O ESSENCIAL É INVISÍVEL AOS OLHOS? UMA REFLEXÃO COMPARTILHADA SOBRE A DANÇA NA ESCOLA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O ESSENCIAL É INVISÍVEL AOS OLHOS? UMA REFLEXÃO COMPARTILHADA SOBRE A DANÇA NA ESCOLA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FACULDADE DE PEDAGOGIA - EDUCAÇÃO BÁSICA O ESSENCIAL É INVISÍVEL AOS OLHOS? UMA REFLEXÃO COMPARTILHADA SOBRE A DANÇA NA ESCOLA Autora: Patrícia Dias Oliveira Salvador 2008

2 PATRICIA DIAS OLIVEIRA O ESSENCIAL É INVISÍVEL AOS OLHOS? UMA REFLEXÃO COMPARTILHADA SOBRE A DANÇA NA ESCOLA. Monografia apresentada ao Curso de graduação em Pedagogia Educação Básica, Departamento de Educação, Universidade do Estado da Bahia, como requisito para obtenção do grau de Licenciatura em Pedagogia. Orientador: Profª. Dra. Isa Maria Faria Trigo. Salvador 2008

3 PATRÍCIA DIAS OLIVEIRA O ESSENCIAL É INVISÍVEL AOS OLHOS? UMA REFLEXÃO COMPARTILHADA SOBRE A DANÇA NA ESCOLA Monografia apresentada como pré-requisito para obtenção da graduação em Pedagogia com Habilitação em Educação Básica, Departamento de Educação Campus I, Universidade do Estado da Bahia UNEB. Salvador, de de 20. Profª MS. Márcea Sales UNEB Profº MS Nadir Nóbrega SEC-Ba e IPAC Profª Dra. Isa Trigo (Orientador) - UNEB

4 RESUMO O presente trabalho teve por objetivo analisar a contribuição da dança no ambiente escolar, identificando de que forma a mesma é vista e como é utilizada em tal ambiente. A metodologia utilizada foi a pesquisa bibliográfica e a análise de entrevistas feitas com profissionais representativos da área por questionário, através de s. Nos resultados obtidos infelizmente constata-se que a dança ainda está muito ausente ou é mal utilizada na realidade escolar, fato, entre outros, destacado por todos os entrevistados. O trabalho ensejou também reflexões, sugestões e encaminhamentos específicos, no sentido de pensar as possibilidades e estratégias necessárias para modificar essa situação. PALAVRAS-CHAVE: Educação, Dança. Corpo.

5 RÉSUMÉ Le travail ici presenté a proposé d analiser la contribution de la danse dans l ambiance scolaire, en identifiant de quelles formes elle est vue et comment elle est utilizé dans cet ambience. La metodologie utilizé a été la recherche bibliographique, et l analise d'entrevues par avec des danceurs-professeurs, representatifs du champ de la danse à Salvador. Les resultats obtenus ont indiqué, malheureusement, que la danse reste très absente, ou mal utilizée dans l écolle. Cella a été enfatizée par touts les entretiens. Le travail a aussi apporté des reflections, des sugestions e des enchaînements specifiques, pour penser les possibilités et strategies necéssaires pour modifier cette situation. Mot-clé: Education, Danse, Corps.

6 APRESENTAÇÃO Por padecer de um processo de descaracterização enquanto arte, disputando espaço com disciplinas tidas como mais sérias e importantes nos currículos e grades escolares, marcada pela ausência de profissionais qualificados em dança, ministradas, muitas vezes, por professores, que, na sua grande maioria, não têm experiência, a dança acaba por protagonizar um tipo de invisibilidade na realidade escolar. A partir dessa ponderação, resolvi fazer este trabalho. Este é um estudo analítico, de caráter reflexivo, realizado através de pesquisa bibliográfica e de entrevistas feitas por questionários, respondidos por dançarinos-educadores. Nele são discutidas idéias dos entrevistados, bem como de outros autores, entrevendo rumos que sinalizam mudanças aspiradas por aqueles que de fato refletem sobre a temática em tela e o real objetivo deste trabalho que é o de saber qual o real papel ocupado pela dança no ambiente escolar. Com efeito, tomando como lastro as experiências e os dados obtidos dos professores inquiridos tornou-se efetivamente possível explorar, no que tange à problemática ora trazida, suas características, dificuldades ínsitas e, reflexões que se espera que sejam úteis para o ensino da dança no ambiente escolar. Enfim, movida pela variedade de propostas e atuações, noções diversas sobre o corpo analisado genericamente e, de modo específico, relacionado à escola e à dança bem como pelos conhecimentos que compõem a visão da dança no dia-a-dia escolar, é que produzo o presente trabalho. Tenho sempre em vista a necessidade de a arte não ser utilizada apenas como acessório, notadamente pela pouca ou nenhuma atenção que lhe é dada no multimencionado ambiente.

7 LISTA DE FIGURAS Figura 1. Suíça, Kurt Baumli... 8 Figura 2. Camarões, Hanns Reich Figura 3. Banho de Renoir Figura 4. A Dança Figura 5. O Corpo em Movimento Figura 6. Polônia, Miroslaw Stankiewicz... 49

8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO QUE EDUCAÇÃO É ESSA? A CASA ONDE NÃO MORAMOS : O CORPO A DANÇA E O CORPO NO AMBIENTE ESCOLAR A LINDA COLCHA DE RETALHOS DAS PALAVRAS MAS SERÁ MESMO O FIM? BIBLIOGRAFIA APÊNDICE A Entrevistas

9 8 1 INTRODUÇÃO Figura 1. Suíça, Kurt Baumli Imagem retirada do livro Die Kinder Dieser Welt 4. Welt Ausstellung der Photographie

10 9 Neste trabalho, analisarei a contribuição da dança no ambiente escolar, através de pesquisa bibliográfica e de entrevistas feitas por questionário com profissionais da área, identificando de que forma esse assunto é visto pelos mesmos, como e quando é utilizada. Como ela se realiza na escola, e em decorrência de quais conceitos ou pressupostos subjacentes nem sempre conscientes, é que é a nossa meta aqui. Esta pesquisa visa então analisar o recorte de um discurso imagético, textual, oral - sobre uma realidade social e educacional múltipla. O enfoque na entrevista caracteriza uma pesquisa teórica, de reflexão sobre o que é dito por estes profissionais, através da entrevista e da sua análise. Inicialmente pensado para ser um trabalho de revisão bibliográfica e decorrente reflexão teórica, baseado fortemente no pensamento de diversos autores sobre o assunto, à medida em que foi avançando, e principalmente devido ao acesso que minha orientadora, Isa Trigo, tem no universo da dança e do ensino da dança na Bahia, aventamos a possibilidade de trabalhar com entrevistas a profissionais que, através dos seus depoimentos e pela sua representatividade, pudessem seguramente compor um panorama significativo dos problemas e especificidades do ensino da dança na Bahia, mais especificamente em Salvador. Isso veio para aprofundar e elevar a qualidade das discussões, introduzindo um fator de originalidade, representatividade e de contextualização com a situação local, que agregou, por si só, valor e utilidade a este estudo. E assim foi realizado o trabalho. As entrevistas foram feitas e respondidas através de e- mail, e debatidas no corpo da monografia, com ênfase no final. Pretende-se, posteriormente, caso haja a oportunidade de ingressar num mestrado, realizar filmagens destes mesmos profissionais e de mais alguns, ainda não incluídos aqui por fatores ligados ao tempo de conclusão dessa monografia, como forma de criar um dossiê de movimento e de reflexão sobre essa temática. A especialidade desse trabalho, se ela existe, reside no fato de que estes profissionais entrevistados têm vivências preciosas neste campo, da dança e sua pedagogia, o que nos possibilitou, ao discutir suas idéias e a de outros autores, vislumbrar quais cami-

11 10 nhos apontam para mudanças desejáveis; assim como poder levantar, graças ao condensado dessas vivências, características e problemas específicos do nosso ensino e da nossa dança. Neste sentido, a representatividade desse trabalho reside não no número de entrevistados mas sim no tempo e na qualidade de experiências que trazem ao longo de seu percurso como educadores da dança, pesquisadores e dançarinos. Lia Rodrigues, Nadir Nóbrega, Suki Villas-Boas Guimarães, Alexandre Molina, Jorge Alencar e Ana Valéria Vicente são alguns dos coreógrafos, dançarinos, educadores e pesquisadores mais representativos da dança local. Este trabalho, se é que nele há alguma graça e criatividade, deve isso ao brilho e à experiência dos nossos entrevistados, a quem sou profundamente grata. Os referenciais teóricos mais importantes foram: Marcel Mauss, Isabelle Launay e Dianne Woodruff, Cleide Campelo, Isabel Marques, Duarte Jr., Moacir Gadotti, Carlos Brandão, José Carlos Libâneo e Rubem Alves. E, por fim, os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs). Marcel Mauss deu a base de compreensão acerca do gesto automático e inconsciente; Isabelle Launay e Dianne Woodruff, em seus textos de entrevistas e sobre entrevistas, forneceram caminhos para a reflexão e análise destas. Cleide Campelo e Isabel Marques embasaram a questão do corpo e da dança, na perspectiva pedagógica; os educadores, como Rubem Alves, forneceram a discussão pedagógica. E os PCNs? Estes me ofereceram madeira para bater, eu diria. Por fim, os textos de entrevistas dos nossos profissionais, sem os quais este trabalho não existiria como tal. Entrando pela janela das instituições escolares, seja pra fazer uma apresentação de fim de ano, dar movimento a um trabalho, repassando a coreografia com a turma na hora do recreio ou servindo de relaxamento, a dança insiste em fazer parte do dia-a-dia escolar. Tendo sido contemplada pela primeira vez em documento nacional, através dos PCNs, em linguagem artística independente do teatro, a dança, esperaríamos, não mais estaria relegada aos últimos parágrafos dos currículos de artes cênicas. No entanto, não é isso que se verifica nas diversas práticas, conforme veremos aqui.

12 11 Historicamente marcada pela ausência de profissionais qualificados em dança, as aulas de dança nas escolas são, muitas vezes, ministradas pelos professores de educação física que, na sua grande maioria, não têm experiência com a dança. Sofrendo esta um processo de descaracterização enquanto arte, a dança tenta ocupar o seu lugar, através dos temas transversais, em intercâmbio com as outras disciplinas, nas quais parece ser o corpo o eixo principal. Este projeto nasce movido por essas questões; referentes ao conceito, à utilização e ao modo de ensino/dança no ambiente escolar; pela visão que os professores têm dos corpos dos alunos e pela pouca ou nenhuma atenção que é dada à dança no ambiente escolar. Por acreditar na diversidade e multiplicidade de propostas, corpos, ações e conhecimentos que caracterizam o mundo contemporâneo, é que vejo como necessário olhar de forma mais crítica o papel da dança na escola. Essa escola, que ainda sofre a influência do século XIX, na qual é regra geral a dissociação entre razão e emoção, mente e corpo, tirando assim praticamente qualquer possibilidade de se trabalhar com a dança e com as outras linguagens artísticas em uma visão mais integrada. Visão que restringe, e muito, as inúmeras possibilidades da dança e de outras manifestações artísticas dentro da escola, já que, num simples passo em movimento, podem estar embutidos múltiplos significados, relações, valores pessoais, culturais, políticos e sociais literalmente incorporados (Isabel Marques, 2003, p.19) E é nessa complexidade que os educadores não podem ou não querem se envolver. Sendo assim, o ensino da dança deveria englobar conteúdos bem mais amplos e complexos que simples coreografias ou sessões de relaxamento. Isso nos faz refletir sobre uma questão que só há pouco tempo começa a fazer parte das discussões na educação: o fato da arte não dever ser utilizada apenas como acessório no dia a dia escolar, principalmente em um país onde o corpo fala tão alto como

13 12 no Brasil. Mais especificamente a dança, que geralmente é utilizada apenas para festinhas de final de ano, poderá ser vista como uma prática pedagógica eficaz? Na tentativa de contribuir para análise e formação de uma escola nova que obriga a um novo posicionamento sobre o sentido do que é educação, formação, ensino e a- prendizagem (KENSKI, 1996 p. 2 apud MARQUES, 2003, p. 17) que não negligencia o corpo e a arte, o que pretendo é contribuir, ainda que de forma inicial, para esta discussão da relação entre dança e escola. Nossa intenção, em suma, concluindo o que já foi anteriormente exposto, é realizar um estudo analítico, de caráter reflexivo, a partir de autores da área e a partir de entrevistas com dançarinos-educadores locais; tomando por base as referências bibliográficas, especialmente articuladas com as vivências de profissionais que já labutam na área de dança.

14 13 2 QUE EDUCAÇÃO É ESSA? Figura 2. Camarões, Hanns Reich. Imagem retirada do livro Die Kinder Dieser Welt 4. Welt Ausstellung der Photographie

15 14 Segundo Moacir Gadotti, a educação consiste em ensinar ao homem a decifrar e intervir no mundo em que ele vive (2003, p.43) já para Carlos Brandão, Educação são processos sociais de aprendizagem, não havendo uma forma única, nem um lugar específico onde ela possa acontecer (1985, p.9) conceito compartilhado por José Carlos Libâneo, que divide a prática educativa em modalidades: educação formal e não formal, e define educação como sendo um fenômeno pluri-facetado, ocorrendo em muitos lugares, institucionalizado ou não, sob várias modalidades (1995, p. 26). A educação é filha do modelo de ciências cartesianas, pautadas no princípio do dividir para melhor conhecer. É a esta convicção, mais ou menos explícita, que a compreensão da natureza, do homem, da sociedade e principalmente de todo um modo de pensar estiveram, durante muito tempo, ligados. Dianne Woodruff em seu texto: Treinamento na dança: Visões Mecanicistas e Holísticas (1998) vai tratar do ensino da dança em uma universidade de dança na cidade de Nova York, fazendo uma analogia interessante, em que vai tratar das expectativas com que os alunos chegam à sala de aula de dança, não sendo nem um pouco diferentes dos muitos que chegam a uma sala de aula normal, ou seja, de outras disciplinas. Ela mostra que tanto numa escola regular como na escola de dança os alunos também esperam todo o enquadramento, exatidão de exercícios e seqüências repetidas inúmeras vezes até se tornarem automáticas - dos bailarinos profissionais. Parece não importar muito para ninguém como surgiu, o que motivou um passo ou coreografia, mas sim como foi feito naquele momento e como eu poderia fazer igual. A autora aponta as expectativas dos alunos de aprenderem de forma orquestrada habilidades como girar, equilibrar e dominar uma simples articulação de pé, assim como muitas vezes na escola tradicional queremos aprender algo sem pensar muito no contexto que gerou aquele conteúdo. Dessa forma o professor também é visto como autoridade máxima e sabedor de tudo dentro da sala de aula, priorizando sempre o produto ao invés do processo e do contex-

16 15 to; e a preocupação dos alunos é quase sempre com os resultados (notas) e/ou performances que vão obter com esse tipo de treinamento. No desenvolvimento de seu texto, Woodruff vai destacar a necessidade de o professor enxergar individualmente os alunos, sua forma de agir, pensar e de como isso se expressa em seus corpos, suas dificuldades e virtudes. Valorizando assim suas estratégias, sua respiração, seus raciocínios e conexões, e como estes podem e devem ser compartilhados com outros. Apesar dos seus estudos se referirem aos EUA, podemos encontrar semelhanças com nossas realidades locais, nas quais as expectativas dos alunos e mesmo dos professores vai nessa mesma direção. A maior parte das significações que encontramos em nossa vida vem no nosso grupo social. A nossa postura humana é aprendida. Aprendemos a ser humanos em decorrência do processo educativo que sofremos, segundo a cultura na qual estamos inseridos, ou seja, estamos também aprendendo o estilo de vida da nossa comunidade, modos e usos diversos do corpo. Como já disse Marcel Mauss, sociólogo e pai da Antropologia da Dança, em seu livro Sociologia e Antropologia vai discorrer sobre as técnicas do corpo como a maneira como cada sociedade, geração após geração, sabem fazer uso dos seus corpos 1, e pensar a respeito do homem e de como ele transmite o seu conhecimento. Segundo Mauss, cada sociedade tem o que ele chama de hábitos próprios e é a partir disso que o homem perpetua o seu conhecimento, principalmente o corporal. Seja através de uma simples forma de ensinar a nadar, que muda durante o tempo, ou a forma de cavar que varia, por exemplo, dos ingleses para os franceses. Além desses costumes, que são passados de geração a geração, o autor também vai falar sobre a imitação, sobre como aprendemos enquanto estamos em relação como um outro ao qual admiramos, a chamada imitação prestigiosa. 1 Marcel Mauss, Pg.363 Em texto traduzido por Larissa Latif,

17 16 As crianças e os adultos, segundo Mauss, imitam atos que eles viram funcionar nas pessoas em que tinham confiança e que de algum modo têm ou tiveram autoridade sobre eles. Sendo assim, tomamos emprestada uma série de movimentos compostos ou executados pelos outros, por admirarmos estas pessoas como modelos. Talvez isso explique em parte certos tipos de obediência dentro de sala e, ao mesmo tempo, o fato de na escola muitas vezes se desconsiderar a vivência e as significações culturais e sociais dos indivíduos, torna-os presa fácil para a absorção de conhecimentos intelectuais e, no nosso caso, corporais, sem uma crítica e sem um aproveitamento em relação a si mesmo e às suas próprias necessidades, pessoais e culturais. Em diversas culturas e comunidades todos os membros participavam e ainda participam - desse tipo de processo educativo cumulativo e mais ou menos inconsciente; ou seja, há um saber comum a todos e que é repassado geração após geração, dia a dia; o saber é transmitido através da vida diária como parte integrante da cultura, e isso inclui as linguagens e manifestações artísticas. Isso ocorre conosco também, aqui e agora, na nossa casa, na escola, na rua, entre amigos. Quando pensamos na seara da dança, nos livros tradicionais que contam a história da dança, vários autores ressaltam que a mesma fazia parte integrante do processo de ensino e aprendizagem da comunidade. Com ela as pessoas aprendiam a pescar, se preparavam para guerras, entre outras coisas; já hoje em dia, mesmo fazendo parte da realidade social das pessoas, estando presente no dia a dia, a dança, não obstante sua importância social nesta cidade ocupa um lugar invisível na realidade escolar e, muitas vezes, na vida cotidiana de cada um e de todos. O que não a torna menos importante. Apenas menos vista e percebida. E assim levantamos questões como: O que é dança? Por que e para que se dança? Questões diretamente tratadas nas entrevistas feitas aos profissionais de dança e leituras de outros autores e profissionais da área, e que servem para que possamos contextualizar esta linguagem artística dentro do nosso tema, que é a dança na escola.

18 17 Sendo assim, a dança para a professora e mestra Virginia Chaves é ação do corpo, é o corpo e seu movimento (Chaves 2004, p 19), conceito que Isabel Marques amplia e muito, quando diz: Dançar é integrar processos mentais aos sentimentos sendo assim possível compreender o mundo de forma diferenciada, ou seja, artística, estética. Compartilhando desse mesmo conceito, a autora Clarice Nunes afirma que a dança trabalha com transferências de apoios, com a percepção do peso, da direção, com micro e macro movimentos, e espaços com alteração de planos, de intenções e intensidades. Isso enfatiza que a atividade da dança é e faz uma reflexão, de forma dirigida e mais especializada, nas formas e origens dos movimentos, o que a diferencia do movimento cotidiano, que não é pensado e realizado da mesma forma. E para que esses conceitos estejam ainda mais vivos, trago algumas das entrevistas respondidas, coluna principal na qual alicerço o meu trabalho. Lia Rodrigues nos diz: A dança é uma forma de expressão artística que pode ter variadas funções. Ela pode ser uma forma de educação pela arte, de desenvolvimento físico e emocional, de terapia, de desenvolvimento criativo e de expressão individual. Já Nadir vai nos mostrar outro lado da utilidade da dança quando nos diz: A dança faz viver, reviver, em perpetuação, uma simbologia que transcende ao tempo histórico(...) Nóbrega faz alusão direta à África, berço cultural que também compõe as nossas bases artísticas e históricas, às quais ela se dedica intensamente, demonstrando que a dança enriquece [...] materialidades e imaginários, com formas diversas e dimensões distintas, que envolvem distintos elementos de significação, como o sagrado, o lúdico, o artístico, o social, o educacional, caracterizando-se como uma manifestação viva de identidade étnica.

19 18 A dança toca diversos aspectos da nossa vida e, desse modo, não deveria nunca ficar longe da escola. Essa visão é compartilhada por Suki Guimarães, que vai lembrar justamente que a dança se organizou espaço-temporalmente ao longo da história da humanidade emergindo, nos primórdios, como forma de comunicação entre os homens e as entidades mítico-religiosas, episódios extraordinários, do dia a dia, mas também de festas e comemorações de variadas comunidades, que ocorriam através de movimentos coletivos e rítmicos, até se transformar em movimento e dança. Numa outra perspectiva, estudos apontam as práticas da dança como exercícios passíveis de serem pensados para o trabalho dos comportamentos de grupos, comunidades; pode ser útil também para discutir nesses e noutros ambientes como, por exemplo, a escola - relações de poder, gêneros, de economia. Além desses papéis a dança pode ocupar espaços diferenciados, cumprindo funções múltiplas e operando em contextos espaço-temporais distintos, como fica realçado nas vivências dos artistas através das entrevistas, exploradas no último capítulo. Desse modo já podemos perceber a imensa variedade de conceitos de dança, cada um marcado indelevelmente pelas trajetórias únicas e suas histórias de vida. Marcada também por marchas individuais e sociais, nas quais cada um e suas histórias constroem o dia a dia do conhecimento e da vida, assim é a escola. Pensando na escola enquanto uma instituição criada numa determinada época, em determinado lugar e com fins precisos, podemos tentar entender um pouco como e porque determinados conteúdos e a qualidade de sua transmissão diferem tanto entre os diversos segmentos sociais e dentro de diversas estruturas sociais. Sem essa compreensão, fica difícil entender a escola hoje e a dança dentro dela. No decorrer do processo civilizatório acontecem marcantes e radicais mudanças. A transmissão de conhecimento, que antes cabia a todos, hoje fica formalmente nas

20 19 mãos de, basicamente, uma instituição - a escola. Agora ela é responsável por transmitir as novas gerações o conhecimento básico que habilitaria as pessoas ao mercado de trabalho. Destaca-se que no princípio da sua criação, na Europa ocidental e no Brasil antigo, o acesso a essa instituição era restrito às classes sociais dominantes, já que as classes subalternas não precisavam/deveriam ter domínio teórico (ler e escrever). Cabia a ela apenas o conhecimento prático. Observa-se já nesse momento o apartamento entre o fazer e o pensar, entre aqueles que têm idéias e o que as executam, terminando por gerar uma divisão social do saber, criando-se assim um saber repartido de forma desigual. Porém, com o passar do tempo e as conseqüentes conquistas dos mais diversos segmentos sociais, sejam eles de gênero, credo, cor ou sexuais, se fez necessário que todos tivessem acesso à escola, pois as técnicas mais sofisticadas na produção industrial exigiam que se soubesse ler para o manuseio da nova maquinaria. Nesse momento, a escola se torna um fator bastante importante para a formação da classe média; e a sociedade pós-revolução industrial se alicerça em três postulados: A primazia da razão, do trabalho e da natureza infinita (João Duarte Jr. 2002, p. 27). Pelo primeiro, coloca-se a razão com dona de todas as coisas, o segundo, diz que se deve trabalhar incessantemente e com fins utilitários; e o terceiro, que a produção deve ser cada vez maior para que o consumo também o seja. Ocorre, porém, que o primeiro postulado nos conduz a uma civilização racionalista, o que faz atrofiar os valores e emoções; o segundo relega as atividades de lazer, o que na educação é chamado de lúdico, o que atinge diretamente o fazer artístico; e o terceiro gera um sistema de produção perpétuo, independente de necessidades mais específicas, e talvez pouco criativo e original. Reproduzindo o que acontecia nas fábricas, o conhecimento humano se torna altamente setorizado e especializado, teoricamente para que assim haja um maior domínio e

21 20 um conhecimento mais aprofundado. Mas isso põe em risco a compreensão do contexto em que se vive. Fruto da hipertrofia da razão, os valores e emoções ficam sem canais para serem expressos e se desenvolverem. Assim, a festa, a dança, são afastadas ou segregadas no cotidiano escolar, que vai sendo recheado prioritariamente com o trabalho utilitário, não criativo e alienante. Nesse momento a arte não era contemplada no ambiente educacional. A escola tradicional não se importava com a produção criadora do aluno. Acreditava apenas nos fatos cientificamente comprovados, relegando outras formas de conhecimento (arte, filosofia) a um plano inferior. Partindo da noção de que a atividade artística é também uma forma de representar o mundo, mais ainda, é uma forma de sobreviver no mesmo (Jorge Vieira p.17), ela se constitui num meio de acesso a dimensões humanas não passíveis de simbolização racional. E o processo de conhecimento que se articula entre o que é vivido (sentido) e o que é simbolizado (elaborado) possibilita-nos o acesso a outras situações, a outras possibilidades educacionais. Porém, mesmo com todo indicativo de mudança, o ensino através da arte pareceu e ainda parece representar um grande risco para a educação formal, por ser um campo ainda desconhecido para a escola e por mexer com emoções e com procedimentos pouco familiares aos educadores e membros da comunidade pedagógica. Reconstruir criticamente a classe de professores sejam estes de arte ou não ou seja, fazê-los pensar criticamente sobre qual o papel que a dança ocupa naquela instituição e na vida da criança, qual o conceito de dança para eles, exige tocar, pelo menos, em três pontos cruciais: primeiro, o pequeno número de professores habilitados formalmente através do curso de Artes (Artes Plásticas e visuais, Teatro, Música e Dança); segundo, a grande maioria de professores "leigos" em arte que efetivamente compõem o quadro de arte-educadores e que na prática ministram aulas de arte e de dança na escola; e o terceiro, nos docentes não artistas; estes estão, tanto nas direções das escolas, na confecção dos currículos, como, eventualmente, dando aulas de artes.

22 21 Ou seja, aqueles que não sabem nada a respeito da arte, e que muitas vezes não gostam de arte, mas que, mesmo sem saber ou gostar, também se vêem obrigados a ensiná-la, seja por uma solicitação do próprio ambiente onde trabalha a lidar com a arte e com a dança mais especificamente, seja por algum outro tipo de interesse pessoal. Sendo assim, é possível acreditar que quando Rubem Alves diz: A educação tem como papel a terrível transformação: fazer com que as crianças se esqueçam do desejo, do prazer que mora em seus corpos selvagens, para transformá-los em patos domesticados, que bamboleiam ao ritmo da utilidade total. (2003, p 75) E ele está coberto de razão. Ao que tudo indica, ainda existe um longo caminho a ser percorrido pelos educadores, que parecem não querer abrir mão tão facilmente do ensino conhecido em prol de um trabalho aberto e criativo, mas que implica em riscos, mais trabalho e mais esforço. É bom ressaltar que este trabalho não tem como objetivo resolver os problemas citados, mas sim, chamar atenção para eles; levantá-los; discuti-los. Visa lembrar aos docentes que eles precisam aprender a lidar com a arte dentro da escola. E não utilizá-la puramente como ela vem sendo empregada ao longo do tempo; como simples passatempo, relaxante, ou como forma de controle para a indisciplina e para a violência. Esse impasse apresenta-se como o desafio maior para a proposta de instituir os Parâmetros Curriculares Nacionais em Ensino de Arte, pois, em virtude da formação elementar da maioria de arte-educadores, a discussão e o trabalho também correm o risco de não se aprofundar. Os PCNs, mesmo trazendo questões de extrema importância para o papel que a Arte desempenha na formação de um indivíduo e de como deve ser utilizada dentro do ambiente escolar, parecem acreditar que os professores têm super poderes pois que, é humanamente impossível se fazer tudo o que é instruído nas suas recomendações. A- lém disso, mesmo tendo o PCN de Arte um amplo embasamento teórico, pode-se per-

23 22 ceber um déficit no parâmetro nacional de dança que, apesar de ser lembrado, deixa muito a desejar quando o comparamos ao que é direcionado ao teatro, por exemplo. Ao meu ver, isso ocorre, entre outras razões, porque o PCN de Dança restringe o seu campo de avaliação em relação ao PCN do Teatro. Isso porque o primeiro tem objetivos que me parecem muito menos importantes do que os apontados pelo PCN do Teatro, o que mostra que o próprio parâmetro não contempla toda a possibilidade e diversidade que a Dança poderia proporcionar na escola. Isso se vê através das propostas de atividades e dos resultados que o PCN aponta como esperados. Por exemplo, quando o PCN diz que a dança serviria para avaliar se o aluno reconhece o funcionamento de seu corpo e seu movimento, se ele se empenha na criação em um grupo de forma solidária ou se é capaz de perceber as diferentes danças contidas no seu país e em outras culturas. Já o do teatro atende às necessidades dos alunos de compreender e estar habilitado para se expressar na linguagem dramática, se o aluno articula devidamente o discurso falado e o escrito, trata do papel da expressão do corpo (gesto e movimento), compreender as expressões da obra teatral, compreender o teatro como ação coletiva, avaliar se o aluno é capaz de observar e apreciar as diversas formas de teatro em espaços cênicos distintos, entre outras coisas; preocupa-se em se o aluno identifica as informações recebidas, assimilando-as como fonte de conhecimento e cultura, entre outras coisas. Em suma, o PCN do Teatro contempla muito mais satisfatoriamente proficiências e conceitos sobre a linguagem teatral do que me parece que o faça o PCN de Dança. Como se o papel de um fosse mais nobre e importante do que o outro. Enfim, esperamos aqui lançar alguns questionamentos úteis e reflexões para pensar as problemáticas tratadas na Introdução. E nunca se cansar de lembrar que uma das muitas características que ajudam a compor a educação brasileira é a distância que existe entre aquilo que é proposto e o que é efetivamente praticado nas escolas. A seguir, vamos discutir a noção de corpo, de dança e de como eles se relacionam com e no ambiente escolar.

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

A Música No Processo De Aprendizagem

A Música No Processo De Aprendizagem A Música No Processo De Aprendizagem Autora: Jéssica Antonia Schumann (FCSGN) * Coautor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: O presente trabalho tem por objetivo investigar sobre a importância em

Leia mais

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Silvia Christina Madrid Finck E-mail: scmfinck@ uol.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao projeto de pesquisa

Leia mais

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 Claudiane da S. EUSTACHIO Dayana Pires Alves GARCIA Fátima RODRIGUES Jean de J. SANTANA 2 Juliana CESANA 3 Ana Lucia de Carvalho MARQUES

Leia mais

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR Fundação Universidade Federal do Tocantins Maria Jose de Pinho mjpgon@mail.uft.edu.br Professora orientadora do PIBIC pedagogia Edieide Rodrigues Araújo Acadêmica

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE Unidade II ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. Ana Lucia M. Gasbarro A formação pessoal e social da criança, áreas de conhecimento e desenvolvimento da criança Introdução A importância

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL

RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL Nome: ALDINÉA GUARNIERI DE VASCONCELLOS Escolaridade: Super Completo/ Pós- Graduação Idade: 44 anos Profissão: Assistente Social Local de Trabalho:

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Ensino de Artes Visuais à Distância

Ensino de Artes Visuais à Distância 1 Ensino de Artes Visuais à Distância Bárbara Angelo Moura Vieira Resumo: Através de uma pesquisa, realizada em meio ao corpo docente da Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais, as

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

PROGRAMAs de. estudantil

PROGRAMAs de. estudantil PROGRAMAs de empreendedorismo e protagonismo estudantil Ciclo de Palestras MAGNUM Vale do Silício App Store Contatos Calendário Fotos Safari Cumprindo sua missão de oferecer uma educação inovadora e de

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual Tuane Telles Rodrigues 1 Letícia Ramires Corrêa 2 Resumo: Durante nossa vida acadêmica estamos em constante aperfeiçoamento,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE Lilian Kemmer Chimentão Resumo O presente estudo tem como objetivo a compreensão do significado e da importância da formação continuada docente para o exercício

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil.

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. 6. Humanização, diálogo e amorosidade. Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. Santos, Marisa Alff dos 1 Resumo O presente trabalho tem como objetivo refletir sobre as práticas docentes

Leia mais

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE.

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. Joelma Carvalho Vilar(UFS) 1 Cleverton dos Santos(UFS) 2 Érica Santos de Jesus(UFS) 3 Vera Lúcia Mendes de Farias(UFS)

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL Bruna Maria de Oliveira (¹) ; Elcione Trojan de Aguiar (2) ;Beleni Salete Grando (3) 1.Acadêmica

Leia mais

CORPOREIDADE: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CORPOREIDADE: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL UNIVERSIDADE METROPOLITANA DE SANTOS NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE PEDAGOGIA Educação Mediadora Ana Lucia Rodrigues Nunes Teixeira Carla Trindade da Silva

Leia mais

ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE

ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE Elaine Barbosa da Silva Xavier Faculdade de Ciências da Administração de Pernambuco - Mestranda Neuma Kelly Vitorino

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Palavras chave: PIBID, Teoria e Prática, Formação inicial.

Palavras chave: PIBID, Teoria e Prática, Formação inicial. A TECITURA DA PROFISSÃO PROFESSOR: REFLEXÕES A PARTIR DAS EXPERIÊNCIAS NO PIBID Gloria Ramona Gomes Aguero 1 ; Laudelina Sanabria Trindade 2 ; Almerinda Mª dos Reis Vieira Rodrigues 3. 1 Bolsista Pibid

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO Rebeca Vieira de Queiroz Almeida Faculdade Saberes Introdução O presente texto é um relato da experiência do desenvolvimento do projeto

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

JULIANA STEDILLE RICHELLY DE MACEDO RAMOS PROJETO DE PESQUISA AVALIAÇÃO EM ARTE

JULIANA STEDILLE RICHELLY DE MACEDO RAMOS PROJETO DE PESQUISA AVALIAÇÃO EM ARTE UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE FILOSOFIA E EDUCAÇÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL JULIANA STEDILLE RICHELLY DE MACEDO RAMOS

Leia mais

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS.

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. Introdução: O presente artigo tem a pretensão de fazer uma sucinta exposição a respeito das noções de espaço e tempo trabalhados

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2003 - Érika Nunes Martins Simões Formação do Professor de - Sheila Andrade

Leia mais

MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS

MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS Jair Bevenute Gardas Isabel Corrêa da Mota Silva RESUMO A presente pesquisa tem o objetivo de possibilitar ao leitor um conhecimento específico sobre a história da Ciência

Leia mais

Um percurso formativo Fátima Fonseca (*)

Um percurso formativo Fátima Fonseca (*) 1 Um percurso formativo Fátima Fonseca (*) Este trabalho prende-se com o estudo que fizemos na formação na área das Competências Interpessoais, sendo que o grande objectivo é o de sermos capazes, nas nossas

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 Even e Junior Achievement de Minas Gerais UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Resultados Conquistados... 3 Resultados do Projeto... 4 Programa Finanças Pessoais... 5 Conceitos

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO

ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO 1 ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO VOGEL, Deise R. 1 BOUFLEUR, Thaís 2 RAFFAELLI, Alexandra F. 3 Palavras chave: Espaços adaptados; experiências;

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

ENCONTRO "PCN EM AÃÃO"

ENCONTRO PCN EM AÃÃO ENCONTRO "PCN EM AÃÃO" RELATO DA PAUTA DO ENCONTRO Cuiabaß - Parte de 5¼ a 8¼ súrie por Caio M. Costa 1 a. dia - Manhã 1 a. parte - todos juntos - Ana Rosa e Rosaura Apresentação dos PCNs Níveis de concretização

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC FIGUEIREDO, Anelice Maria Banhara - SME / Chapecó/SC anelicefigueiredo@gmail.com LORENZET, Simone Vergínia - SME

Leia mais

AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Profª Doutora Daisy Barros Especialização em Ginástica Rítmica e Dança Ritmo é vida e está particularmente ligado à necessidade do mundo moderno. Cada indivíduo,

Leia mais

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Andrelino Costa FERREIRA (UEPB/SEE-PB) Priscila Raposo ANANIAS (CESED/SEE- PB) Profª Drª Francisca Pereira

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente Leandro Pedro de Oliveira¹ INTRODUÇÃO A introdução à carreira docente tem sido objeto de

Leia mais

Tese do coletivo Atravanco na Contramão para o XI Congresso dos/das estudantes da USP

Tese do coletivo Atravanco na Contramão para o XI Congresso dos/das estudantes da USP Tese do coletivo Atravanco na Contramão para o XI Congresso dos/das estudantes da USP A Universidade de São Paulo vem consolidando-se como uma instituição de excelência acadêmica, com dados e estatísticas

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM

O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM Justificativa ABREU,Tamires de Sá 1 BARRETO, Maria de Fátima Teixeira² Palavras chave: crenças, matemática, softwares, vídeos.

