PREFEITURA MUNICIPAL DE IPIRA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PREFEITURA MUNICIPAL DE IPIRA"

Transcrição

1 Lei Municipal Nº 858 de 18 de agosto de 2010 Institui Sistema Municipal de Ensino do Município de Ipira SC. Marilei Stockmann Knebel, Prefeita Municipal de Ipira em exercício, Estado de Santa Catarina, nos termos do artigo 101, V, da Lei Orgânica, faz saber a todos os habitantes que a Câmara de Vereadores aprovou e esta sanciona a seguinte Lei: TÍTULO I DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DO MUNICÍPIO DE IPIRA - SC CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º - O Sistema Municipal de Ensino do Município de Ipira, como um todo orgânico, abrange: I - a política educacional; II - as formas de relacionamento entre os vários níveis da Administração Federal, Estadual, Municipal e particular da educação e do ensino; III - os órgãos da administração direta da educação e do ensino; IV - a legislação da educação e do ensino com seus componentes filosóficos, doutrinários e curriculares, bem como de estrutura, de organização e de decisão relativos à educação e ao ensino, e de orientação didático-pedagógica, disciplinar e de obediência pública e privada; V - os alunos, professores, administradores, funcionários, pais de alunos e especialistas; VI - currículo entendido na variedade e na soma total das diversas situações de aprendizagem; 1

2 VII - os processos de controle qualitativos e quantitativos de educação e de ensino, respeitada a variedade de incentivos e de demanda escolar, incluindo a obrigatoriedade e o direito à educação e ao ensino; VIII - a população do Município de Ipira tomada como um todo, com atenção especial àquela em idade escolar; IX - a criação e manutenção da rede escolar nos níveis do ensino fundamental, seguida da educação infantil, pública e privada, sua organização, dinamização e o seu financiamento pelo Poder Público e pela iniciativa privada, desde a família, a empresa e a comunidade em geral. CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS Art. 2º - O Sistema Municipal de Ensino, inspirado nos princípios da democracia e respeito à liberdade e à solidariedade humana, tem como objetivos essenciais, no que tange à educação e ao ensino, proporcionar diretrizes ao Município e à sua comunidade civil pelos meios legais e institucionais, disciplinando a educação escolar que se desenvolve, predominantemente, através do ensino, em instituições próprias, vinculando-se ao mundo do trabalho e à prática social. TÍTULO II DA ADMINISTRAÇÃO DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO CAPÍTULO I DISPOSIÇÃO GERAL Art. 3º - A administração oficial do Sistema Municipal de Ensino será exercida pela Secretaria Municipal de Educação e Desporto, esta com as atribuições conferidas pelo Poder Público Municipal, e pelo Conselho Municipal de Educação, o qual exercerá as funções de órgão normativo, deliberativo e consultivo da educação e do ensino. 2

3 CAPÍTULO II DA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Art. 4º - A Secretaria Municipal de Educação e Desporto, ao exercer suas funções, abrange: I - o planejamento, a execução, a supervisão e o controle da ação educacional e do ensino; II - a orientação, supervisão e inspeção dos estabelecimentos de educação e ensino, nos vários níveis e modalidades, públicos e particulares; III - o apoio técnico e didático-pedagógico para as iniciativas educacionais e de ensino, bem como o relacionamento com os demais sistemas de ensino, federal e estadual, em matéria de políticas e de legislação educacionais, incluindo os aspectos financeiro e técnico; IV - os estudos e pesquisas permanentes para a avaliação dos recursos financeiros de custeio e investimento do Sistema Municipal de Ensino; V - a assistência e o amparo ao estudante, garantindo-lhe o acesso e a permanência em estabelecimento de educação ou ensino, em atenção ao nível de sua formação, bem como de sua idade e desenvolvimento; VI - a melhoria e a qualidade da educação e do ensino, nos diferentes níveis e/ou modalidades; VII - as formas de colaboração com a União e os Estados na oferta do ensino obrigatório, as quais devem assegurar a distribuição proporcional das responsabilidades, de acordo com a população a ser atendida e os recursos financeiros disponíveis em cada uma dessas esferas do Poder Público; VIII - as políticas e os planos educacionais, em consonância com as diretrizes e planos nacionais de educação, integrando e coordenando as suas ações; IX - a elaboração e o cumprimento do Estatuto do Magistério Público Municipal e o Plano de Carreira dos docentes da Rede Municipal de Educação e Ensino, ouvindo o Conselho Municipal de Educação; 3

4 X - a garantia do ensino fundamental obrigatório, preferencialmente à população em idade escolar correspondente; XI - o atendimento à população, especialmente àquela em idade escolar, garantindo a gratuidade do ensino nos estabelecimentos de educação básica do Município; XII - assegurar a integração das iniciativas de caráter organizacional e administrativa da educação e do ensino com os programas de financiamento e de planejamento com os órgãos públicos federais; e XIII - desenvolver a pesquisa e/ou o planejamento para a formação dos professores, administradores e demais especialistas em educação e ensino, no Município de Ipira, através da capacitação em serviço. Art. 5º - A Secretaria Municipal de Educação e Desporto velará pela observância das leis federais, estaduais e municipais relativas à educação e ao ensino, bem como pelo cumprimento das decisões do Conselho Municipal de Educação. Art. 6º - A estrutura organizacional da Secretaria Municipal de Educação e Desporto deverá possibilitar sua constante presença administrativa e pedagógica em assuntos relacionados à educação e ao ensino. Art. 7º - A estrutura funcional e administrativa da Secretaria Municipal de Educação e Desporto será aquela definida em lei própria. CAPÍTULO III DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Art. 8º - O Conselho Municipal de Educação, órgão normativo, deliberativo e consultivo do Sistema Municipal de Ensino, tem por finalidade estabelecer as normas para a orientação da política educacional no Município de Ipira. Art. 9º - O Conselho Municipal de Educação instituído e organizado pela Lei Municipal Nº. 166/1999 e de acordo com seu Regimento Interno, será vinculado à Secretaria Municipal de Educação e Desporto. 4

5 Art A organização interna do Conselho Municipal de Educação, a especificação de sua competência e dos seus serviços, o seu funcionamento, as formas sob as quais são baixados os seus atos, as relações com os demais órgãos da Administração Pública e privada, o recebimento, o encaminhamento de consultas, processos e proposições, as formas de votação e demais atividades inerentes às suas finalidades são fixadas em Regimento elaborado pelo Conselho e aprovado pelo Prefeito Municipal. Seção I Da Composição do Conselho Municipal de Educação Art O Conselho Municipal de Educação terá a seguinte composição em conformidade com a Lei Municipal nº 166/1999: I - 02 (dois) representantes titulares do Poder Executivo Municipais, que tenham reconhecida experiência em Educação ou Administração; II - 01 (um) representante das Associações de Pais e Professores, sendo um titular e seu respectivo suplente; III - 01 (um) representante do Órgão Municipal de Educação, sendo um titular e seu respectivo suplente; IV - 02 (dois) representantes do Quadro Pessoal da Municipalidade; Art Os componentes do Conselho Municipal de Educação indicados no artigo anterior; bem como 04 (quatro) suplentes, serão nomeados através de Decreto do Prefeito Municipal. Seção II Da Competência do Conselho Municipal de Educação Art Compete ao Conselho Municipal de Educação: I elaborar, alterar e aprovar o Regimento Interno assim como o Plano Municipal de Educação e a sua reformulação, que será homologado por 5

6 Decreto do poder Executivo Municipal, supervisionando e controlando sua execução na forma da legislação vigente; II aprovar a criação de novas escolas no município, creches, pré-escolar e ensino fundamental, estabelecendo critérios para a expansão da rede escolar mantidas pelo município; III aprovar o funcionamento de novos cursos, nas áreas de Educação no município, já citado no parágrafo II; IV definir normas para os Regimentos Internos dos estabelecimentos e matérias diversificadas no currículo escolar; V relacionar as matérias entre as quais poderá cada estabelecimento, escolher as quais devam constituir a parte diversificada do currículo, definindolhes os objetivos e a amplitude; VI sugerir a Secretaria Municipal de Educação e Desporto, as medidas que julgar necessárias para melhor solução dos problemas; VII estabelecer critérios gerais para avaliar o aproveitamento dos estudos, bem como normas para matrículas e transferências de alunos; VIII estabelecer critérios para concessão de bolsas de estudo e auxílio a estudantes carentes; IX envidar esforços para melhorar a qualidade do ensino público no município; X propor e aprovar medidas para ajustar o ensino qualitativa e quantitativamente; XI analisar leis, decretos e regulamentos relacionados com o ensino, objetivando a sua eficiente aplicação; XII opinar sobre diretrizes educacionais nos casos dos pareceres dos órgãos técnicos ou administrativos da Secretaria da Educação; XIII aprovar os planos elaborados pelos órgãos competentes, que visem a obtenção de recursos financeiros, destinados aos programas de Educação do Município; XIV fiscalizar a aplicação de recursos, para que a mesma obedeça ao limite fixado no artigo 212 da Constituição Federal; 6

