CLÁUDIO PEREIRA GOMES A MÚSICA E A DANÇA CONTRIBUINDO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CLÁUDIO PEREIRA GOMES A MÚSICA E A DANÇA CONTRIBUINDO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL"

Transcrição

1 CLÁUDIO PEREIRA GOMES A MÚSICA E A DANÇA CONTRIBUINDO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Criciúma, 2007

2 CLÁUDIO PEREIRA GOMES A MÚSICA E A DANÇA CONTRIBUINDO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Monografia apresentada à Diretoria de Pós- Graduação da Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC, para obtenção do título de especialista em Treinamento Desportivo. Orientadora: Profª Msc Clarice Vaz S. Arbelo Criciúma, 2007

3 AGRADECIMENTOS Quero expressar minha gratidão a todas as pessoas que direta ou indiretamente, me proporcionaram apoio para que eu pudesse realizar este trabalho, de modo especial a Deus, meus colegas e professores que em momentos difíceis me apoiaram nesta caminhada. Muito obrigado!

4 SEJA FELIZ Sonhe com aquilo que você quiser, Vá para onde você quiser, seja o que você quer ser, Porque você apenas possui uma vida e nela só temos uma chance de fazer aquilo que queremos. Tenha felicidade bastante para fazê-la doce, dificuldades para fazê-la feliz. As pessoas mais felizes não têm as melhores coisas, Elas sabem fazer o melhor das oportunidades. A felicidade aparece para aqueles que choram. Para aqueles que se machucam, Para aqueles que querem, conhecem a importância das pessoas que passam por sua vida. O futuro mais brilhante sempre estará baseado num passado esquecido. Você tem sucesso na vida quando esquecer os erros e as decepções do passado. Quando você nasceu, você estava chorando e todas as pessoas ao seu redor estavam sorrindo. Viva de um modo que ao morrer você seja aquele que esteja sorrindo, enquanto todos a sua volta estejam chorando. E o mais importante, viva a presença de DEUS, quando seu tempo na Terra acabar aproveite seu tempo agora para conhecê-lo e aprender quem Ele é, e quem Ele quer que você seja enquanto você está aqui (Autor desconhecido)

5 TÍTULO: A música e a dança contribuindo no processo de aprendizagem dos alunos do Ensino Fundamental AUTOR: Cláudio Pereira Gomes ORIENTADORA: Profª Msc Clarice Vaz dos Santos Arbelo RESUMO O presente trabalho bibliográfico procura abordar a música e a dança contribuindo no processo de ensino aprendizagem dos alunos do ensino fundamental. A música e a dança são produções sociais que representam os diversos aspectos da vida do ser humano. Neste sentido, deve-se considerar que ambas (música e dança) são conteúdos relevantes dentro da disciplina de Educação Física. A integração de ambas no processo ensino aprendizagem possui a finalidade de criar e desenvolver oportunidades para a criança se expressar, ser criativa e espontânea. É importante ressaltar a preciosidade em termos de desenvolvimento da expressão, imaginação e criatividade para o ser humano, bem como a importância da educação de ambas para que os alunos possam atuar no presente em busca de um mundo melhor no futuro. O educador é o elemento articulador desse processo, devendo estar atento e autorizado para organizar uma educação de boa qualidade, sendo que através da música, o educador pode despertar o interesse do educando na construção de uma nova aprendizagem. Para a realização da pesquisa bibliográfica, a busca de leituras foram constantes, permeando assim, a elaboração do material escrito, o qual teve como suporte teórico os seguintes autores: Snyders (1997), Rosa (1999), Libâneo (1994), Rego (1995), entre outros. Esta pesquisa se constitui como um mecanismo que visa contribuir com a escola, no sentido de viabilizar a conquista da vivência democrática, pois permite que todos participem do processo ensino-aprendizagem, tornando-se atuantes nas decisões escolares. Palavras-chave: Música; Dança; Criatividade. Processo ensino aprendizagem

6 SUMÁRIO INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA MÚSICA A cultura na música popular dos anos A teoria da música O poder da música Os que mais se opõem não são os mais opostos O desenvolvimento psicológico da criança A música no processo ensino-aprendizagem Por uma pedagogia cognitivista da música O educador, a música e a escola A mediação do educador A HISTÓRIA DA DANÇA A dança no Brasil Concepções de ensino na Educação Física Corporeidade e movimento humano A dança na escola A dança e a co-educação A improvisação: enquanto proposta metodológica para o ensino da dança...37 CONSIDERAÇÕES FINAIS...39 REFERÊNCIAS...41

7 INTRODUÇÃO Atualmente a aprendizagem escolar, o comportamento e o interesse dos educandos vem ocupando um grande lugar na preocupação e capacitação dos educadores e de todos os profissionais da educação, cuja atuação se relacionam com modificações a serem realizadas na personalidade humana e nas estratégias pedagógicas. Desta forma, o presente trabalho bibliográfico desenvolveu o tema: A música e a dança contribuindo no processo de aprendizagem dos alunos do ensino fundamental. A finalidade é desvendar a compreensão do significado da música e da dança na educação e os benefícios trazidos pela utilização das mesmas, partindo do pressuposto que ambas são linguagens, e conseqüentemente, um conhecimento, e como tal deve ser explorada. Através da música e da dança, a escola pode oferecer acesso aos principais expoentes da nossa cultura, que pode ser através do canto, dos instrumentos e dos movimentos corporais. A música e a dança devem ser apreciadas, contextualizadas e refletidas, para que posteriormente, possibilite a crítica. A escola deve propiciar, aos alunos as progressivas alegrias dos encontros com a música e a dança, naquilo que ela tem de genial. A função mais evidente da escola é preparar os jovens para o futuro, para a vida adulta, para a vida profissional e para a cidadania. Considerando que os jovens passam na escola tantos e tantos anos - os mais belos de sua juventude, de sua vida - é preciso que a escola tenha por tarefa verificar o presente desses jovens e fortalecê-los neste presente, propiciando uma alegria que seja vivida hoje. A utilização da dança e da música em sala de aula é uma das formas para o educando realizar as atividades propostas pelo educador com maior facilidade, tornando-se mais produtivo, engajando-se naquilo que fazem, apropriando-se desta forma do domínio dos meios de expressão, e também da capacidade de ouvir uns aos outros. Eles comunicam-se pela música e pela dança, exprimem através delas o que está em seus corações e experimentam a alegria de uma atividade que se desenrola de acordo com seus interesses e desejos. A música e a dança como processos dinamizadores, significa identificá-las como um desafio a ser encarado, em busca de perspectivas para melhoria da

8 aprendizagem e mudanças de comportamentos nos educandos. E a melhor forma de trabalho pedagógico é aquela que proporciona a educação da pessoa inteira, criativa e crítica, pois olhar o mundo é aprender e perceber significados em todas as coisas. A música e a dança acompanham o homem praticamente desde o início da humanidade. Os povos antigos cantavam e dançavam por diversos motivos - religiosos e guerreiros. Elas sempre estiveram presentes entre os homens préhistóricos, fazendo parte das homenagens aos deuses, nos ritos de guerras das tribos indígenas e nas nações africanas, nas festividades da Idade Média entre outros. A música e a dança passaram por várias fases nas suas histórias, cederam a diferentes estilos de acordo com a época. Sendo a escola e a educação um espaço privilegiado da construção do conhecimento humano, na Educação Física também ocupa esse espaço, pois ela deve proporcionar a seus alunos participarem da construção do conhecimento de si mesmo e de seus colegas, considerar suas percepções, para possibilitar ao aluno descobrir como um sujeito de sua própria história e não um objetivo dela. Os conteúdos da Educação Física são as manifestações da linguagem ou expressão corporal e se apresentam em jogos, esportes, ginástica e dança. É de vital importância salientar que o professor não pode excluir alguns conteúdos como também não pode permitir a hegemonia de outros. Um dos conteúdos da Educação Física no âmbito escolar mais excluído é a música e a dança. Talvez por preconceito por achar que aquilo que diverte não contém conhecimento ou por insegurança de trabalhar um conteúdo com o qual tem pouca familiaridade. Muitos professores vêm deixando-a do lado de fora da sala de aula. Com raríssimas exceções, a única ocasião em que a música e a dança entram na escola é na época das Festas Juninas, quando os alunos ensaiam a quadrilha. Mesmo nesse caso, muitas vezes elas são realizadas de forma mecânica sem que os alunos saibam suas origens e seus significados. Em geral, quando se canta ou dança, ocorre um movimento espontâneo nas crianças, geralmente, as meninas, que imitam o que é divulgado pela mídia. Tanto a música como a dança são campos aprendizagem privilegiada, é uma forma de arte que utiliza como material apenas o corpo e seus movimentos.

9 É preciso considerar que incentivar a música e a dança aos alunos, não significa formar músicos ou bailarinos, mas sim, tirar aproveito de todas as capacidades que pode ajudar a desenvolver. E é essa compreensão da música e da dança como expressão que devemos privilegiar nas aulas de Educação Física, tendo-a como uma forma de estimulação dos alunos para expressão corporal, aguçando sua criatividade através de movimentos livres e próprios. Partindo dessas considerações surgiu a seguinte problemática: como a música e a dança contribuem no processo de ensino-aprendizagem dos alunos do ensino fundamental? Como objetivo esse trabalho busca compreender através de pesquisa bibliográfica como a música e a dança podem ser aplicadas e incluídas pelos professores de Educação Física em suas aulas. Devido há vários fatores como preconceito e hegemonia dos esportes, a música e a dança têm sido consideradas como conteúdos fantasmas nas aulas de Educação Física. E por isso, há necessidade de fazer o resgate das aulas de música e dança e legitimação de aulas mistas (co-educação). Este estudo estrutura-se em três (03) momentos: No primeiro momento, apresenta-se a história, a teoria, o poder da música; bem como o desenvolvimento psicológico da criança, onde destaca-se a música no processo ensino-aprendizagem; a pedagogia cognitivista da música, o educador, a música e a escola e a mediação do educador. No segundo momento, apresentam-se a história da dança, as concepções de ensino na Educação Física, a dança na escola, ressaltando-se a dança e a coeducação e a improvisação: enquanto proposta metodológica para o ensino da dança E finalizando, no terceiro momento, destacam-se as Considerações Finais e as Referências.

10 1 A HISTÓRIA DA MÚSICA A origem da música é proveniente em nosso vasto território, das mais variadas músicas a começar da catequese dos Jesuítas até a contribuição portuguesa, africana e indígena. (MIGNONE, 1980, p. 33). Mignone (1980), ressalta ainda que a história da música abrange vários períodos. O colonial, o de D, João VI, o romantismo e indianismo, o moderno, o contemporâneo e o da Vanguarda 1. Os dois grandes ramos da música brasileira são o popular e o erudito. Erudito, quer dizer música trabalhada, feito com saber e construção variada. No período colonial, colocaremos em primeiro lugar a música dos indígenas, segundo Mignone (1980, p. 34): possui elementos de referência para saber como era a música dos índios no tempo da descoberta. O certo é que eles tenham a própria cultura musical que aprecia em seus contos e ritmos. Os Jesuítas que vieram ao Brasil para dar instruções metodológicas e orais aos Silvícolas ficaram assustados ao ouvir os seus contos, os seus instrumentos de percussão 2 e ver a sua dança. Resolveram ensina-lhes o cantochão e outros contos religiosos. Com isto, conseguiram destruir a música espontânea e natural dos nativos. Além dos Jesuítas, participaram deste crime, os frades mercenários (frades evangelistas que resgatavam os escravos das mãos dos mouros). Em decorrência da ação civilizadora dos Jesuítas, a música nativa acabou perdendo, lamentavelmente suas características. (MIGNONE, 1980, p. 35). Segundo Mignone (1980), com o início da escravatura nos meios de grande prosperidade, como Bahia e Pernambuco, criou-se um campo novo de manifestações culturais. Não resta dúvida, de que a contribuição cultural do negro foi praticamente iniciada no próprio Brasil. Os escravos chegavam com seus instrumentos de percussão e quase nenhum contato com o português e os índios semi-civilizados, começaram a criar musicais e combinações instrumentais, cujas características se originaram do próprio ambiente encontrado. Na política, o Ocidente organizava seus Estados Feudais, dividindo-os em vilas burguesas, castelos e conventos. O fracionamento político atinge também a 1 Vanguarda: grupo político, social ou artístico que defende idéias pioneiras. 2 Percussão: conjunto de instrumentos.

11 música, nas vilas, o povo cantava as canções de oficio, simples no ritmo e na melodia, fáceis de decorar. Nos castelos ouvem-se músicas aristocráticas. Os trovadores 3, condicionados, no início, as regras gregorianas 4, levam ao castelo, pela música a distração e a informação. Com eles, a música e a divulgação em âmbito mais amplo, passa através das regiões. Fundem-se as antigas melodias as atribuições folclóricas dos diversos povos. (FAHLBUSCH, 1990). A opulência da Renascença também deixa suas marcas na música. Compositores descobrem que não basta construir é necessário exprimir e inovar. Os protestantes buscam nas antigas músicas do povo seus temas musicais. A música passa época por época e, em cada uma lhe é acrescentado algo de novo. Das transformações da Renascença surge à música barroca, música como arte. (FAHLBUSCH, 1990). Depois, vem a Revolução Francesa, as idéias liberais espalham-se por toda a Europa e daí se irradiam para o resto do mundo. A Europa e o mundo inteiro se transformou. Com ela veio o Romantismo e a alienação da arte de salão feita para a elite aristocrática, a música deveria falar mais ao povo, mediante uma linguagem mais simples. (MENDES, 1985). As coisas caminharam assim até meados do século XIX. Nesse século, duas novas tendências juntam-se às buscas da música clássica: a música eletrônica e a música concreta. Como decorrência da música concreta aparece à música eletrônica, que emprega sons produzidos em laboratório por osciladores eletrônicos. E mais recentemente, iniciaram-se as pesquisas sobre música aleatória, isto é, a música do acaso. As modernas manifestações de música concreta e eletrônica, somadas as aleatórias, estão entre os fenômenos mais controvertidos da história da música. A música, por meio do Canto Orfeônico, passa a compor esse conjunto curricular, na década de 30, e tem como seu maior representante o compositor Heitor Villa Lobos. O projeto musical de Villa-Lobos esbarrou no problema da formação de educadores e para adequar-se a essas condições, acabou transformando-se em aulas de teoria musical trabalhada matematicamente pelo código musical com memorização de peças orfeônicas. (BRASIL, 2000). 3 Trovadores: poetas medievais, que faz trovas. 4 Gregorianas: refere-se ao rito ou ao canto, atribuídos ao Papa Gregório I, no século VI.

12 Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (2000, p. 56): É somente nos anos sessenta, que o Canto Orfeônico foi substituído pela Educação Musical, criada pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, de 1961 (primeira LDB Nacional). Entre os anos 1920 a 1970, o movimento da Escola Nova leva a um redimensionamento da educação escolar como um todo e a escola vai aos poucos tendo o educando como centro do processo educativo. Sendo assim, o ensino da arte passa a dar ênfase aos processos de desenvolvimento e criação da criança, trabalhando com a livre expressão. (BRASIL, 2000). A Educação Musical também incorpora este enfoque e a música passa a ser cantada, dançada, tocada e sentida. Por meio de jogos, brincadeiras, rodas de instrumentos de percussão buscam-se um desenvolvimento auditivo, rítmico da expressão corporal estimulando as crianças a experimentar, improvisar e criar. (BRASIL, 2001, p. 56) Em 1971, com a reforma da LDB de nº 4024/61, o ensino da Arte passa a ser definido como Educação Artística e considerada como atividade educativa. Essa passa a ser um componente curricular e traz como conteúdo a música, o teatro, a dança e as artes plásticas para o então 1º e 2º graus. (BRASIL, 2001, p. 57). A partir dos anos 80, os educadores de arte, tanto da educação formal com da informal, mobilizam-se e constitui o movimento Arte-Educação. Este tem repercussão nacional e promove um amplo estudo sobre o ensino da arte. (BRASIL, 2001). Em 1996, o ensino da arte é confirmado como componente curricular obrigatório na Educação Básica pela lei nº 9394/96, de 23 de dezembro de 1996 (art. 26, parágrafo 2º) e em 1998, é identificado como Arte (e não mais por Educação Artística) pelos Parâmetros Curriculares Nacionais. Nestes Parâmetros, a proposta nacional para o desenvolvimento da linguagem musical tem como conteúdo a comunicação e a expressão em música, envolvendo a interpretação, a improvisação e a composição, a apreciação significativa, envolvendo a escuta, a compreensão da linguagem musical, e o estudo da música como produto cultural e histórico. O que fundamenta essa proposta de conteúdo é entre outras, a idéia de que a criação artística se distingue das outras modalidades de conhecimento pela qualidade de comunicação que se estabelece entre os seres humanos, por meio da linguagem desenvolvida na obra de arte. (BRASIL, 1998).

13 A manifestação artística tem em comum com o conhecimento científico, técnico ou filosófico seu caractere de criação e inovação. Essencialmente, o ato criador, em qualquer dessas formas de conhecimento, estrutura e organiza o mundo, respondendo aos desafios que eles emanam, num constante processo de transformação do homem e da realidade circundante. (BRASIL, 2000, p. 32). Outro princípio, igualmente relevante, destacado nos Parâmetros Curriculares Nacionais (2000), resulta do entendimento de que não dá para falar em formação do cidadão sem se oportunizar ao estudante a condição de participar ativamente como ouvinte, interprete, compositor e improvisador, desenvolvendo a linguagem musical como forma de aprender a realidade, expressar-se no mundo. Assim, o ensino da música pode desempenhar um papel essencial para situar em seus justos lugares, as técnicas, os exercícios, em resumo, os meios e as finalidades profundas da educação. 1.1 A cultura na música popular dos anos 60 No Brasil, início dos anos 60, a ideologia nacional desenvolvimentista é a regra e a prática dentre grande parte da população. A intelectualidade e a classe política alimentam a crença em um país vivendo o seu momento de arrancada. Enfim, a era das dualidades 5 iria terminar e o moderno venceria o arcaico 6 em questão de anos. Afinal, tinha-se uma nova capital, a televisão e um campeonato mundial de futebol. Tinha-se uma industrialização crescente e a formação de uma infra-estrutura que daria conta desta modernização eminente. Assim, um modelo de desenvolvimento ia se formando no país, onde a questão do atraso dos povos periféricos 7 em relação aos grandes centros mundiais, não era mais definida no campo cultural. É o crescimento econômico que surgiria um mundo onde todos poderiam ter prosperidade e paz, através do consumo e do trabalho. (GAINZA, 1988). O modelo, implementado no Brasil com relativo sucesso neste período, cria condições para a formação de seu próprio contrapeso. A estrutura caótica 8 dos grandes centros urbanos, fruto da massiva migração interna que ocorria neste 5 Arcaico: fora de uso, antiquado. 6 Dualidades: dois princípios básicos e opostos. 7 Periféricos: proximidade, vizinhança. 8 Caótico: muito confuso.

14 período, criaria condições para o surgimento de uma população diversificada e atuante, na medida em que se sofisticavam os instrumentos de atuação política em um país de crescentes desigualdades sociais. De forma irônica, a caminhada a passos firmes para a modernidade, deixava para trás um rastro de pobreza nas cidades e miséria nos campos. Ao adentro a década de sessenta, o país encontrava-se em meia a uma crise institucional e financeira. O presidente Jânio Quadros renuncia em 1961 e a inflação atinge picos de 50% em (GAINZA, 1988). Neste quadro histórico, Gainza (1988, p. 45) destaca a presença de uma elite cultural, formada no bojo 9 destes discursos e fatos contraditórios, inicia um trabalho onde a produção e o consumo da arte não seriam mais meros entretenimentos. No teatro, na música popular, no cinema, na literatura, nas artes plásticas, nas academias e redações, cada vez mais se ouvia o casamento entre cultura e poder. Frente um país que permanecia com seus horizontes políticos indefinidos, as produções culturais acenam com a possibilidade de pleitear algo mais que um consumidor passivo. (CHARTER apud SNYDERS, 1997, p. 28). Num dado momento, o discurso cultural passa a adotar estratégias de um discurso político, não só nas suas diversas linguagens, como na prática efetiva do artista enquanto agente social. (SNYDERS, 1997). Esta mudança no estatuto da cultura brasileira deve ser bem localizada e delineada, pois inaugura uma forma de ação política que até então era ignorada por aqui: a conscientização do povo através da idéia de uma cultura nacional popular, como base de um projeto político efetivo. Em períodos com o Estado Novo, um governo constrói para o país uma cultura nacional oficial, ou seja, a população é inserida nesta cultura de forma automática, aceitando sua posição na hierarquia 10 social que vive. Já estes setores, produzem uma cultura nacional engajada da qual, teoricamente, a população é sua fonte e sua finalidade, para detonar um processo de tomada de poder. Ao se apropriar do que é popular para conscientizar a população, invertem uma lógica legitimadora que fundamentava o jogo político nacional até aquele momento. (SNYDERS, 1997). 9 Bojo: saliência arredondada. 10 Hierarquia: classificação ordenada de níveis de subordinação.

15 As questões de protesto com seu auge entre 1964 a 1968 canalizaram para a canção popular está relação entre cultura e poder, buscando na ampla aceitação popular desta música, um local perfeito para a difusão deste novo discurso. Politizadas pelo seu constante trabalho com um teatro que fora o precursor do engajamento cultural no país. (CHARTER apud SNYDERS, 1997, p. 31). É a partir da Bossa Nova, curiosamente o carro-chefe do período cultural desenvolvimentista que se definem as novas funções do músico brasileiro na sociedade. Como marco inicial, pode-se remeter ao ano de 1959, quando é lançado pela gravadora ODEON o disco Chega de Saudade, do cantor e compositor João Gilberto, considerado um ícone 11 na música e na cultura nacional, sua simbologia cristaliza até hoje a fase áurea de um discurso acerca das transformações históricas que o Brasil sofria neste período. A Bossa Nova atinge fama internacional, permanecendo até hoje marcada com o significado da renovação modernizada, refratando para o campo musical a já ideologia nacional desenvolvimentista deste período. Durante os anos JQ - JG ( ), o músico brasileiro, fazendo da Bossa Nova um produto de exportação que, junto com o Cinema Novo, conquistava o primeiro mundo. (SNYDERS, 1997). O momento de ruptura e ratificação das diferenças entre os produtos culturais no país ocorre em Após o Golpe Militar, este novo discurso revolucionário é posto em prática no cenário cultural brasileiro. A canção de protesto é constituída enquanto um debate em torno do engajamento e da eficácia revolucionária da palavra poética. Esta afirmação, decorrência direta do lema dos Centros Populares de Cultura (CPC) da UNE. Fora da arte política não há arte popular, redefinem não só o papel da música enquanto objeto cultural, como a do próprio autor enquanto agente social. Em outras palavras, o uso social da música passa a ser revolucionário e seu autor engajado. Músicas e compositores como Sérgio Ricardo, Edu Lobo, Geraldo Vandré, Carlos Lyra e até mesmo, Vinícius de Moraes, apesar de usufruírem o status da Bossa Nova, percebem a estruturação de um discurso com novas tonalidades dentro da cultura nacional e não hesitam em migrar para um novo posicionamento nesta cultura, mesmo contrariando um público consumidor já construído. (SNYDERS, 1997). Já o surgimento de Elis Regina e a proliferação de trios à semelhança de Tamba, (piano, baixo e bateria), com Luis Eça, Bebeto e Ohana, depois Hélcio Milito, 11 Ícone: tendência de comportamento própria de uma época.

16 como Zimbo Trio (Amilson Godoy, Rubens Barsoti e Luiz Chaves), Bossa de Três e dezenas de outras, abriram as portas da televisão para Bossa Nova. A mesma, que desaguaria no período dos Festivais de MPB, onde se afirmam nomes como Milton Nascimento, Geraldo Vandré, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Dorim Gaymmy, Gonzaguinha, Egberto Gismonti, Ivan Lins, Sérgio Sampaio, Raul Seixas, Aldair Blanc, Maria Alcina, Gutemberg, Toquinho, Nelson Mota, Paulinho da Viola, entre tantos compositores e interpretadores. E assim, novos nomes apareceram mesclando influências e assumindo novas experiências. (SNYDERS, 1997). Para Bourdieu: Em dado quadro histórico, a oratória política sobre o estado brasileiro não é mais exclusiva de partidos, latifundiários, empresários e generais. Neste momento, o artista consegue criar o estatuto de revolucionário para a sua produção cultural. (apud SNYDERS, 1997, p. 45). É claro que dentro da própria produção e consumo da música popular, a canção de protesto não atinge o status de hegemonia 12 ou sucesso de público. Seu surgimento, porém, causa uma divisão que marcaria por anos a produção neste campo: músicos engajados versus músicos alienados. Esta divisão inicia num processo de radicalização por parte de um público consumidor, que apesar de restrito, era presente. Neste sentido, sem negar a baixa aceitação popular dos engajados, suas canções permaneciam como discursos políticos, pelo fato de materializarem, no seio da produção musical brasileira, uma exportação, ou como instrumento de conscientização popular mesmo com todas contradições. (SNYDERS, 1997). Após trinta anos, a música ocupa um posto na cultura (e na economia) brasileira que se nos anos 60 estava se iniciando, hoje em dia, atinge cifras e dados impressionantes. Atualmente, mercados antes periféricos, como Axé Music, os sertanejos e os grupos de sambalanço, pagodes e sambas românticos, devem ser analisados já que são os best sellers da população brasileira, uma população com maioria analfabeta, mas ávida consumidora de discos e fitas. Como estratégias de produção definidas, a música popular nunca esteve tão presente no cotidiano do cidadão, como nos dias de hoje. Mesmo que o lema do CPC não seja mais adequado ao momento histórico atual, cria-se a necessidade de se ficar atento ao 12 Hegemonia: domínio, preponderância.

17 que será produzido para o mercado musical daqui alguns anos, para poder analisar questões como cidadania na sociedade brasileira. Não se pode mais subestimar o potencial social e histórico que a música popular detém, seja como entretenimento ou discurso. Afinal, se poucos aqui lêem um livro que fale sobre educação ou cultura em geral, todos podem ouvir, em qualquer hora, em qualquer lugar, em qualquer rádio, um morador de periferia paulista narrando, com detalhes os últimos dias de um presidiário do Carandiru. A música popular ainda pode ser a maior fonte de (in) formação do cidadão no país. Sem a prestação de sugerir uma postura cívica para a análise da realidade do Brasil. (SNYDERS, 1997). 1.2 A teoria da música A música tem sido, através dos séculos, uma das formas de comunicação entre os indivíduos. As tribos mais primitivas e os povos mais antigos usavam nos momentos importantes da vida. Thiessen et al (1987, p. 56), afirma que a: evolução do homem tem sido acompanhada pela música, uma vez que ela é o veículo ideal para as manifestações de seus sentimentos. A música no ensino destina-se a fazer com que os educandos encontrem mais, e tem sua justificativa no fato de existirem obras muito mais bonitas do que ouvimos no dia-a-dia. Múltiplos são os caminhos da Educação Musical, seus recursos e seus meios. (VERDERI, 1998). Sendo que a vida na escola não significa apenas bom desenvolvimento do plano de ensino-aprendizagem ou termos educandos espertos e barulhentos. Para Thiessen et al (1987, p. 56): a música é um dos meios de expressão da mais profunda realidade humana. Ela exterioriza um sentimento imaginário, cria um clima propício para o despertar das faculdades criadoras. O fazer musical requer atitudes de concentração e desenvolvimento com as atitudes propostas que devem estar presentes durante todo o processo educativo, em suas diferentes fases. (BRASIL, 1998, p. 60). A Educação Musical incorpora o desenvolvimento do intelecto, o desenvolvimento sensorial e o da sensibilidade, ou seja, eleva o nível cultural. (VERDERI, 1998). A aquisição sensorial é fundamental para a aquisição de todas as outras faculdades. Nada há na criança que não tenha passado primeiro pelos sentidos.

18 Ouvir música é apreciar melhor aquilo de que gosta, por aí podemos escrever uma reconciliação entre amor e o consentimento de todo ser ao amor. (BALZAC apud SNYDERS, 1997, p. 120). A utilização da música promove uma técnica de ensino-aprendizagem baseada na ação das sensibilidades artísticas e não meramente, racionalização material. (VERDERI, 1998) De acordo com os psicólogos e pedagogos da música, o desenvolvimento musical se dá de modo contínuo, iniciando-se com experiências concretas e encaminhando-se pouco a pouco, para o conhecimento das abstrações correspondentes. O desenvolvimento musical, como todo desenvolvimento humano não ocorre todo ao mesmo tempo. Os conceitos musicais são primeiro, aprendidos vagamente e depois, progressivamente compreendidos e interpretados, cada vez mais, com mais precisão. As aquisições prévias exercem influências e efeitos prolongados sobre novas experiências. (VERDERI, 1998). Porém, aprender música significa integrar experiências que envolvam a vivência, a percepção e a reflexão, encaminhando-as para níveis cada vez mais elaborados O poder da música A música não prende o ser humano apenas de um determinado lado, mas o atinge só em um determinado aspecto dele mesmo, toca o centro de sua existência, atinge o conjunto de sua pessoa, coração, espírito, corpo. A música, freqüentemente toma conta de mim como se fosse um mar (BAUDELAIRE apud SNYDERS, 1997, p. 42). É difícil encontrar uma única fração do corpo que não sofra a influência dos tons musicais. As raízes dos nervos auditivas estão mais extensas que as de quaisquer outros nervos do corpo. A música influi na digestão, nas secreções, internas, na circulação, na nutrição e na respiração. Sendo que as redes nervosas do cérebro são sensíveis aos princípios harmônicos 13. O corpo é afetado de acordo com a natureza da música, cujas vibrações incidem sobre ele. A música exerce 13 Harmônicos: espécie de acordeão.

19 poderosa influência sobre a atividade muscular, que aumenta ou diminui de acordo com o caráter das melodias empregadas. (SNYDERS, 1997). A música pode positivamente, modificar o metabolismo, afetar a energia muscular, elevar ou diminuir a pressão sangüínea e influir na digestão. E pode fazer todas essas coisas com maior sucesso e de maneira bem mais agradável do que quaisquer outros estimulantes capazes de produzir as mesmas alterações em nosso corpo. (BRINCKLIN, 1983, p. 82) Tendo estabelecido que a música exerce uma clara influência sobre o homem como indivíduo, a questão de saber se ela afeta a sociedade em geral ou é uma simples questão de extrapolação 14. Se os caracteres de uma grande proporção dos indivíduos que compõem a sociedade se modificam, essa sociedade sofrerá, sem dúvida, certo grau de modificação similar. (BRINCKLIN, 1983). Então, o trabalho com música deve reunir toda e qualquer fonte sonora: brinquedos, objetos do cotidiano e instrumentos musicais. É preciso lembrar que a voz é o primeiro instrumento e o corpo humano é fonte de produção sonora. Falta apenas estímulo nas escolas Os que mais se opõem não são os mais opostos E o processo dos educandos? A situação poderia parecer desesperadora para o educador se a realidade dos educandos correspondesse inteiramente ao que eles dizem e às recusas que acumulam. Em primeiro lugar, a violência de suas reações, quando a música que apreciam é atacada, prova que sentem bastante tudo o que está em foco nas escolhas musicais: não se trata absolutamente de simples diferenças de sensações, como quando alguns educadores podem ser ameaçados em sua classe é porque os julgamentos que os educandos têm sobre a música fazem parte integrante de suas vidas, colocam-se literalmente à sua pele e aí eles sentem-se agredidos em suas próprias pessoas, quando seus valores musicais são questionados. Isto mostra que há aqui, julgamentos de valores, portanto, uma possibilidade de discussão, uma possibilidade de educação. (SNYDERS, 1997). Estes julgamentos de valor são complexos, talvez contraditórios, e de qualquer forma pedem um aprofundamento; com efeito, os educandos afirmam, simultaneamente, a completa liberdade individual do gesto musical ( Tenho o direito 14 Extrapolação: ultrapassar, exceder.

20 de ter meus gostos, a gente gosta do que gosta ) e o fato de que todos os jovens apreciam a mesma música; o gosto seria então, menos uma coisa individual do que de geração. A prova disto é que existem exceções, efetivas ou hipotéticas, seriam constituídas não para os jovens desviados, por um gosto falso, mas por jovens que estariam traindo ou pelo menos se desviado gravemente de seu grupo, e sendo sancionados enquanto tais: quando gostamos do clássico somos malvistos, a música clássica é destinada à pessoa de idade. Você vê algum jovem escutar Schubert em seu walkman? Certamente não. Seus colegas ririam dele, diz um educando do Liceu Fénelon. Pensei, no início da frase, que Schubert seria descartado como desinteressante, na verdade, ele fora condenado em nome de um código grupal, colocado como algo obsoleto. Há lugar aqui para progressos na tomada de consciência. (SNYDERS, 1997). Levando isto ao paradoxo 15, dir-se-ia que são os momentos mais violentos de recusa ao educador e à sua influência, que constituem na verdade as chances mais reais de evolução, pois revelam o quanto à música está nos antípodas 16 de uma simples moda, de um esnobismo, do divertimento, atitudes que bloqueariam ainda mais duramente o diálogo com o educador. (SNYDERS, 1997). Na oposição declarada ao professor empoeirado, ultrapassado, fora da moda, aparece o medo de que seus argumentos, seu modo de fazer constituam uma força ameaçadora, capaz de expulsar os jovens para longe de seus gastos, de roubar-lhes suas alegrias; e se elas forem vendidas e o professor conseguir impor-lhes suas alegrias. (FÉNELON apud SNYDERS, 1997, p. 141) Mas esta não é a prova de que eles não estão tão seguros de suas posições como gostam de declarar? Muitas resistências, enfim a Beethoven diga-se ainda uma vez, significam também a angústia de não estar a altura, e elas se desenvolvem num fundo de culpabilidade que questiona não apenas o educando, mas também seu modo de vida; não é para mim, não é para nós, não é para gente como a gente. (SNYDERS, 1997). Para Snyders (1997), sob as insolências 17 e as negações, é preciso saber ler as fragilidades e até mesmo, os apelos, em uma palavra, os mecanismos de 15 Paradoxo: contradição. 16 Antípoda: contrário, oposto. 17 Insolências: desaforo,atrevimento.

