UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Mariana Hilda Batista QUESTÕES DO CORPO: DIÁLOGO ENTRE A DANÇA CONTEMPORÂNEA E AS ARTES VISUAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Mariana Hilda Batista QUESTÕES DO CORPO: DIÁLOGO ENTRE A DANÇA CONTEMPORÂNEA E AS ARTES VISUAIS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Mariana Hilda Batista QUESTÕES DO CORPO: DIÁLOGO ENTRE A DANÇA CONTEMPORÂNEA E AS ARTES VISUAIS CURITIBA 2009

2 Mariana Hilda Batista QUESTÕES DO CORPO: DIÁLOGO ENTRE A DANÇA CONTEMPORÂNEA E AS ARTES VISUAIS Monografia apresentada ao curso de Arte Contemporânea Prática, Teoria e História da Faculdade de Ciências Humanas, Letras e Artes da Universidade Tuiuti do Paraná, como requisito parcial para a obtenção do grau de Especialista. Orientador: Prof. Ms. Evandro F. Gauna CURITIBA 2009

3 AGRADECIMENTOS Agradeço a professora Carla Vendrami (in memoriam) pela disponibilidade e por me guiar no inicio da pesquisa. Agradeço também ao professor Evandro Gauna que gentilmente se dispôs a continuar me orientando e me ajudando a solucionar problemas. Á Rosemeri Rocha pelo apoio e sugestões. Á Olinda Rodrigues pelas correções. Á Fernando Deddos pela compreensão sempre. Á minha mãe e irmã pelo constante apoio. E a todos amigos que direta ou indiretamente colaboraram para a realização deste trabalho.

4 O corpo é o lugar onde o mundo é questionado David Le Breton

5 RESUMO Esta pesquisa é um estudo de uma possível relação entre as Artes Visuais e a Dança Contemporânea, utilizando como fio condutor o corpo. O objetivo deste trabalho é identificar como o corpo pode aparecer em obras de Artes Visuais sem ser figurativo ou presencial, mas quando questões referentes ao corpo aparecem nessas obras. Para isso utilizou-se obras da artista Iole de Freitas, relacionando-as com elementos da Dança Contemporânea. Palavras-chave: corpo, dança contemporânea e artes visuais.

6 SUMÁRIO INTRODUÇÃO O Corpo na contemporaneidade Questões sobre o corpo Corpo pensamento Quando o corpo é o problema O Corpo e as Artes O corpo nas Artes Visuais Breve histórico da performance Happening Body Art Outros meios Falando sobre dança Um olhar sobre a dança contemporânea Pontos de análise Diálogo entre a obra de Iole de Freitas e a Dança Contemporânea Sobre a artista Relações com a dança contemporânea COSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS

7 6 INTRODUÇÃO A arte contemporânea tem como uma de suas características o questionamento. Os trabalhos contemporâneos apresentam uma questão a ser discutida e compartilhada com o observador. Uma das questões mais recorrentes nos últimos anos é sobre o corpo, este é um assunto envolvido em todas as áreas artísticas. Geralmente pensa-se que o corpo é um assunto privilegiado da dança ou do teatro, por trabalharem diretamente com ele, mas percebe-se que nas artes visuais o corpo é um assunto frequentemente abordado. Esta pesquisa se faz necessária para compreender o corpo nas artes visuais, além do olhar do corpo como instrumento de uma obra, mas quando ele é o assunto principal de um trabalho. A intenção é identificar como o corpo pode ser abordado nas artes visuais, sem ser de forma figurativa. Mas observar quando o corpo aparece num trabalho através de questões pertinentes ao corpo. Para isso a pesquisa esta dividida em três capítulos. No primeiro capítulo surgiu a necessidade de falar sobre o corpo contemporâneo, através dos autores Breton e Santaella, que falam desse corpo como o problema da contemporaneidade, a causa de diversas dúvidas, e manifestações. E tudo devido ao grande avanço da tecnologia que abala nosso entendimento de corpo, e consequentemente das relações. No segundo capítulo será apresentada abordagem geral sobre o corpo nas artes visuais, falando principalmente sobre o corpo que antes nas artes era considerado somente como um tema e na arte contemporânea torna-se também uma questão. O corpo é problematizado na arte contemporânea, passa a ser fonte de indagações. Instigados por

8 7 essas dúvidas, os artistas passaram a realizar as performances, passando por movimentos como a body art e happening. Tendo a performance como uma linguagem que envolve diretamente o corpo, o capítulo segue falando sobre a dança. Num primeiro momento passando pelo histórico da dança, mostrando que antes ela era realizada somente como forma de entretenimento, e que ao longo do tempo surge como uma linguagem problematizadora de questões, da relação do cotidiano, e principalmente das questões do corpo. No segundo momento são escolhidos três elementos fundamentais para dança que são: o corpo, o movimento e o espaço-tempo. No terceiro e último capítulo, falaremos sobre a artista Iole de Freitas, escolhida para fazer a relação do corpo com as artes visuais. A escolha dessa artista ocorreu primeiramente por sua relação com a dança (Iole de Freitas teve uma experiência em dança), tendo seu trabalho relação direta com questões como o corpo e o espaço. O capítulo discorre sobre a trajetória de seu trabalho, que parte de um estudo da relação do seu próprio corpo no espaço. Ao longo de seu processo a corporeidade em seu trabalho ficou mais subjetiva, subdividindo-se em elementos como tempo, espaço, fluxo, entre outros. E logo em seguida são identificados os três elementos da dança, citados acima, em suas obras. Com isso a escolha da artista Iole de Freitas dentre os outros temas descritos conectam se perfeitamente com a proposta deste trabalho, analisando quais questões do corpo podem estar presentes em trabalhos de artes visuais dialogando com as questões da dança contemporânea.

9 8 1 O CORPO NA CONTEMPORANEIDADE 1.1 QUESTÕES SOBRE O CORPO O corpo é uma presença abrangente em todos os aspectos da vida. Ele pode ser nomeado enquanto objeto de estudo, como sistema aberto e complexo, ou ainda como capacidade de expressão. O fato é que todas as nossas atitudes, independentes de quais sejam, estarão sempre ligadas ao corpo. O corpo já foi considerado, como lugar de inquietude, classificando-o como uma coisa ruim. Breton (2003) explicita esse conceito do corpo ao apresentar sua visão que percorre o mundo ocidental desde os pré-socráticos, no discurso sobre o corpo como algo ruim, um aprisionador da alma. O corpo assim é separado da alma, e visto apenas como matéria, carne, que envelhece e apodrece ao longo do tempo. Breton diz que a doutrina gnóstica manifestava um dualismo onde de um lado encontrava-se a esfera negativa: o corpo, o tempo, a morte, a ignorância, o mal. E do outro: a plenitude, o conhecimento, a alma, o bem, etc. Segundo Breton, os gnósticos levam a seu termo o ódio do corpo, tornam o corpo uma indignidade sem remédio. (2003, p.14). Dessa forma, o corpo aparece como uma doença incurável, o extremo contemporâneo, diz Breton. É compreendido por extremo contemporâneo as práticas que se referem ao cotidiano ou as tecnociências, as que induzem rupturas antropológicas que provocam a perturbação de nossas sociedades. O corpo surge como reflexão e perturbação da sociedade contemporânea.

10 9 Santaella (2004) apresenta em seu primeiro capítulo as reflexões acerca do sujeito e do corpo. Ela discute sobre quem é o sujeito, quais condições para sua existência e como o corpo entra nessas reflexões. Em primeiro lugar, ela apresenta a concepção de sujeito que foi constituída no cartesianismo. A idéia de sujeito baseado em Descartes, segundo a autora, dominou o pensamento ocidental por alguns séculos. Descartes denominava o sujeito como a mente, o pensamento e diferenciado do que esta fora, sendo o externo considerado como objeto. Segundo Doel (2001 citado por Santaella, 2004, p.14), supõe-se que o sujeito é idêntico a si mesmo, ele precede toda identificação, apresentação e diferenciação. Eu sou, antes que eu seja alguma coisa. Ele diz que o sujeito é Um: universal, indivisível e eterno. Doel afirma ainda que, o sujeito cumpre duas funções distintas: a universalização e individuação. A universalização, segundo o autor, por o sujeito ser considerado o grauzero da humanidade, entendendo-se por universalização a existência do sujeito. A individuação seria o re-conhecimento do sujeito, que ocorre através de corpos e faces individuais, mas que o movimento do individual ao universal não depende da variação real entre corpos e faces individuais. De fato, o universal é indiferente a toda quantificação. É por isso que a proliferação, a des-diferenciação ou a fragmentação dos rostos e corpos nunca servirão para problematizar o sujeito universal: sujeito há. O sujeito é o sujeito. Sozinho ele está. (DOEL, 2001, p.86 citado por SANTAELLA, 2004, p. 14). Nesse momento Santaella diz que o corpo aparece como um problema fundamental, pois Descartes definiu o humano como a mistura de duas substâncias distintas: o corpo, considerado como um objeto da natureza, como outro qualquer, e a

11 10 mente, a substância imaterial. Segundo Santaella, Para ele, apenas a mente, sinônimo de consciência, de alma e definidora do eu, dá expressão à essência humana, da qual o corpo está excluído. (2004, p. 15). A autora nos coloca diante de um paradoxo: se na existência do sujeito o corpo está excluído, como ele pode exercer sua função universalizante se não há o seu suporte de sustentação? Pois para o re-conhecimento do sujeito universal é preciso a individuação através do corpo. Existindo o risco desse re-conhecimento do sujeito ficar preso no limite do corpo, em seu tecido material e impedindo a passagem para o lugar do sujeito universal e abstrato. Sendo assim, o corpo neste pensamento é tratado apenas como objeto que individualiza o sujeito. A autora define este sujeito como o fantasma do corpo. De fato, trata-se de um fantasma assoberbante para o qual a carne e os corpos só servem como meios de individuação, envelopados pela pele e carimbados pelo rosto. (SANTAELLA, 2004, p.15). 1.2 CORPO - PENSAMENTO Os discursos começam a mudar em meados do século XX, com os pensadores perturbados acerca da subjetividade do sujeito e de sua classificação como unitário. Jayme Paviani (2007), fala que os filósofos e cientistas contemporâneos escrevem mais sobre o corpo do que sobre a mente, e que a partir de Hegel, Marx, Husserl e das teorias psicológicas contemporâneas, o corpo humano passou a merecer uma atenção especial.

12 11 Inicia-se um processo que Santaella chamou de morte do sujeito, quando a idéia do eu entrou em crise. O sujeito virou assunto discutível em diferentes vertentes. Sua desconstrução passa pelos discursos feministas, nos estudos culturais sobre raça e etnia, nas análises póscolonialistas. Segundo Tadeu da Silva (2000, citado por SANTAELLA, 2004, p. 30) todos esses discursos evidenciam que não existe sujeito ou subjetividade fora da história e da linguagem, fora da cultura e das relações de poder. Os questionamentos não ficam limitados sobre o sujeito unitário, universal e centrado, mas como o sujeito poderá ser situado, corporificado, descentrado, desconstruído ou construído. Havia o problema sobre qual a maneira que o ser humano poderia conhecer os corpos físicos exteriores à mente. Substituindo as antigas concepções de sujeitos e eu, proliferam agora novas imagens da subjetividade, como subjetividade distribuída, socialmente construída, dialógica, descentrada, múltipla, nômade, inscrita da superfície de corpo. Agora a subjetividade humana aparece diretamente ligada ao corpo, e nas suas relações com o meio. Santaella diz que o corpo esta sob interrogação, deixando de ser pacífico para se transformar em um problema com implicações legais, éticas e antropológicas. Helena Katz (2002), fala do processo de coevolução do corpo, do reconhecimento desse corpo estar no mundo. Para tanto, ela utiliza como base de suas questões as ciências cognitivas, sendo elas a união da biologia, filosofia, antropologia, matemática, sociologia, psicologia, neurofisiologia, filosofia da mente, teoria da evolução darwiniana, cosmologia, geologia,

13 12 arqueologia, paleontologia, etologia, etc. Segundo Katz, estão unidas pela mesma preocupação: contribuir para explicar como nosso corpo aprende a conhecer o mundo ao seu redor. Ela propõe um corpo coevolutivo, resultante da sua relação com o ambiente, pensa-se em coevolução ao invés de evolução, por se tratar de uma troca. A chave desta proposta se encontra no conceito de co-evolução, indispensável para se compreender como as informações do mundo encarnam em nós. Sim, porque a hipótese a co-evoluçâo regula nossa permanência nesse mundo abre caminho para essa segunda condição prévia: a de concordar que nosso corpo não passa de uma forma circunstancial que as muitas informações espalhadas pela vida tomam ao longo do tempo. Circunstancial e em transformação, uma vez que esse processo de contaminação entre corpo e ambiente não estanca. (KATZ, 2002) Quando se fala da relação do corpo com o mundo e vice-versa, significa dizer que, não é apenas o ambiente que constrói o corpo, e nem só o corpo que constrói o ambiente, ocorre uma simultaneidade nessa construção. Segundo Christine Greiner (2005), A informação internalizada no corpo não chega imune. É imediatamente transformada... (GREINER, 2005, p.43). Partindo desse raciocínio fala-se de metáforas do pensamento, considerando metáfora como a parte de cognição do corpo. Segundo Lenira Rengel, A metáfora esta na carne, no osso... no sangue... nos neurônios. (2007, p. 36). Este conceito fundamenta-se nas pesquisas dos teóricos George Lakoff e Mark Johnsom, linguista e filósofo cognitivos, afirma Lenira Rengel. Ela diz que estes autores tratam da metáfora como um modo de pensar e conceituar e que o procedimento metafórico é o mecanismo cognitivo que acontece em qualquer corpo. Pensamos e percebemos através da pele, cérebro, sangue, sentidos e a existência de um corpopensamento. Helena Katz (2002) fala que Lakoff e Johnsom propuseram que os

14 13 conceitos são encarnados e não coisas imateriais, que o processo de raciocínio esta ligado diretamente com o corpo. Lenira Rengel (2007) afirma que o procedimento metafórico faz um transporte entre os domínios: os sensórios-motores (perceber, sentir, transpirar, mover, tocar, pegar, etc.) e os domínios das experiências subjetivas (julgamentos morais, juízos de valor, relações de afetos, etc), e que esses procedimentos ocorrem simultaneamente no físico e no mental. Ela exemplifica falando que Um bebê ao sentir o calor de um colo, junto está criando a noção de amor, afeto, calor humano. (RENGEL, 2007, p.37). Estes conceitos apresentados acerca do corpo e mente, permeiam na concepção de um corpo que se relaciona e comunica. Nossos conceitos não são apenas matéria do intelecto. Eles também governam nossas funções cotidianas e até os mais mundanos detalhes. Nossos conceitos estruturam o que percebemos, como nos relacionamos com o mundo e com outras pessoas. (GREINER, 2005, p. 44). A comunicação dos sujeitos depende de seus contextos, cultural-social, caindo a ideia do sujeito universal, totalizante, fixo, fala-se de um sujeito instável, mutável em consequência da cultura. Essa instabilidade é uma das características do corpo contemporâneo, como mesmo falam as autoras Elisa Maria Barbosa Esper e Mathilde Neder (2004). Elas afirmam que o sujeito é exposto à temporalidade do mundo contemporâneo que é rápida, móvel exposta a constantes mudanças, o sujeito fica numa situação de insegurança devido às informações que recebe e que se renovam a todo momento. Situação esta que impede o aprofundamento em emoções, experiências e sensações. Esper e Neder afirmam que habitamos em um mundo onde há um bombardeio

15 14 de informações, maciças e aleatórias, que não se constituem como um todo. São informações feitas de partes, transformando a realidade em fragmentos compostos por vivências parciais. Com isso vem à tona a crise do sujeito, devido a instabilidade gerada pelas influências com o meio. 1.3 QUANDO O CORPO É O PROBLEMA O corpo agora não é visto como lugar que abriga um sujeito, ele é o sujeito e como citado anteriormente é um sujeito que coevolui de acordo com sua troca com o ambiente. Por causa dessa relação ocorre a existência de um corpo instável, imprevisível colocandoo presente como assunto discutido em todas as ciências. Segundo Santaella (2004) o corpo é visto como um problema contemporâneo, sendo onipresente em todos os aspectos da cultura. Ela afirma que o corpo como problema aparece por causa do avanço da tecnologia, da exagerada proliferação de imagens corporais, sendo reais ou virtuais colocando em conflito as dicotomias entre vida e morte, natureza e cultura, natural e artificial, presença e ausência, atualidade e virtualidade. Essas dicotomias começam a ser confundidas e questionadas. Breton (2003) fala do corpo considerado como problema a partir do momento em que nós abandonamos esse corpo. Ele fala que nossa relação com o mundo era uma relação pelo corpo, e que hoje o estamos esquecendo. Este abandono acontece quando simples atividades do cotidiano como correr, andar (mesmo em distâncias curtas), são

16 15 substituídas por veículos, escadas rolantes etc. Dessa forma o corpo esquecido pela sua relação com o mundo se torna um sintoma. Segundo Santaella, diferentes dos sintomas do século XIX que se davam no corpo, o sintoma contemporâneo se tornou o próprio corpo. Ela fala sobre sintoma como um distúrbio que causa sofrimento, um mal-estar. Considera-o um sinal do inconsciente, sendo através deste que o sintoma se faz ouvir. Sem deixar de ser uma revelação, uma ação, contraditoriamente o sintoma é também uma forma de ocultamento. Para argumentar sobre o sintoma agora da cultura, Santaella fala sobre o mal-estar na visão de Freud e Lacan como uma frustração, culpa e ressentimento contra a civilização consistindo em se obter uma satisfação da própria renuncia pulsional. A condição humana leva o sujeito a obter o gozo pela renúncia do próprio gozo. O sintoma então é considerado como o resultado das renúncias do gozo perante as exigências civilizatórias. Santaella diz que Freud universalizou o sintoma propondo todas as produções do espírito como sintoma. Entretanto, quando se fala de sintoma da cultura, não está por trás disso nenhuma afirmação de um inconsciente coletivo. Os sintomas variam de acordo com a cultura de cada época. Conforme muda a cultura, mudam-se os tipos de gozo, e consequentemente os sintomas. Portanto Santaella lança a pergunta: Quais seriam os modos de gozo do mundo contemporâneo, das sociedades pós-modernas do capitalismo tardio? Se pensarmos na transitoriedade, na constante mudança de informação, o gozo contemporâneo é também uma busca insaciável pelo prazer. Essa transitoriedade é marcada pela velocidade com que o avanço tecnológico implica no mundo e nas relações.

17 16 O ambiente pós-moderno é povoado pela cibernética, robótica industrial, biologia molecular, onde a principal característica é ser regido pela informação. A velocidade com que o avanço da tecnociência se estabeleceu desenhou uma nova cartografia contemporânea comandada pela transitoriedade e efemeridade. (ESPER; NEDER, 2004), causando insegurança e incertezas. Diante desses aspectos no contexto contemporâneo ocorre à cultura do descartável, do momentâneo. Não há um valor na durabilidade, tudo é para agora, hoje, na relação do homem com objetos e pessoas, remetendo a ligações temporárias, frágeis e passageiras. Isso ocorre devido a um ritmo acelerado de informações novas geradoras de mudanças, tudo é substituído por essas informações. Assim, há um crescente individualismo do sujeito, fragilizando o lado social. Na presença do individualismo ocorre outra das características do corpo contemporâneo, o narcisismo. O sujeito pós-moderno cultiva uma procura pelo eu, pelo prazer, ocorrendo uma valorização do corpo, sendo venerado e guiados pela busca, do ideal, da saúde e do bem estar. Segundo as autoras Esper e Neder: Observa-se uma ressacralização do corpo que é venerado por verdadeiros cultos, com mandamentos a serem seguidos, não havendo mais a contradição entre o sagrado e o profano. Essas questões permeiam um universo comandado por imagens e signos, ideologicamente veiculados pela mídia e que, segundo o filósofo francês Debord (1980), comanda a Sociedade do Espetáculo. Nesse sentido, o sujeito desejante é capturado imageticamente pela ideologia vigente de corpos perfeitos, jovens e saudáveis. (ESPER;NEDER 2004) Segundo Santaella (2004), vivemos numa cultura liderada pelo consumo, pelo mercado e pelo lucro. Um mercado que promete a realização de qualquer tipo de desejo.

18 17 Há um consumo exagerado de bens inúteis, e da tecnologia apontando a emergência de novas formas de o sujeito fugir do mal-estar. O corpo dentro desse contexto do consumo e desejo ocupa o lugar de objeto do ser, uma matéria que pode ser manipulada e moldada de acordo com o design da moda. Segundo Breton (2003), o corpo não é mais a encarnação irredutível do sujeito, o destino, mas uma construção, um objeto transitório e manipulável suscetível de muitos emparelhamentos, sendo estes possíveis por dispositivos como cirurgias plásticas, hormônios, dietas, piercings, tatuagens etc. E ao mudar o corpo, o indivíduo não pretende apenas mudar sua aparência, mas sua vida, a forma como ele se olha e o olhar dos outros sobre ele, modificando seu sentimento de identidade. Dessa forma a cirurgia estética não opera somente no plano da aparência física, ela opera em primeiro lugar no imaginário e exerce uma importância na relação do individuo com o mundo. O corpo tornou-se a prótese de um eu eternamente em busca de uma encarnação provisória para garantir um vestígio significativo de si. Inúmeras declinações de si pelo folhear diferencial do corpo, multiplicação de encenações para sobresignificar sua presença no mundo, tarefa impossível que exige tornar a trabalhar o corpo o tempo todo em um percurso sem fim para aderir a si, uma identidade efêmera, mas essencial para si e para um momento do ambiente social. (BRETON, 2003, p.29) A sociedade de consumo de hoje é acumuladora de sensações, das quais as coisas consumidas são meros pretextos. As coisas consumidas visam a excitação de uma sensação nova, ainda não experimentada, tratando a sensação como efêmera tendo que ser intensificadas, por isso que o mercado arrasta as economias para a produção do efêmero. A sensação necessariamente depende do corpo, trata-se aí de um novo modo de gozo que

19 18 encontra no seu alvo o corpo e não na mercadoria externa a ele. Até o ponto de o próprio corpo ter se tornado a mercadoria favorita das mídias. O corpo foi, e ainda é motivo de reflexões, primeiro acerca de uma visão dualista de corpo e alma, matéria e indivíduo, e logo se tornou um problema, um sintoma da cultura motivo pelo qual se torna um assunto frequente em diferentes áreas. O corpo aparece como a perturbação da sociedade, um obstáculo a ser ultrapassado pela ciência, um lugar a ser modificado, ou na Arte, um lugar de questionamento e discussão.

20 19 2 O CORPO E AS ARTES 2.1 O CORPO NAS ARTES VISUAIS As artes, como diz Santaella (2004), é o lugar que da vida as interrogações do homem com seu meio, e o corpo é o centro dessas questões. É através dele que percebemos o mundo e trocamos informações, seja qual for a mudança que ocorra no ambiente, é no corpo que vamos sentir, ele está em constante transformação, logo nossos modos de nos relacionarmos mudam e então mudam-se os conceitos de corpo. Na arte desde a pré-história o corpo vem sendo representado com as mais diferentes significações, segundo Silvana Boone em seu artigo (2007), até o século XV a representação do corpo destinava-se às funções religiosas. Boone diz que o Corpo e arte sempre estiveram ligados, desde a representação mais simples da figura humana em tempos remotos, até as mais recentes transformações em torno das tecnologias da imagem, entre elas a realidade virtual e a robótica. (2007, p.36). A autora faz um breve panorama sobre a representação do corpo. Citando que no Egito antigo, o que predominava era a ideia da imortalidade. Na Grécia, o homem era a imagem e semelhança dos deuses, e assim, representados como corpos idealizados. E em Roma houve a naturalidade aos corpos aproximando a arte do contexto histórico-real e representando o homem nas suas imperfeições. Somente no Renascimento que o homem passa a representar além das idealizações religiosas.

21 20 Santaella (2004) diz que a problematização do corpo, acompanhou as crescentes metamorfoses do corpo sob o efeito da simbiose com a tecnologia, como a autora mesmo diz Quer os artistas trabalhem ou não com dispositivos tecnológicos, o corpo veio se tornando objeto nuclear das artes porque as mutações pelas quais ele vem passando produzem inquietações que se incorporam ao imaginário cultural. (SANTAELLA, 2004 p.67). Segundo Santaella, a crescente centralidade do corpo nas artes a partir das vanguardas estéticas no início do século passado, resultou em sua constante aparição. Alem de onipresente, no decorrer do século XX até hoje, o corpo foi deixando de ser uma representação, um mero conteúdo das artes, para ir se tornando cada vez mais uma questão, um problema que a arte vem explorando sob uma multiplicidade de aspectos e dimensões que colocam em evidência a impressionante plasticidade e polimorfismo do corpo humano. (SANTAELLA, 2004, p.65). Alguns assuntos foram culminantes para que o corpo se tornasse uma questão, como a instabilidade nas margens entre o ego e o mundo, entre o real e o imaginário, entre o existente e o projetado, temas que fizeram do corpo um sistema de interações e conexões. E esses estados de coisas resultaram na aceleração das descobertas científicas e tecnológicas que, segundo Santaella vêm afetando profundamente nossas habilidades para observar, transformar e manipular as funções corporais e nossos conceitos de corpo. O corpo se tornou fonte de indagações para o qual se direciona grande parte dos discursos culturais, principalmente quando se fala em saúde e estética. As pesquisas nas áreas da farmacologia, fisiologia cerebral, tecnologia reprodutiva, doenças, próteses, levantam questões psíquicas e culturais, como as distinções entre masculino/feminino, vivo/morto, natural/artificial, corpo/descorporificação, eu/outro, orgânico/inorgânico,

22 21 questões essas que colocam em jogo as fronteiras do corpo humano, com aparatos artificiais como próteses, por exemplo. E como cita Santaella Longe de estar à margem desses discursos, a arte, ao contrário, é a esfera da cultura que toma a dianteira fazendo emergir complexidades até então insuspeitadas que as teorias e críticas das artes buscam deslindar. (2004, p.67). O corpo visto como assunto e não como representação na arte, pode-se dizer que vem de uma valorização do gesto, do sentimento que rege cada movimento do artista durante a execução de sua obra. Essa questão atraiu, entre outros, o artista plástico norteamericano Jackson Pollock ( ) um dos precursores do expressionismo abstrato ou Action Painting, caracterizado pela importância dada ao manuseio da tinta e pela gestualidade com que a pintura é feita, a partir daí o artista passa a ser o sujeito e o objeto de sua arte. Decorrente disso o corpo na arte não é limitado a ser representado numa tela ou escultura ele passa a ser parte da obra ou a própria obra, a ação é também arte. O corpo agora é problematizado na arte através das performances envolvendo diferentes linguagens artísticas e passando por diferentes vertentes como a Body Art e Happening. 2.2 BREVE HISTÓRICO DA PERFORMANCE A performance teve início no século XX, segundo Cohen (1989), desenvolvendose de diversas formas desde o movimento futurista italiano, na década de 1910 marcando o início de atividades e idéias organizadas. No movimento futurista agrupam-se pintores, poetas, músicos e artistas de áreas diversas.

23 22 Cohen (1989) afirma que o ano de 1916 marca a abertura do Cabaret Voltaire em Zurique, atraindo artistas da Europa inteira fugidos da guerra para a Suíça, onde ocorre a germinação do movimento Dada. Artistas das mais diversas artes se confrontam no Cabaret sendo eles: Kandinsky, Tristan Tzara, Richard Huelsenbeck, Rudolf Von Laban, Jean Arp, Blaise Cendrars entre outros. O Dadaísmo se espalha pela Europa tornando Paris o principal eixo de atividade. Com o lançamento da revista Littérature por André Breton, Paul Elouard, Philippe Soupault e Louis Aragon começam a criar bases para o movimento Surrealista. O Surrealismo segue como ideologia, segundo Cohen (1989) como a estética do escândalo, lançando provocações contra a plateia. Paralelamente ao Surrealismo, a Bauhaus alemã desenvolve importantes experiências cênicas, que se propõem integrar arte e tecnologia. A Bauhaus é a primeira instituição de arte a organizar workshops de performance. O eixo principal do movimento se desloca agora para a América, com a fundação, em 1936, na Carolina do Norte da Black Moutain College. Nos EUA a performance começou a surgir no final dos anos 30 com a chegada dos exilados de guerra europeus a Nova York. Em 1933 estudantes e professores da Bauhaus mudaram-se para perto da Carolina do Norte para Black Moutain College, constituindo uma pequena comunidade de artista de diversas áreas como: escritores, dramaturgos, bailarinos, artistas visuais e músicos, que estudaram baseados num currículo diversificado de Josef e Anni Albers.

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2014 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Componente Curricular: Artes Série:

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO TEXTO O termo Renascimento é comumente aplicado à civilização européia que se desenvolveu entre 1300 e 1650. Além de reviver a antiga cultura greco-romana, ocorreram nesse

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DA ARTE - TURMA 2015 PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EMENTAS DOS CURSOS Arte

Leia mais

NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO.

NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO. NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO. Luciana Lara 1 RESUMO: Este estudo pretende refletir sobre algumas implicações das noções de corpo e movimento

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

Palavras-chaves: corpo propositor, processo criativo, percepção

Palavras-chaves: corpo propositor, processo criativo, percepção Uno: o corpo propositor em dança contemporânea Rosemeri Rocha Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas UFBA Doutoranda Or. Profa. Dr a Eliana Rodrigues Silva Bolsa CAPES Professora do colegiado de dança

Leia mais

História da Arte - Linha do Tempo

História da Arte - Linha do Tempo História da Arte - Linha do Tempo PRÉ- HISTÓRIA (1000000 A 3600 a.c.) Primeiras manifestações artísticas. Pinturas e gravuras encontradas nas paredes das cavernas. Sangue de animais, saliva, fragmentos

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA Rita Bomfati. UNESPAR- FAP ritabomfati1@gmail.com Resumo: A importância da formação musical do musicoterapeuta (conhecimento de ritmos e instrumentos, história da

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Competências avaliadas pela ICF

Competências avaliadas pela ICF Competências avaliadas pela ICF ð Estabelecendo a Base: 1. Atendendo as Orientações Éticas e aos Padrões Profissionais Compreensão da ética e dos padrões do Coaching e capacidade de aplicá- los adequadamente

Leia mais

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO ESTILO E IDENTIDADE Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO Introdução Por milhares de anos, foi possível concordar que a mais importante linguagem do homem

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE Terezinha Losada Resumo: A obra Fonte de Marcel Duchamp é normalmente apontada pela crítica de arte como a síntese e a expressão mais radical da ruptura com a tradição

Leia mais

TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO

TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO Patricia Neves de Almeida Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade de Sorocaba (UNISO) patricia.almeida@prof.uniso.br Resumo: O presente texto refere-se

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS.

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. Introdução: O presente artigo tem a pretensão de fazer uma sucinta exposição a respeito das noções de espaço e tempo trabalhados

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo 2 CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Habilidades: - Conhecer e distinguir diferentes momentos

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / / ENSINO: Fundamental II 8ª série) DISCIPLINA: Artes PROFESSOR (A): Equipe de Artes TURMA: TURNO: Roteiro e Lista de estudo para recuperação

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

Diálogos entre Gestalt-terapia e dança: corpo, expressão e sentido

Diálogos entre Gestalt-terapia e dança: corpo, expressão e sentido Diálogos entre Gestalt-terapia e dança: corpo, expressão e sentido Carla do Eirado Silva carlaeirado@gmail.com 11º período Instituto de Psicologia Cintia Siqueira de Oliveira cintia_imjc@hotmail.com 10º

Leia mais

MATERIAL COMPLEMENTAR PARA ESTUDOS HISTÓRIA DA ARTE- 2ª SÉRIE ENSINO MÉDIO

MATERIAL COMPLEMENTAR PARA ESTUDOS HISTÓRIA DA ARTE- 2ª SÉRIE ENSINO MÉDIO Arte Moderna Expressionismo A busca por expressar os problemas da sociedade da época e os sentimentos e emoções do homem no inicio do século xx Foi uma reação ao impressionismo, já que o movimento preocupou-se

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes Aluno (a): 5º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Este trabalho deverá ser entregue IMPRETERIVELMENTE no dia da prova. Prezado(a)

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR APRESENTAÇÃO Nosso objetivo é inaugurar um espaço virtual para o encontro, o diálogo e a troca de experiências. Em seis encontros, vamos discutir sobre arte, o ensino da

Leia mais

A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO

A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO Gabriela Gonçalves da Silva 1 Jonney Gomes de Freitas Abreu 2 Marielli Gomes Mendonça 3 Mônica Mitchell de Morais Braga 4 Murilo Raphael Dias

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

PARÂMETRO DE ARTE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL - REDE MUNICIPAL ENSINO DE TRÊS CORAÇÕES. Diretrizes para o ensino de Arte 2011

PARÂMETRO DE ARTE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL - REDE MUNICIPAL ENSINO DE TRÊS CORAÇÕES. Diretrizes para o ensino de Arte 2011 PARÂMETRO DE ARTE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL - REDE MUNICIPAL ENSINO DE TRÊS CORAÇÕES 1 Diretrizes para o ensino de Arte 2011 1 Arte e legislação educacional: A inclusão da Arte no currículo escolar foi

Leia mais

Contexto do Dadaísmo

Contexto do Dadaísmo O Movimento Dadá Contexto do Dadaísmo O Movimento Dadá O movimento Dadá ou Dadaísmo foi uma vanguarda moderna iniciada em Zurique, em 1916, no chamado Cabaret Voltaire, por um grupo de escritores e artistas

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 Angela Freire 2

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea Érica Fróis O objetivo deste trabalho é discutir o brincar na internet e a construção da Imagem do corpo na criança a

Leia mais

A PRODUÇÃO AUTOBIOGRÁFICA EM ARTES VISUAIS: UMA REFLEXÃO SOBRE VIDA E ARTE DO AUTOR

A PRODUÇÃO AUTOBIOGRÁFICA EM ARTES VISUAIS: UMA REFLEXÃO SOBRE VIDA E ARTE DO AUTOR 7º Seminário de Pesquisa em Artes da Faculdade de Artes do Paraná Anais Eletrônicos A PRODUÇÃO AUTOBIOGRÁFICA EM ARTES VISUAIS: UMA REFLEXÃO SOBRE VIDA E ARTE DO AUTOR Letícia Tadra do Carmo 105 Universidade

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

Transcinema é o cinema situação, ou seja, um cinema que experimenta novas arquiteturas, novas narrativas e novas estratégias de interação.

Transcinema é o cinema situação, ou seja, um cinema que experimenta novas arquiteturas, novas narrativas e novas estratégias de interação. Transcinema e a estética da interrupção Kátia Maciel Transcinema é o cinema situação, ou seja, um cinema que experimenta novas arquiteturas, novas narrativas e novas estratégias de interação. Se o cinema

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo Introdução Funções psicológicas superiores Pilares da teoria de Vigotsky Mediação Desenvolvimento e aprendizagem Processo de internalização Níveis de desenvolvimento Esquema da aprendizagem na teoria de

Leia mais

5910224 Evolução dos Conceitos da Física FFCLRP USP Prof. Antônio C. Roque - Origem

5910224 Evolução dos Conceitos da Física FFCLRP USP Prof. Antônio C. Roque - Origem A Origem do Pensamento Científico O ser humano levou milhões de anos para evoluir até o estado atual. Essa evolução levou ao aparecimento de capacidades artísticas, religiosas e científicas na mente humana,

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte Comunicação O ENSINO DAS ARTES VISUAIS NO CONTEXTO INTERDISCIPLINAR DA ESCOLA ALMEIDA, Maria Angélica Durães Mendes de VASONE, Tania Abrahão SARMENTO, Colégio Hugo Palavras-chave: Artes visuais Interdisciplinaridade

Leia mais

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort APRESENTAÇÕES ARTÍSTICAS E PROVOCAÇÕES PERMANENTES Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort - Conceito da Obra/Apresentação. Em minha

Leia mais

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações;

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

PORTFÓLIO: UMA ABORDAGEM DE REGISTRO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL

PORTFÓLIO: UMA ABORDAGEM DE REGISTRO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL PORTFÓLIO: UMA ABORDAGEM DE REGISTRO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. UEPB E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br Aldeci Luiz de Oliveira Profa. Dra. PMCG E-mail:

Leia mais

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE Unidade II ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. Ana Lucia M. Gasbarro A formação pessoal e social da criança, áreas de conhecimento e desenvolvimento da criança Introdução A importância

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º MU096- CANTO 1A OBRIG 0 60 60 2.0 Fórmula: MU055 MU055- PERCEPCAO RITMICA MU271- CANTO CORAL 1 OBRIG 0 30 30 1.0 Fórmula: MU096 MU096- CANTO 1A PRÁTICA DA POLIFONIA VOCAL A DUAS E TRÊS VOZES.

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC FIGUEIREDO, Anelice Maria Banhara - SME / Chapecó/SC anelicefigueiredo@gmail.com LORENZET, Simone Vergínia - SME

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios...

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... Sumário APRESENTAÇÃO DA EDIÇÃO BRASILEIRA... 13 PREFÁCIO... 19 PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... 29 Decisões

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3 Índice 1. Semiótica...3 1.1. Conceito... 3 1.2. Objetivos da Semiótica... 4 1.3. Conceitos Básicos... 4 1.3.1. Signo... 4 1.3.2. Índices... 4 1.3.3. Símbolo... 4 1.4. Conceito...

Leia mais

6) - D A D A I S M O VANGUARDAS PROFESSORA CABRIELLA NOVELLO

6) - D A D A I S M O VANGUARDAS PROFESSORA CABRIELLA NOVELLO 6) - D A D A I S M O 1916 VANGUARDAS PROFESSORA CABRIELLA NOVELLO DADAISMO Dadaísmo Movimento de contestação artística que recusa todos os modelos plásticos e a própria ideia de arte. Nascido na Suiça,

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez

Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez Profª Drª Profª Drª Mirlene Ferreira Macedo Damázio psmirlenefm@gmail.com DESAFIOS DA POLÍTICA DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INCLUSIVA

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

Rodrigo Pascoal Lopes da Silva Vinicius Araújo Mille Wladas Savickas OPTICAL ART

Rodrigo Pascoal Lopes da Silva Vinicius Araújo Mille Wladas Savickas OPTICAL ART Rodrigo Pascoal Lopes da Silva Vinicius Araújo Mille Wladas Savickas OPTICAL ART SÃO PAULO 2011 OPTICAL ART Movimento da arte abstrata que se desenvolveu na década de 1960. A OP ART (abreviatura de óptical

Leia mais

Fauvismo, Cubismo, Surrealismo, Futurismo, Dadaísmo, Expressionismo e Suprematismo VANGUARDAS EUROPÉIAS

Fauvismo, Cubismo, Surrealismo, Futurismo, Dadaísmo, Expressionismo e Suprematismo VANGUARDAS EUROPÉIAS Fauvismo, Cubismo, Surrealismo, Futurismo, Dadaísmo, Expressionismo e Suprematismo VANGUARDAS EUROPÉIAS CONTEXTO HISTÓRICO As vanguardas européias foram manifestações artístico-literárias surgidas na Europa,

Leia mais

2. OBJETIVO E CONCEPÇÃO DA PROVA

2. OBJETIVO E CONCEPÇÃO DA PROVA Aptidão Dança 1. INTRODUÇÃO O Curso de Graduação em Dança da Unicamp tem como objetivo formar o intérprete e criador em Dança, profissional capaz de contribuir como agente transformador da realidade, responsável

Leia mais

Prof. Alexandre kikuti Np2. Questões RD Ritmo e Dança / 2014 (DP)

Prof. Alexandre kikuti Np2. Questões RD Ritmo e Dança / 2014 (DP) Prof. Alexandre kikuti Np2 Questões RD Ritmo e Dança / 2014 (DP) Questão 01 A Dança como ARTE é uma atividade humana que resulta de uma elaboração dentro de uma determinada cultura e estabelece íntima

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Thaís Koseki Salgueiro 1 ; Ms. Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: Este projeto tem como objetivo apresentar o trabalho de campo desenvolvido

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE

CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE Nathalia Leite Gatto Nota-se que as disciplinas ligadas ao movimento na educação infantil, tanto curriculares

Leia mais

A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL

A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL JOÃO GOULART INTRODUÇÃO A arte apresenta uma forma de

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Centro de Teologia e Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação. Teoria da Educação

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Centro de Teologia e Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação. Teoria da Educação Pontifícia Universidade Católica do Paraná Centro de Teologia e Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação Teoria da Educação Prof. Dra. Pura Lucia Oliver Martins SEMINÁRIO ANÍSIO TEIXEIRA

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS SOBRE A DANÇA NO ENSINO MÉDIO

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS SOBRE A DANÇA NO ENSINO MÉDIO REFLEXÕES PEDAGÓGICAS SOBRE A DANÇA NO ENSINO MÉDIO Izabele Trindade Caldas (CALDAS I. T.) e Elaine Melo de Brito Costa (COSTA E. M. DE B.). Departamento de Educação Física Universidade Estadual da Paraíba

Leia mais

DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL

DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL Profª Drª Juliana Perucchi Universidade Federal de Juiz de Fora Desde os primeiros estudos que

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR CURSO DE DANÇA LICENCIATURA

ESTRUTURA CURRICULAR CURSO DE DANÇA LICENCIATURA ESTRUTURA CURRICULAR CURSO DE DANÇA LICENCIATURA Código: 03 Matriz Curricular: DANÇA - Laranjeiras - Presencial - Noturno - Licenciatura Plena Período Letivo de Entrada em Vigor 2012-1 Carga Horária: Total

Leia mais

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO Constelação 1 Bruno Henrique de S. EVANGELISTA 2 Daniel HERRERA 3 Rafaela BERNARDAZZI 4 Williane Patrícia GOMES 5 Ubiratan NASCIMENTO 6 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO Este

Leia mais

Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro

Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro Professora Elisa Brincar, explorar, conhecer o corpo e ouvir histórias de montão são as palavras que traduzem o trabalho feito com o G3. Nesse semestre,

Leia mais

METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE. Número de aulas semanais 4ª 2. Apresentação da Disciplina

METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE. Número de aulas semanais 4ª 2. Apresentação da Disciplina METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE Série Número de aulas semanais 4ª 2 Apresentação da Disciplina Considerando a necessidade de repensar o ensino da arte, faz-se necessário refletir sobre este ensino em sua

Leia mais

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL.

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. ANA PAULA CORDEIRO ARTE ARTE? O QUE É? QUAL SUA NECESSIDADE? QUAL SUA FUNÇÃO? ARTE: O QUE É? ARTE Uma forma de criação de linguagens- a linguagem visual,

Leia mais

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo.

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Palavras-chave: teatro narrativo; corpo vocal; voz cênica. É comum que

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

O SISTEMA NERVOSO NA RELAÇÃO PERCEPÇÃO-AÇÃO NO CORPO QUE DANÇA

O SISTEMA NERVOSO NA RELAÇÃO PERCEPÇÃO-AÇÃO NO CORPO QUE DANÇA 7º Seminário de Pesquisa em Artes da Faculdade de Artes do Paraná Anais Eletrônicos O SISTEMA NERVOSO NA RELAÇÃO PERCEPÇÃO-AÇÃO NO CORPO QUE DANÇA Carolina Madsen Beltrame 137 Faculdade De Artes Do Paraná

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA"

Mostra de Projetos 2011 PROJETO DIREITO E CINEMA Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA" Mostra Local de: Cornélio Procópio. Categoria do projeto: Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido). Cidade: Cornélio

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Expressar curiosidade e desejo de saber; Reconhecer aspetos do mundo exterior mais próximo; Perceber a utilidade de usar os materiais do seu quotidiano;

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC PROFª NAIR LUCCAS RIBEIRO Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Componente

Leia mais

A TEORIA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO MATEMÁTICA DE PROFESSORES EM AMBIENTES VIRTUAIS *

A TEORIA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO MATEMÁTICA DE PROFESSORES EM AMBIENTES VIRTUAIS * A TEORIA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO MATEMÁTICA DE PROFESSORES EM AMBIENTES VIRTUAIS * Joserlene Lima Pinheiro Universidade Estadual do Ceará Marcilia Chagas

Leia mais

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA Ementas das Disciplinas de Educação Física Estão relacionadas abaixo, as ementas e a bibliografia dos diferentes eixos curriculares do Curso, identificadas conforme os ciclos de formação: Ciclo de Formação

Leia mais