A DANÇA E AS PRÁTICAS EDUCATIVAS: UMA EXPERIÊNCIA CORPORAL REFLEXIVA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A DANÇA E AS PRÁTICAS EDUCATIVAS: UMA EXPERIÊNCIA CORPORAL REFLEXIVA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO A DANÇA E AS PRÁTICAS EDUCATIVAS: UMA EXPERIÊNCIA CORPORAL REFLEXIVA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Daniela Minello Santa Maria, RS, BRASIL 2006

2 A DANÇA E AS PRÁTICAS EDUCATIVAS: UMA EXPERIÊNCIA CORPORAL REFLEXIVA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES por Daniela Minello Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação do Centro de Educação da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM, RS), como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre em Educação. Orientadora: Prof a. Dr a. Ana Luíza Ruschel Nunes Santa Maria, RS, Brasil 2006

3 Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Programa de Pós-Graduação em Educação A Comissão Examinadora, abaixo assinada, aprova a Dissertação de Mestrado A DANÇA E AS PRÁTICAS EDUCATIVAS: UMA EXPERIÊNCIA CORPORAL REFLEXIVA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES elaborada por Daniela Minello como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre em Educação COMISSÃO EXAMINADORA: Prof a. Dr a. Ana Luíza Ruschel Nunes UFSM (Presidente / Orientadora) Prof a. Dr a. Maria do Carmo Saraiva Kunz UFSC Prof a. Dr a. Mara Rúbia Antunes UFSM Santa Maria, 30 de março de 2006.

4 2006 Todos os direitos autorais reservados a Daniela Minello. A reprodução de partes ou do todo deste trabalho só poderá ser com autorização por escrito do autor. Endereço: Rua Doze de Outubro, n. 47, Bairro Nossa Senhora de Lourdes Santa Maria, RS, Fone (0xx) ; End.eletr.:

5 AGRADECIMENTOS Agradeço a meus pais, Mario e Rene Minello, pela oportunidade à vida que me foi concedida; pela forma como me educaram e que educam; pelo amor e dedicação; pelo exemplo de dignidade e honestidade; pelo incentivo diário; pela humildade e simplicidade em suas atitudes e palavras; pelo conforto físico e espiritual em todos os momentos de minha vida; pelos pequenos gestos que fazem com que busquemos inspiração sobre o sentido do educar. Em especial, agradeço a Deus por ter oportunizado que fizesse parte desta família abençoada e unida que é meu porto seguro em todos os momentos. A vocês meus abençoados pais, obrigada pela confiança que sempre tiveram em mim. A vocês dedico minha vida. Agradeço as minhas irmãs Raquel e Maricleia, e as minhas três sobrinhas Rhayana, Rafaela e Natália, pelo carinho e amor nos momentos de cansaço, em que não pude estar presente para conviver em família. Agradeço ao querido João Carlos pelo carinho, compreensão e disponibilidade em fazer parte do meu crescimento profissional. Agradeço a todos os professores que passaram por minha vida e que conseguiram fazer valer o verdadeiro sentido da palavra educar. Em especial, agradeço a Professora, Mestre, Doutora, mãe e amiga Ana Luíza Ruschel Nunes, que através de seu vasto conhecimento e infinita humildade sempre foi exemplo e procurou mostrar que poderíamos voar com nossas próprias asas, proporcionando desta forma, autonomia e

6 responsabilidade que só quem confia pode transmitir. A você querida orientadora Ana Luíza Ruschel Nunes, dedico minha confiança e todo meu respeito, pois sua sinceridade e transparência farão com que outras pessoas também possam aprender o verdadeiro sentido da palavra honestidade e competência. Agradeço também aos professores Mara Rúbia Antunes, João Pedro de Alcântara Gil e Maria do Carmo Saraiva Kunz por todas as contribuições referenciadas. Agradeço a todos os funcionários da UFSM, especialmente aos das Bibliotecas, que sempre estiveram dispostos a encontrar um livro a mais para acrescentar em meu trabalho. De maneira especial, agradeço as Betes do PPGE, ao Gilberto e Direção. Agradeço a meus especiais colegas de Mestrado pelo companheirismo e bom humor que sempre conseguiram manter presentes no decorrer deste percurso, todos eles sem exceção, são responsáveis por meu crescimento tanto profissional quanto pessoal, pois cada um possui uma história de vida mais linda que outra. O lado humano destes colegas que guardo em meu coração, é o que de mais precioso pode acontecer num curso de pósgraduação, onde muitas vezes, de forma equivocada, os alunos pensam que são concorrentes. Esta turma do Mestrado pode afirmar: É muito mais gratificante e mais humano na trajetória profissional e pessoal caminhar juntamente com os amigos de verdade, do que chegar ao topo do sucesso sozinho e triste. Agradeço a meus queridos colegas da TV Campus e da Rádio Universidade, com os quais tenho convivido há

7 quatro anos, Martha Marchesan, Sérgio de Assis Brasil, Áurea, Janice, Adriana, Jair Alan, Roberto Montagner, Dona Nedi, Flávia, Caco, Cleber, Franzen, e tantos outros que de alguma forma vieram a contribuir com o meu trabalho e que sempre foram compreensivos e disponíveis a ajudar. Agradeço também, ao programa de Pós-Graduação (PPGE), do CE-UFSM, pela acolhida, incentivo e carinho prestado a mim em todos os momentos. A todas as alunas do Projeto de Extensão Dança, Imagens e Arte na Formação de Professores do Centro de Educação que confiaram em meu trabalho e que sem elas este estudo não teria sido viabilizado. Agradeço a CAPES, pela bolsa concedida.

8 Deus, pastor dos homens (Heb. 23) Salmo de Davi. O Senhor é meu pastor, nada me faltará. Em verdes prados ele me faz repousar. Conduz-me junto às águas refrescantes, restaura as forças de minha alma. Pelos caminhos retos ele me leva, por amor do seu nome. Ainda que eu atravesse o vale escuro, nada temerei, pois estais comigo. Vosso bordão e vosso báculo são o meu amparo. Preparais para mim a mesa à vista de meus inimigos. Derramais o perfume sobre minha cabeça, e transborda minha taça. A vossa bondade e misericórdia hão de seguir-me por todos os dias da minha vida. E habitarei na casa do Senhor por longos dias.

9 RESUMO Dissertação de Mestrado Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade Federal de Santa Maria A DANÇA E AS PRÁTICAS EDUCATIVAS: UMA EXPERIÊNCIA CORPORAL REFLEXIVA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES AUTORA: DANIELA MINELLO ORIENTADOR: ANA LUIZA RUSCHEL NUNES Data e Local da Defesa: Santa Maria, 30 de março de Este estudo se insere na linha de Pesquisa Educação e Artes do Programa de Pós-Graduação em Educação PPGE /UFSM e, objetiva refletir as atuais questões da dança como conhecimento e cultura e as práticas educativas como uma experiência corporal reflexiva na perspectiva da formação de professores; investigar de que forma a dança e as práticas educativas podem contribuir como uma experiência corporal reflexiva na formação de professores, investigar o conhecimento e ação corporal existente em futuras professoras, e contribuir com os saberes/fazeres da dança, como linguagem e cultura, abrindo possibilidades de interação prático-educativa no desenvolvimento criativo das futuras professoras. Este estudo buscou apoio em alguns autores para o desenvolvimento e análise, como Robatto (1994), Barreto (2004), Nanni (1995, 2002), Freire (1993, 1998, 2001), Tardif (2003), Portinari (1989), Merleau-Ponty (1945, 1971) entre outros. A abordagem metodológica é qualitativa através de um Estudo de Caso, utilizando a Dança Clássica, a Dança Jazz e a Dança de Rua, aplicado a um grupo de alunas de cursos de licenciatura da UFSM. O critério utilizado para a seleção dos tipos e estilos de dança foi originado a partir da memória corporal das participantes e de suas preferências. A coleta de dados realizou-se através do diário de campo, questionário, entrevista semi-estruturada e do portfólio. Através da memória corporal de cada participante observaram-se diferenças significativas entre elas quanto às suas experiências com práticas corporais e do se movimentar ao longo da vida, percebendo as implicações no corpo e do corpo. Notou-se igualmente, que as diferenças se manifestaram no processo de desenvolvimento da aprendizagem, pelas práticas da dança e pelas experiências com o corpo, em que cada movimento vivenciado pelas participantes e sua processualidade, serviu de aprendizagem para que pudessem recriar um corpo que agora de forma intencional, era não apenas um corpo que se movia no cotidiano de vida, mas um outro corpo consciente e dançante, bem como as alterações referentes à autonomia corporal das participantes nas vivências corporais em dois diferentes estilos e um tipo de dança, adquirindo uma maior autoconfiança agora intencional, do corpo com o corpo, e da expressão corporal, na desenvoltura de um corpo dançante, expressivo, comunicativo, criativo e sensível. A dança, incluída como uma área de conhecimento

10 nos processos formativos de professores, contribuiu para uma experiência corporal reflexiva das participantes e da necessidade educacional, cultural, social para as situações cotidianas da formação humana nos diferentes espaços educativos e dentre estes os escolares. Infere-se ainda, que as práticas educativas em dança, são necessárias na formação de professores. É necessária a abertura de cursos de Licenciatura Plena e Bacharelado em Dança para que se preencha essa lacuna na formação de professores. Concluímos que a dança, incluída como uma área de conhecimento e como fenômeno cultural, necessita de espaços, para a formação de professores em dança, e assim, poderá contribuir para a experiência corporal expressiva de pessoas, em situações cotidianas pessoais, educacionais, culturais e sociais para todos, de forma inclusiva, diante das práticas educativas em dança, em diferentes espaços educativos. Palavras-Chaves: Dança. Corpo. Práticas Educativas. Formação de Professores.

11 ABSTRACT Masters Course Dissertation Post Graduation Program in Education Federal University of Santa Maria DANCE AND EDUCATIVE PRACTICES: A REFLEXIVE BODY EXPERIENCE IN TEACHER QUALIFICATION AUTHOR: DANIELA MINELLO SUPERVISOR: ANA LUIZA RUSCHEL NUNES Date and Place of defense: Santa Maria, March 30 th This study aims at bringing up the current issues of dance as knowledge and culture, as well as its educational practices as a reflexive body experience from the perspective of teacher qualification. In addition, it aims at investigating how dance and educational practices can contribute as a reflexive body experience in teacher qualification, verify the body knowledge and action existing in future teachers, and contribute to the knowing and doings of dance, as language and culture, which open possibilities for practical-educative interaction in the creative development of the prospective teachers. It is connected to the Research Line Teacher Education and Qualification from the Post Graduation Program in Education at the Federal University of Santa Maria (UFSM). It has a qualitative approach by means of a Study Case held with the use of Classic Dance, Jazz, and Street Dance applied to a group of female students from teacher training courses at UFSM. The choice of the dance styles was based on the subjects body memory and their preferences. The data gathering was made through field diary, questionnaire, semi-structured interviews and portfolio. Through each participant s body memory was possible to notice a significant difference regarding their experience related to body practices and moving along their lives. It was also possible to realize the implications on and of the body. Moreover, we noticed those differences showed up during the process of learning how to dance, by dance practices and body experiences, in which every movement experienced and processed by the participants helped them to recreate a more aware, conscious, and dancing, body. Another relevant aspect in the study were the changes in the subjects body autonomy after experimenting two different dance styles and one type of dance, because they acquired a higher self-steam, now intentional, from the body to the body and from their body expression by the lightness of an expressive, communicative, creative and sensible body. The dance, regarded as a knowledge field in teacher qualification, has contributed to the participants reflexive body experience, as well as to the educational, cultural and social needs for everyday situations in human qualification in different educative spaces, among those the school. We infer that dance educative practices are necessary in teacher qualification, thus there is an urge for more dance teacher training courses and

12 degrees to fill this gap in. We conclude that the dance, seen as a knowledge field and cultural phenomena, needs space for dance teachers qualification in order to contribute for people s reflexive body experience in personal, educational, cultural and social everyday situations in an inclusive and reflexive way by using dance educational practices in different educative spaces. Key-words: Dance. Body. Educational practices. Teacher qualification.

13 LISTA DE FOTOGRAFIAS Fotografia 1 - Alongamento Fotografia 2 - Alongamento Fotografia 3 - Alongamento Fotografia 4 - Alongamento Fotografia 5 - Alongamento Fotografia 6 - Alongamento Fotografia 7 - Alongamento Fotografia 8 - Alongamento Fotografia 9 - Alongamento Fotografia 10 - Alongamento Fotografia 11 - Alongamento Fotografia 12 - Alongamento Fotografia 13 - Alongamento Fotografia 14 - Alongamento Fotografia 15 - Alongamento Fotografia 16 - Alongamento Fotografia 17 - Alongamento Fotografia 18 - Alongamento Fotografia 19 - Aula de Dança Clássica Fotografia 20 - Aula de Dança clássica Fotografia 21 - Aula de Dança Clássica Fotografia 22 - Aula de Dança Clássica Fotografia 23 - Aula de Dança Clássica Fotografia 24 - Aula de Dança Clássica Fotografia 25 - Aula de Dança Clássica Fotografia 26 - Aula de Dança Clássica Fotografia 27 - Aula de Dança Clássica Fotografia 28 - Aula de Dança Clássica Fotografia 29 - Aula de Dança jazz Fotografia 30 - Aula de Dança jazz Fotografia 31 - Aula de Dança jazz Fotografia 32 - Aula de Dança jazz Fotografia 33 - Aula de Dança jazz Fotografia 34 - Aula de Dança de rua Fotografia 35 - Aula de Dança de rua Fotografia 36 - Aula de Dança de rua Fotografia 37 - Aula de Dança de rua...203

14 Fotografia 38 - Aula de Dança de rua Fotografia 39 - Aula de Dança de rua Fotografia 40 - Aula de Dança de rua Fotografia 41 - Aula de Dança de rua Fotografia 42 - Aula de Dança de rua Fotografia 43 - Aula de Dança de rua Fotografia 44 - Aula de Dança de rua Fotografia 45 - Aula de Dança de rua Fotografia 46 - Aula de composição coreográfica Fotografia 47 - Aula de composição coreográfica Fotografia 48 - Aula de composição coreográfica Fotografia 49 - Aula de composição coreográfica Fotografia 50 - Aula de composição coreográfica Fotografia 51 - Aula de composição coreográfica Fotografia 52 - Aula de composição coreográfica Fotografia 53 - Aula de composição coreográfica Fotografia 54 - Aula de composição coreográfica Fotografia 55 - Aula de composição coreográfica...234

15 ORGANOGRAMA Organograma 1 - Representação esquemática de parte da delimitação da pesquisa...96

16 DIAGRAMA Diagrama 1 - Representação das categorias...97

17 QUADRO Quadro 1 - Relação das participantes e suas experiências em dança...210

18 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS CE - Centro de Educação FAFRA - Faculdades Franciscanas GEPEAV - LAPEM - Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação e Artes Visuais Laboratório de Ensino e Pesquisa em Movimento Humano PCNs - Parâmetros Curriculares Nacionais PROJAC - Produção Jacarepaguá PPGE - Programa d Pós-Graduação em Educação TV - Televisão UFSM - Universidade Federal de Santa Maria UNIFRA - Universidade Franciscana

19 LISTA DE APÊNDICES APÊNDICE A - Roteiro da entrevista semi-estruturada APÊNDICE B - Questionário aplicado às participantes APÊNDICE C - Fotografias das apresentações das coreografias de dança APÊNDICE D - Autorização das participantes APÊNDICE E - CD-ROM com as imagens do portfólio e com o vídeodocumentário capturado durante a execução das práticas educativas em dança

20 ANEXO ANEXO A - Organização programática para a Dança Clássica...261

21 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...21 CAPÍTULO 1: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 1.1 DANÇA E LINGUAGEM: UM OLHAR NAS COMPOSIÇÕES COREOGRÁFICAS A Dança Como Linguagem e Conhecimento A Dança e as Composições Coreográficas Visuais Corporais CORPO IMAGEM O Corpo Corpo Dançante Como Expressão e Comunicação PROCESSOS EDUCATIVOS Um Olhar na Dança Educação A Dança na Educação Formal O Significado dos Processos Educativos Saberes Para a Docência em Dança: Uma Questão Para os Processos Formativos Criativos Práticas Educativas em Dança na Formação de Professores...90 CAPÍTULO 2: METODOLOGIA 2.1 DELIMITAÇÃO DA PESQUISA Objetivo Geral Objetivos Específicos Área Temática Categorias Corpo imagem Práticas educativas Dança Questões de Pesquisa Questão geral Questões específicas FUNDAMENTAÇÃO METODOLÓGICA DA PESQUISA...102

22 2.2.1 Abordagem Metodológica O Contexto e as Participantes Envolvidas na Pesquisa CAPÍTULO 3: RESULTADOS E DISCUSSÃO 3.1 O CORPO IMAGEM: A MEMÓRIA CORPORAL DAS FUTURAS PROFESSORAS PRÁTICAS EDUCATIVAS E PROCESSOS METODOLÓGICOS EM DANÇA Planos de Trabalho: Organizando o Processo Educativo em Dança Alongamento Primeiro plano de trabalho: o conhecimento da Dança Clássica Segundo plano de trabalho: o conhecimento da Dança Jazz Terceiro plano de trabalho: o conhecimento da Dança de Rua DANÇA: AS COMPOSIÇÕES COREOGRÁFICAS DO CORPO DANÇANTE CONCLUSÃO REFERÊNCIAS ANEXO APÊNDICES...263

23 21 INTRODUÇÃO O presente estudo traz em si o interesse pelos processos educativos e criativos através da dança, manifestado com forte tendência ao tema, desde o início de minha trajetória de vida pessoal e profissional, onde toda e qualquer atividade realizada estava sempre relacionada à movimentação corporal e à expressividade gestual. Através de nossos corpos somos imagem. Uma imagem ora vista de forma estática ora em movimento, mas esta imagem nos acompanha de forma constante, sendo analisados, pela maneira como nos portamos e como nos relacionamos. Por sermos imagem, nos cabe fazer uso daquilo que percebemos toda vez que nos encontramos diante de um espelho, nesse caso tendo autonomia sobre aquilo que observamos. Passei muitos anos da minha infância na frente de uma tela de televisão, acreditando em tudo aquilo que assistia e escutava. Chegava a usar como referência algumas pessoas que apareciam, tentando imitá-las. Acreditando que seriam as mais perfeitas do planeta e que por isso deveria seguir seus exemplos e atitudes. Sonhava alto, queria ser tudo aquilo que enxergava e almejava ter tudo o que aparecia nos comerciais da televisão. Quando ficava triste com atitudes das pessoas nos programas e filmes, imaginava que pudessem me escutar e acabava falando com a televisão. Mas era em vão, pois esta não falava comigo. Então, a frustração era maior ainda. Muitas daquelas cenas, boas e ruins, que entravam através da telinha da TV, acabaram guardadas na minha memória. Ainda hoje lembro de vários programas, filmes e comerciais, que de uma forma ou de outra roubaram parte de minha infância com assuntos que não acrescentaram em nada na minha educação, apenas fizeram

24 22 com que me frustrasse, pois não fazia parte daquela realidade de sonhos e fantasias, ora bons ora ruins. Nas palavras de Fellini apud Chesneaux (1995, p.128), podemos perceber o tamanho poder que a televisão exerce sobre a vida das pessoas, quando opina que a televisão mutilou nossa capacidade de solidão, violou nossa dimensão mais íntima, mais privada, mais secreta. Desta forma, fixamos nossos olhares projetados para um quadro luminoso que despeja milhares de imagens e sons que pouco a pouco vão sendo armazenadas em nossas mentes. O tempo foi passando e a televisão não me atraia mais, pois sentia vontade de me movimentar, de correr, de saltar e de dançar. Nessa nova fase, comecei a perceber que nem tudo aquilo que assistia e escutava era verdade. Então, no ano de 1988, aos doze anos de idade, decidi que seria bailarina e, com esse objetivo, fui receber aulas na Escola de Ballet Clássico Ivone Freire 1, que forma até hoje, bailarinos clássicos. E, foi partir desse momento, que comecei ver o mundo com outros olhos. A arte de dançar, através de muito esforço, faz com que você supere dificuldades e acredite que é capaz de ultrapassar limites, de conquistar objetivos conforme o empenhado e dedicação de cada um. Foi a partir das aulas de balé que passei a ter contato com as artes de um modo geral, pois as aulas incluíam desde o aprendizado da técnica do Balé Clássico, à composição coreográfica, passando pela construção dos personagens dos repertórios da dança em si, à confecção de figurinos, criação de cenários, iluminação cênica, fotografia e vídeo além de conhecimento teórico e prático sobre a arte da Dança Clássica. Devido a meu envolvimento com o esporte (pois fui atleta durante os anos de 1987 a 1989 de ginástica olímpica e durante os anos de 1990 a 1992 de natação) e com as artes (Balé Clássico), resolvi que poderia estudar para futuramente ensinar outras pessoas o que já sabia e o que o ainda iria de aprender. Em 1992, aos dezesseis anos de idade, ingressei como aluna no curso de Licenciatura Plena em Educação Física na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), onde iniciaria uma trajetória acadêmica que me levaria ao magistério. 1 Escola de Balé que está situada na Rua Barão do Triunfo, na cidade de Santa Maria-RS, sob a direção da Professora Ivone Freire.

25 23 Durante a graduação, fiz parte do Laboratório de Ensino e Pesquisa em Movimento Humano (LAPEM) Núcleo de Aprendizagem Motora. Esse envolvimento com o Laboratório, acabou influenciando diretamente em duas opções feitas para o estágio profissionalizante, uma vez que dentre as áreas escolhidas uma foi a dança e a outra a pesquisa. Além da graduação na área de Educação Física, demonstrei interesse pelo curso de Artes Cênicas (que na época era oferecido como Licenciatura Plena e mais tarde tornou-se Bacharelado), motivo pelo qual entrei como aluna especial vindo, após a formatura em Educação Física no ano de 1996, ter solicitado reingresso e ser enquadrada como aluna regular no ano de 1997 neste curso. Trabalhei como estagiária durante todo o período da graduação Educação Física. Formada, me deparei com ambientes de trabalho sem qualquer infraestrutura, sequer algum recurso didático para a realização das aulas. Fui então obrigada a improvisar. Com esta nova situação, acabei por confeccionar juntamente com os alunos materiais alternativos para a realização das aulas (incentivando assim a reciclagem do lixo numa visão educativa). Com isso surgiu uma nova concepção na metodologia aplicada às aulas de Educação Física, pois tivemos que criar nossos próprios instrumentos para a prática das aulas. Isso me fez perceber que a Arte Educação se fazia presente em minha vida profissional. Paralelo a esta nova etapa, no ano de 1997, concluí os nove anos necessários para a formatura em Balé Clássico. Foi quando ingressei na Pós- Graduação (nível de Especialização), na área de Psicopedagogia pelas Faculdades Franciscanas (FAFRA 2 ), onde tentei buscar uma relação direta entre a arte de ensinar e as formas utilizadas com criatividade para se ter sucesso no processo ensino-aprendizagem, tendo como temática as imagens de um modo geral. Sempre buscando o aperfeiçoamento através de cursos e seminários. Dando continuidade ao trabalho, durante seis anos, produzi, dirigi e fui responsável direta por vários espetáculos de Dança. Dentre eles, dois grandes festivais de Dança no Theatro Treze de Maio (ano de 1999 e ano de 2000), atuando como diretora das apresentações, coreógrafa (com 37 coreografias no ano de 1999 e 38 no ano de 2000, nos estilos Balé Clássico, Jazz, Street Dance, Dança Contemporânea e Dança Livre), figurinista, cenógrafa e iluminadora de palco. 2 Atualmente a Instituição é conhecida como Universidade Franciscana (UNIFRA).

26 24 Estas experiências me incentivaram a buscar uma forma mais adequada para inserir as manifestações artísticas no ensino, tentando relacionar o dia-a-dia dos alunos em conjunto com as atividades escolares. Durante realização de um curso de técnicas circenses ministrado em Santa Maria, no ano de 2000, veio o convite para ingressar no Circo Girassol de Porto Alegre (circo este que trabalha com teatro, dança e acrobacias), realizando acrobacias aéreas no trapézio e em tecidos. No ano de 2001 surgiu a oportunidade de morar no Rio de Janeiro, onde cursei aulas no Teatro Tablado de Maria Clara Machado (bairro Jardim Botânico). Fui aluna do curso profissionalizante de teatro Escola Le Monde (com sede no Teatro Vila Lobos, Avenida Princesa Isabel). Trabalhei, na função de tele marketing, e fiz aulas de interpretação para televisão (TV) e cinema na Stúdio Escola de Atores. Mantive assim contato direto com produções teatrais e de TV. Vindo a participar de trabalhos de figuração em vários programas de TV, dentre eles, Bambuluá (programa infantil) e Um Anjo Caiu do Céu (novela), na Central Globo de Produção / Produção Jacarepaguá (PROJAC). Depois de finalizados os cursos no Rio de Janeiro, passei quatro meses em Porto Alegre, dando continuidade a meu trabalho circense, fazendo aulas no Circo Girassol. Retornei posteriormente à Santa Maria, onde atualmente dou seqüência ao curso de Bacharelado em Artes Cênicas (com habilitação para Direção e Interpretação) da UFSM. Após meu retorno, surgiu a oportunidade de estudar no curso de Extensão em Cinema Digital pela UFSM, onde ingressei na produção do longa metragem Manhã Transfigurada de Sérgio Assis Brasil, trabalhando como Assistente de Produção e Figurinista. Em seqüência a este curso, trabalhei na produção local de curtas metragens, onde destaco a oportunidade de ter elaborado um roteiro para cinema, vindo a transformá-lo recentemente em vídeo. Nesse mesmo momento, ingressei como aluna especial no Programa de Pós- Graduação em Educação (PPGE), na Linha de Pesquisa, Educação e Artes CE (Centro de Educação) / UFSM. No primeiro semestre de 2003 cursei a disciplina Ensino das Artes Plásticas - Pressupostos Teóricos e Práticos e no segundo semestre de 2003, a disciplina Seminário Avançado I. Faço parte ainda do Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação e Artes Visuais (GEPEAV), com o projeto de pesquisa Virtual e Real: Imagens Técno-Artísticas de Corpos Digitalizados.

27 25 Em decorrência de meu trabalho realizado no longa metragem Manhã Transfigurada de Sérgio Assis Brasil, fui convidada a apresentar um programa no canal 15 da Net (TV UFSM) 3, onde faço a produção e apresentação do Programa Corpo e Equilíbrio, que trata sobre atividade física, estética, saúde e comportamento. Quando me proponho a falar sobre memória corporal trago a tona infinitas recordações desde a minha infância que de alguma forma se faz presente em minha mente até hoje. Toda e qualquer experiência vivida é parte constituinte do que hoje sou e da forma como me relaciono com as pessoas. Sendo assim faz-se necessário que enquanto pesquisadora possa relatar com fidelidade toda e qualquer atividade ou prática corporal pelo qual tenha passado para que possa encontrar algumas respostas para tantas surpresas corporais pelo qual me deparo atualmente em minha fase adulta, sem que muitas vezes compreenda o porquê de estar agindo de determinadas formas algumas vezes. Durante toda minha infância, tive a oportunidade de morar numa casa com pátio onde tinha a liberdade de subir em árvores, brincar com animais, jogar bola na rua, subir em parreiras de uva, virar cambalhotas e tantas outras coisas que hoje em dia cada vez mais se torna raro na infância de muitas crianças. Meus avós moravam em chácaras onde tinha rios com muitas pedras e podíamos correr muito mantendo um contato muito próximo com a natureza. Sempre gostei de escalar obstáculos e a casa onde fui criada proporcionava tais atividades, pois facilmente conseguia sair de dentro de casa pela janela ou pela sacada da casa, que tem dois andares. Tive uma infância muito feliz onde fazer piqueniques era uma rotina para a nossa família e recheada de tantas atividades corporais que quase sempre me levavam ao cansaço físico. O tempo foi passando e fui crescendo sempre sonhando em ter a oportunidade de fazer alguma atividade física como patinação, ginástica olímpica, Dança..., nossa eram tantos os sonhos que sinto como se fosse hoje. Mas tinha muita vergonha de falar para os meus pais e acabei nunca entrando em alguma escolinha. Quando completei 13 anos achei que poderia realizar um sonho dentre tantos que tinha e resolvi fazer Balé Clássico com uma colega do primeiro ano do segundo grau. Mantive em segredo tal atividade, pois tinha vergonha e receio que minha 3 A TV CAMPUS está situada no décimo andar do prédio da Reitoria da UFSM.

28 26 família não aceitasse, foi então que quando completei um ano de atividade na dança participei de uma apresentação e convidei meus pais para assistirem. Desde aquele dia não parei mais de dançar e de ir de encontro às atividades corporais como a Educação Física, a Dança e o Teatro. Hoje o meu trabalho está voltado a tudo o quanto realizei no passado e sinto que era muito tímida e que a dança, proporcionou para a minha vida, um autoconhecimento de tudo o que poderia ser capaz, pois tive que vencer medos e a timidez que trazia comigo. Olhando hoje para trás, percebo tantas circunstâncias pelo qual passei com tanto medo por não possuir uma confiança corporal que me proporcionasse tal autonomia. Lembro como se fosse hoje das aulas de Educação Física nas séries iniciais onde quase nunca pude tocar em uma bola devido a minha estatura ser baixa, daí sempre sobrava a caixa de areia do atletismo para ficar pulando e os colchões onde poderíamos fazer acrobacias na ginástica olímpica. Já a dança,... a dança era apenas para aquelas colegas que eram bonitas e que tinham uma desenvoltura mais despachada, menos inibida. Parando hoje para analisar percebo quantas oportunidades corporais perdi por não ter tido uma educação escolar onde as atividades corporais fossem trabalhadas de igual para igual, despertando o gosto pelo esporte e pelas atividades artístico-culturais. Todas as pessoas e principalmente na fase escolar devem ser oportunizadas a experenciar toda e qualquer atividade que desperte seu senso estético e artístico de forma que possa ter contato com as mais diversas áreas do conhecimento, e as atividades físicas devem ser incentivadas independentemente do tipo físico do aluno. Sempre que me encontro na situação de ser analisada, percebo o quanto tenho a refletir sobre minhas ações pedagógicas e ou comportamentais nas mais diversas atividades que executo. Para que possa me desprender de determinadas atitudes rotineiras faz-se necessário uma reflexão sobre a ação, indo de encontro, assim, a mais e mais perguntas sobre o meu verdadeiro papel enquanto educadora. As imagens sejam elas corporais, televisivas e/ou fotográficas entram como influenciadoras no comportamento de grande parte da população, implicando num processo educativo quando bem elaboradas. Desta forma, estamos em constante apreciação destas imagens, pois muitas vezes somos rotulados a fazer parte de um padrão sócio cultural, onde o belo tem como características a perfeição, e uma

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Plano de Ensino Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos Teoricos Metodologicos para o Ensino de Arte Carga Horária: 36h Período: 2º ano Ano: 2011 Turno: noturno

Leia mais

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 Claudiane da S. EUSTACHIO Dayana Pires Alves GARCIA Fátima RODRIGUES Jean de J. SANTANA 2 Juliana CESANA 3 Ana Lucia de Carvalho MARQUES

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social. O Projeto Social Luminando

Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social. O Projeto Social Luminando Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social O Projeto Social Luminando O LUMINANDO O Luminando surgiu como uma ferramenta de combate à exclusão social de crianças e adolescentes de comunidades

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A VISÃO DE ALGUMAS BOLSISTAS DO PIBID SOBRE SUA ATUAÇÃO EM CONTEXTOS EDUCACIONAIS INCLUSIVOS

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC FIGUEIREDO, Anelice Maria Banhara - SME / Chapecó/SC anelicefigueiredo@gmail.com LORENZET, Simone Vergínia - SME

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

O JORNAL EM SALA DE AULA: PARA ALÉM DO LETRAMENTO, O ALUNO COMO CENTRO DA NOTÍCIA

O JORNAL EM SALA DE AULA: PARA ALÉM DO LETRAMENTO, O ALUNO COMO CENTRO DA NOTÍCIA O JORNAL EM SALA DE AULA: PARA ALÉM DO LETRAMENTO, O ALUNO COMO CENTRO DA NOTÍCIA Ana Lhayse Feitoza Albuquerque analhayse@hotmail.com Beatriz Correia Neri de Araújo beatrizneri00@hotmail.com Thays Emanuela

Leia mais

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Telma Maria Pereira dos Santos Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado da Bahia UNEB e Pós-graduada em Educação

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA TEREZINHA SC CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSORA MARIA ORIBKA KERECZ CRAVEIRO SANTA TEREZINHA SC

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA TEREZINHA SC CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSORA MARIA ORIBKA KERECZ CRAVEIRO SANTA TEREZINHA SC SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA TEREZINHA SC CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSORA MARIA ORIBKA KERECZ CRAVEIRO SANTA TEREZINHA SC PREMIO AMAVI EDUCAÇÃO 2013 PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO QUALIDADE

Leia mais

VIVÊNCIAS NO PIBID/EDUCAÇÃO FÍSICA/UNIUBE: ASSOCIANDO CULTURA E HABILIDADES MOTORAS NO ENSINO FUNDAMENTAL II

VIVÊNCIAS NO PIBID/EDUCAÇÃO FÍSICA/UNIUBE: ASSOCIANDO CULTURA E HABILIDADES MOTORAS NO ENSINO FUNDAMENTAL II VIVÊNCIAS NO PIBID/EDUCAÇÃO FÍSICA/UNIUBE: ASSOCIANDO CULTURA E HABILIDADES MOTORAS NO ENSINO FUNDAMENTAL II Jackson Rodrigues Cordeiro 1, Cíntia Silva de Oliveira 2, Silas Queiroz de Souza 3, Marcelo

Leia mais

Curso Educação Artística Habilitação: Artes Plásticas. Disciplina Prática de Ensino. Professor(a) José Paulo de Assis Rocha JUSTIFICATIVA

Curso Educação Artística Habilitação: Artes Plásticas. Disciplina Prática de Ensino. Professor(a) José Paulo de Assis Rocha JUSTIFICATIVA Curso Educação Artística Habilitação: Artes Plásticas Disciplina Prática de Ensino Ano letivo 2011 Série 3ª Carga Horária 72 H/aula Professor(a) José Paulo de Assis Rocha JUSTIFICATIVA Assim como curadores

Leia mais

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO CAMILA SONALY QUEIROZ TITO¹ MAÍSE RODRIGUES LÚCIO² O presente artigo tem por objetivo levar educadores da Educação Infantil a repensar sobre as concepções e metodologias

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE PROFESSORES E ALUNOS DE ESCOLAS DE COMUNIDADE BILÍNGUE SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE INGLÊS

SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE PROFESSORES E ALUNOS DE ESCOLAS DE COMUNIDADE BILÍNGUE SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE INGLÊS SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE PROFESSORES E ALUNOS DE ESCOLAS DE COMUNIDADE BILÍNGUE SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE INGLÊS PORTO ALEGRE 2010 SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE 1 ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE Natália Maria G. Dantas de Santana- UAE/CFP/UFCG Mayrla Marla Lima Sarmento-UAE/CFP/UFCG Maria Thaís de Oliveira

Leia mais

RELEVÂNCIA DA LITERATURA INFANTIL NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

RELEVÂNCIA DA LITERATURA INFANTIL NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA 1 RELEVÂNCIA DA LITERATURA INFANTIL NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Catharine Prata Seixas (PIBIC/UFS) Aline Grazielle Santos Soares Pereira (PIBIX/UFS) INTRODUÇÃO Vygotsky (1991), diz que o pensamento e a linguagem

Leia mais

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Léa Pintor Martins de Arruda Maria Angela de Souza Lima Rizzi O trabalho realizado com os educadores, pela equipe da Associação Arte Despertar no

Leia mais

Empreendedorismo e Tradição

Empreendedorismo e Tradição Plano de Promoção de Empreendedorismo nas Escolas do Baixo Alentejo Empreendedorismo e Tradição Proposta de Projeto Agrupamento de Escolas de Cuba OBJETIVOS Desenvolver ações que contribuam para preparar

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL Viviane Cardoso¹ Resumo: O objetivo desse artigo é refletir como os ideais da pedagogia freireana tem contribuído para as práticas

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS. Palavras Chaves: Alfabetização, Letramento e Gêneros Literários.

PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS. Palavras Chaves: Alfabetização, Letramento e Gêneros Literários. PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS Zeni Aguiar do Nascimento Alves i Zênio Hélio Alves ii O SESC LER Zona Norte de Natal desenvolve atividades que evidenciam a questão da

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

O CIRCO DA FRONTEIRA: A ESCOLA CIA DA LONA DE CORUMBÁ - MS

O CIRCO DA FRONTEIRA: A ESCOLA CIA DA LONA DE CORUMBÁ - MS O CIRCO DA FRONTEIRA: A ESCOLA CIA DA LONA DE CORUMBÁ - MS Por Marco A C Bortoleto Abril de 2014 Em mais uma viagem, desta vez em pleno pantanal brasileiro, visitei um fantástico projeto circense, uma

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR Fundação Universidade Federal do Tocantins Maria Jose de Pinho mjpgon@mail.uft.edu.br Professora orientadora do PIBIC pedagogia Edieide Rodrigues Araújo Acadêmica

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

PROGRAMAs de. estudantil

PROGRAMAs de. estudantil PROGRAMAs de empreendedorismo e protagonismo estudantil Ciclo de Palestras MAGNUM Vale do Silício App Store Contatos Calendário Fotos Safari Cumprindo sua missão de oferecer uma educação inovadora e de

Leia mais

TRILHEIROS QUE BUSCAM ENSINAGEM NA MODA. Rogério Justino FLORI fotoflori@gmail.com Faculdade de Artes Visuais - Universidade Federal de Goiás

TRILHEIROS QUE BUSCAM ENSINAGEM NA MODA. Rogério Justino FLORI fotoflori@gmail.com Faculdade de Artes Visuais - Universidade Federal de Goiás TRILHEIROS QUE BUSCAM ENSINAGEM NA MODA Rogério Justino FLORI fotoflori@gmail.com Faculdade de Artes Visuais - Universidade Federal de Goiás Irene TOURINHO irenetourinho@yahoo.es Faculdade de Artes Visuais

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA SÉRIE: 6º ANO PROFESSORA:

Leia mais

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Para que a Educação Infantil no município de Piraquara cumpra as orientações desta Proposta Curricular a avaliação do aprendizado e do desenvolvimento da criança, como

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Francine Kemmer Cernev francine@cernev.com.br Universidade Estadual de Londrina/ Colégio Nossa Senhora do Rosário, Cornélio Procópio/PR/

Leia mais

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea Érica Fróis O objetivo deste trabalho é discutir o brincar na internet e a construção da Imagem do corpo na criança a

Leia mais

Voluntariado. Cabe na sua vida. Ser voluntário #issomudaomundo NOTÍCIAS. Ação Estudar Vale a Pena mobiliza mais de 800 voluntários Itaú Unibanco

Voluntariado. Cabe na sua vida. Ser voluntário #issomudaomundo NOTÍCIAS. Ação Estudar Vale a Pena mobiliza mais de 800 voluntários Itaú Unibanco NOTÍCIAS Ação Estudar Vale a Pena mobiliza mais de 800 voluntários Itaú Unibanco Mobilizar. Colaborar. Transformar. Muitas foram as motivações que levaram você e mais 791 colaboradores Itaú Unibanco (e

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

A DINÂMICA DOS ATELIÊS DO CAIC/UEPG CENTRO DE ATENÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (PERÍODO INTEGRAL): PROJETO EM AÇÃO/REFLEXÃO/AÇÃO

A DINÂMICA DOS ATELIÊS DO CAIC/UEPG CENTRO DE ATENÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (PERÍODO INTEGRAL): PROJETO EM AÇÃO/REFLEXÃO/AÇÃO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A DINÂMICA

Leia mais

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A palavra liderança é uma palavra grávida, tem vários significados. Desde os primórdios dos tempos a humanidade vivenciou exemplos de grandes líderes. Verdadeiros

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo Artes Audiovisuais: Estratégia cooperativa na modalidade Educação Jovem e Adulta - EJA STEFANELLI, Ricardo 1 Instituto Federal de Educação Tecnológica de São Paulo RESUMO O presente trabalho na disciplina

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL

A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL JOÃO GOULART INTRODUÇÃO A arte apresenta uma forma de

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD Município: Pirassununga Estado: São Paulo Turma: 440 Pólo: Fundação de Ensino de Pirassununga Tutor (a): Inez Nunes Paula

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL * Rita de Cássia Lindner Kaefer **Ana Eleonora Sebrão Assis RESUMO O objetivo do presente artigo é apresentar uma reflexão a respeito da importância

Leia mais

A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE

A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE RESUMO Este texto é uma reflexão sobre o brincar nas aulas de educação física escolar do primeiro e segundo ciclo do ensino fundamental,

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR Katia Maria de Oliveira CUSTODIO, Ketulem Cristina Vieira ARANTES, Ducéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES. Ângela Aparecida DIAS Departamento de Educação,UFG

Leia mais

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP 1 ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP Claudete da Silva Ferreira - IFESP Márcia Maria Alves de Assis - IFESP RESUMO Esta apresentação se

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA Gabriela Arcas de Oliveira¹; Joice Gomes de Souza²; Giana Amaral Yamin³. UEMS- CEP, 79804970- Dourados-MS, ¹Bolsista

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS Lourdes Helena Rodrigues dos Santos - UFPEL/F/AE/PPGE Resumo: O presente estudo pretende compartilhar algumas descobertas,

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Silvia Christina Madrid Finck E-mail: scmfinck@ uol.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao projeto de pesquisa

Leia mais

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações;

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA FORMAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE NA ATENÇÃO AO CÂNCER: DESAFIOS PARA OS TÉCNICOS DE ENFERMAGEM ESPECIALIZAÇÃO DO TÉCNICO

Leia mais

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL João Rodrigues de Souza A PSICOPEDAGOGIA E A INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIABÁ- MT JULHO 2015 2 RESUMO

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊCIA SOBRE O PROCESSO DE ENSINO DE ESPANHOL- LÍNGUA ESTRANGEIRA (E-LE) COM O USO DAS TICs, EM PARCERIA COM O PROJETO PIBID/UEPB

RELATO DE EXPERIÊCIA SOBRE O PROCESSO DE ENSINO DE ESPANHOL- LÍNGUA ESTRANGEIRA (E-LE) COM O USO DAS TICs, EM PARCERIA COM O PROJETO PIBID/UEPB RELATO DE EXPERIÊCIA SOBRE O PROCESSO DE ENSINO DE ESPANHOL- LÍNGUA ESTRANGEIRA (E-LE) COM O USO DAS TICs, EM PARCERIA COM O PROJETO PIBID/UEPB Sirleide Marinheiro da Silva (PIBID/UEPB) 1 Sirleide_22@hotmail.com

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO.

NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO. NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO. Luciana Lara 1 RESUMO: Este estudo pretende refletir sobre algumas implicações das noções de corpo e movimento

Leia mais

PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRIZOLA, Silene Francisca dos Santos. (UNEMAT) silenefsb@hotmail.com SILVA, Maria Ivonete da. (UNEMAT) ivonete0304@hotmail.com RESUMO Este projeto foi desenvolvido

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento.

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento. CORPO E MOVIMENTO: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INFANTIL Tamiris Andrade dos Santos (UEL) tamiris_152@hotmail.com Gilmara Lupion Moreno gilmaralupion@uel.br RESUMO: Sabe-se da importância

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA Ementas das Disciplinas de Educação Física Estão relacionadas abaixo, as ementas e a bibliografia dos diferentes eixos curriculares do Curso, identificadas conforme os ciclos de formação: Ciclo de Formação

Leia mais

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA)

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) REDE PRÓ-MENINO ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil CURSISTA: JACKELYNE RIBEIRO CINTRA MORAIS CPF: 014275241-06 ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) Características

Leia mais

O PROFESSOR EM SITUAÇÃO DE ESTÁGIO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: A COMPREENSÃO DOS ALUNOS

O PROFESSOR EM SITUAÇÃO DE ESTÁGIO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: A COMPREENSÃO DOS ALUNOS O PROFESSOR EM SITUAÇÃO DE ESTÁGIO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: A COMPREENSÃO DOS ALUNOS Bruna Silvestre Estevam Graduanda do curso de Licenciatura em Educação Física Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS SOBRE A DANÇA NO ENSINO MÉDIO

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS SOBRE A DANÇA NO ENSINO MÉDIO REFLEXÕES PEDAGÓGICAS SOBRE A DANÇA NO ENSINO MÉDIO Izabele Trindade Caldas (CALDAS I. T.) e Elaine Melo de Brito Costa (COSTA E. M. DE B.). Departamento de Educação Física Universidade Estadual da Paraíba

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina

Universidade Estadual de Londrina Universidade Estadual de Londrina Josiane de Freitas Santos Relatório de Estágio em Educação Infantil Londrina 2010 1 Josiane de Freitas Santos Relatório de Estágio em Educação Infantil Relatório final

Leia mais

Edenilson Fernando Catarina 1 ; Leisi Fernanda Moya 2

Edenilson Fernando Catarina 1 ; Leisi Fernanda Moya 2 A CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A DANÇA, JOGOS E BRINCADEIRAS NO CONTEXTO ESCOLAR Experiência teórica e prática por meio de um projeto extensionista Edenilson Fernando Catarina 1 ; Leisi Fernanda Moya

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. APRESENTAÇÃO Este curso, que ora apresentamos, insere-se como mais uma ação na perspectiva da formação do educador e destina-se a especializar

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

CONSIDERAÇÕES REFERENTES AO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) DE UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE SANTA MARIA 1

CONSIDERAÇÕES REFERENTES AO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) DE UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE SANTA MARIA 1 CONSIDERAÇÕES REFERENTES AO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) Resumo DE UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE SANTA MARIA 1 Eunice Piccin 2 Fabiano Bolzan Scherer² Fernanda Dalosto Moraes² Marcos Vinicius Conceição

Leia mais

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA Uma proposta para aplicação no Programa Mais Educação Izabele Silva Gomes Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com Orientador (a): Professora

Leia mais

AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO!

AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO! AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO! Maria da Penha Rodrigues de Assis EMEF SERRA DOURADA No ano de 2010 escolhi como posto de trabalho a EMEF Serra Dourada para lecionar como arte-educadora de séries

Leia mais

PROJETO RECICLAGEM. 1. Tema: Reciclar é bom, Reutilizar é melhor e Reduzir é melhor ainda. Área de abrangência: 2. Duração: 01 /03 a 31/03

PROJETO RECICLAGEM. 1. Tema: Reciclar é bom, Reutilizar é melhor e Reduzir é melhor ainda. Área de abrangência: 2. Duração: 01 /03 a 31/03 PROJETO RECICLAGEM 1. Tema: Reciclar é bom, Reutilizar é melhor e Reduzir é melhor ainda. Área de abrangência: (x) Movimento (x) Musicalização (x) Artes Visuais (x) Linguagem Oral e Escrita (x) Natureza

Leia mais

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES Resumo Gabriela Jeanine Fressato 1 - Universidade Positivo Mariana Gomes de Sá Amaral

Leia mais

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA.

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Autor: Paulo Vitor Tavares, Ms. Palavras-chave: EAD, Televisão, Videoaula, IFSC.

Leia mais

Eixo Temático ET-13-010 - Educação Ambiental CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PROCESSO, AÇÃO, TRANSFORMAÇÃO

Eixo Temático ET-13-010 - Educação Ambiental CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PROCESSO, AÇÃO, TRANSFORMAÇÃO 486 Eixo Temático ET-13-010 - Educação Ambiental CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PROCESSO, AÇÃO, TRANSFORMAÇÃO Samuel Brito Ferreira Santos 1 ; Rebecca Ruhama Gomes Barbosa 2 ; Adeilton Padre de Paz

Leia mais

O ENSINO DA ARTE NO NÍVEL MÉDIO INTEGRADO AO TÉCNICO: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO DO CAMPO RESUMO

O ENSINO DA ARTE NO NÍVEL MÉDIO INTEGRADO AO TÉCNICO: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO DO CAMPO RESUMO O ENSINO DA ARTE NO NÍVEL MÉDIO INTEGRADO AO TÉCNICO: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO DO CAMPO Mara Pereira da Silva IFPA- CRMB pereiracantora1@hotmail.com RESUMO A pesquisa foi realizada mediante análise

Leia mais