AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FGTS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FGTS"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FGTS AVALIAÇÃO RESULTADOS DOS DA PROGRAMAS APLICAÇÃO NACIONAL DO FGTS CARTA DE CRÉDITO INDIVIDUAL HABITAÇÃO SANEAMENTO SANEAMENTO SISTEMA MIRINGUAVA - uma das obras mais modernas do país, com sistemas totalmente automatizados. 105 quilômetros de rede, 07 reservatórios e 11 estações elevatórias - mais de 40 milhões de litros de água tratada para a Grande Curitiba..

2 1 INTRODUÇÃO Concluídas todas as etapas previstas pela Metodologia de Avaliação dos Programas do FGTS, e após a realização das conferências das notas apresentadas, nas 5 regiões do país, apresentamos, a seguir, relatório contendo a análise sintética dos resultados alcançados para o Programa Carta de Crédito Individual. Os resultados a seguir apresentados são objetos de entrevistas com mutuários, tomadores de recursos, prefeituras municipais, imobiliárias, bem com o preenchimento de questionários de empreendimentos financiados pelo FGTS entre os anos de 2002 e 2004, dentro de uma amostra estatística e para os aspectos e indicadores previstos na metodologia de avaliação. As análises apresentadas irão retratar uma síntese dos resultados da avaliação realizada no país, onde serão abordadas as notas e comentários basicamente do programa, e por aspecto avaliado. As notas apresentadas são resultantes de consolidações das medias alcançadas nas modalidades do programa dentro da respectiva região. No final, anexamos os relatórios gerados pelo sistema que operacionaliza toda a metodologia (Sistema SIAPG) contendo as notas, do programa, por região, aspecto, indicador e variável composta, que poderão ser analisados individualmente, conforme o interesse específico do leitor.

3 2 ANÁLISE SINTÉTICA DOS RESULTADOS 2.1 PROGRAMA CARTA DE CRÉDITO INDIVIDUAL Os resultados gerais do Programa Carta de Crédito Individual para os 6 aspectos abordados pela metodologia estão apresentados no gráfico 01, que consolida as medias das três modalidades do programa (aquisição, construção e cesta de materiais de construção). Carta de Crédito Individual ECONOMICIDADE 78,20 PROCEDIMENTO DE GESTÃO 72,18 PRODUTO 58,51 IMPACTO NAS CONDIÇÕES DE VIDA DOS MORADORES 69,57 IMPACTO NA CIDADE E NO AMBIENTE ATENDIMENTO DAS NECESSIDADES 87,58 85, Gráfico 01 Carta de Crédito Individual O Programa Carta de Crédito Individual apresentou resultado satisfatório para a avaliação realizada, sob as diversas dimensões tratadas na metodologia, evidenciando-se, no entanto, que o Impacto na Cidade e no Ambiente foi o que teve a maior avaliação contrapondo-se ao aspecto Produto, que obteve um desempenho inferior aos demais. A seguir, apresentaremos uma análise crítica para cada um dos aspectos acima indicados.

4 2.1.1 ASPECTO ECONOMICIDADE Nota 78,20 O aspecto Economicidade é entendido como a capacidade dos programas em gerar, mobilizar e gerenciar os recursos aplicados em operações de crédito, garantindo seu retorno de forma adequada. Carta de Crédito Individual Aspecto Economicidade ,15 79,88 77,10 77,50 74,39 78,20 2 Sudeste Sul Centro Oeste Nordeste Norte Brasil Gráfico 2 Aspecto Economicidade Conforme demonstrado no gráfico 02, no programa Carta de Crédito Individual, o desempenho médio das cinco regiões apresentou nota igual à 78,20. O resultado entre as regiões mostrou-se bastante homogêneo, com pequeno destaque para a região Sudeste com desempenho superior às demais. A nota alcançada indica que a administração econômico-financeira dos contratos vem sendo realizada adequadamente pelo Agente Operador do FGTS, demonstrando zelo pelos recursos e pelos interesses do trabalhador. O Aspecto Economicidade abrange três indicadores específicos, quais sejam: Solvência Financeira, que por meio de três fatores variando de 0 a 1, acentua questões relacionadas ao equilíbrio dos contratos firmados, à adimplência da carteira e a garantia da dívida compactuada; Recursos Complementares, que procura dimensionar a agregação de valores além da contrapartida mínima estabelecida pelo Programa;

5 Efetividade dos Recursos Investidos, que mede a relação custo-benefício do Programa, relativizando o custo médio do metro quadrado construído e a qualidade do respectivo produto gerado Indicadores do Aspecto Economicidade Sudeste Nota Média das Regiões 75,00 Norte 5 25,00 Sul 75, ,43 75,42 66,82 25,00 Nordeste Centro Oeste SOLVÊNCIA FINANCEIRA RECURSOS COMPLEMENTARES EFETIVIDADE DOS RECURSOS INVESTIDOS Gráfico 03 Indicadores do Aspecto Economicidade Peso Descrição CCI / CARTA DE CRÉDITO INDIVIDUAL SE (51) SUL (52) CO (53) NE (54) N (55) BRASIL AS-1 ECONOMICIDADE IN-01 SF - SOLVENCIA FINANCEIRA IS-01 FS - FATOR DE SOLVABILIDADE IS-02 FSC - FATOR DE SEGURANCA DOS CREDITOS IS-03 FG - FATOR DE GARANTIA IN-02 RC - RECURSOS COMPLEMENTARES Mult IN-03 ERI - EFETIVIDADE DOS RECURSOS INVESTIDOS O Indicador Solvência Financeira apresentou excelente desempenho, com nota media igual a 93,43, justificado pelo comportamento dos fatores que o integram, analisados a seguir: a leitura que se pode fazer é que existe uma capacidade real de liquidez na administração dos contratos, considerando-se que os prazos remanescentes são suficientes para liquidar o total do saldo devedor teórico da amostra analisada, conforme demonstra o índice 1 alcançado no indicador Fator de Solvabilidade; o Fator segurança do crédito, cujo índice médio atingiu 0,87, indica que o impacto da inadimplência constatada, relativamente à amostra, não compromete o equilíbrio da carteira;

6 o Fator Garantia indica que a liquidação da dívida pode, também, ser perfeitamente suportadas pelas garantias existentes, na medida em que o índice apresentou resultado igual à 1 em todas as regiões. Verifica-se ainda, por meio do Indicador Recursos Complementares, com nota media equivalente a 75,42, que as contrapartidas geradas, além das mínimas estabelecidas para o Programa a partir dos financiamentos concedidos, potencializaram, de forma satisfatória, o investimento em questão face à escassez de recursos disponíveis para investimentos desta natureza. O Indicador Efetividade dos Recursos Investidos demonstra que a relação entre o valor médio de investimento por metro quadrado equivalente construído e o produto efetivamente gerado é boa. Contudo, essa relação pode ser melhorada, na medida em que o padrão de qualidade dos produtos obtidos por meio dos financiamentos do programa seja também elevado ASPECTO PROCEDIMENTO DE GESTÃO Nota 72,18 O aspecto Procedimento de Gestão busca avaliar as principais questões que explicitam o modelo de gestão adotado pelo programa, que no caso do Carta de Crédito Individual, trata questões referentes ao atendimento aos direitos do consumidor e a forma de operação do programa. Carta de Crédito Individual Aspecto Procedimento de Gestão ,04 76,09 74,27 67,02 69,46 72,18 Sudeste Sul Centro Oeste Nordeste Norte Brasil Gráfico 04 Aspecto Procedimento de Gestão

7 Conforme demonstrado no gráfico nº 4, a nota media do aspecto, nas regiões, foi de 72,18, onde o Sul foi a que apresentou a melhor performance, obtendo a nota 76,09, com pouca variação para a nota de menor desempenho, verificada na região Nordeste. Indicadores do Aspecto Procedimento de Gestão Sudeste Nota Média das Regiões 75,00 Norte 5 25,00 Sul 75, ,54 66,88 25,00 Nordeste Centro Oeste PARTICIP E GESTÃO DO EMPREEND E DO CONTRATO DESEMPENHO OPERACIONAL Gráfico 05 Indicadores do Aspecto Procedimento de Gestão PESOS Descrição SE (51) SUL (52) CO (53) NE (54) N (55) BRASIL CO CE AQ CCI / CARTA DE CRÉDITO INDIVIDUAL AS-2 PROCEDIMENTO DE GESTAO IN-04 PARTICI - PARTICIP E GESTAO DO EMPREEND E DO CONTRATO IS-08 CONSUMI - EXERCICIO DO DIREITO DO CONSUMIDOR MEDIA MEDIA MEDIA VC-003 VCREDO - RECEBIMENTO DE DOCUMENTACAO VC-004 VCCON - CONHECIMENTO DAS REGRAS DO CONTRATO DO FINANCIAMENTO VC-096 VCEAR - EXISTENCIA E ATENDIMENTO DAS RECLAMACOES IN-05 DESOP - DESEMPENHO OPERACIONAL IS-09 METAS - CONSECUCAO DAS METAS IS-10 AGILID - AGILIDADE NO PROCESSO DE CONTRATAÇAO E DE OBRA IS-11 AVALTRAM - AVALIACAO NO PROCESSO DE CONTRATACAO E DE OBRA VC-007 ACES - FORMA DE ACESSO AS INFORMACOES VC-009 AGIL - AGILIDADE NAS REGRAS DE CONTRATACAO N/A 30 N/A IS-59 CONCL - CONCLUSAO DAS OBRAS CONTRATADAS

8 Analisando-se os resultados dos indicadores deste aspecto - gráfico nº 04 e tabela 02 - a leitura que se pode fazer é que, do ponto de vista do exercício do direito do consumidor o desempenho foi muito bom, com alcance de nota equivalente à 84,54. A análise deste indicador é restrita à observância do recebimento, pelo mutuário, de documentos considerados importantes (contrato e projetos), à verificação do conhecimento das regras contratuais, pelo contratante, e ao atendimento às reclamações porventura efetuadas. O desempenho operacional do programa que é mensurado por meio do cumprimento das metas financeiras estabelecidas pelo CCFGTS, pela agilidade no processo de contratação, bem como por meio da avaliação do processo de contratação, pelo tomador do recurso, apresentou desempenho moderado, com nota media igual a 66,88. Tal resultado foi impactado diretamente, pela fraca avaliação obtida no tocante à agilidade no processo de contratação, com nota media igual a 35, indicando a necessidade de gestões do agente financeiro, visando redução do tempo para efetivação do contrato, considerando os padrões julgados ideais para cada modalidade do Programa ASPECTO PRODUTO Nota 58,51 O aspecto Produto avalia a qualidade do produto final gerado pelos financiamentos do FGTS, sob a ótica predominantemente técnica, com pequena influência da avaliação que o próprio mutuário faz da sua moradia. Dentre os seis aspectos previstos na metodologia, o Produto foi o que obteve avaliação menos favorável, considerada mediana, com nota igual a 58,51, ressaltando-se, no entanto, a performance acima da media verificada na região Sudeste Gráfico 6. Carta de Crédito Individual Aspecto Produto ,73 59,64 55,81 58,43 53,93 58,51 Sudeste Sul Centro Oeste Nordeste Norte Brasil Gráfico 06 Aspecto Produto

9 Este aspecto busca avaliar a qualidade do produto gerado, dando ênfase às dimensões valorativas da qualidade do projeto e da obra, do conforto da moradia e da sua inserção urbana e ambiental. Para tanto, a análise engloba 4 Indicadores, com pesos idênticos sobre a formação da nota final, a saber: habitabilidade urbana (peso 25), que amplia o conceito de moradia na medida em que mensura a real capacidade de inserção das unidades habitacionais nas malhas urbanas, avaliando-se a oferta de infraestrutura e serviços urbanos, bem como acessibilidade à comércio e serviços, que são potencializados por fatores relacionados às patologias e problemas projetuais/construtivos e à forma de ocupação do espaço urbano; habitabilidade da unidade habitacional (peso 25), que priorizando questões relativas ao conforto ergométrico no tocante à adequação dos ambientes e dos equipamentos disponíveis, à acessibilidade à unidade habitacional e aos respectivos cômodos existentes, ao conforto ambiental (térmico, acústico e luminoso) das unidades e à salubridade dos ambientes; construtibilidade (peso 25), que se refere ao conjunto dos aspectos construtivos de um edifício ou assentamento habitacional, da infra-estrutura, equipamentos e mobiliário urbanos que garantem sua viabilidade, dos pontos de vista tecnológico, ambiental e econômico-financeiro. Observado do ponto de vista estritamente técnico, considera a existência de patologias e avalia o padrão da construção da unidade; avaliação da moradia pelo usuário (peso 25) que permite um contraponto à avaliação técnica predominante nos demais indicadores. Sabe-se que a avaliação do usuário apresenta um alto grau de subjetividade e se altera ao longo do tempo, a depender de fatores muitas vezes totalmente independentes do objeto avaliado. Todavia, é de grande importância considerar a opinião dos moradores para a avaliação final do Produto.

10 Sudeste Indicadores do Aspecto Produto Nota Média das Regiões Norte 75, ,00 Sul 75,00 Nordeste Centro Oeste HABITABILIDADE URBANA CONSTRUTIBILIDADE 5 25,00 76,69 68,65 67,10 21,67 HABITABILIDADE DA UNIDADE HABITACIONAL AVALIACÃO DA MORADIA PELO USUÁRIO Gráfico 07 Indicadores do Aspecto Produto Indicador Habitabilidade Urbana (peso 25) CO CE AQ Descrição CCI / CARTA DE CRÉDITO INDIVIDUAL CONSOLIDADO SE (51) SUL (52) CO (53) NE (54) N (55) BRASIL AS-3 PRODUTO IN-07 HU HABITABILIDADE URBANA IS-12 AI - ACESSIBILID E OFERTA DE INFRAESTRUT E SERVS URBANOS F F F S/N S/N S/N F F F ** ** F VC-012 VCAIAE REDES E SERVICOS DE ABASTECIMENTO DE AGUA E ESGOTAMENTO SANITARIO VC-013 VCAIRI - REDE DE SERVICOS E INFRA-ESTRUTURA URBANA/INSTALACOES CONDOMINIAIS VC-014 VCAIRS - REDE DE SERVICOS PUBLICOS VC-015 VCAIEPC - EQUIPAMENTOS PUBLICOS E/OU COLETIVOS VC-018 VCAITP - CONFORMACAO, CONSTRUCAO E TRATAMENTO DA PAISAGEM URBANA SUBDIVIDIDA EM VARIAVEIS AUXILIARES VC-019 VCAITC - TRANSPORTE COLETIVO EXTERNO IS-13 AC - ACESSIBILID AO COMERCIO E AOS SERVICOS IS-16 PP - PATOLOGIA E PROBLEMAS PROJETUAIS/CONSTRUTIVOS VC-038 VCFGII - PATOLOGIAE PROBLEMAS PROJETUAIS / CONSTRUTIVOS ** ** F IS-17 IU - IMPLANTACAO URBANA M M M VC-040 VCFGR1 - OCUPACAO URBANA VC-041 VCFGR2 - EXISTENCIA DE M M M FONTE DE POLUICAO

11 O Indicador Habitabilidade Urbana apresentou resultado insatisfatório, com nota média igual a 21,67. A composição desta nota desdobra-se na análise de outros quatro indicadores, dentre os quais dois receberam atribuição de notas Acessibilidade e Oferta de Insfraestrutura e Serviços Urbanos (Peso 80 nota media 14,23) e Acessibilidade ao Comércio e Serviços (Peso 20 nota media 69,47) e outros dois atuaram como fatores que reduziram a media ponderada obtida entre os indicadores já mencionados, já que apresentaram valores menores do que 1 (um). Portanto, os fatores Patologias e Problemas Projetuais/Construtivos e Implantação Urbana imprimiram maior rigidez à composição da nota, na medida em que não bastaria a moradia estar servida de comércio, serviços e infraestrutura, se constatadas patologias que comprometem a moradia em si, ou, se a implantação urbana tiver ocorrido de maneira inadequada, seja comprometendo o meio-ambiente, ou sofrendo influências negativas de fontes de poluição. Indicador Habitabilidade da Unidade Habitacional (peso 25) CO CE AQ Descrição CCI / CARTA DE CRÉDITO INDIVIDUAL CONSOLIDADO SE (51) SUL (52) CO (53) NE (54) N (55) BRASIL AS-3 PRODUTO IN-08 HUH - HABITABILIDADE DA UNIDADE HABITACIONAL IS-18 CER - CONFORTO ERGOMETRICO VC-042 VCADAMB - ADEQUACAO DOS AMBIENTES VC-043 VCADEQU - ADEQUACAO DOS EQUIPAMENTOS IS-19 ACE - ACESSIBILIDADE VC-050 VCACMO - ATRIBUIDA PELO MORADOR IS-20 CAM - CONFORTO AMBIENTAL DA UNIDADE VC-051 VCAIUCA - INFORMACOES DO MORADOR VC-053 VCCLM - CONFORTO LUMINOSO - INFORMACOES TECNICAS IS-21 SAL - SALUBRIDADE ,2 0,2 0,2 VC-054 VCSABC - BANHEIRO E COZINHA ,3 0,3 0,3 VC-055 VCSASA - SALA DE ESTAR ,5 0,5 0,5 VC-056 VCSADR - DORMITORIO

12 O Indicador Habitabilidade da Unidade Habitacional é constituído por quatro análises distintas com pesos diferenciados entre si. O Conforto Ergométrico (Peso 35) apresentou resultado satisfatório, com nota igual a 76,85, indicando a adequação dos ambientes no tocante à suas dimensões em relação aos padrões mínimos estabelecidos (área útil e pé-direito), bem como a adequação da altura dos interruptores dos ambientes, lavatórios, pias e tanques aos padrões tidos como convencionais. A Acessibilidade (Peso 5), com nota media igual a 99,93, demonstra que não há dificuldade de acesso no uso da entrada da casa, ou de acesso ao quintal/área de serviço, uso do banheiro, cozinha ou qualquer outro tipo de dificuldade de locomoção em outros cômodos da unidade habitacional. O Conforto Ambiental da Unidade (Peso 40) apresentou nota media igual a 60,24, indicando que do ponto de vista do morador o conforto térmico, luminoso e acústico é mais satisfatório (nota 79,58) do que a análise técnica relativa ao conforto luminoso realizada profissional (nota 44,50). A Salubridade, com desempenho médio equivalente a 53,24, indica que não foi verificada, na totalidade dos cômodos, nível de salubridade adequado (ventilação e umidade), única possibilidade de alcance da nota 100. Indicador Construtibilidade (peso 25) Descrição SE (51) SUL (52) CO (53) NE (54) NE (55) BRASIL CO CE AQ CCI / CARTA DE CRÉDITO INDIVIDUAL - CONSOLIDADO IN-09 CONS - CONSTRUTIBILIDADE IS-22 PAT - PATOLOGIA VC-057 VCPU - UNIDADES DO EMPREENDIMENTO VC-060 VCPQBF - APONTADAS PELO MORADOR IS-24 PACON - PADRAO DE CONTRUCAO VC-061 VCPDCOES - ESQUADRIAS VC-062 VCPDCOREP - REVESTIMENTO EXTERNO PREDOMINANTE VC-063 VCPDCORIN - REVESTIMENTOS INTERNOS

13 O indicador Construtibilidade, constituído por dois outros indicadores, com pesos diferenciados Patologia (Peso 80 Nota 76,69) e Padrão de Construção (Peso 20 Nota 61,45), apresentou um resultado homogêneo nas regiões, com media geral de 76,69. O indicador Patologia (peso 80), que apresenta maior impacto para a composição da nota do indicador Construtibilidade, desdobra-se em duas avaliações técnica (peso 62,50) e apontadas pelo morador (peso 37,50) - apresentou resultado satisfatório, com nota media igual a 80,50. Do ponto de vista técnico (peso 62,50 - nota 97,83), foram verificadas, na unidade habitacional, poucas patologias relativas à existência de trincas, fissuras, esfacelamento, deslocamento de revestimentos, presença de fungos e bolor, umidade, desgastes, deformações de pisos, paredes, cobertura e teto, esquadrias, além de mau cheiro das instalações sanitárias e umidade provocada pelas instalações hidráulicas. Já, a avaliação feita pelo morador (peso 37,50 - nota 54,28), quanto aos problemas verificados na unidade habitacional, nos últimos 6 meses, foi regular, indicando a provável presença de problemas nas instalações elétricas (queda de chave geral, choque elétrico, queima de aparelhos e lâmpadas, curto circuito) e/ou hidráulicas (vazamento de água, rompimento de tubulações, entupimento no esgoto ou vaso sanitário, mau cheiro em ralos e pias, quebra de registro), bem como problemas com infiltrações e umidade (entrada de água da chuva pela cobertura, pelas frestas de portas e janelas, vazamento pelas calhas, condutores e teto, infiltrações nas paredes e pisos), além de entrada de vento pelas frestas, defeitos em portas, janelas, dobradiças, batentes, janelas, revestimentos e pisos soltos. A análise do Indicador Construtibilidade contempla, ainda, a verificação do padrão de construção (peso 20 nota 61,45), formado pelo somatório das notas relativas ao padrão das esquadrias de portas e janelas dos diversos cômodos (nota máxima 33 nota obtida 17,87), ao revestimento externo predominante (nota máxima 7 nota obtida 3,97) e aos revestimentos internos dos pisos, paredes e teto (nota máxima 60 nota obtida 40,47), indicando maior deficiência no padrão nas esquadrias.

14 Indicador Avaliação da Moradia pelo Usuário da Unidade Habitacional (peso 25) Descrição SE (51) SUL (52) CO (53) NE (54) N (55) BRASIL CO CE AQ CCI / CARTA DE CRÉDITO INDIVIDUAL - CONSOLIDADO IN-11 AMU - AVALIACAO DA MORADIA PELO USUARIO IS-27 ICOUH - DO CONFORTO DA UH VC-097 VCCOUH - AVALIACAO DO MORADOR EM RELACAO AO CONFORTO TERMICO, ACUSTICO, LUMINOTECNICO E DE UMIDADE NA UNIDADE HABITACIONAL IS-28 ITAUH - DO TAMANHO DA UH VC-099 VCTAUH - TAMANHO DA UNIDADE IS-29 ICONS - DA CONTRUCAO VC-100 VCCONSE - AVALIACAO DO MORADOR EM RELACAO AOS ASPECTOS CONSTRUTIVOS IS-30 IQLOM - QUANTO A LOCALIZACAO DA MORADIA VC-027 VCLOM - AVALIACAO DO MORADOR EM RELACAO A LOCALIZACAO DA MORADIA E QUANTO A ACESSIBILIDADE AO TRABALHO E EQUIPAMENTOS IS-31 ISUES - DOS SERVICOS URBANOS/EQUIPAMENTOS SOCIAIS VC-098 VCAMIES - AVALIACAO DO MORADOR EM RELACAO A PRESENCA DE INFRA-ESTRUTURA E EQUIPAMENTOS SOCIAIS ,21 65,27 O Indicador Avaliação da Moradia pelo Usuário (peso 25), formado por outros 5 indicadores de pesos equivalentes, apresentou desempenho razoável com nota media igual a 67,10, ressaltando-se o melhor desempenho na região Sudeste (nota 73,87). As análises realizadas pelo morador apontam maior satisfação com aspectos ligados a unidade em si, conforme observado nos indicadores Conforto da Unidade (nota 71,08), Tamanho da Unidade (nota 72,63) e Aspectos Construtivos, com nota 68,55 (qualidade dos materiais de revestimento, das portas, janelas, instalações hidráulicas e elétricas), do que com os aspectos relacionados à localização da moradia (distância de escolas, posto público de saúdo, trabalho e áreas de lazer) e disponibilidade de serviços urbanos e acesso aos equipamentos sociais (água, esgoto, energia elétrica, limpeza urbana coleta de lixo e varrição, iluminação pública, transporte, correio e telefone público), que apresentaram notas variando entre 65,27 e 66,61.

15 2.1.4 ASPECTO IMPACTO NAS CONDIÇÕES DE VIDA DOS MORADORES Nota 69,57 O aspecto Impacto nas condições de vida dos moradores avalia as principais mudanças no nível de qualidade de vida da população envolvida no programa. Indica mudanças qualitativas no cotidiano de vida da população dentro do contexto histórico, político, econômico e cultural, buscando-se, para tanto, junto aos mutuários finais, informações relativas às condições de vida na moradia anterior, às quais são comparadas com as condições após a mudança para a nova moradia. Carta de Crédito Individual Aspecto Impacto nas Condições de Vida ,14 71,97 70,26 67,97 65,52 69,57 2 Sudeste Sul Centro Oeste Nordeste Norte Brasil Gráfico 08 - Aspecto nas Condições de Vida dos Moradores O aspecto Impacto nas Condições de Vida dos Moradores apresentou desempenho homogêneo entre as regiões, com nota media igual a 69,57, ressaltandose uma pequena diferenciação na avaliação da região Sudeste, que obteve nota 72,14. A média do desempenho entre as regiões. A análise deste aspecto abrange a avaliação de 5 (cinco) indicadores que comparam a moradia anterior com a atual, adquirida por meio dos recursos do FGTS: Mudança nas Condições de Moradia (peso 60) que aborda as seguintes questões: mudanças percebidas nas condições de umidade, de conforto térmico e luminoso, nas condições das instalações sanitárias, bem como nas variações de densidade ocupacional (peso 25 ) mudanças nas condições de infraestrutura que trata das mudanças verificadas na coleta e destinação do lixo doméstico, esgotamento sanitário, na

16 disponibilidade de água e energia elétrica, e nas condições de acesso à moradia (peso 25); variações nas condições de risco da moradia que avalia as mudanças na incidência de riscos provenientes de enchentes, inundações, desmoronamentos, erosão do solo e deslizamentos (peso 15); variações nas condições de acessibilidade a serviços e equipamentos Sociais, tais como transporte público, educação, saúde, correio, telefonia, bem como na disponibilidade de equipamentos de esporte e convívio (peso 15); variações nas condições de acesso ao trabalho no tocante ao tempo de deslocamento (peso 10) mudanças na condições de segurança da moradia restringidas à existência de iluminação pública e posto policiamento (peso 10) Mudança nas Condições de Propriedade e Posse (peso 10) caracterizada pela variação da situação de inquilino para proprietário ou na passagem de uma situação de irregularidade para a de regularidade da moradia (aplicável apenas na modalidade Aquisição do Programa Carta de Crédito Individual); Mudança na Composição dos Gastos mensais com moradia (peso 10); Avaliação do Morador sobre as mudanças percebidas em suas condições de vida (peso 20). Indicadores do Aspecto Impacto nas Condições de Vida Sudeste Nota Média das Regiões 75,00 5 Norte 25,00 Sul 75, ,54 74,55 25,00 53,33 40,65 Nordeste Centro Oeste MUDANÇAS NAS CONDIÇÕES DE MORADIA MUDANÇAS NAS CONDIÇÕES DE PROPRIEDAD E DA POSSE MUDANÇAS NOS GASTOS MENSAIS COM MORADIA AVALIAÇÃO DO MORADOR SOBRE SUAS CONDIC DE VIDA Gráfico 09 Indicadores do Aspecto Impacto nas Condições de Vida dos Moradores

17 Indicador Mudanças nas Condições de Moradia (peso 60) CO CE AQ Descrição CCI / CARTA DE CRÉDITO INDIVIDUAL - CONSOLIDADO AS-4 IMCOVIMO - IMPACTO NAS CONDICOES DE VIDA DOS MORADORES IN-12 MUCOMO - MUDANCAS NAS CONDICOES DE MORADIA IS-32 VACOHAB - VARIACAO NAS CONDICOES DA UNIDADE VC-067 UMIHAB - MUDANCA DAS CONDICOES DE UMIDADE DAS UNIDADES HABITACIONAIS VC-068 DEOCUP - MUDANCA DA DENSIDADE DA OCUPACAO DOS DORMITORIOS VC-069 CONFTER - MUDANCA DAS CONDICOES DE CONFORTO TERMICO DAS UNIDADES HABITACIONAIS VC-070 COINSAN - MUDANCA DAS CONDICOES DAS INSTALACOES SANITARIAS VC-071 COFLUMI - MUDANCA DAS CONDICOES DE CONFORTO DE ILUMINACAO DAS UNIDADES HABITACIONAIS IS-33 CONINFRA - VARIACAO NAS CONDICOES DE INFRAESTRUTURA VC-072 LIXODO - MUDANCA DA DESTINACAO DO LIXO DOMESTICO VC-073 ESGDOM - MUDANCA DA DESTINACAO DO ESGOTAMENTO SANITARIO VC-074 DISENERG - MUDANCA DA DISPONIBILIDADE DE ENERGIA ELETRICA VC-075 DISAGUA - MUDANCA DA DISPONIBILIDADE DE AGUA VC-076 ACESMO - MUDANCA DAS CONDICOES DE ACESSO A MORADIA IS-34 RISCMO - VARIACAO NAS CONDICOES DE RISCO DA MORADIA VC-077 RISENCH - MUDANCA DA CONDICOES DE RISCO DE ENCHENTES, INUNDACOES, DESMORONAMENTOS, EROSAO DO SOLO E DESLIZAMENTOS IS-35 ACESOCI - VARIACAO NAS CONDIC DE ACESSIB A SERV E EQUIP SOCIAIS VC-078 SETRANS - MUDANCA NO ACESSO A SERVICOS PUBLICOS DE TRANSPORTE VC-079 SERVEDU - MUDANCA NO ACESSO A SERVICOS PUBLICOS DE EDUCACAO VC-080 SERSAUD - MUDANCA NO ACESSO A SERVICOS PUBLICOS DE SAUDE VC-081 EQUESPC - MUDANCA NO ACESSO A EQUIPAMENTOS DE ESPORTE E CONVIVIO VC-082 CORTELE - MUDANCA NO ACESSO A SERVICOS DE CORREIO E TELEFONIA PUBLICA IS-36 ACESTRAB - VARIACAO NAS CONDICOES DE ACESSO AO TRABALHO VC-083 DESLTRAB - TEMPO DE DESLOCAMENTO PARA O TRABALHO IS-58 SEGLOC - SEGURANCA NO LOCAL DE MORADIA VC-084 CONDSEGU - MUDANCA DAS CONDICOES DE SEGURANCA SE (51) SUL (52) CO (53) NE (54) N (55) BRASIL

18 O indicador Mudanças nas Condições da Moradia (peso 60), que possui maior influência na composição da nota do Aspecto Impacto nas Condições de Vida dos Moradores, apresentou bom desempenho com nota media igual a 78,54. Dentre as mudanças observadas, neste indicador, as mais positivas ocorreram nas variações das condições da unidade habitacional (peso 25 nota 88,65), notadamente nas melhorias das instalações sanitárias (peso 30 nota 92,86). Mesmo com menor impacto na formação do Indicador Mudança nas Condições de Vida, destaca-se a nota obtida na avaliação das condições de risco da moradia (peso 15 nota 90,63). O menor desempenho do Indicador ocorreu no acesso aos serviços e aos equipamentos sociais, onde não se registrou melhora, mas, sim, a manutenção de uma situação já considerada insatisfatória ou, ainda, uma percepção de efetivo declínio, se comparadas as moradias atual e anterior. Dentre os serviços avaliados, os de transporte público e de saúde foram os que apresentaram desempenho menos favorável, com peso 20/ nota 52,84 e peso 25/ nota 56,86, respectivamente. Indicador Mudança nas Condições de Propriedade e Posse (peso 10) CO CE AQ N/A N/A 10 N/A N/A 100 N/A N/A 100 Descrição SE (51) CCI / CARTA DE CRÉDITO INDIVIDUAL - CONSOLIDADO AS-4 IMCOVIMO - IMPACTO NAS CONDICOES DE VIDA DOS MORADORES IN-13 MOPROPR - MUDANCAS NAS CONDICOES DE PROPRIEDAD E DA POSSE IS-38 COPPOS - VARIACAO NAS CONDICOES DE PROPRIEDADE E DA POSSE VC-085 VAPOSS - VARIACAO NAS CONDICOES DE PROPRIEDADE E DA POSSE SUL (52) CO (53) NE (54) NORTE (55) BRASIL O Indicador Mudanças nas Condições de Propriedade e Posse (peso 10) obteve desempenho médio igual a 53,33, ressaltando-se o resultado da região Sudeste, com nota igual a 70,25. A avaliação deste indicador leva em consideração 3 (três) parametrizações distintas, envolvendo diversas situações abaixo caracterizadas.

19 M+ M P Sit. 1 (12,47%) Sit. 2 (7,61%) Sit. 3 (22,62) Sit. 4 (28,96%) Sit. 5 (7,19%) Sit.6 (2,54%) Sit.7 (17,55%) Sit. 8 (1,06%) SITUAÇÕES DE MUDANÇA Situação anterior: aluguel ou posse Situação atual: própria quitada Situação anterior: cedida/emprestada ou ocupada/invadida Situação atual: própria quitada Situação anterior: própria (quitada ou em amortização) Situação atual: própria quitada Situação anterior: aluguel Situação atual: própria amortização Situação anterior: cedida/emprestada ou ocupada/invadida Situação atual: própria amortização Situação anterior: própria em amortização Situação atual: própria em amortização Situação anterior: própria quitada Situação atual: própria amortização Qualquer outra combinação de alternativas de situação anterior e situação atual NOTA 100 (42,71%) 75 (38,69%) 0 (18,60%) Posição amostra Brasil Conforme o demonstrado, 42,71% do total da amostra (Brasil) obtiveram nota igual a 100, com destaque para os que se enquadraram na situação de mudança 3, passando para a condição de proprietários definitivos (imóvel quitado). Dos 38,69% que apresentaram nota igual a 75, a maioria se encontra na situação de mudança 4, deixando o aluguel e passando para a condição de proprietários com dívida em amortização.. Indicador Mudanças nos Gastos com Moradia (peso 10) Descrição SE (51) SUL (52) CO (53) NE (54) N (55) BRASIL CO CE AQ CCI / CARTA DE CRÉDITO INDIVIDUAL - CONSOLIDADO AS-4 IMCOVIMO - IMPACTO NAS CONDICOES DE VIDA DOS MORADORES IN-14 MUGAST - MUDANCAS NOS GASTOS MENSAIS COM MORADIA IS-39 GASTMEN - VARIACAO NO GASTO MENSAL COM MORADIA VC-086 ATRAPAG - VARIACAO NO PAGAMENTO DE PRESTACOES E TAXAS DO IMOVEL VC-087 COMPFAMI - VARIACAO NO GASTO MENSAL COM MORADIA VERSUS COMPROMENTIMENTO DA RENDA FAMILIAR

20 O indicador Mudança nos Gastos Mensais com Moradia, com nota media igual a 40,65, foi impactado diretamente pelo desempenho observado na variação no gasto mensal com moradia x comprometimento da renda familiar (peso 70 nota 24,24). VARIAÇÃO NO GASTO MENSAL COM MORADIA 9% 12% 53% 10% 16% Diminuiu em 50% ou mais Diminuiu menos que 50% Aumentou entre 0 e 50% Aumentou entre 50% e 100% Aumentou 100% ou mais Gráfico 10 Amostra Brasil consolidada Conforme demonstrado, 53% do total dos entrevistados no Programa CCI aumentaram seus gastos mensais com moradia em 100% ou mais, contra apenas 18% da amostra que apresentou redução nos gastos. COMPROMETIMENTO DE RENDA ATUAL 21% 13% 66% Menor que 25% Entre 25% e 37,5% Maior que 37,5% Gráfico 11 Amostra Brasil consolidada

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES MINHA CASA, MINHA VIDA Ampliação das oportunidades de acesso das famílias

Leia mais

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA 0-3 SM PODER PÚBLICO

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA 0-3 SM PODER PÚBLICO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA 0-3 SM PODER PÚBLICO 1 PMCMV 0 a 3 SM Poder Público - Construtoras ENTENDA O PROGRAMA O Programa consiste na aquisição de Terreno onde são construídas unidades habitacionais,

Leia mais

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Texto Preliminar Completo - Agosto 2011 INTRODUÇÃO Começam a existir no Brasil um bom número de edifícios com

Leia mais

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES MINHA CASA, MINHA VIDA Ampliação das oportunidades de acesso das famílias

Leia mais

ANÁLISE DAS PATOLOGIAS EXISTENTES NO CONJUNTO HABITACIONAL MONTE CARLO PRESIDENTE PRUDENTE

ANÁLISE DAS PATOLOGIAS EXISTENTES NO CONJUNTO HABITACIONAL MONTE CARLO PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 187 ANÁLISE DAS PATOLOGIAS EXISTENTES NO CONJUNTO HABITACIONAL MONTE CARLO PRESIDENTE PRUDENTE Gabriella Fernandes

Leia mais

Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto em Recife.

Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto em Recife. Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto em Recife. Data: dia 29 de abril de 2009 Local: sede da ONG Etapas no Recife PROGRAMA REABILITAÇÃO

Leia mais

MINHA CASA MINHA VIDA 2 PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA

MINHA CASA MINHA VIDA 2 PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA RESUMO Conjunto de medidas do Governo Federal, lançado em 13 ABR 2009, com objetivo de reduzir o déficit habitacional viabilizando o acesso à casa própria, aumentando o investimento

Leia mais

Produtos Bancários CAIXA

Produtos Bancários CAIXA Produtos Bancários CAIXA Item 1- Programa Minha Casa Minha Vida Programa do Governo Federal, lançado em abril de 2009. Gerido pelo Ministério das Cidades e operacionalizado pela CAIXA. Produtos Bancários

Leia mais

FGTS 45 ANOS DE DESENVOLVIMENTO O BRASIL E PROMOVENDO A CIDADANIA

FGTS 45 ANOS DE DESENVOLVIMENTO O BRASIL E PROMOVENDO A CIDADANIA FGTS 45 ANOS DE DESENVOLVIMENTO O BRASIL E PROMOVENDO A CIDADANIA Inês Magalhães Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades Brasília, 24 de novembro de 2011 Política Nacional de Habitação

Leia mais

O papel da CAIXA na viabilização dos Programas Habitacionais

O papel da CAIXA na viabilização dos Programas Habitacionais O papel da CAIXA na viabilização dos Programas Habitacionais AGENDA I NÚMEROS CAIXA III PROGRAMAS DE HABITAÇÃO SOCIAL III.I PMCMV, Operações Coletivas, Crédito Solidário, PAR Valores Contratados 2003 A

Leia mais

PROGRAMAS HABITACIONAIS DE INTERESSE SOCIAL

PROGRAMAS HABITACIONAIS DE INTERESSE SOCIAL PROGRAMAS HABITACIONAIS DE INTERESSE SOCIAL PROGRAMAS HABITACIONAIS URBANOS IMPLEMENTADOS PELA COHAPAR A REALIDADE PROGRAMAS HABITACIONAIS URBANOS 1. PMCMV com recursos do OGU/OGE 1.1. FAR PMCMV FAR 1.2

Leia mais

SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL. Projeto da Habitação de Interesse Social Sustentável. Desenho Universal

SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL. Projeto da Habitação de Interesse Social Sustentável. Desenho Universal SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL Projeto da Habitação de Interesse Social Sustentável Desenho Universal Agosto/2010 CONTEXTO Protocolo de intenções firmado entre a Secretaria de Estado da Habitação, a Secretaria

Leia mais

PROGRAMA HABITACIONAL NOVO PRODUTO

PROGRAMA HABITACIONAL NOVO PRODUTO PROGRAMA HABITACIONAL NOVO PRODUTO Produto Aquisição de empreendimentos habitacionais na planta Sem custos de comercialização para o construtor Recursos do Fundo do Novo Programa Habitacional Público Alvo:

Leia mais

Programa Minha Casa Minha Vida Faixa 1 Especificações

Programa Minha Casa Minha Vida Faixa 1 Especificações Programa Minha Casa Minha Vida Faixa 1 Especificações PMCMV RECURSOS FAR OBJETIVO Aquisição e requalificação de imóveis destinados a alienação para famílias com renda mensal de até R$ 1.600,00 (Faixa 1),

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA FINANCIAMENTO DE IMÓVEIS NA PLANTA E/OU EM CONSTRUÇÃO - RECURSOS FGTS PROGRAMA DE SUBSÍDIO À HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - PSH

TERMO DE REFERÊNCIA FINANCIAMENTO DE IMÓVEIS NA PLANTA E/OU EM CONSTRUÇÃO - RECURSOS FGTS PROGRAMA DE SUBSÍDIO À HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - PSH Informações sobre o Programa de Financiamento de Imóveis na Planta e/ou em Construção Recursos FGTS - PSH 1 O Programa O Programa acima foi instituído por intermédio da Medida Provisória 2212 de 30 / 0

Leia mais

Sciesp. Clipping 17.06. A s s e s s o r i a d e I m p r e n s a i m p r e n s a @ s c i e s p. c o m. b r ( 1 1 ) 3 8 8 9-5 8 9 9 Página 1

Sciesp. Clipping 17.06. A s s e s s o r i a d e I m p r e n s a i m p r e n s a @ s c i e s p. c o m. b r ( 1 1 ) 3 8 8 9-5 8 9 9 Página 1 Sciesp Clipping 17.06 A s s e s s o r i a d e I m p r e n s a i m p r e n s a @ s c i e s p. c o m. b r ( 1 1 ) 3 8 8 9-5 8 9 9 Página 1 DESTAK FGTS amplia teto da renda para imóvel com juro menor Famílias

Leia mais

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados DEAP/SNAPU/MCIDADES Maio/2015 Contexto brasileiro Necessidade de obras públicas para requalificação e reabilitação

Leia mais

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE 1998 Estabelece diretrizes para a aplicação dos recursos e a elaboração das propostas orçamentárias do FGTS,

Leia mais

Relatório de Vistoria Técnica

Relatório de Vistoria Técnica Relatório de Vistoria Técnica REFORMA DE IMÓVEL PARA ABRIGAR A SEDE DA SUBSEÇÃO DA OAB/BA NO MUNICÍPIO DE IPIAÚ/BA Sede da OAB Rua Senhor do Bomfim, nº83 Centro, Ipiaú/BA Elaborado para: Ordem dos Advogados

Leia mais

SECOVI MINHA CASA, MINHA VIDA

SECOVI MINHA CASA, MINHA VIDA SECOVI MINHA CASA, MINHA VIDA Miriam Belchior Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão São Paulo, 15 de julho de 2013 NOVOS MOTORES DO CRESCIMENTO Modelo brasileiro diversificou as fontes de crescimento

Leia mais

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 SELO CASA AZUL CAIXA Sandra Cristina Bertoni Serna Quinto Arquiteta Gerência Nacional de Meio Ambiente SELO CASA AZUL CAIXA CATEGORIAS E CRITÉRIOS SELO

Leia mais

Trabalho Social em Programas de Habitação e Desenvolvimento Urbano: Entre o Ideal e o Concreto

Trabalho Social em Programas de Habitação e Desenvolvimento Urbano: Entre o Ideal e o Concreto Trabalho Social em Programas de Habitação e Desenvolvimento Urbano: Entre o Ideal e o Concreto INÊS MAGALHÃES Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades Seminário Trabalho Social em Programas

Leia mais

PALESTRA CAIXA PMCMV 2. SR Rio de Janeiro Centro

PALESTRA CAIXA PMCMV 2. SR Rio de Janeiro Centro PALESTRA CAIXA PMCMV 2 SR Rio de Janeiro Centro MINHA CASA, MINHA VIDA Ampliação das oportunidades de acesso das famílias de baixa renda à casa própria Mais emprego e renda por meio do aumento de investimentos

Leia mais

NOVOS PACOTES DE ASSISTÊNCIA RESIDENCIAL - A partir de 16/06/2015

NOVOS PACOTES DE ASSISTÊNCIA RESIDENCIAL - A partir de 16/06/2015 NOVOS PACOTES DE ASSISTÊNCIA RESIDENCIAL - A partir de 16/06/2015 Para as contratações e renovações, a partir de 16/06/2015, os planos disponíveis serão: a) Serviço para casa (Plus Casa) Plus Casa Chaveiro

Leia mais

ANEXO 8 SISTEMA DE DESEMPENHO

ANEXO 8 SISTEMA DE DESEMPENHO ANEXO 8 SISTEMA DE DESEMPENHO 1 O presente Anexo tem como objetivo definir os critérios, indicadores, fórmulas e parâmetros definidores da qualidade dos SERVIÇOS prestados pela CONCESSIONÁRIA, além de

Leia mais

MCMV 3 REUNIÃO COM EMPRESÁRIOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL 10/09/2015

MCMV 3 REUNIÃO COM EMPRESÁRIOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL 10/09/2015 MCMV 3 REUNIÃO COM EMPRESÁRIOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL 10/09/2015 1 SITUAÇÃO ATUAL MCMV RURAL 1. Orçamento encaminhado ao Congresso para 2016 assegura: Continuidade das obras que permitirá ao Governo entregar

Leia mais

QUADRO DE INDICADORES

QUADRO DE INDICADORES QUADRO DE Núcleo de Seguridade e Assistência Social da PUC/SP Coordenadora: Profa.Aldaiza Sposati QUADRO COMPARATIVO DE SOCIAIS I UTOPIAS DO /INCLUSÃO SOCIAL AUTONO- MIA QUALIDA- DE DE VIDA Faixa Renda

Leia mais

Política Nacional de Habitação: objetivos. iniciativas para uma construção Sustentável

Política Nacional de Habitação: objetivos. iniciativas para uma construção Sustentável A Politica Nacional de Habitação e as iniciativas para uma construção Sustentável Universalizar o acesso à moradia digna Política Nacional de Habitação: objetivos Promover a urbanização, regularização

Leia mais

ANEXO 9 SISTEMA DE DESEMPENHO

ANEXO 9 SISTEMA DE DESEMPENHO ANEXO 9 SISTEMA DE DESEMPENHO 1 O presente Anexo tem como objetivo definir os critérios, indicadores, fórmulas e parâmetros definidores da qualidade dos serviços prestados pela CONCESSIONÁRIA, na forma

Leia mais

O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS?

O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS? O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS? Planejamento Planejamento é uma das condições para a prática profissional dos Assistente Social (BARBOSA, 1991).

Leia mais

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA & PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO RURAL SET/2011

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA & PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO RURAL SET/2011 PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA & PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO RURAL SET/2011 Programa Nacional de Habitação Rural META CONTRATAÇÃO 60 MIL UH RURAL Déficit Habitacional Rural no Brasil Região Déficit

Leia mais

O Feirão DA SUA CASA.

O Feirão DA SUA CASA. O Feirão DA SUA CASA. Tudo o que você queria saber sobre o financiamento da CAIXA para comprar, construir ou reformar sua casa. E tudo sobre o Programa Minha Casa Minha Vida para quem ganha até R$ 4.900,00.

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA MINHA CASA MINHA VIDA SINDUSCON, 24/05/2009

PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA MINHA CASA MINHA VIDA SINDUSCON, 24/05/2009 PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA MINHA CASA MINHA VIDA SINDUSCON, 24/05/2009 OBJETIVO DO PROGRAMA Subsidiar a aquisição de IMÓVEL NOVO para os segmentos populacionais de menor renda Política Social

Leia mais

PROJETO DE SUSTENTABILIDADE HÍDRICA PSH/PE

PROJETO DE SUSTENTABILIDADE HÍDRICA PSH/PE GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO Secretaria de Recursos Hídricos - SRH Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento - BIRD RP816 MARCO CONCEITUAL DA POLÍTICA DE REASSENTAMENTO PROJETO DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Crédito Imobiliário HSBC

Crédito Imobiliário HSBC Crédito Imobiliário HSBC A compra de um imóvel é sempre um passo muito importante na vida de qualquer pessoa. E para você ter a certeza de que está fazendo um bom negócio, o banco HSBC desenvolveu um conjunto

Leia mais

Regulamento de Empréstimo

Regulamento de Empréstimo Regulamento $ de Empréstimo Para participantes do Plano Complementar de Benefícios Previdenciais - Plano BD $ Fundação de Previdência dos Empregados da CEB Regulamento aprovado pelo Conselho Deliberativo

Leia mais

SISTEMA DE NORMAS RD Nº 05/2007 de 18/04/07 1 de 7

SISTEMA DE NORMAS RD Nº 05/2007 de 18/04/07 1 de 7 Nº RD e Data de aprovação: PÁGINA : SISTEMA DE NORMAS RD Nº 05/2007 de 18/04/07 1 de 7 CÓDIGO : GECOM/D.C. - 01 TÍTULO DA NORMA : SUBSTITUI : SISTEMA DE MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA 1. PROPÓSITOS: Estabelecer

Leia mais

MUNICÍPIO DE MORRINHOS Estado de Goiás

MUNICÍPIO DE MORRINHOS Estado de Goiás LEI Nº 2.661, DE 12 DE JULHO DE 2010. CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia Autoriza o Poder Executivo Municipal a firmar convênio de mútua cooperação e

Leia mais

Programa Minha Casa Minha Vida - PMCMV e o Programa Nacional de Habitação Rural - PNHR AGOSTO 2011

Programa Minha Casa Minha Vida - PMCMV e o Programa Nacional de Habitação Rural - PNHR AGOSTO 2011 Programa Minha Casa Minha Vida - PMCMV e o Programa Nacional de Habitação Rural - PNHR AGOSTO 2011 Habitação Rural Déficit Habitacional Rural no Brasil Região Déficit Habitacional Rural (UH) % Norte 107.058

Leia mais

Administrar uso do FGTS no consórcio de imóvel

Administrar uso do FGTS no consórcio de imóvel Administrar uso do FGTS no consórcio de imóvel Quais são as possibilidades de uso do FGTS no consórcio? Oferta de lance em consórcio de imóvel residencial O consorciado poderá utilizar até 100% do saldo

Leia mais

ROTEIRO I: Projeto de Trabalho Técnico Social

ROTEIRO I: Projeto de Trabalho Técnico Social ROTEIRO I: Projeto de Trabalho Técnico Social Timbre da Proponente (Prefeitura, quando o proponente for o poder municipal) 1 IDENTIFICAÇÃO Empreendimento: Município: UF Endereço : Bairro: Executor: Tel.:

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA - EIV. Mário Barreiros

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA - EIV. Mário Barreiros ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA - EIV Mário Barreiros Arquiteto Mestre em Engenharia Civil e Urbana Flektor Engenharia e Consultoria Ltda. Palestra realizada para o Instituto de Desenvolvimento Urbano

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PANANÁ EDISON FERREIRA BRUM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PANANÁ EDISON FERREIRA BRUM UNIVERSIDADE FEDERAL DO PANANÁ EDISON FERREIRA BRUM ANÁLISE DE MERCADO IMOBILIÁRIO DE CURITIBA NO PERÍODO TRANSCORRIDO ENTRE 2005 E 2012 CURITIBA 2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PANANÁ EDISON FERREIRA BRUM

Leia mais

Empreendimentos Imobiliários Sustentáveis

Empreendimentos Imobiliários Sustentáveis Empreendimentos Imobiliários Sustentáveis Viabilidade, Projeto e Execução Análise de Investimento em Empreendimentos Imobiliários Sustentáveis São Paulo, 19 de agosto de 2008 Luiz Henrique Ceotto Tishman

Leia mais

PORTARIA Nº 139, DE 13 DE ABRIL DE 2009 (DOU DE 13.04.2009 - EDIÇÃO EXTRA)

PORTARIA Nº 139, DE 13 DE ABRIL DE 2009 (DOU DE 13.04.2009 - EDIÇÃO EXTRA) PORTARIA Nº 139, DE 13 DE ABRIL DE 2009 (DOU DE 13.04.2009 - EDIÇÃO EXTRA) Dispõe sobre a aquisição e alienação de imóveis sem prévio arrendamento no âmbito do Programa de Arrendamento Residencial - PAR,

Leia mais

Crédito Imobiliário 2010

Crédito Imobiliário 2010 Crédito Imobiliário 2010 1 Contratação 2 Crédito à Moradia R$ bilhões 77,8 53,6% de evolução do saldo 57,2% a mais em contratações 49,5 22,0 23,6 14,1 6,4 8,8 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Contratações

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 19/2015

NOTA TÉCNICA Nº 19/2015 NOTA TÉCNICA Nº 19/2015 Brasília, 3 de Novembro de 2015. ÁREA: Planejamento Territorial e Habitação TÍTULO: Novidades na operacionalização do Programa Minha Casa, Minha Vida (PMCMV) em sua Terceria Fase

Leia mais

ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO.

ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO E DESIGN DISCIPLINA: CONFORTO AMBIENTAL 1 ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO. ARQUITETOS: KAZUYO SEJIMA E

Leia mais

O SISTEMA DE AQUECIMENTO SOLAR NO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA. Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva GERÊNCIA NACIONAL DE MEIO AMBIENTE

O SISTEMA DE AQUECIMENTO SOLAR NO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA. Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva GERÊNCIA NACIONAL DE MEIO AMBIENTE O SISTEMA DE AQUECIMENTO SOLAR NO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva GERÊNCIA NACIONAL DE MEIO AMBIENTE Crédito Imobiliário 2003 a 2010 75,92 47,05 275.528 MCMV 660.980

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO 03/2009 ENTRE O COMAER/ CFIAe & CAIXA (CEF) INSTRUÇÕES AOS BENEFICIÁRIOS DA CFIAe GENERALIDADES A Caixa de Financiamento Imobiliário da Aeronáutica (CFIAe) vem acompanhando as taxas

Leia mais

Antena e telefones Na sala, foram instalados pontos para a antena de televisão e o telefone.

Antena e telefones Na sala, foram instalados pontos para a antena de televisão e o telefone. Antena e telefones Na sala, foram instalados pontos para a antena de televisão e o telefone. Aquecedor solar Caso sua moradia seja dotada de aquecimento solar, é necessário que, antes de utilizá-lo, você

Leia mais

III Seminário Nacional Pactuação Federativa no Brasil sem Miséria. Brasília Novembro/2015

III Seminário Nacional Pactuação Federativa no Brasil sem Miséria. Brasília Novembro/2015 III Seminário Nacional Pactuação Federativa no Brasil sem Miséria Brasília Novembro/2015 CENÁRIO DA POBREZA Fonte: IBGE. Censo Demográfico 2010 (resultados preliminares); Fundação Seade. DIRETRIZES E PRINCÍPIOS

Leia mais

Gestão do valor: fundamentos de marketing e satisfação do cliente

Gestão do valor: fundamentos de marketing e satisfação do cliente Gestão do valor: fundamentos de marketing e satisfação do cliente Carlos T. Formoso Professor e pesquisador do NORIE - UFRGS Conceito de marketing: visão ampla Identificação das necessidades dos clientes

Leia mais

Oficina dos principais desafios do Programa Minha Casa Minha Vida 3. 05 de junho de 2014

Oficina dos principais desafios do Programa Minha Casa Minha Vida 3. 05 de junho de 2014 Oficina dos principais desafios do Programa Minha Casa Minha Vida 3 05 de junho de 2014 INSERÇÃO URBANA E QUALIFICAÇÃO DOS PROJETOS URBANÍSTICOS E DE ARQUITETURA (parâmetros) PARCERIA ENTRE ATORES/ CADEIA

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura.

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura. VI-039 - SANEAMENTO BÁSICO: UMA ANÁLISE ESTRUTURAL DO BAIRRO PEDRA DO LORDE EM JUAZEIRO-BA, COMO AÇÃO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PET CONEXÕES DE SABERES - SANEAMENTO AMBIENTAL. Roberta Daniela da

Leia mais

Norma de Desempenho. Conceitos e Histórico NBR 15575:2013

Norma de Desempenho. Conceitos e Histórico NBR 15575:2013 NBR 15575:2013 Eng Roberto Gonçalves Dias Conceitos e Histórico Conceito de : Origem na exigências de segurança estrutural na Segunda Guerra Mundial Evolução nos Congressos da Construção Civil em 1962

Leia mais

Para o desenvolvimento dos trabalhos e elaboração do presente laudo, foram executados os seguintes passos:

Para o desenvolvimento dos trabalhos e elaboração do presente laudo, foram executados os seguintes passos: 1. PRELIMINARES 1.1 Objetivo Constitui objetivo do presente trabalho a constatação do estado de conservação do Apartamento n 82 do Edifício Vivien Tereza, situado à Rua Domingos de Moraes, nº 348, Vila

Leia mais

Seguro Residencial Itaú. Itaú Seguros de Auto e Residência Plano de Assistência 24 horas

Seguro Residencial Itaú. Itaú Seguros de Auto e Residência Plano de Assistência 24 horas Itaú Seguros de Auto e Residência Plano de Assistência 24 horas I PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DO PLANO APARTAMENTO Confira os serviços, limites e critérios a seguir. 1. Solicitação dos serviços Os serviços

Leia mais

DELIBERAÇÃO NORMATIVA CGFPHIS Nº 016, DE 28 DE MAIO DE 2013

DELIBERAÇÃO NORMATIVA CGFPHIS Nº 016, DE 28 DE MAIO DE 2013 Deliberação Normativa nº 016, de 28 de maio de 2013. Reedita, com alterações, a Deliberação Normativa nº 014, de 11 de setembro de 2012, que aprovou a implantação do PROGRAMA CASA PAULISTA APOIO AO CRÉDITO

Leia mais

SELO CASA AZUL CAIXA Seminário Construções Sustentáveis

SELO CASA AZUL CAIXA Seminário Construções Sustentáveis SELO CASA AZUL CAIXA Seminário Construções Sustentáveis 19/OUT/2011 Mara Luísa Alvim Motta Gerência Nacional de Meio Ambiente CAIXA EVOLUÇÃO DO CRÉDITO IMOBILIÁRIO 2003-2010 EVOLUÇÃO DO CRÉDITO IMOBILIÁRIO

Leia mais

Aplicações Diretas 3.1.90.00 120.194,00 0,00 120.194,00 OUTRAS DESPESAS CORRENTES

Aplicações Diretas 3.1.90.00 120.194,00 0,00 120.194,00 OUTRAS DESPESAS CORRENTES DE APLIC Unidade Orçamentária DEPARTAMENTO DE SERVIÇOS URBANOS 01 Função URBANISMO 15 Sub-função SERVIÇOS URBANOS 452 Programa SERVIÇOS ESSENCIAIS 0901 Atividade Manutenção dos Serviços Urbanos 2110 090101

Leia mais

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Inaugurada há pouco mais de 3 anos, Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) garante melhorias na qualidade da água do córrego Lucas, que

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO

MANUAL DE ORIENTAÇÃO AMAVI ASSOCIAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DO ALTO VALE DO ITAJAÍ MANUAL DE ORIENTAÇÃO FORMULÁRIO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO HABITACIONAL Este manual tem por finalidade orientar os cadastradores no preenchimento

Leia mais

CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI ASSISTÊNCIA TÉCNICA PÚBLICA E GRATUITA

CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI ASSISTÊNCIA TÉCNICA PÚBLICA E GRATUITA CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI ASSISTÊNCIA TÉCNICA PÚBLICA E GRATUITA 2015 PROGRAMA Com base na car,lha elaborado em MG. 1. Contextualização 2. Legislação 3.

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Cobertura de saneamento básico no Brasil segundo Censo Demográfico, PNAD e PNSB

Cobertura de saneamento básico no Brasil segundo Censo Demográfico, PNAD e PNSB Cobertura de saneamento básico no Brasil segundo Censo Demográfico, PNAD e PNSB Painel Cobertura e Qualidade dos Serviços de Saneamento Básico Zélia Bianchini Diretoria de Pesquisas 1 São Paulo, 08/10/2013

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI N o 1.181, DE 2007 Acrescenta o inciso XVIII ao Art. 20 da Lei nº 8.036, de 11 de maio de 1990, dispondo que os trabalhadores associados

Leia mais

Estratégia de Financiamento

Estratégia de Financiamento Sustentabilidade Conforme o art. 29 da Lei nº 11.445/07, os serviços públicos de saneamento básico terão a sustentabilidade econômico-financeira assegurada, sempre que possível, mediante remuneração pela

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO RURAL PNHR

PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO RURAL PNHR PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO RURAL PNHR PARTICIPANTES MINISTÉRIO DAS CIDADES Gestor da Aplicação; MINISTÉRIO DA FAZENDA Repasse dos Recursos; CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Agente Financeiro; ENTIDADE ORGANIZADORA

Leia mais

Gestão do uso da água em edifícios e critérios para obtenção do Selo Casa Azul da Caixa

Gestão do uso da água em edifícios e critérios para obtenção do Selo Casa Azul da Caixa 60 Hydro Setembro 2010 Lúcia Helena de Oliveira é professora do Departamento de Engenharia de Construção Civil da Epusp Escola Politécnica da Universidade de São Paulo e pesquisadora da área de sistemas

Leia mais

Esta é a pesquisa de satisfação

Esta é a pesquisa de satisfação Esta é a pesquisa de satisfação dos usuários de saneamento básico realizada entre a categoria residencial dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário regulados pela Agência em 244 municípios

Leia mais

Análise de Viabilidade de Empreendimentos Habitacionais Programa Minha Casa Minha Vida

Análise de Viabilidade de Empreendimentos Habitacionais Programa Minha Casa Minha Vida Análise de Viabilidade de Empreendimentos Habitacionais Programa Minha Casa Minha Vida APRESENTAÇÃO 9h00 até 9h30: Abertura 9h30 até 11h15: Critérios gerais de análise técnica 11h15 até 11h30: Coffee-break

Leia mais

APÊNDICE M-1 CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS DO SETOR DE SANEAMENTO MODELO DE QUESTIONÁRIO

APÊNDICE M-1 CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS DO SETOR DE SANEAMENTO MODELO DE QUESTIONÁRIO CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS DO SETOR DE SANEAMENTO MODELO DE QUESTIONÁRIO 1 CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS DO SETOR DE SANEAMENTO MODELO DE QUESTIONÁRIO Recomenda-se,

Leia mais

Estabelece as diretrizes gerais para aplicação dos recursos alocados ao Programa de Arrendamento Residencial - PAR e dá outras providências.

Estabelece as diretrizes gerais para aplicação dos recursos alocados ao Programa de Arrendamento Residencial - PAR e dá outras providências. PORTARIA Nº 231, DE 4 DE JUNHO DE 2004 Estabelece as diretrizes gerais para aplicação dos recursos alocados ao Programa de Arrendamento Residencial - PAR e dá outras providências. O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

Saneamento Básico e Infraestrutura

Saneamento Básico e Infraestrutura Saneamento Básico e Infraestrutura Augusto Neves Dal Pozzo Copyright by Augusto Dal Pozzo DADOS HISTÓRICOS Até a década de 70 soluções locais e esparsas para os serviços de saneamento; Década de 70 criação

Leia mais

RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA E TECNOLÓGICA

RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA E TECNOLÓGICA RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA E TECNOLÓGICA FACINTER - EAD 2º SEMESTRE - 2011 FACULDADE INTERNACIONAL DE CURITIBA FACINTER COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA RELATÓRIO GERENCIAL

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros O que o brasileiro pensa sobre a conservação e o uso da água no Brasil METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para subsidiar o planejamento

Leia mais

Governo do Estado do Amazonas. Banco Interamericano de Desenvolvimento BID Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus PROSAMIM III 2676/OC-BR

Governo do Estado do Amazonas. Banco Interamericano de Desenvolvimento BID Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus PROSAMIM III 2676/OC-BR Governo do Estado do Amazonas Banco Interamericano de Desenvolvimento BID Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus PROSAMIM III 2676/OC-BR Plano de Contas Manaus Amazonas 2012 0 Índice 1. Introdução

Leia mais

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS Autores: Rita de Cássia Junqueira: Cargo atual: Tecnóloga Sanitarista Formação: Tecnologia Sanitária Universidade de Campinas -

Leia mais

OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SUSTENTÁVEIS

OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SUSTENTÁVEIS OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SUSTENTÁVEIS Objetivos da Gestão Sustentável 1 Manter o padrão de excelência para a qual foi projetada 2 Conforto e saúde dos ocupantes e usuários 3 Custos operacionais reduzidos

Leia mais

a) Buscar informações no site da Caixa Econômica Federal, http://www.caixa.gov.br/, ou

a) Buscar informações no site da Caixa Econômica Federal, http://www.caixa.gov.br/, ou CASA PRÓPRIA DO SERVIDOR O Governo do Estado do Goiás, em convênio com a Caixa Econômica Federal, disponibiliza aos seus servidores civis e militares, ativos e inativos, bem como aos pensionistas, linhas

Leia mais

MINHA CASA MINHA VIDA ENTIDADES: A AUTOGESTÃO COLETIVA NA PRODUÇÃO DA MORADIA POPULAR

MINHA CASA MINHA VIDA ENTIDADES: A AUTOGESTÃO COLETIVA NA PRODUÇÃO DA MORADIA POPULAR MINHA CASA MINHA VIDA ENTIDADES: A AUTOGESTÃO COLETIVA NA PRODUÇÃO DA MORADIA POPULAR Evaniza Rodrigues Jul/2011 Curso de Capacitação e formação de agentes sociais, lideranças comunitárias e conselheiros(as)

Leia mais

INÊS MAGALHÃES. Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades

INÊS MAGALHÃES. Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades INÊS MAGALHÃES Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA OBJETIVOS Estimular a provisão de habitação de interesse social em larga escala e em todo o território;

Leia mais

INCIDÊNCIAS PATOLÓGICAS EM FACHADAS E ÁREAS COMUNS DE EDIFICAÇÕES PARA ENSINO CASO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

INCIDÊNCIAS PATOLÓGICAS EM FACHADAS E ÁREAS COMUNS DE EDIFICAÇÕES PARA ENSINO CASO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ INCIDÊNCIAS PATOLÓGICAS EM FACHADAS E ÁREAS COMUNS DE EDIFICAÇÕES PARA ENSINO CASO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ RESUMO PADARATZ, Ivo J. (1); CANOVA, José A. (2); DE MORI, Luci M. (3);

Leia mais

Minha Casa, Meu Capital

Minha Casa, Meu Capital Sumário Executivo A casa própria é o ativo físico mais decisivo no processo de acumulação de capital das famílias. Ele desempenha papel de reserva de valor para fazer face às incertezas e a necessidades

Leia mais

OU DEFENDEMOS OU PERDEMOS

OU DEFENDEMOS OU PERDEMOS OU DEFENDEMOS OU PERDEMOS Criação: Lei 5.107/66 - Atual Lei 8.036/90-50 ANOS EM 2016 Objetivo: Constituir um pecúlio para o trabalhador quando de sua aposentadoria ou por ocasião da rescisão do contrato

Leia mais

Etapas do PLHIS PROPOSTAS

Etapas do PLHIS PROPOSTAS Plano Local de Habitação de Interesse Social de Boituva Seminário de Homologação do PLHIS de Boituva 25 de Fevereiro de 2010 Etapas do PLHIS etapa 1 etapa 2 etapa 3 METODOLOGIA DIAGNÓSTICO PROPOSTAS Princípios

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE PERCEPÇÕES SOBRE SANEAMENTO BÁSICO

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE PERCEPÇÕES SOBRE SANEAMENTO BÁSICO PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE PERCEPÇÕES SOBRE SANEAMENTO BÁSICO MARÇO DE 2012 JOB2178 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL Entender como a população brasileira percebe questões relacionadas

Leia mais

Minha Casa, Minha Vida

Minha Casa, Minha Vida O Sr. Roberto Britto (PP/BA ), pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, venho a esta tribuna salientar o Lançamento do Programa Habitacional que começou ontem através

Leia mais

ANÁLISE DE PROJETO TÉCNICO SOCIAL APT MUNICÍPIO SANTANA DA BOA VISTA

ANÁLISE DE PROJETO TÉCNICO SOCIAL APT MUNICÍPIO SANTANA DA BOA VISTA TE-SER Social Consultoria e Assessoria de Projetos Ltda. Rua Upamaroti, 1129/121 Bairro Cristal Porto Alegre/RS CEP: 90.820-140 CNPJ: 08.798.484/0001-78 Inscrição Municipal: 510.834.26 ANÁLISE DE PROJETO

Leia mais

Dados do Produto. Ar Condicionado: ponto dreno + carga elétrica (sala e dormitório)

Dados do Produto. Ar Condicionado: ponto dreno + carga elétrica (sala e dormitório) FICHA TÉCNICA Projeto Arquitetônico: Gkalili Arquitetura Design de Fachada: Triptyque Arquitetura Projeto Paisagístico: EKF Arquitetura paisagística Projeto Decoração: Triptyque Arquitetura Dados do Produto

Leia mais

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Associação Brasileira de Recursos Hídricos Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Vladimir Caramori CTEC/UFAL Fortaleza, novembro de 2010 Gestão das águas urbanas Tema complexo reconhecido

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 09/2014

NOTA TÉCNICA Nº 09/2014 NOTA TÉCNICA Nº 09/2014 Brasília, 4 de abril de 2014. ÁREA: Contabilidade Municipal TÍTULO: Tratamento Contábil das Despesas do Programa Mais Médicos REFERÊNCIA(S): Portaria SGTES nº 30, de 12/02/2014

Leia mais

Estratégia Rossi para o Segmento Econômico 2009/2010

Estratégia Rossi para o Segmento Econômico 2009/2010 Estratégia Rossi para o Segmento Econômico 2009/2010 Agenda 2 Público-Alvo Evolução do mercado Estratégia no segmento Projeções Conclusão Agenda 3 Público-Alvo > Perfil de renda > Classificação da base

Leia mais

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1 Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Perspectivas da economia / Comprometimento de renda Novembro/2015 Copyright Boa Vista SCPC 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: Pesquisa para

Leia mais

CÓDIGO FLORESTAL e ÁREAS URBANAS

CÓDIGO FLORESTAL e ÁREAS URBANAS CÓDIGO FLORESTAL e ÁREAS URBANAS Brasília 30 de agosto de 2011 Celso Santos Carvalho Diretor de Assuntos Fundiários Urbanos O processo de urbanização brasileiro não considerou a necessidade de prover habitação

Leia mais

O que é o FGTS? Quem tem direito ao FGTS? Qual o valor do depósito?

O que é o FGTS? Quem tem direito ao FGTS? Qual o valor do depósito? O que é o FGTS? O FGTS - Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - é um fundo composto por depósitos bancários em dinheiro, compulsório, vinculado, realizado pelo empregador em favor do trabalhador, visando

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FÍSICA DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FÍSICA DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS I IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome: Endereço: AP: Nome Fantasia: Inscrição Municipal: Nº do Processo: CNPJ: Tipo de Serviço: ( ) Municipal ( ) Filantrópico ( ) Conveniado SUS RJ ( ) Privado ( ) Estadual

Leia mais

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR Rosiane Costa de Souza Assistente Social Msc Serviço Social/UFPA Diretora de Assistência Social Secretaria de Estado de Assistência Social do Pará

Leia mais