PRINCÍPIOS DO EQUADOR RELATÓRIO DE IMPLEMENTAÇÃO E DADOS 2014

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRINCÍPIOS DO EQUADOR RELATÓRIO DE IMPLEMENTAÇÃO E DADOS 2014"

Transcrição

1 PRINCÍPIOS DO EQUADOR RELATÓRIO DE IMPLEMENTAÇÃO E DADOS 2014 Em 2014 o Itaú Unibanco se comprometeu com os Princípios do Equador (PE), tornando-se a primeira instituição financeira de uma economia emergente a fazê-lo. Esses princípios trazem uma estrutura de gestão de riscos, adotada por instituições financeiras, para determinar, avaliar e gerenciar riscos ambientais e sociais em projetos. Os PE, agora em sua terceira versão PE III - se aplicam mundialmente a todos os setores de atividade e a quatro produtos financeiros: 1) Serviços de Consultoria em Financiamento de Projetos 2) Financiamento de Projetos 3) Empréstimos Corporativos Relacionados a Projetos e 4) Empréstimos-Ponte, respeitando gatilhos específicos estabelecidos pelo documento. Atualmente, 80 Instituições Financeiras em 35 países adotaram oficialmente os Princípios do Equador. O Itaú é um membro do Comitê Diretivo dos PE desde a sua criação, já tendo ocupado a posição de Presidência do Comitê Diretivo. 1. IMPLEMENTAÇÃO 1.1. FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES Conforme o modelo de negócios Itaú, uma equipe chamada Financiamento de Projetos é exclusivamente dedicada a transações financeiras nas quais os PE são aplicados. Seus profissionais são especializados e organizados por setores de atividade e mercados geográficos, e lideram a gestão de uma variedade de riscos inerentes em produtos bancários complexos, como os associados a aspectos macroeconômicos e regulatórios. Especificamente para gerenciar riscos ambientais e sociais, a equipe de Financiamento de Projetos conta com o suporte da equipe de Risco Ambiental e Social. Altamente treinada, a equipe de Financiamento de Projetos informa a equipe de Risco Ambiental e Social sempre que identificam uma transação dentro do escopo dos PE. Depois, a equipe de Risco Ambiental e Social realiza a avaliação dos PE. A equipe de Risco Ambiental e Social é uma equipe multidisciplinar composta por oito especialistas - dois engenheiros (um é um engenheiro ambiental, de saúde e segurança e o outro é um engenheiro elétrico), dois advogados, um geógrafo, um economista, um administrador ambiental e um administrador de empresas. Os membros dessa equipe são especializados em setores de atividade e avaliam todas as transações sob o escopo dos PE, independente de sua categorização ambiental e social (nível de risco ambiental e social), tipos de impactos ambientais e sociais envolvidos e localização geográfica. Além disso, todas as transações dentro do escopo dos PE originadas em nossas agências internacionais estão sujeitas à avaliação pela sede da equipe de Risco Ambiental e Social. Os revisores de PE são parte do departamento de crédito, o que reflete claramente a abordagem adotada pelo Itaú para incorporar completamente esse compromisso em nossas estratégias de gestão de risco, além de integrar a avaliação ambiental e social no processo de tomada de decisão de crédito. Consequentemente, a decisão de crédito leva em consideração o nível de exposição associado não somente a aspectos financeiros tradicionais, mas também a aspectos ambientais e sociais. Da mesma forma, a alta administração do Itaú está diretamente envolvida nas decisões relacionadas com o processo de avaliação de PE.

2 1.2. POLÍTICAS E PROCEDIMENTOS Desde a adoção dos PE, o compromisso do Itaú de implementar seus critérios em nossas políticas e nossos procedimentos internos foram melhorados para garantir notável competência técnica, inquestionável independência dos revisores e maior eficácia na gestão de risco. A Política de Risco Ambiental e Social para Crédito do Itaú formaliza o processo de avaliação de risco ambiental e social e as diretrizes no processo de decisão de concessão de crédito. Consulte onde reforçamos o nosso compromisso com os PEs e estabelecemos outras diretrizes de E&S. Depois de avaliar o projeto para enviá-lo para decisão do Comitê de Crédito, o que inclui categorizar seu risco ambiental e social, a equipe de Risco Ambiental e Social realiza uma avaliação ambiental e social completa e profunda para o fechamento da transação, quando é estabelecido um plano de ação ambiental e social para mitigar os riscos e impactos identificados. A seguir, o cumprimento dessas condições é monitorado ao longo da duração do contrato por meio de um trabalho conjunto entre a equipe de Risco Ambiental e Social e uma equipe dedicada a registrar, controlar e contatar o cliente a tempo de apresentar evidência do cumprimento das cláusulas acordadas. Para projetos categorizados como risco alto e, às vezes, para projetos categorizados como risco médio, é contratado um consultor independente para realizar a avaliação de PE que é, a seguir, revisada pelos analistas de PE do Itaú. Essas diretrizes e procedimentos são aplicados a todas as transações do Itaú dentro do escopo dos PE, incluindo as originadas em nossas agências internacionais TREINAMENTO O treinamento na aplicação dos Princípios do Equador, incluindo as novas implicações de sua nova versão lançada em 2013, é proporcionado periodicamente a todos os profissionais envolvidos no processo de tomada de decisão de crédito (áreas comercial, crédito e financiamento de projetos) por meio de módulos de aprendizado on-line e workshops presenciais. Os profissionais em nossas agências internacionais também estão sujeitos a treinamentos nos critérios de PE. Além disso, em 2014 os nossos analistas de PE participaram de mais de 280 horas de sessões de treinamento, incluindo cursos, palestras, fóruns e grupos de discussão para melhorar sua capacidade de aplicar procedimentos e padrões de PE. 2. TABELAS DE DADOS Apresentamos abaixo dados de transações avaliadas e fechadas pelo Itaú sob os PE III em 2014:

3 FINANCIAMENTOS DE PROJETOS¹ FECHADOS SOB OS CRITÉRIOS DOS PRINCÍPIOS DO EQUADOR III EM 2014 CATEGORIA DE RISCO AMBIENTAL E SOCIAL² NÚMERO DE PROJETOS CUSTO DE CAPITAL TOTAL (MILHÕES DE R$³) A B ,1 496,3 C COMPOSIÇÃO DETALHADA NÚMERO DE PROJETOS POR CATEGORIA POR SETOR A B C CUSTO DE CAPITAL TOTAL Mineração Infraestrutura ,1 496,3 Água e Saneamento ,1 392,1 Logística ,0 104,2 Petróleo e Gás Energia Outros Por REGIÃO A B C Américas ,1 496,3 Sudeste ,1 496,3 Europa, Oriente Médio e África Ásia e Oceania Por DESIGNAÇÃO DE PAÍS⁴ A B C Designado Não Designado ,1 496,3 Por REVISÃO INDEPENDENTE⁵ A B C COM Revisão Independente ,1 496,3 SEM Revisão Independente TOTAL ,1 496,3 ¹ Financiamento de Projetos conforme definido pela Basileia em ² Categoria A Projetos com potenciais riscos adversos ambientais e sociais significativos e/ou impactos que são variados, irreversíveis e sem precedentes; Categoria B Projetos com potenciais riscos adversos ambientais e sociais limitados e/ou impactos que são poucos em número, geralmente de locais específicos, amplamente reversíveis e prontamente tratados por meio de medidas mitigantes; e Categoria C Projetos com riscos adversos ambientais e sociais e/ou impactos mínimos ou inexistentes. ³ Em caso moeda diferente foi usada a taxa de câmbio do dia da transação. ⁴ Países Designados são aqueles considerados como tendo governança ambiental e social, sistemas legislativos e capacidade institucional robustos designados para proteger seu povo e seu ambiente natural. A lista dos Países Designados pode ser encontrada no website da Associação dos Princípios do Equador. ⁵ Revisão Independente é uma análise da documentação de avaliação do Projeto conduzida por um consultor ambiental e social independente.

4 FINANCIAMENTOS DE PROJETOS¹ AVALIADOS SOB OS CRITÉRIOS DOS PRINCÍPIOS DO EQUADOR III EM 2014 (E QUE NÃO ATINGIRAM FECHAMENTO FINANCEIRO) NÚMERO DE PROJETOS (MILHÕES DE R$³) SETOR Mineração 3 228,3 Infraestrutura - - Petróleo e Gás - - Energia 2 812,31 Outros - - REGIÃO Américas ,6 Sudeste 1 125,2 Norte 2 103,1 Outros³ 1 635,0 Chile 1 177,3 Europa, Oriente Médio e África - - Ásia e Oceania - - DESIGNAÇÃO DE PAÍS⁴ Designado 1 177,3 Não Designado 4 863,3 TOTAL ,6 ¹ Financiamento de Projetos conforme definido pela Basileia em ² Em caso de moeda diferente, a taxa de câmbio usada foi a do dia da aprovação da transação pelo Comitê de Crédito. ³ Projetos localizados em mais de uma região do (p.ex., infraestrutura linear, redes de lojas, etc). ⁴ Países Designados são aqueles considerados como tendo governança ambiental e social, sistemas legislativos e capacidade institucional robustos designados para proteger seu povo e seu ambiente natural. A lista dos Países Designados pode ser encontrada no website da Associação dos Princípios do Equador.

5 EMPRÉSTIMOS CORPORATIVOS RELACIONADOS A PROJETOS 1 FECHADOS SOB OS CRITÉRIOS DOS PRINCÍPIOS DO EQUADOR III EM 2014 CATEGORIA DE RISCO AMBIENTAL E SOCIAL² NÚMERO DE PROJETOS CUSTO DE CAPITAL TOTAL A B 1 424,6 300,8 C COMPOSIÇÃO DETALHADA NÚMERO DE PROJETOS POR CATEGORIA Por SETOR A B C CUSTO DE CAPITAL TOTAL Mineração Infraestrutura Petróleo e Gás Energia Outros ,6 300,8 Indústria ,6 300,8 Por REGIÃO A B C Américas ,6 300,8 Sudeste ,6 300,8 Europa, Oriente Médio e África Ásia e Oceania Por DESIGNAÇÃO DE PAÍS⁴ A B C Designado Não Designado ,6 300,8 Por REVISÃO INDEPENDENTE⁵ A B C COM Revisão Independente SEM Revisão Independente ,6 300,8 TOTAL ,6 300,8 ¹ Produto financeiro definido pelos Princípios do Equador III. ² Categoria A Projetos com potenciais riscos adversos ambientais e sociais significativos e/ou impactos que são variados, irreversíveis e sem precedentes; Categoria B Projetos com potenciais riscos adversos ambientais e sociais limitados e/ou impactos que são poucos em número, geralmente de locais específicos, amplamente reversíveis e prontamente tratados por meio de medidas mitigantes; e Categoria C Projetos com riscos adversos ambientais e sociais e/ou impactos mínimos ou inexistentes. ³ Em caso moeda diferente foi usada a taxa de câmbio do dia da transação. ⁴ Países Designados são aqueles considerados como tendo governança ambiental e social, sistemas legislativos e capacidade institucional robustos designados para proteger seu povo e seu ambiente natural. A lista dos Países Designados pode ser encontrada no website da Associação dos Princípios do Equador. ⁵ Revisão Independente é uma análise da documentação de avaliação do Projeto conduzida por um consultor ambiental e social independente.

6 SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE FINANCIAMENTO DE PROJETOS ENCOMENDADOS EM 2014 SETOR NÚMERO DE PROJETOS Mineração - Infraestrutura 1 Logística 1 Petróleo e Gás - Energia 7 Outros 3 Agronegócio 2 Indústria 1 REGIÃO Américas 11 Sudeste 4 Nordeste 4 Sul 1 Outros¹ 1 Uruguai 1 Europa, Oriente Médio e África Ásia e Oceania - DESIGNAÇÃO DE PAÍS² Designado - Não Designado 11 TOTAL 11 ³ Projetos localizados em mais de uma região do (p.ex., infraestrutura linear, redes de lojas, etc). ⁴ Países Designados são aqueles considerados como tendo governança ambiental e social, sistemas legislativos e capacidade institucional robustos designados para proteger seu povo e seu ambiente natural. A lista dos Países Designados pode ser encontrada no website da Associação dos Princípios do Equador. -

Itaú BBA Avaliação de Risco Socioambiental

Itaú BBA Avaliação de Risco Socioambiental Itaú BBA Avaliação de Risco Socioambiental 1 Itaú BBA Risco Socioambiental 2014 Incorporação da Variável Ambiental no Processo de Análise de Crédito: PARA QUÊ? Identificar, avaliar, controlar, transferir

Leia mais

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE CONSULTORIA ONLINE

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE CONSULTORIA ONLINE LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE CONSULTORIA ONLINE CONSULTORIA ONLINE 01 NOSSOS SERVIÇOS Após 35 anos de experiência na área de edificações para o mercado imobiliário gaúcho, a BENCKEARQUITETURA,

Leia mais

Padrão de Desempenho 1: Sistemas de Gerenciamento e Avaliação Socioambiental

Padrão de Desempenho 1: Sistemas de Gerenciamento e Avaliação Socioambiental Introdução 1. O Padrão de Desempenho 1 destaca a importância do gerenciamento do desempenho socioambiental durante o ciclo de um projeto (qualquer atividade comercial sujeita a avaliação e administração).

Leia mais

Especialistas em impostos indiretos

Especialistas em impostos indiretos Impostos indiretos IMPOSTOS INDIRETOS Especialistas em impostos indiretos POR MEIO DE UM CONJUNTO ABRANGENTE DE SERVIÇOS DE SUPORTE CONTÍNUOS QUE OFERECEM RESPOSTAS IMEDIATAS ÀS DÚVIDAS SOBRE IMPOSTOS,

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

Processo 2013. 05 de março de 2013. www.isebvmf.com.br

Processo 2013. 05 de março de 2013. www.isebvmf.com.br Processo 2013 05 de março de 2013 www.isebvmf.com.br Conselho Deliberativo do ISE (CISE) Órgão máximo de governança do índice Tem como missão garantir um processo transparente de construção do índice e

Leia mais

Documento de Apoio da Declaração de Gaborone para Sustentabilidade na África

Documento de Apoio da Declaração de Gaborone para Sustentabilidade na África Documento de Apoio da Declaração de Gaborone para Sustentabilidade na África O documento de apoio da Declaração de Gaborone para a sustentabilidade na África é um paradigma transformador na busca pelo

Leia mais

29/05/2012. Gestão de Projetos. Luciano Gonçalves de Carvalho FATEC. Agenda. Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências FATEC

29/05/2012. Gestão de Projetos. Luciano Gonçalves de Carvalho FATEC. Agenda. Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências FATEC Gestão de Projetos 1 Agenda Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências 2 1 GERENCIAMENTO DA INTEGRAÇÃO DO PROJETO 3 Gerenciamento da Integração do Projeto Fonte: EPRoj@JrM 4 2 Gerenciamento

Leia mais

PLANO DE GERÊNCIAMENTO DE RISCOS

PLANO DE GERÊNCIAMENTO DE RISCOS 1 PLANO DE GERÊNCIAMENTO DE RISCOS Versão 1.1 Rua Pedro Ribeiro, 85 - Matriz, Vitória de Santo Antão - PE, 55612-275 Pernambuco Brasil (81) 3523-0012 www.qualistec.com.br suporte@qualistec.com.br 2 Histórico

Leia mais

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos Março de 2010 UM NOVO PARADIGMA PARA AS AUDITORIAS INTERNAS Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos por Francesco De Cicco 1 O foco do trabalho dos auditores internos

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. accent. consultoria. auditoria. estratégia. caixa livre

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. accent. consultoria. auditoria. estratégia. caixa livre APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL accent consultoria. auditoria. estratégia. caixa livre Sobre a Accent Somos uma empresa brasileira que possui conhecimento especializado em auditoria, impostos, consultoria de

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental - PRSA

Política de Responsabilidade Socioambiental - PRSA Política de Responsabilidade Socioambiental - PRSA Versão Consolidada: 1.0 Data da Aprovação: 29/12/2015 Aprovado por: Diretoria Data da última revisão: 29/12/2015 ÍNDICE OBJETIVO E ABRANGÊNCIA... 3 VIGÊNCIA...

Leia mais

Financial Services. Precisão competitiva. Metodologias específicas e profissionais especializados na indústria de seguros

Financial Services. Precisão competitiva. Metodologias específicas e profissionais especializados na indústria de seguros Financial Services Precisão competitiva Metodologias específicas e profissionais especializados na indústria de seguros Nossa experiência na indústria de seguros A indústria de seguros vem enfrentando

Leia mais

Sustentabilidade Gestão de Energia, Meio Ambiente, Segurança e Saúde Ocupacional e Mudanças Climáticas

Sustentabilidade Gestão de Energia, Meio Ambiente, Segurança e Saúde Ocupacional e Mudanças Climáticas Sustentabilidade Gestão de Energia, Meio Ambiente, Segurança e Saúde Ocupacional e Mudanças Climáticas 2 www.nbs.com.br Soluções eficazes em Gestão de Negócios. Nossa Visão Ser referência em consultoria

Leia mais

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Desafios a serem superados Nos últimos anos, executivos de Tecnologia de Informação (TI) esforçaram-se em

Leia mais

Apresentação Comercial

Apresentação Comercial Apresentação Comercial Sobre a G R S Moto Express Missão: Atender a crescente demanda do mercado logístico, proporcionando aos nossos clientes e parceiros, um atendimento de referência em Gestão, Rápidez

Leia mais

Gestão da Qualidade em Projetos

Gestão da Qualidade em Projetos Gestão da Qualidade em Projetos O que é risco? Um risco é um evento incerto que, se ocorrer, pode comprometer a realização do objetivo do projeto. Identificação de riscos inclui determinar quais riscos

Leia mais

Minuta do Protocolo de Avaliação de Sustentabilidade de Hidrelétricas Agosto de 2009

Minuta do Protocolo de Avaliação de Sustentabilidade de Hidrelétricas Agosto de 2009 Minuta emitida após revisão e alteração pelo Fórum de Avaliação de Sustentabilidade de Hidrelétricas Publicada pela International Hydropower Association Minuta do Protocolo de Avaliação de Sustentabilidade

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Dezembro 2013

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Dezembro 2013 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Dezembro 2013 PROPOSTA DE ESTRUTURA PARA O GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE REVITALIZAÇÃO URBANA Núcleo de Real Estate, Mestrado, Mariana

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

Resumo do Estudo da Oxford Economics sobre o Impacto Econômico do projeto Hub Nordeste Brasil, encomendado pelo Grupo LATAM

Resumo do Estudo da Oxford Economics sobre o Impacto Econômico do projeto Hub Nordeste Brasil, encomendado pelo Grupo LATAM Resumo do Estudo da Oxford Economics sobre o Impacto Econômico do projeto Hub Nordeste Brasil, encomendado pelo Grupo LATAM Data da divulgação do estudo 17/09/2015 CONTEXTO A consultoria Oxford Economics,

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS SOCIOAMBIENTAIS

GESTÃO DE RISCOS SOCIOAMBIENTAIS GESTÃO DE RISCOS SOCIOAMBIENTAIS CRITÉRIOS SOCIOAMBIENTAIS PARA CONCESSÃO DE CRÉDITO O Bradesco faz a análise e a gestão dos riscos socioambientais nas operações de crédito por meio de avaliação de documentos,

Leia mais

DISASTER RECOVERY PLAN. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

DISASTER RECOVERY PLAN. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com DISASTER RECOVERY PLAN Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com 1. Introdução O principal objetivo de um plano de continuidade de negócios (BCP Business Continuity Plan) é garantir a operação

Leia mais

Remunerar. Reconhecer. Engajar. Competir. Crescer.

Remunerar. Reconhecer. Engajar. Competir. Crescer. Towers Watson Data Services A Willis e a Towers Watson se uniram para criar a Willis Towers Watson. General Industry Dados, análises, insights e experiência de um líder de mercado 2016 +450.000 ocupantes

Leia mais

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA O SISTEMA DE QUEIXAS, CONTROLE E RESPONSABILIDADE

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA O SISTEMA DE QUEIXAS, CONTROLE E RESPONSABILIDADE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA O SISTEMA DE QUEIXAS, CONTROLE E RESPONSABILIDADE PO-08/2013 Unidade Responsável: Assessoria Jurídica OBJETIVO Fornecer a metodologia e ferramentas para implementação do

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

Programa de Gestão de Fornecedores. da White Martins. Sua chave para o sucesso

Programa de Gestão de Fornecedores. da White Martins. Sua chave para o sucesso Programa de Gestão de Fornecedores da White Martins Sua chave para o sucesso Quem Somos A White Martins representa na América do Sul a Praxair, uma das maiores companhias de gases industriais e medicinais

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

PORTFÓLIO PARA CURSOS PENSA IN HOUSE

PORTFÓLIO PARA CURSOS PENSA IN HOUSE PORTFÓLIO PARA CURSOS PENSA IN HOUSE O PENSA, Centro de Conhecimento em Agronegócios é uma organização que integra os Departamentos de Economia e Administração da FEA-USP, São Paulo e Ribeirão Preto. Foi

Leia mais

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade FUNBIO

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade FUNBIO N ú m e r o P-26 PLANO DE AÇÃO PARA A IGUALDADE DE GÊNERO Fundo Brasileiro para a Biodiversidade FUNBIO PLANO DE AÇÃO PARA A IGUALDADE DE GÊNERO FUNBIO Fundo Brasileiro para a Biodiversidade Unidade Responsável:

Leia mais

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade FUNBIO

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade FUNBIO N ú m e r o P-24 POLÍTICA DE SALVAGUARDAS AMBIENTAIS E SOCIAIS DO FUNBIO Fundo Brasileiro para a Biodiversidade FUNBIO POLÍTICA DE SALVAGUARDAS AMBIENTAIS E SOCIAIS DO FUNBIO FUNBIO Fundo Brasileiro para

Leia mais

Verificação de Antecedentes está mudando -- O Que Você Precisa Saber!

Verificação de Antecedentes está mudando -- O Que Você Precisa Saber! Verificação de Antecedentes está mudando -- O Que Você Precisa Saber! O EEC vai agora exigir Informação do Registro de Agressor Sexual (SORI-Sex Offender Registry Information), verificação e averiguação

Leia mais

MLM. Proporcionando Soluções Sustentáveis. www.mlm.uk.com www.mlm.br.com

MLM. Proporcionando Soluções Sustentáveis. www.mlm.uk.com www.mlm.br.com MLM B r a s i l Proporcionando Soluções Sustentáveis www.mlm.uk.com Proporcionando Soluções Sustentáveis A necessidade de desenvolvimento sustentável é amplamente aceita e atualmente é considerada uma

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NOÇÕES DE OHSAS 18001:2007 CONCEITOS ELEMENTARES SISTEMA DE GESTÃO DE SSO OHSAS 18001:2007? FERRAMENTA ELEMENTAR CICLO DE PDCA (OHSAS 18001:2007) 4.6 ANÁLISE CRÍTICA 4.3 PLANEJAMENTO A P C D 4.5 VERIFICAÇÃO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Ambiental da IES tem por missão a graduação de Engenheiros Ambientais

Leia mais

B. Braun Avitum. Fornecedora de Sistemas em Terapia de Substituição Renal. Avitum

B. Braun Avitum. Fornecedora de Sistemas em Terapia de Substituição Renal. Avitum B. Braun Avitum Fornecedora de Sistemas em Terapia de Substituição Renal Avitum B. Braun Avitum. Sempre com Paixão. Paixão pela Vida Pois fazer a vida ficar melhor é o melhor de tudo Pois não há nada melhor

Leia mais

RELATÓRIO DE COMPLIANCE E GERENCIAMENTO DE RISCO

RELATÓRIO DE COMPLIANCE E GERENCIAMENTO DE RISCO RELATÓRIO DE COMPLIANCE E GERENCIAMENTO DE RISCO DEZEMBRO/2011 Contexto Operacional A Agiplan Financeira S.A. Crédito, Financiamento e Investimento ( Agiplan ) é uma instituição financeira privada, com

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - PEC CATHO PORTAL CMC

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - PEC CATHO PORTAL CMC PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - PEC CATHO PORTAL CMC 1. CONTEXTO A Catho Educação Executiva é focada no desenvolvimento de talentos, na melhora do desempenho das organizações e na criação de processos

Leia mais

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP Planejamento - 7 Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos 1 O que é risco? Evento que representa uma ameaça ou uma oportunidade em potencial Plano de gerenciamento do risco Especifica

Leia mais

PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO ATRAVÉS DO SETOR PRIVADO O GRUPO BID

PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO ATRAVÉS DO SETOR PRIVADO O GRUPO BID PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO ATRAVÉS DO SETOR PRIVADO O GRUPO BID SOBRE O BID CONTATE-NOS Vice-Presidência para o Setor Privado e Operações sem Garantia Soberana Banco Interamericano de Desenvolvimento

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Introdução Planejar o Gerenciamento dos Riscos. Identificar os Riscos Realizar a Análise Qualitativa

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 28 Revisão para a Prova 2 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 28-28/07/2006 1 Matéria para a Prova 2 Gestão de projetos de software Conceitos (Cap. 21) Métricas (Cap.

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Douglas Farias Cordeiro

Gerenciamento de Projetos. Douglas Farias Cordeiro Gerenciamento de Projetos Douglas Farias Cordeiro Conceito de Organização Uma organização pode ser descrita como um arranjo sistemático, onde esforços individuais são agregados em prol de um resultado

Leia mais

Serviços IBM de Resiliência e Continuidade de Negócios

Serviços IBM de Resiliência e Continuidade de Negócios IBM Global Technology Services White Paper Novembro de 2010 Serviços IBM de Resiliência e Continuidade de Negócios Ajudando os negócios a permanecerem competitivos 2 Serviços IBM de Resiliência e Continuidade

Leia mais

Conflito de Interesses e Imparcialidade dos Auditores dos Organismos Certificadores

Conflito de Interesses e Imparcialidade dos Auditores dos Organismos Certificadores QSP Informe Reservado Nº 58 Maio/2006 Conflito de Interesses e Imparcialidade dos Auditores dos Organismos Certificadores Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QSP. Este

Leia mais

A Resolução nº 4.327, de 2014. Café com Sustentabilidade Febraban 16/07/2014. Banco Central do Brasil

A Resolução nº 4.327, de 2014. Café com Sustentabilidade Febraban 16/07/2014. Banco Central do Brasil A Resolução nº 4.327, de 2014 Café com Sustentabilidade Febraban 16/07/2014 Departamento de Regulação do Sistema Financeiro Denor Banco Central do Brasil Agenda CONTEXTO DA REGULAÇÃO A RESOLUÇÃO Nº 4.327

Leia mais

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas as áreas da Fibria que, direta

Leia mais

Política de Conflitos de Interesses

Política de Conflitos de Interesses Política de Conflitos de Interesses Índice Índice 2 Política de Conflitos de Interesses 3 1. Introdução... 3 2. A nossa política de conflitos de interesses... 3 3. Conflitos de interesses estudos de investimento...

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini - Junho 2010

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini - Junho 2010 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini - Junho 2010 A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA O SETOR DE REAL ESTATE Prof. Dr. João da Rocha Lima Jr. Prof. Dr. Claudio Tavares de Alencar.

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Versão Julho de 2015 POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL (Política e procedimentos relacionados à responsabilidade socioambiental da Gávea DTVM nos termos da Resolução BCB no 4.327, de 25 de abril

Leia mais

1993/97. Qualidade no Setor de Software Brasileiro

1993/97. Qualidade no Setor de Software Brasileiro 1993/97 SSQP/SW - PBQP Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade Subcomitê Setorial da Qualidade e Produtividade em Software (criado em junho de 1993) Objetivo Geral Atingir padrões internacionais

Leia mais

Fundamentos de Parcerias Público-Privadas (PPPs)

Fundamentos de Parcerias Público-Privadas (PPPs) Fundamentos de Parcerias Público-Privadas (PPPs) Organização: Unidade de Parcerias Público-Privadas - Secretaria de Estado de Economia e Planejamento (SEP) Vitória, 26.11.2010 Objetivos do Curso Apresentar

Leia mais

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS 3.4 O PROJETO DE MELHORIA DE PROCESSOS 3.4.1 - CONCEITO DE PROJETO

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Dynamica Consultoria: All rights reserved 2010. Proibida reprodução parcial ou total.

Dynamica Consultoria: All rights reserved 2010. Proibida reprodução parcial ou total. Cenário de negócios Cenário de negócios Mudar para adaptar-se às necessidades do mercado e ao mesmo tempo manter processos eficientes é o desafio atual. As mudanças organizacionais devem ser gerenciadas

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO NÚCLEO DE ESTUDOS AGRÁRIOS E DESENVOLVIMENTO RURAL PCT FAO UTF/BRA/083/BRA

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO NÚCLEO DE ESTUDOS AGRÁRIOS E DESENVOLVIMENTO RURAL PCT FAO UTF/BRA/083/BRA TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS NÃO CONTINUADOS TR Nº MODALIDADE PROCESSO SELETIVO CONS NEAD 024/2013 Consultoria por produto FUNDAMENTO LEGAL Decreto nº 5.151/2004; Portaria MRE Nº 717/2006 e Portaria MDA

Leia mais

Big data da educação. Dados vão proporcionar muitas oportunidades para a Educação On-line: análises, previsões e sugestões

Big data da educação. Dados vão proporcionar muitas oportunidades para a Educação On-line: análises, previsões e sugestões As universidades não irão sobreviver. O futuro está do lado de fora do campus tradicional, fora das salas de aula tradicionais. A educação a distância está chegando rápido. - Peter Drucker, 1997 O e-learning

Leia mais

Oficina de Treinamento em Planejamento e Gestão Portuária

Oficina de Treinamento em Planejamento e Gestão Portuária Organização Oficina de Treinamento em Planejamento e Gestão Portuária Realização Introdução Este Workshop de Planejamento e Gestão Portuária foi criada pela PwC e organizada pela Port Finance International

Leia mais

<SUA EMPRESA> PROPOSTA DE SERVIÇOS

<SUA EMPRESA> PROPOSTA DE SERVIÇOS PROPOSTA DE SERVIÇOS Para prestadores de serviços [A proposta de serviços é o cerne do kit de ferramentas de vendas de um prestador de serviços. Ela combina informações importantes da empresa,

Leia mais

Revisão da ISO 9001:2015. Fernanda Spinassi

Revisão da ISO 9001:2015. Fernanda Spinassi Revisão da ISO 9001:2015 Fernanda Spinassi Requisito 4 Contexto da Organização Está mais claramente definida a obrigação de monitorar e analisar criticamente as questões externas e internas da organização

Leia mais

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Prof. MARCELO COSTELLA FRANCIELI DALCANTON ISO 9001- INTRODUÇÃO Conjunto de normas e diretrizes internacionais para sistemas de gestão da qualidade; Desenvolve

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DE CAPITAL Pilar 3 Basileia DATA-BASE: 31/03/2015 (1T2015) Sumário Introdução... 3 Principais Categorias de Risco... 3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos e de Capital...

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos Sumário Sistemas de Informação para Processos Produtivos 1. Gerência de 2. Agentes principais e seus papéis 3. Ciclo de vida do gerenciamento de projetos M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Módulo 6

Leia mais

Resumo do Relatório. Objetivos e Escopo do Relatório. Estatísticas Gerais

Resumo do Relatório. Objetivos e Escopo do Relatório. Estatísticas Gerais SITUAÇÃO DOS PAGAMENTOS POR SERVIÇOS HÍDRICOS: UM MERCADO EMERGENTE - SUMÁRIO EXECUTIVO Por Tracy Stanton, Marta Echavarria, Katherine Hamilton e Caroline Ott 2010 Resumo do Relatório Um esforço de pesquisa

Leia mais

Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Introdução à Segurança do Trabalho Desde seu aparecimento na Terra, o homem convive com situações de risco e por não ter controle sobre elas, esteve sempre sujeito a todo tipo de acidentes. Com o passar

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR

OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR UMA ABORDAGEM DO SETOR PARA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS SOBRE DETERMINAÇÃO, AVALIAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCO AMBIENTAL E SOCIAL EM FINANCIAMENTO DE PROJETOS Florianópolis Junho/2004

Leia mais

Projeto de Gestão pela Qualidade Rumo à Excelência

Projeto de Gestão pela Qualidade Rumo à Excelência Projeto de Gestão pela Qualidade Rumo à Excelência Introdução O panorama que se descortina para os próximos anos revela um quadro de grandes desafios para as empresas. Fatores como novas exigências dos

Leia mais

ESCRITÓRIO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS ROSEMOUNT DA EMERSON. Levando o sucesso para o seu projeto de instrumentação

ESCRITÓRIO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS ROSEMOUNT DA EMERSON. Levando o sucesso para o seu projeto de instrumentação ESCRITÓRIO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS ROSEMOUNT DA EMERSON Levando o sucesso para o seu projeto de instrumentação Um Risco a Menos no Projeto A SUA INSTRUMENTAÇÃO ESTÁ NO CAMINHO CERTO. Os projetos de

Leia mais

As relações Rússia e China na primeira década do século XXI 1

As relações Rússia e China na primeira década do século XXI 1 Universidade do Vale do Itajaí Curso de Relações Internacionais LARI Laboratório de Análise de Relações Internacionais Região de Monitoramento: Rússia LARI Fact Sheet Agosto/Setembro de 2010 As relações

Leia mais

Presente no mercado desde 1992, o GRUPO GR se consolidou pelo porte e pela qualidade em prestação de serviços.

Presente no mercado desde 1992, o GRUPO GR se consolidou pelo porte e pela qualidade em prestação de serviços. HISTÓRICO Presente no mercado desde 1992, o GRUPO GR se consolidou pelo porte e pela qualidade em prestação de serviços. Especializado na customização de soluções em segurança patrimonial e serviços, o

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 5: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 5.1 Conceito de ARH Sem as pessoas e sem as organizações não haveria ARH (Administração de Recursos Humanos). A administração de pessoas

Leia mais

POLÍTICAS. Política de Gestão de Riscos Página 1 de 12

POLÍTICAS. Política de Gestão de Riscos Página 1 de 12 Política de Gestão de Riscos Página 1 de 12 ÍNDICE 1. FINALIDADE...2 2. AMPLITUDE...2 3. CONCEITOS RELACIONADOS A RISCO...2 3.1. Risco... 2 3.1.1. Risco Residual... 2 3.2. Natureza do Risco... 3 3.3. Categoria

Leia mais

Países em que a organização opera e em que suas principais operações estão localizadas

Países em que a organização opera e em que suas principais operações estão localizadas ÍNDICE REMISSIVO GRI GRI G434 Opção de acordo Essencial CONTEÚDOS PADRÃO GERAIS Indicador e Descrição Onde encontrar / Resposta ESTRATÉGIA E ANÁLISE G41 Mensagem do Presidente Mensagem do Presidente PERFIL

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL Última atualização: Agosto/2014 EXCLUSIVO PARA USO INTERNO Produzido pelas área de Risco Operacional Aprovado e revisado pela Diretoria Executiva A reprodução

Leia mais

1º Congresso Alianças Sociais Responsabilidade Social Corporativa em prol da Sustentabilidade

1º Congresso Alianças Sociais Responsabilidade Social Corporativa em prol da Sustentabilidade 1º Congresso Alianças Sociais Responsabilidade Social Corporativa em prol da Sustentabilidade Curitiba 30 de outubro de 2012 Agenda Sustentabilidade: Várias Visões do Empresariado Desenvolvimento sustentável;

Leia mais

Os Princípios do Equador e o Desempenho Socioambiental do Setor Financeiro

Os Princípios do Equador e o Desempenho Socioambiental do Setor Financeiro Avaliação do desempenho socioambiental de projetos com foco nos Princípios do Equador e Parâmetros de Desempenho do IFC Os Princípios do Equador e o Desempenho Socioambiental do Setor Financeiro São Paulo,

Leia mais

Prospecção de demanda de trabalhadores para a infraestrutura

Prospecção de demanda de trabalhadores para a infraestrutura 1 Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base Prospecção de demanda de trabalhadores para a infraestrutura Colóquio Tendências e Desafios da Formação de Trabalhadores para o Desenvolvimento

Leia mais

Mishcon de Reya em Poucas Palavras

Mishcon de Reya em Poucas Palavras Mishcon de Reya em Poucas Palavras É um negócio. Mas é pessoal. MISHCON DE REYA É um negócio. Mas é pessoal. Nossa reputação foi construída na atuação jurídica para pessoas físicas enquanto assessores

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO RESPONSÁVEL E DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE INVESTIMENTO RESPONSÁVEL E DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL SUL AMÉRICA INVESTIMENTOS DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S.A POLÍTICA DE INVESTIMENTO RESPONSÁVEL E DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Índice: 1 OBJETIVO 2 2 CONCEITOS E DEFINIÇÕES 2 3

Leia mais

Correntes de Participação e Critérios da Aliança Global Wycliffe [Versão de 9 de maio de 2015]

Correntes de Participação e Critérios da Aliança Global Wycliffe [Versão de 9 de maio de 2015] Correntes de Participação e Critérios da Aliança Global Wycliffe [Versão de 9 de maio de 2015] Introdução As Organizações da Aliança Global Wycliffe desejam expressar a unidade e a diversidade do Corpo

Leia mais

Política Nacional de Mobilidade Urbana e Construção do Plano de Mobilidade

Política Nacional de Mobilidade Urbana e Construção do Plano de Mobilidade Ministério das Cidades SeMOB - Secretaria Nacional de Transportes e da Mobilidade Urbana Política Nacional de Mobilidade Urbana e Construção do Plano de Mobilidade Porto Alegre RS Abril de 2015 Política

Leia mais

GOVERNANÇA DE TI: Um desafio para a Auditoria Interna. COSME LEANDRO DO PATROCÍNIO Banco Central do Brasil

GOVERNANÇA DE TI: Um desafio para a Auditoria Interna. COSME LEANDRO DO PATROCÍNIO Banco Central do Brasil GOVERNANÇA DE TI: Um desafio para a Auditoria Interna COSME LEANDRO DO PATROCÍNIO Banco Central do Brasil Programação da Apresentação Evolução da Auditoria Interna de TI no Banco Central; Governança de

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Compressores de parafuso

Compressores de parafuso Construídos para toda a vida Compressores de parafuso SÉRIE SM Capacidade: 0.45 a 1.20 m³/min Pressão: 7.5 a 13 bar Compressor de parafusos rotativos Máxima Eficiência e Confiabilidade Há anos os consumidores

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A LEGISLAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Atualizadas pela Lei Brasileira de Inclusão da PCD (Lei 13.

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A LEGISLAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Atualizadas pela Lei Brasileira de Inclusão da PCD (Lei 13. PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A LEGISLAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Atualizadas pela Lei Brasileira de Inclusão da PCD (Lei 13.146/2015) Sumário: I Direitos previstos na Constituição Federal II Direitos

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental Sumário 1 Introdução... 1 1.1 Objetivo da Política... 1 1.2 Princípios e Diretrizes... 1 2 Governança... 2 3 Partes Interessadas... 2 4 Definição de Risco Socioambiental...

Leia mais

Normas sobre a Equiparação de Oportunidades para Pessoas com Deficiência Parte 3

Normas sobre a Equiparação de Oportunidades para Pessoas com Deficiência Parte 3 Normas sobre a Equiparação de Oportunidades para Pessoas com Deficiência Parte 3 As normas sobre equiparação de oportunidades para pessoas com deficiência foram adotadas pela Assembléia Geral das Nações

Leia mais

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES JANEIRO 2013 ÍNDICE DE CONTEÚDOS Introdução...1 Antes das Três Linhas: Supervisão do Gerenciamento

Leia mais

CAPÍTULO XI FINANÇAS

CAPÍTULO XI FINANÇAS CAPÍTULO XI FINANÇAS A. INVESTIMENTO DOS FUNDOS DA ASSOCIAÇÃO As decisões referentes aos investimentos da associação deverão tomar como base as declarações sobre normas de investimentos para o Fundo Geral

Leia mais

Baterias Saft para óleo e gás. Fornecendo energia segura, onde quer que você esteja

Baterias Saft para óleo e gás. Fornecendo energia segura, onde quer que você esteja Baterias Saft para óleo e gás Fornecendo energia segura, onde quer que você esteja Saft: a opção certa para as exigentes Em um mundo onde as demandas de energia estão crescendo, as empresas de óleo e gás

Leia mais

Política de Responsabilidade So cio Ambiental

Política de Responsabilidade So cio Ambiental Política de Responsabilidade So cio Ambiental Sumário 1. FINALIDADE:... 4 2. ABRANGÊNCIA:... 4 3. DIVULAGAÇÃO... 4 4. IMPLEMENTAÇÃO... 4 5. SUSTENTABILIDADE EM NOSSAS ATIVIDADES... 4 6. REVISÃO DA POLÍTICA...

Leia mais

GE ADMINISTRAÇÃO DE CADEIAS PRODUTIVAS E LOGÍSTICA EMPRESARIAL

GE ADMINISTRAÇÃO DE CADEIAS PRODUTIVAS E LOGÍSTICA EMPRESARIAL GE ADMINISTRAÇÃO DE CADEIAS PRODUTIVAS E LOGÍSTICA EMPRESARIAL 1 Composição do GELOG 1)- ANTONIO SAMPAIO 2)- ANA CLAUDIA BELFORT 3)- DOMINGOS ALVES CORRÊA NETO 4)- JOSINEI RODRIGUES 5)- LUIZ PAULO ZANI

Leia mais

ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações

ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações ParasalvaroeBookemseucomputador,aproxime o mouse do quadrado vermelho clique no ícone 0 INTRODUÇÃO 1 OBJETIVO PROGRAMA 2 REFERÊNCIAS NORMATIVAS

Leia mais

Segurança Patrimonial - Sistema de Informações para Proteção Patrimonial

Segurança Patrimonial - Sistema de Informações para Proteção Patrimonial Segurança Patrimonial - Sistema de Informações para Proteção Patrimonial Conheça mais sobre a coleta de dados por meio de bastão de rondas, entrevistas e auditorias. Artigo Publicado no Jornal da Segurança

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1/9 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Princípios... 4 4. Diretrizes... 4 4.1. Estrutura de Governança... 4 4.2. Relação com as partes interessadas...

Leia mais

I INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife novembro 2013

I INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife novembro 2013 I INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife novembro 2013 As Redes Metrológicas Estaduais As Redes Metrológicas são específicas e tecnológicas pela atuação. Foram criadas espontaneamente pela

Leia mais