressão enquanto profissionais, ao mesmo tempo que mantêm um nível elevado de conhecimentos, aptidões e empenhamento para com a prestação de cuidados de qualidade. Regulamentação credível da enfermagem: A legislação relativa à enfermagem tem de autorizar o organismo regulamentador a determinar os padrões de educação, competências e padrões da prática dos enfermeiros. Os organismos de regulamentação devem garantir que apenas os indivíduos que cumpram esses padrões sejam autorizados a exercer a sua prática como enfermeiros. ICN CIE CII 3, Place Jean-Marteau, 1201 Geneve - Switzerland - Tel Fax: web:

2 Recrutamento ético de enfermeiros, pág. 2/5 Acesso a emprego a tempo inteiro: A prestação de cuidados de qualidade assenta na disponibilidade dos enfermeiros em ir ao encontro das necessidades de dotações. Os enfermeiros que se encontrem numa região/país recrutadores e que estejam à procura de emprego devem ter conhecimento das oportunidades de emprego. Se necessário, as partes interessadas da saúde (sobretudo o governo e os empregadores) precisam de explorar políticas que facilitem a participação activa dos enfermeiros na força de trabalho, tal como ambientes receptivos para a família, programas de reinserção. Liberdade de movimentos: Os enfermeiros têm o direito de migrar, se cumprirem com as políticas de imigração/trabalho do país recrutador (por ex. licença de emprego) e cumprirem com as obrigações no seu país de origem (por ex. responsabilidades de vinculação, pagamento de impostos). Em face de uma população multicultural de doentes crescente, o estabelecimento de uma força de trabalho multiprofissional suporta a prestação de cuidados culturalmente sensível. Isenção de discriminação: Os enfermeiros têm o direito de esperar um tratamento justo, como por exemplo, condições de trabalho, promoção e formação contínua. (Nota: os casos de discriminação positiva terão de ser considerados em separado) Contratação de boa fé: Os enfermeiros e empregadores devem ser protegidos de informações falsas, retenção de informações relevantes, alegações enganosas e exploração, (por exemplo descrições exactas do emprego, benefícios/atribuições/bónus especificados por escrito, registos de formação autênticos). Tem de garantir-se o acesso a informação factual relacionada com o emprego, incluindo informação social ou acerca da vida diária, (por ex. acesso a acomodação, baixa por necessidade, baixa por doença). O conceito do consentimento informado tem de aplicar-se a todas as partes envolvidas na negociação do contrato de emprego. Pagamento igual por trabalho de igual valor: Não deve haver discriminação entre as ocupações/profissões com o mesmo nível de responsabilidade, qualificação de ensino, experiência profissional, requisito de aptidões e dificuldade, (por ex. ordenado, graduação). Da mesma forma, não deve haver discriminação entre as pessoas na mesma profissão que tenham com o mesmo nível de responsabilidade, qualificação de ensino, experiência, requisito de aptidões e dificuldade. Acesso a procedimentos de queixa: Quando os direitos ou benefícios dos enfermeiros ou empregadores são ameaçados ou violados, deve estar implementada a maquinaria adequada para ouvir as queixas atempadamente e a custos razoáveis. Ambiente de trabalho seguro: Os enfermeiros têm de ser protegidos de lesões ocupacionais e riscos de saúde, incluindo a violência (por ex. assédio sexual) e ser consciencializados para os riscos existentes no local de trabalho. Têm de estar implementados mecanismos efectivos para a prevenção, monitorização e notificação. Precisam de estar estabelecidos os protocolos para a retirada dos serviços em situações que impliquem perigo de vida para o enfermeiro. Orientação/aconselhamento/supervisão: A prestação de cuidados de qualidade no actual ambiente de cuidados de saúde, altamente complexo e frequentemente stressante depende de uma infra-estrutura de supervisão formal e informal que disponibilize apoio. Os enfermeiros têm o direito de esperar uma orientação adequada e supervisão construtiva contínua no local de trabalho. Períodos de emprego à experiência: Os contratos de emprego têm de especificar um período à experiência, durante o qual os signatários tenham a liberdade de expressar a sua insatisfação e cancelar o contrato sem penalizações. Em caso de migração internacional, a responsabilidade pela cobertura dos custos de repatriação precisa de ser claramente afirmada. Liberdade de associativismo: Os enfermeiros têm o direito de se associarem e de serem representados por uma associação profissional e/ou sindicato de forma a salvaguardar os respectivos direitos enquanto profissionais e enquanto trabalhadores. As parcerias entre as associações/sindicatos nos países recrutadores e recrutados pode facilitar o intercâmbio de informação exacta e atempada. Podem também garantir a continuação de um ambiente profissional onde são disponibilizados apoios, que proporcione a assistência necessária.

3 Recrutamento ético de enfermeiros, pág. 3/5 Regulamentação do recrutamento: As agências de recrutamento (públicas e privadas) devem ser regulamentadas e devem introduzir-se mecanismos efectivos de monitorização, (por exemplo de eficácia em termos de custos, volume, taxa de sucesso ao longo do tempo, taxas de retenção, critérios de igualdade, satisfação dos clientes). Têm de introduzir-se medidas disciplinarem que sancionem as agências cuja prática não é ética. Estes princípios constituem a base para um recrutamento ético, quer se considerem contextos internacionais ou intra-nacionais. O recrutamento e a retenção dos enfermeiros tornou-se uma prioridade urgente e uma despesa crescente. Todas as partes interessadas no sector da saúde doentes, governos, empregadores e enfermeiros irão beneficiar se esta estrutura de recrutamento ético for aplicada de forma sistemática. Enquadramento: A mobilidade na carreira é importante tanto para os enfermeiros, ao fazerem avançar as suas carreiras, como para a sociedade, ao permitir que a enfermagem se adapte e responda às necessidades de saúde em alteração. A mobilidade na carreira permite que os enfermeiros atinjam objectivos pessoais de carreira e contribui para a profissão da enfermagem ao elevar a competência dos respectivos membros. Isso permite à enfermagem responder a alterações científicas, tecnológicas, sociais, políticas e económicas, ao modificar ou alargar os papéis, a composição e o fornecimento de enfermeiros para ir de encontro às necessidades de saúde identificadas. Há uma rede complexa de factores que contribuem para gerar desequilíbrios globais na força de trabalho de enfermagem (ver Quadro 1). A situação actual, caracterizada por uma procura crescente e uma oferta decrescente, resulta no aumento da concorrência pelos recursos humanos disponíveis, tanto dentro como entre países. Os países ou as instituições de cuidados de saúde têm vindo a encarar a migração internacional como uma solução permanente apesar de parcial, para a sua carência de pessoal de enfermagem. Os exemplos não se limitam aos países industrializados, mas incluem também o recrutamento em países em desenvolvimento, mesmo dentro da mesma região geográfica (por ex. Caraíbas, sul de África). Além do mais, esta tendência não se limita aos profissionais registados, aplica-se também aos alunos nos níveis básico e pósbásico. Muitos dos enfermeiros recrutados internacionalmente relatam que prefeririam permanecer no seu país de origem, com a sua família e amigos, numa cultura e ambiente familiares. A qualidade da vida profissional em muitos países precisa de ser melhorada antes de a migração diminuir significativamente. Antes de recorrer a campanhas de recrutamento agressivas, o governo e os empregadores que enfrentam os desafios de uma falta de pessoal precisam de endereçar os factores relevantes que contribuíram para a sua situação. O recrutamento agressivo de enfermeiros ou alunos para um sistema de saúde/enfermagem disfuncional não é nem eficaz em termos de custos nem ético. O objectivo é ter força de trabalho de enfermagem nacional, auto sustentada que reconheça que a contribuição de profissionais internacionais garante um conjunto de prestadores de cuidados estável para responder às necessidades de saúde. Nalguns casos, há ainda agentes de recrutamento sem escrúpulos que se aproveitam de enfermeiros mal informados. Em resposta às faltas crónicas (frequentemente cíclicas) de enfermeiros em todo o mundo, os serviços de saúde nacionais ou as organizações independentes de prestação de cuidados negociaram o recrutamento de enfermeiros entre enfermeiros seus compatriotas e/ou estrangeiros. As agências privadas com fins lucrativos têm-se envolvido cada vez mais na procura de enfermeiros. Recentemente, o recrutamento agressivo a nível internacional está a aumentar. Este tipo de recrutamento concentra-se em números elevados de enfermeiros recrutados, por vezes esvaziando significativamente uma dada instalação de saúde ou contratando um número significativo de enfermeiros recém-formados de uma dada instituição de ensino. Geralmente, não há nenhum organismo nomeado que regule ou monitorize o conteúdo dos contratos

4 Recrutamento ético de enfermeiros, pág. 4/5 oferecidos. Os enfermeiros poderão ser empregados sob alegações falsas ou serem enganados relativamente às condições de trabalho e às possíveis remunerações e benefícios. Os enfermeiros recrutados a nível internacional poderão correr um risco particular de exploração ou abuso, dada a dificuldade de verificação dos termos de emprego ser maior devido à distância, barreiras linguísticas, custos, etc. Tem havido cada vez mais apelos para um enquadramento ético para o recrutamento de enfermeiros. Os princípios que suportam um tal enquadramento são relevantes para o recrutamento internacional, bem como intra-nacional. A respectiva credibilidade, robustez e universalidade irá depender directamente da vontade política das partes interessadas no sector da saúde e dos mecanismos de regulamentação introduzidos para a respectiva aplicação e monitorização. Factores de crise para o recrutamento/retenção Quadro 1 Procura aumentada. Redução da duração do internamento hospitalar (gerada pela tecnologia avançada e novos sistemas de financiamento) que aumenta a acuidade dos cuidados Passagem de cuidados hospitalares para cuidados ambulatórios, no domicílio e na comunidade, criando um mercado de trabalho em rápido crescimento para os enfermeiros, fora das instalações hospitalares População envelhecida, colocando a ênfase nos serviços de cuidados de saúde continuados, envolvimento de múltiplos sistemas e acuidade aumentada Aumento recente nas vagas e programas de educação em enfermagem, que requerem números mais elevados de elementos do corpo docente Número aumentado de especialidades Sector privado em crescimento, expandindo o mercado de trabalho Globalização, expandindo o mercado de trabalho Maior número de oportunidades de empreendedorismo em enfermagem, expandindo o mercado de trabalho O enfermeiro ser considerado pelo público como sendo um profissional digno de confiança e escolhido como sendo o ponto de entrada principal para os serviços de saúde Aumento das oportunidades e procura de enfermeiros fora dos serviços de enfermagem, ( por ex. gestão genérica) Oferta reduzida Fundo reduzido de alunos (ou seja, ao nível da educação geral) Maior número de oportunidades de carreira para as mulheres Força de trabalho de enfermagem envelhecida (por ex. reforma, vontade de ter cargas laborais mais leves) Corpo docente de enfermagem envelhecido Número crescente de estudantes mais maduros, com um número potencial de anos de prática profissional reduzido Financiamento reduzido das escolas de enfermagem e fardo financeiro mais pesado para os alunos Decisões tomadas pelo governo no passado, no sentido de reduzir o número de vagas de alunos de enfermagem

5 Recrutamento ético de enfermeiros, pág. 5/5 Número reduzido de enfermeiros interessados em carreiras académicas e em cargos de ensino Obrigações de prestação de cuidados familiares aumentadas, (por ex. cuidado de um familiar idoso) Más condições de trabalho, incluindo de remuneração Oportunidades de carreira aumentadas fora do sector de cuidados de saúde, incluindo melhor remuneração e melhores condições de trabalho Falta de alojamento, transporte Riscos de saúde ocupacionais Burnout dos enfermeiros Pessoal auxiliar inadequado Má imagem da profissão como carreira REFERÊNCIA 1 Há o pressuposto básico de que as pessoas recrutadas têm as qualificações e a experiência necessárias para cumprir os critérios impostos pelos organismos reguladores do país/província/estado recrutador para o exercício da prática como enfermeiro. Adoptado em 2001 Revisto e reafirmado em 2007 Tomadas de Posição do CIE relacionadas: Socio-economic Welfare of nurses [Bem estar socio-económico dos enfermeiros] Nurse retention, transfer and migration [Retenção, transferência e migração de enfermeiros] Career development in nursing [Progressão na carreira de enfermagem] International trade agreements [Acordos comerciais internacionais] Publicações do CIE: Guidelines: Career Moves and Migration: Critical Questions (2002) O Conselho Internacional de Enfermeiros (CIE) é uma federação constituída por mais de 125 associações nacionais de enfermeiros, que representa milhões de enfermeiros em todo o mundo. Gerido por enfermeiros e para enfermeiros desde 1899, o CIE é a voz internacional da enfermagem e trabalha para assegurar a qualidade dos cuidados para todos, bem como para a implementação de políticas de saúde idóneas a nível global. Edição Portuguesa Tradução do original inglês «Ethical Nurse Recruitment» Ordem dos Enfermeiros (Hermínia Castro) Revisão Maria Isabel Soares / Lisete Fradique

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 Bureau Internacional do Trabalho 1 Ratificação Como são utilizadas as Normas Internacionais do Trabalho?

Leia mais

Portuguese version 1

Portuguese version 1 1 Portuguese version Versão Portuguesa Conferência Europeia de Alto Nível Juntos pela Saúde Mental e Bem-estar Bruxelas, 12-13 Junho 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e Bem-Estar 2 Pacto Europeu para

Leia mais

ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

Código de Ética da Parpública. Ética - Princípios e valores fundamentais. Âmbito de aplicação

Código de Ética da Parpública. Ética - Princípios e valores fundamentais. Âmbito de aplicação Código de Ética da Parpública Âmbito de aplicação Aplica-se a todos os colaboradores da Parpública sem prejuízo de outras disposições legais ou regulamentares aplicáveis ou a que por inerência do exercício

Leia mais

Código de Conduta. Os nossos cinco princípios fundamentais: O benefício e a segurança do doente estão no centro de tudo o que fazemos

Código de Conduta. Os nossos cinco princípios fundamentais: O benefício e a segurança do doente estão no centro de tudo o que fazemos O nosso compromisso de cuidar e curar Código de Conduta Os nossos cinco princípios fundamentais: Doentes O benefício e a segurança do doente estão no centro de tudo o que fazemos Colaboradores Tratamos

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA FACTORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA POLÍTICA DE INTENSIFICAÇÃO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO EMPRESARIAL EM PORTUGAL E POTENCIAÇÃO DOS SEUS RESULTADOS 0. EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Leia mais

ACREDITAÇÃO DOS HOSPITAIS PADRÕES DE QUALIDADE E ENFERMAGEM

ACREDITAÇÃO DOS HOSPITAIS PADRÕES DE QUALIDADE E ENFERMAGEM ACREDITAÇÃO DOS HOSPITAIS PADRÕES DE QUALIDADE E ENFERMAGEM Óbidos, Novembro 2008 Maria da Saudade de Oliveira Custódio Lopes SUMÁRIO DE APRESENTAÇÃO A Política de Qualidade para as Instituições de Saúde:

Leia mais

LIDERANÇA PARA A MUDANÇA

LIDERANÇA PARA A MUDANÇA Um programa de aprendizagem activa para o desenvolvimento dos enfermeiros como líderes e gestores efectivos num ambiente de saúde em mudança constante. O programa de Liderança Para a Mudança teve o apoio

Leia mais

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL PROMOÇÃO DA SAÚDE E AMBIENTES FAVORÁVEIS À SAÚDE 3ª Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde Sundsvall, Suécia, 9 15 de Junho de 1991 Esta conferência sobre Promoção da

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP CONTEXTO Respeitar a diversidade social e a representatividade presente nas comunidades em que as organizações se inserem é um dever ético e simultaneamente um fator

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 PLANO DE ACTIVIDADES 2011 MARÇO DE 2011 Este documento apresenta os objectivos estratégicos e as acções programáticas consideradas prioritárias para o desenvolvimento da ESE no ano 2011. O Plano de Actividades