7 XV Promover estudos da situação Educacional do Município; XVI fixar normas e emitir pareceres sobre: a) Convênios, acordos e contratos que o Executivo pretenda realizar. b) Condições para a autorização de criação, ampliação, funcionamento, desativação ou para reconhecimento de estabelecimentos de ensino pertencentes às redes oficiais ou particulares que atuam no âmbito do município, a partir da Educação Infantil. XVII exercer quaisquer outras competências que lhes forem conferidas por lei. TÍTULO III DOS SERVIÇOS DA EDUCAÇÃO CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO Art A educação abrange os processos formativos que se desenvolvem na vida familiar, na convivência humana, no trabalho, nas instituições de ensino e pesquisa, nos movimentos sociais e organizações da sociedade civil e nas manifestações culturais. 1º - Esta Lei disciplina a educação escolar que se desenvolve, predominantemente, por meio do ensino, em instituições próprias. 2º - A educação escolar deverá vincular-se ao mundo do trabalho e à prática social. Seção Única Dos Princípios e Fins da Educação Municipal Art A educação, dever da família e do Estado, inspirada nos princípios de liberdade e nos ideais de solidariedade humana, tem por finalidade o pleno 7

8 desenvolvimento do educando, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho. CAPÍTULO II DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL Art O Município organizará seu Sistema de Ensino com ampla liberdade, nos termos da legislação vigente a nível federal, estadual e municipal. Art O Município incumbir-se-á de: I - organizar, manter e desenvolver os órgãos e instituições oficiais do seu sistema de ensino, integrando-o às políticas e planos educacionais da União e do Estado; II - exercer ação redistributiva em relação às suas escolas; III - baixar normas para o seu Sistema de Ensino; IV - autorizar, credenciar e supervisionar os estabelecimentos do seu sistema de ensino; e V - oferecer a educação infantil em creches e pré-escolas e, com prioridade, o ensino fundamental, permitida a atuação em outros níveis de ensino somente quando estiverem atendidas plenamente as necessidades de sua área de competência e com recursos acima dos percentuais mínimos vinculados pela Constituição Federal à manutenção e desenvolvimento do ensino. Art O Sistema Municipal de Ensino define as normas da gestão democrática do ensino público na educação básica, de acordo com as suas peculiaridades e conforme os seguintes princípios: I - participação dos profissionais da educação na elaboração do projeto educativo; II - participação da comunidade escolar e local, em associações e/ou colegiados escolares. Art O Sistema Municipal de Ensino assegura, às unidades escolares públicas de educação básica que o integram, progressivos graus de autonomia 8

9 pedagógica e administrativa, bem como de gestão financeira, observadas as normas gerais de Direito Financeiro público. Art O Sistema Municipal de Ensino compreende: I - as instituições de ensino fundamental e de educação infantil mantidas pelo Poder Público Municipal; II - as instituições de educação infantil criadas e mantidas pela iniciativa privada; III Ensino de Jovens e Adultos, nível fundamental e médio; e IV - os órgãos municipais de educação. Seção I Da Educação Infantil Art A educação infantil, primeira etapa da educação básica, tem como finalidade o desenvolvimento integral da criança até 06 (seis) anos de idade, em seus aspectos físico, psicológico, intelectual e social, complementando a ação da família e da comunidade. Art A educação infantil será oferecida em: I - creches ou entidades equivalentes, para crianças de até 03 (três) anos de idade; e II - pré-escolas, para crianças de 04 (quatro) a 06 (seis) anos de idade. Art Na educação infantil, a avaliação far-se-á mediante acompanhamento e registro do seu desenvolvimento, sem o objetivo de promoção, mesmo para o acesso ao Ensino Fundamental. Seção II Do Ensino Fundamental Art O Ensino Fundamental, com duração mínima de 08 (oito) anos, Ensino Fundamental de oito anos e com duração mínima de 09 (nove) anos para o 9

10 Ensino Fundamental regime de nove anos, obrigatório e gratuito na escola pública, terá por objetivo a formação básica do cidadão, mediante: I - o desenvolvimento da capacidade de aprender, tendo como meios básicos o pleno domínio da leitura, da escrita e do cálculo; II - a compreensão do ambiente natural e social, do sistema político, da tecnologia, das artes e dos valores em que se fundamentam a sociedade; III - o desenvolvimento da capacidade de aprendizagem, tendo em vista a aquisição de conhecimentos e habilidades e a formação de atitudes e valores; e IV - o fortalecimento dos vínculos de família, os laços de solidariedade humana e de tolerância recíproca em que se assenta a vida social. 1º - É facultado ao Sistema Municipal de Ensino desdobrar o ensino fundamental em ciclos. 2º - Os estabelecimentos que utilizam progressão regular por série podem adotar, no ensino fundamental, o regime de progressão continuada, sem prejuízo da avaliação do processo de ensino-aprendizagem, observadas as normas do Sistema de Ensino. 3º - O ensino fundamental regular será ministrado em língua portuguesa. 4º - O ensino fundamental será presencial, sendo o ensino à distância utilizado como complementação da aprendizagem ou em situações emergenciais. Art O ensino religioso, de matrícula facultativa, constitui disciplina dos horários normais das escolas públicas de ensino fundamental (Séries Iniciais). Parágrafo único: O ensino religioso deverá, antes de tudo, fundamentar-se nos princípios da cidadania e do entendimento do outro. O conhecimento religioso não deve ser um aglomerado de conteúdos que visam evangelizar ou procurar seguidores de doutrinas, nem associado à imposição de dogmas, rituais ou orações, mas um caminho a mais para o saber sobre as sociedades humanas e sobre si mesmo, proporcionando suporte emocional e social do ponto de vista do binômio: autoconhecimento / alteridade (aprender a ser / aprender a conviver). Nos anos iniciais do ensino fundamental (1º ao 5º ano), ou (1ª a 4ª 10

11 série) o ensino religioso é parte integrante da formação básica do cidadão e constitui disciplina do horário normal, assegurado o respeito à diversidade cultural, religiosa, vedadas quaisquer formas de proselitismo. As aulas serão ministradas pelos próprios professores das respectivas classes, com competência para introduzir transversalmente em seus conteúdos os temas relativos ao ensino religioso, o respeito ao outro e os valores morais e éticos. Nos anos finais do ensino fundamental (6º ao 9º ano), ou (5ª a 8ª Série), os conteúdos de ensino religioso serão trabalhados sob a forma de temas transversais em todas as áreas do conhecimento. Art Em atendimento à Lei nº , de 9 de janeiro de a qual determina a inclusão do ensino da História e Cultura Africana e Afro-Brasileira nas escolas de nível fundamental e médio no Brasil, e, por considerar a determinação justa para oportunizar uma re-significação no ensino do país no que diz respeito à História e a contribuição dos povos africanos na formação da cultura, a Secretaria Municipal de Educação, introduz no currículo escolar com transversalidade, o conteúdo Ensino Afro-descendente, articulado às mídias no incremento dessas ações na sala de aula e na escola como um todo. Art A jornada escolar no ensino fundamental incluirá, pelo menos, 04 (quatro) horas diárias de trabalho efetivo em sala de aula, sendo progressivamente ampliado o período de permanência na escola. Seção III Da Educação Profissional Art O Município poderá oferecer educação profissional ao aluno matriculado e ao egresso do ensino fundamental, promovendo o permanente desenvolvimento de aptidões para a vida produtiva e para a formação profissional. Art A educação profissional será desenvolvida em articulação com o ensino regular ou por diferentes estratégias de educação continuada, em instituições especializadas ou no ambiente de trabalho. 11

12 Art O conhecimento adquirido na educação profissional, inclusive no trabalho, poderá ser objeto de avaliação, reconhecimento e certificação para prosseguimento ou conclusão de estudos. Art As escolas de ensino profissionalizante, além dos seus cursos regulares, oferecerão cursos especiais, abertos à comunidade, condicionada a matrícula à capacidade de aproveitamento e não necessariamente ao nível de escolaridade. Seção IV Da Educação de Jovens e Adultos Art. 32 O município poderá oferecer a educação de jovens e adultos que será destinada àqueles que não tiveram acesso ou continuidade de estudos, no ensino fundamental e ensino médio, na idade própria. Seção V Da Educação Especial Art Entende-se por educação especial, para os efeitos desta Lei, a modalidade de educação escolar, oferecida preferencialmente na rede regular de ensino, para educandos portadores de necessidades especiais. Parágrafo único - Deverá haver, quando necessário, serviços de apoio especializado para atender as peculiaridades da clientela especial, sempre que, em função das condições específicas dos alunos, não for possível sua integração nas classes comuns do ensino regular. Art O serviço de apoio técnico especializado de que trata o parágrafo único do artigo anterior será realizado em parceria com instituições privadas sem fins lucrativos, especializadas e com atuação exclusiva em educação especial. Parágrafo único - O Poder Público poderá adotar como alternativa preferencial, a ampliação do atendimento aos educandos com necessidades especiais na 12

13 própria rede pública regular de ensino, independentemente do apoio das instituições previstas neste artigo. TÍTULO IV DOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art O ensino, nos diversos níveis e modalidades, será ministrado em estabelecimentos autorizados existentes no Município, sob critérios que assegurem a plena utilização de seus recursos materiais e humanos, locais e regionais. Art Os estabelecimentos de ensino serão mantidos, no Sistema Municipal de Ensino: I - pelo Poder Público Municipal; II - por associações, fundações e entidades de diversas naturezas, da iniciativa privada; e III - por pessoa física, obedecidos os ditames da Lei. Parágrafo único - Os estabelecimentos de ensino, assim criados e instituídos, obedecerão ao disposto nos artigos 18 a 20, inclusive, da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de Art No Sistema Municipal de Ensino considerar-se-á cada um dos estabelecimentos escolares, para efeito de relacionamento funcional, como unidade autônoma, ainda que legalmente subordinada a uma rede de ensino ou entidade mantenedora. Parágrafo único - O disposto no presente artigo não exime de responsabilidade legal a respectiva unidade mantenedora. 13

14 CAPÍTULO II DA INTEGRAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO NO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO Art Para que haja a efetiva integração dos estabelecimentos no Sistema Municipal de Ensino, é indispensável a existência dos seguintes atos: I - ato de criação; e II - ato de autorização de funcionamento. Parágrafo único - Para os efeitos desta Lei, entende-se: a) por ato de criação, o documento expresso e específico pelo qual o interessado cria o estabelecimento de ensino e manifesta sua intenção de mantê-lo, sujeitando o seu funcionamento às disposições legais e normativas do Sistema Municipal de Ensino; e b) por ato de autorização de funcionamento, o documento da autoridade municipal competente, através do qual o interessado é autorizado a colocar em funcionamento, por tempo determinado ou indeterminado, o respectivo estabelecimento de ensino, independentemente de sua natureza, isto é, se de ensino ou educação formal ou informal. Art A normatização relativa à criação e autorização de funcionamento de estabelecimentos de ensino é competência do Conselho Municipal de Educação. CAPÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO Seção I Da Criação Art A criação de estabelecimentos de ensino obedece aos seguintes preceitos: I - os mantidos e administrados pelo Poder Público Municipal são criados por ato do Poder Executivo Municipal; e 14

15 II - os mantidos por pessoas físicas ou jurídicas são criados na obediência da legislação específica, no âmbito do Direito Civil e Comercial. SEÇÃO II DO ENCERRAMENTO DAS ATIVIDADES ESCOLARES Art O encerramento de atividades de estabelecimentos de ensino, no seu todo ou em parte, pode ocorrer: I - por decisão expressa da entidade mantenedora; e II - por cassação da autorização de funcionamento, em qualquer tempo, por ato expresso da autoridade competente. Parágrafo único - Em qualquer dos casos: a) deverão ser resguardados, rigorosamente, os direitos adquiridos dos alunos que, em hipótese alguma, poderão ser prejudicados em seus estudos; b) amplo direito de defesa deverá ser oportunizado à (s) entidade (s) mantenedora (s); c) os procedimentos de cassação, ouvido o Conselho Municipal de Educação, serão de atribuição da Secretaria Municipal de Educação; d) os recursos de que terão direitos à (s) entidade (s) mantenedora (s) deverão ser encaminhados, em primeira instância, ao Conselho Municipal de Educação; e e) poderá haver recurso em segunda instância, ao Ministério Público, superado o primeiro recurso de parecer prévio negativo. Seção III Da Denominação dos Estabelecimentos de Ensino Art As unidades educacionais, integrantes do Sistema Municipal de Educação, denominar-se-ão: I - Creches, para instituições cuja clientela tenha a idade de 0 (zero) a 03 (três) anos; 15

16 II - Pré-escola, para instituições cuja clientela tenha a idade entre 03 (três) a 06 (seis) anos; III - Centros de Educação Infantil, para instituições que abrangem ambos os níveis - creches e pré-escolas; e IV Escola Básica Municipal, para os estabelecimentos de ensino fundamental, compreendendo as oito séries e ou nove anos. 1º - A nomenclatura prevista neste artigo aplica-se em todos os casos da educação básica e que tiver sido adotada no plano pedagógico do respectivo estabelecimento. 2º - Os estabelecimentos de ensino que se destinam à educação especial, à educação de jovens e adultos e à educação profissional poderão adotar a nomenclatura prevista no caput deste artigo, em conformidade com o nível de ensino que ministram. CAPÍTULO IV DOS PRÉDIOS ESCOLARES Art Os prédios escolares deverão oferecer condições técnico-pedagógicas adequadas ao desenvolvimento integral do processo educativo-instrucional. Parágrafo único - A adequação técnico-pedagógica a que se refere este artigo abrangerá todas as dependências escolares necessárias ao atendimento dos corpos docente, discente, técnico-administrativo e de participação comunitária. Art Nos prédios escolares são obrigatórias instalações para o atendimento à recreação e à prática da educação física e, ainda, instalações que assegurem condições de acesso e movimentação de portadores de deficiências físicas e/ou mentais. Parágrafo único - Para cumprimento do disposto neste artigo, os estabelecimentos de ensino e educação atenderão as normas expedidas pelo Conselho Municipal de Educação e as normas emanadas dos órgãos de higiene, segurança e saúde pública. 16

17 TÍTULO V DA ORGANIZAÇÃO DO ENSINO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art A educação básica será ministrada, obrigatoriamente, na língua portuguesa e atenderá aos seguintes princípios: I - igualdade de condições para o acesso e permanência na escola; II - liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar a cultura, o pensamento, a arte e o saber; III - pluralismo de ideias e concepções pedagógicas; IV - respeito à liberdade e apreço à tolerância; V - coexistência das instituições públicas e privadas; VI - gratuidade do ensino em estabelecimentos oficiais; VII - valorização do profissional da educação escolar; VIII - gestão democrática do ensino público, na forma desta Lei e regulamentos; IX - garantia de padrão de qualidade; X - valorização e aproveitamento da experiência extra-escolar; XI - vinculação entre a educação escolar, o trabalho e as práticas sociais; e XII - promoção da integração escola-comunidade. Art A organização escolar da educação básica, em todos os seus níveis, será regulamentada por normas editadas pelo Conselho Municipal de Educação. Art A organização administrativa, didática e disciplinar de cada estabelecimento de ensino e educação, em nível interno escolar, será regulada no respectivo regimento escolar, aprovado pelo Conselho Municipal de Educação. Art Sem prejuízo de soluções supervenientes, serão estimuladas formas de organização inter-escolares e outras, integradas por uma base comum, tais como: 17

18 I - reunião de pequenos estabelecimentos em unidades mais amplas; II - entrosagem, regime em que o estabelecimento recebe a colaboração unilateral de outro estabelecimento ou instituição escolar ou social, civil, militar, religiosa ou familiar, associação para a qual as partes hajam convindo, objetivando aperfeiçoar condições de ensino; e III - organizações de centros inter-escolares que reúnam atividades, áreas de estudo ou disciplinas comuns a vários estabelecimentos de ensino. Art A organização de escolas, cursos ou classes experimentais com currículos, métodos didático-pedagógicos e períodos escolares próprios será permitida, dependendo o seu funcionamento, para fins de validade legal, de ato autorizativo expedido pela Secretaria Municipal de Educação, após parecer favorável do Conselho Municipal de Educação. Art O número de alunos por classe deverá obedecer aos critérios pedagógicos que visam a compatibilizar a otimização do rendimento e da aprendizagem com a demanda escolar. Parágrafo único - Instrumento normativo do Conselho Municipal de Educação regulamentará o disposto neste artigo e poderá ser definido em Campanha de Matrícula para as escolas da Rede Municipal de Ensino. Art As escolas que funcionarem em período noturno adotarão estratégias e procedimentos diferenciados, tendo em vista a clientela e a natureza dos seus cursos, sem prejuízo das disposições gerais da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, especialmente no que tange à duração do ano escolar, do turno escolar e da hora de aula, definidos na grade curricular da Rede Municipal de Ensino. 1º - O funcionamento de estabelecimentos de ensino em turno noturno está sujeito, também, às prescrições de idade e condições legais do respectivo tipo de clientela e de horas-aula anuais. 2º - Os estabelecimentos de ensino em turnos noturnos poderão adotar períodos escolares próprios desde que, no decorrer do ano letivo de 200 (duzentos) dias de atividade letiva, alcancem a soma global de, no mínimo, 800 (oitocentas) horas de efetivo trabalho escolar. 18

19 CAPÍTULO II DOS CURRÍCULOS DE ENSINO Art Os estabelecimentos de ensino, na elaboração dos seus currículos de ensino e demais ordenamentos de atividades escolares, deverão propor, em consonância com a administração oficial do Sistema Municipal de Ensino, o seu projeto educativo, o qual, como um todo orgânico, deverá conter, pelo menos: I - os princípios gerais do seu regimento escolar; II - o currículo escolar, em sua forma global; e III - os princípios administrativos da instituição, tais como: a) o calendário escolar; b) o processo de admissão dos seus alunos; c) o processo de avaliação dos seus alunos; d) o processo de escrituração e guarda da documentação escolar; e) exigências quanto à formação, atuação e condições gerais de seus professores, funcionários e serventuários em geral; e f) regulamentação relativa ao comportamento de alunos, professores e funcionários. Art Na constituição e tratamento metodológico do projeto educativo, como um todo orgânico, os estabelecimentos de ensino deverão assegurar os princípios da qualidade do ensino e do relacionamento entre as diversas atividades educacionais, em vista da formação integral dos educandos e da formação profissional técnica. Art Os currículos, como parte do projeto educativo, em todos os níveis de ensino, respeitadas as idades próprias de cada nível, deverão promover o desenvolvimento das capacidades físicas, mentais, emocionais, sociais, culturais, políticas e religiosas, bem como toda a variedade de conhecimentos e habilidades profissionais, respeitando o processo natural de crescimento e desenvolvimento da criança e do adolescente. 19

