OCL: Object Constraint Language

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OCL: Object Constraint Language"

Transcrição

1 OCL: Amílcar Domingos Rodrigues Santy Fernandes, Girson César Silva Monteiro, Rui Sá Guerra, Simão Castro Faculdade de Engenharia da Universidade Do Porto, Rua Dr. Roberto Frias, s/n Porto, Portugal 1-Resumo Trabalho de pesquisa sob tema proposto, abreviado OCL, é elaborado no âmbito da disciplina de Engenharia de Software, de Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Neste trabalho, são abordadas as valências desta linguagem formal, a sua aplicabilidade em diferentes ferramentas de especificação de modelos, tidas como plataformas de apoio no desenvolvimento de sistemas de aplicação, com base na Programação Orientada aos Objectos. O trabalho está dividido em três partes: - na primeira parte é feita uma breve introdução dos temas e sub temas a desenvolver (Objectivos), bem como uma descrição sucinta da linguagem acima referida, o seu uso para especificação e restrição em modelos, a conversão de restrições de linguagem natural para OCL, e finalmente, o paradigma de implementação que é utilizada nesta linguagem, como forma de especificação em modelos; - na segunda parte, é abordada a arquitectura do OCL, casos práticos da sua utilização nos sistemas. É ainda tratada nesta parte, a análise gramatical da linguagem ao nível do léxico e da sintaxe. Outras referências com aplicação prática, como implementação do dicionário de dados, tradutores para o OCL, assim como a sua livraria standard, também são aqui abordados. - na terceira parte, temos exemplos de tradução com ilustrações, tabelas de comparação, e finalmente as ferramentas. Presume-se assim, com o desenvolvimento destes temas elaborados, esgotar os objectivos preconizados para este projecto de pesquisa. Na última página são dadas as referências dos materiais consultados na sequência da pesquisa. 1

2 2-Objectivos O OCL é uma ferramenta utilizada para a especificação de restrições na modelação dos diagramas arquitectados em UML. Um diagrama UML por conseguinte, tal como um diagrama de classe, não é suficientemente refinado para fornecer todos os aspectos relevantes de uma especificação. Há entretanto uma necessidade de definir restrições adicionais sobre objectos no modelo. Daí a tentação de sempre descrever essas restrições em linguagem natural. Contudo, a prática demonstrou que esse método de descrição das restrições, tem resultado sempre em ambiguidades. Para resolver, obstante, esses problemas de ambiguidades, tem-se recorrido às linguagens de especificação formal como OCL, justamente para solucionar tais problemas. Baseando-se na especificação de objectos em modelos, ou nas classes, de forma segura e concisa, sem ambiguidades. Neste trabalho, como já supracitado, é demonstrado a aplicabilidade dos padrões de escrita dessas restrições, na linguagem OCL. O projecto está estruturado em três partes, já referido anteriormente, cada uma dividida em sub temas onde são abordados aspectos relevantes do uso da linguagem OCL. Como seguem: Introdução ao OCL: aborda as valências da linguagem, a sua origem e a aplicabilidade para os modeladores a UML, a importância do seu uso nas definições formais das restrições. Descrição da Linguagem OCL: aborda casos específicos da utilização da linguagem quanto a definição de modelos UML; bem como a especificação dos invariantes. Motivação: aborda o uso do OCL para especificação e restrições; a conversão de restrições de linguagem natural para OCL. Implementação com OCL: aborda características do OCL quanto ao contexto, expressões, tipos de restrições e de operações, processos de implementação, e uso de expressões OCL em modelos UML. Arquitectura do OCL: aborda a parte estrutural e semântica da linguagem, o dicionário de dados, a gramática que engloba também o nível léxico e sintáctico; descrição da semântica utilizando UML; elementos básicos do OCL e livraria standard; e tradutor e exemplos de tradução para OCL. Ferramentas: aborda diferentes ferramentas onde a OCL se pode aplicar as valências do OCL. Considerações: esboça as valências do OCL como uma linguagem formal, e suas vantagens na especificação dos modelos. 3-Introdução ao OCL A Linguagem de Restrição de Objectos, abreviado OCL (), é uma linguagem formal, utilizada para descrever expressões em modelos de UML. Essas expressões definem tipicamente as condições que se deve assegurar para o funcionamento de um sistema que está a ser modelado, ou ainda, de modelação de informações contidas nos objectos descritos num determinado modelo. Quando uma expressão OCL é avaliada, não tem qualquer efeito colateral, isto é, não pode alterar o estado de execução do respectivo sistema. As expressões do OCL podem sim ser 2

3 utilizadas para especificar as restrições de operações ou acções de um determinado objecto, que quando executadas alteram o estado do sistema. Os modeladores de UML podem utilizar o OCL para especificação de restrições nas aplicações definidas nos modelos correspondentes. Os modeladores podem ainda recorrer à OCL, para especificar perguntas ou definir condições que são completamente diferentes de uma linguagem de programação. As expressões do OCL não interfiram na execução do programa. Não são compilados aquando da execução do programa. Embora existam ferramentas para a verificação e compilação das expressões descritas em linguagem OCL. Mais a frente abordaremos em mais detalhe essas ferramentas. O OCL entre outras pode ser utilizada: Para especificar invariantes em classes e tipos do modelos de classes. Especificar tipos invariantes para estereótipos. Descrever pré e pós condições em operações. Como uma linguagem de navegação entre associações. Como uma linguagem de pergunta. Para descrever protectores. Para especificar o alvo das mensagens e acções. Para especificar regras de derivações para atributos. Especificar restrições sobre operações. 4-Descrição da linguagem OCL é uma Linguagem Formal utilizada para definir restrições sobre objectos. Tais restrições, especificam condições que têem de se verificar no sistema modelado. OCL não é uma linguagem de programação. É antes de mais, uma linguagem de modelação com regras de sintaxe e semântica bem definidas, e expressa informações que não existem nos modelos. Por exemplo, um diagrama de UML, tal como diagrama de classe, não é suficientemente refinado para fornecer todos os aspectos relevantes de uma especificação. Há entretanto, a necessidade de definir restrições adicionais sobre objectos nos modelos. Essas restrições são descritas frequentemente na linguagem natural, que apresentam sempre resultados ambíguos, quanto às informações dos objectos. Para acabar com essa representação ambígua de informação, foram desenvolvidas linguagens formais So-Called. A desvantagem dessas linguagens formais tradicionais, é que são acessíveis às pessoas com uma base matemática muito forte, mas não aos utilizadores médios de um sistema de modelação. 3

4 Em virtude dessa desvantagem, foi desenvolvido o OCL, justamente para facilitar a tarefa de definição das restrições, e também de dotar as linguagens formais de uma utilização flexível e mais acessível. É uma linguagem fácil de ler e de escrever. OCL foi desenvolvido em 1995 por Jos Warmer, como uma linguagem de business modelling (modelação de negócio). Em 1996, o OMG fez um Request for Proposals em análise e desenho OO. E em 1997 a IBM e a Object Time Limited em colaboração com os parceiros da Unified Modelling Language (UML), publicaram as versões: O OCL 1.3 de 1999; O OCL 1.4 de 2001; e actualizaram a linguagem em 2004 com a versão OCL 2.0. O OCL consequentemente, garante que as suas expressões não tenham efeitos colaterais, isto é, não altera o estado do objecto. Quando uma expressão OCL é avaliada, retorna apenas um valor. Para cada classificador (sejam classes, interfaces) definido dentro do UML, corresponde a um tipo OCL. A linguagem também define os seus tipos. Mais a frente é apresentada uma tabela com todos os tipos definidos em OCL. 5-Motivação A importância prática das regras da linguagem OCL, quanto a implementação das especificação de restrições e definições das derivações em modelos, requer um controle estruturado e disciplinado, que garanta que tais regras estipuladas, se vão verificar em qualquer circunstância durante o desenvolvimento do programa que as utiliza. Para esse efeito, são desenvolvidas ferramentas para a modelação das expressões e interpretadores para o OCL, assim como um compilador para as expressões do OCL. Interfaces que viabilizem, por outro, a utilização de técnicas de processamento de linguagem natural para base de dados. Essas ferramentas são capazes de lidar com restrições sobre dados estabelecidos através das expressões do OCL. Como exemplo, escolhemos três ferramentas para melhor ilustrar o que descrevemos acima. Como seguem: Atenas; Hermes; OCLE. Atenas: é um sistema modelador de regras de negócio, que permite a sua captura e implementação; todas as restrições sobre modelos de classe devem ser encaradas como regras de negócio, mesmo as mais simples; regras de negócio muito simples em geral, podem ser mapeados directamente como restrições de modelo. Hermes: é um tradutor para OCL; traduz uma restrição estabelecida numa sentença em português, e tenta gerar a expressão em OCL, que representa essa restrição dentro de um modelo de classe. OCLE: compilador do OCL, permite ao modelador apurar correcção da sintaxe e a semântica de expressões OCL; faz uma avaliação de restrições especificadas pelo modelador, em diferentes elementos do modelo; ajuda a corrigir erros nos modelos e nas especificações OCL. 4

5 5.1-Uso de OCL para a especificação e restrições Vamos propor para a análise deste tema, a integração das ferramentas acima referidas, neste caso Atenas e Hermes, em linguagem OCL, na definição das regras de restrições sobre um determinado modelo de classes ou de um Sistema de Gestão de Base de Dados. A ideia básica de Atenas, é de uma ferramenta que serve como uma base formal para a documentação das regras de negócio de um sistema de informação. Uma vez que as restrições estejam estabelecidas em OCL, o Atenas é capaz de detectar na base de dados, os eventos que podem vir a violar essas restrições, como por exemplo, a inserção de um registo, alteração de valor de uma coluna ou remoção de um registo. O sistema também é capaz de gerar um código específico para detectar e impedir violações, gerando tiggers que verificam a validade de restrição no evento correspondente. Tudo isso é feito automaticamente através de uma expressão em OCL, e do mapeamento entre um modelo de classes e o esquema da base de dados relacional. E para cada expressão em OCL, são mantidas a informação sobre a restrição em si, tais como a sua origem, aplicabilidade, histórico e etc. Neste contexto, o Hermes traduz uma restrição estabelecida numa sentença em português, e tenta gerar a expressão OCL que representa essa restrição dentro de um modelo de classe. Caso a expressão seja gerada correctamente, o Hermes activará código correspondente do Atenas que irá gerar código da respectiva linguagem de programação (por exemplo SQL) para fazer a avaliação das regras. Para Atenas, as regras de negócio estão divididas em três grupos: regras extraídas automaticamente do esquema do banco de dados, regras registadas manualmente pelos utilizadores e regras inferidas automaticamente a partir das outras duas. A ferramenta possui funcionalidade para lidar com estes três tipos de regras. De acordo com o que já definimos em cima, especificamos em concreto as funcionalidades disponibilizadas pela ferramenta: Validar o sistema: uma vez que todas as regras de negócio estejam estabelecidas numa linguagem formal, é possível gerar a lista de eventos do sistema (inserção, alteração, ) onde os mesmos são gerados. Validar os Dados Legados: assegurar a integridade e a qualidade dos dados, aquando da implementação de um novo sistema, em substituição do anterior. Auxílio para a Extracção das Regras do Negócio: um sistema que estruture as regras de negócio de forma independente, as mensagens do erro são as próprias regras de negócio. Manutenção do Sistema: a ferramenta permite analisar o impacto de mudanças em regras de negócio, através do relatório do impacto duma mudança ocorrida em alguma regra de negócio. 5

6 Regra OCL Esquema Compilador Lista de Eventos Código emsql Formal Triggers Informal Updates Fig. 1. Esquema de avaliação do impacto de alteração de Base de Dados 5.2-Conversão de restrições de Linguagem Natural para OCL Escrever restrições sobre um modelo de classe utilizando OCL, não é uma tarefa trivial para não programadores. É necessário ter um conhecimento sobre o modelo de classes, mesmo sendo uma linguagem declarativa. O OCL não é uma linguagem trivial. O OCL é uma linguagem formal, com as regras de sintaxe e semântica bem distintas da linguagem natural. O sistema Hermes, escolhido neste trabalho de pesquisa para exemplificar o funcionamento da linguagem, permite que não programadores descrevam restrições utilizando linguagem natural, em português, e as transformam em OCL e depois passado para linguagem de programação. Durante o processo, as eventuais ambiguidades presentes no discurso humano, são eliminadas. 6

7 Há três cenários onde a utilização do Hermes apresenta vantagens óbvias. Um cenário seria a formalização de regras de negócio ou restrições durante a etapa de análise, através da captura em linguagem natural e posterior conversão em OCL. A esta altura, não é necessário que o modelo de classes esteja muito estável de qualquer forma o sistema suporta pequenas evoluções. Quando o modelo estiver mais estável as regras escritas em linguagem natural podem ser então transformadas em OCL e finalmente quando o modelo relacional estiver pronto elas serão convertidas em código SQL (queries e triggers) para verificarem e manterem a integridade das regras. Dessa forma é possível documentar as regras de negócio nas etapas iniciais da análise, utilizando linguagem natural e estabelecendo as regras com um máximo de independência do modelo de dados de implementação. Um outro cenário possível é a existência de dados legados que devem ser filtrados ou avaliados quanto à obediência as regras de negócio ou outras restrições. Como em geral o número de restrições a serem testadas é grande torna-se mais fácil estabelecêlas em linguagem natural. Além disso, as restrições no fundo são as mesmas, independentemente do esquema dos dados. Portanto, elas podem ser estabelecidas uma única vez, testada contra os dados legados, e o tratamento adequando providenciado. Após a migração para um novo esquema, as mesmas regras são novamente traduzidas para OCL (possivelmente diferente do anterior) e compiladas para o SQL apropriado a nova base. Finalmente, podemos ter também a situação onde um analista de negócios está a investigar a validade de determinadas regras de negócio, realizando uma prospecção de conhecimento numa base de dados já existente. Assim, ao invés de restrições teríamos suposições sobre os dados, tais como os pedidos com peso acima de 50 kg pagam transporte maior que 40,00 Euros e o tempo de entrega é maior que 7 dias, onde o tempo de entrega é a data de entrega menos a data do pedido. Após o analista de domínio ou negócio elaborar uma suposição, o sistema Hermes a transformaria em OCL e depois em SQL, e investigaria a validade da mesma na base de dados, retornando o registos processado em acordo ou desacordo com a regra. Embora esse tipo de prospecção seja manual, é um facto geralmente aceite que boas descobertas de conhecimento em bases de dados podem ser realizadas por especialistas do negócio que sabem ou têm uma boa noção do que devem procurar. 6-Implementação de Contrato com OCL Nesta parte estão representados os contratos do sistema. Em orientação a objectos, o contrato descreve de forma clara e unívoca as obrigações de um objecto, sendo que este executará seus serviços (obrigações) mediante o cumprimento de certas regras estipuladas (direitos ou condições iniciais sob as quais o serviço será prestado). O contrato está relacionado à definição da interface de um objecto. Difere do contrato legal por não necessitar de um cliente. 7

8 Em seguida apresentamos dois exemplos de contratos: Contrato para fornecerdinheiro: Name: fornecerdinheiro(dinheiro:moeda) Responsibilities: Fornecer dinheiro à máquina de bebida. Atualizar contagem da quantia de dinheiro fornecida pelo cliente. Exibir bebidas disponíveis. Type: System Cross References: R2.1 Notes: Exceptions: Output: OCL Specification: context Sistema::fornecerDinheiro(dinheiro:Moeda) pre:dinheiro.valor=1.0 post: implies maquinadebebida.carteiradocliente->size=1 and maquinadebebida.carteiradocliente.oclisnew=true post: maquinadebebida.carteiradocliente.oclisnew=true implies maquinadebebida.carteiradocliente.itemderepositoriodedinheiro >size=1 and itemmaisrecente(maquinadebebida.carteiradocliente).oclisnew=true post:if itemmaisrecente(maquinadebebida.carteiradocliente).oclisnew then itemmaisrecente(maquinadebebida.carteiradocliente).moeda=dinheiro and itemmaisrecente(maquinadebebida.carteiradocliente).quantidade=1 else itemmaisrecente(maquinadebebida.carteiradocliente).quantidade= endif 6.1-Tipos de Restrições em OCL Expressões Contexto de uma expressão: As expressões OCL requerem que as restrições estejam ligadas a um contexto de um modelo. O contexto de uma expressão pode ser uma classe de objectos ou pode ser uma operação aplicável a um objecto. Para representar um contexto em OCL utilizamos a palavra reservada context <contexto> 8

9 Invariantes (inv): condição (ou predicado) que se aplica a TODAS as classes (ou tipo ou interface ou associação e etc ) Pré-condição (pre): condição que deve ser satisfeita antes da execução de uma operação Pós-condição (post): condição que deve ser satisfeita após a execução de uma operação Guarda: condição que deve ser satisfeita para que uma transição de estado seja efectuada As restrições aqui colocadas foram retiradas dos contratos expressos na anterioriormente. Exemplos de invariantes: context Cliente inv: idade > = 18 and self.idade < 100 context c: Cliente inv CasamentoLegal: c.casado implies c.idade > = 21 CasamentoLegal identificador do invariante c objecto casado - atributo 7-Ferramentas Neste capítulo falamos das ferramentas que tornam a linguagem OCL mais fácil de ser usada. Em baixo estão enunciados algumas das mais recentes ferramentas dessa linguagem. ModelRun (Boldsoft) ModelRun permite a exploração e a navegação dos modelos através dos objectos dinâmicos e uma sustentação completa para o OCL. Uma vez que o modelo foi carregado, é possível examinar suas propriedades de três vistas: "Metadata": onde nós encontramos a informação nas classes. Podemos consultar o nome da classe, as suas super-classes, as associações, os atributos e as operações. "Objects": uma vista para segurar os objectos. É necessário previamente carregar o ficheiro de objectos com o formato padrão de XML. "Ocl Workbench": para a criação e a manipulação de expressões do OCL. A "Workbench" esta compreendida entre uma janela da selecção de contexto e um editor das expressões do OCL. OCL Compiler (Cybernetic Intelligence GMBH) OCL Compiler é uma aplicação para analisar as expressões do OCL que aparecem no modelo de UML. É uma ferramenta independente em que, dado um modelo do software com restrições do OCL, as seguintes acções podem ser executadas (dependendo da especificação da ferramenta): - Verificação da sintaxe das restrições. - Verificação de consistência das restrições usando o modelo. Por o exemplo, se o nome de uma classe, de um atributo ou de uma associação for escrito incorrectamente, "OCL Compiler" detectará a inconsistência. 9

10 -Verificação de incompatibilidade das restrições, isto é, certifica-se que restrições do mesmo modelo não entrem em conflito. O analisador é independente da ferramenta CASE usada na modelação, isto é não sabe nada sobre a ferramenta CASE e comunica-se através de uma ferramenta "front-end". A versão mais recente dessa ferramenta é a OCL Compiler v 1.5, desenvolvida pela Cybernetic Intelligence GmbH, uma empresa de software Suiça criada em OCL Compiler (University de Dresden) O OCL Compiler (OCLCUD) foi desenvolvido em Java pela Universidade de Dresden.As características principais deste analisador são: capacidade de verificação sintáctica e semântica das expressões do OCL e a possibilidade de gerar código Java e SQL a partir das restrições escritas em OCL. 8-Considerações No desenvolvimento do trabalho de pesquisa não tivemos dificuldades de maior. Encontramos materiais com informações precisas e esclarecedoras, que em muito facilitou a estruturação do trabalho. Não conseguimos fazer referências detalhadas de muitos temas, e acabamos mesmo por deixar outros de fora, devido a limitação de páginas do relatório. Mas, efectivamente, conseguimos incluir aspectos mais relevantes do tema que nos propusemos desenvolver como trabalho de pesquisa. Obstante, julgamos que conseguimos alcançar os objectivos delineados para este trabalho, embora tivemos que deixar alguns temas de fora, fizemos uma abordagem precisa dos temas mais importantes. No entanto, ficamos a conhecer bastante bem, as potencialidades da ferramenta OCL, as vantagens da sua aplicabilidade na definição de restrições nos modelos de classes em UML e ainda noutras linguagens de programação. Portanto, concluímos que o uso desta ferramenta, para a especificações das restrições, vai tornar-se cada vez mais necessária, devido não só a facilidade da sua utilização, mas também da vantagem que nos proporciona quanto a geração dos códigos em linguagens de programação, de forma segura e com elevada qualidade. 10

11 Referências: Birgit Demuth, Heinrich Hussmann: Using UML/OCL Constraints for Relational Database Design 11

De Arte a Ciência: Regras para o Desenho de Software

De Arte a Ciência: Regras para o Desenho de Software De Arte a Ciência: Regras para o Desenho de Software Neste artigo é apresentado um conjunto de regras de desenho um padrão de desenho universal associado ao princípio fundamental e aos requisitos axiomáticos.

Leia mais

ATENAS: Um Sistema Gerenciador de Regras de Negócio

ATENAS: Um Sistema Gerenciador de Regras de Negócio 1. Introdução ATENAS: Um Sistema Gerenciador de Regras de Negócio Geraldo Zimbrão da Silva (IM/UFRJ) Victor Teixeira de Almeida (COPPE/UFRJ) Jano Moreira de Souza (COPPE/UFRJ) Francisco Gonçalves Pereira

Leia mais

Gestão de projectos na Web

Gestão de projectos na Web Gestão de projectos na Web Relatório de desenho de alto nível Versão 1.0, 5 de Maio de 2003 Telmo Pedro Gomes Amaral (mee02013@fe.up.pt) (Grupo 15) Aplicações na Web Mestrado em Engenharia Electrotécnica

Leia mais

Especificação Operacional.

Especificação Operacional. Especificação Operacional. Para muitos sistemas, a incerteza acerca dos requisitos leva a mudanças e problemas mais tarde no desenvolvimento de software. Zave (1984) sugere um modelo de processo que permite

Leia mais

4.1. UML Diagramas de casos de uso

4.1. UML Diagramas de casos de uso Engenharia de Software 4.1. UML Diagramas de casos de uso Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Utilizados para ajudar na análise de requisitos Através da forma como o utilizador usa o sistema

Leia mais

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto.

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto. Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Classes Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação:

Leia mais

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária)

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) http://curriculum.degois.pt Março de 2012 Versão 1.5 1 Introdução O objectivo deste guia é auxiliar o utilizador

Leia mais

CASO DE ESTUDO SOBRE SIG

CASO DE ESTUDO SOBRE SIG Laboratório Regional de Engenharia Civil Agência Regional da Energia e Ambiente da Região Autónoma da Madeira Câmara Municipal do Funchal Sistema Integrado para a Implementação de Sustentabilidade CASO

Leia mais

UML (Unified Modelling Language) Diagrama de Classes

UML (Unified Modelling Language) Diagrama de Classes UML (Unified Modelling Language) Diagrama de Classes I Classes... 2 II Relações... 3 II. Associações... 3 II.2 Generalização... 9 III Exemplos de Modelos... III. Tabelas de IRS... III.2 Exames...3 III.3

Leia mais

Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores. Projecto de. Arquitectura de Computadores.

Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores. Projecto de. Arquitectura de Computadores. Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Projecto de Arquitectura de Computadores Jogo dos Blocos (variante do Arkanoid) (Versão 1.0) 2008/2009 Índice 1 Objectivo...

Leia mais

Entendendo OCL. Apresentação e utilização da Object Constraint Language 1.1

Entendendo OCL. Apresentação e utilização da Object Constraint Language 1.1 Entendendo OCL Apresentação e utilização da Object Constraint Language 1.1 Daniel Henrique Alves Lima daniel.lima@ic.unicamp.br Universidade Estadual de Campinas Rafael Musial rafael.musial@ic.unicamp.br

Leia mais

Lógica para a Programação - 1º semestre AULA 01 Prof. André Moraes

Lógica para a Programação - 1º semestre AULA 01 Prof. André Moraes Pág 4 Lógica para a Programação - 1º semestre AULA 01 Prof. André Moraes 1 APRESENTAÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR A unidade curricular de Lógica para a programação tem como objetivo promover o estudo dos principais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 01 de Novembro de 2013. Revisão aula passada Projeto de Arquitetura Decisões de projeto de Arquitetura

Leia mais

GereComSaber. Disciplina de Desenvolvimento de Sistemas de Software. Sistema de Gestão de Serviços em Condomínios

GereComSaber. Disciplina de Desenvolvimento de Sistemas de Software. Sistema de Gestão de Serviços em Condomínios Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática 3ºAno Disciplina de Desenvolvimento de Sistemas de Software Ano Lectivo de 2009/2010 GereComSaber Sistema de

Leia mais

Figura 5 - Workflow para a Fase de Projeto

Figura 5 - Workflow para a Fase de Projeto 5. Fase de Projeto A Fase de Projeto caracteriza-se por transformar as informações modeladas durante a Fase de Análise em estruturas arquiteturais de projeto com o objetivo de viabilizar a implementação

Leia mais

ARQUITECTURA DE COMPUTADORES CAPÍTULO II AULA X

ARQUITECTURA DE COMPUTADORES CAPÍTULO II AULA X ARQUITECTURA DE COMPUTADORES CAPÍTULO II AULA X Índice Traduzindo e iniciando uma aplicação Compiladores Assembladores Linkers Loaders DLLs Iniciando um programa em Java Após toda a matéria abordada nesta

Leia mais

1/26/2009. Baseadas em http://www.voelter.de/services/mdsdtutorial.html. Experiência pessoal/profissional/acadêmica

1/26/2009. Baseadas em http://www.voelter.de/services/mdsdtutorial.html. Experiência pessoal/profissional/acadêmica Baseadas em http://www.voelter.de/services/mdsdtutorial.html Experiência pessoal/profissional/acadêmica 1 Metamodelo UML Meu Metamodelo Meu processo de negócios Meu processo de negócios Stereotypes Perfis

Leia mais

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS Unidade II 3 MODELAGEM DE SISTEMAS 1 20 A fase de desenvolvimento de um novo sistema de informação (Quadro 2) é um momento complexo que exige um significativo esforço no sentido de agregar recursos que

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas Operacionais Um sistema operacional fornece o ambiente no qual os programas são executados. Internamente,

Leia mais

O Manual do ssc. Peter H. Grasch

O Manual do ssc. Peter H. Grasch Peter H. Grasch 2 Conteúdo 1 Introdução 6 2 Usar o ssc 7 2.1 Gerir os utilizadores.................................... 7 2.1.1 Adicionar um utilizador.............................. 8 2.1.1.1 Associar-se

Leia mais

Engenharia Informática Engenharia Electrotécnica e Computadores Programação Orientada por Objectos Projecto PlayCards

Engenharia Informática Engenharia Electrotécnica e Computadores Programação Orientada por Objectos Projecto PlayCards Engenharia Informática Engenharia Electrotécnica e Computadores Programação Orientada por Objectos Projecto PlayCards Pacote de Jogos de Cartas Ano Lectivo: 2006/2007 1. Introdução O objectivo deste projecto

Leia mais

Relatório de projecto

Relatório de projecto Relatório de projecto 9ºB 2005/2006 Página 1 de 12 1) Projecto inicial O projecto proposto é fruto de uma proposta independente que se integrou num dos projectos a integrar e desenvolver na disciplina

Leia mais

Unified Software Development Process

Unified Software Development Process 59/170 Unified Software Development Process Sumário Breve história do Unified Process O Unified Process O ciclo de vida do Unified Process O RUP (Rational Unified Process) 60/170 Breve História do Unified

Leia mais

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 1 UML Introdução Fases de Desenvolvimento Notação Visões Análise de Requisitos Casos de Uso StarUML Criando Casos de Uso Orientação a Objetos Diagrama de Classes

Leia mais

Universidade do Minho Licenciatura em Engenharia Informática

Universidade do Minho Licenciatura em Engenharia Informática Universidade do Minho Licenciatura em Engenharia Informática Disciplina de Desenvolvimento de Sistemas de Software Trabalho Prático Fase 1 Ano Lectivo de 2009/10 GereComSaber Grupo 15 Cláudio Manuel Rigueiro

Leia mais

http://www.di.uminho.pt

http://www.di.uminho.pt Escola de Engenharia Departamento de Informática Desenvolvimento de Sistemas de Informação LESI 4º ano / 2º semestre (5308O7) LMCC 4º ano / 2º semestre (7008N8 Opção II) 2005/2006 José Creissac Campos

Leia mais

NORMA TÉCNICA PARA IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SISTEMAS OU APLICAÇÕES NO BANCO DE DADOS CORPORATIVO

NORMA TÉCNICA PARA IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SISTEMAS OU APLICAÇÕES NO BANCO DE DADOS CORPORATIVO NORMA TÉCNICA PARA IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SISTEMAS OU APLICAÇÕES NO BANCO DE DADOS CORPORATIVO Referência: NT-AI.04.02.01 http://www.unesp.br/ai/pdf/nt-ai.04.02.01.pdf Data: 27/07/2000 STATUS: EM VIGOR A

Leia mais

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW Ciclo de Vida Aula 2 Revisão 1 Processo de Desenvolvimento de Software 1 O Processo de desenvolvimento de software é um conjunto de atividades, parcialmente ordenadas, com a finalidade de obter um produto

Leia mais

Projecto de Modelação, Engenharia de Software e Sistemas Distribuídos 2008-09. Requisitos para a 3ª entrega do projecto.

Projecto de Modelação, Engenharia de Software e Sistemas Distribuídos 2008-09. Requisitos para a 3ª entrega do projecto. Departamento de Engenharia Informática Modelação, Engenharia de Software, Sistemas Distribuídos Requisitos para a 3ª entrega do projecto Test O Matic 10 de Maio de 2009 1 Índice 1 Índice... 1 2 Sumário...

Leia mais

Conference For You C4U v. 0.13

Conference For You C4U v. 0.13 Departamento de Informática Conference For You C4U v. 0.13 Projecto Integrador 2012/2013 Licenciatura em Engenharia Informática Preparado por: João Regateiro nº 28994 Miguel Silva nº 28508 Ricardo Monteiro

Leia mais

natureza do projeto e da aplicação métodos e ferramentas a serem usados controles e produtos que precisam ser entregues

natureza do projeto e da aplicação métodos e ferramentas a serem usados controles e produtos que precisam ser entregues Modelo De Desenvolvimento De Software É uma representação abstrata do processo de desenvolvimento que define como as etapas relativas ao desenvolvimento de software serão conduzidas e interrelacionadas

Leia mais

SISTEMAS OPERATIVOS I

SISTEMAS OPERATIVOS I Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Engenharia Informática SISTEMAS OPERATIVOS I Introdução ao Unix baseado no livro UNIX For Application Developers William A. Parrete Abril de 2002

Leia mais

Índice. Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação?

Índice. Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação? Índice Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação? Como efectuar uma operação de confirmação de estimativas? Como aceder ao Serviço de Certificação

Leia mais

Introdução aos computadores, à Internet e à World Wide Web. 2005 by Pearson Education do Brasil

Introdução aos computadores, à Internet e à World Wide Web. 2005 by Pearson Education do Brasil 1 Introdução aos computadores, à Internet e à World Wide Web OBJETIVOS Neste capítulo, você aprenderá: Conceitos básicos de hardware e software. Conceitos básicos de tecnologia de objeto, como classes,

Leia mais

Trabalho de Desenvolvimento de Sistemas de Software GereComSaber 2ª Fase

Trabalho de Desenvolvimento de Sistemas de Software GereComSaber 2ª Fase Universidade do Minho Departamento de Informática Desenvolvimento de Sistemas de Software Trabalho de Desenvolvimento de Sistemas de Software GereComSaber 2ª Fase Luana Georgia Lopes Telha nº 49379 Luís

Leia mais

Programação de. Programa. Bibliografia. Páginas electrónicas de PM. Regras das aulas de laboratório. Métodos de Ensino - Aulas

Programação de. Programa. Bibliografia. Páginas electrónicas de PM. Regras das aulas de laboratório. Métodos de Ensino - Aulas Programa Programação de Microprocessadores 1º Ano 2º Semestre A arquitectura dos computadores A linguagem C 1 aula 7 aulas Talvez haja mais algum assunto a abordar nas aulas seguintes Mestrado Integrado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. PROFESSOR: Andrey DISCIPLINA: Técnicas Alternativas de Programação AULA: 11 APRESENTAÇÃO Nesta aula serão discutidos os conceitos relacionados

Leia mais

Projecto de Programação MEEC - 2010/2011-1ºSemestre. Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores

Projecto de Programação MEEC - 2010/2011-1ºSemestre. Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Programação 2010/2011 Enunciado do projecto O projecto a desenvolver pelos alunos consistirá numa sistema de monitorização do estado de

Leia mais

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani Modelagem de Processos Prof.: Fernando Ascani Bibliografia UML Guia de consulta rápida Douglas Marcos da Silva Editora: Novatec UML Guia do usuário Grady Booch James Rumbaugh Ivair Jacobson Editora: Campus

Leia mais

LONDRES Reunião do GAC: Processos Políticos da ICANN

LONDRES Reunião do GAC: Processos Políticos da ICANN LONDRES Reunião do GAC: Processos Políticos da ICANN e Responsabilidades do interesse público em relação aos Direitos Humanos e Valores Democráticos Terça feira, 24 de junho de 2014 09:00 a 09:30 ICANN

Leia mais

Tópicos Avançados em Banco de Dados Gerenciamento de Transações em Banco de Dados. Prof. Hugo Souza

Tópicos Avançados em Banco de Dados Gerenciamento de Transações em Banco de Dados. Prof. Hugo Souza Tópicos Avançados em Banco de Dados Gerenciamento de Transações em Banco de Dados Prof. Hugo Souza Até agora vimos como é formada a infraestrutura física e lógica das bases de dados com os principais componentes

Leia mais

INSTALAÇÕES DO EDIFÍCIO (Solar térmica) Manual do Utilizador

INSTALAÇÕES DO EDIFÍCIO (Solar térmica) Manual do Utilizador 2 IMPORTANTE: ESTE TEXTO REQUER A SUA ATENÇÃO E A SUA LEITURA A informação contida neste documento é propriedade da Ingenieros, S.A. e nenhuma parte dela pode ser reproduzida ou transferida sob nenhum

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 1.1 CONCEITO DE PARADIGMAS DE LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO PARADIGMAS DE LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO

1 INTRODUÇÃO 1.1 CONCEITO DE PARADIGMAS DE LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO PARADIGMAS DE LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO 1 INTRODUÇÃO 1.1 CONCEITO DE PARADIGMAS DE LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO Desde o seu surgimento, o manuseio da computação é baseado em linguagens de programação. Ela permite que sejam construídos aplicativos

Leia mais

Sistemas de Ficheiros. Sistemas de Bases de Dados

Sistemas de Ficheiros. Sistemas de Bases de Dados Sistemas de Bases de Dados Sistemas de Ficheiros Sistemas de Bases de Dados Conceitos Base Dados: são valores discretos que só se transformam em informação quando relacionados ou interpretados de alguma

Leia mais

TIC Tecnologias da Informação e Comunicação 10º Ano

TIC Tecnologias da Informação e Comunicação 10º Ano TIC Tecnologias da Informação e Comunicação 10º Ano Unidades Conteúdos Objectivos Gerais Nº Aulas (tempos) Módulo 1 Folha de Cálculo Microsoft Excel 2010 Introdução à folha de cálculo o Personalização

Leia mais

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Por Allan J. Albrecht Proc. Joint SHARE/GUIDE/IBM Application Development Symposium (October, 1979), 83-92 IBM Corporation, White Plains, New York

Leia mais

Programação de Computadores

Programação de Computadores Não é permitida a alteração do layout. Qualquer alteração nos conteúdos, deverá ser comunicada aos autores. Autoria: Autoria: Ernesto Ernesto R. R. Afonso, Afonso, Eng.º Eng.º Manuel Manuel A. A. E. E.

Leia mais

Projecto de Desenvolvimento de Sistemas de Software

Projecto de Desenvolvimento de Sistemas de Software Projecto de Desenvolvimento de Sistemas de Software Grupo 2 Carla Alexandra Marques Gregório, nº51840 Nuno Filipe Cruzeiro de Almeida, nº51822 Rogério Araújo Costa, nº51831 1 Introdução No âmbito da disciplina

Leia mais

Mapa Mental de Engenharia de Software - Diagramas UML

Mapa Mental de Engenharia de Software - Diagramas UML Mapa Mental Engenharia Software - Diagramas UML Mapa Mental Engenharia Software Diagramas UML Mapa Mental Engenharia Software Diagramas UML Mapa Mental UML - Diagramas, Fases e Detalhes Resolvi juntar

Leia mais

Engenharia Informática

Engenharia Informática Escola Superior de Ciência e Tecnologia Engenharia Informática Análise de Sistemas Informáticos 3º ano Exame 12 de Julho de 2006 Docentes: José Correia e João Paulo Rodrigues Duração: 90 m; Tolerância:

Leia mais

LINGUAGEM SQL PARA CONSULTAS EM MICROSOFT ACCESS

LINGUAGEM SQL PARA CONSULTAS EM MICROSOFT ACCESS LINGUAGEM SQL PARA CSULTAS EM MICROSOFT ACCESS Objetivos: Neste tutorial serão apresentados os principais elementos da linguagem SQL (Structured Query Language). Serão apresentados diversos exemplos práticos

Leia mais

UML e a Ferramenta Astah. Profa. Reane Franco Goulart

UML e a Ferramenta Astah. Profa. Reane Franco Goulart UML e a Ferramenta Astah Profa. Reane Franco Goulart História da UML o Percebeu-se a necessidade de um padrão para a modelagem de sistemas, que fosse aceito e utilizado amplamente. o Alguns esforços nesse

Leia mais

Capítulo 2. Processos de Software. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. slide 1

Capítulo 2. Processos de Software. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. slide 1 Capítulo 2 Processos de Software slide 1 Tópicos apresentados Modelos de processo de software. Atividades de processo. Lidando com mudanças. Rational Unified Process (RUP). Um exemplo de um processo de

Leia mais

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Introdução Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre

Leia mais

Consultoria em Website, Gestor de Conteúdos e Newsletter.

Consultoria em Website, Gestor de Conteúdos e Newsletter. Consultoria em Website, Gestor de Conteúdos e Newsletter. Proposta MD20091123253 Web site, Gestor de Conteúdos e Newsletter. Versão 1.0 23 de Novembro de 2009 RESTRIÇÕES AO USO E DIVULGAÇÃO DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Módulo 1 Microsoft Word 2007 ( 4 Horas)

Módulo 1 Microsoft Word 2007 ( 4 Horas) No final deste módulo o formando deverá estar apto a: Enunciar a definição do Microsoft Word 2007; Reconhecer as principais vantagens da utilização; Distinguir as diferentes áreas do ambiente de trabalho

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Fabrício Viero de Araújo, Gilse A. Morgental Falkembach Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção - PPGEP Universidade

Leia mais

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO UTILIZANDO O HIBERNATE Rafael Laurino GUERRA, Dra. Luciana Aparecida Martinez ZAINA Faculdade de Tecnologia de Indaiatuba FATEC-ID 1 RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

Volta a Portugal. Relatório. Algoritmos e Estruturas de Dados 2º ano do Mestrado Integrado em Engenharia Informática e Computação

Volta a Portugal. Relatório. Algoritmos e Estruturas de Dados 2º ano do Mestrado Integrado em Engenharia Informática e Computação Volta a Portugal Relatório Algoritmos e Estruturas de Dados 2º ano do Mestrado Integrado em Engenharia Informática e Computação Elementos do Grupo: João Carlos Figueiredo Rodrigues Prudêncio 070509111

Leia mais

Guia do Cúram Configuration Transport Manager

Guia do Cúram Configuration Transport Manager IBM Cúram Social Program Management Guia do Cúram Configuration Transport Manager Versão 6.0.5 IBM Cúram Social Program Management Guia do Cúram Configuration Transport Manager Versão 6.0.5 Nota Antes

Leia mais

Programação 2ºSemestre MEEC - 2010/2011. Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto

Programação 2ºSemestre MEEC - 2010/2011. Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto O projecto a desenvolver pelos alunos consistirá numa sistema de monitorização,

Leia mais

USE CASES. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SOFTWARE F. Mário. Martins 2008 89

USE CASES. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SOFTWARE F. Mário. Martins 2008 89 USE CASES Martins 2008 89 USE CASES Martins 2008 90 USE CASES: Especificação Especificar um Use Case Projectista Expansão do UC "Especificar um UC" Especificar um Use Case Nome, Sumário e Contexto

Leia mais

Uma peça estratégica para o seu negócio

Uma peça estratégica para o seu negócio Uma peça estratégica para o seu negócio INFORMAÇÃO GERAL DA EMPRESA CASO DE SUCESSO EM IMPLEMENTAÇÃO BI PERGUNTAS E RESPOSTAS Fundada em 1997, Habber Tec é uma empresa especializada na oferta de soluções

Leia mais

Algoritmos e Programação Parte Teórica

Algoritmos e Programação Parte Teórica Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Produção / Elétrica Algoritmos e Programação Parte Teórica Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Já Te Digo Uma interface em língua natural para uma base de dados de cinema

Já Te Digo Uma interface em língua natural para uma base de dados de cinema Já Te Digo Uma interface em língua natural para uma base de dados de cinema Ana Raquel Guimarães 1 Estrutura Motivação O que é uma ILNBD? Objectivo Análise do problema Fases de Desenvolvimento Recolha

Leia mais

BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SUBSISTEMA DE INFORMAÇÃO DE GESTÃO DE CLIENTES DA EPAL, SA. Vítor B. VALE (1)

BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SUBSISTEMA DE INFORMAÇÃO DE GESTÃO DE CLIENTES DA EPAL, SA. Vítor B. VALE (1) BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SUBSISTEMA DE INFORMAÇÃO DE GESTÃO DE CLIENTES DA EPAL, SA Vítor B. VALE (1) RESUMO O SIGC - Sistema Integrado de Gestão de Clientes, foi analisado e desenvolvido tendo como grande

Leia mais

Objetivo do trabalho 4

Objetivo do trabalho 4 CC-226 Introdução à Análise de Padrões Prof. Carlos Henrique Q. Forster Instruções para Trabalho 4 Objetivo do trabalho 4 Relatar os resultados obtidos no trabalho 3 e estendidos na forma de escrita científica

Leia mais

Introdução à Programação. João Manuel R. S. Tavares

Introdução à Programação. João Manuel R. S. Tavares Introdução à Programação João Manuel R. S. Tavares Sumário 1. Ciclo de desenvolvimento de um programa; 2. Descrição de algoritmos; 3. Desenvolvimento modular de programas; 4. Estruturas de controlo de

Leia mais

Armazenamento e Pesquisa de Topic Maps em Banco de Dados Relacional

Armazenamento e Pesquisa de Topic Maps em Banco de Dados Relacional Armazenamento e Pesquisa de Topic Maps em Banco de Dados Relacional Lucas Indrusiak, Renato Azevedo, Giovani R. Librelotto UNIFRA Centro Universitário Franciscano Rua dos Andradas, 1614 97.010-032 Santa

Leia mais

UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada

UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada Introdução É a padronização das metodologias de desenvolvimento de sistemas baseados na orientação a objetos. Foi criada por três grandes

Leia mais

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Questionário Taxinómico do Software Engineering Institute António Miguel 1. Constrangimentos do Projecto Os Constrangimentos ao Projecto referem-se

Leia mais

Uma visão mais clara da UML Sumário

Uma visão mais clara da UML Sumário Uma visão mais clara da UML Sumário 1 Método...2 2 Análise de requisitos...2 2.1 Diagramas de Casos de Uso...3 2.1.1 Ator...3 2.1.2 Casos de Uso (Use Case)...4 2.1.3 Cenário...4 2.1.4 Relacionamentos...6

Leia mais

Os Cinco Níveis de Maturidade na Gestão de Requisitos

Os Cinco Níveis de Maturidade na Gestão de Requisitos Os Cinco Níveis de Maturidade na Gestão de Requisitos Ter maturidade significa ser capaz de ver o contexto e efectuar boas escolhas. No âmbito de uma empresa, significa basear as decisões numa compreensão

Leia mais

Modelos de Sistemas Casos de Uso

Modelos de Sistemas Casos de Uso Modelos de Sistemas Casos de Uso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2000 Slide 1 Modelagem de Sistema UML Unified Modeling Language (Linguagem de Modelagem Unificada)

Leia mais

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web João Alexandre Oliveira Ferreira Dissertação realizada sob a orientação do Professor Doutor Mário de Sousa do Departamento de Engenharia

Leia mais

A Ergonomia e os Sistemas de Informação. Ivo Gomes

A Ergonomia e os Sistemas de Informação. Ivo Gomes A Ergonomia e os Sistemas de Informação Ivo Gomes A Ergonomia e os Sistemas de Informação Para a maior parte das pessoas, a ergonomia serve para fazer cadeiras mais confortáveis, mobiliário de escritório

Leia mais

Manual do utilizador. Animal RFID Integrator. Universidade de Évora Escola de Ciências e Tecnologia

Manual do utilizador. Animal RFID Integrator. Universidade de Évora Escola de Ciências e Tecnologia Manual do utilizador Animal RFID Integrator Universidade de Évora Escola de Ciências e Tecnologia RESUMO Aplicação para recolha de informação no campo. O Animal RFID Integrator é um interface que permite

Leia mais

Organização de Computadores Software

Organização de Computadores Software Organização de Computadores Software Professor Marcus Vinícius Midena Ramos Colegiado de Engenharia de Computação (74)3614.1936 marcus.ramos@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~marcus.ramos Objetivos: Entender

Leia mais

3 ao Quadrado - Agenda Web

3 ao Quadrado - Agenda Web 3 ao Quadrado - Agenda Web Relatório de Gestão de Projectos de Software - Grupo A - LEIC 2001/2002 http://gnomo.fe.up.pt/gps01a João Montenegro - ei97023@fe.up.pt André Teixeira - ei97024@fe.up.pt Carlos

Leia mais

Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Cronograma das Aulas. Hoje você está na aula Semana

Leia mais

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6 MANUAL DO UTILIZADOR A informação contida neste manual, pode ser alterada sem qualquer aviso prévio. A Estratega Software, apesar dos esforços constantes de actualização deste manual e do produto de software,

Leia mais

Linguagem de Programação Orientada a Objeto. Introdução a Orientação a Objetos Professora Sheila Cáceres

Linguagem de Programação Orientada a Objeto. Introdução a Orientação a Objetos Professora Sheila Cáceres Linguagem de Programação Orientada a Objeto Introdução a Orientação a Objetos Professora Sheila Cáceres Introdução a Orientação a Objetos No mundo real, tudo é objeto!; Os objetos se relacionam entre si

Leia mais

Curso:... Prova de Sistemas de Informação para Bibliotecas (21105) Nome:... Nº de Estudante:... B. I. nº... Assinatura do Vigilante:...

Curso:... Prova de Sistemas de Informação para Bibliotecas (21105) Nome:... Nº de Estudante:... B. I. nº... Assinatura do Vigilante:... Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Curso:... Prova de Sistemas de Informação para Bibliotecas (21105) Data: [Modelo] Nome:... Nº de Estudante:... B. I. nº... Assinatura do Vigilante:...

Leia mais

Soluções Web Centradas no Utilizador. Ivo Gomes

Soluções Web Centradas no Utilizador. Ivo Gomes Soluções Web Centradas no Utilizador Ivo Gomes 1 Soluções Web Centradas no Utilizador Os interfaces gráficos foram desenvolvidos para dar controlo às pessoas sobre os seus computadores. Colmatar as necessidades

Leia mais

UML jvo. 1. Disponibilizar uma linguagem de modelação visual expressiva e rigorosa;

UML jvo. 1. Disponibilizar uma linguagem de modelação visual expressiva e rigorosa; UML A Unified Modeling Language (UML) é uma linguagem, essencialmente gráfica, para modelar, especificar e documentar elementos de sistemas, não necessariamente informáticos. É um standard reconhecido

Leia mais

Catálogo Nacional de Compras Públicas. Manual de Fornecedores

Catálogo Nacional de Compras Públicas. Manual de Fornecedores 10 de Julho de 2009 Índice 1. Introdução... 3 1.1. Objectivo... 3 2. Fornecedor... 4 2.1. AQs/CPAs... 4 2.2. Contratos... 4 2.3. Grupos AQ/CPA... 5 3. Carregamento e Actualização do Catálogo... 7 3.1.

Leia mais

WebSphere_Integration_Developer_D_Jan06 Script

WebSphere_Integration_Developer_D_Jan06 Script WebSphere_Integration_Developer_D_Jan06 Script 1a Nesta demonstração, Will Dunlop, um programador de integração da JK, utiliza o IBM, [ IBM], ou WID para construir um novo serviço orientado para os processos

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Perguntas Mais Frequentes Sobre

Perguntas Mais Frequentes Sobre Perguntas Mais Frequentes Sobre Neste documento pretende a Coordenação do Programa Nacional de Desfibrilhação Automática Externa (PNDAE) reunir uma selecção das perguntas mais frequentemente colocadas

Leia mais

Processamento de Linguagens EI (2 o ano)

Processamento de Linguagens EI (2 o ano) Processamento de Linguagens EI (2 o ano) Trabalho Prático Ano Lectivo de 04/05 1 Objectivos e Organização Este trabalho prático tem como principais objectivos: aumentar a experiência de uso do ambiente

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

Manual do Gestor da Informação do Sistema

Manual do Gestor da Informação do Sistema Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Licenciatura Informática e Computação Laboratório de Informática Avançada Automatização de Horários Manual do Gestor da Informação do Sistema João Braga

Leia mais

Desenvolvimento estruturado versus orientado a objetos.

Desenvolvimento estruturado versus orientado a objetos. Desenvolvimento estruturado versus orientado a objetos. Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Objetivos Identificar diferenças entre: Desenvolvimento

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE VARIAÁ VEL Antes de iniciarmos os comandos referentes a Banco de Dados, precisamos de uma breve descrição técnica sobre Variáveis que serão uma constante em programação seja qual for sua forma de leitura.

Leia mais

Modelagem de Sistemas

Modelagem de Sistemas Capítulo 5 Modelagem de Sistemas slide 1 2011 Pearson Pren0ce Hall. Todos os direitos reservados. 1 Tópicos Apresentados Modelos de contexto Modelos de interação Modelos estruturais Modelos comportamentais

Leia mais

DOCUMENTO IDENTIFICAÇÃO - BI nº Passaporte nº

DOCUMENTO IDENTIFICAÇÃO - BI nº Passaporte nº Duração de 1H30 Leia com atenção as seguinte intruções: As questões de múltipla escolha têm uma cotação de 0,1 cada. Caso queira alterar a sua resposta, risque a anterior e assinale a sua opção final com

Leia mais

Controle e execute tudo o que está relacionado com Pessoal e Salários com um software eficaz e preparado para completar todas as tarefas nesta área

Controle e execute tudo o que está relacionado com Pessoal e Salários com um software eficaz e preparado para completar todas as tarefas nesta área Descritivo completo Pessoal 2008 Controle e execute tudo o que está relacionado com Pessoal e Salários com um software eficaz e preparado para completar todas as tarefas nesta área Benefícios Solução completa;

Leia mais