Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42"

Transcrição

1 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa GESTÃO DE DUPLICATAS A RECEBER Entre os objetivos do gestor financeiro destaca-se como principal a maximização do lucro da empresa. Quando a margem de lucro é grande, a possibilidade da empresa optar por uma política de crédito liberal é plenamente justificável. Todavia, quando a margem de lucro é relativamente pequena, a flexibilidade do crédito pode, como consequência, aumentar o nível de incobráveis comprometendo assim a rentabilidade. Outro fator importante na política de duplicatas a receber é o montante de recursos que a empresa pode investir em capital de giro. Este volume, por sua vez, determinará maiores ou menores volumes de vendas, pois se a empresa possuir recursos limitados, terá dificuldades em conceder crédito a prazos mais longos, comprometendo a ampliação das vendas. Por outro lado, se a empresa estiver em condições de investir em duplicatas a receber, ao flexibilizar o crédito, corre o risco de ter um aumento em seu nível de incobráveis. Cabe ao gestor financeiro buscar um equilíbrio que minimize o dilema riscoretorno POLÍTICA DE CRÉDITO A política de crédito fixa parâmetros da empresa quanto à seleção, padrões e condições de crédito. No momento da definição de sua política de crédito, a empresa deve levar em consideração o fluxo de caixa proveniente desta política e o investimento para colocá-la em prática. Assim, a análise deve deter-se aos aspectos diferenciadores (incrementais) da atual política de crédito em face à política proposta. As principais medidas financeiras de uma política de crédito são o investimento de capital, o investimento em estoques, as despesas de cobrança e as despesas com devedores duvidosos SELEÇÃO DE CRÉDITO A Seleção de Crédito consiste em determinar se o crédito deve ser concedido a um cliente e o limite quantitativo a ser concedido levando em consideração: - Capacidade de pagamento (liquidez e endividamento); - Capital (solidez financeira indicada pelo patrimônio líquido); - Colateral (ativos disponíveis para garantir o crédito); - Condições (influência da conjuntura que pode afetar as partes). Obtenção de Informações: - Demonstrações contábeis e financeiras; - Empresas prestadoras de serviços; - Publicações especializadas em indicadores padrões; - Trocas diretas de informações de crédito; - Vendedores; - Visita as instalações da empresa e entrevistas com seus executivos.

2 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa PADRÕES DE CRÉDITO Padrões de Crédito: requisitos mínimos exigidos para a concessão de crédito a um cliente com segurança. Mudanças nos padrões acarretam variações: - No volume de vendas; - No investimento em duplicatas a receber; - Nas perdas com devedores incobráveis; - Nas despesas gerais de crédito e cobrança. Exemplo : A Cia. Beta vende unidades anuais a $10,00. O custo unitário variável é de $6,00 (60% das vendas) e o custo fixo é de $ A empresa pretende afrouxar os padrões de crédito esperando aumento de 5% nas vendas, aumento do período médio de recebimento de 30 para 45 dias e dos devedores incobráveis de 1% para 2% das vendas. O retorno exigido (custo de oportunidade) sobre os investimentos da empresa é de 15% ao ano. Sabendo-se que a empresa possui capacidade ociosa, pergunta-se: ela deve afrouxar os padrões de crédito? a) Organização dos Dados para Análise Vendas Anuais a Prazo Custo Variável Custo Fixo Perda com Incobráveis Prazo Médio de Recebimento b) Cálculo da Margem de Contribuição Adicional Vendas Brutas ( - ) Custo Variável ( = ) Margem de Contribuição ( - ) Custo Fixo Totais Contribuição Marginal dos Lucros

3 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 44 c) Custo do Investimento Marginal em Duplicatas a Receber Giro de Duplicatas a Receber (360 PMR) Investimento Médio em Duplicatas a Receber (Custo Variável Total Giro de Duplicatas a Receber) Investimento/(Redução de investimento) Marginal em Duplicatas a Receber Custo/(Ganho) Marginal do investimento em Duplicatas a Receber Situação Proposta d) Custo Marginal dos Devedores Incobráveis Custo/(Ganho) Marginal com Incobráveis e) Análise da Proposta Contribuição Marginal aos Lucros ( - / + ) Custo/Ganho do Investimento Marginal em Duplicatas a Receber ( - / + ) Custo/Ganho Marginal com Devedores Incobráveis Resultado Marginal Líquido com a Implementação da Proposta Conclusão: CONDIÇÕES DE CRÉDITO As condições de crédito compreendem: - Desconto financeiro; - Período para obtenção do desconto financeiro; - Período de crédito (sazonalidade das vendas, política de crédito da concorrência, natureza do produto, conjuntura econômica, prazo de pagamento dos fornecedores, metas gerenciais da empresa).

4 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 45 Exemplo: A Cia. Beta (item 2.8.3) pretende introduzir desconto de 2% para pagamento até 10 dias. Espera-se com isso que 60% das vendas serão feitas com desconto e as vendas aumentarão 5%. O PMR deve cair para 15 dias e as perdas com incobráveis cairão para 0,5% das vendas. O desconto deve ser concedido? a) Organização dos dados para Análise Vendas Anuais a Prazo Custo Variável Custo Fixo Perda com Incobráveis Desconto Financeiro Prazo Médio de Recebimento b) Margem de Contribuição Adicional Vendas Brutas ( - ) Desconto ( - ) Custo Variável ( = ) Margem de Contribuição ( - ) Custo Fixo Totais Contribuição Marginal dos Lucros c) Custo do Investimento Marginal em Duplicatas a Receber Giro de Duplicatas a Receber (360 PMR) Investimento Médio em Duplicatas a Receber (Custo Variável Total Giro de Duplicatas a Receber) Investimento/(Redução de investimento) Marginal em Duplicatas a Receber Custo/(Ganho) do investimento Marginal em Duplicatas a Receber Situação Proposta

5 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 46 d) Custo Marginal dos Devedores Incobráveis Custo/(Ganho) Marginal com Incobráveis e) Análise da Proposta Contribuição Marginal aos Lucros ( - / + ) Custo/Ganho Marginal do Investimento em Duplicatas a Receber ( - / + ) Custo/ Ganho Marginal com Devedores Incobráveis Resultado Marginal Líquido com a Implementação da Proposta Conclusão: Exercício 1: A Cia. Pesqueira está pretendendo estender seu período de crédito. A empresa vende atualmente anzóis ao preço unitário de $3,00. O período médio de cobrança é de 40 dias, os devedores incobráveis são 0,5% das vendas, o custo variável unitário é de $2,30 e o custo fixo é de $ A alteração no período de crédito deve aumentar as vendas para unidades anuais, aumentar o devedores incobráveis para 2% e estender o período médio de recebimento para 72 dias. Você recomendaria a alteração supondo que a empresa exija um retorno mínimo sobre os investimentos que faz de 18% ao ano e que tenha capacidade ociosa? a) Organização dos Dados para Análise Vendas Anuais a Prazo Custo Variável Custo Fixo Perda com Incobráveis Prazo Médio de Recebimento

6 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 47 b) Cálculo da Margem de Contribuição Adicional Vendas Brutas ( - ) Custo Variável ( = ) Margem de Contribuição ( - ) Custo Fixo Totais Contribuição Marginal dos Lucros c) Custo do Investimento Marginal em Duplicatas a Receber Giro de Duplicatas a Receber (360 PMR) Investimento Médio em Duplicatas a Receber (Custo Variável Total Giro de Duplicatas a Receber) Investimento/(Redução de investimento) Marginal em Duplicatas a Receber Custo/(Ganho) do investimento Marginal em Duplicatas a Receber Situação Proposta d) Custo Marginal dos Devedores Incobráveis Custo/(Ganho) Marginal com Incobráveis e) Análise da proposta Contribuição Marginal aos Lucros ( - / + ) Custo/Ganho do Investimento Marginal em Duplicatas a Receber ( - / + ) Custo/Ganho Marginal com Devedores Incobráveis Resultado Marginal Líquido com a Implementação da Proposta Conclusão:

7 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 48 Exercício 2: A Companhia Gardner efetua todas as suas vendas a prazo e não oferece qualquer desconto financeiro. A empresa está pretendendo introduzir um desconto financeiro de 2% para pagamento em 15 dias. O atual PMR é de 60 dias, as vendas anuais são de unidades ao preço unitário de $45, sendo o custo variável unitário de $36 e o custo fixo total de $ A empresa espera que a alteração nas condições de crédito resulte num aumento das vendas para unidades, que 70% das vendas sejam feitas com a concessão do desconto e que o PMR caia para 30 dias. Estima-se, também, uma redução de devedores incobráveis dos atuais 1% para 0,5%. Sendo a taxa de retorno exigida sobre os investimentos de igual risco de 25% ao ano, o desconto deve ser oferecido? a) Organização dos dados para Análise Vendas Anuais a Prazo ( - ) Custo Variável ( - ) Custo Fixo Perda com incobráveis Desconto Financeiro Prazo Médio de Recebimento b) Margem de Contribuição Adicional Vendas ( - ) Desconto ( - ) Custo Variável ( = ) Margem de Contribuição ( - ) Custo Fixo Totais Contribuição Marginal dos Lucros

8 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 49 c) Custo do Investimento Marginal em Duplicatas a Receber Giro de Duplicatas a Receber (360 PMR) Investimento Médio em Duplicatas a Receber (Custo Variável Total Giro de Duplicatas a Receber) Investimento/(Redução) de investimento Marginal em Duplicatas a Receber Custo/(Ganho) do Investimento Marginal em Duplicatas a Receber d) Custo Marginal dos Devedores Incobráveis Custo/(Ganho) Marginal com Incobráveis e) Análise da Proposta Contribuição Marginal aos Lucros ( - / + ) Custo/Ganho Marginal do Investimento em Duplicatas a Receber ( - / + ) Custo/Ganho Marginal com Devedores Incobráveis Resultado Marginal Líquido com a Implementação da Proposta Conclusão:

9 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa MÉTODOS PARA ADMINISTRAÇÃO DE ESTOQUES Com a finalidade de reduzir custos e minimizar risco, as empresas utilizam alguns métodos de administração de estoques cujo objetivo é manter volumes de estoques em níveis aceitáveis, dentre os quais destacam-se o Lote Econômico de Compra (LEC) e o Método ABC LOTE ECONÔMICO DE COMPRA (LEC) O lote econômico de compra, mais conhecido como LEC, é a quantidade de um item que, quando pedido regularmente, resulta em custos mínimos de pedido e de estocagem. O custo do pedido de compra (inclui os salários dos empregados do departamento de compra, o custo do tempo de uso de computadores e de suprimentos para preparar os pedidos de compras, etc.) e o custo de manutenção (despesas associadas às operações de almoxarifado e aos itens estocados). Modelo do Lote Econômico de Compra Onde: LEC = Lote Econômico de Compra CT = Custo Total Q = quantidade do pedido, em unidades D = Demanda do período, em unidades P = Custo de pedir, por pedido C = Custo de manter estoque no período, por unidade 2. D. P Q = LEC = CT = C 2DPC Exemplo 1: Vamos calcular o lote econômico e o custo total a partir dos seguintes dados: D = unidades P = $50,00 C = $1,00

10 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 51 O lote de compra corresponde a unidades. Isto significa que, se a empresa emitir pedidos com essa quantidade, estará minimizando o custo total do processamento dos pedidos e de estocagem. Vamos comprovar esse resultado através de diversas alternativas de quantidades por pedido. Quantidade por pedido Q Nº de pedidos D:Q Estoque médio Q:2 CTP CTE Custo total P x (D:Q) C x (Q:2) CTP + CTE Observe que quando: Q < 400 unidades o CTP > CTE Q > 400 unidades o CTP < CTE Q = 400 unidades o CTP = CTE Exemplo 2: O consumo anual de um item é de unidades, o custo de um pedido de compra é de $1,28, e o custo de manutenção por unidade é de $4,00. Sob essas condições calcular o LEC e o Custo Total (pedido + estocagem). Quantidade por pedido Q Nº de pedidos D:Q Estoque médio Q:2 CTP CTE Custo total P x (D:Q) C x (Q:2) CTP + CTE

11 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 52 A empresa minimizará o custo total de pedir e estocar se unidades forem requisitadas em cada pedido de compra. EXERCÍCIOS Exercício 1: Uma empresa compra unidades de um certo item por mês. O custo de manutenção mensal é de R$ 1,10 por unidade, e cada pedido de compra custa R$ 5,00. Determine: a) o LEC b) o custo total (pedido de compra + estocagem) e o número de pedidos por mês. CT = Número de Pedidos = D : LEC Exercício 2: Uma empresa usa 800 unidades de um produto por ano, de forma contínua. O produto tem um custo fixo de R$50,00 por pedido e o custo de manter uma unidade em estoque é de R$2,00 ao ano. Calcule o LEC, o custo total (pedido + estocagem) e o número de pedidos a serem emitidos por ano.

12 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa MÉTODO ABC Consiste na classificação dos itens de estoque por ordem decrescente de importância. Os estoques são divididos em três grupos: A, B e C. Grupo A: estão classificados os itens que requerem maiores investimentos e consequentemente, exigem maiores cuidados no controle, como registros permanentes, monitoramento constante, etc. Grupo B: encontram-se os itens que, embora significativos, requerem menores cuidados no seu controle. São normalmente controlados através de verificação periódica. Grupo C: são classificados todos os demais itens, normalmente em grande número, porém, de baixo investimento e que não necessitam de um controle mais rigoroso. Exemplo: Classificar em três classes A, B e C os itens abaixo, segundo a porcentagem que representam no investimento total. Item Consumo Anual (A) Preço (p/un.) (B) , , , , , , , , , ,40 Total Investimento Anual (A x B) % A partir da tabela acima, a ordem decrescente dos itens em termos de investimento é a seguinte: Investimentos Item % % Acumulada Total //////////////////

13 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 54 Grupo A - Representam 20% dos itens de estoque e...% do investimento. Grupo B - Representam 30% dos itens de estoque e...% do investimento. Grupo C - Representam 50% dos itens de estoque e...% do investimento. EXERCÍCIO 1) Classificar os itens abaixo em classes A, B e C, segundo a representatividade no investimento total: Item Consum o Anual Preço ( / un.) , , , , , , , , , ,20 Total Investimento Anual % A partir da tabela anterior, a ordem decrescente dos itens em termos de investimento é a seguinte: Investimentos Item % % Acumulada Total ////////////////// Grupo A - Representam 20% dos itens de estoque e...% do investimento. Grupo B - Representam 30% dos itens de estoque e...% do investimento. Grupo C - Representam 50% dos itens de estoque e...% do investimento.

14 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 55 2) A NP Consultoria de Estoques deseja implementar o sistema de classificação ABC para diminuir o custo de estoque da empresa Parafusos Ltda. A empresa tem um estoque com dez tipos de parafusos. Os dados a seguir referem-se às vendas desses itens no ano anterior. Item Vendas Anuais X2 (em unidades) Custo por Unidade (em reais) Custo Anual (em reais) P , ,00 P , ,00 P , ,00 P , ,00 P , ,00 P , ,00 P , ,00 P , ,00 P , ,00 P , ,00 /////// /////////////////////// /////////////////// % Separando-se os itens em grupos A, B e C (20%, 30% e 50%), com base no custo anual em valores monetários, serão classificados como pertencentes à classe B os itens: a) P1, P4 E P5. b) P2, P3 E P5 c) P4, P7 E P8 d) P6, P7 E P10 e) P9, P6 E P1

15 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa PLANEJAMENTO FINANCEIRO DE LONGO PRAZO 3.1. ORÇAMENTO DE CAPITAL Este capítulo tem por finalidade apresentar os principais aspectos a serem considerados na formulação de alternativas de aplicação de recursos a longo prazo por uma empresa. Em geral, as considerações são válidas primordialmente para o investimento de recursos envolvendo ativos fixos, isto é, aplicações de longos períodos de maturação. Por isso mesmo é que o fator tempo adquire importância destacada nas análises de sua viabilidade. Os métodos de avaliação serão apresentados, não sem antes indicar-se como devem ser preparados os dados essenciais para a análise e qual a sua natureza. Serão destacados os métodos de fluxo de caixa descontado que se baseiam no conceito de valor de dinheiro no tempo ou valor atual. Na verdade, embora os exemplos mais usuais refiram-se à avaliação da rentabilidade de uma fábrica ou até de um projeto industrial (empresa como um todo), os métodos podem ser aplicados a qualquer tipo de investimento com saídas de caixa no tempo - em geral no início, mas não necessariamente e entradas de caixa posteriores. DADOS ESSENCIAIS PARA A AVALIAÇÃO Para avaliar o que foi definido como projeto, a primeira preocupação deve dizer respeito à determinação das entradas e saídas de caixa do projeto. ALGUMAS APLICAÇÕES DE RECURSOS A LONGO PRAZO SUJEITAS À APLICAÇÃO DOS MÉTODOS: Compra de nova máquina; Substituição de um equipamento por outro; Campanha publicitária; Instalação de sistemas integrados; Construção de uma nova fábrica; Abertura de uma nova linha de produtos ou serviços; Lançamento de um novo produto; Decisões entre alugar ou comprar. a) despesas de investimentos, compreendendo os gastos que são incorporados ao ativo fixo da empresa e ficam, portanto sujeitos à depreciação ou amortização; b) as despesas operacionais, ou seja, custos necessários ao funcionamento normal do que esteja previsto no projeto em cada período; c) as receitas operacionais, decorrentes da venda do produto ou serviços envolvidos; d) o eventual valor de liquidação do investimento, ou seja, o valor residual. EXEMPLO DE PROJETO: O projeto abaixo refere-se à introdução de um novo produto por uma empresa. As informações relevantes são as seguintes:

16 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 57 A empresa Fictícia S/A está planejando lançar um novo produto. Caso ele seja fabricado e vendido espera-se que a sua vida econômica seja de cinco anos, após esse período ele será retirado de linha. INVESTIMENTOS: - Compra de equipamento - $ ,00; - Investimento adicional em estoques $ ENTRADAS OPERACIONAIS LÍQUIDAS EM CAIXA: Ano 1 = $25.400; Ano 2 = $57.900; Ano 3 = $ ; Ano 4 = $96.900; Ano 5 = $ Linha do tempo do fluxo de caixa MÉTODOS DE AVALIAÇÃO PERÍODO DE RECUPERAÇÃO DO INVESTIMENTO (PAYBACK) Sendo talvez o método mais simples de avaliação, o período de payback é definido como sendo aquele número de anos ou meses, dependendo da escala utilizada, necessários para que o desembolso correspondente ao investimento inicial seja recuperado, ou ainda, igualado e superado pelas entradas líquidas acumuladas. É o espaço de tempo entre o início do projeto e o momento em que o fluxo de caixa acumulado torna-se positivo. FLUXOS DE CAIXA ACUMULADOS ANO FLUXO DE CAIXA NO PERÍODO FLUXOS ACUMULADOS

17 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 58 Verifica-se, portanto, que o projeto seria aceito, pois até o fim do terceiro ano o fluxo de caixa acumulado já seria positivo. Nota-se ainda que ele supera o investimento inicial durante o terceiro ano, e teríamos uma estimativa mais exata do período de recuperação a saber: Portanto, a recuperação do investimento completar-se-ia em aproximadamente...anos e...meses TAXA MÉDIA DE RETORNO Neste caso, ainda sem levar em conta o conceito de valor do dinheiro no tempo, (ou seja, não é um método de fluxo de caixa descontado), temos um método que exige o cumprimento das seguintes etapas: a) determinação do fluxo líquido médio por período, dividindo-se o fluxo líquido total do projeto por seu número de períodos; = = b) divisão do fluxo líquido médio pelo investimento exigido. O resultado será uma porcentagem a taxa média de retorno indicando, aproximadamente, que x% do investimento retornam à empresa por ano ou período. = = VALOR ATUAL LÍQUIDO (VAL) ou VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) Este é o primeiro dos métodos de fluxo de caixa descontado que iremos apresentar. É superior aos anteriormente apresentados porque leva em consideração tanto a magnitude dos fluxos previstos para cada período quanto a sua distribuição efetiva durante o projeto analisado. Este método procura expressar os fluxos do projeto em termos de valores monetários de uma mesma data, a data de início do projeto ou de análise, o momento atual, e daí serem esses fluxos transformados em valores atuais. Esse procedimento exige um fator para descontar os fluxos futuros. Deve ser usada, assim, uma taxa de desconto que corresponde à nossa noção de custo de capital. Portanto, o método do valor atual líquido envolve o cumprimento das seguintes etapas:

18 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 59 a) depois de montada a série de fluxos de caixa do projeto, escolher uma taxa de desconto. Digamos que o custo de capital da nossa empresa fictícia fosse de 25% a.a..em outras palavras, se os seus recursos não forem aplicados com retorno pelo menos igual a esse índice, os proprietários da empresa conseguirão maior rentabilidade aplicando em outras alternativas de investimento fora da empresa e, no caso específico a empresa deverá rejeitar a possibilidade de executar o projeto; b) com essa taxa de desconto, transformar os fluxos futuros de caixa em valores atuais, segundo a fórmula: 1 n (1+i) onde i é a taxa de desconto e n é o número de períodos ao final dos quais ocorre um certo fluxo de caixa. Evidentemente, aqueles fluxos que já estiverem previstos para o ano 0 (zero) já estarão expressos em termos de valor atual. Isto ocorre no nosso exemplo, com o investimento de $ ,00. Aliás, a própria fórmula de valor atual indica-nos isso: Valor atual de $ ,00, a 25% a.a., no ano zero: $ ,00 x 1 = $ ,00 x 1,00 = $ ,00 0 ( 1 + 0,25) c) comparar o valor atual das entradas ao valor atual das saídas. Se a diferença (o valor atual líquido) for positiva, o projeto deverá ser aceito, pois esse resultado estará indicando que a taxa (interna) de retorno que será exposta a seguir, é superior ao custo de capital de 25% a.a., depois do I.R. e Contribuição Social. Em caso contrário deverá ser rejeitado. CÁLCULO DO VALOR ATUAL LÍQUIDO (V.A.L.) ANO Fluxo de Caixa Índice de Desconto (25%) TOTAL Valor Atual Líquido

19 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa TAXA INTERNA DE RETORNO Através deste método os administradores calculam a taxa de retorno gerada pelo projeto de investimento. O método consiste no cálculo de uma taxa que faça com que a soma dos valores atuais de entradas de caixa, seja exatamente igual a soma dos valores atuais das saídas de caixa. O processo de cálculo é o mesmo empregado no método do valor atual líquido, por tentativa e erro, à diferentes taxas, até ser obtida uma aproximação daquela taxa que torna o valor atual líquido igual a zero. Obs.: A taxa que iguala as entradas e saídas de caixa está entre 30 e 35%. CÁLCULO DA TAXA INTERNA DE RETORNO (T.I.R.) Índice de Desconto ANO Fluxo de Caixa (30%) Valor Atual Líquido 0 Índice de Desconto (35%) Valor Atual Líquido TOTAL Se considerarmos o Valor Atual Líquido a uma taxa de 30% teremos o valor positivo de $ ; E caso a taxa de desconto para cálculo do V.A.L. seja de 35% o valor passa a ser negativo de $. Cálculo Direto (HP) CHS G CFO G CFJ G CFJ G CFJ G CFJ G CFJ F IRR T.I.R. = 25 i F NPV V.A.L. =

20 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 61 EXERCÍCIO A empresa XYZ S/A planeja o lançamento de um novo produto e a sua vida econômica será de 5 (cinco anos). DADOS PARA ANÁLISE: Compra do Equipamento...$77.000,00 Investimento adicional em estoques...$10.000,00 ENTRADAS OPERACIONAIS LÍQUIDAS: ANO VALORES 1 $32.100,00 2 $30.800,00 3 $47.375,00 4 $45.945,00 5 $75.925,00 a) Elabore os fluxos de caixa acumulados ANO 0 FLUXO DE CAIXA NO PERÍODO FLUXOS ACUMULADOS b) Calcule o Payback Caso a empresa tenha fixado, a partir do cálculo do payback, o prazo de 2anos e 5 meses para a aceitação do projeto, o mesmo deveria ser aceito? ( ) SIM ( )NÃO

21 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 62 c) Calcule o Fluxo Líquido Médio d) Calcule a Taxa Média de Retorno e) Calcule o Valor Atual Líquido (V.A.L.) considerando que a Taxa Interna de Retorno (T.I.R.) esteja entre 35 e 40%. Índice de Desconto ANO Fluxo de Caixa (35%) Valor Atual Líquido 0 Índice de Desconto (40%) Valor Atual Líquido TOTAL f) Calcule a T.I.R. Caso a empresa tenha fixado como custo de capital ou custo de oportunidade a taxa de 36% ao ano, o projeto acima deveria ser aceito com base no conceito do Valor Atual Líquido? Justifique:

ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex

ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex Alguns conceitos Custos fixos: aqueles que não sofrem alteração de valor em caso de aumento ou diminuição da produção. Independem

Leia mais

As técnicas mais difundidas para avaliar propostas de investimentos são:

As técnicas mais difundidas para avaliar propostas de investimentos são: 18 CAPÍTULO 1 INVESTIMENTO A LONGO PRAZO (continuação) 2. Técnicas de Orçamento de Capital 2.1 Técnicas de análise de Orçamento de Capital As técnicas de análise de orçamentos de capital são utilizadas

Leia mais

100.000 (CHS) CF0; 30.000 (CFj) 3 (Nj); 40.000 (CFj); 6% (i); (f) (CF0)

100.000 (CHS) CF0; 30.000 (CFj) 3 (Nj); 40.000 (CFj); 6% (i); (f) (CF0) Exercícios Resolvidos 1. Em qual dos dois investimentos deve-se aceitar, levando em consideração os índices do VPL, TIR e PAYBACK? Justifique sua resposta. Taxa mínima de atratividade é de 6% Período Investimento

Leia mais

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 1) Considere os demonstrativos a seguir: Balanço Patrimonial em 31.12.2011 Ativo Passivo Ativo Circulante R$ 252.000,00 Passivo Circulante R$ 168.000,00 Ativo Imobilizado R$ 348.000,00

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

Unidade III FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade III 8 GESTÃO DE RISCOS Neste módulo, trabalharemos a importância do gerenciamento dos riscos econômicos e financeiros, focando alguns exemplos de fatores de riscos. Estudaremos também o cálculo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Administração e Análise Financeira e Orçamentária 2 Copyright Pereira,

Leia mais

SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL

SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Janeiro de 2008. Todos os direitos são reservados. Nenhuma

Leia mais

Crédito. Adm. Geral. Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I

Crédito. Adm. Geral. Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I Adm. Geral Prof. Marcelo dos Santos Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Garantir melhores decisões financeiras na empresa;

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA APOSTILA DE ESTUDO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Marcelo Cauduro de Castro - Mestre mccastro@terra.com.br MINI CURRÍCULO: Marcelo Cauduro de Castro é Mestre em Administração de Empresas pela Universidade Federal

Leia mais

UNIDADE. Noções de análise de investimentos

UNIDADE. Noções de análise de investimentos UNIDADE 6 Noções de análise de investimentos Curso de Graduação em Administração a Distância Objetivo Nesta Unidade, você vai descrever e aplicar os dois mais importantes métodos de avaliação de projetos

Leia mais

04/08/2013. Custo. são os gastos com a obtenção de bens e serviços aplicados na produção ou na comercialização. Despesa

04/08/2013. Custo. são os gastos com a obtenção de bens e serviços aplicados na produção ou na comercialização. Despesa DECISÕES DE INVESTIMENTOS E ORÇAMENTO DE CAPITAL Orçamento de capital Métodos e técnicas de avaliação de investimentos Análise de investimentos Leia o Capítulo 8 do livro HOJI, Masakazu. Administração

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

TRABALHO AVALIATIVO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Financeira e Orçamentaria II Turma: 7º Periodo

TRABALHO AVALIATIVO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Financeira e Orçamentaria II Turma: 7º Periodo TRABALHO AVALIATIVO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Financeira e Orçamentaria II Turma: 7º Periodo Elaboração do Trabalho: valor 3,0 Apresentação : Valor 3,0 (Impressa/escrita e Slides)

Leia mais

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Julho de 2007. Todos os

Leia mais

ASPECTOS AVANÇADOS NA ANÁLISE

ASPECTOS AVANÇADOS NA ANÁLISE ASPECTOS AVANÇADOS NA ANÁLISE! O que é Necessidade de Capital de Giro (NCG)! Como se determina a NCG! Reclassificação das contas do Ativo e Passivo Circulante! Causas das variações da NCG Autores: Francisco

Leia mais

ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO. Todos os Direitos Reservados

ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO. Todos os Direitos Reservados Curso Online 1 2 ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO Todos os Direitos Reservados 3 1 O Que é Fluxo de Caixa _Fatores que Afetam o Fluxo de Caixa (Internos e Externos) _Desequilíbrio Financeiro

Leia mais

- Gestão Financeira 1 -

- Gestão Financeira 1 - 1 Cap 2 - Administração do Capital de Giro 2.1 Introdução 2.2 O capital circulante e capital circulante líquido 2.3 Políticas de gerenciamento do capital circulante 2.4 Capital de Giro Próprio 2.5 Capital

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

ANÁLISE DE UM NOVO INVESTIMENTO - A IMPORTÂNCIA DO INTERVALO DE PERÍODO NA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA

ANÁLISE DE UM NOVO INVESTIMENTO - A IMPORTÂNCIA DO INTERVALO DE PERÍODO NA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ANÁLISE DE UM NOVO INVESTIMENTO - A IMPORTÂNCIA DO INTERVALO DE PERÍODO NA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA! Intervalo mensal, semestral ou anual?! Cuidados na análise de projetos independentes e excludentes

Leia mais

Balanço Patrimonial: Grupo de Contas

Balanço Patrimonial: Grupo de Contas 3 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas 3.1 JUSTIFICATIVAS Como foi visto no capítulo anterior, o Balanço Patrimonial é constituído de Ativo, Passivo e Patrimônio Líquido. O Ativo, por sua vez, compõe-se

Leia mais

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA REVISANDO O CÁLCULO DO EVA QUAIS AS VANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DA MÉTRICA EVA? COMO FAZER OS AJUSTES NA AVALIAÇÃO DOS S / INVESTIMENTOS?

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA AULA 04: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO TÓPICO 05: ADMINISTRAÇÃO DO DISPONÍVEL VERSÃO TEXTUAL Numa situação ideal, em que uma empresa tem um controle total

Leia mais

Regras de Decisão na Avaliação de Investimentos

Regras de Decisão na Avaliação de Investimentos Regras de Decisão na Avaliação de Investimentos A ordenação de projetos e a decisão sobre sua aceitação para inclusão no orçamento envolvem cinco métodos: (1) período de recuperação do investimento (payback);

Leia mais

FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO CIÊNCIAS CONTÁBEIS SIMULADO MULTIDISCIPLINAR - SiM 6 Período - 2º SEMESTRE 2009.

FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO CIÊNCIAS CONTÁBEIS SIMULADO MULTIDISCIPLINAR - SiM 6 Período - 2º SEMESTRE 2009. FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO CIÊNCIAS CONTÁBEIS SIMULADO MULTIDISCIPLINAR - SiM 6 Período - 2º SEMESTRE 2009 Aluno(a): Turma: Data: 14/12/2009 Avaliação Contabilidade Avançada II 1ª Questão

Leia mais

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo 12. Demonstração do Fluxo de Caixa 2 12.1. Introdução 2 12.2. Conceitos Importantes 2 12.3. Atividades Operacionais 5 12.4. Atividades de Investimento 7

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária II

Administração Financeira e Orçamentária II Administração Financeira e Orçamentária II Capítulo 6 Matemática Financeira Série Uniforme de Pagamentos e de Desembolsos Sistemas de Amortização Análise de Fluxo de Caixa Séries Uniformes de Pagamentos

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) Melhor método para avaliar investimentos 16 perguntas importantes 16 respostas que todos os executivos devem saber Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS

ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S EM EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS Banco de Dados Análise de Investimentos Aspectos Econômicos e Financeiros de Empreendimentos Imobiliários Data: 23/maio/2014 1. Objetivo SUMÁRIO 2. Incorporação Imobiliária

Leia mais

ANÁLISE DE VIABILIDADE DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS

ANÁLISE DE VIABILIDADE DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS ANÁLISE DE VIABILIDADE DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS Avaliação da Performance Financeira de Projetos 4.690.000 Veículos x 4,50 R$/veículo = 21.105.000 Receita bruta + (3.165.750) 15,0% Prefeituras e

Leia mais

Administrar com o Coração. (Daniel Goleman Inteligência Emocional)

Administrar com o Coração. (Daniel Goleman Inteligência Emocional) Administrando com Competência_CRC/2004 1 ADMINISTRAÇÃO E ADMINISTRAR O que é administração? Administração é uma ciência, onde se coordena todos os recursos de uma empresa, através dos processos de planejar,

Leia mais

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

TÉCNICAS DE ANÁLISE DE ORÇAMENTO DE CAPITAL

TÉCNICAS DE ANÁLISE DE ORÇAMENTO DE CAPITAL Adm. Financeira II Aula 05 - Técnicas Orç. Capital - Pg. 1/8 TÉCNICAS DE ANÁLISE DE ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução 1.1. Considerar fatores importantes fora do controle da empresa 1.2. Fatores qualitativos

Leia mais

4. AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E MODELOS DE MENSURAÇÃO DOS RESULTADOS DIVISIONAIS

4. AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E MODELOS DE MENSURAÇÃO DOS RESULTADOS DIVISIONAIS CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR DANIEL VIEGAS RIBAS FILHO 29 Material desenvolvido pela professora Marisa Gomes da Costa 4. AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E MODELOS DE MENSURAÇÃO DOS RESULTADOS DIVISIONAIS

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

Métodos de Análise de Investimentos

Métodos de Análise de Investimentos Aula Capítulo 11 Métodos de Análise de Investimentos 11.1- Introdução Neste capítulo mostraremos aplicações de valor presente líquido (VPL) e taxa interna de retorno (TIR) em comparações de fluxos de caixa

Leia mais

Como calcular o Índice de Lucratividade (IL)

Como calcular o Índice de Lucratividade (IL) Como calcular o Índice de Lucratividade (IL) A análise de novos investimentos pelo IL Qual a taxa mínima de lucratividade de um projeto? Como determinar o IL ideal de um novo investimento? Francisco Cavalcante

Leia mais

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES! A análise do desempenho histórico! Análise setorial! Análise de múltiplos! Elaboração de projeções de resultados! Determinação

Leia mais

UNIDADE IV : ANÁLISE DE INVESTIMENTOS (A.I.) (ENGENHARIA ECONÔMICA) CONCEITO:

UNIDADE IV : ANÁLISE DE INVESTIMENTOS (A.I.) (ENGENHARIA ECONÔMICA) CONCEITO: UNIDADE IV : ANÁLISE DE INVESTIMENTOS (A.I.) (ENGENHARIA ECONÔMICA) 1 CONCEITO: Quando da realização de um determindado investimento, levantamos várias alternativas para sua execução final. Ao conjunto

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA «21. O sistema de intermediação financeira é formado por agentes tomadores e doadores de capital. As transferências de recursos entre esses agentes são

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

Tópicos Especiais de Análise de Balanços

Tópicos Especiais de Análise de Balanços Tópicos Especiais de Análise de Balanços 1- ECONÔMICO X FINANCEIRO Talvez não existam palavras mais empregadas no mundo dos negócios do que econômico e financeiro. Econômico: Refere-se a lucro, no sentido

Leia mais

SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA.

SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Fevereiro de 2007. Todos os direitos são reservados. Nenhuma

Leia mais

BALANCETES E RELATÓRIOS

BALANCETES E RELATÓRIOS Matéria - Contabilidade SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Balancetes NBC T 2.7 3. Modelos de Balancetes 4. Relatórios 4.1. Relatórios por área de responsabilidade BALANCETES E RELATÓRIOS 5. Balancetes

Leia mais

ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS

ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS 1 Sumário 1. Equilíbrio econômico-financeiro metropolitano...3 2. Proposta econômico-financeira

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

(*) Valor residual refere-se ao valor de compra (1.100.000) deduzido da depreciação correspondente aos quatro anos do projeto (4 x 220.

(*) Valor residual refere-se ao valor de compra (1.100.000) deduzido da depreciação correspondente aos quatro anos do projeto (4 x 220. 7) Investimento Inicial Acréscimo da NCG Equipamento 1.100.000 NCG Inicial 900.000 Necessidade Capital de Giro 900.000 NCG Operações 1.500.000 2.000.000 Investimento adicional - 1º ano 600.000 Fluxo de

Leia mais

Decisões Empresariais. Logística. Administração Financeira. Administração financeira (finanças corporativas) Investimento.

Decisões Empresariais. Logística. Administração Financeira. Administração financeira (finanças corporativas) Investimento. Logística Prof. Clóvis Luiz Galdino Administração Financeira Administração financeira (finanças corporativas) Administração: ato de reger, governar ou gerir negócios públicos ou particulares. Finanças:

Leia mais

Neste contexto, o Fluxo de Caixa torna-se ferramenta indispensável para planejamento e controle dos recursos financeiros de uma organização.

Neste contexto, o Fluxo de Caixa torna-se ferramenta indispensável para planejamento e controle dos recursos financeiros de uma organização. UNIDADE II FLUXOS DE CAIXA Em um mercado competitivo, a gestão eficiente dos recursos financeiros, torna-se imprescindível para o sucesso da organização. Um bom planejamento do uso dos recursos aliado

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS 1) O desembolso à vista ou a prazo para obtenção de bens ou serviços, independentemente de sua destinação dentro da empresa, denomina-se : a) gasto b) investimento

Leia mais

ANALISE DE BALANÇO UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO. Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões.

ANALISE DE BALANÇO UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO. Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões. ANALISE DE BALANÇO 1.1 Objetivo da análise de Balanços UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões. 1.2 Dados versus Informações Dados: São os números

Leia mais

2.1. Giro dos Estoques O giro dos estoques geralmente mede a atividade, ou liquidez, dos estoques da empresa. Quanto maior for o valor dos estoques, maior será a necessidade de capital de giro da empresa.

Leia mais

Unidade IV PLANEJAMENTO E CONTROLE. Profa. Marinalva Barboza

Unidade IV PLANEJAMENTO E CONTROLE. Profa. Marinalva Barboza Unidade IV PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES Profa. Marinalva Barboza Introdução Esta unidade tem como foco os custos de estoque. Abordará os vários custos e exercícios de fixação. Custos dos estoques

Leia mais

AS 7 ETAPAS PARA ELABORAR UMA BOA ANÁLISE DE INVESTIMENTO

AS 7 ETAPAS PARA ELABORAR UMA BOA ANÁLISE DE INVESTIMENTO AS 7 ETAPAS PARA ELABORAR UMA BOA ANÁLISE DE Quais são? Quais são os principais cuidados e lembretes de cada etapa? Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante Associados,

Leia mais

Contabilidade Gerencial PROFESSOR: Salomão Soares VPL E TIR

Contabilidade Gerencial PROFESSOR: Salomão Soares VPL E TIR Contabilidade Gerencial PROFESSOR: Salomão Soares VPL E TIR Data: VPL(VAL) Valor Presente Líquido ou Valor Atual Líquido O valor presente líquido (VPL), também conhecido como valor atual líquido (VAL)

Leia mais

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS Fernanda Micaela Ribeiro Theiss Prof. Ademar Lima Júnior Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Bacharelado em Ciências Contábeis (CTB 561) 14/05/2012 RESUMO

Leia mais

se o tratamento foi adequado, ficaremos curados e felizes por termos solucionado a doença que estava nos prejudicando. No campo empresarial a

se o tratamento foi adequado, ficaremos curados e felizes por termos solucionado a doença que estava nos prejudicando. No campo empresarial a Gestão Financeira Quando temos problemas de saúde procuramos um médico, sendo ele clínico geral ou especialista, conforme o caso. Normalmente, selecionamos um médico bastante conhecido e com boas referências

Leia mais

PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL

PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL Braulino José dos Santos TERMINOLOGIAS Terminologia em custos Gasto Investimento Custo

Leia mais

INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital

INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital 5 INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital 1.1 Processo de decisão de orçamento de capital A decisão de investimento de longo prazo é a decisão financeira mais

Leia mais

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE! Qual o valor de um estoque?! Quanto de material vale a pena manter em estoque?! Como computar o valor da obsolescência no valor do estoque?! Qual o custo de um pedido?!

Leia mais

Pelotas, 24 de abril de 2012 Disciplina: Economia CAPITAL DE GIRO. Professor Alejandro Martins..

Pelotas, 24 de abril de 2012 Disciplina: Economia CAPITAL DE GIRO. Professor Alejandro Martins.. 1) Qual a definição de Capital Circulante Líquido- CCL? 2) O que são recursos não onerosos? 3) Qual o objetivo da administração do capital de giro? 4) Como podemos medir o risco e o retorno de uma empresa?

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

A NÃO CORREÇÃO DA DEPRECIAÇÃO: O EFEITO SOBRE O FLUXO DE CAIXA

A NÃO CORREÇÃO DA DEPRECIAÇÃO: O EFEITO SOBRE O FLUXO DE CAIXA A NÃO CORREÇÃO DA DEPRECIAÇÃO: O EFEITO SOBRE O Qual o efeito da não correção da depreciação sobre o fluxo de caixa Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante Associados,

Leia mais

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL 6 Aula Disciplina : GESTÃO FINANCEIRA Prof.: Carlos Nogueira Agenda 19h00-19h15: Breve revisão 19h15-20h30: Exercícios/Estudos de

Leia mais

CONTABILIZAÇÃO DE OPERAÇÕES FINANCEIRAS

CONTABILIZAÇÃO DE OPERAÇÕES FINANCEIRAS CONTABILIZAÇÃO DE OPERAÇÕES FINANCEIRAS 1) Desconto de Duplicatas O desconto de duplicatas é uma operação muito comum nos dias atuais, por conta da grande necessidade de se fazer caixa. Nesta operação

Leia mais

Curso de Gestão de Restaurantes. Diego Koppe

Curso de Gestão de Restaurantes. Diego Koppe Curso de Gestão de Restaurantes Diego Koppe Conteúdo Definindo o mercado Calcular o preço de venda CMV VPL de venda Impostos e demais encargos Gestão de custos Maximizar lucros e vendas Projeção de vendas

Leia mais

ELEMENTOS BÁSICOS NA ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELEMENTOS BÁSICOS NA ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO DE CAPITAL ELEMENTOS BÁSICOS NA ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO DE CAPITAL 16/08/2011 1 CAPITAL: Refere-se aos ativos de longo prazo utilizados na produção; ORÇAMENTO: é o plano que detalha entradas e saídas projetadas durante

Leia mais

EXEMPLO COMPLETO DO CÁLCULO DO FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS

EXEMPLO COMPLETO DO CÁLCULO DO FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS EXEMPLO COMPLETO DO CÁLCULO DO FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS! O pagamento de juros conjunturais! O pagamento de juros estruturais! O recebimento de dividendos! A contratação de

Leia mais

COMO PROJETAR AS ENTRADAS DO FLUXO DE CAIXA E OS PAGAMENTOS A FORNECEDORES?

COMO PROJETAR AS ENTRADAS DO FLUXO DE CAIXA E OS PAGAMENTOS A FORNECEDORES? COMO PROJETAR AS ENTRADAS DO FLUXO DE CAIXA E OS PAGAMENTOS A FORNECEDORES?! Qual a importância do orçamento de caixa?! Como os grandes orçamentos da empresa se inter-relacionam?! Quais as maneiras de

Leia mais

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL 5 Aula Disciplina : GESTÃO FINANCEIRA Prof.: Carlos Nogueira Agenda 19h00-20h15: Matemática Financeira 20h15-20h30: Métodos de Avaliação

Leia mais

Unidade IV FUNDAMENTOS DA. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade IV FUNDAMENTOS DA. Prof. Jean Cavaleiro Unidade IV FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Discutir e conhecer conceitos de matemática financeira para tomada de decisão na área financeira. Estudaremos cálculo e análise

Leia mais

Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a Empresa

Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a Empresa Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a! Principais passos! O efeito da depreciação! Outros fatores que geram obrigações ou direitos para a empresa Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi Gestão Financeira Prof. Eduardo Pozzi Finanças Corporativas Questões centrais na gestão financeira de uma empresa: Quais investimentos de longo prazo precisam ser feitos? Que tipo de instalações, maquinário

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 SIDNEY SOARES DE LIMA 05010004401 TURMA: 01030 TURNO: NOITE PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

Podemos representar em fluxo de caixa através do seguinte diagrama: (+) (+) (+) (+) 0 1 2 3 4 5... n tempo

Podemos representar em fluxo de caixa através do seguinte diagrama: (+) (+) (+) (+) 0 1 2 3 4 5... n tempo FLUXO DE CAIXA O estudo da matemática financeira é desenvolvido, basicamente, através do seguinte raciocínio: ao longo do tempo existem entradas de dinheiro (receitas) e saídas de dinheiro (desembolsos)

Leia mais

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro Faculdade Atenas Maranhense - FAMA Professor: Esp. CLEIDIANA SACCHETTO Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU

Leia mais

! Revisão de conceitos importantes! Fluxo com VRG diluído! Fluxo com VRG no final do contrato! Comparação com outras alternativas de financiamento

! Revisão de conceitos importantes! Fluxo com VRG diluído! Fluxo com VRG no final do contrato! Comparação com outras alternativas de financiamento CAVALCANTE & COMO MONTAR O FLUXO DE CAIXA EM! Revisão de conceitos importantes! Fluxo com VRG diluído! Fluxo com VRG no final do contrato! Comparação com outras alternativas de financiamento Autores: Francisco

Leia mais

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos Boletim Manual de Procedimentos Contabilidade Internacional Custos de transação e prêmios na emissão de títulos e valores mobiliários - Tratamento em face do Pronunciamento Técnico CPC 08 - Exemplos SUMÁRIO

Leia mais

Análise Econômico-Financeira

Análise Econômico-Financeira Universidade Federal do Pará Curso de Ciências Contábeis Departamento de Contabilidade Análise Econômico-Financeira Gilvan Pereira Brito 0301007601 Belém-Pará 2007 1 Universidade Federal do Pará Curso

Leia mais

(ROA) 1) 20010 10% 2011 11%. A

(ROA) 1) 20010 10% 2011 11%. A CURSO LISTA DE EXERC CÍCIOS 2012.2 UNIDADE II ADM SEMESTRE 2º BLOCOO DISCIPLINA Gestão Financeira NOTA TURMA ADM 5NB ESTUDANTES PROFESSOR (A) Dr. Wellington Ribeiro Justo DATA 01/12/2012 Responda com responsabilidade

Leia mais

EVA: O QUE É E POR QUE CALCULÁ-LO

EVA: O QUE É E POR QUE CALCULÁ-LO UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 1 EVA: O QUE É E POR QUE CALCULÁ-LO LUCRO OPERACIONAL APÓS O IMPOSTO DE RENDA CUSTO DE TODOS OS CAPITAIS EMPREGADOS NA EMPRESA (PRÓPRIO E DE TERCEIROS) EVA Autor: Francisco Cavalcante

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 06-11-2013 aula revisão 1

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 06-11-2013 aula revisão 1 GESTÃO FINANCEIRA Prof. Local Flavio Nicastro flavio.nicastro@attatecnologia.com.br 06-11-2013 aula revisão 1 Representação de Ativos 1) Um projeto produz um fluxo de caixa líquido depois de descontados

Leia mais

Análise de Viabilidade em Projetos

Análise de Viabilidade em Projetos MBA em Projetos Análise de Viabilidade em Projetos Professor: Milton Juer E-mail: mmjuer@gmail.com ANÁLISE DE VIABILIDADE EM PROJETOS AVALIAÇÃO: TRABALHO Estudo de caso e/ou lista de exercícios individual

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PROF. Msc. JOSÉ VICENTE CAMPINAS - SP 2009 2 ANÁLISE

Leia mais

COMO TRATAR A TAXA DE JUROS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

COMO TRATAR A TAXA DE JUROS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA COMO TRATAR A TAXA DE JUROS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA O que está certo? O que está errado? Como Tratar a Taxa de Juros na Formação do Preço de Venda à Vista Como Tratar a taxa de Juros na Formação

Leia mais

GASTOS VARIÁVEIS, FIXOS E SEMI-VARIÁVEIS (alguns conhecimentos indispensáveis para quem trabalha com análises econômicas e financeiras) ASSOCIADOS

GASTOS VARIÁVEIS, FIXOS E SEMI-VARIÁVEIS (alguns conhecimentos indispensáveis para quem trabalha com análises econômicas e financeiras) ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 45 GASTOS VARIÁVEIS, FIXOS E SEMI-VARIÁVEIS (alguns conhecimentos indispensáveis para quem trabalha com análises econômicas e financeiras)! Gasto variável se associa ao produto!

Leia mais

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Autoria: Clóvis Luís Padoveze Resumo As demonstrações publicadas de acordo com o formato aprovado pelos órgãos regulatórios, tanto

Leia mais

SUMÁRIO. Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson. www.iepg.unifei.edu.br/edson. Universidade Federal de Itajubá

SUMÁRIO. Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson. www.iepg.unifei.edu.br/edson. Universidade Federal de Itajubá 1 www.iepg.unifei.edu.br/edson Avaliação de Projetos e Negócios Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson 2011 SUMÁRIO 1. Introdução 2. Matemática Financeira 3. Análise de Alternativas

Leia mais

Análise de Custos de Projetos Como calcular o custo de um projeto de viabilidade financeira

Análise de Custos de Projetos Como calcular o custo de um projeto de viabilidade financeira Análise de Custos de Projetos Como calcular o custo de um projeto de viabilidade financeira Eduardo Regonha Doutor pela UNIFESP / EPM Pós Graduado em Administração Hospitalar pela FGV Consultor na Área

Leia mais

4 Referencial teórico

4 Referencial teórico 4 Referencial teórico Um projeto de investimento pode ter diferentes avaliações dependendo dos critérios utilizados na análise. Em geral, somente são considerados fatores tangíveis, aqueles que podem ser

Leia mais

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público www.qconcursos.com ]

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público www.qconcursos.com ] 01 - Q223454A contabilidade foi definida no I Congresso Brasileiro de Contabilidade como: a ciência que estuda e pratica as funções de orientação, controle e registro relativo aos atos e fatos da administração

Leia mais

UNIDADE DESCENTRALIZADA NOVA IGUAÇU - RJ ENGENHARIA ECONÔMICA E FINANCEIRA

UNIDADE DESCENTRALIZADA NOVA IGUAÇU - RJ ENGENHARIA ECONÔMICA E FINANCEIRA PARTE I 1 1) Calcular a taxa de juros trimestral proporcional às seguintes taxas: a) 24% ao ano. b) 36% ao biênio c) 6% ao semestre 2) Determinar a taxa de juros anual proporcional, das as seguintes taxas:

Leia mais

Autor: Francisco Cavalcante UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 25. Circular para: CAVALCANTE ASSOCIADOS

Autor: Francisco Cavalcante UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 25. Circular para: CAVALCANTE ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 25 INDICADOR DE COBERTURA DO SERVIÇO DA DÍVIDA E O EBITDA (Earnings Before Interests, Taxes, Depreciation and Amortization) Indicador de cobertura e análise de cenários EBITDA

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS 1

INDICADORES FINANCEIROS 1 42 INDICADORES FINANCEIROS 1 A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE nas mais diversas áreas: organização empresarial, finanças, marketing, produção,

Leia mais

Faculdades Integradas de Taquara

Faculdades Integradas de Taquara IX DESAFIO CULTURAL DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS- 2016 Questões de CUSTOS Prof. Oscar Scherer Questão nº 01 - PONTO DE EQUILÍBRIO PONTO DE EQUILÍBRIO CONTÁBIL, ECONÔMICO E FINANCEIRO A empresa Distribuidora

Leia mais

Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS

Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2004 e Parecer dos Auditores Independentes Parecer dos Auditores Independentes 03 de fevereiro

Leia mais

Estoque é um ativo que ninguém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO. Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém

Estoque é um ativo que ninguém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO. Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém Estoque é um ativo que ninguém deseja, mas que toda empresa deve ter. O santo padroeiro do gerenciamento

Leia mais

Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI

Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI Módulo 12 Gerenciamento Financeiro Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a

Leia mais

DIGA ADEUS AOS PROBLEMAS FINANCEIROS DE SUA EMPRESA.

DIGA ADEUS AOS PROBLEMAS FINANCEIROS DE SUA EMPRESA. DIGA ADEUS AOS PROBLEMAS FINANCEIROS DE SUA EMPRESA. Ter uma boa gestão financeira em seu negócio garante a saúde de sua empresa e a tranquilidade do empresário. Mantendo dinheiro em caixa, os compromissos

Leia mais

ANÁLISE DE INVESTIMENTOS. Análise de Investimentos

ANÁLISE DE INVESTIMENTOS. Análise de Investimentos ANÁLISE DE INVESTIMENTOS Prof. Me. Jorge França Análise de Investimentos Jorge França: Graduado em Engenharia pela UFF-RJ; Pós-graduado em Gestão da Qualidade (UFMG), Marketing (ESPM e UFRJ), Gestão Empresarial

Leia mais