FIDELIDADE: UMA NECESSIDADE DO ESTADO MODERNO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FIDELIDADE: UMA NECESSIDADE DO ESTADO MODERNO"

Transcrição

1 139 FIDELIDADE: UMA NECESSIDADE DO ESTADO MODERNO Aliger dos Santos Perreira* Joselito Viana de Souza** RESUMO O presente artigo sugere uma administração pública contemporânea que busque uma avaliação contínua dos conceitos e das experiências vividas. Essa administração deverá estar sintonizada com a constante do mercado, ou seja, deve ser uma administração capaz de lidar com as mudanças que atendam aos anseios dos cidadãos/clientes. Sugere, também, que as políticas públicas deverão contemplar soluções às insatisfações dos cidadãos/clientes em relação ao Estado, tornandoos satisfeitos e, conseqüentemente, fiéis. PALAVRAS-CHAVE: Administração. Políticas públicas. Marketing. O Estado, ultimamente, tem buscado uma aproximação com a sociedade e, por mais que se esforce, não tem tido sucesso, pois suas ferramentas são modernas, mas suas ações, tradicionais. Quando se procura entender o porquê da não-satisfação dos cidadãos com as políticas públicas, sempre se utiliza das ferramentas voltadas para analisar as ações burocráticas dessas políticas, nunca procurando entender as necessidades de uma sociedade. *Prof. Auxiliar (Faculdade da Bahia). Mestre. Doutorando em Administração Pública pela Universidad Complutense Madrid. **Prof. Assistente (DCIS/UEFS). Mestre. Doutorando em Administração Pública pela Universidad Complutense Madrid. Universidade Estadual de Feira de Santana Dep. de CIS. Tel./Fax (75) BR 116 KM 03, Campus - Feira de Santana/BA CEP

2 140 Nos últimos duzentos anos, o modelo de administração do Estado foi a teoria clássica de Taylor, e sua evolução ocorreu até o modelo burocrático. Assim sendo, as necessidades dos cidadãos/clientes eram atendidas a partir da visão de certeza do burocrata. Quem critica é Solana (apud LIMA, 2001), diz que relação entre o Estado e a sociedade se expressa sempre de forma normativa. Este artigo busca explicar que a solução para os problemas de insatisfação está na forma como o Estado trata a satisfação do cidadão/cliente. VISÃO CRÍTICA DA SATISFAÇÃO Desde o início do processo de desenvolvimento organizacional, a Administração é uma área complexa do conhecimento humano. O processo de interdependência é uma necessidade interna e externa: ambas têm relação direta com pessoas que dependem de organizações e vice-versa, para continuarem existindo. Os indivíduos só foram vistos como colaboradores, a partir da Teoria das Relações Humanas, iniciada por Mayo, a partir dos estudos de Hawthorne, que se preocupou com a cooperação humana, valorizando o comportamento social das pessoas, suas necessidades psicológicas e sociais, as formas de motivação e as recompensas não-materiais, a integração dos grupos informais, as relações humanas nas organizações e a ênfase nos aspectos emocionais dos indivíduos. Havia a necessidade de humanizar e democratizar a Administração. Dentro dessa perspectiva humanística, surgiu a concepção do homem social, enfatizando a formação de processos grupais através dos estilos de liderança, da motivação humana e da comunicação (MAXIMIANO, 2000). A abordagem comportamental se fundamentou no comportamento individual das pessoas, enfatizando a motivação humana pela organização e disposição de suas necessidades em uma hierarquia de importância, com influência exercida sobre o indivíduo.

3 141 Não é o único caso em que a Administração moderna se utiliza de conceitos e de princípios do passado, trazendo novas contribuições e interpretações. Atualmente, destaca-se a preocupação pela satisfação, e esta é relacionada com a fidelização, que é traduzida através do Marketing de Relacionamento, dentro das organizações. Afinal, a fidelização, dentro de uma perspectiva inovadora, corresponde a um instrumento de sobrevivência diante de uma realidade repleta de instabilidades, levando-se em consideração as peculiaridades da economia moderna e as necessidades das empresas do futuro - a inovação, a flexibilidade, a agilidade e a cumplicidade. É necessário analisar o papel e os interesses relativos ao Estado e aos seus cidadãos/clientes, buscando as necessidades de ambos. Essa ação visa a atender aos objetivos esperados, para, depois, traçar as políticas públicas, pois elas são importantes para solucionar qualquer tipo de problema de forma eficiente e, ao mesmo tempo, eficaz, suprindo e atendendo tanto o governo como a sociedade. A política pública é definida como sendo: um conjunto de objetivos, decisões e ações que levam um governo para solucionar os problemas em um determinado momento dos cidadãos/clientes e do próprio governo (SÁEZ apud BAÑÓN,1997, p. 281). Dentro desse contexto, Sáez (apud Bañón, 1997) comenta que um processo se inicia a partir da formulação do problema identificado pela comunidade e só se encerra através de ações capazes de eliminá-lo. Na verdade, o problema é a primeira fase do ciclo das políticas públicas. Logo, o planejamento deve ser feito em função dos problemas dos cidadãos/clientes, cuja solução advém da aplicação de políticas públicas que atendam as expectativas desses cidadãos. Caso contrário, não serão eliminados os problemas e, conseqüentemente, não se terá fidelização por parte de quem espera que isso ocorra.

4 142 Nessa vertente, verifica-se que é fundamental haver uma investigação para a prática da ação por parte do Estado, que necessitará praticar uma análise de suas políticas, no sentido de responder como se solucionará o problema, o tipo de intervenção, o tempo para solucioná-lo, seu custo, os beneficiários, os prejudicados, etc. Novamente, Sáez (apud Bañón, 1997) reafirma que as análises de políticas públicas são feitas pelos cidadãos/clientes, pois eles são os responsáveis por separar, de acordo com seus valores, os seus próprios interesses. Assim sendo, o cidadão/cliente sofre pressões da economia mundial, das políticas públicas do país e, por sua vez, da governabilidade. Dentro desse quadro, instalou-se um mercado globalizado ou, simplesmente, a globalização, fato capaz de internacionalizar a sociedade, como, por exemplo, o Mercosul, o Nafta e o Mercado Comum Europeu, os quais são estruturas políticas, econômicas e sociais, capazes de reestruturar a ordenação mercadológica. Afinal, esse novo mercado mundial procura unificar procedimentos que possam diminuir barreiras políticas, culturais, geográficas, etc. Para acompanhar essas mudanças bruscas de comportamento do mercado, é que o Estado não pode estar distante de quem decide, e este é o cidadão/cliente, peça fundamental na existência de sua sociedade, e todas as ações devem ser voltadas para atendê-lo. Assim sendo, percebe-se que tanto o Estado como os seus cidadãos/clientes precisam estar competitivos perante o mercado, e, se as políticas públicas não atendem às suas necessidades, passa a haver uma dicotomia, e esta só poderá ser resolvida através do atendimento de suas reivindicações junto ao Estado. Faz-se necessário analisar a ótica de funcionamento da organização versus o indivíduo e, também, em relação ao Estado, para compreender o papel do cidadão/cliente frente às políticas públicas e às políticas empresariais. De uma forma inversa, as organizações praticam o mesmo princípio, em que tudo é feito através de pessoas, e, nessa perspectiva, esse fato é considerado uma peça fundamental para a solução de problemas e para a adaptação às mudanças, a fim de poder administrá-las da melhor forma possível. (CHIAVENATO, 2000).

5 143 Continuando essa análise, as organizações buscam, através do planejamento mercadológico, atender às oportunidades do mercado, pois nelas estão contidas as necessidades e os desejos do consumidor (COBRA, 1993), fato que deve ser levado em conta pelo Estado. Outro ponto fundamental, defendido por Kotler (1998), enfoca que as organizações atendam às necessidades, desejos e demandas, produtos, valor, custo e satisfação, troca, transações e relacionamentos, marketing e praticantes de marketing. Seguindo essa ótica, Kotler(1998) afirma a que satisfação leva o cidadão/cliente à fidelidade, fato não defendido pelos liberais, diz Bañón (1997), pois o Estado moderno é interventor, e seus burocratas agem como verdadeiros samurais, ou seja, são donos da verdade absoluta. Ele defende que o Estado deve atender tanto o individual como o coletivo, independente das classes sociais; o importante é a satisfação. Gerar satisfação, segundo Vavra(1993), é acompanhar o perfil do indivíduo, atendendo às suas expectativas e às suas necessidades, através da oferta de produtos e de serviços. Maslow, em 1943, desenvolveu uma teoria, a hierarquia das necessidades humanas, na qual cada indivíduo possui uma determinada carência (CHIAVENATO, 2000), estabelecendo, assim, que as necessidades fisiológicas (fome, sede, sono e abrigo) e, posteriormente, as de segurança (sobrevivência física), as necessidades de relacionamento (aceitação e importância), de estima e de status (relevância, domínio, reputação e prestígio) e, finalmente, de auto-realização (desejo de conhecer, compreender, sistematizar, organizar e construir valores), dominam o comportamento humano até a sua satisfação. O homem era visto como um ser social, movido por necessidades tanto biológicas quanto sociais, desde segurança, afeto, crescimento, prestígio e, principalmente, auto-realização. Portanto, pode-se entender que o poder e a autoridade exigem uma relação bilateral, como forma de se manter um equilíbrio social e organizacional. Esse equilíbrio é um elemento que deve estar sempre presente no micro e no macroambiente. As instituições devem compreender essa necessidade organizacional.

6 144 Entende-se, assim, a essência da necessidade como uma iniciativa motivadora para suprir estados de privações humanas. Enquanto essas não forem supridas ou satisfeitas, o ser humano não pode priorizar outra ação. O indivíduo desenvolve uma estratégia com o intuito de competir. A estratégia é, na verdade, um planejamento, um método utilizado para a realização de objetivos, é o caminho traçado para se chegar ao sucesso. A estratégia consiste em transformar pequenos problemas em grandes soluções ou oportunidades, seja qual for a situação. Através da estratégia, uma organização adquire percepção para se antecipar aos problemas e se prepara, a fim de enfrentar as inovações e as mudanças do mercado (COBRA, 1991). A grande estratégia do indivíduo é ser atendido em suas necessidades e, quando o Estado busca esta satisfação através da imposição de políticas públicas geradas em gabinetes, ocorre, na maioria das vezes, o afastamento desse indivíduo e, por conseguinte, de sua fidelidade. A palavra fidelidade é usada para descrever o prestígio de uma organização junto ao cidadão/cliente em período longo, com preferência exclusiva, a qual é indicada a terceiros. A fidelidade só continuará enquanto o grau de satisfação estiver dentro de suas perspectivas (LOVELOCK, 2001). Dentro desse ponto de vista, pode-se destacar que os burocratas seguem a linha tradicional weberiana, que é o de ser normativo, possuindo uma comunicação formal, racionalidade, impessoalidade, autoridade hierárquica, rotinas e procedimentos (CHIAVENATO, 2000). Esse conjunto de procedimentos efetuados atualmente distancia o indivíduo do Estado, fazendo com que os cidadãos/clientes não se identifiquem com as ações das políticas públicas realizadas pelo seu governo. FIDELIDADE DO CIDADÃO/CLIENTE Os cidadãos/clientes vivem em um ambiente competitivo e evoluído. Cada dia que passa, o mercado está, tecnologicamente, mais globalizado, e as mudanças são continuamente necessárias como questão de sobrevivência.

7 145 O mercado atual exige que as organizações repensem seus métodos construídos e estipulados para situações passadas e passem a aplicar métodos competitivos em tempo real, através de mudanças na sua própria estratégia. Nenhuma estratégia é tão auto-suficiente que não leve em consideração os recursos e o perfil de cada organização, nem tão atrativa que permita a sobrevivência em más posições de competitividade. Deve-se estar sempre à frente da necessidade, antecipando-se às tendências, acompanhando as variações e determinando novos caminhos e rumos à satisfação, no entanto, atender à necessidade não é uma tarefa fácil, pois envolve mudança que traz incômodo e desconforto entre o antigo e o novo. Assim, o processo deve ser ampliado através da assimilação de formas mais eficientes e duradouras, as quais permitam que as organizações possam buscar novas fronteiras, por exemplo, oferecendo novos serviços ou alterando a sua cultura organizacional, principalmente em relação aos meios de obtenção de informações sobre o comportamento dos cidadãos/clientes, as ações e decisões potenciais, otimizando o atendimento, fazendo com que essas informações ocorram simultaneamente ao contato, para que se possam antecipar às suas necessidades e fazer com que os serviços sejam direcionados a ele, (CARLZON,1994). O mundo dos negócios apresenta-se instável, o sucesso das organizações está diretamente orientado para mercado, as políticas públicas estão atreladas à estrutura interna e não, à necessidade externa. Nesse aspecto, as organizações privadas têm maior agilidade, pois possuem uma percepção bastante ampla, tratando a relação satisfatória entre consumidores, fornecedores e distribuidores, como uma ferramenta de retenção de preferências e de negócios é o chamado Marketing de Relacionamento, (Kotler, 1998); enquanto que o Estado busca atender à sua burocracia e, não, ao desenvolvimento sustentável de seu cidadão/cliente. De acordo com essa percepção, o foco da empresa é manter um relacionamento duradouro, criar condições para aumentá-lo cada vez mais, minimizar os custos de conquista de

8 146 novos clientes e, ainda, obter ferramentas de sobrevivência e crescimento rentáveis (VAVRA, 1993). A relação entre o Estado e o cidadão/cliente finda no momento em que o cliente é atendido. Sua durabilidade parte do pressuposto que tudo que o Estado faz é o máximo. Implantar o marketing de relacionamento no Estado não parece ser muito fácil; é necessário que os recursos estejam adequados e que as pessoas envolvidas estejam, conscientemente, engajadas no processo. Seu objetivo é oferecer serviços com qualidade, para atingir a satisfação do cidadão/cliente/cliente. E o seu sucesso está relacionado à missão da organização (VAVRA, 1993). Esse relacionamento, baseado no atendimento antes, durante e pós-contato, gera lealdade. Dessa forma, pode-se estabelecer um processo de fidelização e, inclusive, de agregação de valor à oferta. Criar fidelidade significa fazer com que as pessoas consumam produtos e/ou serviços de uma determinada organização por muito tempo, sempre descartando a concorrência (VAVRA; 1993; p. 98). Considerando que toda necessidade decorre de uma privação e da demanda de uma satisfação, entende-se que as organizações podem pesquisar, desenvolver, produzir e ofertar produtos que possam suprir, eficazmente, tal demanda, visando a obter sua vantagem competitiva no mercado. Assim, o marketing de relacionamento é utilizado para criar laços de parceria entre os clientes e as empresas, visando a obter esse diferencial competitivo. Quando essa teoria é levada para o Estado, vê-se que ela fica bloqueada através das ações praticadas por ele, o que é crítico, pois, mesmo tendo a intermédia de parlamentares, não é suficiente para ser interlocutor das necessidades dos cidadãos/clientes. Com essa ferramenta, é possível se criar uma relação de cumplicidade, buscando a fidelização, através da qual as organizações começam a caminhar lado a lado, realizando ações em comum e se antecipando aos desejos e aos sonhos dos cidadãos/ clientes.

9 147 Trata-se de uma postura focalizada no cliente e nas suas necessidades, o que não significa achar que o cliente tem sempre a razão, ou, simplesmente, fazer tudo o que o cliente quer, e, sim, estar permanentemente aberto às mudanças relacionadas às necessidades dos clientes e alinhar-se a eles como parceiros cúmplices e fiéis. Para implantar a cumplicidade, é necessário introduzir mudanças na cultura do cliente, começando com o apoio da alta direção, no sentido de fazer com que toda a equipe seja composta de agentes transformadores os quais se autotransformam interiormente, fazendo com que todos sejam mutuamente incentivadores e motivadores. Seguindo esse novo conceito, as relações pessoais na organização, as quais, antes, eram meramente baseadas na hierarquia, são trocadas pelas relações de apoio e de parceria entre chefes e subordinados. Não se deve, simplesmente, importar uma cultura, é preciso mudar atitudes, levando em consideração os valores e a própria cultura local. As mudanças orientadas para as estratégias competitivas devem ocorrer em todas as áreas da organização, nos processos de trabalho, nas relações interpessoais e no próprio estilo gerencial. Essas mudanças requerem, ainda, novas atitudes e comportamentos de toda a equipe, individual e coletivamente, para identificar e atender às exigências dos clientes e melhorar a qualidade dos seus serviços/produtos. Para que essas mudanças ocorram de forma mais saudável, é imprescindível que a equipe esteja motivada, pois, sem a motivação, programas inteiros de desenvolvimento e melhoria organizacional podem se tornar fiascos. Manter as pessoas motivadas é uma peça-chave no propósito da qualidade, pois esta possui um conjunto de ferramentas e conceitos, podendo ser aplicada em um ambiente desmotivado e agressivo, na qual imperam o medo e a insegurança. As pessoas são decisivas no processo. Há práticas de interação, de motivação e de valorização dos indivíduos, tudo isso voltado para a sobrevivência e para a lucratividade das organizações,

10 148 sem deixar, contudo, de contribuir para a melhoria da qualidade de vida profissional e pessoal dos indivíduos participantes. A motivação está diretamente relacionada com o envolvimento das pessoas para obtenção dos resultados. Quanto mais motivado o indivíduo, mais participativo e integrado ele será com a equipe e com a própria organização, resultado da satisfação de suas necessidades, sejam elas fisiológicas, de segurança, sociais, de reconhecimento e de valorização ou de auto-realização. Sem essa satisfação, não há motivação. Sem motivação, o caminho para o sucesso tende a ser mais penoso. É muito comum, atualmente, ouvir falar nas estratégias utilizadas para conquistarem mercado. Mas o importante mesmo é saber definir, claramente, quais são as ferramentas utilizadas nessas estratégias, analisando todos os fatores influenciadores desse processo. Esses fatores são comumente conhecidos como variáveis estratégicas, as quais determinam modelos, costumes, potencialidades e processos de abordagem, conhecimento e comercialização do serviço. Elas podem ser internas ou externas ao mercado e, ainda, controláveis ou incontroláveis. É necessário conhecer bem tais variáveis, para que as metas da empresa possam ser cumpridas. A fidelização tem sido bastante focalizada nas organizações, como um refinamento no conceito do marketing de relacionamento, como forma de atingir a parceria e a cumplicidade de uma parcela do mercado e obter o poder. Pode-se entender a parceria como o andar lado a lado, enquanto a cumplicidade é aqui abordada como caminhar e realizar ações conjuntas em total comunhão de interesses. Essa abordagem requer pensamentos e realizações em comum, ou seja, aprender a pensar com a cabeça do cidadão/cliente, que implica se antecipar aos fatos, saber o que o cliente vai querer, adivinhar as suas necessidades e desejos e não deixar que seu cliente se desinteresse do produto ou do serviço ofertado. O Estado que entender essa nova tendência vai ficar sempre à frente na concorrência e poderá até cobrar mais pelos seus serviços ou produtos, através de relações duráveis com os clientes.

11 149 O segredo da estratégia de diferenciação decorre da capacidade em obter respostas rápidas em relação à concorrência, para obter a vantagem competitiva e, conseqüentemente, a diferenciação no mercado, seja de forma qualitativa ou quantitativa (COBRA, 1991). Essa diferenciação competitiva pode ser observada através da utilização dos bons canais de distribuição, da inovação de produtos, da personalização dos serviços aos clientes, da qualidade prestada, da confiabilidade e da credibilidade (CO- BRA, 1991). A estratégia de diferenciação relaciona-se à necessidade da organização de executar atividades de valor que possam influenciar o serviço (PORTER, 1990). Na Bahia, existe o Sistema de Atendimento ao Cliente- SAC, local onde são prestados serviços básicos ao cidadão/ cliente (serviços de cartório, atestado criminalidade, Juceb, dentre outros) e onde estão organizados os principais órgãos públicos, como, DETRAN, bancos federais, etc. O SAC presta serviços rápidos aos cidadãos/clientes, pois possui uma estrutura de alta tecnologia, desburocratizando os serviços públicos e exportando este know how para outros municípios, estados e países. Conforme se verifica, o Estado busca atender aos problemas de seus cidadãos/clientes, através de políticas públicas unilaterais. CONCLUSÃO O serviço público não é uma simples atividade administrativa, mas uma prestação de serviço a uma sociedade: ele deve atender aos anseios sociais e econômicos de uma comunidade, de forma que seu papel seja reconhecido pelos seus pares. Quem critica é Solana (apud LIMA, 2001), quando comenta que a relação entre o Estado e a sociedade e se expressa sempre em termos normativos. O Estado não pode mais ter uma relação com a sociedade expressa em termos normativos: ele necessita de flexibilidade,

12 150 para atender o cidadão/cliente, segunda afirma a mesma autora. Esse fato só será solucionado, quando suas políticas públicas refletirem os anseios da sociedade, não, de grupos dominantes. Apesar do mercado estar globalizado, os serviços públicos estão vinculados ao que os seus gestores têm como verdade, que é sua racionalização, como forma de repetir os princípios burocráticos é não atender as necessidades dos cidadãos/ clientes. Carlson(1994) foi extremamente pragmático quando afirmou que se deveria operacionalizar a pirâmide hierárquica de forma inversa, pois quem decide deve estar de frente do cidadão/cliente e não distante; ele é responsável pela hora da verdade. Como exemplo, podem-se citar os serviços SAC/ Bahia, os quais, apesar de não terem uma eficiência desejada, possuem uma clientela fiel a seus serviços. O Estado poderá aplicar todas as novas ferramentas administrativas, como forma de se modernizar. Tudo será insuficiente, se não atender às necessidades do cidadão/cliente, ouvindo-o, para, depois, propor políticas públicas e, assim, conquistar-lhe a fidelidade. ALLEGIANCE: A NECESSITY OF THE MODERN STATE ABSTRACT The present article suggests a contemporary public administration which seeks a continuous evaluation of concepts and lived experiences. This administration will have to be syntonized with the market constant, that is, it must be an administration capable of dealing with the changes that accompany customers /citizens needs. It is suggested, also, that public policies will have to contemplate solutions to the non-satisfaction of citizens/customers in relation to the State, turning them satisfied and consequently loyal allies. KEY-WORDS: Public administration. Politics. Marketing.

13 151 REFERÊNCIAS BROYDRICK, Stephen C. Valorizando o consumidor: como conquistar clientes e Influenciar mercados. São Paulo: Futura, BAÑÓN, Rafael et al. La nueva administración. Madri: Alianza C AR LZO N,Jan.Hora da verdade. 10 ed. Rio de Janeiro: Cop, CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à teoria geral da administração. 3 ed. São Paulo: McGraw-Hill, COBRA, Marcos Henrique Nogueira. Administração estratégica do mercado. São Paulo: Atlas, Marketing competitivo. São Paulo: Atlas Marketing essencial: conceitos, estratégias e controle. São Paulo: Atlas, GARBER, Rogério. Inteligência competitiva de mercado. São Paulo: Masdras, GUIMARÃES, Jorge Lessa. Qualidade competitiva no Brasil. Salvador: Qualidade, HERADY, Ferrel. Administracion pública. Nueva York: Dekker, KAW ASAKI, Guy. Como enlouquecer seus concorrentes: seja competitivo para atingir seus objetivos mais rapidamente e melhor do que qualquer outro. Rio de Janeiro: Ediouro, KOTLER, Philip. Administração de Marketing:análise, planejamento, implementação e controle. São Paulo: Prentice Hall, IBÁÑEZ, José E. Rodrigues. Um nuevo malestar em la cultura. Madri: CIS,1998. LIMA, Blanca et al. La nueva gestión pública. Madri: Prentice Hall, LOVELOCK, Chistopher. Serviços: Marketing e gestão. São Paulo: Saraiva, McKENNA, Regis. Competindo em tempo real: estratégias vencedoras para a era do cliente nunca satisfeito. Campus: Rio de Janeiro, 1996.

14 152 MAXIMIANO, Antonio C. Amaru. Introdução à administração. 5. ed. São Paulo: Atlas, OLIVER, Richard W. Como serão as coisas no futuro. São Paulo: Negócio Editora, PORTER, Michael. Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. Rio de Janeiro: Campus, RICHERS, Raimar. O que é Marketing. Atlas: São Paulo, RIES, Al; Jack Trout. Marketing de Guerra: a ação. São Paulo: McGraw-Hill, SENGE, Peter M. A Dança das Mudanças. Rio de Janeiro: Campus, TORRES, Norberto A. Competitividade empresarial com a tecnologia de informação. São Paulo: Makron Books, VAVRA, Terry G. Marketing de relacionamento: aftermarketing. São Paulo: Atlas, Recebido em: 15/04/2008 Aprovado em: 05/05/2008

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA 1 MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA Felipe Rogério Pereira (UniSALESIANO Araçatuba/SP) HerculesFarnesi Cunha ( Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas- AEMS e UniSALESIANO

Leia mais

GESTÃO DE MARKETING RECAPITULANDO. Prof. Marcopolo Marinho

GESTÃO DE MARKETING RECAPITULANDO. Prof. Marcopolo Marinho GESTÃO DE MARKETING RECAPITULANDO Prof. Marcopolo Marinho Marketing: É a área do conhecimento que engloba todas as atividades referente às relações de troca de bens entre pessoas ou instituições, buscando

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO. Prof.: Daniela Pedroso Campos

FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO. Prof.: Daniela Pedroso Campos FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof.: Daniela Pedroso Campos Objetivo Geral: Compreender o que é Administração, o que os administradores fazem e quais os princípios, as técnicas e as ferramentas que direcionam

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MOTIVAÇÃO HUMANA - UM ESTUDO NA EMPRESA MAHRRY CONFECÇÕES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS FERRAMENTAS DO MARKETING NAS PEQUENAS EMPRESAS. PAES, Paulo César 1 SARAIVA, Antonio Wanderlan Pereira 2 RESUMO

A IMPORTÂNCIA DAS FERRAMENTAS DO MARKETING NAS PEQUENAS EMPRESAS. PAES, Paulo César 1 SARAIVA, Antonio Wanderlan Pereira 2 RESUMO A IMPORTÂNCIA DAS FERRAMENTAS DO MARKETING NAS PEQUENAS EMPRESAS PAES, Paulo César 1 SARAIVA, Antonio Wanderlan Pereira 2 RESUMO A Ferramenta do Marketing nas Pequenas Empresas atualmente vem sendo utilizada

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL ZAROS, Raíssa Anselmo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG E-mail: raissa_zaros@hotmail.com LIMA, Sílvia Aparecida Pereira

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

Introdução à Administração. Prof. Adilson Mendes Ricardo Novembro de 2012

Introdução à Administração. Prof. Adilson Mendes Ricardo Novembro de 2012 Novembro de 2012 Aula baseada no livro Teoria Geral da Administração Idalberto Chiavenato 7ª edição Editora Campus - 2004 Nova ênfase Administração científica tarefas Teoria clássica estrutura organizacional

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Prof: Carlos Alberto

Prof: Carlos Alberto AULA 1 Marketing Prof: Carlos Alberto Bacharel em Administração Bacharel em Comunicação Social Jornalismo Tecnólogo em Gestão Financeira MBA em Gestão de Negócios Mestrado em Administração de Empresas

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Osmar Mendes 1 Gilberto Raiser 2 RESUMO Elaborar uma proposta de planejamento estratégico é uma forma de criar um bom diferencial competitivo, pois apresenta para a organização

Leia mais

Formulação da Visão e da Missão

Formulação da Visão e da Missão Formulação da Visão e da Missão Zilta Marinho zilta@globo.com Os grandes navegadores sempre sabem onde fica o norte. Sabem aonde querem ir e o que fazer para chegar a seu destino. Com as grandes empresas

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

FINOM- FACULDADE DO NOROESTE DE MINAS WOLTER FRANCISCO NEVES LIBERATO DE MATOS JUNIOR

FINOM- FACULDADE DO NOROESTE DE MINAS WOLTER FRANCISCO NEVES LIBERATO DE MATOS JUNIOR FINOM- FACULDADE DO NOROESTE DE MINAS WOLTER FRANCISCO NEVES LIBERATO DE MATOS JUNIOR QUALIDADE DO ATENDIMENTO NO SISTEMA BANCÁRIO BRASILEIRO Wolter Francisco Neves Liberato de Matos Júnior ESPERA FELIZ

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços)

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) 1. MÉTODO MENTOR - Modelagem Estratégica Totalmente Orientada para Resultados Figura 1: Método MENTOR da Intellectum. Fonte: autor, 2007 O método MENTOR (vide o texto

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

11. Abordagem Comportamental

11. Abordagem Comportamental 11. Abordagem Comportamental Conteúdo 1. Behaviorismo 2. Novas Proposições sobre a Motivação Humana 3. Teoria da Hierarquia das de Maslow 4. Teoria dos dois fatores 5. Teoria X & Y de McGregor 6. Outros

Leia mais

Entrevista a Idalberto Chiavenato, guru mundial de recursos humanos

Entrevista a Idalberto Chiavenato, guru mundial de recursos humanos Entrevista a Idalberto Chiavenato, guru mundial de recursos humanos Entrada: Um dos maiores peritos em administração de empresas e recursos humanos, o brasileiro Idalberto Chiavenato, está de regresso

Leia mais

Gestão de pessoas. Gestão de pessoas

Gestão de pessoas. Gestão de pessoas Gestão de pessoas Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros Gestão de pessoas Gestão de pessoas ou administração de RH? Uma transformação das áreas e de seus escopos de atuação; Houve mudança ou é somente semântica;

Leia mais

OS DESAFIOS DA GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO(*)

OS DESAFIOS DA GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO(*) OS DESAFIOS DA GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO(*) Joilson Oliveira Malta Administrador público e Assistente técnico da Diretoria Legislativa da Câmara Municipal de Salvador Mat.2031 Este artigo tem

Leia mais

PALESTRA: A ARTE DE VENDER Psicóloga: Camila C.R.Orlandini CRP:08/1333-8

PALESTRA: A ARTE DE VENDER Psicóloga: Camila C.R.Orlandini CRP:08/1333-8 PALESTRA: A ARTE DE VENDER Psicóloga: Camila C.R.Orlandini CRP:08/1333-8 1 NOME: A arte de Vender. 2 JUSTIFICATIVA O fenômeno das rápidas e intensas mudanças das empresas é mundial. São mudanças amplas,

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

O papel do CRM no sucesso comercial

O papel do CRM no sucesso comercial O papel do CRM no sucesso comercial Escrito por Gustavo Paulillo Você sabia que o relacionamento com clientes pode ajudar sua empresa a ter mais sucesso nas vendas? Ter uma equipe de vendas eficaz é o

Leia mais

Controle ou Acompanhamento Estratégico

Controle ou Acompanhamento Estratégico 1 Universidade Paulista UNIP ICSC Instituto de Ciências Sociais e Comunicação Cursos de Administração Apostila 9 Controle ou Acompanhamento Estratégico A implementação bem sucedida da estratégia requer

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2014.2 MATERIAL COMPLEMENTAR I DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA/TUTORA: MONICA ROCHA

SEMIPRESENCIAL 2014.2 MATERIAL COMPLEMENTAR I DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA/TUTORA: MONICA ROCHA SEMIPRESENCIAL 2014.2 MATERIAL COMPLEMENTAR I DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA/TUTORA: MONICA ROCHA Gestão de Carreira Gestão de Carreira é um dos temas que mais ganhou destaque nesta última década,

Leia mais

2 Karla Santiago Silva

2 Karla Santiago Silva Marketing:Administrando Desafios e Gerando Necessidades Karla Santiago Silva Índice 1 Marketing e A Nova Ordem de Mercado 1 2 Marketing, gerador de necessidades 3 3 Mas afinal de contas qual é o papel

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

Qualidade de Vida no Trabalho

Qualidade de Vida no Trabalho 1 Qualidade de Vida no Trabalho Alessandra Cristina Rubio¹ Thiago Silva Guimarães² Simone Cristina Fernandes Naves³ RESUMO O presente artigo tem como tema central a Qualidade de Vida no Trabalho, com um

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS Ensinar para administrar. Administrar para ensinar. E crescermos juntos! www.chiavenato.com GESTÃO E PRÁTICAS DE RECURSOS HUMANOS Para Onde Estamos Indo? Idalberto Chiavenato Algumas empresas são movidas

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 350-GR/UNICENTRO, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013. Aprova, ad referendum do CEPE, o Curso de Especialização em MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE DESENVOLVIMENTO HUMANO FORMAÇÃO DE LÍDER EMPREENDEDOR Propiciar aos participantes condições de vivenciarem um encontro com

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Metodologia de Ensino 1) Noções de Marketing 2) Marketing de Serviço 3) Marketing de Relacionamento 1 2 1) Noções de Marketing 3 4 5 6 www.lacconcursos.com.br

Leia mais

FIB- Faculdades Integradas de Bauru DISCIPLINA: FUNDAMENTOS E EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA. Profº MS. Carlos Henrique Carobino

FIB- Faculdades Integradas de Bauru DISCIPLINA: FUNDAMENTOS E EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA. Profº MS. Carlos Henrique Carobino FIB- Faculdades Integradas de Bauru DISCIPLINA: FUNDAMENTOS E EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA Profº MS. Carlos Henrique Carobino E-mail: carobino@bol.com.br 1 Pressões Externas MEGATENDÊNCIAS Competição

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2 COMO QUEBRAR PARADIGMAS SEM CAUSAR UM IMPACTO NEGATIVO NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO, CRM E DBM EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo

Leia mais

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios É evidente a importância de um bom plano de negócios para o empreendedor, mas ainda existem algumas questões a serem respondidas, por exemplo: Como desenvolver

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

TÉCNICAS AVANÇADAS PARA CRIAÇÃO E CONSTRUÇÃO DE VALORIZAÇÃO DE MARCA

TÉCNICAS AVANÇADAS PARA CRIAÇÃO E CONSTRUÇÃO DE VALORIZAÇÃO DE MARCA TÉCNICAS AVANÇADAS PARA CRIAÇÃO E CONSTRUÇÃO DE VALORIZAÇÃO DE MARCA ALMEIDA, Gabriela Maria de. Discente do Curso de Administração de Empresas da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias MICHEL, Murillo

Leia mais

A importância do RH na empresa

A importância do RH na empresa A importância do RH na empresa O modo pelo qual seus funcionários se sentem é o modo pelo qual os seus clientes irão se sentir." Karl Albrecht Infelizmente, muitas empresas ainda simplificam o RH à função

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

Unidade III GESTÃO EMPRESARIAL. Prof. Roberto Almeida

Unidade III GESTÃO EMPRESARIAL. Prof. Roberto Almeida Unidade III GESTÃO EMPRESARIAL Prof. Roberto Almeida Esta estratégia compreende o comportamento global e integrado da empresa em relação ao ambiente que a circunda. Para Aquino:Os recursos humanos das

Leia mais

ATIVISTA CONFIÁVEL. do novo RH. Como desenvolvê la? Pl Palestrante: Alba Maria Torres

ATIVISTA CONFIÁVEL. do novo RH. Como desenvolvê la? Pl Palestrante: Alba Maria Torres ATIVISTA CONFIÁVEL Uma competência essencial il do novo RH. Como desenvolvê la? Pl Palestrante: Alba Maria Torres www.entrelacos.com.br entrelacos@entrelacos.com.br 41 3079.4686 e 9973.9304 Observando

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D

AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D Ariadne Cedraz 1 Léa Monteiro Rocha 2 Luciana Cristina Andrade Costa Franco 3 A quarta e última etapa do processo refere-se à avaliação que tem por objetivo averiguar se os resultados

Leia mais

Plano de Negócios PLANEJAMENTO DO PROJETO FINAL. Sumário

Plano de Negócios PLANEJAMENTO DO PROJETO FINAL. Sumário Plano de Negócios Plano de Negócios Sumário Introdução... 3 Plano de Negócios... 3 Etapas do Plano de Negócio... 3 Fase 1... 3 Fase 2... 8 Orientação para entrega da Atividade de Avaliação... 12 Referências

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 42-CEPE/UNICENTRO, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012. Aprova o Curso de Especialização MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da UNICENTRO.

Leia mais

Business & Executive Coaching - BEC

Business & Executive Coaching - BEC IAC International Association of Coaching Empresas são Resultados de Pessoas José Roberto Marques - JRM O Atual Cenário no Mundo dos Negócios O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo, nesse

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA. Profª. Danielle Valente Duarte

GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA. Profª. Danielle Valente Duarte GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA Profª. Danielle Valente Duarte 2014 Os Estudos e a Prática da Gestão Estratégica e do Planejamento surgiram no final da década

Leia mais

Mensagem do presidente

Mensagem do presidente Mensagem do presidente A giroflex-forma está em um novo momento. Renovada, focada em resultados e nas pessoas, ágil e mais competitiva no mercado de assentos e de mobiliário corporativo. Representando

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais