Projeto de Pesquisa: Governança em Tribunais de Justiça de Brasil e Portugal 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto de Pesquisa: Governança em Tribunais de Justiça de Brasil e Portugal 1"

Transcrição

1 Projeto de Pesquisa: Governança em Tribunais de Justiça de Brasil e Portugal 1 1. INTRODUÇÃO Tomás de Aquino Guimarães, professor, Universidade de Brasília Luiz Akutsu, doutorando em Administração, Universidade de Brasília Pedro Correia, professor, Universidade de Lisboa João Bilhim, professor, Universidade de Lisboa Investigar o tema da governança judicial implica estudar a gestão de organizações do sistema judiciário, das quais se destacam, em particular, os tribunais. Para tal é importante ter em consideração que um tribunal representa um tipo especial de sistema social denominado organização institucionalizada, no sentido de que tribunais são sistemas socialmente legitimados e que atuam visando proporcionar equilíbrio perante interesses difusos existentes na sociedade em que se inserem. Organizações do sistema judiciário, como os tribunais, atuam sob fortes pressões sociais decorrentes de interesses conflituantes. Simultaneamente, a sociedade, como um todo, reivindica uma justiça eficiente, uma vez que essas organizações são financiadas com recursos públicos e que os tribunais prestam um serviço social relevante. A identificação de dimensões (macro variáveis) que explicam a gestão e o desempenho dos tribunais tem sido colocada em destaque na agenda política internacional. No entanto, ainda são escassos os estudos relacionados com a gestão do sistema judiciário, especialmente quando se trata de governança. Numa pesquisa realizada a 7 de janeiro de 2013 nas bases de dados Scielo ( e Spell ( utilizando a palavrachave governança, associada aos termos judiciário e judicial, apenas o artigo de Akutsu e Guimarães (2012) pôde ser encontrado. Esse resultado indica que a literatura relacionada com este tema é escassa no Brasil, em paises latino-americanos e em Portugal, regiões cobertas por essas bases de dados. O presente projeto de pesquisa aborda o tema da governança judicial, propondo-se levar a cabo um conjunto de análises de tribunais do Brasil e de Portugal. O estudo é justificado face à relevância da discussão dos mecanismos de governança judicial e do papel da administração da Justiça para aprimorar o desempenho dos serviços judiciais prestados à população. O estudo do tema da governança judicial permite a discussão de problemas 1 Versão resumida de projeto de pesquisa decorrente de acordo de cooperação técnico-científica entre a Universidades de Brasília, Brasil e a Universidade de Lisboa, Portugal. 1

2 estruturais que têm dificultado o melhoramento dos serviços judiciais. A pesquisa proposta permitirá gerar conhecimentos de índole teórica, metodológica e prática sobre o tema a ser estudado. O conceito de governança em geral é multifacetado e plural, envolvendo diversas dimensões e está alinhado com as práticas de gestão e de controlo das organizações, tanto públicas quanto privadas. Para os efeitos deste projeto, será adotada a definição de governança judicial enquanto conjunto de atitudes, ações, comportamentos e decisões necessárias ao exercício da Justiça, visando a solução de conflitos sociais, individuais e coletivos. A governança judicial é ancorada por leis, normas gerais e instituições, e por recursos, capacidades, práticas e métodos de gestão utilizados para o planeamento, acompanhamento e controle das atividades de organizações encarregadas da prestação de serviços judiciais. A qualidade da governança judicial pode ser medida pela efetividade das decisões judiciais, pela acessibilidade à Justiça, e pela equidade, transparência e celeridade com que os serviços judiciais são prestados. 2. MODELO TEÓRICO E METODOLOGIA Ao discutir o tema governança judicial, Akutsu e Guimarães (2012) evidenciaram a escassez de estudos teórico-empíricos recentes nessa área e, em especial, de estudos que relacionem esse tema com a Teoria da Agência (EISENHARDT, 1989) e a Teoria de Custos de Transação (WILLIAMSON, 1981, 1991, 1996). As dimensões de governança judicial, mais presentes na literatura da área, identificadas por estes autores foram: desempenho; independência judicial; recursos e estrutura; accountability; e acessibilidade. Num estudo posterior Akutsu e Guimarães (2013), propõem um modelo teórico-metodológico de governança judicial composto de sete dimensões: accountability; acessibilidade; independência; recursos e estrutura; práticas de governança; ambiente institucional; e desempenho. Neste modelo são propostas igualmente as variáveis de medida associadas a estas macro variáveis. A Figura 1 sintetiza o modelo teórico de governança judicial proposto neste projeto, elaborado a partir da proposta de Williamson (1996), que sugere três níveis de análise para o conceito de governança: o ambiente institucional; o ambiente de governança e os indivíduos. No primeiro nível, o nível do ambiente institucional, formado por instituições sociais e 2

3 políticas, são definidas as regras do jogo, aplicáveis à governança judicial propriamente dita, que se desenvolve no segundo nível, isto é, nas organizações do sistema judiciário, enquanto que o terceiro nível se refere aos indivíduos responsáveis pelo funcionamento dessas organizações juízes e funcionários judiciais. Eventuais mudanças nas regras levam, em geral, à necessidade de mudanças nos mecanismos de governança. Figura 1: Modelo teórico de governança judicial Fonte: adaptado de Williamson (1996). O objetivo da pesquisa é descrever a governança dos tribunais de Justiça do Brasil e dos tribunais judiciais em Portugal, segundo a perceção dos juízes e dos funcionários que atuam nesses tribunais. Este objetivo será alcançado mediante a aplicação de um questionário, contendo itens relacionados com as dimensões de governança judicial do modelo teórico proposto neste documento, com respostas padronizadas numa escala de concordância. O questionário foi elaborado com apoio da literatura especializada sobre o tema e entrevistas com juízes e funcionários de tribunais brasileiros, como descrito em Akutsu e Guimarães (2013. A adaptação do instrumento para aplicação a tribunais de Portugal seguiu as etapas recomendadas pela literatura, compreendendo ajustes de redação, e inclusão e exclusão de itens em função de características específicas do sistema judiciário português. 3

4 Serão recolhidos dados através de um questionário eletrónico disponibilizado na Internet, a ser preenchido por juízes e funcionários, cujo link será encaminhado para os respetivos s. Alternativamente, questionários poderão ser preenchidos no formato impresso, em entrevistas individuais a serem agendadas com juízes e funcionários de tribunais. A recolha dos dados será precedida de uma solicitação de autorização para a pesquisa dirigida à direção dos tribunais, no Brasil, e do Conselho Superior da Magistratura, em Portugal. 3. CRONOGRAMA ATIVIDADE Adaptação e validação de variáveis observáveis e do instrumento de pesquisa para o contexto português Recolha de dados por meio de questionário a ser preenchido por juizes e funcionários judiciais Elaboração e tratamento da base de dados Análise dos dados Redação e revisão do relatórios de pesquisa Redação e submissão de artigos a eventos e revistas científicas PERÍODO setembro/2013 a outubro/2013 outubro/2013 a novembro/2013 dezembro/2013 janeiro/2014 fevereiro/2014 a março/2014 abril/2014 a julho de 2014 REFERÊNCIAS AKUTSU, L.; GUIMARÃES, T. A. Dimensões da Governança Judicial e sua Aplicação ao Sistema Judicial Brasileiro. Revista Direito GV, São Paulo: Fundação Getúlio Vargas, v. 8, n. 1, p , AKUTSU, L.; GUIMARÃES, T. A. Governança Judicial. Proposta de modelo teóricometodológico. Encontro Anual da ANPAD. Rio de Janeiro: ANPAD. Anais... CD EISENHARDT, K. M. Agency theory: an assessment and review. Academy of Management Review, v. 14, n. 1, p , WILLIAMSON, Oliver. The Economics of Organization: The Transaction Cost Approach. The American Journal of Sociology, v. 87, n. 3, Comparative Economic Organization: The Analysis of Discret Structural Alternatives. Administrative Science Quartely, v. 36, n. 2, Mechanisms of Governance. Oxford University Press. New York,

5 PESQUISA SOBRE GOVERNANÇA JUDICIAL A presente pesquisa tem como objetivo aferir as perceções de magistrados e funcionários judiciais, quanto à governança dos tribunais em Portugal. A sua seleção para participar na pesquisa fica a deverse ao seu perfil profissional, representativo do público-alvo. Este é um estudo realizado no âmbito de um projeto de cooperação científica entre o Programa de Pós- Graduação em Administração da Universidade de Brasília, Brasil e o Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa, Portugal. Os resultados permitirão aprofundar o conhecimento a respeito da governança judicial e fornecer contributos para formulação de melhorias em políticas e práticas de gestão dos tribunais estudados. Todos os dados serão mantidos sob sigilo e tratados de forma agrupada, sem qualquer identificação individual. A sua participação é voluntária. Caso concorde, pedimos que responda a um questionário cujo tempo de preenchimento se estima em cerca de 15 minutos. Por favor, não deixe nenhum item em branco. Não há respostas certas ou erradas. As suas resposta não serão identificadas nem ficarão associadas à sua conta de , e o questionário em questão não está, de forma alguma, associado a qualquer tipo de processo de avaliação do seu desempenho pelo Conselho Superior da Magistratura. Caso pretenda esclarecer alguma dúvida ou contribuir com algum comentário adicional, por favor, utilize os seguintes contactos: professores Tomás de Aquino Guimarães [ ] e Pedro Correia [ ]. [ = elementos de contacto suprimidos na presente divulgação pública] Desde já agradecemos a sua colaboração, que será muito útil para a pesquisa. Por favor, para participar da pesquisa aceda ao questionário: {ver mensagem de correio electrónico remetida para a caixa de correio profissional, que não se divulga por esta via, para garantir que as respostas sejam provenientes apenas de magistrados judiciais} Professor Tomás de Aquino Guimarães Universidade de Brasília, Brasil Professor João Bilhim Universidade de Lisboa, Portugal Professor Pedro Correia Universidade de Lisboa, Portugal 5

Projeto Testes Intermédios 2014/2015 Informação-Projeto

Projeto Testes Intermédios 2014/2015 Informação-Projeto Projeto Testes Intermédios 2014/2015 Informação-Projeto INFORMAÇÃO AOS DIRETORES, GESTORES DE PROJETO E PROFESSORES Na sequência da publicação da Informação 1, divulgada pelo IAVE, I.P., na Extranet, no

Leia mais

Contributos e comentários produzidos no âmbito da audição pública

Contributos e comentários produzidos no âmbito da audição pública Contributos e comentários produzidos no âmbito da audição pública A ERS submeteu a audição pública, entre os dias 7 de julho e 7 de agosto de 2014, a versão preliminar da Recomendação n.º 1/2014 sobre

Leia mais

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. Data: 2016-01-14 Pág. 1 de 13

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. Data: 2016-01-14 Pág. 1 de 13 ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE Data: 2016-01-14 Pág. 1 de 13 Artigo 1.º Âmbito Em cumprimento do disposto no Artigo 158.º, n.º 3, do Anexo I, da Lei n.º 147/2015, de 9 de setembro (que aprova

Leia mais

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. CAPÍTULO I Estatuto do Provedor

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. CAPÍTULO I Estatuto do Provedor ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE Artigo 1.º Âmbito Em cumprimento do disposto no Artigo 158.º, n.º 3, do Anexo I, da Lei n.º 147/2015, de 9 de setembro (que aprova o regime jurídico de acesso

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE CONSERVATÓRIO REGIONAL DE GAIA Ano Letivo 2013 2014 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE Regulamento Artigo 1.º Âmbito 1. O presente Regulamento de Avaliação de Desempenho aplica-se a todos os docentes com

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO

RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO Documento 7.1 RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICIPIOS DO ESTADO DA BAHIA TCM-BA SALVADOR BAHIA MARÇO / 2010 1/10 1. Introdução Este documento faz parte do escopo do

Leia mais

o Maria Hermínia Cabral o Sérgio Guimarães o Pedro Krupenski

o Maria Hermínia Cabral o Sérgio Guimarães o Pedro Krupenski II Oficina de Trabalho Código de Conduta: Processos e Metodologias 24 de Setembro 2015 Conclusões da Sessão da manhã Com o apoio dos Parceiros do Mecanismo de Apoio à Elaboração de Projetos de Cooperação,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 8ª REGIÃO INTRODUÇÃO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 8ª REGIÃO INTRODUÇÃO Assegurar o acesso à justiça, de forma efetiva, na composição dos conflitos decorrentes das relações de trabalho. Missão Institucional do TRT da 8ª Região. INTRODUÇÃO Prática adotada pelo Tribunal Regional

Leia mais

www.fundep.br/programacaptar, juntamente com este regulamento.

www.fundep.br/programacaptar, juntamente com este regulamento. PROGRAMA DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS FUNDEP REGULAMENTO PARA CADASTRAMENTO DE PROJETOS UFMG A Fundep//Gerência de Articulação de Parcerias convida a comunidade acadêmica da UFMG a cadastrar propostas de acordo

Leia mais

Regulamento de Funcionamento Aplicável à Gestão de Reclamações

Regulamento de Funcionamento Aplicável à Gestão de Reclamações Regulamento de Funcionamento Aplicável à Gestão de Reclamações Agosto 2010 REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO APLICÁVEL À GESTÃO DE RECLAMAÇÕES CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Secção I Disposições preliminares

Leia mais

Rede INFO: abordagens eficazes aos princípios fundamentais

Rede INFO: abordagens eficazes aos princípios fundamentais Rede INFO: abordagens eficazes aos princípios fundamentais Setembro de 2014 A International Network of Financial Services Ombudsman Schemes (Rede INFO) é a associação mundial de mediadores de serviços

Leia mais

Regulamento Acredita Portugal Realize o seu Sonho

Regulamento Acredita Portugal Realize o seu Sonho Regulamento Acredita Portugal Realize o seu Sonho REGULAMENTO DA 4ª EDIÇÃO DO CONCURSO "BES REALIZE O SEU SONHO" Capítulo I - Introdução e Objetivos 1.º(Introdução e Objetivos) O Concurso Realize o Seu

Leia mais

A 3ª EDIÇÃO DO FÓRUM DA CIDADANIA

A 3ª EDIÇÃO DO FÓRUM DA CIDADANIA A 3ª EDIÇÃO DO FÓRUM DA CIDADANIA Depois da sua segunda edição em 2015, o Fórum da Cidadania está de volta no dia 28 de Maio de 2016, em local a anunciar. Esta iniciativa, promovida pelo Pelouro dos Direitos

Leia mais

INFORMAÇÕES AOS COMITÊS E FRANQUEADOS

INFORMAÇÕES AOS COMITÊS E FRANQUEADOS INFORMAÇÕES AOS COMITÊS E FRANQUEADOS Este material tem o objetivo de fornecer aos comitês regionais e setoriais do PGQP, e a seus franqueados, informações atualizadas sobre o SAG e orientações para a

Leia mais

NORMATIVO SARB 003/2008 1. CONCEITO

NORMATIVO SARB 003/2008 1. CONCEITO O Conselho de Auto-Regulação Bancária, com base no art. 1 (b), do Código de Auto-Regulação Bancária, sanciona as regras abaixo dispostas, formalizando preceitos comuns a todas as signatárias da auto-regulação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. Médis - Companhia Portuguesa de Seguros de Saúde, S.A.

REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. Médis - Companhia Portuguesa de Seguros de Saúde, S.A. REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE Médis - Companhia Portuguesa de Seguros de Saúde, S.A. 1 O presente regulamento define as regras que orientam a função do Provedor do Cliente da Médis - Companhia Portuguesa

Leia mais

As mudanças climáticas globais e as ONGs socioambientais brasileiras: novas estratégias de conservação para a Amazônia.

As mudanças climáticas globais e as ONGs socioambientais brasileiras: novas estratégias de conservação para a Amazônia. COUTO, G. A. As mudanças climáticas globais e as ONGs socioambientais brasileiras: novas estratégias de conservação para a Amazônia. 2012. 207 f. Dissertação (mestrado) Programa de Pós-Graduação em Ciência

Leia mais

CENSOS 2011 INFORMAÇÃO AOS CIDADÃOS

CENSOS 2011 INFORMAÇÃO AOS CIDADÃOS CENSOS 2011 INFORMAÇÃO AOS CIDADÃOS E m M a r ç o / A b r i l, o I n s t i t u to N a c i o n a l d e E s t a t í s t i c a ( I N E ), c o m o a p o i o d a s C â m a r a s M u n i c i p a i s e d a s

Leia mais

World Café: Interligar para vencer

World Café: Interligar para vencer World Café: Interligar para vencer Principais Reflexões Tais reflexões resultam de uma sessão intitulada World Café: Interligar para vencer que ocorreu na Cruz Vermelha Portuguesa Centro Humanitário de

Leia mais

POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS

POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS Para a construção de um memorandum dos juízes dos países e territórios de língua oficial portuguesa (UIJLP) no âmbito da 1ª Conferência Internacional sobre Políticas

Leia mais

Código de Ética Fevereiro de 2015

Código de Ética Fevereiro de 2015 Código de Ética Fevereiro de 2015 Índice 1. Âmbito de aplicação... 3 2. Ética... 3 2.1. Princípios e valores fundamentais... 3 2.2. Proibição de decisão em situação de conflito de interesses... 4 2.3.

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA

DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA Como é sabido existe um consenso de que é necessário imprimir qualidade nas ações realizadas pela administração pública. Para alcançar esse objetivo, pressupõe-se

Leia mais

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional. 1 POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1.1 Introdução O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

Leia mais

ARTIGO 1.º OBJECTO ARTIGO 2.º DEFINIÇÕES

ARTIGO 1.º OBJECTO ARTIGO 2.º DEFINIÇÕES REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE TRATAMENTO, AUDIÇÃO E PARTICIPAÇÃO DOS TOMADORES DE SEGUROS, PESSOAS SEGURAS, BENEFICIÁRIOS E OUTROS INTERESSADOS ARTIGO 1.º OBJECTO O presente regulamento visa

Leia mais

NORMATIVO SARB 003/2008, revisto e atualizado em 14 de maio de 2015.

NORMATIVO SARB 003/2008, revisto e atualizado em 14 de maio de 2015. NORMATIVO SARB 003/2008, revisto e atualizado em 14 de maio de 2015. O Sistema de Autorregulação Bancária da Federação Brasileira de Bancos - FEBRABAN institui o NORMATIVO DE SERVIÇO DE ATENDIMENTO AO

Leia mais

Política do regulamento de funcionamento do Serviço de Gestão de Reclamações de Clientes e Terceiros

Política do regulamento de funcionamento do Serviço de Gestão de Reclamações de Clientes e Terceiros Política do regulamento de funcionamento do Serviço de Gestão de Reclamações de Clientes e Terceiros Nos termos da Norma Regulamentar nº 10/2009 de 25 de junho. AXA Global Direct Seguros y Reaseguros,

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2012. Manual do Sistema de Coleta de Dados para o BEN 2012

Balanço Energético Nacional 2012. Manual do Sistema de Coleta de Dados para o BEN 2012 Balanço Energético Nacional 2012 Manual do Sistema de Coleta de Dados para o BEN 2012 Fevereiro de 2012 Apresentação O Balanço Energético Nacional BEN é o documento tradicional do setor energético brasileiro,

Leia mais

CHAMADA PARA O PROCESSO DE INSCRIÇÃO 2014/2015 DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FUNCAP

CHAMADA PARA O PROCESSO DE INSCRIÇÃO 2014/2015 DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FUNCAP CHAMADA PARA O PROCESSO DE INSCRIÇÃO 2014/2015 DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FUNCAP CHAMADA Nº. 13/2013 DETALHAMENTO GERAL INTRODUÇÃO A (FUNCAP), vinculada

Leia mais

MANUAL SISTEMA AJG/CJF

MANUAL SISTEMA AJG/CJF MANUAL DO SISTEMA AJG/CJF ÍNDICE 1. SEJA BEM VINDO AO AJG... 3 1.1 Seja Bem-Vindo!... 3 2. SOBRE A AJUDA... 4 2.1 Como navegar no ajuda on-line... 4 3. SOBRE O SISTEMA... 5 3.1 Sobre o sistema... 5 3.2

Leia mais

Regulamento de Gestão de Reclamações

Regulamento de Gestão de Reclamações Regulamento de Gestão de Reclamações no Banco Santander Totta, SA Introdução A Qualidade de Serviço é, para o Banco Santander Totta, SA, um referencial e a forma por excelência de se posicionar e distinguir

Leia mais

USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA

USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA An Innovations in Technology and Governance Case Study Desde o final dos anos 1980, diversos governos

Leia mais

PROGRAMA DINÂMICA DE METAS 2010 RELATÓRIO FINAL

PROGRAMA DINÂMICA DE METAS 2010 RELATÓRIO FINAL PROGRAMA DINÂMICA DE METAS 2010 RELATÓRIO FINAL PROGRAMA DINÂMICA DE METAS 2010 RELATÓRIO FINAL INTRODUÇÃO METODOLOGIA RESULTADO CONCLUSÃO INTRODUÇÃO O Poder Judiciário passa por um largo processo de reformulação

Leia mais

Documento Metodológico

Documento Metodológico Documento Metodológico Designação da operação estatística: Inquérito aos Alunos com Necessidades Especiais de Educação Sigla da operação estatística: Inq. NEE Código da operação estatística: 418 Código

Leia mais

Anexo 4. ANEXO 4 Planeamento e guião dos focus groups

Anexo 4. ANEXO 4 Planeamento e guião dos focus groups ANEXO 4 Planeamento e guião dos focus groups 1 Passo 1 Antes Preparar documento com objetivos do estudo + secções que serão abordadas no focus group para entregar aos alunos. Arranjar sala. Acesso a meios

Leia mais

COMPANHIA DE SEGUROS TRANQUILIDADE, S.A. PROVEDOR DO CLIENTE

COMPANHIA DE SEGUROS TRANQUILIDADE, S.A. PROVEDOR DO CLIENTE CAPÍTULO I - PRINCÍPIO GERAIS Artigo 1º - Objeto 1. O presente documento tem por objetivo definir o estatuto do Provedor do Cliente da Companhia de Seguros Tranquilidade, S.A. e estabelecer um conjunto

Leia mais

Recife/PE 2010 ESTÁGIO REGULAMENTO

Recife/PE 2010 ESTÁGIO REGULAMENTO ESTÁGIO REGULAMENTO Recife/PE 2010 2 CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS DO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 1.º O presente regulamento visa cumprir a Política de estágios da Escola Superior de Marketing-ESM

Leia mais

Programa de Formação para Profissionais

Programa de Formação para Profissionais Programa de Formação para Profissionais 1 O ACESSO À INFORMAÇÃO DE SAÚDE DIREITOS, PROCEDIMENTOS E GARANTIAS Sérgio Pratas smpratas@gmail.com Maio e Junho 2015 2 Programa: 1. O acesso à informação de saúde

Leia mais

Política de Gestão de Reclamações

Política de Gestão de Reclamações DECLARAÇÃO DE POLÍTICA A Eurovida considera cada reclamação como uma oportunidade de melhorar o serviço que presta aos seus Clientes, Colaboradores e Parceiros e de contribuir para a boa imagem e para

Leia mais

XV recenseamento geral da população INFORMAÇÃO AOS CIDADÃOS. Censos 2011, em Março e Abril. e-censos, a resposta pela Internet

XV recenseamento geral da população INFORMAÇÃO AOS CIDADÃOS. Censos 2011, em Março e Abril. e-censos, a resposta pela Internet INFORMAÇÃO AOS CIDADÃOS Censos 2011, em Março e Abril e-censos, a resposta pela Internet Como decorrem os trabalhos Fases dos trabalhos de campo Como responder aos Censos Porque é importante responder

Leia mais

Tribunais Exercícios Gestão de Pessoas Atendimento Ao Público Keyvila Menezes

Tribunais Exercícios Gestão de Pessoas Atendimento Ao Público Keyvila Menezes Tribunais Exercícios Gestão de Pessoas Atendimento Ao Público Keyvila Menezes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Qualidade no Atendimento ao Público Profa.: Keyvila

Leia mais

Guia de Apoio ao Formando. Formação à distância

Guia de Apoio ao Formando. Formação à distância Regras&Sugestões- Formação e Consultoria, Lda. Guia de Apoio ao Formando Data de elaboração: abril de 2014 CONTACTOS Regras & Sugestões Formação e Consultoria, Lda. Av. General Vitorino laranjeira, Edifício

Leia mais

Projeto Normas de Auditoria Governamental Aplicáveis ao Controle Externo Brasileiro: elaboração, aprovação, edição e disseminação.

Projeto Normas de Auditoria Governamental Aplicáveis ao Controle Externo Brasileiro: elaboração, aprovação, edição e disseminação. Projeto Normas de Auditoria Governamental Aplicáveis ao Controle Externo Brasileiro: elaboração, aprovação, edição e disseminação. SUMÁRIO EXECUTIVO 1 Área do Projeto Auditoria Governamental. 2 Objetivos

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII A Associação Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial EMBRAPII torna público o processo de seleção para habilitar Polos EMBRAPII IF (PEIF). Os

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A PARTICIPAÇÃO POPULAR E BANCO DE DADOS PARA MONITORAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES DA POPULAÇÃO

RELATÓRIO SOBRE A PARTICIPAÇÃO POPULAR E BANCO DE DADOS PARA MONITORAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES DA POPULAÇÃO RELATÓRIO SOBRE A PARTICIPAÇÃO POPULAR E BANCO DE DADOS PARA MONITORAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES DA POPULAÇÃO AO PLANO SALVADOR 500, PLANO ESTRATÉGICO, PDDU E LOUOS SALVADOR NOVEMBRO, 2015 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional TERMO DE REFERÊNCIA

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional TERMO DE REFERÊNCIA 1 MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional TERMO DE REFERÊNCIA Contratação de um consultor especializado no desenvolvimento de programas voltados à promoção da saúde e da qualidade de vida

Leia mais

AS FERRAMENTAS DE GOVERNANÇA: O CASO DO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE 1

AS FERRAMENTAS DE GOVERNANÇA: O CASO DO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE 1 AS FERRAMENTAS DE GOVERNANÇA: O CASO DO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE 1 Bruna Faccin Camargo 2, Jaciara Treter 3, Daniel Knebel Baggio 4. 1 Artigo de Conclusão do Curso em Ciências Contábeis 2 Aluna

Leia mais

Regulamento do Provedor do Cliente

Regulamento do Provedor do Cliente Vr5-0_Março/2016 Índice Artigo 1.º - Atribuições... 3 Artigo 2.º - Duração do mandato e incompatibilidades... 3 Artigo 3.º - Reclamações elegíveis para apreciação pelo Provedor do Cliente... 5 Artigo 4.º

Leia mais

RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE

RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE O foco da Cartilha Função de Compliance é integrar as atividades de compliance com as boas práticas de governança corporativa e de Gestão de Riscos, os quais os bancos têm buscado

Leia mais

RESOLUÇÃO. Santa Rosa, RS, 31 de julho de 2014.

RESOLUÇÃO. Santa Rosa, RS, 31 de julho de 2014. RESOLUÇÃO CAS Nº 10/2014 ALTERA A RESOLUÇÃO CAS 33/2013 E DISPÕE SOBRE O REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DAS FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS FEMA. O CONSELHO

Leia mais

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES TERCEIRA REUNIÃO DE MINISTROS DA JUSTIÇA OEA/Ser.K/XXXIV.3 OU DE MINISTROS OU PROCURADORES-GERAIS REMJA-III/doc. 13/00 rev. 2 DAS AMÉRICAS 3 março 2000 1º a 3 de março de 2000 Original: espanhol San José,

Leia mais

GESTÃO - INFORMAÇÃO - ORGANIZAÇÃO. Grande Lisboa Noroeste

GESTÃO - INFORMAÇÃO - ORGANIZAÇÃO. Grande Lisboa Noroeste GESTÃO - INFORMAÇÃO - ORGANIZAÇÃO Grande Lisboa Noroeste Lisboa, 3 de Abril de 2012 AGENDA 1. Modelo de Gestão 2. Grande Lisboa Noroeste Uma experiência 3. Secretarias Judiciais - desenho organizacional

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 016/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: ALTO IMPACTO O Projeto BRA/06/032 comunica que

Leia mais

INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL

INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL Marcela Tapajós e Silva Painel

Leia mais

Concurso "V Prata da Casa" Edição 2015 Cadastro da Boa Prática

Concurso V Prata da Casa Edição 2015 Cadastro da Boa Prática Concurso "V Prata da Casa" 3º Edição 2015 Cadastro da Boa Prática Nome do Participante Jefferson Luiz Tesseroli Silvério Cargo Assessor Jurídico - DAS4 Cidade CURITIBA - PARANÁ Título da Boa Prática IMPLANTAÇÃO

Leia mais

Audit Medel Portugal. Questionário. Magistratura Judicial: 1- Os juízes são independentes?

Audit Medel Portugal. Questionário. Magistratura Judicial: 1- Os juízes são independentes? Audit Medel Portugal Tendo em vista adoptar procedimentos de trabalho que viabilizem a obtenção, no tempo disponível e necessariamente limitado em que vai decorrer a visita dos auditores internacionais,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito das normas brasileiras de contabilidade, julgue os itens a seguir. 51 Considere que determinada entidade, que passava por uma auditoria independente, tenha contratado

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Aprovado pela Resolução Consuni nº 26/10, de 08/09/2010. CAPÍTULO I DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 1º O presente regulamento disciplina

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Esta iniciativa busca definir ações e diretrizes que atendam aos requisitos de infraestrutura e gestão apropriadas às atividades administrativas e judiciais, de forma

Leia mais

: Estudo para adequação do número de servidores nos cartórios.

: Estudo para adequação do número de servidores nos cartórios. Poder Judiciário do Estado de Roraima Tribunal de Justiça NÚCLEO DE ESTATÍSTICA E GESTÃO ESTRATÉGICA Assunto : Estudo para adequação do número de servidores nos cartórios. 1. OBJETIVO Analisar se a quantidade

Leia mais

Regulamento Projeto interdisciplinar

Regulamento Projeto interdisciplinar Regulamento Projeto interdisciplinar 1 Apresentação O presente manual tem como objetivo orientar as atividades relativas à elaboração do Projeto Interdisciplinar (PI). O PI é o estudo sobre um tema específico

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Página: 2 Edição: 01 Revisão: 0 ÍNDICE

MANUAL DA QUALIDADE. Página: 2 Edição: 01 Revisão: 0 ÍNDICE Manual da Qualidade Página: 2 ÍNDICE CAP 1 Manual de Gestão da Qualidade 1.1 Objetivo do manual 1.2 Âmbito do Sistema de Gestão da Qualidade 1.2.1 Exclusões 1.3 Terminologia e abreviaturas usadas no manual

Leia mais

Concurso de Dotações para Formação Pré-acadêmica: equidade na pós-graduação

Concurso de Dotações para Formação Pré-acadêmica: equidade na pós-graduação Concurso de Dotações para Formação Pré-acadêmica: equidade na pós-graduação Neste caderno foram incluídas as informações necessárias para inscrever a proposta das universidades no Concurso de Dotações

Leia mais

Tem um litígio de consumo?

Tem um litígio de consumo? Tem um litígio de consumo? Sabia que deve sempre contactar primeiro o fornecedor do bem ou o prestador do serviço para tentar resolver o problema? Sabia que pode resolver litígios de consumo fora dos tribunais?

Leia mais

FICHA DE CURSO FINANÇAS PARA NÃO FINANCEIROS. Curso 02 Princípios de Análise Financeira

FICHA DE CURSO FINANÇAS PARA NÃO FINANCEIROS. Curso 02 Princípios de Análise Financeira FICHA DE CURSO FINANÇAS PARA NÃO FINANCEIROS Curso 02 Princípios de Análise Financeira DESCRIÇÃO DO CURSO Já sentiu necessidade de compreender melhor os conceitos financeiros que lhe permitem interpretar

Leia mais

Resumo Gestão de Pessoas por Competências

Resumo Gestão de Pessoas por Competências Resumo Gestão de Pessoas por Competências A coordenação técnica e acompanhamento especializado para a realização do projeto são realizados pela consultora e professora Sonia Goulart, da SG Educação Empresarial.

Leia mais

ESTÁGIO EM PSICOLOGIA EM PROCESSOS SOCIAIS: CRIANDO E RECRIANDO O PROCESSO DE AUTONOMIA DOS SUJEITOS NO CAPS AD. 1

ESTÁGIO EM PSICOLOGIA EM PROCESSOS SOCIAIS: CRIANDO E RECRIANDO O PROCESSO DE AUTONOMIA DOS SUJEITOS NO CAPS AD. 1 ESTÁGIO EM PSICOLOGIA EM PROCESSOS SOCIAIS: CRIANDO E RECRIANDO O PROCESSO DE AUTONOMIA DOS SUJEITOS NO CAPS AD. 1 Kenia S. Freire 2, Sabrina Corrêa Da Silva 3, Jaqueline Oliveira 4, Carolina B. Gross

Leia mais

Política de Privacidade A Dellínea Preza pela sua segurança

Política de Privacidade A Dellínea Preza pela sua segurança Política de Privacidade A Dellínea Preza pela sua segurança Por favor, leia com atenção a política de privacidade para conhecer os termos e condições em que suas informações pessoais serão armazenadas,

Leia mais

Nota introdutória. Glossário

Nota introdutória. Glossário Nota introdutória Este documento propõe-se ser uma ferramenta com instruções e informação, que permitam aos beneficiários, conhecer os encargos que foram apurados para a declaração de IRS, no seguimento

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Curso: BACHAREL EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Curso: BACHAREL EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FLUXO DO TCC 6o SEM 7o SEM 8o SEM PESQUISA EM INFORMÁTICA Além da ementa da disciplina, o aluno desenvolverá uma proposta de pesquisa, que poderá ou não continuar a ser trabalhada nas disciplinas de TCC1,

Leia mais

PARECER. sobre a implementação da Lei nº 29/2009, de 29 de Junho

PARECER. sobre a implementação da Lei nº 29/2009, de 29 de Junho PARECER sobre a implementação da Lei nº 29/2009, de 29 de Junho Na legislatura anterior foi solicitado ao Sindicato dos Magistrados do Ministério Público que se pronunciasse sobre a alteração ao regime

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

REGULAMENTO DA UNIDADE DE VIGILÂNCIA PEDIÁTRICA da SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA PORTUGUESE PAEDIATRIC SURVEILLANCE UNIT (UVP-SPP / PPSU)

REGULAMENTO DA UNIDADE DE VIGILÂNCIA PEDIÁTRICA da SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA PORTUGUESE PAEDIATRIC SURVEILLANCE UNIT (UVP-SPP / PPSU) REGULAMENTO DA UNIDADE DE VIGILÂNCIA PEDIÁTRICA da SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA PORTUGUESE PAEDIATRIC SURVEILLANCE UNIT (UVP-SPP / PPSU) Para que a Pediatria portuguesa e as nossas crianças portadoras

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ELABORAÇÃO DE PROJETOS Unidade II ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA Profa. Eliane Gomes Rocha Pesquisa em Serviço Social As metodologias qualitativas de pesquisa são utilizadas nas Ciências Sociais e também no Serviço Social,

Leia mais

Seguro-Saúde. Guia para Consulta Rápida

Seguro-Saúde. Guia para Consulta Rápida Seguro-Saúde. Guia para Consulta Rápida O que é seguro? 6 O que é Seguro-Saúde? 6 Como são os contratos de Seguro-Saúde? 7 Como ficaram as apólices antigas depois da Lei nº 9656/98? 8 Qual a diferença

Leia mais

Minuta de Termo de Referência

Minuta de Termo de Referência Minuta de Termo de Referência Contratação de serviço para elaboração do mapeamento, análise, propostas e implantação de melhorias nos processos de trabalho da Coordenadoria Geral de Licenciamento Ambiental

Leia mais

A política e os programas privados de desenvolvimento comunitário

A política e os programas privados de desenvolvimento comunitário A política e os programas privados de desenvolvimento comunitário Por Camila Cirillo O desenvolvimento local privado O que aqui chamamos de programas de desenvolvimento comunitário são ações de promoção

Leia mais

Condições de participação

Condições de participação Condições de participação A RedEmprendia tem origem num novo perfil universitário, o das universidades empreendedoras, que visam dar um incentivo à inovação e à cultura empreendedora tanto nas suas academias

Leia mais

Promovendo a Inclusão Digital Por Meio do Projeto Multiplicadores

Promovendo a Inclusão Digital Por Meio do Projeto Multiplicadores PROGRAMA INSTITUCIONAL DE ACÕES AFIRMATIVAS RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES (AGOSTO/2009 A AGOSTO/2010) Promovendo a Inclusão Digital Por Meio do Projeto Multiplicadores Paulo Eduardo Boeira Capeller Dr(ª).

Leia mais

-------- ORDEM DE TRABALHOS.

-------- ORDEM DE TRABALHOS. Folha N.º 55 ------------------------------------------ATA NÚMERO NOVE -------------------------------------------- -------- ATA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE MONFORTE, REALIZADA EM 2 DE

Leia mais

http://10.0.10.25/wpro/control/termoaberturactrl.php?opc=imprimir... Justiça Educacional Plano de Projeto

http://10.0.10.25/wpro/control/termoaberturactrl.php?opc=imprimir... Justiça Educacional Plano de Projeto 1 de 6 27/10/2011 15:49 Justiça Educacional Plano de Projeto 1. Escopo do projeto Objetivo do projeto Nos dias atuais o Magistrado tem sido exigido a exercer um novo papel na sociedade, e para isso, é

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES. Laboratório de Desenvolvimento, Sustentabilidade e. Clique para editar o cargo do autor

CONTRIBUIÇÕES. Laboratório de Desenvolvimento, Sustentabilidade e. Clique para editar o cargo do autor CONTRIBUIÇÕES Laboratório de Desenvolvimento, Sustentabilidade e Clique para editar Inovação o nome do Setorial autor Clique para editar o cargo do autor Clique Rio de para Janeiro, editar 13/06/2016 local

Leia mais

Por que criar Ouvidorias nos Tribunais de Contas?

Por que criar Ouvidorias nos Tribunais de Contas? Por que criar Ouvidorias nos Tribunais de Contas? Autora: Edna Delmondes: Mestre em Adminstração de Empresas, pela Universidade Federal da Bahia. Auditora do Tribunal de Contas do Estado da Bahia. Para

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) GARÇA 2011 INTRODUÇÃO O Trabalho de Conclusão de Curso é um componente curricular obrigatório para os cursos de Graduação, assim sendo a Direção da Faculdade

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Administração é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

FACULDADE GUARAPUAVA CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS LICENCIATURA REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC

FACULDADE GUARAPUAVA CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS LICENCIATURA REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC FACULDADE GUARAPUAVA CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS LICENCIATURA REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC Guarapuava - 2013 I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este Regulamento estabelece as regras

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA AGE Nº 01/2015 NORMAS GERAIS DE PROCEDIMENTOS DAS CCIs

ORIENTAÇÃO TÉCNICA AGE Nº 01/2015 NORMAS GERAIS DE PROCEDIMENTOS DAS CCIs Orienta as Coordenações de Controle Interno (CCIs) dos órgãos e entidades da Administração Pública Direta do Poder Executivo Estadual e demais estruturas de controle existentes nos órgãos e entidades da

Leia mais

Termo de Adesão ao Programa de Afiliados de aprendahebraico.com.br

Termo de Adesão ao Programa de Afiliados de aprendahebraico.com.br Termo de Adesão ao Programa de Afiliados de aprendahebraico.com.br Versão 1.2 07/08/2013 O presente TERMO DE ADESÃO AO PROGRAMA DE AFILIADOS contém as regras que se aplicam à participação de Pessoas Físicas

Leia mais

RECURSOS HUMANOS CONCEITUAÇÃO 01 01/02 NORMAS GERAIS 02 01/02 PLANEJAMENTO DA PROGRAMAÇÃO DE CAPACITAÇÃO 04 01/05

RECURSOS HUMANOS CONCEITUAÇÃO 01 01/02 NORMAS GERAIS 02 01/02 PLANEJAMENTO DA PROGRAMAÇÃO DE CAPACITAÇÃO 04 01/05 IN-13-2 SUBSISTEMA ÍNDICE 1 ASSUNTO FOLHA CONCEITUAÇÃO 1 1/2 NORMAS GERAIS 2 1/2 CLASSIFICAÇÃO, INSTRUTORES E PAGAMENTO DE EVENTOS 3 1/3 PLANEJAMENTO DA PROGRAMAÇÃO DE CAPACITAÇÃO 4 1/5 OPERACIONALIZAÇÃO

Leia mais

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente regulamento de avaliação de desempenho aplica-se a todos os docentes que se encontrem integrados na carreira. 2 - A avaliação

Leia mais

Definir e padronizar os procedimentos para realizar o planejamento e a execução da segurança de magistrados, servidores, usuários e dependências.

Definir e padronizar os procedimentos para realizar o planejamento e a execução da segurança de magistrados, servidores, usuários e dependências. Código: MAP-ASMIL-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Assessoria Militar Aprovado por: Presidência 1 OBJETIVO Definir e padronizar os procedimentos para realizar o planejamento e

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC O Trabalho de Conclusão de Curso está estruturado sob a forma de elaboração de artigo científico, sendo este resultado de um trabalho integrado entre as disciplinas de

Leia mais

NORMAS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM AGRONOMIA

NORMAS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM AGRONOMIA Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Câmpus Sertão Diretoria de Ensino Coordenação do Curso

Leia mais

O ciclo de premiação Jovem Empreendedor foi lançado em 2009 com o objetivo de incentivar os jovens líderes da próxima geração.

O ciclo de premiação Jovem Empreendedor foi lançado em 2009 com o objetivo de incentivar os jovens líderes da próxima geração. Prêmios Rolex de Empreendedorismo 2014 Apresentação do Programa Apresentação do Programa Os Prêmios Rolex de Empreendedorismo foram criados com o intuito de promover o espírito de empreendimento e ampliar

Leia mais

Regulamento Específico para os Estágios Supervisionados do Curso de Licenciatura em Geografia a Distância

Regulamento Específico para os Estágios Supervisionados do Curso de Licenciatura em Geografia a Distância Regulamento Específico para os Estágios Supervisionados do Curso de Licenciatura em Geografia a Distância As disciplinas Estágio Supervisionado I e II, devendo perfazer o total de 200 (duzentas) horas

Leia mais

Entrevista ao Professor

Entrevista ao Professor Entrevista ao Professor Prof. Luís Carvalho - Matemática Colégio Valsassina - Lisboa Professor Luís Carvalho, agradecemos o tempo que nos concedeu para esta entrevista e a abertura que demonstrou ao aceitar

Leia mais

ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO E MODERNIZAÇÃO DO PODER JUDICIÁRIO APMP

ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO E MODERNIZAÇÃO DO PODER JUDICIÁRIO APMP ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO E MODERNIZAÇÃO DO PODER JUDICIÁRIO APMP AGENTES DA ESTRATÉGIA ANÁLISE DE AMBIENTE ANÁLISE DE AMBIENTE ANÁLISE DE AMBIENTE ANÁLISE DE AMBIENTE AVALIAÇÃO 1. Divulgação da Palestra

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

UNIVERSIDADE CORPORATIVA - PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PÓS-GRADUADA SUBPROGRAMA ESPECIALIZAÇÃO ESTRATÉGICA - CURSO FECHADO

UNIVERSIDADE CORPORATIVA - PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PÓS-GRADUADA SUBPROGRAMA ESPECIALIZAÇÃO ESTRATÉGICA - CURSO FECHADO UNIVERSIDADE CORPORATIVA - PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PÓS-GRADUADA SUBPROGRAMA ESPECIALIZAÇÃO ESTRATÉGICA - CURSO FECHADO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA Procedimentos para Participação A Universidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 211/2005-CEPE/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 211/2005-CEPE/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 211/2005-CEPE/UNICENTRO Aprova o Regulamento de Estágio do Curso de Turismo da Universidade Estadual do Centro- Oeste, UNICENTRO. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO:

Leia mais

A mobilização de conhecimentos matemáticos no ensino de Física

A mobilização de conhecimentos matemáticos no ensino de Física Cintia Ap. Bento dos Santos Universidade Cruzeiro do Sul Brasil cintiabento@ig.com.br Edda Curi Universidade Cruzeiro do Sul Brasil edda.curi@cruzeirodosul.edu.br Resumo Este artigo apresenta um recorte

Leia mais