Alocação de Cabos em Redes de Distribuição de Energia Elétrica de Média Tensão (MT) Utilizando Algoritmo Chu-Beasley

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Alocação de Cabos em Redes de Distribuição de Energia Elétrica de Média Tensão (MT) Utilizando Algoritmo Chu-Beasley"

Transcrição

1 1 Alocação de Cabos em Redes de Distribuição de Energia Elétrica de Média Tensão (MT) Utilizando Algoritmo Chu-Beasley J. Castilho Neto, A. M. Cossi Resumo-- Neste trabalho é proposta uma metodologia para a alocação de cabos em redes de distribuição de energia elétrica de média tensão utilizando o Algoritmo Genético Chu-Beasley (AGCB) dedicado ao problema específico. O AGCB proposto utiliza esquema de codificação, operadores genéticos e parâmetros de controle, projetados e direcionados para considerar as características dos cabos a serem alocados nos ramais da rede de média tensão. O esquema de codificação mapea as possíveis soluções que atendem aos requisitos necessários para obter um sistema projetado eficiente e de baixo custo relativo ao dimensionamento adequado dos condutores. Um algoritmo eficiente de fluxo de potência é utilizado como metodologia auxiliar ao AGCB para o cálculo da função de adaptação das propostas de soluções de cada topologia da rede de média tensão. Apresentam-se resultados para uma rede de distribuição de média tensão disponível na literatura. Palavras-chave Redes de distribuição, alocação de cabos, algoritmo Chu-Beasley, otimização, fluxo de potência. I. NOMENCLATURA : Função objetivo para alocação de cabos; : Custo dos cabos em R$; : Custo das perdas elétricas em R$; : Conjunto formado pelos ramais da rede de : Conjunto formado pelos tipos de cabos; nk : Conjunto formado pelos alimentadores da rede de MT; h : Custo do kwh em R$; : Período de um ano de operação da rede de distribuição (8760 horas); : Resistência dos cabos instalados nos ramais j da rede de : Corrente calculada em cada ramo j da rede de : Conjunto que representa as equações de fluxo de potência; : Potência ativa na barra k da rede de Este trabalho foi financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo FAPESP (Processo 2009/ ) e pela Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira FEIS/UNESP, através de bolsa de Auxílio de Extensão I. J. Castilho Neto é estudante de Engenharia Elétrica da Universidade Estadual Paulista Campus de Ilha Solteira ( A. M. Cossi trabalha como professor da Universidade Estadual Paulista Campus de Ilha Solteira ( : Potência reativa na barra k da rede de : Tensão calculada na barra k da rede de : Limite mínimo de tensão na barra k da rede de : Limite máximo de tensão na barra k da rede de : Fluxo de corrente calculado em cada ramo j da rede de : Fluxo máximo de corrente permitido pelo cabo instalado nos ramas da rede de distribuição. O II. INTRODUÇÃO s estudos de expansão de novas redes de distribuição são baseados no sistema existente, se houver, em previsões de consumos, extensos cálculos econômicos e elétricos, além da experiência e capacidade de julgamento do planejador. O problema consiste em planejar a expansão do sistema de distribuição (para um ou mais estágios), envolvendo ações de planejamento dessas redes, para atender as demandas, procurando maximizar os atributos: economia, confiabilidade, segurança e qualidade de serviço do fornecimento de energia [1], [2]. Assim, dentre as possíveis ações de planejamento para redes de distribuição de média tensão (MT), encontra-se a escolha de condutores adequados que podem ser instalados nos ramais das redes de MT devido à construção ou expansão dessas redes, além de poder substituir os condutores que se encontram em operação por outros melhores [3]-[6]. A especificação adequada de condutores para as redes de distribuição, normalmente constitui a melhor solução para obtenção de níveis adequados de tensão [3]-[6]. Esta solução provoca uma melhora significativa das restrições de queda de tensão e carregamento dos condutores [3]. No entanto, esta medida técnica redunda em maiores investimentos econômicos. Assim, tanto do ponto de vista técnico quanto econômico, a instalação e/ou troca de condutores nos sistemas de distribuição, em comparação com outras ações de planejamento, justifica o estudo de ferramentas capazes de obter resultados de sistemas de distribuição de energia elétrica eficientes e confiáveis, mas de uma forma econômica. Na literatura, são encontrados diferentes trabalhos que utilizam diferentes técnicas de solução para tratar da questão da seleção ótima de condutores para redes de distribuição de Média Tensão (MT) [1]-[6]. Dentre eles podemos citar os trabalhos que utilizam como técnica de solução metaheurísticas: Algoritmos Genéticos [1], [3] e [7].

2 2 Neste trabalho, a alocação de condutores em redes de MT é formulada como um problema de programação não linear inteiro misto (PNLIM) [1]-[3]. A função objetivo considera os custos de investimentos com instalação e/ou substituição de condutores e os custos operacionais (perdas técnicas) [1]. Para a solução do PNLIM, será empregado um Algoritmo Genético (AG) [7] modificado, conhecido como Algoritmo Genético Chu-Beasley (AGCB) [8], possibilitando encontrar soluções de boa qualidade para o problema sob os aspectos técnicos e econômicos. Para avaliar cada proposta de solução através da função fitness, é utilizado um algoritmo de fluxo de potência monofásico para redes de MT [9]. Para testar a eficiência do AGCB proposto, são apresentados resultados de testes para dois sistemas: sendo um sistema da literatura [3] de pequeno porte, e outro de médio porte alimentado por três subestações. III. FORMULAÇÃO DO PROBLEMA No modelo de alocação de cabos de redes de distribuição de MT, a função objetivo consiste em minimizar os custos fixos e variáveis para instalação e/ou troca (recondutoramento) de cabos nos ramais da rede. Os custos fixos representam os investimentos com a compra, instalação e/ou troca de cabos, e os custos variáveis representam as perdas elétricas da rede para um período de um ano de operação [1]-[3]. Matematicamente, a função objetivo (f c ) é escrita da seguinte forma: de problema [8]. O AGCB apresenta particularidades em relação ao algoritmo genético (AG) tradicional [7]. Uma dessas particularidades refere-se ao armazenamento das soluções. Neste caso, são criados dois vetores para avaliação das soluções proporcionando uma melhor manipulação das infactibilidade, sendo um para armazenar as soluções objetivo e outro para armazenar as infactibilidades. Outra diferença é a troca de apenas um individuo da população corrente por iteração, proporcionando uma maior diversidade na população. Dessa forma podem-se evitar soluções ótimas locais, permitindo somente a inserção de descendentes na população corrente totalmente diferentes e com função fitness melhor que a do indivíduo substituído. Para tratar das infactibilidades, ocorre a chamada fase de melhoria local, após o processo de mutação. Este fato faz com que o processo tende a convergir mais rapidamente. O diagrama de blocos da Fig. 1 ilustra o AGCB implementado para resolver o problema de alocação de cabos em redes de MT. =3 + % (1) "#!"#! "# sendo: = h & &² As restrições impostas ao problema de alocação de cabos são: ( ), ), ) ) (2) & & (4) (3) A equação 2 representa as equações do fluxo de potência, o qual avalia diretamente o estado da rede através do balanço de demanda para cada nó do circuito (leis de Kirchhoff - lei das correntes e das tensões), fazendo com que o somatório do fluxo líquido de potência nas barras seja nulo. Através da equação 3 avalia-se o perfil de tensão calculado para cada barra do sistema, verificando se tensão calculada está dentro dos limites máximo e mínimo de queda de tensão permitido por norma. Através da equação 4 avalia-se a capacidade do cabo em atender o fluxo de corrente calculado nos ramais da rede, podendo assim, caso seja necessário, promover a troca do cabo por outro de maior capacidade para o atendimento da demanda. IV. TÉCNICA DE SOLUÇÃO A técnica de otimização proposta para a alocação de cabos em redes de MT é um Algoritmo Genético conhecido como Chu-Beasley (AGCB) desenvolvido e adaptado para este tipo Fig.1. Diagrama de blocos do AGCB.

3 3 A seguir, detalha-se o algoritmo AGCB. A. População Inicial A população inicial foi gerada de forma aleatória. Neste caso, para cada ramo da rede de distribuição foi gerado um tipo de cabo, pertencente ao conjunto de cabos disponíveis para serem instalados e/ou trocados nos ramais da rede, de forma aleatória. B. Sistema de Codificação O sistema de codificação (estrutura cromossômica) e a forma de realização dos operadores genéticos (seleção, recombinação e mutação) foram desenvolvidos tendo como base as características físicas do problema sob estudo (eq. 1 a 4). Assim, para mapear as possíveis soluções do problema é utilizada uma codificação em base decimal inteira, como ilustrado na Fig. 2. D. Processo de Seleção No processo de seleção, utilizou-se a técnica de torneio, onde são realizados n jogos, sendo n o tamanho da população. Em cada jogo foram selecionadas aleatoriamente duas configurações diferentes da população corrente e escolhida aquela com o melhor valor da função fitness (melhor solução). Neste caso, a solução escolhida irá recombinar com outra solução escolhida aleatoriamente da mesma forma. E. Processo de Recombinação A recombinação consiste em trocar parte das informações de um cromossomo com o outro, gerando assim outros dois cromossomos chamados de descendentes. Trata-se do processo de recombinação de um único ponto escolhido aleatoriamente. Neste caso, é gerado um número aleatório p Є [0,1]. Se esse número for menor que a taxa de recombinação t r preestabelecida é realizada a recombinação. Após a recombinação, preserva-se o descendente com melhor função fitness, o qual irá participar do processo de mutação. F. Processo de Mutação Fig.2. Sistema de codificação. Neste esquema de codificação tem-se que P é o vetor que representa os tipos de cabos c (c nc) instalados nos ramais l j (j nj) dos alimentadores Al k (k nk). C. Avaliação das Soluções A avaliação das soluções é dividida em duas partes: 1. Durante o processo de seleção das configurações que irão sofrer recombinação: Para cada indivíduo da população e seus descendentes é calculada uma função fitness (fa 1 ) que considera o esquema de codificação e função objetivo (1). 2. Durante o processo de substituição de configurações por outras da população corrente: Para cada configuração analisada é calculada uma função de adaptação (fa 2 ) que considera o esquema de codificação, função objetivo (1) e penalizações das restrições violadas. Para calcular a função fitness (fa 1 e fa 2 ) e considerar as restrições de atendimento das demandas ativa e reativa (2), utiliza-se um algoritmo de fluxo de potência monofásico [9], através do qual se obtém a magnitude das tensões em todas as barras da rede de MT. Trata-se de um fluxo de potência formado por um conjunto de equações diferenciais parciais derivadas das leis de Kirchhoff (método aproximado). O processo de cálculo é caracterizado por varreduras denominadas de processo forward, partindo-se do nó inicial (ponto de alimentação subestação ou transformador abaixador) até os nós extremos, e processo backward, partindo dos extremos até o nó inicial. O processo de mutação é do tipo indutivo em que se efetua alterações no cromossomo, ou seja, em cada ramo da rede de MT, e de acordo com a taxa de mutação t m preestabelecida. Caso ocorra a mutação, troca-se a bitola do condutor por outro de maior ou menor capacidade, sendo esta escolha feita de forma aleatória. G. Melhoria Local No algoritmo AGCB a fase de melhoria local procura eliminar infactibilidade do descendente gerado após o processo de mutação. Neste caso, a melhoria local consiste em trocar cabos em ramais cujo fluxo de corrente seja superior ao fluxo máximo permitido pelo cabo existente. O processo consiste em analisar a infactibilidade do descendente gerado, da seguinte forma: - Caso o descendente seja factível verifica-se se este é diferente da população corrente: a. Se for diferente, analisa-se a possibilidade de substituir este descendente por outro da população corrente de pior função fitness. Caso contrário, o descendente é descartado. - Caso o descendente seja infactível, promove-se uma melhoria local neste descendente procurando eliminar a infactibilidade. Sendo a infactibilidade eliminada ou não, verifica-se se este descendente é diferente da população corrente. a. Se for diferente, analisa-se a possibilidade de substituir este descendente por outro da população corrente de pior função fitness. Caso contrário, o descendente é descartado. H. Substituição das Configurações O processo de substituição consiste em verificar, após o processo de mutação, se o descendente diferente da população corrente pode substituir o indivíduo dessa população com pior valor de função fitness. Caso não seja possível, este

4 4 descendente é descartado e inicia-se outra iteração. I. Critério de Parada O critério de parada consiste em analisar as soluções fitness da população durante um número especificado de gerações. Se durante um determinado número de gerações não ocorrer à diversidade da população, o processo é considerado convergido. V. RESULTADOS Para testar a metodologia desenvolvida para promover a alocação de cabos em redes de distribuição de MT, e implementada em linguagem C, foram feitos testes em dois sistemas de MT, sendo um de pequeno porte e disponível na literatura [3] comparando a eficiência dos algoritmos AGCB e do algoritmo AG tradicional, e outro de médio porte contendo três subestações, mostrando assim a eficiência do modelo implementado em se trabalhar com sistemas maiores e com mais de uma subestação. Os custos obtidos nas simulações consideram a rede trifásica. A. Sistema teste 1 Trata-se de um sistema de pequeno porte constituído de 8 barras e 7 ramais [9]. A Tabela I ilustra os dados de barra da rede e a Tabela II os tipos e parâmetros dos cabos que podem ser alocados nos ramais da rede de MT.. A Tabela III ilustra os parâmetros de controle adotados durante as simulações para obtenção da solução do problema de alocação de cabos. A Tabela IV ilustra os resultados da melhor solução obtidos nas simulações. A Fig. 3 ilustra o sistema de MT utilizado para promover a alocação de cabos, bem como o tipo de cabo nos ramais tidos como solução para o problema. A Fig. 4 mostra a evolução do processo de otimização. TABELA I DADOS DE BARRA DA REDE DE MT Barra Demanda (kw) 1 0, , , , , , , , SE 4/0 2 6 Fig.3. Sistema de MT Solução. TABELA IV RESULTADOS DOS TESTES Custos (R$) Custo Total Custo das Perdas Custo dos Cabos Barra Perfil de tensão Tensão (V) , , , , , , , , De acordo com resultados apresentados na Tabela IV, a solução encontrada apresenta a melhor configuração de cabos instalados nos ramais da rede de MT dos pontos de vista econômico e técnico. A queda máxima de tensão apresentada foi de 1,63%, ficando todas as barras com tensões dentro dos limites estabelecidos por norma (5% de queda). A Fig. 4 ilustra o comportamento da convergência do algoritmo AGCB de acordo com o número de gerações durante o processo iterativo. Para o teste realizado, o Algoritmo AGCB convergiu para uma solução que apresenta uma configuração de cabos com um perfil adequado de tensão para as cargas e custos reduzidos. 4/ , , ,00 Queda de Tensão (%) 0,00 0,68 0,76 0,61 0,62 1,09 1,63 1,60 TABELA II TIPOS DE CABOS DA REDE DE MT Tipo R$/km I(A) R(Ω/km) X(Ω/km) ,0 180,0 0,8763 0, ,0 200,0 0,6960 0,4133 1/ ,0 230,0 0,5518 0, ,0 270,0 0,4387 0,3983 3/ ,0 300,0 0,3480 0,3899 4/ ,0 340,0 0,2765 0,3610 TABELA III PARÂMETROS DE CONTROLE Tamanho da População (pop) Taxa de recombinação (t r) Taxa de mutação (t m) Gerações para critério de parada (n gp) 20 0,5 0,01 10 Fig.4. Comportamento do AGCB Sistema teste 1.

5 5 Através da Tabela V podem-se comparar os resultados utilizando o algoritmo AGCB e o AG tradicional para o sistema teste da literatura [3]. Os testes foram feitos considerando os mesmos parâmetros de simulação e dos custos dos cabos e do kwh, para um horizonte de operação de um ano. TABELA V COMPARAÇÃO DOS ALGORITMOS AG Tradicional AGCB Custo (R$) Perdas Cabos Perdas Cabos , , , ,00 Queda de Tensão (%) Maior Menor Maior Menor 1,77 0,62 1,63 0,62 Configuração de cabos Linha Tipo de Cabos Linha Tipo de Cabos 1 4/0 1 4/0 2 3/0 2 4/0 3 1/ De acordo com a Tabela V, o algoritmo AGCB obteve um custo maior com a alocação de cabos. No entanto, o custo de perdas para o período em análise foi menor, obtendo um custo total menor que o obtido pelo algoritmo AG tradicional. Ressalta-se que os resultados obtidos pelo AGCB apresentaram queda de tensão menor que o apresentado pelo algoritmo AG tradicional. O tempo de processamento dos algoritmos são praticamente os mesmos. Porém, o algoritmo AGCB apresenta uma diversidade de soluções próximas, podendo o planejador adotar a que for mais conveniente. Neste trabalho foi escolhida a solução de menor custo total, que apresenta as menores perdas e queda de tensão adequada. Fig.5. Sistema de MT Solução. TABELA VII RESULTADOS DOS TESTES Custos (R$) Custo Total ,50 Custo das Perdas ,34 Custo dos Cabos ,16 Perfil de tensão Alimentador Queda Máxima de Tensão (%) AL1 2,74 AL2 2,39 AL3 1,36 AL4 1,12 AL5 2,35 AL6 2,23 B. Sistema teste 2 Trata-se de um sistema de 54 barras, alimentado por três subestações, sendo que cada subestação possui mais de um alimentador. A Tabela III ilustra os parâmetros adotados na simulação para cada alimentador. Os dados dos cabos estão ilustrados na Tabela VI. A Tabela VII mostra os resultados obtidos da alocação de cabos para o sistema considerando um período de um ano de operação. A Tabela VIII ilustra os dados de barra e linhas do sistema. A Fig. 5 ilustra o sistema teste. A Fig. 6 ilustra a evolução do processo de otimização utilizando o algoritmo AGCB. TABELA VI TIPOS DE CABOS DA REDE DE MT Tipo R$/km I(A) R(Ω/km) X(Ω/km) ,0 180,0 0,8763 0, ,0 200,0 0,6960 0,4133 1/ ,0 230,0 0,5518 0, ,0 270,0 0,4387 0,3983 3/ ,0 300,0 0,3480 0,3899 4/ ,0 340,0 0,2765 0, ,0 600,0 0,0966 0,1201 Fig.6. Comportamento do AGCB Sistema teste 2. De acordo com resultados apresentados na Tabela VII, a solução encontrada apresenta a melhor configuração de cabos instalados nos ramais da rede de MT dos pontos de vista econômico e técnico. A maior queda ocorreu no alimentador 1 sendo de 2,74%, ficando todas as barras com tensões dentro dos limites estabelecidos por norma (5% de queda). Os testes foram importantes para mostrar a eficiência do modelo desenvolvido para ser utilizado em sistemas com mais de uma subestação e vários alimentadores.

6 6 Barra TABELA VIII DADOS DA REDE DE MT Demanda Linha Distância (Km) (kw) (kvar) Noi Nof Subestação 1 1 0,0 0, , ,9 100, , , , ,4 604, , ,2 469, , ,4 604, , ,4 268, , ,7 637, , , , ,2 469, , ,2 469, , ,6 402, , ,3 369, , ,7 302, , ,4 268, , , , ,5 167, , ,1 570, , ,7 973, , ,4 268, , ,6 402, , ,7 302, , ,9 100,72 Subestação ,0 0, , ,8 872, , ,4 604, , ,2 469, , ,9 436, , ,6 402, , ,3 369, , ,3 704, , ,2 469, , ,1 234, , ,4 268,5 Subestação ,0 0, , ,6 1409, , ,1 234, , ,6 402, , ,5 503, , ,3 369, , ,1 234, , ,3 369, , ,7 973, , , , ,8 872, , , , ,7 637, , ,1 234, , ,5 167, , ,5 503, ,1 234, , ,7 302, , ,6 402,78 VI. CONCLUSÕES Os resultados dos testes realizados mostram que a metodologia proposta utilizando Algoritmo Genético Chu- Beasley permite obter soluções otimizadas para o problema de alocação de cabos em redes de distribuição de energia elétrica de MT, sendo este algoritmo tão eficiente quanto o AG tradicional, porém com um conjunto de soluções diversas e de boa qualidade. Além disso, o modelo desenvolvido pode ser utilizado para redes maiores, que possuem mais de uma subestação e vários alimentadores. A qualidade das soluções depende do modelo e da técnica de solução adotada para resolver o problema. Assim, com o constante aumento da demanda nas redes de MT, uma ferramenta para alocação ótima de cabos nos ramais da rede, utilizando um algoritmo de solução eficiente e rápido, pode ser de grande importância para as empresas distribuidoras de energia elétrica. Pois, estas empresas precisam resolver problemas de queda de tensão e/ou estrangulamentos nos ramais das redes em tempo hábil. O AGCB desenvolvido para promover a alocação de cabos em redes de MT, pode ser utilizado tanto para redes projetadas como para redes em operação, além de poder ser utilizado por essas empresas distribuidoras de energia elétrica. VII. AGRADECIMENTOS Os autores agradecem a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo FAPESP (Processo 2009/ ) e a Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira FEIS/UNESP, pelo apoio financeiro no desenvolvimento deste projeto de pesquisa. VIII. REFERÊNCIAS [1] A. M. Cossi, R. Romero, and J. R. S. Mantovani, Planning of secondary distribution circuits through evolutionary algorithms, IEEE Trans. Power Delivery., vol. 20, no. 1, pp , Jan [2] A. M. Cossi, R. Romero, and J. R. S. Mantovani, Planning and projects of secondary electric power distribution systems, IEEE Transactions on Power Systems, vol. 24, pp , [3] F. Mendoza, D. Requena, J. L. Bemal-Agustin, and J. A. Dominguez- Navarro, Optimal Conductor Size Selection in Radial Power Distribution Systems Using Evolutionary Strategies, IEEE/PES - Transmission & Distribution Conference and Exposition: Latin America, TDC '06, [4] S. Mandal and A. Pahwa, Optimal Selection of Conductors for Distribution Feeders, IEEE Transactions on Power Systems, vol. 17, no. 1, [5] H. N. Tran and D. L. wall, Optlmal conductor selection in planning radial distribution systems, IEEE Transactions on Power Systems, vol. 3, no. 1, [6] Z. Wang, H. Liu, C. David, C. Yu, X. Wang and H. Song, A Practical Approach to the Conductor Size Selection in Planning Radial Distribution Systems, IEEE Transactions on Power Delivery, vol. 15, no. 1, [7] R. Linder, Algoritmos Genéticos, editora: Brasport, 2ª ed., 2008, 428p. [8] H. A. Ruiz, E. M. Toro, and H. S. Isaza, algoritmo genético modificado chu-beasley aplicado a la identificación de errores en la estimación de estado en sistemas eléctricos, Scientia et Technica Año XIII, no. 35, [9] R. Cespedes, New method for the analysis of distribution networks, IEEE Transactions on Power Delivery, vol. 5, no. 1, 1990.

GESTÃO DAS PERDAS EM ALIMENTADORES DA COPEL

GESTÃO DAS PERDAS EM ALIMENTADORES DA COPEL COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA BASEDA EM BUSCA TABU PARA RESTAURAÇÃO AUTOMÁTICA DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA BASEDA EM BUSCA TABU PARA RESTAURAÇÃO AUTOMÁTICA DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Anais do XIX Congresso Brasileiro de Automática, CBA 0. PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA BASEDA EM BUSCA TABU PARA RESTAURAÇÃO AUTOMÁTICA DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA BENVINDO R. PEREIRA

Leia mais

PAPER 2/6 PAPER-251-16032010.DOC 2 / 6

PAPER 2/6 PAPER-251-16032010.DOC 2 / 6 PAPER 1/6 Title Otimização do Sistema de Distribuição Subterrãneo Reticulado da Cidade de São Paulo Registration Nº: (Abstract) 251 Company Sinapsis Inovação em Energia / Universidade de São Paulo / AES

Leia mais

III Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica

III Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica ESTUDO SOBRE A EXPANSÃO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA NO BRASIL Tiago Forti da Silva Aluno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Unesp Bauru Prof. Dr. André Nunes de Souza Orientador

Leia mais

( 2) ( 1) é a potência reativa líquida fornecida pela parque à rede na barra de interligação. Considerando que Q. Onde Q

( 2) ( 1) é a potência reativa líquida fornecida pela parque à rede na barra de interligação. Considerando que Q. Onde Q 1 Modelo de Fluxo de Carga Ótimo oma de para Controle de Reativos na Barra de Conexão de Parques Eólicos C. B. M. Oliveira, PPGEE, UFRN, Max C. Pimentel Filho, e M. F. Medeiros Jr., DCA, UFRN Resumo--Este

Leia mais

Previsão da Manutenção de Disjuntores de Alimentadores de Distribuição através do Método Probabilístico

Previsão da Manutenção de Disjuntores de Alimentadores de Distribuição através do Método Probabilístico Previsão da Manutenção de Disjuntores de Alimentadores de Distribuição através do Método Probabilístico F. Sato, Unicamp e J. P. Mamede, ELEKTRO Resumo Na previsão da manutenção de disjuntores utiliza-se

Leia mais

A SOLUTION OF N-QUEENS PROBLEM BY GENETIC ALGORITHMS

A SOLUTION OF N-QUEENS PROBLEM BY GENETIC ALGORITHMS UMA SOLUÇÃO DO PROBLEMA DAS N RAINHAS ATRAVÉS DE ALGORITMOS GENÉTICOS A SOLUTION OF N-QUEENS PROBLEM BY GENETIC ALGORITHMS Eliane Vendramini de Oliveira Mestre em Engenharia Elétrica UNESP/ Ilha Solteira

Leia mais

Detecção do Intervalo de Saturação de Transformadores de Corrente através do Cálculo do Desvio Padrão entre Amostras da Corrente Secundária

Detecção do Intervalo de Saturação de Transformadores de Corrente através do Cálculo do Desvio Padrão entre Amostras da Corrente Secundária PAPER 1/6 Title Detecção do Intervalo de Saturação de Transformadores de Corrente através do Cálculo do Desvio Padrão entre Amostras da Corrente Secundária Registration Nº: (Abstract) 266 Company Centro

Leia mais

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS PARA ESTUDOS EM LINHAS SUBTERRÂNEAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Danilo Sinkiti Gastaldello Aluno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica

Leia mais

Estudo do Impacto de Geradores. Distribuídos em Redes de Distribuição de. Energia Elétrica.

Estudo do Impacto de Geradores. Distribuídos em Redes de Distribuição de. Energia Elétrica. Estudo do Impacto de Geradores Distribuídos em Redes de Distribuição de Energia Elétrica. Oliveira, F. B. R. 1 Cardoso, J. B. 2 Resumo: Os Sistemas Elétricos de Potência se estabelecem como unidades de

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA - GAT

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA - GAT SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GAT 24 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA - GAT MODELAGEM

Leia mais

VIII-Lubi-Brasil-1 REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NAS ESTAÇÕES DE BOMBEAMENTO COM O MODELO HÍBRIDO.

VIII-Lubi-Brasil-1 REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NAS ESTAÇÕES DE BOMBEAMENTO COM O MODELO HÍBRIDO. XXX CONGRESO INTERAMERICANO DE INGENIERÍA SANITARIA Y AMBIENTAL 26 al 30 de noviembre de 2006, Punta del Este Uruguay ASOCIACIÓN INTERAMERICANA DE INGENIERÍA SANITARIA Y AMBIENTAL - AIDIS VIII-Lubi-Brasil-1

Leia mais

Estudos para Localização de Faltas em Redes Subterrâneas Integrando o Software PSCAD/EMTDC e Ferramentas Inteligentes

Estudos para Localização de Faltas em Redes Subterrâneas Integrando o Software PSCAD/EMTDC e Ferramentas Inteligentes 1 Estudos para ização de Faltas em Redes Subterrâneas Integrando o Software PSCAD/EMTDC e Ferramentas Inteligentes D. S. Gastaldello, A. N. Souza, H. L. M. do Amaral, M. G. Zago e C. C. O. Ramos Resumo--

Leia mais

3 Métodos de Otimização

3 Métodos de Otimização 3 Métodos de Otimização 3.1. Introdução Os problemas de otimização são problemas de maximização ou minimização de função de uma ou mais variáveis num determinado domínio, sendo que, geralmente, existe

Leia mais

EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES)

EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES) EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES) Baixos valores de fator de potência são decorrentes de quantidades elevadas de energia reativa. Essa condição resulta em aumento na corrente total que

Leia mais

Nota Técnica 113/2007 SRD/SRE/ANEEL Metodologia para Projeção de Investimentos para o Cálculo do Fator X Contribuição da Audiência Publica 052/2007

Nota Técnica 113/2007 SRD/SRE/ANEEL Metodologia para Projeção de Investimentos para o Cálculo do Fator X Contribuição da Audiência Publica 052/2007 Nota Técnica 113/2007 SRD/SRE/ANEEL Metodologia para Projeção de Investimentos para o Cálculo do Fator X Contribuição da Audiência Publica 052/2007 1 1. Estrutura do Trabalho : De forma que se pudesse

Leia mais

Técnicas de Otimização Combinando Alocação de Banco de Capacitores e Reconfiguração de Rede Visando Minimização de Perdas Técnicas

Técnicas de Otimização Combinando Alocação de Banco de Capacitores e Reconfiguração de Rede Visando Minimização de Perdas Técnicas Universidade Estadual de Campinas - Unicamp Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação - FEEC Comissão de Pós-graduação - CPG IA342 Tópicos em Otimização de Sistemas Aluno: Antonio César Polo Matricula:

Leia mais

Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará

Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará 1 Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará G. Pinheiro, CELPA e G. Rendeiro, UFPA Resumo - Este trabalho apresenta dados referentes ao potencial de geração de energia

Leia mais

Análise Técnico/Financeira para Correção de Fator de Potência em Planta Industrial com Fornos de Indução.

Análise Técnico/Financeira para Correção de Fator de Potência em Planta Industrial com Fornos de Indução. Análise Técnico/Financeira para Correção de Fator de Potência em Planta Industrial com Fornos de Indução. Jeremias Wolff e Guilherme Schallenberger Electric Consultoria e Serviços Resumo Este trabalho

Leia mais

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil VI SBQEE 2 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil Código: BEL 7735 Tópico: Modelagem e Simulações METODOLOGIA PARA A ALOCAÇÃO ÓTIMA DE MEDIDORES DE QUALIDADE DE ENERGIA EM REDES TRANSMISSÃO E SUBTRANSMISSÃO

Leia mais

COBERTURA EM UMA REDE DE SENSORES SEM FIO

COBERTURA EM UMA REDE DE SENSORES SEM FIO COBERTURA EM UMA REDE DE SENSORES SEM FIO Vivian Lúcia Bittencourt Drumond Universidade Presidente Antônio Carlos Rodovia MG 368 KM 12 Colônia Rodrigo Silva Barbacena Minas Gerais Brasil viviandrumond@yahoo.com.br

Leia mais

Carga dos alimentadores

Carga dos alimentadores 50 Análise de consumo de energia e aplicações Capítulo V Carga dos alimentadores Por Manuel Luís Barreira Martinez* Em continuidade ao capítulo anterior, Locação de cargas métodos para a locação de carga

Leia mais

Dimensionamento de equipamentos reservas para subestações

Dimensionamento de equipamentos reservas para subestações XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Dimensionamento de equipamentos reservas para subestações Leonardo Labarrere de Souza

Leia mais

ALGORITMO EVOLUTIVO PARA A OTIMIZAÇÃO DA GRADE HORÁRIA DO CURSO DE ENGENHARIA ELÁTRICA DA FEIS-UNESP

ALGORITMO EVOLUTIVO PARA A OTIMIZAÇÃO DA GRADE HORÁRIA DO CURSO DE ENGENHARIA ELÁTRICA DA FEIS-UNESP INSTRUÇÕES PARA A PREPARAÇÃO E SUBMISSÃO DE TRABALHOS PARA CONGRESSO BRASILEIRO DE ENSINO DE ENGENHARIA 2003 ALGORITMO EVOLUTIVO PARA A OTIMIZAÇÃO DA GRADE HORÁRIA DO CURSO DE ENGENHARIA ELÁTRICA DA FEIS-UNESP

Leia mais

Distorções Harmônicas Geradas por Algumas Cargas Não lineares com Tensões Senoidais

Distorções Harmônicas Geradas por Algumas Cargas Não lineares com Tensões Senoidais 1 Distorções Harmônicas Geradas por Algumas Cargas Não lineares com Tensões Senoidais Manuel Losada y Gonzalez, Márcio Melquíades Silva, Felipe Althoff, Selênio Rocha Silva Resumo A expansão do uso de

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC: Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça - SP Eixo Tecnológico: Indústria Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil Luiz Gonzaga Fernandez Silva CPFL PIRATININGA Marcus Rodrigo Carvalho Daimon Engenharia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica Apostila de Automação Industrial Elaborada pelo Professor M.Eng. Rodrigo Cardozo Fuentes Prof. Rodrigo

Leia mais

TECNOLOGIA COM BAIXO CUSTO, APLICADA A REDUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO SAAE SÃO CARLOS

TECNOLOGIA COM BAIXO CUSTO, APLICADA A REDUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO SAAE SÃO CARLOS TÍTULO DO TRABALHO: TECNOLOGIA COM BAIXO CUSTO, APLICADA A REDUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO SAAE SÃO CARLOS TEMA VIII: EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOME DOS AUTORES: João Carlos Lopes Valter Luis Dulci Prof. Dr.

Leia mais

Paulo Ricardo da Silva Pereira Luciane Neves Canha Alzenira da Rosa Abaide CEEE-D / PPGEE-UFSM UFSM UFSM

Paulo Ricardo da Silva Pereira Luciane Neves Canha Alzenira da Rosa Abaide CEEE-D / PPGEE-UFSM UFSM UFSM XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Aplicação do Potencial das Redes Inteligentes (Smart Grid) no aumento da Eficiência Operacional

Leia mais

O MÉTODO HÚNGARO PARA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO

O MÉTODO HÚNGARO PARA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO O MÉTODO HÚNGARO PARA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO João Cesar Guirado Universidade Estadual de Maringá E-mail: jcguirado@gmail.com Márcio Roberto da Rocha Universidade Estadual de Maringá E-mail:

Leia mais

PLANEJAMENTO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA DE MÉDIA E BAIXA TENSÃO

PLANEJAMENTO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA DE MÉDIA E BAIXA TENSÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - UNESP CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA PLANEJAMENTO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA DE MÉDIA E BAIXA TENSÃO Tese submetida

Leia mais

PAPER 1/6. Estudo de Viabilidade Econômica na Utilização de MicroGrid no Sistema de Distribuição Elétrica de Energia de Média Tensão

PAPER 1/6. Estudo de Viabilidade Econômica na Utilização de MicroGrid no Sistema de Distribuição Elétrica de Energia de Média Tensão 1/6 Title Estudo de Viabilidade Econômica na Utilização de MicroGrid no Sistema de Distribuição Elétrica de Energia de Média Tensão Registration Nº: (Abstract) Empresa o Entidad Universidade de São Paulo

Leia mais

AULAS 03 E 04 A linguagem dos projetos

AULAS 03 E 04 A linguagem dos projetos 1 AULAS 03 E 04 A linguagem dos projetos Ernesto F. L. Amaral 11 e 13 de setembro de 2012 Avaliação de Políticas Públicas (DCP 046) Fonte: Cohen, Ernesto, e Rolando Franco. 2000. Avaliação de Projetos

Leia mais

O Sistema Elétrico 1.1 INTRODUÇÃO 1.2 PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

O Sistema Elétrico 1.1 INTRODUÇÃO 1.2 PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 1 O Sistema Elétrico 1.1 INTRODUÇÃO A indústria de energia elétrica tem as seguintes atividades clássicas: produção, transmissão, distribuição e comercialização, sendo que esta última engloba a medição

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS DE DISTRIBUIÇÃO. Nota Técnica nº 112/2007-SRD/ANEEL. Brasília, 12 de Dezembro de 2007

SUPERINTENDÊNCIA DE REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS DE DISTRIBUIÇÃO. Nota Técnica nº 112/2007-SRD/ANEEL. Brasília, 12 de Dezembro de 2007 SUPERINTENDÊNCIA DE REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS DE DISTRIBUIÇÃO Nota Técnica nº 112/2007-SRD/ANEEL Brasília, 12 de Dezembro de 2007 METODOLOGIA DE TRATAMENTO REGULATÓRIO DE PERDAS TÉCNICAS............................................

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 ANÁLISE DE DISTORÇÕES HARMÔNICAS Michelle Borges de Oliveira¹; Márcio Aparecido Arruda² ¹Universidade de Uberaba, Uberaba Minas Gerais ²Universidade de Uberaba, Uberaba Minas Gerais oliveiraborges.michelle@gmail.com;

Leia mais

APLICAÇÕES DA CURVA s NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

APLICAÇÕES DA CURVA s NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONCEITOS GERAIS : A curva S representa graficamente o resultado da acumulação das distribuições percentuais, parciais, relativas à alocação de determinado fator de produção (mão de obra, equipamentos

Leia mais

Variação de velocidade

Variação de velocidade Variação de velocidade Variação de velocidade A indústria é responsável pelo consumo de cerca de 50% da electricidade produzida a nível mundial, sendo que cerca de 2/3 é consumida por motores eléctricos.

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE ALOCAÇÃO DE BANCO DE CAPACITORES NA REDE DE MÉDIA TENSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

OTIMIZAÇÃO DE ALOCAÇÃO DE BANCO DE CAPACITORES NA REDE DE MÉDIA TENSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA OTIMIZAÇÃO DE ALOCAÇÃO DE BANCO DE CAPACITORES NA REDE DE MÉDIA TENSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Alexandre A. A. Souza 1, Carlos César Barioni de Oliveira 1, Klaus de Geus 2 1 Universidade de São Paulo Avenida

Leia mais

11vo Simposio Argentino de Investigacion Operativa, SIO 2013

11vo Simposio Argentino de Investigacion Operativa, SIO 2013 APLICAÇÃO DE PROGRAMAÇÃO CÔNICA DE SEGUNDA ORDEM INTEIRA MISTA PARA A ALOCAÇÃO ÓTIMA DE BANCOS DE CAPACITORES EM SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA RADIAIS Érica Tatiane Almeida Ribeiro acirerate@hotmail.com

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP SISTEMA INTEGRADO

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 005/2010 SRE/ADASA

NOTA TÉCNICA Nº 005/2010 SRE/ADASA NOTA TÉCNICA Nº 005/2010 SRE/ADASA Resultados parciais da 1ª Revisão Periódica das tarifas dos serviços públicos de abastecimento de água e esgotamento sanitário prestados pela CAESB ANEXO XII FATOR X

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-072/2006 R-01 SUBSTITUIÇÃO DE TRANSFORMADORES DE DISTRIBUIÇÃO POR SOBRECARGA

DECISÃO TÉCNICA DT-072/2006 R-01 SUBSTITUIÇÃO DE TRANSFORMADORES DE DISTRIBUIÇÃO POR SOBRECARGA /2006 R-0 DE DISTRIBUIÇÃO POR SOBRECARGA DOCUMENTO NORMATIVO I Í N D I C E OBJETIVO... 2 DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 PROCEDIMENTOS... 3. MEDIÇÃO NOS TRANSFORMADORES E REDES SECUNDÁRIAS... 3.2... 3.3 LIGAÇÕES

Leia mais

SIMHIBRIDO - PROGRAMA COMPUTACIONAL DE SIMULAÇÃO DE SISTEMAS HÍBRIDOS PARA ENERGIZAÇÃO RURAL

SIMHIBRIDO - PROGRAMA COMPUTACIONAL DE SIMULAÇÃO DE SISTEMAS HÍBRIDOS PARA ENERGIZAÇÃO RURAL SIMHIBRIDO - PROGRAMA COMPUTACIONAL DE SIMULAÇÃO DE SISTEMAS HÍBRIDOS PARA ENERGIZAÇÃO RURAL ODIVALDO J. SERAPHIM 1 JAIR A. C. SIQUEIRA 2 FERNANDO DE L. CANEPPELE 3 ARISTÓTELES T. GIACOMINI 4 RESUMO O

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GCQ 26 14 a 17 Outubro de 27 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E

Leia mais

COMPARAÇÃO ECONÔMICA ENTRE O TRANSPORTE DE GÁS E LINHA DE TRANSMISSÃO

COMPARAÇÃO ECONÔMICA ENTRE O TRANSPORTE DE GÁS E LINHA DE TRANSMISSÃO GPT/7 17 à de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO II PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS (GPT) COMPARAÇÃO ECONÔMICA ENTRE O TRANSPORTE DE GÁS E LINHA DE TRANSMISSÃO Eliane Aparecida

Leia mais

Kit para operação de Banco Fixo de Capacitores em Redes de Distribuição sem Pick

Kit para operação de Banco Fixo de Capacitores em Redes de Distribuição sem Pick 06 a 10 de Outubro de 2006 Olinda PE Kit para operação de Banco Fixo de Capacitores em Redes de Distribuição sem Pick Eng. Luciano F. de Mattos Eng. Fernando V. Baldotto Eng. Edson B. da Silva Jr. ESCELSA

Leia mais

Otimização Aplicada à Engenharia de Processos

Otimização Aplicada à Engenharia de Processos Otimização Aplicada à Engenharia de Processos Aula 1: Introdução Felipe Campelo http://www.cpdee.ufmg.br/~fcampelo Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Belo Horizonte Março de 2013 Antes de

Leia mais

SISTEMA DE AUTOMONITORAMENTO INDIVIDUALIZADO DE TI s E MÉTODO DE DIAGNÓSTICO PARA SISTEMAS DE MEDIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SISTEMA DE AUTOMONITORAMENTO INDIVIDUALIZADO DE TI s E MÉTODO DE DIAGNÓSTICO PARA SISTEMAS DE MEDIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA DE AUTOMONITORAMENTO INDIVIDUALIZADO DE TI s E MÉTODO DE DIAGNÓSTICO PARA SISTEMAS DE MEDIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Luiz Carlos Grillo de Brito Julio César Reis dos Santos CENTRO DE PESQUISAS DE

Leia mais

Análise de Risco de Taludes na Estrada de Ferro Vitória-Minas

Análise de Risco de Taludes na Estrada de Ferro Vitória-Minas Análise de Risco de Taludes na Estrada de Ferro Vitória-Minas Stefânia Moreira Alves Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, Brasil, stefaniamoreiraalves@yahoo.com.br Romero César Gomes Universidade

Leia mais

Metodologia Regulatória de Cálculo de Perdas Técnicas do Cabeamento Primário de Redes de Distribuição - Aderência e Ajustes

Metodologia Regulatória de Cálculo de Perdas Técnicas do Cabeamento Primário de Redes de Distribuição - Aderência e Ajustes 1/5 Title Metodologia Regulatória de Cálculo de Perdas Técnicas do Cabeamento Primário de Redes de Distribuição - Aderência e Ajustes Registration Nº: (Abstract) Authors of the paper Name Country e-mail

Leia mais

5.1 Modelo de uma rede óptica com conversores de comprimento de onda

5.1 Modelo de uma rede óptica com conversores de comprimento de onda 5 Trabalho Realizado Na seção 2.3, estabeleceu-se que uma das alternativas sub-ótimas de alocação de conversores de comprimento de onda em redes parciais é fazer uso de simulações para gerar estatísticas

Leia mais

Modelo Elétrico da Impedância do Transformador Baseado em Células RLC Passivas

Modelo Elétrico da Impedância do Transformador Baseado em Células RLC Passivas Modelo Elétrico da Impedância do Transformador Baseado em Células RLC Passivas Rogério Coelho Guimarães e Roberto Petry Homrich Resumo O método de Análise da Resposta em Frequência (Frequency Response

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operacionais

Arquitetura de Sistemas Operacionais rquitetura de Sistemas Operacionais Francis Berenger Machado Luiz Paulo Maia Complementado por Sidney Lucena (Prof. UNIRIO) Capítulo 11 Sistema de rquivos 11/1 Organização de rquivos Um arquivo é constituído

Leia mais

Padrão de Desempenho 1: Sistemas de Gerenciamento e Avaliação Socioambiental

Padrão de Desempenho 1: Sistemas de Gerenciamento e Avaliação Socioambiental Introdução 1. O Padrão de Desempenho 1 destaca a importância do gerenciamento do desempenho socioambiental durante o ciclo de um projeto (qualquer atividade comercial sujeita a avaliação e administração).

Leia mais

AMBIENTE GRÁFICO PARA VISUALIZAÇÃO DE FLUXOS E PERDAS EM REDES ELÉTRICAS

AMBIENTE GRÁFICO PARA VISUALIZAÇÃO DE FLUXOS E PERDAS EM REDES ELÉTRICAS AMBIENTE GRÁFICO PARA VISUALIZAÇÃO DE FLUXOS E PERDAS EM REDES ELÉTRICAS Delberis A. Lima delberis@aluno.feis.unesp.br Eduardo S. Hoji shigueo@aluno.feis.unesp.br Antônio M. Cossi cossi@aluno.feis.unesp.br

Leia mais

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS Resumo A proposta deste trabalho é realizar um estudo de programação linear para definir a viabilidade da produção, assim

Leia mais

MODELO DE OTIMIZAÇÃO POR FLUXO DE TEMPO DE INTERRUPÇÃO PARA ALOCAÇÃO DE CHAVES EM SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA.

MODELO DE OTIMIZAÇÃO POR FLUXO DE TEMPO DE INTERRUPÇÃO PARA ALOCAÇÃO DE CHAVES EM SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. MODELO DE OTIMIZAÇÃO POR FLUXO DE TEMPO DE INTERRUPÇÃO PARA ALOCAÇÃO DE CHAVES EM SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Gracielle Heleno da Silva Carvalho Universidade de Campinas Instituto de

Leia mais

Aspectos dos projetos elétricos na alimentação de cargas de missão crítica por UPS

Aspectos dos projetos elétricos na alimentação de cargas de missão crítica por UPS 24 Capítulo VIII Aspectos dos projetos elétricos na alimentação de cargas de missão crítica por or Luis Tossi e José tarosta o capítulo anterior, foram apresentadas as premissas relativas aos indicadores

Leia mais

Simulação de Distúrbios no Sistema Elétrico de Distribuição como Suporte Técnico as Solicitações de Ressarcimentos de Danos

Simulação de Distúrbios no Sistema Elétrico de Distribuição como Suporte Técnico as Solicitações de Ressarcimentos de Danos 1 Simulação de Distúrbios no Sistema Elétrico de Distribuição como Suporte Técnico as Solicitações de Ressarcimentos de Danos N. C. de Jesus, H.R.P.M. de Oliveira, E.L. Batista, M. Silveira AES Sul - Distribuidora

Leia mais

DIFERENÇAS TÉRMICAS OCASIONADAS PELA ALTERAÇÃO DA PAISAGEM NATURAL EM UMA CIDADE DE PORTE MÉDIO - JUIZ DE FORA, MG.

DIFERENÇAS TÉRMICAS OCASIONADAS PELA ALTERAÇÃO DA PAISAGEM NATURAL EM UMA CIDADE DE PORTE MÉDIO - JUIZ DE FORA, MG. DIFERENÇAS TÉRMICAS OCASIONADAS PELA ALTERAÇÃO DA PAISAGEM NATURAL EM UMA CIDADE DE PORTE MÉDIO - JUIZ DE FORA, MG. Resumo Cristina Silva de Oliveira¹ (UFJF³, chrisoliveira.jf@gmail.com) Daiane Evangelista

Leia mais

Proposta de Planejamento em Etapas para Redes Secundárias de Telecomunicações

Proposta de Planejamento em Etapas para Redes Secundárias de Telecomunicações Proposta de Planejamento em Etapas para Redes Secundárias de Telecomunicações Hideson A. Silva 1, Luiz E. S. Oliveira 2, Alceu S. Britto Jr 3 1 Companhia Paranaense de Energia (COPEL) 2 Departamento de

Leia mais

6. Programação Inteira

6. Programação Inteira Pesquisa Operacional II 6. Programação Inteira Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel Engenharia de Produção Programação Inteira São problemas de programação matemática em que a função objetivo, bem

Leia mais

Válvulas de Controle-"Case"- Copesul. Nelzo Luiz Neto da Silva 1 Jader Weber Brum 2

Válvulas de Controle-Case- Copesul. Nelzo Luiz Neto da Silva 1 Jader Weber Brum 2 Válvulas de Controle-"Case"- Copesul Nelzo Luiz Neto da Silva 1 Jader Weber Brum 2 RESUMO Visando rever conceitos, procedimentos, estratégias e tecnologias voltadas para a manutenção de válvulas, partimos

Leia mais

MODELOS DE PROGRAMAÇÃO INTEIRA PARA ALOCAÇÃO DE RECURSOS DE MANUTENÇÃO EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

MODELOS DE PROGRAMAÇÃO INTEIRA PARA ALOCAÇÃO DE RECURSOS DE MANUTENÇÃO EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA MODELOS DE PROGRAMAÇÃO INTEIRA PARA ALOCAÇÃO DE RECURSOS DE MANUTENÇÃO EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Mateus Pereira Martin Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação - UNICAMP Av.

Leia mais

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda.

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Resumo Com a globalização e os avanços tecnológicos, as empresas estão operando num ambiente altamente competitivo e dinâmico. As organizações que quiserem

Leia mais

Método Dialético de Otimização usando o Princípio da Máxima Entropia

Método Dialético de Otimização usando o Princípio da Máxima Entropia Learning and Nonlinear Models Revista da Sociedade Brasileira de Redes Neurais (SBRN) Vol 7 No. 2 pp. 54-64 2009 Método Dialético de Otimização usando o Princípio da Máxima Entropia Wellington Pinheiro

Leia mais

O ENSINO DE CÁLCULO NUMÉRICO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

O ENSINO DE CÁLCULO NUMÉRICO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO O ENSINO DE CÁLCULO NUMÉRICO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Prof. Leugim Corteze Romio Universidade Regional Integrada URI Campus Santiago-RS leugimcr@urisantiago.br Prof.

Leia mais

ALGORITMOS GENÉTICOS

ALGORITMOS GENÉTICOS ALGORITMOS GENÉTICOS INTRODUÇÃO São métodos adaptativos que podem ser usados para resolver problemas de busca e otimização. Na natureza a combinação de boas características provenientes de diferentes indivíduos

Leia mais

Fluxo de Potência em sistemas de distribuição

Fluxo de Potência em sistemas de distribuição Fluxo de Potência em sistemas de distribuição Os sistemas de distribuição são radiais, caracterizados por ter um único caminho entre cada consumidor e o alimentador de distribuição. A potência flui da

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE - 02 Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 A ISO 9000-3 é um guia para a aplicação da ISO 9001 para o desenvolvimento, fornecimento e manutenção de software.

Leia mais

AULA 16 - Sistema de Arquivos

AULA 16 - Sistema de Arquivos AULA 16 - Sistema de Arquivos Arquivos podem ser vistos como recipientes que contêm dados ou como um grupo de registros correlatos. Os arquivos armazenam informações que serão utilizadas, em geral, por

Leia mais

Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva

Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva anobra de capacitores Na ligação de capacitores a uma rede ocorre um processo transitório severo até que seja atingido

Leia mais

ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 100406011-002

ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 100406011-002 MEDIDOR ELETRÔNICO ELO2106 MANUAL DO USUÁRIO Agosto de 2008 ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 100406011-002 Índice ÍNDICE... I INTRODUÇÃO... 1-1 CONTEÚDO DESTE MANUAL... 1-1 ONDE OBTER MAIS INFORMAÇÕES...

Leia mais

A ATIVIDADE DE PROJETO DIRECIONADA À RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIVA

A ATIVIDADE DE PROJETO DIRECIONADA À RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIVA A ATIVIDADE DE PROJETO DIRECIONADA À RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIVA E O DESAFIO DE EQUILIBRAR CONCEITOS TÉCNICOS E GERENCIAIS NO ENSINO DE ENGENHARIA CIVIL Helen Ulrich hulrich@sc.usp.br Departamento de Engenharia

Leia mais

The Application of The Principles of GLP to Computerised

The Application of The Principles of GLP to Computerised APLICAÇÃO DOS PRINCÍPIOS BPL AOS SISTEMAS INFORMATIZADOS NORMA N o NIT-DICLA-038 APROVADA EM SET/2011 N o 01/13 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico da revisão 5 Siglas

Leia mais

Aplicação do algoritmo genético na otimização da produção em indústrias de açúcar e álcool

Aplicação do algoritmo genético na otimização da produção em indústrias de açúcar e álcool Aplicação do algoritmo genético na otimização da produção em indústrias de açúcar e álcool Lucélia Costa Oliveira¹; Mário Luiz Viana Alvarenga² ¹ Aluna do curso de Engenharia de Produção e bolsista do

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 REVISTA TELECOMUNICAÇÕES, VOL. 15, Nº01, JUNHO DE 2013 1 Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 Valdeci Otacilio dos Santos

Leia mais

ETE Barueri. Avaliação das Distorções Harmônicas e Fator de Potência

ETE Barueri. Avaliação das Distorções Harmônicas e Fator de Potência Soluções em Serviços Assistência Técnica Autorizada; Manutenção preventiva e corretiva de Fontes e UPS s; Start Up,Testes, Laudos e Treinamentos; Logística de movimentação de equipamentos; Avaliação das

Leia mais

Uma abordagem comparativa do gerenciamento da qualidade do projeto

Uma abordagem comparativa do gerenciamento da qualidade do projeto Uma abordagem comparativa do gerenciamento da qualidade do projeto Amaury Bordallo Cruz (PEP/UFRJ) bordalo@ugf.br Elton Fernandes - (Coppe-UFRJ) - elton@pep.ufrj.br Solange Lima (PEP/UFRJ) solangelima@petrobras.com.br

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE PARA AUTOMAÇÃO DE PROCEDIMENTOS NO PLANEJAMENTO DE REDE

UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE PARA AUTOMAÇÃO DE PROCEDIMENTOS NO PLANEJAMENTO DE REDE Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Gerenciamento de Projetos UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE PARA AUTOMAÇÃO DE PROCEDIMENTOS NO PLANEJAMENTO DE REDE Autor: Patrícia Daniel Pinto Orientador:

Leia mais

Prof. Sérgio Rebelo. Curso Profissional Técnico de Eletrónica, Automação e Comando

Prof. Sérgio Rebelo. Curso Profissional Técnico de Eletrónica, Automação e Comando Prof. Sérgio ebelo Curso Profissional Técnico de Eletrónica, Automação e Comando Eletricidade e Eletrónica - Elenco Modular Módulo Análise de Circuitos em Corrente Contínua 3 Módulo Análise de Circuitos

Leia mais

Sistema de Informação Geográfica para Planejamento de Eletrificação Rural em Grande Escala

Sistema de Informação Geográfica para Planejamento de Eletrificação Rural em Grande Escala 1/6 Título Sistema de Informação Geográfica para Planejamento de Eletrificação Rural em Nº de Registro (Resumen) 8 Empresa o Entidad CEMIG DISTRIBUIÇÃO S/A CEMIG-D Autores del Trabajo Nombre País e-mail

Leia mais

PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA BASEADO NO AtHENS

PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA BASEADO NO AtHENS PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA BASEADO NO Rafael T. C. S. Ribeiro¹, Reinaldo C. Mirre 2, Eduardo M. Queiroz 3 e Fernando L. P. Pessoa 3 1 Bolsista de iniciação Científica CNPq/UFRJ,

Leia mais

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS ANACLETO G. 1 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem a finalidade de apuração dos resultados aplicados pelos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente (PTD)

Plano de Trabalho Docente (PTD) ETEC TAKASHI MORITA Plano de Trabalho Docente (PTD) Curso Técnico em Automação Industrial 1º Sem. 2015 1 Conteúdo 1º Módulo Componente Curricular: Eletricidade Básica... 5 Componente Curricular: Eletrônica

Leia mais

PROGRAMA VIV_STOCK - Versão 1.0 MANUAL DO USUÁRIO. Junho de 2011

PROGRAMA VIV_STOCK - Versão 1.0 MANUAL DO USUÁRIO. Junho de 2011 PROGRAMA VIV_STOCK - Versão 1.0 MANUAL DO USUÁRIO Junho de 2011 Página 1 de 19 ÍNDICE 1. VISÃO GERAL DO PROGRAMA VIV STOCK...3 2. ESTRUTURA DO PROGRAMA VIV STOCK...3 3. ENTRADA DE DADOS...4 3.1. DADOS

Leia mais

Segurança Intrínseca

Segurança Intrínseca Segurança Intrínseca Segurança Intrínseca Segurança Intrínseca é uma das técnicas que podem ser empregadas em equipamentos elétricos que se destinam às áreas classificadas. O objetivo de todas as técnicas

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Tolerantes a Falhas

Desenvolvimento de Sistemas Tolerantes a Falhas Confiança de software Desenvolvimento de Sistemas Tolerantes a Falhas Em geral, os usuários de um sistema de software esperam ele seja confiável Para aplicações não-críticas, podem estar dispostos a aceitar

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB

Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB PROBLEMA DE PROGRAMAÇÃO DE VEÍCULOS 1 (Vehicle Scheduling Problem) Cássio Roberto de Araújo cassio@em.ufop.br Elva

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A À AUDIÊNCIA PÚBLICA 025/2011

CONTRIBUIÇÃO DA CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A À AUDIÊNCIA PÚBLICA 025/2011 CONTRIBUIÇÃO DA CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A À AUDIÊNCIA PÚBLICA 025/2011 NOTA TÉCNICA Nº 014/2011 SRD/ANEEL METODOLOGIA E CRITÉRIOS GERAIS PARA CÁLCULO DAS PERDAS TÉCNICAS NO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO... TERCEIRO

Leia mais

Congreso Internacional de Distribución Eléctrica CIDEL 2014

Congreso Internacional de Distribución Eléctrica CIDEL 2014 Congreso Internacional de Distribución Eléctrica CIDEL 2014 DESENVOLVIMENTO DE EQUIPAMENTO PORTÁTIL PARA SUPERVISÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO VISANDO COMBATE ÀS PERDAS COMERCIAIS N. Penner 1 J. A. Cortina

Leia mais

Enfileiramento Digital

Enfileiramento Digital Painel: Inovação Tecnológica e Eficiência Energética São Paulo, 6 de agosto de 2013 Gestão Inteligente de Eletricidade através de Enfileiramento Digital Cyro Vicente Boccuzzi Sócio Diretor da ECOEE Presidente

Leia mais

A importância de um banco de dados para os estudos de Economia Mineral

A importância de um banco de dados para os estudos de Economia Mineral A importância de um banco de dados para os estudos de Economia Mineral Leandro Antonio Calixto Junior Bolsista de Iniciação Científica, Geografia, UFRJ Maria Helena Rocha Lima Orientadora, Economia Mineral,

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROTÓTIPO PARA INFORMATIZAÇÃO DE PROCESSO DE ADEQUAÇÃO DE FÉRIAS

IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROTÓTIPO PARA INFORMATIZAÇÃO DE PROCESSO DE ADEQUAÇÃO DE FÉRIAS 1 IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROTÓTIPO PARA INFORMATIZAÇÃO DE PROCESSO DE ADEQUAÇÃO DE FÉRIAS Autor: Petrus Adriano Neto* petrusneto@yahoo.com.br RESUMO: A informatização das empresas é um caminho sem volta na

Leia mais

Empresas de instalação de gás natural nos ambientes construídos: uma análise baseada no custo de transação

Empresas de instalação de gás natural nos ambientes construídos: uma análise baseada no custo de transação Empresas de instalação de gás natural nos ambientes construídos: uma análise baseada no custo de transação Luís Henrique Piovezan (SENAI-SP, Uniban e Escola Politécnica da USP) lhpiovezan@aol.com Adalberto

Leia mais

OANAFAS é um programa computacional

OANAFAS é um programa computacional ANAFAS Análise de Faltas Simultâneas OANAFAS é um programa computacional para cálculo de curtos-circuitos. Permite a execução automática de grande variedade de faltas e possui facilidades, como estudo

Leia mais