Pró-Reitoria de Graduação Educação Física

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pró-Reitoria de Graduação Educação Física"

Transcrição

1 Pró-Reitoria de Graduação Educação Física Trabalho LUCA de LAMEIRA Conclusão ANTUNES de Curso ANÁLISE DOS GOLS QUE SE ORIGINARAM DE BOLAS PARADAS DO CAMPEONATO BRASILEIRO DE FUTEBOL DE CAMPO DE 2011 Artigo apresentado ao curso de graduação em Educação Física da Universidade Católica de Brasília, como requisito parcial para obtenção do Título de Bacharelado em Educação Física. Orientador: Profº Msc. Fábio Antônio Tenório de Melo Autor: Luca Lameira Antunes Orientador: Prof Msc. Fábio Antônio Tenório de Melo Brasília 2011 Brasília - DF 2011

2 Artigo de autoria de Luca Lameira Antunes, intitulado Análise dos gols que se originaram de bolas paradas do campeonato brasileiro de futebol de campo de Apresentado como requisito parcial para obtenção do grau de bacharelado em educação física da Universidade Católica de Brasília, em 19 de novembro de 2011, defendida e aprovada pela banca examinadora abaixo assinada: Profº Msc. Fábio Antônio Tenório de Melo Orientador Educação Física UCB Prof Dr. Ronaldo Rodrigues da Silva Educação Física - UCB Brasília 2011

3

4 LUCA LAMEIRA ANTUNES ANÁLISE DOS GOLS QUE SE ORINARAM DE BOLAS PARADAS DO CAMPEONATO BRASILIERO DE FUTEBOL DE CAMPO DE 2011 Resumo: A análise no futebol vem evoluindo, gerando aos profissionais diversas formas de metodologias para auxiliar na preparação e no rendimento das equipes. Este estudo irá abordar a análise de um momento específico de uma partida de futebol: as bolas paradas. Temos como objetivo analisar os gols que se originaram de bolas paradas no primeiro turno do campeonato brasileiro de futebol de campo do ano de Sendo que esse período gerou uma amostra 168 de gols que se originaram de bolas paradas. Pode-se concluir que os gols de bolas paradas são relevantes para obter a vitória em uma partida de futebol. Palavras Chave: Futebol; Análise; Bolas paradas; Campeonato Brasileiro 1. INTRODUÇÃO A cada ano o futebol vem se afirmando como um esporte global, fazendo com que hoje seja um dos esportes mais aclamados mundialmente, atualmente vem sendo disputado em diversos países, e essa disputa se estende quando discutido a sua paternidade. Vários países, dentre eles a China, o Japão, a Grécia, a Itália e a Inglaterra reivindicam o início da prática do jogo e por mais complicado que seja imaginar, todos eles têm suas razões, pois não existe uma resposta oficial a paternidade do futebol (UNZELTE, 2002) (MURRAY, 2000). O início do futebol no Brasil data de abril de Herdado pela Inglaterra, a primeira partida no país foi organizada em São Paulo pelo descendente de inglês e escocês Charles William Miller. Nascido em Monsenhor Andrade, São Paulo, Miller havia acabado de chegar de Southampton, cidade inglesa, onde fora estudar, trazia consigo duas bolas da marca Shoot e o objetivo de ensinar o esporte aos brasileiros. Assim, os funcionários da Companhia de Gás e Estrada de Ferro de São Paulo Railway foram apresentados ao jogo que seria um dos mais aclamados no Brasil no próximo século (UNZELTE, 2002) (CARMONA & POLI, 2006).

5 2 Hoje, o futebol é para os brasileiros uma grande paixão, que transcende os domínios comuns de um esporte de rendimento. Este esporte vem adquirindo tamanha importância no país que diversos estudos discutem a influência que o esporte vem fornecendo para a formação da sociedade brasileira (RINALDI, 2008). Grande parte desta contribuição é gerada pelas partidas competitivas disputados por clubes e seleções. Para a disputa de uma partida competitiva de futebol, faz se necessário uma preparação prévia das equipes. Essa preparação pode ocorrer em diversos setores, buscando sempre uma melhora do rendimento das equipes. Neste estudo estaremos tratando da análise de jogo, o que pode auxiliar no treinamento e conseqüentemente nas partidas disputadas. De acordo com Garganta (2000) a análise de jogo pode ser entendida como o estudo do jogo a partir da observação da atividade dos jogadores a das equipes. A análise realizada a partir de observação individual e coletiva tem sido importante para uma melhor compreensão do jogo tantos nos aspectos físicos, técnicos e táticos. A análise do jogo vem se evoluindo, proporcionando aos treinadores diversos métodos de observação das equipes analisadas. Ainda conforme Garganta (2000) essa evolução passou por diversas vertentes, iniciando por uma simples anotação de dados qualitativos com uma característica puramente acumulacionista. A evolução dos métodos e a introdução da tecnologia proporcionaram a criação de uma linha de análise que vem sendo mais abordada atualmente, a análise tática, que conduz aos analistas a associar comportamentos com a eficácia dos jogadores e das equipes. A análise das equipes em competição de alto nível possui diversos objetivos como configurar modelos de atividade dos jogadores e das equipes analisadas, identificar traços de atividades e correlacioná-los com a eficácia dos processos que os compõe e promover uma evolução nos métodos de treinamento (GARGANTA, 2001).

6 3 Este estudo estará tratando especificamente da análise de um momento do jogo de futebol, as bolas paradas. Conforme Casanova (2009), não existe um consenso entre os autores quanto à denominação desse momento de jogo, contudo estaremos tratando esse momento pela denominação de bolas paradas. De acordo com Cunha (2007) Apud Teodorescu (1984) os lances de bola parada são condições favoráveis para obtenção do gol, pois ao paralisar a partida permite que os jogadores através de uma coordenada ação conjunta se reorganizem, o que favorece uma ação treinada anteriormente. Os lances de bola parada podem ser divididos em escanteios, faltas, pênaltis, lançamentos laterais e tiros de meta. Sendo que estarão sendo tratados todos os momentos nesse estudo. Sendo assim, esse estudo teve como objetivo analisar os gols que se originaram de bola parada no primeiro turno do campeonato brasileiro de futebol de campo do ano de METODOLOGIA 2.1 População A amostra deste estudo foi constituída pelos 168 gols que se originaram de bolas paradas no primeiro turno do campeonato brasileiro de Foram marcados 500 gols no primeiro turno sendo que 33,60% originaram de bola parada, perfazendo uma média de ±8,84 por rodada e ±0,88 por partida. 2.2 Instrumento Para atingir os objetivos propostos foram analisados os vídeos das partidas do campeonato brasileiro de 2011 obtidos na internet pelo site Além de criar tabelas de dados para analisar os vídeos obtidos.

7 4 2.4 Análise estatística Para a análise estatística dos dados foi utilizada a freqüência dos resultados obtidos e a porcentagem desta freqüência.

8 5 3. DISCUSSÃO E RESULTADOS A amostra do estudo contou com 168 gols que se originaram de bola para no primeiro turno do campeonato brasileiro de Constituindo 33,60% do total de gols, perfazendo uma média de ±8,84 por rodada e ±0,88 por partida. Figura 1 - Zonas dos gols que se originaram de bola parada. No intuito de facilitar e exemplificar os gols de bolas paradas foi dividido os gols por zonas no campo e tipos de bolas paradas que se originaram os gols, como podem ser observados na figura acima. Abaixo serão demonstradas as zonas e os tipos que se denominam cada um. Zona 1: Tiro de Meta Zona 2: Penalty Zona 3.1: Falta central (esquerda) Zona 3.2: Falta central (direita) Zona 4.1: Falta lateral (esquerda) Zona 4.2: Falta lateral (direita) Zona 5.1: Lateral (esquerdo) Zona 5.2: Lateral (direito) Zona 6.1: Escanteio (esquerdo) Zona 6.2: Escanteio (direito)

9 6 GRÁFICO 1 - Quantidade de gols de bola parada do total de gols. Gols com bola emmovimento % Gols de Bolas Paradas % Como pode ser observado no GRÁFICO 1 do total de 500 gols marcados no primeiro turno do campeonato brasileiro 168 (34%) se originaram de jogadas de bola parada. Corroborando com o resultado esta o estudo de Rocha (2009) que encontrou uma porcentagem de 31,33% 33% para os gols marcados de BP no segundo turno da Liga Portuguesa de Futebol 2008/2009. Ainda de acordo com os resultados esta o estudo de Cunha (2007) que encontrou uma porcentagem de 36% no segundo turno da Liga Portuguesa de Futebol e 35% na Copa do Mundo de GRÁFICO 2 - Quantidade de gols de bola parada divididos por zonas e tipos. Escanteio 58 35% Tiro de Meta 1% Penalty 41 24% Lateral 4 2% Falta Lateral 40 24% Falta Central 23 14% Se observarmos as zonas e os tipos de bolas paradas marcados podemos perceber que se destacam os gols de escanteios 58 (35%) dos demais tipos de bolas pardas, como pode ser observado no GRÁFICO 2 acima. Se analisarmos em conjunto os dados das faltas laterais e das faltas centrais encontraremos um porcentual de 38%. Que corroboram com os estudos citados anteriormente de Rocha (2009) com dados de 40,43% para gols originados de faltas e os dados de Cunha (2007) 41% quando analisados os gols da Copa do Mundo de 2006.

10 7 No que se refere aos diversos tipos de zonas, observaremos primeiramente o tiro de meta (Zona 1). Foram marcados 2 gols oriundo do tiro de meta, 1% do total de GBP. Sendo que os dois foram marcados de perna (100%) e em um (50%) houve desvio do zagueiro. IMAGEM 1 - Gols marcados de penalty com a perna esquerda nos diversos quadrantes selecionados. IMAGEM 2 - Gols marcados de penalty com a perna direita nos diversos quadrantes selecionados. Foram marcados 41 gols de penalty (Zona 2), o que corresponde a 24% dos GBP. O que está de acordo com o estudo de Rocha (2009) que encontrou 26,60% no estudo com a Liga Portuguesa e com os dados de Cunha (2007) quando citados os gols de penalty da Copa do Mundo (27%). Dos gols de penalty encontrado nesse estudo, 11 (26,83%) foram remates de perna esquerda, sendo que 4 (36,36%) foram finalizados no quadrante inferior direito das balizas. Quando observados os remates de perna direita, dos 31 (73,17%) gols, nove (30,00%) foram finalizados no quadrante inferior esquerdo das balizas.

11 8 GRÁFICO 3 - Gols de Faltas Centrais (Zonas 3.1 e 3.2) ) por origem do gol. 60,00% 40,00% 13 Gols 9 Gols 20,00% 0,00% 0 Gols Cruzamento Passe curto + cruzamento 1 Gol Chute direto Passe curto + Chute No que se refere as faltas centrais (Zonas 3.1 e 3.2) ) foram marcados 23 gols, 14% do total de GBP. Sendo que 56% (13) desses gols houve um cruzamento para a área antes da finalização a baliza, como pode ser observado no GRÁFICO 3 acima. Ao analisar somente a Zona 3.1 (Falta central esquerda), observamos que foram marcados 13 gols, 56,52% das faltas centrais. Destacando que, 69,23% (9) desses gols se originaram do cruzamento para a área, sendo que dos nove gols oito (88,89%) foram cobrados de perna direita. Quando observamos a Zona 3.2 (Falta central direita). Percebemos que foram marcados 10 gols, 43,48%% % das faltas centrais. Podendo destacar que, 6 (60,00%) desses gols se foram marcados com o chute direto ao gol, sendo que 5 (50,00%) deles foram de perna direita, além de 5 (50,00%) tiveram a direção do canto direito das balizas. 100,00% 80,00% 60,00% GRÁFICO 4 - Gols de Faltas Laterais (Zonas 4.1 e 4.2) ) por origem do gol. 33 Gols 40,00% 20,00% 0,00% 0 Gols 7 Gols Cruzamento Passe curto + Chute direto cruzamento 0 Gols Passe curto + Chute

12 9 No que se refere as faltas laterais (Zonas 4.1 e 4.2) ) foram marcados 40 gols, 24% do total de GBP. Sendo que 75,00% (33) desses gols se originaram de um cruzamento a área adversária antes da finalização. Da Zona 4.1 (falta lateral esquerda) foram marcados 23 gols, 57,50% do total de gols das faltas laterais. Sendo que 19 (82,61%) desses gols se originaram do cruzamento, podendo destacar os seguintes dados: 84,21% (16) gols se iniciaram do cruzamento de perna direita, 52,63% (10) o cruzamento teve a direção da primeira trave e 73,68% (14) foram marcados de cabeça. Quando observamos a Zona 4.2 (falta lateral direita), percebemos que foram marcados 17 gols dessa zona, 42,50% dos gols das faltas laterais. Desses gols 14 (82,35%) se originaram de um cruzamento a área e 9 (64,29%) o cruzamento teve a direção do centro da área. Ainda podemos destacar que 50,00% (7) dos gols houve desvio dos atacantes ou dos zagueiros, o que leva a somente 7 (50,00%) dos gols foram finalizados de cabeça. Ao observar os gols que se originaram de arremessos laterais (Zonas 5.1 e 5.2), percebemos que somente foram marcados 4, que corresponde a 2% do total de GBP. Destacando que todos os 4, 100% dos gols iniciaram da Zona 5.1 (lateral direito). O que difere do estudo feito por Rocha (2009) que encontrou dados de 5% quando analisados os gols originados de lateral na no 2º turno da liga Portuguesa 2008/ ,00% 80,00% 60,00% GRÁFICO 5 - Gols de escanteios (Zonas 6.1 e 6.2) ) por origem do gol. 54 Gols 40,00% 20,00% 0,00% 3 Gols Cruzamento Passe curto + Cruzamento 1 Gol Passe entrada da área 0 Gols Olímpico Dos escanteios (Zonas 6.1 e 6.2) ) se originaram 58 gols, 35% dos GPB. O que está de acordo com os dados apresentados por Cunha (2007) que encontrou dados parecidos quando analisados a Liga Portuguesa (33%) e a Copa do Mundo

13 10 (34%). Do total de gols de escanteios encontrados nesse estudo 54 (93,10%) foram iniciados com um cruzamento direto para a área adversária. Quando observamos somente o escanteio esquerdo (Zona 6.1), percebemos que se originaram 27 gols dessa zona, que corresponde a 46,55% dos gols de escanteio. Sendo que 25 (92,59%) desses gols foram de um cruzamento direto a área. Podendo destacar que: 20 (80,00%) desses gols a perna que realizou o cruzamento foi a direita; 13 (52,00%) dos gols o cruzamento tinha a direção da primeira trave; 8 (32,00%) houve um desvio do atacante que antecedeu a finalização; 16 (64,00%) das finalizações foram de cabeça. Ao analisar somente o escanteio direito (Zona 6.2), observamos que 31 gols se iniciaram dessa zona, o que corresponde a 53,45% do total de gols de escanteio. Desses gols 29 (93,55%) se originaram de um cruzamento direto para a área adversária. Podendo destacar que: 22 (75,86%) foram cruzamento com a perna direita; 14 (48,28%) tiveram a direção da primeira trava e 11 (37,93%) a direção da segunda trave; 12 (41,38%) houve desvio do atacante antes da finalização; 15 (51,72%) foram marcados de cabeça e 14 (48,28%) foram marcados com o pé. 4. CONCLUSÃO Através da realização desse estudo pode-se concluir que os gols de bolas paradas são relevantes para obter a vitória em uma partida de futebol. Sendo que no primeiro turno do Campeonato Brasileiro cerca de um terço dos gols se originaram de bolas paradas o que nos demonstra a relevância para obter êxito na partida. Após uma extensa pesquisa, foi constatado que é pouca a literatura brasileira a respeito dos gols que se originaram de bolas paradas no futebol, ficando complexa a busca por referências para embasar o estudo e redigir a discussão de resultados. Para estes aspectos foram analisadas as referências na literatura estrangeira. Seria importante que no futuro fossem realizadas pesquisas referentes as bolas paradas no futebol brasileiro, especificamente do Campeonato Brasileiro de Futebol.

14 11 BIBLIOGRAFIA CARMONA, Lédio; POLI, Gustavo. Almanaque do futebol. Rio de Janeiro. Casa da Palavra, CUNHA, N. A importância dos lances de bola parada (livres, cantos e penaltis) no futebol de 11: análise de situações finalizadas com golo na 1ª Liga Portuguesa e no Campeonato do Mundo Monografia de Licenciatura não publicada, FCDEF-UP. Porto CASANOVA, M. Eficácia defensiva nos lances de bola parada no futebol. Defesa à zona versus defesa individual e mista: estudo realizado no Campeonato da Europa de Monografia de Licenciatura não publicada, FCDEF-UP. Porto GARGANTA, J. Análisis del juego en el fútbol. El recorrido evolutivo de las concepciones, métodos e instrumentos. Revista de Entrenamiento Deportivo,v. xiv, n. 2, p. 5-14, GARGANTA, J. A análise da performance nos jogos desportivos: revisão acerca da análise do jogo. Revista Portuguesa de Ciência do Desporto, Porto, v. 1, n. 1, p , MURRAY, Bill. Uma história do Futebol. São Paulo: Hedra RINALDI, Wilson. Futebol: manifestação cultural e ideologização. Revista da Educação Física/UEM. Maringá, vol. 11, n 1, p , Disponível em: < Acesso em: 11 fevereiro ROCHA, Thiago. M. D. A importância das situações de bola parada na finalização com êxito no futebol: estudo realizado na 2ª volta da Liga Portuguesa de Futebol da época de 2008/2009. Monografia não publicada, FCDEF-IP. Porto, UNZELTE, Celso. O livro de ouro do futebol. São Paulo. Editora Ediouro, 2002.

SISTEMA 4-3-3. Brasil (1962). Origem no 4-2-4. Brasil (1970)

SISTEMA 4-3-3. Brasil (1962). Origem no 4-2-4. Brasil (1970) SISTEMA 4-3-3 HISTÓRICO/EVOLUÇÃO O sistema 4-3-3 tem sua origem no 4-2-4. O Brasil tinha como base o sistema 4-2-4 na Copa do Mundo de 1962. Zagallo era o ponta esquerda, com o seu recuo para auxiliar

Leia mais

APOSTILA DE FUTSAL. 6º, 7º, 8º e 9º ANO. HISTÓRICO No Brasil

APOSTILA DE FUTSAL. 6º, 7º, 8º e 9º ANO. HISTÓRICO No Brasil APOSTILA DE FUTSAL 6º, 7º, 8º e 9º ANO HISTÓRICO No Brasil O Futebol de Salão tem duas versões sobre o seu surgimento, como em outros esportes, há divergências quanto a sua invenção. Há uma versão que

Leia mais

Abordagens Matemáticas e Estatísticas para o Futebol

Abordagens Matemáticas e Estatísticas para o Futebol Universidade Estadual de Campinas UNICAMP Abordagens Matemáticas e Estatísticas para o Futebol Aluna: Juliana Mayumi Aoki Orientador: Laércio Luis Vendite Identificação do trabalho Título Abordagens Matemáticas

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA ESPECIFICIDADE NO TREINAMENTO DO FUTEBOL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA ESPECIFICIDADE NO TREINAMENTO DO FUTEBOL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA ESPECIFICIDADE NO TREINAMENTO DO FUTEBOL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): RODRIGO

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN 1984-4956 versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN 1984-4956 versão eletrônica 37 O ÍNDICE DE APROVEITAMENTO DOS CONTRA-ATAQUES É SUPERIOR AOS DAS JOGADAS OFENSIVAS DE POSSE DE BOLA Fábio Figuerôa dos Santos 1 RESUMO Este estudo teve o objetivo de analisar o índice de aproveitamento

Leia mais

Justificativa Elevamos nossa avaliação para o valor de mercado de Neymar, do Barcelona, em 22,6%, de 55 milhões para 67,4 milhões.

Justificativa Elevamos nossa avaliação para o valor de mercado de Neymar, do Barcelona, em 22,6%, de 55 milhões para 67,4 milhões. Análise do Valor de Mercado Neymar - Barcelona PLURI Consultoria - O Esporte levado a Sério www.pluriconsultoria.com.br DISCLOSURE: Esta é uma avaliação estritamente técnica e baseada em modelo metodológico

Leia mais

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte Prof. Antonio Carlos Fedato Filho Prof. Guilherme Augusto de Melo Rodrigues Monitorando e conhecendo melhor os trabalhos

Leia mais

XV JOGOS ARI DE SÁ. Ensino Fundamental I 2015 REGULAMENTO

XV JOGOS ARI DE SÁ. Ensino Fundamental I 2015 REGULAMENTO XV JOGOS ARI DE SÁ Ensino Fundamental I 2015 REGULAMENTO ABERTURA 1. DIA: 26/09/2015 ( Sábado ) 9h 2. LOCAL: Manhã Ginásio 2.1 - Concentração Manhã: galeria do Ensino Fundamental I 2.2 - Desfile de abertura

Leia mais

Período: 06/09 a 29/11 11 datas. Realização: Faculdade Anísio Teixeira Departamento de Esportes

Período: 06/09 a 29/11 11 datas. Realização: Faculdade Anísio Teixeira Departamento de Esportes Período: 06/09 a 29/11 11 datas Realização: Faculdade Anísio Teixeira Departamento de Esportes COORDENAÇÃO: Prof. Eurico Gaspar de Oliveira CREF 0124 - G/BA CONTATO: (75) 8307-1261 / 9165-4938 / 3223.4158

Leia mais

Como acontece em vários esportes, há divergências no que se refere à história de origem do futsal. Alguns acreditam que o mesmo tenha se originado na

Como acontece em vários esportes, há divergências no que se refere à história de origem do futsal. Alguns acreditam que o mesmo tenha se originado na FUTSAL O futebol de salão conhecido apenas como futsal é uma prática adaptada do futebol. Em uma quadra esportiva são formados times de cinco jogadores e assim como no futebol, o principal objetivo é colocar

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO JOGO E DO MODELO DE JOGO NA PERFORMANCE DOS ATLETAS

A INFLUÊNCIA DO JOGO E DO MODELO DE JOGO NA PERFORMANCE DOS ATLETAS A INFLUÊNCIA DO JOGO E DO MODELO DE JOGO NA PERFORMANCE DOS ATLETAS A preparação física como norte do processo ou subordinada às variáveis da partida? Uma análise sob a ótica sistêmica. Por Cyro Bueno*

Leia mais

COPA DOS CAMPEÕES UNILIGAS 2015 REGULAMENTO

COPA DOS CAMPEÕES UNILIGAS 2015 REGULAMENTO COPA DOS CAMPEÕES UNILIGAS 2015 REGULAMENTO DA DENOMINAÇÃO E PARTICIPAÇÃO Art. 1º Á COPA DOS CAMPEÕES UNILIGAS 2015, será disputada pelas 7 (sete) equipes Campeãs e as 7(sete) equipes Vice Campeãs das

Leia mais

VOLLEYBALL Voleibol. Escola Dr. Costa Matos 2013/14. Ana Fernandes 8ºD

VOLLEYBALL Voleibol. Escola Dr. Costa Matos 2013/14. Ana Fernandes 8ºD VOLLEYBALL Voleibol Escola Dr. Costa Matos 2013/14 Ana Fernandes 8ºD REFERÊNCIAS HISTÓRICAS Origem REFERÊNCIAS HISTÓRICAS Origem Criado por William Morgan (Professor EF do Springfield College of the YMCA

Leia mais

Prof. Mst. Sandro de Souza. Disciplinas: Futebol e Futsal e Aprofundamento em Futebol

Prof. Mst. Sandro de Souza. Disciplinas: Futebol e Futsal e Aprofundamento em Futebol Prof. Mst. Sandro de Souza Disciplinas: Futebol e Futsal e Aprofundamento em Futebol Desenhe um campo de Futebol com as suas dimensões e marcações. Qual o número mínimo de jogadores, em um time, para iniciar

Leia mais

LIGA ATLÉTICA DA REGIÃO MINEIRA

LIGA ATLÉTICA DA REGIÃO MINEIRA CAMPEONATO REGIONAL DA LARM DE FUTEBOL JÚNIOR DE 2015 REGULAMENTO ESPECÍFICO Disposições Preliminares: CAPÍTULO I Art. 1º - O campeonato Regional da Liga Atlética da Região Mineira de Futebol Júnior de

Leia mais

OS INDICADORES TÉCNICOS DO JOGO E A CLASSIFICAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE O 16º CAMPEONATO NACIONAL DE BASQUETEBOL MASCULINO.

OS INDICADORES TÉCNICOS DO JOGO E A CLASSIFICAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE O 16º CAMPEONATO NACIONAL DE BASQUETEBOL MASCULINO. OS INDICADORES TÉCNICOS DO JOGO E A CLASSIFICAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE O 16º CAMPEONATO NACIONAL DE BASQUETEBOL MASCULINO. Resumo *João Paulo Ferreira Dantas **José Carlos de B. V. Filho Os objetivos deste

Leia mais

1ºTorneio Bancário Society de Clubes Paulista REGULAMENTO 2015

1ºTorneio Bancário Society de Clubes Paulista REGULAMENTO 2015 REGULAMENTO 2015 1º Torneio Bancário Society de Clubes Paulista 2015, é uma promoção da Secretaria de Esporte do Sindicato dos Bancários, e tem por finalidade efetuar o congraçamento entre os bancários

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA 3º ANO. PROFESSOR: Thiago Rosario da Cruz

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA 3º ANO. PROFESSOR: Thiago Rosario da Cruz COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio. Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150. PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA 3º ANO PROFESSOR: Thiago

Leia mais

EMENDAS ÀS REGRAS DO JOGO 2016/2017

EMENDAS ÀS REGRAS DO JOGO 2016/2017 EMENDAS ÀS REGRAS DO JOGO 2016/2017 EMENDAS ÀS REGRAS DO JOGO 2016/2017 INTRODUÇÃO OBSERVAÇÕES SOBRE AS REGRAS DO JOGO AS REGRAS DO JOGO EXPLICADAS AS MUDANÇAS ÀS REGRAS PARA 2016/17 - TEXTO ANTIGO -

Leia mais

Estratégias utilizadas por goleiros para defender a cobrança de pênalti

Estratégias utilizadas por goleiros para defender a cobrança de pênalti 1 Estratégias utilizadas por goleiros para defender a cobrança de pênalti Everton Coelho Ataíde * Frederico de Alvarenga e Bragaglia* Igor Magalhães Costa* João Luiz Manini* Nádia F. S. Marinho** RESUMO

Leia mais

Esportes de Invasão. Aula 2. Futebol, futebol de 5 e futebol de 7. Rio 2016 Versão 1.0

Esportes de Invasão. Aula 2. Futebol, futebol de 5 e futebol de 7. Rio 2016 Versão 1.0 Esportes de Invasão Aula 2 Futebol, futebol de Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Apresentar mais três esportes da categoria INVASÃO. 2 Conhecer a história desses esportes e a entrada para os Jogos Olímpicos

Leia mais

RELATÓRIO DE CUMPRIMENTO DO OBJETO

RELATÓRIO DE CUMPRIMENTO DO OBJETO RELATÓRIO DE CUMPRIMENTO DO OBJETO PROJETO TREINAMENTO OLÍMPICO DE PÓLO AQUÁTICO PROCESSO: 58701.000695/2010-92 SLIE: 1000.112-33 Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos - CBDA ATIVIDADES DO PROFESSOR

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO CAMPEONATO ESTADUAL DE FUTEBOL DA PRIMEIRA DIVISÃO DE PROFISSIONAIS DO RIO GRANDE DO NORTE 2016

REGULAMENTO ESPECÍFICO CAMPEONATO ESTADUAL DE FUTEBOL DA PRIMEIRA DIVISÃO DE PROFISSIONAIS DO RIO GRANDE DO NORTE 2016 REGULAMENTO ESPECÍFICO CAMPEONATO ESTADUAL DE FUTEBOL DA PRIMEIRA DIVISÃO DE PROFISSIONAIS DO RIO GRANDE DO NORTE 2016 DOS PARTICIPANTES Art. 1º - Integrarão o Campeonato Estadual de Futebol da Primeira

Leia mais

PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM VOLEIBOL

PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM VOLEIBOL PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM VOLEIBOL Gabriel Weiss Maciel Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil Henrique Cabral Faraco Universidade do Estado de Santa Catarina,

Leia mais

Ano Letivo 2011/2012

Ano Letivo 2011/2012 Ano Letivo 2011/2012 Informação/ Exame de Equivalência à Frequência Disciplina de Educação Física 2ºciclo 1. Objeto de Avaliação A prova tem por referência o Programa de Educação Física. A prova desta

Leia mais

Profª. Esp. Maria Helena Carvalho

Profª. Esp. Maria Helena Carvalho Profª. Esp. Maria Helena Carvalho HISTÓRIA DO VOLEIBOL Criação nos EUA; Dia 09 de fevereiro de 1895; Pelo diretor de Educação Física da ACM William George Morgan; Era conhecido como mintonette. Obs.: Nessa

Leia mais

O time também conta com a volta de jogadores que vinham se recuperando de lesão, que é o caso do atacante Marciano e do zagueiro Alex Mineiro.

O time também conta com a volta de jogadores que vinham se recuperando de lesão, que é o caso do atacante Marciano e do zagueiro Alex Mineiro. Depois da conquista da edição 2011 do campeonato mato-grossense no dia 24 de abril, a equipe do Cuiabá Esporte Clube ficou um mês de recesso e retornou aos trabalhos no dia 23 de maio mantendo a maioria

Leia mais

II CAMPEONATO DE FUTEBOL SUIÇO BEIRA RIO CLUBE DE CAMPO 2014 TAÇA FIFA 2014 Troféu Álvaro Wischral Tuti

II CAMPEONATO DE FUTEBOL SUIÇO BEIRA RIO CLUBE DE CAMPO 2014 TAÇA FIFA 2014 Troféu Álvaro Wischral Tuti II CAMPEONATO DE FUTEBOL SUIÇO BEIRA RIO CLUBE DE CAMPO 2014 TAÇA FIFA 2014 Troféu Álvaro Wischral Tuti Regulamento Geral I Das Disposições Gerais Obs: A COMISSÃO É COMPOSTA pelos integrantes: Rafael Rangel,

Leia mais

A Liga Escolhas realizar-se-á com equipas mistas com idades compreendidas entre os 10 e os 14 anos e será apadrinhada por um jogador a definir.

A Liga Escolhas realizar-se-á com equipas mistas com idades compreendidas entre os 10 e os 14 anos e será apadrinhada por um jogador a definir. Regulamento Liga Fundação Aragão Pinto Escolhas 2011-2012 PREÂMBULO São diversas as definições de desenvolvimento óptimo juvenil entre os investigadores. Para Hamilton, por exemplo, o desenvolvimento positivo

Leia mais

O ENSINO DO HANDEBOL NA ESCOLA: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS

O ENSINO DO HANDEBOL NA ESCOLA: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS O ENSINO DO HANDEBOL NA ESCOLA: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS Resumo Scheila Medina 1 - PUCPR Luís Rogério de Albuquerque 2 - PUCPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e

Leia mais

REGULAMENTO DANONE COPA DAS NAÇÕES

REGULAMENTO DANONE COPA DAS NAÇÕES REGULAMENTO DANONE COPA DAS NAÇÕES Capítulo 1 Da Finalidade Artigo 1º - A DANONE COPA DAS NAÇÕES tem como objetivo incentivar a prática esportiva no meio estudantil e comunitário e promover o intercâmbio,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS EÇA DE QUEIRÓS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS EÇA DE QUEIRÓS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS EÇA DE QUEIRÓS Informação - Prova de Equivalência à Frequência Educação Física Código 311 (Ensino Secundário) Prova Prática Ano letivo 2012/2013 1. INTRODUÇÃO O presente documento

Leia mais

FEDERAÇÃO CEARENSE DE FUTEBOL REC. Regulamento Específico Série A 2015 CAMPEONATO CEARENSE 2015 SÉRIE A REGULAMENTO ESPECÍFICO DA COMPETIÇÃO REC

FEDERAÇÃO CEARENSE DE FUTEBOL REC. Regulamento Específico Série A 2015 CAMPEONATO CEARENSE 2015 SÉRIE A REGULAMENTO ESPECÍFICO DA COMPETIÇÃO REC CAMPEONATO CEARENSE SÉRIE A REGULAMENTO ESPECÍFICO DA COMPETIÇÃO CAPÍTULO I Da Denominação e Participação Art. 1º - O Campeonato Cearense de da Série A, doravante denominado Campeonato Cearense Serie A,

Leia mais

10ª COPA QUIOSQUE NATUREZA DE FUTEBOL SUÍÇO INTER-ACADEMIAS.

10ª COPA QUIOSQUE NATUREZA DE FUTEBOL SUÍÇO INTER-ACADEMIAS. 10ª COPA QUIOSQUE NATUREZA DE FUTEBOL SUÍÇO INTER-ACADEMIAS. REGULAMENTO OFICIAL (atualizado em 16/09) CAPÍTULO I OBJETIVOS ART. 1º - A 10ª Copa Quiosque Natureza de Futebol Suíço Inter-Academias, que

Leia mais

Município de Santa Helena Secretaria de Educação, Cultura e Esportes Departamento de Esportes e Lazer CAMPEONATO MUNICIPAL DE FUTEBOL SUÍÇO - 2013.

Município de Santa Helena Secretaria de Educação, Cultura e Esportes Departamento de Esportes e Lazer CAMPEONATO MUNICIPAL DE FUTEBOL SUÍÇO - 2013. CAMPEONATO MUNICIPAL DE FUTEBOL SUÍÇO - 2013. REGULAMENTO Santa Helena, Outubro de 2013. CAMPEONATO MUNICIPAL DE FUTEBOL SUIÇO 2013 I DO REGULAMENTO Art. 1º - Este regulamento se destina a regulamentar

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE MODELO VASCO DOS REIS EDUCAÇÃO

Leia mais

FATORES RELACIONADOS COM O NÍVEL DE ANSIEDADE EM ATLETAS DE FUTEBOL FEMININO

FATORES RELACIONADOS COM O NÍVEL DE ANSIEDADE EM ATLETAS DE FUTEBOL FEMININO FATORES RELACIONADOS COM O NÍVEL DE ANSIEDADE EM ATLETAS DE FUTEBOL FEMININO (FACTORS RELATED TO THE ANXIETY LEVEL IN FOOTBALL FEMALE ATHLETES) Marcos Vinicius Dias Munhóz 1 ; Claudia Teixeira-Arroyo 1,2

Leia mais

COLÉGIO TERESIANO BRAGA Ano Letivo 2011-2012 Educação Física 1º Período 7º Ano 1. ATLETISMO

COLÉGIO TERESIANO BRAGA Ano Letivo 2011-2012 Educação Física 1º Período 7º Ano 1. ATLETISMO COLÉGIO TERESIANO BRAGA Ano Letivo 2011-2012 Educação Física 1º Período 7º Ano 1. ATLETISMO Corridas Especialidades Velocidade Meio-Fundo Fundo Barreiras Estafetas Provas 60m, 100m, 200m, 400m 800m, 1500m,

Leia mais

COMPARAÇÃO DE DESEMPENHO ENTRE OS QUATRO MELHORES E OS QUATRO PIORES COLOCADOS NO CAMPEONATO BRASILEIRO DE FUTEBOL DE 2009

COMPARAÇÃO DE DESEMPENHO ENTRE OS QUATRO MELHORES E OS QUATRO PIORES COLOCADOS NO CAMPEONATO BRASILEIRO DE FUTEBOL DE 2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA Rafael Silva dos Passos COMPARAÇÃO DE DESEMPENHO ENTRE OS QUATRO MELHORES E OS QUATRO PIORES COLOCADOS NO CAMPEONATO BRASILEIRO DE FUTEBOL

Leia mais

LIGA ATLÉTICA DA REGIÃO MINEIRA

LIGA ATLÉTICA DA REGIÃO MINEIRA CAMPEONATO REGIONAL DA LARM DE FUTEBOL NÃO PROFISSIONAL DA 1ª DIVISÃO DE 2015 REGULAMENTO ESPECÍFICO Disposições Preliminares: CAPÍTULO I Art. 1º - O campeonato Regional da Liga Atlética da Região Mineira

Leia mais

PROPOSTA DE FORMULA DE COMPETIÇÃO PARA O CAMPEONATO SERGIPANO DE FUTEBOL SERIE A-1

PROPOSTA DE FORMULA DE COMPETIÇÃO PARA O CAMPEONATO SERGIPANO DE FUTEBOL SERIE A-1 PROPOSTA DE FORMULA DE COMPETIÇÃO PARA O CAMPEONATO SERGIPANO DE FUTEBOL SERIE A-1 01 A Competição será realizada com dez equipes em um único grupo em 03 Fases, a saber: 1ª Fase As equipes jogarão entre

Leia mais

1ª / 2ª DIVISÃO, E SUB-18. REGULAMENTO E FORMA DE DISPUTA-2015

1ª / 2ª DIVISÃO, E SUB-18. REGULAMENTO E FORMA DE DISPUTA-2015 19º CAMPEONATO MUNICIPAL DE FUTEBOL AMADOR DE NOVO GAMA-GO DE 2015 1ª / 2ª DIVISÃO, E SUB-18. REGULAMENTO E FORMA DE DISPUTA-2015 PROMOÇÃO: PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVO GAMA - GO REALIZAÇÃO: SECRETARIA

Leia mais

Curso de Treinadores de Futsal 1º Nível Dezembro/08 Janeiro/09. Capacidades Motoras Caderno de Exercícios. Bruno Torres

Curso de Treinadores de Futsal 1º Nível Dezembro/08 Janeiro/09. Capacidades Motoras Caderno de Exercícios. Bruno Torres Curso de Treinadores de Futsal 1º Nível Dezembro/08 Janeiro/09 Capacidades Motoras Caderno de Exercícios Bruno Torres 1 Modelo de Activação Funcional 2 Operacionalização: Activação Funcional. Grupos de

Leia mais

Copa do Mundo. Juliana Amorim Souza

Copa do Mundo. Juliana Amorim Souza Copa do Mundo Juliana Amorim Souza Motivação Sede 2014 Protestos e polêmicas 2 Tópicos 3 Introdução História das Copas Formato Atual Copa 2014: Brasil Introdução 4 Competição internacional de futebol a

Leia mais

Novas regras do futsal

Novas regras do futsal Novas regras do futsal 2011 Confederação Brasileira de Futebol de Salão - Futsal Futsal do Brasil passa a adotar novidades na regra em 2011 A temporada de 2011 ainda nem começou, mas o futsal brasileiro

Leia mais

FUTEBOL DE CAMPO CATEGORIA / IDADE - MASCULINO: CATEGORIAS / IDADE - FEMININO:

FUTEBOL DE CAMPO CATEGORIA / IDADE - MASCULINO: CATEGORIAS / IDADE - FEMININO: FUTEBOL DE CAMPO Todos os atletas deverão apresentar o Documento Original (conforme Art.do Regulamento Geral) É obrigatório (e indispensável) o uso de caneleiras para todos os atletas participantes das

Leia mais

17/02/2016. Mestrando Dagnou Pessoa de Moura - Dog. A partida é supervisionada por três árbitros

17/02/2016. Mestrando Dagnou Pessoa de Moura - Dog. A partida é supervisionada por três árbitros Mestrando Dagnou Pessoa de Moura - Dog Formado em Educação Física Unisalesiano Lins Especialista em Fisiologia do Exercício UFSCar Especialista em Biomecânica, Avaliação Física e Prescrição de Exercícios

Leia mais

* Regulamento Técnico 2016 * FUTSAL

* Regulamento Técnico 2016 * FUTSAL * Regulamento Técnico 2016 * FUTSAL 1. DOS JOGOS: Os jogos de Futsal serão regidos pelas Regras Oficiais vigentes da Confederação Brasileira de Futsal, observadas as exceções previstas neste Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO CAMPEONATO ESTADUAL DE FUTEBOL DA PRIMEIRA DIVISÃO DE PROFISSIONAIS DO RIO GRANDE DO NORTE - 2014

REGULAMENTO ESPECÍFICO CAMPEONATO ESTADUAL DE FUTEBOL DA PRIMEIRA DIVISÃO DE PROFISSIONAIS DO RIO GRANDE DO NORTE - 2014 REGULAMENTO ESPECÍFICO CAMPEONATO ESTADUAL DE FUTEBOL DA PRIMEIRA DIVISÃO DE PROFISSIONAIS DO RIO GRANDE DO NORTE - 2014 DOS PARTICIPANTES Art. 1º - Integrarão o Campeonato Estadual de Futebol da Primeira

Leia mais

CAMPEONATO CATARINENSE DE FUTEBOL PROFISSIONAL DA SÉRIE A DE 2015 REGULAMENTO ESPECÍFICO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E DA PARTICIPAÇÃO

CAMPEONATO CATARINENSE DE FUTEBOL PROFISSIONAL DA SÉRIE A DE 2015 REGULAMENTO ESPECÍFICO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E DA PARTICIPAÇÃO CAMPEONATO CATARINENSE DE FUTEBOL PROFISSIONAL DA SÉRIE A DE 2015 REGULAMENTO ESPECÍFICO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E DA PARTICIPAÇÃO Art. 1º O CAMPEONATO CATARINENSE DE FUTEBOL PROFISSIONAL DA SÉRIE A

Leia mais

LESÕES MUSCULOESQUELÉTICAS NO FUTEBOL JUVENIL

LESÕES MUSCULOESQUELÉTICAS NO FUTEBOL JUVENIL LESÕES MUSCULOESQUELÉTICAS NO FUTEBOL JUVENIL Janair Honorato Alves (jhalves1@bol.com.br) UNIFAN Mosiah Araújo Silva (mosiaharaujo@hotmail.com) CAMBURY PALAVRAS-CHAVE: Lesões musculoesqueléticas; Futebol

Leia mais

1 Apresentação 2 Formatação do texto Papel: Margens: Tipo de Letra: Tamanho da fonte: Espaço entre as linhas:

1 Apresentação 2 Formatação do texto Papel: Margens: Tipo de Letra: Tamanho da fonte: Espaço entre as linhas: 1 2 1 Apresentação Este documento tem por objetivo apresentar orientações para a redação e formatação do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) na modalidade de Artigo Científico. Para a elaboração do artigo

Leia mais

Escola Básica 2,3 com Ensino Secundário de Alvide

Escola Básica 2,3 com Ensino Secundário de Alvide Informação Prova de equivalência à frequência de Educação Física Prova 26 2013 3.º Ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho 1. Objeto de avaliação A prova tem por referência o Programa

Leia mais

Lavras é um município brasileiro da região do Campo das Vertentes.

Lavras é um município brasileiro da região do Campo das Vertentes. Cidade de Lavras Lavras é um município brasileiro da região do Campo das Vertentes. Todos os setores do transporte (Ferroviário, aéreo, rodoviário e urbano) são considerados muito eficientes e de boa qualidade.

Leia mais

Scout No Futebol: Uma Ferramenta Para a Imprensa Esportiva 1

Scout No Futebol: Uma Ferramenta Para a Imprensa Esportiva 1 Scout No Futebol: Uma Ferramenta Para a Imprensa Esportiva 1 Caroline Colucio Vendite 2, Laércio Luis Vendite 3 e Antonio Carlos de Moraes 4 Faculdade de Educação Física e Instituto de Matemática, Estatística

Leia mais

Educação Física Inclusiva

Educação Física Inclusiva LUIZ HENRIQUE DE PAULA CONCEIÇÃO 1 RODRIGO HÜBNER MENDES 2 Educação Física Inclusiva O esporte para pessoas com deficiência teve seu início após a Primeira Guerra Mundial, como forma de tratamento de soldados

Leia mais

As diferentes funções que o modelo de jogo da equipe desencadeia ao goleiro uma comparação entre Brasil e Alemanha

As diferentes funções que o modelo de jogo da equipe desencadeia ao goleiro uma comparação entre Brasil e Alemanha As diferentes funções que o modelo de jogo da equipe desencadeia ao goleiro uma comparação entre Brasil e Alemanha As funções que o modelo de jogo da equipe desencadeia ao goleiro FERNANDO PAIVA CORRÊA

Leia mais

Uma passagem pelo Campeonato Brasileiro de Futebol

Uma passagem pelo Campeonato Brasileiro de Futebol UFCG CEEI DSC CCC Grupo PET Computação Ciclo de Seminários Não Técnicos Uma passagem pelo Campeonato Brasileiro de Futebol Arthur Silva Freire arthur.freire@ccc.ufcg.edu.br 1 Agenda Um Pouco de História;

Leia mais

GRUPOS CAMPO (02) SHOW DE BOLA CATEGORIA SUB: 13 CATEGORIA SUB: 15

GRUPOS CAMPO (02) SHOW DE BOLA CATEGORIA SUB: 13 CATEGORIA SUB: 15 GRUPOS CAMPO (01) 1º BPM CAMPO (02) SHOW DE BOLA CATEGORIA SUB: 09 1. Associação Teotônio Segurado- 1º BPM 2. Associação Aureny III 3. Instituto Fernandes Futebol Clube 4. Escolinha FLA CAMPO (03) 606

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL COORDENADORA SANDRA MARA KUCHNIR

ENSINO FUNDAMENTAL COORDENADORA SANDRA MARA KUCHNIR ENSINO FUNDAMENTAL COORDENADORA SANDRA MARA KUCHNIR 2014 EDUCAÇÃO FÍSICA EDUCAÇÃO FÍSICA PRODUÇÃO CULTURAL DA SOCIEDADE EXPRESSADA ATRAVÉS DO MOVIMENTO EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDOS EDUCAÇÃO FÍSICA EIXOS ESPORTE

Leia mais

REGULAMENTO OFICIAL FUTEBOL SOCIETY CATEGORIA SÉRIE B 2015 PATRONO: 1) Apresentação:

REGULAMENTO OFICIAL FUTEBOL SOCIETY CATEGORIA SÉRIE B 2015 PATRONO: 1) Apresentação: REGULAMENTO OFICIAL FUTEBOL SOCIETY CATEGORIA SÉRIE B 2015 PATRONO: 1) Apresentação: A Diretoria de Esportes do Divinópolis Clube Gestão 2014 / 2017 juntamente com suas Comissões de Futebol apresenta para

Leia mais

Conhecendo o futebol!

Conhecendo o futebol! Conhecendo o futebol! Jacqueline Cristina Jesus Martins E.E. Alcides da Costa Vidigal Todos os anos, na Escola Estadual Alcides da Costa Vidigal, antes do início do ano letivo, os professores, a coordenação

Leia mais

Emissão Original: 21/11/2013

Emissão Original: 21/11/2013 COPA DO NORDESTE/2014 REGULAMENTO ESPECÍFICO DA COMPETIÇÃO CAPÍTULO I Da Denominação e Participação Art. 1º A Copa do Nordeste de 2014, doravante denominada Copa, é regida por dois regulamentos mutuamente

Leia mais

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Andrés, Leandro Rubio Manual de jogos e exercícios para escolas de futebol / Leandro Rubio Andrés; coordenação

Leia mais

ANÁLISE DAS CARGAS E MÉTODOS DE TREINAMENTO UTILIZADOS NA PREPARAÇÃO FÍSICA DO FUTSAL FEMININO AMAZONENSE

ANÁLISE DAS CARGAS E MÉTODOS DE TREINAMENTO UTILIZADOS NA PREPARAÇÃO FÍSICA DO FUTSAL FEMININO AMAZONENSE ANÁLISE DAS CARGAS E MÉTODOS DE TREINAMENTO UTILIZADOS NA PREPARAÇÃO FÍSICA DO FUTSAL FEMININO AMAZONENSE INTRODUÇÃO AGNELO WEBER DE OLIVEIRA ROCHA RONÉLIA DE OLIVEIRA MELO VIANA UFAM UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO BASQUETE MINEIRO

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO BASQUETE MINEIRO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO BASQUETE MINEIRO O que é? O Programa de Desenvolvimento do Basquete Mineiro (PDBM) é um projeto focado no atendimento as demandas dos clubes e escolas, em novas metodologias

Leia mais

Emissão Original: 03/11/2014

Emissão Original: 03/11/2014 COPA DO NORDESTE SUB 20/2014 REGULAMENTO ESPECÍFICO DA COMPETIÇÃO CAPÍTULO I Da Denominação e Participação Art. 1º A Copa do Nordeste Sub 20 de 2014, doravante denominada Copa, é regida por dois regulamentos

Leia mais

Sociedade União 1º.Dezembro. Das teorias generalistas. à ESPECIFICIDADE do treino em Futebol. Programação e. Periodização do.

Sociedade União 1º.Dezembro. Das teorias generalistas. à ESPECIFICIDADE do treino em Futebol. Programação e. Periodização do. Sociedade União 1º.Dezembro Das teorias generalistas à ESPECIFICIDADE do treino em Futebol Programação e Periodização do Treino em Futebol 1 Programação e Periodização do Treino em Futebol Ter a convicção

Leia mais

FEDERAÇÃO CEARENSE DE FUTEBOL REC. Regulamento Específico Sub / 20. Atenciosamente, Josimar de Carvalho Diretor de Competições

FEDERAÇÃO CEARENSE DE FUTEBOL REC. Regulamento Específico Sub / 20. Atenciosamente, Josimar de Carvalho Diretor de Competições Fortaleza, 27 de janeiro de 2015 Portaria 002/DCO/FCF/2015 Ilmos. Srs. Filiados, Ass.: Revisão do /SUB-20/2015 Prezados Senhores, Estamos publicando a revisão Regulamento Específico do Campeonato Cearense

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE O MOMENTO DE INCIDÊNCIA DE GOLS E A COMPARAÇÃO ENTRE A EQUIPE MANDANTE E A VISITANTE NO CAMPEONATO PAULISTA DE 2009

UM ESTUDO SOBRE O MOMENTO DE INCIDÊNCIA DE GOLS E A COMPARAÇÃO ENTRE A EQUIPE MANDANTE E A VISITANTE NO CAMPEONATO PAULISTA DE 2009 Recebido em: 1/3/211 Emitido parece em: 23/3/211 Artigo inédito UM ESTUDO SOBRE O MOMENTO DE INCIDÊNCIA DE GOLS E A COMPARAÇÃO ENTRE A EQUIPE MANDANTE E A VISITANTE NO CAMPEONATO PAULISTA DE 29 Leandro

Leia mais

A.A.INTERNACIONAL DE LIMEIRA 2006/2007

A.A.INTERNACIONAL DE LIMEIRA 2006/2007 1 ATACANTE Nome: CAIAME ESIS STEINES JORGE Nacionalidade: Brasileira. Estado Civil: S olteiro. Data de nascimento: 11/07/1987. Altura: 1,86 M. Peso: 76,3 Kg. CLUBE TEMPORADA BARUERI. 2003 SÃO PAULO F.C

Leia mais

Projeto Copa Gothia. Festa de abertura da Copa Gothia Estádio Ullevi Gotemburgo, Suécia.

Projeto Copa Gothia. Festa de abertura da Copa Gothia Estádio Ullevi Gotemburgo, Suécia. Projeto Copa Gothia A Copa Gothia é realizada anualmente em Gotemburgo, Suécia, onde foi criada em 1975. Em mais de três décadas, o evento já recebeu 840 mil jovens de 133 países diferentes. Mesmo não

Leia mais

3ª COPA INTER-ADVOGADOS

3ª COPA INTER-ADVOGADOS Data/ Local: Competição: Maio à Julho * início previsto para 26/maio Local: Centro Iraí Pinhais-PR www.centroirai.com.br Gustavo@centroirai.com.br DA PARTICIPAÇÃO: Artigo Primeiro: Só poderão participar

Leia mais

Histórico do Voleibol. Prof. Maick da Silveira Viana

Histórico do Voleibol. Prof. Maick da Silveira Viana Histórico do Voleibol Prof. Maick da Silveira Viana Quando começou? Conta a história que o voleibol foi criado na Associação Cristã de Moços (ACM) de Massachusetts pelo professor William Morgan em 1895.

Leia mais

Análise multivariada aplicada em dados de futebol Campeonato Brasileiro de 2011

Análise multivariada aplicada em dados de futebol Campeonato Brasileiro de 2011 Análise multivariada aplicada em dados de futebol Campeonato Brasileiro de 2011 Juliane Jussara Affonso 1 Vilma Mayumi Tachibana 1 1 Introdução O aumento da competitividade no futebol durante os últimos

Leia mais

UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF

UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF Artigo apresentado ao Curso de graduação em Educação Física da Universidade

Leia mais

Campeonato Brasileiro Série B

Campeonato Brasileiro Série B Campeonato Brasileiro Série B Passo das Emas 26/09/2015 21h Luverdense x ESPORTE CLUBE BAHIA PRINCIPAIS TÍTULOS Bicampeão Brasileiro (1959 e 1988) Tetracampeão do Norte-Nordeste (1948, 1959, 1961 e 1963)

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO CAMPEONATO ESTADUAL DE FUTEBOL DA PRIMEIRA DIVISÃO DE PROFISSIONAIS DO RIO GRANDE DO NORTE - 2013

REGULAMENTO ESPECÍFICO CAMPEONATO ESTADUAL DE FUTEBOL DA PRIMEIRA DIVISÃO DE PROFISSIONAIS DO RIO GRANDE DO NORTE - 2013 REGULAMENTO ESPECÍFICO CAMPEONATO ESTADUAL DE FUTEBOL DA PRIMEIRA DIVISÃO DE PROFISSIONAIS DO RIO GRANDE DO NORTE - 2013 DOS PARTICIPANTES Art. 1º - Integrarão o Campeonato Estadual de Futebol da Primeira

Leia mais

AS MOEDAS DO MUNDO. C a d a a t i v i d a d e p o d e s e i m p re s s a separadamente e realizada com as crianças em sala de aula ou em casa.

AS MOEDAS DO MUNDO. C a d a a t i v i d a d e p o d e s e i m p re s s a separadamente e realizada com as crianças em sala de aula ou em casa. 1 AS MOEDAS DO MUNDO Esse é um livro de atividades para crianças. O objetivo proposto é aproveitarmos o período e empolgação das crianças com a Copa do Mundo de Futebol para propiciar aprendizado e maior

Leia mais

EFEITOS DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM-TREINAMENTO NO DESEMPENHO DE HABILIDADES TÉCNICAS DE JOGADORES DE FUTEBOL DA CATEGORIA SUB-13

EFEITOS DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM-TREINAMENTO NO DESEMPENHO DE HABILIDADES TÉCNICAS DE JOGADORES DE FUTEBOL DA CATEGORIA SUB-13 EFEITOS DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM-TREINAMENTO NO DESEMPENHO DE HABILIDADES TÉCNICAS DE JOGADORES DE FUTEBOL DA CATEGORIA SUB-13 Pablo Vecchi Moreira/ NUPEF UFV Mariana Calábria Lopes/ NUPEF UFV

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DA 3ª LUANDA COPA DE FUTEBOL JÚNIOR - 2015

REGULAMENTO ESPECÍFICO DA 3ª LUANDA COPA DE FUTEBOL JÚNIOR - 2015 REGULAMENTO ESPECÍFICO DA 3ª LUANDA COPA DE FUTEBOL JÚNIOR - 2015 I - DAS FINALIDADES Art.º 1º - A 3ª LUANDA COPA DE FUTEBOL JÚNIOR, Competição não-profissional coordenada e organizada pela Decathlon Marketing

Leia mais

a) Regulamento Específico da Competição (REC) o qual trata do sistema de disputa e outros assuntos específicos da Copa.

a) Regulamento Específico da Competição (REC) o qual trata do sistema de disputa e outros assuntos específicos da Copa. COPA DO BRASIL SUB 20 DE 2013 REC REGULAMENTO ESPECÍFICO DA COMPETIÇÃO CAPÍTULO I Da Denominação e Participação Art. 1º A Copa do Brasil Sub 20, edição de 2013, doravante denominada simplesmente Copa,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ANADIA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ANADIA ESCOLA SECUNDÁRIA DE ANADIA Bateria de Exercícios Voleibol NÚCLEO DE ESTÁGIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2000.2001 VOLEIBOL BATERIA DE EXERCÍCIOS Este documento pretende acima de tudo fornecer ao professor uma

Leia mais

EXEMPLO: QUANTIFICAÇÃO DAS AÇÕES OFENSIVAS DO GOALBALL NOS JOGOS PARALÍMPICOS DE LONDRES

EXEMPLO: QUANTIFICAÇÃO DAS AÇÕES OFENSIVAS DO GOALBALL NOS JOGOS PARALÍMPICOS DE LONDRES EXEMPLO: QUANTIFICAÇÃO DAS AÇÕES OFENSIVAS DO GOALBALL NOS JOGOS PARALÍMPICOS DE LONDRES 2012 Thiago Magalhães / UNICAMP Otávio Luis Piva da Cunha Furtado / UNICAMP Márcio Pereira Morato / USP Diego Henrique

Leia mais

1. Pedagogia do esporte: características e princípios básicos

1. Pedagogia do esporte: características e princípios básicos Introdução Atualmente, o esporte possui enorme popularidade no cenário mundial, o que leva milhões de crianças e adolescentes a praticá-lo em alguma escola de iniciação esportiva. Dentre as inúmeras modalidades

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 21/2015 Campus Rio Pomba FOLHA DE PROVA

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 21/2015 Campus Rio Pomba FOLHA DE PROVA Tema 01: METODOLOGIA DO ENSINO DOS ESPORTES INDIVIDUAIS E COLETIVOS O ensino de esportes coletivos na Educação Física escolar deve ser balizado em princípios pedagógicos importantes como a diversidade,

Leia mais

Centro Educacional Brasil Central QNE 24 Lotes 06/10 Avenida SAMDU Norte - Taguatinga/DF Fones: 3354-0046/3354-0048

Centro Educacional Brasil Central QNE 24 Lotes 06/10 Avenida SAMDU Norte - Taguatinga/DF Fones: 3354-0046/3354-0048 Disciplina: Artes Módulo I - Tema: CONCEITO DE ARTE? Módulo II - Tema: RENASCIMENTO Módulo III - Tema: IMPRESSIONISMO Módulo IV - Tema: CUBISMO Disciplina: Ciências Módulo I - Tema: O PLANETA TERRA - O

Leia mais

O Treino ANTF. Acção de Actualização para Treinadores de Jovens

O Treino ANTF. Acção de Actualização para Treinadores de Jovens O Treino Preparar Conduzir Avaliar ANTF Acção de Actualização para Treinadores de Jovens Vítor Urbano O Treino O treino é o acto pedagógico de base do treinador, é o meio da sua intervenção. Através do

Leia mais

INFORMAÇÃO - EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO

INFORMAÇÃO - EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO INFORMAÇÃO - EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA CÓDIGO DA PROVA: 28 ANO LETIVO: 2014/15 MODALIDADE: PROVA PRÁTICA 1. Introdução O presente documento

Leia mais

III CAMPEONATO DE FUTEBOL SUIÇO BEIRA RIO CLUBE DE CAMPO 2015 Troféu Álvaro Wischral Tuti

III CAMPEONATO DE FUTEBOL SUIÇO BEIRA RIO CLUBE DE CAMPO 2015 Troféu Álvaro Wischral Tuti III CAMPEONATO DE FUTEBOL SUIÇO BEIRA RIO CLUBE DE CAMPO 2015 Troféu Álvaro Wischral Tuti Regulamento Geral I Das Disposições Gerais Obs: A COMISSÃO É COMPOSTA pelos integrantes: Rafael Rangel, Sidnei

Leia mais

CAMPEONATO CATARINENSE DE FUTEBOL PROFISSIONAL DA SÉRIE A DE 2016 REGULAMENTO ESPECÍFICO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E DA PARTICIPAÇÃO

CAMPEONATO CATARINENSE DE FUTEBOL PROFISSIONAL DA SÉRIE A DE 2016 REGULAMENTO ESPECÍFICO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E DA PARTICIPAÇÃO CAMPEONATO CATARINENSE DE FUTEBOL PROFISSIONAL DA SÉRIE A DE 2016 REGULAMENTO ESPECÍFICO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E DA PARTICIPAÇÃO Art. 1º O CAMPEONATO CATARINENSE DE FUTEBOL PROFISSIONAL DA SÉRIE A

Leia mais

Esportes de Rebatida. Aula 1. Voleibol, vôlei de praia e voleibol sentado. Rio 2016 Versão 1.0

Esportes de Rebatida. Aula 1. Voleibol, vôlei de praia e voleibol sentado. Rio 2016 Versão 1.0 Esportes de Rebatida Aula 1 Voleibol, vôlei de praia e voleibol sentado Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Apresentar três esportes da categoria REBATIDA e suas principais regras. 2 Conhecer a história desses

Leia mais

JOGANDO NA PRÉ-TEMPORADA. Do mesmo modo, custa-me entender a evolução de um jogador à margem da evolução da equipa.

JOGANDO NA PRÉ-TEMPORADA. Do mesmo modo, custa-me entender a evolução de um jogador à margem da evolução da equipa. JOGANDO NA PRÉ-TEMPORADA Do mesmo modo, custa-me entender a evolução de um jogador à margem da evolução da equipa. Mourinho em Oliveira et alii (2006, pg. 153) Muito se fala da necessidade de um maior

Leia mais

COPA RURAL DE VETERANOS (EDIÇÃO 2014 / 2015) REGULAMENTO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

COPA RURAL DE VETERANOS (EDIÇÃO 2014 / 2015) REGULAMENTO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES COPA RURAL DE VETERANOS (EDIÇÃO 2014 / 2015) REGULAMENTO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Artigo 1º A 13ª Copa Rural de Veteranos (Futebol de Campo), tem como finalidades, contribuir para a integração sócio

Leia mais

COPA GOVERNO DO ESTADO DE SERGIPE 2005 RELAÇÃO DOS CLUBES PARTICIPANTES

COPA GOVERNO DO ESTADO DE SERGIPE 2005 RELAÇÃO DOS CLUBES PARTICIPANTES COPA GOVERNO DO ESTADO DE SERGIPE 2005 RELAÇÃO DOS CLUBES PARTICIPANTES 1) ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA CONFIANÇA 2) ASSOCIAÇÃO OLÍMPICA DE ITABAIANA 3) ATLÉTICO CLUBE LAGARTENSE 4) CLUB SPORTIVO SERGIPE 5) RIACHUELO

Leia mais

Lançamento de projéteis, antenas parabólicas e campeonato de futebol; o que eles têm em comum? Fonte: bp2.blogger.com/.../s400/argentinabrasil5.

Lançamento de projéteis, antenas parabólicas e campeonato de futebol; o que eles têm em comum? Fonte: bp2.blogger.com/.../s400/argentinabrasil5. 1 NRE: Cornélio Procópio Nome do Professor: Marinez Pereira dos Santos Escola: Colégio Estadual Profª Regina Municipío: Uraí e-mail: Tokano Disciplina: Matemática Série: 1ª Conteúdo Estruturante: Funções

Leia mais

CAMPEONATO CATARINENSE DE FUTEBOL PROFISSIONAL DA DIVISÃO PRINCIPAL DE 2010 REGULAMENTO ESPECÍFICO

CAMPEONATO CATARINENSE DE FUTEBOL PROFISSIONAL DA DIVISÃO PRINCIPAL DE 2010 REGULAMENTO ESPECÍFICO CAMPEONATO CATARINENSE DE FUTEBOL PROFISSIONAL DA DIVISÃO PRINCIPAL DE 2010 REGULAMENTO ESPECÍFICO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E DA PARTICIPAÇÃO Art. 1º O CAMPEONATO CATARINENSE DE FUTEBOL PROFISSIONAL DA

Leia mais

A influência aguda da música na avaliação cardiorrespiratória

A influência aguda da música na avaliação cardiorrespiratória IDENTIFICAÇÃO Nome: Alexsander Nascif de Barros Data de Nascimento: 04/09/1987 Endereço: Rua São Bernardo, 174/1 CEP: 36062 260 São Bernardo Juiz de Fora MG Telefones para contato: +55 (32) 8801 4971 /

Leia mais

O SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL PARA ATLETAS PORTADORES DE PARALISIA CEREBRAL

O SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL PARA ATLETAS PORTADORES DE PARALISIA CEREBRAL O SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL PARA ATLETAS PORTADORES DE PARALISIA CEREBRAL Prof. MsC Cláudio Diehl Nogueira Professor Assistente do Curso de Educação Física da UCB Classificador Funcional Sênior

Leia mais