UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu MESTRADO EM CIÊNCIAS DO ENVELHECIMENTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu MESTRADO EM CIÊNCIAS DO ENVELHECIMENTO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu MESTRADO EM CIÊNCIAS DO ENVELHECIMENTO Gleice Branco Silva INFLUÊNCIA DE UM PROGRAMA DE DANÇA NOS ASPECTOS BIOPSICOSSOCIAS DOS IDOSOS São Paulo, 2012

2 UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu MESTRADO EM CIÊNCIAS DO ENVELHECIMENTO Gleice Branco Silva INFLUÊNCIA DE UM PROGRAMA DE DANÇA NOS ASPECTOS BIOPSICOSSOCIAS DOS IDOSOS Pesquisa apresentada ao programa de Pós- Graduação Stricto Sensu em Ciências do Envelhecimento da Universidade São Judas Tadeu, como requisito parcial à obtenção do título de mestre em Ciências do Envelhecimento. Orientador: Prof. Dr. Marcelo de Almeida Buriti São Paulo, 2012

3 Silva, Gleice Branco Influência de um programa de dança nos aspectos biopsicossociais dos idosos / Gleice Branco Silva. - São Paulo, f. ; 30 cm Orientador: Marcelo de Almeida Buriti. Dissertação (mestrado) Universidade São Judas Tadeu, São Paulo, Idosos - Dança. 2. Medicina psicossomática. I. Buriti, Marcelo de Almeida. II. Universidade São Judas Tadeu, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências do Envelhecimento. IV. Título Ficha catalográfica: Elizangela L. de Almeida Ribeiro - CRB 8/6878 CDD

4 DEDICATÓRIA Aos meus pais, Lourival Inácio e Maria Domingues que, com muito amor e sacrifício, tornaram possível meu sonho de ser professora e deram-me enorme incentivo na realização da dissertação de mestrado. Sei o quanto sofreram e lutaram para oferecer os meus estudos. Agradeço-os pelos bons exemplos, apoio constante e por demonstrarem por mim um amor inabalável.

5 AGRADECIMENTOS A Deus, por cada dia de minha vida. Por me dar saúde e disposição para buscar e concretizar os meus sonhos. Ao professor Marcelo Buriti que, com profissionalismo e dedicação auxiliou-me no desenvolvimento desta dissertação de mestrado. Ao presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Ferraz de Vasconcelos-SP, Alfredo de Jesus, pela doação do espaço para realização desta pesquisa. Aos membros da banca examinadora, professoras Geraldina Porto Witter e Eliane Florêncio Gama. Às professoras de Língua Portuguesa, Cléo Neres, Elza Maria e Maria Lira pela revisão ortográfica. Agradeço a todos aqueles que estiveram presentes em minha caminhada, e em especial: Geovana Mellisa, Sueli, Nathaly, Danielle, Kilze, Débora, Elizete, Gleice Oliveira, Isabel, Silvana, Rosangela, Renata, Josiane Vieira e Bruna Tatiellen pelos proveitosos momentos de estudo e encontros juntas. À mestranda Emy Suelen, por todo o apoio relacionado à dança durante a pesquisa. Ao meu namorado, Hildon, pelo amor, paciência, carinho e incentivo nos meus momentos de desânimo, fundamentais na concretização do meu sonho. A todos os idosos participantes da pesquisa que, com seriedade e compromisso em relação ao trabalho, permitiram que o meu conhecimento pudesse ser expandido.

6 RESUMO Este trabalho tem por objetivos analisar e comparar a qualidade de vida de idosos de ambos os gêneros e a influência de um programa de dança nos domínios físico, psicológico, social e ambiental. Trata-se de um estudo de análise quali-quantitativo de delineamento quase experimental, do qual participaram 22 idosos de ambos os gêneros, com 60 anos ou mais, não praticantes regulares de atividades físicas sistematizadas, moradores do Alto Tietê, localizado no município de Ferraz de Vasconcelos, estado de São Paulo. Para avaliar a percepção subjetiva da qualidade de vida, utilizou-se o World Health Organization Quality of Life Questionnaire (WHOQOL-BREF) e o WHOQOL-OLD para aplicação em idosos. Aplicou-se os testes não paramétricos de Correlação de Spearman, bem como o teste Qui quadrado, para verificar se houve significância estatística. Em todas as análises, adotou-se nível de significância de p 0,05. O procedimento realizado nesta pesquisa envolveu a aplicação dos instrumentos citados, antes e após o período das aulas de dança que foram ministradas nos seguintes ritmos: Dança Recreativa, Bolero, Forró, Samba de Gafieira e Discoteca. Os dados foram organizados e tabulados para análise estatística. A amostra estudada foi constituída, predominantemente, por idosos com idade média de 66,45 anos, sendo 50% do gênero masculino e 50% do gênero feminino. Observou-se maior frequência de idosos com Ensino Fundamental incompleto (50%), religião católica (81,82%), casados (90,91%), todos com residência própria, com renda familiar de um a três salários mínimos mensais, de etnia branca, aposentados e cuja doença de maior destaque é a Hipertensão Arterial (41,67%), seguida de Diabetes (29,17%). O nível de atividade física ativo prevaleceu no total da amostra, ainda que as respostas obtidas caracterizem o perfil da população estudada como não praticante de nenhuma outra atividade física sistematizada e que os participantes nunca tenham praticado aulas de dança. A participação em sessões de aulas de dança apresentou melhora nos escores do Whoqol-Bref nos domínios Físico, Psicológico, Social e Ambiental em ambos os gêneros. Houve também melhora nos escores do Whoqol Old nas facetas Intimidade, Morte e Morrer, Participação Social, Atividades Passadas, Presentes e Futuras, Autonomia e Funcionamento do Sensório pré e pós-

7 intervenção da dança em ambos os gêneros, que apresentou valor alto do escore total. Com relação à qualidade de vida, os percentuais foram maiores no gênero feminino, mostrando que a dança influencia mais positivamente este gênero, uma vez que as mulheres apresentaram-se mais satisfeitas com a saúde após a prática da dança. O bem-estar proporcionado pelas aulas de dança pode ser percebido positivamente com o aumento da autoestima e, consequentemente, na melhoria da qualidade de vida dos idosos participantes. Estudos posteriores poderão utilizar os dados obtidos nesta pesquisa para outras investigações que sejam sugeridas pelos achados deste estudo. Palavras-chave: Ritmo, Envelhecimento, Bem estar biopsicossocial. ABSTRACT This work aims to analyze and compare the quality of life of elderly of both genders and influence of a dance program in the physical, psychological, social and environmental. This is a study of qualitative and quantitative analysis of a quasiexperimental, attended by 22 seniors of both genders, aged 60 or older, not regular practitioners of regular physical activity, residents of Alto Tietê, located in the municipality of Ferraz de Vasconcelos, state of São Paulo. To evaluate the subjective perception of quality of life, we used the World Health Organization Quality of Life Questionnaire (WHOQOL-BREF) and WHOQOL-OLD for use in elderly. We applied the nonparametric Spearman rank correlation and the chi-square test, to see if there was statistical significance. In all analyzes, we adopted a significance level of p 0,05. The procedure performed in this study involved the application of the tools mentioned before and after the period of dance lessons that were taught in the following rhythms: Recreational Dance, Bolero, Forro, Samba Gafieira and Disco. Data were organized and tabulated for statistical analysis. The study sample consisted predominantly of older adults with an average age of years, 50% male and 50% female. It was observed more frequently in elderly people with primary education (50%), Catholic (81.82%), married (90.91%), all with their own home, with family incomes of one to three minimum wages per month, Caucasians,

8 and retirees whose disease is the most prominent Hypertension (41.67%), followed by diabetes (29.17%). The level of physical activity "active" prevailed in the total sample, although the responses characterize the profile of the study population as not practicing any other physical activity that participants systematically and have never practiced dance lessons. Participation in sessions of dance classes showed improvement in scores on the WHOQOL-Bref domains in Physical, Psychological, Social and Environmental in both genders. There was also improvement in the scores of the WHOQOL Old facets "Intimacy", "Death and Dying", "Social Participation", "Activities Past, Presents and Future", "Autonomy" and "Sensorimotor Functioning of" pre-and post-intervention Dance in both genders, which showed high value of the total score. Regarding quality of life, the percentages were higher in females, showing that more positively influences this dance genre, since women were more satisfied with their health after dance practice. The welfare provided by dance lessons can be perceived positively with increasing self-esteem and consequently improving the quality of life of elderly participants. Further studies may use data obtained from this research to other investigations that are suggested by the findings. Keywords: Rhythm, Aging, Wellness biopsychosocial.

9 SUMÁRIO Introdução Conceitos sobre Envelhecimento Qualidade de Vida Atividade Física e Envelhecimento Características da Dança Aspectos metodológicos e pedagógicos na dança Característica da música Objetivos Método Participantes Material Procedimentos Resultados e Discussão Considerações Finais Referências Anexos

10 ÍNDICE DE TABELA Tabela 1: Qualidade de vida dos idosos praticantes de dança pré e pós Tabela 2: Satisfação com a própria saúde em idosos praticantes de dança Tabela 3: Análise das facetas da qualidade de vida dos idosos Whoqol Bref Tabela 4: Escores dos domínios da qualidade de vida do gênero masculino Tabela 5: Escores dos domínios da qualidade de vida do gênero feminino Tabela 6: Escores das facetas da qualidade de vida Whoqol Old Tabela 7: Escores das facetas da qualidade de vida gênero masculino Tabela 8: Escores das facetas da qualidade de vida gênero feminino... 76

11 Introdução Desde as últimas décadas do século passado, o Brasil se depara com um declínio rápido e acentuado da fecundidade, fenômeno sem precedentes na sua história, e que se sobressai mesmo em comparação com outros países, desenvolvidos ou em desenvolvimento. Como aconteceu na maioria destes países, esse declínio, combinado com a queda da mortalidade, acarretou um processo de envelhecimento populacional e de aumento da longevidade da população. Apesar de o processo de envelhecimento não estar, necessariamente, relacionado a doenças e incapacidades, as doenças crônico-degenerativas são frequentemente encontradas entre os idosos (Alves, Leimann, Vasconcelos, Fonseca, Lebrão & Laurenti 2007). Mesmo com o avanço das tecnologias, a tendência é termos idosos portadores de doenças crônicas, como Diabetes e Hipertensão. Quando não devidamente controladas, essas patologias ocasionam sequelas que podem desencadear a incapacidade funcional. Neste caso, o comprometimento da capacidade funcional pode não só afetar a família, a comunidade como a própria vida do idoso, por levá-lo à deterioração da habilidade de se manter independente, contribuindo para a diminuição da sua qualidade de vida, bem-estar e, muitas vezes, ocasionando a morte (Alves et al. 2007). Diante deste princípio, o envelhecimento está associado a uma variedade de limitações físicas e psicológicas, de forma que ações aparentemente fáceis de serem realizadas, que poderiam contribuir para melhorar a qualidade de vida dos idosos, tornam-se muito difíceis de serem executadas. Nas últimas décadas, muitas intervenções de atividade física para idosos têm sido desenvolvidas e estudos têm comprovado que intervenções baseadas em atividades constituídas por grupos podem atingir altas taxas de participação e contribuir para que se adote, em curto prazo, maior grau de desenvolvimento de suas capacidades físicas (Opdenacker, Boen, Coorrevits & Delecluse 2008). Por esse motivo, a prática de atividade física vem sendo citada como um dos componentes mais importantes para a boa qualidade de vida na sociedade atual. Mulheres e homens vêm demonstrando uma enorme preocupação na busca de objetivos que enveredam pelos caminhos do prazer, da satisfação e do bem-estar. 1

12 Esta atividade pode ser considerada uma estratégia eficaz dentro desse contexto, pois envolve o bem-estar físico, psicológico, emocional e social, relacionados à manutenção da autonomia e dignidade, fatores positivos na redução dos riscos de morbimortalidade em várias doenças crônicas, o que resulta em uma ampliação da qualidade de vida (Monteirom, Monteiro, Oliveira, Jesus, Bueno & Oliveira 2007). Isso se justifica pelas características variadas, que proporcionam ao idoso um cuidado com o corpo, a mente e também com as relações sociais, favorecendo o processo da autoestima, uma vez que, na maioria dos casos, essa atividade é realizada em grupo. Sendo assim, a dança é considerada como atividade física significativa para mediar de forma satisfatória na qualidade de vida e, sobretudo, na saúde das pessoas na fase do envelhecimento (Veras, 1995). Nessa fase da vida, como atividade física, a dança tem o objetivo de trabalhar o físico, o psicológico, o ambiental e também o social que, no processo de envelhecimento, são afetados por vários fatores relacionados ao tempo, porque a arte de envelhecer com sucesso requer um planejamento cuidadoso e uma compreensão realista das mudanças. A dança aumenta a possibilidade de socialização do idoso, estimulando sentimentos de confiança, igualdade, apoio mútuo, o que permite aos praticantes melhora nas disposições física e mental, na flexibilidade, na postura corporal, na força e na resistência muscular, reduzindo tensões e dores, propiciando, assim, o bem-estar social. Além disso, as atividades físicas realizadas com música podem criar um ambiente agradável. Dessa maneira, pode ser um parâmetro adequado para permitir que os indivíduos permaneçam em atividade (Miranda & Godeli, 2003). A propósito, a dança pode trazer muitos benefícios (em relação à saúde e melhoria na qualidade de vida) e pode minimizar os efeitos deletérios causados pelo envelhecimento, possibilitando a aquisição de novas habilidades motoras, auxiliando na melhora das capacidades coordenativa e motoras (Coelho, Quadros-Junior & Gobbi, 2008), além de ter grande aceitação por parte das pessoas idosas (Leal & Haas, 2006). Portanto, iniciativas que envolvem questões como integração social e qualidade de vida, podem gerar benefícios e comportamentos que favorecem uma 2

13 velhice mais autônoma (Gerez, Velardi, Camara & Miranda, 2010). As intervenções planejadas e estruturadas poderão reduzir a incapacidade funcional da população idosa, nas mais diversas estratégias, seja de prevenção, seja de tratamento, para retardar os efeitos deletérios do envelhecimento, respeitando o indivíduo nas suas diferentes características. Nesse sentido, a compreensão, os levantamentos e as discussões atuais sobre envelhecimento, atividade física, qualidade de vida e dança se fazem necessárias para o entendimento e a promoção da saúde em suas várias vertentes, bem como são de extrema importância para a implantação de programas de exercícios físicos eficazes, que possam contribuir de maneira significativa para que essa população incorpore a atividade física em seu cotidiano e passe a desfrutar de uma vida mais saudável. Busca-se por meio dessa atividade tornar a prática de exercícios físicos regulares, tornando-a instrumento de papel fundamental na promoção de saúde durante o processo de envelhecimento, com vista a uma trajetória ativa e saudável, na tentativa de resgatar o direito do idoso ao bem-estar biológico, psicológico e social. CONCEITOS SOBRE O ENVELHECIMENTO Devido ao aumento da expectativa de vida, muitos países convivem hoje com um incremento gradativo do número de indivíduos idosos. Tal afirmativa também se aplica ao Brasil, visto que indicadores publicados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2010) demonstram que a população brasileira com idade superior a 80 anos aumentou em mais de 86% na última década. As projeções indicam que, em 2050, a população idosa será de 1,9 milhão de pessoas, montante equivalente à população infantil de 0 a 14 anos de idade. É inevitável falar a respeito do idoso sem mencionar a intensa evolução demográfica vivenciada nas últimas quatro décadas, podendo afirmar que o fenômeno do envelhecimento populacional é uma realidade mundial, sendo comum tanto em países desenvolvidos como entre os que estão em desenvolvimento, a exemplo do Brasil. 3

14 Nos chamados países desenvolvidos existe uma preocupação em programar uma estrutura voltada às necessidades deste contingente populacional em diversos aspectos (saúde, lazer, trabalho etc.) de modo a garantir a continuidade da participação social do idoso, de maneira ativa, durante o maior tempo possível. Por outro lado, nos países em desenvolvimento, esta ainda é uma realidade distante. A população idosa encontra-se em meio ao descaso e desamparo, seja pela falta de estrutura física, social ou de conscientização de grande parcela da população (Rocha, Carneiro & Costa Jr, 2011). Ao longo do século XX, é inegável o crescimento da população idosa nas estatísticas demográficas brasileiras. Todo ano, 650 mil novos idosos são incorporados à população, a maior parte com doenças crônicas e alguns com limitações funcionais. A expectativa média de vida do brasileiro se amplia de tal forma que grande parte da população atual alcançará a velhice (Veras, 2007). Decorrentes do envelhecimento, as alterações orgânicas, somadas aos abusos, ao desuso e às condições de vida, impõem comprometimentos típicos desta fase da vida. Geralmente, sob o aspecto da saúde, essas condições são geralmente marcadas por curso crônico, incapacitante dependente de cuidados especializados e alto custo, caracterizando o processo de transição epidemiológica que ocorre em conjunto com as transformações demográficas, sociais, econômicas, psicológicas e culturais (Borges, Bretas, Silvana & Barbosa, 2008). Alguns fatores, como característica de personalidade, competência, estilo de vida e apoio social influenciam para melhor qualidade de vida na velhice (Neri, 2002). É relevante para a saúde física, psicológica e social estimular e propiciar condições de exercícios e atividade física aos idosos. Isso implica orientar a sociedade e o próprio idoso, em particular, quanto à importância de levar uma vida ativa (Buriti & Macedo, 2011). De acordo com Corrêa (1996), durante o processo de envelhecimento, o estilo de vida tem um papel fundamental na promoção de saúde e na qualidade. Os idosos desejam manter contatos sociais, mas são prejudicados pelas barreiras físicas e sociais impostas pela idade. O afastamento das atividades, a falta de trocas sociais, a redução do contato faz com que a pessoa dissocie-se da sociedade e a sociedade 4

15 dissocie-se da pessoa. Este afastamento social é mútuo e adaptativo, e faz parte do distanciamento emocional. Sendo assim, os limitados recursos da velhice causam uma diminuição na amplitude das relações sociais. Diante da realidade inquestionável das transformações demográficas iniciadas no último século e que nos faz observar uma população cada vez mais envelhecida, evidencia-se a importância de garantir aos idosos não só uma sobrevida maior, mas também uma boa qualidade de vida (Vecchia, Ruiz, Bocchi & Corrente, 2005). De acordo com Moreira (1995), a revolução industrial exacerbou a velocidade com o aparecimento da produção em série para lucro imediato, das indústrias químicas e das alterações nos meios de comunicação. O modo de viver, as músicas, a forma de dançar e o padrão de rendimento nos esportes são executados com velocidade. As alterações fisiológicas são naturais, porém, a falta de autonomia de movimentos amiúde é gerada pela história de vida inativa. O idoso não acompanha a velocidade imposta pela sociedade, o que torna um empecilho a sua participação como ser social. O processo de envelhecimento pode acarretar a perda do papel social do idoso, pois nesta fase, muitos deles já não trabalham e seus filhos já estão criados, o que pode levar a um sentimento de inutilidade e solidão. Com isto, é importante a busca de recursos que ajudem o idoso a resgatar a percepção de suas potencialidades, sendo que atividades que exercitam o corpo e a mente podem auxiliar o idoso para que não se sinta desmotivado, inútil ou incapaz (Alencar, Mendes, Jorge & Guimarães, 2008). Assim, há uma necessidade em saber distinguir entre as mudanças correspondentes aos efeitos naturais do processo de envelhecimento, chamado de senescência e as alterações provocadas por diversas doenças que podem acometer os idosos, configurando o processo de senilidade (Passarelli, 1997). A presente proposta envolve a questão da dança como atividade física e do processo de envelhecimento, assuntos amplamente debatidos pelo aumento da população idosa tanto no cenário nacional como no mundial, pelas incidências de doenças derivadas do sedentarismo. Desta forma, ambas as questões são de suma importância para a saúde pública. 5

16 QUALIDADE DE VIDA De acordo com o grupo da Organização Mundial da Saúde (OMS), a qualidade de vida pode ser definida como a percepção que o indivíduo tem sobre sua posição na vida, inter-relacionando com a cultura no qual está inserido, bem como a inter-relação dos seus objetivos, expectativas, padrões e preocupações (Whoqol Group, 1998). Diante da realidade inquestionável das transformações demográficas, que demonstram uma população cada vez mais envelhecida, nota-se a importância de proporcionar aos idosos não só uma longevidade maior, mas também uma melhor qualidade nos anos que estão vivendo. A autoestima, o bem-estar pessoal, o nível socioeconômico, o estado emocional, a interação social, a atividade intelectual, o autocuidado, o suporte familiar, o estado pessoal da saúde, valores culturais, valores éticos, religião, atividades laborais, atividades da vida diária e o ambiente em que se vive também relacionam significativamente com o conceito de qualidade de vida (Vecchia et al., 2005). Estudar a importância da atividade física na trajetória de envelhecimento do ser humano configura-se na descrição da qualidade das condições de vida, levando em consideração fatores como saúde, bem-estar físico, psicológico, emocional, mental e expectativa de vida. Envolve também elementos não relacionados, como a família, amigos, emprego ou outras circunstâncias (Oliveira, Pivoto & Vianna, 2009). É um fenômeno sujeito a múltiplas influências que, para ser determinado, depende de variáveis de domínio psicológico, físico e social. Esse conceito é determinado pela autoestima e bem-estar pessoal, sendo bastante subjetivo, dependendo do nível sócio-cultural, da faixa etária e das aspirações do indivíduo (Néri, 2000; Vecchia et al, 2005). Na velhice, a qualidade de vida pode ser entendida como uma avaliação multidimensional referenciada a critérios socionormativos e intrapessoais a respeito das relações passadas, atuais e prospectivas entre o idoso e o seu meio ambiente (Parente, 2006). O processo de envelhecimento engloba muito mais do que as mudanças físicas do corpo. Aspectos 6

17 emocionais, cognitivos e sociais também contribuem para a configuração de uma velhice bem sucedida, normal ou patológica (Vitola & Argemon, 2002). Conclui-se que a qualidade de vida pode ser considerada como um conceito amplo, complexo e subjetivo, que varia de indivíduo para indivíduo, e pode modificar com o passar do tempo. Desta forma, indivíduos jovens podem priorizar os aspectos relacionados ao trabalho e às finanças, ao passo que os idosos julgariam a saúde e a mobilidade como fatores importantes para a qualidade de sua vida (Irigaray & Trentini, 2009) Segundo Miranda (2001) para os diversos profissionais que atuam com idosos é extremamente importante compreender que condições permitem contribuir para a qualidade de vida na velhice, devendo elaborar e estruturar possíveis intervenções que favoreçam o bem-estar e a satisfação, por meio do entendimento do processo de envelhecimento e dos limites para o desenvolvimento humano. ATIVIDADE FÍSICA E ENVELHECIMENTO Durante os últimos quarenta anos, estudos experimentais e clínicos têm indicado que o baixo nível de atividade física é um fator importante no desenvolvimento de doenças degenerativas que afetam a qualidade de vida do ser humano. Não se pode pensar em prevenir ou minimizar os efeitos do envelhecimento, sem que, além das medidas gerais de saúde se inclua a atividade física (Matsudo, Matsuo & Neto 2000). Por isso, os benefícios ao idoso, adquiridos por meio da prática regular de exercícios físicos, transcendem os aspectos fisiológicos e contemplam o ser humano em sua globalidade, atendendo também as suas necessidades sociais e psicológicas (Corazza, 2001). O programa de exercícios para idosos deve proporcionar benefícios em relação às capacidades motoras que apoiam a realização das atividades da vida diária, melhorando a capacidade de trabalho e lazer e alterando a taxa de declínio do estado funcional (Marques, 1996). De acordo com Rejeski, Fielding, Blair, Guralnik, Gill e Hadley (2005) a mobilidade (locomoção) e atividades diárias representam tarefas que são necessárias para a manutenção do funcionamento independente. A incapacidade para 7

18 realizar essas atividades marca um sério declínio na saúde funcional, aumentando o risco de institucionalização e morte. Muitos idosos com 70 anos ou mais são sedentários, sarcopênicos (ou seja, têm baixa massa muscular) ou estão no risco elevado para a mobilidade em declínio. Para tanto um estilo de vida saudável está associado ao incremento da prática de atividades físicas, sejam elas realizadas no âmbito do trabalho, seja no âmbito da locomoção, do lazer ou das atividades domésticas, e, como consequência, com melhores padrões de saúde e qualidade de vida (Toscano & Oliveira, 2009). Na medida em que a população continua envelhecendo, cada vez mais se pesquisa sobre o exercício durante toda a vida humana. Idosos previamente sedentários devem ser beneficiados por um programa de atividade física regular. A atividade física desempenha um papel importante na prevenção de ampla variedade de problemas relacionados à saúde, como diabetes, coagulação sanguínea e fibrinólise, lipídios sanguíneos, imunologia e saúde mental. Assim, a inatividade física é um dos principais fatores que contribuem para a mortalidade atribuída a causas como doença cardiovascular, certos cânceres e o diabetes tipo II (Foss & Keteyian, 2000). Sabe-se que a ausência de atividade física regular pode agravar e até mesmo antecipar alguns processos de envelhecimento, acarretando efeitos negativos sobre a vida do indivíduo, provocando o aparecimento de obesidade, problemas cardiovasculares, diabetes, aumento nos níveis de pressão arterial, entre outros, transformando-se em um fator determinante para uma velhice deteriorada (Carmo, Mendes & Brito 2008; Mello, Fernandez & Tufik, 2000). Por outro lado, a prática regular de atividade física tem sido recomendada para a prevenção e tratamento de doenças cardiovasculares, seus fatores de risco e outras doenças crônicas, e vem sendo apontada como uma possibilidade de minimizar o impacto do envelhecimento e, especialmente, manter a capacidade funcional do idoso por mais tempo. Isso porque, trata-se de um processo contínuo, natural e irreversível, que provoca desgastes e alterações em vários sistemas funcionais. Dessa forma, é fundamental a participação dos idosos em programas de atividade física, nas quais realizem exercícios que aprimorem todas as 8

19 capacidades que sofrem alterações em razão da prática de atividades físicas diárias (Ciolac & Guimarães, 2004; Cipriani, Meurer, Benedetti & Lopes, 2010). O American College of Sports Medicine (1998) atribui alguns benefícios para a inclusão da prática regular de atividade física no cotidiano de pessoas idosas: a) redução e/ou prevenção de alguns dos declínios nos componentes da aptidão física associada com o envelhecimento; b) prevenção de doenças crônicodegenerativas; c) maximização da saúde psicológica; d) manutenção da capacidade funcional; c) auxilia na reabilitação de doenças crônicas e agudas e; f) inversão da síndrome do desuso. É importante ressaltar que a atividade física é de grande valia para a melhora ou manutenção da capacidade física em todas as idades, e a dança é uma modalidade que abrange uma faixa etária muito ampla. Dessa forma, para indivíduos idosos, a atividade física isoladamente não é suficiente para manter a alta qualidade de vida e o bem-estar, necessitando, assim, incluí-los no meio social, intelectual e cultural, sendo que todos estes aspectos podem ser oferecidos por meio da dança (Maia, Vágula, Souza & Pereira, 2007). Assim, a atividade física regular tem-se mostrado efetiva na melhora da capacidade em desempenhar as tarefas diárias. Numa visão biológica, a atividade física moderada e regular contribui para que uma série de estruturas orgânicas seja preservada e o idoso possa obter melhor qualidade de vida, regulando suas funções vitais (Moreira 1995), além de servir como estratégias para reduzir o número de fraturas e aumento da massa óssea e muscular, para a prevenção de quedas e aumento da capacidade funcional (Simão, 2007). A atividade física é uma variável frequentemente citada na literatura como sendo de grande relevância para a qualidade de vida na velhice. Estar ativo é afastar-se do sedentarismo, uma das causas de quase todas as doenças mais comuns na velhice (Miranda & Godeli, 2003). No entanto, é necessário que haja uma prescrição de exercícios que considere as necessidades, metas, capacidades iniciais e história do praticante, para que os benefícios e segurança à saúde da prática regular de atividade sejam maximizados (Ciolac & Guimarães, 2004). 9

20 Segundo a recomendação do Americam College of Sports Medicine (ACSM), associada ao Americam Heart Association (AHA), para indivíduos idosos um bom programa de exercícios deve contemplar atividades para resistência aeróbia, exercícios resistidos, além de atividades para a flexibilidade, e equilíbrio corporal (Haskell, Patê, Powell, Blair, Franklin & Macera, 2007). Para Ruscheweyh, Willemer, Krüger, Duning, Warnecke e Sommer (2009) projetar intervenções para melhorar tanto a adoção e a manutenção da atividade física continua a ser um desafio. Alguns estudos epidemiológicos recentes sugerem que simplesmente gastando a energia através de movimentos embutidos nas rotinas de vida diária, como caminhando para a estação de correios, subindo escadas, ou simplesmente se levantar do sofá e andar entorno da casa, pode estar associado a menor mortalidade em idosos saudáveis. Em se tratando de um problema de saúde publica, essas intervenções têm como estratégias utilizar as atividades físicas no cotidiano do idoso, facilitando a aderência a um estilo de vida saudável. De acordo com Rego, Bernardo e Rodrigues (1990), um sedentarismo progressivo marcou o século XX, alcançando um nível mundial, não só em países mais pobres, mas também em países desenvolvidos, onde tem um alcance de 40% a 60% da população. No Brasil, estimativas do mesmo autor levam-nos a observar índices de 69,3%, obtendo maior valor entre mulheres do que em homens, pelo menos naquela época. A atividade física representa um fator importante para manutenção da qualidade de vida e saúde dos idosos. Segundo Cheik, Reis, Heredia, Ventura, Tufik, Antunes e Mello (2003), o exercício físico pode servir como atenuante do processo de declínio das funções orgânicas que ocorrem durante o processo de envelhecimento. Os benefícios da prática da atividade física regular são amplamente difundidos há tempos para a população. Porém, mesmo que esses efeitos positivos sejam reconhecidos pelo meio acadêmico, a baixa adesão de idosos a programas de atividade física ainda ocorre no mundo inteiro, sendo que o nível de participação pode variar de país para país, mas em todos a inatividade física é considerada um problema de saúde pública significante (Okuma & Ferraz, 1999). 10

A Dança na Terceira Idade

A Dança na Terceira Idade A Dança na Terceira Idade Bárbara Costa Carolina Miguel Leonardo Delarete Pimenta Na terceira idade, geralmente, o ser humano sofre algumas alterações de um declínio geral no aspecto biopsicossocial. Como

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Profª Doutora Daisy Barros Especialização em Ginástica Rítmica e Dança Ritmo é vida e está particularmente ligado à necessidade do mundo moderno. Cada indivíduo,

Leia mais

PLANO DE TRABALHO IDOSO

PLANO DE TRABALHO IDOSO PLANO DE TRABALHO IDOSO Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER Afonso

Leia mais

cultural de fundamental importância quando mergulham conceitualmente em temas de interesse para o bem-estar de pessoas e de populações idosas, para o

cultural de fundamental importância quando mergulham conceitualmente em temas de interesse para o bem-estar de pessoas e de populações idosas, para o Prefácio Ao longo dos últimos 11 anos, a coleção Velhice e Sociedade vem cumprindo a missão de divulgar conhecimento sobre a velhice e tem contribuído para o desenvolvimento e o aperfeiçoamento de recursos

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

Alessandra Santana. Angélica Cristina da Silva Freire

Alessandra Santana. Angélica Cristina da Silva Freire Câmpus Alfenas 28 de novembro de 2011 SUMÁRIO Alessandra Santana... 2 Angélica Cristina da Silva Freire... 2 Bárbara Luiza Novais... 3 Bruna Aparecida Reis... 3 Carolina Esteves Martins... 4 Celsianne

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Revolução industrial Antes da revolução industrial as pessoas eram mais ativas porque viviam constantemente se movimentando no trabalho na escola,

Leia mais

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012.

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Layz Dantas de Alencar 1 - layzalencar@gmail.com Rosimery

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO

IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO Eliane de Sousa Leite/Universidade Federal de Campina Grande/UFCG. E-mail: elianeleitesousa@yahoo.com.br Jeruzete Almeida de Menezes/ Universidade

Leia mais

Promoção da Saúde na Escola Através das Aulas de Educação Física

Promoção da Saúde na Escola Através das Aulas de Educação Física 10 Promoção da Saúde na Escola Através das Aulas de Educação Física Juliana Marin Orfei Especialista em Atividade Física: Treinamento Esportivo UNICASTELO Viviane Portela Tavares Especialista em Atividade

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

Atividade Física e Saúde na Escola

Atividade Física e Saúde na Escola Atividade Física e Saúde na Escola *Eduardo Cardoso Ferreira ** Luciano Leal Loureiro Resumo: Atividade física pode ser trabalhada em todas as idades em benefício da saúde. O objetivo do artigo é conscientizar

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

Programa de Ginástica Laboral

Programa de Ginástica Laboral Programa de Ginástica Laboral 1. IDENTIFICAÇÃO Nome: Programa de Ginástica Laboral (PGL) Promoção e Organização: Centro de Educação Física, Esportes e Recreação Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto.

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE PROJETO AVALIAÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA MAFRA 2009 Núcleo de Ciências da Saúde e Meio Ambiente

Leia mais

CUIDANDO DO IDOSO E CUIDANDO DO CUIDADOR

CUIDANDO DO IDOSO E CUIDANDO DO CUIDADOR CUIDANDO DO IDOSO E CUIDANDO DO CUIDADOR Jorge Wilker Bezerra Clares 1 Rozzana Oliveira Tabosa 2 Carliene Bezerra da Costa 3 Maria Célia de Freitas 4 RESUMO Trata-se de um relato de experiência vivenciado

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM CAROLINE SILVA DE OLIVEIRA Discente do Curso de Licenciatura Plena do Curso de Educação Física das Faculdades Integradas

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O corpo humano é projetado para funcionar como uma unidade, com os músculos sendo ativados em seqüências especifica para produzir um

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias Daiana de Aquino Hilario Machado * RESUMO: Neste artigo estaremos discutindo sobre as repercussões do envelhecimento

Leia mais

TÍTULO: IDOSO E LAZER: CONCEPÇÃO, BENEFÍCIOS E DIFICULDADES DE MORADORES DE SÃO PAULO

TÍTULO: IDOSO E LAZER: CONCEPÇÃO, BENEFÍCIOS E DIFICULDADES DE MORADORES DE SÃO PAULO TÍTULO: IDOSO E LAZER: CONCEPÇÃO, BENEFÍCIOS E DIFICULDADES DE MORADORES DE SÃO PAULO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU

Leia mais

Qualidade de vida no Trabalho

Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Introdução É quase consenso que as empresas estejam cada vez mais apostando em modelos de gestão voltados para as pessoas, tentando tornar-se as empresas mais humanizadas,

Leia mais

MELHOR IDADE EM MOVIMENTO: IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PREVENTIVA NA FLEXIBILIDADE DE IDOSAS

MELHOR IDADE EM MOVIMENTO: IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PREVENTIVA NA FLEXIBILIDADE DE IDOSAS MELHOR IDADE EM MOVIMENTO: IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PREVENTIVA NA FLEXIBILIDADE DE IDOSAS Área Temática: Saúde Helenara Salvati Bertolossi Moreira 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Helenara Salvati

Leia mais

O JOGO E A ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE

O JOGO E A ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE O JOGO E A ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE RESUMO Marcelo Moura 1 Luciano L. Loureiro 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância do jogo como indispensável, contendo uma relação facilitadora entre os

Leia mais

A percepção da melhora da capacidade funcional em indivíduos da Terceira Idade praticantes de hidroginástica

A percepção da melhora da capacidade funcional em indivíduos da Terceira Idade praticantes de hidroginástica A percepção da melhora da capacidade funcional em indivíduos da Terceira Idade praticantes de hidroginástica Lillian Garcez Santos 1 Marcus Vinícius Patente Alves 2 RESUMO O número de pessoas acima de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CHOPINZINHO PR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GESTÃO 2012-2015

PREFEITURA MUNICIPAL DE CHOPINZINHO PR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GESTÃO 2012-2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE CHOPINZINHO PR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GESTÃO 2012-2015 PROJETO TERCEIRA IDADE ATIVA EDUCADORAS FÍSICAS: LÍDIA POSSO SIMIONATO (responsável) ALANA M. C. KNAKIEWICZ (estagiária)

Leia mais

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a nossa saúde e bem-estar. Actividade física adequada e desporto

Leia mais

A DANÇA COMO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO INFANTIL.

A DANÇA COMO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO INFANTIL. A DANÇA COMO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO INFANTIL. CAMARGO,Leonildo Discente do curso de Pedagogia da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva. MÜZEL,Andrei Docente do curso de Pedagogia da

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

Melhor Idade Oficinas de Produção 1

Melhor Idade Oficinas de Produção 1 Melhor Idade Oficinas de Produção 1 Patrícia da Silva Fonseca. Economista Doméstica e estudante não-vinculado do Programa de Pós-Graduação em Economia Doméstica da Universidade Federal de Viçosa. Endereço:

Leia mais

Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S. Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 2 EDUCAÇÃO INFANTIL

Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S. Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 2 EDUCAÇÃO INFANTIL Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 2 EDUCAÇÃO INFANTIL Prezado(a) aluno(a): Novo ano, novas expectativas, novos desejos, novos anseios e um novo caminho

Leia mais

MOVIMENTO E CORPOREIDADE MATERNAL II

MOVIMENTO E CORPOREIDADE MATERNAL II MOVIMENTO E CORPOREIDADE MATERNAL II Desenvolver reações físicas - rítmicas à música (palmas, marchas, etc); Representar, com movimentos corporais elementos e objetos do meio circundante; Deslocar com

Leia mais

CORPOREIDADE: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CORPOREIDADE: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL UNIVERSIDADE METROPOLITANA DE SANTOS NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE PEDAGOGIA Educação Mediadora Ana Lucia Rodrigues Nunes Teixeira Carla Trindade da Silva

Leia mais

Esse tema foi abordado com o objetivo de despertar o interesse pela

Esse tema foi abordado com o objetivo de despertar o interesse pela 10 A Atividade Física e o Controle do Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP Esse tema foi abordado com o objetivo de despertar

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

Ministério do Esporte

Ministério do Esporte A CULTURA CORPORAL DO MOVIMENTO HUMANO E O ESPORTE EDUCACIONAL Ministério do Esporte OBJETIVOS: 1. Reivindicar e demarcar as fronteiras da cultura corporal do movimento humano (CCMH) como um espaço próprio

Leia mais

Mais saúde, menos stress

Mais saúde, menos stress iate especial Mais saúde, menos stress conheça Os BenefÍcIOs DA prática esportiva e AprOveIte para escolher A MODALIDADe IDeAL por JOãO rodrigues Um dos maiores diferenciais da Academia do Iate Clube de

Leia mais

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES A ACTIVIDADE FÍSICA F NA PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES Epidemiologia do Envelhecimento O envelhecimento da população é um fenómeno de amplitude mundial, a OMS (Organização Mundial de

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL

AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL Junior, A. C. de J. Sebastião, J. S. Pimentel, E. S. Moreira, R. S. T.. RESUMO A área da ginástica laboral vem crescendo bastante

Leia mais

CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA (bacharelado)

CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA (bacharelado) CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA (bacharelado) Missão Sua missão é tornar-se referência na formação de profissionais para atuar nos diferentes segmentos humanos e sociais, considerando a atividade física e promoção

Leia mais

Prof. Alexandre kikuti Np2. Questões RD Ritmo e Dança / 2014 (DP)

Prof. Alexandre kikuti Np2. Questões RD Ritmo e Dança / 2014 (DP) Prof. Alexandre kikuti Np2 Questões RD Ritmo e Dança / 2014 (DP) Questão 01 A Dança como ARTE é uma atividade humana que resulta de uma elaboração dentro de uma determinada cultura e estabelece íntima

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

PESSOAS RESILIENTES: suas características e seu funcionamento

PESSOAS RESILIENTES: suas características e seu funcionamento CONNER, Daryl. Gerenciando na velocidade da mudança: como gerentes resilientes são bem sucedidos e prosperam onde os outros fracassam. Rio de Janeiro: Infobook, 1995. PESSOAS RESILIENTES: suas características

Leia mais

TREINO COGNITIVO E ENVELHECIMENTO: na busca da autonomia dos idosos

TREINO COGNITIVO E ENVELHECIMENTO: na busca da autonomia dos idosos TREINO COGNITIVO E ENVELHECIMENTO: na busca da autonomia dos idosos Samara Pereira Cabral - UFPB samarapcj@hotmail.com Monica Dias Palitot - UFPB monicadiaspt@yahoo.com.br Joseane da Silva Meireles - UFPB

Leia mais

APOSENTADORIA + VOLUNTARIADO = TRANSFORMAÇÃO RUBENS DE FRAGA JÚNIOR

APOSENTADORIA + VOLUNTARIADO = TRANSFORMAÇÃO RUBENS DE FRAGA JÚNIOR APOSENTADORIA + VOLUNTARIADO = TRANSFORMAÇÃO RUBENS DE FRAGA JÚNIOR ROTEIRO O QUE É ENVELHECIMENTO? APOSENTADORIA : UMA TRANSIÇÃO BENEFÍCIOS PARA A SAÚDE DO VOLUNTÁRIO O Envelhecimento O que é? Conceito

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

24 motivos. academia. para entrar na

24 motivos. academia. para entrar na para entrar na academia Mais um ano se inicia e com ele chegam novas perspectivas e objetivos. Uma das principais promessas feitas é deixar o sedentarismo de lado e entrar na academia! Nesta época é comum

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

As Atividades físicas suas definições e benefícios.

As Atividades físicas suas definições e benefícios. As Atividades físicas suas definições e benefícios. MUSCULAÇÃO A musculação, também conhecida como Treinamento com Pesos, ou Treinamento com Carga, tornou-se uma das formas mais conhecidas de exercício,

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

O remédio musical. Gian Daher Berselli Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

O remédio musical. Gian Daher Berselli Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) O remédio musical Gian Daher Berselli Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Resumo: Esse artigo tem o intuito de identificar as diferentes reações e utilizações da musica como método terapêutico

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR Katia Maria de Oliveira CUSTODIO, Ketulem Cristina Vieira ARANTES, Ducéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES. Ângela Aparecida DIAS Departamento de Educação,UFG

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO DE GINÁSTICA LABORAL PARA MELHORAR QUALIDADE DE VIDA DOS FUNCIONÁRIOS DA ULBRA/GUAÍBA

PROJETO DE EXTENSÃO DE GINÁSTICA LABORAL PARA MELHORAR QUALIDADE DE VIDA DOS FUNCIONÁRIOS DA ULBRA/GUAÍBA PROJETO DE EXTENSÃO DE GINÁSTICA LABORAL PARA MELHORAR QUALIDADE DE VIDA DOS FUNCIONÁRIOS DA ULBRA/GUAÍBA RESUMO *Luciano Leal Loureiro ** Jésica Finguer O presente texto busca explicar o que é o projeto

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Diálogos entre Gestalt-terapia e dança: corpo, expressão e sentido

Diálogos entre Gestalt-terapia e dança: corpo, expressão e sentido Diálogos entre Gestalt-terapia e dança: corpo, expressão e sentido Carla do Eirado Silva carlaeirado@gmail.com 11º período Instituto de Psicologia Cintia Siqueira de Oliveira cintia_imjc@hotmail.com 10º

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 Claudiane da S. EUSTACHIO Dayana Pires Alves GARCIA Fátima RODRIGUES Jean de J. SANTANA 2 Juliana CESANA 3 Ana Lucia de Carvalho MARQUES

Leia mais

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRÁTICAS DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NO LAGO JABOTI

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRÁTICAS DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NO LAGO JABOTI FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRÁTICAS DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NO LAGO JABOTI COELHO, J.C; FONTOURA, R.S; PEREIRA, C.A; DOBICZ, A.F; TORRES, A.A.S. Resumo O presente estudo tende em verificar as principais causas

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS NECESSIDADES DO IDOSO ACAMADO NA COMUNIDADE

AVALIAÇÃO DAS NECESSIDADES DO IDOSO ACAMADO NA COMUNIDADE AVALIAÇÃO DAS NECESSIDADES DO IDOSO ACAMADO NA COMUNIDADE Cristina Katya Torres Teixeira Mendes 1, Maria Adelaide Silva Paredes Moreira 2, Luípa Michele Silva 3, Antonia Oliveira Silva 4 INTRODUÇÃO O envelhecimento

Leia mais

Programa de Controle de Peso Corporal

Programa de Controle de Peso Corporal 15 Programa de Controle de Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP principal objetivo de desenvolver este tema com os alunos

Leia mais

DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO

DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO PARA IDOSOS Introdução Uma velhice tranquila é o somatório de tudo quanto é beneficio do organismo, como por exemplo, exercícios

Leia mais

Metas de Aprendizagem em Educação de Infância: Oportunidade ou Armadilha?

Metas de Aprendizagem em Educação de Infância: Oportunidade ou Armadilha? Metas de Aprendizagem em Educação de Infância: Oportunidade ou Armadilha? VIII Jornadas da Infância do Centro de Apoio Social e Acolhimento C.A.S.A. Bernardo Manuel Silveira Estrela PRÁTICAS EDUCATIVAS:

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE ESTABELECIMENTO: CEEBJA TOLEDO DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA - 2014 ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO INDIVIDUAL E COLETIVO

PLANO DE TRABALHO DOCENTE ESTABELECIMENTO: CEEBJA TOLEDO DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA - 2014 ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO INDIVIDUAL E COLETIVO CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA PARA JOVENS E ADULTOS - TOLEDO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Rua Guarani, 1640 Centro Fone/Fax: 45 3252-7479 Toledo Paraná tooceebjatoledo@seed.pr.gov.br PLANO DE TRABALHO

Leia mais

PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA

PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA Angela T. Zuchetto Departamento de Educação Física, Centro de Desportos Universidade Federal de Santa Catarina Fone: 3318558 zuchetto@cds.ufsc.br Introdução O programa

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

POR QUE SER ATIVO ALBERTO OGATA

POR QUE SER ATIVO ALBERTO OGATA POR QUE SER ATIVO ALBERTO OGATA O nosso corpo é uma máquina fantástica, que não foi feita para ficar parada. Se você estiver realmente decidido a ter uma atitude positiva em relação a sua saúde e ao seu

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS 1. APRESENTAÇÃO PRINCÍPIOS E VALORES Acreditamos pela força dos factos que o desenvolvimento desportivo de um Concelho ou de uma Freguesia, entendido na sua vertente quantitativa e qualitativa, exige uma

Leia mais

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental RESUMO Rosa Maria Viana (Universidade Salgado Oliveira/rosamviana@yahoo.com.br) Sandra de Fátima Oliveira (Universidade Federal de Goiá/sanfaoli@iesa.ufg.br)

Leia mais

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL João Rodrigues de Souza A PSICOPEDAGOGIA E A INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIABÁ- MT JULHO 2015 2 RESUMO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

I Curso de Preparação Coreográfica Específica para a Ginástica Artística

I Curso de Preparação Coreográfica Específica para a Ginástica Artística I Curso de Preparação Coreográfica Específica para a Ginástica Artística Local: Yashi Academia de Ginástica Olímpica Data: 1º de maio de 2009 Coordenação: Yumi Yamamoto Sawasato Professora: Valeria Lakerbai

Leia mais

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica PORQUE AS CRIANÇAS ESTÃO PERDENDO TODOS OS REFERENCIAIS DE ANTIGAMENTE EM RELAÇÃO ÀS BRINCADEIRAS?

Leia mais

Centro de Ciências Departamento de Biologia Disciplina de Fisiologia Animal

Centro de Ciências Departamento de Biologia Disciplina de Fisiologia Animal Projeto de ensino aplicado à Fisiologia Anima, da disciplina Instrumentalização V: Exercício físico regular e a promoção da saúde Suyane Emanuelle Santos de Carvalho Orientadora: Profa. Dra. Ana Fontenele

Leia mais

Programa de Atividade Física

Programa de Atividade Física Programa de Atividade Física ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE NA TERCEIRA IDADE OBJETIVOS: Analisar: Mudanças que ocorrem como o envelhecimento; Os desafios sócio-econômico e individual do envelhecimento em relação

Leia mais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais SOCIEDADE E EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Citelli (2004) apresenta um ponto de vista acerca do momento vivido pela escola e, conseqüentemente, pela educação, bastante elucidativo: A escola está sendo pensada, assim,

Leia mais

AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU.

AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU. AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU. Autora: MARIA JOSÉ CALADO Introdução Diante da necessidade e do direito

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: CAPACITAÇÃO PARA EDUCADORES DA PRIMEIRA INFÂNCIA,

Leia mais

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS SOBRE A DANÇA NO ENSINO MÉDIO

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS SOBRE A DANÇA NO ENSINO MÉDIO REFLEXÕES PEDAGÓGICAS SOBRE A DANÇA NO ENSINO MÉDIO Izabele Trindade Caldas (CALDAS I. T.) e Elaine Melo de Brito Costa (COSTA E. M. DE B.). Departamento de Educação Física Universidade Estadual da Paraíba

Leia mais

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE RESUMO Esterfania Silva Lucena; Manoel Freire de Oliveira Neto Universidade Estadual da Paraíba, Email:

Leia mais

Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade

Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade DIVISÃO DESPORTO - CME A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade 1.1. Conceito de Saúde Segundo a Organização Mundial

Leia mais

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação.

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação. Colégio Tutto Amore Colégio Sapience Carinho, Amor e Educação. Trabalhamos com meio-período e integral em todos os níveis de ensino. www.tuttoamore.com.br Nossa História No ano de 1993 deu-se o ponto de

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA ENSINO MÉDIO INTRODUCÃO

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA ENSINO MÉDIO INTRODUCÃO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA ENSINO MÉDIO Docente: André Luiz Sponhardi ANO:2013 INTRODUCÃO Há muitos benefícios provenientes das aulas de educação física para os alunos

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que:

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que: CARTA DE BRASÍLIA Contribuições do I Seminário Internacional sobre Políticas de Cuidados de Longa Duração para Pessoas Idosas para subsidiar a construção de uma Política Nacional de Cuidados de Longa Duração

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO FÍSICA Apresentação e contextualização da Educação Física e da cultura universitária em geral; Discussão

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais