UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA ELIANE SILVA DA COSTA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA ELIANE SILVA DA COSTA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA ELIANE SILVA DA COSTA A DANÇA NA FORMAÇÃO ESCOLAR DOS ACADÊMICOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA UFMS/CPAN Corumbá-MS Junho/2014

2 UFMS - UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA ELIANE SILVA DA COSTA A DANÇA NA FORMAÇÃO ESCOLAR DOS ACADÊMICOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA UFMS/CPAN Corumbá-MS Julho-2014

3 ELIANE SILVA DA COSTA A DANÇA NA FORMAÇÃO ESCOLAR DOS ACADÊMICOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA UFMS/CPAN Monografia apresentada como requisito parcial para conclusão do Curso de Educação Física para obtenção do Título de Licenciado em Educação Física. Orientadora: Profª. Me. Hellen Jaqueline Marques Corumbá-MS Junho/2014

4

5 Dedico este trabalho aos meus dois grandes amores, que me incentivaram para que esse sonho fosse realizado. Francisco Leonor meu digníssimo esposo que sempre esteve comigo em todos os momentos e o meu filhão Álefe Leonor que ambos tanto me inspiraram para continuar essa jornada!

6 AGRADECIMENTOS Ao meu querido Senhor Jesus Cristo, que através de seu Espírito Santo me conduziu até as pessoas certas para que elas pudessem me ajudar nessa árdua jornada que é a universidade; A minha querida orientadora Me. Hellen Jaqueline Marques que teve muita paciência comigo, sempre com um sorriso no rosto, me apoiando nos momentos que eu ficava nervosa e insegura, dizendo que eu iria conseguir; Ao meu lindo esposo Francisco Leonor, que me apoiou de todas as formas que pode para que eu entrasse e permanecesse na universidade; Ao meu pequeno príncipe filhão : Álefe Leonor, que muitas das vezes me via bastante preocupada com alguma coisas relacionada à faculdade mas me entendia; Aos meus pais João Batista da Costa e Helena Silva da Costa que são pessoas bastante simples, mas que sabem a importância desse curso na minha vida, ficando feliz pela profissão que escolhi; A minha sogra Francisca Leonor que me ajudou muito cuidando do meu filho nos momentos que eu precisava estar ausente para estudar; Aos meus amigos da igreja que ficaram felizes quando eu disse que ia fazer um curso superior, me incentivando muito; Aos queridos amigos do curso de educação física onde passamos tantos momentos juntos, bons e ruins, mas de algum modo me ajudaram chegar aqui; Aos professores brilhantes que eu tive durante esses quatro anos na universidade, que contribuíram muito para o meu crescimento e desenvolvimento, só Deus para retribuir a todos.

7 RESUMO Objetivo deste trabalho é investigar quais conhecimentos de dança os acadêmicos ingressantes no ano de 2013 no curso de licenciatura em Educação Física da UFMS/CPAN possuem. Dessa forma, esse trabalho de natureza qualitativa buscará compreender também os objetivos do ensino da Educação Física e da dança na educação escolar, e investigar quais as experiências os acadêmicos tiveram durante a educação básica e debater as diferentes concepções de ensino da dança na sociedade; apontando assim, as possibilidades e contribuições para uma formação humana critica e emancipatória. Diante disso se torna fundamental refletir sobre a responsabilidade que o professor de Educação Física tem para criar condições necessárias para que o seu aluno desenvolva consciência crítica, vivência corporal, respeito a si e aos outros, compreendendo seu papel no grupo, no contexto e na sociedade que influência e é influenciada por meio da dança. Conclui-se nesse estudo, que esse conteúdo é rico para ser trabalhado na escola, possibilitando aos professores de Educação Física a refletir sobre a importância de não negar o conhecimento que fora construído ao longo do tempo. Palavras- chave: Dança; Escola; Educação Física.

8 SUMÁRIO 1. INTRODUÇAO A DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR E A FUNÇÃO DA ESCOLA A Educação Física como componente curricular A dança no processo pedagógico A DANÇA E SUAS RELAÇÕES COM A SOCIEDADE A Dança faz parte de nossa história A influência da mídia sobre a dança Dança como possibilidade de lazer e fruição da cultura A dança nas academias: a técnica e o corpo como objetivos Dança e relações de gênero A DANÇA NA PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS INGRESSANTES NO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA UFMS - CAMPUS DO PANTANAL Percurso Metodológico Apresentação e análise dos dados de Pesquisa...37 CONSIDERAÇÕES FINAIS...47 REFERÊNCIAS...49 APÊNDICES...52

9 9 1. INTRODUÇÃO A presente pesquisa tem como temática central as contribuições da dança na Educação Física escolar para a formação humana. Esse trabalho nasce de algumas reflexões e debates realizados nas disciplinas de Dança I e Dança II, durante meu processo de formação no curso de Licenciatura em Educação Física da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Campus do Pantanal (UFMS-CPAN). Segundo Moreira et al (2004), a dança é uma forma de manifestação cultural e social, que busca revelar os aspectos intrínsecos de uma sociedade, de um grupo, a fim de educar e integrar as pessoas. Ainda de acordo com o autor, a dança tem por objetivo a liberdade de expressão na construção de gestos e movimentos expressos no corpo (MOREIRA et al, 2004). Movimentos esses que podem ser momentâneos ou codificados, dependendo do fim a que se destinam. De acordo com Verderi (2000), a dança é muito mais do que sua própria palavra inspira para muitos. Ainda de acordo com a autora, ela deve ser descoberta, vivenciada, pensada e sentida (VERDERI, 2000). Para isso, é importante que o corpo seja tratado não simplesmente como instrumento, mas como forma de comunicação. Em 1997, a Dança foi incluída nos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) e ganhou reconhecimento nacional como forma de conhecimento a ser trabalhado na escola (MARQUES, 2010). No entanto, durante as disciplinas Dança I e Dança II, alguns acadêmicos do curso de Educação Física relataram que não tiveram contato com o conteúdo dança na escola e, na maioria das vezes, as danças eram vistas entre eles como meras reproduções de repertórios de coreografias apresentados em dias de festividades. Assim, concordamos com Marques (2010) quando afirma que a dança deve fazer parte dos conteúdos da Educação Física não apenas em festividades, mas ser introduzida no dia a dia da escola. Pois, É por meio de nossos corpos, dançando, que os sentimentos cognitivos se integram aos processos mentais e que podemos compreender o mundo de forma diferenciada, ou seja, artística e estética. É assim que a dança na escola se torna distinta de um baile de carnaval ou de um ritual catártico: o corpo que dança e o corpo na dança tornam - se fonte de conhecimento sistematizado e transformador. (MARQUES, 2010, p.25) Podemos perceber a importância da dança no currículo escolar, não somente como diversão em dias de festividades. Acreditamos que o espaço escolar deva ser por excelência

10 10 um espaço de socialização/transmissão dos conhecimentos, de forma que as atividades na aula de Educação Física permitam ao educador trabalhar a manifestação da cultura corporal, em todos os seus aspectos, como os técnicos, criativos e transformadores. Verderi (2000), afirma que: Considerando a educação como evolução e transformação do individuo, considerando a dança como um conteúdo da Educação Física, expressão da corporeidade, e considerando o movimento um meio para se visualizar a corporeidade de nossos alunos, a dança na escola deve proporcionar oportunidades para que o aluno possa desenvolver todos os seus domínios do comportamento humano e, através de diversificação complexidade, o professor possa contribuir para a formação de estruturas corporais mais complexas. (p.32). Além disso, a dança na escola, como parte do currículo da Educação Física escolar, deve ter um papel fundamental enquanto atividade pedagógica e despertar no aluno uma relação concreta sujeito-mundo (VERDERI, 2000). Ainda de acordo com a autora, a dança; Deverá propiciar atividades geradoras de ação e compreensão, favorecendo a estimulação para ação e decisão no desenrolar das mesmas, e também reflexão sobre o resultados de suas ações, para assim, poder modifica-las frente a algumas dificuldades que possam aparecer e através dessas mesmas atividades, reforçar a auto - estima, a auto - imagem, a auto - confiança e o auto - conceito. (VERDERI, 2000, p.58). A escolha desse tema surgiu durante a aula de Dança I e Dança II na disciplina de Educação Física UFMS-CPAN, com a necessidade de compreender porque a dança ainda é negada por parte dos profissionais da área. De acordo com a pesquisa realizada por Kleinubing e Saraiva (2009) na formação inicial dos professores de Educação Física há uma negligência em relação à dança como conteúdo da educação física escolar. No entanto, podemos concordar com Verderi (2000) que afirma que a dança é a arte mais antiga que o homem experimentou e, como tal, o homem e a dança evoluíram juntos nos movimentos, nas emoções, nas formas de expressão e na arte de transformar os seres deste mundo. (VERDERI, 2000, p. 35). A dança está presente nos PCN s como conteúdo curricular na área de Educação Física desde 1997, por que então há essa negligência ou se está sendo aplicada, de que maneira? Sendo assim, temos como questão norteadora para nossa pesquisa: Quais os conhecimentos que os acadêmicos ingressantes do segundo semestre de 2013 do curso de

11 11 licenciatura em Educação Física da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Campus do Pantanal (CPAN), possuem sobre Dança? Conforme Marques (2010, p.17), acredita-se que a transmissão do conhecimento, não se restringe mais às quatros paredes ou espaços inadequados para se ensinar dança, é preciso fazer com que os profissionais da área reflitam criticamente sobre a função e o papel da dança na escola. Para Marques, (2010) á escola pode sim fornecer parâmetros para sistematização e apropriação critica, consciente e transformadora dos conteúdos específicos da dança e, portanto, da sociedade. A escola teria, assim, o papel não de soltar ou de reproduzir, mas sim de instrumentalizar e de construir conhecimento em / por meio da dança com seus alunos, pois ela é um conhecimento, elemento essencial para a educação do ser social. O que se espera, segundo Verderi (2000, p.64), é que: O professor deve conscientizar-se de que o momento é de inovar e ousar, que os tempos de cópia já se afastam juntamente com paradigmas que já não se enquadram nas novas visões de uma pedagogia preocupada com a formação integral do educando 1. Entendemos que esse estudo poderá se consolidar como ajuda para os novos professores e aqueles atuantes da área, podendo contribuir com outros estudos que venham a problematizar o trato pedagógico da dança como saber organizado na aula de educação física escolar. Acreditamos que a tarefa do professor é de suma importância para o crescimento e para o desenvolvimento dos alunos, contribuindo criticamente para a formação humana deste. O objetivo geral da pesquisa foi investigar o conhecimento de dança dos acadêmicos ingressantes no ano 2013 no curso de Licenciatura em Educação Física da UFMS-CPAN e analisar a influência da Educação Física escolar na definição desta concepção. Diante de tal fato, especificamente objetivamos: Compreender a partir de levantamento bibliográfico, os objetivos do ensino da Educação Física e da dança na educação escolar; Investigar quais são as experiências em dança dos acadêmicos; Debater as diferentes concepções de ensino da dança na sociedade. Assim, esperamos apontar as possibilidades e contribuições da dança para uma formação humana critica e emancipatória. 1 Segundo Tonet (2006) costuma-se dizer que a educação deve formar o homem integral, vale dizer, indivíduos capazes de pensar com lógica, de ter autonomia moral; indivíduo que se trone cidadãos capazes de contribuir para as transformações sociais, culturais, cientifica e tecnológicas que garanta a paz, o progresso, uma vida saudável e a preservação do nosso planeta. Portanto, pessoas criativas, participativas e críticas.

12 12 A presente pesquisa foi de cunho qualitativo. Conforme LUDKE (1986), o estudo qualitativo [...] é o que se desenvolve numa situação natural, é rico em dados descritivos, tem um plano aberto e flexível e focaliza a realidade de forma complexa e contextualizada. A amostra foi constituída com acadêmicos ingressantes no ano de 2013, ambos os sexos no curso de Licenciatura em Educação Física UFMS - CPAN. O instrumento utilizado para a coleta dos dados foi questionário através de perguntas abertas e fechadas, relacionadas aos objetivos de pesquisa. Sendo assim, a pesquisa foi desenvolvida a partir das seguintes etapas: Levantamento bibliográfico sobre o estado da arte acerca do tema a ser estudado; Elaboração da fundamentação teórica; Elaboração do instrumento de pesquisa - questionário; Coleta dos dados foi feito na sala e no horário de aula com vinte e um (21) acadêmicos, através de questionário; Pré-análise e categorização dos dados através de procedimento de agrupar de forma organizada os dados brutos para tratados; Análise e discussão dos dados da pesquisa foram feito em tabela com o objetivo de uma melhor visualização, além da apresentação descritiva; Elaboração das considerações finais; Entrega e apresentação da pesquisa. Para o desenvolvimento desta pesquisa dividimos esse trabalho em quatro seções, sendo que na seção II discutiremos como a escola tem desempenhado o seu papel para um bom funcionamento político e pedagógico da educação física como componente curricular e a dança no processo pedagógico. Na seção III debatemos alguns aspectos da dança e as suas relações com a sociedade. E, finalmente, a última seção tem o objetivo de descrever todo processo percorrido, como metodologia, os instrumentos, os sujeitos e as análises dos resultados.

13 13 2. A DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR E A FUNÇÃO DA ESCOLA Nesta seção vamos debater como a escola contribui para a formação humana e quais seus objetivos políticos e pedagógicos. Buscamos também compreender o papel da Educação Física como componente curricular e como o conteúdo dança vem sendo desenvolvido dentro da escola no processo pedagógico. Veiga (1991), afirma que: A escola é alicerçada no direito de todos os cidadãos de desfrutar uma formação básica comum e respeito aos valores culturais e artísticos, nacionais e regionais, independente de sua condição de origem (sexo, idade, raça, convicção religiosa, filiação politica, classe social). Uma escola formativa, humanística, que assume a função de proporcionar às camadas populares, através de um ensino efetivo, os instrumentos que lhe permitam conquistar melhores condições de participação cultural e politica e reivindicação social (p.81). A escola tem um papel importante dentro do contexto social, pois cabe a ela passar o conhecimento construído historicamente, que se considera necessário à inserção social. Isso implica no respeito humano, repúdio a discriminação de qualquer tipo e direito a igualdade para todos. Com principio democrático, compreendendo que não se trata de uma sociedade homogênea, e sim marcada por diferenças raciais, étnicas, religiosas, de classes. Martins (2013) apresenta qual era a real intenção da escola diante do processo capitalista. A escola de massa assumia a educação das crianças trabalhadora com intuito de alienação submissão intelectual e moral fazendo com que esses trabalhadores conhecessem o mínimo que precisava para produzirem aumentando em si o capital. E a escola apresentava esse papel de ensinar a classe trabalhadora até certo nível que se precisava para o reconhecimento dos códigos para a utilização de mão de obra. Já Frigotto (2006) nos ajuda a entender ainda mais esse processo de exploração capitalista através de acúmulo, concentração e centralização da produtividade que vem sendo realizado através da educação dentro da escola, ele trata esse resultado como um trabalho improdutivo. A improdutividade da escola parece constituir, dentro desse processo de mediação necessária e produtiva para a manutenção das relações capitalista de produção (FRIGOTTO, p134). Segundo Frigotto (2006) o capitalismo monopolista tem buscado preparar pessoas para atuarem no mercado de trabalho de forma rápida, fazendo com que esse trabalhador tenha o mínimo de escolaridade necessária para ser inserido dentro do sistema capitalista. E os

14 14 cursos técnico por ele citado que possibilita o trabalhador se qualificar em tempo mínimo para aquilo que o mercado está precisando no momento, não se preocupando em si com um ensino de qualidade. E assim, a escola vem sendo legitimada através de lutas travada, para alcançar uma educação de qualidade. Martins (2013) diz que: Embora este processo tenha se dado em ritmo variado - dependendo do reconhecimento da classe dominante sobre a importância da ampliação do domínio dos códigos culturais e das lutas travadas em torno do acesso á educação - a escola foi sendo legitimada por sua especificidade educativa (MARTINS, 2013, p.26). De acordo com Saviani a escola é vista como um espaço de luta, espaço de contestação e transformação social, sendo capaz de mudar a visão do individuo com relação às praticas que vêm sendo desenvolvidas no âmbito escolar. Luta para estabelecer uma nova relação hegemônica que permita constituir um novo bloco histórico sob a direção da classe fundamental dominada da sociedade capitalista - o proletariado. Mas o proletariado não pode erigir-se em força hegemônica sem a elevação do nível cultural das massas (SAVIANI, 1994, p.3). A escola como espaço de luta tem uma função de impedir a alienação dos dominados ou, ainda, e passar a transmitir o conhecimento. Saviani (1980) nos leva a entender que o professor possui um papel fundamental na elevação da consciência da classe trabalhadora para além do senso comum. E por isso ele parte de duas condições, Educação: senso comum à consciência filosófica (SAVIANI, 1980, p.2). De acordo com Chauí (1996) o senso comum possui algumas características próprias, como: Particulares, onde imprimem sentimentos e opiniões individuais ou de grupo; qualitativos como coisas julgadas por nós; são heterogêneos como fato que julgamos diferentes; é individualizado algo que parece único ou autônomo; generalizadores, pois tendem a reunir numa só opinião julgando algo semelhante entre outros. Portanto o senso comum é uma opinião baseada em hábitos, preconceitos, tradição cristalizadas. O que distingue a atitude cientifica da atitude costumeira ou do senso comum? Antes de mais nada, a ciência desconfia da veracidade de nossas certezas, de nossa adesão imediata as coisa, da ausência de critica e da falta de curiosidade. Por isso, ali onde vemos coisas, fatos e acontecimentos, a atitudes cientifica vê problema e obstáculos, aparências que precisam ser explicadas e, em certos casos, afastadas. Sob quase todos os aspectos,

15 15 podemos dizer que o conhecimento científico opõe-se ponto por ponto as características do senso comum (CHAUI, 1996, p.249). Entende-se que a consciência filosófica não está baseada em achismos ou eu penso e nem é pesquisa de opinião e sim em fato concreto. Para Chauí (1996, p.15), o significado da consciência filosófica seria um trabalho intelectual que É sistemático porque não se contenta em obter respostas para as questões colocadas, mas exige que as próprias questões sejam válidas e, em segundo lugar, que as respostas sejam verdadeiras, estejam relacionadas entre si, esclareçam umas ás outras, formem conjuntos coerentes de ideias e significações, sejam provadas e demostradas racionalmente. Saviani (2009), parte da compreensão: [...] que a passagem do senso comum á consciência filosófica é condição necessária para situar a educação numa perspectiva revolucionária. E ainda de acordo com o autor, [...] é essa única maneira de convertê-la em instrumento que possibilite aos membros das camadas populares a passagem da condição de classe em si para a condição de classe para si (SAVIANI, 2009, p.7). socialização. Ribeiro (1987) contribui com o objetivo de conceituar o professor nesse processo de Como na fase histórica atual as necessidades propriamente humanas serão satisfeitas pela mediação da satisfação das necessidades (interesses) da classe fundamental dominada e de seus aliados, isto é, da maioria da população, quanto mais clareza o professor tenha de que está inserido na referida luta pela socialização da cultura, e quanto mais intencionalmente tome posição favorável em relação ao segundo elemento da contradição, melhores condições ele vai adquirindo de exercer concretamente (e não apenas em palavras ou (boas) intenções) sua função na direção da satisfação das necessidades propriamente humanas (RIBEIRO, 1987.p.46). Portanto, a escola deve procurar formar cidadão para participar da luta contra a desigualdade social, no desvelamento da ideologia dominante, e entender que a educação como um instrumento de luta seja capaz de mudar o senso comum, fazendo com que o bom senso, se potencialize elevando a uma consciência filosófica, mais elaborada. E cabe ao professor dentro dessa organização que é a escola, transmitir esse saber acumulado, ensinando a todos de igual modo, buscando fazer de suas aulas uma ferramenta contra a desigualdade. De acordo com as teorias da educação, o problema da marginalidade é vista como social dentro da escola parte de dois viés uma defende que a educação será resolvida através da equalização social e a outra entendem que a educação é um instrumento de discriminação social, essas teorias estão divididas em dois grupos conforme Saviani (1983:

16 16 [...] denominarei as teorias do primeiro grupo de teorias não criticas já que encaram a educação como autônoma e buscam compreende-la a partir dela mesma. Inversamente, aquelas do segundo grupo são críticas uma vez que se empenham em condicionantes objetivos, isto é, aos determinantes sociais, vale dizer, á estrutura sócio - econômica que condiciona a forma de manifestação do fenômeno no educativo. Como, porem, entende que a função básica da educação é a reprodução da sociedade, serão por mim denominadas de teorias critico- reprodutivistas (SAVIANI, 1983.p.17). O primeiro grupo compõe as teorias não criticas que são: pedagogia tradicional, pedagogia nova e a pedagogia tecnicista, que tem por finalidade a superação da marginalidade através da equalização social como já foi mencionada. [...] no que respeita ás relações entre educação e sociedade, concebe-se a educação com uma ampla margem de autonomia em face da sociedade (SAVIANI, 1983.p.16). A pedagogia tradicional segundo Saviani (1983.p.17, 18) diz que: a educação é vista como direito de todos e dever do Estado, e acredita que a causa da marginalidade é identificada com a falta de conhecimento. Saviani (1983), que a escola surge como um antídoto a ignorância, logo, um instrumento para equacionar o problema da marginalidade. Na pedagogia tradicional o professor é um instrumento fundamental para a equalização social para superar a marginalidade dentro da escola. Para Saviani (1983.p.18) a escola se organiza, pois, como uma agência centrada no professor, o qual transmite, segundo uma gradação lógica, o acervo cultural aos alunos. A estes cabe assimilar os conhecimentos que lhes são transmitidos. A pedagogia nova começa, pois, por efetuar a crítica da pedagogia tradicional, esboçando uma nova maneira de interpretar a educação (Saviani, p.19). Na qual entende que a marginalidade não tem nada a ver com o sujeito ignorante, mas sim com sujeito rejeitado, do sujeito anormal, inapto e desajustado. Dessa forma, A educação, enquanto fator de equalização social será, pois, um instrumento de correção da marginalidade na medida em que cumprir a função de ajustar, de adaptar os indivíduos á sociedade, incutindo neles o sentimento de aceitação dos demais pelos demais. (SAVIANI, 1983p. 20). Para a pedagogia tecnicista o problema da marginalidade na escola está relacionado com ineficiência, e improdutividade. Frente a isso, notamos que a escola tem o papel de tornar indivíduos produtivos e competentes no contexto social. Nesse sentido, Saviani (1983) destaca: Marginalizado será o incompetente (no sentido técnico da palavra), isto é, o ineficiente e improdutivo. A educação estará contribuindo para superar o

17 17 problema da marginalidade na medida em que formar indivíduos eficientes, portanto, capazes de darem sua parcela de contribuição para o aumento da produtividade da sociedade. (SAVIANI, 1983 p. 25). Já o segundo grupo compõe as teorias critico - reprodutivistas que são: Teoria do sistema de ensino enquanto violência simbólica; Teoria da escola enquanto aparelho ideológico do estado e a Teoria da escola dualista. Que contradiz as teorias não - critica, acreditando ser a educação o principal responsável pela discriminação e repressão e a marginalidade dentro da escola (SAVIANI, 1983, p 27). Segundo a teoria do sistema de ensino enquanto violência simbólica, o problema da marginalização dentro da escola seria, [...] á violência material (dominação econômica) exercida pelos os grupos ou classes dominantes sobre os grupos ou classes dominados corresponde à violência simbólica (dominação cultural) (SAVIANI, 1983.p.30). Essa violência segundo Saviani (1983), se manifesta de varias formas: a formação da opinião publica através dos meios de comunicação de massa, jornais etc.; a pregação religiosa; a atividade artística e literária; a propaganda e a moda; a educação familiar (p.30). Portanto Saviani (1983) a educação através dessa teoria é somente a reprodução das desigualdades sociais, a marginalidade se da a partir do capital econômico ou capital cultural, aquele que não possui fica a margem de uma sociedade capitalista. Frente a tudo isso, que foi mencionado acima, acredita-se que a educação segundo essa teoria, está longe de ser um fator para a superação da marginalidade, e ainda se constitui em um ambiente reforçador da mesma. Na teoria da escola enquanto aparelho ideológico do estado, vale dizer que a escola constitui o instrumento mais acabado de reprodução das relações de produção de tipo capitalista (SAVIANI, 1983.p 33). E ainda de acordo com o autor o caso da marginalidade dentro da escola se da através da expropriação dos trabalhadores sobre interesse dos capitalistas, fazendo com que seus interesses sejam preservados. capitalista: De acordo com Althursser (1977), ele relata como funciona a educação no sistema Uma grande parte (operários e camponeses) cumpre a escolaridade básica e é introduzida no processo produtivo. Outros avançam no processo de escolarização, mas acabam por interrompê-lo passando a integrar os quadros médios, os pequenos burgueses de toda a espécie. Uma pequena parte, enfim, atinge o vértice da pirâmide escolar. Este vão ocupar os postos próprios dos agentes da exploração. (ALTHURSSER, 1977 apud SAVIANI, 1983 p. 34).

18 18 O Aparelho Ideológico do Estado escolar, em lugar de instrumento de equalização social, constitui um mecanismo construído pela burguesia para garantir e perpetuar seus interesses. (SAVIANI, 1983, p 34). Ribeiro (1987), afirma que: [...] mesmo para a grande massa de trabalhadores urbanos (os operários não ou qualificados) para os quais a escola não se faz absolutamente necessária como elemento de preparo para tais atividades econômicas necessárias como elemento de preparo para tais atividades econômicas (uma vez que não precisam ter a sua intelectualidade desenvolvida para executar tarefas rotineiras em que, como já foi explicado em nota de n 4, a intervenção da consciência ou da reflexão converte-se num obstáculo), a escola vai-se tornando necessária devido ao mínimo de cultura letrada que é preciso dominar a fim de que se possa decifrar um conjunto de informações para melhor se localizar e locomover num ambiente urbano.( RIBEIRO 1987 p. 31). Já na ultima teoria que compõe as teorias critico - reprodutivista, temos a teoria da Escola Dualista. A escola dualista tem duas funções básicas: Saviani, (1983) afirma que serve para a formação da força de trabalho e para inculcação da ideologia burguesa. Ainda de acordo com o autor a escola é um instrumento da luta de classes ideológica do Estado burguês, onde o Estado burguês persegue objetivos exteriores á escola (ela não é senão um instrumento destinado a esses fins). Concordamos com Ribeiro (1987, p.32) quando ela diz que: [...] o processo de desenvolvimento e consolidação da sociedade burguesa, no seio do qual se dá à luta ideológica dirigida pela burguesia, realizar certa elevação cultural de uma parcela maior da população. Ela ainda acrescenta que uma elevação que não deixa de constituir-se num fenômeno de socialização da cultura no qual a escola, e não apenas ela, está inserida. Saviani (1983) salienta que [...] a escola qualifica diferentemente o trabalho intelectual e o trabalho manual. Cabe, isto sim, dizer que ela qualifica o trabalho intelectual e desqualifica o trabalho manual, sujeitando o proletariado à ideologia burguesa sob um disfarce pequeno burguês (SAVIANI, 1983.p.38). Saviani (1983) traz contribuição para entendermos esse desafio que [...] a escola longe de ser um instrumento de equalização social, é duplamente um fator de marginalização: converte os trabalhadores em marginais, não apenas por referencia á cultura burguesa, mas também em relação ao movimento proletário, buscando arrancar do seio desse movimento (colocar a margem dele) todos aqueles que ingressarem no sistema de ensino. (SAVIANI, 1983 p. 39).

19 19 Dessa forma, acredita-se que as duas teorias tanto não-critica e a critico - reprodutivistas, tentaram explicar a questão da marginalidade dentro da escola. De acordo com Saviani (1983), as teorias não-criticas pretendem ingenuamente resolver o problema da marginalidade através da escola sem jamais conseguir êxito. E para teoria criticoreprodutivista, ainda segundo o autor, aparente fracasso é, na verdade, o êxito da escola; aquilo que se julga ser uma disfunção é, antes, função própria da escola (SAVIANI, 1983, p.40). Acreditamos que a escola foi criada no intuito de formar cidadãos capazes de refletir sobre o problema da marginalidade que vem acontecendo dentro desta instituição chamada escola. Sabemos que ela exerce grande influência na sociedade como todo, tendo o dever de passar o conhecimento historicamente acumulado, para formar cidadão com pensamentos críticos para debater e proporcionar transformação social A Educação Física como componente curricular Por trabalhar um elemento especifico da cultura (movimento humano) a Educação Física é uma disciplina obrigatória no currículo escolar, que tem tanta importância como qualquer outra disciplina obrigatória. Também são áreas curriculares obrigatórias o ensino da Arte e da Educação Física, necessariamente integradas á proposta pedagógica (BRASIL, 1996). Porém, muito além do movimento, na de Educação Física são internalizados valores, comportamentos, atitudes e concepções de mundo. Na Lei de Diretrizes Bases (LDB), n 9.394/96 em seu paragrafo terceiro, art. 26, refere-se à Educação Física, como componente curricular. Possibilitando ao professor ver às mesmas condições dos demais componentes curriculares. A relação entre currículo e escola tem sido muito discutido nos últimos anos, especialmente por aqueles que, envolvidos com o processo educativo, buscam uma compreensão crítica da educação, procurando analisar a função da escola e sua contribuição para a construção de uma sociedade democrática. De acordo com Veiga (1991), o currículo: [...] é um instrumento de confronto de saberes: o saber sistematizado, indispensável à compreensão crítica da realidade, e o saber de classes, que o aluno representa e que são os resultados das formas de sobrevivência que as camadas populares criam. A Educação Física, tem sido marcada por diversos papeis que, embora com significados próprios ao período em que foram vividos, corroboraram para

20 20 definir - lhe uma considerável coerência na sequência de sua atuação na peça encenada, como nos apresenta (CASTELLANI FILHO,1988, p.11). De acordo com Castellani Filho, historicamente a Educação Física no Brasil passou e passa por várias influências, como: [...] das intuições militares e da categoria profissional dos médicos, desde o Brasil império (ainda a partir daquele período), buscando compreende-lo em seu todo e interpretar a conotação dada a Educação Física á questão do reforço por ela exercido á estereotipação do comportamento masculino e feminino em nossa sociedade. (CASTELLANI, FILHO, 1988 p. 12). Carmo (1991) constata que a Educação Física sempre esteve atrelada a valores morais, médicos, militares em cada época, tornou-se obrigatória, primeiro no curso primário e secundário e posteriormente em todos os níveis e graus de ensino. Segundo Castellani Filho (1988) A compreensão da Educação Física enquanto matéria curricular incorporada aos currículos sob a forma de atividade- ação não expressiva de uma reflexão teórica, caracterizando-se, dessa forma, no fazer pelo fazer - explica e acaba por justificar sua presença na instituição escolar, não como um campo do conhecimento dotado de um saber que lhe é próprio, especifico- cuja apreensão por parte dos alunos refletiria parte essencial da formação integral dos mesmos, sem a qual esta não se daria- mas sim enquanto uma mera experiência limitada em si mesma, destituída do exercício da sistematização e compreensão do conhecimento, existente apenas empiricamente. (CASTELLANI FILHO, 1988 p. 84). A Educação Física fazendo parte do currículo, contribui com o conhecimento da Cultura Corporal, evidenciando o aprimoramento do indivíduo através de atividades expressivas corporais - jogo, esporte, dança e ginástica. Conforme o Coletivo de Autores (2012),é preciso que o aluno entenda que o homem não nasceu pulando, saltando, arremessando, balançando, jogando etc. A partir dessa ideia, todas essas atividades corporais, foram construídas em determinadas épocas históricas, como respostas a determinados estímulos, desafios ou necessidades humanas. (COLETIVO DE AUTORES, 2012, p.40). A cultura é o conjunto das produções humanas como: modo de vida, valores e atitudes que adquire significado no contexto social. Por isso a materialidade corpórea 2 historicamente construída e, portanto, existe uma cultura corporal, resultado de foi 2 Formas corporais e gestos

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva 1 Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista,

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Silvia Christina Madrid Finck E-mail: scmfinck@ uol.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao projeto de pesquisa

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO

CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO Área de Conhecimento: Linguagens Componente Curricular: Educação Física Ementa A Educação Física no Ensino Médio tratará da cultura corporal, sistematicamente

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Rafael Beling Unasp rafaelbeling@gamil.com Resumo: os termos música e musicalidade, por sua evidente proximidade, podem

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO.

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014 Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. RESUMO Adriana Vieira de Lima Colégio Marista Arquidiocesano

Leia mais

OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA

OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA Dayvyd Lavaniery Marques de Medeiros Professor do IFRN Mestrando do PPGEP

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PROJETO DE ETENSÃO CÂMPUS: Campos Belos ANO DE EECUÇÃO: 2015 LINHAS DE

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS SOBRE A DANÇA NO ENSINO MÉDIO

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS SOBRE A DANÇA NO ENSINO MÉDIO REFLEXÕES PEDAGÓGICAS SOBRE A DANÇA NO ENSINO MÉDIO Izabele Trindade Caldas (CALDAS I. T.) e Elaine Melo de Brito Costa (COSTA E. M. DE B.). Departamento de Educação Física Universidade Estadual da Paraíba

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

Estudos da Natureza na Educação Infantil

Estudos da Natureza na Educação Infantil Estudos da Natureza na Educação Infantil Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Infantil (RCNEI) parte 3 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015

Leia mais

O CURRÍCULO NA PERSPECTIVA DO RECONSTRUCIONISMO SOCIAL

O CURRÍCULO NA PERSPECTIVA DO RECONSTRUCIONISMO SOCIAL O CURRÍCULO NA PERSPECTIVA DO RECONSTRUCIONISMO SOCIAL Resumo Fabiana Antunes Machado 1 - UEL/PR Rosana Peres 2 - UEL/PR Grupo de trabalho - Comunicação e Tecnologia Agência Financiadora: Capes Objetiva-se

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO DE GINÁSTICA LABORAL PARA MELHORAR QUALIDADE DE VIDA DOS FUNCIONÁRIOS DA ULBRA/GUAÍBA

PROJETO DE EXTENSÃO DE GINÁSTICA LABORAL PARA MELHORAR QUALIDADE DE VIDA DOS FUNCIONÁRIOS DA ULBRA/GUAÍBA PROJETO DE EXTENSÃO DE GINÁSTICA LABORAL PARA MELHORAR QUALIDADE DE VIDA DOS FUNCIONÁRIOS DA ULBRA/GUAÍBA RESUMO *Luciano Leal Loureiro ** Jésica Finguer O presente texto busca explicar o que é o projeto

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL

O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL Márcio Henrique Laperuta 1 Rodrigo Santos2 Karina Fagundes2 Erika Rengel2 UEL- Gepef-Lapef-PIBID RESUMO

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DO CONTEUDO DANÇA NA INTERFACE E FORMAÇÃO CULTURAL NA EDUCAÇÃO FÍSICA A PARTIR DAS INTERVENÇÕES DO PIBID UFG/CAC

A EXPERIÊNCIA DO CONTEUDO DANÇA NA INTERFACE E FORMAÇÃO CULTURAL NA EDUCAÇÃO FÍSICA A PARTIR DAS INTERVENÇÕES DO PIBID UFG/CAC A EXPERIÊNCIA DO CONTEUDO DANÇA NA INTERFACE E FORMAÇÃO CULTURAL NA EDUCAÇÃO FÍSICA A PARTIR DAS INTERVENÇÕES DO PIBID UFG/CAC Fernanda Costa SANTOS UFG/CAC- nandacostasantos@hotmail.com Karolina Santana

Leia mais

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação.

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação. Colégio Tutto Amore Colégio Sapience Carinho, Amor e Educação. Trabalhamos com meio-período e integral em todos os níveis de ensino. www.tuttoamore.com.br Nossa História No ano de 1993 deu-se o ponto de

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE *Luciano Leal Loureiro *Jéssica Finguer RESUMO O presente texto busca explicar o que é o projeto Futebol Para Todos, oferecido pelo curso

Leia mais

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas.

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SANTOS, Silvana Salviano silvanasalviano@hotmail.com UNEMAT Campus de Juara JESUS, Lori Hack de lorihj@hotmail.com UNEMAT

Leia mais

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Mary Clevely Mendes Programa de Iniciação Científica UEG / CNPq Orientador (Pesquisador-líder):

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

A Música No Processo De Aprendizagem

A Música No Processo De Aprendizagem A Música No Processo De Aprendizagem Autora: Jéssica Antonia Schumann (FCSGN) * Coautor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: O presente trabalho tem por objetivo investigar sobre a importância em

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE FLORESTA ISEF PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO FLORESTA PE 2013 SUMÁRIO I. JUSTIFICATIVA II. OBJETIVO A. GERAIS B. ESPECIFICOS III. DESENVOLVIMENTO IV. CRONOGRAMA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO ÁREA DE COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 2012

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO ÁREA DE COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO ÁREA DE COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 2012 7 ANO TURMAS A e B Prof. Alexandre Magno Guimarães Ementa:

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos:

3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos: CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I 3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos: Elaboração de cenas e improvisação teatral de textos jornalísticos.

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa EDUCAÇÃO INFANTIL JUSTIFICATIVA O momento social, econômico, político e histórico em que vivemos está exigindo um novo perfil de profissional, de cidadão: informado, bem qualificado, crítico, ágil, criativo,

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL Bruna Maria de Oliveira (¹) ; Elcione Trojan de Aguiar (2) ;Beleni Salete Grando (3) 1.Acadêmica

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar

SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar Mariely Rodrigues Anger 1 Ana Carla Ferreira Nicola Gomes 2 Jussara Aparecida da Fonseca 3 Resumo: Apresentam-se

Leia mais

A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior

A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior Janaína Batista da Silva Larissa Horrara de Almeida Leonardo Lopes Liliana Oliveira Palhares da Silva Luciana

Leia mais

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM Faz aquilo em que acreditas e acredita naquilo que fazes. Tudo o resto é perda de energia e de tempo. Nisargadatta Atualmente um dos desafios mais importantes que se

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES

DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES Karem Nacostielle EUFRÁSIO Campus Jataí karemnacostielle@gmail.com Sílvio Ribeiro DA SILVA

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Revelar curiosidade e desejo de saber; Explorar situações de descoberta e exploração do mundo físico; Compreender mundo exterior mais próximo e do

Leia mais