20 Art Na organização dos currículos, respeitado o que sobre eles dispõe a legislação superior da educação no Brasil, os estabelecimentos deverão dar atendimento prioritário às características e condições dos discentes. Art No Sistema Municipal de Ensino, os currículos serão organizados conforme normas do Conselho Municipal de Educação, com observância das seguintes especificações: I - observância dos mínimos curriculares estabelecidos pelo Conselho Nacional de Educação; II - de estudo de língua estrangeira moderna, sendo uma obrigatória no ensino fundamental, mais uma de livre opção do estabelecimento de ensino, sendo esta regulamentada pelo Conselho Municipal de Educação; III - ministração do ensino religioso, obrigatório nos estabelecimentos oficiais ao nível do ensino fundamental (Séries Inicias e finais Art. 25), sendo facultativo, porém, para os alunos; e IV - especificação da vinculação da formação escolar às atividades do trabalho. Parágrafo único - O Poder Público, para dar cumprimento ao disposto no inciso III deste artigo, poderá celebrar convênios e parcerias com entidades religiosas. Art O desporto escolar, o lazer e a recreação, a educação física, a formação artística e outras atividades de capacitação e formação cultural, humana e social, bem como as que são voltadas para o trabalho, deverão estar incluídas no projeto educativo e poderão ser realizadas em convênio ou parceria com outras instituições educacionais congêneres ou instituições civis e sociais. Art Para o atendimento às disposições constantes deste capítulo, os currículos e projetos educativos poderão atender também os interesses da comunidade escolar. 20

21 CAPÍTULO III DO ANO, DO BIMESTRE E DOS PERÍODOS LETIVOS Art O ano, o bimestre e os períodos letivos independem do ano civil. Art Os estabelecimentos de ensino, observados e cumpridos os mínimos estabelecidos na legislação superior do ensino e da educação e regulamentado pelo Conselho Nacional de Educação, deverão, ainda, proporcionar estudos de recuperação aos seus alunos que demonstrem aproveitamento insuficiente no decorrer do ano escolar e letivo, mediante programas e atividades especiais, respeitando os critérios de implantação da recuperação simultânea determinada pela Secretaria Municipal de Educação. Parágrafo único - A recuperação simultânea de que trata este artigo será objeto de regulamentação própria pelo Conselho Municipal de Educação. Art Os estabelecimentos de ensino, independentemente do seu nível escolar, poderão funcionar entre os períodos letivos e de férias escolares, proporcionando: I - cursos especiais de natureza suplementar aos ministrados durante o ano letivo; II - atividades de recuperação para os alunos que não tenham apreendido os conteúdos de aprendizagem durante o ano letivo ou para jovens e adultos em considerável atraso, proporcionando-lhes avanços úteis e até necessários; III - suplementação de atividades escolares para acompanhamento de crianças, adolescentes, jovens e adultos com dificuldades psicossociais e/ou de deficiências múltiplas; IV - atendimento aos alunos das séries iniciais e finais do ensino fundamental, proporcionando-lhes aceleração, especialmente para correção do avanço etário; e V - cursos de aperfeiçoamento dos corpos docente e administrativo. Parágrafo único - As direções dos estabelecimentos de ensino que oferecerem atividades escolares nos períodos de férias deverão atender à viabilidade do 21

22 cumprimento do regime de trabalho dos seus professores e funcionários, em vista dos preceitos trabalhistas e legais correspondentes. Art Na zona rural, os estabelecimentos de ensino poderão organizar os seus calendários escolares, desde que estas formas próprias estejam previstas nos seus projetos educativos. Art O ano letivo, em todos os níveis de ensino, independentemente da modalidade de ensino e dos métodos didático-pedagógicos utilizados, deverá ter 200 (duzentos) dias letivos e 800 (oitocentas) horas de efetivo trabalho escolar. (Lei 9394/96 Art. 24, Inciso I e Lei Complementar Art. 26, Incisos I e II). Art Os estabelecimentos de ensino, independentemente do nível de ensino ou da modalidade e forma adotadas, para encerrar o ano letivo e todas as atividades didático-pedagógicas, deverão comprovar: a) o cumprimento dos 200 (duzentos) dias letivos e/ou 800 (oitocentas) horas. (Lei 9394/96 Art. 24, Inciso I e Lei Complementar Art. 26, Incisos I e II); b) o cumprimento integral dos conteúdos de aprendizagem mínimos previstos no respectivo projeto educativo. Parágrafo único - O não cumprimento do disposto neste artigo submete a direção do estabelecimento de ensino, juntamente com os professores, a atividades complementares, até a satisfação plena do presente artigo. CAPÍTULO IV DA VERIFICAÇÃO DO RENDIMENTO ESCOLAR, DA PROMOÇÃO E EXPEDIÇÃO DA DOCUMENTAÇÃO ESCOLAR Art A verificação do rendimento escolar é da responsabilidade dos estabelecimentos de ensino, na forma do seu Regimento Escolar e do projeto educativo, compreendendo a avaliação do aproveitamento e da apuração da assiduidade, a partir das determinações da Secretaria Municipal de Educação para toda a Rede Municipal de Ensino. 22

23 Art Admite-se a adoção de critérios que permitam avanços sucessivos dos alunos pela conjugação dos elementos de idade e rendimento escolar, de acordo com normas que o Conselho Municipal de Educação vier a estabelecer. Art A avaliação do aluno deve ser contínua de forma global, através da verificação da aprendizagem, em atividades dentro ou fora da sala de aula, e da apuração da frequência. 1º - Na avaliação dos alunos, será dada maior ênfase aos resultados obtidos no decorrer do ano escolar, a partir das determinações da Secretaria Municipal de Educação para toda a Rede Municipal de Ensino. 2º - Os estabelecimentos de ensino ao fixarem, em seus Regimentos e projetos educativos, os critérios para a verificação do rendimento escolar, deverão atender aos pressupostos básicos de avaliação previstos na legislação superior e o disposto nesta Lei, com atenção especial para as condições do crescimento humano e das condições sociais dos alunos. 3º - A forma de expressar o resultado do rendimento escolar deverá ser previsto no projeto educativo e respectivo Regimento Escolar. Art O processo de promoção dos alunos, ao final de cada série e na conclusão dos respectivos níveis de ensino, ficará na dependência de critérios estabelecidos pelas instituições de ensino e será, em todos os casos, um processo decorrente da competente avaliação do rendimento escolar, previsto no projeto educativo e no respectivo Regimento Escolar. Art Para que o aluno obtenha aprovação e consequente promoção, é necessário que tenha frequentado, pelo menos, 75% (setenta e cinco por cento) do total de horas letivas. Art Na Educação Infantil, em Creches, Pré-Escolas ou Centros de Educação Infantil, o processo de avaliação deverá incidir predominantemente sobre os aspectos de maturidade e crescimento pessoal do aluno, facultados os avanços progressivos, sem caráter de repetência. Art Nos casos em que um aluno se vir impedido, por razões comprovadas, de cumprir o mínimo de frequência previsto na Lei de Diretrizes e Bases da 23

24 Educação Nacional (Lei nº 9.394/96), poderá haver recurso ao Conselho Municipal de Educação. Art Cabe ao Conselho Municipal de Educação fixar as normas específicas para a regulamentação da matrícula, promoção, recuperação e de transferências, asseguradas as peculiaridades do Sistema Municipal de Ensino e das unidades escolares. Art Ficam instituídos exames classificatórios ou de equivalência para aqueles alunos que, não podendo comprovar escolaridade anterior, pretendam matricular-se em série, além da primeira do Ensino Fundamental. 1º - Os exames classificatórios de que trata o presente artigo não poderão habilitar a matrícula além da 5ª (quinta) série e ou 6º (sexto) ano do ensino fundamental. 2º - É competência do Conselho Municipal de Educação regulamentar a forma e a extensão dos exames classificatórios no Sistema Municipal de Ensino. Art Comprovada a promoção do estudante, é competência dos estabelecimentos de ensino, uma vez credenciados, expedir a competente titulação, mediante certificados. 1º - Os estabelecimentos de ensino poderão expedir certificados de conclusão de séries e ou anos, lavrando o respectivo registro, garantida sua guarda e condição de arquivo. 2º - A autenticidade da documentação escolar expedida é de estrita responsabilidade da direção dos estabelecimentos de ensino. CAPÍTULO V DA OFERTA E DA MANUTENÇÃO DA EDUCAÇÃO Seção I Das Disposições Gerais Art A educação e o ensino constituem dever do Poder Público Municipal, da comunidade, da empresa e da família, e a sua oferta e manutenção 24

25 constitui-se como responsabilidade e o seu financiamento deverá provir de recursos públicos e/ou privados. Parágrafo único - Os recursos financeiros de origem pública terão sua aplicação e prestação de contas definidas em legislação específica, conforme o poder de origem. Art Os recursos financeiros oriundos do Poder Público deverão atender prioritariamente: I - à manutenção da administração da educação e do ensino do Sistema Municipal de Ensino; II - ao aumento de oportunidades escolares, especialmente da população em idade escolar, e ao cumprimento da escolarização obrigatória, como dever do Município; III - à melhoria e ao aperfeiçoamento do ensino e à assistência ao Magistério; e IV - ao desenvolvimento científico e tecnológico da educação e do ensino no Município de Ipira. Art Os recursos financeiros e materiais de origem privada, destinados à educação e ao ensino, terão sua aplicação regulada pelo que dispuserem as normas estatutárias e/ou regimentais das empresas e instituições e, especialmente, a expressão da vontade do doador e as suas disposições particulares concretas, no caso de doações. Seção II Do Dever do Município Art O dever do Município com a educação e o ensino é extensivo à totalidade da população, principalmente aquela em idade escolar, e será efetivado com os seguintes pressupostos e garantias: I - ensino fundamental obrigatório e gratuito na rede oficial do Município, para toda a população em idade escolar; II - atendimento com o ensino fundamental obrigatório e gratuito para os que a ele não tiveram acesso na idade própria; 25

26 III - atendimento educacional especializado e gratuito aos educandos portadores de necessidades educativas especiais, preferencialmente na rede oficial do Município; IV - oferta do ensino noturno regular e supletivo, adequado às condições dos educandos; V - acesso aos níveis mais elevados da pesquisa e da criação artística, segundo a capacidade de cada um; VI - oferta de educação infantil gratuita a crianças de 0 (zero) a 06 (seis) anos de idade; VII - condições físicas adequadas para o funcionamento das escolas; VIII - oferta de educação escolar regular para jovens e adultos, ensino que ofereça características e modalidades adequadas às suas condições, necessidades e disponibilidades, garantindo-lhes, em suas condições de trabalho, o acesso e a permanência na escola; IX - atendimento ao educando, no ensino fundamental, em estabelecimentos oficiais do Município, por meio de programas suplementares de material didático-pedagógico, transporte, alimentação escolar, assistência e programas de saúde; X - padrões mínimos de qualidade de ensino definidos pelo Conselho Municipal de Educação, tais como a variedade e quantidade mínima, por aluno, com equipamentos indispensáveis ao desenvolvimento do processo de ensino e aprendizagem; XI - corpo docente adequadamente formado e em número suficiente para atender a demanda escolar; XII - remuneração condigna ao corpo docente e técnico-administrativo nos estabelecimentos de ensino; XIII - ampliação progressiva, no ensino fundamental, do período de permanência na escola, além das 04 (quatro) horas de efetivo trabalho escolar em sala de aula, prevista na LDB (Lei 9.394/96) e nesta Lei. Parágrafo único - A ampliação do período de permanência dos alunos nas escolas da rede pública de ensino fundamental dar-se-á de forma progressiva a 26

27 partir da vigência desta Lei e atenderá as escolas públicas deste nível, visando alcançar o regime de tempo integral nas escolas situadas nas áreas em que as condições econômicas, sociais e pedagógicas o recomendarem. Art O acesso ao ensino fundamental é direito público subjetivo. 1º - Compete ao Município, em regime de colaboração e com assistência do Estado e da União: I - recensear, anualmente, a população em idade escolar para o ensino fundamental, e os jovens e adultos que a ele não tiveram acesso na idade própria; II - fazer-lhes a chamada pública; III - fazer a matrícula dos que estão em idade escolar do ensino fundamental, nos termos desta Lei; e IV - zelar, junto aos pais ou responsáveis, pela frequência à escola. 1º - Comprovada a negligência da autoridade competente para garantir o oferecimento do ensino obrigatório, poderá a ela ser imputado crime de responsabilidade. 2º - Para garantir o cumprimento da obrigatoriedade do ensino, o Poder Público criará formas alternativas de acesso aos diferentes níveis de ensino, independentemente da escolarização anterior, na forma estabelecida pelo Conselho Municipal de Educação. Seção III Da Responsabilidade da Família e da Comunidade Art É dever da família, pais ou responsáveis, e da comunidade em geral, criar condições para o cumprimento da obrigatoriedade do ensino fundamental, matricular seus filhos e/ou menores com a idade a partir de 06 (seis) anos e proporcionar-lhes os meios necessários, em estabelecimentos públicos ou da iniciativa privada. Art O não cumprimento do dever constitucional da obrigatoriedade escolar no ensino fundamental sujeita os pais ou responsáveis às penalidades da Lei. 27

28 Art No caso da iniciativa privada, a mesma vincula-se aos seguintes pressupostos e condições: I - cumprimento das normas gerais da educação nacional e as do Sistema Municipal de Ensino; II - avaliação da qualidade de ensino e a do corpo docente e técnicoadministrativo pelo Poder Público; III - condições físicas e de equipamentos para funcionamento com qualidade; IV - capacidade de autofinanciamento, ressalvado o previsto no art. 213 da Constituição Federal. 1º - Em situações de penúria e de necessidades graves, persiste o direito natural dos pais ou responsáveis à boa educação e ao ensino de seus filhos, podendo, como direito subjetivo, exigir do Município as condições mínimas educacionais para o cumprimento do seu dever. 2º - As normas e exigências complementares para o cumprimento das condições previstas nesta Seção serão expedidas pelo Conselho Municipal de Educação. Art Os recursos provenientes do salário educação destinam-se à expansão e melhoria do ensino e da educação, cujo Plano de Aplicação Anual e Relatório Físico-financeiro correspondentes deverão ser aprovados pelo Conselho Municipal de Educação. Art A comunidade escolar, corresponsável pelo processo educacional, participará das atividades escolares através de associações e/ou colegiados próprios. 1º - As instituições mencionadas neste artigo têm por finalidade colaborar com a escola, objetivando assegurar ao educando a ampliação de oportunidades educacionais e a melhor qualidade de ensino. 2º - As instituições de que trata este artigo poderão fixar contribuições para os seus associados ou participantes, na conformidade dos seus regimentos ou estatutos. 3º - À Secretaria Municipal de Educação incumbe assegurar a cooperação e integração escola-comunidade, através de outras Secretarias Municipais e de 28

29 órgãos nacionais e internacionais, para que se dê o efetivo atendimento social aos educandos, na forma de bolsas de estudo e de trabalho, de crédito educativo, alimentação escolar, material didático e bibliográfico, atendimento médico, odontológico e hospitalar, transporte escolar e outros que possam estar presentes na competência do Poder Público e da comunidade. Art As instituições comunitárias e empresariais, e outras similares, poderão participar diretamente nas atividades escolares e nas deliberações que visam ao desenvolvimento da escola e a busca de soluções para as necessidades educacionais dos educandos, se o regimento escolar e o projeto educativo das unidades escolares assim previrem. Art A efetivação de mecanismos e providências para que os estabelecimentos de ensino tenham os necessários e suficientes acervos bibliográficos é competência e dever do Município, através da Secretaria Municipal de Educação, reservada idêntica obrigatoriedade à comunidade educativa do respectivo estabelecimento de ensino, em cooperação com a administração oficial da educação e do ensino no Município. 1º - A quantidade e qualidade do acervo bibliográfico inclui a presença necessária de livros especializados para a ampliação do conhecimento e da pesquisa, e de obras literárias indispensáveis ao desenvolvimento cultural e científico da comunidade educativa. 2º - Na adoção de livros e do acervo bibliográfico, a Secretaria Municipal de Educação, após análise do conjunto de obras por equipe técnica, prestigiará também os autores catarinenses, privilegiando os aspectos culturais e sociais do Estado, do Município e do povo. TÍTULO VI DOS RECURSOS FINANCEIROS E A FORMA DE SUA APLICAÇÃO CAPÍTULO I DA ORIGEM DOS RECURSOS Art São recursos públicos destinados à educação os originários de: 29

30 I - receita de impostos próprios da União, do Estado e do Município; II - receita de transferências constitucionais e outras transferências; III - receita do salário educação e de outras contribuições sociais; IV - receita de incentivos fiscais; V - outros recursos previstos em lei; VI - produto das aplicações financeiras das disponibilidades dos recursos públicos destinados à educação. CAPÍTULO II DA DESTINAÇÃO Art O Município aplicará, anualmente, nunca menos de 25% (vinte e cinco por cento) ou o que constar na Constituição Estadual e na Lei Orgânica do Município, das rendas resultantes de impostos, aí compreendidas as transferências constitucionais, na manutenção e desenvolvimento do ensino público, na educação infantil e ensino fundamental. Art Para a manutenção e o desenvolvimento do ensino, serão realizadas despesas em vista da consecução de objetivos básicos de instituições educacionais de todos os níveis que se destinam a: I - remuneração e aperfeiçoamento de pessoal docente e técnicoadministrativo; II - aquisição, manutenção, construção e conservação de instalações e equipamentos necessários ao ensino; III - uso e manutenção de bens e serviços vinculados ao ensino; IV - levantamentos estatísticos, estudos e pesquisas, visando principalmente ao aprimoramento da qualidade e para a expansão do ensino; V - realização de atividades necessárias ao funcionamento do Sistema Municipal de Ensino; VI - concessão de bolsas de estudo e de trabalho a alunos em escolas públicas e privadas, bem como para estas últimas, respeitando o disposto no art. 213 da Constituição do Brasil; 30

31 VII - aquisição de material didático escolar e manutenção de programas de transporte escolar. Art Não constituirão despesas de manutenção e desenvolvimento do ensino aquelas realizadas com: I - pesquisas, quando não vinculadas às instituições de ensino ou quando efetivamente fora do Sistema Municipal, que não visem ao aprimoramento da qualidade do ensino ou à sua expansão; II - subvenção a instituições públicas ou privadas de caráter assistencial, desportivo ou cultural; III - formação de quadros especiais para a administração pública ou privada; IV - programas suplementares de alimentação, assistência médico - odontológica, farmacêutico-psicológica e outras formas de assistência social; Art Os recursos públicos municipais serão destinados as escolas públicas municipais, podendo ser dirigidos as escolas comunitárias confessionais e filantrópicas, na conformidade do art. 213 da Constituição Federal e art. 76 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de TITULO VII DO PESSOAL EM ESTABELECIMENTOS DE ENSINO CAPÍTULO I DO CORPO TÉCNICO-ADMINISTRATIVO E PEDAGÓGICO Seção I Da Admissão Art Nas instituições da rede pública, a admissão do pessoal técnicoadministrativo e pedagógico será feito por concurso público, regulamentado pela Secretaria Municipal de Educação. Parágrafo único - Em situações de falta de profissionais habilitados para as diversas atividades e funções, a administração oficial do Município poderá compor o quadro do corpo técnico-administrativo e pedagógico, para os seus 31

LEI Nº 659/2008. FAÇO saber a todos os habitantes deste Município que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte lei:

LEI Nº 659/2008. FAÇO saber a todos os habitantes deste Município que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte lei: LEI Nº 659/2008. Dispõe sobre a revisão e reedição da legislação do Sistema Municipal de Ensino do Município de Bandeirante, Estado de Santa Catarina, constante da Lei Municipal nº 073/97, e dá outras

Leia mais

LEI Nº 9.394, DE 20 DE DEZEMBRO DE 1996 (Publicada no Diário Oficial da União nº 248, de 23/12/96 Seção I, p. 27833)

LEI Nº 9.394, DE 20 DE DEZEMBRO DE 1996 (Publicada no Diário Oficial da União nº 248, de 23/12/96 Seção I, p. 27833) LEI Nº 9.394, DE 20 DE DEZEMBRO DE 1996 (Publicada no Diário Oficial da União nº 248, de 23/12/96 Seção I, p. 27833) Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

Constituição Federal - CF - 1988 Título VIII Da Ordem Social Capítulo III Da Educação, da Cultura e do Desporto Seção I Da Educação

Constituição Federal - CF - 1988 Título VIII Da Ordem Social Capítulo III Da Educação, da Cultura e do Desporto Seção I Da Educação Constituição Federal - CF - 1988 Título VIII Da Ordem Social Capítulo III Da Educação, da Cultura e do Desporto Seção I Da Educação Art. 205 - A educação, direito de todos e dever do Estado e da família,

Leia mais

Do Direito à Educação e do Dever de Educar

Do Direito à Educação e do Dever de Educar Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: TÍTULO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 24 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 9.394, DE 20 DE DEZEMBRO DE 1996. Vide Adin 3324-7, de 2005 Vide Decreto nº 3.860, de 2001 Estabelece as diretrizes

Leia mais

NORMAS REGIMENTAIS BÁSICAS PARA AS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL

NORMAS REGIMENTAIS BÁSICAS PARA AS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL CONSELHO MUNICIPAL Conselho Municipal de Educação de Praia Grande DELIBERAÇÃO Nº 02/2001 Normas regimentais básicas para as Escolas de Educação Infantil. NORMAS REGIMENTAIS BÁSICAS PARA AS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Lei Federal n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996

Lei Federal n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996 Lei Federal n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996 Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Leia mais

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013.

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. REESTRUTURA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO, O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FAZENDA VILANOVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PEDRO ANTONIO DORNELLES, PREFEITO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS INGLÊS.

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS INGLÊS. REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS INGLÊS. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL O presente regulamento fundamenta-se nos termos da LDB 9394, de 20 de dezembro

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Institui Diretrizes Operacionais para a Educação de Jovens e Adultos nos aspectos relativos à duração dos cursos e idade mínima para ingresso nos cursos de EJA; idade mínima

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO ENCONTRO DOS CONSELHOS DE EDUCAÇÃO DE SERGIPE

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO ENCONTRO DOS CONSELHOS DE EDUCAÇÃO DE SERGIPE CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO ENCONTRO DOS CONSELHOS DE EDUCAÇÃO DE SERGIPE REGIMENTO ESCOLAR PROPOSTA PEDAGÓGICA ORGANIZAÇÃO CURRICULAR ENCONTRO DOS CONSELHOS DE REGIMENTO ESCOLAR ROSAMARIA DE FARIAS

Leia mais

O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara Municipal de Macuco aprovou e ele sanciona a seguinte,

O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara Municipal de Macuco aprovou e ele sanciona a seguinte, LEI Nº 302/05 "DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS" O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que

Leia mais

Câmara dos Deputados LDB. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. 7ª edição. Brasília 2012. Série Legislação

Câmara dos Deputados LDB. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. 7ª edição. Brasília 2012. Série Legislação Câmara dos Deputados LDB Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 7ª edição Brasília 2012 Série Legislação LDB Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 7ª edição Mesa da Câmara dos Deputados

Leia mais

Lei nº 12.796 de 04/04/2013

Lei nº 12.796 de 04/04/2013 O governo federal publicou nesta sexta-feira (5), no Diário Oficial da União, a lei número 12.796 que altera a lei que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Como novidade, o texto muda

Leia mais

LEI Nº 2.581/2009. O Prefeito Municipal de Caeté, Minas Gerais, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a seguinte Lei:

LEI Nº 2.581/2009. O Prefeito Municipal de Caeté, Minas Gerais, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a seguinte Lei: LEI Nº 2.581/2009 DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA DO MUNICÍPIO DE CAETÉ. O Prefeito Municipal de Caeté, Minas Gerais, faz saber que a Câmara Municipal

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 001, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 001, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 001, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 Estabelece os procedimentos necessários à sistematização do Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

Reunião Plenária do Fórum Nacional dos Conselhos Estaduais de Educação FNCE Região Centro Oeste

Reunião Plenária do Fórum Nacional dos Conselhos Estaduais de Educação FNCE Região Centro Oeste Reunião Plenária do Fórum Nacional dos Conselhos Estaduais de Educação FNCE Região Centro Oeste Educação à Distância no Território Nacional: desafios e perspectivas Francisco Aparecido Cordão facordao@uol.com.br

Leia mais

Fixa normas para a educação infantil no Sistema Municipal de Ensino de Belo Horizonte.

Fixa normas para a educação infantil no Sistema Municipal de Ensino de Belo Horizonte. Diário Oficial do Município - Belo Horizonte Ano V - Nº: 1.252-11/11/2000 Poder Executivo Conselho Municipal de Educação - CME Resolução CME/BH nº 01/2000 RESOLUÇÃO CME/BH Nº 01/2000 Fixa normas para a

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DO RIO DE JANEIRO Prefeitura Municipal de Porciúncula

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DO RIO DE JANEIRO Prefeitura Municipal de Porciúncula LEI COMPLEMENTAR Nº 055/2007 Dispõe sobre o Plano de Carreira e Remuneração do Magistério Público do Município de Porciúncula/RJ e dá outras providências O PREFEITO MUNICIPAL DE PORCIÚNCULA, no uso das

Leia mais

HOMOLOGADA PELO SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EM 09/12/2004 RESOLUÇÃO Nº 145/04. Palmas, 08 de dezembro de 2004

HOMOLOGADA PELO SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EM 09/12/2004 RESOLUÇÃO Nº 145/04. Palmas, 08 de dezembro de 2004 HOMOLOGADA PELO SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EM 09/12/2004 REVOGADA RESOLUÇÃO Nº 145/04 Palmas, 08 de dezembro de 2004 Fixa normas para criação e autorização de funcionamento de instituições de educação

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco. Regimento Interno do Centro de Informática

Universidade Federal de Pernambuco. Regimento Interno do Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco Regimento Interno do Centro de Informática TÍTULO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR SUMÁRIO 2 TÍTULO II DA FINALIDADE DO CENTRO TÍTULO III DOS CURSOS DO CENTRO TÍTULO IV DA ESTRUTURA

Leia mais

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais.

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais. Portaria 1.105, de 28 de setembro de 1998 O Ministro de Estado da Educação e do Desporto, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto 1.845, de 28 de março de 1996, e tendo em vista o Parecer

Leia mais

ESCOLA DE ENFERMAGEM REGIMENTO

ESCOLA DE ENFERMAGEM REGIMENTO ESCOLA DE ENFERMAGEM REGIMENTO Organização Administrativa e Técnica TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E TÉCNICA CAPÍTULO I DA ESTRUTURA FUNCIONAL Art. 7º A organização administrativa e técnica da

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 15/09 CONSUNI

RESOLUÇÃO Nº 15/09 CONSUNI 0 RESOLUÇÃO Nº 15/09 CONSUNI APROVA A ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JARAGUÁ DO SUL UNERJ. A Presidente do Conselho Universitário CONSUNI do Centro Universitário de Jaraguá do Sul UNERJ,

Leia mais

LEI Nº 1.282, de 10 de dezembro de 2002

LEI Nº 1.282, de 10 de dezembro de 2002 ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE CODÓ CNPJ nº 06.104.863/0001-95 Praça Ferreira Bayma, 538, Centro. Telefones: (99) 661-1399/2708 CEP. 65.400-000, Codó-MA LEI Nº 1.282, de 10 de dezembro de 2002

Leia mais

REUNIÃO DO FÓRUM NACIONAL DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO - FNCE - REGIÃO NORDESTE

REUNIÃO DO FÓRUM NACIONAL DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO - FNCE - REGIÃO NORDESTE REUNIÃO DO FÓRUM NACIONAL DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO - FNCE - REGIÃO NORDESTE Política Nacional de EAD e a Colaboração inter Sistemas Francisco Aparecido Cordão facordao@uol.com.br EAD: dispositivos

Leia mais

RESOLUÇÃO 002/CUn/2007, de 02 de março de 2007

RESOLUÇÃO 002/CUn/2007, de 02 de março de 2007 RESOLUÇÃO 002/CUn/2007, de 02 de março de 2007 EMENTA: DISPÕE SOBRE O PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP CAPÍTULO I DOS FUNDAMENTOS LEGAIS Artigo 1º- O presente regulamento de estágios do Centro Universitário do Norte Paulista

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 063 CONSUPER/2013

RESOLUÇÃO Nº 063 CONSUPER/2013 RESOLUÇÃO Nº 063 CONSUPER/2013 Dispõe sobre a regulamentação de Curso de Formação Inicial e Continuada ou Qualificação Profissional do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense. O

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º O presente Regulamento

Leia mais

XLIII PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO - FNCE

XLIII PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO - FNCE XLIII PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO - FNCE O Futuro da Educação a Distância na Educação Básica Francisco Aparecido Cordão facordao@uol.com.br Dispositivos da LDB e DECRETOS

Leia mais

LEIS, DECRETOS E DOCUMENTOS GERAIS

LEIS, DECRETOS E DOCUMENTOS GERAIS LEIS, DECRETOS E DOCUMENTOS GERAIS Coordenação do Projeto: Ministério Público do Trabalho no Estado do Espírito Santo Revisão: Wendell Luís Táboas Produtor Gráfico: Eduardy Rocio Cabral Projeto Gráfico

Leia mais

TEXTO RETIRADO DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA APAE DE PASSOS:

TEXTO RETIRADO DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA APAE DE PASSOS: TEXTO RETIRADO DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA APAE DE PASSOS: Art. 3º - A Escola oferece os seguintes níveis de ensino: I. Educação Infantil: de 0 a 05 anos de idade. Educação Precoce de 0 a 03 anos Educação

Leia mais

Resolução nº 01/2009 de 16 de junho de 2009

Resolução nº 01/2009 de 16 de junho de 2009 Resolução nº 01/2009 de 16 de junho de 2009 CONSELHO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL Diário Oficial do Distrito Federal ANO XLIII Nº 123 BRASÍLIA DF, 29 DE JUNHO DE 2009 Estabelece normas para o Sistema

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICADO ESPÍRITO SANTO

ESTATUTO DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICADO ESPÍRITO SANTO ESTATUTO DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICADO ESPÍRITO SANTO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES Art. 1 O Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo - CEFET-ES, com sede na cidade

Leia mais

Faculdade de São Paulo. Regimento do ISE

Faculdade de São Paulo. Regimento do ISE Faculdade de São Paulo Regimento do ISE 2 INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO (ISE) Art. 1. O Instituto Superior de Educação ISE é o órgão responsável pela supervisão dos cursos de licenciatura, zelando pela

Leia mais

FUNDAÇÃO KARNING BAZARIAN FACULDADES INTEGRADAS DE ITAPETININGA CENTRO DE ATIVIDADES E EXTENSÃO PROGRAMA DE ATIVIDADES ACADÊMICAS ESPECIAIS- PROAE

FUNDAÇÃO KARNING BAZARIAN FACULDADES INTEGRADAS DE ITAPETININGA CENTRO DE ATIVIDADES E EXTENSÃO PROGRAMA DE ATIVIDADES ACADÊMICAS ESPECIAIS- PROAE FUNDAÇÃO KARNING BAZARIAN FACULDADES INTEGRADAS DE ITAPETININGA CENTRO DE ATIVIDADES E EXTENSÃO PROGRAMA DE ATIVIDADES ACADÊMICAS ESPECIAIS- PROAE Regulamento do Programa de Monitoria Capítulo I Das Disposições

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LONDRINA

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LONDRINA CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LONDRINA * Publicada no Jornal Oficial do Município nº 615 de 09 de dezembro de 2004. DELIBERAÇÃO CMEL Nº 01/04 APROVADA EM 23/11/04 INTERESSADO: Sistema Municipal de

Leia mais

CURSO: EDUCAR PARA TRANSFORMAR. Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais

CURSO: EDUCAR PARA TRANSFORMAR. Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Educação de Qualidade ao seu alcance EDUCAR PARA TRANSFORMAR O CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO: LICENCIATURA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº. 124, DE 27 DE ABRIL DE 2009 O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

PLANO DE CARREIRA: uma conquista dos profissionais da educação

PLANO DE CARREIRA: uma conquista dos profissionais da educação PLANO DE CARREIRA: uma conquista dos profissionais da educação 2ª edição [Lei 6.839/2011] - julho/2013 PLANO DE CARREIRA: UMA CONQUISTA DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO É com muita alegria que apresentamos

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E DAS FINALIDADES Art. 1º. A pós-graduação do Instituto

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VITÓRIA ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 06/99

PREFEITURA MUNICIPAL DE VITÓRIA ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 06/99 RESOLUÇÃO Nº 06/99 Fixa normas para educação infantil no Sistema Municipal de Ensino do Município de Vitória O DE VITÓRIA (ES) no uso de suas atribuições legais, RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO INFANTIL

Leia mais

TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DA NATUREZA. PARÁGRAFO ÚNICO Atividade curricular com ênfase exclusiva didático-pedagógica:

TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DA NATUREZA. PARÁGRAFO ÚNICO Atividade curricular com ênfase exclusiva didático-pedagógica: REGULAMENTO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO IFRR N A regulamentação geral de estágio tem por objetivo estabelecer normas e diretrizes gerais que definam uma política

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº XXXX DE XX DE XXXXXX DE 201X ALTERA A LEI Nº 6720, DE 25 DE MARÇO DE 2014, QUE INSTITUI PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E REMUNERAÇÃO DA FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP Regulamento do Curricular Supervisionado do Curso de Graduação em Pedagogia - Licenciatura Faculdade de

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 14/2016 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PARTICIPAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA COMUNIDADE NEGRA CAPÍTULO I

PROJETO DE LEI Nº 14/2016 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PARTICIPAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA COMUNIDADE NEGRA CAPÍTULO I PROJETO DE LEI Nº 14/2016 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PARTICIPAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA COMUNIDADE NEGRA RUI VALDIR OTTO BRIZOLARA, Prefeito Municipal de Morro Redondo, Estado do Rio

Leia mais

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1528/2004 "INSTITUI O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DO MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS". A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 O Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO CHOÇA ESTADO DA BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO CHOÇA ESTADO DA BAHIA LEI Nº 278, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014. Altera e insere dispositivos na Lei Municipal nº 016, de 20 de janeiro de 2004, a qual dispõe sobre o Plano de Carreira e Remuneração dos Servidores do Magistério

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA RESOLUÇÃO N o 24/2012, DO CONSELHO DE GRADUAÇÃO Aprova as Normas Gerais de Estágio de Graduação da Universidade Federal de Uberlândia, e dá outras providências. O CONSELHO DE GRADUAÇÃO DA, no uso das competências

Leia mais

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CME Nº 02/2011 Dispõe sobre o processo de avaliação, recuperação, promoção, colegiado de classe e recursos de ato avaliativo para o Ensino

Leia mais

3. Quais são as modalidades de estágio? Estágio obrigatório e Estágio não obrigatório (art. 2º da Lei 11.788/2008).

3. Quais são as modalidades de estágio? Estágio obrigatório e Estágio não obrigatório (art. 2º da Lei 11.788/2008). 1. O que é o estágio? Estágio é o ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho produtivo de estudantes. O estágio integra o itinerário

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DIRETRIZES DO CURSO

CAPÍTULO I DAS DIRETRIZES DO CURSO RESOLUÇÃO CAS Nº 07 / 2007 De 05 de agosto de 2007 Reformula o Projeto Político Pedagógico do Curso de Licenciatura em Pedagogia, a ser implantado a partir do 2º semestre do ano letivo de 2007. CONSIDERANDO

Leia mais

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM DIREITO Sumário CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... 1 CAPÍTULO II DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...2 CAPÍTULO III DO CORPO DOCENTE,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 49/12 CONSUNI

RESOLUÇÃO Nº 49/12 CONSUNI 0 RESOLUÇÃO Nº 49/12 CONSUNI Altera dispositivo do art. 18 do Estatuto do Centro Universitário Católica de Santa Catarina em Joinville e acrescenta os 1º e 2º ao art. 19. O Conselho Universitário CONSUNI

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA. Título I. Das Disposições Gerais. Capítulo I

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA. Título I. Das Disposições Gerais. Capítulo I 1 REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA Título I Das Disposições Gerais Capítulo I Dos Objetivos e da Estruturação Geral do Serviço de Psicologia Art. 1º - O Serviço de Psicologia é parte

Leia mais

das demais previsões relativas ao estágio previstas no Projeto Pedagógico do Curso, no Regimento Interno e na Legislação.

das demais previsões relativas ao estágio previstas no Projeto Pedagógico do Curso, no Regimento Interno e na Legislação. DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE REDENTOR DE PARAÍBA DO SUL DOS OBJETIVOS Art. 1 O Sistema de Estágio da FACULDADE REDENTOR DE PARAÍBA DO SUL terá por objetivos gerais:

Leia mais

DELIBERAÇÃO CEE N 314, DE 08 DE SETEMBRO DE 2009.

DELIBERAÇÃO CEE N 314, DE 08 DE SETEMBRO DE 2009. Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO COMISSÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DELIBERAÇÃO CEE N 314, DE 08 DE SETEMBRO DE 2009. Estabelece

Leia mais

REGULAMENTO OPERACIONAL DA DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO

REGULAMENTO OPERACIONAL DA DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO 1 REGULAMENTO OPERACIONAL DA DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO Art.1º A Diretoria de Ensino de Graduação (DEG) é órgão da Pró-Reitoria Acadêmica, do Centro Universitário de Maringá.

Leia mais

www.unp.br REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL

www.unp.br REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL www.unp.br REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL (Aprovado pela Resolução Nº 021/2015-ConEPE-UnP, de 24/03/2015)

Leia mais

COLETÂNEA DE LEIS, DECRETOS E ATOS NORMATIVOS DECORRENTES DA NOVA LEI DE DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO. federal e estadual

COLETÂNEA DE LEIS, DECRETOS E ATOS NORMATIVOS DECORRENTES DA NOVA LEI DE DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO. federal e estadual CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RIO GRANDE DO SUL COLETÂNEA DE LEIS, DECRETOS E ATOS NORMATIVOS DECORRENTES DA NOVA LEI DE DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO federal e estadual Organizada no Conselho Estadual

Leia mais

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ********************************************************************************

Leia mais

RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO ESPECIAL RESOLUÇÃO 003, de 06 de abril de 2006. Fixa normas para a Educação Especial na Educação Básica do Sistema Municipal de Ensino Teresina. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE TERESINA, no uso de suas atribuições

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Regimento Interno do Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito da Faculdade do Norte Pioneiro CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º O Núcleo de Prática

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 1, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2016 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 1, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2016 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 1, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2016 (*) Define Diretrizes Operacionais Nacionais para o credenciamento institucional

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE EDUCACIONAL DE MEDIANEIRA MISSÃO: FORMAR PROFISSIONAIS CAPACITADOS, SOCIALMENTE RESPONSÁVEIS E APTOS A PROMOVEREM AS TRANSFORMAÇÕES FUTURAS. ESTÁGIO SUPERVISIONADO LETRAS COM HABILITAÇÃO EM LÍNGUA

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 414, DE 2011

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 414, DE 2011 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 414, DE 2011 Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 (Lei de Diretrizes e Bases da educação), para dispor sobre a avaliação e o reforço pedagógico nos

Leia mais

REGIMENTO ESCOLAR DA FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO - FAD MANTIDA PELA FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO - FESPSP

REGIMENTO ESCOLAR DA FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO - FAD MANTIDA PELA FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO - FESPSP REGIMENTO ESCOLAR DA FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO - FAD MANTIDA PELA FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO - FESPSP Agosto 2007 Sumário TÍTULO I - DA INSTITUIÇÃO... 1 CAPÍTULO I - Da Escola

Leia mais

SIC 41/04. Belo Horizonte, 4 de outubro de 2004. EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA. Distribuído a assessorados da CONSAE.

SIC 41/04. Belo Horizonte, 4 de outubro de 2004. EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA. Distribuído a assessorados da CONSAE. SIC 41/04 Belo Horizonte, 4 de outubro de 2004. EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DECRETO Nº 5.224, de 1º de outubro de 2004 Dispõe sobre a organização dos Centros Federais de Educação Tecnológica e dá outras providências.

Leia mais

Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia

Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia Portaria MEC n º 1.727, de 13 de junho de 2002 TÍTULO I Da Mantida e da Entidade Mantenedora Art. 1º. As Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia com

Leia mais

N 2666, de 19.12.05 - Dispõe sobre normas para criação e funcionamento de cursos, programas, disciplinas e atividades ofertadas na modalidade de

N 2666, de 19.12.05 - Dispõe sobre normas para criação e funcionamento de cursos, programas, disciplinas e atividades ofertadas na modalidade de N 2666, de 19.12.05 - Dispõe sobre normas para criação e funcionamento de cursos, programas, disciplinas e atividades ofertadas na modalidade de educação à distância. CAPÍTULO I DA BASE LEGAL PARA FUNCIONAMENTO

Leia mais

Normas Gerais de Estágios

Normas Gerais de Estágios Normas Gerais de Estágios NORMAS GERAIS DE ESTÁGIOS DA UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO - UNISA O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA e EXTENSÃO - CONSEPE, órgão normativo, consultivo e deliberativo da administração

Leia mais

O Governador do Estado do Tocantins Faço saber que a Assembleia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O Governador do Estado do Tocantins Faço saber que a Assembleia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 2.139, DE 3 DE SETEMBRO DE 2009. Publicada no Diário Oficial nº 2.970 Dispõe sobre o Sistema Estadual de Ensino e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço saber que a

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 01 DE SETEMBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 01 DE SETEMBRO DE 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Conselho Superior Avenida Vicente Simões, 1111 Bairro Nova Pouso Alegre 37550-000 - Pouso Alegre/MG Fone:

Leia mais

RESOLUÇÃO CP N.º 1, DE 30 DE SETEMBRO DE 1999. (*)

RESOLUÇÃO CP N.º 1, DE 30 DE SETEMBRO DE 1999. (*) RESOLUÇÃO CP N.º 1, DE 30 DE SETEMBRO DE 1999. (*) Dispõe sobre os Institutos Superiores de Educação, considerados os Art. 62 e 63 da Lei 9.394/96 e o Art. 9º, 2º, alíneas "c" e "h" da Lei 4.024/61, com

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE ANIMAL Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO)

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE ANIMAL Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO) REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE ANIMAL Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO) Portaria FEPAGRO nº 154/2013. O Diretor-Presidente da Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

Dispõe sobre: Altera disposições do Estatuto do Magistério Municipal e adota outras providências.

Dispõe sobre: Altera disposições do Estatuto do Magistério Municipal e adota outras providências. LEI COMPLEMENTAR Nº 06, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. Dispõe sobre: Altera disposições do Estatuto do Magistério Municipal e adota outras providências. O PREFEITO CONSTITUCIONAL DO MUNICIPIO DE PICUÍ, Estado

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre os parâmetros para a criação e o funcionamento dos Fundos Nacional, Estaduais e Municipais

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 44/15, de 09/12/2015. CAPÍTULO I AS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NO INSTITUTO FEDERAL DE RONDÔNIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NO INSTITUTO FEDERAL DE RONDÔNIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NO INSTITUTO FEDERAL

Leia mais

Resolução nº 30/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro de 2011.

Resolução nº 30/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro de 2011. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA CONSELHO SUPERIOR Resolução nº 30/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro

Leia mais

DECRETO Nº 17.033, DE 11 DE MARÇO DE 1996

DECRETO Nº 17.033, DE 11 DE MARÇO DE 1996 DECRETO Nº 17.033, DE 11 DE MARÇO DE 1996 Dispõe sobre a Instituição da Autarquia Estadual, Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas - IPAAM, aprova seu Regimento interno e dá outras providências. O

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO CEFET-SP

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO CEFET-SP REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO CEFET-SP Capítulo I DA NATUREZA E SUAS FINALIDADES Art. 1º O estágio baseia-se na Lei nº. 11.788, sancionada em 25 de setembro de 2008. Parágrafo

Leia mais

ESTATUTO CONSTITUTIVO DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS

ESTATUTO CONSTITUTIVO DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS ESTATUTO CONSTITUTIVO DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS Primeira Alteração - Conforme Lei N 1.160, Junho de 2000, Decreto N 1.672, Dezembro de 2002, e Lei N 1478/04 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ- BREVES FACULDADE DE LETRAS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ- BREVES FACULDADE DE LETRAS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ- BREVES FACULDADE DE LETRAS REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS/PORTUGUÊS INTRODUÇÃO

Leia mais

Decreto n 7.084/2010 Programa Nacional do Livro- Didático PNLD.

Decreto n 7.084/2010 Programa Nacional do Livro- Didático PNLD. Decreto n 7.084/2010 Programa Nacional do Livro- Didático PNLD. DECRETO Nº 7.084, DE 27 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre os programas de material didático e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MESQUITA GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MESQUITA GABINETE DO PREFEITO (*) LEI Nº 416 DE 30 DE JANEIRO DE 2008. Autor: Poder Executivo DISPÕE SOBRE O ESTATUTO E PLANO DE CARREIRA DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE MESQUITA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais - UFRN

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais - UFRN Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais - UFRN CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o O Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais (PPEUR),

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1.691, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2003. FLORISBALDO ANTONIO POLO, Prefeito Municipal de Santo Augusto, Estado do Rio Grande do Sul,

LEI MUNICIPAL Nº 1.691, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2003. FLORISBALDO ANTONIO POLO, Prefeito Municipal de Santo Augusto, Estado do Rio Grande do Sul, LEI MUNICIPAL Nº 1.691, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2003. Dispõe sobre o Plano de Carreira do Magistério Público Municipal. FLORISBALDO ANTONIO POLO, Prefeito Municipal de Santo Augusto, Estado do Rio Grande

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS REGIMENTO INTERNO Aprovado na reunião do Conselho de Centro do dia 15.03.2007. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE

Leia mais

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006.

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. Institui a Política Estadual de fomento à Economia Popular Solidária no Estado do Rio Grande do Norte e estabelece outras disposições. O PRESIDENTE DA ASSEMBLÉIA

Leia mais

Lei n.º 1428, de 27 de Dezembro de 1999

Lei n.º 1428, de 27 de Dezembro de 1999 1 Lei n.º 1428, de 27 de Dezembro de 1999 Institui normas para a oferta da educação infantil em Creches ou entidades equivalentes, para crianças de até três anos de idade de acordo com o art.30 da Lei

Leia mais

Resolução nº 067, de 21 de dezembro de 2007.

Resolução nº 067, de 21 de dezembro de 2007. UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE Av. Castelo Branco, 170 -CEP 88.509-900 - Lages - SC - Cx. P. 525 - Fone (0XX49) 251-1022 Fax 251-1051 Resolução nº 067, de 21 de dezembro de 2007. Dispõe sobre o Programa

Leia mais

LEI Nº 6559 DE 16 DE OUTUBRO DE 2013. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

LEI Nº 6559 DE 16 DE OUTUBRO DE 2013. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 6559 DE 16 DE OUTUBRO DE 2013. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN

RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN Estabelece o Regimento Interno do Núcleo de Educação a Distância (NEAD) da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Paraná, no uso de

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1º O presente instrumento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS PROFESSOR MILTON SANTOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS PROFESSOR MILTON SANTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS PROFESSOR MILTON SANTOS Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais