1ª PARTE: Língua Portuguesa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1ª PARTE: Língua Portuguesa"

Transcrição

1 1ª PARTE: Língua Portuguesa Cientistas criam células similares às embrionárias de maneira simples Do UOL, em São Paulo 29/01/ h39 > Atualizada 29/01/ h39 Em experimentos que podem iniciar uma nova era na biologia das células tronco, cientistas descobriram uma forma barata e fácil de reprogramar células maduras de um rato de volta a um estado similar ao embrionário, o que lhes permitiu gerar vários tipos de tecidos. A pesquisa sugere que células humanas poderiam no futuro ser reprogramadas com a mesma técnica, oferecendo assim uma maneira mais simples para substituir células danificadas ou desenvolver novos órgãos para pessoas doentes ou feridas. Tipos de células tronco: Há dois principais tipos de células tronco: as embrionárias, coletadas de embriões, e as adultas, que são tiradas da pele e do sangue e reprogramadas. Uma vez que a coleta de células tronco embrionárias requer a destruição de embriões humanos, a técnica é tema de preocupações éticas e sofre a oposição de grupos pró vida. Até agora, as células adultas não conseguiam ser transformadas em tantas células do corpo quanto as embrionárias. Dusko Ilic, do Kings College, em Londres, afirmou que a pesquisa relatada na Nature é uma grande descoberta científica. "Temos que ver se as células humanas vão responder da mesma maneira. Estou certo que o grupo está trabalhando nisso, e eu não ficaria surpreso se eles tivessem resultados ainda neste ano", disse Chris Mason, do setor de bioprocessamento médico regenerativo do University College London, na capital britânica, que não participou do trabalho, disse que o método era "o mais simples, barato e rápido" para gerar as chamadas células pluripotentes (as capazes de se desenvolver em vários tipos diferentes de células) a partir de cédulas maduras, as células normais do corpo, chamadas de somáticas. "Se funcionar com humanos, isso pode mudar todo o cenário, pode tornar possível terapias usando as células do próprio paciente como material inicial. A era da medicina personalizada iria finalmente chegar", afirmou. Os experimentos, relatados em dois artigos no periódico Nature nesta quarta feira (29), contaram com cientistas do centro Riken de biologia, no Japão, e da Escola de Medicina de Harvard, nos Estados Unidos. As chamadas células STAP (Aquisição de Pluripotência Desencadeada por Estímulo) têm algumas características que se assemelham a célulastronco embrionárias, mas com uma capacidade limitada de auto renovação. Elas representam um estado único de pluripotência, que, em condições de cultura de células tronco pluripotentes, podem se transformar em célulastronco semelhantes às embrionárias. 1

2 01. De acordo com o texto é correto afirmar: A) A descoberta de reprogramação de células tronco já é um realidade para pessoas com doenças degenerativas e órgãos danificados. B) Pessoas ligadas aos Direitos Humanos, entre outros, apoiam pesquisas com células tronco por compreenderem que o direito à vida é imprescindível a todo ser. C) Cientistas acreditam que, muito em breve, conseguirão desenvolver células pluripotentes que substituirão as célulastronco. D) Afirmar que a era da medicina personalizada iria finalmente chegar é o mesmo que afirmar que nada mais há para desvendar no que se refere à biogenética. 02. Observe o fragmento: As chamadas células STAP (Aquisição de Pluripotência Desencadeada por Estímulo) têm algumas características que se assemelham a células tronco embrionárias, mas com uma capacidade limitada de autorenovação. O termo em destaque, segundo as Normas da Gramática Brasileira, justifica se como: A) Pronome. B) Conjunção. C) Verbo. D) Substantivo. 04. Os experimentos, relatados em dois artigos no periódico Nature nesta quarta feira (29), contaram com cientistas do centro Riken de biologia, no Japão, e da Escola de Medicina de Harvard, nos Estados Unidos. O verbo em destaque, quando flexionado na 2ª pessoa do singular do modo imperativo afirmativo, fica: A) Contasse. B) Contarás. C) Conte. D) Conta. 05. A palavra célula tronco é composta por um hífen, segundo o Acordo Ortográfico firmado pela Comunidade de Países de Língua Portuguesa. Marque a alternativa que corresponde a regra acima: A) Anti religioso. B) Auto aprendizagem. C) Contra regra. D) Super racional. 03. Dado o fragmento: A pesquisa sugere que células humanas poderiam no futuro ser reprogramadas com a mesma técnica,... o termo em destaque, morfologicamente, é classificado como: A) Primeira pessoa do plural do presente do indicativo. B) Terceira pessoa do plural do futuro do pretérito do indicativo. C) Segunda pessoa do plural do futuro do subjuntivo. D) Terceira pessoa do pretérito imperfeito do subjuntivo. 2

3 2ª PARTE: Matemática Lógica RASCUNHO 06. Em 30 dias de trabalho Marcos acumula minutos de carga horária. Desta quantidade minutos são destinados para seu intervalo. Sabendo que a quantidade de horas trabalhadas são as mesmas todos os dias e que ele começa sua rotina as 9h15min, podemos afirmar que ele encerra as: A) 14h 15min B) 14h 45min C) 14h 50min D) 14h 55min 07. Uma empresa resolveu montar kits promocionais para seus clientes, com produtos relacionados a copa do mundo do Brasil. Para tal foram comprados: 160 camisas, 140 bonés e 168 cornetas de plástico. Cada kit contém um só tipo de produto, na mesma quantidade, sendo esta a máxima possível. Com isso, se forem utilizados todos os produtos, quantos kits teremos? A) 117 B) 118 C) 119 D) Sabendo que os círculos abaixo tem raio 1, então a área da região pintada de cinza vale: 3

4 C) 200 D) 100 RASCUNHO A) 9 B) 12π C) 9π D) Em uma manhã de domingo, estavam em um clube de lazer 78 sócios. 28 deles torcem para o Flamengo, 20 para o Corinthians, 12 para o Vasco, 10 para o Palmeiras e 8 para o São Paulo. Sem saber qual o time que cada um torce, qual é o número mínimo de sócios que devemos escolher para termos certeza que, dentre eles, 15 torcem para o mesmo time. A) 15 B) 59 C) 78 D) Escrevendo de 1 até 500, quantas vezes o número 1 aparece? A) 500 B) 250 4

5 3ª PARTE: Conhecimentos Específicos 11. O Censo Escolar propicia o controle estatístico da sua Unidade Escolar o qual deverá ser alimentado durante todo o ano letivo, com cópias de segurança. No início de cada ano letivo deverá ser informado a Secretaria de Educação, o censo do ano anterior, a respeito da realidade escolar, no que tange: I) Especificamente ao número de alunos que frequentaram a sua escola. II) A quantidade e demais dados dos professores que atuaram no ano letivo anterior. III) Ao número de alunos matriculados, transferidos, admitidos e desistentes. IV) A área física da escola, todos os profissionais da área administrativa e demais dados correlatos. Considerando as assertivas acima, marque a alternativa correta: A) Somente a I é falsa. B) Somente I é verdadeira. C) Somente I e III são verdadeiras. D) Somente a II e a IV são verdadeiras. 12. Quanto as principais atividades desenvolvidas em uma Secretaria Escolar, assinale a alternativa correta: A) Realizar o atendimento, conduzir o expediente e organizar o arquivo. B) Realizar o atendimento, conduzir o expediente, organizar o arquivo e preparar a documentação. C) Realizar o atendimento. D) Realizar o atendimento e conduzir o expediente. 13. Constituem registros indispensáveis na documentação expedida pela instituição escolar: A) Timbre da instituição, datas e registro em livros específicos. B) Timbre da instituição e nome do Secretário Escolar. C) Datas e registro dos documentos expedidos em livros específicos. D) Data e assinaturas do Diretor e Secretário Escolar, devidamente acompanhadas do nome por extenso, cargo e número do CPF e/ou portaria. 14. A Administração Escolar enquanto atividade desenvolvida no âmbito da Secretaria de Escola contempla: A) Os processos de preparo da alimentação escolar, incluindo cardápios, per capitas e alunos frequentes. B) As atividades desenvolvidas pelo diretor da unidade de ensino. C) A vida da escola, incluindo toda a documentação de alunos, de professores e da instituição, com seus livros e registros fidedignos e atualizados. D) A vida dos alunos, incluindo diários de classe, boletins, histórico escolar, faturas e declarações. 15. O arquivo é o lugar onde são guardadas as informações dos alunos, que devem estar acessíveis no momento da busca ao documento. De acordo com a assertiva, é correto afirmar que a finalidade principal do arquivo, é: A) Organizar a documentação de acordo com o método de arquivamento adotado. B) Selecionar as correspondências oficiais. C) Guardar todos os documentos, separando os expedidos e os recebidos. D) Arrumar as cópias dos documentos enviados por fax e e mail. 5

6 16. O Secretário Escolar, no exercício de suas funções na Unidade Escolar exerce atividades burocráticas e de atendimento ao público. Dentre estas atividades, são competências específicas do Secretário Escolar, EXCETO: A) Prestar assistência à inspeção, à supervisão escolar e ao Conselho de Classe, apresentando as situações que mereçam interferência e apoio no interesse da escola. B) Ter sob sua responsabilidade apenas livros e equipamentos da Secretaria. C) Gerenciar os processos de matrículas, transferências e comunicação externa. D) Manter o regimento da escola em local de fácil acesso a toda comunidade escolar, incluídos nela os pais dos alunos. 17. As pastas individuais dos alunos serão organizadas por ano, série, ciclo ou nível, turma e turno, e por ordem alfabética. Nelas estarão guardados os documentos componentes de vidas escolares, como, por exemplo: A) Ficha de matrícula, histórico escolar e relatório de atividades anuais. B) Ficha de matrícula, ficha de acompanhamento individual e diário de classe. C) Ficha de matrícula, ficha de acompanhamento individual e atestado médico. D) Boletim, transferência e diário de classe. 18. É dever do estabelecimento escolar garantir aos alunos a regulamentação de sua vida escolar. Para tanto, é atribuição do Secretário Escolar: A) Expedir históricos escolares, declarações de conclusão de série e diplomas ou certificados de conclusão de cursos, com as especificações cabíveis. B) Matricular, com dependência, o aluno que não apresentar documentação comprobatória. C) Oferecer avanço de estudos sempre que o aluno o solicitar. D) Garantir o controle de frequência às aulas, de acordo com critérios estabelecidos pelo Conselho de Classe. 19. Constitui objetivo da Secretaria de uma escola: A) Assessorar a direção da escola na gestão pedagógica. B) Administrar os conflitos entre os estudantes durante o recreio da escola. C) Controlar a frequência ao trabalho pelos professores e demais servidores da escola, e confeccionar folha de pagamento. D) Responsabilizar se pela documentação da vida da instituição de ensino, sua escrituração e registro nos livros e demais documentos em âmbitos interno e externo. 20. Correspondência oficial requer redação técnica, com algumas recomendações especiais. Considerando este aspecto, assinale a alternativa INCORRETA: A) A linguagem deve ser clara e o conteúdo bem objetivo e claro para evitar compreensão ambígua. B) Deve ser observado o tipo de linguagem para cada correspondência, a estrutura do texto, o espaçamento e a forma de iniciar e finalizar o texto. C) Utilizar a linguagem empresarial na sua natureza normal, urgente. D) Ordenar o assunto e os termos, dar a melhor colocação a cada palavra. 21. A organização do arquivo escolar deverá atender às seguintes características: I. Inviolabilidade e segurança, com acesso restrito ao Diretor da Escola. II. Codificação de forma que só o Secretário Escolar tenha acesso. III. Acessibilidade a todos que precisarem de consulta. 6

7 IV. Simplicidade de organização, visando localizar facilmente qualquer documento desejado. V. Segurança e seguir critérios que facilitem a consulta dos que dele dependem. São VERDADEIRAS apenas as seguintes características: A) I e III. B) II e IV. C) IV e V. D) I, II e III. 22. Em relação aos livros de escrituração escolar, enumere a segunda coluna de acordo com a primeira. 1ª COLUNA 1. Livro de Matrícula de Alunos. 2. Livro de Atas de Resultados Finais. 3. Livro de Atas Especiais. 4. Livro de Registro de Certificados e Diplomas. 5. Livro de Ponto. 6. Livro de Protocolo. 7. Livro de Atas. 2ªCOLUNA ( ) Registra a regularização da vida escolar do aluno, como adaptação, classificação, reclassificação, aproveitamento de estudos e recuperação. ( ) Registra a frequência diária dos professores, técnicos e demais servidores da escola. ( ) Registra a saída e entrada de correspondências e documentos. ( ) Registra a passagem de todos os alunos na escola. ( ) Registra o resultado final de todos os alunos matriculados no decorrer do ano letivo. ( ) Registra as ocorrências das reuniões da congregação escolar. ( ) Registra os certificados e os registros expedidos após a conclusão do curso. A correspondência correta está assinalada em: A) 3, 5, 6, 1, 2, 7, 4. B) 3, 5, 6, 2, 1, 7, 4. C) 3, 6, 5, 1, 2, 7, 4. D) 4, 5, 6, 1, 2, 7, Considera se uma escola regular e capaz de emitir certificação de cursos por ela ministrados, com valor em todo território nacional, aquela que possui: A) Alvará de funcionamento emitido pela autoridade competente. B) Ato emitido pelo Secretário de Educação. C) Lei de criação emitida pelo representante do executivo. D) Ato legal emitido pelo Conselho de Educação do seu sistema de ensino, credenciando a e declarando a regularidade de seus cursos. 24. Quanto às modalidades mais usuais de arquivos da secretaria de uma escola, assinale a alternativa correta: A) Arquivo vivo, arquivo de movimento, arquivo morto e arquivo permanente. B) Arquivo vivo, ou dinâmico, ou ainda, de movimento, e arquivo morto, ou estático, ou ainda, permanente. C) Arquivo vivo, arquivo morto e arquivo permanente. D) Arquivo vivo, arquivo de movimento e arquivo morto. 25. Tendo por base o Art. 24 da Lei nº 9.394/96, Lei das Diretrizes e Bases da Educação, o controle da frequência fica a cargo da escola, exigida para aprovação a frequência mínima de: A) Setenta por cento dos dias letivos. B) Setenta por cento em cada componente escolar. C) Setenta e cinco por cento do total de horas letivas. D) Setenta por cento do total de horas letivas. 26. Assinale a alternativa que contém exclusivamente documentos arquivados no arquivo morto: 7

8 A) Relatórios de anos anteriores e ficha de matrícula do ano corrente. B) Pasta individual de ex alunos e diários de classe de anos anteriores. C) Diários de classe e livro para registro de certificados. D) Ficha de matrícula do ano em curso e regimento escolar. 27. Dentre as funções destacadas abaixo, são atribuições diretas do Secretário Escolar: I) Responsabilizar se pelos arquivos ativo e inativo que contenham todos os registros escolares. II) Promover atividades escolares que visem à integração do corpotécnico/administrativo/pedagógico/ docente. III) Administrar o pessoal lotado na escola e praticar atos administrativos. IV) Organizar e manter atualizados os atos normativos, diretrizes educacionais, a legislação de ensino e outros documentos que dizem respeito às atividades desenvolvidas pela instituição de ensino. V) Incinerar documentos escolares, em conformidade com a legislação vigente. A) Escrituração escolar. B) Matrícula escolar. C) Arquivo escolar. D) Organização escolar. 30. As Leis nº /05 e nº /06, ao alterarem dispositivos da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, dispuseram que o Ensino Fundamental tem matrícula obrigatória a partir de e duração de. Assinale a alternativa que complete CORRETAMENTE: A) 5 anos de idade 9 anos. B) 6 anos de idade 8 anos. C) 6 anos de idade 9 anos. D) 7 anos de idade 8 anos. São VERDADEIROS apenas os itens: A) I, II e III. B) II, III e IV. C) I, IV e V. D) I, III e IV. 28. Na Secretaria da Escola, o setor dedicado ao registro de entrada e saída de documentos, denomina se: A) Diretoria. B) Protocolo. C) Arquivo. D) Coordenadoria. 29. Ao registro sistemático de fatos relativos ao estabelecimento de ensino e ao aluno, tendo em vista assegurar a verificação da identidade do aluno e da regularidade e autenticidade de sua vida escolar, chamamos de: 8

1ª PARTE: Língua Portuguesa

1ª PARTE: Língua Portuguesa 1ª PARTE: Língua Portuguesa Cientistas criam células similares às embrionárias de maneira simples Do UOL, em São Paulo 29/01/2014 12h39 > Atualizada 29/01/2014 18h39 Em experimentos que podem iniciar uma

Leia mais

1ª PARTE: Língua Portuguesa

1ª PARTE: Língua Portuguesa 1ª PARTE: Língua Portuguesa Cientistas criam células similares às embrionárias de maneira simples Do UOL, em São Paulo 29/01/2014 12h39 > Atualizada 29/01/2014 18h39 Em experimentos que podem iniciar uma

Leia mais

EDITAL 002/2013 PROCESSO SELETIVO 1º SEMESTRE DE 2014. Bacharelados: Administração; Educação Física; Nutrição e Enfermagem

EDITAL 002/2013 PROCESSO SELETIVO 1º SEMESTRE DE 2014. Bacharelados: Administração; Educação Física; Nutrição e Enfermagem EDITAL 002/2013 PROCESSO SELETIVO 1º SEMESTRE DE 2014 Guilherme Bernardes Filho, Mantenedor das Faculdades Integradas ASMEC, no uso de suas atribuições, torna público que, a partir de 19 de setembro de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO ESCOLA MUNICIPAL DE TEMPO INTEGRAL CAROLINE CAMPELO CRUZ DA SILVA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO ESCOLA MUNICIPAL DE TEMPO INTEGRAL CAROLINE CAMPELO CRUZ DA SILVA 1. DO OBJETO: PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO ESCOLA MUNICIPAL DE TEMPO INTEGRAL CAROLINE CAMPELO CRUZ DA SILVA EDITAL DE SELEÇÃO SIMPLIFICADA DE PROFISSIONAIS A Secretaria

Leia mais

EDITAL DO 1º PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS SUPERIORES NA MODALIDADE PRESENCIAL - VESTIBULAR 1º SEMESTRE - 2015

EDITAL DO 1º PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS SUPERIORES NA MODALIDADE PRESENCIAL - VESTIBULAR 1º SEMESTRE - 2015 EDITAL DO 1º PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS SUPERIORES NA MODALIDADE PRESENCIAL - VESTIBULAR 1º SEMESTRE - 2015 A Faculdade Meta - FAMETA, Instituição de Ensino Superior comprometida a observar o padrão

Leia mais

EDITAL DO1º PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS SUPERIORES NA MODALIDADE PRESENCIAL - VESTIBULAR 1º SEMESTRE - 2015

EDITAL DO1º PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS SUPERIORES NA MODALIDADE PRESENCIAL - VESTIBULAR 1º SEMESTRE - 2015 EDITAL DO1º PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS SUPERIORES NA MODALIDADE PRESENCIAL - VESTIBULAR 1º SEMESTRE - 2015 A Faculdade FAPAN Instituição de Ensino Superior comprometida a observar o padrão de qualidade

Leia mais

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais

I. conhecer o Projeto Político-Pedagógico deste estabelecimento d e ensino;

I. conhecer o Projeto Político-Pedagógico deste estabelecimento d e ensino; Compete ao Secretário Escolar: I. conhecer o Projeto Político-Pedagógico deste estabelecimento d e ensino; II. cumprir a legislação em vigor e as instruções normativas emanadas da SEED, que regem o registro

Leia mais

EDITAL Nº 002/2011 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA

EDITAL Nº 002/2011 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA EDITAL Nº 002/2011 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA INSCRIÇÃO, SELEÇÃO E MATRÍCULA 1. INFORMAÇÕES GERAIS A direção da Faculdade de Ciências, Educação e Tecnologia de Garanhuns da Universidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 190/00-CEE/MT.

RESOLUÇÃO Nº 190/00-CEE/MT. RESOLUÇÃO Nº 190/00-CEE/MT. Fixa normas complementares, para o Sistema Estadual de Ensino, à lmplementação das Diretrizes Curriculares para a Formação de Professores da Educação Infantil e dos anos iniciais

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

ESCOLA DE ENFERMAGEM REGIMENTO

ESCOLA DE ENFERMAGEM REGIMENTO ESCOLA DE ENFERMAGEM REGIMENTO Organização Administrativa e Técnica TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E TÉCNICA CAPÍTULO I DA ESTRUTURA FUNCIONAL Art. 7º A organização administrativa e técnica da

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

NOSSA ESCOLA... 29 ANOS DE TRADIÇÃO E QUALIDADE, FAZENDO HISTÓRIA NO PRESENTE E NO FUTURO!!! Do Maternal I ao 5º ano SERVIÇOS E CURSOS QUE OFERECEMOS

NOSSA ESCOLA... 29 ANOS DE TRADIÇÃO E QUALIDADE, FAZENDO HISTÓRIA NO PRESENTE E NO FUTURO!!! Do Maternal I ao 5º ano SERVIÇOS E CURSOS QUE OFERECEMOS NOSSA ESCOLA... 29 ANOS DE TRADIÇÃO E QUALIDADE, FAZENDO HISTÓRIA NO PRESENTE E NO FUTURO!!! Do Maternal I ao 5º ano SERVIÇOS E CURSOS QUE OFERECEMOS EDUCAÇÃO INFANTIL Maternal I ao jardim II Faixa etária:

Leia mais

EDITAL nº 03/2015 TRANSFERÊNCIA EXTERNA E PORTADORES DE DIPLOMA

EDITAL nº 03/2015 TRANSFERÊNCIA EXTERNA E PORTADORES DE DIPLOMA EDITAL Nº 03/2015 O Diretor da Faculdade Metropolitana de Anápolis FAMA, no uso de suas atribuições e demais disposições legais, aprova e torna público o processo seletivo para transferência de candidatos

Leia mais

1ª PARTE: Língua Portuguesa

1ª PARTE: Língua Portuguesa 1ª PARTE: Língua Portuguesa Cientistas criam células similares às embrionárias de maneira simples Do UOL, em São Paulo 29/01/2014 12h39 > Atualizada 29/01/2014 18h39 Em experimentos que podem iniciar uma

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSOS SUPERIORES SUMÁRIO Apresentação...03 Regulamentação de estágio Estágio...04 Matrícula de estágio...05 Carga Horária e prazo para conclusão...05

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO Licenciaturas em: - Geografia - História - Informática - Letras

MANUAL DE ESTÁGIO Licenciaturas em: - Geografia - História - Informática - Letras MANUAL DE ESTÁGIO Licenciaturas em: - Geografia - História - Informática - Letras Rio de Janeiro Julho/2013 1. Apresentação O presente Manual foi reorganizado pelos membros do Colegiado dos Cursos de Licenciatura

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº. 08/2013

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº. 08/2013 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº. 08/2013 Processo Seletivo Público para preenchimento de vaga de estágio. O Prefeito Municipal de Pejuçara, no uso das suas atribuições constitucionais e legais,

Leia mais

ADMISSÃO PARA OS CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO 2015.2A EDITAL Nº 19

ADMISSÃO PARA OS CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO 2015.2A EDITAL Nº 19 ADMISSÃO PARA OS CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO 2015.2A EDITAL Nº 19 SUMÁRIO 1. Da validade 3 2. Das inscrições 3 3. Das entrevistas, avaliação de currículo e de histórico escolar 3 4. Da classificação 4 5.

Leia mais

ASSOCIAÇÃO JUINENSE DE ENSINO SUPERIOR DO VALE DO JURUENA AJES INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA

ASSOCIAÇÃO JUINENSE DE ENSINO SUPERIOR DO VALE DO JURUENA AJES INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA ASSOCIAÇÃO JUINENSE DE ENSINO SUPERIOR DO VALE DO JURUENA AJES INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO Ata Nº. 0072 Aos vinte e dois dias

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA SME nº 03/2014

CHAMADA PÚBLICA SME nº 03/2014 GOVERNO MUNICIPAL DE CAUCAIA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SME DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO ANOS FINAIS CHAMADA PÚBLICA SME nº 03/2014 Chamada Pública para Participação em Curso de Língua

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM CAPÍTULO I DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E SUAS FINALIDADES Art. 1º. As atividades complementares, no âmbito do Curso de Enfermagem,

