Oficina 3 - Danças Circulares Sagradas na América Latina

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Oficina 3 - Danças Circulares Sagradas na América Latina"

Transcrição

1 Oficina 3 - Danças Circulares Sagradas na América Latina Yara Aparecida Couto 1 Sinopse: Fundamentado em estratégias pedagógicas que enfatizam princípios e conceitos das Danças Circulares Sagradas na América Latina. Essa ênfase se dará a partir do reconhecimento da dança como um campo integrado às artes, às manifestações milenares, permitindo aflorar crenças, mitos, símbolos coletivos, nos seus gestos interpretativos e expressivos; uma vivência lúdica e criativa, da beleza, dos corpos, dos ritmos, gestos e olhares, que evocam a essência humana. Palavras-chaves: danças circulares sagradas; educação; cultura corporal; América Latina. Desde os primórdios da humanidade a dança sempre esteve presente na vida dos homens e mulheres, provocando grandes transformações na cultura, na comunicação e no movimento humano. Os seres humanos descobriam novas formas gestuais de seus corpos através da observação das mudanças na natureza, da sutileza dos movimentos em animais ou até mesmo dos fenômenos naturais. A princípio, o movimento era motivado por impulsos religiosos, profanos, fúnebres, guerreiros, como ritual e também como importante instrumento de transferência cultural. A associação dos movimentos aos seus significados funcionais de sobrevivência foi se modificando ao longo da história (ELMERICH, 1987). A dança, um dos conteúdos da cultura corporal, tem um papel fundamental na produção de cultura, pois sempre foi e ainda é uma maneira de expressão humana. Arqueólogos, paleontólogos, antropólogos e historiadores nos indicam que a dança deixa marcas de sua passagem na história da humanidade. Os mais antigos documentos coreográficos revelam a dança como primeira manifestação lúdica e expressiva da arte humana. Esses registros do comportamento humano emergem vivos há mais de trezentos séculos, conforme adverte o folclorista e escritor Câmara Cascudo (2004). Instrumentos de pedra, utensílios de barro, pinturas rupestres e restos de rituais pesquisados, de acordo com esses especialistas, nos levam a compreender um pouco mais a essência e o mistério do humano, sua busca original pela arte, religião e, até mesmo, pelo desenvolvimento científico. As danças circulares são manifestações da criatividade coletiva e através delas podemos reafirmar a possibilidade de reabrirmo-nos para as configurações coletivas nas diferentes culturas do mundo. Além de novas celebrações, as danças foram, primeiramente, veículos de uma sabedoria que sobreviveu a mudanças de linguagem, localização, religião e nacionalidade por 1 Professora do Departamento de Educação Física e Motricidade Humana da Universidade Federal de São Carlos (DEFMH/UFSCar); Membro da Sociedade de Pesquisa Qualitativa em Motricidade Humana (SPQMH) e do Núcleo de Estudos de Fenomenologia em Educação Física (NEFEF); Doutoranda em Educação pela Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP).

2 2 centenas e até milhares de anos. Nos dias de hoje representam uma retomada de antigas formas de expressão de diferentes povos e culturas, acrescidas de novas criações, coreografias, ritmos e significações próprias de homens e mulheres inseridos na realidade atual. Uma vez que a maioria delas está ligada à história dos povos, trazem na sua essência a qualidade de estimular a socialização e de resgatar o caráter participativo e a união de todos os indivíduos, sem distinção ou hierarquia (WOSIEN, 2000). Como fonte de conhecimento, coloca-nos em contato com uma linguagem completa e complexa, proveniente da única propriedade verdadeira e inseparável de que o ser humano dispõe para manifestar sua essência, sua cultura, sua história, sua beleza: o corpo! Contudo, em séculos recentes a civilização européia perdeu contato com a sustentabilidade ambiental, cultural, ética e, em lugar disso, lamentavelmente, tornou-se sinônimo de forças de colonização e exploração. O processo vivido principalmente pelas civilizações ocidentais avançadas colaborou para a decadência das práticas culturais tradicionais, como as danças sagradas, tanto marcadas pela repressão do corpo, formalizando uma dissociação profunda entre mente e corpo, como pela racionalização, industrialização e crescimento urbano, que foram fatores, que pouco a pouco encaminharam a vida das pessoas, de modo a se distanciarem do sentido mais profundo de convivência e coroamento da vida pela dança. Na atualidade perdemos nossa ligação com a terra, com o ato de comungar coletivamente rituais de passagem, como o de plantar, semear, colher, o do nascimento, da morte, da celebração da vida, entre outros. Com isso a vivência do ser humano cada vez mais se dissocia do mundo, das suas raízes, das vivências lúdicas, expressivas e coletivas, havendo um constante movimento de distanciamento e desconhecimento do nosso patrimônio cultural. Percebemos que há transformações ocorridas na configuração da dança ao longo do tempo, influenciada também por conexões contextuais entre a dança e as outras áreas da cultura. No entanto, reencantar o conhecimento das civilizações desaparecidas, ou de povos marginalizados, no grande movimento da globalização é uma possibilidade de aprofundar a compreensão da humanidade em seu maior sentido. As pesquisas de campo são de fundamental importância para reconhecer a rica sabedoria das danças nos gestos e atos mais simples dessas culturas, que celebram a vida através de rituais, os quais estabelecem contato, elos, com sua herança ancestral e memória arcaica. Além do mais, como procuramos aprendê-las e compreendê-las, e acima de tudo dançá-las com alegria, entusiasmo e celebração, estamos ajudando a mantê-las vivas e com elas um mundo de sabedoria. O reconhecimento da presença de diferentes culturas, africana, indígena, européia, suas crenças e saberes, práticas e hábitos culturais, na contínua constituição de nosso patrimônio, da

3 3 nossa identidade, muito oscilaram entre intolerâncias, desqualificações, purificações, folclorização de suas expressões, atividades e exercícios que promoveram perspectivas pacificadoras e legados tranqüilizadores, como ocorreu na formação cultural de nosso povo, e que ainda pode ser verificada (ANTONACCI, 2006). No entanto, as raízes afro-indígenas permanecem vitais em nosso patrimônio cultural. Elas se concentram em autos populares, com também em múltiplas manifestações, entrelaçando elementos culturais convergentes em termos de motivos, cenas, enredo dramático, intercalado de bailados, cantos, danças, bem como elementos históricos e lúdicos brasileiros. Entretanto, temos a cultura latina a qual nos revela a importância das histórias fundadas sobre as descobertas arqueológicas e antropológicas dos povos indígenas. Essas arqueologias mostram em diversas expressões a evolução e o desenvolvimento humano, sendo verificado tanto nos costumes, hábitos, presentes na culinária, vestimentas, artesanatos, instrumentos musicais, danças folclóricas, música, obras de arte, como por meio da tecelagem, agricultura, atividades religiosas, ritual sagrado, entre outros temas, como os instrumentos de manuseio ao trabalho, artesanato, expressões marcadas pelas suas tradições religiosas, arquitetônicas e artísticas, compondo, assim, um extenso cenário de produção e criação humana. Vale salientar a importância de recuperar e valorizar esse rico conhecimento! Sem dúvida ainda hoje há uma forte identidade cultural, característica dos países latinos, e que pode ser constatado nas manifestações do seu povo. Percorrer esse rico universo cultural revela-nos que a crença do povo ainda resiste aos nossos dias, aos nossos valores pós-modernos. O passado arcaico dessas civilizações está muito presente na vida das pessoas, são memórias vivas que são ressignificadas no dia-a-dia dessa nação; pois que culturalmente ensinaram-nos formas de cultivar a terra, curar doenças e o modo de vida entrelaçada à terra que herdaram. A cultura ameríndia na América Latina e suas origens revelam um povo que ainda cultua suas crenças nos antepassados, na tradição, na forte relação com as forças da natureza, e que são revividas e cultuadas através dos mitos de criação, dos rituais sagrados e do trabalho, da própria vida e história desse povo. Uma civilização em que a religião, história, arte e educação se interpõem, configurando uma cultura provedora e alimentada pelos mitos e tradições, que tecem um grande conhecimento cultural, marcado pelas origens e raízes dessa civilização, e as quais compõem hoje sua própria contemporaneidade. Nesse momento há que se refletir sobre a importância de nossa herança cultural, de nossas origens, em que nos perguntamos: onde estão nossas referências culturais, que nos mediam nesse mundo globalizado? Quais são as nossas tradições culturais comungadas nos nossos dias? São afro-indígenas, européias e/ou latino-americanas? O que sabemos e

4 4 manifestamos das nossas tradições? Nós a conhecemos pelas nossas próprias experiências coletivas? Quais são as nossas manifestações culturais pós-modernas? Será que a forte existência de valores próprios de nossa cultura poderia ajudar-nos a encontrar um equilíbrio de identidade, não se submetendo, mas resistindo em parte, a essa deterioração que o consumo provoca em nossos desejos? E mais, qual a cultura que estamos engendrando e formalizando nos dias de hoje? Hoje nos confrontamos com novos paradigmas estabelecidos pelo conhecimento científico, pela incessante transformação da vida das pessoas no acesso a informações e tecnologias, que desencadeiam cada vez mais nova postura, comportamentos e uma outra ética. A elaboração deste processo, de vivência plena, una e originária, exige o encontro de outros pressupostos, que permitam a integração desse conhecimento. Entretanto, explorar novos caminhos pela rica diversidade cultural manifestada, aproximando, relacionando, contrapondo, reafirmando, mobilizando conhecimentos, é o que enriquece, conduzindo-nos a aproximar-nos de nossas origens, raízes, como de conhecer outras realidades, delineando, assim, novas oportunidades para nos consagrarmos como seres humanos potencialmente criativos. A educação transcende a perspectiva de mera transmissora de instrumentos utilitários direcionados ao sucesso profissional, ou somente à formação técnica com bases fragmentadas, pois o pensamento não concebe o fechamento da vida em um sistema único. Ela pode, sim, encaminhar-se a partir de tudo o que construímos e elaboramos, o que faz necessário valorizar a diversidade cultural e desenvolver também a criatividade; um processo educativo na formação e apropriação humana. Nesse sentido, ampliar horizontes culturais, geralmente muito restritos, pode ser um meio de explorar novos conhecimentos sobre civilizações e culturas ignoradas, presentes em nossa arqueologia, antropologia, memória ancestral. Não se trata da persistente perpetuação ou imobilização do passado, mas, sim, da valorização do que gerações anteriores realizaram, caminhos estes que permitem traçar a possibilidade de revelar a riqueza e a expansão da dança e da educação: um encontro entre dança e educação, entre fazer/saber e os vestígios do conhecimento humano, compondo, assim, nosso real e verdadeiro patrimônio cultural, fonte de mobilização para a aprendizagem, transmissão de conhecimento e saber. Neste caminho sensível a Dança pode ser considerada um conhecimento constitutivo das artes e pode ser contemplada como forma de linguagem e como manifestação cultural. Tudo isto nos leva de volta às Danças Circulares Sagradas. Essas danças referem-se às Danças Populares de todas as regiões do mundo; assim como os cantos tradicionais e junto com eles, elas têm o poder dos costumes, que se transmitem de geração para geração. Além do seu ritmo próprio, este ritmo que transmitimos à terra com os pés e com o corpo, há nelas o poder do ritmo das gerações

5 5 sucessivas, que as retomam pelo poder dos gestos mil vezes repetidos, ritualisticamente e fervorosamente. As danças carregam a marca celular e memória instintiva de todos que se foram antes, dançando estes mesmos passos e rituais. Nesse sentido todos somos dançarinos, considerando que o verbo dançar em grego orce-omai (orque-omai) é derivado de or-numi (ornumi), cujo significado é fazer levantar, despertar, fazer nascer (LORTHIOIS, 1998)! Além do mais a autora e pesquisadora Antonacci aponta em seu texto Tempos e Histórias Silenciados (2006), a importância e o potencial, que ritmo e dança assumem na constituição de identidades, preservação e transmissão de costumes e tradições pelos movimentos. A configuração espacial na dinâmica da dança, de sensibilidade corporal memorizada, mostra-nos necessário pesquisar modos de expressão, comunicação e preservação de memórias culturais, uma vez que compõem, assim, universos: lúdico, ritualístico, festivo, traços de força, orgulho, criatividade ou vontade, em que poderá realizar-se uma educação do eu inteiro - corpo e espírito, inteligência, emoções e sensibilidade - a totalidade e integridade humanas. De modo que, o elemento lúdico revelado e reafirmado pelas expressões humanas, possibilita ampliar o campo de argumentações e de significados, são momentos reveladores! E quando comungado coletivamente em encontros, festas, e até mesmo no trabalho, entre tantas outras possibilidades humanas, configura-se corpos e rituais como monumentos históricos nas transmissões de tradições, crenças, valores e conhecimentos. Nas danças circulares sagradas há um espaço lúdico, para que as pessoas integrem-se como partes de uma totalidade, que se une em roda; o corpo na dança, no contato com o sagrado, com as raízes, a vivência lúdica da beleza, dos símbolos. Pois, há nelas uma perspectiva de múltiplas manifestações culturais, sendo traçadas em cada ritmo, gesto, passo, movimento, símbolo, cultura, linguagem mítica, identidade cultural, encaminhando, assim, um espaço lúdico e criativo de adaptabilidade, equilíbrio, sensibilidade e abertura ao desconhecido, sempre de modo pleno de sentido, significado e de forma festiva, como sugere Wosien (2000). Este mestre das danças reforça, mais uma vez, que a dança pode revelar um momento de vivência plena e unificada! Mesmo porque, e não por acaso, a tradição cultural das gerações, na simplicidade dos movimentos e padrões básicos da dança, repetidos através do tempo, abre uma continuidade de seu potencial criativo e do fluxo incessante da vida, que não cessa de produzir a si própria das mais diversas e diferentes formas, expressões e sentidos!

6 6 Referências ANTONACCI, Maria Antonieta. Tempos e histórias silenciados. PUCviva. São Paulo, ano 7, n. 28, p out/dez, (ISSN ). CASCUDO, Luís da Câmara. Civilização e cultura: pesquisas e notas de etnografia geral. São Paulo: Global, p. (ISBN ). ELMERICH, Luis. História da dança. 4ªed. São Paulo: Nacional, p. LORTHIOIS, Celine. As danças circulares na roda da vida. In: RAMOS, R.C.L. (Org.). Danças circulares sagradas: uma proposta de educação e cura. São Paulo: TRIOM/ Faculdade Anhembi Morumbi, p (ISBN X). WOSIEN, Bernhard. Dança: um caminho para a totalidade. Trad. Maria Leonor Radenbach e Raphael de Haro Júnior. São Paulo: TRIOM, p. (ISBN ).

Prof. Alexandre kikuti Np2. Questões RD Ritmo e Dança / 2014 (DP)

Prof. Alexandre kikuti Np2. Questões RD Ritmo e Dança / 2014 (DP) Prof. Alexandre kikuti Np2 Questões RD Ritmo e Dança / 2014 (DP) Questão 01 A Dança como ARTE é uma atividade humana que resulta de uma elaboração dentro de uma determinada cultura e estabelece íntima

Leia mais

Arte Africana. 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino

Arte Africana. 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino Arte Africana 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino África O Brasil é um país mestiço, nossa cultura é composta de uma mistura de etnias. Parte relevante de nossa raiz cultural é o povo africano,

Leia mais

O SAGRADO E O PROFANO: PERFORMACE RITUALÍSTICA EM PIRENÓPOLIS

O SAGRADO E O PROFANO: PERFORMACE RITUALÍSTICA EM PIRENÓPOLIS 1 O SAGRADO E O PROFANO: PERFORMACE RITUALÍSTICA EM PIRENÓPOLIS Maria Cristina de Freitas Bonetti 1 Resumo Este ensaio trata de uma manifestação da Religiosidade Popular em Pirenópolis, Goiás; objetiva

Leia mais

www.portaledumusicalcp2.mus.br

www.portaledumusicalcp2.mus.br Apostila de Educação Musical 1ª Série Ensino Médio www.portaledumusicalcp2.mus.br O QUE É MÚSICA? A música (do grego μουσική τέχνη - musiké téchne, a arte das musas) constituise basicamente de uma sucessão

Leia mais

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL Bruna Maria de Oliveira (¹) ; Elcione Trojan de Aguiar (2) ;Beleni Salete Grando (3) 1.Acadêmica

Leia mais

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto.

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto. MITO Mito vem do Grego MYTHÓS, que tinha um grande número de significados dentro de uma idéia básica: discurso, mensagem palavra, assunto, invenção, lenda, relato imaginário. Modernamente está fixada nestes

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO General Carneiro 2010 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO. O Ensino Religioso existiu num primeiro

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Profª Doutora Daisy Barros Especialização em Ginástica Rítmica e Dança Ritmo é vida e está particularmente ligado à necessidade do mundo moderno. Cada indivíduo,

Leia mais

O brincar hoje: da colaboração ao individualismo

O brincar hoje: da colaboração ao individualismo O brincar hoje: da colaboração ao individualismo Profa. Dra. Maria Angela Barbato Carneiro Campo Grande/ Simpósio Internacional da OMEP Jul/ 2012 Este trabalho tem por objetivo discutir sobre o brincar

Leia mais

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS DO ENSINO RELIGIOSO Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso Resumo: Os Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso constituem-se num marco histórico

Leia mais

A JORNADA DA ABUNDÂNCIA

A JORNADA DA ABUNDÂNCIA A JORNADA DA ABUNDÂNCIA O xamanismo é uma filosofia de vida muito antiga e ancestral, que visa o reencontro do homem com os ensinamentos e fluxo da natureza, com seu próprio mundo interior, com sua sabedoria

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PRELIMINAR

PROGRAMAÇÃO PRELIMINAR PROGRAMAÇÃO PRELIMINAR (acompanhe a programação no site) 20/08/2010 - Sexta-feira - 20h Cine São Roque Água Vermelha EXIBIÇÃO DE FILMES O Cine São Roque é um cineclube que realiza sessões semanais todas

Leia mais

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Léa Pintor Martins de Arruda Maria Angela de Souza Lima Rizzi O trabalho realizado com os educadores, pela equipe da Associação Arte Despertar no

Leia mais

Projeto: Música na Escola. O amor é a melhor música na partitura da vida e sem ele, você é um eterno desafinado.

Projeto: Música na Escola. O amor é a melhor música na partitura da vida e sem ele, você é um eterno desafinado. Projeto: Música na Escola O amor é a melhor música na partitura da vida e sem ele, você é um eterno desafinado. Justificativa De acordo com as diretrizes curriculares, o som é a matériaprima da música;

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

Disciplina ENSINO RELIGIOSO Ano Letivo 2015 Carga Horária 2 Turma 6º B Regime Anual Curso Ensino Fundamental Anos Finais Bimestre 1º

Disciplina ENSINO RELIGIOSO Ano Letivo 2015 Carga Horária 2 Turma 6º B Regime Anual Curso Ensino Fundamental Anos Finais Bimestre 1º PLANO DE TRABALHO DOCENTE (PTD) Curso Ensino Fundamental Anos Finais Bimestre 1º * Respeito à diversidade religiosa * Declaração universal dos direitos Humanos e Constituição brasileira: respeito à liberdade

Leia mais

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito.

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito. Objetivos Proporcionar o entendimento das características gerais do processo folclórico brasileiro; Estruturar o profissional de Eventos para conhecer particularidades de alguns acontecimentos que envolvem

Leia mais

Palavras-chave: Resgate, Preservação, Cultura e Tradições, Folclore.

Palavras-chave: Resgate, Preservação, Cultura e Tradições, Folclore. 1 FOLCLORE E POPULAÇÕES TRADICIONAIS: RESGATE DA CULTURA E TRADIÇÕES CULTURAIS DE MONTES CLAROS E REGIÃO Lúcia de Moraes Lopes luciademoraeslopes@gmail.com Professora de Geografia da educação básica, professora

Leia mais

DANÇA FOLCLÓRICA NO CONTEXTO ESCOLAR

DANÇA FOLCLÓRICA NO CONTEXTO ESCOLAR DANÇA FOLCLÓRICA NO CONTEXTO ESCOLAR JUSTIFICATIVA Num país onde a diversidade cultural tem na dança uma de suas expressões mais significativas, constituindo um amplo leque de possibilidades de aprendizagem,

Leia mais

Manifestações da cultura no corpo através do eixo Inventário no Corpo do BPI

Manifestações da cultura no corpo através do eixo Inventário no Corpo do BPI Manifestações da cultura no corpo através do eixo Inventário no Corpo do BPI Ana Carolina Lopes Melchert Unicamp Mestre Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Artes do IA-Unicamp Docente do Curso de

Leia mais

Entrevista - Espiritualidade nas empresas

Entrevista - Espiritualidade nas empresas Entrevista - Espiritualidade nas empresas 1 - O que podemos considerar como espiritualidade nas empresas? Primeiramente considero importante dizer o que entendo por espiritualidade. Podemos dizer que é

Leia mais

Willian Nicolas Varella Graduado em Geografia, Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail:wnvarella@hotmail.com.

Willian Nicolas Varella Graduado em Geografia, Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail:wnvarella@hotmail.com. Valorização e resgate cultural, uma experiência no projeto Rondon: a importância das pessoas responsáveis pela perpetuação da cultura local da cidade de Palmeirina-PE Willian Nicolas Varella Graduado em

Leia mais

Sala: 4 anos (2) Educadora: Luísa Almeida

Sala: 4 anos (2) Educadora: Luísa Almeida Sala: 4 anos (2) Educadora: Luísa Almeida SETEMBRO Regresso à escola/adaptação Facilitar a adaptação/readaptação ao jardim de infância Negociar e elaborar a lista de regras de convivência Diálogo sobre

Leia mais

PLURALIDADE CULTURAL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: A CONTRIBUIÇÃO DE DIFERENTES POVOS

PLURALIDADE CULTURAL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: A CONTRIBUIÇÃO DE DIFERENTES POVOS PLURALIDADE CULTURAL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: A CONTRIBUIÇÃO DE DIFERENTES POVOS BENTO *, Clovis Claudino NEFEF/UFSCar SPQMH bentocc@bol.com.br GONÇALVES JUNIOR **, Luiz PPGE NEFEF/DEFMH/UFSCar

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Madalena. Projeto do Clube de Música. Ano Lectivo 2012-2013 1

Agrupamento de Escolas da Madalena. Projeto do Clube de Música. Ano Lectivo 2012-2013 1 Agrupamento de Escolas da Madalena Projeto do Clube de Música Ano Lectivo 2012-2013 1 Projectos a desenvolver/participar: Projetos Dinamizado por: 1º Concurso de Flauta Prof. Teresa Santos - Participação

Leia mais

5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001

5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001 5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001 2 No âmbito do disposto no número anterior, o professor: a) Reflecte sobre as suas práticas, apoiando-se na experiência, na investigação

Leia mais

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636 PEDAGOGIA EMPRESARIAL E APRENDER BRINCANDO E A IMPORTÂNCIA DO JOGO: DIFERENTES TEMAS NA ÁREA EDUCACIONAL Ana Flávia Crespim da Silva Araújo ana.crespim@hotmail.com Elaine Vilas Boas da Silva elainevb2010@hotmail.com

Leia mais

Lista de Recuperação de Arte 6º ANO

Lista de Recuperação de Arte 6º ANO 1 Nome: nº Data: / /2012 ano bimestre Profa.: Denise Lista de Recuperação de Arte 6º ANO Nota: 1) A arte fez parte da vida do homem desde a pré-história ( período anterior ao surgimento da escrita ) que

Leia mais

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL E ENSINO DE HISTÓRIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. Palavras chave: Educação Patrimonial Ensino de História - Identidade

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL E ENSINO DE HISTÓRIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. Palavras chave: Educação Patrimonial Ensino de História - Identidade EDUCAÇÃO PATRIMONIAL E ENSINO DE HISTÓRIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS NETA, Rosa Lina de Jesus (UFG) 1 NOVAIS, Sandra Nara da Silva (UFG) 2 Resumo: Ensinar História tendo como instrumento apenas o livro

Leia mais

Arte como conhecimento, patrimônio e identidade cultural

Arte como conhecimento, patrimônio e identidade cultural Arte como conhecimento, patrimônio e identidade cultural Rita de Cássia Demarchi Ao abraçar o campo de ensino e aprendizagem de arte é tomado como ponto de partida o princípio de que a arte é uma rica

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS PRODUÇÃO E RECEPÇÃO DE TEXTOS Lingüística Textual : Recepção e Produção de Textos Visão Sistemática e Particular. Gêneros e Estruturas

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL 2014

PLANEJAMENTO ANUAL 2014 PLANEJAMENTO ANUAL 2014 Disciplina: ENSINO RELIGIOSO Período: Anual Professor: MARIA LÚCIA DA SILVA Série e segmento: 6º ANO 1º TRIMESTRE 2º TRIMESTRE 3º TRIMESTRE * Trabalhar a formação cidadã do aluno

Leia mais

ESCOLA PROFESSOR AMÁLIO PINHEIRO ENSINO FUNDAMENTAL

ESCOLA PROFESSOR AMÁLIO PINHEIRO ENSINO FUNDAMENTAL ESCOLA PROFESSOR AMÁLIO PINHEIRO ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO MAIS EDUCAÇÃO CANTO CORAL JUSTIFICATIVA É conhecida a importância da música na vida das pessoas, seja no tocante à saúde, auto - estima conhecimento,

Leia mais

EDUCAÇÃO INDÍGENA INTRODUÇÃO

EDUCAÇÃO INDÍGENA INTRODUÇÃO EDUCAÇÃO INDÍGENA Gonçalves,Emily 1 Mello,Fernanda 2 RESUMO: Falar da educação dos índios nos dias atuais requer uma breve análise histórica deste povo. Precisamos reconhecer que nesses 508 anos, os povos

Leia mais

Estudar as heranças formativas que caracterizam a grande maioria das festas brasileiras;

Estudar as heranças formativas que caracterizam a grande maioria das festas brasileiras; Objetivos Estudar as heranças formativas que caracterizam a grande maioria das festas brasileiras; Estruturar o profissional de eventos para compreender os mecanismos formadores da identidade festiva do

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver.

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver. A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Este trabalho tem o objetivo de discutir a sustentabilidade do território A uwe- Marãiwatsédé, mediada pelas relações econômicas,

Leia mais

ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA

ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA Cultura afro-brasileira é o resultado do desenvolvimento da cultura africana no Brasil, incluindo as influências recebidas das culturas portuguesa e indígena que se manifestam

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca deirantes de ontem, mas dos homens

Leia mais

PAINEL FOLCLORE NA ESCOLA: CRITICIDADE E CRIATIVIDADE NA FORNAÇÃO DE EDUCANDOS

PAINEL FOLCLORE NA ESCOLA: CRITICIDADE E CRIATIVIDADE NA FORNAÇÃO DE EDUCANDOS PAINEL FOLCLORE NA ESCOLA: CRITICIDADE E CRIATIVIDADE NA FORNAÇÃO DE EDUCANDOS Mariana Alvarenga Gois de Assis Dienefer Ribeiro Avelino Mariana Cristina Tavares Souza Silva Alina de Jesus Rivas Contreras

Leia mais

MÚSICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS

MÚSICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS Formação Continuada de Alfabetizadores MÚSICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS Maria Teresinha Fortes Braz* Resumo A música, uma das grandes Belas Artes, é um elemento importantíssimo no processo

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Aula 7.1 Conteúdo: Textos Sagrados: orais e escritos O que são os textos sagrados? O texto sagrado nas tradições religiosas ENSINO RELIGIOSO

Aula 7.1 Conteúdo: Textos Sagrados: orais e escritos O que são os textos sagrados? O texto sagrado nas tradições religiosas ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 7.1 Conteúdo: Textos Sagrados: orais e escritos O que são os textos sagrados? O texto sagrado nas tradições religiosas 2 CONTEÚDO E HABILIDADES

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO Igor Guterres Faria¹ RESUMO: Este estudo é parte integrante do projeto de pesquisa de iniciação científica

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação Educação Moral e Religiosa Católica. Ano Letivo 2015/2016 3º Ciclo 7º Ano

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação Educação Moral e Religiosa Católica. Ano Letivo 2015/2016 3º Ciclo 7º Ano Unidade Letiva: 1 - As Origens Período: 1º 1. Questionar a origem, o destino e o sentido do universo e do ser humano. As origens na perspetiva científica L. Estabelecer um diálogo entre a cultura e a fé.

Leia mais

Expressão Musical II. Universidade De Trás-Os-Montes e Alto Douro Educação Básica 1ºano,2ºsemestre,2012/1013. Docente: António Neves

Expressão Musical II. Universidade De Trás-Os-Montes e Alto Douro Educação Básica 1ºano,2ºsemestre,2012/1013. Docente: António Neves Universidade De Trás-Os-Montes e Alto Douro Educação Básica 1ºano,2ºsemestre,2012/1013 Expressão Musical II Docente: António Neves Discente: Ana Matos nº 53184 A música e o som, enquanto energia, estimulam

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

PERPECTIVAS DO PROJETO LIGA DE INVENTORES DA UFG * Renan Dias ROSA 1, Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 2

PERPECTIVAS DO PROJETO LIGA DE INVENTORES DA UFG * Renan Dias ROSA 1, Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 2 PERPECTIVAS DO PROJETO LIGA DE INVENTORES DA UFG * Renan Dias ROSA 1, Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 2 1 Bolsista do PET EEEC/UFG; renandiasrosa@gmail.com. 2 Professor Tutor do PET EEEC /UFG; getulio@eeec.ufg.br.

Leia mais

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN Prof. Helder Salvador 5.2 - Alma e Psique Já em sua tese de doutoramento, Stein oferece uma primeira noção do que ela considera sob os termos alma e psique, e essa

Leia mais

Setembro/2015. Novas Doações do Prof. Charles Bicalho!

Setembro/2015. Novas Doações do Prof. Charles Bicalho! Setembro/2015 Novas Doações do Prof. Charles Bicalho! PRÊMIO Culturas Indígenas. Brasília: Ministério da Cultura; São Paulo: Sesc SP, 2007- v. MÕGMÕKA yõgkutex. Belo Horizonte: INCTI (Instituto de Inclusão

Leia mais

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL EVELISE RAQUEL DE PONTES (UNESP). Resumo O ato de contar histórias para crianças da educação infantil é a possibilidade de sorrir, criar, é se envolver com

Leia mais

Trabalhos Premiados em 2001 ACRE Trabalho: Conhecendo nossa Floresta Resenha da Experiência ALAGOAS Trabalho: Projeto Dentes Resenha da Experiência

Trabalhos Premiados em 2001 ACRE Trabalho: Conhecendo nossa Floresta Resenha da Experiência ALAGOAS Trabalho: Projeto Dentes Resenha da Experiência Trabalhos Premiados em 2001 ACRE Trabalho: Conhecendo nossa Floresta - Faixa etária das crianças: 6 anos - Grau de escolaridade de professor: Nível Médio Magistério - Contexto sócio-cultural em que foi

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA RAIMUNDO PEREIRA DO NASCIMENTO

A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA RAIMUNDO PEREIRA DO NASCIMENTO A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA RAIMUNDO PEREIRA DO NASCIMENTO 0 1 A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA

Leia mais

Currículo Referência em Música Ensino Médio

Currículo Referência em Música Ensino Médio Currículo Referência em Música Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola)

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola) Diego Mattoso USP Online - www.usp.br mattoso@usp.br Julho de 2005 USP Notícias http://noticias.usp.br/canalacontece/artigo.php?id=9397 Pesquisa mostra porque o samba é um dos gêneros mais representativos

Leia mais

O Patrimônio arqueológico como elemento do Patrimônio Cultural

O Patrimônio arqueológico como elemento do Patrimônio Cultural O Patrimônio arqueológico como elemento do Patrimônio Cultural Adriana Machado Pimentel de Oliveira Kraisch Mestranda do Programa de Pós-graduação em História da UFPB E-mail: adriana.butija@gmail.com Palavras-chave:

Leia mais

EE DR. LUÍS ARRÔBAS MARTINS

EE DR. LUÍS ARRÔBAS MARTINS QUAL É A NOSSA COR? Sala 3 Interdisciplinar EF I EE DR. LUÍS ARRÔBAS MARTINS Professoras Apresentadoras: DÉBORA CARLA M S GENIOLE ELIZABETH REGINA RIBEIRO FABIANA MARTINS MALAGUTI FERNANDA MARIA DE OLIVEIRA

Leia mais

MUSEU DA CIDADE OCA RECEBE A MAIOR EXPOSIÇÃO JÁ REALIZADA SOBRE A CIVILIZAÇÃO MAIA

MUSEU DA CIDADE OCA RECEBE A MAIOR EXPOSIÇÃO JÁ REALIZADA SOBRE A CIVILIZAÇÃO MAIA MUSEU DA CIDADE OCA RECEBE A MAIOR EXPOSIÇÃO JÁ REALIZADA SOBRE A CIVILIZAÇÃO MAIA Mayas: revelação de um tempo sem fim reúne pela primeira vez mais de 380 objetos e homenageia esta civilização em todo

Leia mais

Universidade Federal do Acre UFAC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFCH.

Universidade Federal do Acre UFAC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFCH. Universidade Federal do Acre UFAC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFCH. Colóquio Religiões e Campos simbólicos na Amazônia Período de realização 25 a 28 de agosto de 2014. Grupos de trabalhos. GT

Leia mais

NOSSO CURRÍCULO A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS ÁREA DAS CIÊNCIAS HUMANAS. Adotamos uma pedagogia:

NOSSO CURRÍCULO A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS ÁREA DAS CIÊNCIAS HUMANAS. Adotamos uma pedagogia: A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS NOSSO CURRÍCULO Adotamos uma pedagogia: - que faz da escola uma instância efetiva de assimilação crítica, sistemática e integradora do saber e da cultura geral; - que trata os

Leia mais

1º SEMINÁRIO REGIONAL SOBRE E N S I N O RELIGIOSO ITAJAÍ SC

1º SEMINÁRIO REGIONAL SOBRE E N S I N O RELIGIOSO ITAJAÍ SC 1º SEMINÁRIO REGIONAL SOBRE E N S I N O RELIGIOSO ITAJAÍ SC DIVERSIDADE CULTURAL RELIGIOSA NO COTIDIANO ESCOLAR: OS DESAFIOS PARA A CONSTITUIÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DO CURRÍCULO DO ENSINO FUNDAMENTAL. Profa.

Leia mais

COSTUMES INDÍGENAS 7

COSTUMES INDÍGENAS 7 COSTUMES INDÍGENAS 7 Silva, Wanderlúcia Araújo. Aluna da Universidade Federal do Pará Curso de História Bacharelado/Licenciatura RESUMO - Este artigo implica na reflexão a cerca dos costumes indígenas,

Leia mais

Atelier de Estimulação Cognitiva em Grupo e em Pequenos Grupos

Atelier de Estimulação Cognitiva em Grupo e em Pequenos Grupos Atelier de Estimulação Cognitiva em Grupo e em Pequenos Grupos - Promover Orientação, - Reconhecer o esquema corporal, - Estimulação da memória, - Desenvolvimento das Práxias, - Reabilitação das Funções

Leia mais

Ciranda, cirandinha vamos todos cirandar...

Ciranda, cirandinha vamos todos cirandar... Ciranda, cirandinha vamos todos cirandar... * Aline Silva Ferreira Resumo: Este artigo é a culminância de um projeto denominado Ciranda, cirandinha vamos todos cirandar, aplicada por mim enquanto bolsista

Leia mais

PRÁTICA SOCIAL DA CULINÁRIA NA PERSPECTIVA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA

PRÁTICA SOCIAL DA CULINÁRIA NA PERSPECTIVA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA PRÁTICA SOCIAL DA CULINÁRIA NA PERSPECTIVA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA Resumo Jean Cauê, Huppes Sistema Huppes de Aprendizagem, Santa Maria/RS Brasil jeancaue@gmail.com.br Mariza de Andrade Brum Sistema

Leia mais

Vamos ao M useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu?

Vamos ao M useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? é programa que visa ampliar as experiências culturais de estudantes, professores e comunidades por meio de ações educativas que envolvem visitas a espaços de preservação

Leia mais

A VIAGEM ENTRE OS RIOS NO AMAZONAS NO BARCO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL COM OS AGENTES AMBIENTAIS VOLUNTÁRIOS.

A VIAGEM ENTRE OS RIOS NO AMAZONAS NO BARCO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL COM OS AGENTES AMBIENTAIS VOLUNTÁRIOS. A VIAGEM ENTRE OS RIOS NO AMAZONAS NO BARCO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL COM OS AGENTES AMBIENTAIS VOLUNTÁRIOS. Kelly Souza. 1 Se estes dois rios fôssemos, Maria, Todas as vezes que nos encontramos, Que Amazonas

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Estudar a idéia de ritual, introduzindo e prevendo a aplicação de conceitos e caracterizações gerais no cotidiano do profissional de Eventos.

Estudar a idéia de ritual, introduzindo e prevendo a aplicação de conceitos e caracterizações gerais no cotidiano do profissional de Eventos. Objetivos Estudar a idéia de ritual, introduzindo e prevendo a aplicação de conceitos e caracterizações gerais no cotidiano do profissional de Eventos. 1. O ritual: elementos formativos "O ritual é um

Leia mais

EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II

EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II Músicas infantis. Danças, músicas e personagens folclóricos. Conhecer textos e melodias folclóricos; Entoar músicas do folclore brasileiro; Dançar músicas folclóricas; Imitar

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. 1 de 5 Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas Natalino Salgado Filho A Universidade Federal do Maranhão teve o privilégio de abrigar nesta semana o I Seminário Patrimônio Cultural & Cidades

Leia mais

ESTUDOS CULTURAIS E ENSINO DA ARTE: RELAÇÕES PEDAGÓGICAS ENTRE UMA PROCISSÃO RELIGIOSA E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NUMA PERSPECTIVA CONTEMPORÂNEA.

ESTUDOS CULTURAIS E ENSINO DA ARTE: RELAÇÕES PEDAGÓGICAS ENTRE UMA PROCISSÃO RELIGIOSA E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NUMA PERSPECTIVA CONTEMPORÂNEA. ESTUDOS CULTURAIS E ENSINO DA ARTE: RELAÇÕES PEDAGÓGICAS ENTRE UMA PROCISSÃO RELIGIOSA E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NUMA PERSPECTIVA CONTEMPORÂNEA. SOUZA 1, Carla Farias UFSM carla_fs111@yahoo.com.br NUNES

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ABEL SALAZAR 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ABEL SALAZAR 2015-2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ABEL SALAZAR 2015-2016 1º CICLO - 1º ANO DE ESCOLARIDADE PORTUGUÊS PLANIFICAÇÃO MENSAL DE JANEIRO DOMÍNIOS METAS/OBJETIVOS OPERACIONALIZAÇÃO (DESCRITORES) MATERIAIS/RECURSOS MODALIDADES

Leia mais

5910224 Evolução dos Conceitos da Física FFCLRP USP Prof. Antônio C. Roque - Origem

5910224 Evolução dos Conceitos da Física FFCLRP USP Prof. Antônio C. Roque - Origem A Origem do Pensamento Científico O ser humano levou milhões de anos para evoluir até o estado atual. Essa evolução levou ao aparecimento de capacidades artísticas, religiosas e científicas na mente humana,

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO 1 DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO INTRODUCÃO Patrícia Edí Ramos Escola Estadual Maria Eduarda Pereira Soldera São José dos Quatro Marcos Este trabalho tem por objetivo uma pesquisa

Leia mais

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos.

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Elizabeth Sarates Carvalho Trindade 1 Resumo: A utilização e articulação das tecnologias e mídias pela educação no processo de aprendizagem

Leia mais

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES Marilene Rosa dos Santos Coordenadora Pedagógica de 5ª a 8ª séries da Prefeitura da Cidade do Paulista rosa.marilene@gmail.com Ana Rosemary

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2014 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Componente Curricular: Artes Série:

Leia mais

COTIDIANO QUILOMBOLA EM MITUAÇU

COTIDIANO QUILOMBOLA EM MITUAÇU COTIDIANO QUILOMBOLA EM MITUAÇU Felipe Agenor de Oliveira Cantalice Universidade Estadual da Paraíba/CH Orientador: Prof. Dr. Waldeci Ferreira Chagas Neste trabalho analisamos o cotidiano dos moradores

Leia mais

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver A série Sagrado é composta por programas que, através de um recorte históricocultural, destacam diferentes pontos de vista das tradições religiosas. Dez representantes religiosos respondem aos questionamentos

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

Título: Yoga: um caminho para Deus. Maria Cristina Alves de Pontes 1 (UFPB_ Especialista) Guaracris2000@yahoo.com.br Mística e iluminação

Título: Yoga: um caminho para Deus. Maria Cristina Alves de Pontes 1 (UFPB_ Especialista) Guaracris2000@yahoo.com.br Mística e iluminação Título: Yoga: um caminho para Deus. Maria Cristina Alves de Pontes 1 (UFPB_ Especialista) Guaracris2000@yahoo.com.br Mística e iluminação Yoga é consciência; transformação da consciência humana em consciência

Leia mais

Ensino Médio Regular e EJA

Ensino Médio Regular e EJA MATRIZ DE REFERÊNCIA DE Ciências Humanas Ensino Médio Regular e EJA Elementos que compõem a Matriz domínio/tópico/ tema DOMÍNIO I Memória e RepresenTAções D01 (H) D02 (H) Agrupam por afinidade D03 (H)

Leia mais

Gestão escolar: revendo conceitos

Gestão escolar: revendo conceitos Gestão escolar: revendo conceitos Myrtes Alonso É um equívoco pensar que o desempenho da escola se expressa apenas nos resultados da aprendizagem obtidos nas disciplinas e que é fruto exclusivo do trabalho

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO TEXTO O termo Renascimento é comumente aplicado à civilização européia que se desenvolveu entre 1300 e 1650. Além de reviver a antiga cultura greco-romana, ocorreram nesse

Leia mais

Meio Ambiente & Sociedade. Modulo III: Geografia Humana e Cultural; Território: territorialização, desterritorialização e reterritorialização.

Meio Ambiente & Sociedade. Modulo III: Geografia Humana e Cultural; Território: territorialização, desterritorialização e reterritorialização. Meio Ambiente & Sociedade Modulo III: Geografia Humana e Cultural; Território: territorialização, desterritorialização e reterritorialização. Geografia Humana Geografia Humana: É possível dividir a geografia

Leia mais

AFRICANIDADES. Cuti, um dos mais significativos poetas de origem africana da atualidade,

AFRICANIDADES. Cuti, um dos mais significativos poetas de origem africana da atualidade, AFRICANIDADES COMO VALORIZAR AS RAÍZES AFRO NAS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS Petronilha Beatriz Gonçalves e Silva 1 escreveu: Cuti, um dos mais significativos poetas de origem africana da atualidade, Quem conhece

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca VISITA À ARGENTINA Centro Cultural

Leia mais

Categoria Pôster 2 O NEI se constitui numa escola de Educação Infantil situada no Campus Central da UFRN- Natal, que

Categoria Pôster 2 O NEI se constitui numa escola de Educação Infantil situada no Campus Central da UFRN- Natal, que ARTE PRESENTE NA CONSTRUÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO: UM RELATO DE CASO 1 PONTES, Gilvânia Maurício Dias de (Mestranda PPGEd-UFRN/ Prof. do NEI-UFRN) PERNAMBUCO, Marta Maria Castanho Almeida (DEPED- CCSA-

Leia mais