ANÁLISE COMPARATIVA DOS RECURSOS COESIVOS NAS PROPAGANDAS DA BOMBRIL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE COMPARATIVA DOS RECURSOS COESIVOS NAS PROPAGANDAS DA BOMBRIL"

Transcrição

1 ANÁLISE COMPARATIVA DOS RECURSOS COESIVOS NAS PROPAGANDAS DA BOMBRIL Flávia Barbosa Ilidio Luciana Garcia Monica M. M. Trindade Vinicius Ezau da Silva Michelle Ap.dos Santos Jenyffer S. S. Pereira (G-CLCA-UENP/C J) Vera Maria Ramos Pinto (Orientadora CLCA-UENP/CJ.) Neste artigo, apresentamos uma análise comparativa de anúncios publicitários da Bombril, veiculados nas décadas de 80 e 90 com os veiculados na atualidade. Nosso objetivo, com essa análise, é o de identificar os mecanismos de coesão empregados nas mensagens dos anúncios, mostrar a sua função específica no contexto do enunciado em que foram usados, a fim de constatarmos quais desses recursos coesivos foram os mais recorrentes. Fundamentação Teórica Coesão textual Koch ( 1989, p. 19) afirma que o conceito de coesão textual diz respeito a todos os processos de sequencialização que asseguram ou tornam recuperável uma ligação linguística significativa entre os elementos que ocorrem na superfície de um texto. A autora aponta duas grandes modalidades de coesão, tomando por base a função dos mecanismos coesivos na construção da textualidade: a coesão referencial e a coesão sequencial. Coesão referencial -neste tipo de coesão, um componente da superfície textual faz referência a outro componente, já mencionado antes. Para esta referência, são largamente empregados os pronomes pessoais de terceira pessoa (retos e oblíquos), pronomes possessivos, demonstrativos, indefinidos, interrogativos, relativos, diversos tipos de numerais, advérbios (aqui, ali, lá, aí), artigos. Estes marcam as retomadas de elementos ao longo do texto, no nosso trabalho, ao longo da mensagem dos anúncios que foram estudados. Já a coesão sequencial refere-se ao segmento, desenvolvimento do texto, e é feita por diversos tipos de relação semânticas ou pragmáticas, a medida em que o texto decorre e se 157

2 desenvolve; é a ligação, o nexo que se estabelece entre as partes de um texto, mesmo que não seja aparente. Contribuem para esta ligação elementos de natureza gramatical conjunções, locuções conjuntivas, preposições, locuções preposicionais. Koch (1989) diz que coesão sequencial é feita pelos conectivos textuais. Além da coesão textual encontrada nos anúncios publicitários, há, também, outros elementos responsáveis pela textualidade, como a intencionalidade e a aceitabilidade. Entre as muitas propriedades que fazem de um conjunto de palavras um texto, figuram aquelas ligadas aos interlocutores, as quais, na literatura linguística, tem sido denominadas de intencionalidade e aceitabilidade. A primeira, concerne ao emissor do ato verbal; a segunda, ao destinatário. Ambas, ressaltam o caráter interativo da atividade verbal (ANTUNES, 2009, p. 75). Podemos perceber nos anúncios publicitários, essa ligação de intencionalidade e aceitabilidade. A intencionalidade seria o modo como os anunciantes (interlocutores) buscam cooperar para que nós, receptores, possamos processar os sentidos e as intenções do que nos está sendo apresentado, no caso os produtos da marca BomBril, a intenção de mostrar os benefícios que os produtos da marca oferecem aos consumidores. E a aceitabilidade corresponde à predisposição do receptor entender, calcular e captar o que o produto oferece, para assim adquiri-los. Os anúncios da Bombril A empresa brasileira BomBril foi fundada em Começou fabricando lã de aço e atualmente produz uma variedade de produtos de limpeza.a marca é considerada um ícone da história da propaganda brasileira e mundial. Foi eleita em como a Marca do Século, concorrendo com 21 marcas prestigiadas de todo o país. Entrou para o Guiness Book of Records por ter a campanha publicitária televisiva que ficou mais tempo no ar em toda a história da propaganda mundial, com a atuação do ator, garoto propaganda da marca, Carlos Alberto Bonetti Moreno. A primeira propaganda da Bombril com Carlos Moreno foi criada pela agência de publicidade DPZ, fundada em por Roberto Duailibi, Francesc Petit e José Zaragoza. 158

3 Em 1.978, Fracesc Petit, como diretor de arte, junto com Washington Olivetto, como redator, fizeram o personagem mais famoso da televisão brasileira. Carlos Moreno, o ator da propaganda, gravou mais de 344 anúncios. Sua atuação começou em e teve a sua despedida em Mas, para alegria dos consumidores e para combater a concorrente ASSOLAN, o garoto da Bombril voltou a atuar com a criatividade e irreverência de sempre no ano de Análise das propagandas da Bombril Propaganda 1: década de 80 Legenda: O Fort é um amoníaco tão forte que devia se chamar demoníaco. Na limpeza geral, o Fort faz coisas que até Deus duvida. Ele é o mais forte dos amoníacos. Com Fort você manda toda a sujeira pro inferno. Fort. O amoníaco da Bombril. Nessa propaganda do amoníaco Fort, da marca Bombril, veiculada em revistas e jornais no ano de 1982, foram usado recursos verbais e não verbais, na tentativa de convencer o leitor sobre a superioridade e eficácia do produto. No texto verbal, encontramos vários elementos de coesão, conferindo unidade de sentido ao texto. Coesão lexical 159

4 Na oração O Fort é um amoníaco, como na última frase do enunciado, que está funcionando como SLOGAN do produto: Fort. O amoníaco da Bombril, a coesão lexical é feita pela relação do termo Fort (marca do produto) com o termo amoníaco (produto), constituindo assim relação semântica hiponímia/hiperonímia, ou seja, de um termo específico (hiperônimo com o seu genérico (hiperônimo). Coesão por conexão No enunciado : O Fort é um amoníaco tão forte que devia se chamar demoníaco, a locução conjuntiva consecutiva tão que (tão forte que) estabelece relação semântica de consequência com a oração anterior. Em seguida, temos a conjunção até, na oração Na limpeza geral, Fort faz coisas que até Deus duvida, estabelecendo relação de inclusão. Coesão referencial Ele é o mais forte dos amoníacos. O pronome pessoal ele é um elemento anafórico, pois está se referindo ao Fort (o amoníaco), termo já expresso anteriormente. Propaganda 2: década de

5 Nesta propaganda do sabão em pó Tanto, da Bombril, temos o texto verbal com o seguinte enunciado: Nada rende tanto quanto Tanto! Nada limpa tanto quanto Tanto! Nada perfuma tanto quanto Tanto! E nada melhor que comprar aqui! Com essas palavras, associada à imagem do garoto propaganda da Bombril, Carlos Moreno, observamos total intenção de persuadir o leitor/ consumidor a adquirir o produto, o sabão em pó, colocando em destaque as diversas propriedades do produto de lavar roupas, como rende, limpa e perfuma, mais que qualquer outro sabão em pó. Na construção desse enunciado, encontramos elementos da coesão por conexão por comparação, confrontando dois elementos com a finalidade de identificar semelhanças entre eles ou diferenças entre segmentos distintos. Nada rende tanto quanto Tanto! Nada limpa tanto quanto Tanto! Nada perfuma tanto quanto Tanto! E nada melhor que comprar aqui! Os conectores comparativos tanto/quanto e melhor que evidenciam a superioridade do sabão em pó com relação a qualquer outro produto desse gênero de limpeza.além do mais, há o trocadilho com o nome do sabão quanto/ Tanto. Também encontramos a conjunção aditiva e, outro elemento de conexão, acrescentando mais uma idéia acerca do melhor lugar para se comprar o sabão Tanto. Vale mencionarmos, ainda, que, nesse enunciado, temos o recurso da repetição da mesma estrutura sintática nos três primeiros enunciados, chamado de Paralelismo Sintático ou Recorrência de Estruturas, dando uma progressão sequencial ao texto, preenchida com itens lexicais diferentes: rende, limpa, perfuma e melhor. Nada rende tanto quanto Tanto! Nada limpa tanto quanto Tanto! Nada perfuma tanto quanto Tanto! E nada melhor que comprar aqui! 161

6 E o recurso da repetição propriamente dita (o pronome indefinido Nada no início dos enunciados e a palavra Tanto no final) com fins enfáticos, ou seja, realçar a qualidade do produto. Na estilística, a repetição de uma palavra no início de frases e versos é chamada de anáfora e no final de epístrofe. Nada rende tanto quanto Tanto! Nada limpa tanto quanto Tanto! Nada perfuma tanto quanto Tanto! E nada melhor que comprar aqui! Também há coesão referencial dêitica (aqui) E nada melhor que comprar aqui! - mostrando o lugar para se comprar o produto no WAL*MART, com uma frase em baixo com o sentido de explicação/causa :preço sempre menor, vida sempre melhor. Propaganda 3: ano 2000 : Legenda: Uma campanha brilhante. Uma final brilhante. Uma taça brilhante. É preciso dizer quem é o patrocinador? 162

7 A caricatura acima é um anúncio da BomBril que foi veiculado no jornal O Lance, em homenagem ao Santos Futebol Clube, por ter sido vencedor do Campeonato Estadual Paulista de O anunciante usa de polissemia, empregando a palavra brilhante, com dois sentidos diferentes: - excelente/notável: para caracterizar o campeonato realizado pelo Santos. - luminoso/ reluzentes: para caracterizar a maneira que o BOMBRIL deixa o utensílio brilhando.assim o publicitário deixa a frase com sentido ambíguo. No final, traz a frase É preciso dizer quem é o patrocinador?, querendo mostrar ao público que, para tudo isso ter sido brilhante, o patrocinador só pode ser BOMBRIL. Ainda, para compreensão da propaganda, é necessária a análise da imagem, onde se pode observar Carlos Moreno junto a um peixe, símbolo do time Santos, é preciso também que o receptor saiba que este time foi campeão do Campeonato Paulista. Propaganda 4: 2008 : Legenda:Se você também quer a casa branca, use Good Bril. Nesta propaganda da lã de aço Bombril, temos a conjunção condicional se, funcionando como mecanismo coesivo de conexão com a oração principal, estabelecendo 163

8 relação semântica de condição, fator que confere ao produto qualidade e poder de limpeza, pois se a dona de casa quiser ter a sua casa branca ( limpa), deve usar Bombril. Se você também quer a casa branca / use Good Bril. Já a palavra também exerce função coesiva de inclusão. Há o pressuposto de que, além de quem lê (se pensarmos no público alvo que o anúncio deseja atingir : as mulheres, principalmente as donas de casa), existem outras pessoas que desejam ter a casa branca, no contexto, Barack Obama, presidente dos E.U.A. Vale mencionarmos aqui que, para compreender esse enunciado, o leitor deve associá - lo à imagem do ator Carlos Moreno e ter conhecimento de mundo acerca do atual presidente dos Estados Unidos, visto que Carlos Moreno está caracterizado de Barack Obama, e perceber o sentido ambíguo da expressão casa branca : casa branca = casa limpa; Casa Branca sede do Presidente da República americana. Daí também o porquê do uso da palavra inglesa Good, no lugar de bom, para se referir à palha de aço BOMBRIL. Propaganda 5: 2010 Cara 04/06/

9 Nesta propaganda, além dos recursos não verbais, a imagem do garoto-propaganda da Bombril e as esponjas Scott Brite, a esponja de lã de aço da Bombril, as cores vivas, a logomarca da BOMBRIL colocada ao fundo, temos o texto verbal com o seguinte enunciado: Bombril dá de 1001 a zero nos inimigos da natureza. Não aja contra a natureza. Use bom bril. Você usa, joga fora, ele enferruja, desmancha e some. É mais higiênico, não acumula bactérias e não agride a natureza. e deixa tudo brilhando sem riscar.. BOM BRIL. 100% ECOLOGICO. 100% BRASIL. Assim, com a intenção de persuadir o leitor sobre a superioridade da esponja de lã de aço da BOMMRIL, usam um tema muito atual e polêmico que é a preservação ambiental. Desse modo, deve-se usar BOMBRIL no lugar de esponjas que demoram muito para se decomporem no meio ambiente e Bombril, não. Por isso é ECO, é ecológico. Na construção desse enunciado, encontramos os seguintes elementos de coesão: Coesão por elipse : Nas orações : Você usa, joga fora., temos o apagamento do sujeito (o pronome de tratamento você, na segunda oração, subentendido pelo contexto, uma vez que já foi expresso anteriormente); Já nas orações: Ele enferruja, desmancha e some. É mais higiênico, não acumula bactérias e não agride a natureza. E deixa tudo brilhando sem riscar, há a omissão do pronome pessoal ele, expresso na oração anterior, podendo ser recuperado nas demais orações por meio das formas verbais desmancha, some, é, acumula, agride e deixa. Nas frases : BOMBRIL. 100% ECOLÓGICO. 100% BRASIL. Encontramos a elipse da palavra Brasil nas duas seguintes. Coesão por reiteração anafórica: Na oração: ele enferruja, o pronome pessoal ele é anafórico, pois refere-se a BOMBRIL, termo já expresso antes. Coesão por conexão : Nas orações: Desmancha e some ; não acumula bactérias e não agride a natureza e deixa tudo brilhando sem riscar.a conjunção aditiva e estabelece relação de adição nas orações em que aparece. 165

10 CONSIDERÇÕES FINAIS Por meio da análise dos anúncios publicitários dos produtos da Bombril, foi-nos possível identificar vários recursos coesivos que conferem textualidade às mensagens. Identificamos, nos anúncios, coesão lexical ( com o uso de hiponímia e hiperonímia), coesão por conexão ( uso de conjunções e locuções conjuntivas), coesão referencial ( uso de elementos anafórico) e coesão por elipse. Assim, podemos afirmar que o recurso mais usado foi a coesão por conexão, tanto com a finalidade de comparar, tanto com a finalidade de adicionar e a coesão por repetição, para enfatizar a importância e competência do produto anunciado. REFERÊNCIAS: ANTUNES, Irandé. Lutar com palavras: coesão e coerência. São Paulo: Parábola, KOCH, Ingedore Villaça. A Coesão Textual.São Paulo: Contexto, Introdução à Linguística Textual: trajetória e grandes temas. São Paulo: Martins Fontes, ; ELIAS, Vanda Maria. Ler e compreender: os sentidos do texto. São Paulo: Cortez, Para citar este artigo: ILIDIO, Flávia Barbosa et al. Análise comparativa dos recursos coesivos nas propagandas da bombril. In: VII SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA SÓLETRAS - Estudos Linguísticos e Literários Anais... UENP Universidade Estadual do Norte do Paraná Centro de Letras, Comunicação e Artes. Jacarezinho, ISSN p

ANÁLISE COMPARATIVA DO DISCURSO DE ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS DA BOMBRIL

ANÁLISE COMPARATIVA DO DISCURSO DE ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS DA BOMBRIL ANÁLISE COMPARATIVA DO DISCURSO DE ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS DA BOMBRIL Jhonatas Garagnani de Souza Juliano Cesar Teixeira Leandro Manzalli de Oliveira Paula Fernanda L. de Carvalho (G-UENP/CLCA-CJ) Vera

Leia mais

POLISSEMIA E HOMONÍMIA: EMPRÉSTIMOS DENTRO DA PRÓPRIA LÍNGUA

POLISSEMIA E HOMONÍMIA: EMPRÉSTIMOS DENTRO DA PRÓPRIA LÍNGUA POLISSEMIA E HOMONÍMIA: EMPRÉSTIMOS DENTRO DA PRÓPRIA LÍNGUA Adriane Rita dos Santos Jhesyka da Silva Furlan Luma de Fátima Sanches Maryanne Souza Carulla Paulo Henrique Alves Capelari (G- CLCA-UENP/CJ)

Leia mais

AS DÊIXIS DISCURSIVA E SOCIAL NO UNIVERSO DAS PROPAGANDAS

AS DÊIXIS DISCURSIVA E SOCIAL NO UNIVERSO DAS PROPAGANDAS AS DÊIXIS DISCURSIVA E SOCIAL NO UNIVERSO DAS PROPAGANDAS Caiubi Teruya Maranho Camila Aparecida Baptista Desiree Bueno Tibúrcio Larissa Fávaro de Oliveira Souza (G CLCA UENP/CJ) Vera Maria Ramos Pinto

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos INTERTEXTUALIDADE E OS TEXTOS PUBLICITÁRIOS Vanessa Nogueira Maia de Sousa (UNIGRANRIO) vanessousa@yahoo.com.br RESUMO Este artigo debate a relação entre a Intertextualidade e os textos publicitários.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA COESÃO E DA COERÊNCIA EM NOSSOS TEXTOS

A IMPORTÂNCIA DA COESÃO E DA COERÊNCIA EM NOSSOS TEXTOS A IMPORTÂNCIA DA COESÃO E DA COERÊNCIA EM NOSSOS TEXTOS Áurea Maria Bezerra Machado (UNIGRANRIO) goldenmary@ig.com.br Márcio Luiz Corrêa Vilaça (UNIGRANRIO) 20 professorvilaca@gmail.com 1. Introdução O

Leia mais

A PRESENÇA DOS DÊITICOS EM JINGLES PUBLICITÁRIOS RESUMO

A PRESENÇA DOS DÊITICOS EM JINGLES PUBLICITÁRIOS RESUMO A PRESENÇA DOS DÊITICOS EM JINGLES PUBLICITÁRIOS Francislene Godoi Jenifer de Fátima Leite Leandro Manzalli Marcelo Gonçalves Mendes Marcos Antonio Ramos (Gdos- CLCA- UENP/ CJ) Vera Maria Ramos Pinto (Orientadora

Leia mais

PALAVRAS POLISSÊMICAS E HOMÔNIMAS: EFEITOS DE SENTIDO NA LINGUAGEM PUBLICITÁRIA RESUMO

PALAVRAS POLISSÊMICAS E HOMÔNIMAS: EFEITOS DE SENTIDO NA LINGUAGEM PUBLICITÁRIA RESUMO PALAVRAS POLISSÊMICAS E HOMÔNIMAS: EFEITOS DE SENTIDO NA LINGUAGEM PUBLICITÁRIA Luma de Fatima Sanches Maryanne Souza Carulla Paulo Henrique Alves Capelari (G-CLCA-UENP/CJ) Vera Maria Ramos Pinto (Orientadora-

Leia mais

ESTRANGEIRISMOS NA SALA DE AULA: PROPOSTA DE TRABALHO A PARTIR DE TEXTOS PUBLICITÁRIOS Fabiana Kelly de Souza (UFMG) fabksouza@gmail.

ESTRANGEIRISMOS NA SALA DE AULA: PROPOSTA DE TRABALHO A PARTIR DE TEXTOS PUBLICITÁRIOS Fabiana Kelly de Souza (UFMG) fabksouza@gmail. ESTRANGEIRISMOS NA SALA DE AULA: PROPOSTA DE TRABALHO A PARTIR DE TEXTOS PUBLICITÁRIOS Fabiana Kelly de Souza (UFMG) fabksouza@gmail.com 1. Introdução As línguas se modificam de acordo com as necessidades

Leia mais

A LEITURA SIGNIFICATIVA NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO DE ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS

A LEITURA SIGNIFICATIVA NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO DE ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS A LEITURA SIGNIFICATIVA NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO DE ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS Lyncoln Dias Machado Cabral (G CLCA UENP/CJ) Luiz Antonio Xavier Dias(Orientador CLCA UENP/CJ) É impossível se comunicar

Leia mais

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: Os textos publicitários

Leia mais

CHARGES ELETRÔNICAS: SOM, ANIMAÇÃO, HUMOR E CRÍTICAS

CHARGES ELETRÔNICAS: SOM, ANIMAÇÃO, HUMOR E CRÍTICAS CHARGES ELETRÔNICAS: SOM, ANIMAÇÃO, HUMOR E CRÍTICAS Larissa Fávaro de Oliveira Souza Camila Aparecida Baptista (G - CLCA - UENP/CJ) Vera Maria Ramos Pinto (Orientadora - CLCA - UENP/CJ) Introdução Inserida

Leia mais

OS MECANISMOS DE COESÃO EM CAMPANHAS DE SAÚDE

OS MECANISMOS DE COESÃO EM CAMPANHAS DE SAÚDE OS MECANISMOS DE COESÃO EM CAMPANHAS DE SAÚDE Kleiton Cassemiro do Nascimento¹ DLLEM / UFRN Kleitoncass@gmail.com RESUMO Este trabalho tem como objetivo fazer uma análise dos mecanismos de coesão adotados

Leia mais

A SUBSTITUIÇÃO HIPERONÍMICA: O PAPEL ARTICULADOR NA CONTINUIDADE DO TEXTO

A SUBSTITUIÇÃO HIPERONÍMICA: O PAPEL ARTICULADOR NA CONTINUIDADE DO TEXTO A SUBSTITUIÇÃO HIPERONÍMICA: O PAPEL ARTICULADOR NA CONTINUIDADE DO TEXTO Amanda Luiza Vizoto de Oliveira Jhonatas Garagnani de Souza Juliano Cesar Teixeira Paula Fernanda Leite de Carvalho Robson Aparecido

Leia mais

Unidade IV. Ciência - O homem na construção do conhecimento. APRENDER A APRENDER LÍNGUA PORTUGUESA APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Unidade IV. Ciência - O homem na construção do conhecimento. APRENDER A APRENDER LÍNGUA PORTUGUESA APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA A A Unidade IV Ciência - O homem na construção do conhecimento. 2 A A Aula 39.2 Conteúdos: Anúncio publicitário: A construção de um anúncio publicitário. 3 A A Habilidades: Relacionar linguagem verbal

Leia mais

UNITERMOS: Marketing esportivo, futebol, administração esportiva.

UNITERMOS: Marketing esportivo, futebol, administração esportiva. ARTIGO Paulo Lanes Lobato * RESUMO Considerando que o marketing é hoje integrante de grande parte das conversas relacionadas ao esporte e, principalmente, que se transformou na esperança do esporte em

Leia mais

QUEM LÊ ALFA É O CARA: AS RELAÇÕES ARGUMENTATIVAS ESTABELECIDAS ENTRE ENUNCIADOR E ENUNCIATÁRIO

QUEM LÊ ALFA É O CARA: AS RELAÇÕES ARGUMENTATIVAS ESTABELECIDAS ENTRE ENUNCIADOR E ENUNCIATÁRIO QUEM LÊ ALFA É O CARA: AS RELAÇÕES ARGUMENTATIVAS ESTABELECIDAS ENTRE ENUNCIADOR E ENUNCIATÁRIO Ana Karla Pereira de MIRANDA Universidade Federal do Mato Grosso do Sul PPGMEL ak_miranda@hotmail.com Resumo:

Leia mais

FUNÇÕES DA LINGUAGEM. Professor Jailton www.professorjailton.com.br

FUNÇÕES DA LINGUAGEM. Professor Jailton www.professorjailton.com.br FUNÇÕES DA LINGUAGEM Professor Jailton www.professorjailton.com.br Comunicação e Intencionalidade discursiva / Funções Intrínsecas do Texto Elementos básicos da comunicação; Texto e discurso/ a intenção

Leia mais

O USO DO IMPERATIVO NAS PROPAGANDAS DE CRÉDITO. PALAVRAS-CHAVE: propaganda; argumentação; verbo no imperativo; sequência injuntiva.

O USO DO IMPERATIVO NAS PROPAGANDAS DE CRÉDITO. PALAVRAS-CHAVE: propaganda; argumentação; verbo no imperativo; sequência injuntiva. O USO DO IMPERATIVO NAS PROPAGANDAS DE CRÉDITO Diana de Oliveira MENDONÇA 1 Maíra Dévely Silva BORGES 2 Sunamita Sâmela Simplício da SILVA 3 Departamento de Línguas e Literaturas Estrangeiras Modernas/UFRN

Leia mais

ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS CHOCANTES : QUANDO O DESVIO LEXICAL CAUSA O EFEITO CONTRÁRIO

ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS CHOCANTES : QUANDO O DESVIO LEXICAL CAUSA O EFEITO CONTRÁRIO ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS CHOCANTES : QUANDO O DESVIO LEXICAL CAUSA O EFEITO CONTRÁRIO 1 INTRODUÇÃO Dulcinéia de Castro Viana Fernando da Silva Negreiros Lays Cristina Fragate Natalia Lamino Camilo Ulisses

Leia mais

BLOG: GÊNERO TEXTUAL OU SUPORTE PARA GÊNEROS?

BLOG: GÊNERO TEXTUAL OU SUPORTE PARA GÊNEROS? BLOG: GÊNERO TEXTUAL OU SUPORTE PARA GÊNEROS? Daiane Eloísa dos Santos (G-CLCA-UENP/CJ) Geovana Lourenço de Carvalho (G-CLCA-UENP/CJ) Vera Maria Ramos Pinto (Orientadora-CLCA-UENP/CJ) Resumo: Com base

Leia mais

CURSO: COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA TURMA: CS3/CS4. Prof. Breno Brito. Apostila 5 OS TIPOS DE CAMPANHAS

CURSO: COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA TURMA: CS3/CS4. Prof. Breno Brito. Apostila 5 OS TIPOS DE CAMPANHAS CURSO: COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA TURMA: CS3/CS4 DESENVOLVIMENTO DE CAMPANHA Apostila 5 OS TIPOS DE CAMPANHAS OUTUBRO 2008 OS TIPOS DE CAMPANHAS Já vimos que campanha publicitária é um

Leia mais

A INTERVENÇÃO DA LEITURA NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE PORTUGUÊS COMO SEGUNDA LÍNGUA

A INTERVENÇÃO DA LEITURA NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE PORTUGUÊS COMO SEGUNDA LÍNGUA A INTERVENÇÃO DA LEITURA NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE PORTUGUÊS COMO SEGUNDA LÍNGUA Aline Fabiana Amorim Santos 1 (Graduanda/UFS) Evellin Heide Souza Aragão (graduanda/ufs) Laura Camila Braz de Almeida

Leia mais

CESPE DETRAN / PA Médico 2006 Nível Superior

CESPE DETRAN / PA Médico 2006 Nível Superior CESPE DETRAN / PA Médico 2006 Nível Superior Texto para as questões 1 e 2 A conservação e o uso sustentável da diversidade 1 biológica a enorme variedade de vida na Terra é essencial para o nosso desenvolvimento

Leia mais

A ICONICIDADE LEXICAL E A NOÇÃO DE "VER COMO

A ICONICIDADE LEXICAL E A NOÇÃO DE VER COMO A ICONICIDADE LEXICAL E A NOÇÃO DE "VER COMO Ana Lúcia Monteiro Ramalho Poltronieri Martins (UERJ) anapoltronieri@hotmail.com Darcilia Marindir Pinto Simões (UERJ) darciliasimoes@gmail.com 1- Da noção

Leia mais

Compreensão/Expressão oral

Compreensão/Expressão oral ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL 3º C.E.B DISCIPLINA: Português ANO: 7º ANO : 2011/2012 SEQUÊNCIA 1 COMPETÊNCIAS/ Compreensão/Expressão oral Dispor-se a escutar. LEITURA

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH,

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH, BORBA, Valquíria C. Machado. Resenha de Cohesion in English, de Halliday & Hassan. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. V. 4, n. 6, março de 2006. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. RESENHA DE

Leia mais

Para passar no vestibular? Só costurando!

Para passar no vestibular? Só costurando! 1 Autor: Eleni Cruz Pereira NRE: Cascavel Escola: Colégio Est. Victório Manoel Abrozino. Ensino Fundamental e Médio. Disciplina: Língua Portuguesa ( ) Ensino Fundamental ( X ) Ensino Médio Disciplina da

Leia mais

PINTURA COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO À INTERPRETAÇÃO TEXTUAL

PINTURA COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO À INTERPRETAÇÃO TEXTUAL PINTURA COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO À INTERPRETAÇÃO TEXTUAL NASCIMENTO, Edna Ranielly do. niellyfersou@hotmail.com CABRAL, Juliana da Silva. julianacabralletras@hotmail.com SILVA, Jobson Soares da. PIBIC/Universidade

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: rádio; publicidade; Tip Top; comunicação; Apuana.

PALAVRAS-CHAVE: rádio; publicidade; Tip Top; comunicação; Apuana. RESUMO Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação Jingle da Agência Apuana Tip Top 1 Camila Sales 2 Fabia Lucia 3 Juliana Lopes 4 Kelly Fajin 5 Priscilla Fernandes 6 Tamires

Leia mais

ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA: TEMA, PROBLEMATIZAÇÃO, OBJETIVOS, JUSTIFICATIVA E REFERENCIAL TEÓRICO

ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA: TEMA, PROBLEMATIZAÇÃO, OBJETIVOS, JUSTIFICATIVA E REFERENCIAL TEÓRICO ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA: TEMA, PROBLEMATIZAÇÃO, OBJETIVOS, JUSTIFICATIVA E REFERENCIAL TEÓRICO PROF. ME. RAFAEL HENRIQUE SANTIN Este texto tem a finalidade de apresentar algumas diretrizes para

Leia mais

A INTERPRETAÇÃO DE PROVÉRBIOS NO ESTUDO DAS AFASIAS: RESULTADOS DA APLICAÇÃO DO PROTOCOLO DE PROVÉRBIOS PARODIADOS

A INTERPRETAÇÃO DE PROVÉRBIOS NO ESTUDO DAS AFASIAS: RESULTADOS DA APLICAÇÃO DO PROTOCOLO DE PROVÉRBIOS PARODIADOS A INTERPRETAÇÃO DE PROVÉRBIOS NO ESTUDO DAS AFASIAS: RESULTADOS DA APLICAÇÃO DO PROTOCOLO DE PROVÉRBIOS PARODIADOS Palavras-chave: Afasia, Provérbios, Cognição Esta pesquisa teve como objetivo analisar

Leia mais

PRODUÇÃO ORAL E ESCRITA NO EXAME CELPE-BRAS

PRODUÇÃO ORAL E ESCRITA NO EXAME CELPE-BRAS PRODUÇÃO ORAL E ESCRITA NO EXAME CELPE-BRAS Professoras: Luiza Castro Solange López Indagações: Como preparar um aluno para o exame CELPE-Bras? É importante conhecer a cultura do Brasil? Que habilidades

Leia mais

QUESTIONANDO VERDADES E SENTIDOS Luciana Pereira Rezende

QUESTIONANDO VERDADES E SENTIDOS Luciana Pereira Rezende QUESTIONANDO VERDADES E SENTIDOS Luciana Pereira Rezende Nosso trabalho fala da argumentação e como utilizamos recursos argumentativos dentro da linguagem, e esta argumentação traz tanto efeitos positivos

Leia mais

- Tudo isto através das mensagens do RACIONAL SUPERIOR, um ser extraterreno, publicadas nos Livros " SO EM DESENCANTO ". UNIVER

- Tudo isto através das mensagens do RACIONAL SUPERIOR, um ser extraterreno, publicadas nos Livros  SO EM DESENCANTO . UNIVER TIRE ALGUMAS DE SUAS DUVIDAS SOBRE CULTURA RACIONAL - O que é CULTURA RACIONAL? R - A Cultura Racional é a cultura do desenvolvimento do raciocínio. A cultura natural da Natureza. É o conhecimento da origem

Leia mais

FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1

FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1 FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1 Francisco José da Silva ROCHA Filho 2 Nathalia Aparecida Aires da SILVA 3 Sebastião Faustino PEREIRA Filho 4 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal,

Leia mais

TÍTULO: TEORIA DA RELEVÂNCIA E DISCURSO PUBLICITÁRIO: UMA ANÁLISE PRAGMÁTICA DA FORMAÇÃO DOS SENTIDOS

TÍTULO: TEORIA DA RELEVÂNCIA E DISCURSO PUBLICITÁRIO: UMA ANÁLISE PRAGMÁTICA DA FORMAÇÃO DOS SENTIDOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: TEORIA DA RELEVÂNCIA E DISCURSO PUBLICITÁRIO: UMA ANÁLISE PRAGMÁTICA DA FORMAÇÃO DOS SENTIDOS

Leia mais

REVISTAS SEMANAIS: UM SUPORTE PARA LEITURA DE VÁRIOS GÊNEROS

REVISTAS SEMANAIS: UM SUPORTE PARA LEITURA DE VÁRIOS GÊNEROS REVISTAS SEMANAIS: UM SUPORTE PARA LEITURA DE VÁRIOS GÊNEROS RAFAEL DIREITO TEIXEIRA (UENP). Resumo O trabalho com gêneros textuais é uma exigência no conteúdo programático de Língua Portuguesa do Ensino

Leia mais

III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais

III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais TEXTOS ESCRITOS POR ALUNOS SURDOS: AS MARCAS DA INTERLÍNGUA MARTINS, Tânia Aparecida 1 PINHEIRO, Valdenir de Souza 2 NOME DO GT: Educação

Leia mais

ESTUDO DAS EXPRESSÕES IDIOMÁTICAS DO PORTUGUÊS DO BRASIL: Autora: Kariny Cristina de Souza Raposo (kd-raposo@uol.com.br)

ESTUDO DAS EXPRESSÕES IDIOMÁTICAS DO PORTUGUÊS DO BRASIL: Autora: Kariny Cristina de Souza Raposo (kd-raposo@uol.com.br) Dissertação de Mestrado ESTUDO DAS EXPRESSÕES IDIOMÁTICAS DO PORTUGUÊS DO BRASIL: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO Autora: Kariny Cristina de Souza Raposo (kd-raposo@uol.com.br) Orientador: Prof. Dr. Hugo

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA Anilda Costa Alves Jamile Alves da Silva Leônidas José da Silva Jr Universidade Estadual da Paraíba anildauepb@gmail.com milygta10@hotmail.com

Leia mais

O que é esse produto? Qual é a marca do produto? Que quantidade de produto há na embalagem? Em que país foi feito o produto?

O que é esse produto? Qual é a marca do produto? Que quantidade de produto há na embalagem? Em que país foi feito o produto? RÓTULOS Rótulo é toda e qualquer informação referente a um produto que esteja transcrita em sua embalagem. O Rótulo acaba por ser uma forma de comunicação visual, podendo conter a marca do produto e informações

Leia mais

Professor: Gustavo Lambert. Módulo de Português

Professor: Gustavo Lambert. Módulo de Português Professor: Gustavo Lambert Módulo de Português Classes de s Como as gramáticas e os livros didáticos apresentam o estudo das classes de palavras? Subtantivo Adjetivo Advérbio Verbo É o nome de todos os

Leia mais

UMA LEITURA DO DISCURSO ECOLÓGICO PROPAGADO COMO MARKETING NOS ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS

UMA LEITURA DO DISCURSO ECOLÓGICO PROPAGADO COMO MARKETING NOS ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS UMA LEITURA DO DISCURSO ECOLÓGICO PROPAGADO COMO MARKETING NOS ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS Considerações Iniciais Kiára de Sousa Batista (UEPB) kiaradeamparo@hotmail.com Luciana Fernandes Nery (UEPB) lucianafernandesnery@yahoo.com.br

Leia mais

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Adriana M. das Virgens Chagas (adrianachagas3@hotmail.com) Aluna de graduação do curso de Pedagogia das Faculdades Integradas de Aracruz Luciana C.

Leia mais

ritmo; atividades. linguagem verbal e não verbal); filmes, etc); acordo com o interlocutor; respeitar opiniões alheias. textos;

ritmo; atividades. linguagem verbal e não verbal); filmes, etc); acordo com o interlocutor; respeitar opiniões alheias. textos; PLANO DE AULA 1º BIMESTRE LÍNGUA PORTUGUESA 6 º ANO CONTEÚDO ESTRUTURANTE: O DISCURSO COMO PRÁTICA SOCIALMENTE Professora: Rosangela Manzoni Siqueira CONTEÚDOS BÁSICOS: RETOMADA DOS GÊNEROS TRABALHADOS

Leia mais

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios.

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios Caro (a) aluno (a), Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. O Plano de Negócios deverá ter no máximo

Leia mais

A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO

A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO BECK, Eliane Maria Cabral (UNIOESTE)² PALAVRAS-CHAVE: interpretação, interlocutor, contexto. Resumo: Pretende-se, com este trabalho, analisar a transmissão de informação expressa

Leia mais

ISSN 2238-9113 PROJETO LUDICIDADE NA ESCOLA DA INFÂNCIA

ISSN 2238-9113 PROJETO LUDICIDADE NA ESCOLA DA INFÂNCIA 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 PROJETO LUDICIDADE NA ESCOLA DA INFÂNCIA ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO

Leia mais

Esta é uma breve análise de uma peça publicitária impressa que trabalha com o

Esta é uma breve análise de uma peça publicitária impressa que trabalha com o Chapeuzinho Vermelho ou Branca de Neve? O sincretismo imagem, texto e sentido. 1 Autor: Fernanda Rodrigues Pucci 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo analisar um anúncio de publicidade impressa em

Leia mais

ANAIS 2010 ISSN 1808-3579 CARACTERÍSTICAS DO GÊNERO ANÚNCIO PUBLICITÁRIO SOB AS ÓTICAS DE BAKHTIN E BRONCKART RESUMO

ANAIS 2010 ISSN 1808-3579 CARACTERÍSTICAS DO GÊNERO ANÚNCIO PUBLICITÁRIO SOB AS ÓTICAS DE BAKHTIN E BRONCKART RESUMO CARACTERÍSTICAS DO GÊNERO ANÚNCIO PUBLICITÁRIO SOB AS ÓTICAS DE BAKHTIN E BRONCKART Tatiele J. Faria (GP - Leitura e Ensino CLCA-UENP/ CJ) Vera Maria Ramos Pinto (Orientadora - GP Leitura e Ensino CLCA

Leia mais

O discurso de mídia em relação a mulher 1

O discurso de mídia em relação a mulher 1 O discurso de mídia em relação a mulher 1 GLÁUCIA PEREIRA DE SOUZA UNIVERSIDADE CATOLICA DE BRASILIA O objetivo desta comunicação é fazer uma primeira discussão sobre o discurso da mídia em relação à mulher,

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA LOGOTIPO MACMILLAN BRASIL Utilização colorido; preto/branco e negativo Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que

Leia mais

Por mais verba, clubes alteram programa de sócio-torcedor

Por mais verba, clubes alteram programa de sócio-torcedor B O L E T I M OFERECIMENTO QUINTA-FEIRA, 7 DE MAIO DE 2015 NÚMERO DO DIA 221 mi lucrou a Adidas no trimestre, resultado 8% melhor que no mesmo período do ano passado EDIÇÃO 249 Por mais verba, clubes alteram

Leia mais

A TV INVADIU A REALIDADE.

A TV INVADIU A REALIDADE. A TV INVADIU A REALIDADE. SUA EMOÇÃO ACABA DE GANHAR AINDA MAIS REALIDADE. É A SUA SKY COM QUALIDADE DE IMAGEM E SOM IMPRESSIONANTES. A partir de agora, você tem nas mãos a maior evolução da TV por assinatura.

Leia mais

04. Sem perder de vista a sua relação com o texto, alguns vocábulos em destaque aparecem nos 5 trechos abaixo, seguidos de uma análise gramatical:

04. Sem perder de vista a sua relação com o texto, alguns vocábulos em destaque aparecem nos 5 trechos abaixo, seguidos de uma análise gramatical: CONHECIMENTOS BÁSICOS 2 NAS QUESTÕES NUMERADAS DE 01 A 10, ASSINALE A ÚNICA ALTERNATIVA QUE RESPONDE CORRETAMENTE AO ENUNCIADO. LÍNGUA PORTUGUESA LEIA O TEXTO A SEGUIR PARA RESPONDER ÀS QUESTÕES NUMERADAS

Leia mais

O MODO DE ORGANIZAÇÃO ENUNCIATIVO NAS PUBLICIDADES DA NOVA SCHIN 1

O MODO DE ORGANIZAÇÃO ENUNCIATIVO NAS PUBLICIDADES DA NOVA SCHIN 1 O MOO E ORGANIZAÇÃO ENUNCIATIVO NAS PUBLICIAES A NOVA SCHIN 1 Graciele Silva REZENE (UFMG) 2 Renato de MELLO (UFMG) 3 RESUMO: Neste artigo, analisamos como o anunciante utiliza o modo enunciativo nas publicidades

Leia mais

O E-TEXTO E A CRIAÇÃO DE NOVAS MODALIDADES EXPRESSIVAS. Palavras-chave: texto, e-mail, linguagem, oralidade, escrita.

O E-TEXTO E A CRIAÇÃO DE NOVAS MODALIDADES EXPRESSIVAS. Palavras-chave: texto, e-mail, linguagem, oralidade, escrita. Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 191 195 O E-TEXTO E A CRIAÇÃO DE NOVAS MODALIDADES EXPRESSIVAS MARQUES, Fernanda Vieira ANDRADE, Antonio Carlos Siqueira de Palavras-chave: texto,

Leia mais

O Planejamento Participativo

O Planejamento Participativo O Planejamento Participativo Textos de um livro em preparação, a ser publicado em breve pela Ed. Vozes e que, provavelmente, se chamará Soluções de Planejamento para uma Visão Estratégica. Autor: Danilo

Leia mais

Coesão e Coerência no Texto Jurídico: Reflexões para uma Comunicação mais eficiente

Coesão e Coerência no Texto Jurídico: Reflexões para uma Comunicação mais eficiente Coesão e Coerência no Texto Jurídico: Reflexões para uma Comunicação mais eficiente Maria Clara Silveira Silva RESUMO: Estas reflexões são uma tentativa de mostrar àqueles que fazem o curso de direito

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. Disciplina Inglês. Prova 367 2015. Tipo de Prova Escrita e Oral. Ensino Secundário

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. Disciplina Inglês. Prova 367 2015. Tipo de Prova Escrita e Oral. Ensino Secundário INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Disciplina Inglês Prova 367 2015 Tipo de Prova Escrita e Oral Ensino Secundário O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência à

Leia mais

Conteúdos: Funções da Linguagem

Conteúdos: Funções da Linguagem Conteúdos: Funções da Linguagem Habilidades: Analisar a função da linguagem utilizada em diferentes gêneros textuais, de acordo com a sua finalidade comunicativa; Habilidades: Identificar e classificar

Leia mais

MONTAGEM DO ANÚNCIO PUBLICITÁRIO. Profa. Katiuscia Linguagem Publicitária

MONTAGEM DO ANÚNCIO PUBLICITÁRIO. Profa. Katiuscia Linguagem Publicitária MONTAGEM DO ANÚNCIO PUBLICITÁRIO Profa. Katiuscia Linguagem Publicitária TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO Texto literário: aquele em que há predomínio da função poética e uso especial da linguagem para

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA DADOS DO CAMPUS PROPONETE 1. Campus São José. Aprovação do

Leia mais

O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO

O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO Mayrla Ferreira da Silva; Flávia Meira dos Santos. Universidade Estadual da Paraíba E-mail: mayrlaf.silva2@gmail.com

Leia mais

CURIOSIDADES GRÁFICAS

CURIOSIDADES GRÁFICAS CURIOSIDADES GRÁFICAS 1. USO DOS PORQUÊS POR QUE: usado em frases interrogativas diretas e indiretas; quando equivale a pelo qual e flexões e quando depois dessa expressão vier escrita ou subentendida

Leia mais

DEFICIÊNCIA INTELECTUAL: DIMENÇÕES CONCEITUAIS E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS

DEFICIÊNCIA INTELECTUAL: DIMENÇÕES CONCEITUAIS E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DEFICIÊNCIA INTELECTUAL: DIMENÇÕES CONCEITUAIS E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) Departamento Educação e Sociedade (DES) Programa de Pós-Graduação em Educação,

Leia mais

COMPENSAÇÃO DE FALTAS CLÁSSICOS DA LITERATURA. Trabalho de Literatura / Pedagogia

COMPENSAÇÃO DE FALTAS CLÁSSICOS DA LITERATURA. Trabalho de Literatura / Pedagogia Nº 2 COMPENSAÇÃO DE FALTAS CLÁSSICOS DA LITERATURA Trabalho de Literatura / Pedagogia Elaborado por: Prof. Esp. Tiago S. de Oliveira psicotigl@yahoo.com.br / www.professortiago.jimdo.com Introdução Tarefa

Leia mais

A linguagem publicitária e os recursos lingüísticos utilizados nas campanhas de prevenção à AIDS

A linguagem publicitária e os recursos lingüísticos utilizados nas campanhas de prevenção à AIDS A linguagem publicitária e os recursos lingüísticos utilizados nas campanhas de prevenção à AIDS Neide Aparecida Arruda de Oliveira Carla Brant Wurthmann Saad Cátia Aparecida de Carvalho Nunes Elem Nepomuceno

Leia mais

Estudo dirigido capítulo 3 e 5 Aluno: Nº

Estudo dirigido capítulo 3 e 5 Aluno: Nº O Ensino Fundamental Ano: 8º HISTÓRIA- 1ª ETAPA/2016 Professora: Renata Turma: Estudo dirigido capítulo 3 e 5 Aluno: Nº Data: / /2016 1-Explique como as ideias iluministas contribuíram para a efetivação

Leia mais

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1 PRODUZINDO UM DIÁLOGO

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1 PRODUZINDO UM DIÁLOGO SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1 PRODUZINDO UM DIÁLOGO Páginas 3-6 1. a) A receita culinária, nome do gênero em questão, costuma ser utilizada em livros para aprendizado culinário ou em livros de registro para

Leia mais

Página 556 01. a) Porque concordam com o substantivo tarefas (plural). b) Porque concorda com extinção (singular).

Página 556 01. a) Porque concordam com o substantivo tarefas (plural). b) Porque concorda com extinção (singular). Página 556 a) Porque concordam com o substantivo tarefas (plural). b) Porque concorda com extinção (singular). c) Sim, porque concorda com tarefas [uma tarefa das tarefas mais tradicionais e importantes

Leia mais

ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO. Palavras-chave: resolução de problemas; jogo; problematizações.

ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO. Palavras-chave: resolução de problemas; jogo; problematizações. ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO Cidinéia da Costa Luvison SME Bragança Paulista/SP; SEE - Morungaba/SP E-mail: cidineiadacosta.luvison@gmail.com Cleane Aparecida dos Santos

Leia mais

Programa de Educação Bilingue - II Ciclo 3ª Classe CONTEÚDOS

Programa de Educação Bilingue - II Ciclo 3ª Classe CONTEÚDOS Programa de L1-3ª Classe Família Compreender mensagens e textos orais; Distinguir a pronúncia padrão da não Respeitar as diferentes formas de expressão dos seus companheiros; Expressar-se de forma clara

Leia mais

Índice. Índice... 1. Apresentando o Nextsite... 3. Recursos... 4. Recursos Opcionais... 6. Componentes externos... 7. Gerenciando sua conta...

Índice. Índice... 1. Apresentando o Nextsite... 3. Recursos... 4. Recursos Opcionais... 6. Componentes externos... 7. Gerenciando sua conta... Índice Índice... 1 Apresentando o Nextsite... 3 Recursos... 4 Recursos Opcionais... 6 Componentes externos... 7 Gerenciando sua conta... 8 Visualização Geral... 9 Central de mensagens... 12 Minha conta...

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Departamento de Nutrição Curso de Nutrição MANUAL DE RELATÓRIO DE AULAS PRÁTICAS

Universidade Federal de Juiz de Fora Departamento de Nutrição Curso de Nutrição MANUAL DE RELATÓRIO DE AULAS PRÁTICAS Universidade Federal de Juiz de Fora 0 MANUAL DE RELATÓRIO DE AULAS PRÁTICAS Professores: Renato Moreira Nunes Cristiane Gonçalves de Oliveira Fialho Paulo Henrique Fonseca da Silva Renata Maria Souza

Leia mais

Subjetividade, afetividade, mídia 1

Subjetividade, afetividade, mídia 1 Subjetividade, afetividade, mídia 1 Edneuza Alves Universidade Católica de Brasília Nesta comunicação, analiso e discuto o relacionamento afetivo do homem moderno através da mídia, tomando como recorte

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO UFMG / 2015

CONCURSO PÚBLICO UFMG / 2015 CONCURSO PÚBLICO UFMG / 2015 MÚSICO / CORREPETIDOR-CANTO LÍNGUA PORTUGUESA / LEGISLAÇÃO SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO Antes de começar a fazer as provas: Verifique se este caderno contém provas de: Língua

Leia mais

Do Persuadir para o Educar: o chocolate Baton e a evolução do seu discurso publicitário

Do Persuadir para o Educar: o chocolate Baton e a evolução do seu discurso publicitário Do Persuadir para o Educar: o chocolate Baton e a evolução do seu discurso publicitário Rafael Picello Pascoalini Universidade Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: rafaelpicello@hotmail.com Profa. Ma. Nirave

Leia mais

Diretrizes para programas de leitura organizados por bibliotecas - algumas sugestões práticas

Diretrizes para programas de leitura organizados por bibliotecas - algumas sugestões práticas Diretrizes para programas de leitura organizados por bibliotecas - algumas sugestões práticas Introdução A Seção de Leitura da IFLA tem o prazer de apresentar algumas sugestões práticas para as bibliotecas

Leia mais

Nada a Ver. Nunca entenderei muito bem por que os pássaros são considerados símbolos de despreocupação,

Nada a Ver. Nunca entenderei muito bem por que os pássaros são considerados símbolos de despreocupação, Parte I: Língua Portuguesa Texto I Universidade Federal Fluminense Nada a Ver 5 10 Nunca entendi muito bem por que os pássaros são considerados símbolos de despreocupação, Não conheço um passarinho que

Leia mais

Retorno aos participantes: Questionário sobre o funcionamento do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF)

Retorno aos participantes: Questionário sobre o funcionamento do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF) Retorno aos participantes: Questionário sobre o funcionamento do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF) Abril 1 Este questionário foi realizado em Dezembro 13/Janeiro 1. Segue a uma

Leia mais

EDITAL EXAME DE PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA ESTRANGEIRA

EDITAL EXAME DE PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA ESTRANGEIRA EDITAL EXAME DE PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA ESTRANGEIRA O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais, campus Ouro Branco, por meio da Representação da Área de Linguagens, Códigos e

Leia mais

Departamento de Produção

Departamento de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Produção Administração e Finanças para Engenharia Alunos: Adão Gonzaga de Castro Danilo Braz da Silva Wemerson Dias Júnior Professor: Luiz Guilherme

Leia mais

MATERIAL DE AULA CURSO DE PORTUGUÊS APLICADO PROF. EDUARDO SABBAG REDE LFG

MATERIAL DE AULA CURSO DE PORTUGUÊS APLICADO PROF. EDUARDO SABBAG REDE LFG MATERIAL DE AULA CURSO DE PORTUGUÊS APLICADO PROF. EDUARDO SABBAG REDE LFG I EXERCÍCIOS SOBRE O USO DE CONECTIVOS: Observe o modelo: Frase errada: Embora o Brasil seja um país de grandes recursos naturais,

Leia mais

A mobilização de conhecimentos matemáticos no ensino de Física

A mobilização de conhecimentos matemáticos no ensino de Física Cintia Ap. Bento dos Santos Universidade Cruzeiro do Sul Brasil cintiabento@ig.com.br Edda Curi Universidade Cruzeiro do Sul Brasil edda.curi@cruzeirodosul.edu.br Resumo Este artigo apresenta um recorte

Leia mais

Reflexões sobre a Língua Portuguesa. Kátia França

Reflexões sobre a Língua Portuguesa. Kátia França Reflexões sobre a Língua Portuguesa Kátia França Níveis de aprendizagem dos alunos Abaixo do básico: os alunos demonstram que não desenvolveram as habilidades básicas requeridas para o nível de escolaridade

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

COLETÂNEA CONTINUA...

COLETÂNEA CONTINUA... Natal, 05 de abril de 2011 PROVA DE REDAÇÃO A prova de redação apresenta uma proposta de construção textual: uma CARTA ABERTA. Com a finalidade de auxiliá-lo(a) na compreensão prévia da temática em foco,

Leia mais

FENÔMENOS GRAMATICIAS RELEVANTES PARA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NO ENSINO MÉDIO PREPARATÓRIO PARA O VESTIBULAR

FENÔMENOS GRAMATICIAS RELEVANTES PARA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NO ENSINO MÉDIO PREPARATÓRIO PARA O VESTIBULAR FENÔMENOS GRAMATICIAS RELEVANTES PARA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NO ENSINO MÉDIO PREPARATÓRIO PARA O VESTIBULAR Silvone Fernandes Melchior SILVA (PG-UFG) Silvia.melchior@hotmail.com Vânia Cristina Casseb

Leia mais

Resenha: SEMPRINI, Andrea. A Marca Pós-Moderna: Poder e Fragilidade da Marca na Sociedade Contemporânea. São Paulo : Estação das Letras, 2006.

Resenha: SEMPRINI, Andrea. A Marca Pós-Moderna: Poder e Fragilidade da Marca na Sociedade Contemporânea. São Paulo : Estação das Letras, 2006. Resenha: SEMPRINI, Andrea. A Marca Pós-Moderna: Poder e Fragilidade da Marca na Sociedade Contemporânea. São Paulo : Estação das Letras, 2006. Nicole Plascak 1 Resumo: A marca pós-moderna é resultado de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Direção de Serviços da Região Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ANO LETIVO 2015 / 2016 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Prova (06) 2016 2º Ciclo do Ensino Básico O presente documento

Leia mais

LIÇÃO 1 A SUPERIORIDADE DE CRISTO Cristo é superior a tudo e a todos, portanto, reina sobre tudo e todos Hebreus 1.1-2.18; 5.1-10

LIÇÃO 1 A SUPERIORIDADE DE CRISTO Cristo é superior a tudo e a todos, portanto, reina sobre tudo e todos Hebreus 1.1-2.18; 5.1-10 LIÇÃO 1 A SUPERIORIDADE DE CRISTO Cristo é superior a tudo e a todos, portanto, reina sobre tudo e todos Hebreus 1.1-2.18; 5.1-10 1. Pesquise cinco passagens no Antigo Testamento que anunciem o Messias,

Leia mais

Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXI Prêmio Expocom 2014 Exposição da Pesquisa Experimental em Comunicação

Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXI Prêmio Expocom 2014 Exposição da Pesquisa Experimental em Comunicação Anúncio: Drogas não rimam com diversão 1 Bruno Mendes da Silva 2 Suelen Brandes Marques Valente 3 Universidade Católica de Brasília, Brasília, DF RESUMO Este trabalho foi desenvolvido para atender a um

Leia mais

Análise Cinematográfica do Curta Metragem Ilha das Flores¹ Jaderlano de Lima JARDIM² Shirley Monica Silva MARTINS³

Análise Cinematográfica do Curta Metragem Ilha das Flores¹ Jaderlano de Lima JARDIM² Shirley Monica Silva MARTINS³ Análise Cinematográfica do Curta Metragem Ilha das Flores¹ Jaderlano de Lima JARDIM² Shirley Monica Silva MARTINS³ RESUMO O premiado Ilha das Flores exibe o percurso de um tomate até chegar a um lixão

Leia mais

LEITURA DE TEXTOS GRÁFICO-VISUAIS APOIADA NA ANÁLISE LINGUÍSTICA

LEITURA DE TEXTOS GRÁFICO-VISUAIS APOIADA NA ANÁLISE LINGUÍSTICA LEITURA DE TEXTOS GRÁFICO-VISUAIS APOIADA NA ANÁLISE LINGUÍSTICA Claudia de Souza Teixeira RESUMO:Este artigo objetiva mostrar que, no trabalho com a leitura, o professor de língua materna deve realizar

Leia mais

PROVA ESCRITA. INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Abril de 2015. Duração: 90 minutos (escrita) e 15 minutos (oral)

PROVA ESCRITA. INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Abril de 2015. Duração: 90 minutos (escrita) e 15 minutos (oral) INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Abril de 2015 Prova 06 2015 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) Tipo de Prova: Escrita e Oral Duração: 90 minutos (escrita)

Leia mais

Prova Escrita (Código 21) / 2015

Prova Escrita (Código 21) / 2015 Provas de equivalência à frequência INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS maio de 20 PROVA /21 20 3º Ciclo do Ensino Básico Prova Escrita (Código 21) / 20 O presente documento divulga informação

Leia mais

PROVA TEMÁTICA/2014 Conhecimento e Expressão nas Artes e nas Ciências

PROVA TEMÁTICA/2014 Conhecimento e Expressão nas Artes e nas Ciências PROVA TEMÁTICA/2014 Conhecimento e Expressão nas Artes e nas Ciências 6 ANO / ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA DE LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS (LÍNGUA PORTUGUESA, REDAÇÃO, ARTES E LÍNGUA

Leia mais