NAS ENTRELINHAS DO CORPO DANÇANTE. Palavras-chave: Dança; História da Dança; Corpo; Funções da Dança.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NAS ENTRELINHAS DO CORPO DANÇANTE. Palavras-chave: Dança; História da Dança; Corpo; Funções da Dança."

Transcrição

1 Monique Nayara Pantoja da Trindade* Daniela Bahia Santos** NAS ENTRELINHAS DO CORPO DANÇANTE RESUMO Antes do homem se manifestar por meio de uma linguagem oral, ele dançou. A dança através da linguagem gestual foi e continua sendo a expressão que se utiliza principalmente do corpo para se comunicar. Ao longo do tempo, o ser humano inseriu códigos, gestos específicos, com o qual foi resgatando e criando novas danças e ritmos. Partindo desses conhecimentos, este artigo buscou responder quais os motivos levam o corpo a dançar, sendo tomado como ponto de partida as experiências vividas com a dança dentro e fora da universidade, leituras e fichamentos de livros e artigos de autores que abordam o assunto. Este estudo objetivou desenvolver uma reflexão sobre a dança e suas relações com o corpo a partir de uma pesquisa bibliográfica, de natureza explicativa e abordagem fenomenológica, realizada nas Bibliotecas da Universidade do Estado do Pará- UEPA-Campus III e da Escola de Teatro e Dança da Universidade Federal do Pará- ETDUFPA, além de sites especializados em artigos científicos sobre a temática da pesquisa. Através da análise dos materiais explorados, constatou-se que a dança está presente em todo o processo de dinamização de uma civilização, tornando-se uma das principais manifestações em que o ser humano expressa sua espiritualidade, cultura, desejos ou divertimento. Palavras-chave: Dança; História da Dança; Corpo; Funções da Dança. INTRODUÇÃO A Dança é uma das manifestações mais antigas de expressão corporal existentes, desempenhando grande importância para as civilizações que através dela representavam seus anseios, sentimentos e esperanças, comunicando e expondo suas peculiaridades culturais. Com o passar dos séculos, os movimentos primitivos e expressivos foram sendo substituídos pela delicadeza do Ballet, seguidos pelos movimentos naturais defendidos pela Dança Moderna, chegando à contemporaneidade, dando uma definição mais artística ao ato de dançar. Assim, a dança vem construindo relações que aos poucos se tornam cada vez mais intensas e ligadas à vida cotidiana e não cotidiana do indivíduo. Na Educação Física, assim como jogos e lutas, a dança estuda a cultura e linguagem corporal partindo do principio básico, o movimento, além da corporeidade singular existente em cada corpo. Logo, a presente pesquisa bibliográfica, de natureza explicativa e abordagem fenomenológica, realizada nas Bibliotecas da Universidade do Estado do Pará-UEPA-Campus III e da Escola de Teatro e Dança * Aluna graduanda de Licenciatura em Educação Física pela Universidade do Estado do Pará - UEPA. ** Especialista em Pedagogia da Dança e Professora da disciplina Fundamentos e Métodos da Dança na Universidade do Estado do Pará - UEPA 1

2 da Universidade Federal do Pará-ETDUFPA, além de sites especializados em artigos científicos que abordassem a temática da pesquisa, vem por meio de observações e vivências pessoais na dança dentro e fora da universidade, reflexões teóricas e investigações corporais como aluna/intérprete-criadora, além de leituras e fichamentos das produções científicas escritas, livros e artigos publicados durante os anos de 1987 a 2010, identificar quais os motivos levam o corpo a dançar, objetivando desenvolver uma reflexão sobre a dança e suas relações com o corpo, contextualizando seu surgimento até a contemporaneidade e visando à contribuição literária do estudo como parte integrante dos saberes em formação artística, assim como o teatro, a música e arte/educação, a que todo cidadão tem direito. 1 BIOGRAFIA DA DANÇA. Em uma época primitiva, onde o habitat era de natureza predatória, o homem do período paleolítico inferior ( a.c.) lutava incessantemente pela sobrevivência, [...], [dirigindo em um dado momento] sua atenção para uma atividade imaterial e [tornando-se] artista (CAMINADA, 1999, p.22). Partindo dos movimentos corporais explosivos naturais naquele período, a dança interligada ao ritmo biológico nascia de uma vontade do homem de se comunicar, de expressar suas vontades e anseios para com o próximo, consigo próprio e para com o divino. Contudo, não seria qualquer movimento ou gesto considerado dança. Mesmo o homem primitivo devia ter consciência de que seus movimentos e gestos só obteriam um efeito mágico ou encantatório quando executados dentro de certas regras e medidas, não necessariamente regulares ou aparentes, mas que os tornavam um conjunto homogêneo e fluente no tempo. Quando tinham, enfim sua duração no tempo dividida em determinados intervalos, isto é, dentro de um ritmo, fator indispensável para que essa atividade se configure como dança (MENDES, 1987, p.5). Logo, o ritmo, seja ele biológico, circadiano, cotidiano ou sonoro, torna-se um acompanhante imprescindível para que qualquer gesto do corpo não seja considerado como dança. Mesmo, tendo poucos indícios na era incivilizada, foram encontradas algumas pinturas rupestres na África do Sul que apontaram cenas de dança, onde os partícipes se vestiram com a pele dos animais de maneira relativamente realista (BOURCIER, 2001), possivelmente em alguma manifestação em que acreditavam poder, a partir das indumentárias utilizadas absorverem certas características animalescas, tais como a coragem, a força, a valentia, que seriam 2

3 postas em prática de acordo com a necessidade da situação imposta ao indivíduo daquele período. A dança se fazia cada vez mais presente e parte integrante de todos os acontecimentos da vida do homem primitivo. Dançava-se para agradecer e pedir em forma de sacrifícios na adoração de possíveis deuses; antes do combate para pedir proteção; em comemoração às boas caças e colheitas; inclusive mortes; dentre outras. Dado então esse período, assiste-se a uma mudança no sentido da dança: da identificação com o espírito [...] passa-se a uma liturgia, a um culto de relação e não mais de participação [...] (BOURCIER, 2001, p.12). Na medida em que as civilizações foram se desenvolvendo, as configurações de novas danças iam surgindo e identidades específicas de cada povo ou sociedade se estabeleciam. Nesse momento da antiguidade, não se possuía tanto acervo gráfico sobre a dança em outras sociedades como há na civilização egípcia, que apresenta uma quantidade muito maior e certamente mais significativa, do que os demais povos do Oriente Próximo (CAMINADA, 1999, p.43). A dança no Egito inicialmente era praticada por mulheres com o caráter sagrado, associada a ritos de fertilidade, em que se cortejavam alguns deuses: Bes, Hathor, Osíris, Ísis e Horus, por exemplo. Além da homenagem aos deuses, a dança prosseguia em rituais mortuários, através de cortejos fúnebres, que conduziam o finado a sua vida pós-terrena (BOURCIER, 2001). Muitas outras danças, sempre relacionadas aos deuses egípcios, eram executadas. Por isso são chamadas de danças divinas ou sagradas. Para o deus Amon acontecia a procissão da barca sagrada, na qual bailarinos acrobatas apresentavam suas proezas. As danças apresentadas por ocasião das festas religiosas e dos funerais também eram consideradas sagradas. Nos funerais havia os mouou, personagens que surgiam muito de repente e vinham ao encontro do enterro, dançando em duplas. Os egípcios acreditavam que as movimentações desses dançarinos asseguravam ao morto a ascensão a uma nova vida (AUGUSTO, [s.d.], p.4). Para a civilização grega, assim como para os egípcios, não foi diferente a importância da dança onde, [...] Ritos religiosos, pan-helênicos ou locais, cerimônias cívicas, festas, educação das crianças, treinamento militar, vida cotidiana [...] (BOURCIER, 2001, p.19) faziam-se bastantes presentes. Na Grécia, assim como nas outras sociedades, a dança teve inicialmente um cunho religioso. Os gregos 3

