A IMAGEM DO FEMININO NO BALÉ CLÁSSICO E NA DANÇA MODERNA NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A IMAGEM DO FEMININO NO BALÉ CLÁSSICO E NA DANÇA MODERNA NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX"

Transcrição

1 A IMAGEM DO FEMININO NO BALÉ CLÁSSICO E NA DANÇA MODERNA NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX Aline dos Santos Lopes (UNICAMP) * Resumo Esta pesquisa propõe uma investigação comparativa entre o balé clássico e a dança moderna, na primeira metade do século XX, com base nas críticas emitidas pelas escolas de dança moderna ao balé clássico, na tentativa de entender como as escolas de balé clássico sobreviveram a essas críticas, e que influências exerceram no ensino e no desenvolvimento dessa arte, até os dias de hoje. Focamos ainda, a questão da mudança do papel feminino na história da dança, pois no balé clássico, inicialmente, os homens é que determinaram os padrões de movimento e expressividade, enquanto na dança moderna este papel foi exercido pelas mulheres. Embora tanto o masculino como o feminino estejam presentes na dança, esta dissertação enfatizará o feminino, respeitando a diferença entre a imagem do feminino e a imagem feminina. A imagem feminina, ou da mulher, é a representação de uma relação cultural e biológica de gênero, estabelecida entre a mulher e determinados símbolos, como o rosa, a delicadeza, a passividade, a meiguice, a flor. Palavras-chave: Balé. Dança. Mulher. Feminino. Arquétipo. Introdução O balé clássico surgiu com o Renascimento, como divertimento nas cortes europeias da França e da Itália. A partir daí, seu desenvolvimento e expansão não cessaram, difundindo-se pelos quatro cantos do mundo. Como no século XX vários movimentos vanguardistas questionavam a validade das antigas ideias sobre religião, ciências, sociedade e artes, a cultura ocidental sofreu várias mudanças. Uma delas, que * A autora é mestre em Educação (2007), bacharel em Dança (1993) e Licenciada em Dança (1995) pela UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas. Atualmente, é Professora e Coordenadora de eventos de Dança na Prefeitura Municipal de Barueri. 1

2 dizia respeito à condição sociocultural da mulher, determinou uma série de modificações no seu desempenho profissional. É nesse clima de insatisfação que surge a chamada dança moderna, como uma recusa ao tecnicismo estéril pelo qual a dança clássica tinha se enveredado. Isadora Duncan (1989, 1996), uma das pioneiras da dança moderna, assina várias dessas críticas, principalmente as que se referem às técnicas da dança clássica, pois sua concepção de dança e expressividade eram bem diferentes. Com uma maior participação da mulher na sociedade culta, não é à toa que a dança moderna tenha sido iniciada por três mulheres: Isadora Duncan, Ruth Saint Dennis e Loie Fuller. Apesar dos grandes avanços nos direitos da mulher, ainda hoje, o gênero feminino tem uma participação mais restrita em vários setores. Como já vimos, há uma diferença essencial entre mulher gênero e feminino arquetípico. Não é propósito deste trabalho entrar, em profundidade, no conceito do arquétipo e seus representantes, mas é importante que sejam apresentados conceitualmente, pois aparecem com importância na análise das diferenças entre o balé clássico e a dança moderna, em especial na obra de Martha Graham (1993). A imagem do feminino foi estudada por meio dos arquétipos, com base na psicologia profunda de Carl Gustav Jung (1990, 1991, 2003, 2006). Com base nessas leituras, podemos afirmar que arquétipos são conteúdos do inconsciente, que surgem na consciência por meio de imagens simbólicas. No balé clássico a imagem do feminino pode assumir características da anima, um dos arquétipos junguianos, que corresponde à metade da psique humana, estando, portanto, presente tanto no homem, como na mulher. A anima é responsável pela imagem da mulher no imaginário masculino, e assume características simbólicas como forma de expressão; é importante que disso nos conscientizemos, pois a história do balé foi primordialmente encenada por homens. 1 O balé clássico e a dança moderna A dança é uma atividade inerente à humanidade. Em todas as civilizações e sociedades nos parece que a dança sempre se fez presente, cumprindo os mais variados papéis. Para Antonio José Faro (1986, p. 13), em nossos dias, podemos dividir a dança em três formas distintas: a étnica, a folclórica e a teatral. Para ele, também uma descende da outra, exatamente na ordem citada. Nesta divisão foi deixada de lado a dança de salão. 2

3 A evolução da dança seguiu este trajeto: o templo, a aldeia, a igreja, a praça, o salão e o palco. O salão inclui todas as danças que passaram a fazer parte da vida da nobreza europeia da Idade Média em diante. [...] Podemos situar o aparecimento dessas danças na época em que a religião católica diminuía seu afã de proibir tudo aquilo que cheirasse a pecado ou a uma ligação com o vencido paganismo. [...] Os especialistas em danças medievais são praticamente unânimes em apontar que as danças de salão, que floresceram entre a nobreza europeia, descendem diretamente das danças populares. Ao serem transferidas do chão de terra das aldeias para o chão de pedra dos castelos medievais, essas danças foram modificadas, abandonou-se o que nelas havia de menos nobre, transmudando-as nos loures, nas alemandas e nas sarabandas dançados pelas classes que se julgavam superiores. (FARO, 1986, p ) Posteriormente, foram havendo outras modificações e as danças de salão, como as que podemos apreciar atualmente, em nosso país, vieram com a nobreza e foram misturando-se com outros ritmos, como por exemplo, o africano e o caribenho. As danças étnicas e folclóricas estão ligadas às manifestações religiosas dos povos, que pouco a pouco foram se transformando. Ao passarem do domínio dos sacerdotes para o domínio do povo, as manifestações religiosas transformaram-se em manifestações populares (Ibidem, p. 14). Das primeiras manifestações de dança que podem ser consideradas teatrais temos: espetáculos no Império Romano que apresentavam dançarinos, pouco mais do que acrobatas ou saltimbancos. Suas danças eram complementos de exibições que hoje em dia consideramos circenses; temos, também, o serviço de escravos-bailarinos na Índia e na China, que dançavam para o deleite dos soberanos e da nobreza. Tanto o balé clássico quanto a dança moderna podem ser consideradas danças teatrais. Durante muito tempo as danças teatrais foram privilégio das cortes e, só aos poucos, o povo foi tendo acesso aos espetáculos que a princípio foram destinados apenas às minorias. 2 O Surgimento do Balé e seu Desenvolvimento A tradição histórica aponta que o balé surgiu como uma junção das acrobacias dos ciganos e saltimbancos, das danças dos camponeses e da graça artística dos cortesãos. O germe daquilo que se converteria no balé foi levado à França por Catarina de Médicis, que queria manter os filhos entretidos enquanto ela se preocupava em governar. A rainha então exportou da Itália artistas e cortesãos especializados na preparação de luxuosos espetáculos, e encomendou-lhes um sem-número de diversões que deveriam manter a corte distraída durante boa parte do tempo. [...] Os temas escolhidos eram 3

4 geralmente mitológicos, e o rei sempre desempenhava o papel da divindade vencedora, adorada pela corte circundante. (FARO, 1986, p. 32) A primeira montagem significativa do balé foi o Ballet comique de la reine, de Balthasar de Beaujoieux, apresentado no dia 15 de outubro de Beaujoieux, ao se cercar de cuidados para que sua obra saísse a melhor possível, sem querer estabeleceu as bases de uma nova forma de arte. (Ibidem, p. 33) O balé, como arte mais aproximada do que conhecemos atualmente, teve início na Renascença. Ainda é muito discutido o fato do balé ter sido criado na França ou na Itália. Mas, certamente foi Luís XIV, que reinou na França de 1643 a 1715, quem deu apoio oficial à nova arte, com a criação da Academie Royale de la Musique, que atualmente são a Escola e o Balé da Ópera de Paris. Luís XIV apresentou-se pela primeira vez como bailarino aos treze anos de idade. Desde então, o balé clássico teve uma evolução muito grande. Nessa época, os grandes papéis e movimentos mais elaborados no balé eram privilégio dos homens. A questão da liberação feminina por meio da dança pode ser vista por vários ângulos. Um deles é o uso do figurino. Na corte francesa e italiana, onde teve origem o balé, o papel da mulher na dança era secundário, pois envoltas em saias compridas com pesadíssimas armações, não tinham condições de realizar saltos ou movimentos que exigissem agilidade com as pernas, limitando a mulher à realização de movimentos em grupos, que formavam desenhos geométricos no espaço, e movimentos de mãos e braços. As longas saias só foram encurtadas em 1721, pela primeira bailarina Marie Camargo. A visão de seus delicados pés provocou escândalo, na época. Outra bailarina, da mesma época, a inovar o vestuário de dança foi Marie Sallé, que chegou a usar um vestido simples de musseline e nenhuma joia ou ornamento. Segundo Monteiro (1998), Jean Georges Noverre foi outra figura importantíssima para o desenvolvimento da arte do balé. Foi o primeiro, reconhecidamente, a levantar bases teóricas, o que transcreveu em suas famosas Cartas Sobre a Dança, publicadas em Para Noverre (apud MONTEIRO, 1998), o bailado deve ser um drama dançado, correspondendo ao drama falado ou cantado, seguindo a teoria da Poética de Aristóteles. Nesse contexto do começo do século XIX, surge o romantismo, consequência da Revolução Francesa, que provoca uma radical modificação na vida dos povos europeus. No mundo do bailado, Marie Taglioni (1804 a 1884) torna-se a bailarina mais 4

5 conhecida da era romântica. Filha do maitre de ballet Filippo Taglioni, é a primeira bailarina a dançar na ponta dos pés adotando as sapatilhas adequadas. Talvez o balé mais famoso composto nessa época seja Gisele, até hoje interpretado por companhias do mundo inteiro. A grande força de sobrevivência destes grandes balés, tidos atualmente como balés de repertório, pode estar na receita de Noverre (apud MONTEIRO, 1998): o drama deveria ser acompanhado de um grande cuidado na composição da coreografia, figurinos, cenário e música; é o que podemos chamar de grandes produções. Outra hipótese para a sobrevivência dos balés de repertório, a despeito de toda a crítica da modernidade a respeito dele, é o fato de trabalhar com temas arquetípicos, existentes em todas as civilizações e sociedades. A mulher chega ao auge da importância no balé romântico; esta escalada já vinha sendo trilhada pela mudança no traje e nos enredos; com a sapatilha de ponta ela sobe ao topo do etéreo e conquista as grandes plateias. Existia também uma idealização da mulher no romantismo, como figura ligada à pureza e à beleza, o que é percebido nos balés dessa época. No final do século XVIII, o foco da dança começa a mudar em direção à antiga União Soviética. Graças ao apoio dado pelo regime comunista, vários professores franceses e italianos escolheram a União Soviética para se firmarem como profissionais do balé. O mais conhecido deles é certamente Marius Petipá que nasceu em 1818, em Marselha. Era filho do bailarino e professor Jean-Antoine Petipa e da atriz Victorine Grasseau. Começou a estudar dança aos sete anos. Em 1831 estreou em Bruxelas e aos 16 anos foi ser primeiro bailarino em Nantes. Depois de diversas viagens trabalhou na Espanha e na França até que, em 1849, foi convidado para ser primeiro bailarino em São Petersburgo. Coreografou um número imenso de balés. Entre eles os imortais: Dom Quixote (1869), O Lago dos Cisnes (1875), La Bayadere (1875), A Bela Adormecida (1890) e Raymonda (1898). Trabalhou com grandes músicos como Pugni, Minkus, Glazunov e Tchaikovsky. 3 A dança moderna e suas críticas ao balé clássico ou acadêmico No início do século XX, foram vários os movimentos vanguardistas que questionavam a validade das antigas ideias sobre religião, ciências, sociedade e artes. Walter Benjamin, filósofo alemão nos diz que: 5

6 Sempre foi uma das tarefas essenciais da arte a de suscitar determinada indagação num tempo ainda não maduro para que se recebesse plena resposta. A história de cada forma de arte comporta épocas críticas, onde ela tende a produzir efeitos que só podem ser livremente obtidos em decorrência de modificação do nível técnico, quer dizer, mediante uma nova forma de arte. (BENJAMIN, 1975, p ) Este clima de insatisfação repercute na dança: Todo o movimento que se chamou Dança Moderna surgiu por volta de 1890 quase simultaneamente dos movimentos corporais de Isadora Duncan, Loie Fuller e Ruth St. Dennis. As três tiveram em comum sua origem no teatro e dança como produto espontâneo da própria vida. (DE VECCHI, 1975, p. 02) Surgiu como uma reação ao tecnicismo da dança clássica. A mulher é uma presença marcante nessa inovação. Enfatizamos o trabalho de Isadora Duncan, entre as pioneiras, pois foi aquela que, dentro do material que avaliamos sobre dança moderna, demonstrou maior interesse nas questões da mulher. Isadora Duncan nos conta que começou a dançar no ventre materno. Sua mãe era musicista e divorciada de seu pai. Isadora Duncan (1989) conta que teve uma infância muito pobre materialmente, mas por esta condição aprendeu a lutar por sua sobrevivência desde pequena e isto lhe rendeu experiências que a levaram a uma maturidade precoce, que, segundo ela, não teria alcançado se viesse de uma família mais abastada. Feminista, desde a mais tenra idade já aliava a dança à revolução. Aos seis anos reúne meia dúzia de crianças da vizinhança e diz à sua mãe que era sua escola de dança, e assim, teve início o que mais tarde seria uma ocupação lucrativa, além de atividade que iniciou uma verdadeira revolução na dança enquanto arte no ocidente. Aos dez anos, interrompe seus estudos para dedicar-se ao ensino da dança. Isadora, como toda criança inteligente e sensível, faz severas críticas ao regime escolar, onde é obrigada a decorar informações consideradas desnecessárias por ela; ficar sentada, imóvel e quieta num regime que, segundo sua comparação, mais parecia uma prisão. Desde pequena, reflete sobre a condição de desvantagem que parecia recair sobre a mulher daquela época, que não se casa e a subserviência a qual a mulher é obrigada a se submeter dentro do casamento, além do preconceito enfrentado pelas mães solteiras e mulheres separadas ou divorciadas, como sua mãe. Profundamente abalada pela injustiça que este estado de coisas cria à situação das mulheres, decide lutar contra o casamento e a favor da libertação das mulheres. Escreve Garaudy (1980, p. 65) que, de acordo com suas ideias de liberdade, Isadora Duncan não deixou uma escola, nem uma doutrina e nem uma técnica, ao 6

7 contrário de Denishaw ou Martha Graham, que a sucederam. Ela trouxe o novo espírito que tornaria possível a grande renovação, o nascimento e o desenvolvimento da dança moderna e, de certa maneira, também esboçou os princípios da futura técnica desta dança. Duncan (1989, 1996) foi precursora em pesquisar o movimento-chave, a partir do qual decorreriam sequencias de movimentos, que provinham de cada emoção específica, num encadeamento natural. Ela sonhava descobrir um movimento inicial, do qual nasceria toda uma série de outros movimentos. Frequentemente, os períodos de criação dentro da história começam por uma revolta e uma transgressão. Na história da dança moderna, Isadora Duncan começou pela negação do balé clássico e, antes de criar uma arte litúrgica, se opôs à concepção individualista do teatro. Segundo Brito (1980), dentro de um quadro mais amplo, que incluiu também outras manifestações artísticas, além da dança, podemos dizer que a liberdade moderna era, sobretudo, uma revolta, um desejo crítico frente às coisas e valores instituídos e não somente uma afirmação de novas possibilidades. Todas as formas de arte abandonam as regras rígidas herdadas da arte tradicional num arrojo de inovações. Isadora Duncan (1989) nos conta que começou a estudar balé, mas não se sentiu satisfeita com a técnica utilizada, denominando-a de ginástica rígida e vulgar, mais tarde, quando visitou a Escola Imperial do Ballet Russo, denominou-a de inimiga da natureza e da arte. Analisa também o ensaio de Pavlova, bailarina russa, dizendo que ela parecia ter corpo de aço e que todo esse treino parecia ter por escopo separar completamente os movimentos do corpo dos da alma, o que era oposto à sua forma de dança, na qual o corpo se torna transparente e não é mais do que o intérprete da alma e do espírito. Estas características do balé clássico expostas por Isadora Duncan nos mostram a sobrecarga física e emocional às quais um bailarino pode se submeter a fim de realizar a movimentação imposta pela linguagem. Entretanto, mesmo que muitos autores tenham o balé clássico ou acadêmico como uma técnica antiga e ultrapassada, esta forma de expressividade artística sobreviveu e absorveu as críticas da modernidade. Existem escolas clássicas que foram fundadas muitos anos depois destas críticas da vanguarda modernista do início do século passado. Como exemplo da sobrevivência do balé clássico na América do Sul, temos a Escola de Balé Cubana fundada por Alicia Alonso. Como o Brasil, Cuba também não tinha tradição na dança clássica até a 7

8 fundação dessa escola. A Escola Cubana também é uma das mais recentes escolas de balé clássico tendo sua estruturação técnica que, embora siga todos os preceitos da dança clássica, com grande influência da escola russa, busca uma maior adequação ao tipo físico e características socioculturais dos cubanos. 4 Martha Graham, a Imagem da Mulher e do Feminino (Arquetípico) Martha Graham (1993) não quis identificar-se com os ritmos da natureza, como Isadora Duncan. Dizia que no corpo de um bailarino devemos, como espectadores, tomar consciência de nós mesmos. Não devemos procurar uma imitação das ações cotidianas, dos fenômenos da natureza e de criaturas exóticas de outro planeta, mas sim alguma coisa do milagre que é o ser motivado, disciplinado e concentrado. Estudou com Ruth Sain t Dennis, mas quando deixou sua escola dizia que estava saturada de dançar os deuses hindus e os ritos astecas. Queria falar sobre os problemas de sua época, em que a máquina perturbava os ritmos do gesto humano e onde a guerra fustigou as emoções e desencadeou os instintos. Suas coreografias, geralmente eram dançadas de pés descalços, em movimentos mais angulosos e próximos do chão. Em consequência de sua compreensão da anatomia feminina, observou a questão do maior peso do quadril na mulher, e por isso, sua técnica não prioriza saltos. É a terra, suporte e nutrição para o feminino imortalizado em movimento e conteúdo poético. Para ela, a vida, contrariamente à tradição puritana, seria uma aventura, uma forma de expansão do homem que exige extrema sensibilidade para ser realizada com graça, com dignidade e com eficácia. O corpo e a alma estariam implicados de forma indivisível nesta experiência da vida, e a arte só poderia ser vivida por um ser total. Só uma sensibilidade apurada e exaltada realizaria esta concentração no instante que é a verdadeira vida. Somente esta concentração, adquirida por meio da disciplina e da energia, produziria os verdadeiros grandes bailarinos. Para Martha Graham (1993) os dançarinos são o que há de mais bonito na criação divina. Também considerada dramaturga, ela acreditava ser o teatro e a dança, uma mesma coisa. Não via o teatro como arte da palavra ou da mímica, mas, um jogo de formas e movimentos não realistas, mas significativos e provocantes, conclamando à celebração litúrgica da vida. A técnica é o que possibilita que o corpo do dançarino exprima sua plena expressividade. Adquirir a técnica da dança tem apenas um fim: treinar o corpo para responder a qualquer exigência do espírito que tenha a visão do que 8

9 quer dizer. O propósito de Martha Graham é fazer com que a energia do mundo vivo passe através da sua obra e lhe dê a vida. Para atingir esta meta, ela transformou profundamente o vocabulário e a sintaxe da dança. (GARAUDY, 1980, p. 98) O ponto de partida desta técnica nova é o ato fundamental da vida: o ato de respirar. O fluxo e o refluxo da respiração estão intimamente ligados aos movimentos do tronco, que se contrai para expirar e se dilata para inspirar. Há, pois, um momento de contração em si, de todas as forças da vida ritmadamente seguido de uma expansão para o mundo, fluxo e refluxo, tensão e extensão, contração e descontração. Martha Graham trouxe assim a solução para o problema entrevisto por Isadora Duncan: o de um movimento-chave, a partir do qual se desencadeariam sequencias de movimentos. (Ibidem, p. 99) Outro princípio da técnica de Martha Graham é intensificar o dinamismo do ato, por isso, sua técnica concentra-se em contrações musculares. Martha Graham descobriu, para a dança, um estilo muito próximo da pintura, da arquitetura e da poesia modernas. Em 1930, ela dizia: Como os pintores e arquitetos modernos, afastamos os ouropéis decorativos. Da mesma forma que os floreios desapareceram de nossas casas, a dança deixou de ser rendilhada; menos bonita, ela é mais real. (GRAHAM apud GARAUDY, 1980, p. 102) Segundo Garaudy (1980), a leitura de Platão levou Martha Graham à conclusão de que a mitologia era a psicologia de outra época. Freud e depois Jung com sua concepção dos arquétipos, inspiraram-lhe o desejo de tornar visíveis as realidades interiores escondidas sob os símbolos aceitos, segundo suas próprias palavras. (GARAUDY, 1980, p. 95) Em Primitive Mysteries, de 1931, temos o impacto, no espírito de uma mulher, do nascimento virginal, da Crucificação e da Ressurreição, como momentos a serem temidos e exaltados no desenvolvimento humano (Ibidem, p. 93). É a sequência dos ritos de iniciação. Em Seraphic Dialogue, de 1955, Martha Graham é Joana D arc, papel que vive com grande força de interpretação, é o ideal do herói transposto para a condição de ser mulher. Em 1958, compõe Clitemnestra, (...) encarnando todas as faces da mulher: alternada e simultaneamente (pois o tempo está suspenso e Clitemnestra já se encontra no mundo subterrâneo), a rainha que governa com autoridade viril, a esposa e assassina de Agamênon, a amante enlouquecida de Egisto, a mãe apaixonada até a demência de Ifigênia, a tigresa vingadora de Electra e Orestes. No último 9

10 momento, num único ato de amor, cumpre-se sua redenção. (GARAUDY, 1980, p. 93) Uma de suas mais famosas coreografias é Appalachian Spring, estreada no ano de 1944, em Washington, pela Companhia de Dança Martha Graham. Outra coreografia de grande sucesso é Frontiers, estreada em Evoca o espírito do país onde Graham nasceu, o sentido da fronteira sempre em movimento, das vastas planícies e da vontade que um povo tinha de conquistá-la. O cenário consistia de uma barra sobre um fundo de veludo preto, no meio do palco. Na barra estavam presas duas cordas, como dois trilhos que se perdem ao longe. Pela amplitude de movimento e impulsos em ondas sucessivas que Graham realizou neste trabalho, podemos perceber presente o infinito no espaço deserto, como um território sem fim para a conquista com a ousadia do homem. O inovador é que quem assume o papel do conquistador é a mulher que começava a despontar, na época, como a grande força de trabalho nos Estados Unidos. Em Night Journey, dramatiza, através da dança, o complexo de Édipo, mas tem a genialidade de inverter a ordem histórica. Enquanto na tragédia de Sófocles, a rainha Jocasta se apaixona e casa com um jovem cujo passado desconhece, Graham começa a peça com a cena em que Jocasta vai cometer o suicídio, vivenciando desde o início o paroxismo de sua paixão pelo amante ao mesmo tempo em que se sente culpada. Deep Song, de 1937, fala sobre a Revolução Espanhola. Em Immediate Tragedy retrata a Guerra da Espanha ao mesmo tempo em que Picasso pintava Guernica, com inspiração semelhante. Martha Graham teve como parceiro responsável por vários de seus cenários o célebre escultor Isamu Noguchi, autor de ambientes ao mesmo tempo de uma simplicidade oriental e carregados de profundidade simbólica e poesia. 5 Exemplos temáticos e imagéticos no balé clássico e na dança moderna Formas e imagens relacionadas ao feminino e ao masculino dentro da linguagem do balé clássico e da dança moderna Podemos definir forma como aquilo que resulta da relação estabelecida entre as fronteiras de uma coisa e o espaço que a contém. Entretanto, a forma de uma coisa para Rudolf Arnheim (1962, p. 32) não coincide necessariamente com os limites efetivos do corpo físico. A verdadeira forma de um objeto constitui-se por suas características essenciais. Ele ressalta que a forma é uma mistura do momento da observação com a soma de experiências sensíveis ocorridas durante nossa vida. 10

11 É Susanne Langer (1980, p. 36) quem nos traz a definição de forma significante, cunhada pelo crítico de arte Clive Bell, que pode ser aplicada a todas as expressões artísticas, inclusive à dança, por extensão. Ela é a essência de toda arte. Que qualidade é partilhada por todos os objetos que provocam nossas emoções estéticas?... Apenas uma resposta nos parece possível a Forma Significante. A essas relações e combinações de linhas e cores, a essas formas estéticas concorrentes, chamo de Forma Significante ; e a Forma Significante é a qualidade única comum a todas as obras de arte visual. (BELL apud LANGER, 1980, p. 35) Definir o que é uma imagem é tarefa complicada. Mas a importância da imagem dentro do campo das artes é inegável. A imagem é por si uma disciplina do conhecimento humano. A imagem não é um conceito; ela prescreve uma das mais importantes formas de organização da sociedade. (FRANCASTEL, 1987, p. 19) Podemos estudar a imagem de duas maneiras distintas: as imagens referenciais que não são herdadas e a imagem primordial. As imagens referenciais configuram-se em cada pessoa a partir de sua própria experiência, como imagem qualificada pela cultura. Sua visão é, ao mesmo tempo, pessoal e cultural. Já a imagem primordial, ou arquétipo do inconsciente coletivo, se compõe de conteúdos do inconsciente que podem aflorar no consciente, em forma de imagem simbólica. Neste caso, parece existir uma herança, pois culturas diferentes apresentam semelhanças quando se trata da questão dos arquétipos, que serão definidos mais adiante. Nessa perspectiva, a alma da arte é uma forma de renovação do imaginário (Ibidem, p. 32) e as obras de arte são modelos, modelos do possível e não do fixado com antecedência (Ibidem, p. 36). Esta reflexão de Francastel (1987) é importante para a dança, em que os personagens podem ser vistos como modelos vividos de maneira diferente por cada bailarino, e é onde está a verdadeira arte. Outra observação do autor é a de que cada sociedade tem a capacidade de renovar os modelos (Ibidem, p. 36), e também a de que a imagem sempre demanda uma leitura pelo espectador e, portanto carrega em si dois vetores: o do criador e o do vedor. Sobre isso, escreve Jacques Aumont (1993) que dentro das principais abordagens do espectador da imagem, há uma antropologia das imagens e ele propõe um estudo antropológico da imagem em relação ao homem em geral. A imagem é universal, mas sempre particularizada (Ibidem, p. 131). Embora a imagem do feminino tenha sido muito explorada dentro do balé clássico, podemos falar que pela forma de 11

12 projeção do movimento (retilínea) e a objetividade dos temas, o balé clássico apresenta linguagem voltada ao masculino, já que foi primeiramente concebida por homens. Na dança moderna, as formas arredondadas e sinuosas, assim como as contrações remetem ao feminino, ao emocional. O corpo feminino sofre muito mais alterações no correr da vida do que o masculino. O balé trabalha com um encaixe corporal mecânico das articulações, que remete à racionalidade, característica considerada masculina. A dança moderna priorizou, desde o início, a emoção e o sentimento que o dançarino possa expressar, o que foi concebido a partir das reações de indignação provocadas pela enorme valorização do virtuosismo no balé clássico e pela presença rarefeita da representação das emoções. Se uma das características da dança moderna é a de tratar temas ligados à realidade, o balé, também tem obras que apresentam pessoas comuns, como La Fille Mal Gardée e Dom Quixote, onde não existe nenhuma fada, princesa ou moça transformada em cisne. No balé clássico, como na dança moderna, existem temas fantásticos e outros voltados à realidade. A principal diferença postural entre estas duas modalidades é o uso da sapatilha de pontas e a relação estabelecida com a gravidade. Estar na ponta dos pés nos passa uma sensação de leveza, de poder flutuar, e esta imagem está ligada ao sagrado, pois em várias culturas os santos e deuses levitam. A dança moderna, em vários de seus movimentos tentou romper com esta imagem que julgava artificial, mas desde o seu início apresentou temas ligados ao sagrado, com os exemplos de coreografias compostas por Ruth Saint Dennis e Martha Graham. 6 A Imagem Simbólica na Dança Com base na teoria peirceana, podemos dizer que representação é o processo de apresentação de um objeto a um intérprete de um signo (ou a relação entre o signo e o objeto). Pintura e fotografia são signos, mas também o são todos os existentes; simplesmente existem diferentes categorias de signos. Com base nessa visão, podemos dizer que a dança está prenhe de imagens simbólicas, desde as representações de danças nas cavernas, relacionadas aos homens pré-históricos. Mas, como podemos dividir as espécies de imagem? O Mundo das Imagens divide-se em dois domínios: concreto; 1) Imagens, como representações visuais atualizadas em qualquer suporte 12

