SISTEMA DE CONTROLE DE PEDIDOS SISCOP. Documento de Projeto de Rede. Versão 2.0

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA DE CONTROLE DE PEDIDOS SISCOP. Documento de Projeto de Rede. Versão 2.0"

Transcrição

1 SISTEMA DE CONTROLE DE PEDIDOS Documento de Versão 2.0

2 SISTEMA DE CONTROLE DE PEDIDOS Documento de 2 de 16 Histórico de revisões Versão Data Descrição Autor /10/2010 Desenvolvimento do documento de projeto lógico de rede /11/2010 Revisão e inclusão de rede física Paulo Minoru Takagi. João Augusto Conceição IT Solutions Project Página 2 de 16 Sistema de Controle de Pedidos

3 SISTEMA DE CONTROLE DE PEDIDOS Documento de 3 de 16 Índice ÍNDICE DE FIGURAS INTRODUÇÃO PROPÓSITO PÚBLICO ALVO ESCOPO DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS E ABREVIAÇÕES REFERÊNCIAS VISÃO GERAL DO DOCUMENTO TOPOLOGIA LÓGICA DA REDE DESCRIÇÃO DOS PROTOCOLOS ESQUEMA DE ROTEAMENTO MECANISMOS E PRODUTOS DE SEGURANÇA EQUIPAMENTOS E DISPOSITIVOS DA REDE FÍSICA APROVAÇÃO IT Solutions Project Página 3 de 16 Sistema de Controle de Pedidos

4 SISTEMA DE CONTROLE DE PEDIDOS Documento de 4 de 16 Índice de Figuras Figura 1: Esquema simplificado do ambiente de rede atual... 7 Figura 2: Topologia lógica da rede... 8 Figura 3: Esquema simplificado da rede prevista...9 IT Solutions Project Página 4 de 16 Sistema de Controle de Pedidos

5 SISTEMA DE CONTROLE DE PEDIDOS Documento de 5 de Introdução 1.1. Propósito Este documento especifica os sistemas de rede recomendados por IT Solutions Project visando à implantação do Sistema de Controle de Pedidos () e fornecendo aos desenvolvedores as informações necessárias para o projeto e implementação, assim como para a realização dos testes e homologação do sistema. Efetivada a implantação da rede, a infra-estrutura da empresa estará pronta para a operação de uma das funcionalidades do que é o acesso dos pontos remotos ao sistema via Web, através da tecnologia VPN, que permitirá acesso seguro e confiável ao sistema na empresa Público Alvo Este documento se destina aos arquitetos de rede, engenheiros de rede e testadores Escopo Este documento demonstrará do ponto de vista lógico e físico a rede da empresa Torre Forte Construtora LTDA., visando tanto avaliar as especificações dos parâmetros, protocolos, segurança e roteamento da rede quanto à definição de equipamentos que irão determinar a extensão da rede que será necessária para a implantação do Definições, Acrônimos e Abreviações. A correta interpretação deste documento exige o conhecimento de algumas convenções e termos específicos, que são descritos no documento encontrado no endereço a seguir: Documento Glossário Referência IT Solutions Project Página 5 de 16 Sistema de Controle de Pedidos

6 SISTEMA DE CONTROLE DE PEDIDOS 1.5. Referências Documento de 6 de 16 Guia de Internet de Conectividade 11ª Edição Editora SENAC São Paulo Brasil, Cyclades; Redes de Computadores Curso Completo Editora Axcel Books do Brasil Torres, Gabriel; Transmissao-Rede; Visão geral do documento A seção 2 apresenta a topologia lógica da rede; A seção 3 apresenta uma descrição dos protocolos de nível 2 (comutação) e nível 3 (roteamento), incluindo qualquer recomendação sobre o uso desses protocolos e apresenta um esquema de endereçamento e atribuição de nomes; A seção 4 apresenta um esquema de roteamento; A seção 5 apresenta os mecanismos e produtos recomendados para a segurança, incluindo um resumo de políticas de segurança e procedimentos associados (um plano completo de segurança pode ser incluído como apêndice); A seção 6 apresenta os dispositivos físicos tais como equipamentos (servidores, roteadores), cabeamento e recursos. IT Solutions Project Página 6 de 16 Sistema de Controle de Pedidos

7 SISTEMA DE CONTROLE DE PEDIDOS Documento de 7 de Topologia Lógica da Rede O sistema fará uso da rede de computadores da empresa e do acesso à Internet por esta rede, incluindo a implantação de uma VPN, ou seja, uma rede privada virtual construída sobre a infra-estrutura de rede pública. A conexão VPN utiliza redes de comunicação pública para trafegar informações de forma segura e ágil com confidencialidade, integridade, autenticidade e uma boa relação custo x benefício. Trabalhando com modelo cliente-servidor Web, não haverá modificações radicais no ambiente de rede atual da empresa (figura 1). Este ambiente apresenta topologia em estrela. A topologia lógica na figura 2 é basicamente a mesma para a rede anterior e a rede prevista. O equipamento que será utilizado na implantação da VPN, agora chamado servidor VPN, será configurado para trabalhar junto ao servidor WEB do usuário e, assumindo também o papel de firewall na entrada do sistema para segurança, adicionará um barramento à topologia do sistema atual (figura 2). Servidor WEB / Firewall INTERNET Servidor Intranet / ERP Switch PC PC Impressora PC Figura 1: Esquema simplificado do ambiente de rede atual IT Solutions Project Página 7 de 16 Sistema de Controle de Pedidos

8 SISTEMA DE CONTROLE DE PEDIDOS Documento de 8 de 16 Roteamento(feito pelos servidor) Camada 3 Switch de rede local Camada 2 Hubs Camada 1 Figura 2: Topologia lógica da rede. Neste modelo hierárquico, temos as camadas de núcleo (na camada 1), de distribuição (camada 2) e de acesso (camada 1). IT Solutions Project Página 8 de 16 Sistema de Controle de Pedidos

9 SISTEMA DE CONTROLE DE PEDIDOS Documento de 9 de 16 Servidor de aplicações WEB Servidor VPN/ FIREWALL INTERNET NOTEBOOKS Servidor de Banco de Dados Switch Servidor de Backup PC Impressora PC Figura 3: Esquema simplificado da rede prevista. Acima, temos a representação simplificada da rede física, cujos dispositivos serão indicados na descrição dos equipamentos. IT Solutions Project Página 9 de 16 Sistema de Controle de Pedidos

10 SISTEMA DE CONTROLE DE PEDIDOS Documento de 10 de Descrição dos protocolos Procurou-se definir uma forma de interconexão dos diversos setores da empresa através de comutadores nível 2 e um comutador nível 3 (através do servidor VPN), dotado de capacidade de roteamento e de filtragem de pacotes. A rede toda utilizará a arquitetura TCP/IP; o comutador nível 3 com capacidade de filtragem de pacotes permitirá a utilização de redes virtuais (Virtual LANs VLANS) e a realização de um controle de tráfego mais apurado entre os diversos setores da empresa. Como a implementação da capacidade de redundância é baseada em protocolo nível 2 (SPT), o roteamento utilizado pode ser o estático. Para a conexão VPN de camada 2 que fornecerá acesso aos clientes remotos (browsers nos notebook nos pontos remotos), fornecida pelo servidor VPN (recurso nativo do sistema operacional já disponível pelo cliente), será utilizado o protocolo PPTP (Point-to- Point Tunneling Protocol), que é um protocolo do nível 2 que fornece o tunelamento e criptografia dos dados transmitidos Esquema de Endereçamento e Atribuição de Nomes Para essa rede, o esquema de endereçamento possível será o indicado na Tabela 1. Setor Endereço e máscara Servidores Faixa de endereços a Diretoria a Almoxarifado a Engenharia a TABELA 1: Esquema de endereçamento. IT Solutions Project Página 10 de 16 Sistema de Controle de Pedidos

11 SISTEMA DE CONTROLE DE PEDIDOS Documento de 11 de 16 Na atribuição de nomes,para servidores usar-se-á nomes referentes à temas musicais, assim sendo teremos: Rock (servidor VPN e Firewall), Samba (servidor de Backup), Tango (servidor de aplicações WEB), Pop (servidor de banco de Dados). Para estações clientes irá ser usada a inicial do setor ( A para almoxarifado, D para diretoria, E para engenharia e demais iniciais necessárias) seguida por hífen e o login do usuário da estação. Tomadas nas áreas de trabalho, usar-se-á SSS-ee-tt, onde SSS indica a sala, ee indica o espelho e tt indica a tomada no espelho. Exemplos: , máquina/tomada 02, do primeiro espelho da sala 101 do primeiro pavimento. Para comutadores, pode-se usar CnX-Z, onde X indica o nível do comutador 2 ou 3, e Z indica um índice seqüencial. Exemplos: Cn2-1, Cn2-2. Para Armário de Telecomunicação, Painel de Manobra (patch-panel) e tomada em Painel de Manobra, pode-se usar ppa-qq-tt, onde pp indica o pavimento, A indica um armário no pavimento, qq indica o painel de manobra numerado de cima para baixo no armário, iniciando em 01 e tt indica a tomada no painel de manobra. Exemplos: 03C, armário C do pavimento 03; 03C-02, painel de manobra 02, do armário 03C; 91D-04-02, tomada 02 do painel de manobra 91D-04. Cabos de conexão cruzada e de área de trabalho devem ser identificados em ambas as pontas com números inteiros sequenciais. IT Solutions Project Página 11 de 16 Sistema de Controle de Pedidos

12 SISTEMA DE CONTROLE DE PEDIDOS Documento de 12 de Esquema de Roteamento Considerando o roteamento estático e o uso de redes virtuais, o esquema de roteamento a ser usado torna-se simples. Basicamente: Cada servidor tem como rota default o Comutador nível 3, na sua respectiva VLAN; Cada cliente da Diretoria, Engenharia e Almoxarifado tem como rota default o Comutador nível 2, na sua respectiva VLAN; O comutador nível 3 tem como rota default o Firewall Interno; O firewall Interno tem como rota default o Firewall Externo; O firewall Interno deve estar configurado para realizar NAT (Network Address Translation). IT Solutions Project Página 12 de 16 Sistema de Controle de Pedidos

13 SISTEMA DE CONTROLE DE PEDIDOS Documento de 13 de Mecanismos e Produtos de Segurança Entre os mecanismos de segurança de rede que serão utilizados estão: Autenticação: envolve o fornecimento do nome de usuário e confirmação de senha para acesso à rede e ao. Autorização: define o nível de acesso do usuário ao sistema Contabilidade: se dará através da coleta dos dados de atividade na rede, tais como utilização de recursos até tentativas não atendidas de acesso; tais dados terão uma auditoria periódica. VPN: com a criptografia e o tunelamento providenciados por esta conexão, irá se aumentar a segurança dos acessos externos. Firewall: posicionado junto com o servidor VPN, fará o monitoramento de todo o trafego entrante na rede É necessário que os usuários da rede tenham consciência da necessidade dos mecanismos de segurança adotados. Esta consciência deve ser construída de uma forma polida, mostrando ao usuário que as medidas vêm em benefício deles e de toda a corporação. Daí serão adotadas as medidas comportamentais de segurança na empresa Torre Forte Construções LTDA, tais como: O usuário acessará o sistema por meio de login e senha e somente para as funcionalidades que ele precise utilizar; As mensagens que trafegam entre os pontos remotos e a sede da empresa serão criptografadas por meio da tecnologia VPN; A empresa usará software antivírus capaz de detectar e remover arquivos ou programas nocivos, de s e demais recursos lógicos dentro da empresa. Toda comunicação externa deverá passar pelo firewall baseado em hardware e software que será configurado para controlar o tráfego de dados entre a empresa e a rede mundial de computadores Internet. Deverá ser formulado um documento de política de segurança da empresa Torre Forte Construção LTDA. IT Solutions Project Página 13 de 16 Sistema de Controle de Pedidos

