ESPAÇO AMOROSO NAS RELAÇÕES EDUCATIVAS EM MEIOS TECNOLÓGICOS. Eixo temático 2: Relações sociais educativas e formação de professores

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESPAÇO AMOROSO NAS RELAÇÕES EDUCATIVAS EM MEIOS TECNOLÓGICOS. Eixo temático 2: Relações sociais educativas e formação de professores"

Transcrição

1 ESPAÇO AMOROSO NAS RELAÇÕES EDUCATIVAS EM MEIOS TECNOLÓGICOS Beatriz Rocha Araujo 1 Dulci Marlise Boettcher 2 Mônica Elisa Dias Pons 3 Nize Maria Campos Pellanda 4 Universidade de Santa Cruz do Sul UNISC Brasil Eixo temático 2: Relações sociais educativas e formação de professores Resumo: As teorias da Complexidade discutem o humano como auto-produtor de sua própria vida, nos remetendo à aprendizagem como inseparável do viver. Para conhecer, segundo Humberto Maturana, precisamos viver. Esse pensamento não- linear e complexo, permite pensar em constantes transformações e estruturações, tanto em relação ao acoplamento homem/máquina, visando a potencialização da construção de redes do conhecimento, como dos processos de aprendizagem. Essa possibilidade de construção acontece em ambientes perturbadores e relações de amorosidade estabelecida entre os diferentes participantes presentes no contexto da pesquisa, reconhecer o outro como legítimo outro potencializando as relações entre humanos e suas aprendizagens. Para isso, é fundamental o papel do observador, integrando os sistemas observados, ou seja, cada um dos participantes, ao mesmo tempo é observador e constrói sua teia de conhecimentos, a partir de suas interações, vivências e aprendizados, utilizando diferentes dispositivos tecnológicos, nesse espaço de experiências. Palavras chave: Aprendizagem, Complexidade, Observador, Tecnologias, Amorosidade. 1 Mestranda no Programa de Pós Graduação em Educação Mestrado na Universidade de santa Cruz do Sul UNISC Brasil 2 Professora Mestre do Departamento de Letras da Universidade de Santa Cruz do Sul UNISC. 3 Professora Doutora do Departamento de Comunicação Social e pesquisadora do PPG em Letras da Universidade de Santa Cruz do Sul UNISC. 4 Professora Doutora do Departamento de Educação e PPG em Educação e Letras da Universidade de Santa Cruz do Sul UNISC.

2 Introdução: Primeiros Fios Tu dizes eu e orgulhas-te desta palavra. Mas há qualquer coisa de maior, em que te recusas a acreditar, é o teu corpo e a sua grande razão; ele não diz Eu, mas procede como Eu. (Friedrich NIETZSCHE) O presente artigo apresenta, como pano de fundo, a importância da criação de um espaço, ao mesmo tempo perturbador e amoroso, como fator de potencialização da aprendizagem, através de experiências com diferentes dispositivos tecnológicos. Trata-se de uma proposta complexa, levando em conta, também, o papel do observador, com o objetivo de reconfigurar as relações de aprendizagem. Para construir essa discussão teceremos uma rede de relações referente aos principais temas tecnologias, aprendizagem, espaço amoroso e o papel do observador, aspectos envolvidos, nessa teia do conhecimento. Cada uma das autoras desse artigo traz as suas concepções teóricas e sua própria formação acadêmica Psicologia, Pedagogia, Comunicação Social, Letras, História, Epistemologia. Este fato possibilita o tecer complexo de uma rede de relações existentes, entre as diferentes pesquisadoras do grupo GAIA Grupo de Ações e Investigações Autopoiéticas, da UNISC Universidade de Santa Cruz do Sul. Trata-se, portanto, de um grupo transdisciplinar, que pretende mostrar a possibilidade de ampliação de uma rede de relações complexas, apropriando-se de conceitos e estudos teóricos de pesquisadores da complexidade, em um dos projetos de pesquisa proposto 5 pelo grupo. Propomos uma discussão que considere a observação em ambientes multimeios, levando em conta as inúmeras possibilidades de aprendizagem, através de interações com as tecnologias, em que aspectos relacionados à emoção são considerados fundamentais. Diante da realidade de uma sociedade em que se cultua o conhecimento fragmentado e a individualidade dos sujeitos, pretendemos 5 Projeto Espaço Digital e Devires Complexos. 2

3 mostrar a importância de um ambiente amoroso, num espaço digital, para a potencialização da aprendizagem, ressaltando, principalmente, a emoção, pois segundo MATURANA (2001): A emoção que funda o social como a emoção que constitui o domínio das ações no qual o outro é aceito como legítimo outro na convivência é o amor. (p. 26). Para pensar sobre essas questões, estamos desenvolvendo o projeto Espaço Digital e Devires Complexos, que busca questionar e observar a interação de crianças em ambientes digitais, proporcionando aprendizagens e construindo redes de relações. Primeiros nós: Marco teórico metodológico As questões relacionadas à complexidade baseiam-se no movimento cibernético, de VON FOERSTER (2003), principalmente, na sua fase de fenômenos de segunda ordem, que marca o começo da investigação sobre a inseparabilidade de conhecer e subjetivar-se. Fenômenos de segunda ordem são aqueles que dizem respeito a uma lógica de recursividade subjetiva, em que o observador implicado se apropria de seus próprios processos, tais como: conhecer como se conhece, aprender a aprender, mudar na mudança. E, além disso, questionamos como observar o observador. Quem sustenta teoricamente nossos pressupostos são Heinz VON FOERSTER (2003), na Segunda Cibernética, Henri ATLAN, com sua teoria da Complexificação pelo ruído (1992), bem como Humberto MATURANA e Francisco VARELA com a Biologia da Cognição (1980 a, b). Esses investigadores trazem na marca cibernética o princípio da auto-organização, ou seja, o funcionamento da vida é explicado pelos princípios complementares da ordem pelo ruído, que VON FOERSTER formulou e foram aceitos por ATLAN, em sua teoria com a complexificação pelo ruído, e pelo conceito de Autopoiesis, desenvolvido por MATURANA e VARELA. O conceito de Autopoiesis é o eixo central da teoria desenvolvida por eles, cunhando esse conceito para explicar o funcionamento dos seres vivos como auto-produtores 3

4 de si mesmos. As teorias biológicas desenvolvidas por esses cientistas são complexas, pelo fato de não separar o conhecer do viver. O fato de a ciência, como um domínio cognitivo, ser constituída e validada nas coerências operacionais da práxis de viver dos observadores-padrão ao funcionarem em seus domínios experienciais sem referência a uma realidade independente não torna as afirmações científicas subjetivas. (MATURANA, 2001, p. 147) Os autores acima referidos destacam a importância da vivência na aprendizagem. Quando falamos de aprendizagens não estamos nos referindo apenas à aprendizagem formal, que é percebida nas instituições escolares, mas toda e qualquer aprendizagem que sirva para a vida. Atualmente, presenciamos uma evolução, tanto das ciências como das tecnologias, resultando que os espaços destinados à aprendizagem solicitem outros ambientes, com práticas pedagógicas e metodológicas, fundamentadas nos paradigmas dessa nova ciência da complexidade. Esses estudos reconhecem que a aprendizagem não é somente a captação de algo externo a própria pessoa, considerando que aprendizagem e vida não podem ser separadas, pois estão entrelaçados, considerando que...somos sistemas determinados em nossa estrutura e, portanto, que existem certos fenômenos que não ocorrem dentro do corpo, e sim nas relações com os outros. (MATURANA, 2002, p. 27) Para conhecer precisamos da ação, da experimentação e, tentando integrar a prática docente com os princípios e fundamentos das Teorias da Complexidade, propomos uma metodologia de vivencia, que considere os fenômenos na sua integralidade, não reduzindo as partes, e sim, estabelecendo uma rede dinâmica, em que todos os resultados geram outras possibilidades, novas redes com inter-relações entre os diferentes aspectos da realidade. Na tentativa de relacionar os pressupostos teóricos com a prática, optamos pela realização de uma pesquisa na universidade, pretendendo mostrar, através deste espaço, a vivência dos pressupostos da Autopoiese e rede. A investigação das questões relacionadas às emoções em contextos virtuais, para potencializar a aprendizagem, acontecem com as crianças que 4

5 participam do Projeto Espaço Digital e Devires Complexos. Os encontros são realizados uma vez por semana, no período que compreende a primeira semana de abril até a última semana de junho, retornando no segundo semestre nos primeiros dias de agosto, com término em final de novembro de A dinâmica de trabalho consiste em encontros no laboratório de Informática da Universidade. A cada semana o grupo de pesquisadores e bolsistas planeja algumas ferramentas para potencializar e perturbar os participantes do grupo na busca de novos caminhos e aprendizados, através das tecnologias disponíveis. O grupo é formado de 14 adolescentes entre 11 e 16 anos, estudantes de Escola Estadual, situada em um bairro da periferia da Cidade de Santa Cruz do Sul RS. O grupo de estudantes encontra-se em situação de vulnerabilidade social, pois a história da vida de cada um é marcada por situações de dificuldades econômicas, culturais e sociais. A grande maioria dos participantes tem pouca ou nenhuma interação com os diferentes dispositivos tecnológicos, somente em pesquisas de sala de aula, utilizam de forma direcionada, não tendo a oportunidade de escolher e trilhar seus caminhos. Durante todos os momentos, os pesquisadores constantemente observam os participantes e as atividades, permitindo o acompanhamento, tanto dos comportamentos e a receptividade do grupo, o que determina entre outros fatos, o tempo de cada uma das atividades. Segundo MATURANA (2001):...o observador encontra a si mesmo observando enquanto tal na práxis do viver (no suceder do viver, na experiência do viver) na linguagem, em uma experiência que simplesmente lhe acontece vinda de lugar nenhum (p. 27). As tecnologias que utilizamos durante o projeto são várias, além de computadores, com acesso a internet, disponibilizamos de tecnologias móveis, câmeras fotográficas e de vídeo, entre outras. Pelas evidências dos participantes, podemos perceber que as ferramentas utilizadas no ambiente 5

6 digital são potencializadoras de subjetividade, pois durante todo o tempo verificamos atitudes metacognitivas, tanto por parte dos pesquisadores, como dos próprios alunos. Essas atitudes metacognitivas são os pensamentos acerca do próprio pensamento, possibilitando muitas construções, vivências, experiências e aprendizagens. Conforme MATURANA (2002), buscamos apresentar uma experiência de construção de espaço de aprendizagem e de conhecimento, que valorize as emoções e a subjetividade dos participantes, levando em consideração não apenas o aprendizado, mas a criação e a autoria. Para isso, o papel do observador observado e observando, ao mesmo tempo, no contexto, é fundamental para explicar essa realidade complexa, quando perguntamos: como aprendemos? A teia do conhecimento: Construindo Experiências. A ciência da modernidade nos ensinou a falar sempre na terceira pessoa para descrever um mundo fora de nós, e com o qual, mantemos uma suposta relação de neutralidade. Tudo se passa como se não fôssemos autores de nossa própria vida. A complexidade dos fenômenos de segunda ordem nos alerta para essa falácia de exclusão do sujeito cognitivo/ontológico. VARELA (2000) é um dos entusiastas dessa atitude. Diz ele:...os desenvolvimentos mais recentes da filosofia e da história da ciência sugerem que esta aparente objetividade não pode caracterizar-se por uma relação com coisas lá-fora de maneira independente dos conteúdos mentais-aqui-dentro (p. 296). Já VON FOERSTER (2003), tem um papel importante na história da ciência, em geral, e nos rumos do movimento cibernético, em particular, ao propor uma passagem dos sistemas observados para os sistemas observantes. Com isso, ele inaugura uma segunda fase do movimento conhecido. Não é mais, portanto, um pesquisador observando de fora uma realidade, mas ele tem que dar contas de suas próprias operações. Ele expressa isso muito bem nas palavras: Esta tarefa clama por uma epistemologia do Como nós conhecemos em vez de O que conhecemos (p. 248). 6

7 Dessa maneira, optamos por uma metodologia complexa, que prima pelo caminho percorrido, em detrimento do resultado obtido, pois cada um dos participantes pode construir o caminho que escolheu, seguindo os pressupostos da Autopoiésis, quando cada um tem a possibilidade de produzir sua própria condição humana, pois a vida é entendida como um processo de constante organização. Para MATURANA (1995), é necessária uma relação amorosa no ambiente educacional e isso é o que percebemos em nosso ambiente digital, pleno de interação, cooperação e autonomia, valorizando e legitimando o outro como um legítimo outro. Para MATURANA (1999, p. 23) A emoção fundamental que torna possível a história da hominização é o amor, que para o autor não é apenas um sentimento, são disposições corporais dinâmicas que definem os diferentes domínios de ação em que nos movemos (MATURANA, 1999, p. 15). Dessa forma, O amor é a emoção que constitui o domínio de condutas em que se dá a operacionalidade da aceitação do outro como legítimo outro na convivência, e é esse modo de convivência que conotamos quando falamos do social (MATURANA, 1998b, p. 23). As características acima citadas, por permitirem a possibilidade de aprendizagem, através do acoplamento entre sujeito/máquina, não estão normalmente presentes nas instituições escolares tradicionais. Pode-se concluir, portanto, que aprendizagem é o resultado é um acoplamento estrutural ontogênico. Para um observador, o domínio de interações especificado através do acoplamento ontogênico estrutural, aparece como uma rede de seqüências de condutas mutuamente entrelaçadas...as diversas condutas ou comportamentos envolvidos são também arbitrários e contextuais. Os comportamentos são arbitrários, já que podem ter qualquer forma, enquanto operam como perturbações que dispersam nas interações; também são contextuais, porque sua participação nas interações entrelaçadas do domínio se definem, unicamente, com respeito às interações que constituem o domínio. Denominaremos o domínio de condutas entrelaçadas...um domínio consensual. (MATURANA, 1997, p. 47). 7

8 Observador e sistemas observados Para MATURANA (2001), a observação é muito importante, pois ao mesmo tempo em que observa, constrói o seu conhecimento, através de sua capacidade de operar com as suas observações. Dessa maneira, o observador acontece no observar (p. 126). No texto de Humberto MATURANA (1999), o observador pode ser qualquer ser humano, que ao operar na linguagem com outros seres humanos, participa com eles na constituição de um domínio de ações coordenadas como um domínio de distinções, gerando discrições e descrições de descrições. As distinções, um observador as faz através de operações nas coordenações de coordenações de ações que constituem a linguagem. O observador existe, portanto, porque faz distinções de distinções e surge como produto de suas próprias distinções na recursão dessas que distingue o que distingue. Segundo MATURANA (1999), se tirarmos a figura do observador acaba a discussão de sua teoria. O observador, de fato, é a sua recorrência, sua noção básica. O observador, nesse sentido, não encontra nenhuma questão fora de si mesmo, pois é ele quem constitui os problemas que deseja explicar. Por outro lado, compreendemos as nossas experiências quando nos conscientizamos das circunstâncias que as geram, e na medida em que explicações científicas são geradas no domínio do operar do observador, elas de fato podem nos conduzir à compreensão do domínio das experiências que vivemos. MATURANA (2001) alega que quando refletimos sobre a nossa experiência de observar, nós nos descobrimos observando, isto é, já nos encontramos observando, falando e agindo como observadores no momento em que voltamos a nossa atenção para nós mesmos. O ato de observar é cotidiano em nós, assim como é cotidiano o fato de vivermos imersos na linguagem. Tudo que é dito é dito por um observador a outro observador que pode ser ele ou ela mesma. (MATURANA, 2001, p.27). Ele explica isso dizendo que as coisas em si não dizem nada, que tudo que é dito é dito através da linguagem e na linguagem se encontram os sistemas vivos, somos nós observadores que vivemos na linguagem. De acordo com a teoria de Maturana, 8

9 só podemos imaginar o mundo existindo independentemente de nós para observá-lo porque já configuramos, em nosso viver, o mundo como algo em si e independente de nós que o observamos. Como observadores somos seres vivos, e como seres vivos, existimos em um meio ao qual nos acoplamos e com o qual nos encontramos em deriva. MATURANA (1999, p. 37) traz: que somos conhecedores ou observadores no observar, e ao ser o que somos, o somos na linguagem... os seres humanos somos humanos na linguagem, e ao sê-lo, o somos fazendo reflexões sobre o que nos acontece. Para dar conta de questões relacionadas à nossa pesquisa com os alunos, considerando a inseparabilidade de sujeito e objeto, a pergunta que precisamos fazer é, portanto, a pergunta de MATURANA: o que é ver, por estar intrinsecamente relacionado com outras questões como o que é realidade e o que é conhecer? Para o autor, a visão surge no domínio de relação do organismo e não no operar do sistema nervoso, e ele põe em dúvida a pressuposição básica de que existimos em um mundo objetivo independente de nossos atos cognitivos e acessíveis ao nosso conhecimento. No caso de uma explicação científica, trata-se de um tipo particular de coordenações de ações em uma comunidade de observadores, o sistema nervoso opera como uma rede neural fechada na geração de seus estados de atividade. Portanto a condição de observador é essencial, tanto para o humano se constituir como ser que existe em um sistema de linguagens. Nesse projeto pretendemos perceber diferentes observadores observando diferentes fatos e pontos de vistas: Os professores e pesquisadores observam tanto as atividades, os bolsistas e os participantes do projeto e suas intervenções. Isso permite que se possa observar o modo de como os sujeitos se complexificam, através da experiência e de seu acoplamento com as máquinas. Pesquisadores e bolsistas observam outras realidade no espaço em que estão inseridos, antes inacessíveis a eles. Finalmente, todos os participantes, observam-se, mutuamente, quando observam a atitude do outro em observar. 9

10 Conclusões preliminares: Primeiros resultados Nessa primeira fase do projeto estamos estudando as mudanças educacionais no paradigma complexo, discutindo a questão do observador implicado no processo de aprendizagem e a importância das tecnologias nos espaços digitais, considerando a possibilidade de potencialização dos sujeitos aprendentes, através dos diferentes dispositivos tecnológicos com a criação de um espaço amoroso, onde todos os participantes reconheçam o outro como um legítimo outro. Na relação homem/máquina, a tecnologia é meio e não fim e, após esta primeira fase, teremos condições de relatar resultados significativos em relação à aprendizagem em ambientes complexos, apenas algumas interações e suas relações entre os participantes são possíveis nesse momento da pesquisa. Durante a realização do projeto, a cada encontro observamos as crianças envolvendo-se tanto com as tecnologias, com os pesquisadores e bolsistas e também com os seus colegas de projeto. Atitudes como a cooperação ficaram evidentes ao longo dos encontros, quando uns auxiliam os outros. Atitudes simples, como ajudar a conectar as máquinas, até as mais sofisticadas, como descobrir caminhos para realizar as atividades propostas. O ambiente digital, além da interação entre os participantes, também potencializa a aprendizagem, pois cada criança constrói seus caminhos, através da pesquisa, descobertas e aprendizagens. Durante os quatro primeiros meses do projeto, observamos inúmeras vezes o brilho no olhar dos envolvidos, ao descobrir algo novo, ao vencer um desafio. O desafio está presente o tempo todo e para todos os participantes, pois nós, pesquisadores, ao observarmos os alunos, observamos, também a nós mesmos, como também o mundo que está em nossa volta. MORIN (2005, p. 197) propõe que devemos olhar para o outro como concebemos a ordem para nós mesmo olhando para o mundo, isto é, incluir-nos em nossa visão de mundo. A pesquisa é uma atitude complexa, pois é tecido junto, e principalmente na ação de cada um dos participantes, pois a complexidade é mais que a soma 10

11 e sim é o que está junto; é o tecido formado por diferentes fios que transformaram numa coisa só (MORIN, 2005, p.188), assim não destrói a variedade e a diversidade das complexidades que o tecem (MORIN, 2005, p.188). A adoção da Internet no ambiente educacional, tomando como ponto de partida a relação do sujeito e da máquina, em todo o processo do conhecimento, no entrelaçamento do racional e do emocional, no envolvimento da totalidade do ser na virtualidade e sua subjetividade, envolve implicações epistemológicas e ontológicas importantes, uma vez que nos remetem à interdisciplinaridade, e conseqüentemente, a um novo modo de pensar e de agir. Dessa maneira, quando afetividade e efetividade, juntas, cumprirem seu papel transdisciplinar, poderemos crer na construção de uma humanidade melhor, e esses pressupostos, poderão contribuir de forma significativa para a melhoria do sistema educacional. REFERÊNCIAS ATLAN, H. Entre o cristal e a fumaça. Rio de Janeiro: Zahar, MATURANA, Humberto T. A árvore do conhecimento. Campinas: Editorial PSY, A ontologia da realidade. Belo Horizonte: UFMG, Transformaciones. Santiago: Dólmen, Cognição, ciência e vida cotidiana.belo Horizonte: Ed. UFMG, Emoções e linguagem na educação e na política. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2002 MATURANA, Humberto, VARELA, Francisco J. Autopoieses and cognition: the organization of the living. Boston: Reidel, Biology and Cognition. London: Reidel,

12 MATURANA, Humberto; PORKSEN, B. Del ser al hacer. Santiago: J.C. Saez, 2004 NIETZSCHE, Frederich. Obras Incompletas, 1ª. edição. São Paulo: Abril Cultural, MORIN, Edgar. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, El fenómeno de la vida. Santiago: Dolmen, Von FOERSTER, Heinz. Understanding Understanding. New York: Springer,

A Epistemologia de Humberto Maturana

A Epistemologia de Humberto Maturana ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências A Epistemologia de Humberto Maturana Prof. Nelson Luiz Reyes Marques Humberto Maturana Biólogo. Chileno,

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

ESTUDO DE PROJETOS E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE NATAÇÃO/EDUCAÇÃO FÍSICA SUBSIDIADA POR PRINCÍPIOS E CONCEITOS DA TEORIA DE HENRI WALLON1

ESTUDO DE PROJETOS E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE NATAÇÃO/EDUCAÇÃO FÍSICA SUBSIDIADA POR PRINCÍPIOS E CONCEITOS DA TEORIA DE HENRI WALLON1 ESTUDO DE PROJETOS E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE NATAÇÃO/EDUCAÇÃO FÍSICA SUBSIDIADA POR PRINCÍPIOS E CONCEITOS DA TEORIA DE HENRI WALLON 1 Ana Martha de Almeida Limongelli (PED/PUC-SP) Introdução: O presente

Leia mais

EM PARCERIA COM O LYCEU PARAIBANO Fundado em 1836. Projeto NA TRILHA DO FUTURO. Plano de trabalho COMPETÊNCIAS PARA ENSINO VIRTUAL

EM PARCERIA COM O LYCEU PARAIBANO Fundado em 1836. Projeto NA TRILHA DO FUTURO. Plano de trabalho COMPETÊNCIAS PARA ENSINO VIRTUAL LABORATÓRIO DE TECNOLOGIAS INTELECTUAIS LTi Coordenadora: Profa. Dra. Isa Maria Freire EM PARCERIA COM O LYCEU PARAIBANO Fundado em 1836 Projeto NA TRILHA DO FUTURO Plano

Leia mais

INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO : PARA UMA BOA INFORMÁTICA EDUCATIVA, UM BOM PEDAGOGO

INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO : PARA UMA BOA INFORMÁTICA EDUCATIVA, UM BOM PEDAGOGO INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO : PARA UMA BOA INFORMÁTICA EDUCATIVA, UM BOM PEDAGOGO Jorge, A. M. UEM alinemjorge@hotmail.com Eixo Temático: Didática: Comunicação e Tecnologia Agência Financiadora: Não contou

Leia mais

Área temática: La sociedade de la informacion: el diseño de contenidos online. Prof Dra. Eliana Maria do Sacramento Soares.

Área temática: La sociedade de la informacion: el diseño de contenidos online. Prof Dra. Eliana Maria do Sacramento Soares. Ambientes Virtuais de Aprendizagem: uma realidade em construção Área temática: La sociedade de la informacion: el diseño de contenidos online Prof Dra. Eliana Maria do Sacramento Soares Prof MSc Carla

Leia mais

Disciplina: Alfabetização

Disciplina: Alfabetização Título do artigo: As intervenções didáticas no processo de alfabetização inicial Disciplina: Alfabetização Selecionador: Beatriz Gouveia 1 Categoria: Professor 1 Coordenadora de projetos do Instituto Avisa

Leia mais

ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO

ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO A inclusão é uma realidade mundial. Desde a Declaração de Salamanca em

Leia mais

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO Tatiana Galieta (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) Introdução

Leia mais

TECNOLOGIAS TOUCH: UMA ABORDAGEM COMPLEXA DO AUTISMO

TECNOLOGIAS TOUCH: UMA ABORDAGEM COMPLEXA DO AUTISMO TECNOLOGIAS TOUCH: UMA ABORDAGEM COMPLEXA DO AUTISMO Resumo: Nize Maria Campos Pellanda Universidade de Caxias do Sul Este trabalho relata uma pesquisa em desenvolvimento cujo eixo teórico-empírico gira

Leia mais

PIBID: DESCOBRINDO METODOLOGIAS DE ENSINO E RECURSOS DIDÁTICOS QUE PODEM FACILITAR O ENSINO DA MATEMÁTICA

PIBID: DESCOBRINDO METODOLOGIAS DE ENSINO E RECURSOS DIDÁTICOS QUE PODEM FACILITAR O ENSINO DA MATEMÁTICA PIBID: DESCOBRINDO METODOLOGIAS DE ENSINO E RECURSOS DIDÁTICOS QUE PODEM FACILITAR O ENSINO DA MATEMÁTICA Naiane Novaes Nogueira 1 Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB n_n_nai@hotmail.com José

Leia mais

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 A GESTÃO ESCOLAR E O POTENCIAL DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

COMUNICADO À COMUNIDADE ACADÊMICA DO PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - IFMA

COMUNICADO À COMUNIDADE ACADÊMICA DO PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - IFMA COMUNICADO À COMUNIDADE ACADÊMICA DO PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - IFMA O empreendimento de ações no campo da educação, notadamente na modalidade a distância, solicita de seus agentes o cuidado

Leia mais

MÍDIAS NA EDUCAÇÃO Introdução Mídias na educação

MÍDIAS NA EDUCAÇÃO Introdução Mídias na educação MÍDIAS NA EDUCAÇÃO Michele Gomes Felisberto; Micheli de Oliveira; Simone Pereira; Vagner Lean dos Reis Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha Introdução O mundo em que vivemos

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS

JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS Educação Matemática na Educação Infantil e nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental (EMEIAIEF) GT 09 RESUMO

Leia mais

A METACOGNIÇÃO COMO EXPERIÊNCIA PEDAGÓGICA: CONHECENDO O PROCESSO DE CRIAÇÃO DE SI MESMO MAGDA FLORIANA DAMIANI

A METACOGNIÇÃO COMO EXPERIÊNCIA PEDAGÓGICA: CONHECENDO O PROCESSO DE CRIAÇÃO DE SI MESMO MAGDA FLORIANA DAMIANI A METACOGNIÇÃO COMO EXPERIÊNCIA PEDAGÓGICA: CONHECENDO O PROCESSO DE CRIAÇÃO DE SI MESMO MAGDA FLORIANA DAMIANI Doutora em Educação magda@ufpel.tche.br Universidade Federal de Pelotas, RS REGINA TRILHO

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA Maria Cleonice Soares (Aluna da Graduação UERN) 1 Kátia Dayana de Avelino Azevedo (Aluna da Graduação UERN) 2 Silvia

Leia mais

A ARTE E A EXPRESSÃO CORPORAL NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1

A ARTE E A EXPRESSÃO CORPORAL NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 A ARTE E A EXPRESSÃO CORPORAL NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 Ingrid Dos Santos Gonçalves 2, Sarai De Fátima Silveira De Souza 3, Andrisa Kemel Zanella 4. 1 projeto de extensão

Leia mais

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO.

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. Grupo PET Administração Universidade Federal de Lavras UFLA Resumo Os jovens formam o conjunto

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1 FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1 A LDB, no Titulo VI, trata dos Profissionais da Educação, considerando sob essa categoria não só os professores, que são responsáveis pela gestão da sala de aula, mas

Leia mais

Maria Cândida Moraes 2

Maria Cândida Moraes 2 TEORIA E PRÁTICA EM HOLOMOVIMENTO 1 Maria Cândida Moraes 2 A relação teoria/prática evoca, como metáfora, a imagem do anel de Moebius que inspirou M.C. Escher a representá-lo como no desenho acima. Ela

Leia mais

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO Profa. Drª. Ana Maria Maranhão 1 Resumo: A tecnologia da Informação e de modo específico o computador, oferece as diferentes

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN: Desafios e perpectivas para uma formação reflexiva e investigativa

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN: Desafios e perpectivas para uma formação reflexiva e investigativa O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN: Desafios e perpectivas para uma formação reflexiva e investigativa RESUMO Jacyene Melo de Oliveira Araújo Profª Drª UFRN- CE-SEDIS Os Estágios

Leia mais

O CURRÍCULO NA PERSPECTIVA DO RECONSTRUCIONISMO SOCIAL

O CURRÍCULO NA PERSPECTIVA DO RECONSTRUCIONISMO SOCIAL O CURRÍCULO NA PERSPECTIVA DO RECONSTRUCIONISMO SOCIAL Resumo Fabiana Antunes Machado 1 - UEL/PR Rosana Peres 2 - UEL/PR Grupo de trabalho - Comunicação e Tecnologia Agência Financiadora: Capes Objetiva-se

Leia mais

2.2 O PERFIL DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL

2.2 O PERFIL DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL 2.2 O PERFIL DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL Ao conceber as instituições de Educação Infantil como espaços onde ocorre o processo educativo, processo este pelo qual os homens apropriam-se do desenvolvimento

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COM ALFABETIZAÇÃO ATRAVÉS DA LETRA BASTÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL NO INTERIOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

EXPERIÊNCIAS COM ALFABETIZAÇÃO ATRAVÉS DA LETRA BASTÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL NO INTERIOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE EXPERIÊNCIAS COM ALFABETIZAÇÃO ATRAVÉS DA LETRA BASTÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL NO INTERIOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Rafael da Silva da Cunha* - Autor rafael.dudu.r@gmail.com Mayane Ferreira de Farias*

Leia mais

JOGOS NAS AULAS DE HISTÓRIA ATRAVÉS DO PIBID: UMA POSSIBILIDADE DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO E DE INTERAÇÃO

JOGOS NAS AULAS DE HISTÓRIA ATRAVÉS DO PIBID: UMA POSSIBILIDADE DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO E DE INTERAÇÃO JOGOS NAS AULAS DE HISTÓRIA ATRAVÉS DO PIBID: UMA POSSIBILIDADE DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO E DE INTERAÇÃO Rayssa Eutália Gurjão Coutinho Borges 1 Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) E-mail: rayssagurjao@hotmail.com

Leia mais

Tarcia Paulino da Silva Universidade Estadual da Paraíba Tarcia_cg@hotmail.com. Roseane Albuquerque Ribeiro Universidade Estadual da Paraíba

Tarcia Paulino da Silva Universidade Estadual da Paraíba Tarcia_cg@hotmail.com. Roseane Albuquerque Ribeiro Universidade Estadual da Paraíba Tecnologias Assistivas e Inclusão Digital: A importância do computador no processo de aprendizagem de crianças com deficiência intelectual da APAE- Campina Grande/ PB Tarcia Paulino da Silva Universidade

Leia mais

PROJETOS DE EXTENSÃO: UM DIFERENCIAL PARA O PROCESSO DE FORMAÇÃO

PROJETOS DE EXTENSÃO: UM DIFERENCIAL PARA O PROCESSO DE FORMAÇÃO 1268 PROJETOS DE EXTENSÃO: UM DIFERENCIAL PARA O PROCESSO DE FORMAÇÃO Rodrigo Rodrigues Menegon, Sérgio Augusto Gouveia Júnior, Marcia Regina Canhoto Lima, José Milton Lima Universidade Estadual Paulista

Leia mais

SALAS TEMÁTICAS: ESPAÇOS DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM. Palavras Chave: salas temáticas; espaços; aprendizagem; experiência.

SALAS TEMÁTICAS: ESPAÇOS DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM. Palavras Chave: salas temáticas; espaços; aprendizagem; experiência. 1 SALAS TEMÁTICAS: ESPAÇOS DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM BAGEGA, Chariane 1 BONI, Marina 2 RAFFAELLI, Alexandra F. 3 Palavras Chave: salas temáticas; espaços; aprendizagem; experiência. 1 INTRODUÇÃO A

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM

AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM Kelly Cristina Sabadin kellysabadin@hotmail.com RESUMO A avaliação da aprendizagem escolar se faz presente em todas as instituições de ensino. É o tema mais

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSOR E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TIC)

FORMAÇÃO DE PROFESSOR E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TIC) FORMAÇÃO DE PROFESSOR E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TIC) Divina Rosangela de Souza Costa UCG Joana Peixoto UCG Comunicação Formação e profissionalização docente O presente trabalho tem

Leia mais

O PROCESSO AVALIATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PROCESSO AVALIATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL O PROCESSO AVALIATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Thayssa Stefane Macedo Nascimento Graduanda do curso de Pedagogia da UFPI RESUMO O presente trabalho discute acerca da avaliação na educação infantil tendo como

Leia mais

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Gisllayne Rufino Souza UFPB gisllayne.souza@gmail.com Profa. Dra. Marlene Helena de Oliveira França UFPB/Centro de Educação/Núcleo

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS SIMONSEN INTERVENÇÃO EDUCATIVA INSTITUCIONAL PROJETO PSICOPEDAGÓGICO

FACULDADES INTEGRADAS SIMONSEN INTERVENÇÃO EDUCATIVA INSTITUCIONAL PROJETO PSICOPEDAGÓGICO FACULDADES INTEGRADAS SIMONSEN INTERVENÇÃO EDUCATIVA INSTITUCIONAL PROJETO PSICOPEDAGÓGICO Justificativa O conhecimento contemporâneo apresenta, entre outras características, as do crescimento acelerado,

Leia mais

Aula RELAÇÕES DE DISCIPLINARIDADE. TEMAS TRANSVERSAIS. CONTEXTUALIZAÇÃO NO ENSINO DE MATEMÁTICA

Aula RELAÇÕES DE DISCIPLINARIDADE. TEMAS TRANSVERSAIS. CONTEXTUALIZAÇÃO NO ENSINO DE MATEMÁTICA RELAÇÕES DE DISCIPLINARIDADE. TEMAS TRANSVERSAIS. CONTEXTUALIZAÇÃO NO ENSINO DE MATEMÁTICA META Promover a preparação do estagiário para a elaboração de seu Projeto de Estágio. Estabelecer conceitos e

Leia mais

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2]

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2] PROFESSOR OU EDUCADOR? CIDADANIA UMA RESPONSABILIDADE SOCIAL NO ENSINO DE LITERATURA E DA PRÁTICA DE ENSINO NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA Referência: TOGNATO, M.I.R..

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL

AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL Sheila Valéria Pereira da Silva (UFPB Campus-IV) sheilavaleria88@yahoo.com.br

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS SOBRE SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS SOBRE SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1 PERCEPÇÃO DOS ALUNOS SOBRE SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Brasília - DF- Fevereiro 2013 Priscila Alessandra da Silva Universidade Federal de Brasília priscilaalesilva@gmail.com Fernanda Carla Universidade

Leia mais

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA LYSNE NÔZENIR DE LIMA LIRA, 1 HSTÉFFANY PEREIRA MUNIZ 2 1. Introdução Este trabalho foi criado a partir da experiência

Leia mais

UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE

UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE Ana Cristina Oliveira Lima, bolsista PIBIC/ CNPq, anacristinaoliveiralima@yahoo.com.br, UECE. Brena de

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: UMA REFLEXÃO SOBRE O USO DAS TIC NO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE APRENDIZAGEM 1

FORMAÇÃO DOCENTE: UMA REFLEXÃO SOBRE O USO DAS TIC NO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE APRENDIZAGEM 1 AYRES, Sandra Regina Braz; MILANESI, Irton; MILHOMEM, André Luiz Borges. Formação Docente: Uma reflexão sobre o uso das TIC no desenvolvimento de projetos de aprendizagem. SemiEdu2010 - ISSN:1518-4846

Leia mais

ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA: TEMA, PROBLEMATIZAÇÃO, OBJETIVOS, JUSTIFICATIVA E REFERENCIAL TEÓRICO

ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA: TEMA, PROBLEMATIZAÇÃO, OBJETIVOS, JUSTIFICATIVA E REFERENCIAL TEÓRICO ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA: TEMA, PROBLEMATIZAÇÃO, OBJETIVOS, JUSTIFICATIVA E REFERENCIAL TEÓRICO PROF. ME. RAFAEL HENRIQUE SANTIN Este texto tem a finalidade de apresentar algumas diretrizes para

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS E A RECONSTRUÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS E A RECONSTRUÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA Tema debatido na série Integração de tecnologias, linguagens e representações, apresentado no programa Salto para o Futuro/TV Escola, de 2 a 6 de maio de 2005 (Programa 1) INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS E A RECONSTRUÇÃO

Leia mais

O EXPERIENCIAR COLETIVO NA CONSTRUÇÃO DE UM E-BOOK DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

O EXPERIENCIAR COLETIVO NA CONSTRUÇÃO DE UM E-BOOK DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA O EXPERIENCIAR COLETIVO NA CONSTRUÇÃO DE UM E-BOOK DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Guilherme Mello Universidade Federal do Rio Grande FURG guilhermemello@furg.br Jessica Fonseca Brum Universidade Federal do Rio

Leia mais

Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br

Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br Educação Inclusiva Direito à Diversidade O Ensino comum na perspectiva inclusiva: currículo, ensino, aprendizage m, conheciment o Educação Inclusiva Direito à Diversidade Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br

Leia mais

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011.

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011. 1 CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA Araras, maio de 2011. Fernando da Silva Pereira Centro Universitário Hermínio Ometto UNIARARAS SP fernandosilper@uniararas.br

Leia mais

Aspectos importantes da realização de Feiras de Ciências na Educação Básica.

Aspectos importantes da realização de Feiras de Ciências na Educação Básica. Aspectos importantes da realização de Feiras de Ciências na Educação Básica. Identificação: Carolina Luvizoto Avila Machado, bióloga, coordenadora de projetos na Abramundo Educação em Ciências. Murilo

Leia mais

ANÁLISE DE PERFIL E NECESSIDADES DOS ALUNOS: FATORES DETERMINANTES PARA A MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA TUTORIA DA EAD SEBRAE

ANÁLISE DE PERFIL E NECESSIDADES DOS ALUNOS: FATORES DETERMINANTES PARA A MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA TUTORIA DA EAD SEBRAE ANÁLISE DE PERFIL E NECESSIDADES DOS ALUNOS: FATORES DETERMINANTES PARA A MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA TUTORIA DA EAD SEBRAE Florianópolis - SC Abril 2015 Aline Linhares F. Silveira. IEA e-learning- aline.silveira@iea.com.br

Leia mais

PROJETO DE ESTÁGIO CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CIRCUITO: 9 PERIODO: 5º

PROJETO DE ESTÁGIO CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CIRCUITO: 9 PERIODO: 5º PROJETO DE ESTÁGIO CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CIRCUITO: 9 PERIODO: 5º Caro (a) aluno (a), Esta atividade, de caráter teórico-reflexivo, deverá

Leia mais

CO 33: Uma História da Formação de Professores de Matemática a partir do PIBID de Matemática da UFRN-Natal

CO 33: Uma História da Formação de Professores de Matemática a partir do PIBID de Matemática da UFRN-Natal CO 33: Uma História da Formação de Professores de Matemática a partir do PIBID de Matemática da UFRN-Natal Klêffiton Soares da Cruz Universidade Federal do Rio Grande do Norte kleffitonsoares@yahoo.com

Leia mais

Objetivos. Pressupostos da Inclusão. Pedagogia Profa. Ms. Maria José de Oliveira Russo (Marjô)

Objetivos. Pressupostos da Inclusão. Pedagogia Profa. Ms. Maria José de Oliveira Russo (Marjô) Pedagogia Profa. Ms. Maria José de Oliveira Russo (Marjô) Formação de professores para a escola inclusiva: uma reflexão sobre culturas, políticas e práticas inclusivas Objetivos Discutir a importância

Leia mais

INVESTIGANDO O ENSINO MÉDIO E REFLETINDO SOBRE A INCLUSÃO DAS TECNOLOGIAS NA ESCOLA PÚBLICA: AÇÕES DO PROLICEN EM MATEMÁTICA

INVESTIGANDO O ENSINO MÉDIO E REFLETINDO SOBRE A INCLUSÃO DAS TECNOLOGIAS NA ESCOLA PÚBLICA: AÇÕES DO PROLICEN EM MATEMÁTICA INVESTIGANDO O ENSINO MÉDIO E REFLETINDO SOBRE A INCLUSÃO DAS TECNOLOGIAS NA ESCOLA PÚBLICA: AÇÕES DO PROLICEN EM MATEMÁTICA RESUMO Elissandra de Campos Viegas; Cibelle de Fátima Castro de Assis Universidade

Leia mais

O USO DAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

O USO DAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM O USO DAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM Luiz Carlos Chiofi Universidade Estadual de Londrina - PDE luizquinzi@seed.pr.gov.br Marta Regina Furlan

Leia mais

Títulos de Palestras, Oficinas ou Projetos Pedagógicos. Títulos de palestras para a formação continuada de professores:

Títulos de Palestras, Oficinas ou Projetos Pedagógicos. Títulos de palestras para a formação continuada de professores: Títulos de Palestras, Oficinas ou Projetos Pedagógicos Títulos de palestras para a formação continuada de professores: - O professor e a filosofia A valorização do papel do professor está intimamente ligada

Leia mais

METODOLOGIAS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS EXATAS

METODOLOGIAS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS EXATAS METODOLOGIAS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS EXATAS GT 06 Formação de professores de matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, Univates, madalena@univates.br Angélica

Leia mais

AUTONARRATIVAS E LEITURA: O USO DOS BLOGS E HIPERTEXTO COMO DISPOSITIVO COGNITIVO/AFETIVO

AUTONARRATIVAS E LEITURA: O USO DOS BLOGS E HIPERTEXTO COMO DISPOSITIVO COGNITIVO/AFETIVO AUTONARRATIVAS E LEITURA: O USO DOS BLOGS E HIPERTEXTO COMO DISPOSITIVO COGNITIVO/AFETIVO Carine Isabel Reis 1 Nize Maria Campos Pellanda 2 Resumo: Esse trabalho trata de um relato de um projeto de pesquisa

Leia mais

A PERCEPÇÃO DE GRADUANDOS EM PEDAGOGIA SOBRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR EM UMA FACULDADE EM MONTE ALEGRE DO PIAUÍ - PI

A PERCEPÇÃO DE GRADUANDOS EM PEDAGOGIA SOBRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR EM UMA FACULDADE EM MONTE ALEGRE DO PIAUÍ - PI A PERCEPÇÃO DE GRADUANDOS EM PEDAGOGIA SOBRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR EM UMA FACULDADE EM MONTE ALEGRE DO PIAUÍ - PI Kássia Hellem Tavares da Silva (*), Lorrane de Castro Miranda, Israel

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

O PSICÓLOGO (A) E A INSTITUIÇÃO ESCOLAR ¹ RESUMO

O PSICÓLOGO (A) E A INSTITUIÇÃO ESCOLAR ¹ RESUMO O PSICÓLOGO (A) E A INSTITUIÇÃO ESCOLAR ¹ CORRÊA, D. M. W²; SILVEIRA, J. F²; ABAID, J. L. W³ 1 Trabalho de Pesquisa_UNIFRA 2 Psicóloga, graduada no Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria,

Leia mais

Crenças, emoções e competências de professores de LE em EaD

Crenças, emoções e competências de professores de LE em EaD Crenças, emoções e competências de professores de LE em EaD Patrícia Roberta de Almeida Castro MACHADO (FL-UFG) patricia_cultura@hotmail.com Lucielena Mendonça de LIMA orientadora (FL-UFG) lucielenalima@gmail.com

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PROGRAMADAS: APROXIMAÇÃO DO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA COM O PROFISSIONAL DO ENSINO

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PROGRAMADAS: APROXIMAÇÃO DO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA COM O PROFISSIONAL DO ENSINO PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PROGRAMADAS: APROXIMAÇÃO DO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA COM O PROFISSIONAL DO ENSINO Resumo HOÇA, Liliamar Universidade Positivo liliamarh@up.com.br MORASTONI, Josemary- Universidade Positivo

Leia mais

Uso da Telefonia Móvel: Uma Ferramenta de Interação para a Aprendizagem a Distância

Uso da Telefonia Móvel: Uma Ferramenta de Interação para a Aprendizagem a Distância 1 Uso da Telefonia Móvel: Uma Ferramenta de Interação para a Aprendizagem a Distância 05/2008 Maria de Fátima Rodrigues de Lemos Núcleo de Educação a Distância - NEAD / Unidade Estratégica de Desenvolvimento

Leia mais

Internet e Ensino: Saberes indispensáveis aos Imigrantes digitais

Internet e Ensino: Saberes indispensáveis aos Imigrantes digitais Internet e Ensino: Saberes indispensáveis aos Imigrantes digitais Cristina Novikoff c_novikoff@yahoo.com.br UNIGRANRIO Natália Xavier Pereira nxpereira@hotmail.com UNIGRANRIO Resumo:O uso da tecnologia

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS OFERECIDAS NO CURSO DE PEDAGOGIA Catálogo 2012

EMENTAS DAS DISCIPLINAS OFERECIDAS NO CURSO DE PEDAGOGIA Catálogo 2012 EP107 Introdução à Pedagogia Organização do Trabalho Pedagógico Ementa: O objetivo das ciências da educação. O problema da unidade, especificidade e autonomia das ciências da educação. A educação como

Leia mais

ANÁLISE DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS NATURAIS ATRAVÉS DE EXPERIÊNCIAS NO PIBID/UFPA

ANÁLISE DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS NATURAIS ATRAVÉS DE EXPERIÊNCIAS NO PIBID/UFPA ANÁLISE DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS NATURAIS ATRAVÉS DE EXPERIÊNCIAS NO PIBID/UFPA Lilliane Miranda Freitas (Faculdade de Biologia/Universidade Federal do Pará) Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ASSISTENTE SOCIAL NOS PROJETOS SOCIAIS E NA EDUCAÇÃO - UMA BREVE ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS CRIANÇA

A IMPORTÂNCIA DO ASSISTENTE SOCIAL NOS PROJETOS SOCIAIS E NA EDUCAÇÃO - UMA BREVE ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS CRIANÇA A IMPORTÂNCIA DO ASSISTENTE SOCIAL NOS PROJETOS SOCIAIS E NA EDUCAÇÃO - UMA BREVE ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS CRIANÇA Tamara Nomura NOZAWA 1 Telma Lúcia Aglio GARCIA 2 Edmárcia Fidelis ROCHA

Leia mais

ESTEQUIMETRIA LÚDICA: RESSIGNIFICANDO A APRENDIZAGEM POR MEIO DE UMA MARATONA QUÍMICA

ESTEQUIMETRIA LÚDICA: RESSIGNIFICANDO A APRENDIZAGEM POR MEIO DE UMA MARATONA QUÍMICA ESTEQUIMETRIA LÚDICA: RESSIGNIFICANDO A APRENDIZAGEM POR MEIO DE UMA MARATONA QUÍMICA Patrícia Severiano de Oliveira* (1) (1) Universidade Federal de Alagoas Campus Arapiraca *patríciaufal2011@gmail.com

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

ROCHA, Ronai Pires da. Ensino de Filosofia e Currículo. Petrópolis: Vozes, 2008.

ROCHA, Ronai Pires da. Ensino de Filosofia e Currículo. Petrópolis: Vozes, 2008. ROCHA, Ronai Pires da. Ensino de Filosofia e Currículo. Petrópolis: Vozes, 2008. Jaqueline Engelmann O cenário de discussão a respeito do ensino das mais diversas disciplinas escolares no Nível Médio e,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

ALVES, Fernanda de O. 2 VIERO, Francieli C. 2 ; GONÇALVES, Camila dos S. 3

ALVES, Fernanda de O. 2 VIERO, Francieli C. 2 ; GONÇALVES, Camila dos S. 3 A IMAGINOTECA HOSPITALAR COMO UM ESPAÇO DE (DES)ENVOLVIMENTO ALVES, Fernanda de O. 2 VIERO, Francieli C. 2 ; GONÇALVES, Camila dos S. 3 1 Trabalho de Projeto de Extensão _UNIFRA 2 Acadêmicas do Curso de

Leia mais

O USO DE MASSINHA DE MODELAR PARA COMPREENSÃO DO RELEVO REPRESENTADO NOS MAPAS FÍSICOS: PROPOSTA DE PRÁTICA PARA A GEOGRAFIA ESCOLAR.

O USO DE MASSINHA DE MODELAR PARA COMPREENSÃO DO RELEVO REPRESENTADO NOS MAPAS FÍSICOS: PROPOSTA DE PRÁTICA PARA A GEOGRAFIA ESCOLAR. O USO DE MASSINHA DE MODELAR PARA COMPREENSÃO DO RELEVO REPRESENTADO NOS MAPAS FÍSICOS: PROPOSTA DE PRÁTICA PARA A GEOGRAFIA ESCOLAR. RESUMO SPRINGER, K. S. 1 1 - Licenciada em Geografia pela Universidade

Leia mais

PRAZER NA LEITURA: UMA QUESTÃO DE APRESENTAÇÃO / DESPERTANDO O PRAZER NA LEITURA EM JOVENS DO ENSINO MÉDIO

PRAZER NA LEITURA: UMA QUESTÃO DE APRESENTAÇÃO / DESPERTANDO O PRAZER NA LEITURA EM JOVENS DO ENSINO MÉDIO PRAZER NA LEITURA: UMA QUESTÃO DE APRESENTAÇÃO / DESPERTANDO O PRAZER NA LEITURA EM JOVENS DO ENSINO MÉDIO. AÇÕES DO PIBID/CAPES-UFG (SUBPROJETO: LETRAS - PORTUGUÊS) NO COLÉGIO ESTADUAL WALDEMAR MUNDIM

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A PRÁTICA PEDAGÓGICA EM EDUCAÇÃO FÍSICA A PARTIR DO PROJETO "BRINCANDO COM A COMUNIDADE".

CONSIDERAÇÕES SOBRE A PRÁTICA PEDAGÓGICA EM EDUCAÇÃO FÍSICA A PARTIR DO PROJETO BRINCANDO COM A COMUNIDADE. 1 CONSIDERAÇÕES SOBRE A PRÁTICA PEDAGÓGICA EM EDUCAÇÃO FÍSICA A PARTIR DO PROJETO "BRINCANDO COM A COMUNIDADE". AMANDA RIBEIRO MIRANDA NHADYA NASCIMENTO BRITO IESMA/UNISULMA amirandaimp@hotmail.com nhadyabrito@hotmail.com

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E ENSINO DE MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA EM GRUPO

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E ENSINO DE MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA EM GRUPO FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E ENSINO DE MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA EM GRUPO MONIKE CRISTINA SILVA BERTUCCI Universidade Federal de São Carlos mobertucci@yahoo.com.br RESUMO Este artigo relata uma

Leia mais

anped 25ª reunião anual

anped 25ª reunião anual A EDUCAÇÃO EMOCIONAL COMO UMA CONTRIBUIÇÃO A PSICOPEDAGOGIA: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL DE ESCOLAS PÚBLICAS. GT 13- Educação Fundamental Silvar Ferreira Ribeiro UNEB - Universidade

Leia mais

linguagens e valores distintos entre si e muitas vezes contraditórios e conflitantes. Paralelamente, os cotidianos não são mais pontuais e

linguagens e valores distintos entre si e muitas vezes contraditórios e conflitantes. Paralelamente, os cotidianos não são mais pontuais e DA INFORMAÇÃO AO CONHECIMENTO NO ENSINO MÉDIO: PAISAGENS DOS LUGARES COTIDIANOS E AS APRENDIZAGENS ANDREIS, Adriana Maria UNIJUI adrianandreis@hotmail.com Eixo: EDUCAÇÃO BÁSICA / n. 3 Agência Financiadora:

Leia mais

UNIDADE III Análise Teórico-Prática: Projeto-intervenção

UNIDADE III Análise Teórico-Prática: Projeto-intervenção UNIDADE III Análise Teórico-Prática: Projeto-intervenção Nesta unidade, abordaremos, de forma introdutória, alguns aspectos relacionados ao Projeto-intervenção e ao Trabalho de Conclusão do Curso. Aqui,

Leia mais

MOTRICIDADE DIALÓGICA: COMPARTILHANDO A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

MOTRICIDADE DIALÓGICA: COMPARTILHANDO A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR 1 MOTRICIDADE DIALÓGICA: COMPARTILHANDO A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Clayton da Silva Carmo Luiz Gonçalves Junior (O) Mestrado Práticas Sociais e Processos Educativos Resumo

Leia mais

ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL?

ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL? 1 de 7 ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL? Jéssica Alves de Oliveira Maria José dos Santos Chagas Tatiane de Fátima Silva Seixas RESUMO: De uma maneira geral, existe, por parte

Leia mais

INCLUSÃO: POSSIBILIDADES DA PSICOLOGIA ESCOLAR RESUMO

INCLUSÃO: POSSIBILIDADES DA PSICOLOGIA ESCOLAR RESUMO INCLUSÃO: POSSIBILIDADES DA PSICOLOGIA ESCOLAR RESUMO INTRODUÇÃO: Experiência de Estágio de Núcleo Básico III com crianças do Ensino Fundamental sobre Inclusão. OBJETIVO: conscientizar a aceitação das

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO E DESENVOLVIMENTO MENTAL DO INDIVIDUO

DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO E DESENVOLVIMENTO MENTAL DO INDIVIDUO DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO E DESENVOLVIMENTO MENTAL DO INDIVIDUO Maria Sebastiana Gomes Mota¹ Francisca Elisa de Lima Pereira² Resumo: Este artigo tem como objetivo

Leia mais

NARRATIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1

NARRATIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1 NARRATIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1 Helker Silva Paixão 2 Universidade Federal de Lavras helkermeister@gmail.com Patrícia Nádia Nascimento Gomes 3 Universidade Federal de Lavras paty.ufla@yahoo.com.br

Leia mais

AGREGANDO ESTRATÉGIAS METACOGNITIVAS À FORMAÇÃO DO PSICOPEDAGOGO 1

AGREGANDO ESTRATÉGIAS METACOGNITIVAS À FORMAÇÃO DO PSICOPEDAGOGO 1 AGREGANDO ESTRATÉGIAS METACOGNITIVAS À FORMAÇÃO DO PSICOPEDAGOGO 1 Evelise Maria Labatut Portilho Simone Aparecida de Souza Dreher A Oficina de Metacognição A idéia de realizar uma oficina que, segundo

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM Resumo Gisele Gomes Avelar Bernardes- UEG 1 Compreendendo que a educação é o ponto chave

Leia mais

Da sala de aula à sala de ensaio: uma proposta para a formação do professor de teatro

Da sala de aula à sala de ensaio: uma proposta para a formação do professor de teatro Da sala de aula à sala de ensaio: uma proposta para a formação do professor de teatro Ricardo Carvalho de Figueiredo Universidade Federal de Minas Gerais Professor Assistente Doutorando em Artes EBA/UFMG

Leia mais

ARTEFATO VIRTUAL INTERATIVO COMO FERRAMENTA NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM EM CIÊNCIAS: O Sistema Digestório

ARTEFATO VIRTUAL INTERATIVO COMO FERRAMENTA NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM EM CIÊNCIAS: O Sistema Digestório ARTEFATO VIRTUAL INTERATIVO COMO FERRAMENTA NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM EM CIÊNCIAS: O Sistema Digestório FRATONI, Rafael de Oliveira¹; TEIXEIRA, Thiago Bodruk 2, CROVADOR, Gabriel Pizzato Rudey 3,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CLAUDIOMAR PINHEIRO DA SILVA A EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DAS MÍDIAS NA ESCOLA PÚBLICA.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CLAUDIOMAR PINHEIRO DA SILVA A EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DAS MÍDIAS NA ESCOLA PÚBLICA. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CLAUDIOMAR PINHEIRO DA SILVA A EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DAS MÍDIAS NA ESCOLA PÚBLICA. CURITIBA 2015 CLAUDIOMAR PINHEIRO DA SILVA A EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DAS MÍDIAS NA ESCOLA PÚBLICA.

Leia mais

UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES

UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES Taciany da Silva Pereira¹, Nora Olinda Cabrera Zúñiga² ¹Universidade Federal de Minas Gerais / Departamento

Leia mais

ENSINO A DISTÂNCIA NA WEB : UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO

ENSINO A DISTÂNCIA NA WEB : UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO 1 ENSINO A DISTÂNCIA NA WEB : UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO CELINA APARECIDA ALMEIDA PEREIRA ABAR Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - Brasil abarcaap@pucsp.br - VIRTUAL EDUCA 2003-1 INTRODUÇÃO

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA Luciana Pereira de Sousa 1 Carmem Lucia Artioli Rolim 2 Resumo O presente estudo propõe discutir o contexto da formação dos pedagogos para o ensino da

Leia mais

informações de colegas e professores mais capacitados quando escrevem de forma colaborativa. Em Duffy, Dueber e Hawley (1998) observa-se que existe

informações de colegas e professores mais capacitados quando escrevem de forma colaborativa. Em Duffy, Dueber e Hawley (1998) observa-se que existe COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA: O USO DO FÓRUM PARA APRENDIZAGEM DO PENSAMENTO CIENTÍFICO CAMAS, Nuria Pons Vilardell PUC-SP nuriapons@uol.com.br GT: Educação e Comunicação / n.16 Agência Financiadora: CNPq Apresentando

Leia mais

TRANSFORMANDO O JOGO DA VELHA EM UMA EXPERIÊNCIA PRAZEROSA 1 Sabrine Costa Oliveira 2

TRANSFORMANDO O JOGO DA VELHA EM UMA EXPERIÊNCIA PRAZEROSA 1 Sabrine Costa Oliveira 2 TRANSFORMANDO O JOGO DA VELHA EM UMA EXPERIÊNCIA PRAZEROSA 1 Sabrine Costa Oliveira 2 IFES danielly.fraga@live.com Danielly Fraga Santana 3 IFES binecosta@gmail.com Dilza Côco 4 IFES/UFES dilzacoco@gmail.com

Leia mais

II Encontro Nacional de Formação Profissional. Avaliação nos Processos de Ensino e Aprendizagem

II Encontro Nacional de Formação Profissional. Avaliação nos Processos de Ensino e Aprendizagem II Encontro Nacional de Formação Profissional Avaliação nos Processos de Ensino e Aprendizagem Conselho Federal de Nutricionistas Profa. Dra. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP- Rio Claro UNIVERSIDADE

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 432 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL

O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL Márcio Henrique Laperuta 1 Rodrigo Santos2 Karina Fagundes2 Erika Rengel2 UEL- Gepef-Lapef-PIBID RESUMO

Leia mais

MANUAL DO CEPED CENTRO DE ESTUDOS E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS- CURSO DE PEDAGOGIA

MANUAL DO CEPED CENTRO DE ESTUDOS E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS- CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO CEPED CENTRO DE ESTUDOS E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS- CURSO DE PEDAGOGIA Professora Eliane Maria Freitas Monken (org) Belo Horizonte 2013 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 03 2 OBJETIVOS... 04 2.1 Objetivo

Leia mais