13 2) Imagens, no domínio imaterial da nossa mente, aparecendo como visões, fantasias, imaginações, esquemas, modelos e representações mentais. (SANTAELLA; NOTH, 2005, p. 15) Estas definições existem para fins didáticos de estudo das imagens. Na prática, é muito difícil estabelecer onde começa e termina uma e outra. Elas se inter-relacionam. Podemos explicar esta inter-relação usando o próprio exemplo da imagem pintada nas cavernas pré-históricas. Quando observamos essa imagem, temos representação visualmente, no suporte concreto que é a parede da caverna. Mas, o homem préhistórico que produziu essa imagem, provavelmente, idealizou-a primeiramente como uma visão, uma representação mental ou até mesmo um sonho, caracterizando esta imagem, primeiramente, como sendo de domínio imaterial de sua mente. Nesse sentido, a dança foi e continua sendo, através dos tempos, carregada de simbolismos. O sol é adorado desde a pré-história e para muitos povos foi uma das primeiras referências da divindade. Na psicologia profunda de Carl Gustav Jung, chamamos símbolo a um termo, um nome ou mesmo uma imagem que nos pode ser familiar na vida diária, embora possua conotações especiais, além do seu significado evidente e convencional. Assim uma palavra ou imagem é simbólica quando implica alguma coisa além do seu significado manifesto e imediato. [...] Quando a mente explora um símbolo, é conduzida à ideias que estão fora do alcance da nossa razão. A imagem de uma roda pode levar nossos pensamentos ao conceito de um sol divino, mas, neste ponto, nossa razão vai confessar a sua incompetência: o homem é incapaz de descrever um ser divino. (JUNG, 2003, p ) Para Susanne Langer, um sinal é compreendido se serve para fazer-nos notar o objeto ou situação que indica. Um símbolo é compreendido quando conceber a ideia que ele apresenta (1980, p. 28). Na dança, como em todas as artes, a forma está revestida de linguagem simbólica. O símbolo aí se estende ao conjunto de formas que se desenrolam no espaço-tempo. Portanto, ela não se cristaliza em um momento, mas acontece em uma sucessão diferenciada. Na imagem existe, simultaneamente, uma múltipla relação de significados, de disposições e de proposições. A dificuldade de compreendermos as imagens dos sonhos, por exemplo, vem do nosso vício de linearidade. Escreve Barcelos (1991) que a incapacidade humana de experimentar e vivenciar a simultaneidade de significados de cada imagem, vem da necessidade de transformá-las em história, em temporalidade: uma coisa por vez, uma coisa depois da outra. 13

14 Na verdade, teve-se que assumir que o eu consciente é apenas um aspecto da psique, pois certas aparições, especialmente na vida anímica anormal, praticamente não podem ser esclarecidas de outra maneira que não seja a existência de regiões da alma externas à consciência do eu, e que não apenas os sonhos, mas muitas outras aparições e sintomas devem ser atribuídos aos conteúdos e atividades aí existentes. Essas áreas da alma externas à consciência são reunidas sob a denominação de "Inconsciente". Pesquisadores como Janet, Flournoy, Breuer, Freud e outros apresentaram provas da existência desse inconsciente psíquico. (JUNG, 2005, p. 14) Sabemos que a imagem no sonho é atemporal, não apresentando linearidade relativa a tempo e espaço. Os conteúdos do inconsciente, em oposição aos da consciência, se acham de tal modo contaminados que eles se distinguem muito pouco uns dos outros e por isso se substituem mutuamente com facilidade, o que de certo se pode observar de modo claríssimo nos sonhos. (JUNG, 1990, p. 216) Por meio da dança podemos contactar o mais profundo em nosso ser, reagindo ao mundo exterior e tentando apreender seus fenômenos, simultaneamente. Os movimentos rítmicos permitem criar e integrar as representações surgidas em sonhos e imaginações. No seu dinamismo, as imagens arcaicas, manifestam-se adequadamente através das formas de expressão mais antigas do homem, que são o gesto e a dança. (SILVEIRA, 1992, p. 98) 7 Mandala, Serpente e Cisne Símbolos de transcendência são aqueles que representam a luta do homem para alcançar o seu desenvolvimento total. A mandala, o cisne e a serpente são símbolos de transcendência. Podemos perceber sua presença na dança, razão pela qual foram escolhidas neste trabalho. Mandala é a palavra sânscrita que significa círculo, uma representação geométrica da dinâmica relação entre o homem e o cosmo. De fato, toda mandala é a exposição plástica e visual do retorno à unidade pela delimitação de um espaço sagrado e atualização de um tempo divino. A mandala circular representa o equilíbrio interno do homem. Este equilíbrio interior pode nos remeter à circularidade da alma, outra noção muito antiga. A alma repete-se infinitamente, e na repetição está uma tentativa de aprofundamento. As formas circulares estão presentes nas várias linguagens de dança. No balé clássico temos vários movimentos de giro, onde descrevemos círculos no solo e no espaço aéreo. São as piruetas, os fouettes e os doublé tours executados pelos bailarinos. 14

15 Semelhantes à mandala como símbolos de transcendência, os giros representam o ponto máximo do aperfeiçoamento técnico do bailarino. Os fouettes, giros consecutivos sobre a mesma perna, demonstram a força e equilíbrio da bailarina. Giros são os movimentos mais complexos do balé clássico, pois dependem de um exato equilíbrio dinâmico. Nesse sentido, podemos evocar Franz (1979), quando ela escreve que o espírito é o aspecto dinâmico da psique objetiva, ele é o que move, o que anima, o que inspira, o que engendra e ordena espontaneamente as imagens simbólicas no espaço interior, sendo que a mais simples e a mais imediata de suas formas de manifestação na psique é o número. O número também está ligado ao logos. As manifestações naturais e livres do centro psíquico caracterizam-se por quatro divisões, ou qualquer outra estrutura derivada da série numérica 4, 8, 16 etc. Nos balés de repertório, o número de fouettes realizado pela bailarina convencionalmente é de 16 ou 32, números da quaternaridade. Estes giros são repetidos 16 ou 32 vezes. Esta repetição pode querer simbolizar o equilíbrio do corpo e da alma. Esta característica é também uma exigência do ritmo musical quaternário que, geralmente, é utilizado no balé clássico. Enquanto no balé clássico temos o predomínio do ritmo quaternário, na dança moderna os ritmos são mais redondos (ternários). O número quatro significa estabilidade e o número três, movimento. Podemos perceber neste fato uma forte oposição. Vem de longe, dos subterrâneos da psique, a luta do três com o quatro (SILVEIRA, 1992, p. 162). Esta oposição e luta representam também a possibilidade de uma complementaridade. Jung, em sua pesquisa, trouxe a complementaridade como forma de resolver a luta dos eternos contrários. Dentre os símbolos primordiais, a serpente é um daqueles que encerra toda uma complexidade de arquétipos. Presente em todas as culturas de qualquer época espalhadas pelos cinco continentes, sua imagem mitológica assume sempre um papel fundamental, associada que está, antes de tudo, à essência primordial da natureza, à fonte original de vida, ao princípio organizador do Caos, anterior à própria criação. No balé de repertório La Bayadere, ambientado no Oriente, temos o trecho onde Nikia, apaixonada por Solor, oferece uma cesta de flores como presente de bodas a Solor e Gamizate, sua rival, onde se escondia uma serpente venenosa. Ela lancina Nikia e esta vem a falecer, vítima do envenenamento. Mais uma vez a serpente aparece como 15

16 símbolo de transcendência, como aquela que promove a passagem de Nikia para outra dimensão, onde apesar de longe do amado e da rival, seu sofrimento não é sanado. Outro de seus aspectos simbólicos é trazido por Silveira: A serpente é dos mais antigos símbolos de fertilidade em conexão com a Grande Mãe, tendo sido venerada como divindade da vegetação. Eis-nos no mundo matriarcal, onde a serpente é ao mesmo tempo atributo feminino e atributo masculino, ambos incluídos na unidade que é a essência da Grande Mãe. (Silveira, 1992, p. 106) A imagem do Uróboro, a serpente comendo-se a si mesma, que para Jung (2003, 2006) simboliza a dinâmica autorregulativa da libido, é uma representação muito eficaz da integração e da assimilação do oposto. O cisne é outro símbolo de transcendência que pode ser visto tanto na mitologia grega, como no balé clássico. No balé clássico de repertório temos duas obras que apresentam o cisne: A Morte do Cisne e O Lago dos Cisnes. Estas obras tiveram tanta repercussão, que mesmo os leigos, quando ouvem falar em balé, associam a imagem da bailarina à imagem do cisne. A Morte do Cisne é uma coreografia, que como o próprio nome nos sugere, mostra os últimos movimentos de um cisne em agonia. Esta coreografia, carregada de lirismo e poesia coloca-nos em contato com um dos principais símbolos da transcendência: a morte. Não é à toa que o animal escolhido para tal empreitada seja o cisne. 8 Os Símbolos do Feminino A imagem do feminino é, muitas vezes, simbolizada por animais: É talvez na religião egípcia que existem as mais propícias oportunidades para penetrarmos na significação simbólica dos animais em suas conexões com as divindades femininas. Enquanto o aspecto sentimental generoso, dispensador de alimento da Mãe Divina encontra na vaca (deusa Hator) adequada representação, sua irascibilidade, seu caráter terrível, encarnam-se no leão. O fascínio misterioso da deusa do amor, da alegria e da dança é representado pela gata. (SILVEIRA, 1992, p. 115) Na psicologia, o animal pode representar nosso lado instintivo, que se identifica melhor com o inconsciente do que com o consciente, com o corpo do que com a mente, e, por isso, tanto na dança como no feminino a imagem de animais encontra-se presente, como também em sonhos, contos de fadas e outras produções artísticas. Sobre o gato, tão estreitamente próximo da natureza feminina, representante adequado de aspectos da densa e complexa sombra das Maters pagãs às quais sempre esteve associado, recaiu também terrível perseguição. Era-lhe atribuído um importante papel nos rituais mágicos e acreditava-se até que as 16

17 feiticeiras se disfarçavam em gatos para cometer malefícios ou mesmo que demônios neles se encarnassem. (IBIDEM, p. 117) Na religiosidade cristã percebemos os símbolos do feminino, muitas vezes associados a elementos negativos, fazendo oposição às religiões pagãs, onde o elemento feminino era o início de tudo, a importância primordial, o vaso onde a vida nasce e ainda associado à terra. O homem esclarecido de nossa época costuma julgar os mitos, as histórias de fadas, os contos folclóricos, ingênuas fabulações inteiramente ultrapassadas. Entretanto, as produções do inconsciente de nossos contemporâneos, seus sonhos, apresentam ainda e sempre as mesmas imagens, os mesmos temas milenares. É que essas produções se plasmam segundo os arquétipos, fatores estruturais do psiquismo profundo, vivos e atuantes tanto ontem como hoje. (IBIDEM, p. 119) O balé clássico apropriou-se de histórias semelhantes aos contos de fadas, carregados de elementos arquetípicos. Talvez seja este o ponto pelo qual o balé clássico seja apreciado e entendido por pessoas das mais diversas etnias, classes sociais e idades. Existe o apelo da narrativa arquetípica, que é irresistível. Além disso, toda a sua configuração técnica também apresenta os mais variados elementos simbólicos. Um exemplo deste simbolismo dentro da técnica do balé é a configuração dos exercícios na barra, onde uma perna é movimentada para frente ou para o lado ou para trás, o que estabelece o formato de uma cruz e tem o nome, em francês, de en croix, que significa em cruz. A cruz é um símbolo da mais alta importância para as religiões. No balé Gisele, talvez o mais importante da era romântica, o segundo ato se passa no reino das Willis, moças que morrem vítimas do desgosto pela traição de seus noivos. Como se trata de um tipo de cemitério, o cenário é constituído por uma cruz, ao lado da qual Albrecht, o amado noivo de Gisele, no final do balé, amanhece com a flor oferecida por Gisele em uma das mãos, prova de que sua visão da amada morta não foi um sonho. Apesar da imensidão de anos que os separa, tanto o balé clássico, como a religião cristã, foram moldadas por homens. E, neste caso, houve uma ruptura com as religiões anteriores, consideradas pagãs. França e Itália, onde surgiu o balé clássico, tinham religiosidade predominantemente cristã na época; esta condição influenciou a arte e outras atividades. A imagem da bailarina da era romântica, etérea parece ter surgido da necessidade da assimilação do elemento feminino como algo puro, sem mácula, que pode ter sido influenciada até mesmo pelos moldes religiosos da época. No 17

18 século XIX, Marie Taglione usava uma cruz no pescoço e era chamada de a bailarina católica. 9 O arquétipo do feminino na Dança É cada vez mais comum, embora ainda não desprovido de alguns preconceitos, o estudo do inconsciente, dentro do processo artístico. Os trabalhos de Carl Gustav Jung tratam de forma especialmente aprofundada da pesquisa da estrutura do inconsciente e de seus conteúdos e diferencia um inconsciente pessoal de um impessoal ou coletivo. O inconsciente pessoal contém todas as aquisições da existência pessoal, tudo aquilo, portanto, que foi esquecido, reprimido, e percebido, pensado e sentido subliminarmente. Ao lado desses conteúdos inconscientes pessoais há, todavia, outros conteúdos que não se originam de conteúdos pessoais, e sim totalmente das possibilidades herdadas do funcionamento psíquico, ou seja, da estrutura cerebral herdada. Estes são os contextos mitológicos, os motivos e imagens que podem surgir novamente a qualquer momento e em toda parte sem tradição histórica e migração. (JUNG, 2005, p ) Arquétipos, na perspectiva junguiana, são fatores estruturadores tanto psíquica quanto fisicamente. São elementos que compõem o inconsciente coletivo, que providos de uma dinâmica, são levados à nossa consciência, em símbolos, por meio dos complexos pessoais, enquanto conteúdo do inconsciente pessoal. As sociedades humanas primitivas praticavam rituais nas ocasiões mais significativas da vida: nascimento, iniciação da vida adulta, caça, guerra, casamento, morte, sepultamento, bem como nos momentos mais marcantes do curso da natureza: rituais ligados à semeadura, à colheita, aos solstícios de verão e de inverno, etc. Assim, ficavam marcados os grandes acontecimentos do curso da vida, e toda a comunidade participava deles. Se seguirmos seus traços, vamos encontrar nos rituais primitivos a origem de dramas, danças, jogos, práticas religiosas e costumes humanos que persistem até hoje, sob várias formas. (SILVEIRA, 1992, p. 96) Muitos autores colocam a possibilidade da dança ter surgido, primeiramente, na forma de ritual; mas de qualquer forma que tenha surgido, não podemos negar que a dança, assim como a religião, seja uma atividade que busca uma integração do homem com algo que o próprio homem considera superior, talvez o próprio universo. O termo arquétipo vem do grego archétypos, sendo que arché significa princípio, origem, causa primordial, e typos significa marca, forma. Isso quer dizer que nossa vida psíquica é regida por princípios inerentes à própria natureza da psique. Os arquétipos não são marcas ou formas abstratas, ou impostas de fora, mas fatores dinâmicos, princípios formadores da vida. (HARDING, 1985, p. 7-8) Podemos dizer que a formulação do conceito de arquétipo foi a contribuição mais radical e importante de Jung (2003, 2006) para a história do pensamento ocidental. 18

19 Os arquétipos mais caracterizados são aqueles que, com mais frequência, afetam o ego: grande mãe, grande pai, persona, sombra, anima/animus, herói e self. O arquétipo da grande mãe está ligado, na mitologia, às deusas, como Shakti, Gaia e na religiosidade judaico-cristã à Virgem Maria. Está ligado também à terra, à lua, às águas. O arquétipo do grande pai está ligado a Buda, Krishna e Shiva, como representantes da divindade masculina para a humanidade, e ao Deus único, na tradição judaico-cristã. A persona é a imagem, os personagens que vivemos socialmente, e que muitas vezes não correspondem ao que realmente somos ou sentimos. É a máscara que usamos para podermos nos adaptar socialmente. A sombra é uma parte inconsciente que não queremos ver, considerada por nós mesmos como defeito ou falha, e preferimos apontá-la nas outras pessoas. Geralmente é aquilo que mais nos incomoda no outro, por não termos consciência de que enxergamos no outro algo de nós mesmos, como se o víssemos num espelho. A anima é a parte feminina da psique masculina, e o animus, é a parte masculina da psique feminina, são investidos de grande significado, pois, pertencem, por um lado, à personalidade e, por outro, estão enraizados no inconsciente coletivo, construindo assim, uma espécie de elo entre o pessoal e o impessoal, bem como entre o consciente e o inconsciente. O arquétipo do herói é de mais fácil conhecimento e compreensão. Ele pode submergir do inconsciente quando temos alguma tarefa difícil de ser cumprida somente pelas forças conscientes. Como acontece com os arquétipos Junguianos, que surgem em nossas experiências psíquicas cada vez com nova roupagem, os temas na dança também se repetem. O que parece mudar é a qualidade da forma e imagem da coreografia. Podemos observar a anima nas inúmeras personagens do repertório do balé clássico, mas ela também aparece em obras da dança moderna. Ela parece estar emaranhada a outros arquétipos do feminino. Parvati, na mitologia hindu, é uma das formas da deusa Shakti, que seduz Shiva. Aqui encontramos os arquétipos do grande pai, da grande mãe, a anima, que é a imagem do feminino presente no homem e o animus, que é a imagem do masculino presente na mulher. Essas figuras de Shiva e Parvati, deus e deusa são participantes do casamento sagrado: união dos opostos que é o objetivo do processo de individuação, isto é, da 19

20 união mental, puramente intrapsíquica, do intelecto ou razão com os afetos (SILVEIRA, 1992, p. 156). Parvati, como a Virgem Maria na religião judaico-cristã, também pode representar o elemento de número quatro, o elemento feminino que promove a trindade masculina à quaternidade. Lembremos que na trindade cristã, falta o elemento feminino, que é completado pela Virgem Maria. Considerações Finais O quatro é o princípio feminino, a mulher. Nessa linha de pensamento, Jung interpreta o recente dogma da Assunção de Maria (translação ao céu do corpo da Virgem na ocasião de sua morte) como expressão de um movimento que vem de raízes inconscientes, no sentido de aproximar o feminino da trindade masculina. [...] A representante do princípio feminino no mundo cristão passa a ocupar situação de alta dignidade, muito próxima das Três Pessoas divinas. E, note-se, com o corpo da Mãe de Deus, a matéria penetra no reino do espírito. É propriedade intrínseca do arquétipo mãe sua relação com a terra e a natureza. Assim, pois, se a figura de Maria, moldada no arquétipo mãe, entra no céu com seu corpo, isso indica, diz Jung, união entre matéria e espírito, os opostos que pareciam inaproximáveis. (SILVEIRA, 1992, p. 161) Os arquétipos são difíceis de serem analisados isoladamente. Assim, quando falamos em arquétipo do feminino não estamos falando apenas da anima, mas podemos estar falando também da grande mãe, da persona e da sombra. O casamento sagrado ou arquetípico é uma das maiores representações da união dos opostos em busca da complementaridade. O problema da emancipação do feminino não é, portanto, um problema particular de algumas mulheres, mas o de toda a humanidade, pois trata-se, na realidade, da individuação de todo ser humano. (HARDING, 1985, p. 10) Entre o balé clássico e a dança moderna pode estar acontecendo o mesmo que acontece entre os outros opostos, num primeiro momento existe uma repulsa, até mesmo para que sua integridade original se mantenha, mas conforme o tempo vai passando, podemos descobrir que a dança moderna ainda pode manter elementos da dança clássica e que a dança clássica pode beneficiar-se de elementos da dança moderna, sem perderem suas identidades e integridade. Elas não precisam fundir-se, mas podem complementar-se. Para o bailarino erudito é muito importante que se beba nas duas fontes, tanto no calor do Rei Sol como no aconchego da Mãe Terra. 20

A Dança é a arte de mexer o corpo, através de uma cadência de movimentos e ritmos, criando uma harmonia própria. Não é somente através do som de uma

A Dança é a arte de mexer o corpo, através de uma cadência de movimentos e ritmos, criando uma harmonia própria. Não é somente através do som de uma Dança Desde 1982, no dia 29 de abril, comemora-se o dia internacional da dança, instituído pela UNESCO em homenagem ao criador do balé moderno, Jean- Georges Noverre. A Dança é a arte de mexer o corpo,

Leia mais

História da Arte - Linha do Tempo

História da Arte - Linha do Tempo História da Arte - Linha do Tempo PRÉ- HISTÓRIA (1000000 A 3600 a.c.) Primeiras manifestações artísticas. Pinturas e gravuras encontradas nas paredes das cavernas. Sangue de animais, saliva, fragmentos

Leia mais

Século XIX na Europa as inovações na arte. Predomínio do neoclassicismo ou academicismo

Século XIX na Europa as inovações na arte. Predomínio do neoclassicismo ou academicismo Século XIX na Europa as inovações na arte { Predomínio do neoclassicismo ou academicismo ANTIGUIDADE CLÁSSICA IDADE MÉDIA NEOCLASSICISMO OU ACADEMICISMO ROMANTISMO RENASCIMENTO BARROCO ROCOCÓ NEOCLÁSSICO

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Profª Doutora Daisy Barros Especialização em Ginástica Rítmica e Dança Ritmo é vida e está particularmente ligado à necessidade do mundo moderno. Cada indivíduo,

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO Aula 3.2-2 1. A Anunciação é uma das obras mais conhecidas de Leonardo da Vinci. Feita por volta do ano de 1472, ela retrata uma das cenas bíblicas mais famosas de todos os tempos. Escreva nas linhas abaixo

Leia mais

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual.

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual. Apresentação Este projeto é simples e pretende levar para o público algo de elevado conteúdo artístico. O orçamento da pré-produção e da produção é pequeno, já que a peça será encenada por dois atores

Leia mais

Arte Africana. 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino

Arte Africana. 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino Arte Africana 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino África O Brasil é um país mestiço, nossa cultura é composta de uma mistura de etnias. Parte relevante de nossa raiz cultural é o povo africano,

Leia mais

Em 1980, iniciei com a Dra. Nise da Silveira a realização de

Em 1980, iniciei com a Dra. Nise da Silveira a realização de Cinema O mundo das imagens Luiz Carlos Mello Em 1980, iniciei com a Dra. Nise da Silveira a realização de quinze documentários que sintetizam as principais pesquisas realizadas por ela e seus colaboradores.

Leia mais

I Curso de Preparação Coreográfica Específica para a Ginástica Artística

I Curso de Preparação Coreográfica Específica para a Ginástica Artística I Curso de Preparação Coreográfica Específica para a Ginástica Artística Local: Yashi Academia de Ginástica Olímpica Data: 1º de maio de 2009 Coordenação: Yumi Yamamoto Sawasato Professora: Valeria Lakerbai

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

A IMAGEM COMO TRANSMISSORA DE CONHECIMENTO. Korina Costa

A IMAGEM COMO TRANSMISSORA DE CONHECIMENTO. Korina Costa Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 155 A IMAGEM COMO TRANSMISSORA DE CONHECIMENTO Korina Costa Arquiteta e Urbanista, Especialista em Docência do Ensino

Leia mais

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto.

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto. MITO Mito vem do Grego MYTHÓS, que tinha um grande número de significados dentro de uma idéia básica: discurso, mensagem palavra, assunto, invenção, lenda, relato imaginário. Modernamente está fixada nestes

Leia mais

COLÉGIO MARISTA S.LUÍS ENSINO RELIGIOSO PROF.:Francisco Ferreira. Evolução histórica das reflexões sobre a Felicidade

COLÉGIO MARISTA S.LUÍS ENSINO RELIGIOSO PROF.:Francisco Ferreira. Evolução histórica das reflexões sobre a Felicidade COLÉGIO MARISTA S.LUÍS ENSINO RELIGIOSO PROF.:Francisco Ferreira Evolução histórica das reflexões sobre a Felicidade O Bem Pessoal e o Comunitário O que é o Bem? Bem é a qualidade de excelência ética que

Leia mais

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito.

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito. Objetivos Proporcionar o entendimento das características gerais do processo folclórico brasileiro; Estruturar o profissional de Eventos para conhecer particularidades de alguns acontecimentos que envolvem

Leia mais

1º Ano Artes 4ª Aula 2015 Prof. Juventino

1º Ano Artes 4ª Aula 2015 Prof. Juventino 1º Ano Artes 4ª Aula 2015 Prof. Juventino Contrapondo-se a Egípcia vida pósmortem. Arte grega fundamenta-se na inteligência Os governantes não eram deuses, mas seres mortais Usavam a razão e o senso de

Leia mais

Romantismo. Questão 01 Sobre a Arte no Romantismo, julgue os itens a seguir em (C) CERTOS ou (E) ERRADOS:

Romantismo. Questão 01 Sobre a Arte no Romantismo, julgue os itens a seguir em (C) CERTOS ou (E) ERRADOS: Romantismo Questão 01 Sobre a Arte no Romantismo, julgue os itens a seguir em (C) CERTOS ou (E) ERRADOS: 1. ( C ) Foi a primeira e forte reação ao Neoclassicismo. 2. ( E ) O romantismo não valorizava a

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo.

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Palavras-chave: teatro narrativo; corpo vocal; voz cênica. É comum que

Leia mais

Saiando Calcado na pesquisa de campo sobre figuras femininas relevantes dentro de suas comunidades e em cujo cotidiano estão presentes danças

Saiando Calcado na pesquisa de campo sobre figuras femininas relevantes dentro de suas comunidades e em cujo cotidiano estão presentes danças Saiando Calcado na pesquisa de campo sobre figuras femininas relevantes dentro de suas comunidades e em cujo cotidiano estão presentes danças tradicionais nas quais a saia tem forte papel expressivo, o

Leia mais

Mandalas. A Busca do Equilíbrio

Mandalas. A Busca do Equilíbrio Mandalas A Busca do Equilíbrio Mandalas A Busca do Equilíbrio Maria Tereza Franchi 3 Índice O Interesse pelas Mandalas... 15 Tudo é Mandala... 20 As Mandalas da Natureza... 23 O Uso das Mandalas... 25

Leia mais

EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II

EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II Músicas infantis. Danças, músicas e personagens folclóricos. Conhecer textos e melodias folclóricos; Entoar músicas do folclore brasileiro; Dançar músicas folclóricas; Imitar

Leia mais

1875 1900 Infância e juventude de Jung

1875 1900 Infância e juventude de Jung usuario: usuario: Hospital Hospital burghölzli burghölzli 1 --1900/1905 1900/1905 1875 1900 Infância e juventude de Jung 1875 Nasce em 26 de julho, em Kesawill, na Suíça, filho do Pastor Protestante Johann

Leia mais

Os sonhos e o inconsciente

Os sonhos e o inconsciente Os sonhos e o inconsciente Um fato conhecido de todos é que dormimos, em média, um terço de nossa vida. Portanto, quem vive 60 anos, dorme 20 anos e sonha cerca de cinco anos. Os 40 anos que vivemos acordados

Leia mais

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro sumário 9 prefácio. A lição aristotélica de Poe [Pedro Süssekind] 17 A filosofia da composição

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO CÓD. DISC. 17032441 CRÉDITOS UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA Evolução das Artes Visuais II ETAPA 2ª Período

Leia mais

O ARQUÉTIPO NA MANIFESTAÇÃO RELIGIOSA

O ARQUÉTIPO NA MANIFESTAÇÃO RELIGIOSA O ARQUÉTIPO NA MANIFESTAÇÃO RELIGIOSA Cristiano Corrêa de Paula 1 RESUMO: Utilizando-se do conceito formulado por Jung sobre manifestação religiosa, este artigo discorre sobre como se dá a manifestação

Leia mais

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA Geane Apolinário Oliveira UEPB Geane-cg@hotmail.com Introdução O presente artigo tem por objetivo enfatizar

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE CONCURSO VESTIBULAR

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE CONCURSO VESTIBULAR PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE CONCURSO VESTIBULAR D A N Ç A LEIA COM ATENÇÃO 01. Ao receber este caderno de prova verifique se contém 20 questões. Caso contrário, reclame ao fiscal da sala um

Leia mais

Contação de Histórias PEF

Contação de Histórias PEF Contação de Histórias PEF Qual a importância da narração oral? -Exerce influência tanto sobre aspectos intelectuais quanto emocionais da criança. -Tem a capacidade de estimular a imaginação, a criatividade

Leia mais

Casamento da Virgem, Matias de Arteaga- Barroco espanhol.

Casamento da Virgem, Matias de Arteaga- Barroco espanhol. Apresentação: A pintura escolhida para a leitura analítica intitula-se Casamento da Virgem, de Matias de Arteaga (1633-1703), pintor pertencente ao barroco espanhol. Entre suas obras estão Uma aparição

Leia mais

Metodologia do Ensino da dança na Educação Física A origem do Ballet

Metodologia do Ensino da dança na Educação Física A origem do Ballet UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CAMPUS ARAPIRACA CURSO - EDUCAÇÃO FÍSICA (LICENCIATURA) ITALO HENRIQUE LISBOA JOÃO HENRIQUE BALBINO JOSÉ CARLOS DA SILVA ROSANE MUNIZ DOS SANTOS WILLIANE SANTOS BARROS Metodologia

Leia mais

Idade Antiga GRÉCIA: Dicotomia corpo e mente;

Idade Antiga GRÉCIA: Dicotomia corpo e mente; GRÉCIA ANTIGA Idade Antiga GRÉCIA: Dicotomia corpo e mente; Diferentes classes sociais; Escravos (produção); Aristocratas (representação mostra de superioridade e desenvolvimento para outros povos artes,

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO TEXTO O termo Renascimento é comumente aplicado à civilização européia que se desenvolveu entre 1300 e 1650. Além de reviver a antiga cultura greco-romana, ocorreram nesse

Leia mais

A Idade Média e O Renascimento

A Idade Média e O Renascimento Estes textos são produzidos sob patrocínio do Departamento Cultural da Clínica Naturale.Direitos são reservados. A publicação e redistribuição de qualquer conteúdo é proibida sem prévio consentimento.

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR CURSO DE DANÇA LICENCIATURA

ESTRUTURA CURRICULAR CURSO DE DANÇA LICENCIATURA ESTRUTURA CURRICULAR CURSO DE DANÇA LICENCIATURA Código: 03 Matriz Curricular: DANÇA - Laranjeiras - Presencial - Noturno - Licenciatura Plena Período Letivo de Entrada em Vigor 2012-1 Carga Horária: Total

Leia mais

PROJETO DE LEITURA SUGESTÕES DE ATIVIDADES

PROJETO DE LEITURA SUGESTÕES DE ATIVIDADES PROJETO DE LEITURA URASHIMA TARO LÚCIA HIRATSUKA PARTE 1 PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: ATIVAÇÃO DO CONHECIMENTO PRÉVIO Atividade 1 SUGESTÕES DE ATIVIDADES Cada povo tem suas narrativas

Leia mais

Prof. Alexandre kikuti Np2. Questões RD Ritmo e Dança / 2014 (DP)

Prof. Alexandre kikuti Np2. Questões RD Ritmo e Dança / 2014 (DP) Prof. Alexandre kikuti Np2 Questões RD Ritmo e Dança / 2014 (DP) Questão 01 A Dança como ARTE é uma atividade humana que resulta de uma elaboração dentro de uma determinada cultura e estabelece íntima

Leia mais

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo 2 CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Habilidades: - Conhecer e distinguir diferentes momentos

Leia mais

www.portaledumusicalcp2.mus.br

www.portaledumusicalcp2.mus.br Apostila de Educação Musical 1ª Série Ensino Médio www.portaledumusicalcp2.mus.br O QUE É MÚSICA? A música (do grego μουσική τέχνη - musiké téchne, a arte das musas) constituise basicamente de uma sucessão

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

Núcleo 2.1 - Abordagem Junguiana: fundamentos teóricos e intervenção

Núcleo 2.1 - Abordagem Junguiana: fundamentos teóricos e intervenção Núcleo 2.1 - Abordagem Junguiana: fundamentos teóricos e intervenção Departamentos envolvidos: Psicodinâmica, Desenvolvimento, Psicologia Social e Métodos e Técnicas Professores: Eloisa Marques Damasco

Leia mais

Veio Gente. Símbolo Veio Gente Detalhamento. - Concepção.

Veio Gente. Símbolo Veio Gente Detalhamento. - Concepção. Símbolo Veio Gente Detalhamento - Concepção. A concepção do símbolo do projeto Veio Gente nasceu das explicações da idéia e do conceito do evento durante conversas que tive com a Cris, principalmente a

Leia mais

A arte na Grécia. Capítulo 3

A arte na Grécia. Capítulo 3 A arte na Grécia Capítulo 3 Por volta do século X a. C, os habitantes da Grécia continental e das ilhas do mar Egeu formavam pequenas comunidades, distantes umas das outras, e falavam diversos dialetos.

Leia mais

A arte do século XIX

A arte do século XIX A arte do século XIX Índice Introdução ; Impressionismo ; Romantismo ; Realismo ; Conclusão ; Bibliografia. Introdução Durante este trabalho irei falar e explicar o que é a arte no século XIX, especificando

Leia mais

Carolina Fernanda Nunes Paiva Monique Alves Felix Tayná Pinheiro Alves

Carolina Fernanda Nunes Paiva Monique Alves Felix Tayná Pinheiro Alves Carolina Fernanda Nunes Paiva Monique Alves Felix Tayná Pinheiro Alves O desenvolvimento do desenho na criança de acordo com Jean Piaget Trabalho apresentado na disciplina Psicologia da Educação III, ministrada

Leia mais

Projeto: Teatro Infantil

Projeto: Teatro Infantil Cooperativa de Ensino e Cultura de Santa Rita Projeto: Teatro Infantil O teatro é a poesia que sai do livro e se faz humana. (Frederico Garcia Lorca) 1 Unidade Executora: Coordenação Pedagógica, Grupo

Leia mais

A partir das palavras do psiquiatra suíço Carl Gustav Jung, quais sejam:

A partir das palavras do psiquiatra suíço Carl Gustav Jung, quais sejam: Neiruaitt Norberto de Sousa A partir das palavras do psiquiatra suíço Carl Gustav Jung, quais sejam: O inconsciente é a história não escrita do homem a partir de épocas imemoriais, podemos dizer que: O

Leia mais

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms.

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Boa Tarde! 1 Psicanálise Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Otília Loth Psicanálise Fundada por Sigmund Freud, é uma teoria que estabelece uma complexa estrutura mental

Leia mais

Neoclassicismo. Segundo a leitura acima analise os itens e marque uma ÚNICA alternativa:

Neoclassicismo. Segundo a leitura acima analise os itens e marque uma ÚNICA alternativa: Neoclassicismo Questão 01 De acordo com a tendência neoclássica, uma obra de arte só seria perfeitamente bela na medida em que imitasse não as formas da natureza, mas as que os artistas clássicos gregos

Leia mais

"Sombra e luzes a partir da prática dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola". Alciane Basílio de Almeida

Sombra e luzes a partir da prática dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola. Alciane Basílio de Almeida "Sombra e luzes a partir da prática dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola". Alciane Basílio de Almeida (Mestre em Psicologia - UCP 2014) Este trabalho tem por objetivo mostrar a relação

Leia mais

LENDO IMAGENS NO ENSINO DA FÍSICA: CONSTRUÇÃO E REALIDADE

LENDO IMAGENS NO ENSINO DA FÍSICA: CONSTRUÇÃO E REALIDADE LENDO IMAGENS NO ENSINO DA FÍSICA: CONSTRUÇÃO E REALIDADE SILVA,HENRIQUE CÉSAR DA 1 Universidade Católica de Brasília Palavras chave: Imagens; Realismo crítico; Iconicidade. INTRODUÇÃO Imagens

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - COORDENAÇÃO DE CONCURSO VESTIBULAR PROCESSO SELETIVO SERIADO - 2007 DANÇA INSTRUÇÕES - Ao receber este caderno de prova verifique se contém 20

Leia mais

INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS

INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS 1 Não interessa responder se a religião é ou não verdadeira; Analisa a religião como fenômeno social. Enfoque da Sociologia 2 Encontrada em todas as sociedades Única que não se

Leia mais

A SIMBOLOGIA DA DOENÇA PSICOFÍSICA COMO UM CAMINHO POSSÍVEL PARA A INDIVIDUAÇÃO RESUMO

A SIMBOLOGIA DA DOENÇA PSICOFÍSICA COMO UM CAMINHO POSSÍVEL PARA A INDIVIDUAÇÃO RESUMO A SIMBOLOGIA DA DOENÇA PSICOFÍSICA COMO UM CAMINHO POSSÍVEL PARA A INDIVIDUAÇÃO Fany Patrícia Fabiano Peixoto Orientadora: Eugenia Cordeiro Curvêlo RESUMO O termo psicossomática esclarece a organização

Leia mais

Emil Nolde Emil Nolde Emil Nolde Emil Nolde Emil Nolde Emil Nolde O Expressionismo de Die Brücke não se restringiu à pintura e à gravura, tendo tido expressão, igualmente na literatura, na música e arquitectura.

Leia mais

O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE

O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE José Carlos Pezini Luis Alexandre Ribeiro Branco O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE Uma Espiritualidade Cristocêntrica 1 Revisão: Bruna Perrella Brito 2 Prefácio Introdução 1 Índice O Que é Espiritualidade

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

FENÔMENOS DA NATUREZA: REPRESENTAÇÕES INFANTIS E MEDIAÇÃO DO PROFESSOR INTRODUÇÃO

FENÔMENOS DA NATUREZA: REPRESENTAÇÕES INFANTIS E MEDIAÇÃO DO PROFESSOR INTRODUÇÃO FENÔMENOS DA NATUREZA: REPRESENTAÇÕES INFANTIS E MEDIAÇÃO DO PROFESSOR Palara-chave: conceitos da criança, pedagogia Nerli Nonato Ribeiro Mori Nara Cristina Miranda Universidade Estadual de Maringá INTRODUÇÃO

Leia mais

ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA. Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson

ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA. Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RGS FACULDADE DE LETRAS ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson Disciplina: - Teorias Contemporâneas da Literatura

Leia mais

Currículo Referência em Teatro Ensino Médio

Currículo Referência em Teatro Ensino Médio Currículo Referência em Teatro Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas Investigar, analisar e contextualizar a história do Teatro compreendendo criticamente valores, significados

Leia mais

DESCOBERTA DE UM UNIVERSO: A EVOLUÇÃO DO DESENHO INFANTIL

DESCOBERTA DE UM UNIVERSO: A EVOLUÇÃO DO DESENHO INFANTIL DESCOBERTA DE UM UNIVERSO: A EVOLUÇÃO DO DESENHO INFANTIL "Antes eu desenhava como Rafael, mas precisei de toda uma existência para aprender a desenhar como as crianças. (Picasso) Os primeiros estudos

Leia mais

ARTE NA PRÉ-HISTÓRIA HISTÓRIA DA ARTE. Colégio Einstein. A evolução do conhecimento. Aluno (a): 9º ano: A [ ] B [ ] Professor: Lucas Salomão

ARTE NA PRÉ-HISTÓRIA HISTÓRIA DA ARTE. Colégio Einstein. A evolução do conhecimento. Aluno (a): 9º ano: A [ ] B [ ] Professor: Lucas Salomão HISTÓRIA DA ARTE Aluno (a): Professor: Lucas Salomão Data: / /2015 9º ano: A [ ] B [ ] ARTE NA PRÉ-HISTÓRIA Há milhares de anos os povos antigos já se manifestavam artisticamente. Embora ainda não conhecessem

Leia mais

João Canijo e a Tragédia Grega: adaptação da trilogia Oresteia ao cinema português contemporâneo 1 Daniel Ribas

João Canijo e a Tragédia Grega: adaptação da trilogia Oresteia ao cinema português contemporâneo 1 Daniel Ribas João Canijo e a Tragédia Grega: adaptação da trilogia Oresteia ao cinema português contemporâneo 1 Daniel Ribas Nas entrevistas que se sucederam à estreia nacional de Noite Escura, em 2004, João Canijo

Leia mais

RESENHA. 1. Indentidade da Obra JUNG,C. G. Psicologia e religião oriental. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1991.

RESENHA. 1. Indentidade da Obra JUNG,C. G. Psicologia e religião oriental. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1991. RESENHA AGOSTINHO, Márcio Roberto Mestre em Ciências da Religião MACKENZIE SÃO PAULO/SP BRASIL Coordenador do Curso de Psicologia - FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: casteloagostinho@yahoo.com.br 1. Indentidade

Leia mais

A SACRALIDADE DA VIDA

A SACRALIDADE DA VIDA A SACRALIDADE DA VIDA Maria Luiza Appy (Marlise) No mundo em que vivemos a noção da sacralidade da vida se perdeu. O ser humano - não em sua totalidade, mas em sua grande maioria - desconectou-se de sua

Leia mais

Arte 1º. Ano do Ensino Médio. Linha do Tempo da História da Arte (Períodos/ Movimentos Artísticos/ Contexto Histórico).

Arte 1º. Ano do Ensino Médio. Linha do Tempo da História da Arte (Períodos/ Movimentos Artísticos/ Contexto Histórico). Arte 1º. Ano do Ensino Médio 1º. Trimestre - Conteúdo Avaliativo: Linha do Tempo da História da Arte (Períodos/ Movimentos Artísticos/ Contexto Histórico). Períodos Artísticos: Pré-História/Idade Antiga

Leia mais

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL EVELISE RAQUEL DE PONTES (UNESP). Resumo O ato de contar histórias para crianças da educação infantil é a possibilidade de sorrir, criar, é se envolver com

Leia mais

A CENA SE FEZ OVO E HABITOU ENTRE NÓS

A CENA SE FEZ OVO E HABITOU ENTRE NÓS A CENA SE FEZ OVO E HABITOU ENTRE NÓS Ismael Scheffler Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Processo de criação, dramaturgia, pesquisa sonora e corporal. Introdução Em março de 2006, estreou

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Expressar curiosidade e desejo de saber; Reconhecer aspetos do mundo exterior mais próximo; Perceber a utilidade de usar os materiais do seu quotidiano;

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

PROJETO ANIMAIS. 1. Tema: O mundo dos animais. Área de abrangência: 2. Duração: 01/06 a 30/06. 3. Apresentação do projeto:

PROJETO ANIMAIS. 1. Tema: O mundo dos animais. Área de abrangência: 2. Duração: 01/06 a 30/06. 3. Apresentação do projeto: PROJETO ANIMAIS 1. Tema: O mundo dos animais Área de abrangência: (x) Movimento (x) Musicalização (x) Artes Visuais (x) Linguagem Oral e Escrita (x) Natureza e Sociedade (x) Matemática 2. Duração: 01/06

Leia mais

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1 1 O caminho da harmonia. Colossenses 3 e 4 Col 3:1-3 Introdução: Portanto, já que vocês ressuscitaram com Cristo, procurem as coisas que são do alto, onde Cristo está assentado à direita de Deus. Mantenham

Leia mais

PINTAR, PARIR, PARAR JEANINE TOLEDO

PINTAR, PARIR, PARAR JEANINE TOLEDO "SE EU PUDESSE EXPLICAR MINHAS TELAS, ISSO SERIA CERTAMENTE UMA COISA INTELECTUAL. SE NÃO SE FOR ALÉM, É ALGO FRIO E MORTO; COISA DE TEÓRICO." (Miró) JEANINE TOLEDO É difícil determinar o processo de criação

Leia mais

HISTÓRIA DA MÚSICA OCIDENTAL

HISTÓRIA DA MÚSICA OCIDENTAL HISTÓRIA DA MÚSICA OCIDENTAL A Música Barroca A palavra barroco vem da língua portuguesa e significa "pérola irregular". Foi adotada internacionalmente para caracterizar o estilo ornamentado e pomposo

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

A DANÇA DO VENTRE COMO INSTRUMENTO NA PSICOTERAPIA CORPORAL PARA MULHERES Elizabeth Moro

A DANÇA DO VENTRE COMO INSTRUMENTO NA PSICOTERAPIA CORPORAL PARA MULHERES Elizabeth Moro 1 A DANÇA DO VENTRE COMO INSTRUMENTO NA PSICOTERAPIA CORPORAL PARA MULHERES Elizabeth Moro A busca por esse trabalho teve inicio, quando de alguma forma, eu procurava encontrar explicações psicológicas,

Leia mais

Como surgiu o universo

Como surgiu o universo Como surgiu o universo Modelos para o universo Desde os tempos remotos o ser humano observa o céu, buscando nele pistas para compreender o mundo em que vive. Nessa busca incansável, percebeu fenômenos

Leia mais

A NOÇAO DE TOTALIDADE NA TEORIA JUNGUIANA: BREVES CONSIDERAÇÕES

A NOÇAO DE TOTALIDADE NA TEORIA JUNGUIANA: BREVES CONSIDERAÇÕES A NOÇAO DE TOTALIDADE NA TEORIA JUNGUIANA: BREVES CONSIDERAÇÕES Sheila Carla de Souza 1 (Mackenzie) Quem olha para fora sonha, quem olha para dentro desperta (C. G. Jung) RESUMO Este artigo tem o objetivo

Leia mais

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE Terezinha Losada Resumo: A obra Fonte de Marcel Duchamp é normalmente apontada pela crítica de arte como a síntese e a expressão mais radical da ruptura com a tradição

Leia mais

A Dança na Terceira Idade

A Dança na Terceira Idade A Dança na Terceira Idade Bárbara Costa Carolina Miguel Leonardo Delarete Pimenta Na terceira idade, geralmente, o ser humano sofre algumas alterações de um declínio geral no aspecto biopsicossocial. Como

Leia mais

Aplicação Terapêutica das Imagens de Arte e Metáforas

Aplicação Terapêutica das Imagens de Arte e Metáforas Alexa B. Leirner A arte é uma mentira que nos ajuda a perceber a verdade. (Pablo Picasso) 1 Objetivos Conhecer os principais fundamentos que demonstram os benefícios da utilização de imagens de arte e

Leia mais

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do Barroco, derivado das pinturas que representavam cenas

Leia mais

História da Arte. Exercícios de Sala de Aula

História da Arte. Exercícios de Sala de Aula História da Arte Exercícios de Sala de Aula A arte é um conjunto de procedimentos que são utilizados para realizar obras, e no qual aplicamos nossos conhecimentos. Apresenta-se sob variadas formas como:

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (5 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (5 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (5 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Conhecer diferentes termos espaciais (em pé, deitado, em cima, em baixo, à frente, atrás, dentro, fora ) Descrever itinerários diários (exemplos:

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

YUME : NARRATIVAS MÍTICAS DE KUROSAWA

YUME : NARRATIVAS MÍTICAS DE KUROSAWA YUME : NARRATIVAS MÍTICAS DE KUROSAWA CAVALHEIRO, Kaline (UNIOESTE G/Pibic - CNPq) DIAS, Acir (UNIOESTE Orientador) RESUMO: O presente trabalho tem como objeto o estudo da cultura, mitos e imagens presentes

Leia mais

CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO

CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO Área de Conhecimento: Linguagens Componente Curricular: Educação Física Ementa A Educação Física no Ensino Médio tratará da cultura corporal, sistematicamente

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Diálogos entre Gestalt-terapia e dança: corpo, expressão e sentido

Diálogos entre Gestalt-terapia e dança: corpo, expressão e sentido Diálogos entre Gestalt-terapia e dança: corpo, expressão e sentido Carla do Eirado Silva carlaeirado@gmail.com 11º período Instituto de Psicologia Cintia Siqueira de Oliveira cintia_imjc@hotmail.com 10º

Leia mais

Home Page : www.barralink.com.br/teatro e-mail : teatro@barralink.com.br ÍNDICE

Home Page : www.barralink.com.br/teatro e-mail : teatro@barralink.com.br ÍNDICE Home Page : www.barralink.com.br/teatro e-mail : teatro@barralink.com.br ÍNDICE TEATRO ESPÍRITA... 2 A VISÃO GERAL... 2 EXERCÍCIOS TEATRAIS DRAMATICIDADE COM ESPIRITUALIDADE... 2 DIREÇÃO TEATRAL... 3 O

Leia mais

SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano

SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano 1 SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano assumiu o compromisso de fazer memória da vida singular

Leia mais

Série. MAT Disciplina: Arte Professor: FERNANDA CARDOSO ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO

Série. MAT Disciplina: Arte Professor: FERNANDA CARDOSO ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO Polícia Militar do Estado de Goiás CPMG Hugo de Carvalho Ramos Ano Letivo - 2015 Série ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO - Todas essas atividades, tanto as perguntas como respostas deverão ser COPIADAS E RESPONDIDAS

Leia mais

O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA

O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA Nestes últimos anos tem-se falado em Catequese Renovada e muitos pontos positivos contribuíram para que ela assim fosse chamada. Percebemos que algumas propostas

Leia mais

TODOS OS ESPETÁCULOS SÃO GRATUITOS.

TODOS OS ESPETÁCULOS SÃO GRATUITOS. CIRCUITO GANDARELA DE MINAS - AGENDA AGOSTO TODOS OS ESPETÁCULOS SÃO GRATUITOS. É necessário chegar com uma hora de antecedência para garantir os ingressos. 03 E 04 DE AGOSTO - SÁBADO E DOMINGO O CONTO

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

Nono Trabalho: A Tomada do Cinturão de Hipólita

Nono Trabalho: A Tomada do Cinturão de Hipólita Simbologia Oculta Os 12 Trabalhos de Hércules Nono Trabalho: A Tomada do Cinturão de Hipólita A Coragem de Ser Autêntico O Cinturão de Hipólita: A Coragem de Ser Autêntico A missão do herói era conseguir

Leia mais