III USINAS DE RECICLAGEM DE LIXO : PORQUE NÃO FUNCIONAM?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "III-020 - USINAS DE RECICLAGEM DE LIXO : PORQUE NÃO FUNCIONAM?"

Transcrição

1 III USINAS DE RECICLAGEM DE LIXO : PORQUE NÃO FUNCIONAM? Marcelo de Paula Neves Lelis (1) Engenheiro Civil pela UFV; Mestre em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos (1998) pela UFMG; Assessor do Centro Mineiro para Conservação da Natureza (CMCN); Coordenador Técnico do Laboratório de Engenharia Sanitária e Ambiental (LESA) da Universidade Federal de Viçosa. João Tinôco Pereira Neto Engenheiro Civil pela UFMA; Mestre em Eng. Sanitária pela UFPB; Ph.D em Eng. Sanitária e Ambiental (1987) pela Universidade de Leeds; Professor Titular da Universidade Federal de Viçosa (UFV); Consultor em Resíduos Sólidos de vários Órgãos Nacionais e Internacionais; Profissional agraciado com a Comenda do Meio Ambiente pela OAB. Endereço (1) : Laboratório de Eng. Sanitária e Ambiental / Departamento de Eng. Civil - Universidade Federal de Viçosa - Cep: Viçosa (MG). Tel (31) ; Fax (31) ; RESUMO Uma das principais alternativas para o tratamento dos resíduos sólidos urbanos, as usinas de reciclagem e compostagem se apresentam, hoje, com uma imagem bastante desgastada. O descrédito com relação a esse eficiente sistema se deve a diversos fatores. Este trabalho buscou identificar os principais entraves que tem inviabilizado a adoção desse sistema pelas municipalidades, bem como ocasionado a paralisação ou desativação de diversas usinas implantadas pelo país. Mostra, ainda, que esta concepção, bastante difundida no país, apresenta diversas vantagens comparadas com outras soluções em uso corrente, principalmente quando destinadas ao tratamento dos resíduos gerados em municípios de pequeno porte. Entretanto, sua adoção só deve ser feita quando embasada em critérios técnicos, e fundamentada na avaliação do diagnóstico e levantamento de dados que indiquem ser esta uma solução viável. PALAVRAS-CHAVE: Tratamento de lixo, Usinas, Reciclagem. 1. INTRODUÇÃO A disposição inadequada dos resíduos sólidos urbanos (lixo) no meio ambiente, constituindo as lixeiras ou lixões, vêm contribuindo, cada vez mais, para o agravamento das condições sanitárias dos municípios que não dispõe de sistema de tratamento ou destinação final. Soma-se a esse fato, os inúmeros problemas de ordem ambiental, social e econômico associados a esta perversa prática. Como boa parte dos administradores públicos estão cientes desta situação, tem sido crescente a busca por soluções que se proponham a resolver ou, pelo menos, minimizar este grave quadro. Dentre as soluções atualmente aplicadas no saneamento dos resíduos sólidos urbanos (RSU), têm-se os sistemas de destinação final (aterros sanitários, aterros controlados, incineração, pirólise, etc.) e os sistemas de tratamento, com destaque aos processos que buscam promover a reciclagem dos resíduos. Com relação a estes últimos existem, implantados no país, um significativo número de sistemas comumente designados Usinas de Reciclagem de Lixo. Na concepção original destas usinas, os resíduos provenientes da coleta são triados e selecionados por tipologia. Após a separação, os materiais potencialmente recicláveis, a exemplo dos papéis, papelão, plásticos, vidros e metais, são comercializados ou doados, os resíduos orgânicos encaminhados para o processo de compostagem, e os rejeitos encaminhados para o sistema de disposição final. Entretanto, a aplicação deste processo de tratamento ainda enfrenta resistência no país, devido a uma série de restrições associadas à sua implantação e operação. Diversos fatores, que serão comentados ao longo deste trabalho, têm contribuído para gerar descrédito quanto à utilização desta alternativa para o tratamento dos RSU, formando uma imagem desgastada e que, por muitas vezes, não condiz com a realidade ABES Trabalhos Técnicos 1

2 2. OBJETIVO Este trabalho buscou, de forma técnica e objetiva, discutir os principais entraves que têm inviabilizado a implantação das Usinas de Reciclagem de Lixo como sistema de tratamento para os resíduos sólidos urbanos em municípios considerados de pequeno porte, que apresentem geração de RSU da ordem de 2 a 15t/d. Não se trata de estudo comparativo com outros sistemas existentes, mas sim da discussão sobre os critérios que devem ser levados em conta quando se objetiva avaliar a viabilidade deste processo como solução (ou parte) dos problemas advindos da disposição inadequada do lixo. Constata-se haver muito questionamento e críticas com relação a estes sistemas, entretanto, pouca discussão técnica (e realista) sobre o assunto. 3. USINAS DE RECICLAGEM DE LIXO : Porque não Funcionam? As razões que inviabilizam a adoção das Usinas de Reciclagem de Lixo como alternativa para o tratamento dos RSU, bem como causam sua desativação (ver FIGURA 1, que ilustra a situação no Estado de MG), são várias. Ressalta-se que o principal motivo está relacionado à falta de conhecimento e domínio sobre a tecnologia envolvida no processo. Assim, discutiremos, a seguir, os principais entraves que tem inviabilizado a implantação e o funcionamento destes sistemas, detectados a partir da coleta remota de informações e avaliações de campo % 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Em operação Em implantação Desativada TOTAL FIGURA 1: Usinas de Reciclagem de Lixo no Estado de Minas Gerais Fonte: LESA/UFV 3.1 TERMINOLOGIA O termo geralmente utilizado para designar esses sistemas de tratamento, Usinas de Reciclagem de Lixo, pode ser considerado o primeiro empecilho para o seu sucesso. Usina, segundo o Aurélio, é qualquer estabelecimento industrial equipado com máquina; fábrica. Como não se trata de uma indústria, pois nestes sistemas não há fabricação de qualquer tipo de substância ou produto, depreende-se que o termo usina não é adequado para esta finalidade. Ressalta-se que o conceito usina tem conotação de sistema complexo, com muitas máquinas, e que necessita de muito capital para sua implantação e operação. Entretanto, a concepção difundida pela Universidade Federal de Viçosa, para comunidades de pequeno porte, é de sistemas simplificados e de baixo custo, o que por si só justifica a substituição do termo usina para outro mais apropriado. Considera-se, ainda, que o termo Reciclagem também não é adequado, pois nestes sistemas é feita a triagem dos materiais potencialmente recicláveis, os quais são encaminhados para as indústrias para, aí sim, serem reciclados. 2 ABES Trabalhos Técnicos

3 Sugere-se, portanto, que seja adotada a terminologia Unidade de Triagem e Compostagem (UTC) para designar esses sistemas, por ser considerada uma forma mais coerente com a concepção e o objetivo a que se propõe. 3.2 CONCEPÇÃO DOS PROJETOS Muitos projetos de usinas são concebidos e até executados sem o mínimo de conhecimento e critério técnico, o que, além de onerar os custos de implantação, geram inevitáveis problemas de funcionamento. Neste item serão discutidas as principais falhas observadas em diversos projetos e sistemas avaliados, constatando-se que a concepção inadequada do projeto tem sido uma das principais causas do fechamento de algumas usinas implantadas no país DIAGNÓSTICO E PLANEJAMENTO Todo e qualquer projeto de engenharia destinado ao tratamento e/ou destinação final dos RSU deve, necessariamente, passar pelas etapas de diagnóstico e planejamento. É inconcebível a implantação desses sistemas sem o conhecimento prévio da realidade do município com o qual se pretende trabalhar. Etapa de fundamental importância, é no diagnóstico que serão identificadas as principais características e peculiaridades do município, seu perfil socioeconômico, bem como todas as informações referentes à geração de resíduos, tais como taxa per capita, composição gravimétrica, balanço de massa, etc. A indicação da solução mais adequada para a realidade encontrada deverá passar, necessariamente, pela avaliação do diagnóstico, que norteará a tomada de decisão. Concluído o diagnóstico, torna-se necessário o planejamento de todas as etapas posteriores que viabilizarão a implantação da solução indicada no diagnóstico. A implantação de usinas sem o criterioso levantamento dos dados que constituirão o diagnóstico, e falta de rigor técnico no planejamento, podem levar à adoção de soluções equivocadas, que não condizem com a realidade e, conseqüentemente, estarão fadadas ao fracasso ADOÇÃO DE TECNOLOGIAS IMPORTADAS Houve e ainda há, no país, a cultura de que tecnologias estrangeiras, que alcançaram êxito em países considerados desenvolvidos, devem ser importadas e aplicadas à nossa realidade. Este é mais um equívoco que persiste em alguns segmentos da engenharia. Sabe-se que o perfil socioeconômico de nosso país difere totalmente da região de onde provém a maior parte dessas tecnologias, notadamente Estados Unidos e países da Europa. A massa de RSU gerada nestes países difere, em muito, do lixo que geramos em nosso país, em razão do padrão de consumo, hábitos e costumes da população, leis ambientais, estrutura do sistema de limpeza urbana e uma série de outros fatores. Atualmente, diversas dessas usinas que utilizam tecnologia importada encontram-se desativadas no país, comprovando a falta de critério técnico e o descaso com o dinheiro público. A importação de tecnologia ou de sistemas de tratamento para RSU só deve ser feita após estudo prévio, que indique sua viabilidade técnica e econômica, considerando-se as demais alternativas disponíveis no mercado DIMENSIONAMENTO O dimensionamento de sistemas destinados ao tratamento dos RSU deve atender aos preceitos básicos de engenharia, e somente deve ser feito após a criteriosa avaliação dos dados obtidos mediante o diagnóstico técnico e socioeconômico. O estudo realizado para o desenvolvimento deste trabalho permitiu observar que diversas Usinas foram implantadas, inacreditavelmente, sem o prévio levantamento sobre a quantidade de lixo a ser processada, o que invariavelmente leva à situação de sub ou superdimensionamento destes sistemas IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS INCOMPLETOS Uma usina deve prever, em sua concepção original, toda a infra-estrutura necessária para o desenvolvimento das principais atividades. Entretanto, há casos de Usinas, implantadas, em que não foi considerada a área para ABES Trabalhos Técnicos 3

4 o tratamento da matéria orgânica (pátio de compostagem), o local destinado a receber os rejeitos dos processos de triagem e compostagem (aterro de rejeitos), os quais sempre existirão neste tipo de sistema, e, até mesmo, a falta de estrutura de apoio para os funcionários (banheiros/vestiários, refeitório, etc.). Situações desse tipo, geralmente associadas a falhas conceituais e/ou falta de conhecimento técnico no desenvolvimento do projeto, causam diversos inconvenientes, podendo inviabilizar o funcionamento do sistema EQUIPAMENTOS ELETRO-MECÂNICOS Boa parte das usinas implantadas no país são dotadas de equipamentos eletro-mecânicos. Entretanto, nem sempre estes equipamentos são necessários, e quando o são, geralmente carecem de especificação adequada. Há, no país, diversos fabricantes de maquinários (para outras finalidades) que enxergaram no lixo um filão, e passaram a produzir equipamentos adaptados para as usinas. Tal prática, considerada no mínimo amadora, tem-se constituído em grave problema para as Prefeituras que adquirem equipamentos sem acompanhamento técnico. Administradores públicos, muitas vezes bem intencionados mas sem o devido esclarecimento técnico, acabam por adquirir, destes fabricantes aventureiros, as famosas usinas, que geralmente são comercializadas dentro de uma visão de que o tratamento do lixo possibilita retorno financeiro, o que nem sempre condiz com a realidade. Alguns destes fabricantes fornecem, inclusive, o que chamam de projeto da usina, que invariavelmente são padronizados e incompletos. Outro grande problema associado a esses fabricantes inescrupulosos é o total descomprometimento com o pós-venda, o que pode inviabilizar o funcionamento do sistema em razão da falta de assistência técnica, peças de reposição, etc. Como todo e qualquer mercado em expansão, há uma grande concorrência no mercado de equipamentos voltados para o processamento do lixo. Dentre os principais equipamentos utilizados nesses sistemas e que são atualmente comercializados, temos: correias transportadoras (para a triagem das diversas frações que compõe a massa dos RSU); moinhos trituradores (destinados à fragmentação dos resíduos orgânicos); prensas hidráulicas (utilizadas no enfardamento dos recicláveis) e peneiras rotativas (empregadas no peneiramento e refino do composto maturado). Ressalta-se que sistemas simplificados destinados ao processamento de até 4t/dia de RSU (considerando-se turno único de trabalho), podem ser concebidos para operar com apenas um equipamento eletro-mecânico, a prensa hidráulica, destinada ao enfardamento dos recicláveis. A aquisição de equipamentos, quando necessária, deve ser feita com rigoroso critério técnico, sob pena de se investir significativa quantia em maquinário que não atingirá os objetivos esperados. Um bom projeto deverá contemplar, em seu memorial descritivo, as especificações técnicas (mínimas) que estes equipamentos deverão atender, de forma, também, a orientar os administradores públicos para que não se prendam apenas pelo item preço, parâmetro muito relativo e que pode levar a uma tomada de decisão equivocada. Além da instalação de equipamentos de má qualidade, que não atendem as especificações técnicas, outro fator que tem inviabilizado o funcionamento de algumas usinas é a excessiva mecanização, responsável por elevado consumo energético e complexidade no fluxo de materiais MOBILIZAÇÃO SOCIAL Quando a administração pública se propõe a implantar um sistema de tratamento de RSU sem a efetiva participação da população, a possibilidade de fracasso é maior. De acordo com as informações obtidas, na maioria dos municípios em que se encontram usinas desativadas ou paralisadas não foi realizado um trabalho de conscientização da população, objetivando a melhoria da limpeza urbana e sua adesão às campanhas de coleta seletiva, sendo esta última considerada de suma importância para o bom funcionamento dos sistemas destinados à triagem e compostagem dos resíduos. Uma boa estratégia adotada nos projetos desenvolvidos pela UFV tem sido a criação e orientação de uma equipe de voluntários, formado por membros da comunidade atendida que se identifiquem com a questão ambiental e tenham interesse em acompanhar o processo, desde a elaboração do projeto do sistema de tratamento até sua implantação e operação. Esta equipe poderá ser composta por representantes da Prefeitura, Emater, do Codema, de ONGs, e da sociedade em geral, e terá como principais atribuições: 4 ABES Trabalhos Técnicos

5 divulgar, na comunidade, conceitos fundamentais sobre ecologia, tais como desenvolvimento sustentável, coleta seletiva e reciclagem de materiais; acompanhar a execução das obras do sistema de tratamento; acompanhar e assessorar a operação do sistema implantado; desenvolver programas de educação ambiental e estimular a participação da comunidade. Essa estratégia tem garantido a sustentabilidade dos projetos desenvolvidos pela UFV, inclusive quanto à possibilidade de descontinuidade política, prática ainda muito comum em prefeituras do interior. 3.3 LOCAL DE IMPLANTAÇÃO Um sistema de tratamento ou destinação final de lixo não deve ser implantado em local que não tenha sido objeto de ampla investigação, objetivando identificar sua aptidão para esta finalidade. Entretanto, não é incomum se encontrar usinas instaladas no perímetro urbano, às margens de cursos d água, em locais de difícil acesso, ou em regiões que não disponham de energia elétrica e/ou abastecimento de água. Isoladamente ou em conjunto, esses fatores podem inviabilizar o funcionamento do sistema. Uma vez instalada em local inadequado, a usina não deverá receber a licença de operação por parte do órgão ambiental, e caso venha a funcionar sem este aval, acarretará sérios riscos ambientais. 3.4 QUALIFICAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA Item de fundamental importância para o sucesso dos sistemas de tratamento de lixo, o treinamento e a qualificação de mão de obra tem sido relegado a segundo plano. Não obstante o fato da triagem e da compostagem serem consideradas operações simples, torna-se indispensável a preparação dos funcionários que atuarão no sistema. O treinamento e a qualificação da mão de obra deve passar por uma etapa teórica, preparada em linguagem acessível e adaptada ao público alvo, e pela prática, onde os funcionários deverão ter a oportunidade de vivenciar todo o funcionamento do sistema, utilizando os conhecimentos adquiridos. A este treinamento devese seguir a pré-operação, oportunidade em que os funcionários irão atuar em condições reais de trabalho, adaptando-se gradativamente ao processo. Atenção especial deve ser dada ao gerenciamento do sistema, cuja pessoa responsável deverá ser devidamente capacitada. 3.5 CONTROLE OPERACIONAL DO PROCESSO DE COMPOSTAGEM Geração de odores desagradáveis, presença de vetores e chorume evidenciam falhas decorrentes da ineficiência no tratamento dos resíduos orgânicos. Estes problemas nunca deveriam ocorrer num sistema de tratamento por compostagem, e estão associados à falta de conhecimento mínimo sobre o controle operacional do processo. Ressalta-se que a compostagem é um processo natural, biológico, e como tal, requer o controle de fatores básicos, tais como temperatura, oxigenação e umidade. Além disso, a carência de uma higienização diária das instalações também contribui para criar uma imagem negativa. PEREIRA NETO (1995) relata que a compostagem feita no país não segue, na maioria dos casos, critérios técnicos bem definidos. Segundo o autor, dentre os principais problemas encontrados, têm-se: a) ineficiência no processo de pré-tratamento (triagem e trituração) da matéria orgânica, o que ocasiona a contaminação da massa de compostagem; b) pátios de compostagem mal dimensionados, os quais não comportam a produção mensal de matéria orgânica, causando a venda de produtos não estabilizados (falha na concepção/dimensionamento do projeto); c) processos anaeróbicos de fermentação, quando se sabe que a compostagem é necessariamente um processo aeróbio; d) processos desenvolvidos sem controle de umidade, temperatura e oxigenação, fatores que governam a eficiência do sistema; ABES Trabalhos Técnicos 5

6 e) processos desenvolvidos sem nenhuma definição técnica do ciclo de reviramento, que basicamente oxigena e controla a temperatura da massa de compostagem; f) processos desenvolvidos em pilhas ou leiras sem configuração geométrica definida, fator de grande importância na compostagem; g) processos que não incluem a fase de maturação e, portanto, não produzem composto orgânico; h) total falta de controle dos impactos ambientais associados aos processos emissão de odores, chorume e atração de vetores (os quais são perfeitamente controláveis), etc. Como comentado no item 3.4 o treinamento e qualificação de mão-de-obra é de suma importância para se evitar que ocorram problemas desta natureza, em sai maior associados à deficiência no controle operacional do processo de compostagem. Ressalta-se que, além dos aspectos técnicos relacionados ao controle operacional, a compostagem é também vítima de interesses totalmente alheios à consolidação do processo no país, como o lobismo e o clientelismo, muito presentes no setor. 3.6 MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO COMPOSTO ORGÂNICO A qualidade do composto orgânico produzido nas usinas tem sido outro questionamento freqüente. Somente por meio do monitoramento do processo e da realização periódica de análises laboratoriais no composto orgânico é que se poderá inferir sobre sua qualidade. Devem ser feitas avaliações físicas, físico-químicas, químicas e bacteriológicas no composto orgânico, visando avaliar, entre outros parâmetros, a umidade, o ph, o percentual de matéria orgânica, o teor de macro e micro-nutrientes, a relação C/N e a presença de metais pesados. O valor agrícola e comercial de um composto orgânico só poderá ser estimado após a determinação desses parâmetros, que deverão vir acompanhados de laudo técnico, que restringirá ou não a utilização do produto. A venda e a utilização de composto orgânico de má qualidade, contribui significativamente para a criação de uma imagem negativa do processo de compostagem. Ressalta-se que o controle operacional durante os processos de triagem e compostagem é de fundamental importância para garantir a qualidade do composto orgânico proveniente de sistemas de tratamento de RSU. Contaminação do composto pela presença de materiais inertes, tais como plásticos, pedras, vidros, etc., podem ser facilmente evitados. 4. VIABILIDADE DO SISTEMA Pelo sucesso alcançado por diversos sistemas em funcionamento, não obstante o fracasso de alguns outros, percebe-se ser altamente viável a adoção de processos de triagem e compostagem como alternativa para o tratamento dos resíduos sólidos urbanos. A seguir, comenta-se alguns motivos que atestam a viabilidade destes sistemas: a produção, na maioria dos municípios brasileiros, de um lixo urbano que apresenta grande potencial para reciclagem, tanto de materiais inertes quanto de resíduos orgânicos (ver FIGURA 1, que ilustra a situação no Estado de MG.); o elevado teor de matéria orgânica presente na massa desses RSU, o que reforça a necessidade de adoção de sistemas de tratamento que contemplem essa fração; a real possibilidade de reintrodução, no processo produtivo, dos materiais recicláveis, proporcionando melhorias para a economia; o fato desta solução ter sido pesquisada por mais de 12 anos pela Universidade Federal de Viçosa, cuja tecnologia, de baixo custo, é consolidada (do ponto de vista científico e prático), apresenta simplicidade e grande flexibilidade operacional; a geração de empregos diretos (no sistema de tratamento) e indiretos, em face, principalmente, da comercialização dos materiais recicláveis e do uso do composto e; pelo fato de tratar-se de uma concepção de projeto que estimula a participação da sociedade, no exercício de sua cidadania na busca de solução para o problema da disposição inadequada do lixo; 6 ABES Trabalhos Técnicos

7 PET 1,3% Plástico rígido 2,2% Alumínio 0,5% Rejeitos 9,3% Vidro 2,3% Metais 3,3% Papel 3,6% Plástico filme 5,0% Papelão 5,7% Resíduos orgânicos 66,8% FIGURA 2: Composição Gravimétrica dos RSU Gerados em Municípios de Pequeno Porte do Estado de Minas Gerais (média obtida a partir da caracterização dos resíduos em 300 municípios) FONTE: Pereira Neto e Lelis, 1999 Outra característica favorável das Unidades de Triagem e Compostagem - UTCs (ver FIGURA 3, Fluxograma Padrão ) reside no fato de se tratar de sistemas modulares, o que permite a ampliação ou eventuais ajustes para se adaptar ao aumento na geração de resíduos. O sistema denominado de baixo custo ou simplificado, desenvolvido pela Universidade Federal de Viçosa (MG), idealizado para comunidades de pequeno porte e já implantado em alguns municípios, é constituído de módulos simples, de fácil construção. Segundo LELIS et al (1997), considerados os critérios técnicos, ambientais, sociais e de saúde pública (e até mesmo o aspecto político), essa é uma excelente alternativa para o tratamento de lixo nesses municípios. Os autores relatam que a simplicidade de operação desses sistemas é outra vantagem apresentada, justificando, assim, o tratamento do lixo a um custo acessível. Entretanto, é importante salientar que esses sistemas não devem ser implantados tendo-se como objetivo o lucro financeiro advindo da venda dos materiais recicláveis e do composto orgânico, sob pena de se incorrer em grave erro. Em geral, o máximo que se obtém é a auto-sustentação financeira. Concluindo, os autores ressaltam que, quando bem operados, esses sistemas apresentam consideráveis benefícios no que diz respeito à proteção do meio ambiente e à saúde pública, com reflexos diretos na melhoria da qualidade de vida da população. Entretanto, a viabilidade desta solução deve ser atestada após a avaliação de todos os critérios pertinentes. Devido a algumas peculiaridades, tais como à inexistência de áreas adequadas para a implantação do projeto, pequena produção de lixo (inferior a 2 t/dia) e falta de mercado para recicláveis e composto orgânico, pode-se concluir não ser esta uma solução adequada. ABES Trabalhos Técnicos 7

8 FIGURA 3: Fluxograma Padrão de Operação de uma Unidade de Triagem e Compostagem de RSU Recepção dos Rsu (lixo bruto) Retirada de Rejeitos Volumosos Triagem de Materiais Recicláveis e Rejeitos Rejeitos Materiais Inertes Recicláveis Aterro de Rejeitos Resíduos Orgânicos Recicláveis Prensagem / Enfardamento Compostagem Armazenamento Composto Maturado Comercialização Peneiramento Rejeitos Composto Orgânico Armazenamento Comercialização Visando a implantação de um sistema que atenda à realidade do município, a UFV tem adotado a seguinte metodologia no desenvolvimento de projetos de Unidade de Triagem e Compostagem, quando detectada sua viabilidade: a) apresentação da proposta de projeto na comunidade, visando sua participação no processo desde o início; b) levantamento de dados e elaboração do diagnóstico técnico e socioeconômico; c) caracterização dos resíduos sólidos urbanos; d) avaliação de mercado para comércio de recicláveis; e) seleção do local de implantação da UTC; f) elaboração do projeto; g) repasse de tecnologia para operação da UTC após sua implantação; h) treinamento e qualificação de mão de obra; i) pré-operação do sistema; j) operação definitiva; k) mobilização comunitária, buscando resgatar a cidadania da pupulação; 8 ABES Trabalhos Técnicos

9 l) desenvolvimento de atividades de educação ambiental e implantação da coleta seletiva; m) estímulo à implantação de projetos agregados que tenham conotação ambiental (viveiro para produção de mudas, oficina de reciclagem artesanal, etc) e ampliem o alcance do projeto original; Algumas destas etapas são desenvolvidas concomitantemente. 5. CONCLUSÕES Pode-se inferir que ainda existe, no país, muita desinformação acerca deste sistema como alternativa para o tratamento dos resíduos sólidos urbanos. Este fato, aliado aos erros cometidos no passado e às falhas ainda presentes em projetos atuais, tem contribuído para que haja a formação de um pré-conceito sobre estes sistemas, o qual muitas vezes não reflete a realidade. Ressalta-se que a opção pelos sistemas de triagem e compostagem deve ser precedida de um amplo diagnóstico, onde deverão ser levantadas e avaliadas todas as informações que subsidiarão a tomada de decisão sobre sua viabilidade técnica e econômica. Paralelo à implantação do sistema, sugere-se que seja realizado extenso trabalho de divulgação e mobilização comunitária, fundamental para o sucesso deste empreendimento. Dentre os principais resultados que podem ser obtidos com a implantação das Unidades de Triagem e Compostagem, tem-se; a) melhoria das condições sanitárias; b) melhoria das condições ambientais; c) possibilidade de melhorias nos serviços de limpeza urbana; d) geração de empregos e melhorias para a economia da região; e) mobilização da comunidade e difusão de conhecimentos sobre educação ambiental; f) possibilita o desenvolvimento de projetos agregados como: hortas comunitárias, reflorestamentos, recuperação de mata ciliar e de topo e controle de erosão, através do uso do fertilizante orgânico produzido; g) promove a adoção de medidas efetivas relacionadas à economia de energia e de recursos naturais. 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1) INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA IBGE. Contagem da população. Rio de Janeiro, v.1, p. 2) LELIS, M.P.N. et al. Custos de implantação e operação de uma unidade de reciclagem e compostagem de lixo para comunidades de pequeno porte. In: ENCONTRO PARA CONSERVAÇÃO DA NATUREZA, 1, 1997, Viçosa, MG. Resumo...Viçosa, MG: UFV, p ) PEREIRA NETO, J. T. Reciclagem de resíduos orgânicos; compostagem. In: ECONTRO NACIONAL DE RECICLAGEM, AGRICULTURA E MEIO AMBIENTE, 1, 1995a, Campinas. Anais... Campinas: [ s.n.], 1995a. p ) PEREIRA NETO, J.T., LELIS, M.P.N. Variação da Composição Gravimétrica e Potencial de Reintegração Ambiental dos Resíduos Sólidos Urbanos por Região Fisiográfica do Estado de Mias Gerais. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL, 20, 1999, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ABES, Tema 3, p ABES Trabalhos Técnicos 9

III-258 UTILIZAÇÃO DA COMPOSTAGEM NA PRODUÇÃO DE ESPÉCIES PAISAGÍSTICAS DESTINADAS A ARBORIZAÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA - MG

III-258 UTILIZAÇÃO DA COMPOSTAGEM NA PRODUÇÃO DE ESPÉCIES PAISAGÍSTICAS DESTINADAS A ARBORIZAÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA - MG III-258 UTILIZAÇÃO DA COMPOSTAGEM NA PRODUÇÃO DE ESPÉCIES PAISAGÍSTICAS DESTINADAS A ARBORIZAÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA - MG Fabiano de Jesus Ribeiro (1) Técnico em Topografia pela Escola Média

Leia mais

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem É um processo de transformação da matéria orgânica do lixo em um composto orgânico (húmus). Composto orgânico Produto final da compostagem Compostagem

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO ÂMBITO MUNICIPAL PEGRSM.

PROGRAMA ESTADUAL DE GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO ÂMBITO MUNICIPAL PEGRSM. PROGRAMA ESTADUAL DE GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO ÂMBITO MUNICIPAL PEGRSM. Aprovado no CONSEMA Reunião N 0 180 em 20/08/2015 1. INTRODUÇÃO. A partir da Lei Federal 12.305/2010, foram definidos cronogramas

Leia mais

III-005 - UNIDADES DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM EM MINAS GERAIS NA VISÃO DOS GESTORES MUNICIPAIS

III-005 - UNIDADES DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM EM MINAS GERAIS NA VISÃO DOS GESTORES MUNICIPAIS III-005 - UNIDADES DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM EM MINAS GERAIS NA VISÃO DOS GESTORES MUNICIPAIS Liséte Celina Lange (1) Doutora em Tecnologia Ambiental pela Universidade de Londres Inglaterra. Química pela

Leia mais

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS PROJETO PEDAGÓGICO I OBJETIVOS

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica LIXO MÍNIMO: EDUCANDO PARA SOCIEDADES SUSTENTÁVEIS Heliene Ferreira da Silveira Batista 1,3 Andréia Arruda de Oliveira Mosca 2,3 1 Bolsista PIVIC/UEG 2 Pesquisadora - Orientadora 3 Curso de Geografia,

Leia mais

PLANEJAMENTO DE IMPLANTAÇÃO PARA UM SISTEMA DIGITAL DE AQUISIÇÃO E CONTROLE PARA APLICAÇÃO EM TRATAMENTO DE ÁGUA

PLANEJAMENTO DE IMPLANTAÇÃO PARA UM SISTEMA DIGITAL DE AQUISIÇÃO E CONTROLE PARA APLICAÇÃO EM TRATAMENTO DE ÁGUA PLANEJAMENTO DE IMPLANTAÇÃO PARA UM SISTEMA DIGITAL DE AQUISIÇÃO E CONTROLE PARA APLICAÇÃO EM TRATAMENTO DE ÁGUA Selma Capanema de Barros (1) Engenheira Eletricista PUC-MG e especialista em Análise de

Leia mais

III-002 - RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA ESCOLA - QUANTIFICAÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E SOLUÇÕES

III-002 - RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA ESCOLA - QUANTIFICAÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E SOLUÇÕES III-002 - RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA ESCOLA - QUANTIFICAÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E SOLUÇÕES Kelma M a Nobre Vitorino (1) Química industrial pela UFC,1988. Mestrado em Engenharia Sanitária e Ambiental pela UFPB,1991.

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL IMPLANTADO NO MUNICÍPIO DE GUIRICEMA - MG, COMO INSTRUMENTO DE GERENCIAMENTO PARTICIPATIVO DOS RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL IMPLANTADO NO MUNICÍPIO DE GUIRICEMA - MG, COMO INSTRUMENTO DE GERENCIAMENTO PARTICIPATIVO DOS RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL IMPLANTADO NO MUNICÍPIO DE GUIRICEMA - MG, COMO INSTRUMENTO DE GERENCIAMENTO PARTICIPATIVO DOS RESIDUOS SOLIDOS URBANOS Marcos Alves de Magalhães (1) (1) Engenheiro Agrônomo/UFV;

Leia mais

PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE IJUÍ PROPOSTA PRELIMINAR - 2007

PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE IJUÍ PROPOSTA PRELIMINAR - 2007 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE IJUÍ PROPOSTA PRELIMINAR - 2007 APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA A presente proposta articula um conjunto de sugestões, cenários e arranjos institucionais e sociais,

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL & SAÚDE: ABORDANDO O TEMA RECICLAGEM NO CONTEXTO ESCOLAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL & SAÚDE: ABORDANDO O TEMA RECICLAGEM NO CONTEXTO ESCOLAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL & SAÚDE: ABORDANDO O TEMA RECICLAGEM NO CONTEXTO ESCOLAR ARNOR, Asneth Êmilly de Oliveira; DA SILVA, Ana Maria Gomes; DA SILVA, Ana Paula; DA SILVA, Tatiana Graduanda em Pedagogia -UFPB-

Leia mais

III-070 - GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS PELA REDE HOTELEIRA DO PÓLO DE TURISMO COSTA DAS DUNAS

III-070 - GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS PELA REDE HOTELEIRA DO PÓLO DE TURISMO COSTA DAS DUNAS 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-070 - GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS PELA REDE HOTELEIRA DO PÓLO DE TURISMO

Leia mais

VI-003 SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA A PROBLEMÁTICA RESÍDUOS ORGÂNICOS: RESULTADOS ALCANÇADOS ATRAVÉS DE UMA REDE DE COOPERAÇÃO

VI-003 SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA A PROBLEMÁTICA RESÍDUOS ORGÂNICOS: RESULTADOS ALCANÇADOS ATRAVÉS DE UMA REDE DE COOPERAÇÃO VI-003 SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA A PROBLEMÁTICA RESÍDUOS ORGÂNICOS: RESULTADOS ALCANÇADOS ATRAVÉS DE UMA REDE DE COOPERAÇÃO Josanídia Santana Lima (1) Bióloga, Profa. Adjunto do Instituto de Biologia da

Leia mais

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA O Fórum das universidades públicas participantes do PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA vem, por meio desta, defender

Leia mais

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão FACULDADES INTEGRADAS DO TAPAJÓS DISCIPLINA: CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR: JOSÉ DE JESUS PINHEIRO NETO ASSUNTO: REVISÃO CONCEITUAL EM CONTABILIDADE DE CUSTOS ASPECTOS CONCEITUAIS A Contabilidade de

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE LIXO O CASO DE IJUÍ/RS 1

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE LIXO O CASO DE IJUÍ/RS 1 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE LIXO O CASO DE IJUÍ/RS 1 Juliana Carla Persich 2, Sérgio Luís Allebrandt 3. 1 Estudo

Leia mais

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE Parecer Técnico DISAN 18562/2006 PARECER TÉCNICO DISAN N 18562/2006 Empreendedor: Prefeitura Municipal de Jequitibá Endereço: Av. Raimundo Ribeiro da Silva, 145 - Centro

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE MANUTENÇÃO APLICADO NO IFRN CAMPUS MOSSORÓ

SISTEMA DE GESTÃO DE MANUTENÇÃO APLICADO NO IFRN CAMPUS MOSSORÓ SISTEMA DE GESTÃO DE MANUTENÇÃO APLICADO NO IFRN CAMPUS MOSSORÓ Dayse Duarte Tenorio Diretoria Acadêmica de Eletrotécnica IFRN Campus Mossoró E-mail: dayse_tenoro_d@hotmail.com Lucas Duarte Almeida Departamento

Leia mais

ICMS ECOLÓGICO: UM ESTÍMULO PARA A IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE SANEAMENTO AMBIENTAL EM MINAS GERAIS

ICMS ECOLÓGICO: UM ESTÍMULO PARA A IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE SANEAMENTO AMBIENTAL EM MINAS GERAIS Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ICMS ECOLÓGICO: UM ESTÍMULO PARA A IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE SANEAMENTO AMBIENTAL EM MINAS GERAIS Rafael Geraldo Àvila Freitas (*), Juliana Oliveira de Miranda Pacheco,

Leia mais

PROJETO QUALIFEIRAS QUALIDADE NAS FEIRAS LIVRES DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA - ES

PROJETO QUALIFEIRAS QUALIDADE NAS FEIRAS LIVRES DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA - ES PROJETO QUALIFEIRAS QUALIDADE NAS FEIRAS LIVRES DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA - ES Rosimeri Galimberti Martins (1)* Diretora do Departamento de Abastecimento da Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Vitória.

Leia mais

DESAFIOS E OPORTUNIDADES DA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE COOPERATIVAS POPULARES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ (INTECOOP/UNIFEI)

DESAFIOS E OPORTUNIDADES DA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE COOPERATIVAS POPULARES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ (INTECOOP/UNIFEI) DESAFIOS E OPORTUNIDADES DA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE COOPERATIVAS POPULARES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ (INTECOOP/UNIFEI) Área Temática: Trabalho Responsável pelo trabalho: H. H. COUTINHO Instituição:

Leia mais

Prognóstico Ambiental dos Resíduos de Construção Civil do Município de Biritiba-Mirim, SP

Prognóstico Ambiental dos Resíduos de Construção Civil do Município de Biritiba-Mirim, SP Prognóstico Ambiental dos Resíduos de Construção Civil do Município de Biritiba-Mirim, SP Barbara Almeida Souza (Centro Universitário Senac SP) Graduanda de Engenharia Ambiental. basouza2@gmail.com Maurício

Leia mais

Realizado de 25 a 31 de julho de 2010. Porto Alegre - RS, 2010. ISBN 978-85-99907-02-3

Realizado de 25 a 31 de julho de 2010. Porto Alegre - RS, 2010. ISBN 978-85-99907-02-3 DIMENSÕES DE SUSTENTABILIDADE NOS PROGRAMAS DE COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Márcio José Celeri Doutorando em Geografia da UNESP/Rio Claro marcioceleri@yahoo.com.br Ana Tereza Cáceres Cortez Docente

Leia mais

X-Araújo-Brasil-1 ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS PARA EMPRESAS CONSTRUTORAS DA CIDADE DE JOÃO PESSOA PB (BRASIL)

X-Araújo-Brasil-1 ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS PARA EMPRESAS CONSTRUTORAS DA CIDADE DE JOÃO PESSOA PB (BRASIL) X-Araújo-Brasil-1 ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS PARA EMPRESAS CONSTRUTORAS DA CIDADE DE JOÃO PESSOA PB (BRASIL) Nelma Mirian Chagas de Araújo¹ Engenheira civil pela UFPB

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO BRASIL

A EVOLUÇÃO DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO BRASIL A EVOLUÇÃO DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO BRASIL 1. Aspectos gerais A geração de lixo urbano no Brasil está em torno de 140,000 ton/dia, sendo que a estimativa dos órgãos

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Resíduos Sólidos, Gestão, Plano Diretor de Gestão Integrada, Região Metropolitana do Rio de Janeiro, Aterros Sanitários

PALAVRAS-CHAVE: Resíduos Sólidos, Gestão, Plano Diretor de Gestão Integrada, Região Metropolitana do Rio de Janeiro, Aterros Sanitários III-124 A IMPLANTAÇÃO DOS ATERROS PROPOSTOS NO PLANO DIRETOR DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO ATRAVÉS DE EMPRESAS PRIVADAS João Alberto Ferreira (1) D.Sc.

Leia mais

PLANEJAMENTO E PROJETO: AS FERRAMENTAS ESSENCIAIS PARA CONSTRUIR UM BRASIL MELHOR

PLANEJAMENTO E PROJETO: AS FERRAMENTAS ESSENCIAIS PARA CONSTRUIR UM BRASIL MELHOR PLANEJAMENTO E PROJETO: AS FERRAMENTAS ESSENCIAIS PARA CONSTRUIR UM BRASIL MELHOR Contribuições da Arquitetura e da Engenharia de Projetos para os candidatos ao Governo Federal Agosto de 2010 O Brasil

Leia mais

VI-053 - COLETA SELETIVA E NEGÓCIO DE SUCATA COMO PARÂMETROS DE MEDIÇÃO DE UMA INTERVENÇÃO EM EDUCAÇÃO E GESTÃO AMBIENTAL

VI-053 - COLETA SELETIVA E NEGÓCIO DE SUCATA COMO PARÂMETROS DE MEDIÇÃO DE UMA INTERVENÇÃO EM EDUCAÇÃO E GESTÃO AMBIENTAL VI-053 - COLETA SELETIVA E NEGÓCIO DE SUCATA COMO PARÂMETROS DE MEDIÇÃO DE UMA INTERVENÇÃO EM EDUCAÇÃO E GESTÃO AMBIENTAL Celene Almeida de Brito (1) Engenheira Sanitarista, Comunicadora e Educadora Ambiental.

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO SANTO ANTÔNIO DAS MISSÕES - RS BRASIL PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANTÔNIO DAS MISSÕES Elaborado por: COMITE DE COORDENAÇÃO DO

Leia mais

Avaliação do plano de gerenciamento dos RCC em Santa Maria.

Avaliação do plano de gerenciamento dos RCC em Santa Maria. Avaliação do plano de gerenciamento dos RCC em Santa Maria. Resumo Mirdes Fabiana Hengen 1 1 Centro Universitário Franciscano (mirdes_hengen@yahoo.com.br) Com a Resolução nº 307, de 05 de Julho de 2002,

Leia mais

III-012 - ESTUDO PRELIMINAR SOBRE OS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DA CIDADE DE ITAJUBÁ (MG): CARACTERIZAÇÃO FÍSICA NO PERÍODO DO INVERNO

III-012 - ESTUDO PRELIMINAR SOBRE OS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DA CIDADE DE ITAJUBÁ (MG): CARACTERIZAÇÃO FÍSICA NO PERÍODO DO INVERNO III-012 - ESTUDO PRELIMINAR SOBRE OS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DA CIDADE DE ITAJUBÁ (MG): CARACTERIZAÇÃO FÍSICA NO PERÍODO DO INVERNO Andriani Tavares Tenório e Silva (1) Engenheira Ambiental pela

Leia mais

VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR

VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR CONFERÊNCIA WASTE TO ENERGY 2014 MARILIA TISSOT DIRETORA EXECUTIVA VIABILIDADE

Leia mais

MUNICÍPIO DE ROSANA ESTADO DE SÃO PAULO PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Estudo de Viabilidade Econômica e Financeira

MUNICÍPIO DE ROSANA ESTADO DE SÃO PAULO PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Estudo de Viabilidade Econômica e Financeira MUNICÍPIO DE ROSANA ESTADO DE SÃO PAULO PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS Estudo de Viabilidade Econômica e Financeira PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS Prefeitura Municipal de

Leia mais

ÁREAS CONTAMINADAS POR RESÍDUOS INDUSTRIAIS PERIGOSOS E USOS POSTERIORES À DESINSTALAÇÃO INDUSTRIAL: ALGUMAS QUESTÕES DE SAÚDE PÚBLICA

ÁREAS CONTAMINADAS POR RESÍDUOS INDUSTRIAIS PERIGOSOS E USOS POSTERIORES À DESINSTALAÇÃO INDUSTRIAL: ALGUMAS QUESTÕES DE SAÚDE PÚBLICA ÁREAS CONTAMINADAS POR RESÍDUOS INDUSTRIAIS PERIGOSOS E USOS POSTERIORES À DESINSTALAÇÃO INDUSTRIAL: ALGUMAS QUESTÕES DE SAÚDE PÚBLICA Wanda Maria Risso Günther (*) Faculdade de Saúde Pública da Universidade

Leia mais

Waste to Energy: Uma alternativa viável para o Brasil? Yuri Santos, Sérgio Oliveira e Ricardo Correa

Waste to Energy: Uma alternativa viável para o Brasil? Yuri Santos, Sérgio Oliveira e Ricardo Correa Waste to Energy: Uma alternativa viável para o Brasil? Yuri Santos, Sérgio Oliveira e Ricardo Correa 2 Promon Intelligens Promon Intelligens 2013 Introdução O tema da gestão sustentável dos Resíduos Sólidos

Leia mais

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 441 ARTIGOS COMPLETOS...442

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 441 ARTIGOS COMPLETOS...442 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 441 ARTIGOS COMPLETOS...442 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011

Leia mais

Caracterização da coleta seletiva de resíduos sólidos no Brasil: avanços e dificuldades

Caracterização da coleta seletiva de resíduos sólidos no Brasil: avanços e dificuldades Revista Economia & Tecnologia (RET) Volume 9, Número 4, p. 129-136, Out/Dez 2013 Seção: Tecnologia & Inovação Caracterização da coleta seletiva de resíduos sólidos no Brasil: avanços e dificuldades Alessandra

Leia mais

VI-080 SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL DE PROJETOS DE SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA: AVALIAÇÃO DE MÉTODO DE ANÁLISE PROPOSTO

VI-080 SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL DE PROJETOS DE SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA: AVALIAÇÃO DE MÉTODO DE ANÁLISE PROPOSTO VI080 SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL DE PROJETOS DE SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA: AVALIAÇÃO DE MÉTODO DE ANÁLISE PROPOSTO Glauco Antônio Bologna Garcia de Figueiredo (1) Engenheiro Civil pela Universidade Federal

Leia mais

Gestão de impactos sociais nos empreendimentos Riscos e oportunidades. Por Sérgio Avelar, Fábio Risério, Viviane Freitas e Cristiano Machado

Gestão de impactos sociais nos empreendimentos Riscos e oportunidades. Por Sérgio Avelar, Fábio Risério, Viviane Freitas e Cristiano Machado Gestão de impactos sociais nos empreendimentos Riscos e oportunidades Por Sérgio Avelar, Fábio Risério, Viviane Freitas e Cristiano Machado A oferta da Promon Intelligens considera o desenvolvimento de

Leia mais

Instruções Específicas para Desenvolvimento de Trabalho Social em Intervenções de Urbanização de Assentamentos Precários

Instruções Específicas para Desenvolvimento de Trabalho Social em Intervenções de Urbanização de Assentamentos Precários MININSTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação Instruções Específicas para Desenvolvimento de Trabalho Social em Intervenções de Urbanização de Assentamentos Precários Programa: Urbanização Regularização

Leia mais

Turismo responsável: uma alternativa ao turismo sustentável?. 1

Turismo responsável: uma alternativa ao turismo sustentável?. 1 1 Turismo responsável: uma alternativa ao turismo sustentável?. 1 Sérgio Domingos de Oliveira, Docente Dr;. 2 Rosislene de Fátima Fontana, Docente Msc. 3 Universidade Estadual Paulista. Unidade de Rosana,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PGRSI

TERMO DE REFERÊNCIA PGRSI TERMO DE REFERÊNCIA PGRSI Termo de Referência para apresentação do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos para Empreendimentos Industriais PGRSI. 1. OBJETIVO Em atendimento à Política Estadual de Resíduos

Leia mais

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO José Roberto Santana Alexandre Ripamonti Resumo: Com a globalização da economia, as empresas, enfrentam

Leia mais

Teste de Software: Um Breve Estudo do Importante Processo no Desenvolvimento de Softwares

Teste de Software: Um Breve Estudo do Importante Processo no Desenvolvimento de Softwares Teste de Software: Um Breve Estudo do Importante Processo no Desenvolvimento de Softwares André Assis Lôbo de Oliveira Francisco Guerra Fernandes Júnior Faculdades Alves Faria, 74445190, Brasil andrelobin@hotmail.com,

Leia mais

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO.

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. Grupo PET Administração Universidade Federal de Lavras UFLA Resumo Os jovens formam o conjunto

Leia mais

Missão. Quem somos: Promover o conceito de Gerenciamento Integrado do Resíduo Sólido Municipal; Promover a reciclagem pós-consumo;

Missão. Quem somos: Promover o conceito de Gerenciamento Integrado do Resíduo Sólido Municipal; Promover a reciclagem pós-consumo; Quem somos: Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado do lixo. Missão Promover o conceito de Gerenciamento

Leia mais

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios Orientações para elaborar um Plano de Negócios Maio de 2010 www.nascente.cefetmg.br Página 1 Apresentação Este documento contém um roteiro básico de Plano de Negócios. O objetivo é permitir que o futuro

Leia mais

Rua Osmane Barbosa, 937 - JK Montes Claros - MG - CEP: 39.404-006 - Brasil - Tel: (38) 3690-3626 - e- mail: sheilacivil@yahoo.com.

Rua Osmane Barbosa, 937 - JK Montes Claros - MG - CEP: 39.404-006 - Brasil - Tel: (38) 3690-3626 - e- mail: sheilacivil@yahoo.com. I-025 DIAGNÓSTICO E PROPOSTA DE LAYOUT DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO E TRANSBORDO DOS RESÍDUOS GERADOS EM POSTOS DE COMBUSTÍVEIS NO NORTE DE MINAS GERAIS, COMO ALTERNATIVA DE DESTINAÇÃO DESSES RESÍDUOS

Leia mais

PNSB, 2000. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/pnsb/lixo_coletado/lixo_coletado101.shtm.

PNSB, 2000. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/pnsb/lixo_coletado/lixo_coletado101.shtm. 1 Introdução Introdução 21 A Lei n o 12.305, de 2 de agosto de 2010, que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei n o 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências,

Leia mais

RESUMO. Palavras chave: resíduos sólidos; composição gravimétrica; gestão; reintegração ambiental

RESUMO. Palavras chave: resíduos sólidos; composição gravimétrica; gestão; reintegração ambiental 1 AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA E POTENCIAL DE REINTEGRAÇÃO AMBIENTAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS NA CIDADE DE VIÇOSA, MINAS GERAIS (*) Marcos Alves de Magalhães 1, Adriana Barbosa Sales de Magalhães

Leia mais

Educação ambiental e participação comunitária. Modelo de projeto (estruturação)

Educação ambiental e participação comunitária. Modelo de projeto (estruturação) Educação ambiental e participação comunitária Modelo de projeto (estruturação) A problemática da coleta seletiva 3.2. Concepção geral do sistema projetado 3.3. Objetivos gerais 3.4. Objetivos específicos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL CONTINUADA (FIC) PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL CONTINUADA (FIC) RECICLADOR Florestal 2014 Reitora da Universidade Federal de Viçosa Nilda de Fátima Ferreira Soares Pró-Reitor de Ensino Vicente de Paula

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1)

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1) Prezado(a) Professor(a), Visando orientar e otimizar as informações que deverão constar no projeto, elencamos, abaixo, os itens imprescindíveis para compreensão e apresentação da sua proposta ao Prêmio

Leia mais

História do vidro no Brasil

História do vidro no Brasil História do vidro no Brasil A fabricação do vidro brasileiro teve seu início após a Revolução de 30, liderada por Getúlio Vargas, e foi intensificada pela conjuntura mundial da época centralizada nos problemas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie 1 INTRODUÇÃO 1.1 ORGANIZAÇÃO E PROCESSOS A administração está diretamente ligada às organizações e aos processos existentes nas mesmas. Portanto, para a melhor compreensão da Administração e sua importância

Leia mais

Estudo de Caso realizado na ETUFOR utilizando a eficiência energética como ferramenta para reduzir custos.

Estudo de Caso realizado na ETUFOR utilizando a eficiência energética como ferramenta para reduzir custos. Estudo de Caso realizado na ETUFOR utilizando a eficiência energética como ferramenta para reduzir custos. Fabielli Guerra de Oliveira UFC (fabielliguerra@yahoo.com.br) Marcos Ronaldo Albertin UFC (albertin@ufc.br)

Leia mais

III-115 RECICLAGEM: BENEFÍCIOS E PERDAS OBTIDAS EM CAMPO GRANDE MS

III-115 RECICLAGEM: BENEFÍCIOS E PERDAS OBTIDAS EM CAMPO GRANDE MS III-115 RECICLAGEM: BENEFÍCIOS E PERDAS OBTIDAS EM CAMPO GRANDE MS Getúlio Ezequiel da Costa Peixoto Filho (1) Engenheiro Ambiental pela Universidade Católica de Brasília UCB. Mestrando em Tecnologias

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE PERCEPÇÃO E DOS ASPECTOS ESTRUTURAIS QUANTO AOS RESIDUOS SÓLIDOS NO BAIRRO ANGARI, JUAZEIRO-BA.

IDENTIFICAÇÃO DE PERCEPÇÃO E DOS ASPECTOS ESTRUTURAIS QUANTO AOS RESIDUOS SÓLIDOS NO BAIRRO ANGARI, JUAZEIRO-BA. IDENTIFICAÇÃO DE PERCEPÇÃO E DOS ASPECTOS ESTRUTURAIS QUANTO AOS RESIDUOS SÓLIDOS NO BAIRRO ANGARI, JUAZEIRO-BA. Roberta Daniela da Silva Santos (1) Anne Kallyne dos Anjos Silva (2) Simone do Nascimento

Leia mais

COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES ENCAMINHADOS AO ATERRO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA (GO).

COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES ENCAMINHADOS AO ATERRO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA (GO). COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES ENCAMINHADOS AO ATERRO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA (GO). Renata Gonçalves Moura Ribeiro Engenheira Civil pela Universidade Católica de Goiás

Leia mais

O licenciamento ambiental de unidades de compostagem no Estado de São Paulo

O licenciamento ambiental de unidades de compostagem no Estado de São Paulo Seminário: Compostagem na Cidade de São Paulo 10 de agosto de 2012 O licenciamento ambiental de unidades de compostagem no Estado de São Paulo Eng. Cristiano Kenji Iwai Divisão de Apoio ao Controle de

Leia mais

Conferência eletrônica O uso de águas servidas não tratadas na agricultura dos países mais pobres

Conferência eletrônica O uso de águas servidas não tratadas na agricultura dos países mais pobres Conferência eletrônica O uso de águas servidas não tratadas na agricultura dos países mais pobres Judith Kaspersma - RUAF Foto: Kranjac-Berisavljevic - dreno principal na cidade de Tamale, Gana Entre 24

Leia mais

AP 025/2011 Contribuição AES BRASIL 1

AP 025/2011 Contribuição AES BRASIL 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL Nº025/2011 Contribuição da AES Brasil à Audiência Pública nº025/2011 da ANEEL, que visa obter subsídios para aprimoramento da metodologia e do procedimento de cálculo de perdas

Leia mais

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011.

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011. 1 CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA Araras, maio de 2011. Fernando da Silva Pereira Centro Universitário Hermínio Ometto UNIARARAS SP fernandosilper@uniararas.br

Leia mais

Subsecretaria de Captação de Recursos SUCAP/SEPLAN Secretaria de Planejamento e Orçamento do Distrito Federal SEPLAN Governo do Distrito Federal

Subsecretaria de Captação de Recursos SUCAP/SEPLAN Secretaria de Planejamento e Orçamento do Distrito Federal SEPLAN Governo do Distrito Federal Subsecretaria de Captação de Recursos SUCAP/SEPLAN Secretaria de Planejamento e Orçamento do Distrito Federal SEPLAN Governo do Distrito Federal TERMO DE REFERÊNCIA À SECRETARIA DE ASSUNTOS INTERNACIONAIS

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini - Junho 2010

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini - Junho 2010 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini - Junho 2010 A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA O SETOR DE REAL ESTATE Prof. Dr. João da Rocha Lima Jr. Prof. Dr. Claudio Tavares de Alencar.

Leia mais

IMPACTOS DO USO X PERFIL DAS EMPRESAS E ANALISAR SEUS PROCESSOS DE GESTÃO DE PROJETOS

IMPACTOS DO USO X PERFIL DAS EMPRESAS E ANALISAR SEUS PROCESSOS DE GESTÃO DE PROJETOS IMPACTOS DO USO X PERFIL DAS EMPRESAS E ANALISAR SEUS PROCESSOS DE GESTÃO DE PROJETOS Vinicius Coutinho dos Santos BARBOSA (1); Michele Tereza Marques CARVALHO (2) (1) Campus Universitário Darcy Ribeiro

Leia mais

Desenvolvimento de Software para Avaliação Técnica-Econômica das Alternativas de Investimento propostas em Projetos de Diagnóstico Energético

Desenvolvimento de Software para Avaliação Técnica-Econômica das Alternativas de Investimento propostas em Projetos de Diagnóstico Energético Desenvolvimento de Software para Avaliação Técnica-Econômica das Alternativas de Investimento propostas em Projetos de Diagnóstico Energético C. Penna, A. P. C. Paraguassu, C. M. Matos ENERSUL; I. S. Escobar

Leia mais

Inclusão Social pelo Projeto de Educação: Saneamento Básico

Inclusão Social pelo Projeto de Educação: Saneamento Básico PREMIO NACIONAL DE QUALIDADE EM SANEAMENTO PNQS 2011 INOVAÇÃO DA GESTÃO EM SANEAMENTO - IGS Inclusão Social pelo Projeto de Educação: Saneamento Básico SETEMBRO/2011 A. OPORTUNIDADE A.1 Qual foi a oportunidade

Leia mais

Palavras-chave: Gestão ambiental Curtumes Fatores intervenientes PME s Desenvolvimento Sustentável.

Palavras-chave: Gestão ambiental Curtumes Fatores intervenientes PME s Desenvolvimento Sustentável. FATORES INTERVENIENTES NA GESTÃO AMBIENTAL DE PMEs QUE PROCESSAM COURO: UM ESTUDO SOBRE OS CURTUMES DE DORES DE CAMPOS MG Clodoaldo Fabrício José Lacerda Professor do IPTAN São João del-rei MG RESUMO A

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA O ESTUDO DA GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL EM BELO HORIZONTE E REGIÃO

CONTRIBUIÇÃO PARA O ESTUDO DA GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL EM BELO HORIZONTE E REGIÃO Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 CONTRIBUIÇÃO PARA O ESTUDO DA GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL EM BELO HORIZONTE E REGIÃO Sarah Moreira de Almeida ( * ), Raphael Tobias Vasconcelos Barros, Aylton

Leia mais

Palavras-chave: Cana-de-açúcar; Bem-estar; Goiatuba; Expansão agrícola.

Palavras-chave: Cana-de-açúcar; Bem-estar; Goiatuba; Expansão agrícola. Implicações da Expansão do cultivo da cana-deaçúcar sobre o município de Goiatuba Washington Pereira Campos8 Márcio Caliari9 Marina Aparecida da Silveira10 Resumo: A partir de 2004, ocorreu um aumento

Leia mais

Verificação da sustentabilidade das ações do Programa LIXO NOSSO DE CADA DIA, realizado pelo Ministério Público do Estado de Santa Catarina.

Verificação da sustentabilidade das ações do Programa LIXO NOSSO DE CADA DIA, realizado pelo Ministério Público do Estado de Santa Catarina. PROPOSTA DE PROJETO DE COOPERAÇÃO TECNICO-CIENTIFÍCA ENTRE O MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE E A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL SEÇÃO SANTA CATARINA Verificação da sustentabilidade

Leia mais

VI - 113 - MEIO AMBIENTE, CIDADANIA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM COMUNIDADE DE PEQUENO PORTE: ESTUDO DE CASO

VI - 113 - MEIO AMBIENTE, CIDADANIA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM COMUNIDADE DE PEQUENO PORTE: ESTUDO DE CASO VI - 113 - MEIO AMBIENTE, CIDADANIA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM COMUNIDADE DE PEQUENO PORTE: ESTUDO DE CASO Terezinha Rodrigues Chaves (1) Engenheira Química Universidade Federal do Ceará (UFC). Bacharel e

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NAS ESCOLAS.

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NAS ESCOLAS. PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NAS ESCOLAS. O Programa de Educação Ambiental nas Escolas terá como marcos norteadores: - A educação ambiental contida na Política Nacional de Educação Ambiental (PNEA),

Leia mais

Sistema de Informação Geográfica para Planejamento de Eletrificação Rural em Grande Escala

Sistema de Informação Geográfica para Planejamento de Eletrificação Rural em Grande Escala 1/6 Título Sistema de Informação Geográfica para Planejamento de Eletrificação Rural em Nº de Registro (Resumen) 8 Empresa o Entidad CEMIG DISTRIBUIÇÃO S/A CEMIG-D Autores del Trabajo Nombre País e-mail

Leia mais

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS Fernanda Micaela Ribeiro Theiss Prof. Ademar Lima Júnior Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Bacharelado em Ciências Contábeis (CTB 561) 14/05/2012 RESUMO

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A 8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A Adriane Hartman Fábio Gomes da Silva Dálcio Roberto dos Reis Luciano Scandelari 1 INTRODUÇÃO Este artigo pretende mostrar

Leia mais

Experiência da Implantação de Coleta Seletiva no Município de Ilha Solteira-SP

Experiência da Implantação de Coleta Seletiva no Município de Ilha Solteira-SP Experiência da Implantação de Coleta Seletiva no Município de Ilha Solteira-SP Dib Gebara 1 ; Milton Dall Aglio Sobrinho 2 Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira - UNESP Departamento de Engenharia Civil

Leia mais

MODELANDO O TAMANHO DO LIXO

MODELANDO O TAMANHO DO LIXO MODELANDO O TAMANHO DO LIXO Thiago Vinícius Portella Instituto Federal Farroupilha Campus Júlio de Castilhos thiagovinicius88@gmail.com Nestor Oliveira Neto Instituto Federal Farroupilha Campus Júlio de

Leia mais

Análise do processo produtivo industrial de uma usina sucroalcooleira do centro-oeste mineiro

Análise do processo produtivo industrial de uma usina sucroalcooleira do centro-oeste mineiro Análise do processo produtivo industrial de uma usina sucroalcooleira do centro-oeste mineiro Romenique José AVELAR 1 ; Hector Helmer PINHEIRO 1 ; Ricardo Resende CABRAL 1 ; João Antônio de CASTRO 1 ;

Leia mais

CATEGORIA: Pôster Eixo Temático - Tecnologias DIAGNÓSTICO E MONITORAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO CAMPUS LUIZ DE QUEIROZ

CATEGORIA: Pôster Eixo Temático - Tecnologias DIAGNÓSTICO E MONITORAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO CAMPUS LUIZ DE QUEIROZ CATEGORIA: Pôster Eixo Temático - Tecnologias DIAGNÓSTICO E MONITORAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO CAMPUS LUIZ DE QUEIROZ Nathália Bernardes Ribeiro 1 Izabela da Silveira Cardoso 2 Guilherme Aleoni 3 Miguel

Leia mais

Gestão do Processo de Manutenção Eletromecânica A quebra de paradigmas em busca da excelência.

Gestão do Processo de Manutenção Eletromecânica A quebra de paradigmas em busca da excelência. PNQS 2010 Categoria IGS Inovação da Gestão em Saneamento RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão Gestão do Processo de Manutenção Eletromecânica A quebra de paradigmas em busca da excelência.

Leia mais

METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Débora Noronha¹; Jasmin Lemke¹; Carolina Vergnano¹ ¹Concremat Engenharia e Tecnologia S/A, Diretoria Técnica de Estudos, Projetos

Leia mais

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda.

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Resumo Com a globalização e os avanços tecnológicos, as empresas estão operando num ambiente altamente competitivo e dinâmico. As organizações que quiserem

Leia mais

Plano Municipal de Saneamento Básico - PMSB

Plano Municipal de Saneamento Básico - PMSB Plano Municipal de Saneamento Básico - PMSB CRUZ CE Reunião de Planejamento ETAPA IV (Produto D) ETAPA V (Produto E) ETAPA VI (Produto F) ETAPA VIII (Produto H) ETAPAS DO PMSB ETAPA I (Produto A) - Formação

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

Prefeitura Municipal de Alta Floresta - MT

Prefeitura Municipal de Alta Floresta - MT PROJETO DE LEI 1.717/2014 SÚMULA: DISPÕE SOBRE A COLETA SELETIVA DE LIXO, COM O REAPROVEITAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS, RECICLÁVEIS OU REUTILIZÁVEIS, GERADOS NO MUNICÍPIO DE ALTA FLORESTA/MT, E DÁ OUTRAS

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

Informações Gerais. Informações complementares

Informações Gerais. Informações complementares ANEXO III Nome da Prática (iniciativa): Resumo (ementa): (até 120 palavras) Palavras-chave: Informações Gerais Projeto Ser Natureza Revitalização do manancial de abastecimento público de água do Município

Leia mais

Módulo 5. Implementação do BSC para um negócio específico, definição de objetivos, apresentação de casos reais e exercícios

Módulo 5. Implementação do BSC para um negócio específico, definição de objetivos, apresentação de casos reais e exercícios Módulo 5 Implementação do BSC para um negócio específico, definição de objetivos, apresentação de casos reais e exercícios Implementando BSC para um negócio específico O BSC é uma estrutura para desenvolvimento

Leia mais

Mensagem do Presidente

Mensagem do Presidente Mensagem do Presidente A PISOAG DO BRASIL está no mercado desde 1980, atuando com empresas nacionais e internacionais dos mais diversos segmentos, com qualidade, tecnologia e o elevado padrão de responsabilidade

Leia mais

LOGISTICA REVERSA INCLUSÃO SOCIAL REQUALIFICAR A CIDADE

LOGISTICA REVERSA INCLUSÃO SOCIAL REQUALIFICAR A CIDADE Prof. Carlos Alexandre Silva Graduado em Tecnologia da Gestão Ambiental Faculdade de Arquitetura e Engenharia CEUSNP - SP Pós Graduando em Arquitetura, Cidades e Sustentabilidade Faculdade de Arquitetura

Leia mais

ANÁLISE DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM ARCOS- MG: POSTURA OPERACIONAL E PARTICIPAÇÃO DA POPULAÇÃO

ANÁLISE DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM ARCOS- MG: POSTURA OPERACIONAL E PARTICIPAÇÃO DA POPULAÇÃO ANÁLISE DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM ARCOS- MG: POSTURA OPERACIONAL E PARTICIPAÇÃO DA POPULAÇÃO Tatiane Castaño Valadares*, Fernando Vieira de Sousa FUNEDI/UEMG taticastanobiologia@gmail.com

Leia mais

ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS

ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS 13. CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Área de atuação O curso pretende formar o arquiteto pleno, capacitado a atuar nos diversos âmbitos

Leia mais

POTENCIAL DA RECICLAGEM EM CUIABÁ E NO ESTADO DE MATO GROSSO

POTENCIAL DA RECICLAGEM EM CUIABÁ E NO ESTADO DE MATO GROSSO SEMINÁRIO PREPARATÓRIO À XII CONFERÊNCIA DAS CIDADES REGIÃO CENTRO-OESTE CUIABÁ, 02 DE SETEMBRO DE 2011 TEMA: POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS POTENCIAL DA RECICLAGEM EM CUIABÁ E NO ESTADO DE MATO

Leia mais

CHAMAMENTO PARA A ELABORAÇÃO DE ACORDO SETORIAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA DE MEDICAMENTOS EDITAL Nº 02/2013

CHAMAMENTO PARA A ELABORAÇÃO DE ACORDO SETORIAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA DE MEDICAMENTOS EDITAL Nº 02/2013 CHAMAMENTO PARA A ELABORAÇÃO DE ACORDO SETORIAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA DE MEDICAMENTOS EDITAL Nº 02/2013 O MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, tendo em vista o disposto na Lei nº

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DIRETRIZES E PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS NO MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Nov 2012 DIAGNÓSTICO DO DESTINO

Leia mais

ALTERNATIVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

ALTERNATIVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ALTERNATIVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL IMPLANTAÇÃO DE PROJETO DE CASA DE FARINHA COMO OPÇÃO DE RENDA PARA OS REASSENTADOS DO REASSENTAMENTO RURAL COLETIVO Abril de 2013 1 SUMÁRIO execução: INTRODUÇÃO

Leia mais

Gestão Ambiental PADRÃO DE RESPOSTA

Gestão Ambiental PADRÃO DE RESPOSTA Gestão Ambiental PADRÃO DE RESPOSTA Em termos de atendimento à proposta, espera-se que o estudante estabeleça relação entre a qualidade do serviço de esgotamento sanitário e de tratamento da água para

Leia mais