Leia mais

SENTIDOS E POSSIBILIDADES DA DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR

SENTIDOS E POSSIBILIDADES DA DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR SENTIDOS E POSSIBILIDADES DA DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaella Oliveira SILVA; Ananda Luiza Bezerra DESTRO; Cecilia Yade Nogueira ALVES; Marlini Dorneles de LIMA. FEF litlle_rafaella@hotmail.com Palavras-chaves:

Leia mais

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES Resumo Gabriela Jeanine Fressato 1 - Universidade Positivo Mariana Gomes de Sá Amaral

Leia mais

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível?

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? 1 A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? Natália Regina de Almeida (UERJ/EDU/CNPq) Eixo Temático: Tecnologias: Pra que te quero? Resumo As novas tecnologias estão trazendo novos

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende Como transformar a sua empresa numa organização que aprende É muito interessante quando se fala hoje com profissionais de Recursos Humanos sobre organizações que aprendem. Todos querem trabalhar em organizações

Leia mais

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA Adriana Zanela Nunes (UFRJ) zannelli@bol.com.br, zannelli@ig.com.br zannelli@ibest.com.br

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Hernandes Santos, Amarílis Alfabetização na inclusão

Leia mais

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA Ementas das Disciplinas de Educação Física Estão relacionadas abaixo, as ementas e a bibliografia dos diferentes eixos curriculares do Curso, identificadas conforme os ciclos de formação: Ciclo de Formação

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS Agostinho Both3 3, Carmen Lucia da Silva Marques 3,José Francisco Silva Dias 3 As instituições, em especial as educacionais, não podem se furtar

Leia mais

A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade?

A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade? A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade? Discente em formação do curso de Licenciatura Plena em Educação Física, da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB, Campus Jequié.

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA FERREIRA, Adriana Ribeiro & ROSSO, Ademir José INTRODUÇÃO O meio ambiente (MA) é

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES Marilene Rosa dos Santos Coordenadora Pedagógica de 5ª a 8ª séries da Prefeitura da Cidade do Paulista rosa.marilene@gmail.com Ana Rosemary

Leia mais

Trabalhos na área ambiental influenciam o comportamento dos alunos em Instituições de Ensino Superior?

Trabalhos na área ambiental influenciam o comportamento dos alunos em Instituições de Ensino Superior? Trabalhos na área ambiental influenciam o comportamento dos alunos em Instituições de Ensino Superior? Patrícia P Gomes¹ Camilla M dos Santos 2 Erika M Ferreira 2 Resumo O presente artigo teve como objetivo

Leia mais

Cursos superiores e cursos livres de dança: relações e influências - um estudo de caso no estado de São Paulo

Cursos superiores e cursos livres de dança: relações e influências - um estudo de caso no estado de São Paulo Cursos superiores e cursos livres de dança: relações e influências - um estudo de caso no estado de São Paulo Márcia Strazzacappa Laborarte/Unicamp Artista da dança, professora e pesquisadora Resumo: O

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

O DESAFIO DE PROMOVER A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA

O DESAFIO DE PROMOVER A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA O DESAFIO DE PROMOVER A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA Júlio César Furtado dos Santos Pedagogo, Psicólogo, Diplomado em Psicopedagogia pela Universidade de Havana, Cuba Mestre em Educação pela UFRJ Doutor

Leia mais

REPRESENTAÇÕES DE ESTUDANTES E FAMÍLIAS SOBRE UMA ESCOLA POR CICLOS

REPRESENTAÇÕES DE ESTUDANTES E FAMÍLIAS SOBRE UMA ESCOLA POR CICLOS REPRESENTAÇÕES DE ESTUDANTES E FAMÍLIAS SOBRE UMA ESCOLA POR CICLOS FORTES, Gilse Helena Magalhães PUCRS GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora: não contou com financiamento A escola por ciclos,

Leia mais

SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR JOSÉ ROBERTO RUS PEREZ

SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR JOSÉ ROBERTO RUS PEREZ Revista Eventos Pedagógicos v.5, n.4 (13. ed.), número regular, p. 115-121, nov./dez. 2014 SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO

Leia mais

WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA

WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA INTRODUÇÃO Nos dias de hoje, é quase impensável querermos uma televisão a preto e branco em deterimento de uma televisão a cores e acontece porque a partir do momento em que

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Revelar curiosidade e desejo de saber; Explorar situações de descoberta e exploração do mundo físico; Compreender mundo exterior mais próximo e do

Leia mais

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT RELATO DE EXPERIÊNCIA Introdução Marcos Serafim Duarte

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE

A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE RESUMO Este texto é uma reflexão sobre o brincar nas aulas de educação física escolar do primeiro e segundo ciclo do ensino fundamental,

Leia mais

Por uma prática educativa centrada na pessoa do educando

Por uma prática educativa centrada na pessoa do educando Por uma prática educativa centrada na pessoa do educando Cipriano Carlos Luckesi 1 Recentemente participei, no Programa de Mestrado em Educação, da Universidade do Estado da Bahia --- UNEB, Campus de Salvador,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB ANDRADE, Luciene de 1 BARBOSA,Jamylli da Costa 2 FERREIRA, Jalmira Linhares Damasceno 3 SANTOS,

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais