Q = m. I t. I tem mesma direção. DINÂMICA de PARTÍCULAS Impulso, Quantidade de Movimento e Colisões. MOMENTO LINEAR: (de uma partícula)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Q = m. I t. I tem mesma direção. DINÂMICA de PARTÍCULAS Impulso, Quantidade de Movimento e Colisões. MOMENTO LINEAR: (de uma partícula)"

Transcrição

1 MOMENTO LINEAR: (de uma partícula) Num parque de diversões um dos brinquedos mais disputados pelos frequentadores é o autopista, também conhecido como carrinhos batebate. Quem já brincou num desses sabe a diferença que faz o tipo de colisão (frontal ou não) e se no choque o outro corpo tem mais ou tem menos massa. Por trás da explicação desses fenômenos está uma grandeza chamada momento linear, também designada por quantidade de movimento ou ainda momentum (Q ). Q = m. v IMPULSO: (de uma FORÇA) Definimos como Impulso de uma força o produto dessa força pelo intervalo de tempo que a força atua: Matematicamente, quando a força é constante, temos: F (constante) I = F. t F F (variável) ] t I tem mesma direção e mesmo sentido que F Área tem mesmo valor que o módulo de I 132

2 TEOREMA DO IMPULSO O impulso determinado pela resultante de todas as forças externas que agem durante certo intervalo de tempo sobre um ponto material é igual ao incremento da quantidade de movimento do ponto durante o mesmo intervalo. Matematicamente temos: I = Q LEMBRE - SE Teorema do impulso e 2ª Lei Newton 133

3 COLISÕES FRONTAIS e UNIDIRECIONAIS Nas colisões (ou choques) frontais e unidirecionais, os corpos movem-se antes e após a colisão numa única direção. Além disso, por ser frontal, os corpos não adquirem rotação após a colisão. Pode-se classificar os choques como segue a seguir: CHOQUE ELÁSTICO INELÁSTICO ( E C (f) << E C (i) ) PERFEITAMENTE PARCIALMENTE ( E C (f) = E C (i) ) ( E C (f) < E C (i) ) IMPORTANTE Nos choques elásticos os corpos se movem separadamente após a colisão enquanto que nos choques inelásticos os corpos se movem juntos após o colisão. Em todos eles, tem-se conservação da quantidade de movimento total do sistema. 134

4 COEFICIENTE DE RESTITUIÇÃO Chamando de velocidade de aproximação (v ap ) a velocidade com que os corpos se aproximam (velocidade relativa antes da colisão) e de velocidade de afastamento (v af ) a velocidade com que os corpos se afastam (velocidade relativa após a colisão), define-se como coeficiente de restituição a grandeza adimensional (sem unidade) dada pela razão entre as velocidades de afastamento e aproximação. Matematicamente temos: v e v afastamento aproximação CHOQUE ELÁSTICO INELÁSTICO ( e = 0 ) PERFEITAMENTE PARCIALMENTE ( e = 1 ) ( 0 < e < 1 ) C O L I S Ã O B I D I M E N S I O N A L 1 o : Os movimentos das partículas são coplanares, antes e depois da colisão; 2 o : Ocorre mudança de direção da velocidade vetorial; 3 o : Há conservação da quantidade de movimento do sistema. 135

5 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO AULA 96 Exemplo 01 (FUVEST SP) Um veículo de 0,30 kg parte do repouso com aceleração constante; 10s após, encontra-se a 40m da posição inicial. Qual o valor da quantidade de movimento nesse instante. a) 2,4 kg.m/s b) 6,0 kg.m/s c) 60 kg.m/s d) 120 kg.m/s e) 400 kg.m/s AULA 96 Exemplo 02 (UNEB BA) Durante uma partida de tênis, um jogador golpeia a bola imprimindo-lhe uma velocidade v, de módulo 20 m/s. Sabendo-se que a massa da bola é 100g e que ela havia chegado ao jogador com velocidade v 0, de módulo 15 m/s, de mesma direção mas sentido oposto a v, a variação da quantidade de movimento da bola, devido ao golpe, é, em kg.m/s, igual a: a) 0,5 b) 1,5 c) 2,0 d) 3,5 e) 5,0 136

6 AULA 97 Exemplo 01 (FT) Enquanto espera para substituir o garrafão de água mineral em sua casa, um garoto mantém em repouso um garrafão de 20 kg por 30s. Sabendo que o garrafão encontra-se a 1,2m do solo e que a aceleração local da gravidade vale 10 m/s 2, assinale a alternativa que indica o trabalho da força aplicada pelo garoto para equilibrar o peso do garrafão e o impulso dessa mesma força, respectivamente, no intervalo de tempo considerado. a) 240 J e 600 N.s b) 2400 J e 6000 N.s c) 0 J e 600 N.s d) 0 J e 6000 N.s e) 0 J e 0 N.s AULA 97 Exemplo 02 (UFPE 2ª FASE) Uma força aplicada durante 1s a um objeto de massa 10 kg varia de intensidade conforme o gráfico ao lado. Qual o impulso total da força após a interação? F (N) AULA 97 Exemplo 03 (UEL PR) 1,0 t (s) Um corpo de massa 2,0 kg é lançado verticalmente para cima, com velocidade inicial de 20 m/s. Despreze a resistência do ar e considere a aceleração da gravidade g = 10 m/s 2. O módulo do impulso exercido pela força peso, desde o lançamento até atingir a altura máxima, em unidades do Sistema Internacional, vale: a) 10 b) 20 c) 30 d) 40 e)

7 AULA 97 Exemplo 04 (UFJF MG) Uma bola de massa 1,0 kg cai verticalmente e atinge o solo horizontal com velocidade de módulo 25 m/s. Imediatamente após a colisão com o solo, a bola tem velocidade vertical de módulo 10 m/s. A interação entre a bola e o solo durou 5,0 x 10-2 s. A força média que a bola exerceu sobre o solo tem intensidade igual a: a) 35 b) 70 N c) 6,9 x 10 2 N d) 7,0 x 10 2 N e) 7,1 x 10 2 N AULA 98 Exemplo 01 (UNICAMP SP) Dois patinadores inicialmente em repouso, um de 36 kg e outro de 48 kg, se empurram mutuamente para trás. O patinador de 48 kg sai com velocidade de 18 km/h. Despreze o atrito. Qual a velocidade com que sai o patinador de 36 kg? AULA 98 Exemplo 02 (UFRN) Duas pessoas estão, inicialmente, em repouso sobre uma pista de patinação, na qual o atrito é desprezível. A pessoa de massa 90 kg empurra a outra, de massa 60 kg, que adquire uma velocidade de 3,0 m/s. Após 3s, a separação entre elas será de: a) 6,0m b) 9,0m c) 10,0m d) 12,0m e) 15,0m AULA 98 Exemplo 03 (UFPE) Uma menina de 40 kg é transportada na garupa de uma bicicleta de 10 kg, a uma velocidade constante de 2,0 m/s, por seu irmão de 50 kg. Em um dado instante, a menina salta para trás com velocidade de 2,5 m/s em relação ao solo. Após o salto, o irmão continua na bicicleta afastando-se da menina. Qual a velocidade da bicicleta, em relação ao solo, imediatamente após o salto? a) 3,0 m/s b) 3,5 m/s c) 4,0 m/s d) 4,5 m/s e) 5,0 m/s 138

8 AULA 99 Exemplo 01 (MACKENZIE SP) Um corpo A de 2 kg que se movimenta sobre uma superfície horizontal sem atrito, com 8 m/s, choca-se com outro B de mesma massa que se encontra em repouso nessa superfície. Após o choque, os corpos A e B se mantêm juntos com velocidade de: a) 2 m/s b) 4 m/s c) 6 m/s d) 8 m/s e) 10 m/s AULA 99 Exemplo 02 (PUC RJ) Uma colisão parcialmente inelástica ocorre entre duas massas idênticas. As velocidades iniciais eram v 1i = 5,0 m/s ao longo do eixo x e v 2i = 0. Sabendo que, após a colisão, temos v 1f = 1,0 m/s ao longo de x, calcule v 2f após a colisão. a) 5,0 m/s. b) 4,0 m/s. c) 3,0 m/s. d) 2,0 m/s. e) 1,0 m/s AULA 99 Exemplo 03 (COPEVE AL) Um automóvel de massa 1,0 tonelada, com velocidade de 25 km/h, colide, num cruzamento perpendicular de duas ruas do centro da cidade, com um caminhão de massa 4,0 toneladas, trafegando com velocidade de 15 km/h. Após a colisão, os veículos se deslocam presos um ao outro. Nesse caso, a velocidade comum a eles é, em km/h, de: a) 40 b) 25 c) 20 d) 15 e)

9 AULA 100 Exemplo 01 (FUVEST SP) Uma bola preta, de massa m e velocidade v, movendo-se sobre uma superfície muito lisa, sofre uma colisão frontal, perfeitamente elástica, com uma bola vermelha idêntica, que estava parada. Após a colisão, qual a velocidade da bola preta? a) v b) v / 2 c) 0 d) - v / 2 e) - v AULA 100 Exemplo 02 (UFPE 2ª fase) Uma bola é lançada com velocidade v 1 = 93 cm/s de encontro a outra bola idêntica, em repouso e próxima a uma parede. O evento ocorre sobre um plano horizontal, sem atrito, e todos os choques são perfeitamente elásticos e frontais. Qual o módulo da velocidade relativa, em cm/s, entre as bolas após o segundo choque entre elas? AULA 100 Exemplo 03 (UNISA SP) Um corpo é largado de uma altura de 20m; sabendo que o coeficiente de restituição entre o corpo e o solo é 0,50, a nova altura atingida pelo corpo é de: a) 4,5 m b) 5,0 m c) 4,0 m d) 10 m e) 15 m 140

10 P 321 (UNIRIO RJ) Considere uma partícula em movimento circular uniforme. Seja E c a energia cinética da partícula e q a quantidade de movimento. Podemos afirmar que: a) E c está variando e q permanece constante b) E c permanece constante e q está variando c) tanto E c quanto q permanecem constantes d) tanto E c quanto q estão variando e) E c permanece constante e q = 0 P 322 (OSEC SP) Um móvel de 10 kg está animado de movimento retilíneo uniforme cuja velocidade é de 8 m/s. Se sua velocidade passar a 16 m/s: a) sua energia cinética se reduz à metade. b) o módulo da quantidade de movimento se torna o dobro da anterior. c) sua energia cinética se torna o dobro da anterior. d) o módulo da quantidade de movimento se torna o quádruplo do anterior. e) nenhuma das respostas acima 141

11 P 323 ( ) Um automóvel que se desloca numa estrada possui, num determinado instante, a velocidade de 90 km/h e quantidade de movimento de módulo 2, kg m/s. A energia cinética do automóvel, nesse instante, segundo o mesmo referencial, é: a) 2, J b) 2, J c) 9, J d) 2, J e) 2, J P 324 (UPE) Um jogador de tênis pode sacar a bola com velocidade de 50 m/s. Sabendo que a massa de uma bola de tênis é 60g, calcule o impulso (em unidades do sistema MKS) fornecido a bola quando ela é sacada. P 325 (UFMT) Um corpo de peso igual a 100N é lançado verticalmente para cima, atingindo a altura máxima em 1,0s. O impulso aplicado a esse corpo pela força da gravidade, durante a subida, tem módulo, em N.s, igual a: a) zero b) 10 c) 50 d) 100 e) 500 P 326 (UFRN) Na cobrança de uma falta, uma bola de futebol de massa 0,4 kg sai com velocidade de 25 m/s. O tempo de contato entre o pé do jogador e a bola é de 0,05s. A força média, em newtons, aplicada na bola pelo pé do jogador é: a) 200 b) 300 c) 400 d) 500 e)

12 P 327 (UFPE) A força resultante que atua sobre um bloco de 2,5 kg, inicialmente em repouso, aumenta uniformemente de zero até 100 N em 0,2 s, conforme a figura abaixo. A velocidade final do bloco, em m/s, é: F(N) ,1 0,2 t(s) a) 2,0 b) 4,0 c) 6,0 d) 8,0 e) 10 P 328 (UFPI) Uma bola de massa 200 g tem velocidade de 10 m/s e, logo depois, tem sua velocidade alterada para 20 m/s, no mesmo sentido. O impulso resultante sofrido pela bola tem módulo, em N s: a) b) c) 4 d) 2 e) 0,2 P 329 (FATEC SP) Uma bola de massa 0,50 kg foi chutada diretamente para o gol, chegando ao goleiro com velocidade de 40 m/s. Este consegue espalmá-la para a lateral e a bola deixa as mãos do goleiro com velocidade de 30 m/s, perpendicularmente à direção inicial de seu movimento. O impulso que o goleiro imprime à bola tem módulo, em unidades do Sistema Internacional, a) 50 b) 25 c) 20 d) 15 e) 10 P 330 (Unifesp SP) Uma esfera de massa 20 g atinge uma parede rígida com velocidade de 4,0 m/s e volta na mesma direção, com velocidade de 3,0 m/s. O impulso da força exercida pela parede sobre a esfera, em N s, é, em módulo, de: a) 0,020 b) 0,040 c) 0,10 d) 0,14 e) 0,70 143

13 P 331 (PUC SP) Uma bola de tênis, de massa 100g e velocidade v 1 = 20 m/s, é rebatida por um dos jogadores, retornando com uma velocidade v 2 de mesmo valor e direção de v 1, porém em sentido contrário. Supondo que a força média exercida pela raquete sobre a bola foi de 100N, qual o tempo de contato entre ambas? a) zero b) 4,0s c) 0,4s c) 0,02s e) 0,04s P 332 (UFAM) Se a resultante das forças externas que atuam sobre um sistema de partículas for nula, podemos sempre afirmar que, para este sistema: a) a energia mecânica total é constante. b) a quantidade de movimento total é constante. c) a energia potencial total é constante. d) a energia cinética total é constante. e) a quantidade de movimento de cada partícula é constante. P 333 UFPE 2ª fase) Um menino, sentado numa canoa parada na superfície de um lago, atira um tijolo para fora, como indicado na figura abaixo. A massa do menino e da canoa é, no total, 40 kg. Sabendo que a massa do tijolo é 0,4 kg, e que sua velocidade, ao sair da mão do menino, é 10 m/s em relação à água, qual é a velocidade, em cm/s, com que a canoa começa a se movimentar? 144

14 P 334 (UPE) Um menino, sentado numa canoa parada na superfície de um lago, atira um tijolo para fora. A massa do menino e da canoa é, no total, 40 kg. Sabendo que a massa do tijolo é 0,4 kg, e que sua velocidade, ao sair da mão do menino, é de 10 m/s em relação à água, qual é a velocidade, em cm/s, com que a canoa começa a se movimentar? a) 12 b) 15 c) 10 d) 8 e) 20 P 335 (UFPE) Um casal participa de uma competição de patinação sobre o gelo. Em um dado instante, o rapaz de massa igual a 60 kg e a garota, de massa igual a 40 kg, estão parados e abraçados frente a frente. Subitamente, o rapaz dá um empurrão na garota, que sai patinando para trás com uma velocidade igual a 0,60 m/s. Qual a velocidade do rapaz (em cm/s) ao recuar como conseqüência desse empurrão? a) 80 b) 60 c) 40 d) 30 e) 20 P 336 (UFPE 2ª fase) Um canhão dispara uma bala cuja velocidade imediatamente após o disparo é igual a 84 m/s. Devido à conservação da quantidade de movimento, o canhão recua com velocidade de 1,0 m/s. Calcule a razão entre a energia cinética da bala e a energia cinética do canhão imediatamente após o disparo. 145

15 P 337 (UFRN) Um bloco, viajando com uma determinada velocidade, choca-se inelasticamente com outro bloco de mesma massa, inicialmente em repouso. A razão entre a energia cinética do conjunto antes e depois do choque vale: a) 1/4 b) 1/2 c) 1 d) 2 e) 4 P 338 (UFGO) Um homem de massa m encontrase na extremidade de um vagãoprancha em repouso. O vagão tem massa 9m e comprimento L. O homem caminha até a extremidade oposta do vagão e pára. L Desprezando-se o atrito entre o vagão e os trilhos, o deslocamento do homem em relação ao solo é: a) L / 10 b) L c) L / 3 d) 9L / 10 e) L / 9 P 339 (UFU MG) A figura mostra esquematicamente os gráficos velocidade-tempo dos movimentos de duas bolas que colidem segundo uma mesma direção. Assinale a alternativa correta: a) A colisão foi perfeitamente inelástica. b) Após a colisão a bola 2 inverteu o sentido de seu movimento. c) A colisão foi perfeitamente elástica. d) Em nenhum instante as bolas possuíram a mesma velocidade escalar. e) A relação entre suas massas é m 1 /m 2 = 1/2. 146

16 P 340 (FCMSC SP) Em uma carta Benjamin Franklin, como objeção à teoria corpuscular da luz, declarava: Uma partícula de luz, caminhando com velocidade de 3 x 10 8 m/s, deveria produzir o mesmo impacto (transferir mesma quantidade de movimento) que uma bala de canhão, de massa 10 kg, animada de velocidade de 300 m/s, ao atingir a superficie da Terra. Nessas condições, a partícula de luz a que se referia Franklin deveria ter massa, expressa em kg, de ordem de grandeza igual a: a) 10 8 b) 10 6 c) 10 5 d) 10 7 e) 10 4 G A B A R I T O EXERCÍCIOS PROPOSTOS: 321 B 322 B 323 A D 326 A 327 B 328 D 329 B 330 D 331 E 332 B C 335 C D 338 D 339 E 340 C 147

17 EHC 107. H20 (UFPE) O gordo e o magro estão patinando sobre o gelo. Em um dado instante, em que estão parados, o gordo empurra o magro. Desprezando o atrito entre os patins e o gelo, assinale a afirmativa correta. a) Como é o gordo que empurra, este fica parado e o magro adquire velocidade. b) Os dois adquirem velocidades iguais, mas em sentidos opostos. c) O gordo, como é mais pesado, adquire velocidade maior que a do magro. d) O magro adquire velocidade maior que a do gordo. e) Como não há atrito, o magro continua parado e o gordo é impulsionado para trás. EHC 108. H20 (ITA SP) Um automóvel pára quase que instantaneamente ao bater frontalmente numa árvore. A proteção oferecida pelo air-bag, comparativamente ao carro que dele não dispõe, advém do fato de que a transferência para o carro de parte do momentum do motorista se dá em condição de: a) menor força em maior período de tempo. b) menor velocidade, com mesma aceleração. c) menor energia, numa distância menor. d) menor velocidade e maior desaceleração. e) mesmo tempo, com força menor. 148

18 EHC 109. H20 (UFG GO) A constituição de um osso é de 70% do mineral hidroxiapatita e 20% de uma fibra proteica. A tíbia é o osso mais vulnerável da perna, sofrendo uma deformação elástica de 1,0 mm quando submetida a uma força de compressão de 5,0 kn. Tendo em vista estas informações, considere a seguinte situação: Uma criança de peso 400 N salta de um degrau de 40 cm de altura e aterriza com a perna esticada. A medida da contração sofrida pela tíbia, em metros, e a proteína responsável pela elasticidade dos ossos são, respectivamente, a) 8,0 x 10 3 e queratina. b) 8,0 x 10 3 e elastina. c) 8,0 x 10 3 e colágeno. d) 3,2 x 10 6 e elastina. e) 3,2 x 10 6 e colágeno. EHC 110. H20 (ENEM PPL) Durante um reparo na estação espacial internacional, um cosmonauta, de massa 90 kg, substitui uma bomba do sistema de refrigeração, de massa 360 kg, que estava danificada. Inicialmente, o cosmonauta e a bomba estão em repouso em relação à estação. Quando ele empurra a bomba para o espaço, ele é empurrado no sentido oposto. Nesse processo, a bomba adquire uma velocidade de 0,2 m/s em relação à estação. Qual é o valor da velocidade escalar adquirida pelo cosmonauta, em relação à estação, após o empurrão? a) 0,05 m/s b) 0,20 m/s c) 0,40 m/s d) 0,50 m/s e) 0,80 m/s G A B A R I T O EXERCITANDO as HABILIDADES em CASA: 107 D 108 A 109 C 110 E 149

a) o momento linear que o carrinho adquire no instante t=3 s; b) a distância percorrida pelo carrinho no terceiro intervalo de tempo.

a) o momento linear que o carrinho adquire no instante t=3 s; b) a distância percorrida pelo carrinho no terceiro intervalo de tempo. 1 - (PUC-PR-2002) Há alguns anos, noticiou-se que um avião foi obrigado a fazer um pouso de emergência em virtude de uma trinca no parabrisa causada pela colisão com uma pedra de gelo. a) o momento linear

Leia mais

sendo as componentes dadas em unidades arbitrárias. Determine: a) o vetor vetores, b) o produto escalar e c) o produto vetorial.

sendo as componentes dadas em unidades arbitrárias. Determine: a) o vetor vetores, b) o produto escalar e c) o produto vetorial. INSTITUTO DE FÍSICA DA UFRGS 1 a Lista de FIS01038 Prof. Thomas Braun Vetores 1. Três vetores coplanares são expressos, em relação a um sistema de referência ortogonal, como: sendo as componentes dadas

Leia mais

Intensivo 2015.2. Trabalho, potência e Energia mecânica. Obs: cada andar do edifício tem aproximadamente 2,5m.

Intensivo 2015.2. Trabalho, potência e Energia mecânica. Obs: cada andar do edifício tem aproximadamente 2,5m. Intensivo 2015.2 Trabalho, potência e Energia mecânica 01 - (PUC PR) Uma motocicleta de massa 100kg se desloca a uma velocidade constante de 10m/s. A energia cinética desse veículo é equivalente ao trabalho

Leia mais

Física Experimental I. Impulso e quantidade de. movimento

Física Experimental I. Impulso e quantidade de. movimento Física xperimental I Impulso e quantidade de movimento SSUNTOS BORDDOS Impulso Quantidade de Movimento Teorema do Impulso Sistema Isolado de Forças Princípio da Conservação da Quantidade de Movimento Colisões

Leia mais

Roteiro de estudo Recuperação Final. Física. Professor Geraldo Barbosa

Roteiro de estudo Recuperação Final. Física. Professor Geraldo Barbosa Roteiro de estudo Recuperação Final Física Professor Geraldo Barbosa 1 Ano Assuntos: 1. Vetores Lista 01 1 Bimestre 2. Leis de Newton Lista 02 1 Bimestre 3. Força de atrito Lista 03 2 Bimestre 4. Plano

Leia mais

Capítulo 4 Trabalho e Energia

Capítulo 4 Trabalho e Energia Capítulo 4 Trabalho e Energia Este tema é, sem dúvidas, um dos mais importantes na Física. Na realidade, nos estudos mais avançados da Física, todo ou quase todos os problemas podem ser resolvidos através

Leia mais

joranulfo@hotmail.com http://ranulfofisica.blogspot.com/

joranulfo@hotmail.com http://ranulfofisica.blogspot.com/ 04. (UFPE 2006/Fís. 3) Dois blocos A e B, de massas m A = 0,2 kg e m B = 0,8 kg, respectivamente, estão presos por um fio, com uma mola ideal comprimida entre eles. A mola comprimida armazena 32 J de energia

Leia mais

LISTA 04 Capítulo 09

LISTA 04 Capítulo 09 01 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Departamento de Matemática e Física Coordenador da Área de Física Disciplina: Física Geral e Experimental I (MAF 2201) LISTA 04 Capítulo 09 1. (3E) Quais as coordenadas

Leia mais

3) Uma mola de constante elástica k = 400 N/m é comprimida de 5 cm. Determinar a sua energia potencial elástica.

3) Uma mola de constante elástica k = 400 N/m é comprimida de 5 cm. Determinar a sua energia potencial elástica. Lista para a Terceira U.L. Trabalho e Energia 1) Um corpo de massa 4 kg encontra-se a uma altura de 16 m do solo. Admitindo o solo como nível de referência e supondo g = 10 m/s 2, calcular sua energia

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO ANUAL DE FÍSICA 2 a SÉRIE

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO ANUAL DE FÍSICA 2 a SÉRIE ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO ANUAL DE FÍSICA 2 a SÉRIE Nome: Nº Série: 2º EM Data: / /2015 Professores Gladstone e Gromov Assuntos a serem estudados - Movimento Uniforme. Movimento Uniformemente Variado. Leis

Leia mais

Física nas Férias Parte 1 Professor Habib

Física nas Férias Parte 1 Professor Habib Conceitos Básicos 1. (Fuvest) Adote: velocidade do som no ar = 340m/s Um avião vai de São Paulo a Recife em uma hora e 40 minutos. A distância entre essas cidades é aproximadamente 3000km. a) Qual a velocidade

Leia mais

MÓDULO 3 aula 21 (aceleração escalar média)

MÓDULO 3 aula 21 (aceleração escalar média) MÓDULO 3 aula 21 (aceleração escalar média) ACELERAÇÃO ESCALAR MÉDIA Nos movimentos em que a velocidade escalar é variável, pode-se definir a taxa de variação dessa velocidade como a razão entre a variação

Leia mais

(Desconsidere a massa do fio). SISTEMAS DE BLOCOS E FIOS PROF. BIGA. a) 275. b) 285. c) 295. d) 305. e) 315.

(Desconsidere a massa do fio). SISTEMAS DE BLOCOS E FIOS PROF. BIGA. a) 275. b) 285. c) 295. d) 305. e) 315. SISTEMAS DE BLOCOS E FIOS PROF. BIGA 1. (G1 - cftmg 01) Na figura, os blocos A e B, com massas iguais a 5 e 0 kg, respectivamente, são ligados por meio de um cordão inextensível. Desprezando-se as massas

Leia mais

(S.I.) = 10 + 6 3) (FP) O

(S.I.) = 10 + 6 3) (FP) O Lista Cinemática 1) (FP) Um motorista pretende realizar uma viagem com velocidade média de 90 km/h. A primeira terça parte do percurso é realizada à 50km/h e os próximos 3/5 do restante é realizado à 80

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Departamento de Matemática e Física Coordenador da Área de Física LISTA 03. Capítulo 07

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Departamento de Matemática e Física Coordenador da Área de Física LISTA 03. Capítulo 07 01 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Departamento de Matemática e Física Coordenador da Área de Física Disciplina: Física Geral e Experimental I (MAF 2201) LISTA 03 Capítulo 07 1. (Pergunta 01) Classifique

Leia mais

Atividade extra. Fascículo 3 Física Unidade 6. Questão 1. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Física

Atividade extra. Fascículo 3 Física Unidade 6. Questão 1. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Física Atividade extra Fascículo 3 Física Unidade 6 Questão 1 Do ponto mais alto de uma rampa, um garoto solta sua bola de gude. Durante a descida, sua energia: a. cinética diminui; b. cinética aumenta; c. cinética

Leia mais

9) (UFMG/Adap.) Nesta figura, está representado um bloco de peso 20 N sendo pressionado contra a parede por uma força F.

9) (UFMG/Adap.) Nesta figura, está representado um bloco de peso 20 N sendo pressionado contra a parede por uma força F. Exercícios - Aula 6 8) (UFMG) Considere as seguintes situações: I) Um carro, subindo uma rua de forte declive, em movimento retilíneo uniforme. II) Um carro, percorrendo uma praça circular, com movimento

Leia mais

Leis de Conservação. Exemplo: Cubo de gelo de lado 2cm, volume V g. =8cm3, densidade ρ g. = 0,917 g/cm3. Massa do. ρ g = m g. m=ρ.

Leis de Conservação. Exemplo: Cubo de gelo de lado 2cm, volume V g. =8cm3, densidade ρ g. = 0,917 g/cm3. Massa do. ρ g = m g. m=ρ. Leis de Conservação Em um sistema isolado, se uma grandeza ou propriedade se mantém constante em um intervalo de tempo no qual ocorre um dado processo físico, diz-se que há conservação d a propriedade

Leia mais

É usual dizer que as forças relacionadas pela terceira lei de Newton formam um par ação-reação.

É usual dizer que as forças relacionadas pela terceira lei de Newton formam um par ação-reação. Terceira Lei de Newton A terceira lei de Newton afirma que a interação entre dois corpos quaisquer A e B é representada por forças mútuas: uma força que o corpo A exerce sobre o corpo B e uma força que

Leia mais

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.)

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) Colégio Santa Catarina Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) 17 Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) 3.1- Aceleração Escalar (a): Em movimentos nos quais as velocidades

Leia mais

Lista de Exercícios - Unidade 8 Eu tenho a força!

Lista de Exercícios - Unidade 8 Eu tenho a força! Lista de Exercícios - Unidade 8 Eu tenho a força! Forças 1. (UFSM 2013) O uso de hélices para propulsão de aviões ainda é muito frequente. Quando em movimento, essas hélices empurram o ar para trás; por

Leia mais

Bacharelado Engenharia Civil

Bacharelado Engenharia Civil Bacharelado Engenharia Civil Disciplina: Física Geral e Experimental I Força e Movimento- Leis de Newton Prof.a: Msd. Érica Muniz Forças são as causas das modificações no movimento. Seu conhecimento permite

Leia mais

CONCEITOS CINÉTICOS PARA O MOVIMENTO HUMANO. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

CONCEITOS CINÉTICOS PARA O MOVIMENTO HUMANO. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior CONCEITOS CINÉTICOS PARA O MOVIMENTO HUMANO Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Lei da Inércia: todo corpo tende a permanecer no seu estado (repouso ou movimento) a menos que uma força externa resultante

Leia mais

Série 1º ANO. Colégio da Polícia Militar de Goiás - Hugo. MAT Disciplina: FISICA Professor: JEFFERSON. Aluno (a): Nº

Série 1º ANO. Colégio da Polícia Militar de Goiás - Hugo. MAT Disciplina: FISICA Professor: JEFFERSON. Aluno (a): Nº Polícia Militar do Estado de Goiás CPMG Hugo de Carvalho Ramos Ano Letivo - 2015 Série 1º ANO Lista de Exercícios 4º Bim TURMA (S) ABC Valor da Lista R$ MAT Disciplina: FISICA Professor: JEFFERSON Data:

Leia mais

V = 0,30. 0,20. 0,50 (m 3 ) = 0,030m 3. b) A pressão exercida pelo bloco sobre a superfície da mesa é dada por: P 75. 10 p = = (N/m 2 ) A 0,20.

V = 0,30. 0,20. 0,50 (m 3 ) = 0,030m 3. b) A pressão exercida pelo bloco sobre a superfície da mesa é dada por: P 75. 10 p = = (N/m 2 ) A 0,20. 11 FÍSICA Um bloco de granito com formato de um paralelepípedo retângulo, com altura de 30 cm e base de 20 cm de largura por 50 cm de comprimento, encontra-se em repouso sobre uma superfície plana horizontal.

Leia mais

Física 1 ano Prof. Miranda. Lista de Exercícios II Unidade

Física 1 ano Prof. Miranda. Lista de Exercícios II Unidade Física 1 ano Prof. Miranda Lista de Exercícios II Unidade mirandawelber@gmail.com 01. O que é necessário para determinar (caracterizar) uma: a) grandeza escalar? b) grandeza vetorial? 02. Classifique os

Leia mais

Vestibulando Web Page www.vestibulandoweb.com.br

Vestibulando Web Page www.vestibulandoweb.com.br 1. (Ufv 2000) Um aluno, sentado na carteira da sala, observa os colegas, também sentados nas respectivas carteiras, bem como um mosquito que voa perseguindo o professor que fiscaliza a prova da turma.

Leia mais

LANÇAMENTO OBLÍQUO (PROF. VADO)

LANÇAMENTO OBLÍQUO (PROF. VADO) LANÇAMENTO OBLÍQUO (PROF. VADO) 01) PUCSP- Suponha que em uma partida de futebol, o goleiro, ao bater o tiro de meta, chuta a bola, imprimindo-lhe uma velocidade V 0 cujo vetor forma, com a horizontal,

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS PARA RECUPERAÇÃO DE FÍSICA 1

LISTA DE EXERCÍCIOS PARA RECUPERAÇÃO DE FÍSICA 1 COLÉGIO FRANCO-BRASILEIRO NOME: N : TURMA: PROFESSOR(A): SÉRIE: 1º DATA: / / 2014 LISTA DE EXERCÍCIOS PARA RECUPERAÇÃO DE FÍSICA 1 1. Em um trecho retilíneo e horizontal de uma ferrovia, uma composição

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL YVONE PIMENTEL DISCIPLINA: FÍSICA (Professor Ronald Wykrota) EJA INDIVIDUAL 1ª SÉRIE - AULAS 01 e 02

COLÉGIO ESTADUAL YVONE PIMENTEL DISCIPLINA: FÍSICA (Professor Ronald Wykrota) EJA INDIVIDUAL 1ª SÉRIE - AULAS 01 e 02 EJA INDIVIDUAL 1ª SÉRIE - AULAS 01 e 02 FÍSICA: Física é a ciência exata que tem por objeto de estudo os fenômenos que ocorrem na natureza. Através do entendimento dos fenômenos da natureza, podemos entender

Leia mais

Prof. Rogério Porto. Assunto: Cinemática em uma Dimensão III

Prof. Rogério Porto. Assunto: Cinemática em uma Dimensão III Questões COVEST Física Mecânica Prof. Rogério Porto Assunto: Cinemática em uma Dimensão III 1. Um atleta salta por cima do obstáculo na figura e seu centro de gravidade atinge a altura de 2,2 m. Atrás

Leia mais

APOSTILA TECNOLOGIA MECANICA

APOSTILA TECNOLOGIA MECANICA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE POMPEIA CURSO TECNOLOGIA EM MECANIZAÇÃO EM AGRICULTURA DE PRECISÃO APOSTILA TECNOLOGIA MECANICA Autor: Carlos Safreire Daniel Ramos Leandro Ferneta Lorival Panuto Patrícia de

Leia mais

horizontal, se choca frontalmente contra a extremidade de uma mola ideal, cuja extremidade oposta está presa a uma parede vertical rígida.

horizontal, se choca frontalmente contra a extremidade de uma mola ideal, cuja extremidade oposta está presa a uma parede vertical rígida. Exercícios: Energia 01. (UEPI) Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas das frases abaixo. O trabalho realizado por uma força conservativa, ao deslocar um corpo entre dois pontos é da

Leia mais

a) Um dos fatores que explicam esse fenômeno é a diferença da velocidade da água nos dois rios, cerca de vn

a) Um dos fatores que explicam esse fenômeno é a diferença da velocidade da água nos dois rios, cerca de vn 1. (Unicamp 014) Correr uma maratona requer preparo físico e determinação. A uma pessoa comum se recomenda, para o treino de um dia, repetir 8 vezes a seguinte sequência: correr a distância de 1 km à velocidade

Leia mais

Exercício de Física para o 3º Bimestre - 2015 Série/Turma: 1º ano Professor (a): Marcos Leal NOME:

Exercício de Física para o 3º Bimestre - 2015 Série/Turma: 1º ano Professor (a): Marcos Leal NOME: Exercício de Física para o 3º Bimestre - 2015 Série/Turma: 1º ano Professor (a): Marcos Leal NOME: QUESTÃO 01 O chamado "pára-choque alicate" foi projetado e desenvolvido na Unicamp com o objetivo de minimizar

Leia mais

UNOCHAPECÓ Lista 03 de exercícios Mecânica (lançamento de projéteis) Prof: Visoli

UNOCHAPECÓ Lista 03 de exercícios Mecânica (lançamento de projéteis) Prof: Visoli UNOCHAPECÓ Lista 03 de exercícios Mecânica (lançamento de projéteis) Prof: Visoli 1. A figura abaixo mostra o mapa de uma cidade em que as ruas retilíneas se cruzam perpendicularmente e cada quarteirão

Leia mais

Você acha que o rapaz da figura abaixo está fazendo força?

Você acha que o rapaz da figura abaixo está fazendo força? Aula 04: Leis de Newton e Gravitação Tópico 02: Segunda Lei de Newton Como você acaba de ver no Tópico 1, a Primeira Lei de Newton ou Princípio da Inércia diz que todo corpo livre da ação de forças ou

Leia mais

CINEMÁTICA SUPER-REVISÃO REVISÃO

CINEMÁTICA SUPER-REVISÃO REVISÃO Física Aula 10/10 Prof. Oromar Baglioli UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistadeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO PARA

Leia mais

Lista de Exercícios para Recuperação Final. Nome: Nº 1 º ano / Ensino Médio Turma: A e B Disciplina(s): Física LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO - I

Lista de Exercícios para Recuperação Final. Nome: Nº 1 º ano / Ensino Médio Turma: A e B Disciplina(s): Física LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO - I Lista de Exercícios para Recuperação Final Nome: Nº 1 º ano / Ensino Médio Turma: A e B Disciplina(s): Física Data: 04/12/2014 Professor(a): SANDRA HELENA LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO - I 1. Dois móveis

Leia mais

EXERCÍCIOS 2ª SÉRIE - LANÇAMENTOS

EXERCÍCIOS 2ª SÉRIE - LANÇAMENTOS EXERCÍCIOS ª SÉRIE - LANÇAMENTOS 1. (Unifesp 01) Em uma manhã de calmaria, um Veículo Lançador de Satélite (VLS) é lançado verticalmente do solo e, após um período de aceleração, ao atingir a altura de

Leia mais

E como caem os corpos?

E como caem os corpos? Lançamento Vertical no Vácuo e Queda Livre PARA INÍCIO DE CONVERSA: E como caem os corpos? Se pudéssemos observar, em câmera lenta, o movimento de queda vertical, a partir do repouso, de um pequeno corpo

Leia mais

A figura a seguir representa um atleta durante um salto com vara, em três instantes distintos

A figura a seguir representa um atleta durante um salto com vara, em três instantes distintos Energia 1-Uma pequena bola de borracha, de massa 50g, é abandonada de um ponto A situado a uma altura de 5,0m e, depois de chocar-se com o solo, eleva-se verticalmente até um ponto B, situado a 3,6m. Considere

Leia mais

NTD DE FÍSICA 1 a SÉRIE ENSINO MÉDIO ALUNO(A): Nº TURMA: TURNO: DATA: / /

NTD DE FÍSICA 1 a SÉRIE ENSINO MÉDIO ALUNO(A): Nº TURMA: TURNO: DATA: / / NTD DE FÍSICA 1 a SÉRIE ENSINO MÉDIO Professor: Rodrigo Lins ALUNO(A): Nº TURMA: TURNO: DATA: / / COLÉGIO: 1) Na situação esquematizada na f igura, a mesa é plana, horizontal e perfeitamente polida. A

Leia mais

Impulso e Quantidade de Movimento

Impulso e Quantidade de Movimento Impulso e Quantidade de Movimento IMPULSO DE UMA FORÇA O estudo da FÍSICA mostra que o início de um movimento ou a cessação dele só pode ocorrer sob ação de uma força. Se por exemplo quisermos frear uma

Leia mais

O momento do gol. Parece muito fácil marcar um gol de pênalti, mas na verdade o espaço que a bola tem para entrar é pequeno. Observe na Figura 1:

O momento do gol. Parece muito fácil marcar um gol de pênalti, mas na verdade o espaço que a bola tem para entrar é pequeno. Observe na Figura 1: O momento do gol A UU L AL A Falta 1 minuto para terminar o jogo. Final de campeonato! O jogador entra na área adversária driblando, e fica de frente para o gol. A torcida entra em delírio gritando Chuta!

Leia mais

Olimpíada Brasileira de Física 2001 2ª Fase

Olimpíada Brasileira de Física 2001 2ª Fase Olimpíada Brasileira de Física 2001 2ª Fase Gabarito dos Exames para o 1º e 2º Anos 1ª QUESTÃO Movimento Retilíneo Uniforme Em um MRU a posição s(t) do móvel é dada por s(t) = s 0 + vt, onde s 0 é a posição

Leia mais

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 13 CINEMÁTICA VETORIAL E COMPOSIÇÃO DE MOVIMENTOS

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 13 CINEMÁTICA VETORIAL E COMPOSIÇÃO DE MOVIMENTOS FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 13 CINEMÁTICA VETORIAL E COMPOSIÇÃO DE MOVIMENTOS Como pode cair no enem (UERJ) Pardal é a denominação popular do dispositivo óptico-eletrônico utilizado para fotografar veículos

Leia mais

Física PRÉ VESTIBULAR / / Aluno: Nº: Turma: PRÉ-VESTIBULAR VETORES. O puxão da corda efetuado pelo trabalhador pode ser descrito como uma força que

Física PRÉ VESTIBULAR / / Aluno: Nº: Turma: PRÉ-VESTIBULAR VETORES. O puxão da corda efetuado pelo trabalhador pode ser descrito como uma força que PRÉ VESTIBULAR Física / / PRÉ-VESTIBULAR Aluno: Nº: Turma: VETORES 01. (UEM) Um corpo está sendo arrastado em uma superfície lisa (atrito desprezível), tracionado por duas cordas, conforme o diagrama de

Leia mais

EXERCÍCIOS MECÂNICA - UNIDADE 2 - DINÂMICA

EXERCÍCIOS MECÂNICA - UNIDADE 2 - DINÂMICA www.pascal.com.br MECÂNICA - UNIDADE 2 - DINÂMICA EXERCÍCIOS Prof. Edson Osni Ramos (Cebola) 1. (UNIVALI - 96) Uma única força atua sobre uma partícula em movimento. A partir do instante em que cessar

Leia mais

Física. Pré Vestibular / / Aluno: Nº: Turma: ENSINO MÉDIO

Física. Pré Vestibular / / Aluno: Nº: Turma: ENSINO MÉDIO Pré Vestibular ísica / / luno: Nº: Turma: LEIS DE NEWTON 01. (TEC daptada) Dois blocos e de massas 10 kg e 20 kg, respectivamente, unidos por um fio de massa desprezível, estão em repouso sobre um plano

Leia mais

Figura 3.4.0. Perceba a conta que você fez, pra saber a diferença de velocidade entre eles calculamos, ou seja:

Figura 3.4.0. Perceba a conta que você fez, pra saber a diferença de velocidade entre eles calculamos, ou seja: Movimento Relativo MOVIMENTO RELATIVO A velocidade relativa é um conceito cai bastante nas objetivas, então fica ligado! Ela trata estudar as relações de como um corpo, em movimento ou não, vê o outro

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professor: Renato Medeiros EXERCÍCIOS NOTA DE AULA IV Goiânia - 2014 EXERCÍCIOS 1. Uma partícula eletrizada positivamente é

Leia mais

FIS-14 Lista-09 Outubro/2013

FIS-14 Lista-09 Outubro/2013 FIS-14 Lista-09 Outubro/2013 1. Quando um projétil de 7,0 kg é disparado de um cano de canhão que tem um comprimento de 2,0 m, a força explosiva sobre o projétil, quando ele está no cano, varia da maneira

Leia mais

Professor : Vinicius Jacques Data: 03/08/2010 EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES / LEIS DE NEWTON

Professor : Vinicius Jacques Data: 03/08/2010 EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES / LEIS DE NEWTON Aluno (a): N Série: 1º Professor : Vinicius Jacques Data: 03/08/2010 Disciplina: FÍSICA EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES / LEIS DE NEWTON 01. Explique a função do cinto de segurança de um carro, utilizando o

Leia mais

LISTA UERJ 1ª FASE LEIS DE NEWTON

LISTA UERJ 1ª FASE LEIS DE NEWTON 1. (Uerj 2013) Um bloco de madeira encontra-se em equilíbrio sobre um plano inclinado de 45º em relação ao solo. A intensidade da força que o bloco exerce perpendicularmente ao plano inclinado é igual

Leia mais

Física Aplicada PROF.: MIRANDA. 2ª Lista de Exercícios DINÂMICA. Física

Física Aplicada PROF.: MIRANDA. 2ª Lista de Exercícios DINÂMICA. Física PROF.: MIRANDA 2ª Lista de Exercícios DINÂMICA Física Aplicada Física 01. Uma mola possui constante elástica de 500 N/m. Ao aplicarmos sobre esta uma força de 125 Newtons, qual será a deformação da mola?

Leia mais

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 16 GRÁFICOS DA CINEMÁTICA REVISÃO

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 16 GRÁFICOS DA CINEMÁTICA REVISÃO FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 16 GRÁFICOS DA CINEMÁTICA REVISÃO Como pode cair no enem? O estudo dos movimentos (Uniforme e Uniformemente Variado) é a aplicação física do estudo das funções em Matemática. As

Leia mais

4.1 MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL COM FORÇAS CONSTANTES

4.1 MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL COM FORÇAS CONSTANTES CAPÍTULO 4 67 4. MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL COM FORÇAS CONSTANTES Consideremos um bloco em contato com uma superfície horizontal, conforme mostra a figura 4.. Vamos determinar o trabalho efetuado por uma

Leia mais

NOTAS DE AULA 01. Introdução. Movimentos lineares. Biomecânica: Introdução à Mecânica 1

NOTAS DE AULA 01. Introdução. Movimentos lineares. Biomecânica: Introdução à Mecânica 1 Biomecânica: Introdução à Mecânica 1 NOTAS DE AULA 01 Introdução A Biomecânica, para a descrição do movimento humano, se baseia na Mecânica. Por exemplo, se estudarmos características do movimento como

Leia mais

Física setor F 01 unidade 01

Física setor F 01 unidade 01 Vale relembrar três casos particulares: ) a r e b r tem mesma direção e mesmo sentido: a b s = a+ b s ) a r e b r têm mesma direção e sentidos opostos: a s = a b s b a r e b r têm direções perpendiculares

Leia mais

LISTA UERJ! (Considere π 3. ) a) 9 m/s. b) 15 m/s. c) 18 m/s. d) 60 m/s.

LISTA UERJ! (Considere π 3. ) a) 9 m/s. b) 15 m/s. c) 18 m/s. d) 60 m/s. 1. (Unicamp 014) As máquinas cortadeiras e colheitadeiras de cana-de-açúcar podem substituir dezenas de trabalhadores rurais, o que pode alterar de forma significativa a relação de trabalho nas lavouras

Leia mais

Mecânica 2007/2008. 3ª Série

Mecânica 2007/2008. 3ª Série Mecânica 2007/2008 3ª Série Questões: 1. Se o ouro fosse vendido a peso, preferia comprá-lo na serra da Estrela ou em Lisboa? Se fosse vendido pela massa em qual das duas localidades preferia comprá-lo?

Leia mais

LISTA UERJ 2014 LEIS DE NEWTON

LISTA UERJ 2014 LEIS DE NEWTON 1. (Pucrj 2013) Sobre uma superfície sem atrito, há um bloco de massa m 1 = 4,0 kg sobre o qual está apoiado um bloco menor de massa m 2 = 1,0 kg. Uma corda puxa o bloco menor com uma força horizontal

Leia mais

DINÂMICA. Força Resultante: É a força que produz o mesmo efeito que todas as outras aplicadas a um corpo.

DINÂMICA. Força Resultante: É a força que produz o mesmo efeito que todas as outras aplicadas a um corpo. DINÂMICA Quando se fala em dinâmica de corpos, a imagem que vem à cabeça é a clássica e mitológica de Isaac Newton, lendo seu livro sob uma macieira. Repentinamente, uma maçã cai sobre a sua cabeça. Segundo

Leia mais

F-128 Física Geral I 2 o Semestre 2012 LISTA DO CAPÍTULO 9

F-128 Física Geral I 2 o Semestre 2012 LISTA DO CAPÍTULO 9 Questão 1: a) Ache as coordenadas do centro de massa (CM) da placa homogênea OABCD indicada na figura, dividindo-a em três triângulos iguais; b) Mostre que se obtém o mesmo resultado calculando o CM do

Leia mais

CINEMÁTICA VETORIAL. Observe a trajetória a seguir com origem O.Pode-se considerar P a posição de certo ponto material, em um instante t.

CINEMÁTICA VETORIAL. Observe a trajetória a seguir com origem O.Pode-se considerar P a posição de certo ponto material, em um instante t. CINEMÁTICA VETORIAL Na cinemática escalar, estudamos a descrição de um movimento através de grandezas escalares. Agora, veremos como obter e correlacionar as grandezas vetoriais descritivas de um movimento,

Leia mais

Professor(a): Série: 1ª EM. Turma: Bateria de Exercícios de Física

Professor(a): Série: 1ª EM. Turma: Bateria de Exercícios de Física Nome: nº Professor(a): Série: 1ª EM. Turma: Data: / /2013 Sem limite para crescer Bateria de Exercícios de Física 3º Trimestre 1- A casa de Dona Maria fica no alto de uma ladeira. O desnível entre sua

Leia mais

Gráficos: Q2)Para cada função posição x(t) diga se a aceleração é positiva, negativa ou nula.

Gráficos: Q2)Para cada função posição x(t) diga se a aceleração é positiva, negativa ou nula. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA-CFM DEPARTAMENTO DE FÍSICA FSC 5107 FÍSICA GERAL IA Semestre 2012.2 LISTA DE EXERCÍCIOS 2 - MOVIMENTO EM UMA DIMENSÃO Gráficos: Q1) Para cada gráfico seguinte de

Leia mais

Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) Prof.: João Arruda e Henriette Righi. Atenção: Semana de prova S1 15/06 até 30/06

Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) Prof.: João Arruda e Henriette Righi. Atenção: Semana de prova S1 15/06 até 30/06 Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) Prof.: João Arruda e Henriette Righi Maio/2015 Atenção: Semana de prova S1 15/06 até 30/06 LISTA DE EXERCÍCIOS # 2 1) Um corpo de 2,5 kg está

Leia mais

Dinâmica do movimento de Rotação

Dinâmica do movimento de Rotação Dinâmica do movimento de Rotação Disciplina: Mecânica Básica Professor: Carlos Alberto Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá: O que significa o torque produzido por uma força;

Leia mais

Aula 00 Aula Demonstrativa

Aula 00 Aula Demonstrativa Aula 00 Aula Demonstrativa Apresentação... Relação das questões comentadas... 10 Gabaritos... 11 www.pontodosconcursos.com.br 1 Apresentação Olá, pessoal! Tudo bem com vocês? Esta é a aula demonstrativa

Leia mais

DATA: 17/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO:

DATA: 17/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO: DISCIPLINA: FÍSICA PROFESSORES: Erich/ André NOME COMPLETO: I N S T R U Ç Õ E S DATA: 17/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 1 a EM Circule a sua turma: Funcionários:

Leia mais

Leis de Newton. 2. (G1 - utfpr 2012) Associe a Coluna I (Afirmação) com a Coluna II (Lei Física).

Leis de Newton. 2. (G1 - utfpr 2012) Associe a Coluna I (Afirmação) com a Coluna II (Lei Física). Leis de Newton 1. (Ufsm 013) O uso de hélices para propulsão de aviões ainda é muito frequente. Quando em movimento, essas hélices empurram o ar para trás; por isso, o avião se move para frente. Esse fenômeno

Leia mais

Exercícios de Física sobre Vetores com Gabarito

Exercícios de Física sobre Vetores com Gabarito Exercícios de Física sobre Vetores com Gabarito 1) (UFPE-1996) Uma pessoa atravessa uma piscina de 4,0m de largura, nadando com uma velocidade de módulo 4,0m/s em uma direção que faz um ângulo de 60 com

Leia mais

Problemas de Mecânica e Ondas

Problemas de Mecânica e Ondas Problemas de Mecânica e Ondas (LEMat, LQ, MEiol, MEmbi, MEQ) Tópicos: olisões: onservação do momento linear total, conservação de energia cinética nas colisões elásticas. onservação do momento angular

Leia mais

ESTUDO GRÁFICO DOS MOVIMENTOS. Gráfico posição x tempo (x x t)

ESTUDO GRÁFICO DOS MOVIMENTOS. Gráfico posição x tempo (x x t) ESTUDO GRÁFICO DOS MOVIMENTOS No estudo do movimento é bastante útil o emprego de gráficos. A descrição de um movimento a partir da utilização dos gráficos (posição x tempo; velocidade x tempo e aceleração

Leia mais

LISTA 10 INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA

LISTA 10 INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA 1. (Ufmg 95) Esta figura mostra uma espira retangular, de lados a = 0,20 m e b = 0,50 m, sendo empurrada, com velocidade constante v = 0,50 m/s, para uma região onde existe um campo magnético uniforme

Leia mais

7. (Unesp) A figura representa o gráfico velocidade tempo do movimento retilíneo de um móvel.

7. (Unesp) A figura representa o gráfico velocidade tempo do movimento retilíneo de um móvel. 1. (Fuvest) Um veículo movimenta-se numa pista retilínea de 9,0 km de extensão. A velocidade máxima que ele pode desenvolver no primeiro terço do comprimento da pista é 15 m/s, e nos dois terços seguintes

Leia mais

Exercícios cinemática MCU, Lançamento horizontal e Oblíquo

Exercícios cinemática MCU, Lançamento horizontal e Oblíquo Física II Professor Alexandre De Maria Exercícios cinemática MCU, Lançamento horizontal e Oblíquo COMPETÊNCIA 1 Compreender as Ciências Naturais e as tecnologias a elas associadas como construções humanas,

Leia mais

Exercícios: Lançamento Vertical e Queda Livre

Exercícios: Lançamento Vertical e Queda Livre Exercícios: Lançamento Vertical e Queda Livre Cursinho da ETEC Prof. Fernando Buglia 1. (Unifesp) Em uma manhã de calmaria, um Veículo Lançador de Satélite (VLS) é lançado verticalmente do solo e, após

Leia mais

1 a QUESTÃO: (1,5 ponto) Avaliador Revisor

1 a QUESTÃO: (1,5 ponto) Avaliador Revisor 1 a QUESTÃO: (1,5 ponto) Avaliador Revisor Um mol de um gás ideal é levado do estado A para o estado B, de acordo com o processo representado no diagrama pressão versus volume conforme figura abaixo: a)

Leia mais

Programa de Retomada de Conteúdo - 3º Bimestre

Programa de Retomada de Conteúdo - 3º Bimestre Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio Regular. Rua Cantagalo 313, 325, 337 e 339 Tatuapé Fones: 2293-9393 e 2293-9166 Diretoria de Ensino Região LESTE 5 Programa de Retomada de Conteúdo

Leia mais

a 2,0 m / s, a pessoa observa que a balança indica o valor de

a 2,0 m / s, a pessoa observa que a balança indica o valor de 1. (Fuvest 015) Uma criança de 30 kg está em repouso no topo de um escorregador plano de,5 m,5 m de altura, inclinado 30 em relação ao chão horizontal. Num certo instante, ela começa a deslizar e percorre

Leia mais

Lançamento Horizontal

Lançamento Horizontal Lançamento Horizontal 1. (Ufsm 2013) Um trem de passageiros passa em frente a uma estação, com velocidade constante em relação a um referencial fixo no solo. Nesse instante, um passageiro deixa cair sua

Leia mais

1 a QUESTÃO Valor 1,0

1 a QUESTÃO Valor 1,0 1 a QUESTÃO Valor 1,0 Um esquimó aguarda a passagem de um peixe sob um platô de gelo, como mostra a figura abaixo. Ao avistá-lo, ele dispara sua lança, que viaja com uma velocidade constante de 50 m/s,

Leia mais

Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar)

Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar) Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar) 1. OBJETIVOS DA EXPERIÊNCIA 1) Esta aula experimental tem como objetivo o estudo do movimento retilíneo uniforme

Leia mais

Recuperação. - Mecânica: ramo da Física que estuda os movimentos;

Recuperação. - Mecânica: ramo da Física que estuda os movimentos; Recuperação Capítulo 01 Movimento e repouso - Mecânica: ramo da Física que estuda os movimentos; - Um corpo está em movimento quando sua posição, em relação a um referencial escolhido, se altera com o

Leia mais

Estime, em MJ, a energia cinética do conjunto, no instante em que o navio se desloca com velocidade igual a 108 km h.

Estime, em MJ, a energia cinética do conjunto, no instante em que o navio se desloca com velocidade igual a 108 km h. 1. (Uerj 016) No solo da floresta amazônica, são encontradas partículas ricas em 1 fósforo, trazidas pelos ventos, com velocidade constante de 0,1m s, desde o deserto do Saara. Admita que uma das partículas

Leia mais

Ficha de avaliação Física e Química A - Versão 1 Outubro de 2013. Nome: Nº: turma: 11E

Ficha de avaliação Física e Química A - Versão 1 Outubro de 2013. Nome: Nº: turma: 11E Ficha de avaliação Física e Química A - Versão 1 Outubro de 2013 Nome: Nº: turma: 11E CLASSIFICAÇÃO: Valores Professor: Cotação - 10V 1. Observa a figura 1 seguinte, que representa um corpo em movimento,

Leia mais

Exercícios sobre Movimentos Verticais

Exercícios sobre Movimentos Verticais Exercícios sobre Movimentos Verticais 1-Uma pedra, deixada cair do alto de um edifício, leva 4,0 s para atingir o solo. Desprezando a resistência do ar e considerando g = 10 m/s 2, escolha a opção que

Leia mais

Exercícios 6 Aplicações das Leis de Newton

Exercícios 6 Aplicações das Leis de Newton Exercícios 6 plicações das Leis de Newton Primeira Lei de Newton: Partículas em Equilíbrio 1. Determine a intensidade e o sentido de F de modo que o ponto material esteja em equilíbrio. Resp: = 31,8 0,

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS QUEDA LIVRE E MOV. VERTICAL

LISTA DE EXERCÍCIOS QUEDA LIVRE E MOV. VERTICAL GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO Competência, ética e cidadania SECRETARIA DE EDUCAÇÃO LISTA DE EXERCÍCIOS QUEDA LIVRE E MOV. VERTICAL UPE Campus Mata Norte Aluno(a): nº 9º ano 01- (PUC-MG) Dois corpos

Leia mais

Mecânica e FÍSICA Ondas

Mecânica e FÍSICA Ondas Mecânica e FÍSICA Ondas Energia e Trabalho; Princípios de conservação; Uma bala de massa m = 0.500 kg, viajando com velocidade 100 m/s atinge e fica incrustada num bloco de um pêndulo de massa M = 9.50

Leia mais

SÉRIE DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA CURSO DE ENSAIOS EM VOO (CEV)

SÉRIE DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA CURSO DE ENSAIOS EM VOO (CEV) SÉRIE DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA CURSO DE ENSAIOS EM VOO (CEV) 1) As vezes, um fator de conversão pode ser deduzido mediante o conhecimento de uma constante em dois sistemas diferentes. O peso de um pé cúbico

Leia mais

Trabalho. a) F; b) peso c) força normal; d) força de atrito; e) resultante das forças.

Trabalho. a) F; b) peso c) força normal; d) força de atrito; e) resultante das forças. Trabalho 1- Um corpo de massa igual 20Kg deslocava-se para a direita sobre um plano horizontal rugoso. Sobre o corpo é, então, aplicada uma força F, horizontal, constante de módulo igual a 100N. O módulo

Leia mais

Impulso, Teorema do Impulso e Quantidade de Movimento

Impulso, Teorema do Impulso e Quantidade de Movimento Impulso, Teorema do Impulso e Quantidade de Movimento 1. (Ufpr 014) Um adolescente inspirado pelos jogos olímpicos no Brasil, está aprendendo a modalidade de arremesso de martelo. O martelo consiste de

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS M.H.S. 3 ano FÍSICA Prof. Hernando

LISTA DE EXERCÍCIOS M.H.S. 3 ano FÍSICA Prof. Hernando LISTA DE EXERCÍCIOS M.H.S. 3 ano FÍSICA Prof. Hernando 1. (Ufg) O gráfico abaixo mostra a posição em função do tempo de uma partícula em movimento harmônico simples (MHS) no intervalo de tempo entre 0

Leia mais

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 17 LANÇAMENTO VERTICAL E QUEDA LIVRE

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 17 LANÇAMENTO VERTICAL E QUEDA LIVRE FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 17 LANÇAMENTO VERTICAL E QUEDA LIVRE Como pode cair no enem? celeração de 5 g (ou 50 m/s²), ocorrendo o enrijecimento dos músculos devido a força que o sangue exerce na volta

Leia mais

Física CPII. Exercícios p/ prova de Apoio de Física 2 a. Trim. 1 a. série Data / / Coordenador: Prof. Alexandre Ortiz Professor: Sérgio F.

Física CPII. Exercícios p/ prova de Apoio de Física 2 a. Trim. 1 a. série Data / / Coordenador: Prof. Alexandre Ortiz Professor: Sérgio F. COLÉGIO PEDRO II - UNIDADE CENTRO Exercícios p/ prova de Apoio de Física 2 a. Trim. 1 a. série Data / / Coordenador: Prof. Alexandre Ortiz Professor: Sérgio F. Lima Aluno(a): Nº Turma 1) Um bombeiro deseja

Leia mais

Lista de Exercícios de: Trabalho de uma força paralela ao deslocamento

Lista de Exercícios de: Trabalho de uma força paralela ao deslocamento Lista de Exercícios de: Trabalho de uma força paralela ao deslocamento Quando aplicamos uma força sobre um corpo, provocando um deslocamento, estamos gastando energia, estamos realizando um trabalho. Ʈ

Leia mais