Cód. 35 Analista de TIC III (Informações Estratégicas)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cód. 35 Analista de TIC III (Informações Estratégicas)"

Transcrição

1 EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PRODAM/SP S.A SELEÇÃO PÚBLICA Nº 001/2007 Cód. 35 Analista de TIC III (Informações Estratégicas) 1. Selecione abaixo um exemplo inapropriado de conduta ética por parte do gerente de projetos. A) Evitar situações de conflito de interesse. B) Obedecer leis e regulamentos internos da empresa. C) Respeitar o sigilo de informações sensíveis de clientes. D) Somente relatar ao cliente a ocorrência de problemas muito graves. 2. Uma reunião da equipe de projeto foi muito ruím. Novos tópicos foram trazidos para discussão sem que tópicos anteriores tivessem sido encerrados. Ademais, houve tópicos em discussão sem relação com o projeto. A regra para realização de reuniões eficazes que mais provavelmente não foi respeitada é: A) respeitar quem está falando. B) agendar previamente as reuniões. C) criar e publicar uma pauta previamente. D) enviar previamente ata da reunião anterior. 3. Estando o projeto quase encerrado, o cliente decide fazer uma mudança no escopo. O Gerente de Projetos deve: A) levar o assunto para a gerência imediatamente. B) pedir um detalhamento da mudança. C) consultar a equipe sobre a viabilidade de fazer a mudança. D) negociar com a cliente o cancelamento da mudança. 4. O responsável final pela qualidade dos entregáveis de um projeto é: A) o gerente do projeto. B) toda a equipe do projeto. C) para cada entregável, cada membro da equipe do projeto que atuou na sua produção. D) o gerente de qualidade. 5. A principal habilidade de um gerente de projetos é: A) negociação. B) organização. C) comunicação. D) planejamento. 6. Considere as afirmações abaixo. I. A Especificação Funcional do Sistema deve descrever o que se espera que o sistema faça sem a preocupação de como ele faz. II. A Especificação Funcional do Sistema só deverá ser entregue ao cliente ao final do projeto. III. A fase de Análise de Requisitos não tem nenhuma influência sobre a Especificação Funcional do Sistema. São verdadeiras: A) somente a III. B) somente I e II. C) somente a I. D) somente I e III. 1

2 7. O é o DFD (Diagrama de Fluxo de Dados) de mais alto nível, representando o sistema inteiro como um único. A) diagrama de classes / processo B) diagrama de contexto / processo C) MER / depósito de dados D) diagrama de contexto / depósito de dados 8. Assinale a alternativa incorreta. A) Um analista de sistemas está trabalhando no levantamento de requisitos para o desenvolvimento de uma aplicação. Nessa atividade, freqüentemente o usuário define um conjunto de objetivos gerais para o sistema a ser desenvolvido, mas sem identificar um suficiente detalhamento dos requisitos da entrada, processamento e saída. Em outros casos, o analista de sistemas pode não estar suficientemente seguro da eficiência de um algoritmo ou da adaptabilidade de um sistema operacional, ou ainda da interação homem -máquina que deve ser implementada no sistema. Nesses casos, recomenda-se a abordagem orientada à análise de risco. B) Na análise estruturada de sistemas, um produtor ou consumidor de informações que reside dentro dos limites do sistema é conhecido por processo. C) Na análise estruturada de sistemas, os analistas freqüentemente representam graficamente o fluxo de informações e transformações aplicadas aos dados através de um diagrama chamado diagrama de fluxo de dados. Esse diagrama, dentre outras funções, auxilia o analista a checar o balanceamento das informações em cada nível do diagrama. D) O projeto do software é um processo multipassos que está centrado em quatro distintos atributos: estrutura de dados, arquitetura do software, detalhamento dos procedimentos e interface. O processo de projeto do software corresponde a mapear requisitos de software através da aplicação de técnicas que permitam a implementação física do sistema. Deve também ser documentado e torna-se parte da configuração do software. 9. Com relação ao Modelo Entidade-Relacionamento, considere as afirmações abaixo. I. É um modelo conceitual de dados de alto nível, freqüentemente usado para o projeto conceitual de aplicações de bases de dados. II. Baseia-se na percepção de um universo constituído por um grupo básico de objetos chamados entidades e por relacionamentos entre eles. III. Na sua concepção, só devemos considerar entidades concretas. São verdadeiras: A) somente I e III. B) somente a I. C) somente II e III. D) somente I e II. 10. Assinale a alternativa incorreta. A) No modelo entidade-relacionamento, o conjunto de um ou mais atributos que, tomados coletivamente, nos permitem identificar de maneira unívoca uma entidade em um conjunto de entidades, é chamado superchave. B) No modelo relacional de dados, a propriedade do fechamento garante que, ao executarmos uma operação relacional sobre uma tabela, teremos como resultado uma outra tabela. C) Na modelagem de um banco de dados, freqüentemente um analista de sistemas necessita garantir que um valor que aparece em uma relação para um dado conjunto de atributos também apareça para certo conjunto de atributos de outra relação. Essa condição é chamada integridade referencial. D) No modelo relacional de dados, uma coluna de determinada tabela só pode conter valores atômicos. Essa afirmação corresponde à segunda forma normal. 11. Durante a modelagem de dados de uma aplicação, podemos encontrar tipos de entidades que não possuem seus próprios atributos -chave. Essas entidades são chamadas: A) entidades candidatas. B) entidades dependentes. C) entidades fracas. D) entidades subjacentes. 2

3 12. Durante a modelagem de dados de uma aplicação, uma determinada entidade pode não ter um valor aplicável a um atributo. Por exemplo, um atributo FormaçãoSuperior se aplica somente a pessoas com diploma de nível superior. Esses atributos são chamados: A) deriváveis. B) nulos. C) atômicos. D) monovalorados. 13. Durante a modelagem de dados de uma aplicação, freqüentemente é desejável simplificar certas consultas que exijam um produto cartesiano. A é uma operação binária que nos permite combinar certas seleções e um produto cartesiano dentro de uma operação. A) intersecção B) divisão C) designação D) junção 14. Considerações sobre segurança de informação podem recomendar que determinados dados não estejam disponíveis para alguns usuários. Qualquer relação que não faça parte do modelo lógico, mas seja visível para o usuário como uma relação, é chamada. A) derivada / visão B) lógica / junção C) virtual / visão D) derivada / junção 15. Em geral, os atributos do diagrama Entidade-Relacionamento são mapeados diretamente em colunas nas tabelas apropriadas. Atributos, entretanto, constituem uma exceção. Nesse caso, novas tabelas são criadas para esses tipos de atributos. A) multivalorados B) derivados C) referenciais D) estrangeiros 16. A afirmação Para que relações nas quais a chave primária contém múltiplos atributos, nenhum atributo não-chave deve ser funcionalmente dependente de uma parte da chave primária, corresponde à: A) primeira forma normal. B) terceira forma normal. C) quarta forma normal. D) segunda forma normal. 17. Na UML, os diagramas de caso de uso: A) tem como foco a ordem temporal das mensagens. B) organizam os comportamentos do sistema. C) tem como foco a organização estrutural dos objetos que enviam e recebem mensagens. D) são ferramentas de representação gráfica de um determinado algoritmo computacional. 18. Assinale a alternativa incorreta. A) Um diagrama de caso de uso é um modo de descrever a visão externa do sistema e suas interações com o mundo exterior. B) Um diagrama de caso de uso é um mecanismo de prototipação para as ações dos usuários sobre as telas do sistema. C) Os quatro elementos básicos em um diagrama de caso de uso são: ator, caso de uso, interação e sistema. D) Para ampliar o entendimento dos requisitos levantados nos diagramas de casos de uso, os casos de uso são refinados com a construção de diagramas de seqüência e colaboração. 19. Os casos de uso são técnicas baseadas em cenários para a obtenção de. Na sua forma mais simples, um caso de uso identifica os envolvidos em uma interação e especifica o tipo de interação. A) requisitos / agentes B) processos / atributos C) atributos / processos D) especificações / construtores 3

4 20. Assinale a alternativa incorreta. A) A análise e a definição de requisitos funcionais de um software através dos métodos de Análise OO são feitas com a elaboração de diagramas de casos de uso, seqüência e colaboração. B) Na UML, o diagrama que mostra as possíveis interações das entidades externas ao sistema em torno dos objetos, de forma que os vínculos entre si são mostrados em uma enumeração de mensagens é o diagrama de colaboração. C) Na UML, o diagrama que mostra a interdependência entre módulos, funções e blocos de códigos de programa, seja em tempo de compilação, link-edição seja em run-time é o diagrama de classes. D) Na UML, o elemento conhecido como um pacote serve para organizar elementos de modelo em grupos, os quais estão fortemente coesos ou aninhados por uma mesma categoria de classes. 21. Modelagem multi-dimensional é uma técnica para se cons truir modelos de negócio como conjuntos de medidas, descritas através de diferentes facetas do negócio. Uma das representações lógicas mais comumente utilizada é o esquema que utiliza a abordagem relacional com algumas importantes restrições para representar o modelo. A) pirâmide B) linear C) encadeado D) estrela 22. Os dados não trabalhados da organização, necessários para tomar decisões corporativas sólidas, estão armazenados numa variedade de lugares e formatos em bancos de dados hierárquicos, de rede, arquivos seqüenciais, planilhas eletrônicas e vários outros. Esses dados, são, inicialmente, lidos, manuseados e armazenados por sistemas transacionais, que são projetados para dar suporte às operações diárias da organização. Esses sistemas são chamados: A) DSS. B) VLDB. C) OLTP. D) OLAP. 23. Conforme o método de armazenamento de dados utilizado para uma aplicação OLAP, será elaborada a arquitetura da aplicação. Os métodos de armazenamento de dados, são,, e. Cada um deles tem uma função específica e devem ser utilizados quando melhor atenderem às necessidades de análise pela ferramenta de OLAP. A) VOLAP, TOLAP, DOLAP e MOLAP. B) MOLAP, ROLAP, DOLAP e HOLAP. C) VOLAP, HOLAP, ROLAP e MOLAP. D) LOLAP, TOLAP, VOLAP e NOLAP. 24. Na análise estruturada de sistemas, o grau de interdependência entre os módulos é conhecido por: A) fan-in, fan-out. B) coesão. C) acoplamento. D) interface. 25. Na análise estruturada de sistemas, o número que mede a quantidade de módulos chamadores e subordinados é conhecido por: A) fan-in, fan-out. B) taxa de coesão. C) grau de interface. D) taxa de acoplamento. 26. O modelo do processo de análise de requisitos segundo o método é composto pelos seguintes estágios: identificação dos pontos de vista, estruturação dos pontos de vista, documentação dos pontos de vista e mapeamento do sistema a partir dos pontos de vistas. A) VORD B) VOOP C) VPOO D) VPDO 4

5 27. Após um estudo de viabilidade, a próxima etapa no processo de software é a análise de requisitos, também chamada de descoberta de requisitos. Essa atividade envolve o trabalho da equipe técnica em conjunto com os usuários do sistema, a fim de estabelecer o domínio da aplicação do sistema, os serviços que esse sistema deve proceder e suas restrições operacionais. A análise de requisitos pode envolver os usuários finais como: engenheiros envolvidos com a manutenção do sistema, especialistas no domínio da aplicação, etc. Esses usuários finais participantes do sistema são chamados de: A) useractors. B) partners. C) stakeholders. D) commitusers. 28. OLAP allows business users to slice and dice data at will. Normally data in an organization is distributed in multiple data sources and are incompatible with each other. A retail example: point-of-sales data and sales made via callcenter or the Web are stored in different location and formats. It would take a time consuming process for an executive to obtain OLAP reports such as - What are the most popular products purchased by customers between the ages 15 to 30? Part of the OLAP implementation process involves extracting data from the various data repositories and making them compatible. Making data compatible involves ensuring that the meaning of the data in one repository matches all other repositories. An example of incompatible data: Customer ages can be stored as birth date for purchases made over the web and stored as age categories (i.e. between 15 and 30) for in store sales. It is not always necessary to create a data warehouse for OLAP analysis. Data stored by operational systems, such as point-of-sales, are in types of databases called: A) OODBs. B) DBRCs. C) OLTPs. D) RDMTs. 29. The central table in an OLAP start data model is called the fact table. The surrounding tables are called the: A) rules. B) dimensions. C) predicates. D) assertives. 30. Using OLAP, it is possible to build reports that answer questions such as: the supervisor that gave the most discounts, the quantity shipped on a particular date, month, year or quarter, in which zip code did product A sell the most. To obtain answers, such as the ones above, from a data model OLAP are created. A) boxes B) views C) cubes D) rules 31. To solve complex business problems and gain insight into the performance of your organization, you need to be able to rapidly and effectively analyse data. MicroSoft SQL Server 2005 is the online analytical processing (OLAP) engine and data mining platform within SQL Server A) Data Analyser B) Data Services C) Analysis Data D) Analysis Services 32. A descoberta do conhecimento em base de dados (KDD) é o processo não trivial de identificação de padrões que sejam válidos, novos, potencialmente úteis e comprensíveis. O processo de KDD foi proposto em 1989 para referirse às etapas que produzem conhecimentos a partir dos dados e, principalmente, à etapa de, que é a fase que transforma dados em informações. A) data transfer B) data analyse C) data check D) data mining 5

6 33. Através de um processo conhecido como os dados dos sistemas de origens são extraídos, limpos, consistidos, unificados e carregados para um banco de dados que podemos chamar de Data Warehouse. Os dados carregados neste banco de dados utilizam -se de uma modelagem de dados específica para grandes volumes e alta performance, diferentemente da base de dados transacionais controladas pelos sistemas transacionais ou ERP s. A) ETL B) LDT C) TDL D) TLE 34. MicroSoft SQL Server 2005, by combining the best aspects of traditional OLAP analysis and relational reporting, provides a metadata model that covers both sets of needs. A set of cubes and dimensions defined in the product is referred to as a: A) Multidimensional Analysis Scheme or MAS. B) Data Analyse Model ou DAM. C) Metadata Model Dimensional or MMD. D) Unified Dimensional Model or UDM. 35. MicroSoft SQL Server 2005 through provides a rich centralized repository defining key metrics and scorecards. This framework allows you to easily build balanced scorecard and other types of business performance management applications. A) Monitor Balance Metric (MBM) B) Business Performance Balance (BPB) C) Key Performance Indicator (KPI) D) Metric Balance Perfornance (MBP) Escrever corretamente: sua imagem e a de sua empresa em jogo Pretendo mostrar como e por que o saber escrever se insere naquelas habilidades consideradas fundamentais para o êxito profissional, em qualquer etapa. O foco é a língua portuguesa, na sua modalidade culta escrita, para mostrar a sua relação com a competência do profissional e com a imagem da empresa que ele representa. É sabido que inglês fluente é uma das exigências fundamentais para o preenchimento de funções de certa responsabilidade nas grandes empresas. Mas, curiosamente, poucas delas se preocupam com o português de seus candidatos. Talvez isso se justifique com a suposição de que alguém só pode alcançar um bom desempenho numa língua estrangeira se tiver bom domínio de sua língua materna. Afinal, o aprendizado de uma língua estrangeira se faz por meio de comparações e contrastes com a língua materna. Na prática, porém, o que se vê, mesmo entre executivos de alto escalão, é um quase-pânico na hora de redigir. Quando precisam escrever (por exemplo, cartas, memorandos, comunicados, relatórios e até um simples bilhete), são tomados de insegurança. Surgem dúvidas de toda natureza: vocabulário, ortografia, acentuação, crase, concordância, regência, colocação de pronomes... Odilon Soares Leme, em Vencer!, n o Os termos grifados no último parágrafo do texto acima significam, respectivamente: A) modo padronizado de escrever as palavras e contração de duas vogais em uma só, marcado pelo acento grave. B) modo padronizado de escrever as palavras e contração da preposição a com o artigo definido feminino a. C) modo de escrever as palavras e contração de duas vogais em uma só, marcado pelo acento grave. D) modo de escrever as palavras e contração de duas vogais em uma só. 37. De acordo com o texto: 1. As empresas exigem fluência no inglês, pressupondo conhecimento amplo do português, necessário, segundo elas, para o conhecimento da primeira. 2. As empresas se preocupam com o conhecimento de português de seus funcionários, pois ele é necessário para a fluência no inglês. 3. Mesmo entre executivos, as dificuldades em relação à língua portuguesa são muito grandes. É correto apenas o que se afirma em: A) 1 e 2. B) 1. C) 2. D) 1 e 3. 6

7 38. As palavras que são acentuadas de acordo com a mesma regra são as da alternativa: A) nós; miúdo. B) céu; faísca. C) júri; herói. D) Brás; Inês. 39. Não está incorretamente grafada a palavra da alternativa: A) bijoteria. B) taboada. C) cavoucar. D) freiar. 40. Está corretamente pontuada a oração da alternativa: A) Maria, ao saber do ocorrido, não perdeu tempo: comprou passagem para voltar para a Bahia. B) Eugênio traga-me o livro, que eu estou lendo. C) O Brasil que é um grande país, tem área de km 2, e população de habitantes. D) Ela me disse faça o que quiser, eu não estou me importando com isso. 41. O substantivo está incorretamente flexionado na alternativa: A) árvore? arbusto. B) diabo? diabrete. C) colher? colheraça. D) guerra?guerrilha. 42. Leia com atenção as orações abaixo. 1) Eu viajaria para a Europa, caso recebesse um bom dinheiro nas férias. 2) A América foi descoberta por Cristóvão Colombo. Sobre elas, é correto afirmar que: A) o verbo grifado na oração 1 está no modo indicativo e o termo grifado em 2 é objeto indireto. B) o verbo grifado na oração 1 está no modo subjuntivo e o termo grifado em 2 é agente da passiva. C) o verbo grifado na oração 1 está no modo imperativo e o termo grifado em 2 é objeto indireto. D) o verbo grifado na oração 1 está no modo indicativo e o termo grifado em 2 é agente da passiva. 43. O par de sinônimos não está correto na alternativa: A) começo? prelúdio. B) honestar?honrar. C) suspeita? conjetura. D) compendiar?desenvolver. 44. O par de antônimos não está correto na alternativa: A) ambidestro? ambiesquerdo. B) audacioso?pusilânime. C) descrédito? depreciação. D) louvor? apupo. 45. Leia com atenção as orações abaixo. 1. O marido abandonou-lhe à própria sorte. 2. Fez uma curva à Ayrton Senna. Sobre elas, é correto afirmar que: A) Na oração 1 o verbo grifado tem erro de regência e em 2 o acento grave indicador de crase está corretamente colocado. B) Na oração 1 o verbo grifado não tem erro de regência e em 2 o acento grave indicador de crase está incorretamente colocado. C) Na oração 1 o verbo grifado não tem erro de regência e em 2 o acento grave indicador de crase está corretamente colocado. D) Na oração 1 o verbo grifado tem erro de regência e em 2 o acento grave indicador de crase está incorretamente colocado. 7

8 46. No País dos Retângulos, o povo desenha: A) B) C) D) A negação de: Tiago pratica natação e musculação, é: A) Tiago não pratica natação e não pratica musculação. B) Tiago não pratica natação ou não pratica musculação. C) Tiago pratica natação ou não pratica musculação. D) Tiago pratica natação e não pratica musculação. 48. As meninas Ana, Luiza e Carmem quebraram a boneca de Maria com a qual brincavam. A mãe de Maria perguntou às três quem havia quebrado a boneca, e elas responderam: - Fui eu, disse Luiza. - Foi Carmem, disse Ana. - Foi Luiza, disse Carmem. A mãe de Maria sabe que Luiza está mentindo e que somente uma das três diz a verdade, então: A) Carmem não quebrou a boneca e diz a verdade. B) Luiza quebrou a boneca e está mentindo. C) Ana quebrou a boneca e está mentindo. D) Carmem quebrou a boneca e está mentindo. 8

9 49. Maria encapou o caderno de artes de seus filhos José, Alan e Rui de vermelho, amarelo e branco, não necessariamente nessa ordem. Considere as afirmações: I. O caderno de artes de José é vermelho. II. O caderno de artes de Alan não é vermelho. III. O caderno de artes de Rui não é branco. Sendo somente uma das afirmações acima verdadeira, então, as cores dos cadernos de artes de José, Alan e Rui são respectivamente: A) branca, amarela e vermelha. B) amarela, branca e vermelha. C) amarela, vermelha e branca. D) branca, vermelha e amarela. 50. Sabendo-se que: I. quando José está de folga, vai pescar. II. Luiz somente vai pescar quando está de folga. III. Mario jamais vai pescar quando está de folga. E que José, Luiz e Mario foram pescar, então podemos afirmar que: A) Com certeza Luiz está de folga e Mario não está de folga. B) Mario com certeza está de folga. C) Luiz não está de folga e é possível que José esteja de folga. D) Luiz não está de folga. 9

Cód. 12 Analista de TIC I (Informações Estratégicas)

Cód. 12 Analista de TIC I (Informações Estratégicas) EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PRODAM/SP S.A SELEÇÃO PÚBLICA Nº 001/2007 Cód. 12 Analista de TIC I (Informações Estratégicas) 1. Considere as afirmações abaixo.

Leia mais

Cód. 40 Analista de TIC III (Projetos)

Cód. 40 Analista de TIC III (Projetos) EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PRODAM/SP S.A SELEÇÃO PÚBLICA Nº 001/2007 Cód. 40 Analista de TIC III (Projetos) 1. Em uma organização orientada a projetos,

Leia mais

Cód. 16 Analista de TIC II (Engenheiro Cartógrafo)

Cód. 16 Analista de TIC II (Engenheiro Cartógrafo) EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PRODAM/SP S.A SELEÇÃO PÚBLICA Nº 001/2007 Cód. 16 Analista de TIC II (Engenheiro Cartógrafo) 1. As aplicações atuais cada vez

Leia mais

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE Engenharia de Computação Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto OLPT x OLAP Roteiro OLTP Datawarehouse OLAP Operações OLAP Exemplo com Mondrian e Jpivot

Leia mais

Business Intelligence Conceitos, Metodologia de Desenvolvimento e Exemplos de BI

Business Intelligence Conceitos, Metodologia de Desenvolvimento e Exemplos de BI Matriz: Av. Caçapava, 527 CEP 90.460-130 Tecnopuc: Av. Ipiranga, 6681 Prédio 32 Sala 109 CEP 90.619-900 Porto Alegre - RS, Brasil Contate-nos: +55 (51) 3330.7777 contato@dbccompany.com.br www.dbccompany.com.br

Leia mais

Business Intelligence e ferramentas de suporte

Business Intelligence e ferramentas de suporte O modelo apresentado na figura procura enfatizar dois aspectos: o primeiro é sobre os aplicativos que cobrem os sistemas que são executados baseados no conhecimento do negócio; sendo assim, o SCM faz o

Leia mais

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Material de Apoio de Informática - Prof(a) Ana Lucia 53. Uma rede de microcomputadores acessa os recursos da Internet e utiliza o endereço IP 138.159.0.0/16,

Leia mais

Arquiteturas de DW e Abordagens de Implementação. Arquiteturas e Abordagens de Implementação

Arquiteturas de DW e Abordagens de Implementação. Arquiteturas e Abordagens de Implementação Curso de Dwing TecBD-DI PUC-Rio Prof. Rubens Melo Arquiteturas de DW e Abordagens de Implementação Arquiteturas e Abordagens de Implementação Arquitetura adequada é fundamental Infra-estrutura disponível

Leia mais

Chapter 3. Análise de Negócios e Visualização de Dados

Chapter 3. Análise de Negócios e Visualização de Dados Chapter 3 Análise de Negócios e Visualização de Dados Objetivos de Aprendizado Descrever a análise de negócios (BA) e sua importância par as organizações Listar e descrever brevemente os principais métodos

Leia mais

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br Data Warehousing Leonardo da Silva Leandro Agenda Conceito Elementos básicos de um DW Arquitetura do DW Top-Down Bottom-Up Distribuído Modelo de Dados Estrela Snowflake Aplicação Conceito Em português:

Leia mais

Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence

Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence Juntamente com o desenvolvimento desses aplicativos surgiram os problemas: & Data Warehouse July Any Rizzo Oswaldo Filho Década de 70: alguns produtos de BI Intensa e exaustiva programação Informação em

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Introdução

DATA WAREHOUSE. Introdução DATA WAREHOUSE Introdução O grande crescimento do ambiente de negócios, médias e grandes empresas armazenam também um alto volume de informações, onde que juntamente com a tecnologia da informação, a correta

Leia mais

Banco de Dados - Senado

Banco de Dados - Senado Banco de Dados - Senado Exercícios OLAP - CESPE Material preparado: Prof. Marcio Vitorino OLAP Material preparado: Prof. Marcio Vitorino Soluções MOLAP promovem maior independência de fornecedores de SGBDs

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago DATA WAREHOUSE Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago Roteiro Introdução Aplicações Arquitetura Características Desenvolvimento Estudo de Caso Conclusão Introdução O conceito de "data warehousing" data

Leia mais

Data Warehouses. Alunos: Diego Antônio Cotta Silveira Filipe Augusto Rodrigues Nepomuceno Marcos Bastos Silva Roger Rezende Ribeiro Santos

Data Warehouses. Alunos: Diego Antônio Cotta Silveira Filipe Augusto Rodrigues Nepomuceno Marcos Bastos Silva Roger Rezende Ribeiro Santos Data Warehouses Alunos: Diego Antônio Cotta Silveira Filipe Augusto Rodrigues Nepomuceno Marcos Bastos Silva Roger Rezende Ribeiro Santos Conceitos Básicos Data Warehouse(DW) Banco de Dados voltado para

Leia mais

Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados

Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados slide 1 1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Como um banco de dados

Leia mais

Decisão Suporte: Warehousing, OLAP e Data Mining

Decisão Suporte: Warehousing, OLAP e Data Mining Decisão Suporte: Warehousing, OLAP e Data Mining 7-1 Introdução Cada vez mais, organizações estão analizando dados correntes e históricos para identificar padrões úteis e suporte a estratégias de negócios.

Leia mais

Decisão Suporte: Warehousing, OLAP e Data Mining

Decisão Suporte: Warehousing, OLAP e Data Mining Decisão Suporte: Warehousing, OLAP e Data Mining 7-1 Introdução Cada vez mais, organizações estão analizando dados correntes e históricos para identificar padrões úteis e suporte a estratégias de negócios.

Leia mais

Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado

Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado DW OLAP BI Ilka Kawashita Material preparado :Prof. Marcio Vitorino Sumário OLAP Data Warehouse (DW/ETL) Modelagem Multidimensional Data Mining BI - Business

Leia mais

Business Intelligence Um enfoque gerencial para a Inteligência do Negócio.Efrain Turban e outros.tradução. Bookman, 2009.

Business Intelligence Um enfoque gerencial para a Inteligência do Negócio.Efrain Turban e outros.tradução. Bookman, 2009. REFERÊNCIAS o o Business Intelligence Um enfoque gerencial para a Inteligência do Negócio.Efrain Turban e outros.tradução. Bookman, 2009. Competição Analítica - Vencendo Através da Nova Ciência Davenport,

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios-

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, HUMANAS E SOCIAIS BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- Curso: Administração Hab. Sistemas de Informações Disciplina: Gestão de Tecnologia

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Business Intelligence Inteligência Competitiva tem por fornecer conhecimento

Leia mais

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Banco de Dados Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Roteiro Apresentação do professor e disciplina Definição de Banco de Dados Sistema de BD vs Tradicional Principais características de BD Natureza autodescritiva

Leia mais

Definition of a Measurement Guide for Data Warehouse Projects

Definition of a Measurement Guide for Data Warehouse Projects Definition of a Measurement Guide for Data Warehouse Projects Claudia Hazan Serviço Federal de Processamento de Dados (SERPRO) SGAN Quadra 601 Modulo V Brasilia, DF, CEP: 70836-900 BRAZIL 1 Agenda Cenário:

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI Noções de sistemas de informação Turma: 01º semestre Prof. Esp. Marcos Morais

Leia mais

Cód. 48 Analista de TIC III (Suporte e Consultoria a Projetos)

Cód. 48 Analista de TIC III (Suporte e Consultoria a Projetos) EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PRODAM/SP S.A SELEÇÃO PÚBLICA Nº 001/2007 Cód. 48 Analista de TIC III (Suporte e Consultoria a Projetos) 1. O modelo OSI é uma

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

e-business A IBM definiu e-business como: GLOSSÁRIO

e-business A IBM definiu e-business como: GLOSSÁRIO Através do estudo dos sistemas do tipo ERP, foi possível verificar a natureza integradora, abrangente e operacional desta modalidade de sistema. Contudo, faz-se necessário compreender que estas soluções

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE BI Aplicado à Gestão das Águas Subterrâneas. Frederico Cláudio Peixinho Flávio Luis de Mello 23 a 26 de Outubro de 2012

BUSINESS INTELLIGENCE BI Aplicado à Gestão das Águas Subterrâneas. Frederico Cláudio Peixinho Flávio Luis de Mello 23 a 26 de Outubro de 2012 XVII Congresso Brasileiro de Águas Subterrâneas Bonito - MT Serviço Geológico do Brasil CPRM BUSINESS INTELLIGENCE BI Aplicado à Gestão das Águas Subterrâneas Frederico Cláudio Peixinho Flávio Luis de

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR ORGANIZAÇÃO CURRICULAR O curso Técnico em Informática, em Nível Médio Subseqüente, será organizado de forma semestral, com aulas presenciais, compostos por disciplinas, com conteúdos estabelecidos, tendo

Leia mais

Data Warehouses Uma Introdução

Data Warehouses Uma Introdução Data Warehouses Uma Introdução Alex dos Santos Vieira, Renaldy Pereira Sousa, Ronaldo Ribeiro Goldschmidt 1. Motivação e Conceitos Básicos Com o advento da globalização, a competitividade entre as empresas

Leia mais

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES [Observação: O template a seguir é utilizado como roteiro para projeto de sistemas orientado

Leia mais

MSc. Daniele Carvalho Oliveira

MSc. Daniele Carvalho Oliveira MSc. Daniele Carvalho Oliveira AULA 2 Administração de Banco de Dados: MSc. Daniele Oliveira 2 CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE BANCO DE DADOS Administração de Banco de Dados: MSc. Daniele Oliveira 3 Conceitos

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Lembrando... Aula 4 1 Lembrando... Aula 4 Sistemas de apoio

Leia mais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva Especialista em Engenharia de Software Jogos Digitais - Computação Gráfica 1 Agenda Vantagens de usar a abordagem

Leia mais

Modelagem de Sistemas de Informação

Modelagem de Sistemas de Informação Modelagem de Sistemas de Informação Professora conteudista: Gislaine Stachissini Sumário Modelagem de Sistemas de Informação Unidade I 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO...1 1.1 Conceitos...2 1.2 Objetivo...3 1.3

Leia mais

APLICAÇÃO DA FERRAMENTA OLAP EM DIFERENTES MÓDULOS DE UM SISTEMA ERP MELHORANDO A TOMADA DE DECISÃO. Henrique César Gouveia 1 gouveia.henriq@gmail.

APLICAÇÃO DA FERRAMENTA OLAP EM DIFERENTES MÓDULOS DE UM SISTEMA ERP MELHORANDO A TOMADA DE DECISÃO. Henrique César Gouveia 1 gouveia.henriq@gmail. APLICAÇÃO DA FERRAMENTA OLAP EM DIFERENTES MÓDULOS DE UM SISTEMA ERP MELHORANDO A TOMADA DE DECISÃO Henrique César Gouveia 1 gouveia.henriq@gmail.com Muller Marciel Melo 2 muller_melo@hotmail.com Pedro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

BANCO DE DADOS I AULA 3. Willamys Araújo

BANCO DE DADOS I AULA 3. Willamys Araújo BANCO DE DADOS I AULA 3 Willamys Araújo Modelo Conceitual Descreve quais dados serão armazenados no banco de dados as relações que existem entre eles. Independe do SGBD e da abordagem do banco de dados

Leia mais

Percio Alexandre de Oliveira Prof. Maurício Capobianco Lopes - Orientador

Percio Alexandre de Oliveira Prof. Maurício Capobianco Lopes - Orientador Percio Alexandre de Oliveira Prof. Maurício Capobianco Lopes - Orientador Índice Introdução Objetivos Data Warehouse Estrutura Interna Características Principais elementos: ETC, Metadados e Modelagem Dimensional

Leia mais

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas Processamento e Otimização de Consultas Banco de Dados Motivação Consulta pode ter sua resposta computada por uma variedade de métodos (geralmente) Usuário (programador) sugere uma estratégia para achar

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.1 Armazenamento... 5 4.2 Modelagem... 6 4.3 Metadado... 6 4.4

Leia mais

Ricardo Roberto de Lima UNIPÊ 2008.1 APS-I. Históricos e Modelagem Orientada a Objetos

Ricardo Roberto de Lima UNIPÊ 2008.1 APS-I. Históricos e Modelagem Orientada a Objetos Históricos e Modelagem Orientada a Objetos Histórico Diversas metodologias e métodos surgiram para apoiar OO. Evolução a partir de linguagens C++ e SmallTalk. Anos 80 Anos 80-90: diversidade de autores.

Leia mais

Redação um de texto dissertativo, de ate 30 linhas, a respeito de um tema relacionado aos conhecimentos específicos dos respectivos cargos

Redação um de texto dissertativo, de ate 30 linhas, a respeito de um tema relacionado aos conhecimentos específicos dos respectivos cargos MPOG - Cargo: Analista de Tecnologia da Informação 2015 Inscrições Data: 16/06/2015 a 06/07/2015 Observação:Via GRU Confirmação de Inscrição: Até dia 29/07/2015. Provas Data de aplicação: 30 de agosto

Leia mais

Banco de Dados 1 2º Semestre

Banco de Dados 1 2º Semestre Banco de Dados 1 2º Semestre Aula 07 Prof. Gladimir Ceroni Catarino gladimir@gmail.com SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS o Uma coletânea de conceitos que

Leia mais

Complemento I - Noções Introdutórias em Data Warehouses

Complemento I - Noções Introdutórias em Data Warehouses Complemento I - Noções Introdutórias em Data Warehouses Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS Capítulo 7 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS 7.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Por que as empresas sentem dificuldades para descobrir que tipo de informação precisam ter em seus sistemas de informação?

Leia mais

Sistemas de Apoio à Inteligência do Negócio

Sistemas de Apoio à Inteligência do Negócio Sistemas de Apoio à Inteligência do Negócio http://www.uniriotec.br/~tanaka/sain tanaka@uniriotec.br Visão Geral de Business Intelligence Evolução dos Sistemas de Informação (computadorizados) 1950 s:

Leia mais

Modelagem de Casos de Uso (Parte 2)

Modelagem de Casos de Uso (Parte 2) Modelagem de Casos de Uso (Parte 2) Roteiro (1) Método para Modelagem de Casos De Uso Estudo de Caso: Sistema de Controle para Videolocadora Levantamento Inicial dos Casos de Uso Identificação dos Casos

Leia mais

Modelagem de Casos de Uso (Parte 2)

Modelagem de Casos de Uso (Parte 2) Modelagem de Casos de Uso (Parte 2) Roteiro (1) Método para Modelagem de Casos De Uso Estudo de Caso: Sistema de Controle para Videolocadora Levantamento Inicial dos Casos de Uso Identificação dos Casos

Leia mais

Módulo 4. Construindo uma solução OLAP

Módulo 4. Construindo uma solução OLAP Módulo 4. Construindo uma solução OLAP Objetivos Diferenciar as diversas formas de armazenamento Compreender o que é e como definir a porcentagem de agregação Conhecer a possibilidade da utilização de

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 02 Análise e Projeto OO Edirlei Soares de Lima Análise A análise modela o problema e consiste das atividades necessárias para entender

Leia mais

linguagem técnica de informática; Perceber os sinais de pontuação e identificar sua função no texto; Ler siglas e identificar seus significados;

linguagem técnica de informática; Perceber os sinais de pontuação e identificar sua função no texto; Ler siglas e identificar seus significados; PLANO DE CURSO Disciplina Competências Habilidades Bases Tecnológicas INGLÊS TÉCNICO Aumentar e consolidar o seu vocabulário ativo e passivo, através da fixação de novas palavras e expressões contidas

Leia mais

Aplicação A. Aplicação B. Aplicação C. Aplicação D. Aplicação E. Aplicação F. Aplicação A REL 1 REL 2. Aplicação B REL 3.

Aplicação A. Aplicação B. Aplicação C. Aplicação D. Aplicação E. Aplicação F. Aplicação A REL 1 REL 2. Aplicação B REL 3. Sumário Data Warehouse Modelagem Multidimensional. Data Mining BI - Business Inteligence. 1 2 Introdução Aplicações do negócio: constituem as aplicações que dão suporte ao dia a dia do negócio da empresa,

Leia mais

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo CBSI Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação BI Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Tópicos Especiais em Sistemas de Informação Faculdade de Computação Instituto

Leia mais

Analysis Services. Manual Básico

Analysis Services. Manual Básico Analysis Services Manual Básico Construindo um Banco de Dados OLAP... 2 Criando a origem de dados... 3 Definindo as dimensões... 5 Níveis de dimensão e membros... 8 Construindo o cubo... 11 Tabela de fatos...12

Leia mais

Ciclo de vida de um banco de dados relacional

Ciclo de vida de um banco de dados relacional Ciclo de vida de um banco de dados relacional 1. Formulação e análise de requisitos: a) Relacionamentos naturais entre os dados (independentes de processo). b) Requisitos de uso (dependentes de processo).

Leia mais

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) é constituído por um conjunto de dados associados a um conjunto de programas para acesso a esses

Leia mais

Estudo de Caso Sistema de Caixa Automático

Estudo de Caso Sistema de Caixa Automático Estudo de Caso Sistema de Caixa Automático Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Notas de Aula Ulrich Schiel Notas de Aula Ariadne

Leia mais

Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura

Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura Apresentação Os projetos de Data Warehouse e Business Intelligence são dos mais interessantes e complexos de desenvolver

Leia mais

Profº Aldo Rocha. Banco de Dados

Profº Aldo Rocha. Banco de Dados Profº Aldo Rocha Banco de Dados AULA 03: MODELO CONCEITUAL E DE ENTIDADES Turma: ASN102 BELÉM, 19 DE AGOSTO DE 2011 Aula Passada Na aula passada nós trabalhamos a introdução a Banco de dados e a AGENDA

Leia mais

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER Objetivo dessa aula é descrever as características e a simbologia dos diagramas UML e MER na modelagem de sistemas de informação de uma forma a permitir a comunicação entre técnicos e gestores. Modelagem

Leia mais

Criação e uso da Inteligência e Governança do BI

Criação e uso da Inteligência e Governança do BI Criação e uso da Inteligência e Governança do BI Criação e uso da Inteligência e Governança do BI Governança do BI O processo geral de criação de inteligência começa pela identificação e priorização de

Leia mais

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Modelagem OO com UML Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Departamento de Informática Centro Tecnológico Universidade Federal do Espírito Santo Modelos Maneira

Leia mais

Sistemas de controle e gerenciamento de produção para o aumento da eficiência e produtividade nas indústrias

Sistemas de controle e gerenciamento de produção para o aumento da eficiência e produtividade nas indústrias Sistemas de controle e gerenciamento de produção para o aumento da eficiência e produtividade nas indústrias Roberto Campos MAXMES Agenda Introdução Definição de Métricas M de Operações e KPIs Sistemas

Leia mais

Curso Data warehouse e Business Intelligence

Curso Data warehouse e Business Intelligence Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura Apresentação Os projetos de Data Warehouse e Business Intelligence são dos mais interessantes e complexos de desenvolver

Leia mais

Tópicos Avançados Business Intelligence. Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira. Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence.

Tópicos Avançados Business Intelligence. Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira. Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence. Tópicos Avançados Business Intelligence Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence Roteiro Introdução Níveis organizacionais na empresa Visão Geral das

Leia mais

Business Intelligence

Business Intelligence 1/ 24 Business Intelligence Felipe Ferreira 1 Nossa empresa Jornal O Globo Jornais Populares Parcerias Grupo Folha Grupo Estado 2 1 Fundada em 1925 3100 funcionários 2 Parques Gráficos e SP Globo: 220

Leia mais

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Prof. Adriano Pereira Maranhão 1 REVISÃO BANCO DE DADOS I O que é banco de dados? Ou seja afinal o que é um SGBD? REVISÃO BD I REVISÃO DE BD I Um Sistema de Gerenciamento de

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados -

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados - Banco de Dados Aula 02 Modelagem de Dados Roteiro Definição Evolução Projeto de BD Abstração Esquema e Instância Definição É uma representação, normalmente gráfica, de estruturas de dados reais. Auxilia

Leia mais

Fundamentos da Análise Multidimensional

Fundamentos da Análise Multidimensional Universidade Técnica de Lisboa INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO Informática e Sistemas de Informação Aplicados em Economia Fundamentos da Análise Multidimensional Fundamentos da Análise Multidimensional

Leia mais

Microsoft Analysis Service

Microsoft Analysis Service Microsoft Analysis Service Neste capítulo você verá: BI Development Studio Analysis Services e Cubos Microsoft Analysis Services é um conjunto de serviços que são usados para gerenciar os dados que são

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas: Análise Essencial, Estruturada e Orientada a Objetos

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas: Análise Essencial, Estruturada e Orientada a Objetos Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas: Análise Essencial, Estruturada e Orientada a Objetos Luan Santos da Silva e Silva luan_silva@hotmail.com Discente do 8º Período do curso de Sistemas de Informação

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de

Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de 1 Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de relatórios dos sistemas de informação gerencial. Descrever

Leia mais

Uma estrutura (framework) para o Business Intelligence (BI)

Uma estrutura (framework) para o Business Intelligence (BI) Uma estrutura conceitural para suporteà decisão que combina arquitetura, bancos de dados (ou data warehouse), ferramentas analíticas e aplicações Principais objetivos: Permitir o acesso interativo aos

Leia mais

Kimball University: As 10 Regras Essenciais para a Modelagem de Dados Dimensional

Kimball University: As 10 Regras Essenciais para a Modelagem de Dados Dimensional Kimball University: As 10 Regras Essenciais para a Modelagem de Dados Dimensional Margy Ross Presidente Kimball Group Maio de 2009, Intelligent Enterprise.com Tradução livre para a língua portuguesa por

Leia mais

OLAP: Características, Arquitetura e Ferramentas

OLAP: Características, Arquitetura e Ferramentas INSTITUTO VIANNA JÚNIOR FACULDADES INTEGRADAS VIANNA JÚNIOR OLAP: Características, Arquitetura e Ferramentas Erika Maria Teixeira Araújo 1 Mônica de Lourdes Souza Batista 2 Teresinha Moreira de Magalhães

Leia mais

Disciplina de Banco de Dados Parte V

Disciplina de Banco de Dados Parte V Disciplina de Banco de Dados Parte V Prof. Elisa Maria Pivetta CAFW - UFSM Modelo de Dado Relacional O Modelo Relacional O Modelo ER é independente do SGDB portanto, deve ser o primeiro modelo gerado após

Leia mais

Módulo 5. Implementando Cubos OLAP

Módulo 5. Implementando Cubos OLAP Módulo 5. Implementando Cubos OLAP Objetivos Compreender a importância da manipulação correta da segurança nos dados. Conhecer as operações que podem ser realizadas na consulta de um cubo. Entender o uso

Leia mais

O desafio de uma visão mais ampla

O desafio de uma visão mais ampla com SAP NetWeaver BPM Descrição de Solução A competição acirrada tem levado as organizações a adotar novas disciplinas de gestão e empregar recursos tecnológicos avançados, a fim de atingir melhores índices

Leia mais

Aline França a de Abreu, Ph.D

Aline França a de Abreu, Ph.D Aline França a de Abreu, Ph.D igti.eps.ufsc.br 07 / 10/ 04 Núcleo de estudos Criado em 1997 - UFSC/EPS Equipe multidisciplinar, com aproximadamente 20 integrantes OBJETIVO Gerar uma competência e uma base

Leia mais

EDITAL PSS Nº 001/85 2014/SETS ANEXO I CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

EDITAL PSS Nº 001/85 2014/SETS ANEXO I CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANEXO I CONTEÚDO PROGRAMÁTICO NÍVEL SUPERIOR GERENTE - Administração Pública (CF/1988 Capítulo VII seção I e II Art. 37 a 41) CONHECIMENTOS GERAIS 30 questões - Processo Seletivo Simplificado - PSS (Lei

Leia mais

Data Warehousing Visão Geral do Processo

Data Warehousing Visão Geral do Processo Data Warehousing Visão Geral do Processo Organizações continuamente coletam dados, informações e conhecimento em níveis cada vez maiores,, e os armazenam em sistemas informatizados O número de usuários

Leia mais

Uma análise de ferramentas de modelagem e gerência de metadados aplicadas ao projeto de BI/DW-UFBA

Uma análise de ferramentas de modelagem e gerência de metadados aplicadas ao projeto de BI/DW-UFBA Universidade Federal da Bahia Instituto de Matemática Departamento de Ciência da Computação MATA67 Projeto Final II Uma análise de ferramentas de modelagem e gerência de metadados aplicadas ao projeto

Leia mais

ACOMPANHAMENTO TESTE 6. Fonte: Carlos Barbieri. Fonte: Carlos Barbieri

ACOMPANHAMENTO TESTE 6. Fonte: Carlos Barbieri. Fonte: Carlos Barbieri PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Curso: Banco de Dados Disciplina: Data Warehouse e Business Intelligence Professor: Fernando Zaidan Unidade 2.1 - Cubos 2012 ACOMPANHAMENTO IMPLEMENTAÇÃO 8 7 9 TESTE 6 CONSTRUÇÃO

Leia mais

OLAP em âmbito hospitalar: Transformação de dados de enfermagem para análise multidimensional

OLAP em âmbito hospitalar: Transformação de dados de enfermagem para análise multidimensional OLAP em âmbito hospitalar: Transformação de dados de enfermagem para análise multidimensional João Silva and José Saias m5672@alunos.uevora.pt, jsaias@di.uevora.pt Mestrado em Engenharia Informática, Universidade

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 SISTEMA DE APOIO À DECISÃO Grupo: Denilson Neves Diego Antônio Nelson Santiago Sabrina Dantas CONCEITO É UM SISTEMA QUE AUXILIA O PROCESSO DE DECISÃO

Leia mais

Administração estratégica da Informação: definição, controle estratégias de mercado Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Administração estratégica da Informação: definição, controle estratégias de mercado Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Administração estratégica da Informação: definição, controle estratégias de mercado Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo

Leia mais

Quem estiver interessado favor mandar currículo para sabrina.rodrigues@neogrid.com. As vagas são as seguintes: *Analista de BI (2 vagas)*

Quem estiver interessado favor mandar currículo para sabrina.rodrigues@neogrid.com. As vagas são as seguintes: *Analista de BI (2 vagas)* Quem estiver interessado favor mandar currículo para sabrina.rodrigues@neogrid.com. As vagas são as seguintes: *Analista de BI (2 vagas)* Buscamos candidatos com interesse e experiência na área de desenvolvimento,

Leia mais

Uma Ferramenta Web para BI focada no Gestor de Informação

Uma Ferramenta Web para BI focada no Gestor de Informação Uma Ferramenta Web para BI focada no Gestor de Informação Mikael de Souza Fernandes 1, Gustavo Zanini Kantorski 12 mikael@cpd.ufsm.br, gustavoz@cpd.ufsm.br 1 Curso de Sistemas de Informação, Universidade

Leia mais

Uma Abordagem usando PU

Uma Abordagem usando PU Uma Abordagem usando PU Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Baseada em: Rational Software Corpotation G. Booch, Ivar Jacobson,

Leia mais

Unidade II ADMINISTRAÇÃO DE. Prof. Luiz Fernando de Lima Santos

Unidade II ADMINISTRAÇÃO DE. Prof. Luiz Fernando de Lima Santos Unidade II ADMINISTRAÇÃO DE BANCOS DE DADOS Prof. Luiz Fernando de Lima Santos Modelagem de Dados Coleção de ferramentas conceituais para descrever dados, suas relações e restrições Modelo Conceitual:

Leia mais

Modelos de Armazenamento de dados. Prof. Guilherme Tomaschewski Netto guilherme.netto@gmail.com

Modelos de Armazenamento de dados. Prof. Guilherme Tomaschewski Netto guilherme.netto@gmail.com Modelos de Armazenamento de dados Prof. Guilherme Tomaschewski Netto guilherme.netto@gmail.com Legendas! Nesta apresentação serão utilizadas algumas legendas: Indica uma referência, para quem ficou curioso

Leia mais

Nos artigos anteriores apresentamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio

Nos artigos anteriores apresentamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio Vinicius Lourenço de Sousa vinicius.lourenco.sousa@gmail.com Atua no ramo de desenvolvimento de software há mais de

Leia mais

Banco de Dados. Arquitetura e Terminologia. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.

Banco de Dados. Arquitetura e Terminologia. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo. Banco de Dados Arquitetura e Terminologia Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 Modelo de Dados e Esquemas O modelo de Banco de Dados é como um detalhamento

Leia mais