UMA EXPERIÊNCIA DE GESTÃO DE PESSOAS NUMA ORGANIZAÇÃO EM TRANSFORMAÇÃO. Carla Maria Vila Nova Hazin

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA EXPERIÊNCIA DE GESTÃO DE PESSOAS NUMA ORGANIZAÇÃO EM TRANSFORMAÇÃO. Carla Maria Vila Nova Hazin"

Transcrição

1 1 UMA EXPERIÊNCIA DE GESTÃO DE PESSOAS NUMA ORGANIZAÇÃO EM TRANSFORMAÇÃO Carla Maria Vila Nova Hazin

2 2 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO LIBERTAS CONSULTORIA E TREINAMENTO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE EQUIPES E DINÂMICA DE GRUPOS UMA EXPERIÊNCIA DE GESTÃO DE PESSOAS NUMA ORGANIZAÇÃO EM TRANSFORMAÇÃO Carla Maria Vila Nova Hazin Recife 2006

3 3 UMA EXPERIÊNCIA DE GESTÃO DE PESSOAS NUMA ORGANIZAÇÃO EM TRANSFORMAÇÃO

4 4 Monografia apresentada ao Curso de Especialização em Gestão de Equipes da Universidade Católica de Pernambuco e Libertas Consultoria e Treinamento, sob a orientação da Mestra Maria Tereza Silva Nunes de Souza

5 5 Um líder situacional muda de estilo de acordo com a pessoa com que trabalha e com a situação. Flexível, terá que aprender a diagnosticar as necessidades das pessoas e acertar com elas o estilo de liderança que precisam de você. Kenneth Blanchard

6 6 AGRADECIMENTO S Tenho muito a agradecer a todos aqueles que foram inspiradores, encorajadores, carinhosos, solícitos e pacientes comigo nesta caminhada. Primeiro a Deus, pelo dom da vida. Depois ao meu esposo e filhos, pelo amor, compreensão e paciência. A orientadora Mestra Maria Tereza Silva Nunes de Souza pela sabedoria, disponibilidade e dedicação. Ao professor José Ricardo Paes Barreto pelo conhecimento e disponibilidade. Aos colegas que se disponibilizaram em participar da pesquisa de campo contribuindo com suas experiências e, a nossa querida turma pelo companheirismo, alegria, diversidade e união, contribuindo para meu crescimento pessoal e profissional.

7 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA CARACTERIZAÇÃO DO OBJETO DE ESTUDO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA O IMPACTO DA MUDANÇA NO COMPORTAMENTO GESTÃO DE PESSOAS CONTEXTO E CONCEITO DE GESTÃO DE PESSOAS GESTÃO COMPARTILHADA O LÍDER UNIVERSAL NOVAS COMPETÊNCIAS PARA O LÍDER PROCEDIMENTO METODOLOGIA NATUREZA DA PESQUISA DEMARCAÇÃO DA PESQUISA CARACTERIZAÇÃO DA PESQUISA ANÁLISE DOS DADOS A ORGANIZAÇÃO EM TRANSFORMAÇÃO - CRIANDO AMBIENTE FAVORÁVEL CAPITALIZAR O ESPÍRITO CRIATIVO A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE PESSOAS NAS MUDANÇAS ORGANIZACIONAIS MENTALIDADE E HABILIDADES DE UM LÍDER CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...40 ANEXOS...42

8 8 INTRODUÇÃO Inicialmente a chefia passou a ser chamada de liderança no vocabulário da administração. Agora, está sendo transformada em nova liderança, um conceito estreitamente ligado à gestão de pessoas. Na nova economia, os líderes não buscam resultados, que devem ser conseqüência, buscam pessoas talentosas, no mercado e internamente. O desafio é desenvolvê-las, retê-las, motivá-las, obter seu compromisso com a inovação e o alto desempenho. Atualmente as mudanças organizacionais estão cada vez mais em evidência, fazendo parte do cotidiano das organizações e das pessoas. Mudar e aprender são experiências inseparáveis. Resistir à mudança pode refletir o medo ou a incapacidade de aprender, mas também pode ser a inabilidade em lidar com a mudança. Qualquer processo de transformação começa a partir de uma tomada de consciência e toda mudança externa é o resultado de uma mudança interna e atitudinal na consciência das pessoas. Este estudo realizado busca identificar quais as estratégias de gestão de pessoas que viabilizam a efetividade das mudanças nas organizações; caracterizar a atuação do líder no gerenciamento dos processos de mudanças e compatibilizar as necessidades e expectativas do líder e liderado para o êxito das mudanças organizacionais. A explanação do estudo foi realizada, primeiramente, pelo levantamento de dados, obtidos através de uma pesquisa de campo, que teve como instrumento a aplicação de um questionário. Na segunda etapa foi realizada a análise dos dados com fundamentação teórica do objeto de estudo, e finalmente, as considerações finais sobre todo o conteúdo trabalhado. Vale salientar que a pretensão maior deste trabalho é a intenção de despertar em todos os envolvidos, principalmente os gestores, a reflexão sobre a conduta adotada nas transformações organizacionais, levando em conta os aspectos emocionais e comportamentais de forma tão cuidadosa quanto as questões operacionais. Porque assim a mudança pode ser suave, agregadora e, porque não dizer, gratificante.

