Estudo e Modelagem Computacional de um Robô Aplicado em Processos de Usinagem

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo e Modelagem Computacional de um Robô Aplicado em Processos de Usinagem"

Transcrição

1 Universidade Federal de São João Del-Rei MG 26 a 28 de maio de 2010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia Estudo e Modelagem Computacional de um Robô Aplicado em Processos de Usinagem Fábio de Oliveira Campos 1 ; Armando Carlos de Pina Filho 2 ; Aloísio Carlos de Pina 3 1 UFRJ, Escola Politécnica, Departamento de Engenharia Mecânica Rio de Janeiro, RJ, CEP: UFRJ, Escola Politécnica, Programa de Engenharia Urbana Rio de Janeiro, RJ, CEP: UFRJ, COPPE, Programa de Engenharia Civil Rio de Janeiro, RJ, CEP: Resumo. Robôs aplicados em processos de usinagem são basicamente robôs manipuladores, em sua grande maioria do tipo articulado, o que aumenta a sua versatilidade, possibilitando a realização de diversas tarefas em função da ferramenta específica acoplada ao robô. Esses mecanismos possuem muitas vantagens em relação às tradicionais máquinas CNC, tais como: maior flexibilidade, menor custo inicial, menor perda de material no processo, melhor acabamento das superfícies de peças, etc. Alguns pontos importantes para a escolha do robô adequado a determinado processo são: a complexidade geométrica das peças, as tolerâncias requeridas, a própria forma de realização do processo, etc. Apesar de tantos detalhes, a estrutura primordial desse tipo de robô se baseia num robô manipulador tradicional. Sendo assim, o presente trabalho tem por objetivo fazer um estudo de robôs aplicados a processos de usinagem, ressaltando suas principais características, e partir daí realizar a modelagem computacional de um robô manipulador a ser utilizado em simulações de processos de usinagem. Palavras chaves: Robótica, Usinagem, Modelagem Computacional.

2 1 INTRODUÇÃO Os robôs utilizados nos processos de usinagem são os chamados robôs manipuladores. Um manipulador pode ser definido como um mecanismo multifuncional reprogramável projetado para mover materiais, peças, ferramentas ou dispositivos especializados através de movimentos programados para o cumprimento de tarefas variadas (Pazos, 2002). Os robôs manipuladores são constituídos de elos ligados por juntas que podem ser de revolução, fazendo com que um elo gire em relação ao outro, ou prismática, fazendo com que um elo translade em relação ao outro. O efetuador é o dispositivo fixado no último elo e que realiza a tarefa propriamente dita, podendo ser uma garra ou uma ferramenta. A quantidade de elos e o tipo de juntas definem a anatomia do robô. Os manipuladores podem ser classificados, basicamente, em quatro grupos (Fig. 1). Os robôs de coordenadas cartesianas possuem as três primeiras juntas prismáticas. Os de coordenadas cilíndricas possuem a primeira de revolução e as outras duas prismáticas. Os manipuladores esféricos possuem as duas primeiras juntas de revolução e a terceira prismática. Por fim, os de coordenadas de revolução possuem todas as juntas de revolução, sendo também chamados de braços mecânicos, pois suas seis juntas reproduzem o movimento do braço humano. Figura 1 - Robô de coordenadas cartesianas, cilíndricas, esféricas, revolução (Pazos, 2002). Cada tipo de robô possui um volume de trabalho característico, que é o conjunto de todos os pontos que o efetuador consegue alcançar. Logicamente, esse volume varia de acordo com o tamanho dos elos e do alcance das juntas. As juntas dos manipuladores são acionadas por atuadores que podem ser hidráulicos, pneumáticos ou elétricos. Os primeiros são pistões ou motores hidráulicos que utilizam como fluido um óleo bastante viscoso e fornecem grande precisão aos robôs, assim como grande capacidade de carga. Os atuadores pneumáticos são similares aos hidráulicos, porém utilizam como fluido o ar que por ser bastante compressível a altas pressões dão aos robôs uma baixa precisão. Os atuadores elétricos utilizam motores elétricos, fornecendo aos robôs uma boa precisão e com uma vantagem em relação aos hidráulicos: eles não correm o risco de contaminar a área de trabalho. Porém têm a desvantagem de ter menor capacidade de carga e não poderem ser usados em ambientes com risco de incêndio. Há três tipos básicos de controle utilizados nos robôs manipuladores. O primeiro é chamado bang-bang, que tem como objetivo levar o efetuador de um ponto a outro, sendo que esses pontos são dados pelas características mecânicas dos atuadores. Esse tipo de controle opera em malha aberta e não dá ao robô muita precisão. O segundo tipo é o de trajetória ponto a ponto, que também tem como objetivo levar o efetuador de um ponto inicial até um final, podendo ou não passar por pontos intermediários, não importando a trajetória que ele fará. Esse tipo de controle opera em malha fechada com um sensor de posição. O terceiro e último tipo de controle é o de trajetória contínua e faz com que o robô

3 vá de um ponto a outro seguindo uma trajetória pré-programada. Para isso, ele opera em malha fechada com sensores de posição e velocidade. Para se qualificar o trabalho de um robô manipulador existem dois conceitos fundamentais: a repetibilidade, que mede a capacidade do robô de retornar a um ponto qualquer do seu volume de trabalho repetidamente, e a precisão, que mede a capacidade do robô de voltar a um ponto específico do volume de trabalho. 2 ROBÔS MANIPULADORES X MÁQUINAS CNC Soldagem a arco, soldagem por ponto, paletização, pega-e-põe, montagem, entre outros processos são exemplos típicos das aplicações mais utilizadas nas indústrias para os robôs manipuladores. Porém, há alguns anos, vem aumentando progressivamente a utilização desses robôs para a automação de diversos processos de usinagem. As indústrias já perceberam que, para uma grande parte das operações de usinagem, eles trazem muitas vantagens em comparação com as tradicionais máquinas CNC. A primeira vantagem óbvia desses robôs é o número de eixos que eles possuem. As máquinas de usinagem CNC convencionais possuem, normalmente, de três a cinco eixos, enquanto que os robôs manipuladores possuem seis eixos, o que dá a eles de três a um grau de liberdade a mais que as máquinas. Essa diferença dá ao robô um volume de trabalho bem maior, resultando em uma maior flexibilidade na hora da operação. Além disso, a própria anatomia dos robôs também faz com que a usinagem seja muito mais flexível. Há operações em que é necessário parar a máquina CNC para a troca da ferramenta de trabalho ou movimentação da peça que está sendo usinada. Já os robôs conseguem usinar a peça de uma vez, resultando em uma maior produção em menos tempo, já que o robô fica mais tempo trabalhando do que a máquina CNC. Outra vantagem dos robôs é que são projetados para diversas tarefas, bastando para isso, que se troque o efetuador. Sendo que para essa troca acontecer, não é necessário que um operador a realize, basta que a troca esteja no programa de controle do robô. Por exemplo, a Fig. 2 mostra o robô KR 140 da Kuka, que pode ser usado para diversas operações de usinagem, além de operações de paletização, de encaixe, solda a ponto, movimentação de materiais, pintura, entre muitas outras. Figura 2 - Robô KR 140 da Kuka (Kuka, 2009).

4 Além de uma maior flexibilidade, outra vantagem essencial dos robôs é o custo inicial para instalação do equipamento. Enquanto que o custo da implementação de uma fresadora de cinco eixos está entre $ e um milhão de dólares, o custo de um robô de seis eixos se encontra entre $ e $ , ou seja, uma redução de custos de até 82,5% (Manufacturing Engineering, 2005). Na Fig. 3 pode-se observar mais uma vantagem dos robôs manipuladores sobre as máquinas CNC. O robô HP80-50 da Motoman, por exemplo, necessita de um espaço de chão de fábrica de, aproximadamente, 0,5m² para sua instalação. Ou seja, além de ter um volume de trabalho muito maior do que o das máquinas CNC, os robôs são muito mais compactos, necessitando de muito menos chão de fábrica para serem instalados. Figura 3 - Vista superior do robô HP80-50 da Motoman (RobotWorx, 2009). As indústrias têm optado cada vez mais pela utilização dos robôs manipuladores nos processos de usinagem, não só pelo menor custo inicial, mas também pelo menor custo de operação. Eles apresentam menores gastos de energia e menor desperdício de material, o que é essencial já que ambos o custo de energia e de material estão cada vez mais caros, além de diminuir custos com mão-de-obra (Brumson, 2008). Logicamente, a automação desses processos traz um benefício direto para o homem, já que o mantém afastado de ambientes nocivos e situações de risco que alguns processos de usinagem apresentam. Uma ilustração dessa tendência por parte das indústrias são os números das vendas de robôs. Por exemplo, segundo a RIA Robotics Industries Association no primeiro semestre de 2006 a venda de robôs na América do Norte caiu 38% em relação ao mesmo período do ano anterior. Porém, enquanto a maioria das áreas da robótica apresentou declínio nas vendas, a área de robôs de usinagem cresceu 33% (RIA, 2006). Apesar das vantagens apresentadas, os robôs apresentam uma grande desvantagem em relação às máquinas CNC: uma menor rigidez. Para usinagem de materiais como plástico e espuma, os robôs atuais apresentam rigidez suficiente para realizar a operação, porém as forças geradas no corte de aço, por exemplo, são bem maiores (Brumson, 2005). Apesar disso, alguns robôs são utilizados na usinagem de peças que necessitam uma maior rigidez, porém a precisão neste caso é prejudicada. Outro problema foi a linguagem de programação usada pelos robôs, o que dificultou a entrada no mercado de usinagem. As máquinas CNC utilizam uma linguagem chamada de G-code, fazendo uso de sistemas CAD/CAM (Computer Aided Design/Computer Aided Manufacturing - Projeto Assistido por Computador/Fabricação Assistida por Computador), facilitando o projeto e fabricação de peças. Os robôs não tinham capacidade de ler programas em G-code, logo foi necessário a criação de um software que convertesse o G- code para uma linguagem que o robô utilizasse. Assim, os manipuladores também passaram a fazer uso de sistemas CAD/CAM (Webb and Morel, 2005).

5 Na Fig. 4 pode-se ver um exemplo de fabricação por sistema CAD/CAM de um robô da ABB. À esquerda temos a peça modelada em 3D com o programa IRBCAM da própria ABB. À direita é mostrado a peça real já usinada. Figura 4 - Projeto de uma peça em CAD e peça real já fabricada (IRBCAM, 2009). 3 ESPECIFICAÇÕES DO ROBÔ Robôs para usinagem podem ser divididos, basicamente, em cinco grandes grupos (Brumson, 2008). O primeiro grupo representa operações onde o robô retira material do perímetro das peças, como rebarbamento e operações de corte. O segundo grupo inclui operações de acabamento de superfícies e de polimento. Outro grupo é o de acabamento de superfícies de peças de plástico, onde se remove qualquer superfície áspera de um molde. O quarto grupo é o de operações como de lixamento. Nessas operações o robô retira a camada superficial de uma determinada peça para que depois ela possa ser reaplicada ou para que seja feita alguma outra operação nela. O último grupo é o de operações de fresamento, onde o robô cria, a partir do bloco de algum material, um formato específico. Dentre os robôs disponíveis no mercado pelos grandes fabricantes, os robôs utilizados nas operações de usinagem são, quase que em sua totalidade, de coordenadas de revolução, ou seja, possuem seis eixos (seis graus de liberdade) e todas as suas juntas são de revolução. O outro tipo de anatomia encontrada, porém muito raramente, é a de coordenadas cartesianas. O uso de robôs de coordenadas de revolução é bastante óbvio, pois são os mais flexíveis, podendo ser utilizados em praticamente todas as aplicações. Em operações de usinagem é muito importante que a ferramenta siga um caminho exato na superfície da peça que está sendo trabalhada. Por isso, é essencial que o tipo de controle utilizado nesses robôs seja o de trajetória contínua. Outro fator de extrema importância é a repetibilidade do robô. Quanto maior a repetibilidade do robô, maior será a constância dos seus movimentos, o que é fundamental para uma boa usinagem. Enquanto para outras aplicações há robôs com repetibilidade até ±0,6mm, para as operações de usinagem o ideal é que ela esteja entre ±0,02mm, para robôs de pequeno porte e baixa capacidade de carga, e ±0,40mm, para robôs de porte muito grande, assim como grande capacidade de carga (Brumson, 2008). Também é necessário o uso de sensores nos robôs de usinagem. Primeiramente, é necessário o uso de um sensor de posição para que ele saiba se a ferramenta está no ponto certo. Também é preciso a utilização de sensores de velocidade, pois a velocidade da ferramenta de corte é uma das variáveis que mais afetam o processo de usinagem. É importante também, o uso de sensores para controle de força. Esses sensores conseguem

6 sentir o estado de uma superfície e ajustar o tamanho da força que a ferramenta precisa fazer na peça. Esse controle de força é essencial para qualidade final da peça. Sem ele, o robô corre o risco de remover muito ou pouco material da peça, a ferramenta pode quebrar, entre outras conseqüências (Brumson, 2002). Devido à grande flexibilidade dos robôs manipuladores, não há características específicas que um robô tem para conseguir realizar um determinado processo de usinagem. Eles são projetados de forma que a maioria possa ser utilizado em diversos processos diferentes. O processo que exige características mais específicas do robô é o de fresamento, porém mesmo assim, somente quando o material a ser usinado é muito duro e exige uma rigidez maior por parte do robô. 4 MODELAGEM COMPUTACIONAL DO ROBÔ A partir dos conceitos de robôs manipuladores e de suas especificações para aplicação em operações de usinagem, o objetivo final deste trabalho é apresentar a modelagem computacional de um robô manipulador que possa ser utilizado com esta finalidade. A fim de executar tal modelagem, foram usados programas de CAD, mais precisamente, o AutoCAD da empresa Autodesk. Esse modelo 3D preparado em CAD poderá ser usado posteriormente em simulações de funcionamento. Esta pesquisa tem aplicações educacionais na área de Engenharia Mecânica, principalmente no projeto de máquinas e robôs, assim como nos processos de fabricação. A Fig. 5 mostra a modelagem da base do robô, enquanto a Fig. 6 apresenta todos os elos e juntas do robô. A montagem do robô (vista isométrica) pode ser vista na Fig. 7, e as vistas principais do robô são apresentadas na Fig. 8. Figura 5 - Base do robô. Figura 6 - Elos e juntas do robô.

7 Figura 7 - Montagem do robô (vista isométrica). Figura 8 - Principais vistas do robô.

8 5 CONCLUSÃO A utilização de robôs manipuladores em processos de usinagem já é uma realidade nas indústrias mundiais, e foi desenvolvida rapidamente pela implementação de novas tecnologias. Quando escolhido corretamente, o robô manipulador apresenta muitas vantagens em comparação às máquinas CNC, tais como: redução de custos, economia de tempo, assim como a maior qualidade no acabamento das peças. Os robôs podem perfeitamente ser utilizados em processos de usinagem de peças feitas de plástico, espuma ou outros materiais que não são tão resistentes. Porém, ainda não são capazes de executar processos de usinagem com tanta precisão quanto às máquinas CNC. Também não apresentam a rigidez necessária para executar operações em peças de aço, por exemplo. Por conta disso, o desenvolvimento da tecnologia do controle de força é um dos fatores que podem tornar possível o uso destes robôs em processos que exijam maior precisão, em especial, nas peças de material mais resistente. Uma desvantagem seria a perda de flexibilidade, e o robô não seria adequado para outras tarefas. A partir do modelo 3D que foi criado por meio de programas do CAD, pode-se realizar diversas simulações de processos de usinagem, que é o objetivo de trabalhos futuros baseados nesta pesquisa. Além disso, o modelo pode ser utilizado para estudar sistemas de controle, assim como detalhes do projeto mecânico de um robô real. Agradecimentos O autor Aloísio Carlos de Pina gostaria de agradecer à CAPES e FAPERJ pelo suporte financeiro fornecido durante o decorrer deste trabalho. 6 BIBLIOGRAFIA Brumson, B., Take it Off: Robotic Material Removal Applications. Robotic Industries Association, 8 de novembro de 2009, <http://www.robotics.org/>. Brumson, B., What Material Removal Process Is Right for You? Robotic Industries Association, 9 de novembro de 2009, <http://www.robotics.org/>. Brumson, B., 2008, Robots on the Grindstone: Material Removal Robots. Robotic Industries Association, 2 de novembro de 2009, <http://www.robotics.org/>. IRBCAM, <http://www.irbcam.com/pictures.asp>. Kuka Robot Group, <http://www.kuka-robotics.com>. Manufacturing Engineering, What s Up With Robotic Milling. Manufacturing Engineering, FindArticles.com, 14 de novembro de 2009, <http://findarticles.com>. Pazos, F., Automação de Sistemas & Robótica. 1a Ed., Axcel Books, Rio de Janeiro, Brasil. RIA, Robot Sales Fall 38% in North America. Robotic Industries Association, 9 de novembro de 2009, <http://www.robotics.org/>. RobotWorx, <http://www.robots.com>. Webb, G., Morel, M. K., Robots: The Lower Cost, More Flexible Process Improvement Alternative to CNC Machine Tools. Robotic Industries Association, 15 de novembro de 2009, <http://www.robotics.org/>. 7 DIREITOS AUTORAIS Os autores são os únicos responsáveis pelo conteúdo do material impresso incluído neste trabalho.

DESENVOLVIMENTO DE UM ROBÔ MANIPULADOR INDUSTRIAL

DESENVOLVIMENTO DE UM ROBÔ MANIPULADOR INDUSTRIAL 1 DESENVOLVIMENTO DE UM ROBÔ MANIPULADOR INDUSTRIAL Carlos Henrique Gonçalves Campbell Camila Lobo Coutinho Jediael Pinto Júnior Associação Educacional Dom Bosco 1. Objetivo do Trabalho Desenvolvimento

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

Espaço de Trabalho. θ 2

Espaço de Trabalho. θ 2 1. ROBÓTICA: CONCEITOS BÁSICOS 1.1 Robôs Manipuladores: Robô: Máquina universal programável que tem existência no mundo físico e atua nele através de movimentos mecânicos. Espaço de Trabalho: Região do

Leia mais

Características da Usinagem CNC

Características da Usinagem CNC Características da Usinagem CNC CN: comando numérico É o código propriamente dito! CNC: comando numérico computadorizado É o sistema de interpretação e controle de equipamentos que se utilizam de CN para

Leia mais

Robótica Industrial. Projeto de Manipuladores

Robótica Industrial. Projeto de Manipuladores Robótica Industrial Projeto de Manipuladores Robôs são os típicos representantes da Mecatrônica. Integram aspectos de: Manipulação Sensoreamento Controle Comunicação 1 Robótica e Mecatrônica 2 Princípios

Leia mais

Tecnologia de Comando Numérico 164399

Tecnologia de Comando Numérico 164399 164399 Aula 2 Introdução à Automação da Manufatura Mecatrônica; Automação; Níveis de Automação; Tipos de Automação; Justificativas para automatizar; Justificativas para não automatizar; Prof. Edson Paulo

Leia mais

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial Prof. Daniel Hasse Robótica Industrial Aula 02 - Robôs e seus Periféricos Tipos de Sistemas de Controle Volume de Trabalho Dinâmica e Precisão dos Movimentos Sistemas de Acionamentos Garras Tipos de Sistemas

Leia mais

MODELO PARAMETRIZADO APLICADO EM PROJETO DE MÁQUINAS

MODELO PARAMETRIZADO APLICADO EM PROJETO DE MÁQUINAS Faculdade de Tecnologia de Sorocaba DEPARTAMENTO DE PROJETOS MECÂNICOS MODELO PARAMETRIZADO APLICADO EM PROJETO DE MÁQUINAS RELATÓRIO FINAL DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA Aluno: Ricardo Lorenzati Machado Orientador:

Leia mais

TÍTULO: ROBÔ CONTROLADO POR LINHA E LUZ CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: ROBÔ CONTROLADO POR LINHA E LUZ CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ROBÔ CONTROLADO POR LINHA E LUZ CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA:

Leia mais

4444W-02 Sistemas Robotizados

4444W-02 Sistemas Robotizados PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA ENGENHARIA MECÂNICA 4444W-02 Sistemas Robotizados Aula 4 Aplicações da Robótica Industrial Prof. Felipe Kühne Bibliografia:

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA.

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA. Definição de Robô Dicionário Webster: Dispositivo automático que executa funções normalmente atribuídas a humanos ou uma máquina com forma de humano

Leia mais

Máquinas CNC. Quando seu neto contou que havia visto, Um problema. Controle de máquinas

Máquinas CNC. Quando seu neto contou que havia visto, Um problema. Controle de máquinas A UU L AL A Máquinas CNC Quando seu neto contou que havia visto, numa feira de tecnologia, tornos trabalhando sozinhos, seu Adamastor não acreditou. Riu com pouco caso e mergulhou novamente nas notícias

Leia mais

Curso Automação Industrial Aula 2 Estrutura e características Gerais dos Robôs. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica

Curso Automação Industrial Aula 2 Estrutura e características Gerais dos Robôs. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Curso Automação Industrial Aula 2 Estrutura e características Gerais dos Robôs Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Cronograma Introdução a Robótica Estrutura e Características Gerais dos Robôs

Leia mais

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005 Laboratório de tecnologia de manufatura - uma experiência aplicada ao ensino da engenharia de produção Wilson de Castro Hilsdorf (FEI) wicastro@fei.edu.br Alexandre Augusto Massote (FEI) massote@fei.edu.br

Leia mais

Curso Automação Industrial Aula 1 Introdução a Robótica. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica

Curso Automação Industrial Aula 1 Introdução a Robótica. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Curso Automação Industrial Aula 1 Introdução a Robótica Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Cronograma Introdução a Robótica Estrutura e Características Gerais dos Robôs Robôs e seus Periféricos

Leia mais

Introdução à Engenharia

Introdução à Engenharia Introdução à Engenharia Modelagem e Simulação (Técnicas e Ferramentas Utilizadas) Edgar Brito Introdução Técnicas e ferramentas de modelagem e simulação, são utilizadas para facilitar e visualizar projetos

Leia mais

Introdução à Robótica Pós-Graduação. Robótica Industrial. Perspectiva Histórica e Papel na Automação. Dados, Números e Demandas Futuras

Introdução à Robótica Pós-Graduação. Robótica Industrial. Perspectiva Histórica e Papel na Automação. Dados, Números e Demandas Futuras Introdução à Robótica Pós-Graduação Robótica Industrial Perspectiva Histórica e Papel na Automação Dados, Números e Demandas Futuras Robô Industrial e Gerações de Sistemas Robóticos Tecnologia para o Futuro

Leia mais

Projeto de um Sistema Mecânico para Auxiliar o Implante Permanente de Sementes Radioativas em Tecidos Moles

Projeto de um Sistema Mecânico para Auxiliar o Implante Permanente de Sementes Radioativas em Tecidos Moles Universidade Federal de São João Del-Rei MG 26 a 28 de maio de 2010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia Projeto de um Sistema Mecânico para Auxiliar o Implante Permanente de Sementes

Leia mais

INTRODUÇÃO À DINÂMICA E AO CONTROLE DE MANIPULADORES ROBÓTICOS

INTRODUÇÃO À DINÂMICA E AO CONTROLE DE MANIPULADORES ROBÓTICOS INTRODUÇÃO À DINÂMICA E AO CONTROLE DE MANIPULADORES ROBÓTICOS APOSTILA COMPILADA PELO PROF. RENATO MOLINA DA SILVA, PARA USO DOS ALUNOS DO CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO DA PUCRS, COM BASE

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO E CODIFICAÇÃO PARA SELEÇÃO DE ROBÔS INDUSTRIAIS

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO E CODIFICAÇÃO PARA SELEÇÃO DE ROBÔS INDUSTRIAIS DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO E CODIFICAÇÃO PARA SELEÇÃO DE ROBÔS INDUSTRIAIS Eng o. MSc. José Eraldo Leite de Oliveira Indústria ROMI e Programa de Mestrado em Engenharia de Produção

Leia mais

Medição tridimensional

Medição tridimensional A U A UL LA Medição tridimensional Um problema O controle de qualidade dimensional é tão antigo quanto a própria indústria, mas somente nas últimas décadas vem ocupando a importante posição que lhe cabe.

Leia mais

Bomba d água rara: a solução é a remanufaturar!

Bomba d água rara: a solução é a remanufaturar! Bomba d água rara: a solução é a remanufaturar! Os primeiros motores faziam uso do sistema de termossifão, que utilizava o aquecimento da própria água para circulá-la pelo motor. Porém, com o aumento da

Leia mais

TECONOLOGIAS EMPREGADAS NO ACIONAMENTO DE ROBÔS MANIPULADORES

TECONOLOGIAS EMPREGADAS NO ACIONAMENTO DE ROBÔS MANIPULADORES TECONOLOGIAS EMPREGADAS NO ACIONAMENTO DE ROBÔS MANIPULADORES 1) MOTORES Motores de passo e servo-motores (com ou sem escovas) têm cada um suas respectivas vantagens e desvantagens. Em geral não existe

Leia mais

INTRODUÇÃO À ROBÓTICA

INTRODUÇÃO À ROBÓTICA Material de estudo 2010 INTRODUÇÃO À ROBÓTICA André Luiz Carvalho Ottoni Introdução à Robótica Capítulo 1 - Introdução Robótica é um ramo da tecnologia que engloba mecânica, eletrônica e computação, que

Leia mais

Palavras-chave: Usinagem de superfícies complexas, Simulação Virtual, Fresamento 5 eixos.

Palavras-chave: Usinagem de superfícies complexas, Simulação Virtual, Fresamento 5 eixos. 5 V CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 14 a 17 de abril de 2009 - Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil Simulação de máquinas-ferramentas virtuais e sua importância na usinagem de superfícies

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO. Projeto Conceitual de um Robô SCARA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO. Projeto Conceitual de um Robô SCARA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Projeto Conceitual de um Robô SCARA Disciplina de Projetos I (CCA 99002) Prof.Dr. Rafael Antônio Comparsi

Leia mais

Curso Automação Industrial Aula 3 Robôs e Seus Periféricos. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica

Curso Automação Industrial Aula 3 Robôs e Seus Periféricos. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Curso Automação Industrial Aula 3 Robôs e Seus Periféricos Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Cronograma Introdução a Robótica Estrutura e Características Gerais dos Robôs Robôs e seus Periféricos

Leia mais

Robô na máquina ferramenta.

Robô na máquina ferramenta. Robô na máquina ferramenta. Máxima produtividade graças à automação inteligente com robôs. KUKA White Paper Versão 1.0 Abstract Produzir de forma mais econômica, rápida e segura com máquinas ferramenta

Leia mais

USINAGEM. Prof. Fernando Penteado.

USINAGEM. Prof. Fernando Penteado. USINAGEM 1 USINAGEM Usinagem é um processo onde a peça é obtida através da retirada de cavacos (aparas de metal) de uma peça bruta, através de ferramentas adequadas. A usinagem confere à peça uma precisão

Leia mais

UNIVERSIDADE CEUMA CAMPUS RENASCENÇA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. Professor Leonardo Gonsioroski

UNIVERSIDADE CEUMA CAMPUS RENASCENÇA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. Professor Leonardo Gonsioroski UNIVERSIDADE CEUMA CAMPUS RENASCENÇA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Objetivos da Aula Diferenciar automação da mecanização. Posicionar a automação industrial no contexto histórico. Classificar os tipos

Leia mais

Sensores e Atuadores (2)

Sensores e Atuadores (2) (2) 4º Engenharia de Controle e Automação FACIT / 2009 Prof. Maurílio J. Inácio Atuadores São componentes que convertem energia elétrica, hidráulica ou pneumática em energia mecânica. Através dos sistemas

Leia mais

AULA 33 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE

AULA 33 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE AULA 33 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE 257 33. PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE 33.1. Introdução As peças que serão retificadas, normalmente, chegam à retificadora com um sobremetal

Leia mais

PRESENÇA DE ROBÔS DE PINTURA NA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA. Palavras-Chave: Robôs Industriais, Pintura em Spray, Indústria Automotiva.

PRESENÇA DE ROBÔS DE PINTURA NA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA. Palavras-Chave: Robôs Industriais, Pintura em Spray, Indústria Automotiva. PRESENÇA DE ROBÔS DE PINTURA NA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA Fabrício de Mello Taucita¹ Pâmela Marcélia de Siqueira Santos² Valquíria de Almeida³ Resumo Este artigo apresenta esclarecimentos sobre um processo

Leia mais

USO DA ARQUITETURA AURA - AUTONOMOUS ROBOT ARCHITECTURE EM UM ROBÔ EXPLORADOR DE LABIRINTO CONTROLADO POR RASPBERRY PI.

USO DA ARQUITETURA AURA - AUTONOMOUS ROBOT ARCHITECTURE EM UM ROBÔ EXPLORADOR DE LABIRINTO CONTROLADO POR RASPBERRY PI. USO DA ARQUITETURA AURA - AUTONOMOUS ROBOT ARCHITECTURE EM UM ROBÔ EXPLORADOR DE LABIRINTO CONTROLADO POR RASPBERRY PI. Resumo João Paulo Fernandes da Silva¹, Willame Balbino Bonfim 1. joaopauloibge@hotmail.com

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE MECÂNICA INDUSTRIAL

CURSO TÉCNICO DE MECÂNICA INDUSTRIAL Fundação de Educação para o Trabalho de Minas Gerais CURSO TÉCNICO DE MECÂNICA INDUSTRIAL HUDSON FABRÍCIO XAVIER PEREIRA Vespasiano-2012 FRESAGEM Apostila elaborada para a disciplina de Fresagem para

Leia mais

Ementas Disciplina: Ementa: Competência: Habilidade: Bases Tecnológicas: Carga Horária: Disciplina: Ementa: Competência: Habilidade:

Ementas Disciplina: Ementa: Competência: Habilidade: Bases Tecnológicas: Carga Horária: Disciplina: Ementa: Competência: Habilidade: Ementas Disciplina: Metodologia da Pesquisa Cientifica Ementa: Conhecimento, Ciência, Pesquisa e tipos de pesquisa, Métodos e técnicas para a elaboração e apresentação de trabalho científico. Competência:

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL REGIONAL JARAGUAENSE FERJ ANEXO I AO EDITAL 34/2011 DISCIPLINAS PARA O PROCESSO SELETIVO EXTERNO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL REGIONAL JARAGUAENSE FERJ ANEXO I AO EDITAL 34/2011 DISCIPLINAS PARA O PROCESSO SELETIVO EXTERNO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL REGIONAL JARAGUAENSE FERJ ANEXO I AO EDITAL 34/2011 DISCIPLINAS PARA O PROCESSO SELETIVO EXTERNO CURSO (S) DISCIPLINA(S) EMENTA(S) Perícia Contábil Contabilidade Fiscal I Contabilidade

Leia mais

Técnico/a de Refrigeração e Climatização

Técnico/a de Refrigeração e Climatização Técnico/a de Refrigeração e Climatização 1315 Eletricidade e eletrónica - programação de autómatos 2013/ 2014 Gamboa 1 Introdução Automação, estudo dos métodos e procedimentos que permitem a substituição

Leia mais

ANÁLISE, PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UMA MÁQUINA DIDÁTICA POR SOLDA A FRICÇÃO

ANÁLISE, PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UMA MÁQUINA DIDÁTICA POR SOLDA A FRICÇÃO ANÁLISE, PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UMA MÁQUINA DIDÁTICA POR SOLDA A FRICÇÃO Anderson Júnior Dos Santos, ndersonsantos@hotmail.com 1 Diogo Azevedo De Oliveira, diogoazev@yahoo.com.br 1 Klaus Higor Dos Santos

Leia mais

Rudloff: Tradição, Agilidade e Experiência

Rudloff: Tradição, Agilidade e Experiência Rudloff: Tradição, Agilidade e Experiência Imagem Aérea da Empresa Pátio Fabril Usinagem Horta Comunitária Pátio Fabril Engenharia Cursos In Company ministrados pelo SENAI A Rudloff foi fundada em 1960,

Leia mais

Robótica. Índice. Cap. 1 Introdução. Cap. 2 Automação da produção 2.1 - História da robótica 2.2 - Automação

Robótica. Índice. Cap. 1 Introdução. Cap. 2 Automação da produção 2.1 - História da robótica 2.2 - Automação 3 Robótica Índice Cap. Introdução Cap. 2 Automação da produção 2. - História da robótica 2.2 - Automação Cap. 3 Fundamentos da Tecnologia de Robôs 3. - Nomenclatura 3.2 Anatomia dos braços mecânicos industriais

Leia mais

Na Cinemática Aplicada estuda-se a aplicação dos conceitos da Cinemática na Síntese e Análise dos Mecanismos.

Na Cinemática Aplicada estuda-se a aplicação dos conceitos da Cinemática na Síntese e Análise dos Mecanismos. . MECA!ISMOS.0 Algumas definições Um mecanismo é um conjunto de elementos de máquinas ligados de forma a produzir um movimento específico. Podem ser subdivididos conforme suas aplicações: mecanismos com

Leia mais

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO DE MESA TRIDIMENSIONAL PARA TOPOGRAFIA A LASER E MOVIMENTAÇÃO EM SOLDAGEM

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO DE MESA TRIDIMENSIONAL PARA TOPOGRAFIA A LASER E MOVIMENTAÇÃO EM SOLDAGEM CONVÊNIOS CNPq/UFU & FAPEMIG/UFU Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA COMISSÃO INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2008 UFU 30 anos PROPOSTA

Leia mais

Hidráulica móbil aplicada a máquina agrícolas 1. 1. Bombas e Motores

Hidráulica móbil aplicada a máquina agrícolas 1. 1. Bombas e Motores Hidráulica móbil aplicada a máquina agrícolas 1 BOMBAS: 1. Bombas e Motores As bombas hidráulicas são o coração do sistema, sua principal função é converter energia mecânica em hidráulica. São alimentadas

Leia mais

Manual de Operação Fresadora CNC

Manual de Operação Fresadora CNC Manual de Operação Fresadora CNC 1 Índice Introdução...3 Métodos de Utilização...3 Controle manual...4 Link Serial...5 Modo Automático com Cartão SD...6 2 Introdução A Fresadora CNC do Lab, é uma fresadora

Leia mais

Usinagem com Altíssima Velocidade de Corte

Usinagem com Altíssima Velocidade de Corte Capítulo 2 Revisão da Literatura Usinagem com Altíssima Velocidade de Corte 2.1. Aspecto Histórico A primeira sugestão de um trabalho com HSM foi feita por Salomon, em 1931, que propôs que existiria uma

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Preliminares

1 Introdução. 1.1 Preliminares Desenvolvimento de um Sistema Aberto para Ensino de Robôs Manipuladores 15 1 Introdução 1.1 Preliminares O robô manipulador é um equipamento que se destaca por dois motivos: primeiro por suas características

Leia mais

O que é automação? SENAI / RJ. Julho / 2011

O que é automação? SENAI / RJ. Julho / 2011 O que é automação? SENAI / RJ Julho / 2011 O que é automação? Automação industrial é o uso de qualquer dispositivo mecânico ou eletro-eletrônico para controlar máquinas e processos. Entre os dispositivos

Leia mais

Transmissões de Potência

Transmissões de Potência Transmissões de Potência PMR 2201 Transmissões O emprego de transmissões torna-se necessário para compatibilizar a velocidade angular ou conjugado da máquina motriz com a necessidade da máquina acionada,

Leia mais

DISCIPLINA: Gestão de Pessoas

DISCIPLINA: Gestão de Pessoas ASSOSSIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementa Tecnólogo em Fabricação Mecânica Departamento de Ensino Superior DISCIPLINA: Metodologia da Pesquisa Científica Técnicas para elaboração de

Leia mais

PROJETO ASSISTIDO POR COMPUTADOR DE UMA BANCADA DE TESTES DE ELEVADOR DE GRÃOS 1

PROJETO ASSISTIDO POR COMPUTADOR DE UMA BANCADA DE TESTES DE ELEVADOR DE GRÃOS 1 PROJETO ASSISTIDO POR COMPUTADOR DE UMA BANCADA DE TESTES DE ELEVADOR DE GRÃOS 1 Andrei Fiegenbaum 2, Ismael Barbieri Garlet 3, Angelo Fernando Fiori 4, Antonio Carlos Valdiero 5. 1 Projeto Institucional

Leia mais

www.keelautomacao.com.br Linha KSDF Solução em corte CNC

www.keelautomacao.com.br Linha KSDF Solução em corte CNC Linha KSDF Solução em corte CNC Linha KSDF Solução em corte CNC Características Destinada ao processo de corte mecanizado de chapas aço carbono, inox, alumínio, ferro entre outros. Esta máquina foi desenvolvida

Leia mais

ESCOLA SENAI ARMANDO DE ARRUDA PEREIRA

ESCOLA SENAI ARMANDO DE ARRUDA PEREIRA RELATÓRIO e AUTO AVALIAÇÃO DO ESTÁGIO - CT Nome do estagiário: Telefone: E-mail para contato: Semestre de conclusão da fase escolar: Empresa: Telefone: Áreas em que estagiou: 1 Houve alguma dificuldade

Leia mais

Fundamentos de Automação

Fundamentos de Automação Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Conceito,

Leia mais

Tecnologias CAx na Manufatura. Valter Vander de Oliveira Disciplina: Sistemas Industriais

Tecnologias CAx na Manufatura. Valter Vander de Oliveira Disciplina: Sistemas Industriais Tecnologias CAx na Manufatura Valter Vander de Oliveira Disciplina: Sistemas Industriais Tecnologias CAx Conteúdo: Conceito de tecnologia CAx Evolução das tecnologias CAx Sistemas CAD/CAE/CAPP/CAM/CAI

Leia mais

MODELAGEM CINEMÁTICA DE ROBÔ INDUSTRIAL

MODELAGEM CINEMÁTICA DE ROBÔ INDUSTRIAL MODELAGEM CINEMÁTICA DE ROBÔ INDUSTRIAL Evandro Bertoldi (1) (evandro.bertoldi@unijui.edu.br), Everton Bertoldi (2) (bertoldi@rotoplastyc.com.br), Nara Liege Barbieri (3) (nara_barbieri@hotmail.com) (1)

Leia mais

Adaptação de. PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 13/01/2006 Última versão: 18/12/2006

Adaptação de. PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 13/01/2006 Última versão: 18/12/2006 TUTORIAL Adaptação de Servo-motores Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 13/01/2006 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

Correntes. Os problemas de uma empresa da área de. Conceito

Correntes. Os problemas de uma empresa da área de. Conceito A U A UL LA Correntes Introdução Os problemas de uma empresa da área de transporte e cargas fez com que o encarregado do setor tomasse algumas decisões referentes à substituição de equipamentos, como componentes

Leia mais

2.1 Dados Técnicos - Dimensões na Condição de Altura Fechada (Sem Pressão)

2.1 Dados Técnicos - Dimensões na Condição de Altura Fechada (Sem Pressão) 1. Considerações Gerais 1.1 Instruções de recebimento Deve-se inspecionar visualmente todo o equipamento para detectar avarias causadas durante o transporte, como vazamentos e marcas de batidas. Avarias

Leia mais

Estudo do sistema de IHM para automação de sistema de renovação de água dos chillers em processo de abate de aves.

Estudo do sistema de IHM para automação de sistema de renovação de água dos chillers em processo de abate de aves. Estudo do sistema de IHM para automação de sistema de renovação de água dos chillers em processo de abate de aves. TIAGO NELSON ESTECECHEN tiago_cascavel@hotmail.com UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ

Leia mais

ROBÓTICA. Projeto de Extensão Proext 2010. Aquiles Burlamaqui (ECT - UFRN) Carla Fernandes (DCA UFRN) Gabriel Garcia (ECT UFRN)

ROBÓTICA. Projeto de Extensão Proext 2010. Aquiles Burlamaqui (ECT - UFRN) Carla Fernandes (DCA UFRN) Gabriel Garcia (ECT UFRN) Projeto de Extensão Proext 2010 ROBÓTICA Aquiles Burlamaqui (ECT - UFRN) Carla Fernandes (DCA UFRN) Gabriel Garcia (ECT UFRN) Marié Beltrão (ECT UFRN) Robótica Pedagógica Primeiro Dia, 24/09: Introdução

Leia mais

CONTROLE NUMÉRICO E AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO: NOÇÕES BÁSICAS DE CNC

CONTROLE NUMÉRICO E AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO: NOÇÕES BÁSICAS DE CNC CONTROLE NUMÉRICO E AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO: NOÇÕES BÁSICAS DE CNC Operador de máquinas convencionais Materiais recebidos pelo operador da Máquina Convencional Exemplo de Máquina Convencional

Leia mais

Discussão sobre os processos de goivagem e a utilização de suporte de solda

Discussão sobre os processos de goivagem e a utilização de suporte de solda Discussão sobre os processos de goivagem e a utilização de suporte de solda Liz F Castro Neto lfcastroneto@gmail.com Dênis de Almeida Costa denis.costa@fatec.sp.gov.br 1. Resumo Na soldagem de união, a

Leia mais

Corte com jato de água

Corte com jato de água A U A UL LA Corte com jato de água Você certamente já ouviu o ditado água mole em pedra dura, tanto bate até que fura. Então, furar pedra usando água você já sabe que dá, não é mesmo? Basta um pouco de

Leia mais

Introdução às Máquinas CNC s. É proibido reproduzir total ou parcialmente esta publicação sem prévia autorização do

Introdução às Máquinas CNC s. É proibido reproduzir total ou parcialmente esta publicação sem prévia autorização do Grupo Caet - Divisão de Conteúdos Introdução às Máquinas CNC s. Por Delmonte Friedrich, Msc. Eng. Todos os direitos reservados. É proibido reproduzir total ou parcialmente esta publicação sem prévia autorização

Leia mais

Layouts de Sistemas de Manufatura. Layouts de Sistemas de Manufatura Prof. João C. E. Ferreira - UFSC

Layouts de Sistemas de Manufatura. Layouts de Sistemas de Manufatura Prof. João C. E. Ferreira - UFSC Layouts de Sistemas de Manufatura 5 tipos de layout de sistemas de manufatura podem ser identificados: Job shop (layout funcional ou por processo); Flow shop (layout por produto); Fixo ou posicional; Processos

Leia mais

Base Mecânica para Robô com Braço Articulado

Base Mecânica para Robô com Braço Articulado INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO. CAMPUS SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Alexsandro Alkmim Machado Auxiliadora de F. S. Rodrigues Evandro Luciano Tiago Mota dos Santos Pereira Base

Leia mais

CNC PARA CORTE DE VIDRO

CNC PARA CORTE DE VIDRO CATÁLOGO DE APLICAÇÃO CNC PARA CORTE DE VIDRO Versão 1.3 12/11/2013 ISAC S.r.l. CAPITALE SOCIALE 100.000,00 C.F. e P.I. 01252870504 VIA MAESTRI DEL LAVORO, 30 56021 CASCINA (PI) ITALY WWW.ISACSRL.IT TEL

Leia mais

TÍTULO: ENVERNIZADORA DE PORTA OBJETOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

TÍTULO: ENVERNIZADORA DE PORTA OBJETOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ENVERNIZADORA DE PORTA OBJETOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA:

Leia mais

TESTES DE VIDA EM FRESAMENTO COM REDUÇÃO DO NÚMERO DE FERRAMENTAS

TESTES DE VIDA EM FRESAMENTO COM REDUÇÃO DO NÚMERO DE FERRAMENTAS TESTES DE VIDA EM FRESAMENTO COM REDUÇÃO DO NÚMERO DE FERRAMENTAS André Richetti Jovani Panato Márcio Bacci da Silva Álisson Rocha Machado Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Engenharia Mecânica,

Leia mais

OBTENÇÃO DE AREIA ARTIFICIAL A PARTIR DE FINOS DE PEDREIRA ANÁLISE DE ENSAIOS

OBTENÇÃO DE AREIA ARTIFICIAL A PARTIR DE FINOS DE PEDREIRA ANÁLISE DE ENSAIOS OBTENÇÃO DE AREIA ARTIFICIAL A PARTIR DE FINOS DE PEDREIRA ANÁLISE DE ENSAIOS Luiz Henrique de Oliveira Bispo Bolsista de Inic. Científica, Eng. Química, UFRJ Salvador Luiz Matos de Almeida Orientador,

Leia mais

AULAS 03-04 UNIDADE 1 DINÂMICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS (DME) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br

AULAS 03-04 UNIDADE 1 DINÂMICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS (DME) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Curso de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica AULAS 03-04 UNIDADE 1 DINÂMICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS (DME) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br

Leia mais

Fresas Ferramentas de fresar

Fresas Ferramentas de fresar Fresas Ferramentas de fresar As maiores exigências de trabalho de usinagem de madeiras, de painéis aglomerados e MDF são hoje feitas para as ferramentas de fresar. 1. Condições de segurança 2. Alto rendimento

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Engenharia Mecânica 9ª Série Fabricação Assistida por Computador A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de

Leia mais

UNIVERSIDADE CEUMA CAMPUS RENASCENÇA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. Professor Leonardo Gonsioroski

UNIVERSIDADE CEUMA CAMPUS RENASCENÇA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. Professor Leonardo Gonsioroski UNIVERSIDADE CEUMA CAMPUS RENASCENÇA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Objetivos da Aula Discutir as vantagens da automação. Entender o que é o comando numérico computadorizado (CNC) Compreender a necessidade

Leia mais

20. CHASSI INFORMAÇÕES DE SERVIÇO DIAGNÓSTICO DE DEFEITOS 20-1 DESCRIÇÃO 20-2 INSPEÇÃO 20-4 INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 20-1 DIAGNÓSTICO DE DEFEITOS 20-1

20. CHASSI INFORMAÇÕES DE SERVIÇO DIAGNÓSTICO DE DEFEITOS 20-1 DESCRIÇÃO 20-2 INSPEÇÃO 20-4 INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 20-1 DIAGNÓSTICO DE DEFEITOS 20-1 20. CHASSI INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 20-1 DIAGNÓSTICO DE DEFEITOS 20-1 DESCRIÇÃO 20-2 INSPEÇÃO 20-4 INFORMAÇÕES DE SERVIÇO Embora seja possível reparar trincas no chassi por meio de soldagem ou alinhar chassis

Leia mais

MODELO TERMODINÂMICO DE UMA TURBINA A GÁS

MODELO TERMODINÂMICO DE UMA TURBINA A GÁS Projeto de Iniciação Científica MODELO TERMODINÂMICO DE UMA TURBINA A GÁS COM COMBUSTÃO EXTERNA Orientador: Prof. Dr. Paulo Eduardo Batista de Mello Departamento: Engenharia Mecânica Candidato: José Augusto

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO PARA INSPEÇÃO ULTRA-SÔNICA EM CASCO DE NAVIO

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO PARA INSPEÇÃO ULTRA-SÔNICA EM CASCO DE NAVIO DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO PARA INSPEÇÃO ULTRA-SÔNICA EM CASCO DE NAVIO Antonio A. de Carvalho, Raphael C. S. B. Suita, Ivan C. da Silva, João M. A. Rebello Universidade Federal do Rio

Leia mais

Introdução ao Controlo Numérico Computorizado I Conceitos Gerais

Introdução ao Controlo Numérico Computorizado I Conceitos Gerais Introdução ao Controlo Numérico Computorizado I Conceitos Gerais João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Bibliografia Controlo Numérico Computorizado, Conceitos Fundamentais Carlos Relvas Publindústria,

Leia mais

Linha Basculante. Descrição do Produto

Linha Basculante. Descrição do Produto Descrição do Produto A linha BV Rossi foi desenvolvida para portões basculantes e traz a comodidade de ser instalado em ambos os lados do portão, evitando mexer na estrutura original para a fixação. Sua

Leia mais

DECORRÊNCIAS DA ABORDAGEM NEOCLÁSSICA DEPARTAMENTALIZAÇÃO. Bibliografia:

DECORRÊNCIAS DA ABORDAGEM NEOCLÁSSICA DEPARTAMENTALIZAÇÃO. Bibliografia: DECORRÊNCIAS DA ABORDAGEM NEOCLÁSSICA DEPARTAMENTALIZAÇÃO Bibliografia: Chiavenato, Idalberto, 1936 Teoria Geral da Administração: abordagens prescritivas e normativas da administração 4 ed. - São Paulo

Leia mais

MANUTENÇÃO EM MANCAIS E ROLAMENTOS Atrito É o contato existente entre duas superfícies sólidas que executam movimentos relativos. O atrito provoca calor e desgaste entre as partes móveis. O atrito depende

Leia mais

Projeto e implementação de um sistema de controle em malha fechada para transmissão hidrostática usando o sistema Field Point da NI

Projeto e implementação de um sistema de controle em malha fechada para transmissão hidrostática usando o sistema Field Point da NI Projeto e implementação de um sistema de controle em malha fechada para transmissão hidrostática usando o sistema Field Point da NI "A implementação do sistema SCADA usando Field Point e interface LabVIEW,

Leia mais

BOMBEAMENTO DE ÁGUA COM ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA

BOMBEAMENTO DE ÁGUA COM ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA BOMBEAMENTO DE ÁGUA COM ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA Eng. Carlos Alberto Alvarenga Solenerg Engenharia e Comércio Ltda. Rua dos Inconfidentes, 1075/ 502 Funcionários - CEP: 30.140-120 - Belo Horizonte -

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SOPRADORES TIPO ROOTS DOSITEC SÉRIE Cutes - CR

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SOPRADORES TIPO ROOTS DOSITEC SÉRIE Cutes - CR MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SOPRADORES TIPO ROOTS DOSITEC SÉRIE Cutes - CR Parabéns por adquirir sopradores roots Dositec, série Cutes - CR, os quais são o resultado de avançado projeto

Leia mais

Introdução sobre o Tempo Real

Introdução sobre o Tempo Real Capítulo 1 Introdução sobre o Tempo Real Esse capítulo visa esclarecer o entendimento de tempo real dos autores, definir conceitualmente os Sistemas de Tempo Real e apresentar os problemas e desafios que

Leia mais

Sensores. Sensor. Passivos: Chave Potenciômetro Energia Auxiliar. Ativos: Célula Fotoelétrica Cristal Piezoelétrico. Digitais: Encoder Régua Óptica

Sensores. Sensor. Passivos: Chave Potenciômetro Energia Auxiliar. Ativos: Célula Fotoelétrica Cristal Piezoelétrico. Digitais: Encoder Régua Óptica Sensores Passivos: Chave Potenciômetro Energia Auxiliar Ativos: Célula Fotoelétrica Cristal Piezoelétrico Entrada Sensor Saída Analógicos: Potenciômetro Resolver Digitais: Encoder Régua Óptica Prof. Silas

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PLANEJAMENTO DE PROCESSOS ASSISTIDO POR COMPUTADOR CAPP (COMPUTER AIDED PROCESS

Leia mais

Características Gerais

Características Gerais Características Gerais De todas as especialidades da Engenharia, pode-se dizer que a Engenharia Mecânica é das mais amplas e diversificadas. Ela se envolve com instalações industriais, máquinas e equipamentos

Leia mais

PLANEJAMENTO DE IMPLANTAÇÃO PARA UM SISTEMA DIGITAL DE AQUISIÇÃO E CONTROLE PARA APLICAÇÃO EM TRATAMENTO DE ÁGUA

PLANEJAMENTO DE IMPLANTAÇÃO PARA UM SISTEMA DIGITAL DE AQUISIÇÃO E CONTROLE PARA APLICAÇÃO EM TRATAMENTO DE ÁGUA PLANEJAMENTO DE IMPLANTAÇÃO PARA UM SISTEMA DIGITAL DE AQUISIÇÃO E CONTROLE PARA APLICAÇÃO EM TRATAMENTO DE ÁGUA Selma Capanema de Barros (1) Engenheira Eletricista PUC-MG e especialista em Análise de

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PENEIRA DESAGUADORA - ZL EQUIPAMENTOS.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PENEIRA DESAGUADORA - ZL EQUIPAMENTOS. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PENEIRA DESAGUADORA - ZL EQUIPAMENTOS. 1. DESCRIÇÃO. As peneiras desaguadoras de livre oscilação linear dirigida, projetadas e fabricadas pela ZL Equipamentos, foram especialmente

Leia mais

Fresando com CNC. A sigla CNC significa comando numérico

Fresando com CNC. A sigla CNC significa comando numérico A U A UL LA Fresando com CNC A sigla CNC significa comando numérico computadorizado e refere-se a máquinas-ferramenta comandadas por computadores. A primeira máquina-ferramenta controlada por computador

Leia mais

TBA 42/60. Tornos automáticos CNC de carros múltiplos

TBA 42/60. Tornos automáticos CNC de carros múltiplos TBA 42/60 Tornos automáticos CNC de carros múltiplos TBA 42/60 - nova geração com moderna tecnologia Os tornos automáticos CNC de carros múltiplos Ergomat TBA 42 e TBA 60 se tornaram mais versáteis e produtivos

Leia mais

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS O acoplamento ACRIFLEX AD, consiste em dois flanges simétricos inteiramente usinados, pinos de aço com superfícies retificadas e buchas amortecedoras de borracha nitrílica à prova

Leia mais

P L A N E J A M E N T O D E P R O C E S S O

P L A N E J A M E N T O D E P R O C E S S O P L A N E J A M E N T O D E P R O C E S S O 3 Planejamento de Procesos de Fabricação O Planejamento do processo é a ligação entre a engenharia do produto e a manufatura. Diz respeito à seleção dos processos

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM NOVAS TECNOLOGIAS: Um desafio constante. (A Mecatrônica como exemplo do estado da arte)

CAPACITAÇÃO EM NOVAS TECNOLOGIAS: Um desafio constante. (A Mecatrônica como exemplo do estado da arte) CAPACITAÇÃO EM NOVAS TECNOLOGIAS: Um desafio constante. (A Mecatrônica como exemplo do estado da arte) SESTINFO-2008 São Bernardo do Campo/março/2008 Áreas da Tecnologia que estão definindo nosso Futuro

Leia mais

Sistema de Controle e Monitoramento de uma Bancada Experimental para Amortecedor Magneto-Reológico

Sistema de Controle e Monitoramento de uma Bancada Experimental para Amortecedor Magneto-Reológico Universidade Federal de São João Del-Rei MG 26 a 28 de maio de 2010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia Sistema de Controle e Monitoramento de uma Bancada Experimental para Amortecedor

Leia mais

DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES

DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NOME: FELIPE VESCOVI ORIENTADOR: FABIO REDIN DO NASCIMENTO CARAZINHO, DEZEMBRO DE 2011. DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES PALAVRA CHAVES:

Leia mais

CAPÍTULO 7 SELEÇÃO DE ROBÔS: ALGUNS ASPECTOS

CAPÍTULO 7 SELEÇÃO DE ROBÔS: ALGUNS ASPECTOS CAPÍTULO 7 SELEÇÃO DE ROBÔS: ALGUNS ASPECTOS Oswaldo Horikawa, Newton Maruyama Diolino José dos Santos Filho, Paulo Eigi Miyagi 7.1 - INTRODUÇÃO Uma decisão sobre a utilizaçao ou não de robôs industriais,

Leia mais

5- ROBÓTICA INDUSTRIAL Células Robóticas; Projecto e controlo; Aplicações dos Robôts Industriais; Integração com Máquinas CNC.

5- ROBÓTICA INDUSTRIAL Células Robóticas; Projecto e controlo; Aplicações dos Robôts Industriais; Integração com Máquinas CNC. Grupo de disciplinas: Engenharia da Programação Anual Obrigatória Semestral X Opcional X Regime Diurno Nocturno Horas/semana T Teórica 2 Ano 5º T/P Teórico/Prática Semestre 2º P- Prática 2 Objectivos da

Leia mais