Aprovação Francisco Ferreira Cabral (Presidente do Conselho Administrativo do SENAR-AR/RO)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aprovação Francisco Ferreira Cabral (Presidente do Conselho Administrativo do SENAR-AR/RO)"

Transcrição

1 1 / 10 I. OBJETIVO: Padronizar os procedimentos operacionais referentes prestação de serviços educacionais prestados pelo educador durante a véspera, início, durante e no encerramento da ação/atividade conforme a metodologia do SENAR- CENTRAL. II. DEFINIÇÕES: O Educador é um agente no processo educativo, sendo o responsável em firmar a troca de saberes, baseado no diálogo junto aos participante, visando a busca conjunta de novos conhecimentos. Segundo a Série Metodológica do SENAR-CENTRAL o educador atuará em ações de Formação Profissional Rural (FPR) e atividades da Promoção Social (PS), voltadas às pessoas do meio rural, contribuindo para sua profissionalização, sua integração na sociedade, melhoria da sua qualidade de vida e para o pleno exercício da cidadania. III. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA: Edital de credenciamento de pessoas jurídicas prestadoras de serviços educacionais. IV. RESUMO DAS RESPONSABILIDADES POR ETAPAS ETAPA RESPONSAVEL INCUMBÊNCIAS 1 Educador Deveres e responsabilidade do mobilizador durante a organização prévia da ação/atividade 2 Educador Deveres e responsabilidade do mobilizador durante a abertura da ação/atividade 3 Educador Deveres e responsabilidade do mobilizador durante a execução da ação/atividade 4 Educador Deveres e responsabilidade do mobilizador durante o encerramento da ação/atividade V. PROCEDIMENTOS 1. SÃO ATRIBUIÇÕES DO EDUCADOR ANTES DA CHEGADA AO LOCAL DE REALIZAÇÃO DA AÇÃO/ATIVIDADE DO SENAR-AR/RO: 1.1. O educador deve realizar contato telefônico com o mobilizador antes de iniciar o deslocamento rumo ao local ação/atividade a fim garantir o apoio da entidade parceira e sanar dúvidas eventuais, tais como obter as informações sobre o endereço do local da ação/atividade com riqueza de detalhes de modo antecipado, permitindo desta forma que, o educador esteja no local da ação/atividade na da data e horário de início do evento pontualmente além de conferir com o mobilizador se foi confirmado a chegada dos kits de materiais enviado pelo SENAR-AR/RO juntamente com a pasta do educador O educador deve deslocar-se para o município com antecedência suficiente para estar presente no local da ação/atividade na data e horário de início do evento (conforme estabelecido no Termo Aditivo Contratual) pontualmente com o intuito de evitar prejuízos na ministração da carga horária. 2. SÃO ATRIBUIÇÕES DO EDUCADOR DURANTE A FASE INICIAL (ABERTURA) DA AÇÃO/ATIVIDADE DO SENAR-AR/RO: 1.1. O educador deve chegar ao local de realização da ação/atividade trajado adequadamente ao trabalho, sendo preferível utilizar o uniforme padrão disponibilizado pelo SENAR-AR/RO.

2 2 / Logo ao chegar no local de realização da ação/atividade, o educador deve apresentar-se no local de realização do evento no início do evento ás 08:00h sem atrasos (exceto horários exclusivos previamente estabelecidos no Termo Aditivo), valorizando deste modo a pontualidade, responsabilidade e comprometimento de ambas as partes Logo ao chegar no local de realização da ação/atividade, o educador deve verificar se encontra-se no local da ação a pasta do educador contendo todos os formulários do educador e mobilizador, caso a pasta do educador estiver violada contendo algum documento assinado/preenchido [exceto as Fichas de Inscrição (F1)], o educador deve registrar o ocorrido no Relatório da Ação Concluída (F20) Logo ao chegar no local de realização da ação/atividade, o educador deve conferir o número de participantes presentes no local da ação/atividade, para assim iniciar o evento sob autorização do mobilizador, caso o número de participantes presentes seja insuficiente para iniciar o curso, o educador deve comunicar o mobilizador sobre a falta de alunos, e por sua vez, o mobilizador deverá recrutar novos participantes para recompor a turma até as 10:00 horas do primeiro dia do curso Nos casos em que na primeira hora de início do evento o número de participantes previamente reconfirmados presentes no local da ação/atividade não atinja a quantidade mínima de 13 participantes, a ação/atividade será interrompida imediatamente, sendo facultativo ao mobilizador realizar a inscrição de novos participantes até as 10:00 do primeiro dia do evento, do contrário a ação/atividade será cancelada, e neste caso, o educador deve registrar no Relatório da Ação Concluída (F20) o ocorrido e coletar a assinatura dos alunos presentes apenas no primeiro turno de horário relacionado na data do primeiro dia do evento No caso dos alunos substitutos (novos alunos) recrutados e inscritos até as 10:00 do primeiro dia do evento, o mobilizador deve entregar ao educador durante no início da ação/atividade (até as 10:00 do primeiro dia do evento) as novas Fichas de Inscrição (F1) destes alunos totalmente preenchidas e assinadas pelos respectivos alunos além das cópias dos documentos oficiais com foto e CPF dos mesmos Caso o mobilizador não entregue as Ficha de Inscrição (F1) totalmente preenchidas e assinadas pelos respectivos alunos junto as cópias dos documentos oficiais com foto e CPF ao educador durante o início da ação/atividade (até as 10:00 do primeiro dia do evento) o educador deverá informar o ocorrido ao SENAR-AR/RO através do ou telefone e registrar este fato no Relatório da Ação Concluída (F20) Nos casos das ações/atividades que venham a surgir à necessidade de substituir mais de 05 participantes durante o período inicial do evento (até as 10:00 do primeiro dia do evento), o mobilizador, deverá preencher e assinar a Justificativa de Substituição Excessiva de Participantes (F45) e deixar este juntamente aos demais formulários do educador no local da ação/atividade sob guarda do educador. O preenchimento da Justificativa de Substituição Excessiva de Participantes (F45) não isenta o mobilizador realizar o preenchimento do Relatório do Mobilizador (F06), nos casos em que o mobilizador não venha deixar preenchido e assinado a Justificativa de Substituição Excessiva de Participantes (F45) com o educador no início do evento, o educador deverá registrar este fato no Relatório da Ação Concluída (F20) Após as 10:00 do primeiro dia do evento, está permanentemente vedado o mobilizador e/ou educador dar continuidade com o curso com um número inferior à 13 de participantes.

3 3 / Está permanentemente vedado o mobilizador e/ou educador permitir a matrícula (inclusão) de novos alunos em substituição dos alunos desistentes após as 10:00 do primeiro dia do evento Logo ao chegar no local de realização da ação/atividade, o educador deve conferir os recursos instrucionais essenciais estabelecido no Catálogo do Evento do SENAR-AR/RO definidos sob responsabilidade da entidade parceira/mobilizador foram providenciados e disponibilizado em quantidade e qualidade suficientes a tempo para a realização do evento, caso exista alguma pendencia destes, o educador deve comunicar imediatamente o mobilizador e também registrar a não conformidade no Relatório de Ação Concluída F20, nestes casos, o mobilizador possuirá até as 10:00h para regularizar as correções, do contrário a ação será cancelada Caso a ação/atividade seja cancelada por falhas na organização das condições do local de trabalho, o educador deverá coletar a assinatura dos participantes presentes, assinando apenas o primeiro horário do Controle Diário de Frequência, neste caso, o educador deverá registrar as causas do cancelamento no Relatório de Ação Concluída F20, informar o SENAR-AR/RO via e- mail ou telefone sobre o cancelamento da ação/atividade Logo ao chegar no local de realização da ação/atividade, o educador deve conferir os recursos instrucionais estabelecido no Catálogo do Evento do SENAR-AR/RO definidos sob responsabilidade do SENAR-AR/RO juntamente a organização necessária para a realização do evento, caso falte algum item dos materiais, o educador deve comunicar imediatamente o mobilizador e também registrar a não conformidade no Relatório de Ação Concluída F20 e anotar como observação o item faltante na Declaração de Recebimento do Kit Educacional (check list de materiais) Ainda na abertura do evento, o educador deve distribuir o Kit de materiais enviado pelo SENAR- AR/RO para cada aluno conforme o estabelecido no Catálogo do Evento do SENAR-AR/RO orientando-os pelo bom uso destes; 2.6. No ato da entrega dos materiais, o educador deve coletar as assinaturas dos participantes na Ficha de Recebimento de Camisetas e Bonés (F18) O educador ao chegar no local da ação/atividade deverá verificar se o mobilizador fixou em local visível o banner e a faixa de identificação do sistema CNA/FAPERON/SINDICATO_RURAL/SENAR no local de realização da ação/atividade, caso o mobilizador não tenha fixado o banner ou a faixa, o educador deverá informar a pendência ao mobilizador e caso não seja corrigido, o educador deverá também registrar o fato no Relatório de Ação Concluída F Durante a abertura da ação/atividade, o educador deve monitorar e garantir a não participação de pessoas que não estejam matriculadas no curso, tampouco como ouvintes e/ou acompanhantes, mesmo que sejam criança de colo ou lactante; caso este fato ocorra, o mobilizador deverá imediatamente solicitar a retirada desta(s) pessoa(s) do local de realização do curso Durante a abertura da ação/atividade, após reunidos os alunos devidamente matriculados no curso, o educador deve pronunciar o discurso padrão sobre o sistema CNA/FAPERON/SINDICATO_RURAL/SENAR, valorizando desta forma o comprometimento das entidades envolvidas O educador deverá Identificar com o crachá todos os participantes matriculados no ação/atividade e cobrar dos participantes o uso do crachá de identificação.

4 4 / O educador deverá apresentar a Proposta Pedagógica do curso aos alunos, enfatizando os objetivos gerais e específicos juntamente aos critérios de avaliação Durante a abertura da ação/atividade, o educador deverá coletar a assinatura de cada participante no Controle Diário de Frequência dos Alunos Reconfirmados e também no Controles Diários de Frequência dos Alunos Substitutos (em branco) sendo uma assinatura para cada turno de aula, ou seja uma durante o período da manhã e outra durante o período da tarde conforme a presença do aluno O educador deverá disponibilizar o Termo de Autorização de Uso de Imagem Gratuito, deve explicar o motivo da assinatura deste documento e depois disponibilizar aos alunos para a coleta das assinaturas dos participantes antes de iniciar o registro das fotos Após a identificação dos alunos através de crachá e a coleta das assinaturas do Termo de Autorização de Uso de Imagem Gratuito F48, o educador deve iniciar o registro fotográfico do evento conforme a sistemática definida no Termo de Autorização de Uso de Imagem O educador deve estabelecer nas primeira hora do curso o Contrato de Trabalho e Convivência junto aos alunos, descrevendo neste o que pode e o que não pode acontecer durante a ação/atividade, tendo como intuito estabelecer um bom relacionamento entre os participantes, deverá conter também confirmando os horários de aulas e o roteiro de dias letivos em conformidade com o pré-estabelecido no Termo Aditivo Nos casos que por imposição dos alunos surja a necessidade de rearranjo de horárias de aula, o educador deverá tempestivamente entrar em contato com o mobilizador e enviar via e- mail a justificativa para o SENAR-AR/RO através do ou telefone (número: ) informando neste a justificativa da necessidade da alteração dos horários, após a formalização, o SENAR-AR/RO enviará via ou telefone o número do Protocolo de Atendimento, o educador por sua vez deve informar o número do Protocolo de Atendimento recebido no Relatório da Ação Concluída (F20) juntamente a justificativa. É expressamente vedado a alteração das 04 primeiras horas de aula do primeiro dia do evento (manhã do primeiro dia abertura) do contrário estará fugindo das condições pré-definidas no termo aditivo contratual entre SENAR-AR/RO e a empresa prestadora de serviço educacional É permanentemente vedado aos participantes colaborarem com a alimentação através de disponibilização de valores em espécie ao mobilizador e/ou o educador É facultativo ao mobilizador ou educador aceitar doações de gêneros alimentícios para o desenvolvimento da ação/atividade. Porém, o recebimento de doações de gêneros alimentícios deve ser espontânea com o consentimento dos participantes por livre opção de escolha sem haver interesses políticos/pessoais alheios à missão do SENAR-AR/RO No local de realização da ação, ainda durante a abertura do evento, o educador deverá disponibilizar ao mobilizador o Formulário de Abertura Acompanhamento e Encerramento do Evento (F41) para este assinar na linha abertura do evento Durante a abertura do evento, é permanentemente vedado o educador permitir o mobilizador assinar o Formulário de Abertura Acompanhamento e Encerramento do Evento (F41) sem estar de fato presente local de realização do evento no momento da abertura do evento.

5 5 / SÃO ATRIBUIÇÕES DO EDUCADOR DURANTE A REALIZAÇÃO DA AÇÃO/ATIVIDADE DO SENAR-AR/RO: 3.1. Após a realização da abertura da ação/atividade, o educador deve iniciar a ministração do curso cumprindo os objetivos pré-estabelecido na Proposta Pedagógica do curso previamente aprovado pelo SENAR-AR/RO; durante a ministração do curso, a cada objetivo específico definido na Proposta Pedagógica, o educador deve tempestivamente avaliar e registrar na Avaliação de Objetivo Específico a nota de cada aluno referente ao objetivo específico ministrado Caso haja uma supervisão in-loco do SENAR-AR/RO durante o desenvolvimento da ação/atividade, o educador deve apresentar imediatamente toda a documentação (formulários) do evento devidamente preenchidos e pontuais ao tempo para o supervisor e imediatamente seguir normalmente com a ministração do curso, é vedado permanentemente haver interrupção no evento durante a supervisão, caso ocorra alguma interrupção da ação/atividade por causa da supervisão in-loco do SENAR-AR/RO, o educador deverá registrar o ocorrido no Relatório da Ação Concluída (F20), após a conclusão do turno de aula (final da manhã ou final da tarde), sem haver prejuízo a carga horária do evento, o educador deve dispor de 30 minutos para dialogar com o supervisor sobre os pontos fortes e fracos observados durante o período da supervisão in-loco É permanentemente vedado ao educador exercer atividade profissional alheia de qualquer natureza durante prestação de serviços Educacionais ao SENAR-AR/RO como por exemplo comercialização de bens ou propaganda de serviços durante a realização da ação/atividade É permanentemente vedado ao educador infringir ou ostentar a infração das leis federais, estaduais e municipais vigentes no período de prestação de serviços educacionais ao SENAR- AR/RO É permanentemente vedado ao educador ter atitudes que ferem a paz da comunidade, denigrir a imagem institucional do sistema CNA/FAPERON/SINDICATO_RURAL/SENAR ou de algum outro parceiro institucional do SENAR-AR/RO É permanentemente vedado o educador denigrir a imagem de outros educadores ou empresas prestadoras de serviço educacional ou algum mobilizador ou alguma entidade parceira do SENAR- AR/RO O educador deve cumprir com a carga horária previamente estabelecida na Proposta Pedagógica assim como com o Termo Aditivo O educador deverá disponibilizar para o mobilizador assinar no local de realização da ação/atividade o Formulário de Abertura Acompanhamento e Encerramento do Evento (F41) durante as visitas realizadas na ação/atividade visita de apoio e verificação no decorrer da ação/atividade, a referida visita poderá ser realizada por outro mobilizador indicado pela entidade parceira e capacitado pelo SENAR-AR/RO Durante o desenvolvimento do evento, é permanentemente vedado o educador permitir o mobilizador assinar o Formulário de Abertura Acompanhamento e Encerramento do Evento (F41) sem estar de fato presente local de realização do evento em algum momento do desenvolvimento da ação/atividade O educador deve disponibilizar as informações solicitadas ao SENAR-AR/RO ou mobilizador (entidade parceira) sempre que forem solicitados.

6 6 / O educador deve realizar o registro fotográfico do evento conforme a sistemática definida no Termo de Autorização de Uso de Imagem durante todo o desenvolvimento da execução da ação/atividade Durante todo o desenvolvimento da ação/atividade, o educador deverá coletar a assinatura de cada participante no Controle Diário de Frequência dos Alunos Reconfirmados e no Controles Diários de Frequência dos Alunos Substitutos (em branco) sendo uma assinatura para cada turno de aula, ou seja uma durante o período da manhã e outra durante o período da tarde conforme a presença do aluno Durante todo o desenvolvimento da ação/atividade, o educador deverá registrar ao termino de cada dia letivo as atividades desenvolvidas no Relatório da Ação Concluída (F20), todos os dados do evento tais como o número de identificação da ação/atividade devem estar em consonância com os dados disponibilizados na Ficha de Identificação do Evento (F8) Durante todo o desenvolvimento da ação/atividade, o educador deverá registrar tempestivamente de modo contínuo as notas dos alunos na Avaliação de Objetivos Específicos É permanentemente vedado o educador ou mobilizador ou algum aluno permitir a divulgação ou existência de propaganda político partidário ou promoção de liderança local na abertura e/ou na realização e/ou no encerramento da ação/atividade do SENAR-AR/RO. 4. SÃO ATRIBUIÇÕES DO EDUCADOR DURANTE O ENCERRAMENTO DA AÇÃO/ATIVIDADE DO SENAR-AR/RO: 4.1. É permanentemente vedado o educador realizar a alteração das 04 ultimas horas do último dia do curso (tarde do último dia - encerramento) fugindo desta forma o pré-definido no termo aditivo contratual entre SENAR-AR/RO e a empresa prestadora de serviço educacional Nos casos de ausência do mobilizador durante o encerramento da ação atividade, o educador deve auxiliar os participantes no correto preenchimento da Avaliação do Participante (F5) a que será aplicado durante término da ação/atividade (ultimo horário no último dia do evento), nestes casos o educador deve registrar o corrido no Relatório da Ação Concluída (F20) Durante o encerramento o educador deve pronunciar novamente o discurso padrão referente à ao sistema CNA/FAPERON/SINDICATO_RURAL/SENAR O educador deverá disponibilizar para o mobilizar assinar no local de realização da ação/atividade o Formulário de Abertura Acompanhamento e Encerramento do Evento (F41) durante o encerramento da ação, a referida visita poderá ser realizada por outro mobilizador indicado pela entidade parceira e capacitado pelo SENAR-AR/RO Durante o encerramento do evento, é permanentemente vedado o educador permitir o mobilizador assinar o Formulário de Abertura Acompanhamento e Encerramento do Evento (F41) sem estar de fato presente local de realização do evento no momento de encerramento No último dia letivo da ação/atividade, antes da entrega dos certificados, o educador deverá registrar as notas dos alunos na Avaliação de Competências Básicas No último dia letivo da ação/atividade, antes da entrega dos certificados, o educador deverá avaliar a nota individual de cada aluno registrada na Avaliação De Objetivos Específicos, caso

7 7 / 10 o aluno possuir aproveitamento igual ou superior a 50% será considerado aprovado; nos casos em que o aluno possuir aproveitamento igual ou inferior a 49,99% será considerado reprovado. Neste mesmo momento o educador também deve avaliar a nota individual de cada aluno registrada na Avaliação de Competências Básicas, caso o aluno possuir aproveitamento igual ou superior a 50% será considerado aprovado, nos casos em que o aluno possuir aproveitamento igual ou inferior a 49,99% será considerado reprovado. Neste mesmo momento o educador também deve contabilizar as presenças de cada aluno no Controle Diário de Frequência dos Alunos Reconfirmados e no Controle Diário de Frequência dos Alunos Substitutos (em branco), caso o aluno possuir presença igual ou superior a 75% do total de presenças, este será considerado aprovado, nos casos em que o aluno possuir presença igual ou inferior a 74,99% será considerado reprovado É permanentemente proibido o educador aceitar a aprovação de algum participante sob influência ou repressão do mobilizador ou de algum aluno ou de algum outro motivo inerente ao evento O educador deve assinar apenas os Certificados dos alunos aprovados assim como deve também assinar apenas as Declaração de Participação de Evento do SENAR-AR/RO dos alunos que estiverem reprovados O educador deverá disponibilizar para o mobilizador os certificados dos alunos aprovados e as Declarações de Participação dos Alunos reprovados juntamente com o Comprovante de Recebimento de Certificados/Declaração de Participação de Alunos Reconfirmados devidamente preenchido marcando que são os alunos aprovados e reprovados, para assim viabilizar ao mobilizador a entrega dos Certificados e/ou Declarações, nos casos excepcionais em que o mobilizar não estiver presente no local da ação/atividade, caberá ao educador o dever de realizar a entrega dos Certificados ou Declarações assim como coletar a assinatura no Comprovante de Recebimento Durante a entrega dos certificados dos alunos aprovados e as declarações de participação dos alunos reprovados, o mobilizador deve coletar a assinatura dos alunos no Comprovante de Recebimento de Certificados/Declaração de Participação de Alunos Reconfirmados, caso o mobilizador não esteja presente no local de realização do evento durante o encerramento, caberá ao educador a responsabilidade de coletar a assinatura dos alunos no Comprovante de Recebimento de Certificados/Declaração de Participação de Alunos Reconfirmados e neste caso o educador deverá registrar o ocorrido no Relatório da Ação Concluída (F20) Caso o mobilizador esteja ausente durante o encerramento do curso, o educador deve informar aos alunos que procurem o mobilizador para este informar sobre como será realizado logística de entrega dos certificados dos alunos substitutos, e neste caso o educador deverá registrar o ocorrido no Relatório da Ação Concluída (F20) Após a entrega dos Certificados aos alunos aprovados, os certificados que virem a sobrar deverão ser recolhidos pelo educador, assim como após a entrega das Declaração de Participação de Evento do SENAR-AR/RO aos alunos reprovados, as declarações que virem a sobrar também deverão ser recolhidas pelo educador Os alunos que virem a ser aprovados pelas avaliações do educador deverão receber o Certificado e neste caso não poderá receber em hipótese alguma a Declaração de Participação de Evento do SENAR-AR/RO assim como os alunos que virem a ser reprovados pelas avaliações do educador deverão receber o Declaração de Participação de Evento do SENAR-AR/RO e neste caso não poderá receber em o Certificado. VI. DAS PENALIDADES DO NÃO CUMPRIMENTO DOS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS.

8 8 / 10 Caso o cumprimento de algum dos procedimentos operacionais vir a ser negligenciado, o educador ou o mobilizador poderá ser penalizado através de medidas administrativas (Aviso de Ação Corretiva, Notificação Combinada com Advertência e Descredenciamento de educador ou mobilizador) conforme entendimento e deliberação do Superintendente ou do Presidente do Concelho Administrativo do SENAR- AR/RO. Caso a empresa prestadora de serviços educacionais contratada pelo SENAR-AR/RO descumprir algum dos procedimentos operacionais, esta poderá arcar com multas conforme cláusulas previstas no contrato de prestação de serviço sendo passível o cancelamento do contrato de prestação de serviço junto ao SENAR-AR/RO conforme entendimento e deliberação do Superintendente ou do Presidente do Concelho Administrativo do SENAR-AR/RO. Caso entidade parceira formalizada junto ao SENAR-AR/RO descumprir algum dos procedimentos operacionais, esta poderá ser passível o cancelamento do Termo de Cooperação Técnico ou Termo de Cooperação Técnico e Financeiro estabelecido junto ao SENAR-AR/RO conforme entendimento e deliberação do Superintendente ou do Presidente do Concelho Administrativo do SENAR-AR/RO. Independentemente da aplicação de medidas administrativas, o pagamento do serviço educacional e/ou mobilização (se for o caso) só será liberado após a correção das pendências formalmente apontadas pelo SENAR-AR/RO. VII. CONTROLE DOS REGISTROS Comprovante de Recebimento de Certificado (F26) Comprovante de Recebimento de Recuperação: Por Ano Certificado (F26) Controles Diários de Frequência dos Alunos Reconfirmados Controles Diários de Frequência dos Recuperação: Por Ano Alunos Reconfirmados Controles Diários de Frequência dos Alunos Substitutos (em branco) Controles Diários de Frequência dos Recuperação: Por Ano Alunos Substitutos (em branco) Ficha de Identificação do Evento (F8) Ficha de Identificação do Evento (F8) Recuperação: Por Ano Proposta Pedagógica Proposta Pedagógica Recuperação: Por Ano Termo de Autorização de Uso de Imagem Termo de Autorização de Uso de Recuperação: Por Ano Imagem

9 9 / 10 Relatório da Ação Concluída (F20) Relatório da Ação Concluída (F20) Recuperação: Por Ano Ficha de Recebimento de Camisetas e Bonés (F18) Ficha de Recebimento de Camisetas e Recuperação: Por Ano Bonés (F18) Formulário de Abertura Acompanhamento e Encerramento do Evento (F41) Formulário de Abertura Recuperação: Por Ano Acompanhamento e Encerramento do Evento (F41) Avaliação de Objetivos Específicos Avaliação de Objetivos Específicos Recuperação: Por Ano Avaliação de Competências Básicas Avaliação de Competências Básicas Recuperação: Por Ano Fichas de Inscrição (F1) Fichas de Inscrição (F1) Recuperação: Por Ano Justificativa de Substituição Excessiva de Participantes (F45) Justificativa de Substituição Excessiva Recuperação: Por Ano de Participantes (F45) Avaliação do Participante (F5) Avaliação do Participante (F5) Recuperação: Por Ano Relatório do Mobilizador (F6) Relatório do Mobilizador (F6) Recuperação: Por Ano

10 10 / 10 Comprovante de Recebimento de Certificados/Declaração de Participação de Alunos Reconfirmados Comprovante de Recebimento de Recuperação: Por Ano Certificados/Declaração de Participação de Alunos Reconfirmados VII. NATUREZA DA REVISÃO Revisão Descrição da alteração 01 03//2015 Emissão inicial Francisco F. Cabral Ajuste no código do procedimento operacional Francisco F. Cabral

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE Bacharelado em Administração Modalidade a Distância

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE Bacharelado em Administração Modalidade a Distância REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE Bacharelado em Administração Modalidade a Distância I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Bacharelado em Administração Modalidade a Distância é uma

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Engenharia Mecânica é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares

Leia mais

Educa Mais Brasil REGULAMENTO

Educa Mais Brasil REGULAMENTO Educa Mais Brasil REGULAMENTO 2015 Regulamento do Programa EDUCA MAIS BRASIL I DO PROGRAMA Art. 1.º - O Programa EDUCA MAIS BRASIL é um programa de INCLUSÃO EDUCACIONAL e tem por objetivos: I estimular

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Engenharia de Alimentos é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes

Leia mais

Programa de Treinamento de Profissionais de Aeroportos TREINAR

Programa de Treinamento de Profissionais de Aeroportos TREINAR PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL SECRETARIA DE NAVEGAÇÃO AÉREA CIVIL Programa de Treinamento de Profissionais de Aeroportos TREINAR EDITAL Nº 04/2016 SENAV/SAC-PR A Secretaria de Navegação

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA EAD

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA EAD CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA EAD CONTRATANTE: A PESSOA FÍSICA identificada no formulário de matrícula do curso, que, para todos os efeitos,

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Administração é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

Universidade Federal da Integração Latino Americana MANUAL DO ESTAGIÁRIO

Universidade Federal da Integração Latino Americana MANUAL DO ESTAGIÁRIO Universidade Federal da Integração Latino Americana MANUAL DO ESTAGIÁRIO MANUAL DO ESTAGIÁRIO PROGRAD - Pró-Reitoria de Graduação DEAC - Divisão de Estágios e Atividades Complementares Sumário 1. Apresentação...

Leia mais

Manual de Estágio Supervisionado

Manual de Estágio Supervisionado NEP Manual de Estágio Supervisionado Sumário Apresentação.................................................................... 3 Considerações Iniciais............................................................

Leia mais

Data de Aprovação: 17/04/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA PRONATEC/IFPI Nº 01

Data de Aprovação: 17/04/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA PRONATEC/IFPI Nº 01 13/213- CONSUP 17/4/13 Pág. 1 de 18 TEMA: INSTRUÇÃO NORMATIVA PRONATEC/IFPI N 1 DO INSTITUTO INSTRUÇÃO NORMATIVA PRONATEC/IFPI Nº 1 ORIENTAÇÕES OPERACIONAIS REFERENTES ÀS ATIVIDADES ACADÊMICAS E DO SISTEMA

Leia mais

MANUAL DE MONITORIA ACADÊMICA DA FESAR

MANUAL DE MONITORIA ACADÊMICA DA FESAR MANUAL DE MONITORIA ACADÊMICA DA FESAR Elaborado por: Georgia Miranda Tomich Coordenadora de Pesquisa e Extensão da FESAR Redenção 2014 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 JUSTIFICATIVA...3 PROGRAMA DE MONITORIA...4

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO. Projeto Monitoria CAp 2014

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO. Projeto Monitoria CAp 2014 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO Projeto Monitoria CAp 2014 1. Definição O Projeto Monitoria CAp é uma ação institucional que abre mais um espaço de aprendizagem

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS TÉCNICOS

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS TÉCNICOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE CAMPUS CONCÓRDIA Coordenação Geral de Integração Escola Comunidade - CGIEC REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS TÉCNICOS

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE CURSOS BÁSICOS DE ESPORTES DE MONTANHA CAPÍTULO I DO OBJETIVO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE CURSOS BÁSICOS DE ESPORTES DE MONTANHA CAPÍTULO I DO OBJETIVO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE CURSOS BÁSICOS DE ESPORTES DE MONTANHA CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1. Este Regulamento de Comportamento Ético tem por objetivo estabelecer normas e condições

Leia mais

Mais informações podem ser obtidas na Coordenação do curso.

Mais informações podem ser obtidas na Coordenação do curso. MANUAL DE MONITORIA O IBES tem interesse em gerar recursos humanos de qualidade entre seus próprios alunos para, no futuro, atuarem em função docente. Para tanto, mantém um programa de monitoria junto

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORIA DO IFMS Campo Grande - MS 2014 PROGRAMA DE MONITORIA DO IFMS Capítulo I DA APRESENTAÇÃO Art. 1º O presente Programa estabelece as finalidades, objetivos, atribuições e normas para

Leia mais

NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA EVANDRO LINS E SILVA

NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA EVANDRO LINS E SILVA NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA EVANDRO LINS E SILVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS /IBMEC REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA EVANDRO LINS E SILVA TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo

Leia mais

MESTRADO INTERDISCIPLINAR

MESTRADO INTERDISCIPLINAR MESTRADO INTERDISCIPLINAR NORMAS PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO DO PROGRAMA DE MESTRADO INTERDISCIPLINAR PERFORMANCES CULTURAIS, APROVADAS PELA COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM 12 DE NOVEMBRO DE 2012

Leia mais

REGULAMENTO. Art. 1º - O Programa de inclusão educacional BOLSAS EDUCAR tem os seguintes objetivos:

REGULAMENTO. Art. 1º - O Programa de inclusão educacional BOLSAS EDUCAR tem os seguintes objetivos: REGULAMENTO I DO PROGRAMA Art. 1º - O Programa de inclusão educacional BOLSAS EDUCAR tem os seguintes objetivos: I incentivar a aderência ao Programa de indivíduos que atendam aos requisitos exigidos neste

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO NA MODALIDADE LOCAL PLANOS DE SERVIÇO CLARO FIXO.

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO NA MODALIDADE LOCAL PLANOS DE SERVIÇO CLARO FIXO. CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO NA MODALIDADE LOCAL PLANOS DE SERVIÇO CLARO FIXO. Objeto O objeto do presente Contrato é a prestação, pela EMBRATEL, do Serviço Telefônico Fixo

Leia mais

Nota Orientadora Pronatec-Tec e Idiomas nº 05/2013 Assunto: - Processo de Ingresso Pronatec-Tec/RS e Idiomas 02/2013

Nota Orientadora Pronatec-Tec e Idiomas nº 05/2013 Assunto: - Processo de Ingresso Pronatec-Tec/RS e Idiomas 02/2013 Nota Orientadora Pronatec-Tec e Idiomas nº 05/2013 Assunto: - Processo de Ingresso Pronatec-Tec/RS e Idiomas 02/2013 1- Encontros de Formação Regional de Gestores Locais Pronatec Tec e Idiomas nas CREs

Leia mais

1ª EDIÇÃO DO PRÊMIO EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO PROFESSOR NOTA 10 REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I

1ª EDIÇÃO DO PRÊMIO EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO PROFESSOR NOTA 10 REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I Das Disposições Gerais 1ª EDIÇÃO DO PRÊMIO EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO PROFESSOR NOTA 10 REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I Art. 1º - O Prêmio Experiências de Sucesso 2015 Professor Nota 10, é uma promoção da Secretaria

Leia mais

www.queroserprofessor.

www.queroserprofessor. www.queroserprofessor. Documento Revisado em março de 2011 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. O QUE É A MONITORIA? 3. OBJETIVOS DA MONITORIA 4. CONDIÇÕES PARA PARTICIPAR DA MONITORIA 5. INSCRIÇÃO 6. ATRIBUIÇÕES

Leia mais

Manual de Instruções do Núcleo de Prática Jurídica da Faculdade das Américas NPJ/FAM

Manual de Instruções do Núcleo de Prática Jurídica da Faculdade das Américas NPJ/FAM Manual de Instruções do Núcleo de Prática Jurídica da Faculdade das Américas NPJ/FAM 1. O Estágio Profissional O Estágio Profissional de Advocacia é semelhante ao estágio em um escritório de Advocacia

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU. REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU.

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU. REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU. PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU. REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU. PREÂMBULO. A Faculdade Cenecista de Osório, no uso de suas atribuições decorrentes da Resolução nº. 1 de junho

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá Pró Reitoria de Pesquisa e Pós Graduação Diretoria de Pesquisa e Pós Graduação (DPPG) Campus de Itabira

Universidade Federal de Itajubá Pró Reitoria de Pesquisa e Pós Graduação Diretoria de Pesquisa e Pós Graduação (DPPG) Campus de Itabira Universidade Federal de Itajubá Pró Reitoria de Pesquisa e Pós Graduação Diretoria de Pesquisa e Pós Graduação (DPPG) Campus de Itabira EDITAL Nº 006/2016 Campus Itabira PIBIC/PIBITI CNPq, PIVIC Unifei

Leia mais

GUIA INFORMATIVO DA PÓS-GRADUAÇÃO

GUIA INFORMATIVO DA PÓS-GRADUAÇÃO GUIA INFORMATIVO DA PÓS-GRADUAÇÃO Parabéns por ter escolhido a FAMÍLIA PROMINAS para estudar, agradecemos a preferência e confiança depositadas em nossos serviços educacionais. Faremos de tudo para lhe

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA ACADÊMICA EM CURSOS SUPERIORES E SUBSEQUENTES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA ACADÊMICA EM CURSOS SUPERIORES E SUBSEQUENTES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS OSÓRIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA ACADÊMICA

Leia mais

Divulgação do Edital: 15/03/2016

Divulgação do Edital: 15/03/2016 DIRETORIA DE GESTÃO CORPORATIVA DG Superintendência de Suprimento de Material e Serviços GSS Gerência de Aquisição de Material e Serviços Corporativos GSSC Objeto: Credenciamento de pessoas físicas instrutores,

Leia mais

2.2. O credenciamento será processado de acordo com a observância dos seguintes procedimentos:

2.2. O credenciamento será processado de acordo com a observância dos seguintes procedimentos: UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS FUNDAÇÃO DE APOIO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO DO TOCANTINS Rede UFTec Tecendo Inovações EDITAL Nº 001/2015 CREDENCIAMENTO DE PESQUISADORES I. O Programa UFTec é uma iniciativa

Leia mais

Programa de Atividades de Monitoria

Programa de Atividades de Monitoria Programa de Atividades de Monitoria CAPÍTULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS DA MONITORIA Art. 1º A atividade de monitoria é desenvolvida por discentes para aprimoramento do processo de ensino e aprendizagem,

Leia mais

Com alegria e gratidão pela caminhada de 2015.

Com alegria e gratidão pela caminhada de 2015. Circular: Matrícula 2016 Taguatinga, 01 de dezembro de 2015 Prezados pais/responsáveis, Com alegria e gratidão pela caminhada de 2015. Enviamos informações sobre o processo de renovação de matrícula para

Leia mais

REGULAMENTO DA MONITORIA DOS CURSOS SUPERIORES

REGULAMENTO DA MONITORIA DOS CURSOS SUPERIORES REGULAMENTO DA MONITORIA DOS CURSOS SUPERIORES Considerando o artigo 84 da LDB nº 9.394/96 o qual estabelece que: Os discentes da educação superior poderão ser aproveitados em tarefas de ensino e pesquisa

Leia mais

NÃO SABIA QUE IRIA SER ISENTO DO PAGAMENTO DA TAXA DE INSCRIÇÃO E JÁ EFETUEI O PAGAMENTO. VOU RECEBER RESSARCIMENTO?

NÃO SABIA QUE IRIA SER ISENTO DO PAGAMENTO DA TAXA DE INSCRIÇÃO E JÁ EFETUEI O PAGAMENTO. VOU RECEBER RESSARCIMENTO? 01 INSCRIÇÕES E RETIRADA DE MATERIAL (CREDENCIAMENTO) PRECISO REALIZAR INSCRIÇÃO NO EVENTO? COMO POSSO EFETUAR O PAGAMENTO DE MINHA INSCRIÇÃO? NÃO SABIA QUE IRIA SER ISENTO DO PAGAMENTO DA TAXA DE INSCRIÇÃO

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE LETRAS (PORTUGUÊS/INGLÊS E SUAS LITERATURAS) REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LETRAS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE LETRAS (PORTUGUÊS/INGLÊS E SUAS LITERATURAS) REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LETRAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE LETRAS (PORTUGUÊS/INGLÊS E SUAS LITERATURAS) REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LETRAS LAVRAS, 2014 CAPÍTULO I Da natureza Art. 1º - O Estágio Supervisionado do

Leia mais

1. DOS PRÉ-REQUISITOS 2. FUNCIONAMENTO DO CURSO

1. DOS PRÉ-REQUISITOS 2. FUNCIONAMENTO DO CURSO Edital de oferta de vagas para o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Gestão Social: Políticas Públicas, Redes e Defesa de Direitos, na modalidade a distância. A Reitora da Universidade Anhanguera-Uniderp,

Leia mais

EDITAL Nº 16/2015. 2.1. A atividade de monitoria acadêmica na graduação em 2015 será exercida pelos alunos regulares dos cursos de graduação.

EDITAL Nº 16/2015. 2.1. A atividade de monitoria acadêmica na graduação em 2015 será exercida pelos alunos regulares dos cursos de graduação. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Fundação Universidade Federal do ABC Pró-Reitoria de Graduação Av. dos Estados, 5001 Bairro Bangu Santo André - SP CEP 09210-580 Fone: (11) 4996.7983 gabinete.prograd@ufabc.edu.br

Leia mais

GUIA ACADÊMICO MATRÍCULA E REMATRÍCULA DISPENSA DE DISCIPLINA REQUERIMENTOS

GUIA ACADÊMICO MATRÍCULA E REMATRÍCULA DISPENSA DE DISCIPLINA REQUERIMENTOS GUIA ACADÊMICO MATRÍCULA E REMATRÍCULA A matrícula é o ato formal do aluno com a UNIUV. Importa em direitos e deveres, tanto para o aluno como para a instituição. Sua efetivação ocorre após classificação

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DO JARDIM BOTÂNCIO DO RJ (JBRJ) E DA ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO (AAJB) NORMAS E PROCEDIMENTOS

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DO JARDIM BOTÂNCIO DO RJ (JBRJ) E DA ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO (AAJB) NORMAS E PROCEDIMENTOS PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DO JARDIM BOTÂNCIO DO RJ (JBRJ) E DA ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO (AAJB) NORMAS E PROCEDIMENTOS Finalidade: Suprir o Jardim Botânico do Rio de Janeiro de pessoal para

Leia mais

LICENCIATURA EM MATEMÁTICA CADERNO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ENSINO MÉDIO

LICENCIATURA EM MATEMÁTICA CADERNO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ENSINO MÉDIO LICENCIATURA EM MATEMÁTICA CADERNO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ENSINO MÉDIO RIBEIRÃO PRETO 2013 ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Aluno: RA: Ano/semestre: Período letivo: 2 SUMÁRIO ORIENTAÇÕES

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PPGPDS

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PPGPDS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PPGPDS DOS OBJETIVOS Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Práticas em Desenvolvimento Sustentável (PPGPDS) destina-se

Leia mais

Conjunto EDITAL N.º 025/2014 PROEPI/IFPR - RETIFICADO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO INOVADOR (PIBIN)

Conjunto EDITAL N.º 025/2014 PROEPI/IFPR - RETIFICADO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO INOVADOR (PIBIN) EDITAL N.º 025/2014 PROEPI/IFPR - RETIFICADO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO INOVADOR (PIBIN) A Pró-Reitoria de Extensão, Pesquisa e Inovação do Instituto Federal do Paraná

Leia mais

http://www.conselhoescolar.virtual.ufc.br/index.php/noticia/9-destaque/109-edital-2015-2

http://www.conselhoescolar.virtual.ufc.br/index.php/noticia/9-destaque/109-edital-2015-2 Link para acessar o ambiente e fazer a pré-inscrição: http://www.conselhoescolar.virtual.ufc.br/index.php/noticia/9-destaque/109-edital-2015-2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA

Leia mais

INTRODUÇÃO O QUE É MONITORIA

INTRODUÇÃO O QUE É MONITORIA MANUAL DE MONITORIA Maceió Alagoas 1 INTRODUÇÃO A Facima oferece ao aluno a oportunidade de iniciar-se na função docente através do exercício de Monitorias. Apenas será considerado monitor o aluno que

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CIDADE LUZ FACILUZ TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. CAPÍTULO I Dos usuários e das inscrições

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CIDADE LUZ FACILUZ TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. CAPÍTULO I Dos usuários e das inscrições 1 REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CIDADE LUZ FACILUZ TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º - Este regulamento disciplina as normas que regem o funcionamento da biblioteca e as relações funcionais

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA ACESSO AOS CURSOS DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DO SENAI BAHIA Processo Seletivo 2015.1

PROCESSO SELETIVO PARA ACESSO AOS CURSOS DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DO SENAI BAHIA Processo Seletivo 2015.1 PROCESSO SELETIVO PARA ACESSO AOS CURSOS DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DO SENAI BAHIA Processo Seletivo 2015.1 O Diretor Regional do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 42 DE 28 DE AGOSTO DE 2012

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 42 DE 28 DE AGOSTO DE 2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 42 DE 28 DE AGOSTO DE 2012 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: Constituição Federal artigos 205, 206, 208, 211 e

Leia mais

BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS Manual de Estágio Osasco 2014 O que é o Estágio? "Estágio é o ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA ACESSO AOS CURSOS DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DO SENAI BAHIA Processo Seletivo 2015.2

PROCESSO SELETIVO PARA ACESSO AOS CURSOS DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DO SENAI BAHIA Processo Seletivo 2015.2 PROCESSO SELETIVO PARA ACESSO AOS CURSOS DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DO SENAI BAHIA Processo Seletivo 2015.2 O Diretor Regional do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Nutrição é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

NORMAS DO SISTEMA DE MONITORIA CAPÍTULO I DO CONCEITO

NORMAS DO SISTEMA DE MONITORIA CAPÍTULO I DO CONCEITO NORMAS DO SISTEMA DE MONITORIA CAPÍTULO I DO CONCEITO Art. 1º A monitoria é uma atividade acadêmica, no âmbito da graduação, que pretende oferecer ao aluno experiência de iniciação à docência. 1º A monitoria

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCACAO FÍSICA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCACAO FÍSICA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCACAO FÍSICA Da Definição e dos Objetivos do Estágio Art. 1º O estágio curricular obrigatório do curso de Licenciatura em Educação

Leia mais

Orientações Gerais de Acordo com o Regimento Escolar (parecer favorável do COMED 006/05)

Orientações Gerais de Acordo com o Regimento Escolar (parecer favorável do COMED 006/05) Orientações Gerais de Acordo com o Regimento Escolar (parecer favorável do COMED 006/05) Dos Discentes Todos os alunos matriculados na Unidade Escolar integram o corpo discente tendo o DIREITO de: Valer-se

Leia mais

Trancamento de matrícula

Trancamento de matrícula Matrícula * O aluno deverá observar as datas fixadas no calendário escolar para efetuar sua matrícula. Deverá observar a seqüência das disciplinas do currículo padrão do seu curso, os pré-requisitos, e

Leia mais

- PRONATEC Seguro Desemprego (Ministério do Trabalho e Emprego);

- PRONATEC Seguro Desemprego (Ministério do Trabalho e Emprego); Orientações de pacutação Prefeitura/MDS PRONATEC O que é o PRONATEC? Informamos que o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (PRONATEC) é uma iniciativa do Ministério da Educação (MEC)

Leia mais

MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO

MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO FIRMADO ENTRE O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO E A ANHANGUERA EDUCACIONAL LTDA mantenedora da UNIVERSIDADE ANHANGUERA UNIDERP Pólo de Passo Fundo 038/2012 PGM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO,

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES CEPED/RS CAPACITAÇÃO

Leia mais

EDITAL Nº 01/2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DO IFPR CAMPUS PITANGA

EDITAL Nº 01/2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DO IFPR CAMPUS PITANGA EDITAL Nº 01/2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DO IFPR CAMPUS PITANGA O INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ IFPR, no uso de suas atribuições, torna público o presente Edital com normas que regem o Processo simplificado

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Edital Nº 09/ 2007

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Edital Nº 09/ 2007 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Edital Nº 09/ 2007 Estabelece normas do Processo Seletivo para ingresso no Curso de Especialização

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE TREINADORES NÍVEL I

REGULAMENTO DO CURSO DE TREINADORES NÍVEL I FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BASQUETEBOL ESCOLA NACIONAL DO BASQUETEBOL REGULAMENTO DO CURSO DE TREINADORES NÍVEL I O presente regulamento, aprovado pelo Conselho Nacional de Formação de Treinadores, rege a

Leia mais

Manual do Estagiário

Manual do Estagiário CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA NILO DE STÉFANI - JABOTICABAL Manual do Estagiário CURSO DE TECNOLOGIA EM BIOCOMBUSTÍVEIS 2º Semestre de 2014 Sumário 1 Informações

Leia mais

CURSO DE PSICOLOGIA EDITAL PARA FORMAÇÃO COMPLEMENTAR EM LICENCIATURA 2015.1

CURSO DE PSICOLOGIA EDITAL PARA FORMAÇÃO COMPLEMENTAR EM LICENCIATURA 2015.1 CURSO DE PSICOLOGIA EDITAL PARA FORMAÇÃO COMPLEMENTAR EM LICENCIATURA 2015.1 A coordenação do curso de psicologia da Faculdade Leão Sampaio torna público para o conhecimento dos interessados, que estará

Leia mais

APRESENTAÇÂO. Moodle Ambiente Virtual de Aprendizagem (Escola Virtual)

APRESENTAÇÂO. Moodle Ambiente Virtual de Aprendizagem (Escola Virtual) APRESENTAÇÂO Conceito de EAD: É uma modalidade de educação em que aluno e professores estão separados fisicamente. Porém, a interatividade acontece por meio de ferramentas, como telefone, Web, fax, correio,

Leia mais

CENTRAL DE ESTÁGIO DO GOVERNO DECRETO Nº 8654-28/10/2010 Publicado no Diário Oficial Nº 8333 de 28/10/2010

CENTRAL DE ESTÁGIO DO GOVERNO DECRETO Nº 8654-28/10/2010 Publicado no Diário Oficial Nº 8333 de 28/10/2010 Súmula: Dispõe que os Órgãos e Entidades da Administração Pública Estadual Direta e Indireta, inclusive as Instituições Estaduais de Ensino Superior podem aceitar estagiários, na forma que especifica-seap...

Leia mais

Faculdade Norte de Mato Grosso

Faculdade Norte de Mato Grosso CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS Por este INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO DE PRESTAÇAO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS, que entre si fazem, de um lado a AJES ACADEMIA JUINENSE DE ENSINO SUPERIOR

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS NA ÁREA DE ENSINO NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTE/ALUNOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS NA ÁREA DE ENSINO NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTE/ALUNOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS NA ÁREA DE ENSINO NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTE/ALUNOS Pelo presente instrumento e na melhor forma de direito, de um lado

Leia mais

MANUAL CONTRATAÇÃO DE EVENTOS PRÉ EVENTO A) ELABORAÇÃO DA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E TRÂMITES PARA CONTRATAÇÃO DA EMPRESA

MANUAL CONTRATAÇÃO DE EVENTOS PRÉ EVENTO A) ELABORAÇÃO DA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E TRÂMITES PARA CONTRATAÇÃO DA EMPRESA MANUAL CONTRATAÇÃO DE EVENTOS PRÉ EVENTO A) ELABORAÇÃO DA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E TRÂMITES PARA CONTRATAÇÃO DA EMPRESA 1) Reunião Prévia (Responsável: Secretaria Demandante) Solicitação de Contratação,

Leia mais

REGIMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO

REGIMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO Res. CONSUN nº 49/03, 10/12/03 Art. 1 o O presente documento objetiva fornecer as orientações

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA FACENS EDITAL DO PROCESSO SELETIVO / 1º SEMESTRE DE 2015

FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA FACENS EDITAL DO PROCESSO SELETIVO / 1º SEMESTRE DE 2015 1 DA ABERTURA FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA FACENS EDITAL DO PROCESSO SELETIVO / 1º SEMESTRE DE 2015 O Diretor da Faculdade de Engenharia de Sorocaba FACENS, mantida pela Associação Cultural de Renovação

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA FACULDADE SÃO CAMILO-MG

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA FACULDADE SÃO CAMILO-MG 1 REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA FACULDADE SÃO CAMILO-MG CAPÍTULO I Disposição preliminares Art 1º A Biblioteca da Faculdade São Camilo-MG tem por objetivo geral apoiar as atividades de ensino-aprendizagem

Leia mais

EDITAL COMPLEMENTAR AO EDITAL UFU/PROGRAD/DIRPS 01/2014 - Edital de Solicitação de Matrícula

EDITAL COMPLEMENTAR AO EDITAL UFU/PROGRAD/DIRPS 01/2014 - Edital de Solicitação de Matrícula EDITAL COMPLEMENTAR AO EDITAL UFU/PROGRAD/DIRPS 01/2014 - Edital de Solicitação de Matrícula A Universidade Federal de Uberlândia (UFU) torna pública a divulgação do Edital Complementar ao Edital UFU/PROGRAD/DIRPS

Leia mais

TERMOS DE USO. a A duração do(s) curso(s) da CONTRATADA terão tempo de duração determinado.

TERMOS DE USO. a A duração do(s) curso(s) da CONTRATADA terão tempo de duração determinado. TERMOS DE USO 1. O acesso ao(s) curso(s) contratado(s) só será efetivado com o correto preenchimento do cadastro de inscrição e após a confirmação do pagamento, conforme especificações no item 4 5, abaixo.

Leia mais

MANUAL DE SUPERVISÃO DE ESTÁGIO

MANUAL DE SUPERVISÃO DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Disciplina Supervisão de Estágios MANUAL DE SUPERVISÃO DE ESTÁGIO Curso de Propaganda e Publicidade SÃO PAULO 2013 MANUAL DE SUPERVISÃO

Leia mais

Regulamento de Estágios ORIENTAÇÕES GERAIS

Regulamento de Estágios ORIENTAÇÕES GERAIS Regulamento de Estágios ORIENTAÇÕES GERAIS Versão 1.0 2015 I. Introdução Consistirá o estágio em um período de trabalho, realizado pelo aluno, sob o controle de uma autoridade docente, em um estabelecimento

Leia mais

EDITAL Abertura de Processo Seletivo

EDITAL Abertura de Processo Seletivo EDITAL Abertura de Processo Seletivo Projeto de Iniciação Científica das Faculdades Integradas Campo-grandenses (FIC) Dispõe sobre as normas para o processo de chamada de propostas de projetos de iniciação

Leia mais

EDITAL Nº 017, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014 PROCESSO DE SELEÇÃO DE ESTUDANTES NO ÂMBITO DO PROGRAMA DE MONITORIA (VOLUNTÁRIA)

EDITAL Nº 017, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014 PROCESSO DE SELEÇÃO DE ESTUDANTES NO ÂMBITO DO PROGRAMA DE MONITORIA (VOLUNTÁRIA) EDITAL Nº 017, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014 PROCESSO DE SELEÇÃO DE ESTUDANTES NO ÂMBITO DO PROGRAMA DE MONITORIA (VOLUNTÁRIA) O DIRETOR DE IMPLANTAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012 Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul. Alterada pela

Leia mais

REGULAMENTO BIBLIOTECA DA FACULDADE FIP / MAGSUL DE PONTA PORÃ

REGULAMENTO BIBLIOTECA DA FACULDADE FIP / MAGSUL DE PONTA PORÃ REGULAMENTO BIBLIOTECA DA FACULDADE FIP / MAGSUL DE PONTA PORÃ Este regulamento visa estabelecer padrões e normas referentes ao funcionamento da Biblioteca das Faculdades MAGSUL, objetivando sempre o aperfeiçoamento

Leia mais

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS JUNHO/2011 CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1º. Os cursos de Pós Graduação Lato Sensu da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORIA FACIIP REGULAMENTO

PROGRAMA DE MONITORIA FACIIP REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA FACIIP REGULAMENTO Capitulo I Do Programa Art.1 O presente regulamento do Programa de Monitoria estabelece as regras para o exercício da monitoria por alunos regularmente matriculados

Leia mais

2. MOTIVAÇÃO DA CHAMADA Favorecer a aproximação da instituição do setor produtivo e da comunidade, além de contribuir para a qualidade do evento.

2. MOTIVAÇÃO DA CHAMADA Favorecer a aproximação da instituição do setor produtivo e da comunidade, além de contribuir para a qualidade do evento. EDITAL Nº 027/2016 CHAMADA PÚBLICA PARA APOIO À REALIZAÇÃO DO 2º SIMPÓSIO INTERDISCIPLINAR DE TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO [SInTE] O Diretor Geral do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DA FACULDADE DE COMPUTAÇÃO. CAPÍTULO I DA COE/CC/Facom

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DA FACULDADE DE COMPUTAÇÃO. CAPÍTULO I DA COE/CC/Facom REGULAMENTO DO ESTÁGIO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DA FACULDADE DE COMPUTAÇÃO CAPÍTULO I DA COE/CC/Facom Art. 1 A Comissão de Estágio do curso de Ciência da Computação da Faculdade de Computação

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012. Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012. Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012 Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal de Santa

Leia mais

3.1 Anexo I: Gestão de Projetos de Investimentos em Saúde em Saúde; 3.2 Anexo II: Vigilância Sanitária.

3.1 Anexo I: Gestão de Projetos de Investimentos em Saúde em Saúde; 3.2 Anexo II: Vigilância Sanitária. Rio de Janeiro, 29 de setembro de 2009 CHAMADA PARA SELEÇÃO DE ALUNOS PARA VAGAS REMANESCENTES DE CURSOS DA EAD/ENSP/FIOCRUZ INSERIDOS NO PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL (UAB/SEED/MEC) A Educação

Leia mais

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão)

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão) Regulamento Interno O presente regulamento aplica-se a todos os Cursos de formação concebidos, organizados e desenvolvidos pelo Nucaminho - Núcleo dos Camionistas do Minho, com o objetivo de promover o

Leia mais

GUIA DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MBA EXECUTIVO

GUIA DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MBA EXECUTIVO GUIA DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MBA EXECUTIVO INÍCIO DO CURSO - Por se tratar de um modelo de ensino individualizado e exclusivo, não é necessário a formação de turmas, e o Aluno pode

Leia mais

Educação Profissional Cursos Técnicos. Regulamento de Estágio Supervisionado

Educação Profissional Cursos Técnicos. Regulamento de Estágio Supervisionado Educação Profissional Cursos Técnicos Regulamento de Estágio Supervisionado CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O presente Regulamento de Estágio Supervisionado refere-se à formação do aluno

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA PREÂMBULO 1 Nossos termos e condições de venda são aplicáveis de forma exclusiva; nós não admitimos termos e condições de clientes que sejam conflitantes nem termos e condições

Leia mais

IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL

IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL Valinhos 2013 Introdução: A finalidade deste manual é aprimorar a relação entre a Santa Casa de

Leia mais

Regulamento do Curso

Regulamento do Curso Regulamento do Curso Mestrado Profissional em Administração CAPÍTULO I DAS FINALIDADES DO PROGRAMA Artigo 1º - O Programa de Mestrado Profissional em Administração (MPA) tem os seguintes objetivos: I.

Leia mais

EDITAL Nº 011/2015. 1.1 As matrículas serão efetuadas na sede da FEAPI - Rua Camboriú, 509 Fazenda - Itajaí - SC.

EDITAL Nº 011/2015. 1.1 As matrículas serão efetuadas na sede da FEAPI - Rua Camboriú, 509 Fazenda - Itajaí - SC. EDITAL Nº 011/2015 Fixa datas e estabelece as orientações para realização da Matrícula nos Cursos de Qualificação profissional da FEAPI, oferecidos à Comunidade para o segundo semestre do ano de 2015.

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho ATENDIMENTO IT. 14 16 1 / 23 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para o atendimento realizado pelo Crea GO ao profissional, empresa e público em geral. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Lei n 5.194 24 de dezembro

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA 1 INTRODUÇÃO A Biblioteca é referida pelos Estatutos da FAJE no Título II, Cap. II, Art. 20, 1, e no Título 111, Art. III, Artigos 61, 64 69. Este regulamento deve ser revisto

Leia mais

Manual do Candidato. Curso de Especialização Técnica em Gestão de Pessoas. IFES - Guarapari. Processo Seletivo 40 2012

Manual do Candidato. Curso de Especialização Técnica em Gestão de Pessoas. IFES - Guarapari. Processo Seletivo 40 2012 Manual do Candidato Processo Seletivo 40 2012 Curso de Especialização Técnica em Gestão de Pessoas IFES - Guarapari O CRONOGRAMA DO PROCESSO SELETIVO ATIVIDADE DATA HORÁRIO LOCAL Publicação do Edital 25/07/2012

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL FACULDADE DE CIENCIAS HUMANAS E SOCIAIS UNESP FRANCA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL FACULDADE DE CIENCIAS HUMANAS E SOCIAIS UNESP FRANCA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL FACULDADE DE CIENCIAS HUMANAS E SOCIAIS UNESP FRANCA Dispõe sobre o cumprimento da carga horária das Atividades de Estágio Supervisionado

Leia mais

MANUAL DE MONITORIA. Agosto de 2010

MANUAL DE MONITORIA. Agosto de 2010 MANUAL DE MONITORIA Agosto de 2010 1 A Faculdade São Francisco de Assis - UNIFIN oferece ao aluno a oportunidade de iniciar-se na função docente através do exercício de monitorias. Apenas será considerado

Leia mais

SELEÇÃO 2016/1 PROCESSO SELETIVO PARA CURSOS DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FICs) PRESENCIAIS

SELEÇÃO 2016/1 PROCESSO SELETIVO PARA CURSOS DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FICs) PRESENCIAIS EDITAL Nº 010/CCEI, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2015. SELEÇÃO 2016/1 PROCESSO SELETIVO PARA CURSOS DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FICs) PRESENCIAIS DA ABERTURA O DIRETOR-GERAL DO CAMPUS CEILÂNDIA DO INSTITUTO

Leia mais

Item Quant Unid. Descrição Detalhada e Atualizada do Objeto

Item Quant Unid. Descrição Detalhada e Atualizada do Objeto CONTRATO DE LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E OUTSOURCING DE PROCESSAMENTO DE IMAGEM N.º 085/2015, QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO DAS NEVES, ATRAVÉS DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E TEM SOLUÇÕES

Leia mais

UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS

UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS 2015 1) DOS OBJETIVOS O Programa de Monitoria de Graduação visa dar suporte às atividades acadêmicas

Leia mais