14 SISTEMA DE CONTROLE DE PEDIDOS Documento de 14 de Equipamentos e dispositivos da rede física Devido ao alto poder de processamento exigido pela criptografia da conexão VPN, optou-se pelo equipamento Servidor Dell PowerEdge T410 BRH9410, especificado na tabela abaixo para atuar como servidor, respeitando-se o custo previsto com o cliente: Processador Intel Xeon Quad-core E5504, 2.0 GHz,,64 bits, 4,8 GT/s QPI L3: 4 MB, Soquete LGA1366, 45nm, 80 W Placa-Mãe Memória Video Armazenamento Intel Server Board S5520UR com suporte para 02 processadores da serie Intel Xeon Quad-core 5500 e 5600, Chipset 5520 IOH, 02 soquetes FCLGA1366, 04 slots PCIe 8x, 01 slot PCIe 16x, 12 soquetes memória DIMM DDR3, até 96 GB RAM, 06 portas SATA, expansão SAS RAID modular 2x 2GB DDR3 UDIMM, 1066 MHz, 240 pinos, PC Matrox G200Ew, 8 MB HD SATA II, 250 GB, 7200 RPM, 3,5, cache 8 MB, taxa transf. 3 GB/s Alimentação Fonte de alimentação de 525 W não-redundante Placa 2 x Intel Gigabit, Dual Port 10/100/1000 Mbps, PCIe-4x Unidade de DVD-R DVD RW - SATA Velocidade de leitura e gravação: 16X= 2400 KB/s, Buffer 2MB Custo R$ 9.540,00 Tabela 2: Servidor Dell O mesmo modelo de servidor será utilizado nos demais servidores (aplicações WEB, Banco de dados e Backup), pois é desejo do cliente atualizar também estes equipamentos, aproveitando-se acordo financeiro favorável com o fornecedor (obs.: um dos equipamentos servidor de Backup será diferenciado apenas pelo HD de 2 TB). O switch que será utilizado também será atualizado pelo cliente dentro do pacote de equipamentos negociado com o fornecedor (dentro dos custos previstos), prevendo-se, portanto o uso do switch gerenciado camada 2 Powerconnect 3548, que permite implementar conectividade escalável e de alto desempenho para grupos de trabalho em expansão. IT Solutions Project Página 14 de 16 Sistema de Controle de Pedidos

15 SISTEMA DE CONTROLE DE PEDIDOS Documento de 15 de 16 Atributo de Portas Desempenho Disponibilidade Qualidade de serviço 48 portas de switching Fast Ethernet 2 portas GbE de cobre adicionais MAIS 2 GbE de fibra via transceptores SFP opcionais Capacidade de estrutura de switch de 17,6 Gb/s Taxa de encaminhamento de 13,1 Mpps Até endereços MAC Spanning Tree (IEEE 802.1D) e Rapid Spanning Tree (IEEE 802.1w) com Fast Link support Multiple spanning trees (IEEE 802.1s) Layer 2 Trusted Mode (IEEE 802.1p tagging) Layer 3 Trusted Mode (DSCP) 4 filas de prioridade por porta Alimentação Gerenciamento Fonte de alimentação: VAC, voltagem 50-60Hz Interface de gerenciamento baseada na Web CLI padrão da indústria acessível via Telnet ou porta serial local Suporte a SNMPv1, SNMP v2c e SNMPv3 Custo R$ 6.230,00 Tabela 3: Especificações do switch Como foi informado anteriormente (seção 2), não haverá grandes mudanças na rede física da empresa, que apresenta cabeamento de rede em topologia centralizada em um sistema estruturado. O ambiente para montagem dos equipamentos apresenta condições adequadas de refrigeração e infra-estrutura elétrica. IT Solutions Project Página 15 de 16 Sistema de Controle de Pedidos

16 SISTEMA DE CONTROLE DE PEDIDOS 7. Aprovação Documento de 16 de 16 Estou ciente e de acordo com as informações passadas por mim para composição deste documento e com o conteúdo deste. Data: 15/11/2010 Data: 15/11/2010 RESPONSÁVEL SOLICITANTE Adriano Marra Gerente de s IT Solutions Professor Eduardo Quesado Infraestrutura s Faculdade de Tecnologia Senac IT Solutions Project Página 16 de 16 Sistema de Controle de Pedidos

FACSENAC Banco de questões Documento de Projeto Lógico de Rede

FACSENAC Banco de questões Documento de Projeto Lógico de Rede FACSENAC Banco de questões Documento de Projeto Lógico de Versão: 1.3 Data: 20 de novembro de 2012 Identificador do documento: GTI Soluções Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: www.gestaotisolucoes.com.br

Leia mais

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Projeto Lógico de Rede Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição 1.0 10/10/2011

Leia mais

BELLA DONNA CENTRO DE ESTÉTICA Sistema de Gerenciamento de Serviços em Estética SisGSE. Documento de Projeto Lógico e Físico de Rede

BELLA DONNA CENTRO DE ESTÉTICA Sistema de Gerenciamento de Serviços em Estética SisGSE. Documento de Projeto Lógico e Físico de Rede BELLA DONNA CENTRO DE ESTÉTICA Sistema de Gerenciamento de Serviços em Estética SisGSE Documento de Projeto Lógico e Físico Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição Localização 1.0 20/OUT/2010

Leia mais

FACSENAC. WebZine Manager Documento de Projeto Físico de Rede

FACSENAC. WebZine Manager Documento de Projeto Físico de Rede FACSENAC WebZine Manager Documento de Projeto Físico de Rede Versão: 1.0 Data: 10 de Setembro de 2012 Identificador do documento: WebZine Manager Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização:

Leia mais

Faculdade Escritor Osman da Costa Lins

Faculdade Escritor Osman da Costa Lins Faculdade Escritor Osman da Costa Lins Sistemas de Informação Projeto Redes de Computadores Professor: Hugo Souza 6º Período Alunos: Gleybson Farias Valmir Santos Sumário Sumário Introdução... 3 Lista

Leia mais

JOF - JOINT OPERATIONS FACILITY

JOF - JOINT OPERATIONS FACILITY Anexo 1 Especificações Técnicas (com alterações) 1. OBJETO DA CONTRATAÇÃO Aquisição de equipamentos de informática. 2. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS LOTE 01 Item DESCRIÇÃO CARACTERÍSTICAS DO PRODUTO QTD 1 Servidor

Leia mais

Projeto Infra-Estrutura de rede Coordenadores: DIEGO MIRANDA. Projeto Integrador

Projeto Infra-Estrutura de rede Coordenadores: DIEGO MIRANDA. Projeto Integrador Projeto Infra-Estrutura de rede Coordenadores: DIEGO MIRANDA Projeto Integrador 1. Estrutura de Rede 2. Visão do Rack 3. Planta Baixa TI 4. Planta Baixa Geral 5. Tabela de Endereço 6. Tabela Router 7.

Leia mais

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch Fast Ethernet com as seguintes configurações mínimas: capacidade de operação em camada 2 do modelo OSI; 24 (vinte e quatro) portas

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca das características da arquitetura dos computadores que Julgue os itens a seguir, acerca de sistemas operacionais. devem ser consideradas no projeto e na implantação de

Leia mais

OBJETIVOS DO PROJETO OILBRAS

OBJETIVOS DO PROJETO OILBRAS OBJETIVOS DO PROJETO OILBRAS O objetivo deste projeto é de desenvolver uma rede lógica e estruturada para interconexão dos diversos setores da empresa através de comutadores. Dentro deste contexto procurou-se

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE GOIÁS CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF.

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE GOIÁS CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. 1 REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE GOIÁS CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN E L A B O R A Ç Ã O : M Á R C I O B A L I A N / T I A G O M A

Leia mais

Conceito de Rede e seus Elementos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Conceito de Rede e seus Elementos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceito de Rede e seus Elementos Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceito de Rede e seus Elementos O conceito de rede segundo Tanenbaum é: um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC Código: NO01 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região Comissão de Segurança da Informação Núcleo de Governança Corporativa de TIC Setor de Segurança da Informação Revisão: 1.1 Vigência: 12/02/2016 Classificação:

Leia mais

SYSLOG - Sistema de Logística

SYSLOG - Sistema de Logística Integrantes (Grupo 3) Douglas Antony (Gerente) Bruno Sout Erika Nascimento Horácio Grangeiro Isaque Jerônimo Paulo Roriz Rodrigo Lima Versão:01.00 Data:18/05/2011 Identificador do documento:lr Versão do

Leia mais

A importância de uma NAT e de uma VPN para a segurança da informação

A importância de uma NAT e de uma VPN para a segurança da informação A importância de uma NAT e de uma VPN para a segurança da informação NAT Network Translation Address A funcionalidade de NAT consiste no procedimento de translado de endereços de uma rede para a outra.

Leia mais

WebZine Manager. Documento de Projeto Lógico de Rede

WebZine Manager. Documento de Projeto Lógico de Rede WebZine Manager Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.0 Data: 10 de Setembro de 2012 Identificador do documento: WebZine Manager Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: SoftSolut,

Leia mais

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões FACSENAC ECOFROTA Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.5 Data: 21/11/2013 Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: FacSenac

Leia mais

2 computadores de mesa (desktop):

2 computadores de mesa (desktop): Levantamento dos ativos de infraestrutura de TI utilizados em uma empresa. Especificação técnica e localização dos equipamentos que podem ser patrimoniados. As empresas dependem da infraestrutura de TI

Leia mais

Aquisição de equipamentos de informática

Aquisição de equipamentos de informática CONVITE 010/2008 ANEXO I Aquisição de equipamentos de informática ITEM 1 Nome: Estação de trabalho Quantidade: 1 unidades Processador: (mínimo) Intel core 2 duo E7200 2.53Ghz FSB 1333Mhz 4Mb Cache, 65

Leia mais

LEVANTAMENTO DE HARDWARES PARA O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Graphics

LEVANTAMENTO DE HARDWARES PARA O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Graphics LEVANTAMENTO DE HARDWARES PARA O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Sabe-se que para o desenvolvimento de software as empresas adotam computadores com um grande poder de processamento. Facilitando assim todo

Leia mais

MIDIACENTER Educacional FNDE Descrição Técnica

MIDIACENTER Educacional FNDE Descrição Técnica MIDIACENTER Educacional FNDE Descrição Técnica Visão Geral A solução do MIDIACENTER Educacional é composta por 4 módulos: Módulo Central de Armazenamento e Distribuição de Conteúdo Educacional NUVEM CENTRAL

Leia mais

abilitisoft Ltda. PatriMo Soft Acordo de Nível Operacional - ANO

abilitisoft Ltda. PatriMo Soft Acordo de Nível Operacional - ANO abilitisoft Ltda. PatriMo Soft Acordo de Nível Operacional - ANO OBJETIVO: O Acordo de Nível Operacional, é um acordo entre equipes de TI internas, para que o provedor possa entregar o requisito estabelecido

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Lote 1 item 3. MICROCOMPUTADOR:

TERMO DE REFERÊNCIA Lote 1 item 3. MICROCOMPUTADOR: TERMO DE REFERÊNCIA Lote 1 item 3. MICROCOMPUTADOR: 1.0 PROCESSADOR 1.1 Um processador Intel com arquitetura 64 Bits compatível com o equipamento ofertado e tecnologia de 65nm e núcleo duplo E4500; 1.2

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios Técnico em Redes de Computadores Equipamentos e Acessórios Componentes de uma Rede Uma rede é um sistema composto de um arranjo de componentes: Cabeamento Hardware Software Cabeamento Componentes de uma

Leia mais

Arquitetura de Computadores - Kelly Alves Martins de Lima. Engenharia de Software e Programação Orientada a Objeto

Arquitetura de Computadores - Kelly Alves Martins de Lima. Engenharia de Software e Programação Orientada a Objeto Arquitetura de Computadores - Kelly Alves Martins de Lima Engenharia de Software e Programação Orientada a Objeto Novo XPS 8700 Desktop Dentre as arquiteturas de trabalho mais poderosas no mercado este

Leia mais

AVISO DE HOMOLOGAÇÃO DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL PARA REGISTRO DE PREÇO Nº 05/2015

AVISO DE HOMOLOGAÇÃO DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL PARA REGISTRO DE PREÇO Nº 05/2015 AVISO DE HOMOLOGAÇÃO DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL PARA REGISTRO DE PREÇO Nº 05/2015 O Presidente do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, conferidas através

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores 3º Ano Sistemas de Informação 2008 Aula 05A: Hub/Switch/Gateway Servidores e Virtualização Prof. Msc. Ricardo Slavov ricardo.slavov@aes.edu.br Roteiro Pedagógico HUB Switch Bridge

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ARQUITETURA DE COMPUTADORES

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ARQUITETURA DE COMPUTADORES FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ARQUITETURA DE COMPUTADORES PROFESSOR: Kelly Alves Martins de Lima Arquitetura de Computadores DISCENTES: Helton Klinthon Douglas Silva

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Elementos da Comunicação Origem da mensagem ou remetente; O canal meio físico; Destino da mensagem ou receptor; Rede de dados ou redes de informação são capazes de trafegar diferentes

Leia mais

SANTOS, BRUNA VIANA, ISMAEL SPITZER RELATÓRIO FINAL DE PROJETO

SANTOS, BRUNA VIANA, ISMAEL SPITZER RELATÓRIO FINAL DE PROJETO Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática ANDRESSA SANTOS, BRUNA VIANA, ISMAEL

Leia mais

LISTA DE PREÇOS SERVIDORES DE ENTRADA. Código: T002-01 Código: T001-01

LISTA DE PREÇOS SERVIDORES DE ENTRADA. Código: T002-01 Código: T001-01 LISTA DE PREÇOS Observações: Todos os servidores da lista permitem alterações em sua configuração. Todos os Servidores Intel importados e comercializados pela OEMBR no Brasil, contam com garantia de 03

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES. Desenvolvimento Duração: 35 aulas (2 horas cada aula) Redes de computadores. 1 Apresentação

REDE DE COMPUTADORES. Desenvolvimento Duração: 35 aulas (2 horas cada aula) Redes de computadores. 1 Apresentação REDE DE COMPUTADORES Desenvolvimento Duração: 35 aulas (2 horas cada aula) 1 Apresentação Conhecendo os alunos Conceitos básicos de redes O que é uma rede local Porque usar uma rede local 2 Como surgiram

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal da Integração Latino Americana. Termo de Adjudicação do Pregão Eletrônico Nº 00034/2015 (SRP)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal da Integração Latino Americana. Termo de Adjudicação do Pregão Eletrônico Nº 00034/2015 (SRP) Pregão Eletrônico MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal da Integração Latino Americana Termo de Adjudicação do Pregão Eletrônico Nº 00034/2015 (SRP) Às 10:47 horas do dia 25 de setembro de 2015,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal da Integração Latino Americana. Ata de Formação do Cadastro de Reserva

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal da Integração Latino Americana. Ata de Formação do Cadastro de Reserva 05/10/2015 COMPRASNET O SITE DE COMPRAS DO GOVERNO Pregão Eletrônico MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal da Integração LatinoAmericana Ata de Formação do Cadastro de de abertura: 16/09/2015 09:02

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal da Integração Latino Americana. Termo de Homologação do Pregão Eletrônico Nº 00034/2015 (SRP)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal da Integração Latino Americana. Termo de Homologação do Pregão Eletrônico Nº 00034/2015 (SRP) 05/10/2015 COMPRASNET O SITE DE COMPRAS DO GOVERNO Pregão Eletrônico MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal da Integração LatinoAmericana Termo de Homologação do Pregão Eletrônico Nº 00034/2015 (SRP)

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Manual Técnico do Usuário Manual Técnico de Referência. SuperServer 5036I-IF

Manual Técnico do Usuário Manual Técnico de Referência. SuperServer 5036I-IF Manual Técnico do Usuário Manual Técnico de Referência SuperServer 5036I-IF SuperServer 5036I-IF : Visão Geral (Overview) O Servidor SuperServer 5036I-IF, é um equipamento de alta qualidade, composto de

Leia mais

Impressão digital Sistema de eleição SisElege. Projeto Lógico de Rede

Impressão digital Sistema de eleição SisElege. Projeto Lógico de Rede Sistema de eleição SisElege Projeto Lógico de Rede Brasilia DF 25/10/2014 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição Localização 1.0 27/SET/2010 Grupo 3 Versão Inicial www.siselege.com.br 1.1 28/SET/2010

Leia mais

Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Nome dos Alunos

Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Nome dos Alunos Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour Nome dos Alunos Cenário 1: Considere a seguinte topologia de rede IPB 210.0.0.1/24 IPA 10.0.0.5/30 220.0.0.1\24 4 5 3 1 IPC 10.0.0.9/30 REDE B

Leia mais

Resolução Exercício 1 0773

Resolução Exercício 1 0773 1. Asus TS500-E4/PA4 Servidor Barebone Processador / Chipset Nº de Processadores: 2 Interface do Processador: Zócalo LGA771 Suporte do Processador: Intel Xeon Doble núcleo Intel Xeon Quatro núcleos do

Leia mais

NORMAS PARA O USO DE SISTEMA DE PROTEÇÃO FIREWALL DE PERÍMETRO NO ÂMBITO DA REDE INFOVIA-MT

NORMAS PARA O USO DE SISTEMA DE PROTEÇÃO FIREWALL DE PERÍMETRO NO ÂMBITO DA REDE INFOVIA-MT CONSELHO SUPERIOR DO SISTEMA ESTADUAL DE E TECNOLOGIA DA NORMAS PARA O USO DE SISTEMA DE PROTEÇÃO FIREWALL DE PERÍMETRO NO ÂMBITO DA REDE INFOVIA-MT 1/10 CONSELHO SUPERIOR DO SISTEMA ESTADUAL DE E TECNOLOGIA

Leia mais

GABINETE ALTURA PROCESSADORES NÚCLEOS DE PROCESSAMENTO MEMÓRIA RAM CHIPSET ARQUITETURA BIOS

GABINETE ALTURA PROCESSADORES NÚCLEOS DE PROCESSAMENTO MEMÓRIA RAM CHIPSET ARQUITETURA BIOS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS GABINETE ALTURA - Rack Chassis Próprio - Ventiladores Internos Hot Plug Redundantes - Ventilação Adequada para a Refrigeração do Sistema Interno do Equipamento na sua Configuração

Leia mais

Planejamento e Projeto de Redes de Computadores. Eduardo Barrére

Planejamento e Projeto de Redes de Computadores. Eduardo Barrére Planejamento e Projeto de Redes de Computadores Eduardo Barrére Aula Presencial Projeto Físico Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br O projeto deve considerar Seleção de tecnologias (conforme o projeto

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Identificar os recursos de Hardware necessários para execução do software planejado na unidade curricular de Programação Orientada a Objetos e Laboratório de Redes

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO ÊNFASE EM ENGENHARIA DE SOFTWARE ARTHUR HENRIQUE DO PRADO FRANQUELO ALLAN ESTEVAM DE SOUZA CARLOS

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Metro-Ethernet (Carrier Ethernet) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Ethernet na LAN www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique

Leia mais

A importância de uma NAT e de uma VPN para a segurança da informação. NAT Network Address Translation

A importância de uma NAT e de uma VPN para a segurança da informação. NAT Network Address Translation A importância de uma NAT e de uma VPN para a segurança da informação NAT Network Address Translation A funcionalidade de NAT consiste no procedimento de translado de endereços de uma rede para a outra.

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS TÉCNICO EM INFORMÁTICA

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS TÉCNICO EM INFORMÁTICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS TÉCNICO EM INFORMÁTICA Conectividade (Modelo de Camadas) Autor: Patrick Freitas Fures Relatório Técnico apresentado ao Profº. Nataniel Vieira como requisito final

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens subsecutivos, acerca de noções básicas de arquitetura de computadores. 51 Periféricos são dispositivos responsáveis pelas funções de entrada e saída do computador, como, por exemplo, o

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal da Integração Latino-Americana. Termo de Adjudicação do Pregão Eletrônico Nº 00010/2013

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal da Integração Latino-Americana. Termo de Adjudicação do Pregão Eletrônico Nº 00010/2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal da Integração Latino-Americana Termo de Adjudicação do Pregão Eletrônico Nº 00010/2013 Às 10:25 horas do dia 22 de maio de 2013, após analisado o resultado do

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS BREVE HISTÓRICO A década de 60 Surgiram os primeiros terminais interativos, e os usuários podiam acessar o computador central através de linhas de comunicação.

Leia mais

SWITCH CORE 1.1. - Chassi/Slots. 1.2. - Controle

SWITCH CORE 1.1. - Chassi/Slots. 1.2. - Controle SWITCH CORE 1.1. - Chassi/Slots 1.1.1. Deve possuir no mínimo 06 slots para inserção de módulos de I/O, ou seja, 06 além dos slots para supervisoras; 1.1.2. Deve vir acompanhado de kit de suporte específico

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos MÓDULO VI Programação de Sistemas de Comunicação Duração: 30 tempos Conteúdos 2 Construção

Leia mais

FACSENAC. SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO DRP (Documento de Requisitos do Projeto de Rede)

FACSENAC. SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO DRP (Documento de Requisitos do Projeto de Rede) FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Descrição Autor 1.0 03/10/2011 Primeira Edição

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação AULA 01 INTRODUÇÃO Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação CONCEITO Dois ou mais computadores conectados entre si permitindo troca de informações, compartilhamento de

Leia mais

LX203. Aplicações. Servidor de Agência Servidor de Loja Servidor de Impressão e Arquivos Servidor de E-mail e Web Server de médio porte

LX203. Aplicações. Servidor de Agência Servidor de Loja Servidor de Impressão e Arquivos Servidor de E-mail e Web Server de médio porte LX203 Aplicações Servidor de Agência Servidor de Loja Servidor de Impressão e Arquivos Servidor de E-mail e Web Server de médio porte É a melhor relação custo-benefício para empresas que necessitam de

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS PROJETO INTEGRADOR GERENCIA DE REDES DE COMPUTADORES 4º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação Alunos: Erik de Oliveira, Douglas Ferreira, Raphael Beghelli, João

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Administração de Empresas 2º Período Informática Aplicada REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Prof. Sérgio Rodrigues 1 INTRODUÇÃO Introdução Este trabalho tem como objetivos: definir

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Dispositivos de Interconexão www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Componentes de Rede Diversos são os componentes de uma rede de computadores e entendê-los

Leia mais

Catálogo. DELL Computadores do Brasil Ltda 90 R$ 7.348,98 1 31207-0 2 31208-8. DELL Computadores do Brasil Ltda 90 R$ 7.400,75

Catálogo. DELL Computadores do Brasil Ltda 90 R$ 7.348,98 1 31207-0 2 31208-8. DELL Computadores do Brasil Ltda 90 R$ 7.400,75 ITEM 1 31207-0 2 31208-8 LOTE 01 DESCRIÇÃO EMPRESA Qtd. VALOR UNITÁRIO SERVIDOR - SEM SISTEMA OPERACIONAL TIPO 1,, POWER EDGE R710, PROCESSADOR NÚCLEO QUÁDRUPLO DE 2.13 GHZ SUPORTA APLICAÇÕES DE 32 E 64

Leia mais

Configuração de VLANS em ambientes CISCO

Configuração de VLANS em ambientes CISCO Configuração de VLANS em ambientes CISCO Vanderlei Lemke Kruger, André Moraes 1 Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas (FATEC - Senac) Rua Gonçalves Chaves, 602 Centro Curso Superior de Tecnologia em Redes

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Lembrando...desempenho de redes ethernet Instituto de Informátic ca - UFRGS Redes de Computadores Equipamentos de Interconexão de redes Aula 12! Ethernet emprega meio compartilhado para transmitir dados

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO FOLHAS DE DADOS Todas as folhas de dados para os equipamentos mencionados deverão ser devidamente preenchidas conforme determinado a seguir. Deverá ser preenchida uma folha de dados para cada tipo de equipamento

Leia mais

Projeto de Redes Locais e a Longa Distância. Thiago Leite

Projeto de Redes Locais e a Longa Distância. Thiago Leite <thiago.leite@udf.edu.br> Projeto de Redes Locais e a Longa Distância Thiago Leite COMER, Douglas. Redes de computadores e internet: abrange transmissão de dados, ligados inter-redes, web e aplicações.

Leia mais

GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos

GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos RT2 - Proposta do protótipo Sand Luz Corrêa Kleber Vieira Cardoso 15/03/2013 1. Introdução Este relatório apresenta

Leia mais

MÓDULO I - INTERNET APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. Prof. BRUNO GUILHEN. O processo de Navegação na Internet. Aula 01

MÓDULO I - INTERNET APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. Prof. BRUNO GUILHEN. O processo de Navegação na Internet. Aula 01 APRESENTAÇÃO DO CURSO Prof. BRUNO GUILHEN Prof. BRUNO GUILHEN MÓDULO I - INTERNET O processo de Navegação na Internet Aula 01 O processo de Navegação na Internet. USUÁRIO A CONEXÃO PROVEDOR On-Line EMPRESA

Leia mais

Documento de Requisitos de Rede (DRP)

Documento de Requisitos de Rede (DRP) Documento de Requisitos de Rede (DRP) Versão 1.2 SysTrack - Grupo 1 1 Histórico de revisões do modelo Versão Data Autor Descrição 1.0 30/04/2011 João Ricardo Versão inicial 1.1 1/05/2011 André Ricardo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GUARAPUAVA SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO Departamento de Licitações e Contratos

PREFEITURA MUNICIPAL DE GUARAPUAVA SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO Departamento de Licitações e Contratos PREGÃO ELETRÔNICO Nº 366/2014 TERMO DE RETIFICAÇÃO DO EDITAL Pelo presente Termo, fica RETIFICADO o ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA do Edital de Pregão Eletrônico Nº 366/2014, o qual tem por objeto a AQUISIÇÃO

Leia mais

Projeto hierárquico de uma rede. Projeto Lógico da Rede. Projeto de Redes de Computadores. Projeto de Redes de Computadores

Projeto hierárquico de uma rede. Projeto Lógico da Rede. Projeto de Redes de Computadores. Projeto de Redes de Computadores Projeto Lógico da Rede Projeto da Topologia da Rede Uma topologia é um mapa de uma rede que indica: segmentos de rede (redes de camada 2) pontos de interconexão comunidades de usuários Queremos projetar

Leia mais

Projeto Lógico da Rede

Projeto Lógico da Rede Projeto Lógico da Rede Projeto da Topologia da Rede Uma topologia é um mapa de uma rede que indica: segmentos de rede (redes de camada 2) pontos de interconexão comunidades de usuários Queremos projetar

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

FIREWALL APPLIANCE - FAP 500

FIREWALL APPLIANCE - FAP 500 Official Partner imagem ilustrativa FIREWALL APPLIANCE - FAP 500 *pfsense é uma marca registrada da Electric Sheep Fencing LLC. Especificações Técnica PROCESSADOR 1 GHz Dual Core AMD G-T40E APU MEMÓRIA

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Prefeitura Municipal de Patos de Minas Secretaria Municipal de Administração

Prefeitura Municipal de Patos de Minas Secretaria Municipal de Administração PREGÃO Nr.167/2008 ANEXO I Proposta de Preços Processo: 10.663/2008 Razão Social do Licitante: CNPJ: Insc. Estadual: Endereço: Cidade: Estado: Telefone : Fax : e-mail : INFORMACÕES PARA PAGAMENTOS (quando

Leia mais

O processo de Navegação na Internet APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. O Internet Explorer. www.brunoguilhen.com.br 1 INFORMÁTICA BÁSICA

O processo de Navegação na Internet APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. O Internet Explorer. www.brunoguilhen.com.br 1 INFORMÁTICA BÁSICA APRESENTAÇÃO DO CURSO Prof. BRUNO GUILHEN O processo de Navegação na Internet INFORMÁTICA BÁSICA A NAVEGAÇÃO Programas de Navegação ou Browser : Internet Explorer; O Internet Explorer Netscape Navigator;

Leia mais

HP - ISS. Rafael Ferreira Pedreira GDN HP VOD rpedreira@network1.com.br

HP - ISS. Rafael Ferreira Pedreira GDN HP VOD rpedreira@network1.com.br HP - ISS Rafael Ferreira Pedreira GDN HP VOD rpedreira@network1.com.br Servidores DL e ML Qual a diferença? ML DL Servidores CTO O que é? ConsBtuído a parbr de um chassi Acréscimo de componentes De acordo

Leia mais

Vantagens e Serviços

Vantagens e Serviços Official Partner O pfsense é uma distribuição personalizada do FreeBSD, livre e OpenSource, adaptada para uso como um firewall e roteador totalmente gerenciado via interface web. Além disso, ele inclui

Leia mais

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Windows 2003 Server Introdução Nessa Aula: É apresentada uma visão rápida e geral do Windows Server 2003. O Foco a partir da próxima aula, será no serviço de Diretórios

Leia mais

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes Tecnologia e Infraestrutura Conceitos de Redes Agenda Introdução às Tecnologias de Redes: a) Conceitos de redes (LAN, MAN e WAN); b) Dispositivos (Hub, Switch e Roteador). Conceitos e tipos de Mídias de

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. ELETROBRÁS. EDITAL DE PREGÃO ELETRÔNICO DAC Nº. 13/2008.

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. ELETROBRÁS. EDITAL DE PREGÃO ELETRÔNICO DAC Nº. 13/2008. 1 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. ELETROBRÁS. EDITAL DE PREGÃO ELETRÔNICO Nº. 13/2008. ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 2 1 ESCOPO DO FORNECIMENTO 1.1 - O objeto deste

Leia mais

Dell Studio XPS 8100: Especificações completas

Dell Studio XPS 8100: Especificações completas Dell Studio XPS 8100: Especificações completas Este documento fornece informações que podem ser necessárias para configurar e atualizar drivers e o computador. NOTA: as ofertas podem variar por região.

Leia mais

REDES COMPONENTES DE UMA REDE

REDES COMPONENTES DE UMA REDE REDES TIPOS DE REDE LAN (local area network) é uma rede que une os micros de um escritório, prédio, ou mesmo um conjunto de prédios próximos, usando cabos ou ondas de rádio. WAN (wide area network) interliga

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL Nº 27/15. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

PREGÃO PRESENCIAL Nº 27/15. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO PRESENCIAL Nº 27/15. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA Constitui objeto da presente licitação o registro de preços para implantação de sistema de telefonia digital (PABX) baseado em servidor IP, com fornecimento

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Conteúdo 1 Topologia de Redes 5 Escalas 5 Topologia em LAN s e MAN s 6 Topologia em WAN s 6 2 Meio Físico 7 Cabo Coaxial 7 Par Trançado 7 Fibra Óptica 7 Conectores 8 Conector RJ45 ( Par trançado ) 9 Conectores

Leia mais

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Equipamentos de Redes Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Placas de Rede Placas de Rede Preparação dos quadros para que possam ser enviados pelos cabos. A placa de

Leia mais

ANEXO 3 FOLHA DE DADOS

ANEXO 3 FOLHA DE DADOS PROJETO BÁSICO DOF 001 / 2010 ANEXO 3 FOLHA DE DADOS EQUIPAMENTO: Medidores de Faturamento SE ABUNÃ - FOLHA DE DADOS Quantidade: 8 (oito) Fabricante Modelo FUNCIONAIS Compatibilidade com IEC 687 Classe

Leia mais

Portfólio de Serviços e Produtos Julho / 2012

Portfólio de Serviços e Produtos Julho / 2012 Portfólio de Serviços e Produtos Julho / 2012 Apresentação Portfólio de Serviços e Produtos da WebMaster Soluções. Com ele colocamos à sua disposição a Tecnologia que podemos implementar em sua empresa.

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

Apresentação da Disciplina

Apresentação da Disciplina COMPONENTES ATIVOS DE REDE i Paulo Montenegro paulo.montenegro@simplestec.com.br 04 de fevereiro de 2009 FP.AC.010.00 Sumário Assuntos: Objetivos da Disciplina Competências Habilidades Bibliografia Didática

Leia mais

Interconexão de Redes

Interconexão de Redes Interconexão de Redes Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)... 3 Switches (camada 2)... 3 Conceito de VLANs... 3 Switches (camada

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Equipamentos de Redes de Computadores

Equipamentos de Redes de Computadores Equipamentos de Redes de Computadores Romildo Martins da Silva Bezerra IFBA Estruturas Computacionais Equipamentos de Redes de Computadores... 1 Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)...

Leia mais