TECNOLOGIA DO LED DE ILUMINAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TECNOLOGIA DO LED DE ILUMINAÇÃO"

Transcrição

1 TECNOLOGIA DO LED DE ILUMINAÇÃO ABINEE - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica Reunião do Grupo de PD & I Thomas Alva Edison Itália (1847) EUA (1931) Abril, 9, 2013, São Paulo, Capital ENGENHARIA METALÚRGICA E DE MATERIAIS Pós-doutorando: Dr. Emerson Roberto Santos INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA Pós-doutorando: Dr. Elvo Calixto Burini Junior

2 Sumário OLEDs: Aplicações dos dispositivos OLEDs; Quais as principais diferenças entre um LED e um OLED; Comparação entre uma tela de LCD e uma tela em OLED; Como caracterizamos os OLEDs; Processo de montagem de OLEDs em elaboratório. LEDs: Resumo; Introdução; Transformando eletricidade em luz visível ; Comparando tecnologias para luz elétrica; Barreiras; Usuários/consumidores; Vida útil 100kh (sob qual temperatura??? Custos para produzir luz; Agradecimentos; Bibliografia.

3 OLEDs (Organic Light Emitting Diodes) Diodos Orgânico Emissor de Luz

4 Aplicações dos dispositivos OLEDs

5 Pioneer (1998) Philips (2001) Kodak LS 633 (ano 2000) TV da LG OLED da Siemens OLED (abajur) da Philips Painel da GE OSRAM TV da Samsung

6 Solvay Eastman Kodak

7 Quais as principais diferenças entre um LED e um OLED???

8 Diferenças entre dispositivos LEDs e OLEDs: OLEDs possuem espessuras menores nas camadas, garantindo leveza no dispositivo final; As cores emitidas pelos OLEDs são mais brilhantes que os LEDs inorgânicos; Nos displays com OLEDs, não há necessidade de luz de fundo (ou backlight), como nos LCDs, o próprio OLED emite a luz; Os displays com OLEDs possuem maior ângulo de visualização ( 180 ), o que não ocorrem com os LCDs; Processo de fabricação dos OLEDs é mais simplificado, se comparado com os LEDs inorgânicos.

9 Comparação entre uma tela de LCD e uma tela de OLED

10

11 Como caracterizamos os OLEDs???

12 Fonte de Energia: Tensão vs. Corrente

13 Fonte de Energia: Tensão vs. Corrente

14 Fonte de Energia: Tensão vs. Corrente

15 Fonte de Energia: Tensão vs. Corrente Tensão de limiar

16 Fonte de Energia: Tensão vs. Corrente Espectrorradiômetro: Intensidade vs. Comprimento de Onda Tensão de limiar

17 Fonte de Energia: Tensão vs. Corrente Espectrorradiômetro: Intensidade vs. Comprimento de Onda Tensão de limiar Luminancímetro e colorímetro: Luminância

18 Processo de montagem de OLED em laboratório

19 Os OLEDs são produzidos pela sobreposição de camadas. Cada camada possui uma funcionalidade específica que é característica de cada material, portanto existe uma ordem lógica de montagem.

20 Base do dispositivos: Transparente

21 Eletrodo anodo: TCO Base do dispositivos: Transparente

22 Polímero semicondutor e transparente Eletrodo anodo: TCO Base do dispositivos: Transparente

23 Polímero emissor de luz Polímero semicondutor e transparente Eletrodo anodo: TCO Base do dispositivos: Transparente

24 Material orgânico semicondutor Polímero emissor de luz Polímero semicondutor e transparente Eletrodo anodo: TCO Base do dispositivos: Transparente

25 Eletrodo catodo: metal Material orgânico semicondutor Polímero emissor de luz Polímero semicondutor e transparente Eletrodo anodo: TCO Base do dispositivos: Transparente

26 Encapsulamento Eletrodo catodo: metal Material orgânico semicondutor Polímero emissor de luz Polímero semicondutor e transparente Eletrodo anodo: TCO Base do dispositivos: Transparente

27

28 Barreira: encapsulamento... Porque é realizado o encapsulamento do dispositivo???

29 Barreira: encapsulamento... Porque é realizado o encapsulamento do dispositivo??? OS MATERIAIS UTILIZADOS, PRINCIPALMENTE OS EMISSORES DE LUZ, POSSUEM VULNERABILIDADE AO ATAQUE QUÍMICO COM: ÁGUA (do ambiente); Oxigênio (do ambiente); UV do Ambiente. DEGRADAM e DIMINUEM O TEMPO DE VIDA DO DISPOSITIVO

30 Como fazemos para diminuir a exposição dos dispositivos à ÁGUA, OXIGÊNIO e UV (além do encapsulamento)???

31 Como fazemos para diminuir a exposição dos dispositivos à ÁGUA, OXIGÊNIO e UV (além do encapsulamento)??? RESPOSTA: montar os dispositivos em ambiente fechado e controlado. (Sem a presença de água, oxigênio e UV). SOLUÇÃO: CÂMARA GLOVE BOX

32 Polímero Emissor Comercial Polímero Emissor Desenvolvido no Laboratório 4,5 V a 18 V 1 ma a 70 ma < 100 cd/m 2

33 LED Branco - 5 mm 4,5 V a 15 V 1 ma a 70 ma < 100 cd/m 2 2,5 V 100 ma cd/m 2 LED Azul - 5 mm 2,5 V 50 ma cd/m 2 LED Verde - 5 mm 2 V 74 ma cd/m 2 LED Amarelo - 5 mm 1,7 V 22 ma cd/m 2 LED Vermelho - 5 mm 1,5 V 19 ma cd/m 2 Título: Máximo Desempenho e Degradação em LEDs

34 Triclorobenzeno Tetrahidrofurano Diclorometano Clorofórmio Emissor Diluído em Diferentes Solventes

35

36 https://www.lumiblade-shop.com/index.php/ A empresa uniu esforços com a Fundação CERTI, com o apoio do FUNTEC, para desenvolver um projeto de pesquisa, desenvolvimento e produção voltada aos mercados emergentes. O OLED revolucionará o conceito de fonte de iluminação, pois permite o uso de lâminas emissoras de luz no lugar de lâmpadas.

37 EQUIPE DO LABORATÓRIO DE ENGENHARIA DE MACROMOLÉCULAS Líder do Grupo: Profa. Dra. Wang Shu Hui Pós-doutorando: Dr. Emerson Roberto Santos Doutorando: Me. Fábio Conte Correia Me. Eduardo Cavalcante da Silva Me. Etunísia Eufrausino Shuler Mestrandos: Herick Garcia Takimoto Fernanda Barberato Satoru Yoshida Iniciação Científica: José Igor Balbino de Moraes Camila Bassetti de Oliveira Juliana Aparecida Vendrami

38 PRINCIPAIS COLABORADORES: Prof. Dr. Roberto Koji Onmori Profa. Dra. Marcia Akemi Yamasoe Cursos de: Materiais, Processos e Componentes Eletrônicos Eletrônica Industrial

39

40

41 LEDs Tecnologias LED LP (OLED /PLED) para Iluminação (SSL)

42 RESUMO Uma abordagem visando introduzir as tecnologias SSL; LEDs com base em material orgânico/ híbridos e inorgânico; A apresentação faz foco na eficiência energética e tópicos relevantes, dados coligidos da literatura; O cenário: uma provável transição em fontes de luz para iluminação, a fluorescente dando lugar a luz produzida por dispositivos de microeletrônica (Solid State Lighting SSL); e As fontes de luz artificial passarão a ser montadas com base em materiais da eletrônica em estado sólido e processos de microeletrônica (SSL). BURINI JUNIOR, E. C., SANTOS, E. R., Tecnologias LED LP (OLED /PLED) para Iluminação (SSL)

43 Estados Unidos da América Consumo anual de eletricidade (EUA) conforme setor e tipo de fonte de luz. Fonte: DOE, EUA, 2010 [6].