9 9 1. JUSTIFICATICA O objetivo deste trabalho é estudar o processo de transformação que vem sendo vivenciado nos dois últimos anos, por uma empresa multinacional. A referida empresa tem mais de 50 anos no mercado de produtos de limpeza e tem como missão: Tornarse a melhor empresa de marcas e produtos em solução de limpeza do Brasil. A era pós-industrial trouxe às organizações a necessidade de fornecer produtos e serviços que superem as expectativas dos clientes. Devido às mudanças organizacionais que aconteceram nas últimas duas décadas o efetivo das empresas caiu drasticamente na maioria dos setores econômicos. Em função deste cenário as pessoas foram inseridas em um modelo de gestão de alta participação que passou a exigir agilidade, flexibilidade e capacidade de aprender. Os gestores também tiveram de modificar alguns padrões pessoais e da cultura organizacional para que a empresa não perdesse competitividade e a inovação passou a ser imprescindível neste processo. A única forma de descontinuarmos a mudança será entrando nela e agindo como tal. Lelend Russel diz no seu trabalho, Forças e Formas para Mudanças, que precisamos orquestrar a tecnologia da informação e diminuir as diferenças culturais entre as pessoas. É necessário também ampliar as formas de ver e entender o mundo, atualizar-se continuamente e aumentar a capacidade de acumular e gerenciar informações. É preciso colaborar com colegas, supervisores, subordinados e clientes, e aprender a se comunicar de forma mais flexível, cultivando a criatividade e a qualidade, buscando a satisfação coletiva. Como coloca Vânia Portela no seu livro Talento para a Vida (2001:197), trabalhador feliz do próximo milênio será aquele que não sentir o peso do seu trabalho, fundamentalmente por gostar muito dele e se sentir realizado. A sustentação de qualquer processo profundo de mudança exige um comprometimento compartilhado para a mudança, e isto só se desenvolve se tivermos uma capacidade coletiva de gerar aspirações compartilhadas, como coloca Peter Senge no livro A Dança das Mudanças (1999:20). As contínuas mudanças organizacionais estimulam uma reflexão sobre o papel da administração de recursos humanos nessas mudanças. A noção de sistemas de administração de recursos humanos tem por tradição, a visão de que o indivíduo deve

10 10 compreender a um estereótipo de eficiência já estabelecido pela empresa. Em seus objetivos de buscar previsibilidade e controle, a administração tradicional não diferencia o recurso humano dos demais fatores geridos pela organização. Porém diante do conjunto de mudanças que está ocorrendo no universo de recursos humanos, o novo conceito Modelo de Gestão de Pessoas vem ganhando legitimidade, procurando acompanhar os processos de mudanças em sua totalidade. Adotar este termo Modelo de Gestão de Pessoas significa reconhecer que a área de Recursos Humanos perdeu seu poder de monopólio sobre o comportamento humano nas empresas. O elemento que compõe tal modelo vai muito além da estrutura dos instrumentos e das práticas normatizadas de Recursos Humanos, abrangendo tudo aquilo que interfere de maneira significativa nas relações entre os indivíduos e a organização. Deve ser compreendido como o conjunto de políticas, práticas, padrões atitudinais, ações e instrumentos empregados por uma empresa para interferir no comportamento humano e direcioná-lo no ambiente de trabalho. É fato que toda empresa precisa de mecanismos de gestão institucionalizados para direcionar as relações humanas que se verifica no âmbito organizacional. Por isso define estratégias e as transforma em instrumentos, processos e práticas de gestão formalizada, os quais indicam o comportamento humano no trabalho desejado pela empresa. No entanto, o modelo de gestão de pessoas não pode ser reduzido ao seu caráter instrumental, é importante ressaltar que ele é muito mais que isto, é um mecanismo abstrato que simplifica a realidade e orienta a decisão daqueles que vivem o ambiente organizacional da atualidade, interagindo de forma contínua com as mudanças organizacionais. Este estudo possibilita definir as estratégias de gestão de pessoas que viabilizem a efetividade das mudanças nas organizações, caracterizar a atuação do líder no gerenciamento dos processos de mudanças, identificar os fatores humanos de resistência às mudanças, bem como compatibilizar necessidades e expectativas de líder e liderados para o êxito das mudanças organizacionais, salientando que é fator preponderante para a efetividade das mudanças a interdependência de líderes e liderados.

11 11 2. CARACTERIZAÇÃO DO OBJETO DE ESTUDO Criada em janeiro de 1948 pelo Roberto Sampaio Ferreira a Bombril, aparece no mercado com um novo produto fabricado nos Estados Unidos: a lã de aço. Foi uma revolução para as donas de casa, pois sua função ia além do polimento das panelas: limpava vidros, louças, azulejos, ferragens. Sucesso absoluto e imediato pela sua qualidade e versatilidade, logo ficando conhecida como o produto de 1001 utilidades. A partir de 1961 a empresa, já mostrando ter uma visão ampla do mercado, começa a fabricar outros produtos de limpeza, diversificando sua linha com saponáceos, detergentes, amaciantes, desengordurantes, entre outros. Em 1982 o fundador Roberto Sampaio morre ficando seus filhos com a administração, os quais inauguram, no decorrer dos anos, três filiais, uma em Simões Filho / BA (1982), uma em Abreu e Lima /PE (1983) e uma em Sete Lagoas / MG (1987). Em 1990 a empresa deixa de ser nacional e passa a ser multinacional, tendo o grupo italiano Ferruzzi adquirido 2/3 das ações da Bombril, repassando-as em 1991, para outro grupo italiano Cragnotti & Partners. A partir de então a organização realizou várias negociações com o mercado comprando e vendendo outras empresas do ramo de limpeza, bem como de alimentos, além de várias ações de publicidade / marketing tornando seus produtos cada vez mais conhecidos no mercado. Com 58 anos de história e participação no ramo dos produtos de limpeza a empresa sobreviveu a todas as turbulências e instabilidades do mercado econômico interno e externo, a globalização, as novas políticas de negociação, as novas tabelas de encargos e ao crescimento da concorrência. Ao longo desta história a empresa adquire importantes características, como visão futurista, flexibilidade, agilidade, capacidade de adaptação, percepção das necessidades e desejos do mercado consumidor, as quais contribuem para que sobreviva com competitividade, sendo até hoje uma marca forte e presente em todos os lares. A Bombril é responsável pela geração, em todo o país, de 2000 empregos entre diretos e indiretos. A Unidade de Abreu e Lima, o objeto de estudo deste trabalho, contribui com 215 funcionários diretos. O foco principal deste estudo é o processo de transformação pela qual a organização vêm passando nos últimos dois anos. A Filial foi criada em julho de 1983, na cidade de Abreu e Lima / PE, para objetivo de atender

12 12 os consumidores de toda Região Nordeste do país, tendo sempre como foco sua missão: Tornar-se a melhor empresa de marcas e produtos em solução de limpeza do Brasil.

13 13 3. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 3.1 O IMPACTO DA MUDANÇA NO COMPORTAMENTO A globalização e os avanços tecnológicos têm impulsionado o mundo de hoje a vivenciar um acelerado processo de mudanças. Os vários segmentos da economia mundial estão sentindo os impactos decorrentes destas mudanças, causando também reflexos nos campos sócio-político-cultural e sobretudo alterando significativamente o comportamento das pessoas e a rotina das organizações. Atualmente as empresas vivem um impasse. As formas de funcionamento que lhes foram úteis no passado, garantindo-lhes sobrevivência e sucesso, revelam-se repentinamente obsoletas e deixam de dar respostas aos mais elementares problemas de gestão. Seus gestores não conseguem esconder a perplexidade. Os modelos antigos não funcionam mais e os novos ainda estão confusos. Hoje vivemos uma época identificada como a sociedade do conhecimento, que se caracteriza por uma verdadeira explosão de informações e da ciência. Contudo, com a mesma velocidade que o conhecimento é gerado, ele se torna desatualizado. A conseqüência disso é a fragmentação da ciência e a superespecialização das profissões, exigindo que as organizações, assim como as pessoas, se coloquem em permanente postura de aprendizagem. Neste contexto de mudanças, o processo decisório tende a ser mais criativo, baseado em opções múltiplas, fundamentado na análise crítica dos paradigmas vigentes e exercido como prática de liberdade individual. Vários são os desafios que o indivíduo vai se deparando nas mudanças e, provavelmente, o seu comportamento poderá ter respostas funcionais ou não. Identifica-se o comportamento do indivíduo como funcional ou disfuncional diante de uma situação de crise, a partir da relação estabelecida entre a velocidade da mudança e a forma como o indivíduo responde a mesma. Defini-se como comportamento funcional, o indivíduo que atua de forma criativa, com capacidade de superar a quebra de expectativas, recuperando o equilíbrio e produzindo com qualidade, preservando a sua saúde física e emocional, e de forma talentosa consegue planejar, implementar e agir em prol do futuro desejado, comprometendo-se com o ambiente de mudança. Aqueles que em determinado momento apresentam um comportamento disfuncional

14 14 podem se colocar na condição de vítima da crise, adotando atitudes com características de irritação momentânea, comunicação deficiente e confiança reduzidas, conflitos com parceiros de trabalho e baixa auto-estima, entre outras. A forma com a qual lidamos com as mudanças, revela porque alguns fracassam ao passarem por grandes mudanças, enquanto outros são bem-sucedidos. Na mais difícil missão de mudança que um ser humano possa viver em sua vida, seja ela no aspecto profissional ou pessoal, existe sempre uma força interior que quando acionada consegue transformar o sofrimento em crescimento pessoal, numa conquista e numa realização humana. Sobre este aspecto Viktor Frankl diz: A pessoa interiormente pode ser mais forte que seu destino exterior, e isto não somente no campo de concentração. Sempre e em toda parte a pessoa está colocada diante da decisão de transformar a sua situação de mero sofrimento numa realização interior de valores. (FRANKL, 1991:68) O impacto das mudanças gera nas pessoas diversos comportamentos. Percebe-se em alguns, uma total negação do momento atual, desacreditando totalmente neste quadro de mudanças em que se encontram, outros acreditam que poderá acontecer de forma gradativa e por fim, aqueles que vêem esta mudança como contínua e simultânea. Toda e qualquer mudança exige de nós e da organização um tempo de preparação, aceitação, comprometimento e transformação de cultura, crenças e comportamentos. Este tempo não é respeitado pela velocidade com que as transformações no mundo acontecem, isso gera atualmente um estresse avassalador nas pessoas ocasionando os comportamentos disfuncionais cada vez mais freqüentes. A capacidade de lidar com as crises e incertezas, a facilidade nos relacionamentos interpessoais e o equilíbrio emocional são o grande diferencial dos gestores nas organizações. Cada vez mais são exigidas tomadas de decisões diante das mudanças e estas podem apresentar-se de duas formas: como oportunidades ou como ameaças. Do ponto de vista organizacional, podemos ver as oportunidades como fatores ambientais internos ou externos à organização que favorecem a manutenção ou elevação dos seus atuais níveis de resultado. Por sua vez as ameaças prejudicam, dificultam e põem em risco os projetos e os objetivos organizacionais. A mudança envolve incerteza, e com a incerteza vem a ansiedade. Ela envolve o risco que as

15 15 coisas não aconteçam como o esperado, e isto pode significar fracasso. O fracasso é algo ameaçador que se busca evitar a todo custo. Percebe-se que mesmo quando a pessoa é a favor da inovação e das mudanças que se fazem necessárias no trabalho, emocionalmente elas tendem, muitas vezes, a resistir. É de grande relevância o que diz Daryl R. Conner citando Kurt Lewin sobre o processo de mudanças: O processo de mudança classifica-se em três fases: o estado presente, o estado de transição e o estado desejado. O estado presente é o status quo um equilíbrio estabelecido que continua indefinidamente até que uma força o perturbe. O estado de transição é a fase durante a qual nos liberamos do status quo. Durante este período, desenvolvemos novas atitudes e comportamentos que nos levam ao estado desejado. Para conseguir o que queremos (o estado desejado), devemos passar pela incerteza e desconfortável fase da transição. Manter viva uma grande mudança só é possível quando a dor do estado presente excede o preço do estado de transição. (CONNER, 1995:74) Dependendo do grau de influência que a pessoa acredite ter sobre a situação de mudança é que a mesma será percebida como positiva ou negativa. A mudança não é percebida como negativa só por causa de seus efeitos indesejáveis, mas também pela nossa inabilidade de prevê-la e controlá-la. É interessante o que diz Maria José Lara de Bretãs Pereira: A mudança faz parte de nossa vida. Não apenas nós, os seres humanos, mas tudo que nos rodeia está em permanente transformação. O que varia é apenas a velocidade. Quanto mais rápidas as mudanças, maior o seu impacto nas pessoas, porque elas têm de tomar decisões para se adaptar à nova situação. Por isso, não existe mudança sem coragem para conviver com o desconhecido e com o esforço de vir a conhecer. Essa coragem nasce da necessidade de enfrentar a ambigüidade inerente a qualquer mudança. Ela é produto do conflito fundamental que envolve o homem no momento em que ele se defronta com a necessidade de mudar o seu natural apego à estabilidade. (PEREIRA, 1997:245) O desconforto da incerteza pode ser reduzido quando o futuro é previsto com precisão. Quebrar as expectativas a respeito de assuntos ou eventos importantes, estimula uma forte reação. Quando somos incapazes de satisfazer nossas necessidades de ter controle, ficamos desorientados. Quando as satisfazemos, obtemos uma sensação de estabilidade e conforto psicológico tão poderoso, que conseguir chegar a este estado é um dos mais fortes motivadores do comportamento humano.

16 16 Algumas características tornam-se necessárias para podermos explorar as mudanças de maneira positiva e gerenciá-las. A flexibilidade e a capacidade de adaptação frente às mudanças é imprescindível nos tempos atuais onde as transformações deverão ser cada vez mais aceleradas e constantes. A visão positiva da vida diante das crises nos faz perceber oportunidades de melhoria. A visão clara de nossos objetivos nos possibilita realizar nossos sonhos obtendo os resultados esperados. Enfim, nossa capacidade de aprender a aprender servirá de mola mestra para nosso crescimento pessoal e profissional, mantendo em nós o desafio constante da atualização em relação às novas tendências e inovação diante das transformações. São intermináveis os ciclos das mudanças. Sociedades e culturas aparecem e desaparecem acrescentando uma nova dimensão à vida humana. No entanto, embora todos nós mudemos a cada dia, raramente achamos fácil mudar da maneira que queremos ou que precisamos mudar. Tentar evitar mudanças em nossa vida é como tentar nadar contra a correnteza de um rio. Todavia, devemos, em vez disto, optar por tirar proveito da natureza transitória da existência e aprender a participar do fluxo da vida, em sintonia com os processos de mudança. 3.2 GESTÃO DE PESSOAS As organizações bem-sucedidas tendem a ter o foco para um processo contínuo de melhoria, buscando um crescimento constante, como forma de sobrevivência, pois se sabe que para tal é necessário estar sempre à frente, nunca estagnar. Para que o crescimento aconteça é preciso investir de forma mais intensa nos recursos necessários às suas operações, com o aumento do capital, incremento da tecnologia, atividades de apoio, aumento no número de pessoas, bem como a necessidade de se intensificar a aplicação de seus conhecimentos, habilidades e destrezas, indispensáveis à manutenção e competitividade do negócio. Diante de todo esse processo as pessoas passam a ser a competência primordial para a organização, sendo o diferencial competitivo para promover e manter o sucesso organizacional, a principal vantagem diante do mundo globalizado, instável e em constante mudança.

17 17 As organizações estão gradativamente revendo seus conceitos e mudando suas práticas gerenciais, objetivando utilizar plenamente o potencial de seus funcionários. Em vez de investirem diretamente nos produtos e serviços, elas estão investindo nas pessoas que os entendem e que sabe como criá-los, desenvolvê-los, produzi-los e melhorá-los. Atualmente as estratégias de recursos humanos estão sendo elaboradas tendo como meta fazer com que as pessoas contribuam com a organização a ganhar ou manter uma vantagem auto-sustentada em relação aos concorrentes e ao mercado CONTEXTO E CONCEITO DE GESTÃO DE PESSOAS O relacionamento entre pessoas e organizações, em outras épocas, era visto como um eterno conflito. Acreditava-se que os objetivos de ambas as partes eram incompatíveis, enquanto os da organização eram lucro, redução de custo, produtividade, eficácia, entre outros, os objetivos pessoais eram melhores salários e benefícios, lazer, segurança no trabalho, desenvolvimento pessoal e outros. A relação existente tinha como conceito que para um ganhar o outro necessariamente teria que perder, pois em situação de recursos escassos e limitados acreditava-se que se uma parte ganha mais, ela o faz à custa da outra. Contudo se a organização deseja alcançar suas metas da melhor forma possível é preciso canalizar os esforços das pessoas para que também estas atinjam os seus objetivos individuais e assim ambos saiam ganhando. O contexto em que se situa a Gestão de Pessoas é representado pelas organizações e pelas pessoas. As organizações são constituídas de pessoas e dependem delas para alcançar seus objetivos e cumprir suas missões. Por sua vez as organizações constituem o meio pela qual as pessoas podem alcançar vários de seus objetivos pessoais. Assim não haveria Gestão de Pessoas sem as organizações e sem as pessoas. É de grande relevância o que diz Chiavenato A Gestão de Pessoas é uma área muito sensível à mentalidade que predomina nas organizações. Ela é contingencial e situacional, pois depende de vários aspectos como a cultura que existe em cada organização, a estrutura organizacional adotada, as características do contexto

18 18 ambiental, o negócio da organização, a tecnologia utilizada, os processos internos e uma infinidade de outras variáveis importantes. (CHIAVENATO, 1999:7). Existe uma diferença significativa entre os conceitos Gestão de Pessoas e Administração de Recursos Humanos (ARH). Não há um domínio quando se fala em gestão, a idéia é resgatar o caráter humano da organização, há um maior grau de previsibilidade sobre o resultado do processo a ser gerido. O caráter humano deve se sobrepor ao caráter técnico, no âmbito do relacionamento entre as pessoas. O termo gestão de pessoas procura ressaltar o caráter da ação a gestão e seu foco de atenção: as pessoas. A Gestão de Pessoas tem como princípio à capacidade de gerir mudanças, de fazer as coisas acontecerem, fazendo com que as práticas gerenciais sejam voltadas para as estratégias organizacionais. Vários são os conceitos existentes sobre Gestão de Pessoas, porém vale citar dois conceitos bem adequados: É o conjunto de políticas, práticas, padrões atitudinais, ações e instrumentos empregados por uma empresa para interferir no comportamento humano e direcioná-lo no ambiente de trabalho. (DUTRA, 2001:65). É o conjunto de políticas e práticas necessárias para conduzir os aspectos da posição gerencial relacionadas com as pessoas ou recursos humanos, incluindo recrutamento, seleção, treinamento, recompensas e avaliação de desempenho.(chiavenato, 1999:8). A participação conjunta de diversos parceiros (acionistas, empregados, clientes, fornecedores), cada qual contribuindo com algum recurso, acarreta na realização do processo produtivo. Os fornecedores contribuem com matérias-primas, insumos básicos, serviços e tecnologias. Os acionistas contribuem com capital e investimentos que permitem o suporte financeiro para a aquisição de recursos. Os empregados contribuem com seus conhecimentos, habilidades e atitudes, proporcionando decisões e ações que dinamizam a organização. Os clientes e consumidores contribuem para a organização, adquirindo seus bens ou serviços colocados no mercado. A organização obtém a inclusão de novos e diferentes parceiros, através de alianças estratégicas, constituindo assim meios para consolidar e fortalecer seus negócios.

19 19 As empresas podem escolher entre tratar os empregados como recursos produtivos da organização, os chamados recursos humanos, ou tratá-los como parceiros da organização, as quais constituem o capital intelectual da organização. Assim elas oferecem à empresa seus conhecimentos, habilidades, capacidade e, principalmente, a sua inteligência. Este conjunto dá suporte a organização, proporcionando decisões racionais e alcançando seus objetivos globais GESTÃO COMPARTILHADA A velocidade e o impacto das mudanças requisitam profissionais com visão sistêmica, amplitude de conhecimentos, habilidades, capacidade e com percepção para captar as novidades, filtrá-las dentro do contexto, e aplicá-las na organização. Para um profissional desenvolver estas características é preciso que a organização considere alguns pontos fundamentais, tais como: Os profissionais são seres humanos, e como tais dotados de personalidades próprias, diferentes entre si, com conhecimentos, habilidades, destrezas e capacidades que podem se adequar à gestão organizacional. As pessoas são fonte de impulso próprio que oxigena a organização e não podem ser vistas como agentes passivos, inertes e estáticos. As pessoas são dotadas de inteligências, talentos e aprendizados indispensáveis à constante renovação e competitividade organizacional, em um mundo de mudanças e desafios. As pessoas devem ser vistas como parceiras da organização, capazes de induzir a mesma ao sucesso. E como parceiros realizam investimentos na organização em forma de dedicação, esforço, comprometimento, entre outros, na expectativa de retornos em forma de salários, benefícios, crescimento profissional, segurança, qualidade de vida, etc. As pessoas constituem o principal ativo da organização. Daí a necessidade de tornar as organizações mais conscientes e atentas a seus funcionários. Para crescer, prosperar, lidar com as mudanças e manter a sua continuidade, as organizações precisam ser capazes de otimizar o retorno sobre os investimentos de todos os

20 20 parceiros, inclusive dos empregados. As pessoas podem ampliar ou limitar as forças e fraquezas de uma organização, dependendo da maneira como elas são tratadas. 3.3 O LÍDER UNIVERSAL Durante os últimos 35 anos, testemunhamos um período de drásticas mudanças em âmbito global. O antigo bloco soviético caiu em desordem. As tecnologias de informação e de comunicação estão se fundindo em um sistema nervoso eletrônico que abrange o mundo todo. A interdependência aumentou muito: na década de 70, ela fez com que países integrantes da Organização dos Países Exportadores do Petróleo (OPEP) agitassem a economia mundial; em 1995, um único especulador financeiro, operador e supervisor das próprias transações levou o mercado financeiro mundial ao pânico com um modem; a globalização se fez presente; a revolução do consumo atingiu imensa velocidade. O mundo se modificou de maneira profunda. Estas mudanças continuam acontecendo a nossa volta, o tempo todo. FARREN (1996:182) atesta com muita propriedade que em meio a toda esta convulsão, duas tendências ocupam importante posição em nossa discussão sobre liderança. A primeira é a natureza mutável da forma de trabalho. Estamos vivenciando uma mudança tão profunda e básica das condições de trabalho humano e somente comparável, quanto a impacto, à introdução da agricultura ou à revolução industrial. Uma segunda importante tendência é o desgaste da confiança na tradicional liderança (FARREN, 1996:183). Mais objetivamente um desgaste da confiança na classe gerencial, pois ocupam posições estruturais que precisam de liderança, contudo não as tem. Cercadas por ciclos de mudança social e econômica, as pessoas procuram explicações em suas habituais fontes de liderança e não estão obtendo-as, pelo menos não de maneira satisfatória. Infelizmente, está cada vez mais comum vermos instituições desacreditadas por estarem envolvidas em escândalos, e atingidas pela discordância durante as últimas três décadas. Presidentes, generais, comandantes das indústrias, comissários, heróis dos esportes, religiosos e reformadores sociais têm sido

21 21 causa de decepções em diversas extensões. Cada novo escândalo é triturado pela mídia, chegando a provocar desconforto moral ao cidadão. Consultores, educadores e escritores em administração reforçam o mito de que aplicando o conhecimento, treinamento e recursos adequados, qualquer gerente pode se transformar em um gerente eficaz. Ainda assim, parecemos viver em outra realidade. Pare um minuto e pense nos gerentes, líderes, supervisores, como queira chamar, que você teve a oportunidade de ter trabalhado. Não é impressionante verificar como eram grandes as diferenças entre eles? Quantos de nós já tivemos de aturar chefes sem qualquer qualidade de liderança? Testemunhamos, no mundo dos negócios, pessoas boas e talentosas sendo preteridas por motivos políticos ou pessoas com vitalidade e ambição destruídas pela burocracia corporativa. Mas não vamos nos deter a isto. Precisamos mesmo é definir exatamente o que é um líder. A literatura sobre o assunto é muito ampla, mas também muito confusa, pois faz uso de diversas formas abstratas para definir a liderança. Então, vamos simplesmente definir liderança como a capacidade para conduzir mudanças. Será que podemos passar sem os líderes? Por mais desiludidos que possamos ser, a resposta é que precisamos de líderes. Com muita sensibilidade diz NICHOLSON (2001:96) A dominação é um universal biológico entre todos os mamíferos sociais. É possível nos negócios procurar criar empresas à prova de líderes, mas nunca sem liderança. Diz ainda NICHOLSON (2001:96) Crie uma sociedade sem líderes e eles simplesmente reaparecerão sem um nome específico NOVAS COMPETÊNCIAS PARA O LÍDER Os líderes são fundamentais dentro de uma organização e tem duas funções principais como tal. A primeira é ajudar a organização a definir e alcançar seus objetivos; esse é o papel do líder na formulação de visões estratégicas desafiadoras. A outra é incorporar o espírito da equipe e ajudá-la a se manter unida, representar simbolicamente a identidade do grupo. O equilíbrio entre estas duas funções altera ao longo do tempo. Às vezes, a prioridade é a mobilização do grupo para superar algum

Os Sete Níveis de Consciência da Liderança

Os Sete Níveis de Consciência da Liderança Os Sete Níveis de Consciência da Liderança Existem sete níveis bem definidos de liderança, que correspondem aos sete níveis de consciência organizacional. Cada nível de liderança se relaciona com a satisfação

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

Parceria RH & Coaching: Soluções à organização pessoal e profissional Marcia Toscano

Parceria RH & Coaching: Soluções à organização pessoal e profissional Marcia Toscano Parceria RH & Coaching: Soluções à organização pessoal e profissional Marcia Toscano Socióloga - Consultora em Gestão de Pessoas - Personal & Professional Coach 1. Cenários organizacionais: Como delimitar

Leia mais

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Gestão de Negócios Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes Sólidos conteúdos com alegria - essas são algumas características das palestras de Marcelo de Elias. Outra característica marcante: Cada palestra é um projeto

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381 GESTÃO DE PESSOAS APLICADA ÀS UNIDADES DE INFORMAÇÃO 1 Mailza Paulino de Brito e Silva Souza 2 Sandra Pontual da Silva 3 Sara Sunaria Almeida da Silva Xavier 4 Orientadora: Profª M.Sc. Luciana Moreira

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências 2 Professora: Zeila Susan Keli Silva 2º semestre 2012 1 Contexto Economia globalizada; Mudanças contextuais; Alto nível de complexidade do ambiente; Descoberta da ineficiência dos

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

Inteligência. Emocional

Inteligência. Emocional Inteligência Emocional Inteligência Emocional O que querem os empregadores?? Atualmente, as habilitações técnicas específicas são menos importantes do que a capacidade implícita de aprender no trabalho

Leia mais

31 descobertas sobre liderança

31 descobertas sobre liderança ALTA GERÊNCIA 31 descobertas sobre liderança Estudo Leadership Forecast 2005-2006, realizado pela firma de consultoria Development Dimensions International (DDI), buscou analisar como são percebidas em

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

A importância do treinamento em grandes corporações: Um estudo de caso na empresa Schincariol

A importância do treinamento em grandes corporações: Um estudo de caso na empresa Schincariol 1 A importância do treinamento em grandes corporações: Um estudo de caso na empresa Schincariol RESUMO Bruna Aparecida Pereira RAYMUNDO 1 Cristiane Aparecida RABELO 2 Emerson Pallotta RIBEIRO 3 Humberto

Leia mais

Curso Introdução ao Secretariado Empresarial

Curso Introdução ao Secretariado Empresarial Seja bem Vindo! Curso Introdução ao Secretariado Empresarial CursosOnlineSP.com.br Carga horária: 20hs Conteúdo Programático: 1. Um novo perfil 2. Da era da máquina datilográfica à internet 3. Um perfil

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE DESENVOLVIMENTO HUMANO FORMAÇÃO DE LÍDER EMPREENDEDOR Propiciar aos participantes condições de vivenciarem um encontro com

Leia mais

Conteúdo de qualidade com leveza e bom humor

Conteúdo de qualidade com leveza e bom humor Conteúdo de qualidade com leveza e bom humor Sólidos conteúdos com alegria - essas são algumas características das palestras de Marcelo de Elias. A maioria absoluta das avaliações obtêm excelentes resultados,

Leia mais

Inteligência Emocional. A importância de ser emocionalmente inteligente

Inteligência Emocional. A importância de ser emocionalmente inteligente Inteligência Emocional A importância de ser emocionalmente inteligente Dulce Sabino, 2008 Conceito: Inteligência Emocional Capacidade de identificar os nossos próprios sentimentos e os dos outros, de nos

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA: MONICA ROCHA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO Liderança e Motivação são fundamentais para qualquer empresa que deseja vencer

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais?

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais? TEMA - liderança 5 LEADERSHIP AGENDA O Que fazem os LÍDERES eficazes Porque é que certas pessoas têm um sucesso continuado e recorrente na liderança de empresas ou de organizações de todos os tipos? O

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados Aperfeiçoamento Gerencial para Supermercados Liderança Liderança é a habilidade de influenciar pessoas, por meio da comunicação, canalizando seus esforços para a consecução de um determinado objetivo.

