UM MINUTO NO MUSEU. Palavras-chave Arabescos; Islã; Arte Islâmica; Museu do Louvre; Arte decorativa.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UM MINUTO NO MUSEU. Palavras-chave Arabescos; Islã; Arte Islâmica; Museu do Louvre; Arte decorativa."

Transcrição

1 UM MINUTO NO MUSEU Resumo O assunto principal do documentário é a Arte Islâmica. No filme, três personagens que parecem ter saído de uma história em quadrinhos visitam o Museu do Louvre. De maneira simples e divertida apreciam pinturas, esculturas e objetos conversando sobre sua história com vocabulário e informações ideais para faixa etária de 6 a 9 anos. A série conta com vários episódios, de um minuto cada um, e as obras apresentadas são acompanhadas de sua história com brincadeiras e descobertas pelos três amigos. Muitos dos objetos apresentados são desconhecidos e geram indagações e investigações acerca de sua função e significado. A variedade de estilos e técnicas proporciona às crianças que apreciam a visita cultural dos três personagens ao museu, uma mostra sobre a arte decorativa islâmica com seus arabescos de flores, folhas, curvas e retas entrelaçadas, formas geométricas e até animais. A cerâmica, os tecidos, os manuscritos, os objetos utilitários de bronze, latão, marfim, madeira e barro esmaltado confirmam a variedade de técnicas e estilos empregados pelos artistas do povo islâmico. Palavras-chave Arabescos; Islã; Arte Islâmica; Museu do Louvre; Arte decorativa. Nível de ensino Ensino Fundamental 2º ao 5º ano

2 Componente curricular Arte. Disciplinas relacionadas Matemática, História e Geografia. Aspectos relevantes do vídeo Propicia o conhecimento da arte de outras culturas; Possibilita o acesso ao mundo das artes nas séries iniciais; Sistematiza o processo de alfabetização estético-artístico-visual; Favorece a observação da realidade no cotidiano dos alunos, levando-os a reconhecer formas e objetos que estão à sua volta; Amplia a percepção, a emoção, a razão e a sensibilidade das crianças; Propicia uma compreensão mais significativa das questões sociais de povos de diferentes épocas e locais; Abre perspectivas para que os alunos tenham uma compreensão de mundo no qual o ato de criar não se dissocia do ato de conhecer. Incentiva a preservação do patrimônio artístico e cultural como fonte de conhecimento e compreensão da história das civilizações e das múltiplas funções da arte; Desenvolve o senso crítico, a apreciação e o interesse pela arte; Confirma que a arte conta histórias.

3 Duração da atividade 5 a 6 aulas O que o aluno poderá aprender com esta aula - que existe uma variedade de significados comunicativos e de valor simbólico presentes nas formas visuais; - que as obras tridimensionais, diferentemente das bidimensionais, que só podem ser apreciadas com o observador posicionado frente à obra, podem ser apreciadas de todos os lados; - que para produzir arte é necessário conhecer e utilizar elementos básicos das linguagens artísticas, neste caso, as Artes Visuais (cor, ponto, linhas, formas, volume); - que é possível criar produções de formas plásticas, bidimensionais e tridimensionais, com diferentes materiais e técnicas (papel, papelão, cortiça, argila, tintas, giz de cera, para modelar, montar, colar, entalhar, pintar, entre outras.) - que na sociedade e na vida dos indivíduos as artes visuais têm grande importância; - investigar a Arte e as práticas culturais como patrimônio cultural; - valorizar o patrimônio cultural, a memória coletiva e os bens simbólicos materiais e imateriais.

4 Conhecimentos prévios que devem ser trabalhados pelo professor com o aluno. Conceito de museu, o que faz um objeto tornar-se obra de arte, quem são os povos islâmicos, o que é patrimônio cultural e herança cultural. Patrimônio cultural Obras de arte que habitam as ruas, que estão em museus, que são efêmeras, que são registradas em diferentes mídias, que manifestam a Arte mantida de geração em geração. Estratégias e recursos da aula/descrição das atividades Professor é importante que antes de apresentar o vídeo para as crianças, você o tenha visto (várias vezes), com olhar atento e percepção aguçada, pois ele será o desencadeador de uma série de ações, na linguagem visual, que oferecerão pistas para seu diagnóstico. Favoreça a atenção dos alunos provocando emoções, instigando a percepção, desafiando a curiosidade e a imaginação, trazendo informações sobre a arte islâmica. Independentemente do minuto escolhido, na primeira aula, realize um diagnóstico acerca dos conhecimentos sobre arte que seus alunos possuem. A ideia é provocar uma conversa a partir do repertório pessoal das crianças, sobre conceitos que serão apreciados no vídeo. A escuta dessa conversa por você vai permitir o planejamento e o encaminhamento das aulas que sugerimos, deslocando o foco da informação para a problematização, isso quer dizer que, compartilhar ideias antes de oferecer respostas prontas vai possibilitar a ampliação e troca de experiências com e sobre arte entre o professor e os alunos.

5 Primeira aula Nesse vídeo as obras oferecem a oportunidade de apreciar a Arte como patrimônio cultural da humanidade. Por exemplo, os alunos sabem que muito do que conhecemos sobre a história dos povos e das culturas são informações que chegam até nós por meio de produções artísticas? Que a Arte conta histórias? Que ao preservar o patrimônio cultural de um povo, conservamos a história de um local, país, época? Sabem em que país eles vivem? Que outros países as crianças conhecem? Os estudantes conhecem algum tipo de Arte brasileira? Quais artistas conhecem? Já ouviram falar em museu? O que é um museu? Alguns já visitaram um museu? Onde? O que viram? Os que ainda não conhecem o que imaginam que encontrarão em uma visita a um museu? Estão preparados para apreciar objetos que fizeram parte de uma cultura tão distante? Já ouviram falar dos povos nômades? Que o islamismo é uma religião? É quase certo que não, portanto o professor poderá contar uma brevíssima história sobre essa religião dos muçulmanos, povo de origem nômade, sem residência fixa, que ao se estabelecer em uma região, rapidamente ampliou seus domínios conquistando outros países, vivendo em diversos lugares e misturando as raças de diferentes continentes. Usos e costumes foram desenvolvidos de acordo com o ambiente em que viviam e a matéria-prima de que dispunham. Sua arte rica e variada reflete a tradição clássica da representação bizantina, persa e de outros povos por eles conquistados. Usaram sua criatividade para solucionar questões simples de seu dia-a-dia. Potes, jarros, vasos, bacias, louça, adornos, armas, objetos de decoração, espelho, castiçal, copos, capas de livros, canecas de couro nas mais diferentes formas, cores, técnicas, materiais confirmam que os

6 objetos artesanais hoje são considerados verdadeiras obras de arte. Além desses objetos decorativos, outros objetos do uso e costume dos muçulmanos nos quais a ornamentação se fez presente fazem parte do uso cotidiano: esculturas, adornos, tapetes e objetos decorados com arabescos de flores, folhas, frutas, animais e formas geométricas. Essas figuras ocupam todo o espaço se repetindo sem que nenhuma parte fique vazia. O Islamismo é uma religião que cultua um só Deus e surgiu no século VII na Península Arábica seguindo os ensinamentos do profeta Maomé, último dos profetas desde Adão. O livro sagrado dos Islâmicos é o Alcorão. O islamismo teve uma rápida expansão até a Palestina, Síria, Pérsia, India, Norte da África e Espanha. A religião se caracteriza pela crença em um único Deus, rezar cinco vezes por dia para atigir a salvação, fazer um jejum anual, fazer ofertas e uma peregrinação até à cidade de Meca, pelo menos uma vez na vida. Além disso, fazer uma breve apresentação sobre o tema terá como objetivo proporcionar uma educação estético-visual rica que permita aos alunos uma leitura do patrimônio cultural da humanidade, contextualizada no tempo e no espaço de maneira significativa. Segunda aula Converse com as crianças sobre o que verão no filme, a história, as personagens. Incentive o diálogo dando voz a todos para que façam seus comentários e repita alguns trechos para que as crianças possam vê-los com outro olhar, examinando-os, estudando-

7 os e também para que possam expressar-se com motivação, fantasia e imaginação. Para tanto, aqui vão algumas idéias que foram organizadas com o propósito de incentivá-las na produção de trabalhos artísticos sem, entretanto, interferir na capacidade natural que a criança possui de comunicar o que pensa e sente. Será necessário, porém, que você auxilie no desenvolvimento das observações que serão solicitadas, pois desta forma as expectativas que seus alunos vivenciaram em seu cotidiano estarão sendo ampliadas. Encoraje-os a observar, perceber, refletir, tirar conclusões, inventar, investigar, fantasiar, relacionar e buscar soluções que serão indicadas por você. Neste filme, muitas outras coisas poderão encantar e fascinar seus alunos. Estas são apenas sugestões, pois é o professor que conhece seus alunos, quem organiza o percurso do projeto, quem encaminha as ações, estabelece relações entre seus objetivos e as atividades desenvolvidas; é ele que reconhece a presença e ausência de noções e conceitos já estruturados, as necessidades e interesses do grupo, propõe novos desafios muda rumos, retoma caminhos, estimula a participação das crianças, replaneja, ouve a classe, respeita a diversidade, articula o novo ao já conhecido registra e faz registrar. Vê cada um de seus alunos isoladamente e o grupo da sala, percebe diferenças e semelhanças, revê suas ações, observa, avalia, replaneja, recomeça. Para iniciar os alunos na complexidade do ensino de Arte, você poderá escolher como estímulo gerador elementos extraídos do referencial de significação dos educandos, objetos que consideram de grande estima ou valor sentimental. Antes de iniciar a apreciação dos objetos que fazem parte do vídeo e com o objetivo de criar condições para um olhar e um conhecer diferente do até então desenvolvido, criamos uma série de exercícios para que os alunos observem, analisem e pesquisem as formas, as cores, as

8 texturas, o volume, a função e a utilidade dos objetos que trouxeram estabelecendo relações e explorando os materiais. A apresentação do objeto poderá ser acompanhada de uma palavra que se reporte ao valor sentimental, ao cheiro, ao material, a forma. Em seguida solicite que troquem os objetos e desenhem a forma. Todos os trabalhos deverão ser expostos, apreciados e comentados. Em seguida, a ideia é que modelem em argila ou massinha o objeto escolhido, explorando a forma, o volume e a textura. Nova exposição será realizada para que os alunos percebam que o desenho é bidimensional e a modelagem é tridimensional. Após realizarem os exercícios com volume, poderão novamente trabalhar no espaço bidimensional por meio de novos desenhos de observação, uma composição será organizada pelo professor e os alunos poderão levantar-se para observar todos os lados das formas. Prosseguindo com as atividades, a composição será organizada pelos alunos do modo que eles acharem mais interessante. Nessa organização, elementos da composição artística poderão ser trabalhados: figura, fundo, equilíbrio, cores e planos. Em um trabalho mais direcionado para a apreciação dos objetos, o professor deverá orientar a montagem de uma exposição com os elementos escolhidos pelos alunos para apresentar aos colegas. Um painel também poderá se montado a partir de recorte e colagem de objetos com formas estranhas às crianças que poderão imaginar o uso e a função. Visando aumentar a bagagem cultural, visual e formal dos alunos o professor pode convidar as crianças para a apreciação do vídeo, porém antes de exibir as imagens, deverá orientá-los para que registrem as palavras que já conhecem e as dúvidas em relação a cada obra exposta. Aproveite o vídeo para realizar um breve estudo sobre a escrita e discutir alguns sistemas e sua importância na decoração da cultura islâmica.

9 Como investigação de ordem formal ou como meio para que o professor discuta com a classe as diferentes interpretações das obras algumas questões poderão ser levantadas. Dessa forma sugerimos: Cores que predominam; linhas que prevalecem; semelhança de temática; definição de figura e fundo; identificação dos planos; suporte da obra, técnica, formas repetidas, foco principal da cena, entre outros aspectos. Significado das cores; relação das obras com o assunto do filme; o que as obras representam; se o tema foi influenciado por algum acontecimento; sentimentos que a obra desperta; possibilidades de título; local representado; quem são as pessoas que fazem parte da cena; o que as pessoas estão fazendo no local; qual a intenção do artista ao representar a cena ou tema. Terceira e quarta aulas Coloque novamente as partes do vídeo onde aparecem seres estranhos: animais compostos, animais com cabeça de um ser humano, animais objeto. As obras poderão ser exibidas em imagens fixas e o professor solicitará aos alunos que descrevam o que observam nas pinturas ou esculturas com relação às orientações recebidas antes da apreciação do filme. Essa conversa poderá se dar a partir da escolha de duas ou mais obras cuja preferência se destaca dentre os alunos. Essas obras pretendem instigar a associação entre formas e os bichos esquisitos do vídeo além de articular os prérequisitos dos alunos às novas informações sobre os conteúdos de arte com os quais se pretende trabalhar durante as aulas programadas. Inicialmente, solicite aos alunos que

10 observem os animais, livres de informações prévias que os impedirão de elaborar suas próprias idéias. Convide-os a falar sobre formas, cores, linhas, claro, escuro, maior, menor, longe, perto. Essas questões dizem respeito aos aspectos de composição da obra, pois tratam dos elementos expressivos da linguagem visual. Essa intervenção possibilita a futura introdução de novas informações sobre tais elementos. Não se esqueça de você está elaborando um diagnóstico. O próximo passo será verificar que relações podem ser estabelecidas entre os objetos, sua forma e os bichos esquisitos. Procure orientar a discussão propondo novos desafios que os levem a buscar diversas soluções, de acordo com sua faixa etária, tais como: onde esses bichos vivem quais sons emitem, com que se parecem e que nomes teriam. A seguir você apresentará informações sobre o artista que o artista que criou a obra, para que, em que época, o material utilizado, considerando que essas informações deverão ser sucintas. Diga às crianças que agora elas serão os artistas e deverão inventar um animal que não existe, para ser utilizado de alguma maneira, ou seja: uma fonte, um troféu, uma lamparina, um porta incenso, um porta pólvora, um pote para condimentos. Distribua material papel, giz, lápis de cor, canetinhas, cola, tesoura, revistas, e deixe-as livre para criar desenhando ou montado com colagem. Não se esqueça de expor e conversar sobre a utilidade da forma ou objeto. Peça a mesma tarefa, agora a ser realizada de forma tridimensional, com massinha de modelar ou argila e individualmente. Exponha todos os trabalhos e comente com os alunos a originalidade das criações, a utilização das cores, a intenção de cada um, a ocupação do espaço, sempre tratando das questões da linguagem visual. Pergunte as dificuldades que tiveram ao trabalhar a

11 forma tridimensional. Comente o volume, espacialidade, o uso das formas sólidas e o conjunto. Outra ideia é que, a partir de um olhar atento nas obras do filme, professor e alunos possam conversar sobre estruturas de composição, expressão, técnica e material que cada objeto apresenta. Nesse sentido, a atenção dos alunos poderá estar focada para as mudanças que ocorreram na representação das imagens e sua relação com figura e fundo ao observarem as imagens frontais das pinturas e as formas das esculturas. Desde o início do vídeo a arte islâmica é apresentada com diferentes contrastes e funções. Escolha uma forma para explorar e chame a atenção para o fato de como a história do povo islâmico se inscreve em sua produção artística e de como são profundas as relações entre arte e cultura. Sobre as obras o professor poderá acessar o site do Museu do Louvre - no qual, além de navegar, encontrará um índice em ordem alfabética que localizará exatamente o que precisa com muita facilidade. Outros sites também poderão ser acessados com grande variedade de imagens que certamente enriquecerão as aulas sobre o assunto em questão e ampliarão o repertório artístico dos alunos: Além disso, as produções poderão ser postadas no portal do professor para que os alunos de outras regiões troquem experiências e, se for o caso, conheçam obras que devem se preservadas e que fazem parte do patrimônio cultural de outras localidades. O endereço é e o ícone a ser acessado será Interação e colaboração. A seguir, clicar em Ferramentas pela internet e, finalmente, Junte-se a uma comunidade. Ao juntar-se a uma comunidade, como por

12 exemplo, PRAL Portal da comunicação do professor/aluno, os alunos deverão optar pelo campo: Sou aluno para interagir com outros alunos e divulgar seus trabalhos e suas ideias acerca do tema patrimônio cultural. Quinta e sexta aula Professor, mais uma vez enfatizando a dificuldade de escolha, e lembrando que esta é apenas mais uma sugestão, a história em quadrinhos é uma idéia de continuidade que certamente agradará os alunos. Por quê? Porque as histórias em quadrinhos têm a presença marcante na contemporaneidade, na vida das crianças, adolescentes, jovens e adultos de todas as culturas. Aventuras, romances, mistérios que falam de amor, ódio, terror, tristeza, alegria, dor, carinho deste mundo e de outros; da decepção e do encantamento; de fadas e duendes; de seres estranhos e esquisitos; de bruxas e lobisomem; do bem e do mal. De super-heróis, máquinas mortais e ficção científica. De animais incríveis que se transformam em personagens. Tudo é possível no desenho. E o que se aprende? No campo da arte do desenho é muito mais. Linha, ponto, forma, cor, ocupação de espaço, composição, perspectiva, textura, luz, sombra, ocupação de espaço, enquadramento, proporção, cenários, recursos gráficos, planos, níveis, balões, onomatopeias, títulos, sequência. Outro bom motivo para a escolha da história em quadrinhos é a flexibilidade dessa modalidade artística em se adequar às necessidades e possibilidades artísticas e estéticas de alunos do Ciclo I e II. Portanto, peça aos alunos que, a partir dos bichos esquisitos que foram criados, montem seis quadros para uma história em quadrinhos. Se desejar o trabalho poderá ser realizado em grupos com

13 diferentes bichos. Para essa atividade é importante que se retome o vídeo na imagem que apresenta os azulejos pintados com animais inspirados na mitologia grega. Questões para discussão O que mais chama a atenção nas imagens? O tema da obra se reporta a qual momento histórico? Quem são os povos iranianos? Qual a diferença entre obras bidimensionais e tridimensionais? Um desenho pode trazer lembranças? Quais obras gostariam de ver em um museu? O que levariam para um museu? Que histórias as obras contam? Bibliografia BECKETT, Irmã Wendy. História da pintura: um guia para compreensão da História da Arte ocidental. Tradução de Maria Filomena Duarte. Brasil, Livros e Livros, COLI, Jorge. O que é arte? São Paulo: Brasiliense, COSTA, Cristina. Questões de arte A natureza do belo, da percepção e do prazer estético. São Paulo: Editora Moderna, FERREIRA, Sueli. O ensino das artes. Campinas:Papirus, LEMOS, Carlos A. C. O que é patrimônio histórico. São Paulo: Brasiliense, Consultor: Roseli Ventrella

EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 4

EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 4 EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 4 1º VOLUME ARTES VISUAIS O FAZER ARTÍSTICO Criação de desenhos, pinturas e colagens, com base em seu próprio repertório. Exploração das possibilidades oferecidas por diferentes

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV ARTE

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV ARTE CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL 2015 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV ARTE OBJETIVOS GERAIS Desenvolver o pensamento artístico, estético e crítico; Estimular a percepção visual e

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL. DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III e IV ARTE

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL. DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III e IV ARTE CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL 2013 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III e IV ARTE OBJETIVOS GERAIS Desenvolver o pensamento artístico, estético e crítico; Estimular a percepção visual

Leia mais

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA?

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? Projeto Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro tem como tema o meio ambiente em que mostra o homem e a destruição da natureza,

Leia mais

CRECHE MUNICIPAL MACÁRIA MILITONA DE SANTANA PROJETO LITERATURA INFANTIL: "MUNDO ENCANTADOR"

CRECHE MUNICIPAL MACÁRIA MILITONA DE SANTANA PROJETO LITERATURA INFANTIL: MUNDO ENCANTADOR CRECHE MUNICIPAL MACÁRIA MILITONA DE SANTANA PROJETO LITERATURA INFANTIL: "MUNDO ENCANTADOR" CUIABÁ-MT 2015 CRECHE MUNICIPAL MÁCARIA MILITONA DE SANTANA 1- Tema: "Mundo Encantador" 1.2- Faixa etária: 2

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANUAL EDUCAÇÃO INFANTIL INFANTIL III - 2012 OBJETIVOS - CRIANÇAS DE TRÊS ANOS

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANUAL EDUCAÇÃO INFANTIL INFANTIL III - 2012 OBJETIVOS - CRIANÇAS DE TRÊS ANOS CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANUAL EDUCAÇÃO INFANTIL INFANTIL III - 2012 OBJETIVOS - CRIANÇAS DE TRÊS ANOS De acordo com o PCN e o Referencial Curricular da Educação Infantil, a instituição deve criar um ambiente

Leia mais

INFORMATIVO 2015 GRUPO

INFORMATIVO 2015 GRUPO INFORMATIVO 2015 GRUPO 5 Considerar a criança como sujeito é levar em conta, nas relações que com ela estabelecemos, que ela tem desejos, ideias, opiniões, capacidade de decidir, de criar, e de inventar,

Leia mais

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL)

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) Resumo A série apresenta a formação dos Estados europeus por meio da simbologia das cores de suas bandeiras. Uniões e cisões políticas ocorridas ao longo

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As Letrinhas Mágicas 2. EPISÓDIO(S) TRABALHADO(S) Carros Usados 3. SINOPSE DO(S) EPISÓDIO(S) ESPECÍFICO(S) O episódio Carros Usados faz parte da

Leia mais

APRENDENDO NOS MUSEUS. Exposição no Bloco do estudante: O brinquedo e a rua: diálogos

APRENDENDO NOS MUSEUS. Exposição no Bloco do estudante: O brinquedo e a rua: diálogos APRENDENDO NOS MUSEUS Exposição no Bloco do estudante: O brinquedo e a rua: diálogos Este material foi desenvolvido a fim de ajudar alunos e professores a tirar maior proveito de suas experiências museais.

Leia mais

Presença das artes visuais na educação infantil: idéias e práticas correntes

Presença das artes visuais na educação infantil: idéias e práticas correntes Capítulo 15 - Artes Visuais Introdução As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentido a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por meio da organização de linhas, formas, pontos, tanto

Leia mais

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE Unidade II ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. Ana Lucia M. Gasbarro A formação pessoal e social da criança, áreas de conhecimento e desenvolvimento da criança Introdução A importância

Leia mais

Leya Leituras Projeto de Leitura

Leya Leituras Projeto de Leitura Leya Leituras Projeto de Leitura Nome do livro: JAPĨĨ E JAKÃMĨ Uma história de amizade Autor: Yaguarê Yamã Nacionalidade do autor: Brasileira Currículo do autor: Escritor, professor e artista plástico

Leia mais

Aula-passeio: como fomentar o trabalho docente em Artes Visuais

Aula-passeio: como fomentar o trabalho docente em Artes Visuais Aula-passeio: como fomentar o trabalho docente em Artes Visuais Introdução O objetivo deste trabalho é demonstrar como as artes visuais podem ser trabalhadas com visitas a museus e centros culturais. Apresenta

Leia mais

LISTA DE MATERIAL PARA 2016 EDUCAÇÃO INFANTIL 3

LISTA DE MATERIAL PARA 2016 EDUCAÇÃO INFANTIL 3 LISTA DE MATERIAL PARA 2016 EDUCAÇÃO INFANTIL 3 O Colégio Objetivo fornece aos seus alunos todos os Cadernos de Atividades necessários ao trabalho desenvolvido nas diversas áreas. Esses cadernos são elaborados

Leia mais

PRATICANDO O RCNEI NO ENSINO DE CIÊNCIAS - A CHUVA EM NOSSA VIDA! RESUMO

PRATICANDO O RCNEI NO ENSINO DE CIÊNCIAS - A CHUVA EM NOSSA VIDA! RESUMO PRATICANDO O RCNEI NO ENSINO DE CIÊNCIAS - A CHUVA EM NOSSA VIDA! Roberta Soares de Vargas 1 e Suzane Maier França 1 Ricardo Antonini 2 RESUMO O trabalho aqui apresentado é o resultado de estudos e pesquisas

Leia mais

Plano Anual. Interação e socialização da criança no meio social familiar e escolar. Ampliação progressiva do conhecimento do mundo.

Plano Anual. Interação e socialização da criança no meio social familiar e escolar. Ampliação progressiva do conhecimento do mundo. Centro Educacional Mundo do Saber Maternal II Ano Letivo: 2013 Tema: A fazenda do tio Chico Professora: Heloiza Regina Gervin Plano Anual Eu sou tio Chico, um menino muito esperto e que adora brincar e

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( X ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Pedagogia Disciplina

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As Letrinhas Mágicas. 2. EPISÓDIO(S) TRABALHADO(S) Ideias Lunáticas. 3. SINOPSE DO(S) EPISÓDIO(S) ESPECÍFICO(S) O episódio Ideias Lunáticas faz parte

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 3 PROGRAMAÇÃO DE CONTEÚDOS 2º. VOLUME. Programação de conteúdos/conhecimentos privilegiados

EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 3 PROGRAMAÇÃO DE CONTEÚDOS 2º. VOLUME. Programação de conteúdos/conhecimentos privilegiados EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 3 PROGRAMAÇÃO DE CONTEÚDOS 2º. VOLUME Programação de conteúdos/conhecimentos privilegiados Unidade 4 O mundo secreto das tocas e dos ninhos Unidade 5 Luz, sombra e ação! Unidade

Leia mais

MATEMÁTICA EM TODA PARTE II

MATEMÁTICA EM TODA PARTE II MATEMÁTICA EM TODA PARTE II Episódio: Matemática na Cidade Resumo O Episódio Matemática na Cidade, o segundo da série Matemática em Toda Parte II, vai abordar situações envolvendo fluxo e movimento nas

Leia mais

ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA

ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA PROJETO: ARTES NA EDUCAÇÃO ESPECIAL O CORPO E A MENTE EM AÇÃO LUCAS DO RIO VERDE 2009 APRESENTAÇÃO Em primeiro lugar é preciso compreender

Leia mais

Pré-Escola 4 e 5 anos

Pré-Escola 4 e 5 anos PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Secretaria Municipal da Educação e Cultura SMEC DIÁRIO DE CLASSE Educação Infantil Pré-Escola 4 e 5 anos DIÁRIO DE CLASSE ESCOLA: CRE: ATO DE CRIAÇÃO DIÁRIO OFICIAL / /

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação de Braço do Trombudo

Secretaria Municipal de Educação de Braço do Trombudo Secretaria Municipal de Educação de Braço do Trombudo Concurso: Prêmio AMAVI De Educação 2013 Pequenos Artistas Grandes Talentos Qualidade na Prática da Docência 2013 1 Professora: Aline de Fátima Alves

Leia mais

INFORMATIVO 2015 GRUPO 3

INFORMATIVO 2015 GRUPO 3 INFORMATIVO 2015 GRUPO 3 3 Considerar a criança como sujeito é levar em conta, nas relações que com ela estabelecemos, que ela tem desejos, ideias, opiniões, capacidade de decidir, de criar, e de inventar,

Leia mais

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa JONAS RIBEIRO ilustrações de Suppa Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Deu a louca no guarda-roupa Supl_prof_ Deu a louca no guarda roupa.indd 1 02/12/2015 12:19 Deu a louca

Leia mais

Avaliação-Pibid-Metas

Avaliação-Pibid-Metas Bolsista ID: Claines kremer Avaliação-Pibid-Metas A Inserção Este ano o reingresso na escola foi diferente, pois já estávamos inseridas na mesma há praticamente um ano. Fomos bem recepcionadas por toda

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

PLANEJAMENTO FEVEREIRO/MARÇO 2014

PLANEJAMENTO FEVEREIRO/MARÇO 2014 CENTRO EDUCACIONAL DA LAGOA PLANEJAMENTO FEVEREIRO/MARÇO 2014 PROJETO VENCER OU PERDER: O desafio da vida FEVEREIRO Valor do mês - AMIZADE Sentimento fiel de afeição, simpatia, estima ou ternura entre

Leia mais

A História do. Luca Rischbieter. Discussão 4. No Capítulo 4 da História do Pequeno Reino. Ideias e Sugestões

A História do. Luca Rischbieter. Discussão 4. No Capítulo 4 da História do Pequeno Reino. Ideias e Sugestões Desenhar, modelar, pintar: brincadeiras especiais No Capítulo 4 da História do Pequeno Reino Aparecem no castelo materiais para desenhar, pintar e modelar que, juntamente com os brinquedos, passam a fazer

Leia mais

Na sala de aula com as crianças

Na sala de aula com as crianças O CD Rubem Alves Novas Estórias, volume 3, abre novas janelas de oportunidade para quem gosta da literatura. Através do audiolivro podemos apreciar encantadoras histórias e deixar fluir a imaginação. Rubem

Leia mais

Paletas. Autorretratos Rembrandt Van Rijn

Paletas. Autorretratos Rembrandt Van Rijn Paletas Autorretratos Rembrandt Van Rijn Resumo A série Paletas traz nesse episódio Autorretratos, do artista Rembrandt Van Rijn (1606-1669), pintor holandês, um dos maiores representantes do estilo barroco:

Leia mais

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS DA CRIANÇA Professor(a), no tema anterior, A criança de seis anos no ensino fundamental, falamos sobre quem são e como são essas crianças que ingressam

Leia mais

PLANEJAMENTO 1º BIMESTRE

PLANEJAMENTO 1º BIMESTRE PLANEJAMENTO 1º BIMESTRE Disciplina Eixos temáticos (conteúdos) Habilidades prioritárias a serem desenvolvidas pelo educando. Matemática Natureza e Arte Ampliação do vocabulário; Coordenação motora; Linguagem

Leia mais

Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio Planificação Anual das Atividades Letivas

Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio Planificação Anual das Atividades Letivas Departamento Curricular/Ciclo: 1º Ciclo Disciplina: Expressões Artísticas e Físico-Motora Ano de escolaridade: 4º ano Ano letivo: 2015/2016 Perfil do aluno à saída do 1º ciclo: Participar na vida sala

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA Connie, a vaquinha 2. EPISÓDIO(S) TRABALHADO(S): A pedra da sorte 3. SINOPSE DO(S) EPISÓDIO(S) ESPECÍFICO(S) O episódio A pedra da sorte faz parte

Leia mais

EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE

EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE Stella Maris Pissaia 1 Giseli Dionize Bobato 2 RESUMO: Neste resumo apresentamos uma descrição compreensiva das experiências vivenciadas a partir do contato teórico durante

Leia mais

As esferas acústicas da cena e o cinema

As esferas acústicas da cena e o cinema As esferas acústicas da cena e o cinema César Lignelli Programa de Pós-Graduação em Educação UnB Doutorando Educação e Comunicação Or. Profa. Dra. Laura Coutinho Professor Assistente do Departamento de

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Camila Lacerda Ortigosa Pedagogia/UFU mila.lacerda.g@gmail.com Eixo Temático: Educação Infantil Relato de Experiência Resumo

Leia mais

Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre

Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre anterior, dentro de contextos que buscavam enfatizar o

Leia mais

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena.

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena. JUQUERIQUERÊ Resumo Neste breve documentário, um índio faz uma retrospectiva de como ele vivia na região do Rio Juqueriquerê, localizada no litoral norte do Estado de São Paulo. Em seu relato, compara

Leia mais

Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down

Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down Resumo Esse vídeo pretende oferecer instrumentos aos professores da educação infantil e do ensino fundamental para as tarefas da educação

Leia mais

É possível conjugar uma sessão de cinema com uma oficina.

É possível conjugar uma sessão de cinema com uma oficina. 7 12 Anos ESTAS IMAGENS SÃO UM RODOPIO!///////////////////// 3 CINEMA EM CASA!//////////////////////////////////////////////////// 4 QUE FEITIÇO É ESTE?/////////////////////////////////////////////////

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu Mestrado Profissional em Ensino de Ciências Campus Nilópolis Ana Paula Inacio Diório AS MÍDIAS

Leia mais

É possível conjugar uma sessão de cinema com uma oficina.

É possível conjugar uma sessão de cinema com uma oficina. 12 18 Anos ESTAS IMAGENS SÃO UM RODOPIO!/////////////////////////////////////// 3 CINEMA EM CASA!////////////////////////////////////////////////////////////////////// 4 BRINQUEDOS ÓPTICOS///////////////////////////////////////////////////////////////

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA INICIANDO A CONVERSA APROFUNDANDO O TEMA Por que ensinar gêneros textuais na escola? Registro

Leia mais

Caracterização da Escola

Caracterização da Escola 28 O CORDEL DOS TIRADENTES Flávia Helena Pontes Carneiro* helena.flavia@gmail.com *Graduada em Pedagogia, Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais, Professora

Leia mais

COLÉGIO MAGNUM BURITIS

COLÉGIO MAGNUM BURITIS COLÉGIO MAGNUM BURITIS ENSINO FUNDAMENTAL PROGRAMAÇÃO 1ª ETAPA / 2013 MATERNAL III PROGRAMAÇÃO DA 1ª ETAPA 2013 MATERNAL 3 ANOS Organize suas atividades de forma ordenada, dando a cada uma o seu tempo

Leia mais

Mão Na Forma. Episódios: Os Sólidos de Platão, O Barato de Pitágoras e Quadrado, Cubo e Cia

Mão Na Forma. Episódios: Os Sólidos de Platão, O Barato de Pitágoras e Quadrado, Cubo e Cia Mão Na Forma Episódios: Os Sólidos de Platão, O Barato de Pitágoras e Quadrado, Cubo e Cia Resumo Esta série, intitulada Mão na Forma, tem o objetivo de trazer a Geometria encontrada na natureza para dentro

Leia mais

Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO. Introdução

Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO. Introdução Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO Introdução Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) o conteúdo Tratamento da Informação, deve ser trabalhado de modo que estimule os alunos a fazer perguntas,

Leia mais

Pão, pão, pão. Estêvão Marques, Marina Pittier e Fê Sztok Ionit Zilberman. escrito por. ilustrado por

Pão, pão, pão. Estêvão Marques, Marina Pittier e Fê Sztok Ionit Zilberman. escrito por. ilustrado por elaboração: Tatiana Pita Mestre em Educação pela PUC (SP) Pão, pão, pão escrito por ilustrado por Estêvão Marques, Marina Pittier e Fê Sztok Ionit Zilberman 2 O encanto e as descobertas que o livro nos

Leia mais

ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL II DATA: PERÍODO:

ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL II DATA: PERÍODO: ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL II DATA: PERÍODO: Prática Social: VIVÊNCIA do conteúdo: CONTEÚDO: Obra: Gustavo Rosa. Cooper em família. 2003. Óleo sobre tela, 160 x 250 cm. Coleção Particular

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As Letrinhas Mágicas 2. EPISÓDIO(S) TRABALHADO(S) Brincadeira na Neve 3. SINOPSE DO(S) EPISÓDIO(S) ESPECÍFICO(S) O episódio Brincadeira na Neve faz

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As Histórias do Senhor Urso. 2. EPISÓDIO(S) TRABALHADO(S) O Circo. 3. SINOPSE DO(S) EPISÓDIO(S) ESPECÍFICO(S) O episódio O circo faz parte da série

Leia mais

Plano de aula para três encontros de 50 minutos cada. Tema: Vida e obra de Vincent Van Gogh. Público alvo: 4º série do Ensino fundamental

Plano de aula para três encontros de 50 minutos cada. Tema: Vida e obra de Vincent Van Gogh. Público alvo: 4º série do Ensino fundamental UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA DAV- DEPARTAMENTO DE ARTES VISUAIS Curso: Licenciatura em Artes Visuais Disciplina: Cultura Visual Professora: Jociele Lampert Acadêmica: Cristine Silva Santos

Leia mais

Propiciar a socialização da criança através da participação numa comunidade mais ampla, onde descubra e domine regras próprias do convívio social.

Propiciar a socialização da criança através da participação numa comunidade mais ampla, onde descubra e domine regras próprias do convívio social. EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental

Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental Não se aprende por exercícios, mas por práticas significativas. Essa afirmação fica quase óbvia se pensarmos em como uma

Leia mais

A Música No Processo De Aprendizagem

A Música No Processo De Aprendizagem A Música No Processo De Aprendizagem Autora: Jéssica Antonia Schumann (FCSGN) * Coautor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: O presente trabalho tem por objetivo investigar sobre a importância em

Leia mais

O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais

O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais José Moran Pesquisador, Professor, Conferencista e Orientador de projetos inovadores na educação. Publicado em: SILVA, Marco & SANTOS, Edméa (Orgs).

Leia mais

Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil

Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil Zilma de Moraes Ramos de Oliveira zilmaoliveira@uol.com.br Apoio Parceria Coordenação Técnica Iniciativa OBJETIVOS Discutir as implicações

Leia mais

Aspectos importantes da realização de Feiras de Ciências na Educação Básica.

Aspectos importantes da realização de Feiras de Ciências na Educação Básica. Aspectos importantes da realização de Feiras de Ciências na Educação Básica. Identificação: Carolina Luvizoto Avila Machado, bióloga, coordenadora de projetos na Abramundo Educação em Ciências. Murilo

Leia mais

Dicas para você trabalhar o livro Mamãe, como eu nasci? com seus alunos.

Dicas para você trabalhar o livro Mamãe, como eu nasci? com seus alunos. Dicas para você trabalhar o livro Mamãe, como eu nasci? com seus alunos. Caro professor, Este link do site foi elaborado especialmente para você, com o objetivo de lhe dar dicas importantes para o seu

Leia mais

Meu Mini Mundo 1. PALAVRAS-CHAVE: livro; mini mundo; literatura infantil; kirigami; comunicação.

Meu Mini Mundo 1. PALAVRAS-CHAVE: livro; mini mundo; literatura infantil; kirigami; comunicação. Meu Mini Mundo 1 Marleyde Alves dos SANTOS 2 Alexandre FERREIRA 3 Bruno César de SOUZA 4 Mayra Magalhães GOMES 5 Thiago Arthur GOMES 6 Lamounier Lucas PEREIRA Jr. 7 Centro Universitário Newton Paiva, Belo

Leia mais

Desnaturalização e estranhamento: experiência do PIBID em Sociologia. Anabelly Brederodes Cássio Tavares

Desnaturalização e estranhamento: experiência do PIBID em Sociologia. Anabelly Brederodes Cássio Tavares Desnaturalização e estranhamento: experiência do PIBID em Sociologia Anabelly Brederodes Cássio Tavares Resumo O trabalho tem como objetivo refletir sobre a prática de ensino e aprendizagem, como um processo

Leia mais

3. Projetos de Trabalho

3. Projetos de Trabalho As propostas de organização curricular para os eixos de trabalho apresentados não devem restringir a criatividade e as decisões pedagógicas de cada escola ou educador, uma vez que as mesmas abrem possibilidades

Leia mais

EMEI PROFº ANTONIO CARLOS PACHECO E SILVA PROJETO PEDAGÓGICO 2012 BRINCAR NÃO É BRINCADEIRA...

EMEI PROFº ANTONIO CARLOS PACHECO E SILVA PROJETO PEDAGÓGICO 2012 BRINCAR NÃO É BRINCADEIRA... EMEI PROFº ANTONIO CARLOS PACHECO E SILVA PROJETO PEDAGÓGICO 2012 BRINCAR NÃO É BRINCADEIRA... JUSTIFICATIVA Desde o nascimento a criança está imersa em um contexto social, que a identifica enquanto ser

Leia mais

Plano de Patrocínio LEI MUNICIPAL DE INCENTIVO A CULTURA TRANSPARÊNCIA PROCESSO: 125.533/10 C.E: 239/10

Plano de Patrocínio LEI MUNICIPAL DE INCENTIVO A CULTURA TRANSPARÊNCIA PROCESSO: 125.533/10 C.E: 239/10 Plano de Patrocínio LEI MUNICIPAL DE INCENTIVO A CULTURA TRANSPARÊNCIA PROCESSO: 125.533/10 C.E: 239/10 Resumo Executivo TRANSPARÊNCIA A proposta ora apresentada prevê a exposição de pinturas da artista

Leia mais

JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS

JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS Educação Matemática na Educação Infantil e nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental (EMEIAIEF) GT 09 RESUMO

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL. DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO ARTE

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL. DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO ARTE CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL 2015 DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO ARTE OBJETIVOS GERAIS Conhecimento da Arte enquanto auto expressão e conhecimento, apreensão e comunicação

Leia mais

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação.

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação. Colégio Tutto Amore Colégio Sapience Carinho, Amor e Educação. Trabalhamos com meio-período e integral em todos os níveis de ensino. www.tuttoamore.com.br Nossa História No ano de 1993 deu-se o ponto de

Leia mais

Fundamentos para uma prática pedagógica: convite de casamento

Fundamentos para uma prática pedagógica: convite de casamento Fundamentos para uma prática pedagógica: convite de casamento Fernando José de Almeida Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida Casamento não significa felicidade automática e garantida. Isso só acontece

Leia mais

ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS E FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES EM ESCOLAS PÚBLICAS DE JATAÍ GO: DIAGNÓSTICO E PERSPECTIVAS

ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS E FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES EM ESCOLAS PÚBLICAS DE JATAÍ GO: DIAGNÓSTICO E PERSPECTIVAS ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS E FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES EM ESCOLAS PÚBLICAS DE JATAÍ GO: DIAGNÓSTICO E PERSPECTIVAS Firmino Cardoso PEREIRA Universidade Federal de Goiás - Campus Jataí firminocpereira@gmail.com

Leia mais

Grupo 5 Volume 3 Unidade 5: Um pouco daqui, um pouco dali, um pouco de lá.

Grupo 5 Volume 3 Unidade 5: Um pouco daqui, um pouco dali, um pouco de lá. Grupo 5 Volume 3 Unidade 5: Um pouco daqui, um pouco dali, um pouco de lá. A Unidade é muito rica em informações sobre os três países explorados e possibilita o desenvolvimento de pesquisas e ampliação

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA Connie, a Vaquinha 2. EPISÓDIO(S) TRABALHADO(S): A Ponte 3. SINOPSE DO(S) EPISÓDIO(S) ESPECÍFICO(S) O episódio A Ponte faz parte da série Connie,

Leia mais

A COMPETÊNCIA LEITORA NOS ESPAÇOS DA COMUNIDADE DO PARANANEMA-PARINTINS/AM

A COMPETÊNCIA LEITORA NOS ESPAÇOS DA COMUNIDADE DO PARANANEMA-PARINTINS/AM 00092 A COMPETÊNCIA LEITORA NOS ESPAÇOS DA COMUNIDADE DO PARANANEMA-PARINTINS/AM Maria Valcirlene de Souza Bruce 1 Monica Silva Aikawa 2 Resumo: O artigo apresenta o resultado de uma intervenção pedagógica

Leia mais

ESTA ESCOLA É O BICHO E ME ADOTA

ESTA ESCOLA É O BICHO E ME ADOTA mascotes ESTA ESCOLA É O BICHO E ME ADOTA me adota? Secretaria Especial dos Direitos Animais Ação educativa 2016-2º ciclo (final), 3º ciclo e Ensino Médio: MASCOTES ESTA ESCOLA É O BICHO E ME ADOTA Organizadora:

Leia mais

como a arte pode mudar a vida?

como a arte pode mudar a vida? como a arte pode mudar a vida? LONGE DAQUI, AQUI MESMO 1 / 2 Longe daqui, aqui mesmo 1 Em um caderno, crie um diário para você. Pode usar a escrita, desenhos, recortes de revista ou jornais e qualquer

Leia mais

PROGRAMA DE CONTEÚDOS 2014

PROGRAMA DE CONTEÚDOS 2014 C O L É G I O L A S A L L E Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Guarani, 2000 - Fone (045) 3252-1336 - Fax (045) 3379-5822 http://www.lasalle.edu.br/toledo/ PROGRAMA DE 2014 DISCIPLINA: LINGUAGEM

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Médio ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS (SP) Área de conhecimento: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular: GEOGRAFIA Série

Leia mais

Lição. outros. Versículo Bíblico Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações Mateus 28:19

Lição. outros. Versículo Bíblico Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações Mateus 28:19 FRUTOS-3 Descoberta Lição 9 4-6 Anos Unidade 3: Aprendendo a Viver Como Um Amigo de Jesus Amigos de Jesus Falam de Jesus para os Outros A s crianças de quatro e seis anos irão descobrir os desafios da

Leia mais

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Telma Maria Pereira dos Santos Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado da Bahia UNEB e Pós-graduada em Educação

Leia mais

Fotografia: Arte,Ciência e Tecnologia

Fotografia: Arte,Ciência e Tecnologia Fotografia: Arte,Ciência e Tecnologia E.E. Frontino Guimarães Sala 5 2ª Sessão Professor(es) Apresentador(es): Meire Pereira de França Roseli Fernandes Euquério Lima Realização: Foco Desenvolvimento da

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA Balinha e Dentinho. 2. EPISÓDIO(S) TRABALHADO(S) Entrando nas Ondas do Rádio 3. SINOPSE DO(S) EPISÓDIO(S) ESPECÍFICO(S) O episódio Entrando nas ondas

Leia mais

Prêmio Sinepe. 10 Prêmio Responsabilidade Social Categoria: Desenvolvimento Cultural. Literarte 2015 Artes Visuais no Distrito Criativo.

Prêmio Sinepe. 10 Prêmio Responsabilidade Social Categoria: Desenvolvimento Cultural. Literarte 2015 Artes Visuais no Distrito Criativo. Prêmio Sinepe 10 Prêmio Responsabilidade Social Categoria: Desenvolvimento Cultural Literarte 2015 Artes Visuais no Distrito Criativo tempo Apresentação do Projeto Um pouco de História do Colégio Batista

Leia mais

À Procura de Mozart Resumo Canal 123 da Embratel Canal 112 da SKY,

À Procura de Mozart Resumo Canal 123 da Embratel Canal 112 da SKY, À Procura de Mozart Resumo O vídeo nos oferece um relato sobre a vida e obra de Wolfgang Amadeus Mozart. Ele nos é apresentado como único e inigualável devido à sua genialidade na música clássica do século

Leia mais

Projeto de intervenção

Projeto de intervenção Projeto de intervenção Tema: trabalhando com artes na educação infantil. Por: Cristiane Salvador Batista¹ Vivalda de Jesus Souza² INTRODUÇÃO Pretende-se por meio deste projeto Trabalhando Com Artes Na

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC FIGUEIREDO, Anelice Maria Banhara - SME / Chapecó/SC anelicefigueiredo@gmail.com LORENZET, Simone Vergínia - SME

Leia mais

Departamento das Educação Pré-escolar

Departamento das Educação Pré-escolar Departamento das Educação Pré-escolar A melhoria da qualidade das aprendizagens, a avaliação implica, no quadro da relação entre o jardim-de-infância, a família e a escola, uma construção partilhada que

Leia mais

Aula lá fora. Episódio 9: Paranapiacaba. Palavras-chave Aula lá fora, escola, pedagogia, pesquisa, meio ambiente, formação de professores.

Aula lá fora. Episódio 9: Paranapiacaba. Palavras-chave Aula lá fora, escola, pedagogia, pesquisa, meio ambiente, formação de professores. Aula lá fora Episódio 9: Paranapiacaba Resumo Este vídeo exibe o episódio n o 9 da série Aula lá fora e trata do tema Meio ambiente. O episódio mostra as atividades desenvolvidas na preparação, realização

Leia mais

LISTA DE MATERIAL PARA 2016 1º ANO ENSINO FUNDAMENTAL

LISTA DE MATERIAL PARA 2016 1º ANO ENSINO FUNDAMENTAL LISTA DE MATERIAL PARA 2016 1º ANO ENSINO FUNDAMENTAL O Colégio Objetivo fornece aos seus alunos todos os Cadernos de Atividades necessários ao trabalho desenvolvido nas diversas áreas. Esses cadernos

Leia mais

O LÚDICO COMO INSTRUMENTO TRANSFORMADOR NO ENSINO DE CIÊNCIAS PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA.

O LÚDICO COMO INSTRUMENTO TRANSFORMADOR NO ENSINO DE CIÊNCIAS PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA. O LÚDICO COMO INSTRUMENTO TRANSFORMADOR NO ENSINO DE CIÊNCIAS PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Autor (1)Suzânia Maria Pereira de Araújo; Autor (2) Eleilde de Sousa Oliveira; Orientador (1)Denise Silva

Leia mais

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2010. Infantil II Segmento I

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2010. Infantil II Segmento I Colégio Cor Jesu Brasília DF Plano de Curso 2010 Infantil II Segmento I PLANO DE CURSO 2009 INFANTIL II Disciplina: ARTES Série: INFANTIL II Segmento: I COMPETÊNCIAS HABILIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS -

Leia mais

Identificação do projeto

Identificação do projeto Seção 1 Identificação do projeto ESTUDO BÍBLICO Respondendo a uma necessidade Leia Neemias 1 Neemias era um judeu exilado em uma terra alheia. Alguns dos judeus haviam regressado para Judá depois que os

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

Matemática em Toda Parte II

Matemática em Toda Parte II Matemática em Toda Parte II Episódio: Matemática no Transporte Resumo O episódio Matemática no Transporte, da série Matemática em Toda Parte II, vai mostrar como alguns conceitos matemáticos estão presentes

Leia mais

Um mercado de oportunidades

Um mercado de oportunidades Um mercado de oportunidades Como grandes, pequenas e médias empresas se comunicam? Quem são os principais interlocutores e como procurá-los? Como desenvolver uma grande campanha e inovar a imagem de uma

Leia mais

Mostra de Projetos 2011

Mostra de Projetos 2011 Mostra de Projetos 2011 Fala cidadão: promovendo o direcionamento social, educacional e profissional do aluno da E.J.A, visando à transformação de sua realidade, na construção da cidadania Mostra Local

Leia mais

RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010

RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010 RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010 Débora Rana Introdução Participar da seleção do Prêmio Victor Civita, pela segunda vez, é uma experiência bastante interessante, pois permite estabelecer relações entre

Leia mais