Leia mais

Vencendo os desafios da Educação nos PALOP

Vencendo os desafios da Educação nos PALOP WORKSHOP INTERNACIONAL Vencendo os desafios da Educação nos PALOP Seminário para o diálogo e a troca de conhecimento e experiências na área do ensino básico destinado aos Países Africanos de expressão

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Gabinete do Ministro CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Breve apresentação da proposta de Orçamento de Estado para 2008 23 de Outubro de 2007 Texto

Leia mais

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL 1 O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL A segurança social tem que ser entendida na dupla perspectiva de direito social dos cidadãos, que compete ao Estado garantir, e de princípio

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Manual de Políticas da CERCI Elaborado por/data Departamento de Gestão da Qualidade/Março 2013 Aprovado por/data Direção/18.03.2013 Revisto por/data Índice 1. Política e Objetivos

Leia mais

A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde

A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde 1. Nós, representantes dos governos que se reuniram no Recife, Brasil, de

Leia mais

O Plano de Desenvolvimento Social

O Plano de Desenvolvimento Social O Plano de Desenvolvimento Social Introdução O Plano de Desenvolvimento Social (PDS) é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do Desenvolvimento Social

Leia mais

Bona: Chamada para a Ação

Bona: Chamada para a Ação Bona: Chamada para a Ação Texto da posição conjunta da AIEA e da OMS A Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) realizou em dezembro de 2012, em Bona (Alemanha), a "Conferência Internacional de

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. APFF Administração do Porto da Figueira da Foz, S.A.

CÓDIGO DE ÉTICA. APFF Administração do Porto da Figueira da Foz, S.A. CÓDIGO DE ÉTICA APFF Administração do Porto da Figueira da Foz, S.A. Índice 1. Preâmbulo 2. Disposições Gerais 2.1. Âmbito de aplicação 2.2. Objectos do 2.3. Dimensões éticas da empresa 2.4. Cumprimento

Leia mais

Decreto n.º 139/80 Convenção sobre o Reconhecimento dos Estudos e Diplomas Relativos ao Ensino Superior nos Estados da Região Europa

Decreto n.º 139/80 Convenção sobre o Reconhecimento dos Estudos e Diplomas Relativos ao Ensino Superior nos Estados da Região Europa Decreto n.º 139/80 Convenção sobre o Reconhecimento dos Estudos e Diplomas Relativos ao Ensino Superior nos Estados da Região Europa O Governo decreta, nos termos da alínea c) do artigo 200.º da Constituição,

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar 2011/2307(INI) 9.3.2012 PROJETO DE RELATÓRIO sobre a dádiva voluntária e não remunerada de tecidos e células

Leia mais

15071/15 ip/arg 1 DG B 3A

15071/15 ip/arg 1 DG B 3A Conselho da União Europeia Bruxelas, 7 de dezembro de 2015 15071/15 SOC 711 EMPL 464 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: Secretariado Geral do Conselho data: 7 de dezembro de 2015 para: Delegações n.º doc. ant.:

Leia mais

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA 3. DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Neste último sub-capítulo do diagnóstico procurar-se-ão cruzar as diversas componentes analisadas nos pontos anteriores, numa dupla perspectiva: Análise externa - a avaliação

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA, IOLANDA CINTURA SEUANE, MINISTRA DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL DE MOÇAMBIQUE SOBRE O TEMA DESAFIOS DA PROTECÇÃO SOCIAL PARA ALCANÇAR A SEGURANÇA ALIMENTAR

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Indicadores de qualidade I Introdução Baseado em investigação anterior e na recolha de informação

Leia mais

A estratégia nacional para a melhoria da higiene das mãos em 10 perguntas

A estratégia nacional para a melhoria da higiene das mãos em 10 perguntas A estratégia nacional para a melhoria da higiene das mãos em 10 perguntas Patrocinador do Programa Nacional de Prevenção e Controlo da Infecção Associada aos Cuidados de Saúde Índice 1. O que é a estratégia

Leia mais

ALTERAÇÕES 35-98. PT Unida na diversidade PT 2011/0371(COD) 7.6.2012. Projeto de parecer Silvia-Adriana Țicău (PE487.940v01-00)

ALTERAÇÕES 35-98. PT Unida na diversidade PT 2011/0371(COD) 7.6.2012. Projeto de parecer Silvia-Adriana Țicău (PE487.940v01-00) PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia 2011/0371(COD) 7.6.2012 ALTERAÇÕES 35-98 Projeto de parecer Silvia-Adriana Țicău (PE487.940v01-00) sobre a proposta de regulamento

Leia mais

Declaração tripartida de Yaoundé sobre a instituição de um Pacote de Base de Protecção Social

Declaração tripartida de Yaoundé sobre a instituição de um Pacote de Base de Protecção Social Declaração tripartida de Yaoundé sobre a instituição de um Pacote de Base de Protecção Social Nós, os delegados tripartidos de 47 Estados Africanos membros da Organização Internacional do Trabalho ao Segundo

Leia mais

CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66. OTA Secretariado-Geral do Conselho

CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66. OTA Secretariado-Geral do Conselho CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66 OTA de: Secretariado-Geral do Conselho para: Delegações n.º doc. ant.: 14061/1/11 REV 1 SOC 759

Leia mais

O que esperar do SVE KIT INFORMATIVO PARTE 1 O QUE ESPERAR DO SVE. Programa Juventude em Acção