Leia mais

1. DA MODALIDADE DO PROGRAMA E DOS SEUS OBJETIVOS

1. DA MODALIDADE DO PROGRAMA E DOS SEUS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DOS CURSOS DE DESENVOLVIMENTO DE SERVIDORES PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS 1. DA MODALIDADE DO PROGRAMA E DOS SEUS OBJETIVOS

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA I - INTRODUÇÃO Art. 1º Art. 2º O presente regulamento tem por finalidade normatizar as Atividades Complementares do Curso de

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP A Coordenadora da Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros FACIT, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO PARA OS CURSOS TÉCNICOS E SUPERIORES DO IFSULDEMINAS

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO PARA OS CURSOS TÉCNICOS E SUPERIORES DO IFSULDEMINAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO PARA OS CURSOS TÉCNICOS E SUPERIORES

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CME Nº 02/2011 Dispõe sobre o processo de avaliação, recuperação, promoção, colegiado de classe e recursos de ato avaliativo para o Ensino

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E NORMAS DELIBERAÇÃO CEE Nº

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E NORMAS DELIBERAÇÃO CEE Nº GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E NORMAS DELIBERAÇÃO CEE Nº 253 /2000 Fixa normas para matrícula de alunos na Educação

Leia mais

Coordenação do Processo Seletivo

Coordenação do Processo Seletivo Coordenação do Processo Seletivo Edital nº 003/14 Processo Seletivo Verão 2015-1 A Diretora Geral da Faculdade Catuaí, mantida pela Associação de Ensino de Cambé, com base em dispositivos constantes de

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. Este Regulamento define, no âmbito da Faculdade INEDI, as atividades complementares, bem como os procedimentos a serem

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSOS TÉCNICOS Revisão: setembro/2012 Escola SENAI Santos Dumont CFP 3.02 Rua Pedro Rachid, 304 Santana São José dos Campos - SP Fone: (12) 3519-4850 Fax: (12) 3922-9060 ELABORAÇÃO

Leia mais

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) -

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) - CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Participar do processo de planejamento e elaboração da proposta pedagógica da escola; orientar a aprendizagem dos alunos; organizar as atividades inerentes ao processo

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES. Cursos de Bacharelado e Licenciatura

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES. Cursos de Bacharelado e Licenciatura REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES Cursos de Bacharelado e Licenciatura 2ª EDIÇÃO JANEIRO DE 2014 Mod. 02-01/2014 1 SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 CAPÍTULO II DOS REQUISITOS E DA CARGA HORÁRIA...

Leia mais

Apresentação Edital, você Candidato SEJA BEM VINDO! Edital 2010/2

Apresentação  Edital, você Candidato SEJA BEM VINDO! Edital 2010/2 Apresentação Atendendo à demanda dos que buscam um ensino de qualidade, a Faculdade Novo Milênio abre inscrições para o Processo Seletivo 2010/2. A certeza do trabalho que vem desenvolvendo em favor de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

Manual do Candidato da Graduação. Processos Seletivos

Manual do Candidato da Graduação. Processos Seletivos 1 ESCOLA SUPERIOR NACIONAL DE SEGUROS Manual do Candidato da Graduação Processos Seletivos Rua Senador Dantas, 74 Térreo; 2º e 3º andares Centro Rio de Janeiro RJ Tel. 33801044 33801046 33801535 2 A Escola

Leia mais

SOBRESP - Faculdade de Ciências da Saúde Edital 001/2015 PROCESSO SELETIVO

SOBRESP - Faculdade de Ciências da Saúde Edital 001/2015 PROCESSO SELETIVO SOBRESP - Faculdade de Ciências da Saúde Edital 001/2015 PROCESSO SELETIVO A Direção da SOBRESP - Faculdade de Ciências da Saúde torna públicas as normas a seguir, que regem o Processo Seletivo Vestibular

Leia mais

3º Um mínimo de 10% das atividades complementares realizadas pelos alunos deverá envolver

3º Um mínimo de 10% das atividades complementares realizadas pelos alunos deverá envolver O Diretor Geral da Faculdade São Judas Tadeu, no uso de suas atribuições regimentais e por decisão do Conselho Superior em Reunião Ordinária no dia 26 de agosto de 2015, instrui: Art. 1 o Compõem as atividades

Leia mais

Assim, a avaliação da aprendizagem possibilita ao professor consciência sobre o curso dos processos e dos resultados educativos.

Assim, a avaliação da aprendizagem possibilita ao professor consciência sobre o curso dos processos e dos resultados educativos. SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO III- A PORTARIA E/SAPP Nº 48/2004: ASPECTOS CENTRAIS Uma concepção de avaliação Os artigos 1º e 2º da Portaria E/SAPP 48/04 destacam a concepção de avaliação que fundamenta

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS Dispõe sobre os estágios realizados pelos discentes do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais - IFMG, em cumprimento da Lei nº 11.788, de 25 de setembro

Leia mais

LEI N.º 4.013 de 17 de dezembro de 2010.

LEI N.º 4.013 de 17 de dezembro de 2010. LEI N.º 4.013 de 17 de dezembro de 2010. O PREFEITO MUNICIPAL DE URUGUAIANA: Cria Cargos de Professor para os Níveis da Educação Infantil e do Ensino Fundamental, de provimento efetivo, no Quadro de Pessoal

Leia mais

SELEÇÃO DE PROFESSORES FORMADORES PARA O PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA (PNAIC) 2014

SELEÇÃO DE PROFESSORES FORMADORES PARA O PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA (PNAIC) 2014 SELEÇÃO DE PROFESSORES FORMADORES PARA O PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA (PNAIC) 2014 A Coordenação do PNAIC/UFMA faz saber que estarão abertas as inscrições para o processo de seleção

Leia mais

Edital 009/16 DAC Apucarana, 02 de maio de 2016. EDITAL

Edital 009/16 DAC Apucarana, 02 de maio de 2016. EDITAL Edital 009/16 DAC Apucarana, 02 de maio de 2016. A Direção Acadêmica da Faculdade de Apucarana - FAP, no uso de suas competências e demais disposições legais, aprova e torna público o seguinte EDITAL 1.

Leia mais

EDITAL DO 2º PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS SUPERIORES NA MODALIDADE PRESENCIAL - VESTIBULAR 1º SEMESTRE - 2015

EDITAL DO 2º PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS SUPERIORES NA MODALIDADE PRESENCIAL - VESTIBULAR 1º SEMESTRE - 2015 EDITAL DO 2º PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS SUPERIORES NA MODALIDADE PRESENCIAL - VESTIBULAR 1º SEMESTRE - 2015 A Faculdade Panamericana de Ji Paraná (UNIJIPA), Instituição de Ensino Superior comprometida

Leia mais

EDITAL Nº 01/2012 PROCESSO DE SELEÇÃO - 2012

EDITAL Nº 01/2012 PROCESSO DE SELEÇÃO - 2012 EDITAL Nº 01/2012 PROCESSO DE SELEÇÃO - 2012 1º A FACULDADE CATÓLICA DA SANTA CATARINA, credenciada pelo Ministério da Educação, pela Portaria n. 1.823, de 30 de dezembro de 2012, publicada no Diário Oficial

Leia mais

DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO

DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO PARAÍBA DO SUL RJ 2014 2 DA NATUREZA Art. 1. Os alunos do curso de graduação em Arquitetura e Urbanismo da Faculdade

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO UNIESP ARAÇATUBA

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO UNIESP ARAÇATUBA INSTITUTO EDUCACIONAL DO ESTADO DE SÃO PAULO - IESP 0 FAAR FACULDADE DE ARAÇATUBA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO UNIESP ARAÇATUBA Elaboração: Profa. Isabel Cristina

Leia mais

EDITAL Nº. 01/2013 Projeto de Extensão Tentáculos Cursinho Pré- Vestibular/PROEX/UFGD

EDITAL Nº. 01/2013 Projeto de Extensão Tentáculos Cursinho Pré- Vestibular/PROEX/UFGD EDITAL Nº. 01/2013 Projeto de Extensão Tentáculos Cursinho Pré- Vestibular/PROEX/UFGD A Coordenação do Projeto de Extensão Tentáculos Cursinho Pré- Vestibular/PROEX/UFGD, no uso das atribuições legais,

Leia mais

ADMISSÃO PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO 2015.2B EDITAL Nº 4

ADMISSÃO PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO 2015.2B EDITAL Nº 4 ADMISSÃO PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO 2015.2B EDITAL Nº 4 SUMÁRIO 1. Da validade 3 2. Das inscrições 3 3. Das entrevistas, avaliação de currículo e de histórico escolar 3 4. Da classificação 4 5. Do

Leia mais

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO A INFORMAÇÃO DE DISCIPLINAS NO CENSO ESCOLAR

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO A INFORMAÇÃO DE DISCIPLINAS NO CENSO ESCOLAR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA CENSO ESCOLAR

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Engenharia da Computação Campus de Sobral. Regulamento de Programa de Atividades Complementares

Universidade Federal do Ceará Engenharia da Computação Campus de Sobral. Regulamento de Programa de Atividades Complementares Universidade Federal do Ceará Engenharia da Computação Campus de Sobral Regulamento de Programa de Atividades Complementares Abril de 2010 SUMÁRIO Sumário INTRODUÇÃO... 3 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3

Leia mais

ADMISSÃO PARA OS CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO 2015.2B EDITAL Nº 18.2B

ADMISSÃO PARA OS CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO 2015.2B EDITAL Nº 18.2B ADMISSÃO PARA OS CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO 2015.2B EDITAL Nº 18.2B SUMÁRIO 1. Da validade 3 2. Das inscrições 3 3. Das entrevistas, avaliação de currículo e de histórico escolar 3 4. Da classificação 4

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Secretaria Municipal de Educação. Resolução COMEV Nº. 01/2014

Prefeitura Municipal de Vitória Secretaria Municipal de Educação. Resolução COMEV Nº. 01/2014 Prefeitura Municipal de Vitória Secretaria Municipal de Educação Resolução COMEV Nº. 01/2014 Fixa normas relativas à Organização e Funcionamento do Ciclo Inicial de Aprendizagem do Ensino Fundamental na

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA MATRÍCULA PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA MATRÍCULA PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA MATRÍCULA PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE 1. DO PROGRAMA 1.1 Os cursos gratuitos do Programa Senac de Gratuidade (PSG) destinam-se a pessoas de baixa renda, na condição de alunos

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 04/2011

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 04/2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES FARMÁCIA

DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES FARMÁCIA DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES FARMÁCIA CACOAL - RO 2011 Considerando as exigências da LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL, no atinente às Atividades Complementares

Leia mais

Edital Processo Seletivo - 2º semestre de 2011

Edital Processo Seletivo - 2º semestre de 2011 Edital Processo Seletivo - 2º semestre de 2011 O Instituto de Ensino Superior João Alfredo de Andrade, por sua Comissão Organizadora do Processo Seletivo, instituída em caráter permanente pela Portaria

Leia mais

ADMISSÃO PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO 2015.2A EDITAL Nº 11. Recife,2015

ADMISSÃO PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO 2015.2A EDITAL Nº 11. Recife,2015 ADMISSÃO PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO 2015.2A EDITAL Nº 11 Recife,2015 Sumário Edital nº 9 - Admissão de alunos para os cursos de Pós-Graduação A Faculdade Boa Viagem (FBV/Devry), estabelecimento de

Leia mais

PORTARIA Nº. 14/REITORIA/10, de 5 de julho de 2010 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

PORTARIA Nº. 14/REITORIA/10, de 5 de julho de 2010 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO PORTARIA Nº. 14/REITORIA/10, de 5 de julho de 2010 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Institui e estabelece critérios para o Aproveitamento de Estudos e Verificação de Proficiência para fins de certificação

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Em conformidade com a Resolução CNE/CES n 1, de 08 de Junho de 2007 e o Regimento da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (Aprovado pelo Parecer CONSEPE

Leia mais

Art. 3º. A taxa de Inscrição será no valor de R$ 30,00 (trinta reais). Em hipótese alguma será devolvido o valor pago.

Art. 3º. A taxa de Inscrição será no valor de R$ 30,00 (trinta reais). Em hipótese alguma será devolvido o valor pago. EDITAL N 03 /2011-2 - VESTIBULAR, CONCURSO PRINCIPAL E PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO CONTINUADO DO CENTRO UNIVERSITARIO DE MINEIROS UNIFIMES MANTIDO PELA FUNDAÇÃO INTEGRADA MUNICIPAL DE ENSINO SUPERIOR

Leia mais

EDITAL Nº. 03/2014 Projeto de Extensão Tentáculos Cursinho PRÉ- VESTIBULAR/PROEX/UFGD

EDITAL Nº. 03/2014 Projeto de Extensão Tentáculos Cursinho PRÉ- VESTIBULAR/PROEX/UFGD EDITAL Nº. 03/2014 Projeto de Extensão Tentáculos Cursinho PRÉ- VESTIBULAR/PROEX/UFGD O Projeto de Extensão Tentáculos Cursinho Pré-Vestibular, TORNA PÚBLICA A ABERTURA DE PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO

Leia mais

INSTRUÇÃO N.º 008/08- SUED/SEED

INSTRUÇÃO N.º 008/08- SUED/SEED INSTRUÇÃO N.º 008/08- SUED/SEED Estabelece normas para atuação do profissional tradutor e intérprete de Língua Brasileira de Sinais - Libras/Língua Portuguesa - TILS nos Estabelecimentos de Ensino da rede

Leia mais

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR. Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR. Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES Art. 1º - O Estágio Curricular, baseado na lei nº 6.494,

Leia mais

Normas referentes a disciplina FR904 - Atividades Complementares do Curso de Ciências Farmacêuticas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Normas referentes a disciplina FR904 - Atividades Complementares do Curso de Ciências Farmacêuticas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Normas referentes a disciplina FR904 - Atividades Complementares do Curso de Ciências Farmacêuticas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Considerando: A Lei 9.394 de 1996. Lei de Diretrizes

Leia mais

10/04/2015 regeral_133_146

10/04/2015 regeral_133_146 Seção VI Da Transferência Art. 96. A UNIR aceita transferência de discentes oriundos de outras instituições de educação superior, de cursos devidamente autorizados, para cursos afins, na hipótese de existência

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE SÃO GOTARDO ltda. Avenida Francisco Resende Filho, 35 - São Gotardo/MG CEP 38800-000

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE SÃO GOTARDO ltda. Avenida Francisco Resende Filho, 35 - São Gotardo/MG CEP 38800-000 PORTARIA Nº 21, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2005 Dispõe sobre a regulamentação dos Programas de Pósgraduação Lato Sensu no âmbito do Centro de Ensino Superior de São Gotardo CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais

EDITAL N.º 001/2014 PROCESSO SELETIVO 1º SEMESTRE DE 2014

EDITAL N.º 001/2014 PROCESSO SELETIVO 1º SEMESTRE DE 2014 EDITAL N.º 001/2014 PROCESSO SELETIVO 1º SEMESTRE DE 2014 A Diretora Maria Aparecida Pinto, Diretora da Faculdade de São Lourenço, no uso de suas atribuições, torna público que, no período de 02 de setembro

Leia mais

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. RESOLUÇÃO CME nº.01/2015

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. RESOLUÇÃO CME nº.01/2015 MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CME nº.01/2015 Fixa normas para a Autorização de Funcionamento de Unidades Educativas Municipais do Ensino Fundamental, do Sistema Municipal

Leia mais

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013.

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. REESTRUTURA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO, O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FAZENDA VILANOVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PEDRO ANTONIO DORNELLES, PREFEITO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 824, DE 31 DE MARÇO DE 2006

RESOLUÇÃO Nº 824, DE 31 DE MARÇO DE 2006 RESOLUÇÃO Nº 824, DE 31 DE MARÇO DE 2006 Reconhece e regulamenta a Residência Médico- Veterinária e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA CFMV, no uso da atribuição que lhe

Leia mais

EDITAL Nº 038 DE 13 DE AGOSTO DE 2014

EDITAL Nº 038 DE 13 DE AGOSTO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA, TECNICA E TECNOLÓGICA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA EDITAL Nº 038 DE 3 DE AGOSTO DE 204 SELEÇÃO

Leia mais

SOBRESP - Faculdade de Ciências da Saúde. Edital 001/2014. Processo Seletivo

SOBRESP - Faculdade de Ciências da Saúde. Edital 001/2014. Processo Seletivo SOBRESP - Faculdade de Ciências da Saúde Edital 001/2014 Processo Seletivo A Direção da SOBRESP - Faculdade de Ciências da Saúde torna públicas as normas a seguir, que regem o Processo Seletivo Vestibular

Leia mais

Regulamento dos Cursos da Diretoria de Educação Continuada

Regulamento dos Cursos da Diretoria de Educação Continuada Regulamento dos Cursos da Diretoria de Educação Continuada Art. 1º Os Cursos ofertados pela Diretoria de Educação Continuada da Universidade Nove de Julho UNINOVE regem-se pela legislação vigente, pelo

Leia mais

Faculdade Maurício de Nassau

Faculdade Maurício de Nassau Faculdade Maurício de Nassau EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 2015.1 A Direção da Faculdade Maurício de Nassau de Manaus no uso de suas atribuições e com base nas disposições regimentais, no Dec. 99.490/90,

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 02/2015

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 02/2015 1 A Coordenação do Curso de Administração, da Unidade de Ensino Superior Dom Bosco, no uso de suas atribuições e em cumprimento ao Art. 5 o do Regulamento de Monitoria, Anexo da Resolução de 21 de dezembro

Leia mais

ADMISSÃO PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO 2016. 1A EDITAL Nº 04

ADMISSÃO PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO 2016. 1A EDITAL Nº 04 ADMISSÃO PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO 2016. 1A EDITAL Nº 04 João Pessoa, 2015 Sumário Edital nº 04 - Admissão de alunos para os cursos de Pós-Graduação A Devry João Pessoa, estabelecimento de ensino

Leia mais

FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIAS. CAPÍTULO I Dos objetivos

FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIAS. CAPÍTULO I Dos objetivos FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIAS CAPÍTULO I Dos objetivos Art.1º Adotar e estimular a Monitoria Acadêmica, que será desenvolvida em conformidade com o regulamento abaixo,

Leia mais

EDITAL SEEC Nº. 01/2013

EDITAL SEEC Nº. 01/2013 ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE COCAL DO SUL SECRETARIA DE EDUCAÇÃO, ESPORTE E CULTURA EDITAL SEEC Nº. 01/2013 Dispõe sobre as diretrizes de matrícula para o ano letivo de 2014, nas instituições

Leia mais

1. DO OBJETO 2. DAS INSCRIÇÕES

1. DO OBJETO 2. DAS INSCRIÇÕES EDITAL N 01 /2012-1 - VESTIBULAR, CONCURSO PRINCIPAL E PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO CONTINUADO DO CENTRO UNIVERSITARIO DE MINEIROS UNIFIMES MANTIDO PELA FUNDAÇÃO INTEGRADA MUNICIPAL DE ENSINO SUPERIOR

Leia mais

CONSELHO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL

CONSELHO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL CONLHO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL Homologado em 11/2/2004, publicado no DODF de 12/2/2004, p. 18. Portaria nº 33, de 11/2/2004, publicada no DODF de 12/3/2004, p. 18. Parecer nº 22/2004-CEDF Processo

Leia mais

ADMISSÃO PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO 2015.1A EDITAL Nº 0009 VERSÃO 3

ADMISSÃO PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO 2015.1A EDITAL Nº 0009 VERSÃO 3 ADMISSÃO PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO 2015.1A EDITAL Nº 0009 VERSÃO 3 SUMÁRIO 1. Da validade 3 2. Das inscrições 3 3. Das entrevistas, avaliação de currículo e de histórico escolar 3 4. Da classificação

Leia mais

PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR ESPECIAL DE VERÃO 2009/1

PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR ESPECIAL DE VERÃO 2009/1 PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR ESPECIAL DE VERÃO 2009/1 EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÃO O Reitor do Centro Universitário Feevale, instituição de ensino superior recredenciada pela Portaria nº 1.566, de 27

Leia mais

Regulamento Geral das Atividades Complementares do CENTRO UNIVERSITÁRIO SANT ANNA

Regulamento Geral das Atividades Complementares do CENTRO UNIVERSITÁRIO SANT ANNA Regulamento Geral das Atividades Complementares do CENTRO UNIVERSITÁRIO SANT ANNA São Paulo - 2010 CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As Atividades Complementares, com a sigla ACs, de todos os

Leia mais

CONSELHO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL. - Área de Comunicação: Técnico em Propaganda e Marketing

CONSELHO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL. - Área de Comunicação: Técnico em Propaganda e Marketing CONLHO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL Homologado em 24/7/2001, publicado no DODF de 27/7/2001, p. 40. Portaria nº 353, de 14/8/2001, publicada no DODF de 16/8/2001, p. 16. Parecer nº 136/2001-CEDF Processo

Leia mais

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe Sumário Título I Dos Cursos de Pós Graduação e suas finalidades...1 Título II Dos Cursos de Pós Graduação em Sentido Lato...1 Título III Dos Cursos de

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA EDUCAÇÃO E CULTURA CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 78, DE 20 DE JUNHO DE 2007.

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA EDUCAÇÃO E CULTURA CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 78, DE 20 DE JUNHO DE 2007. RESOLUÇÃO Nº 78, DE 20 DE JUNHO DE 2007. Dispõe sobre instrução de processos para a regulamentação das escolas indígenas do Estado do Tocantins. O Conselho Estadual de Educação do Tocantins, no uso das

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO TÉCNICA EM TESTES DE SOFTWARE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO TÉCNICA EM TESTES DE SOFTWARE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO TÉCNICA EM TESTES DE SOFTWARE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos pelo Núcleo

Leia mais

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS SUPERIORES DE GRADUAÇÃO NA MODALIDADE A DISTÂNCIA - 2º SEMESTRE 2015

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS SUPERIORES DE GRADUAÇÃO NA MODALIDADE A DISTÂNCIA - 2º SEMESTRE 2015 EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS SUPERIORES DE GRADUAÇÃO NA MODALIDADE A DISTÂNCIA - 2º SEMESTRE 2015 PORTARIA N.º 015 - Reitoria da UNOESTE, de 01 de julho de 2015 A Reitora da Universidade do Oeste

Leia mais

NORMAS REGIMENTAIS BÁSICAS PARA AS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL

NORMAS REGIMENTAIS BÁSICAS PARA AS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL CONSELHO MUNICIPAL Conselho Municipal de Educação de Praia Grande DELIBERAÇÃO Nº 02/2001 Normas regimentais básicas para as Escolas de Educação Infantil. NORMAS REGIMENTAIS BÁSICAS PARA AS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 24/6/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 24/6/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 24/6/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: UF Conselho Nacional de Técnicos em Radiologia

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE COMPLEMENTARES São Paulo 2011.1 1 1- Atividades Complementares De acordo com a Lei 9.131 de 1995 e os Pareceres 776/07 de 03/12/97 e 583/2001 as Diretrizes Curriculares dos cursos

Leia mais

ALIANÇA TERESINA - MAURICIO DE NASSAU

ALIANÇA TERESINA - MAURICIO DE NASSAU ALIANÇA TERESINA - MAURICIO DE NASSAU EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 2015.1 A direção da Faculdade Aliança / Faculdade Maurício de Nassau no uso de suas atribuições e com base nas disposições regimentais,

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL Pró-Reitoria de Graduação Diretoria do Curso de Direito COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL Pró-Reitoria de Graduação Diretoria do Curso de Direito COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO III - SAJULBRA - 1 REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO III - SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA JURÍDICA GRATUITA DA UNIVERSIDADE LUTERANA

Leia mais

FACULDADE TRÊS PONTAS FATEPS RECONHECIDA PELA PORTARIA DO MEC Nº 68/14

FACULDADE TRÊS PONTAS FATEPS RECONHECIDA PELA PORTARIA DO MEC Nº 68/14 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DAS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS. O presente regulamento, aprovado pela resolução CONSUP 05/2014, estabelece as normas atinentes ao cumprimento

Leia mais

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 02/2010 Estabelece Normas Operacionais Complementares em conformidade com o Parecer CNE/CEB nº 06/2010, Resoluções CNE/CEB nº 02/2010

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I Natureza, Finalidade, Sede e Foro Art. 1º - A Comissão Nacional de Residência em Enfermagem - CONARENF, criada pela Portaria

Leia mais