Inclui bibliografia. ISBN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Inclui bibliografia. ISBN 978-85-85458-36-2"

Transcrição

1

2

3

4 Daniele de Brito Wanderley, 2013 Ágalma para esta edição, a edição: setembro, 2013 Editor Marcus do Rio Teixeira Diretora da Coleção De Calças Curtas Daniele de Brito Wanderley Projeto gráfico da capa e primeiras páginas Homem de Melo & Troia Design Revisão Solange Fonseca Depósito legal Impresso no Brasil / Printed in Brazil Todos os direitos reservados Av. Anita Garibaldi, 1815 Centro Médico Empresarial, Bloco B, sala Salvador-Bahia, Brasil Tels: (71) (71) Site: Sistema de Bibliotecas - UFBA Wanderley, Daniele de Brito. Aventuras psicanalíticas com crianças autistas e seus pais / Daniele de Brito Wanderley ; [ prefácio, Inês Catão]. - Salvador : Ágalma, p. : il. - (Coleção de calças curtas ; 10) Inclui bibliografia. ISBN Crianças autistas. 2. Autismo em crianças - Diagnóstico. 3. Autismo em crianças - Tratamento. 4. Pais de crianças autistas. 5. Psicanálise infantil. I. Catão, Inês. II. Título. III. Série. CDD CDU

5 Agradecimentos A lista de agradecimentos é grande porque considero que, apesar de estar sendo escrito por mim, este livro é a síntese de um trabalho engajado com muitas mãos, muitas vozes e olhares. Um agradecimento especial para Alfredo Jeruzalinski e Marie- Christine Laznik, meus mestres, que me permitiram continuar nesta clínica com a segurança de que podia contar com eles para acertar o prumo da direção do tratamento quando muitas vezes me senti à deriva. A Aurélio Souza e Ivete Vilalba, que fizeram a escuta atenta da minha clínica. A Marcus do Rio Teixeira e Angela Baptista, que, mediante o investimento na transmissão da psicanálise através da Editora Ágalma, estimularam e apoiaram a publicação deste livro. A Bernard Golse, Alain Vanier, Filippo Muratori, Marluce Leitgel Gille e Milena Pondé, que me ajudaram a finalizar meu trabalho de mestrado, que neste livro está retomado nos capítulos iniciais. A Inês Catão, pelo estímulo e leitura atenta do livro. A Cláudia Fernandes, pelo interesse partilhado na clínica com o autismo e a interlocução através da pesquisa PREAUT-BRASIL. A todas as fonoaudiólogas, especialmente a Célia Fernandes, com quem dividi a responsabilidade da intervenção terapêutica na maioria dos casos clínicos aqui apresentados. Às terapeutas ocupacionais, psicopedagogas e neurologistas, especialmente a Rita Lucena, que estimulou e contribuiu em muito para minha interlocução entre neurociência e psicanálise. Às coordenadoras e psicólogas das escolas parceiras com quem compartilhei os casos descritos, especialmente a Andaiá Melo e

6 Milene Regis, que acompanharam com atenção e cuidado um grande número de crianças por mim atendidas. A toda a equipe do Núcleo Interdisciplinar de Intervenção Precoce da Bahia NIIP, com a qual tenho podido concretizar projetos voltados para a infância e que me permitem avançar na reflexão crítica da minha prática profissional. Às crianças e às famílias, que depositaram a confiança necessária para manter um trabalho longo e engrandecedor. E, finalmente, um agradecimento especial a meus pais Mário e Marluce, pelo intenso e contínuo estímulo e suporte em todos os momentos da minha vida, a Edgard, pela compreensão e companheirismo, e a meus filhos Alexandre e Tomás que, pacientemente, aprenderam a dividir minha atenção com tantas outras famílias.

7 SUMÁRIO PREFÁCIO Em torno do divã: a construção de uma narrativa com a criança autista, 11 Inês Catão INTRODUÇÃO, 21 O AUTISMO REVISITADO À LUZ DAS NOVAS PESQUISAS Perigosilândia: um mito individual do autista? 31 Autismo: diagnóstico e evolução, 41 Autismo: uma outra inteligência? 60 O que há de invasivo no transtorno? Uma reflexão sobre a evolução dos critérios diagnósticos e nomenclaturas em relação ao autismo, 82 Algumas reflexões sobre o diagnóstico diferencial nos sintomas autísticos, 113 Psicanálise e autismo à luz das novas pesquisas em neurociências, 123 A entrada do bebê no mundo da linguagem e sua relação com o grande Outro parental, 142 Autismo e linguagem: as contribuições dos cognitivistas e psicanalistas, 155 O TRATAMENTO PSICANALÍTICO COM CRIANÇAS AUTISTAS E SUA EVOLUÇÃO O que a psicanálise nos ensina sobre a estruturação psíquica de crianças com sintomas autísticos? 175 Algumas reflexões a respeito do processo de estruturação psíquica de duas crianças diagnosticadas com TID dos 2 aos 7 anos, 191 Silêncio, pare de falar o desafio do analista diante de uma criança autista, 201 A intervenção com bebês com dificuldades de interação é precoce ou a tempo? 212 Algumas propostas sobre a direção do tratamento na clínica com crianças autistas, 226 Psicanálise em uma instituição educacional para autistas? Projeto de uma Clínica Social com ênfase na subjetividade, 259

8

9 PREFÁCIO

10

11 Em torno do divã: a construção de uma narrativa com a criança autista Inês Catão Este primeiro livro de Daniele Brito Wanderlelay é uma tentativa de elaborar e compartilhar uma clínica muito solitária, e, por que não dizer, autística. Tentativa bem- sucedida, o leitor tem agora em mãos o testemunho de uma prática clínica implicada, sedimentada, em um percurso que vem sendo construído já há bastante tempo, e que a autora historia na introdução. Todos nós que trabalhamos com crianças que apresentam um funcionamento psíquico autístico, sabemos quão árdua e solitária é, de fato, esta clínica com os excluídos dos excluídos. Clínica limite, psicanálise às avessas, o psicanalista é chamado aqui a sustentar a ética lacaniana de não ceder ante os impasses colocados, inclusive, à teoria. Como sustentar teoricamente a escolha de um sujeito autista onde ainda não há funcionamento inconsciente organizado como tal? No entanto, sabemos que a recusa ativa ao que vem do campo do Outro está presente desde muito precocemente nessas crianças, sob a forma de recusas alimentares, desvio do olhar, não resposta ao chamado de voz, distúrbios do sono e do tônus postural. Atual, o livro de Daniele reafirma a possibilidade de uma clínica psicanalítica com a criança autista num momento em que vivemos novas tentativas de contestação de sua eficácia. A autora faz 11

12 AVENTURAS PSICANALÍTICAS questão de frisar, porém, a desejável e mesmo necessária parceria com outras abordagens clínicas, como a Integração Sensorial, que refere várias vezes. É reafirmado aqui um dos poucos consensos atuais no que tange ao tratamento dos autismos, isto é, a importância de um trabalho em equipe interdisciplinar. Atuar com crianças pequenas numa perspectiva interdisciplinar em que cada profissional possa saber do seu limite, de seus pontos de ignorância, para que todos possam aprender uns com os outros [...], eis como Daniele define o desafio que a tem movido a empreender propostas as mais diversas, desde publicações, jornadas, congressos e cursos de pós-graduação até este seu primeiro livro, que se inclui nesta série já tão produtiva. Com escrita clara, Daniele discorre em 14 capítulos sobre diversos temas, frequentemente trazendo exemplos de sua prática clínica. No Capítulo 1, a autora aborda, como questão deixada em aberto, o modo de enodamento dos três registros real, simbólico e imaginário (RSI) nos autismos. Deve o autismo integrar o grupo das psicoses, como querem alguns psicanalistas lacanianos, ou estamos diante de uma quarta estrutura, como preferem outros? Para alguns psicanalistas, a síndrome autística é, ainda, a expressão clínica de um impasse extremamente precoce na constituição subjetiva, que compromete o tempo lógico da alienação ao campo da linguagem. Desse modo, o sujeito autista fica exilado do campo do Outro, que não se constitui enquanto tal. Aprisionado a um modo de gozo para aquém da linguagem, o autista está fora do discurso. Tais vicissitudes podem, porém, se diagnosticadas o mais a tempo possível, ser revertidas, como verificamos em alguns casos na clínica. Que mecanismo de defesa está em jogo no autismo? Esta questão complexa é retomada em outros capítulos ao longo do livro. O Capítulo 2 trata do diagnóstico e evolução que, como sabemos, varia de caso para caso. Ela é, no entanto, sempre melhor quando o diagnóstico é feito mais cedo. O Capitulo 3 aponta a ignorância de muitos no sentido da subvalorizar ou não reconhecer a inteligência dos autistas. A autora remete o leitor às autobiografias de autistas de alto funcionamento como Temple Grandin e Donna Williams que, além de contradizerem a falsa ideia de uma deficiência cognitiva primária dos autistas, sem dúvida é literatura a ser 12

13 PREFÁCIO frequentada pelos que pretendem escutá-los. Daniele aponta aqui também importantes questões ainda insuficientemente discutidas sobre a inclusão escolar: O que constatamos é que inúmeras crianças são incluídas na rede regular [de ensino] como bem regulamenta a lei, mas isso não quer dizer que, de fato, um trabalho esteja sendo feito no sentido de tentar tirá-la de seu isolamento. Tal observação encontra respaldo em nossa prática. Quando a criança suporta muito mal permanecer restrita à sala de aula, algumas saídas podem ser necessárias para logo em seguida retornar [...], mas não se deve abrir mão da presença da criança em sala por concluir que ela não suporta a permanência. Daniele relembra que não há modelos, constrói-se no um a um com todas as angústias e riscos que esta situação [de inclusão escolar] implica [...]. A necessidade de adaptação das atividades e avaliação diferenciada [adaptação curricular] se revela imprescindível. O Capítulo 4 traz as mudanças de nomenclatura e de critérios diagnósticos de TID nas classificações mais utilizadas nos últimos anos: DSM III, DSM IV, DSM V e CID 10. Benevolente, Daniele prefere não antecipar a predição de muitos, segundo a qual uma (falsa) epidemia de autismo tenderá a acontecer, mais ainda, com os novos critérios do DSM V. A autora comenta aqui também a utilização de vários instrumentos diagnósticos, como: CARS, SCQ, STAT, DBC, CHAT e M-CHAT, ADI-R e ADOS. Segundo ela, os grandes pesquisadores estão de acordo com um diagnóstico baseado em uso de mais de um instrumento, com uma abordagem multidisciplinar e com dados provenientes de várias fontes, não só da família. O Capítulo 5 traz Algumas reflexões sobre o diagnóstico diferencial nos sintomas autísticos. Sob o título Psicanálise e autismo à luz das novas pesquisas em neurociências, o Capítulo 6 menciona os estudos sobre epigenética e a noção de que o cérebro também se modifica sob a influência das relações humanas. Atualmente, os pesquisadores que trabalham com pesquisas genéticas sabem que a expressão ou não de determinados genes depende da interação com o meio ambiente. Os psicanalistas lacanianos que pesquisam sobre o autismo pensam hoje que alguma coisa falha do lado do bebê. E um bebê 13

14 AVENTURAS PSICANALÍTICAS que não responde como os bebês comuns, destrói em alguns meses as competências dos pais. Cai assim por terra, definitivamente, a acusação feita à psicanálise sobre a culpabilização dos pais. São ainda mencionadas, nesse capítulo, as hipóteses de hipersensibilidade da criança autista e as pesquisas sobre a voz no autismo. A criança autista, hipersensível, vive a alteridade como uma ameaça e dela se defende por evitação. Em relação à voz, objeto do desejo do Outro, ao recusá-la, o autista fica impossibilitado de constituir uma voz que seja sua, uma voz própria. Esquivando-se da alienação, o autista tenta produzir uma fala que seja pura repetição do que lhe chega do campo do Outro, uma fala sem sujeito, sem enunciação. A constituição do sujeito do inconsciente resulta de um jogo dialético de escuta e ensurdecimento. A criança deve poder aceitar o que lhe é dado pelo Outro primordial sob o modo de um dom (alienação) e, a seguir, ensurdecer para a voz do Outro, constituindo o recalque primário (separação). Há um ensurdecimento normal na constituição do funcionamento psíquico. Levantamos a hipótese de que a criança autista não constitui o ensurdecimento necessário para a voz do Outro. O Capítulo 7 trata do interesse do bebê pelos aspectos dinâmicos da palavra materna e do desejo de comunicar dos bebês comuns. O bebê comum demonstra, com horas de nascido, um grande interesse de entrar em relação com outro humano. Ativo, ele não se limita a imitar o outro, mas também o provoca. A apetência simbólica do bebê é construída desde o período da gestação. O Capitulo 8 trata da dificuldade interativa precoce de bebês em risco de evolução autística. Eles teriam dificuldades comunicativas desde o início da vida. É o que mostram as pesquisas a partir de vídeos caseiros realizadas pela equipe da Universidade de Pisa. Bebês de risco não demonstram a apetência simbólica ou a demonstram fracamente. Podemos também supor que tais bebês de risco demonstram o interesse pelo outro de um modo particular. Eles não respondem ao chamado de voz ou respondem apenas quando são muito estimulados, mas, sobretudo, não reiniciam o diálogo quando este é interrompido. A referência a inúmeras cenas de desencontro, de não resposta às convocações parentais, presentes nos estudos de 14

15 PREFÁCIO Pisa nos leva a afirmar o imperativo ético das intervenções ditas precoces (o mais a tempo possível). No Capítulo 9, a autora aponta as bases teóricas para uma clínica psicanalítica com os autismos e a importância do trabalho com as crianças e os pais em sessão. Ao longo de todo o livro, Daniele frisa a importância de um trabalho com os pais. Este trabalho se inicia com o cuidado na comunicação do diagnóstico e passa por garantir aos pais o direito de escolherem as terapias que julgarem necessárias para seus filhos com o conhecimento das opções existentes. Daniele frisa, sobretudo, a importância de contar com os pais no atendimento dos filhos. O Capítulo 10 traz Algumas reflexões a respeito do processo de estruturação psíquica de duas crianças diagnosticadas com TID dos 2 aos 7 anos. No Capítulo 11, Daniele fala do desafio do analista ante uma criança autista. O Capítulo 12 trata, entre outras, da delicada questão que o diagnóstico precoce coloca. Há consenso de que ele favorece o prognóstico. Favorável às intervenções precoces, a autora não deixa de tocar, porém, nos riscos de patologização da infância que esta prática contém, quando os sinais clínicos que indicam que algo não vai bem na interação da criança com os cuidadores, se transforma, rápida e inadvertidamente, em fechamento diagnóstico fora do tempo. O Capitulo 13 traz Algumas propostas sobre a direção de tratamento na clínica com crianças autistas. O tratamento psicanalítico dos autismos, já mencionado anteriormente no livro, tem como objetivo o estabelecimento de um circuito pulsional completo, ao menos para os que pensamos estar diante de um funcionamento em curto-circuito, um circuito encurtado que não passa pelo Outro. Desse modo, a criança tenta organizar um funcionamento frágil, que não é sustentável. Sabemos que o modo autístico de funcionamento psíquico é desvantajoso para a criança, pois compromete o seu desenvolvimento, sua comunicação e a interação social. As intervenções terapêuticas fundamentadas na psicanálise visam a ampliação das possibilidades de que a criança estabeleça um laço com o Outro. Neste contexto terapêutico, 15

16 AVENTURAS PSICANALÍTICAS os sintomas da criança autista são acolhidos como tentativas de organização de uma posição discursiva no campo da linguagem, a exemplo do que propõe Freud em relação ao delírio psicótico. O psicanalista se coloca ao lado da criança e toma seus sintomas como um trabalho em curso a ser escutado. Daniele refere-se à noção lacaniana de suplência como devendo estar no horizonte das estratégias terapêuticas com a criança autista. Ainda no Capítulo 13, a autora se remete uma vez mais ao trabalho com os pais: Ao constatar as dificuldades de interação e comunicação, precisamos compartilhar com os pais nossa preocupação, mesmo que um diagnóstico não precise, neste momento, ser colocado [...]. Os pais não causaram os déficits. E, reafirmando seu estilo: Trabalhar com a interação dos pais, compartilhando os sucessos e fracassos, é sair da pose de quem sabe para a luta de quem faz. Finalmente, o Capítulo 14 traz o relato da experiência em curso de uma parceria com uma instituição educacional, a Associação dos Amigos do Autista AMA, de Salvador. Ela pode servir ao leitor de inspiração para outros trabalhos institucionais. Partilhar dificuldades no manejo clínico, tentativas clínicas bem-sucedidas e questões atuais que dizem respeito ao diagnóstico e ao tratamento é a grande contribuição deste livro generoso que mostra a que veio. Logo no primeiro capítulo, toma emprestado da construção narrativa de um menino com um passado autístico. Perigosilândia é uma cidade fictícia habitada por bebês que são produzidos pelo planeta de forma infinita. Estes bebês nascem prontos, não têm pai nem mãe. E já sabem, ao nascer, tudo direitinho, até falar o R. Eles mesmos se cuidam, cada um cuida de si. Os perigosilândios são, assim, uma espécie de extraterrestres. No planeta deles, não tem trabalho nem dinheiro. Não se casam nem têm filhos. Não brigam, não se chateiam, não ficam decepcionados, nem morrem. Nenhum deles se interessa pelos humanos. Escrito pelas mãos da analista e pela cabeça de Mauro, esta ficção fala de um modo de gozo e tem valor de verdade de um sujeito. Ela abre a narrativa este livro e serve de metáfora ao que pode estar na origem da recusa autística à alienação ao campo do Outro. 16

17 PREFÁCIO Aventuras psicanalíticas com crianças autistas e seus pais é um livro com nome de história infantil que se baseia em histórias de crianças. É a narrativa de uma psicanalista que ousou adentrar um planeta perigoso habitado por crianças a que chamamos de autistas. Elas talvez tenham constituído um modo próprio de viver que dispensa o Outro, mas este não é sem perigo (como o próprio nome indica), nem sem sofrimento, como sabemos. Eis porque este planeta merece que ao menos alguns de nós nos aventuremos a desbravá-lo. Sobre a autora Psicanalista, psiquiatra infantil 17

05.09.08 09.09.08 008594

05.09.08 09.09.08 008594 Copyright Ágalma para a língua portuguesa, 2008 Primeira edição: outubro de 2008 Projeto gráfico da capa e primeiras páginas Homem de Melo & Troia Design Editor Marcus do Rio Teixeira Diretora desta coleção

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

TEA Módulo 3 Aula 2. Processo diagnóstico do TEA

TEA Módulo 3 Aula 2. Processo diagnóstico do TEA TEA Módulo 3 Aula 2 Processo diagnóstico do TEA Nos processos diagnósticos dos Transtornos do Espectro Autista temos vários caminhos aos quais devemos trilhar em harmonia e concomitantemente para que o

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

SOBRE A APARENTE SURDEZ EM CRIANÇAS AUTISTAS Sandra Pavone de Souza

SOBRE A APARENTE SURDEZ EM CRIANÇAS AUTISTAS Sandra Pavone de Souza SOBRE A APARENTE SURDEZ EM CRIANÇAS AUTISTAS Sandra Pavone de Souza A interdisciplina tem se feito presente, aproximando as clínicas fonoaudiológica e psicanalítica com base em interrogações como as que

Leia mais

A importância da família no processo de educar

A importância da família no processo de educar A importância da família no processo de educar A mim me dá pena e preocupação quando convivo com famílias que experimentam a tirania da liberdade em que as crianças podem tudo: gritam, riscam as paredes,

Leia mais

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 I Introdução O objetivo deste trabalho é pensar a questão do autismo pelo viés da noção de estrutura, tal como compreendida

Leia mais

ISBN 978-85-64468-27-6. 1. Psicologia Crianças. I. Título. CDU 159.9-053.2. Catalogação na publicação: Mônica Ballejo Canto CRB 10/1023

ISBN 978-85-64468-27-6. 1. Psicologia Crianças. I. Título. CDU 159.9-053.2. Catalogação na publicação: Mônica Ballejo Canto CRB 10/1023 Pausa no cotidiano L692 Lhullier, Raquel Barboza Pausa no cotidiano: reflexões para pais, educadores e terapeutas / Raquel Barboza Lhullier. Novo Hamburgo : Sinopsys, 2014. 88p. ISBN 978-85-64468-27-6

Leia mais

O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial

O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial das demais? Ari Rehfeld Publicado no livro Gestalt-terapia : e apresentado no Congresso Latino de Gestalt Maceió, 20 a 24 out 2004 Abertura Começo

Leia mais

SEBASTIÃO NELSON FREITAS MANUAL DE VENDAS. Um guia para o profissional de vendas

SEBASTIÃO NELSON FREITAS MANUAL DE VENDAS. Um guia para o profissional de vendas MANUAL DE VENDAS OBRAS DO AUTOR Como planejar suas vendas sem complicar dicas de estratégias e táticas, mais formulários práticos para o planejamento de vendas, coautoria de Abigail Felicciano. 2.ª ed.

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

Latusa digital ano 2 Nº 16 julho de 2005

Latusa digital ano 2 Nº 16 julho de 2005 Latusa digital ano 2 Nº 16 julho de 2005 Uma intervenção Carlos Augusto Nicéas * Escolhi trazer para a nossa Conversação 1, alguns fragmentos do tratamento de um jovem de dezenove anos atualmente, dependente

Leia mais

Eixo Temático: Educação

Eixo Temático: Educação Título: ESTAGIÁRIO NA ESCOLA: TECENDO LAÇOS E CONSTRUINDO SAÚDE Nome do Autor: Maria Isabel Ramos da Silva. Instituição: ONG Tempo de Crescer TCER E-mail: isabelrs76@gmail.com Resumo A Tempo de Crescer

Leia mais

DETECÇÃO E INTERVENÇÃO PRECOCE DE PSICOPATOLOGIAS GRAVES

DETECÇÃO E INTERVENÇÃO PRECOCE DE PSICOPATOLOGIAS GRAVES DETECÇÃO E INTERVENÇÃO PRECOCE DE PSICOPATOLOGIAS GRAVES Laura de Vilhena Abrão Paola Visani Esse estudo faz parte de um projeto de pesquisa maior que surgiu a partir de questões que os profissionais e

Leia mais

Educar em Revista ISSN: 0104-4060 educar@ufpr.br Universidade Federal do Paraná Brasil

Educar em Revista ISSN: 0104-4060 educar@ufpr.br Universidade Federal do Paraná Brasil Educar em Revista ISSN: 0104-4060 educar@ufpr.br Universidade Federal do Paraná Brasil Löhr, Thaise ROGERS, S. J.; DAWSON, G. Intervenção precoce em crianças com autismo: modelo Denver para a promoção

Leia mais

CASAL. Série Prática Clínica. e Prática Clínica. Série Prática Clínica Série Prática Clínica. Série Prática Clínica. Série Prática Clínica

CASAL. Série Prática Clínica. e Prática Clínica. Série Prática Clínica Série Prática Clínica. Série Prática Clínica. Série Prática Clínica e Prática Clínica Atendimento Psicanalítico de CASAL Atendimento PsicANALÍTICO DE CASAl Isabel Cristina Gomes Lidia Levy e cols. Coordenação da Série Isabel Cristina Gomes z Zagodoni Editora Copyright

Leia mais

A PSICANÁLISE E SEUS PARADOXOS

A PSICANÁLISE E SEUS PARADOXOS IVAN CORRÊA A PSICANÁLISE E SEUS PARADOXOS Seminários Clínicos CENTRO DE ESTUDOS FREUDIANOS DO RECIFE Copyright Ivan Corrêa, 2001 Copyright Ágalma, 2001 Março, 2001 Capa e projeto gráfico da coleção Homem

Leia mais

A clínica da anorexia no hospital, um caso. Aline Martins 1. Selma Correia da Silva 2

A clínica da anorexia no hospital, um caso. Aline Martins 1. Selma Correia da Silva 2 A clínica da anorexia no hospital, um caso. Aline Martins 1 Selma Correia da Silva 2 Neste trabalho pretendemos discutir a articulação do discurso da Psicanálise com o discurso da Medicina, destacando

Leia mais

Índices para catálogo sistemático: Formação de professores 370.71 Didática - Métodos de ensino instrução e estudo Pedagogia 371.3

Índices para catálogo sistemático: Formação de professores 370.71 Didática - Métodos de ensino instrução e estudo Pedagogia 371.3 Conselho Editorial Av. Carlos Salles Block, 658 Ed. Altos do Anhangabaú, 2º Andar, Sala 21 Anhangabaú - Jundiaí-SP - 13208-100 11 4521-6315 2449-0740 contato@editorialpaco.com.br Profa. Dra. Andrea Domingues

Leia mais

A fala freada Bernard Seynhaeve

A fala freada Bernard Seynhaeve Opção Lacaniana online nova série Ano 1 Número 2 Julho 2010 ISSN 2177-2673 Bernard Seynhaeve Uma análise é uma experiência de solidão subjetiva. Ela pode ser levada suficientemente longe para que o analisante

Leia mais

"Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1

Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica. 1 V Congresso de Psicopatologia Fundamental "Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1 Autora: Lorenna Figueiredo de Souza. Resumo: O trabalho apresenta

Leia mais

Será inserido a logo da XX SEMANA DE PEDAGOGIA 2013

Será inserido a logo da XX SEMANA DE PEDAGOGIA 2013 Anais da Semana de Pedagogia da UEM ISSN Online: 2316-9435 XX Semana de Pedagogia da UEM VIII Encontro de Pesquisa em Educação / I Jornada Parfor O PAPEL DA FAMÍLIA DIANTE DAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM

Leia mais

QUE TIPO DE PESSOA QUERO EM MINHA EQUIPE? Crédito da Apresentação: Diretora Milene Nader

QUE TIPO DE PESSOA QUERO EM MINHA EQUIPE? Crédito da Apresentação: Diretora Milene Nader QUE TIPO DE PESSOA QUERO EM MINHA EQUIPE? Crédito da Apresentação: Diretora Milene Nader VOCÊ CONHECE ALGUÉM QUE: Quer ganhar dinheiro; Quer uma renda extra; Deseja conhecer pessoas e fazer novas amizades;

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU Ano: 2014/2015 1 - JUSTIFICATIVA A hospitalização pode ser experienciada como um dos momentos mais delicados e difíceis do processo do adoecer. Isso porque

Leia mais

O paradoxo da creche: lugar de acolhimento, lugar de separação A influência das práticas institucionais na creche sobre a saúde mental dos bebês

O paradoxo da creche: lugar de acolhimento, lugar de separação A influência das práticas institucionais na creche sobre a saúde mental dos bebês O paradoxo da creche: lugar de acolhimento, lugar de separação A influência das práticas institucionais na creche sobre a saúde mental dos bebês Regina Orth de Aragão Sumário Breve histórico. O acolhimento

Leia mais

AUTISMO: CONVÍVIO ESCOLAR, UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO.

AUTISMO: CONVÍVIO ESCOLAR, UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO. AUTISMO: CONVÍVIO ESCOLAR, UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO. Anne Caroline Silva Aires- UEPB Marta Valéria Silva Araújo- UEPB Gabriela Amaral Do Nascimento- UEPB RESUMO Este trabalho tem como objetivo apresentar

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

Sigamos! Estas declarações reacionárias são prêmios de direitos humanos às avessas. Meus cumprimentos a todos os lutadores presentes.

Sigamos! Estas declarações reacionárias são prêmios de direitos humanos às avessas. Meus cumprimentos a todos os lutadores presentes. DISCURSO DO ALDO ZAIDEN NO 1º CONGRESSO INTERNACIONAL SOBRE DROGAS SAÚDE, LEI E SOCIEDADE. BRASÍLIA, MAIO DE 2013. Boa tarde, Hoje tomarei a liberdade de detalhar um tema que perpassou quase todas as discussões

Leia mais

Psicose pós-parto. A psicose pós-parto é um quadro de depressão pós-parto mais grave e mais acentuado, pois na psicose pós-parto existe o

Psicose pós-parto. A psicose pós-parto é um quadro de depressão pós-parto mais grave e mais acentuado, pois na psicose pós-parto existe o Psicose pós-parto Pode ir desde uma leve tristeza que desaparece com o passar dos dias até um grau mais grave de depressão onde é necessária uma rápida intervenção médica. Este estágio é chamado de psicose

Leia mais

Título: Entrevista com Fabián Naparstek

Título: Entrevista com Fabián Naparstek Título: Entrevista com Fabián Naparstek Autor: Didier Velásquez Vargas Psicanalista em Medellín, Colômbia. Psychoanalyst at Medellín, Colômbia. E-mail: didiervelasquezv@une.net.co Resumo: Entrevista com

Leia mais

PSICOPEDAGOGO: QUAL É A SUA FUNÇÃO?

PSICOPEDAGOGO: QUAL É A SUA FUNÇÃO? PSICOPEDAGOGO: QUAL É A SUA FUNÇÃO? Élida Mara de Jesus Dias (PUC-SP) Resumo Este artigo tem como objetivo analisar a atuação do psicopedagogo frente às dificuldades no processo ensino-aprendizagem na

Leia mais

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010.

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. Os nomes dos modos de sofrimentos atuais, ou, Transtornos

Leia mais

De onde vem a resistencia? 1

De onde vem a resistencia? 1 De onde vem a resistencia? 1 Maria Lia Avelar da Fonte 2 1 Trabalho apresentado na Jornada Freud-lacaniana. 2 M dica, psicanalista membro de Intersecção Psicanalítica do Brasil. De onde vem a resistência?

Leia mais

Atendimento clínico à criança: são cinco salas para o atendimento à. Atendimento Individual: casos que necessitarão de uma atenção

Atendimento clínico à criança: são cinco salas para o atendimento à. Atendimento Individual: casos que necessitarão de uma atenção Atividades e Projetos Núcleo Clínica com crianças Atendimento clínico à criança: são cinco salas para o atendimento à criança e sua família. Atendimento Individual: casos que necessitarão de uma atenção

Leia mais

Clínica psicanalítica com crianças

Clínica psicanalítica com crianças Clínica psicanalítica com crianças Ana Marta Meira* A reflexão sobre a clínica psicanalítica com crianças aponta para múltiplos eixos que se encontram em jogo no tratamento, entre estes, questões referentes

Leia mais

Faculdade de Ciências Humanas FUMEC Curso de Psicologia Abordagem Centrada na Pessoa

Faculdade de Ciências Humanas FUMEC Curso de Psicologia Abordagem Centrada na Pessoa Faculdade de Ciências Humanas FUMEC Curso de Psicologia Abordagem Centrada na Pessoa ACEITAÇÃO Ruy Miranda 1. O que é aceitação? Aceitar significa receber. Uma pessoa recebe a outra, abre as portas para

Leia mais

Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise

Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise Manoel Tosta Berlinck Um projeto de pesquisa é um objeto escrito que resulta de um processo de elaboração, esclarecimento e precisão.

Leia mais

Para o XVIII Encontro Latino-americano Winnicott contemporâneo. Desde Winnicott reflexões sobre a dimensão corporal da transferência

Para o XVIII Encontro Latino-americano Winnicott contemporâneo. Desde Winnicott reflexões sobre a dimensão corporal da transferência Para o XVIII Encontro Latino-americano Winnicott contemporâneo Tema Livre: Desde Winnicott reflexões sobre a dimensão corporal da transferência Autora: Ivanise Fontes Cada vez são mais evidentes os aspectos

Leia mais

A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA

A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA 1 A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA Glória Maria Alves Ferreira Cristofolini RESUMO Sala de aula, lugar de construção do saber, de alegrias e sensibilidades. É assim que penso o verdadeiro sentido

Leia mais

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania?

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? 2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? Giselle Fleury(IP/UERJ), Heloisa Caldas(IP/UERJ) Para pensar, neste trabalho, a neurose e a psicose em relação

Leia mais

Tratamento da dependência do uso de drogas

Tratamento da dependência do uso de drogas Tratamento da dependência do uso de drogas Daniela Bentes de Freitas 1 O consumo de substâncias psicoativas está relacionado a vários problemas sociais, de saúde e de segurança pública, sendo necessário

Leia mais

Público Alvo: Investimento: Disciplinas:

Público Alvo: Investimento: Disciplinas: A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

IDOSO. Série Prática Clínica. e Prática Clínica. Série Prática Clínica Série Prática Clínica. Série Prática Clínica. Série Prática Clínica

IDOSO. Série Prática Clínica. e Prática Clínica. Série Prática Clínica Série Prática Clínica. Série Prática Clínica. Série Prática Clínica e Prática Clínica Atendimento Psicanalítico do IDOSO Atendimento Psicanalítico do IDOSO Ângela Mucida Coordenação da Série Isabel Cristina Gomes z Zagodoni Editora Copyright 2014 by Ângela Mucida Todos

Leia mais

Abertura do I Colóquio sobre Psicanálise e Educação Clínica d ISS

Abertura do I Colóquio sobre Psicanálise e Educação Clínica d ISS Abertura do I Colóquio sobre Psicanálise e Educação Clínica d ISS Samyra Assad Abrir o Iº Colóquio sobre Psicanálise e Educação é, dar início não somente aos trabalhos que a partir de agora se seguirão,

Leia mais

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira Transtornos Neuróticos Aspectos históricos A distinção neuroses e psicoses foi, durante

Leia mais

Introdução. Caminante, no hay camino, Se hace el camino al andar Antonio Machado

Introdução. Caminante, no hay camino, Se hace el camino al andar Antonio Machado Introdução Caminante, no hay camino, Se hace el camino al andar Antonio Machado O presente trabalho tem como objetivo a discussão em torno da conceituação do afeto em psicanálise, através do diálogo entre

Leia mais

O SER WINNICOTTIANO E A CLÍNICA DA PÓS-MODERNIDADE. Winnicott viveu em uma época em que a concepção de pós-modernidade estava se

O SER WINNICOTTIANO E A CLÍNICA DA PÓS-MODERNIDADE. Winnicott viveu em uma época em que a concepção de pós-modernidade estava se 1 O SER WINNICOTTIANO E A CLÍNICA DA PÓS-MODERNIDADE Nahman Armony Winnicott viveu em uma época em que a concepção de pós-modernidade estava se formando, e, sabedor ou não disto, contribuiu com conceitos

Leia mais

CULTURA ESCOLAR E FEMINALIDADE NO SÉCULO XX: O GÊNERO IMPRESSO NOS MANUAIS DIDÁTICOS

CULTURA ESCOLAR E FEMINALIDADE NO SÉCULO XX: O GÊNERO IMPRESSO NOS MANUAIS DIDÁTICOS CULTURA ESCOLAR E FEMINALIDADE NO SÉCULO XX: O GÊNERO IMPRESSO NOS MANUAIS DIDÁTICOS Wilson Camerino dos Santos Junior Instituto Federal do Espírito Santo/ caducamerino@yahoo.com.br RESUMO A pesquisa apresenta

Leia mais

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica.

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. Silvana Maria de Barros Santos Entre o século XVI a XIX, as transformações políticas, sociais, culturais e o advento da

Leia mais

AFORISMOS DE JACQUES LACAN

AFORISMOS DE JACQUES LACAN AFORISMOS DE JACQUES LACAN Marco Antonio Coutinho Jorge (org.) O texto de Lacan, assim como o de Swedenborg, segundo Borges, é daqueles que expõe tudo com autoridade, com uma tranqüila autoridade. Ciente,

Leia mais

Condições de Trabalho e Formação de Professoras Atuantes no Ciclo I do Ensino Fundamental

Condições de Trabalho e Formação de Professoras Atuantes no Ciclo I do Ensino Fundamental Condições de Trabalho e Formação de Professoras Atuantes no Ciclo I do Ensino Fundamental Conselho Editorial Av. Carlos Salles Block, 658 Ed. Altos do Anhangabaú, 2º Andar, Sala 21 Anhangabaú - Jundiaí-SP

Leia mais

Rafael Saliba Regis Fundação de Assistência Especializada de Nova Lima - FAENOL

Rafael Saliba Regis Fundação de Assistência Especializada de Nova Lima - FAENOL QUANDO A CLÍNICA ENCONTRA A ESCOLA: O TRATAMENTO DO AUTISMO E AS SAÍDAS POSSÍVEIS DE UMA INCLUSÃO Rafael Saliba Regis Fundação de Assistência Especializada de Nova Lima - FAENOL Rua Divinópolis, 318/201,

Leia mais

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA QUESTÃO 38 Rosa está com 56 anos de idade e vive em um hospital psiquiátrico desde os 28 anos de idade. Em seu prontuário, encontra-se que ela é doente mental desde

Leia mais

PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO ESTUDANTIL PARA PRIMEIROS EMPREGOS www.noprimeiroemprego.com.br. Jovem Conectado Curitiba: PROEPE, 2015 36p. il. Título.

PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO ESTUDANTIL PARA PRIMEIROS EMPREGOS www.noprimeiroemprego.com.br. Jovem Conectado Curitiba: PROEPE, 2015 36p. il. Título. Impressão Acabamento Editora Mona Ltda - ME Rua José Bajerski, 271 Curitiba/ PR Cep: 82.220-320 Fone (41) 3068-9009 Fax (41) 3068-9008 www.graficamonalisa.com.br PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO ESTUDANTIL PARA

Leia mais

apropriados para uma relação terapeuta e cliente possa ser segura.

apropriados para uma relação terapeuta e cliente possa ser segura. QUESTÕES ÉTICAS EM PSICOTERAPIA Dilemas éticos para o século XXI Roberto Faustino de Paula ÉTICA O termo ética vem do grego ethos (caráter, modo de ser de uma pessoa), significando um conjunto de valores

Leia mais

Terapia Analítica. Terapia analitica (S. Freud) (Conferências introdutórias à Psicanálise, Teoria Geral das Neuroses, 1916/17)

Terapia Analítica. Terapia analitica (S. Freud) (Conferências introdutórias à Psicanálise, Teoria Geral das Neuroses, 1916/17) Terapia Analítica Terapia analitica (S. Freud) (Conferências introdutórias à Psicanálise, Teoria Geral das Neuroses, 1916/17) A sugestão. O caráter transitório de seus efeitos lembra os efeitos igualmente

Leia mais

A CRIAÇÃO DE DESENHOS-ESTÓRIAS NA PSICOTERAPIA DE UM ADOLESCENTE COM SÍNDROME DE ASPERGER. Bráulio Eloi de Almeida Porto RESUMO

A CRIAÇÃO DE DESENHOS-ESTÓRIAS NA PSICOTERAPIA DE UM ADOLESCENTE COM SÍNDROME DE ASPERGER. Bráulio Eloi de Almeida Porto RESUMO A CRIAÇÃO DE DESENHOS-ESTÓRIAS NA PSICOTERAPIA DE UM ADOLESCENTE COM SÍNDROME DE ASPERGER Bráulio Eloi de Almeida Porto RESUMO A Síndrome de Asperger, patologia do espectro do autismo, mantém preservada

Leia mais

1. Autismo em crianças. 2. Psicoses em crianças. 3. Psicanálise infantil. I. Título. II. Série. 08-3843. CDD: 618.928982 CDU: 159.964.2-053.

1. Autismo em crianças. 2. Psicoses em crianças. 3. Psicanálise infantil. I. Título. II. Série. 08-3843. CDD: 618.928982 CDU: 159.964.2-053. Copyright Ágalma para a língua portuguesa, 2008 Copyright da autora, 2008 1 a edição: outubro de 2008 Projeto gráfico da capa e primeiras páginas Homem de Melo & Troia Design Editor Marcus do Rio Teixeira

Leia mais

1 É possível que você tenha TDAH?

1 É possível que você tenha TDAH? 1 É possível que você tenha TDAH? As experiências que você acabou de ler lhe parecem familiares? Estas são as vozes dos adultos com TDAH. O primeiro comentário atinge o próprio cerne do que é o TDAH. Esta

Leia mais

O profissional também tem um relevante papel em ajudar a família a se engajar no tratamento de sua criança, tanto oferecendo a ela recursos para

O profissional também tem um relevante papel em ajudar a família a se engajar no tratamento de sua criança, tanto oferecendo a ela recursos para 5- Conclusão: O presente programa de intervenção precoce é perfeitamente aplicável, desde que algumas recomendações sejam feitas com relação a alguns de seus procedimentos e às categorias de desenvolvimento

Leia mais

8 Andréa M.C. Guerra

8 Andréa M.C. Guerra Introdução A loucura sempre suscitou curiosidade, temor, atração. Desde a época em que os loucos eram confinados em embarcações errantes, conforme retratado na famosa tela Nau dos loucos, de Hieronymus

Leia mais

A Inclusão do Pedagogo no ambiente hospitalar - ainda uma conquista.

A Inclusão do Pedagogo no ambiente hospitalar - ainda uma conquista. A Inclusão do Pedagogo no ambiente hospitalar - ainda uma conquista. Jacyara Coy Souza Evangelista 1 Faz algum tempo, que os cuidados com os pacientes, não se concentram mais entre os profissionais de

Leia mais

Um na Estrada Caio Riter

Um na Estrada Caio Riter Um na Estrada Caio Riter PROJETO DE LEITURA 1 O autor Caio Riter nasceu em 24 de dezembro, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. É bacharel em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, pela Pontifícia

Leia mais

Considerações acerca da transferência em Lacan

Considerações acerca da transferência em Lacan Considerações acerca da transferência em Lacan Introdução Este trabalho é o resultado um projeto de iniciação científica iniciado em agosto de 2013, no Serviço de Psicologia Aplicada do Instituto de Psicologia

Leia mais

Cuidados Paliativos em Câncer

Cuidados Paliativos em Câncer Cuidados Paliativos em Câncer Temos assistido nas últimas décadas a um envelhecimento progressivo da população, assim como o aumento da prevalência do câncer. O avanço tecnológico alcançado, associado

Leia mais

Diagnóstico: um sintoma? O diagnóstico em psiquiatria tem uma história. Sua principal função é de ser um instrumento

Diagnóstico: um sintoma? O diagnóstico em psiquiatria tem uma história. Sua principal função é de ser um instrumento Diagnóstico: um sintoma? Larissa de Figueiredo Rolemberg Mendonça e Manoel Tosta Berlinck (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUC/SP) O diagnóstico em psiquiatria tem uma história. Sua principal

Leia mais

www.aamparaautismo.org.br - aamparaautismo@yahoo.com.br (41) 8416-9537 Rua Pres. Carlos Cavalcanti, 598 Centro Curitiba PR

www.aamparaautismo.org.br - aamparaautismo@yahoo.com.br (41) 8416-9537 Rua Pres. Carlos Cavalcanti, 598 Centro Curitiba PR www.aamparaautismo.org.br - aamparaautismo@yahoo.com.br (41) 8416-9537 Rua Pres. Carlos Cavalcanti, 598 Centro Curitiba PR ROSIMERE BENITES Dados Pessoais: Casada: Reinaldo Benites Filha: Beatriz Benites

Leia mais

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 Elza Macedo Instituto da Psicanálise Lacaniana IPLA São Paulo, 2008 A angústia é um afeto Lacan (2005) dedica o Seminário de 1962-1963 à angústia. Toma a experiência

Leia mais

FISIOTERAPIA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES POR MEIO DE ATIVIDADES DE PROMOÇÃO, PREVENÇÃO E RECUPERAÇÃO DA SAÚDE

FISIOTERAPIA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES POR MEIO DE ATIVIDADES DE PROMOÇÃO, PREVENÇÃO E RECUPERAÇÃO DA SAÚDE FISIOTERAPIA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES POR MEIO DE ATIVIDADES DE PROMOÇÃO, PREVENÇÃO E RECUPERAÇÃO DA SAÚDE GERMANO¹, Cristina de Fátima Martins; LEMOS², Moema Teixeira Maia; LIMA 3, Vânia Cristina Lucena;

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS. 3º Encontro - 31 de agosto 2015. No começo era o amor (Cap.

GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS. 3º Encontro - 31 de agosto 2015. No começo era o amor (Cap. GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS 3º Encontro - 31 de agosto 2015 No começo era o amor (Cap.I) No primeiro capítulo do Livro 8, Lacan (1960-1961) inicia com

Leia mais

AUTISMOS: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA SE PENSAR

AUTISMOS: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA SE PENSAR AUTISMOS: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA SE PENSAR O SUJEITO EM PSICANÁLISE* Nina Virginia de Araújo Leite** RESUMO A partir de algumas observações clínicas a respeito de crianças autistas, o presente artigo busca

Leia mais

Direção do tratamento no atendimento de crianças com autismo e sindromes neurológicas

Direção do tratamento no atendimento de crianças com autismo e sindromes neurológicas Direção do tratamento no atendimento de crianças com autismo e sindromes neurológicas Patrícia do Socorro Nunes Pereira 1 Roseane Freitas Nicolau 2 Apresantamos discussões sobre a direção do tratamento

Leia mais

O BRINCAR COMO MEDIADOR DE INTERAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM EM CRIANÇAS AUTISTAS

O BRINCAR COMO MEDIADOR DE INTERAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM EM CRIANÇAS AUTISTAS O BRINCAR COMO MEDIADOR DE INTERAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM EM CRIANÇAS AUTISTAS BEZERRA 1, Aíla Murielle Medeiros CORDEIRO 1, Ingrydh KOCH 1, Bernard; LIMA 1, Tácia Adriana Florentino de NUNES

Leia mais

ADOLESCÊNCIA: PSICOPATOLOGIAS E CLÍNICA PSICANALÍTICA

ADOLESCÊNCIA: PSICOPATOLOGIAS E CLÍNICA PSICANALÍTICA ADOLESCÊNCIA: PSICOPATOLOGIAS E CLÍNICA PSICANALÍTICA MARIA DA GLORIA SCHWAB SADALA 1. BREVE CURRICULO PSICÓLOGA E PSICANALISTA DOUTORA, MESTRE E ESPECIALISTA PELA UFRJ COORDENADORA DO MESTRADO EM PSICANÁLISE

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA ANEXO II DA RESOLUÇÃO CEPEC Nº 952 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA NÚCLEO COMUM Análise do comportamento O método experimental na análise das relações comportamentais complexas:

Leia mais

Um elefante incomoda muita gente, dois elefantes... Sandra Luiza Nunes Caseiro 1

Um elefante incomoda muita gente, dois elefantes... Sandra Luiza Nunes Caseiro 1 Um elefante incomoda muita gente, dois elefantes... Sandra Luiza Nunes Caseiro 1 Estive pensando sobre os conflitos e as frustrações na Vida em Família, e a primeira consideração que me ocorreu foi: precisamos

Leia mais

Introdução à Lingüística Cognitiva. Teorias Lingüísticas II Prof. Márcio Leitão

Introdução à Lingüística Cognitiva. Teorias Lingüísticas II Prof. Márcio Leitão Introdução à Lingüística Cognitiva Teorias Lingüísticas II Prof. Márcio Leitão Confronto com a teoria gerativa (Martelotta & Palomares, 2008) Nega a autonomia da sintaxe e o caráter formal da linguagem

Leia mais

Relacionamento Amoroso

Relacionamento Amoroso CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Relacionamento Amoroso Luisa Guedes Di Mauro Natália Gióia Cípola

Leia mais

Leituras rebeldes: a presença de Maria Helena Souza Patto na História da Psicologia e da Educação

Leituras rebeldes: a presença de Maria Helena Souza Patto na História da Psicologia e da Educação Mnemosine Vol.8, nº2, p. 331-336 (2012) Biografia Leituras rebeldes: a presença de Maria Helena Souza Patto na História da Psicologia e da Educação Marcelo de Abreu Maciel Roger Chartier é um historiador

Leia mais

LEITURA E LÍNGUA ESTRANGEIRA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

LEITURA E LÍNGUA ESTRANGEIRA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS LEITURA E LÍNGUA ESTRANGEIRA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Luziana de Magalhães Catta Preta PG/ UFF Nesta comunicação, conforme já dito no título, desejamos apresentar os resultados parciais de uma pesquisa

Leia mais

Depressão Algumas considerações sobre seu entendimento e seu tratamento

Depressão Algumas considerações sobre seu entendimento e seu tratamento Depressão Algumas considerações sobre seu entendimento e seu tratamento Carmem Dametto Depressão Algumas considerações sobre seu entendimento e seu tratamento 1ª Edição POD Petrópolis KBR 2014 Revisão

Leia mais

ENTREVISTA DE EMPREGO. Prof. Hamilton Ferreira de Assis aprimore.capacitacao@hotmail.com www.aprimore.net

ENTREVISTA DE EMPREGO. Prof. Hamilton Ferreira de Assis aprimore.capacitacao@hotmail.com www.aprimore.net ENTREVISTA DE EMPREGO Prof. Hamilton Ferreira de Assis aprimore.capacitacao@hotmail.com www.aprimore.net CNPJ: 13.103.583/0001-28 Rua Tomé de Souza, 418, Sarandi. Candeias-Ba E-mail: aprimore.capacitacao@hotmail.com

Leia mais

Processo Diagnóstico: CID/DSM/Diagnóstico Diferencial. Módulo 3: Aspectos Diagnósticos

Processo Diagnóstico: CID/DSM/Diagnóstico Diferencial. Módulo 3: Aspectos Diagnósticos + Processo Diagnóstico: CID/DSM/Diagnóstico Diferencial Módulo 3: Aspectos Diagnósticos + Processo Diagnóstico do TEA Suspeita dos pais/cuidadores/professores Avaliação médica e não-médica (escalas de

Leia mais

AUTISMO: O QUE DIZEM AS PESQUISAS PUBLICADAS NA REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL?

AUTISMO: O QUE DIZEM AS PESQUISAS PUBLICADAS NA REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL? AUTISMO: O QUE DIZEM AS PESQUISAS PUBLICADAS NA REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL? Getsemane de Freitas Batista IM/UFRRJ Márcia Denise Pletsch PPGEDUC/UFRRJ Eixo Temático: Política Educacional Inclusiva

Leia mais

Contexto cultural contemporâneo: o declínio da função paterna e a posição subjetiva da criança

Contexto cultural contemporâneo: o declínio da função paterna e a posição subjetiva da criança Contexto cultural contemporâneo: o declínio da função paterna e a posição subjetiva da criança Manuela Rossiter Infância - tempo de brincar, coisa séria. Sônia Pereira Pinto da Motta O atendimento de crianças

Leia mais

De acordo com estudos recentes o autismo é mais freqüente em pessoas do sexo masculino.

De acordo com estudos recentes o autismo é mais freqüente em pessoas do sexo masculino. 1 AUTISMO Autismo é um distúrbio do desenvolvimento que se caracteriza por alterações presentes desde idade muito precoce, com impacto múltiplo e variável em áreas nobres do desenvolvimento humano como

Leia mais

PSICOPEDAGOGO INSTITUCIONAL: CONTRIBUIÇÕES DE UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA

PSICOPEDAGOGO INSTITUCIONAL: CONTRIBUIÇÕES DE UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA PSICOPEDAGOGO INSTITUCIONAL: CONTRIBUIÇÕES DE UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA Resumo Jéssica Danieli Ramos da Rosa 1 - UNÍNTESE Grupo de trabalho - Psicopedagogia Agência Financiadora: não contou com financiamento

Leia mais

SIM, É PRECISO FALAR SOBRE KEVIN: diálogo entre Psicanálise e cinema.

SIM, É PRECISO FALAR SOBRE KEVIN: diálogo entre Psicanálise e cinema. SIM, É PRECISO FALAR SOBRE KEVIN: diálogo entre Psicanálise e cinema. Aline Seidl (Acadêmica de Psicologia, UNICENTRO) Gislaine de Fátima de Oliveira (Acadêmica de Psicologia, UNICENTRO) Thais Bronislawski

Leia mais

PROJETO AUTOBIOGRAFIAS.

PROJETO AUTOBIOGRAFIAS. Experiências significativas no desenvolvimento de Projetos Sociais. PROJETO AUTOBIOGRAFIAS. Gabriela Junqueira De Marco. Faculdade de Educação, Ciências e Artes Dom Bosco de Monte Aprazível-SP. Alfsolidaria@faeca.com.br

Leia mais

Produção de Texto 5º ano

Produção de Texto 5º ano Produção de Texto 5º ano Quando pequenos, aprendemos que, para conviver em grupo, sempre as coisas vão acontecer conforme as nossas pretensões. Aos poucos, nos relacionamentos com a nossa família, vamos

Leia mais

A Educação Física no contexto escolar

A Educação Física no contexto escolar Marcelo JosÉ Alves A Educação Física no contexto escolar Interdisciplinarizando o conhecimento e construindo os saberes 2011 Marcelo José Alves Direitos desta edição adquiridos pela Paco Editorial. Nenhuma

Leia mais

Que Narciso é esse? (Henrique Figueiredo Carneiro henrique@unifor.br) Edição do Autor, 2007, 14 p. (DVD-book)

Que Narciso é esse? (Henrique Figueiredo Carneiro henrique@unifor.br) Edição do Autor, 2007, 14 p. (DVD-book) 251 Que Narciso é esse? (Henrique Figueiredo Carneiro henrique@unifor.br) Edição do Autor, 2007, 14 p. (DVD-book) Autor da resenha Thiago Costa Matos Carneiro da Cunha Psicanalista. Graduado em Psicologia

Leia mais

Comentários sobre o artigo Autismo e subjetividade materna

Comentários sobre o artigo Autismo e subjetividade materna Comentários sobre o artigo Autismo e subjetividade materna I Farei o comentário do texto Autismo e Subjetividade Materna do Núcleo de Pesquisa de Psicanálise e Criança Carrossel do IPB-Bahia que tem como

Leia mais

DIÁLOGOS A pluralidade e as singularidades em nossa transmissão

DIÁLOGOS A pluralidade e as singularidades em nossa transmissão DIÁLOGOS A pluralidade e as singularidades em nossa transmissão Diálogos da última edição deste Boletim trouxe os bastidores e um pouco da história dos nossos eventos. Desta feita, apontamos nossa mira

Leia mais

INTERSETORIALIDADE E AUTISMO

INTERSETORIALIDADE E AUTISMO INTERSETORIALIDADE E AUTISMO Daniel de Sousa Filho Psiquiatra da Infância e Adolescência Mestre em Distúrbios do Desenvolvimento UPM Introdução Kanner, 1943 Asperger, 1944 Bleuler, 1906 Transtornos do

Leia mais

INTRODUÇÃO AO TEMA DA NORMOSE

INTRODUÇÃO AO TEMA DA NORMOSE INTRODUÇÃO AO TEMA DA NORMOSE Pierre Weil O que nos reúne neste encontro talvez seja um dos conceitos mais importantes gerados pelo movimento holístico. O paradigma holístico, que é de renovação de visão

Leia mais

Autismo: a luta contra discriminação 1

Autismo: a luta contra discriminação 1 XXI Prêmio Expocom 2014 Exposição da Pesquisa Experimental em Comunicação 1 Autismo: a luta contra discriminação 1 Marcela MORAES2 Iara de Nazaré Santos RODRIGUES³ Jonária FRANÇA4 Faculdade Boas Novas

Leia mais

Mentiras, roubos e pichações (Transtorno de conduta)

Mentiras, roubos e pichações (Transtorno de conduta) Mentiras, roubos e pichações (Transtorno de conduta) Leila Maria Amaral Ribeiro 1, Marina Janzen Kassab 2, Samantha Lemos Ferreira da Silva 2 Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Psiquiatria.

Leia mais