A COMPLEMENTARIDADE DAS TEORIAS CONTINGENCIAL, ECOLOGIA POPULACIONAL E APRENDIZADO: UM FATOR RELEVANTE PARA A SOBREVIVÊNCIA DAS ORGANIZAÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A COMPLEMENTARIDADE DAS TEORIAS CONTINGENCIAL, ECOLOGIA POPULACIONAL E APRENDIZADO: UM FATOR RELEVANTE PARA A SOBREVIVÊNCIA DAS ORGANIZAÇÕES"

Transcrição

1 A COMPLEMENTARIDADE DAS TEORIAS CONTINGENCIAL, ECOLOGIA POPULACIONAL E APRENDIZADO: UM FATOR RELEVANTE PARA A SOBREVIVÊNCIA DAS ORGANIZAÇÕES Jerliane Cruvinel Menezes 1 RESUMO Delinear as contribuições da contingência, ecologia das populações e aprendizado organizacional para melhor sistematização dos conceitos, reflexões e características de cada uma, pode ser um fator relevante para as ciências sociais. Sendo assim, considerando que cada escola de pensamento busca explicar as causas de sua concepção para acontecimentos e fatos organizacionais, o presente ensaio buscou ilustrar três características teóricas que possam fornecer bases primárias para análise e compreensão das organizações. Este artigo tem como objetivo propor a complementaridade entre as abordagens contingencial, ecologia populacional e aprendizado como perspectiva para a sobrevivência das organizações. Este estudo se limita a uma revisão teórica e não se pretende aqui, aprofundar em uma análise crítica dos conceitos abordados em razão da amplitude de construtos teóricos e empíricos existente sobre a teoria organizacional. Palavras-chave: contingência; ecologia populacional; aprendizado. ABSTRACT Outlining the contributions of contingencies, ecology of populations and learning for improved organizational systematization of concepts, reflections and characteristics of each, may be a relevant factor to the social sciences. thus, considering that every school of thought search explaining the causes of its design for events and facts organizational, this essay illustrates three theoretical features that may provide bases for primary analysis and understanding of organizations. this article aims to propose the complementarity between approaches contingencial, population ecology and learning how to view for survival of organizations. this study merely a theoretical review and intends not here, explored in a critical analysis of concepts dealt in loss of extent of construction theoretical and empirical existing theory on the organizational. key words: contingencies; population ecology; learning. 1 Bacharel em Comunicação Social com habilitação em Publicidade e Propaganda; Bacharel em Administração de Empresas, Especialista em Contabilidade e Controladoria; Mestranda em Administração; professora dos cursos de Comunicação Social com Hab. em Publicidade e Propaganda e de Administração de Empresas.

2 1 INTRODUÇÃO Nos últimos anos uma multiplicidade de teorias organizacionais tem surgido em função da complexidade ambiental e da exigência de novas formas organizacionais. Diante das mudanças que vêm ocorrendo no contexto social, econômico, político e cultural, percebese a busca incessante das organizações em conquistar maiores fatias de mercado, diferenciarse da concorrência, criar estratégias competitivas sustentáveis e acima de tudo, manter-se e sobreviver a tantas turbulências oriundas de seus ambientes. Desta forma, a transformação contínua constitui-se em um grande desafio para as organizações, porque impõe que estas resistam a passagem de uma teoria-em-uso para outra. A perspectiva das organizações vistas como organismos evidencia a importância do indivíduo em um sistema social onde há a inter-relação das necessidades técnicas e humanas. Assim, conceitos contingenciais, ecológicos e de aprendizado que evidenciem a importância da colaboração e da competitividade pode contribuir para a compreensão da administração. Organizações que aprendem são complexas e dinâmicas, portanto, os membros de uma organização devem ser agentes ativos da inovação e para acompanhar as mudanças do ambiente, precisam desenvolver informação e conhecimento e não apenas processá-los de forma eficiente. Assim, julga-se que só terão sucesso, aquelas organizações que conseguirem instituir o comprometimento e a capacidade de aprender nas pessoas em todos os níveis da organização. Delinear as contribuições da contingência, ecologia das populações e aprendizado organizacional para melhor sistematização dos conceitos, reflexões e características de cada uma pode ser um fator relevante para as ciências sociais. Além disso, pôde-se observar que apesar da diversidade de conceitos e perspectivas distintas sobre teorias da organização, existe a lacuna para novas abordagens. Neste contexto, o presente ensaio tem como objetivo primário propor a complementaridade entre as abordagens contingencial, ecologia populacional e aprendizado como perspectiva para a sobrevivência das organizações. No entanto, este estudo se limita a uma revisão teórica e não se pretende aqui, aprofundar em uma análise crítica dos conceitos abordados em razão da amplitude de construtos teóricos e empíricos existente sobre a teoria organizacional.

3 2 TEORIA DA CONTINGÊNCIA As organizações vistas como organismos enfatizam a importância do indivíduo em um sistema social onde há a interdependência entre as necessidades técnicas (organizacionais) e as necessidades humanas (social, estima, etc.). Esta abordagem está alicerçada em um sistema aberto onde ciclos de estímulos, transformação interna, respostas e novos estímulos são cruciais para a sustentação da vida e da forma do sistema (MORGAN, 2000, p. 59).Um sistema aberto deve interagir se modificar e se adaptar continuamente com o ambiente para sobreviver. Segundo Morin (2005) duas conseqüências originam da idéia de sistema aberto: A primeira é de que as leis de organização da vida não são de equilíbrio e a segunda é de que a compreensão do sistema deve ser confrontada na sua relação com o meio ambiente. A abordagem contingencial expressa que há uma ligação entre os fatores ambientais e os processos administrativos adequados para a obtenção dos objetivos organizacionais. As variáveis ambientais são as variáveis independentes, enquanto as técnicas administrativas são as variáveis dependentes, dentro de uma relação funcional (FERREIRA, REIS, PEREIRA, 2006). A designação da teoria da Contingência teve sua origem da pesquisa de Lawrence & Lorsch na década de 70, que buscava resposta para a seguinte questão: Quais as características que uma empresa deve ter para enfrentar com eficiência as diferentes condições externas, tecnológicas e de mercado? Diferente dos estudos anteriores este questionamento procurava encontrar a melhor forma de organizar sem levar em consideração as circunstâncias ambientais externas e internas da empresa. Segundo estes autores, quando os sistemas crescem, suas partes se diferenciam e o desempenho dessas partes em separado deve se integrar para que todo o sistema seja exeqüível. Conforme a abordagem contingencial fundamentada na teoria dos sistemas, não há nada de absoluto nos princípios de administração, isto é, tudo é relativo indicando que não há uma melhor maneira de organizar. Portanto, Os aspectos universais e normativos devem ser substituídos pelo critério de ajuste entre organização e ambiente e tecnologia (FERREIRA, REIS, PEREIRA, 2006, p. 102). Tudo depende : do porte da organização, da sua tecnologia, da estabilidade do seu contexto, da hostilidade externa e assim por diante (MINTZBERG, AHLSTRAND, LAMPEL, 2000, p. 212). Muitos autores ponderaram que a contingência estrutural é uma maneira de harmonizar subsídios importantes concernentes aos objetivos, conflitos e restrições

4 ambientais (NETO & TRUZZI, 2002). Os estudos de Lawrence e Lorsch (1967 apud Morgan 2000) sugerem que é necessária a existência de diferentes tipos de organizações para atender distintos mercados e condições tecnológicas, e que organizações que atuam em ambientes incertos e turbulentos precisam de equipes multidisciplinares, pessoal qualificado, coordenação e resolução de conflitos. Eles argumentam que as práticas burocráticas convencionais são eficientes apenas em ambientes estáveis onde se pode prever acontecimentos futuros. De acordo com as idéias de Buns e Stalker apud Morgan (2000), é possível identificar vários modelos organizacionais, neste contexto, é preciso formas mais flexíveis para atuar em ambientes em constante mudança devido às muitas decisões a serem tomadas para tornar-se eficaz em harmonia entre estratégia, estrutura, tecnologia, compromissos, necessidades pessoais e ambiente externo. Portanto, a teoria contingencial tornou-se um meio de identificar modelos de ajustamento e apontar como esses modelos podem ser atingidos. Em um contexto geral a teoria da contingência é contemplada como eclética, adaptando conceitos de várias teorias da administração, podendo ser entendida mais como uma visão de mundo do que como um procedimento a ser seguido. Sua proposta é mostrar uma variedade de opções a disposição do administrador. Ao administrador caberá diagnosticar a situação e escolher a abordagem mais indicada a ser aplicada no caso. 3 ECOLOGIA POPULACIONAL Por diversas razões pertinentes e até mesmo confusas, a ecologia organizacional pode ser percebida como um campo teórico que vem se destacando no cenário das ciências sociais. (CUNHA, 1999). Em 1977 a ecologia organizacional desencadeou uma intensa e sucessiva discussão que assegurou uma posição relevante na teoria organizacional contemporânea (CALDAS & CUNHA, 2005). A perspectiva da ecologia populacional focaliza a diversidade e a adaptação organizacionais dentro de uma população de organizações que competem por recursos semelhantes ou clientes afins. Assim, a inovação e a mudança numa população de organizações surgem de novas formas e tipos de organizações, a fim de atender as necessidades do mercado por meio de iniciativas empreendedoras (DAFT, 2006).

5 Ao colocar a teoria de Darwin no cerne da análise organizacional, a ecologia da população defende que da mesma forma que os organismos existentes na natureza, as organizações dependem de capacidade própria para conseguir recursos necessários para suprir sua existência, pois, onde há forte concorrência, os recursos se tornam escassos e somente os mais hábeis e fortes, sobreviverão (MORGAN, 2000). Neste contexto, as mudanças do ambiente determina quais organizações sobrevivem ou fracassam. Os fatores ambientais externos como: turbulência política, regulamentação governamental, processos tecnológicos, entre outros, podem tanto influenciar no crescimento e sobrevivência das organizações como levá-las ao declínio. Estudos empíricos e de campo sobre as mudanças ambientais apontam para uma nova visão onde, ecólogos organizacionais buscam explicar como esses fatores interferem na sobrevivência das organizações. Dessa forma, a pesquisa ecológica suscita que: (1) diversidade é uma propriedade dos agregados de organizações, (2) organizações frequentemente têm dificuldade para executar e planejar mudanças suficientemente rápidas para responder as demandas de ambientes incertos e mutáveis e (3) a comunidade das organizações é raramente estável organizações aparecem e desaparecem continuamente (BAUM, 1999, p. 137). Um dos princípios de fundamento para o modelo de ecologia populacional é a luta pela existência, ou competição (DAFT, 2006, p. 168). As organizações estão empenhadas em competir por recursos para sobreviver. Nesta perspectiva, as estratégias generalistas (que atendem a um mercado amplo e enfatizam a eficiência) e especialistas (que atendem a um mercado menor e enfatizam a flexibilidade) diferenciam as formas organizacionais na busca pela sobrevivência. Segundo (HANNAN E FREEMAN, 1977 apud BAUN, 1999, p. 148) em ambientes refinados as organizações especialistas dominam as generalistas independente do nível de incerteza ambiental. Na visão desses autores, as organizações especialistas resistem melhor às oscilações ambientais a curto prazo do que as generalistas. Fundamentando-se na concepção de que as organizações competem por recursos escassos para sobreviverem, a teoria ecológica propõe que crescimento das populações esta restrito a capacidade de manutenção dos nichos ecológicos em que essas populações estão inseridas (CALDAS & CUNHA, 2005). Segundo Cunha (1999) a teoria ecológica auxilia a compreensão de fenômenos comumente esquecidos ou ignorados, como o nascimento e a morte das organizações. Em recente pesquisa em ecologia organizacional sobre fundação e fracasso, fundações anteriores apontam um nicho fértil para empreendedores potenciais, no entanto, à

6 medida que as fundações aumentam conseqüentemente, a competição por recursos se intensificam tornando assim, um ambiente hostil. Contudo, o sucesso ou fracasso de uma organização depende de sua habilidade em atingir uma vantagem competitiva em relação às outras organizações que competem por condições semelhantes na obtenção de recursos, de densidade e de diversidade organizacional (BAUN, 1999). Estudos sobre biologia indicam que todo crescimento na natureza origina-se de uma interação entre processos que potencializam o crescimento e processos que o impedem. Até que ponto um organismo pode crescer e atingir sua fase madura depende de vários fatores provenientes do ambiente no qual ele está inserido e ainda, quando o crescimento pára prematuramente, antes que o organismo atinja seu potencial, é porque encontrou restrições que poderiam ser contornadas, que não são inevitáveis (SENGE, 1999, p.19). De acordo com Adizes (2002, p. 02). Assim como ocorre com os organismos vivos, o crescimento e o envelhecimento das organizações manifestam-se primordialmente na inter-relação entre dois fatores: flexibilidade e controlabilidade A flexibilidade e o autocontrole são características das organizações com capacidade de lidar com problemas maiores e complexos, provenientes das mudanças ambientais. As organizações em sua fase jovem são mais flexíveis e nem sempre são controláveis, enquanto que na fase madura, essa relação pode se modificar onde, à medida que vão envelhecendo a tendência é de aumentar o controle e diminuir a flexibilidade, ou seja, tem pouca predisposição para mudar. Mintzberg, (2003) evidencia que a idade e o tamanho são resultantes da estrutura das organizações. Isto é, o trabalho repetitivo e constante se torna previsível, mais fácil e consequentemente, formalizado à medida que as organizações envelhecem e se tornam maiores. Quanto mais experiente uma organização se torna em um tipo particular de mudança, mais provavelmente repetirá essa mudança porque ela sabe como fazê-la (MILLER E FRIESEN, 1980 apud BAUN, 1999, p. 179). Organizações maiores têm maior poder de negociação, conseguem produzir com economia de escala devido à facilidade de acesso aos recursos do que as organizações menores. Por outro lado, de acordo com (DELACROIX et al. 1989, apud BAUN, 1999, p. 149) ondas de fundações organizacionais, que refletem diferenciações que segmentam as exigências de recursos organizacionais, diminuem as taxas de fracasso, reduzindo a competição direta por recursos. Uma linha central de investigação aponta que organizações mais novas e menores, têm maior probabilidade de declinarem ao longo do tempo, isto é, à medida que vão crescendo as dificuldades de gerar fluxos de caixa e recursos necessários aumentam, por falta de experiência em rotinas organizacionais, dificuldade de levantar capital e por falta de apoio

7 de agentes constituintes externos. Por outro lado, organizações mais antigas e maiores são menos vulneráveis ao fracasso, pois já estão estabilizadas e na sua maioria, são interpretadas por investidores, governos, clientes, fornecedores entre outros, como empresas confiáveis. Uma outra perspectiva com relação à idade das organizações propõe que as organizações mais velhas e estabelecidas terão maiores dificuldade de implementar mudanças e consequentemente, perderão posição para as organizações mais novas que são mais suscetíveis às mudanças e a novos aprendizados, abrindo caminhos para inovação, melhoria e permanência no setor de atuação (BAUM, 1999). O modelo da ecologia das populações argumenta sobre as mudanças que ocorrem no ambiente é que determinam a eficácia e sobrevivência organizacional e que qualquer variação ocorrida dentro de uma população de organizações é resultante de modificações advindas no interior desta mesma população e não por mudanças feitas dentro das organizações. Como um fenômeno peculiar à vida das organizações, a mudança tem sido associada a qualquer modificação ou ruptura ocorrida nas estruturas, nas tecnologias e nos processos administrativos, bem como no comportamento humano no trabalho. Apesar da abordagem da ecologia populacional julgar que as organizações existem em um estado de tensão ou de luta com seus ambientes como um fenômeno separado, elas existem como elementos de um ecossistema complexo e podem se adaptar as mudanças ambientais e sobreviver e influenciar a natureza de seu ambiente. Elas desempenham um papel ativo na determinação de seu futuro, especialmente quando atuam em conjunto com outras organizações (MORGAN, 2000, p. 82). Percebe-se que o estudo da ecologia organizacional ainda deixa muitas lacunas no que diz respeito a problemas conceituais. Sua abordagem é fundamental para compreender as causas de sobrevivência e fracasso dos diversos tipos de estruturas organizacionais. No entanto, julga-se que o contexto organizacional neste aspecto, pode ser comparado a uma caixa-preta devido sua complexidade em termos de tamanho, idade, densidade do ambiente, decisões estratégicas, fatores ambientais externos, entre outros. 4 APRENDIZADO ORGANIZACIONAL Assim como na natureza, a colaboração é um meio utilizado comumente no mundo organizacional. Relações de cooperação rotineiras entre organizações de diferentes segmentos

8 ou em diferentes partes de um setor também são muito comuns. Um conceito ecológico que evidencia a importância da colaboração e da competitividade pode contribuir para a compreensão da administração. Cientistas sociais como Trist et al apud Morgan, (2000, p. 83), inspirados por essa idéia, encorajaram o desenvolvimento de redes informais de aprendizagem que podem gerar intercâmbios de informações e discussões dentro de um domínio, promover avaliações conjuntas de problemas, facilitar o surgimento de valores e normas comuns e encontrar novas soluções para problemas comuns aos membros da rede. A meta é que a ecologia das relações organizacionais possa progredir e sobreviver a problemas e ameaças de linhas de ação individualistas e inadministráveis. Portanto, este conceito propõe uma maneira criativa de pensar e agir frente a estes problemas (Morgan, 2000). A metáfora orgânica de aprendizagem da organização pode remeter um importante desempenho na edificação de conhecimento levando a transformações e inovações. A transformação contínua constitui-se em um grande desafio para as organizações, porque impõe que estas resistam a passagem de uma teoria-em-uso para outra. É importante evidenciar que existe diferença nos termos Aprendizagem organizacional e Organização de aprendizagem, sendo que o uso dos mesmos é utilizado muitas vezes sem distinção. O foco de uma Organização de Aprendizagem está voltado para os sistemas, princípios e características da Organização que Aprende como uma entidade coletiva. Já a Aprendizagem Organizacional refere-se às habilidades e aos processos de aquisição, construção e utilização do conhecimento (MENESES, RIBEIRO, ZAGO, 2006). A organização de aprendizagem promove a comunicação e a colaboração de forma que todos empenhem em identificar e solucionar problemas, além de estimular a adaptabilidade e a participação no desenvolvimento de novas idéias que possam levar a organização a aproveitar novas oportunidades e administrar crises e riscos. Isto se dá porque as organizações são constituídas por processos agrupados de trabalho, autoridade e responsabilidade e que estabelecem relações entre as pessoas e os órgãos, cada aspecto do funcionamento organizacional depende do processamento de informações de uma forma ou de outra (MORGAN 2000, p. 95). O aprendizado não tem restrições de tempo e lugar. Atribuir o grau de incerteza e a taxa de mudança como sendo os estímulos para o empenho na organização que aprende é considerado um fato comum (GOLD, 1995). Algumas organizações deliberadamente avançam no aprendizado organizacional desenvolvendo capacidades consistentes com seus

9 objetivos, outras não focalizam seus esforços e, portanto, adquirem hábitos contraproducentes. Contudo, independente da escolha, de forma consciente ou não, todas as organizações aprendem. É uma necessidade fundamental para a sustentação de sua existência. (KIM, 1998). Por outro lado, apenas estimular iniciativas de mudança deixa de ser suficiente, quando na prática a maioria das iniciativas de aprendizagem não reflete qualquer significado mais profundo do processo de crescimento na natureza, pois, estas iniciativas não lidam com os processos que limitam o crescimento. Nada na natureza cresce na ausência de processos limitantes como incertezas e riscos, mais do que isto, é fundamental a mudança na maneira de pensar, compreender a natureza dos processos de crescimento e saber catalisá-los (SENGE, 1999). Segundo Aktouf (1996) a mudança deve emergir de modo contínuo, de cima para baixo, ou seja, dos dirigentes para trabalhadores e não deve ser imposta como um objeto de planejamento, isto porque as pessoas não são previsíveis. Uma organização que aprende está continuamente difundindo sua capacidade de projetar o futuro. Não basta apenas sobreviver ou se adaptar. Em outras palavras, a aprendizagem adaptativa deve ser somada a aprendizagem generativa, a aprendizagem que amplia nossa capacidade de criar (SENGE, 2005, p. 48). A aprendizagem nas organizações ocorre através das pessoas de forma integrada. No entanto, aprendizagem individual não assegura a aprendizagem organizacional. De acordo com Kim (1998), a importância do aprendizado individual é uma situação óbvia e tênue. Óbvia porque as organizações são compostas por indivíduos e tênue porque as organizações podem aprender independente de algum indivíduo específico, mas não independente de todos os indivíduos. Segundo Fleury & Fleury (2001, p. 190) A aprendizagem é um processo neural complexo, que leva à construção de memórias. A noção de complexidade não se reduz à incerteza. Isto de certa forma causa ação, que gera desafio e consequentemente, surgem estratégias que lutam com o acaso e buscam informações para eliminar o máximo de certeza (MORIN, 2005). Sendo assim, organizações que aprendem são mais complexas e dinâmicas do que um simples conhecimento individual ou seja, os membros de uma organização devem ser agentes ativos da inovação e para acompanhar as mudanças do ambiente, precisam desenvolver informação e conhecimento e não apenas processá-los de forma eficiente. A organização se recria destruindo o sistema de conhecimento existente e encontrando novas formas de pensar e fazer as coisas (NONAKA & TAKEUCHI, 1997, p. 59). De acordo com Morgan (2000) as organizações que aprendem devem investigar e antecipar mudanças no ambiente; desenvolver capacidade de questionamento, desafiar e

10 mudar normas e determinações vigentes além de aceitar novos padrões de organização e direção estratégicas. O aprendizado pode levar o gestor a analisar e avaliar os sucessos e fracassos da organização de forma sistemática e assim, disseminar amplamente aos funcionários, ensinamentos resultantes desse processo. Tornar o conhecimento produtivo é uma responsabilidade gerencial que também requer a exploração sistemática de oportunidades para a mudança [...] combinadas com as competências e força do trabalhador do conhecimento e da equipe do conhecimento (DRUCKER, 2001, p.147). Por conseguinte, a aprendizagem pode ser julgada como um processo de mudança, impulsionado por vários estímulos advindos de emoções, que poderão vir ou não a revelar-se em mudança no comportamento do indivíduo. Além disso, o processo de aprendizagem em uma organização envolve tanto o desenvolvimento de novos mapas cognitivos, que possibilitem entender o que se passa no ambiente externo e interno da organização, como o significado de novos comportamentos que corroboram a efetividade do aprendizado (FLEURY & FLEURY, 2001). Weick apud Minzberg, Ahlstrand, Lampel (2000) usou o modelo ecológico de variação, seleção e retenção para retratar o comportamento de aprendizado como: agir primeiro, isto é, monitorar os dados fornecidos sobre o ambiente, a seguir, identificar e filtrar o que funciona, em outras palavras, entender em retrospecto essas ações. Por último, utilizar apenas aqueles comportamentos considerados desejáveis. Segundo Weick, toda compreensão se origina de reflexão e no exame passado (p. 149). De acordo Nonaka & Takeuchi, (1997, p. 53) existe uma concordância geral de vários estudos há mais de vinte anos de que o aprendizado organizacional é um processo de mudança adaptativo influenciado pela experiência passada, concentrado no desenvolvimento ou na modificação de rotinas e apoiado pela memória organizacional. Senge, (2005) advoga que só terão sucesso, aquelas organizações que conseguirem instituir o comprometimento e a capacidade de aprender nas pessoas em todos os níveis da organização. Os estudos de Argyris, Schön, Senge e Revans, com base no aprendizado dos indivíduos e organizações sustentaram-se como prioridade-chave no planejamento e gerenciamento de organizações que possam lidar com os desafios de um mundo turbulento (MORGAN, 2000, p.102). Desta forma, Argyris e Schön apud Morgan (2000) estabeleceram dois tipos básicos de aprendizagem que se distinguem entre o processo de aprender: circuito único (grifo nosso) refere-se à aptidão para detectar e corrigir desvios em relação às normas predeterminadas, ou seja, na aplicação da melhor maneira de atingir aos objetivos organizacionais e de como manter o seu desempenho com eficiência e o processo de aprender

11 a aprender - auto-organização: circuito duplo (grifo nosso) significa que os membros da organização precisam ser capazes de entender os paradigmas, metáforas, posturas mentais e modelos mentais que determinam como a organização opera e de mudá-los quando necessário. Paradoxalmente, o aprendizado de circuito duplo provoca o desacordo para formar consenso. Ele também é um processo que permite que a inovação venha de todas as direções e que a inteligência evolua para níveis cada vez mais altos (MORGAN, 2000, p. 112). Corroborando os autores acima, Nonaka e Takeuchi (1997), referem-se ao aprendizado de circuito único como a obtenção de know-how a fim de solucionar problemas singulares sustentados em premissas existentes e ao aprendizado de circuito duplo como criação de novas premissas paradigmas, esquemas, modelos mentais ou perspectivas, com o intuito de dirimir as existentes. Isto denota que os gestores necessitam analisar sobre seu comportamento e verificar se de forma inadvertida cooperam com os problemas da organização e assim, mudar seu jeito de trabalhar. Ensinar as pessoas como raciocinar a respeito do seu comportamento de maneira nova e mais eficazes derruba as defesas que bloqueiam o aprendizado (ARGYRIS 1991, p. 100 apud MINTZBERG 2000 p. 157). No entanto, as organizações que aprendem devem investigar e antecipar mudanças no ambiente, desenvolver capacidade de questionamento e desafiar e mudar normas e determinações vigentes, e aceitar novos padrões de organização e direção estratégica. 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS Ao contrário dos ecólogos organizacionais que utilizam o modelo de variaçãoseleção-retenção apenas no nível das populações, o processo de aprendizado emprega este modelo na interpretação e atualização de experiências dos gerentes para a criação de estratégias fortes. Percebeu-se com este estudo que enquanto a contingência e aprendizado organizacional permitem adaptações, os ecologistas da população como Hannan e Freeman (1977 apud Minzberg, Ahlstrand, Lampel 2000, p. 213) exprimem suas dúvidas de que as principais características do mundo das organizações surjam através de aprendizado ou adaptações. Para os ecologistas, tanto as organizações como as populações não se adaptam aos seus ambientes, no entanto, elas já estão adaptadas ou não a variações ambientais eventuais quando elas surgem (CALDAS & CUNHA, 2005). Por outro lado, uma contribuição importante da ecologia das populações está em explicar como os fatores

12 ambientais selecionam as características organizacionais que melhor se adaptam ao ambiente (ALDRICH & PFEFFER, 1976 apud NETO & TRUZZI, 2002). Considerando que cada escola de pensamento busca explicar as causas de sua concepção para acontecimentos e fatos organizacionais, o presente ensaio buscou ilustrar três características teóricas que possam fornecer bases primárias para análise e compreensão das organizações. As perspectivas salientadas neste ensaio possuem diferentes conceitos e enfoques no estudo organizacional. A teoria da contingência indica que não existe uma forma ideal de se organizar, tudo depende. A ecologia julga que onde há forte concorrência, os recursos se tornam escassos e somente os mais aptos, sobreviverão ignorando de certa forma, a ação dos gestores. Paradoxalmente, o aprendizado organizacional considera que as organizações que aprendem devem-se antecipar as mudanças do ambiente, integrando as pessoas neste contexto. A aprendizagem organizacional pode ser vista como uma estratégia de adaptação e sobrevivência das empresas para muitos profissionais da área de administração. De Geus apud Senge (2005, p. 37). Afirma que a capacidade de aprender mais rápido que seus concorrentes pode ser a única vantagem competitiva sustentável. Diante dos aspectos teóricos correlacionados neste estudo e ainda, que nenhuma teoria isolada jamais nos dará um ponto de vista perfeito e que sirva a todos os propósitos (MORGAN, p. 23), acredita-se que as teorias contingencial, ecologia da população e aprendizado organizacional podem ser complementares: a teoria contingencial poderia elucidar o empenho das organizações em se adaptar ao seu ambiente de forma harmoniosa, enquanto a teoria da ecologia populacional apontaria os motivos do sucesso ou fracasso desse empenho adaptativo, por conseguinte, a aprendizagem organizacional poderia ser utilizada como uma estratégia de adaptação e sobrevivência das organizações. Desta forma, o objetivo deste ensaio foi contribuir para a compreensão da complementaridade das teorias da contingência, ecologia da população e aprendizado como meio para a integração das atividades que norteiam as organizações como forma de sobrevivência. REFERÊNCIAS ADIZES, I. Os ciclos de vida das organizações: como e por que as empresas crescem e morrem e o que fazer a respeito. 2. ed. São Paulo: Pioneira Thomson, 2002.

13 AKTOUF, O. A Administração entre a tradição e a renovação. São Paulo: Atlas, BAUM, Joel. A. C. Ecologia organizacional. In: Clegg, S. R.; Hardy, C; Nord, W. Handbook de estudos organizacionais, São Paulo: Atlas, v. 1, cap. 5, p CALDAS, M. P.; CUNHA, M. P. Ecologistas e economistas organizacionais: o paradigma funcionalista em expansão no final do século xx. RAE-CLÁSSICOS. VOL. 45. Nº3 JUL./SET CUNHA, M. P. Ecologia organizacional: implicações para a gestão e algumas pistas para a superação de seu caráter anti-management. RAE, São Paulo, v. 39, n. 4, p , CUNHA, M. P. Organizações, recursos e a luta pela sobrevivência: análise dos níveis organizacionais e ecológico. RAE, São Paulo. v. 33,n. 5,p , DAFT, R. L. Organizações: teoria e projetos. São Paulo: Thomson Learning, DRUCKER, P. O. Administrando para o Futuro: os anos 90 e a virada do século. São Paulo: Pioneira, FERREIRA, A.A., REIS, F. A. C., PEREIRA, M. F. Gestão Empresarial: de Taylor aos nossos dias: evolução e tendências da moderna administração de empresas. São Paulo: Pioneira, FLEURY, M. T. L.; FLEURY, A. Aprendizagem e inovação organizacional: as experiências de Japão, Coréia e Brasil. 2.ed. São Paulo: Atlas, FLEURY M. T. L.; FLEURY, A. Construindo o conceito de competência RAC, Edição Especial 2001: GOLD, F. A empresa que aprende baseada no conhecimento. In CLARK, T. & MONKHOUSE, E. Repensando a empresa. Sao Paulo: Pioneira, 1995.

14 KIM, D. H. The link between individual and organizational learning. In: KLEIN, A. D. The Strategic management of intellectual capital Butterworth-Heinemann, v.1, cap.2, p MENESES, T.M. F.; RIBEIRO, M. L. K. L.; ZAGO, C.C. Aprendizagem organizacional e competências organizacionais: duas faces da mesma moeda? Revista do Centro de Ciências Administrativas., Fortaleza, v. 12, n. 1, p , ago MINTZBERG, H. Criando organizações eficazes: estruturas em cinco configurações. 2. ed. São Paulo: Atlas, MINTZBERG, H.; AHLSTRAND, B.; LAMPEL, J. Safári de estratégias: um roteiro pela selva do planejamento estratégico. Porto Alegre: Bookman, MORGAN, G. Imagens da organização: edição executiva. São Paulo: Atlas, MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina, NETO & TRUZZI, Perspectivas contemporâneas em análise organizacional, revista Gestão & Produção, v.9, n.1, p.32-44, abr NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus,1997. PERIN, M. G.; SAMPAIO, C. H.; DUHÁ, A. H.; BITENCOURT, C. C. Processo de aprendizagem organizacional e desempenho empresarial: o caso da indústria eletroeletrônica no Brasil. RAE- eletrônica - v. 5, n. 2, Art. 14, jul./dez SENGE P. et al; A dança das mudanças: os desafios de manter o crescimento e o sucesso em organizações que aprendem. 6. ed. Rio de Janeiro: Campus, SENGE, P. M. A. Quinta disciplina: arte e prática da organização que prende. 19 ed. Rio de Janeiro: Best Seller, 2005.

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE DA ORGANIZAÇÃO Macroambiente e Ambiente competitivo

CONHECENDO O AMBIENTE DA ORGANIZAÇÃO Macroambiente e Ambiente competitivo CONHECENDO O AMBIENTE DA ORGANIZAÇÃO Macroambiente e Ambiente competitivo DISCIPLINA: Introdução à Administração FONTE: BATEMAN, Thomas S., SNELL, Scott A. Administração - Construindo Vantagem Competitiva.

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA. Profª. Danielle Valente Duarte

GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA. Profª. Danielle Valente Duarte GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA Profª. Danielle Valente Duarte 2014 Abrange três componentes interdependentes: a visão sistêmica; o pensamento estratégico e o planejamento. Visão Sistêmica

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Coordenação de Documentação e Informação INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE BASEADA NA GESTÃO DO CONHECIMENTO

TRABALHOS TÉCNICOS Coordenação de Documentação e Informação INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE BASEADA NA GESTÃO DO CONHECIMENTO TRABALHOS TÉCNICOS Coordenação de Documentação e Informação INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE BASEADA NA GESTÃO DO CONHECIMENTO INTRODUÇÃO Os processos empresariais são fluxos de valor

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

Função Gerencial. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Função Gerencial. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Função Gerencial Autor: Ader Fernando Alves de Pádua 1. INTRODUÇÃO Este artigo tem por objetivo levar aos seus leitores à uma aproximação teórica dos estudos da administração empresarial, enfocando a importância

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL ZAROS, Raíssa Anselmo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG E-mail: raissa_zaros@hotmail.com LIMA, Sílvia Aparecida Pereira

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento 1 2 Planejamento Estratégico: conceitos e evolução; administração e pensamento estratégico Profª Ms Simone Carvalho simonecarvalho@usp.br Profa. Ms. Simone Carvalho Conteúdo 3 1. Origens e Surgimento 4

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Teoria Geral da Administração II

Teoria Geral da Administração II Teoria Geral da Administração II Livro Básico: Idalberto Chiavenato. Introdução à Teoria Geral da Administração. 7a. Edição, Editora Campus. Material disponível no site: www..justocantins.com.br 1. EMENTA

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Ana Maria Bueno (CEFETPR/PG) ana@pg.cefetpr.br Dr ª. Magda L.G. Leite (CEFETPR/PG) magda@pg.cefetpr.br

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes:

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes: Teoria Geral de Sistemas Uma introdução As Teorias Clássicas (Administração Científica e Teoria Clássica), a Abordagem Humanística (Teoria das Relações Humanas), a Teoria Estruturalista e a Teoria da Burocracia

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ INTRODUÇÃO Estratégia é hoje uma das palavras mais utilizadas

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Práticas de Apoio à Gestão

Práticas de Apoio à Gestão Práticas de Apoio à Gestão Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Organizações de Aprendizagem Learning Organization Conceitos Organizações de Aprendizagem

Leia mais

As Organizações e a Teoria Organizacional

As Organizações e a Teoria Organizacional Página 1 de 6 As Organizações e a Teoria Organizacional Autora: Sara Fichman Raskin Este texto é totalmente baseado no primeiro capítulo do livro Organizational theory: text and cases, do autor Jones Gareth,

Leia mais

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE

Leia mais

SISTEMAS ABERTOS. Nichollas Rennah

SISTEMAS ABERTOS. Nichollas Rennah SISTEMAS ABERTOS Nichollas Rennah Conceito O Sistema aberto caracteriza-se por um intercâmbio de transações com o ambiente e conserva-se constantemente no mesmo estado(auto-regulação) apesar de a matéria

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

Evolução da Disciplina. Modelo de Gestão CONTEXTUALIZAÇÃO. As Funções Gerenciais e as Mudanças. As Funções Gerenciais

Evolução da Disciplina. Modelo de Gestão CONTEXTUALIZAÇÃO. As Funções Gerenciais e as Mudanças. As Funções Gerenciais Evolução da Disciplina Modelos de Gestão Aula 1: Principais Modelos das Teorias da Administração Aula 2: Origem, Evolução, Classificação e Tipologia das Organizações Aula 3: Termos comuns às Organizações;

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Avaliação de: Sr. João Vendedor Preparada por: Consultor Caliper consultor@caliper.com.br Data: Copyright 2012 Caliper & Tekoare. Todos os direitos

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento ético

Leia mais

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Avaliação de: Sr. José Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: 11/06/2014 Perfil Caliper Gerencial e Vendas

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos. Professora Mestranda Elaine Araújo

Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos. Professora Mestranda Elaine Araújo Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Professora Mestranda Elaine Araújo E o profissional de RH... Como deve mergulhar na abordagem da Gestão do Conhecimento? Qual sua contribuição

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

GEGIES. DESAFIOS E REFLEXÕES Sobre o Administrador e a Administração. Antonio VICO Mañas

GEGIES. DESAFIOS E REFLEXÕES Sobre o Administrador e a Administração. Antonio VICO Mañas GEGIES DESAFIOS E REFLEXÕES Sobre o Administrador e a Administração Antonio VICO Mañas Prever Coordenar ou Dirigir Organizar Controlar Prever Coordenar ou Dirigir Organizar Controlar Moral Satisfação Motivação

Leia mais

Introdução. Gestão do Conhecimento GC

Introdução. Gestão do Conhecimento GC Introdução A tecnologia da informação tem um aspecto muito peculiar quanto aos seus resultados, uma vez que a simples disponibilização dos recursos computacionais (banco de dados, sistemas de ERP, CRM,

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

O Processo De Melhoria Contínua

O Processo De Melhoria Contínua O Processo De Melhoria Contínua Não existe mais dúvida para ninguém que a abertura dos mercados e a consciência da importância da preservação do meio ambiente e a se transformaram em competitividade para

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Universidade Federal Fluminense Oficina de Trabalho Elaboração de Provas Escritas Questões Objetivas Profª Marcia Memére Rio de Janeiro, janeiro de 2013 QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Cada uma das

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

ACADEMIA MENTAL Conhecimento Estratégico Promovendo Desenvolvimento.

ACADEMIA MENTAL Conhecimento Estratégico Promovendo Desenvolvimento. ACADEMIA MENTAL Conhecimento Estratégico Promovendo Desenvolvimento. As organizações estão inseridas em ambientes competitivos e esses parecem ser altamente dinâmicos com movimentos aparentemente aleatórios.

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

Formulação da Visão e da Missão

Formulação da Visão e da Missão Formulação da Visão e da Missão Zilta Marinho zilta@globo.com Os grandes navegadores sempre sabem onde fica o norte. Sabem aonde querem ir e o que fazer para chegar a seu destino. Com as grandes empresas

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO CONCEITO Empreendedorismo é o estudo voltado para o desenvolvimento de competências e habilidades relacionadas à criação de um projeto (técnico, científico, empresarial). Tem

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS Agenda da Conferência O que são redes? O que são redes interorganizacionais? Breve histórico das redes interorganizacionais Tipos

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Empreendedorismo de Negócios com Informática

Empreendedorismo de Negócios com Informática Empreendedorismo de Negócios com Informática Aula 5 Cultura Organizacional para Inovação Empreendedorismo de Negócios com Informática - Cultura Organizacional para Inovação 1 Conteúdo Intraempreendedorismo

Leia mais

A ECOLOGIA ORGANIZACIONAL

A ECOLOGIA ORGANIZACIONAL A ECOLOGIA ORGANIZACIONAL 2012 Nuno Terenas Licenciado em Psicologia - variante Social e das Organizações E-mail: nunoterenas@sapo.pt RESUMO A ecologia organizacional surgiu como a principal perspectiva

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA drivanmelo@yahoo.com.br ADMINISTRAÇÃO AD Prefixo latino = Junto de AD MINISTRAÇÃO MINISTER Radical = Obediência, Subordinação Significa aquele que realiza uma função

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

TEORIA GERAL DE SISTEMAS. Ludwig Von Bertalanffy biólogo alemão Estudos entre 1950 e 1968

TEORIA GERAL DE SISTEMAS. Ludwig Von Bertalanffy biólogo alemão Estudos entre 1950 e 1968 TEORIA GERAL DE SISTEMAS Ludwig Von Bertalanffy biólogo alemão Estudos entre 1950 e 1968 Critica a visão de que o mundo se divide em áreas como física, biologia, química, psicologia, sociologia pregando

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

FIB- Faculdades Integradas de Bauru DISCIPLINA: FUNDAMENTOS E EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA. Profº MS. Carlos Henrique Carobino

FIB- Faculdades Integradas de Bauru DISCIPLINA: FUNDAMENTOS E EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA. Profº MS. Carlos Henrique Carobino FIB- Faculdades Integradas de Bauru DISCIPLINA: FUNDAMENTOS E EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA Profº MS. Carlos Henrique Carobino E-mail: carobino@bol.com.br 1 Pressões Externas MEGATENDÊNCIAS Competição

Leia mais

ACTION LEARNING. O que é Action Learning? FUN D A MEN T OS D O

ACTION LEARNING. O que é Action Learning? FUN D A MEN T OS D O C L E O W O L F F O que é Action Learning? Um processo que envolve um pequeno grupo/equipe refletindo e trabalhando em problemas reais, agindo e aprendendo enquanto atuam. FUN D A MEN T OS D O ACTION LEARNING

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano Empresa como Sistema e seus Subsistemas Professora Cintia Caetano A empresa como um Sistema Aberto As organizações empresariais interagem com o ambiente e a sociedade de maneira completa. Uma empresa é

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

Empreendedorismo. Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral

Empreendedorismo. Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral Empreendedorismo Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral Conteúdo 1. Objetivos do Encontro... 3 2. Introdução... 3 3. Planejar. Por quê?... 3 4. O Plano é produto do empreendedor... 4 5. Estrutura do Plano

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

Gestão de Programas Estruturadores

Gestão de Programas Estruturadores Gestão de Programas Estruturadores Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais

Leia mais

Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM. Fechando o ciclo de planejamento do produto

Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM. Fechando o ciclo de planejamento do produto Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM Fechando o ciclo de planejamento do produto Tech-Clarity, Inc. 2010 Sumário Introdução à questão... 3 As Primeiras Coisas

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http:// Teoria de Sistemas A Teoria Geral dos Sistemas tem por finalidade identificar as propriedades, princípios e leis

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais