Equation Chapter 1 Section 1 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Equation Chapter 1 Section 1 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL"

Transcrição

1 Equation Chapter 1 Section 1 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE REJEITO DE MINERAÇÃO DURANTE A CONSTRUÇÃO DE UM ATERRO EXPERIMENTAL HERNÁN DARÍO GALLEGO HERRERA ORIENTADOR: MÁRCIO MUNIZ DE FARIAS, Ph.D. DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM GEOTECNIA PUBLICAÇÃO: G.DM 211/12 BRASÍLIA /DF: JULHO DE 212

2 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE REJEITO DE MINERAÇÃO DURANTE A CONSTRUÇÃO DE UM ATERRO EXPERIMENTAL HERNÁN DARÍO GALLEGO HERRERA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO SUBMETIDA AO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA COMO PARTE DOS REQUISITOS NECESSÁRIOS PARA A OBTENÇÃO DO GRAU DE MESTRE. APROVADA POR: PROF. MÁRCIO MUNIZ DE FARIAS, Ph.D. (UnB) (ORIENTADOR) PROF. MANOEL PORFÍRIO CORDÃO NETO, D.Sc. (UnB) (EXAMINADOR INTERNO) PROF. LEONARDO JOSÉ DO NASCIMENTO GUIMARÃES, Ph.D. (UFPe) (EXAMINADOR EXTERNO) DATA: BRASÍLIA/DF, 3 DE JULHO DE 212. ii

3 FICHA CATALOGRÁFICA GALLEGO-HERRERA, HERNÁN DARÍO Análise do Comportamento de Rejeito de Mineração Durante a Construção de um Aterro Experimental [Distrito Federal] 212 xvii, 19 p., 297 mm (ENC/FT/UnB, Mestre, Geotecnia, 212) Dissertação de Mestrado - Universidade de Brasília. Faculdade de Tecnologia. Departamento de Engenharia Civil 1. Modelagem Numérica 2. Rejeito de Mineração 3. Liquefação Estática 4. Análise Acoplada I. ENC/FT/UnB II. Título (série) REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA GALLEGO-HERRERA, H.D. (212). Análise do Comportamento de Rejeito de Mineração Durante a Construção de um Aterro Experimental. Dissertação de Mestrado, Publicação G.DM 211/12, Departamento de Engenharia Civil e Ambiental, Universidade de Brasília, DF, 19 p. CESSÃO DE DIREITOS NOME DO AUTOR: Hernán Darío Gallego Herrera TÍTULO DA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO: Análise do Comportamento de Rejeito de Mineração Durante a Construção de um Aterro Experimental. É concedida à Universidade de Brasília a permissão para reproduzir cópias desta dissertação de mestrado e para emprestar ou vender tais cópias somente para propósitos acadêmicos e científicos. O autor reserva outros direitos de publicação e nenhuma parte desta dissertação de mestrado pode ser reproduzida sem a autorização por escrito do autor. Hernán Darío Gallego Herrera Carrera 49, N 51 4, Apartamento 21 Barrio Maria Auxiliadora Guarne, Antioquia, Colômbia. iii

4 DEDICATÓRIA A mi hijo Nicolás... el destino me llevó a no poder vivir con él sus primeros años de vida. A Yury Katherine Barbosa León... Infinita gratitud con la mujer que detuvo su vida para brindarme su fuerza, valentía, apoyo y dedicación durante estos años. A mis padres... Mis primeros profesores que me moldearon y prepararon para la vida. Soy quien soy gracias a ellos. iv

5 AGRADECIMENTOS Agradeço à vida por ter me dado esta e tantas oportunidades. Ao professor Márcio Muniz de Farias, uma grande pessoa que compreende a realidade do ser humano, um grande professor e profissional que sabe guiar e apoiar seus alunos, além de ser um grande amigo, que por meio de suas conversas e seus conselhos me ensinou a ser uma pessoa melhor. Aos meus amigos Daniel Henao, Mateo Arenas, Juan David Gallego, Ewerton Fonseca, Robinson Giraldo, Gabriel Zapata, Alexander Rojas, Marcelo Llano e Bruno Lobo. Amigos que me entenderam, apoiaram, acolheram e aconselharam sempre pensando no melhor para mim. A meus irmãos, Mariluz, Carlos, Juan, Santiago e Andrea, os quais sempre me deram forças para realizar meus sonhos e que estiveram ao meu lado nos momentos difíceis, agradeço-os por sempre guardarem meu lugar em nosso lar e em nossa família. À Gloria León e Harold Londoño, meus amigos e familiares que contribuíram na minha vida e facilitaram a obtenção deste título. Ao professor Alberto Ortigão e à empresa Terratek Ltda, pelo fornecimento de informações chaves para o desenvolvimento desta dissertação. Aos professores, Oswaldo Ordóñez e Hernán Martínez, por terem me apoiado, orientado e confiado em mim. Aos demais familiares, professores, amigos e todas aquelas pessoas que contribuíram de alguma forma, para que eu pudesse permanecer no Brasil e conquistar este título. Ao Programa de Pós-Graduação em Geotecnia, da Universidade de Brasília, e ao CNPq pelo apoio logístico e financeiro. v

6 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE REJEITO DE MINERAÇÃO DURANTE A CONSTRUÇÃO DE UM ATERRO EXPERIMENTAL Hernán Darío Gallego Herrera RESUMO O principal objetivo desta dissertação é a simulação numérica do comportamento hidromecânico de um rejeito de mineração susceptível a liquefação estática, quando submetido a carregamentos monotônicos. Para isto, se programou um modelo constitutivo baseado em conceitos avançados de plasticidade com sub-carregamento (SubCam), descrito em Pedroso (26). O modelo foi implementado no programa de elementos finitos ALLFINE, desenvolvido por Farias (1993) e atualizado por Cordão-Neto (25). Posteriormente este modelo foi validado simulando-se problemas de adensamento unidimensional e bidimensional com um material muito pré-adensado. Na segunda parte do trabalho se utilizou dados de ensaios de laboratório e de campo realizados pela empresa Terratek Ltda. para a mina Rio Paracatu Mineração, localizada em Minas Gerais. Foram disponibilizados dados de ensaios oedométricos e triaxiais realizados com o rejeito, bem como dados de instrumentação de campo obtidos durante o monitoramento de um aterro experimental construído sobre uma camada de rejeito de 23 m de profundidade. Os dados dos ensaios triaxiais não-drenados evidenciaram que o material tem um comportamento caracterizado como liquefação limitada. Nestes casos o material apresenta uma linha de instabilidade e uma linha de ruptura final, o que dificulta a definição clara da inclinação (M cs ) da linha de estados críticos. Percebeu-se que este parâmetro (M cs ) era determinante na simulação completa do comportamento do material. Um primeiro conjunto de parâmetros foi obtido diretamente a partir dos ensaios, considerando o estado crítico como a linha de ruptura final, e posteriormente estes parâmetros foram otimizados para melhor reproduzir os resultados de laboratório. Por último, foram realizadas três simulações da construção do aterro experimental, considerando o problema hidro-mecânico acoplado e adotando-se diferentes conjuntos de parâmetros para comparação com os resultados da instrumentação de campo. A primeira simulação consistiu na utilização dos parâmetros otimizados, observando-se uma perfeita reprodução dos dados de deslocamentos verticais e uma boa representação qualitativa, embora superestimados quantitativamente, os deslocamentos horizontais e o desenvolvimento das poropressões. A retroanálise dos resultados de instrumentação de poro-pressões e deslocamentos horizontais pode ser melhorada com os outros conjuntos de parâmetros, porém à custa de uma simulação menos acurada dos deslocamentos verticais. Conclui-se que, de uma forma geral, o modelo adotado foi capaz de reproduzir bem o comportamento observado em campo durante a construção do aterro experimental. Apesar da grande capacidade do modelo, o bom ajuste das simulações se deve em parte ao fato de que o aterro na prática não foi levado à ruptura e nem se observou a ocorrência do fenômeno da liquefação estática do rejeito da fundação durante a construção do aterro. Para uma simulação mais ajustada da liquefação limitada observada nos ensaios não-drenados em laboratório, sugere-se a adoção de um modelo mais específico que considere os efeitos da linha de instabilidade e de estado crítico separadamente. vi

7 ANALYSIS OF THE BEHAVIOUR OF MINE TAILINGS DURING THE CONSTRUCTION OF AN EXPERIMENTAL FILL Hernán Darío Gallego Herrera ABSTRACT The main objective of this thesis is the numerical simulation of the hydro-mechanical behavior of mine tailings, susceptible of undergoing static liquefaction during monotonic loading. To achieve this objective the author adopted a constitutive model, named SubCam described by Pedroso (26), which is based on advanced concepts of sub-loading plasticity. The model was coded and implemented into the finite element program ALLFINE, developed by Farias (1993) and enhanced by Cordão-Neto (25). Numerical simulations of onedimensional and two-dimensional consolidation problems were performed to validate the implementations. A second stage of this research consisted of the analyses of experimental data from laboratory and in situ tests performed by the company Terratek Ltd. In the Rio Paracatu mining company, located in the state of Minas Gerais, Brazil. The laboratory data consisted of results of oedometric and undrained triaxial tests. The in situ results were obtained from instrumentation during the construction of an earth fill over a 23 m thick layer of mining tailings. Results of undrained triaxial show that the material exhibits a behavior classified as limited liquefaction. In this case the undrained tests show two limiting behaviors characterized by an instability line and a final failure line. This complicates the identification of a single critical state line necessary for model SubCam. The simulations show that the inclination (Mcs) of this line plays an important role in the ability of the model to simulate the behavior of the tailings material. Therefore a set of model parameters was initially obtained directly from the laboratory tests, considering the critical state coinciding with the final failure line. These parameters were later optimized in order to better reproduce the overall observed laboratory test results. Finally numerical simulations of the earth fill construction were performed, considering the hydro-mechanical coupling three sets of material parameters previously identified. The first simulation with the optimized parameters produced excellent quantitative agreement with the data from in situ vertical displacements. However, despite good qualitative reproduction of in situ curves, values of pore-pressure and horizontal displacements were overestimated. Better agreement with these observed values could be reproduced with back analyses using different sets of parameters, but this generally degraded the reproduction of vertical displacement observations. It can be concluded that the adopted model could satisfactorily reproduce the overall in situ behavior observed during the construction of the experimental earth fill. However, despite the good capabilities of the SubCam model, this agreement is partly due to the fact that the earth fill did not reach failure in practice and that the phenomena of static liquefaction did not actually happen in situ as expected. In order to better reproduce the limited liquefaction observed during the undrained laboratory tests, it is recommended the adoption of a specific model that separates the influences of the instability and final failure lines. vii

8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS METODOLOGIA PROGRAMA ALLFINE MODELO CONSTITUTIVO MODELAGEM NUMÉRICA ESCOPO DO TRABALHO 4 2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA LIQUEFAÇÃO ESTÁTICA SUSCEPTIBILIDADE À LIQUEFAÇÃO CRITÉRIO DE HISTÓRIA CRITÉRIO GEOLÓGICO CRITÉRIO COMPOSICIONAL CRITÉRIO DE ESTADO PARÂMETRO DE ESTADO MODELOS CONSTITUTIVOS PARA MATERIAIS GRANULARES 15 3 FERRAMENTAS TEÓRICAS ELASTICIDADE PLASTICIDADE FORMULAÇÃO MATEMÁTICA DA ELASTOPLASTICIDADE SUBCARREGAMENTO MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS PROGRAMA ALLFINE FORMULAÇÃO CONTÍNUA DO PROBLEMA DE ADENSAMENTO CONDIÇÃO DE EQUILÍBRIO CONDIÇÃO DE CONTINUIDADE SOLUÇÃO APROXIMADA 29 4 MODELO SUBCAM (PEDROSO, 26) INVARIANTES DE TENSÃO E DEFORMAÇÃO FUNÇÃO DE PLASTIFICAÇÃO DEFORMAÇÃO DE SUB-PLASTIFICAÇÃO VARIÁVEIS INTERNAS TENSOR ELASTOPLÁSTICO ALGORITMOS DE INTEGRAÇÃO 39 viii

9 4.7 VERIFICAÇÃO DO MODELO ADENSAMENTO UNIDIMENSIONAL ADENSAMENTO BIDIMENSIONAL 47 5 ESTUDO DE CASO ENSAIOS DE CAMPO ENSAIOS OEDOMÉTRICOS ENSAIOS TRIAXIAIS INSTRUMENTAÇÃO PERFILÔMETRO DE RECALQUES INCLINÔMETROS PIEZÔMETROS PLACAS DE RECALQUES 57 6 ENSAIOS E CALIBRAÇÃO ENSAIOS TRIAXIAIS ENSAIOS OEDOMÉTRICOS ENSAIOS DE PERMEABILIDADE SIMULAÇÃO ENSAIOS TRIAXIAIS SIMULAÇÃO ENSAIOS OEDOMÉTRICOS 75 7 MODELAGEM NUMÉRICA DO REJEITO GEOMETRIA, DISCRETIZAÇÃO E CONDIÇÕES DE CONTORNO TIPO DE ANÁLISE E ESTÁGIOS DE CARREGAMENTO RESULTADOS E COMPARAÇÕES COM A INSTRUMENTAÇÃO SIMULAÇÃO N SIMULAÇÃO N SIMULAÇÃO N CONCLUSÕES RECOMENDAÇÕES PARA PESQUISAS FUTURAS 94 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 96 APÊNDICE A 1 CÓDIGOS DE PROGRAMAÇÃO EM FORTRAN 95 DO MODELO SUBCAM 1 ix

10 LISTA DE TABELAS Tabela 4.1: Derivadas parciais modelo SubCam necessárias para a integração numérica pelo método Modified-euler. (Modificado Pedroso, 26) Tabela 4.2: Parâmetros, variáveis de estado e variáveis de integração utilizados nas integrações numéricas Tabela 4.3: Parâmetros e variáveis de estado utilizados na validação do modelo Tabela 6.1: Índice de vazios e tensões no final do adensamento dos ensaios triaxiais Tabela 6.2: Condições iniciais e tipo de equipamento utilizado para os ensaios oedométricos Tabela 6.3: Parâmetros utilizados nas simulações dos ensaios Tabela 7.1: Parâmetros e variáveis de estado utilizados na simulação N Tabela 7.2: Parâmetros e variáveis de estado utilizados na simulação N Tabela 7.3: Parâmetros e variáveis de estado utilizados na simulação N x

11 LISTA DE FIGURAS Figura 1.1: Metodologia geral da pesquisa Figura 2.1: Seção transversal de uma barragem de rejeito pelo método de Montante Figura 2.2: Localização da linha de instabilidade e a região de instabilidade potencial. (Modificado Lade, 1993) Figura 2.3: Curvas tensão - deformação e tensão - índice de vazios para areias fofas e densas no ensaio triaxial, iniciando com a mesma tensão efetiva de confinamento. (Casagrande, 1936 citado por Kramer, 1996) ' Figura 2.4: Comportamento de amostras inicialmente fofas ou densas no plano log ( 3c ) σ - e. (Casagrande, 1936 citado por Kramer, 1996) Figura 2.5: Liquefação, liquefação limitada e dilatação em ensaios de carreamento monotônico. (Castro, 1969) Figura 2.6: Representação tridimensional da linha de estado estacionário com as suas projeções nos planos e p', p' q e e q. (Kramer, 1996) Figura 2.7: Definição do parâmetro de estado. (Been & Jefferies, 1985) Figura 2.8: Diferença entre o parâmetro de estado e o estado de adensamento (Modificado Jefferies, 1993) Figura 2.9: Resposta do modelo Superior Sand na simulação de ensaios de compressão triaxial não drenado para: (a) diferentes valores na densidade inicial; (b) diferentes valores de tensão confinante inicial (Boukpeti et al., 22) Figura 2.1: Tipos de resposta não drenada: (a) estável; (b) quase-estável; (c) instável com dois pontos limite e; (d) instável com um ponto limite (Modificado Mróz et al., 23) Figura 3.1: Curva tensão-deformação típica dos metais submetidos a tração uniaxial (Modificado Desai & Siriwardane, 1984) Figura 3.2: Superfície de plastificação, superfície de potencial plástico e lei de fluxo Figura 3.3: Superfície normal e superfície de subcarregamento. (modificado Hira et al., 26) Figura 3.4: Domínio do problema e condições de contorno (Farias, 1993) Figura 4.1: Superfícies do modelo SubCam no plano axissimétrico com a representação geométrica das variáveis internas envolvidas no modelo. (Modificado Pedroso, 26) Figura 4.2: Representação dos traços da superfície de subcarregamento em 3 planos octaédricos diferentes ( p = 1, kpa, p = 3, kpa e p = 5, kpa ) Figura 4.3: Procedimento prévio à utilização dos algoritmos do modelo SubCam Figura 4.4: Obtenção do tensor elastoplástico (ou elástico se for o caso) para atender a chamada do algoritmo da Figura Figura 4.5: Cálculo do gradiente da superfície de subcarregamento (modificado Pedroso, 26) Figura 4.6: Esquema de integração baseado no algoritmo Modified-Euler apresentado em Pedroso (26) xi

12 Figura 4.7: Sub-processo para a integração numérica baseado no algoritmo Modified- Euler apresentado em Pedroso (26) Figura 4.8: Resultados da integração numérica para o método Modified Euler (Passos variáveis) e Forward Euler (passos constantes). (a) Trajetória de tensão; (b) Tensão deformação Figura 4.9: Adensamento unidimensional. Resultados das simulações feitas para um material muito pré-adensado com os modelos elástico linear (linhas cheias) e SubCam (pontos) Figura 4.1: Adensamento bidimensional. Resultados das simulações feitas para um material muito pré-adensado com os modelos elástico linear (linhas cheias) e SubCam (pontos) Figura 5.1: Curvas granulométricas, com defloculante e sem defloculante, do rejeito da Mina Rio Paracatu Mineração Figura 5.2: Aterro experimental e instrumentação utilizada (modificado Terratek, 25). 51 Figura 5.3: Registro fotográfico da formação do vulcão por causa do fluxo de água Figura 5.4: Perfil de recalques para diferentes alturas do aterro (HA). (modificado Terratek, 25) Figura 5.5: Registro dos deslocamentos inclinômetro IA para diferentes alturas do aterro. (modificado Terratek, 25) Figura 5.6: Incremento de poropressão vs profundidade para diferentes alturas de aterro (HA).Piezômetro A. (modificado Terratek, 25) Figura 5.7: Incremento de poropressão vs profundidade para diferentes alturas de aterro (HA).Piezômetro B. (modificado Terratek, 25) Figura 5.8: Recalques obtidos com as placas de recalques vs altura do aterro. (modificado Terratek, 25) Figura 6.1: Resultados dos ensaios triaxiais; trajetória de tensões efetivas para as quatro 3 amostras com γ d = 11, kn / m (Grupo 1) Figura 6.2: Resultados dos ensaios triaxiais; trajetória de tensões efetivas para as quatro 3 amostras com γ d = 12, kn / m (Grupo 2)... 6 Figura 6.3: Resultados dos ensaios triaxiais; trajetória de tensões efetivas para as quatro 3 amostras com γ d = 13, kn / m (Grupo 3)... 6 Figura 6.4: Resultados dos ensaios triaxiais; resistência ao cisalhamento versus deformação 3 principal 1 para as quatro amostras com γ d = 11, kn / m (Grupo 1) Figura 6.5: Resultados dos ensaios triaxiais; resistência ao cisalhamento versus deformação 3 principal 1 para as quatro amostras com γ d = 12, kn / m (Grupo 2) Figura 6.6: Resultados dos ensaios triaxiais; resistência ao cisalhamento versus deformação 3 principal 1 para as quatro amostras com γ d = 13, kn / m (Grupo 3) Figura 6.7: Resultados dos ensaios triaxiais; poropressão versus deformação principal 1 para 3 as quatro amostras com γ d = 11, kn / m (Grupo 1) Figura 6.8: Resultados dos ensaios triaxiais; poropressão versus deformação principal 1 para 3 as quatro amostras com γ d = 12, kn / m (Grupo 2) Figura 6.9: Resultados dos ensaios triaxiais; poropressão versus deformação principal 1 para 3 as quatro amostras com γ d = 13, kn / m (Grupo 3) xii

13 Figura 6.1: Resultados experimentais dos ensaios oedométricos Figura 6.11: Dados experimentais do ensaio N 3 no plano ln ( p) e Figura 6.12: Permeabilidade do rejeito no campo e no laboratório. (a) Permeabilidade versus Profundidade. (b) Permeabilidade versus Índice de vazios. (Modificado Terratek, 25) Figura 6.13: Corpo de prova utilizado para as simulações da etapa do cisalhamento nos ensaios triaxiais. (a) Discretização do corpo de prova (elemento 5 hachurado), (b) Carregamento e deformação do corpo de prova Figura 6.14: Resultado das simulações; trajetória de tensões para amostras do Grupo Figura 6.15: Resultado das simulações; trajetória de tensões para amostras do Grupo Figura 6.16: Resultado das simulações; trajetória de tensões para amostras do Grupo Figura 6.17: Resultados das simulações; resistência ao cisalhamento versus deformação principal 1 para amostras do Grupo Figura 6.18: Resultados das simulações; resistência ao cisalhamento versus deformação principal 1 para amostras do Grupo Figura 6.19: Resultados das simulações; resistência ao cisalhamento versus deformação principal 1 para amostras do Grupo Figura 6.2: Resultados das simulações; poropressão versus deformação principal 1 para amostras do Grupo Figura 6.21: Resultados das simulações; poropressão versus deformação principal 1 para amostras do Grupo Figura 6.22: Resultados das simulações; poropressão versus deformação principal 1 para amostras do Grupo Figura 6.23: Curva de adensamento amostra 1. Resultados experimentais e de simulação numérica Figura 6.24: Curva de adensamento amostra 2. Resultados experimentais e de simulação numérica Figura 6.25: Curva de adensamento amostra 3. Resultados experimentais e de simulação numérica Figura 6.26: Curva de adensamento amostra 4. Resultados experimentais e de simulação numérica Figura 6.27: Curva de adensamento amostra 5. Resultados experimentais e de simulação numérica Figura 6.28: Comparação das cinco curvas de adensamento. Resultados experimentais e de simulação numérica Figura 7.1: Geometria, discretização e condições de contorno do problema Figura 7.2: Resultados dos perfis de recalques, medido e calculado Figura 7.3: Resultados dos deslocamentos horizontais, medido e calculado Figura 7.4: Resultados dos incrementos de poropressão, medido e calculado. Piezômetro A Figura 7.5: Resultados dos incrementos de poropressão, medido e calculado. Piezômetro B Figura 7.6: Resultados dos deslocamentos verticais, medido e calculado xiii

14 Figura 7.7: Trajetoria de tensões efetivas durante a simulação da construção do aterro. (a) Localização dos elementos; (b) Elemento 28; (c) Elemento 61; (d) Elemento 76; (e) Elemento 79; (f) Elemento 88 e (g) Elemento Figura 7.8: Resultados dos perfis de recalques, medido e calculado Figura 7.9: Resultados dos deslocamentos horizontais, medido e calculado Figura 7.1: Resultados dos incrementos de poropressão, medido e calculado. Piezômetro A Figura 7.11: Resultados dos incrementos de poropressão, medido e calculado. Piezômetro B Figura 7.12: Resultados dos deslocamentos verticais, medido e calculado Figura 7.13: Resultados dos perfis de recalques, medido e calculado Figura 7.14: Resultados dos deslocamentos horizontais, medido e calculado Figura 7.15: Resultados dos incrementos de poropressão, medido e calculado. Piezômetro A Figura 7.16: Resultados dos incrementos de poropressão, medido e calculado. Piezômetro B Figura 7.17: Resultados dos deslocamentos verticais, medido e calculado xiv

15 LISTA DE SÍMBOLOS, NOMENCLATURAS E ABREVIAÇÕES ABREVIAÇÕES Calc. CKoU-C CRS HA HCT IP Linha CVR LL NCL NT NF OCR PR ia RPM SCPTU Simul. SSL SubCam VST Calculado Ensaio de compressão triaxial não drenado com amostra adensada anisotropicamente Ensaio oedométricos com taxa de deformação constante (Constant Rate of Strain) Altura atualmente construída da barragem Ensaio de Adensamento Hidráulico (Hydraulic Consolidation Test). Índice de plasticidade Linha de índice de vazios crítico (Critical Void Ratio line) Limite de liquidez Linha normalmente adensada (Normal Consolidated Line) Nível do terreno Nível freático Relação de preadensamento (Over Consolidation Ratio) Placa de recalque N i lado A Rio Paracatu Mineração Ensaio de piezocone sísmico (Seismic Cone Penetration Test) Simulação Linha de estado estacionário (Steady-state Line) Modelo Subloading Cam-clay Ensaio de palheta (Vane Shear Test) LETRAS ARÁBIGAS abcdi,,,,, jklmn,,,, Índices variando desde 1 até 3. [ B u ] Matriz deformação-deslocamento [ C ] Matriz de acoplamento entre a fase sólida e a fase líquida c Parâmetro que controla a taxa de decaimento da flexibilidade C Tensor de 4 ta ordem ijkl e C ijkl Tensor elástico de 4 ta ordem ep C ijkl Tensor elastoplástico de 4 ta ordem d Incremento infinitesimal xv

16 E e e e N [ H ] HA H i [ K ] K Mcs N [ ] p p q R N ij Módulo de Young Índice de vazios Índice de vazios inicial Índice de vazios de referência Matriz de fluxo Altura do aterro experimental Módulo de endurecimento Matriz de rigidez do esqueleto sólido Coeficiente de permeabilidade Inclinação da linha do estado crítico no plano axissimétrico Matriz de interpolação Invariante de tensão normal de Cambridge Tensão normal de referência Invariante de tensão desviadora de Cambridge Gradiente da função de potencial plástico { r p } Vetor de poropressão nodal { r u } Vetor de deslocamentos nodais de um elemento finito { u } Campo contínuo de deslocamentos { u i } Vetor de deslocamentos no nó i V ij w z i LETRAS GREGAS Gradiente da função de plastificação Umidade Variáveis internas do tipo tensão δ ij ε a ε kl e ε kl p ε kl Incremento finito Derivada parcial Delta de Kronecker Deformação axial Tensor de deformações Tensor de deformação elástica Tensor de deformação plástica ε v Deformação volumétrica p ( ) ε Tensor de deformação plástica de subcarregamento v ϕ cs γ γ d κ λ Λ v ρ Ângulo de atrito no estado crítico Peso específico dos sólidos Peso específico seco Inclinação do trecho de recompressão Inclinação da linha normalmente adensada Multiplicador de Lagrange plástico Coeficiente de Poisson Variável de densificação do modelo SubCam xvi

17 ψ σ ij θ Parâmetro de estado Tensor de tensões Ângulo análogo ao ângulo de Lode xvii

18 1 INTRODUÇÃO. 1 INTRODUÇÃO Com a finalidade de projetar estruturas geotécnicas com um nível de segurança aceitável e diminuir o custo das mesmas, é imprescindível o conhecimento do comportamento mecânico dos materiais constituintes da estrutura sob as solicitações atuantes na mesma. Na atualidade, vários métodos numéricos são amplamente utilizados com este objetivo, entre os quais, os mais comuns são: o Método das Diferenças Finitas, o Método dos Elementos de Contorno e o Método dos Elementos Finitos. A formulação matemática destes três métodos é baseada nos princípios da Mecânica do Meio Contínuo, que para solucionar o problema, precisa de expressões matemáticas que relacionem as tensões com as deformações atuantes no material. Essas relações são conhecidas como Leis Constitutivas. Neste trabalho, pretende-se simular numericamente, por meio do Método dos Elementos Finitos, o comportamento dos rejeitos de mineração com a particularidade de que será utilizada uma lei constitutiva para o material, desenvolvida a partir da teoria da elastoplasticidade, no marco teórico dos modelos de estado crítico e incorporando o conceito de subcarregamento inicialmente desenvolvido por Hashigushi & Ueno (1977). Para comparar os resultados da modelagem numérica, conta-se com a informação obtida em um experimento de larga escala. Este experimento foi realizado na mina Rio Paracatu Mineração, no estado de Minas Gerais, no ano de 23, a qual utiliza uma barragem de terra para conter o material de rejeito, (Terratek, 25). O experimento consistiu na imposição de um carregamento na superfície do material de rejeito, localizado a montante da barragem. O carregamento foi imposto por meio da construção de um aterro experimental constituído por material de empréstimo. A fundação (constituída de rejeito) foi amplamente instrumentada, a fim de registrar o comportamento mecânico real da estrutura. Além disso, conta-se com o resultado de ensaios triaxiais, adensamento e permeabilidade realizados com o material de rejeito. Esses dados são úteis para a obtenção dos parâmetros e das variáveis de estado, do modelo constitutivo utilizado. 1.1 OBJETIVOS De acordo com a explicação supracitada, tem-se como objetivo geral: aprimorar o conhecimento dos mecanismos de ruptura e estabilidade de barragens de rejeito, com o auxílio de métodos numéricos que atendam, simultaneamente, às condições de equilíbrio e Hernán Darío Gallego Herrera. Pág. 1 de 19

19 1 INTRODUÇÃO. continuidade, por meio de modelos (leis) constitutivos adequados capazes de representar as principais características do comportamento mecânico dos materiais. Específicamente, serão atendidos os seguintes objetivos: Programar numericamente um modelo constitutivo que permita prever, de forma adequada, o comportamento de solos granulares saturados em um programa de elementos finitos capaz de resolver problemas acoplados de tensão-deformaçãofluxo; Fornecer uma ideia de quanto o material é resistente à possibilidade de liquefação estática; Descrever o desenvolvimento das poropressões no rejeito durante a construção do aterro e a velocidade de dissipação destas; E por último: fornecer parâmetros que permitam prever a deformabilidade vertical da barragem. 1.2 METODOLOGIA A metodologia geral do trabalho é apresentada na Figura 1.1 e consta de duas etapas. A primeira consiste na obtenção dos parâmetros do modelo constitutivo, a fim de prever adequadamente o comportamento do rejeito. Esta etapa foi feita aproveitando os dados dos ensaios de laboratório, iniciando-se com a obtenção dos parâmetros de forma direta. Em seguida, fez-se a simulação dos ensaios por meio do modelo constitutivo, e, posteriormente, uma retroanálise foi feita para aperfeiçoar os parâmetros e também tentar obter uma melhor simulação do comportamento do solo PROGRAMA ALLFINE Para o desenvolvimento desta pesquisa foi utilizado o programa ALLFINE desenvolvido inicialmente por Farias (1993) e atualizado por Cordão-Neto (25). Este programa tem a capacidade de resolver o problema de tensão-deformação com fluxo acoplado, em duas ou três dimensões, pelo Método dos Elementos Finitos. Além disso, permite incorporar qualquer modelo constitutivo por meio de sub-rotinas adequadamente programadas na linguagem FORTRAN MODELO CONSTITUTIVO Os resultados das análises são altamente dependentes dos modelos (leis constitutivas) utilizados. Para o estudo de caso, é necessário utilizar um modelo capaz de reproduzir a Hernán Darío Gallego Herrera. Pág. 2 de 19

20 1 INTRODUÇÃO. liquefação estática e as deformações plásticas em trajetórias de descarregamento. De um modo geral, os modelos com superfície de subcarregamento atendem a esses requisitos. O modelo utilizado foi o SubCam apresentado por Pedroso (26). Este modelo, apesar de limitado em alguns aspetos, apresenta inúmeras vantagens práticas, como, por exemplo, a capacidade de prever adequadamente o comportamento do material, possui poucos parâmetros, todos com significado físico, formulação matemática e programação numérica mais simples que outros modelos MODELAGEM NUMÉRICA A segunda etapa consiste na definição do problema em Elementos Finitos por meio do programa ALLFINE (Figura 1.1). Para isto, foi necessário incorporar o modelo constitutivo no ALLFINE, definir a geometria do problema e a sua discretização espacial e temporal, além de fornecer ao modelo numérico os parâmetros e as variáveis de estado adequadas, para a simulação completa. Estas simulações forneceram dados análogos aos proporcionados pela instrumentação do experimento, possibilitando a avaliação da capacidade do modelo para simular o comportamento do rejeito. As análises numéricas foram feitas em condições de tensão-deformação acopladas ao fluxo em meio saturado para deformação plana, dado que o aterro e a instrumentação foram projetados para este tipo de situação. Modelo (SubCam) Etapa 1 Coleta de dados dos Ensaios de Laboratório Parâmetros Simulação dos Ensaios Retro-análise Parâmetros otimizados Etapa 2 Geometria do problema Modelo Parâmetros Variáveis de estado ALLFINE (MEF) Modelagem da construção considerando-a como um caso de deformação plana resolvendo o problema de tensãodeformação com fluxo acoplado em um meio poroso saturado. Figura 1.1: Metodologia geral da pesquisa. Verificação do comportamento mecânico da estrutura. Hernán Darío Gallego Herrera. Pág. 3 de 19

5 Método de Olson (2001)

5 Método de Olson (2001) 6 5 Método de Olson (200) Na literatura existem várias técnicas empíricas para análise da liquefação de solos, como as de Campanella (985), Seed e Harder (990) e Olson (200). Neste capítulo é brevemente

Leia mais

Geomecânica dos resíduos sólidos

Geomecânica dos resíduos sólidos III Conferência Internacional de Gestão de Resíduos da América Latina Geomecânica dos resíduos sólidos urbanos: uma introdução Miriam Gonçalves Miguel Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

3.0 Resistência ao Cisalhamento dos Solos

3.0 Resistência ao Cisalhamento dos Solos 3.0 Resistência ao Cisalhamento dos Solos 3.1 INTRODUÇÃO Vários materiais sólidos empregados em construção normalmente resistem bem as tensões de compressão, porém têm uma capacidade bastante limitada

Leia mais

Figura 1.3 Deslizamento na barragem Lower San Fernando, em 1971 (Earthquake Engineering Research Center, University of California, Berkeley, USA).

Figura 1.3 Deslizamento na barragem Lower San Fernando, em 1971 (Earthquake Engineering Research Center, University of California, Berkeley, USA). 1 Introdução Historicamente é sabido que muitas das rupturas ocorridas em barragens ou taludes naturais podem ser atribuídas ao fenômeno da liquefação de solos arenosos, causada pela ação de carregamentos

Leia mais

Análise não-linear com elementos de interface de alvenaria de blocos de concreto à compressão

Análise não-linear com elementos de interface de alvenaria de blocos de concreto à compressão BE Encontro Nacional Betão Estrutural Guimarães 5,, 7 de Novembro de Análise não-linear com elementos de interface de alvenaria de blocos de concreto à compressão Gihad Mohamad 1 Paulo Brandão Lourenço

Leia mais

Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin

Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compactação dos Solos Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compactação É o processo mecânico de aplicação de forças externas, destinadas a reduzir o volume dos vazios do solo, até atingir a massa específica

Leia mais

Caracterização Geotécnica do Fosfogesso Produzido pelo Complexo Industrial de Uberaba da Fosfertil

Caracterização Geotécnica do Fosfogesso Produzido pelo Complexo Industrial de Uberaba da Fosfertil Caracterização Geotécnica do Fosfogesso Produzido pelo Complexo Industrial de Uberaba da Fosfertil Alexandre Gonçalves Santos Fertilizantes Fosfatados S. A., Araxá, Minas Gerais, Brasil Paulo César Abrão

Leia mais

Dissertação de Mestrado ESTUDO DA LIQUEFAÇÃO ESTÁTICA EM REJEITOS E APLICAÇÃO DE METODOLOGIA DE ANÁLISE DE ESTABILIDADE

Dissertação de Mestrado ESTUDO DA LIQUEFAÇÃO ESTÁTICA EM REJEITOS E APLICAÇÃO DE METODOLOGIA DE ANÁLISE DE ESTABILIDADE Dissertação de Mestrado ESTUDO DA LIQUEFAÇÃO ESTÁTICA EM REJEITOS E APLICAÇÃO DE METODOLOGIA DE ANÁLISE DE ESTABILIDADE AUTOR: JOÃO PIMENTA FREIRE NETO ORIENTADORA: Profª. Drª. Terezinha de Jesus Espósito

Leia mais

Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada

Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada COBRAMSEG : ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. ABMS. Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada Sérgio Barreto

Leia mais

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP LISTA 1 CS2 Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP Final 1 exercícios 3, 5, 15, 23 Final 2 exercícios 4, 6, 17, 25 Final 3- exercícios 2, 7, 18, 27 Final 4 exercícios 1 (pares),

Leia mais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais 3.1 O ensaio de tração e compressão A resistência de um material depende de sua capacidade de suportar uma carga sem deformação excessiva ou ruptura. Essa

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ARGOPAR PARTICIPAÇÔES LTDA FUNDAÇÕES ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ ÍNDICE DE REVISÕES

RELATÓRIO TÉCNICO ARGOPAR PARTICIPAÇÔES LTDA FUNDAÇÕES ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ ÍNDICE DE REVISÕES CLIENTE: FOLHA 1 de 17 PROGRAMA: FUNDAÇÕES AREA: ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ RESP: SILIO LIMA CREA: 2146/D-RJ Nº GEOINFRA ÍNDICE DE REVISÕES REV DESCRIÇÃO E / OU FOLHAS ATINGIDAS Emissão inicial DATA

Leia mais

Potencial de Liquefação Estática no Alteamento de uma Barragem de Rejeito

Potencial de Liquefação Estática no Alteamento de uma Barragem de Rejeito Potencial de Liquefação Estática no Alteamento de uma Barragem de Rejeito Herbert Miguel Angel Maturano Rafael Geomat Ingenieria, Lima Peru, mmaturano@geomatingenieria.com Celso Romanel PUCRio, Departamento

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE FILTROS

DIMENSIONAMENTO DE FILTROS DIMENSIONAMENTO DE FILTROS Até o meio da barragem faço tudo para a água não chegar. A partir daí faço tudo para a água sair da maneira que quero Arthur Casagrande IV.8- DIMENSIONAMENTO DE FILTROS IV.8.1-

Leia mais

3 Parâmetros dos Solos para Cálculo de Fundações

3 Parâmetros dos Solos para Cálculo de Fundações 3 Parâmetros dos Solos para Cálculo de Fundações Dados Indiretos Nas areias a amostreação indeformada, bem como a moldagem de corpos de prova para a execução de ensaios de laboratório, são operações extremamente

Leia mais

Permeabilidade dos Solos. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin

Permeabilidade dos Solos. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Permeabilidade dos Solos Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Permeabilidade É a propriedade que o solo apresenta de permitir o escoamento de água através dele. (todos os solos são mais ou menos permeáveis)

Leia mais

2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2.1. Introdução Neste capítulo é apresentado um breve resumo sobre os tópicos envolvidos neste trabalho, com o objetivo de apresentar a metodologia empregada na prática para realizar

Leia mais

Análises de Estabilidade e Gestão de Riscos em Sistemas de Disposição de Rejeitos de Minerações de Pequeno Porte

Análises de Estabilidade e Gestão de Riscos em Sistemas de Disposição de Rejeitos de Minerações de Pequeno Porte Análises de Estabilidade e Gestão de Riscos em Sistemas de Disposição de Rejeitos de Minerações de Pequeno Porte Cláudio Renato Carnevalli Dias Brumafer Mineração Ltda, Sabará, Minas Gerais, Brasil Romero

Leia mais

Escavações e Escoramentos na Cidade de São Paulo: Evolução e Tendências Futuras

Escavações e Escoramentos na Cidade de São Paulo: Evolução e Tendências Futuras Escavações e Escoramentos na Cidade de São Paulo: Ivan Grandis IGR Engenharia Ltda. Jaime Domingos Marzionna ENGEOS Engenharia e Geotecnia S/S Ltda. Escola Politécnica da USP Twin Cities 1 Evolução das

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA EDIFICAÇÕES

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA EDIFICAÇÕES CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA EDIFICAÇÕES 26. Quanto à composição química, os principais minerais componentes dos solos grossos podem ser agrupados em: Sílicas, Óxidos, Carbonatos

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 2. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 2. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 2 CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes 2.1 Critérios de Projeto de Muros de Arrimo. 2.2 Análises da Estabilidade de Muros de Arrimo. 2.3 Exemplo de Cálculo. Aula

Leia mais

4 Análise experimental

4 Análise experimental 4 Análise experimental No estudo do comportamento de membranas de materiais hiperelásticos há a necessidade de se escolher leis constitutivas que descrevam da melhor forma possível as propriedades do material.

Leia mais

Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal

Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal Alexandre Gil Batista Medeiros e Renato Pinto da Cunha Departamento de Engenharia

Leia mais

Primeiros Resultados com o Piezocone-Torpedo em Terra: Os Ensaios em Sarapuí II

Primeiros Resultados com o Piezocone-Torpedo em Terra: Os Ensaios em Sarapuí II COBRAMSEG : ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. ABMS. Primeiros Resultados com o Piezocone-Torpedo em Terra: Os Ensaios em Sarapuí II Graziella Maria Faquim Jannuzzi

Leia mais

COMPRESSIBILIDADE ADENSAMENTO. Disciplina: ST636A - Mecânica e Ensaios de Solos II

COMPRESSIBILIDADE ADENSAMENTO. Disciplina: ST636A - Mecânica e Ensaios de Solos II COMPRESSIBILIDADE E ADENSAMENTO Disciplina: ST636A - Mecânica e Ensaios de Solos II 1 Compressibilidade e Adensamento Um dos aspectos de maior interesse para a engenharia geotécnica é a determinação das

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos Março de 2004 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO Como foi visto no capítulo anterior, a mistura em proporção adequada

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO FRESCO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes CONCRETO FRESCO Conhecer o comportamento

Leia mais

Relações entre tensões e deformações

Relações entre tensões e deformações 3 de dezembro de 0 As relações entre tensões e deformações são estabelecidas a partir de ensaios experimentais simples que envolvem apenas uma componente do tensor de tensões. Ensaios complexos com tensões

Leia mais

TECNICAS CONSTRUTIVAS I

TECNICAS CONSTRUTIVAS I Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios TECNICAS CONSTRUTIVAS I Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br FUNDAÇÕES Fundações em superfície: Rasa, Direta

Leia mais

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS 148 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS 5.1 CONCLUSÕES A partir dos resultados apresentados e analisados anteriormente, foi possível chegar às conclusões abordadas neste item. A adição tanto de cinza volante, como

Leia mais

BARRAGENS DE TERRA E DE ENROCAMENTO AULA 1. Prof. Romero César Gomes - Departamento de Engenharia Civil /UFOP

BARRAGENS DE TERRA E DE ENROCAMENTO AULA 1. Prof. Romero César Gomes - Departamento de Engenharia Civil /UFOP BARRAGENS DE TERRA E DE ENROCAMENTO AULA 1 Prof. Romero César Gomes - Departamento de Engenharia Civil /UFOP Conceitos Gerais As barragens convencionais são estruturas construídas transversalmente aos

Leia mais

MANUAL DE BOLSO Nº 1: Investigação Geotécnica

MANUAL DE BOLSO Nº 1: Investigação Geotécnica MANUAL DE BOLSO Nº 1: Investigação Geotécnica OUTUBRO DE 2012 T E R R E S T R E. empresa sedeada em Itu/SP fornece consultas, projetos, ensaios especiais e serviços na área de geotecnia, drenagem, pavimentação,

Leia mais

1. Noção de tensão e de deformação

1. Noção de tensão e de deformação Capítulo 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MECÂNIC 1. Noção de tensão e de deformação Tensão: = F - Tensão (N/m 2 ou Pa) F força (N) Área (m 2 ) Estado interno gerado num corpo para equilibrar a força F aplicada

Leia mais

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos):

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): Evolução Pedogênica ou Pedogenética - por esse nome se agrupa uma complexa série de processos físico-químicos e biológicos que governam a formação de alguns solos.

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Gerson Cunha Eng. Maria Francisca

Leia mais

Revestimento de Canal de Drenagem com Geomanta Revetment Drainage Channel with Geomats

Revestimento de Canal de Drenagem com Geomanta Revetment Drainage Channel with Geomats Revestimento de Canal de Drenagem com Geomanta Revetment Drainage Channel with Geomats Nome dos autores: Petrúcio Santos; Fábio Mendonça Bocheni José Roberto de Campos Costa Junior Instituição: Maccaferri

Leia mais

3. Programa Experimental

3. Programa Experimental 3. Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este estudo experimental foi desenvolvido no laboratório de estruturas e materiais (LEM) da PUC- Rio e teve o propósito de estudar o comportamento de

Leia mais

Análise do potencial de liquefacção de areias com finos

Análise do potencial de liquefacção de areias com finos Análise do potencial de liquefacção de areias com finos Influência de finos não plásticos na resistência à liquefacção da Areia de Coimbra: Ensaio laboratorial e modelação numérica Francisco Paes de Vasconcelos

Leia mais

2 Estudo dos Acoplamentos

2 Estudo dos Acoplamentos 24 2 Estudo dos Acoplamentos Um problema acoplado é aquele em que dois ou mais sistemas físicos interagem entre si e cujo acoplamento pode ocorrer através de diferentes graus de interação (Zienkiewicz

Leia mais

Probabilidade de Colapso de Muro de Solo Reforçado e Considerações de Projeto

Probabilidade de Colapso de Muro de Solo Reforçado e Considerações de Projeto Probabilidade de Colapso de Muro de Solo Reforçado e Considerações de Projeto Marcus Vinicius Weber de Campos Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo, EESC-USP, São Carlos, Brasil,

Leia mais

Parâmetros Geotécnicos do Arenito do Estaleiro Atlântico Sul Suape - PE

Parâmetros Geotécnicos do Arenito do Estaleiro Atlântico Sul Suape - PE Parâmetros Geotécnicos do Arenito do Estaleiro Atlântico Sul Suape - PE Joaquim Teodoro Romão de Oliveira Universidade Católica de Pernambuco e Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Brasil, jtrdo@uol.com.br

Leia mais

Projeto Pedagógico. Nome: Curso de Pós-Graduação em Geotecnia com Ênfase em Modelagem Numérica

Projeto Pedagógico. Nome: Curso de Pós-Graduação em Geotecnia com Ênfase em Modelagem Numérica 1 1º SEMESTRE/2014 Projeto Pedagógico Nome: Curso de Pós-Graduação em Geotecnia com Ênfase em Modelagem Numérica Área: Engenharias (Civil, Minas, Ambiental e Geológica) Local: Centro de Treinamento GeoFast

Leia mais

Caracterização Geotécnica do Solo de Fundação da Obra de Prolongamento das Pistas do Aeroporto Internacional Salgado Filho

Caracterização Geotécnica do Solo de Fundação da Obra de Prolongamento das Pistas do Aeroporto Internacional Salgado Filho Caracterização Geotécnica do Solo de Fundação da Obra de Prolongamento das Pistas do Aeroporto Internacional Salgado Filho Marcelo Augusto de Mello Instituto Militar de Engenharia, Rio de Janeiro, Brasil,

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DO COMPORTAMENTO DE BARRAGENS DE REJEITO DE MINERAÇÃO DE FERRO. Cecília Bhering de Araujo

CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DO COMPORTAMENTO DE BARRAGENS DE REJEITO DE MINERAÇÃO DE FERRO. Cecília Bhering de Araujo CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DO COMPORTAMENTO DE BARRAGENS DE REJEITO DE MINERAÇÃO DE FERRO Cecília Bhering de Araujo DISSERTAÇÃO SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA

Leia mais

UNIDADE 9 RESISTÊNCIA AO CISALHAMENTO DOS SOLOS

UNIDADE 9 RESISTÊNCIA AO CISALHAMENTO DOS SOLOS Notas de Aula - Mecânica dos Solos 164 UNIDADE 9 RESISTÊNCIA AO CISALHAMENTO DOS SOLOS 9.1 Introdução Qualquer obra de engenharia que envolve conhecimentos geotécnicos deve necessariamente responder a

Leia mais

Estudo Experimental de Solo Reforçado com Fibra de Coco Verde Para Carregamentos Estáticos em Obras Geotécnicas

Estudo Experimental de Solo Reforçado com Fibra de Coco Verde Para Carregamentos Estáticos em Obras Geotécnicas Estudo Experimental de Solo Reforçado com Fibra de Coco Verde Para Carregamentos Estáticos em Obras Geotécnicas Rafael Eduardo Zaccour Bolaños Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-Rio,

Leia mais

Reservatório de controle de enchentes na Praça da Bandeira: projeto e execução

Reservatório de controle de enchentes na Praça da Bandeira: projeto e execução Reservatório de controle de enchentes na Praça da Bandeira: projeto e execução Francisco Marques Terratek, Rio de Janeiro, Brasil, francisco.marques@terratek.com.br Alberto Ortigão Terratek, Rio de Janeiro,

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO Consistência Textura Trabalhabilidade Integridade da massa Segregação Poder de retenção de água Exsudação Massa específica TRABALHABILIDADE É a propriedade do concreto fresco

Leia mais

4. Programa Experimental

4. Programa Experimental 4. Programa Experimental Para a determinação das propriedades de deformabilidade e resistência dos arenitos em estudo a serem utilizados no modelo numérico, foram executados ensaios de compressão simples

Leia mais

4 Verificação dos modelos constitutivos

4 Verificação dos modelos constitutivos 69 4 Verificação dos modelos constitutivos Neste capitulo são apresentadas algumas simulações numéricas de ensaios triaxiais convencionais (CTC) com a finalidade de verificar as implementações computacionais

Leia mais

AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO

AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO Eduardo M. Batista (1) ; Elaine G. Vazquez (2) ; Elaine Souza dos Santos (3) (1) Programa de Engenharia Civil, COPPE,

Leia mais

I. INTRODUÇÃO II. CONSTRUÇÃO DOS EQUIPAMENTOS

I. INTRODUÇÃO II. CONSTRUÇÃO DOS EQUIPAMENTOS 1 Obtenção de propriedades do enrocamento para análise de barragens de enrocamento com face de concreto D. D. Loriggio, UFSC; M. Maccarini, UFSC; P. R. Senem, Leme Engenharia; D. Pacheco, Leme Engenharia;

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio. CIV 1111 Sistemas Estruturais na Arquitetura I

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio. CIV 1111 Sistemas Estruturais na Arquitetura I Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio CIV 1111 Sistemas Estruturais na Arquitetura I Profa. Elisa Sotelino Prof. Luiz Fernando Martha Propriedades de Materiais sob Tração Objetivos

Leia mais

2 Revisão bibliográfica

2 Revisão bibliográfica 2 Revisão bibliográfica A motivação desta pesquisa surge dos problemas apresentados pela interação entre o efluente de uma fabrica de alumínio e seu solo de fundação; em linhas mais gerais poderia se falar

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL ENERGIA E CONFIABILIDADE APLICADAS AOS ESTAQUEAMENTOS TIPO HÉLICE CONTÍNUA CARLOS MEDEIROS SILVA ORIENTADOR:

Leia mais

EFEITO DA CONTINUIDADE NO COMPORTAMENTO E NA RESISTÊNCIA DE LAJES MISTAS COM FÔRMA DE AÇO INCORPORADA

EFEITO DA CONTINUIDADE NO COMPORTAMENTO E NA RESISTÊNCIA DE LAJES MISTAS COM FÔRMA DE AÇO INCORPORADA EFEITO DA CONTINUIDADE NO COMPORTAMENTO E NA RESISTÊNCIA DE LAJES MISTAS COM FÔRMA DE AÇO INCORPORADA Paulo César de Campos UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE ENGENHARIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

Aterros sobre solos moles: metodologias construtivas

Aterros sobre solos moles: metodologias construtivas Aterros sobre solos moles: metodologias construtivas Márcio de Souza Soares de Almeida Prof. Titular COPPE UFRJ almeida@coc.ufrj.br www.marcioalmeida.eng.br 1 Metodologias construtivas Fatores determinantes:

Leia mais

GENERALIDADES SOBRE PAVIMENTOS

GENERALIDADES SOBRE PAVIMENTOS GENERALIDADES SOBRE PAVIMENTOS Pavimento x outras obras civis Edifícios: Área de terreno pequena, investimento por m 2 grande FS à ruptura grande Clima interfere muito pouco no comportamento estrutural

Leia mais

Utilização de um rejeito de mineração como alternativa para estabilização de um solo tropical da região Centro-oeste

Utilização de um rejeito de mineração como alternativa para estabilização de um solo tropical da região Centro-oeste Utilização de um rejeito de mineração como alternativa para estabilização de um solo tropical da região Centro-oeste Leonardo Santos Gratão Bolsista PIBIC, Departamento de Engenharia Civil e Ambiental

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL CIV 332 MECÂNICA DOS SOLOS I APOSTILA DE EXERCÍCIOS Parte 01 Prof. Benedito de Souza Bueno Prof.

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE UMA FERRAMENTA NUMÉRICA PARA ANÁLISE DE RADIERS ESTAQUEADOS

CONSTRUÇÃO DE UMA FERRAMENTA NUMÉRICA PARA ANÁLISE DE RADIERS ESTAQUEADOS CONSTRUÇÃO DE UMA FERRAMENTA NUMÉRICA PARA ANÁLISE DE RADIERS ESTAQUEADOS Douglas Magalhães Albuquerque BITTENCOURT, Escola de Engenharia Civil, Universidade Federal Goiás, engenheirobittencourt@gmail.com

Leia mais

ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Caderno 02

ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Caderno 02 ASSISTÊNCIA TÉCNICA Caderno 02 Julho/2004 CONFORMAÇÃO DOS AÇOS INOXIDÁVEIS Comportamento dos Aços Inoxidáveis em Processos de Estampagem por Embutimento e Estiramento 1 Estampagem Roberto Bamenga Guida

Leia mais

ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO

ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO Ronaldo Alves de Medeiros Junior Escola Politécnica de Pernambuco Universidade de Pernambuco (POLI/UPE), Recife, Brasil,

Leia mais

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS SIMÕES FILHO BAHIA. PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS Salvador, Outubro/2010 SIMÕES FILHO BAHIA. A P R E S

Leia mais

HIDRÁULICA DE POÇOS. Prof. Marcelo R. Barison

HIDRÁULICA DE POÇOS. Prof. Marcelo R. Barison HIDRÁULICA DE POÇOS Prof. Marcelo R. Barison Infiltração e Escoamento - as zonas de umidade do solo - Aqüífero Livre; Aqüífero Confinado. TIPOS DE AQÜÍFEROS Representação Esquemática dos Diferentes Tipos

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS INTERDEPENDÊNCIA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DAS MISTURAS BETUMINOSAS TIPO C.B.U.Q.

TRABALHOS TÉCNICOS INTERDEPENDÊNCIA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DAS MISTURAS BETUMINOSAS TIPO C.B.U.Q. 01 / 07 SINOPSE O trabalho apresenta aspectos conceituais do comportamento das relações físicas envolvidas no sistema, e misturas tipo C.B.U.Q., levando em consideração as características físicas rotineiras

Leia mais

ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO ABSTRACT 1.

ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO ABSTRACT 1. ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO EDUARDO VICENTE DO PRADO 1 DANIEL MARÇAL DE QUEIROZ O método de análise por elementos finitos

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMPUTER AIDED ENGINEERING - CAE FABIANO RAMOS DOS SANTOS SERGIO DA COSTA FERREIRA

Leia mais

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE ESTUDO DO COMPORTAMENTO DA LINHA D ÁGUA EM UMA SEÇÃO DE TRANSIÇÃO DE UM CANAL COM MOVIMENTO GRADUALMENTE VARIADO, EM FUNÇÃO DA DECLIVIDADE DOS TALUDES. Rejane

Leia mais

TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA

TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA Movimento de Terra e Pavimentação NOTAS DE AULA MECÂNICA DOS SOLOS Prof. Edson de Moura Aula 04 Granulometria de Solos 2011 17 Granulometria de Solos A finalidade da realização

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica

Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica Analise de Tensões em Perfil Soldado Comparação de Resultados em Elementos Finitos Aluno: Rafael Salgado Telles Vorcaro Registro:

Leia mais

Reforço de Aterro Sobre Solo Mole em Empreendimento Residencial Reinforced Embankment on Soft Soil in a Residential Building

Reforço de Aterro Sobre Solo Mole em Empreendimento Residencial Reinforced Embankment on Soft Soil in a Residential Building Reforço de Aterro Sobre Solo Mole em Empreendimento Residencial Reinforced Embankment on Soft Soil in a Residential Building Nome dos autores: Jaime da Silva Duran Giancarlo Domingues Instituição: Maccaferri

Leia mais

O uso de blocos de concreto pré-moldados para a face da contenção em solo grampeado

O uso de blocos de concreto pré-moldados para a face da contenção em solo grampeado O uso de blocos de concreto pré-moldados para a face da contenção em solo grampeado Ferreira Jr, J. A., Mendonça, M. B. e Saramago, R. P. Terrae Engenharia, Rio de Janeiro, RJ, Brasil RESUMO: A participação

Leia mais

ANÁLISE NUMÉRICA DA ADERÊNCIA ENTRE AÇO E CONCRETO ENSAIO PULL-OUT TEST

ANÁLISE NUMÉRICA DA ADERÊNCIA ENTRE AÇO E CONCRETO ENSAIO PULL-OUT TEST ANÁLISE NUMÉRICA DA ADERÊNCIA ENTRE AÇO E CONCRETO ENSAIO PULL-OUT TEST Julia Rodrigues Faculdade de Engenharia Civil CEATEC julia.r1@puccamp.edu.br Nádia Cazarim da Silva Forti Tecnologia do Ambiente

Leia mais

Mestrado em Engenharia de Estruturas. Fundações de Estruturas. Ensaios de campo. Jaime A. Santos (IST)

Mestrado em Engenharia de Estruturas. Fundações de Estruturas. Ensaios de campo. Jaime A. Santos (IST) Mestrado em Engenharia de Estruturas Fundações de Estruturas Ensaios de campo Jaime A. Santos (IST) Ensaio de penetração dinâmica SPT Ensaio SPT (Standard Penetration Test) - realizado na base de um furo

Leia mais

PLASTICIDADE DOS SOLOS

PLASTICIDADE DOS SOLOS INTRODUÇÃO Solos finos granulometria não é suficiente para caracterização; formados por partículas de grande área superficial (argilominerais) interação com a água propriedades plásticas f(tipo de argilomineral);

Leia mais

Caracterização geotécnica de uma areia siltosa pertencente ao Município de Caruaru.

Caracterização geotécnica de uma areia siltosa pertencente ao Município de Caruaru. Caracterização geotécnica de uma areia siltosa pertencente ao Município de Caruaru. Marilia Mary da Silva Faculdade do Vale do Ipojuca, FAVIP - Departamento de Engenharia Civil Caruaru, Pernambuco, Brasil,

Leia mais

Figura 5. 14 Exemplo de determinação das tensões principais obtidos para um corpo de prova ensaiado no ensaio de cisalhamento direto

Figura 5. 14 Exemplo de determinação das tensões principais obtidos para um corpo de prova ensaiado no ensaio de cisalhamento direto Figura 5. 14 Exemplo de determinação das tensões principais obtidos para um corpo de prova ensaiado no ensaio de cisalhamento direto 5.5 Ensaio de compressão triaxial Esses ensaios são os mais utilizados

Leia mais

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30 Sumário Prefácio à quarta edição... 13 Prefácio à segunda edição... 15 Prefácio à primeira edição... 17 Capítulo 1 Introdução ao estudo das estruturas de concreto armado... 19 1.1 Conceitos fundamentais...

Leia mais

SISTEMAS DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS PARA PAVIMENTAÇÃO 1.1 CLASSIFICAÇÃO TRB TRANSPORTATION RESEARCH BOARD

SISTEMAS DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS PARA PAVIMENTAÇÃO 1.1 CLASSIFICAÇÃO TRB TRANSPORTATION RESEARCH BOARD SISTEMAS DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS PARA PAVIMENTAÇÃO 1.1 CLASSIFICAÇÃO TRB TRANSPORTATION RESEARCH BOARD A classificação HRB (Highway Research Board), é resultante de alterações da classificação do Bureau

Leia mais

DRENAGEM DO PAVIMENTO. Prof. Ricardo Melo 1. INTRODUÇÃO 2. TIPOS DE DISPOSITIVOS SEÇÃO TRANSVERSAL DE UM PAVIMENTO

DRENAGEM DO PAVIMENTO. Prof. Ricardo Melo 1. INTRODUÇÃO 2. TIPOS DE DISPOSITIVOS SEÇÃO TRANSVERSAL DE UM PAVIMENTO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Disciplina: Estradas e Transportes II Laboratório de Geotecnia e Pavimentação SEÇÃO TRANSVERSAL DE UM PAVIMENTO DRENAGEM DO

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PROJETO DE FUNDAÇÕES Todo projeto de fundações

Leia mais

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Reabilitação de barragens de aterro Barragem do Roxo Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Caraterísticas Gerais da Barragem do Roxo > Vale assimétrico Forte inclinação na margem esquerda Suave na margem

Leia mais

Investigações geotécnicas aplicadas ao projeto de fundações

Investigações geotécnicas aplicadas ao projeto de fundações Investigações geotécnicas aplicadas ao projeto de fundações Universidade Federal de Sergipe Laboratório de Geotecnia e Pavimentação Prof. Erinaldo Hilário Cavalcante Novembro de 2013 Sumário Contextualização

Leia mais

Análise de Percolação em Barragem de Terra Utilizando o Programa SEEP/W

Análise de Percolação em Barragem de Terra Utilizando o Programa SEEP/W Análise de Percolação em Barragem de Terra Utilizando o Programa SEEP/W José Waldomiro Jiménez Rojas, Anderson Fonini. Programa de Pós Graduação em Engenharia Civil, Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

TALUDES DE MONTANTE E JUSANTE

TALUDES DE MONTANTE E JUSANTE TALUDES DE MONTANTE E JUSANTE Karl Terzaghi em seu discurso de abertura, referindo-se aos solos residuais brasileiros, disse que os nossos técnicos estavam em condições de pesquisar e experimentar nas

Leia mais

Simulação Numérica e Experimental do Processo de Forjamento de Componentes Industriais

Simulação Numérica e Experimental do Processo de Forjamento de Componentes Industriais Simulação Numérica e Experimental do Processo de Componentes Industriais Mestre M. Leopoldina Alves Seminários de Engenharia Mecânica 4 Dezembro 00 Simulação Numérica e Experimental do Processo de Componentes

Leia mais

Ensaios de Laboratório em Mecânica dos Solos Curva de Retenção de Água

Ensaios de Laboratório em Mecânica dos Solos Curva de Retenção de Água Ensaios de Laboratório em Mecânica dos Solos Curva de Retenção de Água Prof. Fernando A. M. Marinho 2010 Teor de Umidade nos Vazios (adensamento) Índice de Vazios 3 2.5 2 1.5 1 S = 100% e = wg s Tensão

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA Jefferson Bruschi da Silva (1); Cristiano Richter (2); Jean Marie Désir (3); (1) Universidade do Vale do Rio dos Sinos,

Leia mais

Ensaios de Resistência de Pico e Residual em Solos Tropicais de Gnaisse

Ensaios de Resistência de Pico e Residual em Solos Tropicais de Gnaisse Ensaios de Resistência de Pico e Residual em Solos Tropicais de Gnaisse Ana Paula Fonseca Coordenação de Construção Civil, CEFET-RJ, Rio de Janeiro Willy Alvarenga Lacerda Programa de Engenharia Civil,

Leia mais

Joaquim Teodoro Romão de Oliveira, D. Sc. Prof. Adjunto - UNICAP Eng. Civil - UFPE. Pedro Eugenio Silva de Oliveira Engenheirando - UNICAP

Joaquim Teodoro Romão de Oliveira, D. Sc. Prof. Adjunto - UNICAP Eng. Civil - UFPE. Pedro Eugenio Silva de Oliveira Engenheirando - UNICAP Parâmetros Geotécnicos do Arenito do Estaleiro Atlântico Sul Suape - PE Joaquim Teodoro Romão de Oliveira, D. Sc. Prof. Adjunto - UNICAP Eng. Civil - UFPE Pedro Eugenio Silva de Oliveira Engenheirando

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Idade do concreto. Verificação da resistência. Módulo de

Leia mais

2 Método sísmico na exploração de petróleo

2 Método sísmico na exploração de petróleo 16 2 Método sísmico na exploração de petróleo O método sísmico, ou sísmica de exploração de hidrocarbonetos visa modelar as condições de formação e acumulação de hidrocarbonetos na região de estudo. O

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica Elementos de Máquinas II Elementos de Apoio F T O = 0 Óleo e.sen O F h máx e Eixo Mancal L Óleo F d n h min d Q máx F pmáx p O

Leia mais

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS (CTG) DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA (DEMEC) MECÂNICA DOS FLUIDOS ME6 Prof. ALEX MAURÍCIO ARAÚJO (Capítulo 5) Recife - PE Capítulo

Leia mais

5 DISCUSSÃO. 5.1 Influência dos resfriadores no fundido. Capítulo 5 77

5 DISCUSSÃO. 5.1 Influência dos resfriadores no fundido. Capítulo 5 77 Capítulo 5 77 5 DISCUSSÃO 5.1 Influência dos resfriadores no fundido. A finalidade do uso dos resfriadores no molde antes da fundição das amostras Y block foi provocar uma maior velocidade de resfriamento

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Definição de solo Ciências aplicadas Contexto

Leia mais

Universidade Federal do Amazonas Instituto de Ciências Exatas Departamento de Geociências. Capítulo 11:

Universidade Federal do Amazonas Instituto de Ciências Exatas Departamento de Geociências. Capítulo 11: Universidade Federal do Amazonas Instituto de Ciências Exatas Departamento de Geociências Geologia Capítulo 11: Movimento de Massa Clauzionor Lima da Silva Movimento de Massa Inclui todos os processos

Leia mais

2 Revisão Bibliográfica

2 Revisão Bibliográfica 2 Revisão Bibliográfica Neste capítulo são apresentados trabalhos relacionados ao comprimento de ancoragem e a resistência de aderência do CFC-substrato de concreto. São mostradas de forma resumida as

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 2011 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Um varal de roupas foi construído utilizando uma haste rígida DB de massa desprezível, com

Leia mais