UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO Uma enciclopédia para ambientes distribuídos de desenvolvimento de software. por DANIEL LUÍS NOTARI Dissertação submetida à avaliação, como requisito parcial, para a obtenção do grau de Mestre em Ciência da Computação Prof. Dr. Roberto Tom Price Orientador Professor Dr. Marcelo Soares Pimenta Co-Orientador Porto Alegre, junho de 2000

2 2 CIP - CATALOGAÇÃO NA PUBLICAÇÃO Notari, Daniel Luís Uma enciclopédia para ambientes distribuídos de desenvolvimento de software / por Daniel Luís Notari. Porto Alegre: PPGC da UFRGS, f:il. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Programa de Pós-Graduação em Computação, Porto Alegre, BR-RS, Orientador : Price, Robeto Tom. 1. Ambientes Desenvolvimento Software. 2. Dicionário de Dados 3. Metamodelo. 4. Engenharia de Software. I. Price, Roberto Tom. II. Título. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Reitora: Prof. Dra. Wrana Panizzi Pró-Reitor de Pós-Graduação: Prof. Dr. Franz Rainer Semmelmann Diretor do Instituto de Informática: Prof. Dr. Philippe Olivier Alexandre Navaux Coordenadora do PPGC: Prof. Dra. Carla Maria Dal Sasso Freitas Bibliotecária-Chefe do Instituto de Informática: Beatriz Regina Bastos Haro

3 3 É melhor tentar e falhar, do que preocupar-se e ver a vida passar. É melhor tentar, ainda que em vão, do que sentar-se fazendo nada até o final. Eu prefiro na chuva caminhar, do que em dias tristes em casa me esconder. Eu prefiro ser feliz, embora louco, do que em conformidade viver... (Martin Luther king) Não poderás ajudar aos homens de maneira permanente, se fizeres por eles, aquilo que eles podem e devem fazer por si próprios. (Abrahan Lincoln)

4 4 Agradecimentos Um agradecimento muito especial ao meu orientador, Professor Roberto Tom Price, pela oportunidade de realizar o curso de mestrado, e por todo o apoio, ensinamento e tempo dedicado ao desenvolvimento deste trabalho. Ao meu co-orientador, Professor Marcelo Soares Pimenta, muito obrigado pelas dicas para a escrita deste texto. Aos amigos da sala 215, em especial, Adriana Roma, Ana Clara Fonseca, Carina Dorneles e Isabel Souza, muito obrigado pelo auxílio na leitura e sugestões para este trabalho. Aos demais amigos do mestrado, em especial, Ana Paula Canal, Marcos Cassal, Marco Antonio Winckler, Maurício Gameiro e Denise, agradeço pela amizade e troca de experiências ao longo destes dois anos. Agradeço aos amigos, Anderson Maciel e Maurício Fiorese, companheiros das sucessivas viagens entre Caxias do Sul e Porto Alegre, nas quais trocamos muitas idéias e risadas a respeito de diversos assuntos. Aos professores da Universidade de Caxias do Sul, em especial, Cristian, Maria de Fátima, Luciano, Cadinho, Heitor, Helena, Alexandre e Sandra, muito obrigado pelo incentivo inicial para a realização do mestrado. Sem este apoio, este trabalho nunca teria passado de um sonho. Aos demais amigos, tanto de Porto Alegre como de Caxias do Sul, um grandioso muito obrigado por tudo. A minha namorada Rafaela, obrigado pela compreensão, amor e carinho dedicados ao longo destes dois últimos anos. Aos meus pais, Isolda e Vilmar, agradeço por tudo, não foram dois anos fáceis, pois nunca havia saído de casa. Foram dois anos difíceis, mas este trabalho é a prova que tudo deu certo e valeu a pena todo e qualquer esforço. Ao CNPq agradeço pelo suporte financeiro, sem o qual, este trabalho certamente não teria sido desenvolvido.

5 5 Sumário Sumário...5 Lista Abreviaturas...9 Lista de Figuras...11 Lista de Tabelas...14 Resumo...16 Abstract Introdução Motivação Proposta do Trabalho Contexto do Trabalho Estrutura Geral do Trabalho Estado da Arte Portable Common Tool Environment Conceptual Environment Architecture Reference Model Dicionário de dados genérico para ADS Construção de um dicionário de dados para ferramentas CASE na Internet Editor Diagramático na Internet Linguagem de Modelagem UML-RT Aplicativo VO-DD/Prototyper Comparação entre as propostas Projeto do ED-ADS Conceitos Dicionários de Dados Enciclopédia Arquitetura do ED-ADS Modelagem do ED-ADS Pacotes do ED-ADS...41

6 Pacote Gerenciador Metadados Pacote Gerenciador de Classes Java e Esquemas Pacote Gerenciador Dados Pacote Gerenciador Usuários Pacote Gerenciador Documentação Características do ED-ADS Pacotes do ED-ADS Pacote Gerenciador Metadados Pacote Gerenciador Classes Metadados Pacote Gerenciador de Classes Representação Gráfica Pacote Gerenciador de Classes Java e Esquemas Gerenciador de Classes do Banco de Dados Pacote Gerenciador de Classes Java Pacote Gerenciador de Dados Pacote Gerenciador de Documentação Pacote Gerenciador de Usuários Pacote Classes Comuns Características do ED-ADS Casos de Uso do ED-ADS Pacote Gerenciador de Metadados Pacote Gerenciador de Classes de Metadados Casos de uso para a criação e exclusão de metadados Serviços para criação e exclusão de relações Casos de uso para consultar metadados Casos de uso para consultar relações entre metadados Pacote Gerenciador de Classes Representação Gráfica Serviços para a definição de uma representação gráfica Serviços para a criação e exclusão de relações Casos de uso para consultar metadados Casos de uso para consultar relações entre metadados Pacote Gerenciador de Classes Java e Esquemas Pacote Gerenciador de Dados Funções para criar e remover instâncias...70

7 Métodos para manipular o conteúdo dos atributos das instâncias Métodos para bloquear, salvar e abandonar instâncias Pacote Gerenciador de Documentação Pacote Gerenciador de Usuários Serviços de conexão Serviços de cadastramento de usuários Serviços para a atribuição e remoção de permissões de acesso Casos de uso para consultar permissões de acesso Pacote Classes Comuns Protótipo do ED-ADS Ferramentas Utilizadas Criação dos Programas Criação das classes Criação das tabelas Criação do arquivo IDL Serviços implementados e testados no ED-ADS Pacote Gerenciador de Metadados Pacote Gerenciador de Classes Java e Esquemas Pacote Gerenciador de Dados Pacote Gerenciador de Documentação Pacote Gerenciador de Usuários Pacote Classes Comuns Funcionamento do ED-ADS Integração do ED-ADS com ferramentas de um ADS Estudo de Caso Manipulação dos metadados Criação de metadados Criação de relações entre metadados Criação da representação gráfica Criação das relações de uma representação gráfica Atribuição de permissões de acesso Criação da base de dados Manipulação de instâncias...95

8 Criação de instâncias Alteração e recuperação dos valores de instâncias Bloqueio e salvamento de instâncias Conclusões e Trabalhos Futuros Trabalhos Futuros Modelagem Prototipação Anexo A Anexo B Bibliografia...125

9 9 Lista Abreviaturas ADS Ambiente de Desenvolvimento de Software AMADEUS Ambientes e Metodologias Adaptáveis de Desenvolvimento Unificado de Software CA Computer Associates CEARM Conceptual Environment Architecture Reference Model CASE Computer Aided Software Engineering CC Classes Comuns CORBA Common Object Request Broker Architecture DS Desenvolvimento de Software ECMA European Computer Manufactures Association ED-ADS Enciclopédia Distribuída para Ambientes de Desenvolvimento de Software EDD Editor de Dicionário de Dados EDE Editor Diagramático Específico EDI Editor Diagramático na Internet EDG Editor Diagramático Generalizado E-R Entidade-Relacionamento GCBD Gerenciador Classes do Banco de Dados GCJ Gerenciador de Classes Java GCRG Gerenciador Classes Representação Gráfica GCJE Gerenciador Classes Java e Esquemas GCM Gerenciador Classes Metadados GD Gerenciador Dados GDC Gerenciador DoCumentação GM Gerenciador Metadados GU Gerenciador Usuários HOOD Hierarchical Object-Oriented Design IDL Interface Definition Language ISEE Integrated Software Engineering Environments group LP Linguagem de Programação JDBC Java Database Connectivity JDK Java Development Kit MVC Model View Controller

10 10 NIST National Institute of Standards and Technology OCL Object Constraint Language OMS Object Management System OMT Object Modeling Technique OOA Object-Oriented Analysis OOD Object-Oriented Design OOIE Object-Oriented Information Engineering OOSA Object-Oriented Systems Analysis OOSE Object-Oriented Systems Analysis ORB Object Request Broker PCTE Portable Common Tool Environment RMI Remote Method Invocation SGBD Sistema Gerenciador de Banco de Dados SGBDR Sistema Gerenciador de Banco de Dados Relacional SQL System Query Language VO-DD Visual Objects Data Dictionary UFRGS Universidade Federal do Rio Grande do Sul UML Unified Modeling Language UML-RT Unified Modeling Language for Real Time

11 11 Lista de Figuras FIGURA Arquitetura do PCTE [THO89, SHA96]...23 FIGURA Arquitetura do CEARM [PEN94]...24 FIGURA Modelo Conceitual do Dicionário de Dados [LOH88]...25 FIGURA Modelo de Objetos do Dicionário de Dados [MEN98]...27 FIGURA Modelo de Classes para Anotações [POM99]...29 FIGURA Modelo Parcial de Objetos Semânticos do Ambiente [POM99]...29 FIGURA Organização em pacotes do metamodelo UML-RT [SOU00]...30 FIGURA Arquitetura da ferramenta [XLI99]...32 FIGURA Componentes do ED-ADS...38 FIGURA Arquitetura Toaster [SHA96]...39 FIGURA Níveis de serviços do ED-ADS baseado em [ZAH84]...40 FIGURA Pacotes do ED-ADS...41 FIGURA Diagrama de atividades para a definição de modelos...42 FIGURA Diagrama de atividades para a definição de metadados...42 FIGURA Exemplo de relações entre metadados FIGURA Diagrama de Atividades para a definição de uma representação gráfica..43 FIGURA Exemplo das relações de uma representação gráfica...44 FIGURA Exemplo de mapeamento para classes e tabelas...44 FIGURA Atividades para manipular dados no ED-ADS...45 FIGURA Diagrama de atividades para a manipulação de usuários...46 FIGURA Pacotes do ED-ADS...48 FIGURA Pacotes do Pacote Gerenciador Metadados...49 FIGURA Diagrama de Classes do Pacote Gerenciador de Classes de Metadados..49 FIGURA Diagrama de Classes do Pacote Gerenciador de Classes Representação Gráfica...52 FIGURA Pacotes do Pacote Gerenciador de Classes Java e Esquemas...53 FIGURA Diagrama de Classes do Pacote Gerenciador de Classes do Banco de Dados...54 FIGURA Diagrama de Classes do Pacote Gerenciador de Classes Java...55 FIGURA Diagrama de Classes do Pacote Gerenciador de Dados...57 FIGURA Classe do Pacote Documentação...58 FIGURA Diagrama de Classes do Pacote Gerenciador de Usuários...58 FIGURA Diagrama de Classes do Pacote Classes Comuns...59 FIGURA Casos de uso para a criação de metadados...62

12 12 FIGURA Casos de uso para a exclusão de metadados...63 FIGURA Casos de uso para relacionar metadados...64 FIGURA Casos de uso para remover relações de metadados...65 FIGURA Casos de uso de consultas de metadados...65 FIGURA Casos de uso para consultar relações entre metadados...66 FIGURA Casos de uso para criar uma representação gráfica...66 FIGURA Casos de uso para excluir uma representação gráfica...67 FIGURA Casos de uso para criar relações para uma representação gráfica...68 FIGURA Casos de uso para excluir relações para uma representação gráfica...68 FIGURA Casos de uso de consultas de metadados de uma representação gráfica FIGURA Casos de uso para consultar relações entre metadados...69 FIGURA Casos de uso para gerar classes java e esquemas...69 FIGURA Casos de uso para a criação isolada de classes java e esquemas...69 FIGURA Casos de uso para a exclusão isolada de classes java e esquemas...70 FIGURA Casos de uso para criar instâncias de metadados...70 FIGURA Casos de uso para excluir instâncias de metadados...71 FIGURA Casos de uso para recuperar e atribuir valores para instâncias...72 FIGURA Casos de uso para salvar e bloquear instâncias...73 FIGURA Caso de uso criar documentação...73 FIGURA Casos de uso para conexão FIGURA Casos de uso para cadastramento de usuários FIGURA Casos de uso para criar permissões de acesso FIGURA Casos de uso para remover permissões de acesso FIGURA Casos de uso para consultar permissões de acesso...76 FIGURA Casos de uso gerais do ED-ADS FIGURA Estrutura de Memória utilizada no pacote Gerenciador Dados...82 FIGURA Fluxo de informações entre ferramentas e o ED-ADS...84 FIGURA Modelo de um diagrama de classes...85 FIGURA Diagrama de atividades do usuário especificador para a definição de metadados...86 FIGURA Diagrama de atividades do usuário especificador p/ criar uma representação gráfica...90 FIGURA Diagrama de atividades do usuário especificador para base de dados...94 FIGURA Diagrama de atividades do usuário final para instanciar metadados...95

13 13 FIGURA Diagrama exemplo...96 FIGURA Atributos de instanciação...96

14 14 Lista de Tabelas TABELA Característica das propostas...34 TABELA Características das propostas e do ED-ADS...61 TABELA Parâmetros do serviço criarconceito...87 TABELA Parâmetros do método criarpropriedadeconceito para o conceito Classe TABELA Parâmetros do método criarpropriedadeconceito para o conceito Atributo...87 TABELA Parâmetros do método criarpropriedadeconceito para o conceito Relacionamento...88 TABELA Parâmetros do método criarpropriedadeconceito para o conceito Metodo...88 TABELA Parâmetros do método criarpropriedadeconceito para o conceito Terminador...88 TABELA Parâmetros do método criarpropriedadeconceito para o conceito Comandos TABELA Parâmetros do método criarpropriedadeconceito para o conceito Parametro TABELA Parâmetros para o serviço relacionarconceitotipodocumento...89 TABELA Parâmetros para o serviço relacionarconceitos...90 TABELA Parâmetros para o serviço criarpropriedadevisual...90 TABELA Parâmetros para o serviço criarformageometrica...91 TABELA Parâmetros para o serviço criarpropriedadeformageometrica...91 TABELA Parâmetros para o serviço criarcampo para o conceito Classe...91 TABELA Parâmetros para o serviço criarcampo para o conceito Atributo...92 TABELA Parâmetros para o serviço criarcampo para o conceito Metodo...92 TABELA Parâmetros para o serviço criarcampo para o conceito Parametro...92 TABELA Parâmetros para o serviço criarcampo para o conceito Terminador...92 TABELA Parâmetros para o serviço criarcampo para o conceito Relacionamento TABELA 7.20 Parâmetros para o serviço relacionarformageometricarepresentacaografica...93 TABELA 7.21 Parâmetros para o serviço relacionarpropriedadevisualrepresentacaografica...93 TABELA Parâmetros do serviço instanciarconceito para o conceito Classe...97 TABELA Parâmetros do serviço instanciarconceito para o conceito Parametro TABELA Parâmetros do serviço instanciarconceito para o conceito Atributo...97

15 15 TABELA Parâmetros do serviço instanciarconceito para o conceito Metodo...98 TABELA Parâmetros do serviço instanciarconceito para o conceito Relacionamento...98 TABELA Parâmetros do serviço instanciarconceito para o conceito Terminador TABELA Parâmetros para serviço instanciarformageometrica...99

16 16 Resumo Este trabalho apresenta a modelagem de uma enciclopédia distribuída para ambientes de desenvolvimento de software chamada ED-ADS. O ED-ADS é uma ferramenta que fornece um conjunto de serviços, para que as ferramentas de um ambiente de desenvolvimento de software possam definir metadados e armazenar os seus dados. O ED-ADS utiliza um mecanismo de conexão composto pelo nome de um usuário e uma senha para controlar o acesso ao ED-ADS. Além disso, cada usuário possui permissões de acesso aos serviços. Um arquivo de log é gerado com a funcionalidade de registrar as transações realizadas. A definição de metadados permite a criação de enciclopédias e metodologias. Em uma enciclopédia são armazenadas todas as informações de um ambiente de desenvolvimento de software. As informações de uma metodologia, tais como, modelos, documentos, artefatos, conceitos e notações gráficas podem ser definidas no ED-ADS. O ED-ADS é composto por dois repositórios: metadados e dados. O repositório de metadados é um dicionário de dados, no qual são armazenadas as informações dos documentos e artefatos utilizados pelas metodologias nas etapas do processo de desenvolvimento de software. O repositório de dados controla o armazenamento e a recuperação dos dados manipulados pelas ferramentas de um ambiente de desenvolvimento de software. Esses dados são armazenados em um banco de dados. A modelagem da enciclopédia ED-ADS é apresentada através de um metamodelo. A notação da UML foi utilizada na construção deste. O metamodelo é composto por pacotes, diagramas de classes, diagramas de casos de uso e diagramas de interação. Os pacotes e diagramas de classes descrevem os conceitos e as funcionalidades. Os diagramas de casos de uso descrevem os serviços, enquanto os diagramas de interação mostram a colaboração entre instâncias de classes para a execução de um serviço. Este trabalho descreve ainda um protótipo e apresenta um estudo de caso. O protótipo foi desenvolvido para testar os casos de uso e serviços, enquanto o estudo de caso mostra os passos para o mapeamento de um documento para o ED-ADS. Mostra também como criar modelos a partir de um documento e armazenar as suas informações no ED-ADS. Palavras-chave: Ambientes de Desenvolvimento de Software, Dicionário de Dados, Metamodelo, Enciclopédia, Metadados.

17 17 Title: "AN ENCYCLOPEDIA TO DISTRIBUTED SOFTWARE DEVELOPMENT ENVIROMENTS" Abstract This work presents the modeling of the distributed encyclopedia to software development environment, called ED-ADS. The ED-ADS is a tool that provides support services to other tools define metadata and to store their data. The ED-ADS uses a mechanism to connection to it. The connection is established through an interface composed by name and password of the user. Furthermore, each user has access right different to use the services. The tool provides too, a log file that records the transactions. The metadata definition allows the creation of the encyclopedia and methodologies. An encyclopedia stores all the information about a software development environment. The information about a methodology, such as, models, documents, artifacts, concepts and graphical notations can be defined in the ED-ADS. Two repositories compose the encyclopedia ED-ADS: metadata and data. The metadata repository is an active data dictionary. This repository stores all the information that describes data generated during the software development process, especially about the description of methodologies. The data repository controls the record and recovery of the data used by the tools of a software development environment. These data are stored in a relational database. The ED-ADS's model is presented through a metamodel. The notation used is a UML notation. The metamodel contains packages, class diagrams, use cases diagrams and interactions diagrams. The packages and class diagrams describe the concepts and functions. The use cases diagrams describe the services. The interaction diagrams describe the collaboration among instances to execute a service. To conclude, this work describes a prototype and presents a case study. The prototype was developed to test the use cases and services. Whereas the case study describes the stage to map a model of a document to ED-ADS, how to create models from a document, and how to save this information in the ED-ADS. Keywords: Software Development Environment, Data Dictionary, Metamodel, Encyclopedia, Metadata.

18 18 1 Introdução 1.1 Motivação Um Ambiente de Desenvolvimento de Software (ADS) é composto por um conjunto integrado de ferramentas de software. As ferramentas1 tem por objetivo suportar ou automatizar a maior parte ou todo o processo de desenvolvimento de software [DAR87,ORT95]. O processo de desenvolvimento de software é uma contínua transformação de notações, desde a especificação de requisitos até a produção de código executável. Em ambientes automatizados, essas transformações são apoiadas por ferramentas de análise e geração [MEL89]. Esse processo é dividido em etapas: análise, projeto, manutenção e outras [ORT95]. Os editores diagramáticos (por exemplo, EDG (Editor Diagramático Generalizado) [MEL89] e EDI (Editor Diagramático na Internet) [POM99]) são exemplos de ferramentas. Os editores diagramáticos são ferramentas de apoio à produção de documentos. Os editores diagramáticos são especializados em determinadas notações diagramáticas. As notações são propostas por metodologias desenvolvidas para serem utilizadas manualmente [MEL89]. Esses editores podem ser também ferramentas textuais, tais como editores de texto ou editores para linguagens de programação [FAV89]. Os editores disponibilizam elementos gráficos para os usuários criarem modelos. Os modelos são produzidos segundo uma técnica, utilizando uma notação e são armazenados como documentos [ORT95]. Em conseqüência, a aplicação de uma metodologia de desenvolvimento pode ser considerada como um processo de produção de uma coleção de documentos, cada um dos quais apresenta visões parciais dos conceitos modelados. Com essa interpretação, os documentos que integram a metodologia podem ser definidos como associações de elementos básicos (ou seja, os conceitos), dos quais cada documento só mostra um aspecto. Esses elementos básicos podem formar parte de vários documentos e são vistos desde diferentes perspectivas, conforme o documento sob o qual são observados [ORT95]. Em resumo, uma metodologia é composta por notações. As notações descrevem os conceitos que são utilizados nos documentos produzidos nas etapas do processo de desenvolvimento de software. As metodologias podem ser descritas através de um metamodelo. Um metamodelo é um modelo que descreve outros modelos [PAS97]. Um exemplo disto é a UML (Unified Modeling Language), que é constituída por duas partes interdependentes: os conceitos e a notação gráfica representativa destes conceitos. No documento UML Semantics [RAT97a], são descritos esses conceitos através de um metamodelo. Esse documento define toda a sintaxe através da notação do diagrama de classe da própria UML, e a semântica é descrita através da linguagem OCL (Object Constraint Language) e linguagem natural. A sintaxe descreve como fazer e a semântica descreve o significado do que está sendo feito [SOU00]. Daqui em diante, sempre que se citar a palavra ferramentas, esta refere-se às ferramentas de um ADS. 1

19 19 Os editores diagramáticos fornecem mecanismos para a verificação de consistência dos modelos criados segundo as regras de uma notação de uma metodologia. O uso das notações das metodologias pelos editores diagramáticos gera um volume muito grande de dados. Estes são armazenados em sistemas de arquivos ou em um SGBD (Sistema Gerenciador de Banco de Dados). No caso de um SGBD, tem-se dois repositórios de dados. O primeiro repositório é um dicionário de dados para armazenar as descrições dos dados, ou seja, os metadados. Os metadados podem ser, por exemplo, atributos, tipos dos atributos, chaves primárias e chaves estrangeiras. O segundo tipo de repositório é um repositório de dados constituído, basicamente, de tabelas. Nas tabelas, são armazenados os dados gerados pelas ferramentas. 1.2 Proposta do Trabalho Tendo em vista que várias ferramentas podem utilizar as mesmas notações diagramáticas de uma metodologia e, também, podem compartilhar os mesmos dados, este trabalho propõe a modelagem de uma enciclopédia, a qual será chamada de ED-ADS (Enciclopédia Distribuída para Ambientes de Desenvolvimento de Software). Uma enciclopédia é uma ferramenta, na qual são armazenadas todas as informações de um ADS. As ferramentas utilizam a enciclopédia para armazenar os metadados e os dados. Os metadados, na enciclopédia, descrevem os conceitos utilizados nas notações das metodologias. Na modelagem do ED-ADS, é utilizado o conceito de metamodelo. O metamodelo é um modelo lógico. Este pode ser implementado de formas diferentes, por isso não se pode garantir que um repositório a ser construído com base nele atende a todas as restrições definidas no metamodelo [SOU00]. O metamodelo do ED-ADS foi modelado utilizando-se a notação da UML. O metamodelo é composto de pacotes, diagramas de classes, diagramas de caso de uso e diagramas de interação. Os pacotes e diagramas de classes descrevem os conceitos e as funcionalidades do ED-ADS. Os diagramas de casos de uso apresentam os serviços do ED-ADS. Os diagramas de interação demonstram a troca de mensagens entre os objetos, que implementam os serviços do ED-ADS. O ED-ADS permite a definição dos conceitos dos documentos de uma metodologia, bem como, a definição da notação diagramática da metodologia. Além disso, o ED-ADS permite e gerencia o compartilhamento dos dados criados com base nas metodologias definidas nele. O metamodelo do ED-ADS permite a definição de regras de consistência para os modelos de documentos de uma metodologia. Para isso, o ED-ADS possui um dicionário de dados para o gerenciamento de metadados, e uma base de dados para o armazenamento dos dados em um SGBD. O ED-ADS está inserido em ambientes distribuídos, como a Internet, por isso, é complexo manter a consistência das informações. As informações são manipuladas pelas diversas ferramentas que interoperam com o ED-ADS. Para isso, no metamodelo deste trabalho, são modelados mecanismos de bloqueio e desbloqueio de instâncias (através de métodos a serem implementados). Também, é modelada a atribuição de permissões de acesso aos dados e serviços do ED-ADS. A prototipação do ED-ADS é descrita no Capítulo 6. O objetivo desta é testar os serviços definidos nos pacotes do ED-ADS.

20 Contexto do Trabalho Este trabalho está inserido no projeto AMADEUS (Ambientes e Metodologias Adaptáveis de Desenvolvimento Unificado de Software) em desenvolvimento no Instituto de Informática da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul). Nesse projeto, são estudados ambientes e metodologias de desenvolvimento de software. Para isso, são construídos editores diagramáticos para auxiliar o uso das notações de metodologias de desenvolvimento de software. A seguir são apresentados alguns dos trabalhos desenvolvidos no AMADEUS. A proposta de um EDG foi desenvolvida por Walcelio Melo [MEL89], cujo objetivo é servir de ferramenta de suporte à utilização de métodos de desenvolvimento de software baseados em notações diagramáticas. O EDG é uma ferramenta constituída com a capacidade de gerar editores diagramáticos especializados. O EDG prevê mecanismos pelos quais, diagramas possíveis de serem abstraídos como grafos, possam ser descritos". Um editor, orientado por estruturas, foi desenvolvido por Elói Favero [FAV89, FAV89a] que "propõe uma abordagem para a construção de editores para linguagens diagramáticas (por exemplo, Diagrama de Fluxo de Dados). O trabalho é baseado na construção de um editor, a partir da descrição de uma linguagem diagramática, no formalismo chamado gramática de atributos. Este é usado na construção de editores para linguagens textuais. O nível sintático da gramática compreende os aspectos relacionados com a estrutura da linguagem, estrutura de grafos ou de árvore. O nível semântico compreende, por exemplo, as verificações de consistência". O trabalho de Maria Silva [SIL90] "apresenta a conversão do Editor Diagramático Específico (EDE) do ambiente Machintosh para o Windows. O EDE é parte do EDG [MEL89]. O EDE permite que sejam manipulados diagramas de métodos específicos. A entidade manipulada pelo EDE é o documento. Um documento é representado em forma de árvore, onde cada nodo, é um diagrama. Ou seja, um documento pode ter vários níveis de diagramas". O trabalho de Esteban Pastor [PAS94] expõe "uma comparação entre as metodologias de desenvolvimento de software mais conhecidas. A intenção deste é obter um conjunto de características padrão, que permitam definir um formalismo de integração. Em [PAS97], este autor apresenta um conjunto de metamodelos para algumas das metodologias de desenvolvimento de software orientadas a objeto descritas em [PAS94]. O trabalho do Alvaro Ortigosa [ORT95] descreve "um modelo de representação de metodologias e do processo de desenvolvimento. Este permite integrar a especificação das atividades e papéis do usuário, com a especificação da estrutura dos documentos produzidos. Os documentos, produzidos pelas aplicação de uma metodologia, são associações conceituais de componentes básicos, dos quais cada documento somente mostra um aspecto. Um documento é representado por um contexto, o qual determina uma forma específica de apresentar a informação (sintaxe), e define os relacionamentos válidos ente os componentes que são visualizados dentro do contexto (semântica estática). Com este enfoque, o modelo suporta, de forma direta, a representação das diferentes visões de uma entidade, em documentos produzidos pelas diferentes técnicas de descrição que compõem uma metodologia.

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO 19 CAPÍTULO 2 - CONCEITOS 25

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO 19 CAPÍTULO 2 - CONCEITOS 25 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS LISTA DE TABELAS LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS Pág. CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO 19 CAPÍTULO 2 - CONCEITOS 25 2.1 A tecnologia de orientação a objetos 25 2.1.1 Projeto de software

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS RESUMO Este artigo apresenta a especificação de um sistema gerenciador de workflow, o ExPSEE, de acordo com a abordagem de desenvolvimento baseado

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - MÓDULO 3 - MODELAGEM DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS COM UML 1. INTRODUÇÃO A partir de 1980, diversos métodos de desenvolvimento de sistemas surgiram para apoiar o paradigma orientado a objetos com uma

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Banco de Dados Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Roteiro Apresentação do professor e disciplina Definição de Banco de Dados Sistema de BD vs Tradicional Principais características de BD Natureza autodescritiva

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini Banco de Dados Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Profa. Flávia Cristina Bernardini Relembrando... Vantagens da Utilização de SGBD Redundância controlada Consistência dos dados armazenados

Leia mais

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs 1 Bancos de Dados - Introdução Melissa Lemos melissa@inf.puc-rio.br Tópicos Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos Conceitual Lógico Características de SGBDs 2 Evolução tempo Programas e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

A história de UML e seus diagramas

A história de UML e seus diagramas A história de UML e seus diagramas Thânia Clair de Souza Vargas Departamento de Informática e Estatística Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Florianópolis, SC Brazil thania@inf.ufsc.br Abstract.

Leia mais

MOR: Uma Ferramenta para o Mapeamento Objeto-Relacional em Java

MOR: Uma Ferramenta para o Mapeamento Objeto-Relacional em Java MOR: Uma Ferramenta para o Mapeamento Objeto-Relacional em Java Leonardo Gresta Paulino Murta Gustavo Olanda Veronese Cláudia Maria Lima Werner {murta, veronese, werner}@cos.ufrj.br COPPE/UFRJ Programa

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

Especificação de um Sistema Gerenciador de Workflow de Acordo com a Abordagem de Desenvolvimento Baseado em Componentes

Especificação de um Sistema Gerenciador de Workflow de Acordo com a Abordagem de Desenvolvimento Baseado em Componentes Especificação de um Sistema Gerenciador de Workflow de Acordo com a Abordagem de Desenvolvimento Baseado em Componentes Edson Alves de Oliveira Junior 1, Itana Maria de Souza Gimenes 1 1 Departamento de

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Roteiro. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Conceitos e Arquiteturas de Sistemas de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I

Roteiro. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Conceitos e Arquiteturas de Sistemas de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I Roteiro Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br www.decom.ufop.br/luiz

Leia mais

modelagem do negócio (processos e objetos do negócio) modelagem de requisitos alocados ao software modelagem da solução de software

modelagem do negócio (processos e objetos do negócio) modelagem de requisitos alocados ao software modelagem da solução de software POO com UML Java Uso da linguagem UML(Unified Modeling Language) A UML, ou Linguagem de Modelagem Unificada, é a junção das três mais conceituadas linguagens de modelagem orientados a objectos (Booch de

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

ANÁLISE E PROJETO ORIENTADO A OBJETOS. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

ANÁLISE E PROJETO ORIENTADO A OBJETOS. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com ANÁLISE E PROJETO ORIENTADO A OBJETOS Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Análise Descrição do problema a ser implementado Descrição dos objetos e classes que fazem parte do problema, Descrição

Leia mais

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo?

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo? O que é a UML? Introdução a UML Linguagem Gráfica de Modelagem para: Visualizar Especificar Construir Documentar Comunicar Artefatos de sistemas complexos Linguagem: vocabulário + regras de combinação

Leia mais

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico Banco de Dados // 1 Banco de Dados // 2 Conceitos BásicosB Engenharia da Computação UNIVASF BANCO DE DADOS Aula 1 Introdução a Banco de Dados Campo representação informatizada de um dado real / menor unidade

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML

WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML Carlos Henrique Pereira WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML Florianópolis - SC 2007 / 2 Resumo O objetivo deste trabalho é especificar

Leia mais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Bancos de Dados Conceitos Fundamentais Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos

Leia mais

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Curso de Gestão em SI Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Rodrigo da Silva Gomes (Extraído do material do prof. Ronaldo Melo - UFSC) Banco de Dados (BD) BD fazem parte do nosso dia-a-dia!

Leia mais

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Itana M. S. Gimenes 1 itana@din.uem.br Fabrício R. Lazilha 2 fabricio@cesumar.br Edson A. O. Junior

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

Transformação de modelos em processos de desenvolvimento de software

Transformação de modelos em processos de desenvolvimento de software 1068 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Transformação de modelos em processos de desenvolvimento de software Vinycio de Correa Lunelli 1, Profa. Dra. Ana Paula Terra Bacelo 1 1 Faculdade de Informática,

Leia mais

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Orivaldo V. Santana Jr A partir de slides elaborados por Ivan G. Costa Filho Fernando Fonseca & Robson Fidalgo 1 Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos Principal

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

3 OOHDM e SHDM 3.1. OOHDM

3 OOHDM e SHDM 3.1. OOHDM 32 3 OOHDM e SHDM Com a disseminação em massa, desde a década de 80, de ambientes hipertexto e hipermídia, principalmente a Web, foi identificada a necessidade de elaborar métodos que estruturassem de

Leia mais

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD Introdução 1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância

5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância 5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância O capítulo anterior apresentou uma discussão sobre a inclusão dos chamados learning services no processo

Leia mais

3. PARADIGMA ORIENTADO A OBJETOS

3. PARADIGMA ORIENTADO A OBJETOS Paradigmas de Linguagens I 1 3. PARADIGMA ORIENTADO A OBJETOS Este paradigma é o que mais reflete os problemas atuais. Linguagens orientada a objetos (OO) são projetadas para implementar diretamente a

Leia mais

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 UML 2 Guia Prático Gilleanes T.A. Guedes Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 Novatec capítulo 1 Introdução à UML A UML (Unified Modeling Language ou Linguagem de Modelagem

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML)

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Aécio Costa A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Percebeu-se a necessidade de um padrão para a modelagem de sistemas, que fosse aceito e utilizado amplamente. Surge a UML (Unified Modeling Language)

Leia mais

UML Unified Modeling Language

UML Unified Modeling Language UML Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada A linguagem UML UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada É uma linguagem para especificação, É uma linguagem para

Leia mais

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Fernando Castor A partir de slides elaborados por Fernando Fonseca & Robson Fidalgo 1 Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos Principal característica é a replicação

Leia mais

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br CORBA Common Object Request Broker Architecture Unicamp Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br Objetivos Apresentação Tecnologia CORBA Conceitos Básicos e Terminologia Considerações

Leia mais

Framework utilizando reflexão e aspectos para persistência de objetos em java

Framework utilizando reflexão e aspectos para persistência de objetos em java Framework utilizando reflexão e aspectos para persistência de objetos em java Antonio Carlos Rolloff (UNIPAR) acrolloff@gmail.com Arthur Cattaneo Zavadski (UNIPAR) arthur@datacoper.com.br Maria Aparecida

Leia mais

Suporte à Engenharia Reversa para o ambiente SEA

Suporte à Engenharia Reversa para o ambiente SEA Otavio Pereira Suporte à Engenharia Reversa para o ambiente SEA Orientador: Ricardo Pereira e Silva Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Departamento de Informática e Estatística - INE Florianópolis

Leia mais

Especificação de Sistemas de Tempo-Real utilizando Orientação a Objetos

Especificação de Sistemas de Tempo-Real utilizando Orientação a Objetos Especificação de Sistemas de Tempo-Real utilizando Orientação a Objetos Marco Aurélio Wehrmeister mawehrmeister@inf.ufrgs.br Roteiro Introdução Orientação a Objetos UML Real-Time UML Estudo de Caso: Automação

Leia mais

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos de Dados Abstração

Leia mais

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Juarez Bachmann Orientador: Alexander Roberto Valdameri Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Prof. Adriano Pereira Maranhão 1 REVISÃO BANCO DE DADOS I O que é banco de dados? Ou seja afinal o que é um SGBD? REVISÃO BD I REVISÃO DE BD I Um Sistema de Gerenciamento de

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I CONCEITOS BÁSICOS 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

Sistema Gerenciador de Hotel. Adriano Douglas Girardello. Ana Paula Fredrich. Tiago Alexandre Schulz Sippert

Sistema Gerenciador de Hotel. Adriano Douglas Girardello. Ana Paula Fredrich. Tiago Alexandre Schulz Sippert UNIOESTE Universidade Estadual do Oeste do Paraná CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Colegiado de Informática Curso de Bacharelado em Informática Sistema Gerenciador de Hotel Adriano Douglas Girardello

Leia mais

4 Conversor EDTV Raw. 4.1 Arquitetura

4 Conversor EDTV Raw. 4.1 Arquitetura 4 Conversor EDTV Raw O conversor EDTV Raw é o programa que lê um documento escrito no perfil NCL EDTV e gera um documento Raw equivalente, i.e. que define a mesma apresentação. Este capítulo, apresenta

Leia mais

Um modelo é uma simplificação da realidade. Construímos modelos para compreender melhor o sistema que estamos desenvolvendo.

Um modelo é uma simplificação da realidade. Construímos modelos para compreender melhor o sistema que estamos desenvolvendo. UML - Motivação - O que é um modelo? Um modelo é uma simplificação da realidade. Construímos modelos para compreender melhor o sistema que estamos desenvolvendo. O que é um modelo? O que é um modelo? O

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Engenharia de Software I Informática 2009 Profa. Dra. Itana Gimenes RUP: Artefatos de projeto Modelo de Projeto: Use-Case Realization-projeto

Leia mais

Documentação de um Produto de Software

Documentação de um Produto de Software Documentação de um Produto de Software Versão 3.0 Autora: Profª Ana Paula Gonçalves Serra Revisor: Prof. Fernando Giorno 2005 ÍNDICE DETALHADO PREFÁCIO... 4 1. INTRODUÇÃO AO DOCUMENTO... 6 1.1. TEMA...

Leia mais

Uma Abordagem usando PU

Uma Abordagem usando PU Uma Abordagem usando PU Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Baseada em: Rational Software Corpotation G. Booch, Ivar Jacobson,

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/

SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/ SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/ ModeloPlanoProjeto_2007_04_24 SIGECO07_PlanoProjeto_2007_09_23 Página

Leia mais

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio 32 3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio Este capítulo apresenta o framework orientado a aspectos para monitoramento e análise de processos de negócio

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03)

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) MBA em Gestão de TI MÓDULO: BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) PROFESSOR: Edison Andrade Martins Morais prof@edison.eti.br http://www.edison.eti.br

Leia mais

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI Dr. George SILVA; Dr. Gilbert SILVA; Gabriel GUIMARÃES; Rodrigo MEDEIROS; Tiago ROSSINI; Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio Grande do

Leia mais

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados SISTEMA DE BANCO DE DADOS Banco e Modelagem de dados Sumário Conceitos/Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Arquiteturas de um Sistema Gerenciador... 5 3. Componentes de um Sistema... 8 4. Vantagens

Leia mais

guia prático 2a Edição Gilleanes T.A. Guedes Novatec

guia prático 2a Edição Gilleanes T.A. Guedes Novatec guia prático 2a Edição Gilleanes T.A. Guedes Novatec Copyright 2007, 2014 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software Anna Carla Mohr Verner Helder Eugenio dos Santos Puia Florianópolis,

Leia mais

Modelos de Sistema. 2007 by Pearson Education. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 8 Slide 1.

Modelos de Sistema. 2007 by Pearson Education. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 8 Slide 1. Modelos de Sistema Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 8 Slide 1 Objetivos Explicar por que o contexto de um sistema deve ser modelado como parte do processo de RE Descrever

Leia mais

Definição de Processos de Workflow

Definição de Processos de Workflow Definição de Processos de Tiago Telecken Universidade Federal do Rio Grande do Sul telecken@inf.ufrgs.br Resumo Este artigo apresenta uma introdução a tecnologia de workflow informando noções básicas sobre

Leia mais

( JUDE Community 5.1 2006/2007 ) Por Denize Terra Pimenta Outubro/2007

( JUDE Community 5.1 2006/2007 ) Por Denize Terra Pimenta Outubro/2007 Tutorial JUDE ( JUDE Community 5.1 2006/2007 ) Por Denize Terra Pimenta Outubro/2007 Ferramenta CASE UML Índice Introdução... 2 Download e Instalação... 2 Apresentação da Ferramenta... 2 Salvando o Projeto...

Leia mais

GERADOR DE CÓDIGO JSP BASEADO EM PROJETO DE SGBD. Acadêmico: Maicon Klug Orientadora: Joyce Martins

GERADOR DE CÓDIGO JSP BASEADO EM PROJETO DE SGBD. Acadêmico: Maicon Klug Orientadora: Joyce Martins GERADOR DE CÓDIGO JSP BASEADO EM PROJETO DE SGBD Acadêmico: Maicon Klug Orientadora: Joyce Martins Roteiro Introdução Objetivos do trabalho Fundamentação teórica Desenvolvimento do trabalho Conclusão Extensões

Leia mais

Arquitetura de Banco de Dados

Arquitetura de Banco de Dados Arquitetura de Banco de Dados Daniela Barreiro Claro MAT A60 DCC/IM/UFBA Arquitetura de Banco de dados Final de 1972, ANSI/X3/SPARC estabeleceram o relatório final do STUDY GROUP Objetivos do Study Group

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas

Análise e Projeto de Sistemas Análise e Projeto de Sistemas Unified Modeling Language Benno Eduardo Albert benno@ufrj.br O que é modelagem Tripé de apoio ao desenvolvimento. Notação: UML Ferramenta: Rational Rose. 2 O que é modelagem

Leia mais

UML Visão Geral. Índice. Introdução. Diagramas. Modelos e diagramas. Elementos de modelação. Referências

UML Visão Geral. Índice. Introdução. Diagramas. Modelos e diagramas. Elementos de modelação. Referências UML Visão Geral 1 Índice Introdução O que é a UML? Valor da UML Origens da UML Parceiros da UML Modelos e diagramas Elementos de modelação Diagramas Diagrama de casos de utilização Diagrama de classes

Leia mais

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Modelagem OO com UML Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Departamento de Informática Centro Tecnológico Universidade Federal do Espírito Santo Modelos Maneira

Leia mais

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1 1. Quando se constrói um banco de dados, define-se o modelo de entidade e relacionamento (MER), que é a representação abstrata das estruturas de dados do banco e seus relacionamentos. Cada entidade pode

Leia mais

Capítulo VI CORBA. Common Object Request Broker Architecture. [Cardoso2008] Programação de Sistemas Distribuídos em Java, Jorge Cardoso, FCA, 2008.

Capítulo VI CORBA. Common Object Request Broker Architecture. [Cardoso2008] Programação de Sistemas Distribuídos em Java, Jorge Cardoso, FCA, 2008. Common Object Request Broker Architecture [Cardoso2008] Programação de Sistemas Distribuídos em Java, Jorge Cardoso, FCA, 2008. From: Fintan Bolton Pure CORBA SAMS, 2001 From: Coulouris, Dollimore and

Leia mais

Wilson Moraes Góes. Novatec

Wilson Moraes Góes. Novatec Wilson Moraes Góes Novatec Copyright 2014 Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer processo,

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Arquitetura de Workflow em Plone e Web Services

Arquitetura de Workflow em Plone e Web Services Arquitetura de Workflow em Plone e Web Services Elisandra Fidler Pez, Heitor Strogulski Núcleo de Processamento de Dados Universidade de Caxias do Sul (UCS) Caxias do Sul, RS Brasil {efidler, hstrogul}@ucs.br

Leia mais

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados -

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados - Banco de Dados Aula 02 Modelagem de Dados Roteiro Definição Evolução Projeto de BD Abstração Esquema e Instância Definição É uma representação, normalmente gráfica, de estruturas de dados reais. Auxilia

Leia mais

UML: Unified Modeling Language. Graduação em Informática 2008 Profa. Itana Gimenes

UML: Unified Modeling Language. Graduação em Informática 2008 Profa. Itana Gimenes UML: Unified Modeling Language Graduação em Informática 2008 Profa. Itana Gimenes Unified Modelling Language (UML) Não é uma linguagem de programação. Linguagem de modelagem visual utilizada para especificar,

Leia mais

Arquiteturas de Aplicações Distribuídas

Arquiteturas de Aplicações Distribuídas Arquiteturas de Aplicações Distribuídas Fernando Albuquerque 061-2733589 fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando Tópicos Introdução. HTTP / CGI. API sockets. JDBC. Remote Method Invocation.

Leia mais

5 Detalhes da Implementação

5 Detalhes da Implementação Detalhes da Implementação 101 5 Detalhes da Implementação Neste capítulo descreveremos detalhes da implementação do Explorator que foi desenvolvido usando o paradigma MVC 45 e o paradigma de CoC 46 (Convention

Leia mais

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase.

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase. Prof. Omero, pág. 63 O que é o InterBase? O InterBase é um SGBDR - Sistema Gerenciador de Banco de Dados Cliente/Servidor Relacional 1 que está baseado no padrão SQL ANSI-9, de alta performance, independente

Leia mais

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados Sistema de Bancos de Dados Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados # Definições # Motivação # Arquitetura Típica # Vantagens # Desvantagens # Evolução # Classes de Usuários 1 Nível 1 Dados

Leia mais

A linguagem UML. UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes. Por que usar UML? O que é modelagem?

A linguagem UML. UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes. Por que usar UML? O que é modelagem? UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes Prof. Ms. Luiz Alberto Contato: lasf.bel@gmail.com A linguagem UML UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada É uma linguagem de modelagem

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

08/04/2013. Agenda. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ

08/04/2013. Agenda. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ Agenda Caché Server Pages Uma Aplicação Banco de Dados Fernando Fonseca Ana Carolina Salgado Mestrado Profissional 2 SGBD de alto desempenho e escalabilidade Servidor de dados multidimensional Arquitetura

Leia mais

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Introdução BD desempenha papel crítico em todas as áreas em que computadores são utilizados: Banco: Depositar ou retirar

Leia mais

Integridade dos Dados

Integridade dos Dados 1 Integridade dos Dados Integridade dos Dados Melissa Lemos melissa@inf.puc-rio.br A integridade dos dados é feita através de restrições, que são condições obrigatórias impostas pelo modelo. Restrições

Leia mais

Ferramenta CORIDORA Web Mapping para Mapeamento de Esquemas em Bancos de Dados Heterogêneos

Ferramenta CORIDORA Web Mapping para Mapeamento de Esquemas em Bancos de Dados Heterogêneos Ferramenta CORIDORA Web Mapping para Mapeamento de Esquemas em Bancos de Dados Heterogêneos Fernando Busanello Meneghetti 1, Fabiano Gama Paes 1, Gustavo Zanini Kantorski 1 Curso de Sistemas de Informação

Leia mais

UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada

UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada Introdução É a padronização das metodologias de desenvolvimento de sistemas baseados na orientação a objetos. Foi criada por três grandes

Leia mais

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 2. Processo de Software 3. Gerência de

Leia mais

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA XML e Banco de Dados DCC/IM/UFBA Banco de Dados na Web Armazenamento de dados na Web HTML muito utilizada para formatar e estruturar documentos na Web Não é adequada para especificar dados estruturados

Leia mais

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante Banco de Dados 1 Programação sucinta do curso:. Conceitos fundamentais de Banco de Dados.. Arquitetura dos Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados (SGBD ou DBMS).. Características típicas de um SGBD..

Leia mais

GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código

GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código Igor Steinmacher 1, Éderson Fernando Amorim 1, Flávio Luiz Schiavoni 1, Elisa Hatsue Moriya Huzita 1 1 Departamento de Informática

Leia mais

Banco de Dados I Ementa:

Banco de Dados I Ementa: Banco de Dados I Ementa: Banco de Dados Sistema Gerenciador de Banco de Dados Usuários de um Banco de Dados Etapas de Modelagem, Projeto e Implementação de BD O Administrador de Dados e o Administrador

Leia mais

Ontologia Aplicada ao Desenvolvimento de Sistemas de Informação sob o Paradigma da Computação em Nuvem

Ontologia Aplicada ao Desenvolvimento de Sistemas de Informação sob o Paradigma da Computação em Nuvem Ontologia Aplicada ao Desenvolvimento de Sistemas de Informação sob o Paradigma da Computação em Nuvem Luiz Cláudio Hogrefe Orientador: Prof. Roberto Heinzle, Doutor Roteiro Introdução Fundamentação teórica

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 02 IMPLANTAÇÃO DE 1 (UM)

Leia mais

ArgoCASEGEO + TerraLib = bancos de dados geográficos para aplicações Small GIS

ArgoCASEGEO + TerraLib = bancos de dados geográficos para aplicações Small GIS ArgoCASEGEO + TerraLib = bancos de dados geográficos para aplicações Small GIS Alexandre Gazola, Gustavo Breder Sampaio, Jugurta Lisboa Filho Departamento de Informática Universidade Federal de Viçosa

Leia mais

Unified Modeling Language

Unified Modeling Language Unified Modeling Language Modelagem de Negócios e de Sistemas com Casos de Uso Denize Terra Pimenta dpimenta@gmail.com www.analisetotal.com.br Índice 2 1 Objetivos Esta palestra é uma introdução à modelagem

Leia mais

Introdução a Banco de Dados

Introdução a Banco de Dados Introdução a Banco de Dados O modelo relacional Marta Mattoso Sumário Introdução Motivação Serviços de um SGBD O Modelo Relacional As aplicações não convencionais O Modelo Orientado a Objetos Considerações

Leia mais

20/05/2013. Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos. Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados. Estrutura de um BD SGBD

20/05/2013. Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos. Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados. Estrutura de um BD SGBD Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca Ana Carolina Robson Fidalgo Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos Principal característica é a replicação e isolamento de dados (ilhas de informações)

Leia mais