44 Introdução Transformação no mercado de lâmpadas fluorescentes convencionais (lineares) em função do diâmetro do bulbo (T12; T8 e T5). Fonte: 2011.

45 Introdução Fig.3 - Padrão de eficiência norte americano para lâmpadas fluorescentes convencionais. Fonte: 2011.

46 Introdução - terminologia definição de eletroluminescência (p.20, item , TB-23/1991 ou NBR 5461) Luminescência causada pela ação de uma campo elétrico sobre um gás ou um material sólido (... tal como num diodo emissor de luz). ( ) Diodo emissor de luz / Diodo LED (p.21, item , TB-23/1991 ou NBR 5461) Dispositivo de estado sólido que compreende uma junção PN, e que emite radiação óptica quando excitado por corrente elétrica.

47 Tabela periódica de elementos: grupos III e V.

48 A dimensão nanométrica:

49 Introdução - terminologia Ampliando/alargando o conceito de diodo emissor de luz (do inglês Light- Emitting Diode - LED) Diodo emissor de luz (LED) é um dispositivo semicondutor que emite luz incoerente num espectro estreito ( 30 nm)quando polarizado eletricamente no sentido denominado direto. Tal efeito é uma forma de eletroluminescência. A cor da luz emitida depende da composição química do material semicondutor utilizado no dispositivo. A seguir alguns materiais (siglas) e a cor típica predominante na emissão por LEDs. GaAs, AlGaAs - vermelha e IR; AlGaP - verde; AlGaInP (alto brilho) laranja-vermelho, laranja, amarela e verde; GaAsP - vermelha, laranja-vermelho, laranja e amarela; GaN - verde e azul; InGaN - UV próximo, verde-azulado e azul; AlN, AlGaN - UV próximo e distante.. 49

50 O primeiro LED, 1962

51 SSL: LEDs inorgânicos.

52 Diferentes formatos (arte prévia) e indicação de partes componentes de LED inorgânico (vista em corte). Fonte: YUAN, T. et al., Solid state lighting component (patente: US A1), 2012.

53 Outro formatos e aspectos construtivos de LED inorgânico.

54 Porque o Custo do LED é Elevado?

55 2 Transformando eletricidade em luz visível

56

57 Iluminação: como a luz branca costuma ser feita com LEDi A luz branca pode ser obtida a partir de composição adequada de fontes (ou cores ) primarias (sistema aditivo: R, G, B) ou fotoluminescência (luminescência causada pela absorção de radiação óptica, geralmente, azul ou UV). A fluorescência é outro tipo de luminescência, cuja emissão geralmente ocorre 10 nano segundos após a radiação de excitação.

58 O LED inorgânico: da pastilha a luminária montada. Fonte: Licht.vissen 17 (p.23), 2010.

59 Eficiência comparativa entre tecnologias e limite previsto. Fonte: Licht.vissen 17 (p.19), 2010.

60 Eficiência comparativa entre tecnologias e limite previsto. Limites da figura 3. Fonte: [11], 2010.

61 SSL e seus componentes. Fonte: 61

62 Detalhamento dos componentes de um SSL (a proteção contra surto não está indicada). Fonte: 62

63 3 Comparando tecnologias para luz elétrica

64 A partição do investimento norte-americano para as tecnologias SSL (os valores estão aproximados: 70% em LEDi). Fonte: DOE SSL R&D funding in 2011.

65 Tabela 2 Meta projetada para parâmetros selecionados, tecnologia emergente (SSL-LED) e convencional (incandescente e fluorescente) para iluminação. Fonte: [7]. Parâmetro / Tecnologia Eficiência luminosa (lm/w) SSL-LED 2002 SSL-LED 2007 SSL-LED 2012 SSL-LED 2020 Incandesc. Fluoresc Vida útil (kh) 20 >20 >100 > Fluxo luminoso (lm/lamp.) Potência nominal (W/lamp.) Custo do pacote de lumens ($/klm) Custo da lâmpada ($/lamp.) Índicie de reprodução de cor (IRC) Nicho de penetração nos mercados de iluminação ,000 1,500 1,200 3, ,7 6,7 7, <5 <2 0,4 1,5 5 4 <5 <3 0, >80 > Fluxo reduzido Incandescente Fluorescente todos

66 Definição de regiões em plano: fluxo luminoso e eficiência, amostras de fontes de luz (Caliper # 9) com diferentes tecnologias. Fontes: [14, 15].

67 4 - Barreiras

68 Autores e alguma inter-relação relativa a patentes nos EUA.

69 Autores e inter-relação WLED relativa a patentes nos EUA.

70 O estado da Arte (inclui indicação de partes componentes de LED inorgânico. Fonte: [10].

71 5 Usuários/consumidores

72 Informações aos usuários australianos sobre características de luminária SSL. Fonte: Austrália (ver acima).

73 Imagem de fonte de luz elétrica disponível comercialmente, base tipo E-27, e dimensões externas compatíveis co lâmpada incandescente convencional. Fonte:

74 O comportamento da potência elétrica nominal segundo amostras coletadas anualmente desde 2006 para produtos com LED inorgânico. Fonte: [13] DOE, EUA, Dez., 2012.

75 O comportamento do fluxo luminoso segundo amostras coletadas anualmente desde 2006 para produtos com LED inorgânico. Fonte: PNNL-AS-92469, CALiPER, DOE, EUA, Dez., 2012.

76 O comportamento da eficiêncide luz primária (lampada) segundo amostras coletadas anualmente desde 2006 para produtos com LED inorgânico. Fonte: PNNL-SA-92469, CALiPER, DOE, EUA, Dez., 2012.

77 O comportamento da eficiência segundo amostras coletadas anualmente desde 2006 para produtos com LED inorgânico. Fonte: PNNL-SA-92469, CALiPER, DOE, EUA, Dez., 2012.

78 O comportamento do IRC segundo amostras coletadas anualmente desde 2006 para produtos com LED inorgânico. Fonte: PNNL-AS-92469, CALiPER, DOE, EUA, Dez., 2012.

79 6 Vida útil:100 kh (sob qual temperatura?)

80 ariação da vida nominal (2005) em função da temperatura de funcionamento de LED inorgânico. Fonte: [16].

81 7 Custos para produzir luz

82 O progresso no desenvolvimento do LEDi, descrito por uma relação logarítmica (lei de Haitz): a emissão de luz de dispositivos LEDs praticamente dobraram a cada dois anos, enquanto o custo caiu pela metade. Fonte: [8]. 82

83 Comparação de custos: equipamento tipo spot LED e incandescente a halogênio. Fonte: [11], 2010.

84 Comparação de custos: equipamento tipo LED e fluorescente. Fonte: [11], 2010.

85 Custo de capital e funcionamento, em US$/Mlm.h para algumas tecnologias de fonte de luz primária (incandescente, fluorescente, HID e SSL/ano). Fonte: [7].

86 Tabela 3 Comparativo de tecnologias para iluminação (luz branca). Fonte: [9].

87 Programas nacionais, metas e informações para a tecnologia SSL / LEDs. Fonte: LIU, Y S, 2004 (http://www.phys.nthu.edu.tw/~colloquium/930512_physics_abb.pdf).

88 Referências Bibliográficas [1] ABNT TB-23/1991 (NBR 5461) Iluminação terminologia. p.20, item , [2] ABNT TB-23/1991 (NBR 5461) Iluminação terminologia. p.21, item , [3] HELD, G Introduction to Light Emitting Diode Technology and applications. 192p., TAYLOR & FRANCIS LTD, Print ISBN: (www.auerbach-publications.com), [4] TANG, C. W. and S. A. Vanslyke, Appl. Phys. Lett. 51, 913 (1987). [5] SHUR, M. S.; Gaska, R. (2011) Deep-Ultraviolet Light-Emitting Diodes. IEEE Transactions on Electron Devices, v.57, n.1, p.12-25, [6] 2010 US Lighting Market Characterization Report. Solid-State Lighting Program, Building Technologies Program, Office of Energy Efficiency and Renewable Energy, U.S. Department of Energy DOE, p.xiii, Fig. ES-1, Jan., [7] TSAO, J Y Light Emitting Diodes (LEDs) for General Illumination. AN OIDA TECHNOLOGY ROADMAP UPDATE 2002, p.5, Tab.1, Oct., [8] Nanoworld Slide Show Library, Light Emitting Diodes (NSTA Minneapolis), University of Wisconsin- Madison. Material (Slide) disponível em: [9] HSIEH, C-C Analysis of LED Technologies for Solid State Lighting Markets. Technical Report No. UCB/EECS , Electrical Engineering and Computer Sciences, University of California at Berkeley, June 2, [10] YUAN, T. et al., Solid state lighting component (patente: US A1), [11] Licht.vissen 17- LED The light of the Future, 58p., 2010 (www.all-about-light.de), [12] OHNO, Y Color Rendering and Luminous Efficacy of White LED Spectra. Fourth International Conference on Solid State Lighting, Proc. of SPIE Vol. 5530, p.89, SPIE, Bellingham, WA, doi: / [13] PNNL-AS-92469, CALiPER year in review, 3p., DOE, EUA, Dez., [14] DOE Solid-State Lighting CALiPER Program. Summary of Results: Round 9 of Product Testing, 32p., US Department of Energy, Out., 2009.

89 BURINI JUNIOR, E. C., SANTOS, E. R., Tecnologias LED LP (OLED /PLED) para Iluminação (SSL) Referências Bibliográficas [15] TYAN, Y-S (2011) Organic light-emitting-diode lighting overview. Journal of Photonics for Energy, v.1, n.1, p , Fig.2, Special Section on Organic Light-Emitting Materials and Devices, (doi: / ), [16] ALLEN, D. Solid state lighting component (patente: US 2006/ A1), 31 jan [17] Energy Conservation Standards and Test Procedures for General Service Fluorescent Lamps and Incandescent Reflector Lamps Energy, (Final rule), Office of Energy Efficiency and Renewable Energy, U.S. Department of Energy, Federal Register, v.74, n.133, July 14, <http://www.gpo.gov/fdsys/pkg/fr /pdf/e pdf>. [18] SSL R&D: Manufacturing Roadmap, p.19, Fig.1-3, DOE, USA, Ago., [19] CALiPER Application Summary Report 19: LED Linear Pendants, DOE, EUA, Out., Endereço: Universidade de São Paulo, Instituto de Energia e Ambiente, Av. Prof. Luciano Gualberto, n. 1289, CEP: , Cidade Universitária São Paulo SP, Brasil Tel.: +55 (11) e Fax: +55 (11)

90 Perguntas?

91 AGRADECIMENTOS Ao Dr. Emerson Roberto Santos, parceiro em atividades na USP, pela gentileza do convite para participar dessa apresentação na ABINEE, Ao Prof. Adnei Melges de Andrade pelo convite que permitiu nossa entrada para explorar a eletrônica denominada orgânica. Os autores deste trabalho agradecem a: ABINEE, ao apoio da CAPES (n.23/09) e as pessoas da assistência.

92

ILUMINAÇÃO NO BRASIL: TECNOLOGIAS, CENÁRIOS, INFRA-ESTRUTURA

ILUMINAÇÃO NO BRASIL: TECNOLOGIAS, CENÁRIOS, INFRA-ESTRUTURA ILUMINAÇÃO NO BRASIL: TECNOLOGIAS, CENÁRIOS, INFRA-ESTRUTURA Elvo Calixto Burini Junior Emerson Roberto Santos São Paulo, 10/Jun./2013, 12h40 min. 1 Área Total: 49.092 m 2 67 %: Área Verde, 32.874 m 2

Leia mais

LED - ILUMINAÇÃO DE ESTADO SÓLIDO

LED - ILUMINAÇÃO DE ESTADO SÓLIDO LED - ILUMINAÇÃO DE ESTADO SÓLIDO Marcelle Gusmão Rangel, Paula Barsaglini Silva, José Ricardo Abalde Guede FEAU/UNIVAP, Avenida Shisima Hifumi 2911, São José dos Campos - SP marcellerangel@gmail.com,

Leia mais

Uso da Tecnologia de Estado Sólido (LEDs) na Iluminação Pública. Autor: João Gabriel Pereira de Almeida Rio de Janeiro 24 de maio de 2005

Uso da Tecnologia de Estado Sólido (LEDs) na Iluminação Pública. Autor: João Gabriel Pereira de Almeida Rio de Janeiro 24 de maio de 2005 Uso da Tecnologia de Estado Sólido (LEDs) Autor: João Gabriel Pereira de Almeida Rio de Janeiro 24 de maio de 2005 O que é o LED (light emitting diode)*? Diodo semicondutor: dispositivo eletrônico que

Leia mais

O futuro da iluminação.

O futuro da iluminação. www.osram.com.br O futuro da iluminação. PORTFÓLIO COMPLETO! LampLEDs para iluminação geral e iluminação de efeito. www.osram.com.br O futuro da iluminação. Para a OSRAM, especialista em iluminação, os

Leia mais

DIODO SEMICONDUTOR. íon negativo. elétron livre. buraco livre. região de depleção. tipo p. diodo

DIODO SEMICONDUTOR. íon negativo. elétron livre. buraco livre. região de depleção. tipo p. diodo DIODO SEMICONDUOR INRODUÇÃO Materiais semicondutores são a base de todos os dispositivos eletrônicos. Um semicondutor pode ter sua condutividade controlada por meio da adição de átomos de outros materiais,

Leia mais

Investigação e Desenvolvimento

Investigação e Desenvolvimento Investigação e Desenvolvimento Título: Lâmpadas LED vs Lâmpadas Normais. Caso de estudo (trabalho de investigação realizado no âmbito da disciplina de proteção ambiental) Autor: SAj António Coelho (Curso

Leia mais

FONTE DE RADIAÇÃO ÓPTICA (SSL-LEDi): REQUISITOS E AMOSTRAGENS

FONTE DE RADIAÇÃO ÓPTICA (SSL-LEDi): REQUISITOS E AMOSTRAGENS FONTE DE RADIAÇÃO ÓPTICA (SSL-LEDi): REQUISITOS E AMOSTRAGENS 3 de junho de 2015, quarta-feira, das 12h20 às 12h40 Elvo Calixto Burini Junior 1 IEE-USP (antigo Instituto de Eletrotécnica e Energia)

Leia mais

ENSAIOS DE EQUIPAMENTOS DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA. Juliana Iwashita

ENSAIOS DE EQUIPAMENTOS DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA. Juliana Iwashita ENSAIOS DE EQUIPAMENTOS DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA Juliana Iwashita 1 PROJETOS E CONSULTORIAS A EXPER desenvolve projetos e consultorias especializadas nas seguintes áreas: Certificações de produtos de iluminação

Leia mais

Avaliação da conformidade para luminárias LED para IP e lâmpadas LED. Alexandre Paes Leme - Inmetro São Paulo 22/07/2014

Avaliação da conformidade para luminárias LED para IP e lâmpadas LED. Alexandre Paes Leme - Inmetro São Paulo 22/07/2014 Avaliação da conformidade para luminárias LED para IP e lâmpadas LED Alexandre Paes Leme - Inmetro São Paulo 22/07/2014 Breve histórico Requisitos mínimos para luminárias LED Requisitos mínimos de segurança

Leia mais

Aplicação de Leds e fotometria

Aplicação de Leds e fotometria 40 Capítulo VII Aplicação de Leds e fotometria Por José Gil Oliveira* A iluminação artificial tem sido objeto de evolução tecnológica ao longo dos anos. Atualmente, em face da necessidade do aumento da

Leia mais

Avaliação da conformidade para luminárias LED para IP e lâmpadas LED Alexandre Paes Leme - Inmetro São Paulo 10/09/2014

Avaliação da conformidade para luminárias LED para IP e lâmpadas LED Alexandre Paes Leme - Inmetro São Paulo 10/09/2014 Avaliação da conformidade para luminárias LED para IP e lâmpadas LED Alexandre Paes Leme - Inmetro São Paulo 10/09/2014 Requisitos mínimos para luminárias LED Requisitos mínimos de segurança para a luminária

Leia mais

Estudo da Estrutura do White Light Emitting Diode White LED

Estudo da Estrutura do White Light Emitting Diode White LED Estudo da Estrutura do White Light Emitting Diode White LED Laura Martinez de Novoa, Prof.Dr. Jorge Tomioka Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Federal do ABC Avenida

Leia mais

PEA - Eletrotécnica Geral 1 LÂMPADAS ELÉTRICAS ( FONTES LUMINOSAS )

PEA - Eletrotécnica Geral 1 LÂMPADAS ELÉTRICAS ( FONTES LUMINOSAS ) PEA - Eletrotécnica Geral 1 LÂMPADAS ELÉTRICAS ( FONTES LUMINOSAS ) PEA - Eletrotécnica Geral 2 - OBJETIVOS: 1) CONCEITOS BÁSICOS DE FOTOMETRIA E DA AÇÃO DA LUZ SOBRE O OLHO 2) TIPOS DE LÂMPADAS 2.1) LÂMPADAS

Leia mais

GE Iluminação. imagination at work

GE Iluminação. imagination at work GE Iluminação imagination at work A escolha entre os vários tipos de iluminação, tanto para os ambientes domésticos como para os ambientes de trabalho, deve ser orientada por critérios rigorosos. Sabe-se

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Tecnologias e Sistemas de Informação Tecnologias de computadores Trabalho realizado por: Carlos Aguilar nº 27886 Miguel Xavier nº 26705 Bruno Esteves nº 26975 ECRÃS Introdução Servem basicamente para mostrar

Leia mais

Nota Técnica referente à eficiência luminosa de produtos LED encontrados no mercado brasileiro

Nota Técnica referente à eficiência luminosa de produtos LED encontrados no mercado brasileiro Nota Técnica referente à eficiência luminosa de produtos LED encontrados no mercado brasileiro João Lorenço Novaes Pessoa Enedir Ghisi Florianópolis, dezembro de 2013 RESUMO EXECUTIVO A demanda por energia

Leia mais

Eletrônica (Dispositivos optoeletrônicos-introdução) Prof. Manoel Eusebio de Lima

Eletrônica (Dispositivos optoeletrônicos-introdução) Prof. Manoel Eusebio de Lima Eletrônica (Dispositivos optoeletrônicos-introdução) Prof. Manoel Eusebio de Lima Dispositivos optoeletrônicos A optoeletrônica é a tecnologia que combina a ótica com a eletrônica. Exemplos de dispositivos

Leia mais

Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante

Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante Conteúdo do Curso Introdução. Conceito de Eficiência Energética. Conceitos de Iluminação. Luminotécnica. Avaliação financeira

Leia mais

TOPLEDS Lighting Solutions 1

TOPLEDS Lighting Solutions 1 TOPLEDS Lighting Solutions 1 INOVAÇÃO SUSTENTABILIDADE ECONOMIA LED, sigla em inglês de Diodo Emissor de Luz, é um semicondutor com vida útil extremamente longa, montado em um chip de silício que recebe

Leia mais

TEMPERATURA DE COR - K (Kelvin)

TEMPERATURA DE COR - K (Kelvin) Capítulo 3 - Grandezas Luminotécnicas e Elétricas 3.1 - Grandezas Luminotécnicas Temperatura de Cor TEMPERATURA DE COR - K (Kelvin) 5800 K - luz branca natural Sol em céu aberto ao meio-dia 2000K 2700K

Leia mais

Iluminação de estado sólido, economia potencial de energia elétrica para o país

Iluminação de estado sólido, economia potencial de energia elétrica para o país VIII WORKSHOP DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DO CENTRO PAULA SOUZA São Paulo, 9 e 10 de outubro de 2013 Sistemas produtivos: da inovação à sustentabilidade ISSN: 2175-1897 Iluminação de estado sólido, economia

Leia mais

GE Iluminação. Lâmpadas Eletrônicas. Integradas e Não Integradas. imagination at work

GE Iluminação. Lâmpadas Eletrônicas. Integradas e Não Integradas. imagination at work GE Iluminação Lâmpadas Eletrônicas Integradas e Não Integradas imagination at work Economiza até % de energia* s e s Utilize as lâmpadas da GE para decorar seus ambientes. As lâmpadas Fluorescentes Compactas

Leia mais

Pedro Barquinha. e-mail: pmcb@fct.unl.pt

Pedro Barquinha. e-mail: pmcb@fct.unl.pt Óxidos(semi) (semi)condutores: uma(r) (r)evoluçãonaelectrónica Pedro Barquinha Departamentode Ciênciados Materiais, CENIMAT/I3N, Faculdadede Ciênciase TecnologiadaUniversidadeNova de Lisboa, Campus de

Leia mais

Soluções de iluminação LED

Soluções de iluminação LED Soluções de iluminação LED SOLUÇÕES DE ILUMINAÇÃO LED 2 LED SOLUTIONS 3 anos Benefícios das lâmpadas : O que a oferece a você: Economia de energia de até 85% comparando-se com as lâmpadas incandescentes

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Catálogo 2015 2016 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Há muitas formas de perceber uma oportunidade. Muitas tentativas de encontrar a decisão certa para reduzir custos e tornar seu negócio mais lucrativo. Estar preparado

Leia mais

de Ambientes Automação

de Ambientes Automação Automação de Ambientes Este documento solução é de propriedade da ARTIERE e fica expressamente proibida a reprodução e/ou divulgação, sem a permissão por escrito da Artiere Comercial Ltda. Todos os direitos

Leia mais

HIGIENE DO TRABALHO LUMINOTÉCNICA

HIGIENE DO TRABALHO LUMINOTÉCNICA HIGIENE DO TRABALHO LUMINOTÉCNICA ÍNDICE I A iluminação no trabalho I.1 A aplicação norma regulamentadora NR 17 do Ministério do Trabalho I.2 Iluminação de Interiores NBR 5413 da ABNT I.3 Como selecionar

Leia mais

Semáforo inovador: lente especial distribui e emite efeito luminoso dos LEDs

Semáforo inovador: lente especial distribui e emite efeito luminoso dos LEDs Semáforo inovador: lente especial distribui e emite efeito luminoso dos LEDs > TECNOLOGIA ÓPTICA A revolução dos LEDs Pesquisadores de São Carlos desenvolvem equipamentos com diodos emissores de luz YURI

Leia mais

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA Prof. Arq. Minéia Johann Scherer LÂMPADAS A VAPOR DE MERCÚRIO São lâmpadas de descarga à alta pressão. Há no interior da lâmpada um tubo de descarga de quartzo que suporta altas

Leia mais

Reatores Eletrônicos para LEDs de Potência

Reatores Eletrônicos para LEDs de Potência Universidade Federal do Ceará PET Engenharia Elétrica Fortaleza CE, Brasil, Abril, 2013 Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica PET Engenharia Elétrica UFC Reatores Eletrônicos

Leia mais

FLUORESCENTES INCANDESCENTES HALÓGENAS HID

FLUORESCENTES INCANDESCENTES HALÓGENAS HID FLUORESCENTES INCANDESCENTES HALÓGENAS HID INDICE FLUORESCENTES COMPACTAS..................................................7 Espirais T2 Espirais alta potência Retas 2U e 3U Retas de alta potência Espirais

Leia mais

Lâmpadas LED GE energy smart

Lâmpadas LED GE energy smart GE Iluminação Lâmpadas imagination at work a iluminação se faz digital Principais aplicações Aplicações de iluminação dirigida e acentuada, em uso doméstico e comercial (hotéis, comércios, etc). ILUMINAÇÃO

Leia mais

Circuitos Lógicos. Aulas Práticas

Circuitos Lógicos. Aulas Práticas Circuitos Lógicos Aulas Práticas A Protoboard A Protoboard A Protoboard é um equipamento que permite interconectar dispositivos eletrônicos tais como resistores, diodos, transistores, circuitos integrados

Leia mais

FONTES DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA

FONTES DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA FONTES DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA Lâmpadas de vapor de sódio de alta pressão Características e ensaios Elaboração: DTI Homologação: conforme despacho do CA de 2011-11-23 Edição: 3ª. Substitui a edição de JUL

Leia mais

EPUSP PCS 2011/2305/2355 Laboratório Digital. Displays

EPUSP PCS 2011/2305/2355 Laboratório Digital. Displays Displays Versão 2015 1. Displays em Circuitos Digitais É inegável a importância de displays, pois são muito utilizados nos mais variados equipamentos de todas as áreas, como por exemplo, de instrumentação

Leia mais

Fontes Artificiais de Luz: Características e Novas Tecnologias

Fontes Artificiais de Luz: Características e Novas Tecnologias 1 Encontro Nacional de Iluminação de Monumentos e Conjuntos Urbanos Protegidos Fonte Schréder Mercado Municipal de São Paulo Projeto: Franco & Fortes Lighting Design Senzi Consultoria Luminotécnica Fontes

Leia mais

Iluminação para Galpões

Iluminação para Galpões Iluminação para Galpões Low Bay 50 Watts Luminária Industrial para pé direito até 4 mts. Iluminação com leds de alta potencia para galpões Luminária Hi-Bay 120 Watts Luminária Industrial para pé direito

Leia mais

Centro Universitário Padre Anchieta

Centro Universitário Padre Anchieta Absorbância Centro Universitário Padre Anchieta 1) O berílio(ii) forma um complexo com a acetilacetona (166,2 g/mol). Calcular a absortividade molar do complexo, dado que uma solução 1,34 ppm apresenta

Leia mais

Projetos de iluminação residencial

Projetos de iluminação residencial a r t i g o Projetos de iluminação residencial Por Marcela de Carvalho Fontes Como torná-los energeticamente eficientes Desde os tempos mais primórdios, o homem busca a luz como fonte de sobrevivência,

Leia mais

fig. 1 - símbolo básico do diodo

fig. 1 - símbolo básico do diodo DIODOS São componentes que permitem a passagem da corrente elétrica em apenas um sentido. Produzidos à partir de semicondutores, materiais criados em laboratórios uma vez que não existem na natureza, que

Leia mais

LED SMD 3528 TIPO PLCC STD ALTO BRILHO BRANCO FRIO

LED SMD 3528 TIPO PLCC STD ALTO BRILHO BRANCO FRIO LED SMD 3528 TIPO PLCC STD ALTO BRILHO BRANCO FRIO Destaques: - Alta intensidade luminosa e alta eficiência; - Tecnologia InGaN on GaN; AlInGaP; - Largo campo de visualização: 120º; - Excelente performance

Leia mais

Lâmpadas Fluorescentes Compactas LEDS Luminárias de Emergência LED Extensões Elétricas e Plugues Adaptadores Escadas Telescópicas

Lâmpadas Fluorescentes Compactas LEDS Luminárias de Emergência LED Extensões Elétricas e Plugues Adaptadores Escadas Telescópicas Catálogo 2015/2016 Produtos Lâmpadas Fluorescentes Compactas LEDS Luminárias de Emergência LED Extensões Elétricas e Plugues Adaptadores Escadas Telescópicas NOSSA EMPRESA A Artek Industrial da Amazônia,

Leia mais

DOSSIÊ TÉCNICO. LEDs e Módulos de LED. Indexadores: LED; Módulo; Módulo de LED

DOSSIÊ TÉCNICO. LEDs e Módulos de LED. Indexadores: LED; Módulo; Módulo de LED DOSSIÊ TÉCNICO LEDs e Módulos de LED Indexadores: LED; Módulo; Módulo de LED São Paulo, 20 de Agosto de 2015 1. RESULTADO FORNECIDO 1.1. Pesquisa e/ou levantamentos para indicação de Normas ABNT NBR 16205-1:2013

Leia mais

Tecnologia em Sinalização

Tecnologia em Sinalização es s Tecnologia em Sinalização Entendendo o que é um Uma pequena lâmpada, um grande impacto. Um (Light Emitting Diode), algo como diodo emissor de luz, é uma fonte de luz eletrônica. A maioria das pessoas

Leia mais

Monitores. Tecnologias de Computadores. Trabalho realizado por: Universidade da Beira Interior. Prof.Pedro Araújo. -Diogo Fernandes nº27097

Monitores. Tecnologias de Computadores. Trabalho realizado por: Universidade da Beira Interior. Prof.Pedro Araújo. -Diogo Fernandes nº27097 Monitores Universidade da Beira Interior Tecnologias de Computadores Prof.Pedro Araújo Trabalho realizado por: -Diogo Fernandes nº27097 -Gonçalo Paiva nº26743 -Tiago Silva nº27144 Introdução Com o aparecimento

Leia mais

Eletrônica Orgânica. João Pedro Scarton Weber

Eletrônica Orgânica. João Pedro Scarton Weber 2 Tópicos Motivação Contexto tecnológico Eletrônica Orgânica Semicondutores Dispositivos Aplicações Perspectiva de futuro 3 Motivação Por quê eletrônica orgânica? Perspectiva de crescimento Interesse pessoal

Leia mais

Lâmpadas MASTER LED. Veja do que a luz é capaz

Lâmpadas MASTER LED. Veja do que a luz é capaz Lâmpadas MASTER LED SPOT - Serviço Philips de Orientação Técnica Fone: 0800 979 19 25 E-mail: luz.spot@philips.com www.philips.com/masterled Veja do que a luz é capaz Especifi cações e informações técnicas

Leia mais

ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL FONTES DE LUZ

ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL FONTES DE LUZ ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL FONTES DE LUZ INCANDESCENTES HALÓGENAS FLUORESCENTES DESCARGA EM ALTA PRESSÃO LEDS E OLEDS INCANDESCENTES HALÓGENAS FLUORESCENTES DESCARGA EM ALTA PRESSÃO MÓDULOS LED DAS MAIS ANTIGAS

Leia mais

Eletrônicos. Convencionais. Manual do do Reator. Partida rápida. Fabricamos produtos com certificação: Descarga OCP 0018.

Eletrônicos. Convencionais. Manual do do Reator. Partida rápida. Fabricamos produtos com certificação: Descarga OCP 0018. Eletrônicos Convencionais Manual do do Partida rápida Fabricamos produtos com certificação: Descarga es BV OCP 0018 Índice Eletrônico de Descarga Índice PIS FPN 10 PIS AFP 10 PIS DICRÓICA 11 PID FPN 11

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO USO FINAL DA ILUMINAÇÃO Elvo Calixto Burini Junior Instituto de Eletrotécnica e Energia da Universidade de São Paulo, 05508 010, Cidade Universitária, São Paulo, SP, Brasil e mail:

Leia mais

MAF 1292. Eletricidade e Eletrônica

MAF 1292. Eletricidade e Eletrônica PONTIFÍCIA UNIERIDADE CATÓICA DE GOIÁ DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍICA Professor: Renato Medeiros MAF 1292 Eletricidade e Eletrônica NOTA DE AUA II Goiânia 2014 Diodos Retificadores Aqui trataremos dos

Leia mais

Viabilizando a troca

Viabilizando a troca LEDs versus Lâmpadas Convencionais Viabilizando a troca Francis Bergmann Bley francis@bley.com.br Pós-graduação em Iluminação e Design de Interiores Resumo O presente artigo tem como principal objetivo

Leia mais

CECOMTUR EXECUTIVE HOTEL Florianopolis - SC

CECOMTUR EXECUTIVE HOTEL Florianopolis - SC CECOMTUR EXECUTIVE HOTEL Florianopolis - SC Projeto 130117 CECOMTUR EXECUTIVE HOTEL Florianopolis - SC Projeto 130117 Cenario Atual tipo de iluminaçao consumo unitario quantidade consumo Kw/h Tubo fluorescente

Leia mais

Iluminação comercial. Os LEDs são viáveis, hoje, nestes projetos? a r t i g o. Por Rosana Kozlakowski

Iluminação comercial. Os LEDs são viáveis, hoje, nestes projetos? a r t i g o. Por Rosana Kozlakowski a r t i g o Iluminação comercial Por Rosana Kozlakowski Os LEDs são viáveis, hoje, nestes projetos? Exemplo de iluminação comercial com LEDs Restaurante Flinstering / Breda - Holanda Lighting Design: Wibeke

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS ILUMINAÇÃO EM LED: TENDÊNCIA MUNDIAL. A utilização da iluminação em LED, além de oferecer produtos com maior durabilidade e segurança, minimizam o custo e o consumo de energia elétrica,

Leia mais

Desenvolvimento de um sistema sustentável, utilizando uma Luminária a Base de LEDs

Desenvolvimento de um sistema sustentável, utilizando uma Luminária a Base de LEDs 1 Desenvolvimento de um sistema sustentável, utilizando uma Luminária a Base de LEDs N. S. H. Diego, Graduando em Engenharia Elétrica, IFBA, J.A. Diaz-Amado, Membro estudante, IEEE, Ms. Engenharia Elétrica,

Leia mais

Tecnologia dos diodos orgânicos emissores de luz: uma visão físico-ambiental

Tecnologia dos diodos orgânicos emissores de luz: uma visão físico-ambiental Artigo de revisão de literatura Tecnologia dos diodos orgânicos emissores de luz: uma visão físico-ambiental Willians Lopes Almeida 1, Vinícius Batista Campos 2 e Raimundo de Moura Rolim Neto 3 1 Graduação

Leia mais

CATÁLOGO DE ILUMINAÇÃO LED REPRESENTANTES DA MARCA

CATÁLOGO DE ILUMINAÇÃO LED REPRESENTANTES DA MARCA CATÁLOGO DE ILUMINAÇÃO LED REPRESENTANTES DA MARCA SOBRE A SLOANLED o parceiro ideal SloanLED foi fundada em 1957 nos EUA, com a missão de projetar e desenvolver produtos de iluminação para as indústrias

Leia mais

PROJETO E IMPLEMENTAÇÃO DE LÂMPADAS PARA ILUMINAÇÃO DE INTERIORES EMPREGANDO DIODOS EMISSORES DE LUZ (LEDS)

PROJETO E IMPLEMENTAÇÃO DE LÂMPADAS PARA ILUMINAÇÃO DE INTERIORES EMPREGANDO DIODOS EMISSORES DE LUZ (LEDS) 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA PROJETO E IMPLEMENTAÇÃO DE LÂMPADAS PARA ILUMINAÇÃO DE INTERIORES EMPREGANDO DIODOS EMISSORES

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DE SISTEMAS DE ILUMINAÇÃO - VIABILIDADE ECONÔMICA DA APLICAÇÃO DE LED

ANÁLISE COMPARATIVA DE SISTEMAS DE ILUMINAÇÃO - VIABILIDADE ECONÔMICA DA APLICAÇÃO DE LED ANÁLISE COMPARATIVA DE SISTEMAS DE ILUMINAÇÃO - VIABILIDADE ECONÔMICA DA APLICAÇÃO DE LED Nadya Kalache (UFMS ) nadyakalache@gmail.com Saulo Gomes Moreira (UFMS ) saulo.moreira@ufms.br RENATA MILANI ARAUJO

Leia mais

LED: UMA NOVA LUZ PARA A AVICULTURA MODERNA

LED: UMA NOVA LUZ PARA A AVICULTURA MODERNA 1 LED: UMA NOVA LUZ PARA A AVICULTURA MODERNA Iluminação de ambientes A tecnologia para a iluminação de ambientes tem apresentado grandes avanços nos últimos anos. Aos poucos, as tradicionais lâmpadas

Leia mais

INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SOLVENTES UTILIZADOS NA DEPOSIÇÃO DE FILME DE POLI(9-VINILCARBAZOL) EM DISPOSITIVOS OLEDS

INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SOLVENTES UTILIZADOS NA DEPOSIÇÃO DE FILME DE POLI(9-VINILCARBAZOL) EM DISPOSITIVOS OLEDS Quim. Nova, Vol. 37, No. 1, 1-5, 2014 INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SOLVENTES UTILIZADOS NA DEPOSIÇÃO DE FILME DE POLI(9-VINILCARBAZOL) EM DISPOSITIVOS OLEDS Emerson Roberto Santos*,a, Shu Hui Wang a, Fabio

Leia mais

Estratégia de Desenvolvimento da Nanoeletrônica (Eletrônica do Futuro)

Estratégia de Desenvolvimento da Nanoeletrônica (Eletrônica do Futuro) ESTUDOS E PESQUISAS Nº 597 Estratégia de Desenvolvimento da Nanoeletrônica (Eletrônica do Futuro) Roberto Faria e Marco Cremona * XXVII Fórum Nacional A Hora e Vez do Brasil: (Povo Brasileiro) Diante da

Leia mais

UMA AVALIAÇÃO DA TECNOLOGIA LED NA ILUMINAÇÃO PÚBLICA. Leonardo Barbosa Lopes

UMA AVALIAÇÃO DA TECNOLOGIA LED NA ILUMINAÇÃO PÚBLICA. Leonardo Barbosa Lopes UMA AVALIAÇÃO DA TECNOLOGIA LED NA ILUMINAÇÃO PÚBLICA Leonardo Barbosa Lopes Projeto de Graduação apresentado ao Curso de Engenharia Elétrica da Escola Politécnica, da Universidade Federal do Rio de Janeiro,

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS E ECONÔMICOS COM O USO DE ILUMINAÇÃO DO ESTADO SÓLIDO APLICADOS AO SETOR RESIDENCIAL

IMPACTOS AMBIENTAIS E ECONÔMICOS COM O USO DE ILUMINAÇÃO DO ESTADO SÓLIDO APLICADOS AO SETOR RESIDENCIAL IMPACTOS AMBIENTAIS E ECONÔMICOS COM O USO DE ILUMINAÇÃO DO ESTADO SÓLIDO APLICADOS AO SETOR RESIDENCIAL André Rosa Ferreira (ufabc ) arf.ferreira@gmail.com Jorge Tomioka (ufabc ) jorge.tomioka@ufabc.edu.br

Leia mais

ILUMINADOR A LED PARA SEMÁFORO DE PEDESTRE COM CONTADOR REGRESSIVO. Sumário

ILUMINADOR A LED PARA SEMÁFORO DE PEDESTRE COM CONTADOR REGRESSIVO. Sumário Código: Un pç ILUMINADOR A LED PARA SEMÁFORO DE PEDESTRE COM CONTADOR REGRESSIVO 1 Objetivo 2 Referências Normativas 3 Definições 4 Requisitos Gerais 5 Requisitos Específicos 6 Funcionamento 7 Características

Leia mais

Luminárias a Led na iluminação pública: características técnicas e viabilidade econômica

Luminárias a Led na iluminação pública: características técnicas e viabilidade econômica 40 Capítulo V Luminárias a Led na iluminação pública: características técnicas e viabilidade econômica Por Roberto Sales* As luminárias a Led para iluminação pública (IP) já estão em uso em muitas cidades

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA INTERMINISTERIAL N o 1.007, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2010. OS MINISTROS DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA E DO DESENVOLVIMENTO,

Leia mais

Manual de Luminotécnica

Manual de Luminotécnica Apostila auxiliar da disciplina ENE-065 para o curso de Engenharia Elétrica da UFJF Manual de Luminotécnica Prof. Rodrigo Arruda Felício Ferreira 2010 Sumário Grandezas e conceitos... 1 Tipos e características

Leia mais

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm.

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm. A Visão é o sentido predileto do ser humano. É tão natural que não percebemos a sua complexidade. Os olhos transmitem imagens deformadas e incompletas do mundo exterior que o córtex filtra e o cérebro

Leia mais

Portaria nº 144, de 13 de março de 2015.

Portaria nº 144, de 13 de março de 2015. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria nº 144, de 13 de março de 2015. O PRESIDENTE

Leia mais

Introdução 5. Noções básicas 6. Processo de fabricação 7. Exemplo de fabricação de um FET 12

Introdução 5. Noções básicas 6. Processo de fabricação 7. Exemplo de fabricação de um FET 12 Sumário Introdução 5 Noções básicas 6 Processo de fabricação 7 Exemplo de fabricação de um FET 12 Encapsulamento 15 Confiabilidade de circuitos integrados 17 Cuidados de montagem 17 Apêndice 18 Questionário

Leia mais

Iluminação Energeticamente Eficiente. Jorge Lourenço Philips Ligthing - Gab. Eficiência Energética Setembro 29, 2008

Iluminação Energeticamente Eficiente. Jorge Lourenço Philips Ligthing - Gab. Eficiência Energética Setembro 29, 2008 Iluminação Energeticamente Eficiente Jorge Lourenço Philips Ligthing - Gab. Eficiência Energética Setembro 29, 2008 AGENDA 1. INTRODUÇÃO 2. LAMPADAS E ACESSÓRIOS ELÉCTRICOS 3. LUMINÁRIAS E SISTEMAS DE

Leia mais

Vejamos alguns dados técnicos É imprescindível a necessidade de adaptação com alguns termos e abreviaturas normalmente usadas.

Vejamos alguns dados técnicos É imprescindível a necessidade de adaptação com alguns termos e abreviaturas normalmente usadas. D IODO LED E D ISPLAY DE SETE SEGMENTOS O Diodo LED, é um diodo com uma finalidade especifica, emitir Luz. Os LEDs assim como os diodos retificadores possuem dois terminais, que são ânodo (A) e cátodo

Leia mais

J. Marcos Alonso Universidad de Oviedo, Espanha. Campus de Viesques, Edificio 3, Sala 3.2.20 33204 Gijón, Asturias Email: marcos@uniovi.

J. Marcos Alonso Universidad de Oviedo, Espanha. Campus de Viesques, Edificio 3, Sala 3.2.20 33204 Gijón, Asturias Email: marcos@uniovi. J. Marcos Alonso Universidad de Oviedo, Espanha Campus de Viesques, Edificio 3, Sala 3.2.20 33204 Gijón, Asturias Email: marcos@uniovi.es Introdução Revisão Tecnologia LED: Características Problemas Térmicos

Leia mais

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS...3 5. SIGLAS E DEFINIÇÕES...4

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS...3 5. SIGLAS E DEFINIÇÕES...4 INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA DISPOSITIVO INTEGRADO A BASE Página 1 de 20 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS...3 5. SIGLAS E DEFINIÇÕES...4 6. QUALIFICAÇÃO

Leia mais

Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos

Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos Lâmpadas são fontes elementares de luz elétrica. Podemos proteger, refletir, refratar,filtrar, dimerizar, ou simplesmente expor as

Leia mais

Energia Fóton elétron volt (ev)

Energia Fóton elétron volt (ev) (1) Slide 1 Espectro eletromagnético O Espectro Eletromagnético Freqüência Hertz (Hz) Comprimento de Onda metros (m) Energia Fóton elétron volt (ev) Energia Fóton Joule (J) Raios gama Raios X Ultravioleta

Leia mais

Manual de funcionamento

Manual de funcionamento INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA DE ELECTRÓNICA E TELECOMUNICAÇÕES E DE COMPUTADORES Manual de funcionamento Setembro de 2012 Índice Índice Capítulo 1 - Medição

Leia mais

SEMICONDUTORES. Concentração de portadores de carga:

SEMICONDUTORES. Concentração de portadores de carga: Unidade 3 SEMICONDUTORES E g ~ 1 ev E F E = 0 Elétron pode saltar da banda de valência para a banda de condução por simples agitação térmica Concentração de portadores de carga: Para metais: elétrons de

Leia mais

Capacidade do controle remoto de 8 a 10 LEDs. Fio Preto e Laranja Alimentação do Controle Remoto 110/220VAC. SMART LED - 5 watts.

Capacidade do controle remoto de 8 a 10 LEDs. Fio Preto e Laranja Alimentação do Controle Remoto 110/220VAC. SMART LED - 5 watts. 09-c. Especificações do Controle Remoto 09-e. Ligação com uma placa sem controle remoto (Easy Led) Capacidade do controle remoto de 8 a 10 LEDs. Fio Preto e Laranja Alimentação do Controle Remoto 110/220VAC.

Leia mais

COMO SELECCIONAR E COMPARAR LUMINÁRIAS LED'S PARA APLICAÇÕES DE ILUMINAÇÃO EXTERIOR

COMO SELECCIONAR E COMPARAR LUMINÁRIAS LED'S PARA APLICAÇÕES DE ILUMINAÇÃO EXTERIOR COMO SELECCIONAR E COMPARAR LUMINÁRIAS LED'S PARA APLICAÇÕES DE ILUMINAÇÃO EXTERIOR Introdução A utilização de LED de alta potência como fonte de luz para iluminação exterior, incluindo a viária, levou

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA O trabalho se inicia com uma avaliação diagnóstica (aplicação de um questionário) a respeito dos conhecimentos que pretendemos introduzir nas aulas dos estudantes de física do ensino médio (público alvo)

Leia mais

Análise comparativa dos métodos de dimerização de Leds de potência

Análise comparativa dos métodos de dimerização de Leds de potência 32 Capítulo IX Análise comparativa dos métodos de dimerização de Leds de potência Por Welbert Rodrigues e Lenin Morais* No cenário mundial de aquecimento global e aumento do custo de energia, a economia

Leia mais

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA Prof. Arq. Minéia Johann Scherer FONTES DE LUZ ARTIFICIAL HISTÓRICO Antes da invenção da lâmpada fogo, velas, lampiões a gás; Primeira lâmpada elétrica Thomas Edson, em 1879;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. André Rosa Ferreira

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. André Rosa Ferreira UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA André Rosa Ferreira ILUMINAÇÃO DO ESTADO SÓLIDO, ECONOMIA POTENCIAL DE ENERGIA ELÉTRICA PARA O PAÍS Dissertação de Mestrado Santo André

Leia mais

Uma nova classe de luz.

Uma nova classe de luz. www.osram.com/ledlamps Uma nova classe de luz. As pioneiras lâmpadas LED da OSRAM para substituição directa na iluminação geral e decorativa. VER O MUNDO COM UMA NOVA LUZ NOVMAA GA APLICAÇÕES Imbatível

Leia mais

PANORAMA DA PESQUISA EM DISPOSITIVOS ORGÂNICOS NO BRASIL E MERCADO FUTURO

PANORAMA DA PESQUISA EM DISPOSITIVOS ORGÂNICOS NO BRASIL E MERCADO FUTURO PANORAMA DA PESQUISA EM DISPOSITIVOS ORGÂNICOS NO BRASIL E MERCADO FUTURO Prof. Roberto Mendonça Faria MOLÉCULAS ORGÂNICAS ELETRONICAMENT E ATIVAS O amanhecer dos eletrônicos orgânicos O QUE SÃO? Eletrônicos

Leia mais

A empresa opera nas seguintes áreas de negócio:

A empresa opera nas seguintes áreas de negócio: A ENP Energias Renováveis Portugal, SA, foi constituída em 2007 e faz parte do universo do Grupo Salvador Caetano, desenvolve a sua actividade no mercado das energias renováveis, da sustentabilidade e

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA CONSTANTE DE PLANCK ATRAVÉS DE DISPOSITIVO EMISSOR DE LUZ (LED) Palavras-chave: LED; Constante de Planck ; Efeito fotoelétrico.

DETERMINAÇÃO DA CONSTANTE DE PLANCK ATRAVÉS DE DISPOSITIVO EMISSOR DE LUZ (LED) Palavras-chave: LED; Constante de Planck ; Efeito fotoelétrico. DETERMINAÇÃO DA CONSTANTE DE PLANCK ATRAVÉS DE DISPOSITIVO EMISSOR DE LUZ (LED) Augusto Massashi Horiguti Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-Bento Gonçalves Ivânia de Oliveira Licenciada

Leia mais

Industry Lighting Sinta o poder da luz. Jorge Lourenço Philips Lighting Solutions Outubro 2012

Industry Lighting Sinta o poder da luz. Jorge Lourenço Philips Lighting Solutions Outubro 2012 Industry Lighting Sinta o poder da luz Jorge Lourenço Philips Lighting Solutions Outubro 2012 ÍNDICE 1. Iluminação e Eficiência Energética 2. Parâmetros de Qualidade e Normas 3. Tecnologia e Soluções 4.

Leia mais

Luminotécnica. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CT INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Dr. Rafael Rocha Matias

Luminotécnica. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CT INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Dr. Rafael Rocha Matias UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CT INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Dr. Rafael Rocha Matias Luminotécnica Isaías de Sousa Barbosa Júnior Jaílson Leite Silva Leiviane Camarço

Leia mais

Lâmpadas de Multivapores Metálicos

Lâmpadas de Multivapores Metálicos a u l a p r á t i c a Lâmpadas de Multivapores Metálicos Por Adriana Felicíssimo Eficiente, durável, econômica e... de luz branca SURGIDA HÁ CERCA DE 40 ANOS, A LÂMPADA de multivapores metálicos vem sendo

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DA SUBSTITUIÇÃO DE LÂMPADAS FLUORESCENTES POR TECNOLOGIA LED EM UMA EMPRESA DE MANUTENÇÃO DE MÁQUINAS

ANÁLISE ECONÔMICA DA SUBSTITUIÇÃO DE LÂMPADAS FLUORESCENTES POR TECNOLOGIA LED EM UMA EMPRESA DE MANUTENÇÃO DE MÁQUINAS ANÁLISE ECONÔMICA DA SUBSTITUIÇÃO DE LÂMPADAS FLUORESCENTES POR TECNOLOGIA LED EM UMA EMPRESA DE MANUTENÇÃO DE MÁQUINAS Thiago de Carvalho Sousa (UVV) thiagocs01@hotmail.com Lucca de Carvalho De Biase

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE ILUMINAÇÃO À LED S EM RESIDÊNCIAS. Rodrigo Evandro da Mota, Tiago Augusto da Silva, José Ricardo Abalde Guede

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE ILUMINAÇÃO À LED S EM RESIDÊNCIAS. Rodrigo Evandro da Mota, Tiago Augusto da Silva, José Ricardo Abalde Guede ANÁLISE DA VIABILIDADE DE ILUMINAÇÃO À LED S EM RESIDÊNCIAS. Rodrigo Evandro da Mota, Tiago Augusto da Silva, José Ricardo Abalde Guede FEAU/UNIVAP, Avenida Shisima Hifumi 2911, São José dos Campos - SP

Leia mais

TÍTULO: ILUMINAÇÃO IDEAL DE UMA SALA DE AULA NO PERÍODO NOTURNO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: ILUMINAÇÃO IDEAL DE UMA SALA DE AULA NO PERÍODO NOTURNO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS TÍTULO: ILUMINAÇÃO IDEAL DE UMA SALA DE AULA NO PERÍODO NOTURNO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA DE CURITIBA AUTOR(ES): PRISCILA

Leia mais

Seminário de Gestão e Defesa Espectral: Interferências e Compatibilidade Eletromagnética Convenção Nacional de Radioamadores da LABRE

Seminário de Gestão e Defesa Espectral: Interferências e Compatibilidade Eletromagnética Convenção Nacional de Radioamadores da LABRE Seminário de Gestão e Defesa Espectral: Interferências e Compatibilidade Eletromagnética Convenção Nacional de Radioamadores da LABRE Marcelo Carlos Afonso Carvalho Inmetro/Diretoria de Avaliação da Conformidade

Leia mais

Identificação de materiais radioativos pelo método de espectrometria de fótons com detector cintilador

Identificação de materiais radioativos pelo método de espectrometria de fótons com detector cintilador Identificação de materiais radioativos pelo método de espectrometria de fótons com detector cintilador 1. Introdução Identificar um material ou agente radiológico é de grande importância para as diversas

Leia mais

CURSOS DE ATUALIZAÇÃO EM ILUMINAÇÃO

CURSOS DE ATUALIZAÇÃO EM ILUMINAÇÃO CURSOS DE ATUALIZAÇÃO EM ILUMINAÇÃO CENTRO DE TREINAMENTOS EXPER DESCRIÇÃO DOS CURSOS Os cursos oferecidos pela EXPER Soluções Luminotécnicas visam à atualização dos profissionais ligados a área de iluminação

Leia mais

TE067-Laboratório de Engenharia Elétrica V Lâmpadas

TE067-Laboratório de Engenharia Elétrica V Lâmpadas Lâmpadas Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.br Lâmpadas Lâmpadas Incandescentes Lâmpadas para Iluminação Pública e para Grandes

Leia mais