O que esperar do SVE KIT INFORMATIVO PARTE 1 O QUE ESPERAR DO SVE. Programa Juventude em Acção O QUE ESPERAR DO SVE Programa Juventude em Acção KIT INFORMATIVO Parte 1 Maio de 2011 Introdução Este documento destina-se a voluntários e promotores envolvidos no SVE. Fornece informações claras a voluntários

Leia mais

Conciliação entre vida profissional, familiar e privada

Conciliação entre vida profissional, familiar e privada C 102 E/492 Jornal Oficial da União Europeia PT 28.4.2004 P5_TA(2004)0152 Conciliação entre vida profissional, familiar e privada Resolução do Parlamento Europeu sobre a conciliação entre vida profissional,

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Índice Apresentação... 3 Principais Objectivos do Código... 3 Finalidade do Código de Ética... 4 Âmbito de Aplicação... 4 Serviço Público... 4 Missão... 5 Visão... 5 Responsabilidade

Leia mais

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1. Oferta Formativa 1.1. Dinamizar e consolidar a oferta formativa 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1.1.2. Promover o funcionamento de ciclos de estudos em regime

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP- UE Comissão de Desenvolvimento Económico, Finanças e Comércio 3.9.2007 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre o impacto do investimento directo estrangeiro (IDE) nos Estados

Leia mais

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização 1. Introdução O presente questionário ajudá-lo-á a reflectir sobre os esforços desenvolvidos pela sua empresa no domínio da responsabilidade empresarial,

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa ANA Aeroportos de Portugal, S.A. Missão, Visão e Valores Missão da ANA A ANA - Aeroportos de Portugal, SA tem como missão gerir de forma eficiente as infraestruturas aeroportuárias

Leia mais

Curso Temático Intensivo 1 - Gestão da qualidade nos sistemas de formação profissional e de desenvolvimento de competências

Curso Temático Intensivo 1 - Gestão da qualidade nos sistemas de formação profissional e de desenvolvimento de competências Curso Temático Intensivo 1 - Gestão da qualidade nos sistemas de formação profissional e de desenvolvimento de competências O programa do curso sobre a qualidade no desenvolvimento de competências irá

Leia mais

Relatório de Gestão da Responsabilidade Social SA 8000 1º Semestre de 2010

Relatório de Gestão da Responsabilidade Social SA 8000 1º Semestre de 2010 Relatório de Gestão da Responsabilidade Social SA 8000 estre de As questões sociais estão cada vez mais na ordem do dia, quer por parte de entidades governamentais, como de agentes económicos privados.

Leia mais

Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E.

Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. ÍNDICE INTRODUÇÃO 1. Empresa e Serviço Público Empresa Missão Visão Função Social e Responsabilidades Sociais 2. Princípios e Valores Estruturantes

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.11.2007 COM(2007) 686 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU que transmite o acordo-quadro europeu sobre assédio e violência no

Leia mais

(Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO

(Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO L 52/32 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO CONSELHO de 14 de Fevereiro de 2000 relativa à execução das políticas de emprego dos Estados-Membros

Leia mais

DECLARAÇÃO DE LISBOA ENCONTRO ANUAL LUSO HISPANO

DECLARAÇÃO DE LISBOA ENCONTRO ANUAL LUSO HISPANO DECLARAÇÃO DE LISBOA ENCONTRO ANUAL LUSO HISPANO ORDEM DOS MEDICOS DE PORTUGAL E CONSEJO GENERAL DE MEDICOS DE ESPAÑA Lisboa, 10-11 Novembro 2015 I.- O SISTEMA NACIONAL DE SAÚDE, EXPRESSÃO DE MODERNIDADE,

Leia mais

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS COMERCIAIS

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS COMERCIAIS CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS COMERCIAIS DIRECTRIZES DA APORMED AOS SEUS ASSOCIADOS SOBRE AS INTERACÇÕES COM OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE E O MERCADO DE PRODUTOS DE SAÚDE Documento aprovado na Assembleia-Geral

Leia mais

Página Web 1 de 1. Ana Oliveira

Página Web 1 de 1. Ana Oliveira Página Web 1 de 1 Ana Oliveira De: GEOTA [geota@mail.telepac.pt] Enviado: quarta-feira, 11 de Abril de 2001 20:53 Para: erse@erse.pt Assunto: Comentários do GEOTA à proposta de Revisão dos Regulamentos

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL A Conferência Geral, Reafirmando o seu compromisso com a plena realização dos direitos humanos e das liberdades fundamentais proclamadas na Declaração

Leia mais

Administração Central do Sistema de Saúde Workshop: Gestão do Processo de Integração Vertical das ULS. Jorge Varanda.

Administração Central do Sistema de Saúde Workshop: Gestão do Processo de Integração Vertical das ULS. Jorge Varanda. Administração Central do Sistema de Saúde Workshop: Gestão do Processo de Integração Vertical das ULS 1 Reconhecer a importância de planear atempadamente a alta do doente, num contexto de integração de

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva Preâmbulo A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e as práticas são concebidas para promover, tanto quanto possível, a aprendizagem de todos os alunos.

Leia mais

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros.

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros. Âmbito de aplicação O presente Código de Conduta aplica-se a toda a estrutura GUARDIAN Sociedade de Mediação de Seguros, Lda., seguidamente designada por GUARDIAN, sem prejuízo das disposições legais ou

Leia mais

O princípio da afirmação da sociedade civil.

O princípio da afirmação da sociedade civil. Dois dos Valores do PSD O Princípio do Estado de Direito, respeitante da eminente dignidade da pessoa humana - fundamento de toda a ordem jurídica baseado na nossa convicção de que o Estado deve estar

Leia mais

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 54 CAPA www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 CAPA 55 ENTREVISTA COM PAULO VARELA, PRESDIDENTE DA CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA PORTUGAL ANGOLA O ANGOLA DEVE APOSTAR NO CAPITAL HUMANO PARA DIVERSIFICAR

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575 Artigo 20.º Oferta formativa e monitorização 1 A oferta formativa destinada aos activos desempregados é assegurada através de cursos de educação

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Arronches. Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar

Agrupamento de Escolas de Arronches. Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar Agrupamento de Escolas de Arronches Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar João Garrinhas Agrupamento de Escolas de Arronches I. PRINCIPIOS, VALORES E MISSÃO DO AGRUPAMENTO

Leia mais

Curso de Língua Chinesa, Cultura e Dinâmica de Negócios para Empresários e Gestores na China

Curso de Língua Chinesa, Cultura e Dinâmica de Negócios para Empresários e Gestores na China Curso de Língua Chinesa, Cultura e Dinâmica de Negócios para Empresários e Gestores na China Lisboa, Janeiro de 2014 Realizar Negócios na China é o sonho de qualquer empresário mas pode ser uma realidade

Leia mais

Por uma Europa dos Direitos Humanos

Por uma Europa dos Direitos Humanos 1 Por uma Europa dos Direitos Humanos Manifesto da AEDH e dos seus membros com vista à eleição do Parlamento Europeu em 2014 Bruxelas, 11 de Novembro de 2013 1. Cidadania e democracia e respeito pelos

Leia mais

01. Missão, Visão e Valores

01. Missão, Visão e Valores 01. Missão, Visão e Valores 01. Missão, Visão e Valores 06 Missão, Visão e Valores Missão A missão do ICP-ANACOM reflecte a sua razão de ser, concretizada nas actividades que oferece à sociedade para satisfazer

Leia mais

B. O mercado de seguros de doença

B. O mercado de seguros de doença B. O mercado de seguros de doença 1. Tipos de coberturas associadas ao risco de doença Os seguros de doença e algumas coberturas específicas de outros riscos com eles intimamente relacionados têm vindo

Leia mais

Development Co-operation Report 2010. Relatório de Desenvolvimento e Cooperação 2010. Summary in Portuguese. Sumário em Português

Development Co-operation Report 2010. Relatório de Desenvolvimento e Cooperação 2010. Summary in Portuguese. Sumário em Português Development Co-operation Report 2010 Summary in Portuguese Relatório de Desenvolvimento e Cooperação 2010 Sumário em Português O relatório de Desenvolvimento e Cooperação, emitido pelo Comité de Ajuda

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE. PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2000 (Nº 2, alínea b), do artigo 5º da Decisão nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE. PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2000 (Nº 2, alínea b), do artigo 5º da Decisão nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE VERSION FINALE PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2000 (Nº 2, alínea b), do artigo 5º da Decisão nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União

Leia mais

Índice. rota 4. Enquadramento e benefícios 6. Selecção de fornecedores 8. Monitorização do desempenho de fornecedores 11

Índice. rota 4. Enquadramento e benefícios 6. Selecção de fornecedores 8. Monitorização do desempenho de fornecedores 11 rota 4 FORNECEDORES Rota 4 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Selecção de fornecedores 8 Percurso 2. Monitorização do desempenho de fornecedores 11 Percurso 3. Promoção do Desenvolvimento

Leia mais

Conferência de Imprensa OE - SE - SIPE - SERAM - SEP. 17 de Fevereiro 15H30. SANA Lisboa Hotel. Comunicado conjunto

Conferência de Imprensa OE - SE - SIPE - SERAM - SEP. 17 de Fevereiro 15H30. SANA Lisboa Hotel. Comunicado conjunto Conferência de Imprensa OE - SE - SIPE - SERAM - SEP 17 de Fevereiro 15H30 SANA Lisboa Hotel Comunicado conjunto Senhores jornalistas, Em primeiro lugar queremos agradecer a vossa presença. Ao convocar

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino. Cerimónia de Abertura do WTPF-09

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino. Cerimónia de Abertura do WTPF-09 INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng. Mário Lino Cerimónia de Abertura do WTPF-09 Centro de Congressos de Lisboa, 22 de Abril de 2009 (vale a versão

Leia mais

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT TURISMO: TENDÊNCIAS E SOLUÇÕES Exmos. Senhores Conferencistas, Antes de

Leia mais

Competências Farmacêuticas Farmácia Comunitária Versão 23.xi.15

Competências Farmacêuticas Farmácia Comunitária Versão 23.xi.15 Competências Farmacêuticas Farmácia Comunitária Versão 23.xi.15 1 Competência* reparar manipulados e formulações extemporâneas de medicamentos e produtos de saúde Conteúdos* Tipo de 2 Competência* Aquisição

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL ENTRE O GRUPO PORTUGAL TELECOM, A UNI (UNION NETWORK INTERNATIONAL), SINTTAV, STPT E SINDETELCO

CÓDIGO DE CONDUTA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL ENTRE O GRUPO PORTUGAL TELECOM, A UNI (UNION NETWORK INTERNATIONAL), SINTTAV, STPT E SINDETELCO CÓDIGO DE CONDUTA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL ENTRE O GRUPO PORTUGAL TELECOM, A UNI (UNION NETWORK INTERNATIONAL), SINTTAV, STPT E SINDETELCO PREÂMBULO O presente Acordo concretiza os objectivos das conversações

Leia mais

ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO. 11 de Março de 2011

ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO. 11 de Março de 2011 Ministério das Finanças e da Administração Pública ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO 11 de Março de 2011 Enquadramento No actual quadro de incerteza

Leia mais

RUMO AO FUTURO QUE QUEREMOS. Acabar com a fome e fazer a transição para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis

RUMO AO FUTURO QUE QUEREMOS. Acabar com a fome e fazer a transição para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis RUMO AO FUTURO QUE QUEREMOS Acabar com a fome e fazer a transição para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis O futuro que queremos não se concretizará enquanto a fome e a subnutrição persistirem,

Leia mais

Cascais Desenvolve Alcabideche e São Domingos de Rana Comissão Social de Freguesia de São Domingos de Rana

Cascais Desenvolve Alcabideche e São Domingos de Rana Comissão Social de Freguesia de São Domingos de Rana Cascais Desenvolve Alcabideche e São Domingos de Rana Comissão Social de Freguesia de São Domingos de Rana Março 2015 (FEDER, Fundo de Coesão, FSE, FEADER e FEAMP) DESENVOLVIMENTO LOCAL DE BASE COMUNITÁRIA

Leia mais

AVALIAÇÃO TEMÁTICA SOBRE A COOPERAÇÃO PORTUGUESA NA ÁREA DA ESTATÍSTICA (1998-2008) Sumário Executivo

AVALIAÇÃO TEMÁTICA SOBRE A COOPERAÇÃO PORTUGUESA NA ÁREA DA ESTATÍSTICA (1998-2008) Sumário Executivo AVALIAÇÃO TEMÁTICA SOBRE A COOPERAÇÃO PORTUGUESA NA ÁREA DA ESTATÍSTICA (1998-2008) Sumário Executivo Dezembro de 2009 SUMÁRIO EXECUTIVO A presente avaliação tem por objecto a Cooperação Portuguesa com

Leia mais

Curso de Pós-Licenciatura de Especialização em Enfermagem de Saúde Materna e Obstetrícia - CPLEESMO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS

Curso de Pós-Licenciatura de Especialização em Enfermagem de Saúde Materna e Obstetrícia - CPLEESMO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS UNIVERSIDADE DO MINHO ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Curso de Pós-Licenciatura de Especialização em Enfermagem de Saúde Materna e Obstetrícia - CPLEESMO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS BRAGA, MARÇO DE 2007 ÍNDICE

Leia mais

PEFC O QUE PRECISA SABER SOBRE A CERTIFICAÇÃO FLORESTAL PEFC/13-01-01 PROGRAMA PARA O RECONHECIMENTO DA CERTIFICAÇÃO FLORESTAL

PEFC O QUE PRECISA SABER SOBRE A CERTIFICAÇÃO FLORESTAL PEFC/13-01-01 PROGRAMA PARA O RECONHECIMENTO DA CERTIFICAÇÃO FLORESTAL PEFC TUDO O QUE PRECISA SABER SOBRE A CERTIFICAÇÃO FLORESTAL PEFC/13-01-01 PROGRAMA PARA O RECONHECIMENTO DA CERTIFICAÇÃO FLORESTAL PORQUE É IMPORTANTE CUIDAR DA FLORESTA? As florestas desempenham um papel

Leia mais

CEF/0910/27086 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27086 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27086 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Cofac

Leia mais

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 Comunicação da Comissão Critérios para a análise da compatibilidade dos auxílios estatais a favor de trabalhadores desfavorecidos e com deficiência sujeitos

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 26 de Novembro de 2010 (OR. en) 16864/10

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 26 de Novembro de 2010 (OR. en) 16864/10 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 26 de Novembro de 2010 (OR. en) 16864/10 ESPACE 19 COMPET 390 RECH 392 IND 161 TRANS 349 ENER 343 REGIO 95 ECOFIN 759 CODUN 47 ENV 804 EDUC 213 RESULTADO DOS TRABALHOS

Leia mais

NCE/10/01836 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/01836 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/01836 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fedrave - Fundação Para O Estudo E

Leia mais

INTRODUÇÃO 1 COMPROMISSO DA SONAE HOLDING

INTRODUÇÃO 1 COMPROMISSO DA SONAE HOLDING Índice INTRODUÇÃO... 2 1 COMPROMISSO DA SONAE HOLDING... 2 2 COMPROMISSO DOS COLABORADORES... 2 3 PRINCÍPIOS DE RELACIONAMENTO... 3 3.1 RELAÇÕES COM ADMINISTRADORES E COLABORADORES... 3 3.2 RELAÇÕES COM

Leia mais

A COMUNIDADE EUROPEIA (a seguir designada por "a Comunidade"), O REINO DA BÉLGICA, A REPÚBLICA CHECA, O REINO DA DINAMARCA,

A COMUNIDADE EUROPEIA (a seguir designada por a Comunidade), O REINO DA BÉLGICA, A REPÚBLICA CHECA, O REINO DA DINAMARCA, ACORDO DE COOPERAÇÃO RELATIVO A UM SISTEMA MUNDIAL DE NAVEGAÇÃO POR SATÉLITE (GNSS) PARA UTILIZAÇÃO CIVIL ENTRE A COMUNIDADE EUROPEIA E OS SEUS ESTADOS-MEMBROS, POR UM LADO, E O REINO DE MARROCOS, POR

Leia mais

NCE/10/01386 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/01386 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/01386 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Castelo Branco

Leia mais

Artigo para a revista Planeta Azul APA, Abril de 2010

Artigo para a revista Planeta Azul APA, Abril de 2010 Artigo para a revista Planeta Azul APA, Abril de 2010 P. Quando entrará em funcionamento o PNAAS? O Plano Nacional de Acção Ambiente e Saúde (PNAAS) foi aprovado pela Resolução de Conselho de Ministros

Leia mais

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente regulamento de avaliação de desempenho aplica-se a todos os docentes que se encontrem integrados na carreira. 2 - A avaliação

Leia mais

DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU

DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU ECA/09/69 DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU ******* APRESENTAÇÃO DO RELATÓRIO ANUAL RELATIVO AO EXERCÍCIO DE 2008 À COMISSÃO DO

Leia mais

Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009)

Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009) LEGISLAÇÃO Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009) ( DR N.º 21, Série I 30 Janeiro 2009 30 Janeiro 2009 ) Emissor: Ministério do Trabalho

Leia mais

PROTOCOLO ENERGIA POSITIVA CONTRA A OBESIDADE

PROTOCOLO ENERGIA POSITIVA CONTRA A OBESIDADE PROTOCOLO ENERGIA POSITIVA CONTRA A OBESIDADE A incidência e a prevalência quer da pré-obesidade quer da obesidade têm vindo a aumentar na União Europeia e, também, em Portugal, constituindo um importante

Leia mais

Regulamento Interno do Voluntariado. Aprovado em 20 de Maio de 2002

Regulamento Interno do Voluntariado. Aprovado em 20 de Maio de 2002 Aprovado em 20 de Maio de 2002 www.faad.online.pt 1/1 CAPÍTULO I NATUREZA, FINS E DEFINIÇÃO ARTIGO 1º 1. A Fundação de Aurélio Amaro Diniz é uma Instituição Particular de Solidariedade Social registada

Leia mais

POR UM SINDICATO MAIS FORTE NAS ESCOLAS E COM OS PROFESSORES

POR UM SINDICATO MAIS FORTE NAS ESCOLAS E COM OS PROFESSORES Sobre a MOÇÃO B POR UM SINDICATO MAIS FORTE NAS ESCOLAS E COM OS PROFESSORES Rosa Vaz* Ao longo dos últimos anos temos vindo a sentir os efeitos perversos de políticas governativas de direita que optam

Leia mais

Descentralização da rede de Call Centres: a experiência da PT Contact

Descentralização da rede de Call Centres: a experiência da PT Contact Descentralização da rede de call centres Descentralização da rede de Call Centres: a experiência da PT Contact Francisco Cesário PT Contact A PT CONTACT A PT Contact, Empresa do grupo Portugal Telecom,

Leia mais

Cuidados de Longa Duração na União Europeia

Cuidados de Longa Duração na União Europeia Cuidados de Longa Duração na União Europeia Comissão Europeia ÍNDICE Prefácio...1 Introdução...2 Desenvolvimentos da política nacional...4 1. Acesso a cuidados de longa duração adequados... 4 2. Elevado

Leia mais

O SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos ( pessoa colectiva de utilidade pública).

O SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos ( pessoa colectiva de utilidade pública). Ao Jornal I Jornalista Liliana Valente ENQUADRAMENTO PRÉVIO O SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos ( pessoa colectiva de utilidade pública). Com 44

Leia mais

Código de Ética Fevereiro de 2015

Código de Ética Fevereiro de 2015 Código de Ética Fevereiro de 2015 Índice 1. Âmbito de aplicação... 3 2. Ética... 3 2.1. Princípios e valores fundamentais... 3 2.2. Proibição de decisão em situação de conflito de interesses... 4 2.3.

Leia mais

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 10ª e 11ª Classes

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 10ª e 11ª Classes república de angola ministério da educação PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 10ª e 11ª Classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário FASE DE EXPERIMENTAÇÃO Ficha Técnica Título Programa de

Leia mais

ACORDO SOBRE AS LINHAS ESTRATÉGICAS DE REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL

ACORDO SOBRE AS LINHAS ESTRATÉGICAS DE REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL ACORDO SOBRE AS LINHAS ESTRATÉGICAS DE REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL Julho de 2006 1 O sistema de protecção social português encontra-se hoje, tal como na generalidade dos países desenvolvidos, perante desafios

Leia mais

I Fórum Crédito e Educação Financeira

I Fórum Crédito e Educação Financeira 25 de Janeiro de 2012 Pedro Duarte Neves A Importância Estratégica da Formação Financeira 2 A LITERACIA FINANCEIRA É UM PILAR ESTRATÉGICO DA ACTUAÇÃO DO BANCO DE PORTUGAL O Banco de Portugal tem dedicado

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. Mensagem do Presidente

1. INTRODUÇÃO. Mensagem do Presidente Data de início de vigência: 1 de setembro de 2013 1. INTRODUÇÃO Mensagem do Presidente O Mundo de hoje obriga-nos a uma presença em inúmeros quadrantes e a uma enorme capacidade para que possamos adaptar-nos

Leia mais