4 [...] acreditavam no poder das danças mágicas, e o uso de máscaras nos rituais lhes dava ampla liberdade de ação. O politeísmo dos gregos lhes proporcionava, ainda, inúmeras ocasiões para dançar em honra de seus deuses (MENDES, 1987, p.12). Em honra aos deuses, em eventos fúnebres homenageando aos mortos, sempre em momentos importantes a dança se fez presente, inclusive nas questões que abordavam a educação na Grécia, aperfeiçoando a harmonia das formas e a disciplina, proporcionando dimensões corretas ao corpo e uma vida mais saudável, além de participar no exercício da reflexão estética e filosófica do cidadão grego. Sem dúvida, a riqueza da dança na Grécia foi inestimável, já que partiu do [...] conceito de dança como arte imitativa [o que influenciaria] futuramente as idéias européias, [...] [tornando] a arte da dança facilmente acessível a todos os cidadãos. Somente com o declínio da cultura grega é que a dança começou a perder respeitabilidade, passando a ser mero entretenimento e, finalmente, a ser executada só por escravas orientais (MENDES, 1987, p.14-15). Já Roma, constituída basicamente por guerreiros, ao contrário da Grécia, desprezava a dança, considerando-a incompatível com o espírito do povo conquistador (DINIZ, [s.d.], p.6), o que possivelmente acarretou no fato dela não ter sido tão importante como expressão artística quanto o teatro, a música e as artes plásticas foram e são até os dias de hoje para essa civilização. A dança romana de longe se deteve em enriquecer seus espetáculos com a imaginação, mantendo assim, a dança distante da sociedade intelectiva da época. E durante muitos anos da história, a dança manteve-se assim, atrás da coxia. Durante os primeiros séculos do cristianismo, a igreja permitiu a presença da dança em adoração a Deus em seus cultos, alegando que a própria possuía uma reminiscência na religiosidade. Contudo, outras formas de dança, como as populares comuns aquela época, foram, desde o século II, tenazmente combatidas pela Igreja por causa do seu visível conteúdo pagão, demasiadamente ligado às velhas religiões (MENDES, 1987, p.16). No período seguinte em que se estendeu a ampliação do cristianismo, pouco espaço teve a dança na vida dos cidadãos. Nesse tempo, considerado a Idade das Trevas, a dança sofreu severas intervenções da Igreja cristã. Com o corpo em maior evidência, a igreja encontrou nas danças consideradas pagãs, uma maneira de justificar seu banimento do convívio social, sendo somente permitidas as danças macabras e as litúrgicas. A primeira acreditava que se comunicaria com os mortos, 4

5 enquanto a segunda honraria e homenagearia a Deus, contudo, nunca deixou de ser suspeita para as autoridades eclesiásticas (BOURCIER, 2001, p.46). Foi nesse instante da história da dança, fosse ela primitiva ou sagrada, que a sociedade passou a transformá-la e vê-la em um único contexto: Do divertimento, dividida em duas correntes: a camponesa e a aristocrata, que se perpetuaram sendo a primeira, executada pela classe mais pobre, normalmente com a presença de ambos os sexos, em desenhos coreográficos circulares, e a segunda foi transformada em uma dança imitativa animal mais refinada. Em processo dinâmico bastante positivo, as danças populares transformaramse em danças medievais e renascentistas, chegando às cortes, dando início a um intenso movimento de renovação em muitos âmbitos da vida social e cultural, chamado de Renascimento [...] (AUGUSTO, [s.d.], p.6). Pequenas mudanças literárias, científicas e artísticas, já vinham acontecendo desde a Baixa Idade Média. Contudo, foi no período renascentista que a dança voltaria a florescer, fazendo surgir uma nova atitude em relação ao dualismo cristão e aos valores mundanos da vida e do corpo (DINIZ, [s.d.], p.7), o que propiciou a uma revolução que mudaria toda a visão que hoje temos dos signos da dança. A permanência das danças populares nesta época abriria caminho para sua codificação¹ pela nobreza, que a utilizaria com o propósito educacional e divertimento. Assim, de algo improvisado inicialmente, esses divertimentos adquiriam forma mais disciplinada, com suas dimensões reduzidas no tempo e no espaço, a fim de caberem num salão, não mais numa praça pública. Ao mesmo tempo impunha-se a necessidade de organizar e anotar os passos da dança, codificando-os e criando um repertorio de movimentos utilizáveis fora de algum contexto, mas servindo a qualquer um quando necessário (MENDES, 1987, p.23). Logo, os movimentos começaram a apresentar sofisticação, delicadeza, e até certo ponto técnicas, propiciando o início de uma nova era, o surgimento do ballet romântico. Este período da dança foi o que mais representou o romantismo exacerbado através de [...] histórias românticas [que] mostravam, em sua maioria, uma heroína triste, capaz de morrer ou enlouquecer por amor. O balé modificou-se, em busca desse novo mundo de sonhos. Os passos não serviam mais unicamente para a evolução da ação, mas estavam carregados de um conteúdo emocional profundo. O balé criava um mundo de ilusão, esboçava o ideal das concepções românticas. A fada, a feiticeira, o vampiro e outros seres imaginários eram seus personagens. O homem, considerado figura principal na dança do século XVIII, passa a ocupar um lugar subalterno no 5

6 princípio do século XIX. A mulher foi elevada a uma esfera sobre-humana e o homem deixou de ser herói e se limitou a elevar a mulher, quando necessário (AUGUSTO, [s.d.], p.9). Assim, o signo de dança encantada impregnou no ballet, sendo difundida desta forma, em muitos países não só da Europa, mas do mundo. Através da grande caminhada e persistência, o ballet ganhou status por meio da Rússia, mantendo-se como uma dança sofisticada, sendo apresentada em renomados teatros e espaços alternativos até os dias de hoje. Mas não somente de beleza e fantasia vive a dança. Depois de décadas reinando absoluto, o ballet encontra um opositor à altura. A dança moderna se propõe a voltar ao início básico da dança, quebrando com as regras, artifícios e temas fantásticos impostos durante muito tempo pelo ballet. Nesse período da história da dança, o que vai separar o clássico do moderno não é simplesmente a técnica, mas, também, o pensamento que norteou sua elaboração (AUGUSTO, [s.d.], p.12). A dança moderna surge da necessidade de expressar a liberdade do corpoespírito, em uma manifestação que o artista demonstra seus sentimentos de um modo mais orgânico e sentimental. Uma de suas maiores entusiastas e difusoras é Isadora Duncan, que se comprometeu em descobrir uma forma natural de movimento e de transformar a dança em uma forma séria de arte, expressando ideias, emoções e significados, para isso, deixou-se levar pela emoção, e em um ato de bravura se despiu das sapatilhas, dando o primeiro passo para uma dança livre, revigorante (VIDOTTO, 2008). Assim como Isadora, Rudolf Laban foi um nome bastante expressivo nos estudos que norteiam o corpo e a prática da dança moderna, explorando as possibilidades motoras do corpo humano, o dinamismo, o emprego do espaço e do ritmo corporal em movimentos. Partindo desses estudos, experimentações e investigações por parte de bailarinos e coreógrafos da época, muitas outras possibilidades de movimentação foram criadas, enriquecendo a história e ajudando na construção de mais uma forma de manifestação da dança. Em todos os períodos que se fez presente, sendo criada, recriada ou transformada, a dança abrangeu em termos de técnica e/ou historicidade o que foi possível. Desse modo, absorvendo a essência e peculiaridades humanas da sociedade e do momento vivido, a pós-modernidade, a dança contemporânea surge 6

7 da intenção de abordar temas, ações e relações do ser humano para com seu meio ambiente social, mostrando por meio do corpo, seus desgostos e enfermidades, o que há de bom e/ou de ruim dentro da pequena célula chamada sociedade que habita um corpo maior - a terra. A fome, a pobreza e as mazelas sociais são também outros temas abordados por esta dança que vem denunciar e/ou falar algo através do corpo e da arte. Depois de criar, separar, reinventar, unir todas as tendências e técnicas já existentes, a dança contemporânea vem protestar contra o que está estabelecido, contra o mundo tal como ele foi construído e, consequentemente, também contra o homem, tal como ele hoje se apresenta (CAMINADA, 1999, p.453). Logo, A evolução e progresso da Dança através da história não é aleatória. Obedece a padrões [...] ou [nasce] da necessidade latente do homem de expressar [o que sente] [...] através das formas mais diversas de dança (NANNI, 2008, p.1). Portanto, a dança que hoje é apreciada nos palcos ou festividades da cultura de um povo, passou por diversas experimentações e investigações no corpo do bailarino ou praticante ao longo de todos esses séculos, antes de se apresentar no formato que hoje é conhecida. Esse corpo que absorveu e ajudou na construção de todas as variações de dança, muitas vezes forçado a ser robusto ou magro, alto e esguio, sofreu durante esta jornada, contudo sem sua contribuição, tanto na história do homem quanto na do mundo, muitas pesquisas e indagações acerca do corpo não poderiam ter sido concretizadas. 2 DISSECANDO O CORPO. Na atualidade, a pesquisa acerca do corpo se abrangeu a tal ponto, que já não é mais analisado sob uma única ótica. As vertentes que o estudam vêm se diversificando cada vez mais. A cristandade da Idade Média, o mecanicismo da revolução industrial e a intensamente da contemporaneidade, são pensamentos distintos e áreas diversas que abordam o mesmo objeto de estudo: o corpo. Segundo Sant Anna (2004, p.3), Realizar uma história do corpo é um trabalho tão vasto e arriscado quanto aquele de escrever uma historia de vida. Mesmo se restringindo ao estudo do corpo humano, são incontáveis os caminhos e numerosas formas de abordagem: da medicina à arte, passando pela antropologia e pela moda, 7

8 há sempre novas maneiras de conhecer o corpo, assim como possibilidades inéditas de estranhá-los. Diferentes contextos e abordagens ao decorrer dos tempos nortearam este corpo que come, corre e sente. As considerações realizadas a respeito das abordagens seja antropológica, teológica ou filosófica, dentre outras mais, não se eximiram de um estudo e investigação aprofundada do corpo biológico. Nesse diagnóstico, o corpo pode ser compreendido como um grande sistema, sujeito a manipulações científicas (transplante de órgãos, implantação de marcapasso e testes com células-tronco, por exemplo). Na atualidade, esses enfoques são ainda bastante relevantes, porém, uma nova perspectiva é lançada sobre este corpo, que passa a ser analisado a partir de sua essência e suas particularidades individuais. A narrativa acerca das necessidades de sobrevivência do corpo não é apenas funcional, mas abrange questões sociais, culturais e históricas. O corpo acaba por se tornar o agente propulsor da condição da existência humana na terra. Historicamente, os enfoques de como o corpo seria visto, sentido e interpretado foram se diversificando. Na era pré-histórica, o conhecimento acerca desse tema pelos sujeitos que viviam neste período, nada mais era do que uma extensão, uma continuação do ambiente em que residiam no universo. Durante séculos, a sociedade deste período se utilizou da natureza que se tornou referência fundamental à vida humana. Através das próprias experiências, o indivíduo primitivo, ao adquirir alguma doença, por exemplo, recorria à terra ou às divindades/feitiçaria em busca da cura para sua indisposição, descobrindo e redimensionando para si o valor da natureza/divino. Na antiguidade, uma nova interpretação começa a ganhar força. A alma e corpo não podem coexistir em um único ser, acabando por supervalorizar o primeiro em detrimento do segundo. Platão afere fraquezas ao corpo e o torna instrumento de corrupção e decadência moral por estar este à mercê das paixões e desejos inadequados ao verdadeiro conhecimento (CARVALHO apud PLATÃO, [s.d.], p.1). E neste ambiente de tensões, o pensamento dicotômico entre corpo e alma se fez dominante, tornando qualquer questionamento sobre este assunto um tabu, fragmentando-o de vez da alma. O bem da alma estava acima dos desejos e prazeres da carne e, portanto, acima dos aspectos materiais. O corpo se tornou culpado, perverso e necessitado de purificação (ROSÁRIO apud PAIM, 2004, p.1). 8

9 Tal dicotomia se intensificou de forma decisiva com o pensamento de René Descartes ( ) que considerava o corpo, res extensa, pura exterioridade, matéria, uma máquina, enquanto que o pensamento, res cogitans, é a verdade indubitável, de natureza espiritual. Para ele: Deus fabricou nosso corpo como máquina e quis que ele funcionasse como instrumento universal, operando sempre da mesma maneira, segundo suas próprias leis (CARVALHO, [s.d.], p.1). Mesmo com um desprestígio acentuado, o corpo no período renascentista é redescoberto ganhando uma nova forma de ser compreendido, principalmente, no que diz respeito às artes, onde o corpo nu aparece como destaque por pintores como Michelângelo, Da Vinci, entre outros (SIEBERT, 1995; ROSÁRIO, 2004 apud PAIM, 2004, p.1). Mesmo com novas interpretações, este ainda era analisado de forma sintética, ou seja, ainda visto e generalizado como corpo/matéria, um corpo/objeto. O momento histórico seguinte buscou aprofundar-se nas questões que norteiam o estudo do corpo, deixando-o mais orgânico, perpassando por aprofundamentos filosóficos e principalmente antropológicos. Essas abordagens mais a influência deixada pela revolução industrial ajudaram o indivíduo a se conectar cada dia mais às técnicas científicas e à tecnologia. Segundo Rosário (apud PAIM, 2004, p.1), [...] junto com a industrialização, na metade do século XX, os meios de comunicação começaram a funcionar como propulsores da comunicação de massa. A reprodução do corpo não fica mais somente no âmbito da pintura, agora, ela, pode atingir um número elevado de indivíduos. O corpo pode ser reproduzido em série, através da fotografia, do cinema, da televisão, da internet, etc. O corpo envolto a tantos conhecimentos e a busca pelo progresso, iniciaram um processo de adaptação às novas exigências, imposições e principalmente informações da nova realidade que a atual sociedade estabelecia: o corpo/máquina do século XXI. O corpo que modifica e produz, também é transformado e de acordo com a informação que lhe é denotada adquire uma identidade. De acordo com Oliveira ([s.d.], p.6), [...] uma política de informação promove uma política de identidade para os corpos: em um mundo em que é obrigatório ser visto, o estabelecimento de padrões/estilos de corpo e de vida em uma engenharia da informação têm tido uma intenção de moralizar a carne : sem estrias, sem irregularidades, sem excessos. De uma liberação individual nos anos 60 teríamos hoje uma liberação biológica. 9

10 Com este boom da superexposição do homem, o século XXI é percebido como o período de uma crescente glorificação do corpo, sua exibição pública é cada vez maior, deixando transparecer o que antes era escondido e, aparentemente, mais controlado (PAIM, 2004, p.1). Na contemporaneidade, a interpretação do corpo tende a caminhar para questões mais estéticas, sociais e culturais. Logo, as diferentes transformações sofridas pelo corpo ao longo da história o marcam, mudando em muitos momentos a interpretação dada em cada época. Novas maneiras de pensar, refletir e interpretá-lo têm sido investigadas e analisadas, proporcionando novos estudos e discussões acerca de novos olhares a respeito deste tema pela sociedade. A exploração (no ambiente de trabalho; em casa; sexual), a mídia (principalmente televisiva e cibernética), a estética, a saúde, a morte, entre outros aspectos da contemporaneidade hoje são muito mais intensificados, marcando e resgatando aspectos da história tatuados neste corpo, que ainda não saciou sua sede por novas propostas de experimentações, acabando por encontrar nas artes, especificamente na dança, um meio de construção e revitalização desta herança histórica. 3 O E UM CORPO NA DANÇA: IN-NATURA, PECAMINOSO, ESTRATIFICADO E (DES)CONSTRUÍDO. O corpo em seus primórdios oscilava entre o feroz e o dócil, dependendo da situação e ambiente em que o homem se encontrava, mesmo assim possuía uma função de extrema importância dentro da sociedade incivilizada, principalmente na dança. Naquele tempo, os homens acreditavam ser parte de um universo maior do que o que habitavam, e por meio da dança, este corpo ritualístico veio agradecer, pedir, comunicar-se ou simplesmente se divertir. Através de movimentos que imitavam o balançar das folhas das árvores, das ondas dos rios, dos animais que temiam ou não, o corpo do ser primitivo, tido como selvagem, tentava transmitir uma mensagem, esta que era facilmente decodificada pelo seu semelhante, de forma a acompanhá-lo na referida manifestação. O corpo com propósito sagrado foi facilmente constatado em várias sociedades, principalmente na egípcia. O corpo feminino era muito mais visado, em termos de importância do que o masculino. Sacerdotisas inalavam incensos, 10

11 entravam em transe e iniciavam as danças em oferendas ao divino, em busca da comunicação com a força maior superior dos céus, emprestavam seus corpos para que o sagrado o tomasse para si e dissesse o que os reis, o alto poder na terra daquele período, gostariam de saber. Contudo, não somente de endeusamento o corpo na antiguidade se alimentou. Com a ajuda da alquimia, os espetáculos da época tornavam a participação do corpo ainda mais expressiva na dança, através do corpo equilibrista, que saltava, esticava-se, exibia-se e atuava nas pantomimas daquela época. Não se pode falar de corpo nas danças da antiguidade e não falar de Grécia e Roma. A primeira, logo percebeu sua importância, e tratou de educá-lo conjuntamente com a mente, pois acreditava na doutrina corpo são, mente sã. Inseriu a dança como maneira de tornar o homem um ser prefeito, polido. Fora a primeira sociedade que se utilizou do corpo através da dança e [dos] gestos para explicar as partes complicadas da história contada (SANTOS, 1997, p.9). Segundo Antunes (1994 apud SANTOS, 1997, p.9) a instrução e exercício da dança dentro da sociedade grega [...] eram maneiras privilegiadas de educar o cidadão e promover a harmonia entre o espírito e o corpo e, desta forma, alcançar o ideal da perfeição e da beleza. A dança neste período se mostrou benéfica em outros campos além da comunicação e diversão, sendo essencial na [...] educação, [estimulando] a harmonia das formas e [disciplina do] corpo. Os próprios guerreiros praticavam a dança, a fim de desenvolverem a agilidade física (SANTOS, 1997, p.9). Ao contrário da Grécia, a sociedade de Roma não se interessava tanto pela arte da dança. O corpo se fazia presente através do entretenimento, pantomimas juntamente com a música e combinada com acrobacias, contudo, acreditava-se que o corpo do homem romano fora feito para as lutas, para as ações bárbaras, fazendo com que a Igreja olhasse a dança e o corpo com maus olhos. Em uma Idade Média cheia de contradições, principalmente a que permeava a separação entre matéria e espírito, o corpo ganhou uma ressignificação. Antes visto como sagrado, agora teria outra visualização, o profano. Segundo Schmitt (1995 apud DAMBROS, 2008, p.1) no século VI, vários autores mencionam o uso do corpo a propósito dos vícios a gula em Pomerius, a fornicação (relacionamento sexual ilícito) em Cassiano e o orgulho em Gregório. 11

12 Com toda essa mudança de perspectiva do corpo, a dança que antes era executada no interior das Igrejas com a função de louvar, glorificar e atrair fiéis que necessitassem receber a educação na palavra de Deus, passou a ser renegada pela Igreja, no momento em que começou a perceber que os homens da época, ao verem as mulheres dançando em alguma comemoração ou em agradecimento a Deus, sentiam-se atraídos pela carne, quer dizer, pelo corpo feminino em seu sentido sexual, o desejo carnal. Rígido, disciplinado, que obedece sem questionar o certo e o errado, fino, elegante, este é o corpo construído e desejado no período pós-idade Média: A renascença. Ser educado era um pré-requisito para se encaixar na sociedade desta época. Plié e demi-plié foram umas das muitas técnicas pelas quais o corpo renascentista se sujeitava para ser perfeito. Enquanto no referido período a métrica dos passos exatos e corpos esteticamente belos eram imprescindíveis, a manifestação de dança seguinte viria regressar ao ambiente e forma mais natural e intimista do movimento. A dança moderna, através de bailarinos como Isadora Duncan, veio desconstruir o corpo já alongado e polido pelas regras rígidas do ballet e resgatar a dança primitiva, através da renovação do movimento que era encontrado nos fenômenos naturais, que se sobrepunham à utilização de qualquer artefato cênico na apresentação (SANTOS, 1997). Na Europa, Rodolf Laban [interessou-se] pelo movimento e pelo corpo em geral. O seu trabalho originou o alastramento da dança a várias dimensões: terapia, educação e lazer (SANTOS, 1997, p.11). Partindo dessa propagação dos diversos âmbitos que a dança conquistou, a modalidade que mais se destaca pela sua particularidade e semelhança com as outras danças é a dança contemporânea, a qual é [...] fruto da experiência do balé clássico, da dança moderna, da dança expressionista, de influências orientais e de modos recentes e urbanos de se movimentar, como o hip-hop e a street dance, a dança contemporânea é hoje uma construção estética consistente, embora difícil de conceituar (SIQUEIRA, 2006, p.107). A dança como uma das mais antigas expressões artísticas existentes no mundo se projeta como arte do movimento corporal, utilizando-se de múltiplos recursos, como por exemplo, a tecnologia e materiais cênicos, mas principalmente o corpo para materializar suas emoções, dores e seus propósitos. 12

13 O corpo contemporâneo vem abordar os mais variados aspectos, mazelas e verdades de uma sociedade, ou simplesmente falar de algo que pode ser relevante ou não para um público. A fluência [coreográfica] pode ser observada pela exploração de infinitas possibilidades de utilização do espaço, pela alternância e variação de movimentos técnicos e livres que se evidenciam de forma mais expressiva (GODOY apud CAMARGO, 2010, p.1). A liberdade corporal do bailarino é mais evidenciada e observada neste tipo de dança já que ele pode [...] ser simultaneamente [intérprete/criador e pesquisador] do movimento e não apenas submeter-se ao coreógrafo, estimulando a conjugação da criação com a atuação. Essa possibilidade é interessante porque quebra o esquema de perda de autonomia do bailarino sobre seu próprio corpo. Ao participar da criação e experimentação, está de algum modo, deixando de lado a postura daquele que apenas executa o que é exigido (CAMARGO, 2010, p.1). As experimentações que o corpo do bailarino na dança contemporânea realiza perpassam pelo: [...] corpo investigativo, capaz de explorar, improvisar, pesquisar gestos e movimentos de dança; corpo plural, capaz de transitar pela diversidade de técnicas, procedimentos criativos, conhecimentos de outras áreas e gêneros artísticos; corpo próprio, capaz de revelar sua singularidade (sua dança enquanto dança), aquilo que lhe é próprio, particular e o que se denomina corpo apropriado de sentido, capaz de apropriar-se do potencial de expressão, dos seus múltiplos sentidos (TERRA apud CAMARGO, 2010, p.1). Assim, o corpo que investiga, reflete, propõe, executa e imprime [...] suas marcas pessoais, culturais e sociais [no mundo] (BRASIL, 1998a; BARRETO, 2004 apud VIEIRA, [s.d.], p.1), socializa através da dança uma diversidade de informações e conhecimento adquiridos durante esta jornada histórica, provocando indagações e pensamentos a respeito do quê, para quem e por que se dança. 4 AFINAL, POR QUE DANÇAMOS? Os humanos sentem a necessidade de exteriorizar o que no momento estão sentindo, pensando. E a dança, por ser uma atividade bastante prazerosa, torna-se um meio canalizador de tensões, pelo qual o homem [...] pode expressar e transmitir aos outros a sua interpretação da realidade ou do imaginário (SANTOS, 1997, p.12), além de proporcionar diversão, felicidade, tranquilidade, entre outros sentimentos, fazendo com que o indivíduo interaja com o meio e consigo próprio. 13

A Dança é a arte de mexer o corpo, através de uma cadência de movimentos e ritmos, criando uma harmonia própria. Não é somente através do som de uma

A Dança é a arte de mexer o corpo, através de uma cadência de movimentos e ritmos, criando uma harmonia própria. Não é somente através do som de uma Dança Desde 1982, no dia 29 de abril, comemora-se o dia internacional da dança, instituído pela UNESCO em homenagem ao criador do balé moderno, Jean- Georges Noverre. A Dança é a arte de mexer o corpo,

Leia mais

A RUPTURA COM O ACADEMICISMO E A FORMAÇÃO DA PROFISSÃO DO FIGURINISTA DE DANÇA

A RUPTURA COM O ACADEMICISMO E A FORMAÇÃO DA PROFISSÃO DO FIGURINISTA DE DANÇA A RUPTURA COM O ACADEMICISMO E A FORMAÇÃO DA PROFISSÃO DO FIGURINISTA DE DANÇA The Break with Academicism and the Formation of the Profession of Dance Costume Designer Marcela Sales de Alencar, Bacharelado

Leia mais

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Silvia Christina Madrid Finck E-mail: scmfinck@ uol.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao projeto de pesquisa

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

Metodologia do Ensino de Educação Física Conteúdos da Educação Física Ginástica. Contextualização

Metodologia do Ensino de Educação Física Conteúdos da Educação Física Ginástica. Contextualização Metodologia do Ensino de Educação Física Conteúdos da Educação Física Ginástica Teleaula 2 Prof. Me. Marcos Ruiz da Silva tutoriapedagogia@grupouninter.com.br Pedagogia Contextualização A combinação de

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Diálogos entre Gestalt-terapia e dança: corpo, expressão e sentido

Diálogos entre Gestalt-terapia e dança: corpo, expressão e sentido Diálogos entre Gestalt-terapia e dança: corpo, expressão e sentido Carla do Eirado Silva carlaeirado@gmail.com 11º período Instituto de Psicologia Cintia Siqueira de Oliveira cintia_imjc@hotmail.com 10º

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO TEXTO O termo Renascimento é comumente aplicado à civilização européia que se desenvolveu entre 1300 e 1650. Além de reviver a antiga cultura greco-romana, ocorreram nesse

Leia mais

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Revelar curiosidade e desejo de saber; Explorar situações de descoberta e exploração do mundo físico; Compreender mundo exterior mais próximo e do

Leia mais

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO ESTILO E IDENTIDADE Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO Introdução Por milhares de anos, foi possível concordar que a mais importante linguagem do homem

Leia mais

A Música No Processo De Aprendizagem

A Música No Processo De Aprendizagem A Música No Processo De Aprendizagem Autora: Jéssica Antonia Schumann (FCSGN) * Coautor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: O presente trabalho tem por objetivo investigar sobre a importância em

Leia mais

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia I Natureza Humana * Qual a natureza humana? Ou seja, qual é a ontologia humana? - Uma teoria da natureza humana busca especificar

Leia mais

História da Arte - Linha do Tempo

História da Arte - Linha do Tempo História da Arte - Linha do Tempo PRÉ- HISTÓRIA (1000000 A 3600 a.c.) Primeiras manifestações artísticas. Pinturas e gravuras encontradas nas paredes das cavernas. Sangue de animais, saliva, fragmentos

Leia mais

A Educação Artística na Escola do Século XXI

A Educação Artística na Escola do Século XXI A Educação Artística na Escola do Século XXI Teresa André teresa.andre@sapo.pt Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Caldas da Rainha, 1 de Junho de 2009 1. A pós-modernidade provocou

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO

CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO Área de Conhecimento: Linguagens Componente Curricular: Educação Física Ementa A Educação Física no Ensino Médio tratará da cultura corporal, sistematicamente

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR: QUANDO A RELIGIOSIDADE ATRAVESSA A PRÁTICA.

DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR: QUANDO A RELIGIOSIDADE ATRAVESSA A PRÁTICA. DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR: QUANDO A RELIGIOSIDADE ATRAVESSA A PRÁTICA. Amanda Pathiely Serrânia Faria UFG/FEFD 1 Orientador e Coautor: Prof. Dr. Alexandre Ferreira UFG/FEFD 2 Graduanda do curso de Licenciatura

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu GTT: Escola O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu Almir Zandoná Júnior 1 Fernando Henrique Silva Carneiro 2 Justificativa/Base teórica A entrada da Educação

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS SOBRE A DANÇA NO ENSINO MÉDIO

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS SOBRE A DANÇA NO ENSINO MÉDIO REFLEXÕES PEDAGÓGICAS SOBRE A DANÇA NO ENSINO MÉDIO Izabele Trindade Caldas (CALDAS I. T.) e Elaine Melo de Brito Costa (COSTA E. M. DE B.). Departamento de Educação Física Universidade Estadual da Paraíba

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 Claudiane da S. EUSTACHIO Dayana Pires Alves GARCIA Fátima RODRIGUES Jean de J. SANTANA 2 Juliana CESANA 3 Ana Lucia de Carvalho MARQUES

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA

WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA INTRODUÇÃO Nos dias de hoje, é quase impensável querermos uma televisão a preto e branco em deterimento de uma televisão a cores e acontece porque a partir do momento em que

Leia mais

Idade Antiga GRÉCIA: Dicotomia corpo e mente;

Idade Antiga GRÉCIA: Dicotomia corpo e mente; GRÉCIA ANTIGA Idade Antiga GRÉCIA: Dicotomia corpo e mente; Diferentes classes sociais; Escravos (produção); Aristocratas (representação mostra de superioridade e desenvolvimento para outros povos artes,

Leia mais

AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Profª Doutora Daisy Barros Especialização em Ginástica Rítmica e Dança Ritmo é vida e está particularmente ligado à necessidade do mundo moderno. Cada indivíduo,

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE.

A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE. A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE. Juliana de Castro Chaves 1 ; Zuzy dos Reis Pereira 2 1 Professora Doutora da UnUCSEH-UEG

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

Arte Africana. 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino

Arte Africana. 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino Arte Africana 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino África O Brasil é um país mestiço, nossa cultura é composta de uma mistura de etnias. Parte relevante de nossa raiz cultural é o povo africano,

Leia mais

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA Rita Bomfati. UNESPAR- FAP ritabomfati1@gmail.com Resumo: A importância da formação musical do musicoterapeuta (conhecimento de ritmos e instrumentos, história da

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml Figura 96 - Trecho do desenho da paisagem local, formado por desenhos individuais colados justapostos um no outro, constituindo uma só peça, um extenso rolo A localização da escola, no tocante a sua topografia,

Leia mais

Prof. Alexandre kikuti Np2. Questões RD Ritmo e Dança / 2014 (DP)

Prof. Alexandre kikuti Np2. Questões RD Ritmo e Dança / 2014 (DP) Prof. Alexandre kikuti Np2 Questões RD Ritmo e Dança / 2014 (DP) Questão 01 A Dança como ARTE é uma atividade humana que resulta de uma elaboração dentro de uma determinada cultura e estabelece íntima

Leia mais

O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE

O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE José Carlos Pezini Luis Alexandre Ribeiro Branco O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE Uma Espiritualidade Cristocêntrica 1 Revisão: Bruna Perrella Brito 2 Prefácio Introdução 1 Índice O Que é Espiritualidade

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

www.portaledumusicalcp2.mus.br

www.portaledumusicalcp2.mus.br Apostila de Educação Musical 1ª Série Ensino Médio www.portaledumusicalcp2.mus.br O QUE É MÚSICA? A música (do grego μουσική τέχνη - musiké téchne, a arte das musas) constituise basicamente de uma sucessão

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

DANÇA E EDUCAÇÃO FÍSICA: UM CONTEÚDO REALMENTE CONTEXTUALIZADO NAS AULAS?

DANÇA E EDUCAÇÃO FÍSICA: UM CONTEÚDO REALMENTE CONTEXTUALIZADO NAS AULAS? DANÇA E EDUCAÇÃO FÍSICA: UM CONTEÚDO REALMENTE CONTEXTUALIZADO NAS AULAS? FERNANDA DIAS BRANDÃO Licenciada em Educação Física pela UNISUAM Rio de Janeiro, RJ, Brasil fedufisica@hotmail.com Resumo O estudo

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2011. Educação Infantil III

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2011. Educação Infantil III Colégio Cor Jesu Brasília DF Plano de Curso 2011 Educação Infantil III Área de conhecimento: Linguagem Série: Infantil III Educação Infantil Competências Habilidades a serem desenvolvidas Eixo/Conteúdos

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

Dança, Samba e Performance Denise Mancebo Zenicola Universidade Estácio de Sá Palavras-chave: Performance, Dança, Samba de Gafieira

Dança, Samba e Performance Denise Mancebo Zenicola Universidade Estácio de Sá Palavras-chave: Performance, Dança, Samba de Gafieira Dança, Samba e Performance Denise Mancebo Zenicola Universidade Estácio de Sá Palavras-chave: Performance, Dança, Samba de Gafieira A performance abrange a idéia de prática corporal como transmissão de

Leia mais

História da Arte. Exercícios de Sala de Aula

História da Arte. Exercícios de Sala de Aula História da Arte Exercícios de Sala de Aula A arte é um conjunto de procedimentos que são utilizados para realizar obras, e no qual aplicamos nossos conhecimentos. Apresenta-se sob variadas formas como:

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo Artes Audiovisuais: Estratégia cooperativa na modalidade Educação Jovem e Adulta - EJA STEFANELLI, Ricardo 1 Instituto Federal de Educação Tecnológica de São Paulo RESUMO O presente trabalho na disciplina

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

JOGOS E BRINCADEIRAS NO ENSINO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOS PIBIDIANOS COM O TEMA GÊNERO E SEXUALIDADE

JOGOS E BRINCADEIRAS NO ENSINO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOS PIBIDIANOS COM O TEMA GÊNERO E SEXUALIDADE JOGOS E BRINCADEIRAS NO ENSINO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOS PIBIDIANOS COM O TEMA GÊNERO E SEXUALIDADE Lorrania Miranda Nogueira Raquel da Silva Barroso Monica Rosana de Andrade Mateus Camargo Pereira

Leia mais

Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1. Resumo:

Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1. Resumo: Resumo: Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1 Este artigo apresenta uma breve análise de como esta se desencadeando o processo de inclusão de crianças com necessidades especiais nas instituições

Leia mais

I Curso de Preparação Coreográfica Específica para a Ginástica Artística

I Curso de Preparação Coreográfica Específica para a Ginástica Artística I Curso de Preparação Coreográfica Específica para a Ginástica Artística Local: Yashi Academia de Ginástica Olímpica Data: 1º de maio de 2009 Coordenação: Yumi Yamamoto Sawasato Professora: Valeria Lakerbai

Leia mais

METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE. Número de aulas semanais 4ª 2. Apresentação da Disciplina

METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE. Número de aulas semanais 4ª 2. Apresentação da Disciplina METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE Série Número de aulas semanais 4ª 2 Apresentação da Disciplina Considerando a necessidade de repensar o ensino da arte, faz-se necessário refletir sobre este ensino em sua

Leia mais

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL Viviane Cardoso¹ Resumo: O objetivo desse artigo é refletir como os ideais da pedagogia freireana tem contribuído para as práticas

Leia mais

OBJECTIVOS DO PROJECTO

OBJECTIVOS DO PROJECTO INTRODUÇÃO Este projecto destina-se às crianças dos três aos seis anos de idade. A Lei Quadro da Educação Pré-escolar estabelece como princípio geral que a educação pré-escolar é a primeira etapa da educação

Leia mais

5910224 Evolução dos Conceitos da Física FFCLRP USP Prof. Antônio C. Roque - Origem

5910224 Evolução dos Conceitos da Física FFCLRP USP Prof. Antônio C. Roque - Origem A Origem do Pensamento Científico O ser humano levou milhões de anos para evoluir até o estado atual. Essa evolução levou ao aparecimento de capacidades artísticas, religiosas e científicas na mente humana,

Leia mais

Ensino/aprendizagem circense: projeto transversal de política social

Ensino/aprendizagem circense: projeto transversal de política social ENSINO/APRENDIZAGEM CIRCENSE: PROJETO TRANSVERSAL DE POLÍTICA SOCIAL Erminia Silva Centro de Formação Profissional em Artes Circenses CEFAC Teatralidade circense, circo como educação permanente, história

Leia mais

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA Ementas das Disciplinas de Educação Física Estão relacionadas abaixo, as ementas e a bibliografia dos diferentes eixos curriculares do Curso, identificadas conforme os ciclos de formação: Ciclo de Formação

Leia mais

Através das mudanças políticas e sociais que muda a visão européia que possibilitou esse momento de revolução. Na França as letras juntou-se a arte

Através das mudanças políticas e sociais que muda a visão européia que possibilitou esse momento de revolução. Na França as letras juntou-se a arte UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA ÉTICA E CONTEMPORANEIDADE PROFESSOR ANTÔNIO CÉSAR ACADÊMICA RITA MÁRCIA AMPARO MACEDO Texto sobre o Discurso

Leia mais

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia.

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia. * Este texto corresponde à visão da autora Marcia Dib e todas as informações aqui contidas são de inteira responsabilidade da autora. ** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança

Leia mais

O P O N T O D O M E I O

O P O N T O D O M E I O PLENILÚNIO DE LIBRA (Lua Cheia 18/10/2013 às 20h38, hora local de Argentina e Brasil) O P O N T O D O M E I O A matéria é o veículo para a manifestação da alma neste plano de existência, e a alma é o veículo

Leia mais

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 (Orientador) Profa. Dra. Tatiana Machiavelli Carmo Souza 2 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

A ABORDAGEM DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHO NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA. Palavras-chave: Ensino de química; histórias em quadrinhos; livro didático.

A ABORDAGEM DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHO NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA. Palavras-chave: Ensino de química; histórias em quadrinhos; livro didático. A ABORDAGEM DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHO NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA Fabricio Santos Almeida 1 Márcia Cristiane Eloi Silva Ataide 2 1 Licenciando em Química, Universidade Federal do Piauí - UFPI. 2 Professora

Leia mais

História. ADAV: Associação para o Desenvolvimento e a Assistência de Talentos e Vocações

História. ADAV: Associação para o Desenvolvimento e a Assistência de Talentos e Vocações História ADAV: Associação para o Desenvolvimento e a Assistência de Talentos e Vocações Em 1929, convidada a dirigir um dos primeiros laboratórios de psicologia de Minas Gerais, ligado à Escola de Aperfeiçoamento

Leia mais

HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PERÍODO PRÉ-HISTÓRICO

HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PERÍODO PRÉ-HISTÓRICO HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA INTRODUÇÃO A História da Educação Física relaciona-se com todas as ciências que estudam o passado e o presente das atividades humanas e a sua evolução. O homem, condicionado

Leia mais

Lista de Recuperação de Arte 6º ANO

Lista de Recuperação de Arte 6º ANO 1 Nome: nº Data: / /2012 ano bimestre Profa.: Denise Lista de Recuperação de Arte 6º ANO Nota: 1) A arte fez parte da vida do homem desde a pré-história ( período anterior ao surgimento da escrita ) que

Leia mais

Currículo Referência em Teatro Ensino Médio

Currículo Referência em Teatro Ensino Médio Currículo Referência em Teatro Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas Investigar, analisar e contextualizar a história do Teatro compreendendo criticamente valores, significados

Leia mais

Difusão Nacional e Públicos da Dança. parta da comunidade o propósito do debate, da. comunicação, da propositura, da iniciativa de pensar a

Difusão Nacional e Públicos da Dança. parta da comunidade o propósito do debate, da. comunicação, da propositura, da iniciativa de pensar a Difusão Nacional e Públicos da Dança Contemporânea Neste Dia Internacional da Dança, é muito relevante que parta da comunidade o propósito do debate, da comunicação, da propositura, da iniciativa de pensar

Leia mais

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS 1 EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS Daniela da Costa Britto Pereira Lima UEG e UFG Juliana Guimarães Faria UFG SABER VI Ensinar a compreensão 5. Educação para uma cidadania planetária

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural CONHECIMENTO DA LEI NATURAL Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural O que é a Lei Natural? Conceito de Lei Natural A Lei Natural informa a doutrina espírita é a

Leia mais

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS.

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. ARAÚJO, Haroldo de 1; Prof.Dr. Costa, Luis Edegar de Oliveira 2;. Palavras chaves: Arte contemporânea; curadoria;

Leia mais

UM POSSÍVEL DIÁLOGO ENTRE FUTEBOL E GÊNERO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: O ESTÁGIO NUMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA

UM POSSÍVEL DIÁLOGO ENTRE FUTEBOL E GÊNERO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: O ESTÁGIO NUMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA UM POSSÍVEL DIÁLOGO ENTRE FUTEBOL E GÊNERO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: O ESTÁGIO NUMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA Tiago Onofre da Silva 1 Rafael Santos Nunes 2 RESUMO: O presente artigo aborda o processo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CAPOEIRA COMO CONTEÚDO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

A IMPORTÂNCIA DA CAPOEIRA COMO CONTEÚDO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR A IMPORTÂNCIA DA CAPOEIRA COMO CONTEÚDO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR BARROS, Lucas Costa Discente do curso de Educação Física da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva SANTOS, Mariol Siqueira

Leia mais

Entrevista - Espiritualidade nas empresas

Entrevista - Espiritualidade nas empresas Entrevista - Espiritualidade nas empresas 1 - O que podemos considerar como espiritualidade nas empresas? Primeiramente considero importante dizer o que entendo por espiritualidade. Podemos dizer que é

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA DANÇA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DA DANÇA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DA DANÇA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Oliveira, Rafael Cavalheiro de Discente do curso de Educação Física da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva Muzel, Andrei Alberto Docente do curso

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Rita de Cássia Rangel Alves Rita.alves_2007@hotmail.com Paula Sabrina Barbosa de Albuquerque Paulasabrina.ba@hotmail.com

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC FIGUEIREDO, Anelice Maria Banhara - SME / Chapecó/SC anelicefigueiredo@gmail.com LORENZET, Simone Vergínia - SME

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

LUDICIDADE E ENSINO: UMA PARCERIA QUE CONTRIBUI COM A EDUCAÇÃO

LUDICIDADE E ENSINO: UMA PARCERIA QUE CONTRIBUI COM A EDUCAÇÃO LUDICIDADE E ENSINO: UMA PARCERIA QUE CONTRIBUI COM A EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Ana Lucia da Silva 1 Franchys Marizethe Nascimento Santana Ferreira 2 O presente projeto justifica-se pela necessidade verificada,

Leia mais

SABEDORIA E MAGIA DOS CELTAS PRINCÍPIOS DO DRUIDISMO

SABEDORIA E MAGIA DOS CELTAS PRINCÍPIOS DO DRUIDISMO SABEDORIA E MAGIA DOS CELTAS PRINCÍPIOS DO DRUIDISMO SABEDORIA E MAGIA DOS CELTAS PRINCÍPIOS DO DRUIDISMO ANA ELIZABETH CAVALCANTI DA COSTA 3 ÍNDICE Introdução... 13 1ª Parte - O Universo Mágico Os Ciclos

Leia mais

Currículo Referência em Música Ensino Médio

Currículo Referência em Música Ensino Médio Currículo Referência em Música Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

PROJETO EDUCACIONAL. Rio de Janeiro 2005

PROJETO EDUCACIONAL. Rio de Janeiro 2005 PROJETO EDUCACIONAL Rio de Janeiro 2005 C:\Documents and Settings\Allan.AMPERJD\Configurações locais\temporary Internet Files\Content.IE5\8LIFGDIN\PROJETO_EDUCACIONALMP.doc 1 ÍNDICE 1- APRESENTAÇÃO 2-

Leia mais

O LÚDICO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A APRENDIZAGEM DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O LÚDICO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A APRENDIZAGEM DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL O LÚDICO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A APRENDIZAGEM DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Andréa Nogueira de Souza¹; Andreza Emicarla Pereira Calvacante²; Francicleide Cesário

Leia mais

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica.

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. Silvana Maria de Barros Santos Entre o século XVI a XIX, as transformações políticas, sociais, culturais e o advento da

Leia mais

2. O fato folclórico

2. O fato folclórico (...) O folclore, apesar de não percebermos, acompanha a nossa existência e tem grande influência na nossa maneira de pensar, sentir e agir. Quando crianças fomos embalados pelas cantigas de ninar e pelos

Leia mais

unesp Faculdade de Ciências e Letras Campus de Araraquara - SP Idalires da Silva Almeida Márcia Raquel Camani Mayara Ferreira

unesp Faculdade de Ciências e Letras Campus de Araraquara - SP Idalires da Silva Almeida Márcia Raquel Camani Mayara Ferreira unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Faculdade de Ciências e Letras Campus de Araraquara - SP Idalires da Silva Almeida Márcia Raquel Camani Mayara Ferreira PSICOLOGIIA DA EDUCAÇÃO

Leia mais

COLÉGIO MARISTA S.LUÍS ENSINO RELIGIOSO PROF.:Francisco Ferreira. Evolução histórica das reflexões sobre a Felicidade

COLÉGIO MARISTA S.LUÍS ENSINO RELIGIOSO PROF.:Francisco Ferreira. Evolução histórica das reflexões sobre a Felicidade COLÉGIO MARISTA S.LUÍS ENSINO RELIGIOSO PROF.:Francisco Ferreira Evolução histórica das reflexões sobre a Felicidade O Bem Pessoal e o Comunitário O que é o Bem? Bem é a qualidade de excelência ética que

Leia mais