Leia mais

Perfil de estilos de personalidade

Perfil de estilos de personalidade Relatório confidencial de Maria D. Apresentando Estilos de venda Administrador: Juan P., (Sample) de conclusão do teste: 2014 Versão do teste: Perfil de estilos de personalidade caracterizando estilos

Leia mais

As Organizações e o Processo de Inclusão

As Organizações e o Processo de Inclusão As Organizações e o Processo de Inclusão Introdução Não há nada permanente, exceto a mudança. Heráclito, filósofo grego (544-483 a.c.). Mudança é o processo no qual o futuro invade nossas vidas. Alvin

Leia mais

II. NOSSA MISSÃO, VISÃO E VALORES

II. NOSSA MISSÃO, VISÃO E VALORES I. NOSSA HISTÓRIA A história da Crescimentum começou em 2003, quando o então executivo do Grupo Santander, Arthur Diniz, decidiu jogar tudo para o alto e investir em uma nova carreira. Ele optou por se

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS A administração eficiente de qualquer negócio requer alguns requisitos básicos: domínio da tecnologia, uma equipe de trabalho competente, rigoroso controle de qualidade, sistema

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

A importância do líder para os projetos e para as organizações.

A importância do líder para os projetos e para as organizações. Instituto de Educação Tecnológica Pós-Graduação Gestão de Projetos - Turma nº150 21 de Agosto e 2015 A importância do líder para os projetos e para as organizações. Dêmille Cristine da Silva Taciano Analista

Leia mais

Por que a ausência do pensar e da visão estratégica tendem a anular a ética? Há dois fatores que limitam e amortecepm a consciência ética:

Por que a ausência do pensar e da visão estratégica tendem a anular a ética? Há dois fatores que limitam e amortecepm a consciência ética: presumo Aula-tema 04: Pensamento Ético e Visão Estratégica. Comecemos por uma indagação: Por que a ausência do pensar e da visão estratégica tendem a anular a ética? Há dois fatores que limitam e amortecepm

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA. Profª. Danielle Valente Duarte

GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA. Profª. Danielle Valente Duarte GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA Profª. Danielle Valente Duarte 2014 Os Estudos e a Prática da Gestão Estratégica e do Planejamento surgiram no final da década

Leia mais

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS SUMÁRIO 1. O QUE SIGNIFICA GESTÃO DE PESSOAS... 3 2. PRINCIPAIS PROCESSOS DE GESTÃO DE PESSOAS... 3 3. O CONTEXTO DA GESTÃO DE PESSOAS... 4 4. EVOLUÇÃO DOS MODELOS DE GESTÃO...

Leia mais

ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Camila Cristina S. Honório 1 Maristela Perpétua Ferreira 1 Rosecleia Perpétua Gomes dos Santos 1 RESUMO O presente artigo tem por finalidade mostrar a importância de ser

Leia mais

Desenvolvimento de pessoas.

Desenvolvimento de pessoas. Desenvolvimento de pessoas. 2.2 FORMULAÇÃO DE UM PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS Gestão de Pessoas (Antonio Carlos Gil) e Gestão de Pessoas (Idalberto Chiavenato) "Se ensinardes alguma coisa a um

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Palavras-Chave: Organizações, Colaboradores, Recursos, Gestão de Pessoas

Palavras-Chave: Organizações, Colaboradores, Recursos, Gestão de Pessoas DA ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS À GESTAO DE PESSOAS Josiane de C. Aparecida Lacerda 1, Renata Valentina Bigolotti 2, Nivaldo Carleto 3 1 Fatec-Taquaritinga. Gestão do Agronegócio. Taquaritinga-SP

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO Fábio William da Silva Granado 1 Marluci Silva Botelho 2 William Rodrigues da Silva 3 Prof Ms. Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO Realizou-se uma análise

Leia mais

LIDERANÇA DA NOVA ERA

LIDERANÇA DA NOVA ERA LIDERANÇA DA NOVA ERA Liderança da Nova Era Liderança é a realização de metas por meio da direção de colaboradores. A liderança ocorre quando há lideres que induzem seguidores a realizar certos objetivos

Leia mais

Função do órgão GP NEAF. Contexto da GP. Objetivos da GP. Gestão de Pessoas:

Função do órgão GP NEAF. Contexto da GP. Objetivos da GP. Gestão de Pessoas: Gestão de Pessoas: Conceitos, importância, relação com os outros sistemas de organização. Fundamentos, teorias, escolas da administração e o seu impacto na gestão de pessoas. Função do órgão de recursos

Leia mais

A filosofia ganha/ganha

A filosofia ganha/ganha A filosofia ganha/ganha Interdependência Talvez nunca tenha existido, na história da humanidade, uma consciência tão ampla sobre a crescente interdependência entre os fatores que compõem nossas vidas,

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

desenvolvimento dos profissionais e atingimento dos resultados.

desenvolvimento dos profissionais e atingimento dos resultados. 1- OFICINAS DE FEEDBACK Aprofundar a reflexão e abordagem de Feedback como processo, fluxo e ferramenta indispensável no desenvolvimento dos profissionais, bem como elementos fundamentais de comunicação

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

29/03/12. Sun Tzu A Arte da Guerra

29/03/12. Sun Tzu A Arte da Guerra 29/03/12 Com planejamento cuidadoso e detalhado, pode-se vencer; com planejamento descuidado e menos detalhado, não se pode vencer. A derrota é mais do que certa se não se planeja nada! Pela maneira como

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

Por que fazer Gestão de Pessoas?

Por que fazer Gestão de Pessoas? Por que fazer Gestão de Pessoas? A U L A Metas da aula Descrever a importância das pessoas na organização; demonstrar os diversos significados do termo administração de Recursos Humanos; apresentar os

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Competências avaliadas pela ICF

Competências avaliadas pela ICF Competências avaliadas pela ICF ð Estabelecendo a Base: 1. Atendendo as Orientações Éticas e aos Padrões Profissionais Compreensão da ética e dos padrões do Coaching e capacidade de aplicá- los adequadamente

Leia mais

COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL

COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL 1.Osnei FranciscoAlves 2. Jéssica Barros 1. Professor das Faculdades Integradas Santa Cruz. Administrador, MBA Executivo em Gestão de Pessoas e

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE COACHING EDUCATION By José Roberto Marques Diretor Presidente - Instituto Brasileiro de Coaching Denominamos de Coaching Education a explicação, orientação e aproximação

Leia mais

Política Corporativa Setembro 2012. Política de Recursos Humanos da Nestlé

Política Corporativa Setembro 2012. Política de Recursos Humanos da Nestlé Política Corporativa Setembro 2012 Política de Recursos Humanos da Nestlé Autoria/Departamento Emissor Recursos Humanos Público-Alvo Todos os Colaboradores Aprovação Concelho Executivo, Nestlé S.A. Repositório

Leia mais

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você.

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. A HR Academy e a NextView realizaram uma pesquisa focada em geração y, com executivos de RH das principais

Leia mais

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências.

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências. 1 Programa Liderar O Grupo Solvi é um conglomerado de 30 empresas que atua nas áreas de saneamento, valorização energética e resíduos. Como alicerce primordial de seu crescimento encontrase o desenvolvimento

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: MODELO SISTÊMICO E COMPARTILHADO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: MODELO SISTÊMICO E COMPARTILHADO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: MODELO SISTÊMICO E COMPARTILHADO INTRODUÇÃO: As empresas corporativas atualmente desenvolvem visões e políticas que se enquadrem no conceito de desenvolvimento sustentável, responsabilidade

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

Ajudar uma pessoa a mudar da maneira que deseja, e a ir na direção que quer.

Ajudar uma pessoa a mudar da maneira que deseja, e a ir na direção que quer. Introdução Coaching é, na prática, fornecer apoio e feedback positivo ao mesmo tempo oferecendo algum tipo de aconselhamento a um indivíduo ou grupo, a fim de levá-los a perceber as formas de melhorar

Leia mais

Autor: Ricardo José Pereira Monteiro Professora Responsável: Prof. Dra. Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 6

Autor: Ricardo José Pereira Monteiro Professora Responsável: Prof. Dra. Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 6 Arquivo Título: A Influência da Cultura Organizacional nos Processos de Fusão e Aquisição Empresarial Autor: Ricardo José Pereira Monteiro Professora Responsável: Prof. Dra. Nilda Maria de Clodoaldo

Leia mais

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES 1 MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES Wainy Indaiá Exaltação Jesuíno 1 Marco Antônio 2 Resumo O objetivo deste trabalho é demonstrar a importância da análise do clima organizacional para mudança da cultura

Leia mais

George Vittorio Szenészi

George Vittorio Szenészi A Semana > Entrevista N Edição: 2173 01.Jul.11-21:00 Atualizado em 07.Jul.11-15:47 George Vittorio Szenészi "Inteligência sem emoção não funciona" O psicoterapeuta diz como a capacidade de lidar bem com

Leia mais

IBMEC Jr. Consultoria. A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho

IBMEC Jr. Consultoria. A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho IBMEC Jr. Consultoria A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho O mercado de trabalho que nos espera não é o mesmo dos nossos pais... ... ele mudou! As mudanças Certeza Incerteza Real Virtual

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

Como liderar uma equipe?

Como liderar uma equipe? Como liderar uma equipe? Ricardo Mallet O cenário atual no mundo dos negócios tem colocado grande responsabilidade nas mãos dos líderes ao exigir a formação de equipes compostas por gerações, culturas

Leia mais

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas As pessoas devem ser tratadas como parceiros da organização. ( Como é isso?) Reconhecer o mais importante aporte para as organizações: A INTELIGÊNCIA. Pessoas:

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 PALAVRA DA DIRETORIA Apresentamos, com muito prazer, o do Grupo Galvão, que foi elaborado de maneira participativa com representantes dos colaboradores

Leia mais

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS Ensinar para administrar. Administrar para ensinar. E crescermos juntos! www.chiavenato.com GESTÃO E PRÁTICAS DE RECURSOS HUMANOS Para Onde Estamos Indo? Idalberto Chiavenato Algumas empresas são movidas

Leia mais

LÍDER COACH X COACHING DEFINIÇÃO DE CONCEITOS E APLICABILIDADE

LÍDER COACH X COACHING DEFINIÇÃO DE CONCEITOS E APLICABILIDADE LÍDER COACH X COACHING DEFINIÇÃO DE CONCEITOS E APLICABILIDADE ANA PATRÍCIA VELLOSO Consultora, Psicóloga Especialista na Área Organizacional. Proprietária da MP Consultoria em RH. Coach Executivo - Formada

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Missão, Visão e Objetivo Organizacional (Cultura Organizacional)

Estratégias em Tecnologia da Informação. Missão, Visão e Objetivo Organizacional (Cultura Organizacional) Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 2 Missão, Visão e Objetivo Organizacional (Cultura Organizacional) Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS: O NOVO DESAFIO DO GERENTE DE PROJETOS

GESTÃO DE PESSOAS: O NOVO DESAFIO DO GERENTE DE PROJETOS GESTÃO DE PESSOAS: O NOVO DESAFIO DO GERENTE DE PROJETOS Carolina Kellen Drummond Salgado * Bacharel em Relações Internacionais (PUC-MG), funcionária da GRD Minproc. Pós-Graduada em Administração de Compras

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

Gestão de pessoas. Gestão de pessoas

Gestão de pessoas. Gestão de pessoas Gestão de pessoas Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros Gestão de pessoas Gestão de pessoas ou administração de RH? Uma transformação das áreas e de seus escopos de atuação; Houve mudança ou é somente semântica;

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

PROGRAMA 5S: COMBINAÇÕES FUNDAMENTAIS PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES RESUMO

PROGRAMA 5S: COMBINAÇÕES FUNDAMENTAIS PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES RESUMO PROGRAMA 5S: COMBINAÇÕES FUNDAMENTAIS PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Francislaine Pereira de Souza, Unisalesiano de Lins, e-mail: francislaine_ps@hotmail.com Janaina Fanali Daniel, Unisalesiano de Lins,

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes

Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes Adriane Hartman (CEFET-PR-PG) adriane.h@terra.com.br Prof. Dr. Dálcio

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 INTRODUÇÃO Desde que foi fundada em 2001, a ética, a transparência nos processos, a honestidade a imparcialidade e o respeito às pessoas são itens adotados pela interação

Leia mais