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

A Música No Processo De Aprendizagem

A Música No Processo De Aprendizagem A Música No Processo De Aprendizagem Autora: Jéssica Antonia Schumann (FCSGN) * Coautor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: O presente trabalho tem por objetivo investigar sobre a importância em

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

Projeto: Música na Escola. O amor é a melhor música na partitura da vida e sem ele, você é um eterno desafinado.

Projeto: Música na Escola. O amor é a melhor música na partitura da vida e sem ele, você é um eterno desafinado. Projeto: Música na Escola O amor é a melhor música na partitura da vida e sem ele, você é um eterno desafinado. Justificativa De acordo com as diretrizes curriculares, o som é a matériaprima da música;

Leia mais

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação.

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação. Colégio Tutto Amore Colégio Sapience Carinho, Amor e Educação. Trabalhamos com meio-período e integral em todos os níveis de ensino. www.tuttoamore.com.br Nossa História No ano de 1993 deu-se o ponto de

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Prof. Alexandre kikuti Np2. Questões RD Ritmo e Dança / 2014 (DP)

Prof. Alexandre kikuti Np2. Questões RD Ritmo e Dança / 2014 (DP) Prof. Alexandre kikuti Np2 Questões RD Ritmo e Dança / 2014 (DP) Questão 01 A Dança como ARTE é uma atividade humana que resulta de uma elaboração dentro de uma determinada cultura e estabelece íntima

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO Rebeca Vieira de Queiroz Almeida Faculdade Saberes Introdução O presente texto é um relato da experiência do desenvolvimento do projeto

Leia mais

APONTAMENTOS SOBRE A DISCIPLINA DE PERCEPÇÃO MUSICAL NO ENSINO SUPERIOR DE MÚSICA

APONTAMENTOS SOBRE A DISCIPLINA DE PERCEPÇÃO MUSICAL NO ENSINO SUPERIOR DE MÚSICA APONTAMENTOS SOBRE A DISCIPLINA DE PERCEPÇÃO MUSICAL NO ENSINO SUPERIOR DE MÚSICA Luiz Rafael Moretto Giorgetti Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP (Ex-aluno) e-mail: rafael_giorgetti@hotmail.com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA RAIMUNDO PEREIRA DO NASCIMENTO

A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA RAIMUNDO PEREIRA DO NASCIMENTO A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA RAIMUNDO PEREIRA DO NASCIMENTO 0 1 A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Reflexão. A Música, as Canções e a utilização de instrumentos na Educação. Aluna: Ana Isabel Araújo Olim

Reflexão. A Música, as Canções e a utilização de instrumentos na Educação. Aluna: Ana Isabel Araújo Olim 1 Reflexão A Música, as Canções e a utilização de instrumentos na Educação Aluna: Ana Isabel Araújo Olim As escolas, ao longo do ano letivo, trabalham várias temáticas sociais. O infantário Donamina, para

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 1 Revista Avisa lá, nº 2 Ed. Janeiro/2000 Coluna: Conhecendo a Criança Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 O professor deve sempre observar as crianças para conhecê-las

Leia mais

www.portaledumusicalcp2.mus.br

www.portaledumusicalcp2.mus.br Apostila de Educação Musical 1ª Série Ensino Médio www.portaledumusicalcp2.mus.br O QUE É MÚSICA? A música (do grego μουσική τέχνη - musiké téchne, a arte das musas) constituise basicamente de uma sucessão

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Currículo Referência em Música Ensino Médio

Currículo Referência em Música Ensino Médio Currículo Referência em Música Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA

WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA INTRODUÇÃO Nos dias de hoje, é quase impensável querermos uma televisão a preto e branco em deterimento de uma televisão a cores e acontece porque a partir do momento em que

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Francine Kemmer Cernev francine@cernev.com.br Universidade Estadual de Londrina/ Colégio Nossa Senhora do Rosário, Cornélio Procópio/PR/

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva 1 Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista,

Leia mais

Aprendizagem na Educação Musical

Aprendizagem na Educação Musical Aprendizagem na Educação Musical Flávia Rizzon Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo: O presente texto refere-se à importância de reavaliar a didática na área da Educação Musical, relacionando-a

Leia mais

PROGRAMAs de. estudantil

PROGRAMAs de. estudantil PROGRAMAs de empreendedorismo e protagonismo estudantil Ciclo de Palestras MAGNUM Vale do Silício App Store Contatos Calendário Fotos Safari Cumprindo sua missão de oferecer uma educação inovadora e de

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL Viviane Cardoso¹ Resumo: O objetivo desse artigo é refletir como os ideais da pedagogia freireana tem contribuído para as práticas

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

Expressão Musical II. Universidade De Trás-Os-Montes e Alto Douro Educação Básica 1ºano,2ºsemestre,2012/1013. Docente: António Neves

Expressão Musical II. Universidade De Trás-Os-Montes e Alto Douro Educação Básica 1ºano,2ºsemestre,2012/1013. Docente: António Neves Universidade De Trás-Os-Montes e Alto Douro Educação Básica 1ºano,2ºsemestre,2012/1013 Expressão Musical II Docente: António Neves Discente: Ana Matos nº 53184 A música e o som, enquanto energia, estimulam

Leia mais

PRÁTICAS DE INCLUSÃO SÓCIO EDUCATIVAS, CULTURAIS E RECREATIVAS COMO FORMA DE REDUZIR DESIGUALDADES.

PRÁTICAS DE INCLUSÃO SÓCIO EDUCATIVAS, CULTURAIS E RECREATIVAS COMO FORMA DE REDUZIR DESIGUALDADES. PRÁTICAS DE INCLUSÃO SÓCIO EDUCATIVAS, CULTURAIS E RECREATIVAS COMO FORMA DE REDUZIR DESIGUALDADES. TÍTULO: INSERÇÃO DO LÚDICO (BRINCAR) AO PROCESSO DA INCLUSÃO PRODUTIVA. INTRODUÇÃO Verifiquei a importância

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

1 Acadêmico, formando do Curso de Licenciatura com Habilitação em Música da UDESC. 2 Professora Mestra do Departamento de Música da UDESC.

1 Acadêmico, formando do Curso de Licenciatura com Habilitação em Música da UDESC. 2 Professora Mestra do Departamento de Música da UDESC. 1 O ensino de música extracurricular na Escola Técnica Federal em Florianópolis/SC: relato de experiência sobre uma oficina de improvisação musical realizada Maycon José de Souza 1 Universidade do Estado

Leia mais

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1 OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1. Introdução: Compreendendo que a Educação Infantil é uma etapa

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica PORQUE AS CRIANÇAS ESTÃO PERDENDO TODOS OS REFERENCIAIS DE ANTIGAMENTE EM RELAÇÃO ÀS BRINCADEIRAS?

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música PROGRAMA PARA A VALORIZAÇÃO DE INICIATIVAS CULTURAIS VAI SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA São Paulo, fevereiro de 2010 FUNK CONSCIENTIZA VAI 1 - música Proponente Nome RG: CPF: Endereço Fone: E-mail: DADOS

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento.

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento. CORPO E MOVIMENTO: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INFANTIL Tamiris Andrade dos Santos (UEL) tamiris_152@hotmail.com Gilmara Lupion Moreno gilmaralupion@uel.br RESUMO: Sabe-se da importância

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO Igor Guterres Faria¹ RESUMO: Este estudo é parte integrante do projeto de pesquisa de iniciação científica

Leia mais

Metodologia do Ensino de Educação Física Conteúdos da Educação Física Ginástica. Contextualização

Metodologia do Ensino de Educação Física Conteúdos da Educação Física Ginástica. Contextualização Metodologia do Ensino de Educação Física Conteúdos da Educação Física Ginástica Teleaula 2 Prof. Me. Marcos Ruiz da Silva tutoriapedagogia@grupouninter.com.br Pedagogia Contextualização A combinação de

Leia mais

Andragogia, uma estratégia em T&D.

Andragogia, uma estratégia em T&D. Andragogia, uma estratégia em T&D. Por PAULA FRANCO Ensinar exige o reconhecimento de ser condicionado Gosto de gente porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado, mas, consciente do inacabamento,

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012

GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012 GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012 A palestra em algumas palavras... Provocações... reflexões...leitura

Leia mais

3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos:

3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos: CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I 3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos: Elaboração de cenas e improvisação teatral de textos jornalísticos.

Leia mais

ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL?

ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL? 1 de 7 ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL? Jéssica Alves de Oliveira Maria José dos Santos Chagas Tatiane de Fátima Silva Seixas RESUMO: De uma maneira geral, existe, por parte

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

O JOGO NO ENSINO DE POTÊNCIAS DE NÚMEROS INTEIROS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

O JOGO NO ENSINO DE POTÊNCIAS DE NÚMEROS INTEIROS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA O JOGO NO ENSINO DE POTÊNCIAS DE NÚMEROS INTEIROS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Adelson Carlos Madruga Universidade Federal da Paraíba adelsoncarlos1992@hotmail.com Elizangela Mario da Silva Universidade Federal

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE. Número de aulas semanais 4ª 2. Apresentação da Disciplina

METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE. Número de aulas semanais 4ª 2. Apresentação da Disciplina METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE Série Número de aulas semanais 4ª 2 Apresentação da Disciplina Considerando a necessidade de repensar o ensino da arte, faz-se necessário refletir sobre este ensino em sua

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Entrevista com Ricardo de Paiva e Souza. Por Flávia Gomes. 2 Flávia Gomes Você acha importante o uso de meios de comunicação na escola? RICARDO

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

Conclusões do Encontro do Laicato Dominicano

Conclusões do Encontro do Laicato Dominicano Conclusões do Encontro do Laicato Dominicano História OP Quatro elementos foram tomados como pontos de reflexão e ação para os dois primeiros anos. Um dos pontos ou aspetos sobre o qual trabalhar é a compaixão.

Leia mais

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA)

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) REDE PRÓ-MENINO ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil CURSISTA: JACKELYNE RIBEIRO CINTRA MORAIS CPF: 014275241-06 ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) Características

Leia mais

OS SABERES DOS PROFESSORES

OS SABERES DOS PROFESSORES OS SABERES DOS PROFESSORES Marcos históricos e sociais: Antes mesmo de serem um objeto científico, os saberes dos professores representam um fenômeno social. Em que contexto social nos interessamos por

Leia mais

Trabalho e educação. Vamos aos fatos

Trabalho e educação. Vamos aos fatos Trabalho e educação Vamos aos fatos O maior problema da educação brasileira é o povo brasileiro. Sinto muito, mas esta é a conclusão a que muitos de nossos educadores chegaram. Somos uma nação materialista,

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1 AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1 A partir do texto que publiquei na revista ABC EDUCTIO, nº 54, de março do corrente ano, tratando das armadilhas que são

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais