Plano Diretor de Pesquisa Escola Politécnica. Novembro, 2012 Maio, 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano Diretor de Pesquisa Escola Politécnica. Novembro, 2012 Maio, 2013"

Transcrição

1 Plano Diretor de Pesquisa Escola Politécnica Novembro, 2012 Maio, 2013

2 Agenda Comissão do Plano Diretor de Pesquisa Metodologia de Trabalho Análise do Ambiente Externo Análise do Ambiente Interno Definição das Áreas Prioritárias Definição dos Objetivos e Estratégias do PDP

3 Comissão do Plano Diretor de Pesquisa (CPDP) Professor Prof. Agnelo Vieira Profa. Andreia Malucelli Prof. Luiz Russo Neto Profa. Marcia Rapacci Prof. Osiris Canciglieri Jr. Prof. Paulo César Soares Jr. Prof. Vidal Martins Área Representada PPGTS PPGIa Grupo de Pesquisa Engenharia Civil Grupo de Pesquisa Conservação e Desenvolvimento de Alimentos PPGEPS PPGEM Decano da Escola Politécnica

4 Agenda Comissão do Plano Diretor de Pesquisa Metodologia de Trabalho Análise do Ambiente Externo Análise do Ambiente Interno Definição das Áreas Prioritárias Definição dos Objetivos e Estratégias do PDP

5 Definição de Metodologia de Trabalho Etapas definidas pela CPDP-EP com base em leituras e reuniões. Leituras base: K. A. Paris. Consultant. Strategic Planning in the University. Office of Quality Improvement. University of Wisconsin-Madison n%20the%20university.pdf The Times Higher Education World Reputation Rankings Poweredby Thomson Reuters J. Parente. Planejamento Estratégico na Educação. 3a. Edição, revisada e ampliada. Brasília: Liber Livro

6 Definição de Metodologia de Trabalho Reuniões: Prof. Dr. Mariano de Matos Macedo: doutor em Economia pela UNICAMP, pesquisador do IPARDES, professor da UFPR, realiza pesquisas em Inovação Tecnológica. Organizou o livro Indicadores de Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil. Prof. Dr. Paulo C. Soares: doutor em Ciências pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Rio Claro (1973, hoje Universidade Estadual Paulista). Foi professor na UNESP, UFPR e pesquisador visitante na Northwestern University. Aposentou-se em Atualmente atua no departamento de Geologia da UFPR como Professor doutor sênior.

7 Metodologia

8 Agenda Comissão do Plano Diretor de Pesquisa Metodologia de Trabalho Análise do Ambiente Externo Análise do Ambiente Interno Definição das Áreas Prioritárias Definição dos Objetivos e Estratégias do PDP

9 Análise do Ambiente Externo

10 Pesquisa em Órgãos de Fomento Nacionais Pesquisas nas chamadas de 2011 e 2012 dos órgãos de fomento nacionais, com o objetivo de identificar áreas estratégicas e recursos financeiros: CNPQ, CAPES, FINEP, FAPESC, FA, FAPESP, MCT, FAPESB, FAPEMIG, FAPERJ, FAPESPA.

11 Pesquisa em Órgãos de Fomento Internacionais Pesquisas nas chamadas de 2011 e 2012 dos órgãos de fomento americanos e europeus: AGENCIES THAT PROVIDE GRANTS : Department of Agriculture, Department of Defense, Department of Education, Department of Energy, Department of Health and Human Services, Department of Homeland Security, Department of Housing and Urban Development, Department of Transportation, National Aeronautics and Space Administration, National Science Foundation, FDA - US Food and Drug Administration. European Commission of Research & Innovation. National Research and Innovation Strategy. Analysis of Science & Technologies Priorities in Public Research in Europe and the United States of America.

12 Pesquisa em Grupos de Pesquisa Nacionais Pesquisa em grupos de pesquisa de universidades nacionais: ITA, USP-Poli, USP-SC, PUC-RIO, PUC-RS e UNICAMP, com o objetivo de identificar áreas estratégicas.

13 Leitura de Diretrizes Nacionais Quadro de atores selecionados no Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação Instituições de CT&I. Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação Balanço das Atividades Estruturantes MCTI. INCT. Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia. CNPq. Livro Azul. 4a Conferência Nacional de Ciência Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Sustentável. Brasil. Brasil Maior. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014. Texto de Referência. PIB. Prestação de Contas Principais Resultados. Ciência e Tecnologia. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação.

14 Leitura de Diretrizes Nacionais Consolidação das recomendações da 4a Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Sustentável. Conferências nacional, regionais e estaduais e Fórum Municipal de C, T & I. Brasil. Rotas Estratégicas para o Futuro da Indústria Paranaense SENAI. Departamento Regional do Paraná Curitiba: SENAI/PR, Relatório Técnico Setores Portadores de Futuro para o Estado do Paraná. SENAI/FIEP, Plano Nacional de Pós-Graduação - PNPG Capes. Projeto: Estratégia Nacional de Defesa. Ministério da Defesa, 2008.

15 Levantamento das Áreas Portadoras de Futuro Rotas Estratégicas - FIEP Setores Portadores de Futuro Plano Nacional da Pós-graduação Estratégia Nacional de Defesa

16 Definição das Áreas Estratégicas 27 Áreas e 227 sub-áreas estratégicas 16 Áreas: Ágrícola, Aeroespacial / Aeronáutica, Bioenergia/Biocombustível, Biotecnologia, Ciência de Alimentos, Ciências do meio ambiente / Pesquisa Ambiental / Biodiversidade, Energia / Pré-sal, Engenharia Biomédica, Engenharia Civil, Engenharia Elétrica / Eletrônica, Engenharia Mecânica, Engenharia de Produção, Inclusão Social, Nanotecnologia, Química / Engenharia Química, Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) 196 sub-áreas

17 Definição das Áreas Estratégicas Agrupamento das Áreas: Após avaliação com reitoria a CPDP se reuniu com professores das áreas e realizou um agrupamento das sub-áreas. Após Agrupamento: 15 áreas e 41 sub-áreas estratégicas.

18 Agenda Comissão do Plano Diretor de Pesquisa Metodologia de Trabalho Análise do Ambiente Externo Análise do Ambiente Interno Definição das Áreas Prioritárias Definição dos Objetivos e Estratégias do PDP

19 Análise do Ambiente Interno

20 Levantamento dos Números Gerais da EP Foram analisados: Quantidade de cursos de graduação da EP; Quantidade de cursos de especialização da EP; Quantidade de professores em cada programa de pósgraduação da EP; Linhas de pesquisa de cada grupo de pesquisa da EP em relação aos candidatos ; Quantidade de professores em cada programa de pósgraduação da EP, com bolsa Pq ou DT; Quantidade de projetos de Iniciação Científica aprovados para a EP.

21 Levantamento dos Números Gerais da EP Foram analisados: Quantidade de cursos de graduação da EP; Quantidade de cursos de especialização da EP; Quantidade de professores em cada programa de pósgraduação da EP; Linhas de pesquisa de cada grupo de pesquisa da EP em relação aos candidatos ; Quantidade de professores em cada programa de pósgraduação da EP, com bolsa Pq ou DT; Quantidade de projetos de Iniciação Científica aprovados para a EP.

22 Elaboração de Questionário Questionário utilizando a ferramenta Qualtrics com a finalidade de identificar, de acordo com a visão dos professores: Fatores internos: áreas de competência e áreas de interesse em pesquisa de cada professor da EP; produção científica qualificada; projetos aprovados e infraestrutura. Fatores externos: convênios com empresas e universidades.

23 Elaboração de Questionário Definição das Áreas / Subáreas Cada subárea 16 perguntas Identificação

24 Elaboração de Questionário O professor teve liberdade para indicar outras áreas, porém era obrigatório incluir uma justificativa com fonte de pesquisa.

25 Aplicação do Questionário Questionário enviado por aos 248 professores da EP com um convite para participar da pesquisa 112 respostas completas + 45 incompletas

26 Agenda Comissão do Plano Diretor de Pesquisa Metodologia de Trabalho Análise do Ambiente Externo Análise do Ambiente Interno Definição das Áreas Prioritárias Definição dos Objetivos e Estratégias do PDP

27 Definição das Áreas Estratégicas Prioritárias

28 Gráfico de Atratividade Investir seletivamente Investir Investir seletivamente

29 Estabelecimento de Fatores e Pesos Força (INTERNO) = (Professores (30%) + Produção cient. (25%) + Projetos (15%) + Infraestrutura (30%)) / Número de respondentes Professores = Interesse (20%) + Competência (80%) Produção cient. = Artigos (60%) + Teses (40%) Infraestrutura = Infra (50%) + Serviços (30%) + Técnicos (20%) Atratividade (EXTERNO) *= Empresas (20%) + Universidades (10%) + Financiamento externo (50%) + Áreas portadoras de futuro (20%) Empresas = Interessadas (33%) + Convênios (67%) Universidades = Interessadas (33%) + Convênios (67%) Financiamento externo = No. editais (50%) + Qtde. Recursos (50%) APF* = Rotas FIEP (35%) + SPF (25%) + PNPG (25%) + EstNacDef (15%) *Pesos alterados após avaliação interna com a Reitoria.

30 Comissão do Plano Diretor de Pesquisa (CPDP) FORÇA ATRATIVIDADE

31 Comissão do Plano Diretor de Pesquisa (CPDP) Ex: BIOENGENHARIA - Ações em prol da sustentabilidade ambiental

32 Estabelecimento de Fatores e Pesos

33 Estabelecimento de Fatores e Pesos

34 Atratividade Elaboração da Matriz e Gráfico de Atratividade Investir 31 seletivamente Investir Investir3 seletivamente Força

35 Atratividade Seleção das Áreas Prioritárias Investir Seletivamente 5 20 Sub-áreas TIC / ENG_PROD - Automação 19- AERO / ENG_MEC - Manufatura 21- ENG_MEC - Mecânica dos Sólidos Força

36 Atratividade Seleção das Áreas Prioritárias Investir Seletivamente Zoom e nova divisão Força

37 41 Seleção das Áreas Prioritárias Investir Seletivamente Sub-áreas 3 - BIOENER - Biocombustível 35 ENG_PROD - Sistemas de Operações

38 Atratividade Seleção das Áreas Prioritárias - Investir 5 20 Sub-áreas ENERGIA/ENG_MEC - Energia 9- BIOENER/ENERGIA - Energia Alternativa 20 MULTI - Materiais 25- ENERGIA - Petróleo 32- ENG_AMB - Saneamento Ambiental 34- ENERGIA/ENG_ELET - Sistemas de Energia 40- MULTI - Sustentabilidade 41- INC_SOC - Tecnologia Assistiva Força

39 ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Resultados Áreas Prioritárias da EP Sistemas de Operação ÁREA TIC ENGENHARIA DE PRODUÇÃO AERO / ENGENHARIA MECÂNICA ENGENHARIA MECÂNICA ENERGIA ENGENHARIA MECÂNICA BIOENERGIA INTERDISCIPLINAR ENGENHARIA AMBIENTAL INCLUSÃO SOCIAL Automação Manufatura SUB-ÁREA Mecânica dos Sólidos Energia Energia Alternativa Petróleo Sistemas de Energia Energia Manufatura Energia Alternativa Materiais Sustentabilidade Saneamento Ambiental Tecnologia Assistiva ENGENHARIA ELÉTRICA BIOENERGIA Sistemas de Energia Biocombustível

40 Atratividade Seleção das Áreas Prioritárias - MONITORADAS Força

41 Resultados Áreas Monitoradas da EP ÁREA ENGENHARIA BIOMÉDICA BIOTECNOLOGIA TIC ENGENHARIA AMBIENTAL ENGENHARIA MECÂNICA NANOTECNOLOGIA ENGENHARIA DE ALIMENTOS ENERGIA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA Bioengenharia Biotecnologia SUB-ÁREA Engenharia de Software Informática na Saúde Processamento de Imagem Sistemas de Telecomunicações Sistemas Distribuídos Sistemas Eletrônicos Sistemas Inteligentes Gestão Urbana Gestão Urbana e Ambiental Mecânica dos Solos Metrologia Nanotecnologia Nanotecnologia Nutrição Humana Petróleo Projeto de Sistemas Sistemas de Telecomunicações Sistemas Distribuídos Sistemas Eletrônicos

42 Agenda Comissão do Plano Diretor de Pesquisa Metodologia de Trabalho Análise do Ambiente Externo Análise do Ambiente Interno Definição das Áreas Prioritárias Definição dos Objetivos e Estratégias do PDP

43 Definição dos Objetivos e Estratégias

44 Leitura de Planos Diretores Foram selecionados alguns planos diretores de pesquisa, disponíveis na Internet, os quais foram lidos, analisados e discutidos entre os integrantes da CPDP: Planejamento Estratégico da PUC-Minas Plano Estratégico da Clemson University Plano Estratégico da University of Regina Plano Estratégico dagriffith University Plano Estratégico dacarnegie Mellon Plano Estratégico daflorida State University Texas Tech University Strategic Plan for Research

45 Definição de Instituição Padrão de Referência Áreas selecionadas: Engenharias I a IV, Ciência da Computação e Interdisciplinar. Foram analisadas: Universidades Federais: UFPR, UFSC, UFMG, UFRGS, UFRJ, UFSCAR e UTFPR; Universidades Estaduais: USP-SP (SãoPaulo), USP-SC (São Carlos), UNICAMP, UEM, UEL; Universidades Pontifícias: PUCPR, PUC-MG, PUCRS, PUC- Rio; Universidades Confessionais: Unisinos, UPM - Universidade Presbiteriana Mackenzie; Institutos militares: ITA, IME.

46 Contatos Professor Prof. Agnelo Vieira Profa. Andreia Malucelli Prof. Luiz Russo Profa. Marcia Rapacci Prof. Osiris Canciglieri Jr. Prof. Paulo César Soares Jr. Prof. Vidal Martins

Programa Nacional de Plataformas do Conhecimento. Elevar o patamar e o impacto da CT&I no Brasil

Programa Nacional de Plataformas do Conhecimento. Elevar o patamar e o impacto da CT&I no Brasil Programa Nacional de Plataformas do Conhecimento Elevar o patamar e o impacto da CT&I no Brasil Políticas de educação, ciência, tecnologia e inovação no Brasil na última década Ampliação e aperfeiçoamento

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília - IFB. Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação - PRPI Coordenação de Pesquisa - CDPQ

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília - IFB. Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação - PRPI Coordenação de Pesquisa - CDPQ CNPq Chamada CNPq N º 12/2013 Cooperação MCTI-CNPq/DBT (Índia) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília - IFB Ag. Edital Inscrições Objetivo Áreas de interesse 22/04/2013 a Apoiar

Leia mais

Políticas de Propriedade

Políticas de Propriedade Políticas de Propriedade Intelectual Rubens de Oliveira Martins SETEC/MCT Ministério da Ciência e Tecnologia Propriedade Intelectual Conceito: sistema de proteção que gera direito de propriedade ou exclusividade

Leia mais

Extensão Universitária: Mapeamento das Instituições que Fomentam Recursos para Extensão Universitária RESUMO

Extensão Universitária: Mapeamento das Instituições que Fomentam Recursos para Extensão Universitária RESUMO Extensão Universitária: Mapeamento das Instituições que Fomentam Recursos para Extensão Universitária SILVA, Valdir Ricardo Honorato da (discente bolsista) SOUTO, Geane de Luna (Técnico orientador) RESUMO

Leia mais

2ª REUNIÃO DO COMITÊ DE LÍDERES DA MEI DE 2016. As Prioridades da Agenda da MEI

2ª REUNIÃO DO COMITÊ DE LÍDERES DA MEI DE 2016. As Prioridades da Agenda da MEI 2ª REUNIÃO DO COMITÊ DE LÍDERES DA MEI DE 2016 As Prioridades da Agenda da MEI Pedro Wongtschowski Grupo Ultra 13 de maio de 2016 US$ bilhões MANUFATURA - VALOR AGREGADO Brasil x Outros países 450 400

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília - IFB. Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação - PRPI Coordenação de Pesquisa - CDPQ

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília - IFB. Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação - PRPI Coordenação de Pesquisa - CDPQ CNPq/ CHAMADA MCTI/CNPq/UNESCO/HIDROEX Nº 10/2013 PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS (CsF) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília - IFB Ag. Edital Inscrições Objetivo Áreas de interesse

Leia mais

Desafios e Oportunidades para a Cooperação Científica Global

Desafios e Oportunidades para a Cooperação Científica Global Desafios e Oportunidades para a Cooperação Científica Global Dr. Glaucius Oliva Presidente CNPq 1 Grandes Avanços da Ciência no Brasil nas últimas décadas Crescimento e desconcentração da C&T no Brasil:

Leia mais

Aloizio Mercadante. Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia. UM PROGRAMA ESPECIAL DE MOBILIDADE INTERNACIONAL EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA e INOVAÇÃO

Aloizio Mercadante. Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia. UM PROGRAMA ESPECIAL DE MOBILIDADE INTERNACIONAL EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA e INOVAÇÃO UM PROGRAMA ESPECIAL DE MOBILIDADE INTERNACIONAL EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA e INOVAÇÃO Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia Conselho Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Ficha de Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 13 - ENGENHARIAS III IES: 33021015 - UNITAU - UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Programa: 33021015006P5 - ENGENHARIA MECÂNICA Modalidade: Profissional

Leia mais

Instrumentos de Cooperação Internacional do MCT

Instrumentos de Cooperação Internacional do MCT Plano de Ação 2007 2010 Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Encontro de Sociedades de Física da América Latina 26 de Fevereiro Instrumentos de Cooperação Internacional do MCT

Leia mais

FINEP UMA AGÊNCIA DE INOVAÇÃO. Vânia Damiani. Departamento de Instituições de Pesquisa Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa

FINEP UMA AGÊNCIA DE INOVAÇÃO. Vânia Damiani. Departamento de Instituições de Pesquisa Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa FINEP UMA AGÊNCIA DE INOVAÇÃO Vânia Damiani Departamento de Instituições de Pesquisa Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa A Missão da FINEP Promover o desenvolvimento econômico e social do Brasil

Leia mais

NUCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA - UESC

NUCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA - UESC Boletim 08 Editais / FAPESB Visite nosso blog: / Edital convida os pesquisadores a apresentarem projetos de pesquisa da área de saúde e em conformidade com os temas, no âmbito do Programa Pesquisa para

Leia mais

XCIX Reunião Ordinária Andifes

XCIX Reunião Ordinária Andifes XCIX Reunião Ordinária Andifes Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia Brasília, 24 de março de 2011 O Desenvolvimento Brasileiro: Perspectiva Histórica Taxas Médias do Crescimento

Leia mais

Sumário. Contextualização histórica C&T - Até 2003 C&T&I - Depois de 2003 Necessidade de capacitação: NIT. Atuação do INPI. Considerações Finais

Sumário. Contextualização histórica C&T - Até 2003 C&T&I - Depois de 2003 Necessidade de capacitação: NIT. Atuação do INPI. Considerações Finais Sumário Contextualização histórica C&T - Até 2003 C&T&I - Depois de 2003 Necessidade de capacitação: NIT Atuação do INPI Considerações Finais Promoção de C&T até 2003 1985 MCT criado 1990 MCT extinto 1992

Leia mais

Luiz Roberto Liza Curi Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com

Luiz Roberto Liza Curi Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com Luiz Roberto Liza Curi Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com 1 Luiz Roberto Liza Curi Sociólogo Doutor em Economia Conselheiro do Conselho Nacional de Educação Diretor LEYA

Leia mais

I WORKSHOP DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UESC:

I WORKSHOP DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UESC: Boletim 03/2011 I WORKSHOP DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UESC: http://www.uesc.br/nucleos/nit/index.php?item=conteudo_projetos.php Visite nosso blog: / Editais / FAPESB Edital 022/2010 Apoio a Pesquisa

Leia mais

Universidade de São Paulo

Universidade de São Paulo Universidade de São Paulo No mundo da cultura o centro está em toda parte M. Reale, reitor da USP Excelência e Inclusão Social Formação de Recursos Humanos Qualificados 1.153 445 196 253 774 486 549 1.449

Leia mais

Desafios da Inovação no Brasil

Desafios da Inovação no Brasil Jornada pela Inovação Audiência Pública Comissão de Ciência e Tecnologia Senado Federal Desafios da Inovação no Brasil Glauco Arbix Finep Brasília, 25 de maio de 2011 FINEP Empresa pública federal, não

Leia mais

programa fapesp de pesquisa sobre mudanças climáticas globais

programa fapesp de pesquisa sobre mudanças climáticas globais programa fapesp de pesquisa sobre mudanças climáticas globais programa fapesp de pesquisa sobre mudanças climáticas globais O funcionamento do nosso planeta depende da integração de diferentes compartimentos:

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Estratégias de Inovação A Nova Estratégia Internacional do Brasil: Investimentos, Serviços e Inovação na Agenda Externa São Paulo,

Leia mais

PRODUÇÃO CIENTÍFICA NO BRASIL - UM COMPARATIVO ENTRE AS UNIVERSIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS

PRODUÇÃO CIENTÍFICA NO BRASIL - UM COMPARATIVO ENTRE AS UNIVERSIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS PRODUÇÃO CIENTÍFICA NO BRASIL - UM COMPARATIVO ENTRE AS UNIVERSIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS Resumo HILU, Luciane PUCPR luciane.hilu@pucpr.br GISI, Maria Lourdes PUCPR maria.gisi@pucpr.br Eixo Temático: Políticas

Leia mais

HORIZONTE 2020. Aberto para o mundo! O Programa da União Europeia para Pesquisa e Inovação. Dr. Piero Venturi Comissão Europeia DG Pesquisa e Inovação

HORIZONTE 2020. Aberto para o mundo! O Programa da União Europeia para Pesquisa e Inovação. Dr. Piero Venturi Comissão Europeia DG Pesquisa e Inovação HORIZONTE 2020 O Programa da União Europeia para Pesquisa e Inovação Aberto para o mundo! Dr. Piero Venturi Comissão Europeia DG Pesquisa e Inovação O que é HORIZONTE 2020? Um programa de financiamento

Leia mais

O ESTADO DA ARTE DA RESTAURAÇÃO FLORESTAL NO BRASIL

O ESTADO DA ARTE DA RESTAURAÇÃO FLORESTAL NO BRASIL O ESTADO DA ARTE DA RESTAURAÇÃO FLORESTAL NO BRASIL Renata Evangelista de Oliveira Departamento de Desenvolvimento Rural Centro de Ciências Agrárias CCA/UFSCar O ESTADO DA ARTE DA RESTAURAÇÃO FLORESTAL

Leia mais

Centro de Referência em Inovação (CRI) Multinacionais. Incentivos governamentais (financiamentos e subsídios) para a inovação no Brasil

Centro de Referência em Inovação (CRI) Multinacionais. Incentivos governamentais (financiamentos e subsídios) para a inovação no Brasil Centro de Referência em Inovação (CRI) Multinacionais Incentivos governamentais (financiamentos e subsídios) para a inovação no Brasil Carlos Arruda Erika Barcellos Cleonir Tumelero Agenda Abertura e apresentação

Leia mais

FINEP. Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação. Seminário Complexo Industrial da Saúde

FINEP. Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação. Seminário Complexo Industrial da Saúde FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Seminário Complexo Industrial da Saúde Painel 3: Estímulo à Inovação, Pesquisa e Desenvolvimento São Paulo SP 01.03.2010 Sobre a

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Programas de Financiamento à Inovação III WORKSHOP DAS UNIDADES DE PESQUISA DO MCT Campinas, 30 e 31 de agosto de 2010 Inovação Inovação

Leia mais

INSCRIÇÕES DEFERIDAS - 2ª OPÇÃO

INSCRIÇÕES DEFERIDAS - 2ª OPÇÃO INSCRIÇÕES DEFERIDAS - 2ª OPÇÃO MONITORIA ACADÊMICA 2015 11010912 Bacharelado em Ciência da Computação 11023612 Bacharelado em Ciência da Computação 11025711 Bacharelado em Ciência da Computação 11107811

Leia mais

O HUWC e a pesquisa em saúde

O HUWC e a pesquisa em saúde UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Hospital Universitário Walter Cantídio O HUWC e a pesquisa em saúde Dr. Marcelo Alcantara Holanda Diretoria de Ensino e Pesquisa-HUWC Maio-2006 PESQUISA PRÁTICA VS. PESQUISA

Leia mais

CURRÍCULOS RESUMIDOS

CURRÍCULOS RESUMIDOS CURRÍCULOS RESUMIDOS 1. CURRÍCULOS RESUMIDOS DOS CANDIDATOS PARA O CONSELHO DELIBERATIVO a) Carlos Alberto Aragão de Carvalho Filho Cursou a graduação e o mestrado em física na PUC/RJ (1973 e 1976), e

Leia mais

OFERTA EDUCATIVA. 1. os Ciclos Licenciaturas

OFERTA EDUCATIVA. 1. os Ciclos Licenciaturas A Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT), fundada em 1977, está instalada no Campus de Caparica. Este agradável Campus, de fácil acesso através de uma rede de transportes públicos variada que inclui

Leia mais

UNITWIN/UNESCO Chairs Programme. Educação e Inovação para Cooperação Solidária

UNITWIN/UNESCO Chairs Programme. Educação e Inovação para Cooperação Solidária UNITWIN/UNESCO Chairs Programme Educação e Inovação para Cooperação Solidária O que são as Cátedras UNESCO? O Programa de Cátedras e Redes UNITWIN tem como principal objetivo a capacitação através da troca

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação: Estratégia para o país

Ciência, Tecnologia e Inovação: Estratégia para o país Ciência, Tecnologia e Inovação: Estratégia para o país Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação Brasília, 14 de dezembro de 2011 Baixo Crescimento das Economias Maduras Dívida

Leia mais

EDITAIS: MARÇO DE 2015

EDITAIS: MARÇO DE 2015 DATA LIMITE DE ENVIO OBJETO QUEM PODE PROPOR ÓRGÃO FINANCIADOR LINK DO EDITAL 11/3/2015 Edital 24/2014 Apoio à Publicação Cientifica e/ou Tecnológica tem por finalidade incentivar o incremento das publicações

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Ficha de Ficha de do Programa Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 2 - CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO IES: 24001015 - UFPB/J.P. - UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA/JOÃO PESSOA Programa: 24001015047P4

Leia mais

IBM Research: Inovação feita no Brasil. Ricardo Pelegrini Gerente Geral de Serviços para IBM América Latina

IBM Research: Inovação feita no Brasil. Ricardo Pelegrini Gerente Geral de Serviços para IBM América Latina IBM Research: Inovação feita no Brasil Ricardo Pelegrini Gerente Geral de Serviços para IBM América Latina Expansão & Globalização da IBM Research Division: Cenário de Competição Decisões da IBM Research

Leia mais

SETORIAIS VISÃO GERAL

SETORIAIS VISÃO GERAL MCT FUNDOS SETORIAIS VISÃO GERAL Financiamento de Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil RECURSOS GOVERNAMENTAIS IMPOSTOS e TAXAÇÃO SISTEMA DE CT&I Universidades Centros de Pesquisas Empresas do Governo

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA A LEGISLAÇÃO DE PATENTES E O FUTURO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO BRASIL MARIA APARECIDA DE SOUZA CAMPINAS, 17 DE OUTUBRO DE 2011. Agência USP de Inovação

Leia mais

A Inovação, a Ciência e Tecnologia e o Território no período 2014-2020 Perspetivas e Oportunidades

A Inovação, a Ciência e Tecnologia e o Território no período 2014-2020 Perspetivas e Oportunidades A Inovação, a Ciência e Tecnologia e o Território no período 2014-2020 Perspetivas e Oportunidades Bragança, 16 de Outubro 2014 1 A Inovação em Portugal - Alguns dados recentes Em relação à média da União

Leia mais

UM PROGRAMA ESPECIAL DE MOBILIDADE INTERNACIONAL EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA e INOVAÇÃO. Julho 2011

UM PROGRAMA ESPECIAL DE MOBILIDADE INTERNACIONAL EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA e INOVAÇÃO. Julho 2011 UM PROGRAMA ESPECIAL DE MOBILIDADE INTERNACIONAL EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA e INOVAÇÃO. Julho 2011 O Papel Central do Conhecimento na Economia Global do Século XXI Ciência Tecnologia Riqueza O Brasil Exemplos

Leia mais

Fórum de Pró-Reitores de Pesquisa e Pós-Graduação - FOPROP

Fórum de Pró-Reitores de Pesquisa e Pós-Graduação - FOPROP Fórum de Pró-Reitores de Pesquisa e Pós-Graduação - FOPROP ANEXO I REQUERIMENTO ELEIÇÕES DA DIRETORIA EXECUTIVA DO FOPROP (GESTÃO 2013-2014) I- NOME DA CHAPA: FOPROP 2014 II- INTEGRANTES DA CHAPA: NOME

Leia mais

1º Congresso da Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde - I CIMES Painel: Fomento, Preços, Compras e Encomendas

1º Congresso da Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde - I CIMES Painel: Fomento, Preços, Compras e Encomendas 1º Congresso da Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde - I CIMES Painel: Fomento, Preços, Compras e Encomendas São Paulo, 10 de abril de 2012 Ranking Produção científica & Inovação Produção Científica

Leia mais

HORIZONTE 2020. Aberto para o mundo! O Programa da União Europeia para Pesquisa e Inovação. Dr. Piero Venturi Comissão Europeia DG Pesquisa e Inovação

HORIZONTE 2020. Aberto para o mundo! O Programa da União Europeia para Pesquisa e Inovação. Dr. Piero Venturi Comissão Europeia DG Pesquisa e Inovação HORIZONTE 2020 O Programa da União Europeia para Pesquisa e Inovação Aberto para o mundo! Dr. Piero Venturi Comissão Europeia DG Pesquisa e Inovação A União Europeia 500 milhões de pessoas - 28 países

Leia mais

Capacitação de Agentes Gestores de APLs

Capacitação de Agentes Gestores de APLs Capacitação de Agentes Gestores de APLs Fontes de Fomento à Inovação sandro.cortezia@venti.com.br Sandro Cortezia, MSc. Apresentação Nome: Onde trabalha/função: Já elaborou ou foi contemplado em projetos

Leia mais

1 Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil: breve panorama e possíveis áreas de colaboração com

1 Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil: breve panorama e possíveis áreas de colaboração com CT&I no Brasil: breve panorama e possíveis áreas de colaboração com Cuba 179 Blucher Proceedings Cuba e Brasil no Século XXI (CBS21) Desafíos Estratégicos e Institucionais da Inovação Ciência, Tecnologia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO CURITIBA 2012 2 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO DA UFPR 1. HISTÓRICO Em 13 de novembro de 2009, o

Leia mais

Iniciativa Nacional de Inovação em Biotecnologia

Iniciativa Nacional de Inovação em Biotecnologia Iniciativa Nacional de Inovação em Biotecnologia Visão Atual e 2021 3º CB APL 29 de novembro de 2007. Brasília - DF 1 CONTEXTO Fórum de Competitividade de Biotecnologia: Política de Desenvolvimento da

Leia mais

O Plano TI Maior. 17 de outubro de 2012 Hotel Bahia Othon Palace Salvador - BA

O Plano TI Maior. 17 de outubro de 2012 Hotel Bahia Othon Palace Salvador - BA O Plano TI Maior 17 de outubro de 2012 Hotel Bahia Othon Palace Salvador - BA Agenda Sobre a Assespro Sobre o Plano TI Maior Informações Oficiais Posicionamento da Assespro A Assespro A Assespro Nacional

Leia mais

dezembro-2005 janeiro-2005 a Período: Programa de Fomento à Pós-Graduação - PROF Valor (R$ Mil) Valor (R$ Mil) Valor Total (R$ Mil) Bolsistas

dezembro-2005 janeiro-2005 a Período: Programa de Fomento à Pós-Graduação - PROF Valor (R$ Mil) Valor (R$ Mil) Valor Total (R$ Mil) Bolsistas Ministério da Educação - MEC Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES Número de Bolsistas e Valores Pagos (Médias), Segundo os Programas de Pós-Grad. Níveis: Mestrado

Leia mais

Fórum Nacional do CONFAP. Avaliação do Cenário de C, T & I no Brasil

Fórum Nacional do CONFAP. Avaliação do Cenário de C, T & I no Brasil Fórum Nacional do CONFAP Avaliação do Cenário de C, T & I no Brasil São Paulo, 27 de agosto de 2015 Alavancar os investimentos empresariais em P&D para alcançar o total de 1,5% do PIB em P&D. Em 10

Leia mais

As universidades do Brasil mais respeitadas por empregadores Os diplomas mais valorizados pelas empresas

As universidades do Brasil mais respeitadas por empregadores Os diplomas mais valorizados pelas empresas As universidades do Brasil mais respeitadas por empregadores Os diplomas mais valorizados pelas empresas Camila Pati, de EXAME.com São Paulo - Para elaborar seus rankings de melhores universidades, a Quacquarelli

Leia mais

Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação PIBITI/CNPq/USP. Pró-Reitoria de Pesquisa

Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação PIBITI/CNPq/USP. Pró-Reitoria de Pesquisa EDITAL 2015/2016 A Pró-Reitoria de e o Comitê Institucional do Programa de Iniciação Científica e Tecnológica da Universidade de São Paulo PIC/PIBITI USP, tornam público o presente Edital de abertura de

Leia mais

UNICAMP: 26 ANOS DE AUTONOMIA COM VINCULAÇÃO

UNICAMP: 26 ANOS DE AUTONOMIA COM VINCULAÇÃO UNICAMP: 26 ANOS DE AUTONOMIA COM VINCULAÇÃO ORÇAMENTÁRIA JOSÉ TADEU JORGE REITOR UNICAMP 26/08/2015 - ALESP 1 PRIMEIROS ANOS -CAMPUS CAMPINAS 2 MARÇO 2014 -CAMPUS CAMPINAS 3 HOJE -CAMPUS CAMPINAS UNIVERSIDADE

Leia mais

COORDENAÇÃO-GERAL DE PESQUISA E MANUTENÇÃO DE PRODUTOS CONSOLIDADOS LILLIAN ALVARES

COORDENAÇÃO-GERAL DE PESQUISA E MANUTENÇÃO DE PRODUTOS CONSOLIDADOS LILLIAN ALVARES COORDENAÇÃO-GERAL DE PESQUISA E MANUTENÇÃO DE PRODUTOS CONSOLIDADOS LILLIAN ALVARES Coordenação do Laboratório de Metodologias de Tratamento e Disseminação da Informação Bianca Amaro Coordenação de Atendimento

Leia mais

Siglas, termos e expressões

Siglas, termos e expressões Siglas, termos e expressões Abrabe ANCEFN Andifes AUIP BAM CAp/Uerj Capes CGEE CIB Cieps CNE CNPq COFECUB Conaes CONICET Coppe/UFRJ DED DO ENBT EHESS EPGE ERC Esal ESDI/Uerj Associação Brasileira de Bebidas

Leia mais

PROGRAMA PETROBRAS DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS PFRH. Recursos Humanos Universidade Petrobras

PROGRAMA PETROBRAS DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS PFRH. Recursos Humanos Universidade Petrobras PROGRAMA PETROBRAS DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS PFRH Recursos Humanos Universidade Petrobras PROGRAMA PETROBRAS DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS - PFRH Objetivo Ampliar e fortalecer a formação de recursos

Leia mais

Edital Interno de Seleção do Programa CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS - CAPES/CNPq

Edital Interno de Seleção do Programa CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS - CAPES/CNPq Edital Interno de Seleção do Programa CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS - CAPES/CNPq Graduação Sanduíche na Austrália, Bélgica, Espanha, Canadá, Coréia do Sul, Holanda e Portugal EDITAL DE SELEÇÃO 002-2012 O Diretor

Leia mais

Estratégias do CNPq para a Pesquisa e Inovação

Estratégias do CNPq para a Pesquisa e Inovação Estratégias do CNPq para a Pesquisa e Inovação Dr. Glaucius Oliva Presidente CNPq Publicações Matrículas no Ensino Superior Docentes com Doutorado Orçamento - MCTI Orçamento - CNPq Orçamento - Capes Orçamento

Leia mais

A ÁREA INTERDISCIPLINAR DE SOCIAIS E HUMANIDADES DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA REGIÃO SUDESTE: UM PANORAMA NECESSÁRIO

A ÁREA INTERDISCIPLINAR DE SOCIAIS E HUMANIDADES DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA REGIÃO SUDESTE: UM PANORAMA NECESSÁRIO FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO III SEMINÁRIO DE PESQUISA DA FESPSP A ÁREA INTERDISCIPLINAR DE SOCIAIS E HUMANIDADES DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA REGIÃO SUDESTE: UM

Leia mais

RESULTADO DA SELEÇÃO

RESULTADO DA SELEÇÃO RESULTADO DA SELEÇÃO CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA APOIO NA ELABORAÇÃO DE PRODUTO REFERENTE À AÇÃO 02 DO PROJETO OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL - TERMO DE REFERENCIA Nº 04 Perfil: Técnico Pleno Produto:

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA. Desde a criação do primeiro Programa de NA PÓS-GRADUAÇÃO

FORMAÇÃO PLENA. Desde a criação do primeiro Programa de NA PÓS-GRADUAÇÃO FORMAÇÃO PLENA NA PÓS-GRADUAÇÃO Desde a criação do primeiro Programa de Pós- Sricto Sensu, em Fitotecnia, em 1975, a UFLA ocupou-se de pautar as suas ações em fundamentos morais sólidos e em valores que

Leia mais

Desafios para Ciência e Tecnologia no Brasil

Desafios para Ciência e Tecnologia no Brasil 1 REVISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO, NÚMERO 1, OUTUBRO 2011 Desafios para Ciência e Tecnologia no Brasil Sergio Machado Rezende Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE rezende@df.ufpe.br

Leia mais

Cadeias de Inovação Atores e Papéis. Manoel Mendonça SECTI Nov/2015

Cadeias de Inovação Atores e Papéis. Manoel Mendonça SECTI Nov/2015 Cadeias de Inovação Atores e Papéis Manoel Mendonça SECTI Nov/2015 Cenário Atual Cidadãos Governo Possuem necessidades de soluções inovadoras Buscam soluções inovadoras Investem para desenvolver soluções

Leia mais

A FINEP e a Inovação nas Empresas

A FINEP e a Inovação nas Empresas A FINEP e a Inovação nas Empresas Avílio Antônio Franco afranco@finep.gov.br A Missão da FINEP Promover e financiar a inovação e a pesquisa científica e tecnológica em empresas, universidades, centros

Leia mais

SENAI C2i Centro Internacional de Inovação

SENAI C2i Centro Internacional de Inovação Congresso ABIPTI 2014 Ações das ICTs para a competitividade e internacionalização das empresas SENAI C2i Centro Internacional de Inovação SENAI C2i SENAI C2i - Centro Internacional de Inovação Educação

Leia mais

AEducação Superior. na Legislação Educacional Vigente. Prof a. Rosimar de Fátima Oliveira Departamento de Educação Universidade Federal de Viçosa

AEducação Superior. na Legislação Educacional Vigente. Prof a. Rosimar de Fátima Oliveira Departamento de Educação Universidade Federal de Viçosa AEducação Superior na Legislação Educacional Vigente Prof a. Rosimar de Fátima Oliveira Departamento de Educação Universidade Federal de Viçosa 1. Estrutura Normativa da Educação Superior AUTONOMIA ACESSO

Leia mais

Área Geográfica 8.514.876,599 km 2 56.439,838 Km 2 População (2007) 183.987.291 habitantes 3.641.395 habitantes Densidade demográfica

Área Geográfica 8.514.876,599 km 2 56.439,838 Km 2 População (2007) 183.987.291 habitantes 3.641.395 habitantes Densidade demográfica 1- DADOS GERAIS DO ESTADO DO ESTADO DA PARAÍBA Brasil Paraíba Área Geográfica 8.514.876,599 km 2 56.439,838 Km 2 População (2007) 183.987.291 habitantes 3.641.395 habitantes Densidade demográfica 21,61

Leia mais

PROGRAMA RS TECNÓPOLE

PROGRAMA RS TECNÓPOLE GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA CIÊNCIA, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO PROGRAMA RS TECNÓPOLE Porto Alegre, abril de 2011. 1 1. CONCEITOS BÁSICOS E ANTECEDENTES A inovação

Leia mais

PRONUNCIAMENTO DA DEPUTADA MARIA DO CARMO LARA 02/10/2007 SESSÃO SOLENE EM HOMENAGEM AOS 80 ANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

PRONUNCIAMENTO DA DEPUTADA MARIA DO CARMO LARA 02/10/2007 SESSÃO SOLENE EM HOMENAGEM AOS 80 ANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PRONUNCIAMENTO DA DEPUTADA MARIA DO CARMO LARA 02/10/2007 SESSÃO SOLENE EM HOMENAGEM AOS 80 ANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, A Universidade Federal de

Leia mais

Propostas de Cursos Novos 149 a Reunião CTC/ES 9 a 13 de setembro de 2013

Propostas de Cursos Novos 149 a Reunião CTC/ES 9 a 13 de setembro de 2013 Ministério da Educação - MEC Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Capes Diretoria de Avaliação - DAV Coordenação Geral de Avaliação e Acompanhamento - CGAA Propostas de

Leia mais

Boa Vista - Roraima Eixos Discutidos Energia Mudanças Climáticas Amazônia Biodiversidade e Recursos Naturais Saúde e Meio Ambiente Capacitação para o Desenvolvimento Social Eixos Discutidos Energia Mudanças

Leia mais

FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação

FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Fomento à Inovação no Brasil Desenvolvimento e Sustentabilidade ALIDE Fortaleza, maio 2010 FINEP Empresa pública federal, vinculada

Leia mais

Inova Mineral 27/10/2015

Inova Mineral 27/10/2015 Inova Mineral Workshop para estruturação de um Plano Conjunto BNDES-FINEP de apoio à inovação tecnológica no setor de mineração e transformação mineral 27/10/2015 Inova Mineral AGENDA Objetivo: Propor

Leia mais

Reunião - ÁGUA. Eis as questões levantadas dentro da discussão das megatendências: - como integrar a gestão da água em seus diversos âmbitos?

Reunião - ÁGUA. Eis as questões levantadas dentro da discussão das megatendências: - como integrar a gestão da água em seus diversos âmbitos? Reunião - ÁGUA Em 28 de fevereiro de 2011, realizou-se na Fundação Dom Cabral a primeira reunião temática no contexto do projeto Inovações Ambientais. O eixo das discussões realizadas foi a água. Os objetivos

Leia mais

Desenvolvimento. Tecnológico e Industrial para. os Próximos Dez Anos. Prof. Adm. Dr. Welington da Silva Vieira

Desenvolvimento. Tecnológico e Industrial para. os Próximos Dez Anos. Prof. Adm. Dr. Welington da Silva Vieira Desenvolvimento Tecnológico e Industrial para os Próximos Dez Anos Prof. Adm. Dr. Welington da Silva Vieira PANORAMA GERAL DA INDÚSTRIA EM GOIÁS E NO BRASIL - 2013 INDICADOR GOIÁS BRASIL Número de indústrias

Leia mais

Promover o crescimento sustentável da indústria brasileira, em médio e longo prazo, na área de química verde para a geração de inovações tecnológicas

Promover o crescimento sustentável da indústria brasileira, em médio e longo prazo, na área de química verde para a geração de inovações tecnológicas Promover o crescimento sustentável da indústria brasileira, em médio e longo prazo, na área de química verde para a geração de inovações tecnológicas e a transferência de conhecimento através de pesquisa,

Leia mais

Inovação no Complexo Industrial da Saúde

Inovação no Complexo Industrial da Saúde 3º ENCONTRO NACIONAL DE INOVAÇÃO EM FÁRMACOS E MEDICAMENTOS Inovação no Complexo Industrial da Saúde Painel: Fomento, Preços, Compras e Encomendas São Paulo SP, 15 de setembro de 2009 FINEP Empresa pública

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014

Plano Brasil Maior 2011/2014 Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Agenda Tecnológica Setorial ATS 18 de junho de 2013 Sumário PBM e CIS Objetivo da ATS Focos das ATS Roteiro Metodologia para Seleção

Leia mais

REUNIÃO SESU. Brasília, Setembro 2011 Jorge A. Guimarães Plano Nacional de Pós-Graduação PNPG 2011 2020 jguimaraes@capes.gov.br

REUNIÃO SESU. Brasília, Setembro 2011 Jorge A. Guimarães Plano Nacional de Pós-Graduação PNPG 2011 2020 jguimaraes@capes.gov.br REUNIÃO SESU Brasília, Setembro 2011 Jorge A. Guimarães Plano Nacional de Pós-Graduação PNPG 2011 2020 jguimaraes@capes.gov.br Eixos do PNPG 2011-2020 1. Expansão do SNPG (assimetrias); 2. Criação da agenda

Leia mais

Jurandir Vieira Santiago

Jurandir Vieira Santiago 22º Fórum de Debates Brasilianas: Os Novos Polos de Desenvolvimento Painel 2: Mecanismos para a Indução da Política Industrial no Brasil Jurandir Vieira Santiago Presidente do BNB As Políticas Industriais

Leia mais

Centro Internacional de Inovação. Ronald Dauscha

Centro Internacional de Inovação. Ronald Dauscha Centro Internacional de Inovação Ronald Dauscha V Encontro da Rota MM (24.11.2010, CIETEP) C2i Centro Internacional de Inovação Ronald M. Dauscha, Sistema FIEP Federação das Indústrias do Estado do Paraná

Leia mais

Prof. Peter Bent Hansen PPGAd FACE PUCRS Junho de 2012.

Prof. Peter Bent Hansen PPGAd FACE PUCRS Junho de 2012. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd FACE PUCRS Junho de 2012. Questões: Qual o foco das pesquisas científicas atuais? Quais as demandas atuais das organizações? Quais os temas mais relevantes hoje e nos próximos

Leia mais

CHAMADAS PÚBLICAS DE SUBVENÇÃO ECONÔMICA E CHAMADAS COOPERATIVAS NA FINEP: DIFERENÇAS NO GRAU REQUERIDO DE INOVAÇÃO

CHAMADAS PÚBLICAS DE SUBVENÇÃO ECONÔMICA E CHAMADAS COOPERATIVAS NA FINEP: DIFERENÇAS NO GRAU REQUERIDO DE INOVAÇÃO CHAMADAS PÚBLICAS DE SUBVENÇÃO ECONÔMICA E CHAMADAS COOPERATIVAS NA FINEP: DIFERENÇAS NO GRAU REQUERIDO DE INOVAÇÃO José Mauro de Morais* 1 INTRODUÇÃO A Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) é uma

Leia mais

SMARTGRID Rede Inteligente de Energia. Apresentação para Sociedade Mineira de Engenheiros

SMARTGRID Rede Inteligente de Energia. Apresentação para Sociedade Mineira de Engenheiros SMARTGRID Rede Inteligente de Energia Apresentação para Sociedade Mineira de Engenheiros Belo Horizonte,09 de Dezembro de 2009 Sumário: O que é SMARTGRID? Sistema elétrico inteligente, que integra e possibilita

Leia mais

Tópicos Especiais. Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Informática Educativa no Brasil 17/01/2009

Tópicos Especiais. Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Informática Educativa no Brasil 17/01/2009 Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Arquitetura da Informática e Automação MBA Gestão em Tecnologia da Informaçao 1 Tópicos Especiais Informática Educativa no Brasil

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ALIMENTOS E NUTRIÇÃO PPGAN

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ALIMENTOS E NUTRIÇÃO PPGAN UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ALIMENTOS E NUTRIÇÃO PPGAN PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ALIMENTOS E NUTRIÇÃO PPGAN PERÍODO

Leia mais

I SEMANA DE ZOOTECNIA: AS CIÊNCIAS AGRÁRIAS E SUAS INSTITUIÇÕES

I SEMANA DE ZOOTECNIA: AS CIÊNCIAS AGRÁRIAS E SUAS INSTITUIÇÕES I SEMANA DE ZOOTECNIA: AS CIÊNCIAS AGRÁRIAS E SUAS INSTITUIÇÕES A COLABORAÇÃO DA FAPEPI NA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DO PIAUÍ Dra. BÁRBARA OLIMPIA RAMOS DE MELO PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO

Leia mais

Prestação de Contas do Programa de Excelência Acadêmica PROEX

Prestação de Contas do Programa de Excelência Acadêmica PROEX Prestação de Contas do Programa de Excelência Acadêmica PROEX O Pós-Lit recebe apoio dos órgãos de fomento nacionais e estaduais como CAPES, CNPq e FAPEMIG, principalmente na forma de bolsas de Mestrado

Leia mais

4ª REUNIÃO DO DIRETÓRIO NACIONAL DO FOPROP 2006/2007 (em conjunto com a Regional Centro-Oeste)

4ª REUNIÃO DO DIRETÓRIO NACIONAL DO FOPROP 2006/2007 (em conjunto com a Regional Centro-Oeste) 4ª REUNIÃO DO DIRETÓRIO NACIONAL DO FOPROP 2006/2007 (em conjunto com a Regional Centro-Oeste) DATA: 18 à 20/06/2007 LOCAL: Corumbá/ MS PARTICIPANTES: Presidente: Prof. José Luiz Fontes Monteiro Universidade

Leia mais

Inovação no Esporte e as. Universidades Quarto Brasileiras. - O caso UERJ -

Inovação no Esporte e as. Universidades Quarto Brasileiras. - O caso UERJ - UGF Rio 29 e 30/MAR/2012 Clique para editar o texto mestre Segundo nível Inovação no Esporte e as Terceiro nível Universidades Quarto Brasileiras nível Quinto nível - O caso UERJ - Academia Olímpica Brasileira

Leia mais

4º SEMINÁRIO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS- GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (4º SeNAU)

4º SEMINÁRIO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS- GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (4º SeNAU) 4º SEMINÁRIO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS- GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (4º SeNAU) INOVAÇÃO E ÉTICA NA PESQUISA EM ARQUITETURA E URBANISMO 22 e 23 de outubro de 2015 Universidade Presbiteriana Mackenzie,

Leia mais

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Ronaldo Mota Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Comissão Especial Pré-Sal / Fundo Social Câmara dos Deputados 6 de

Leia mais

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação FINEP 2012-2014: investir mais e melhor em Inovação Agenda O Desafio da Inovação A FINEP Instrumentos de Apoio (Reembolsável, Não Reembolsável, Fundos) Números

Leia mais

ExpoT&C. 64ª Reunião Anual da SBPC

ExpoT&C. 64ª Reunião Anual da SBPC ExpoT&C Uma das mais importantes mostras de Ciência e Tecnologia, a EXPOT&C, um dos eventos que fazem parte da 64ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência SBPC - acontecerá, neste

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Outubro de 2012 Agenda Missão e Visão Tipos de Inovação Financiáveis Áreas

Leia mais

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES EDITAL Nº 036/2012 Chamada para Publicação Revista Brasileira de Pós-Graduação RBPG Edição Temática: A pós-graduação e o desenvolvimento

Leia mais

Deliberações da 169ª reunião ordinária, realizada em 29/08/2008

Deliberações da 169ª reunião ordinária, realizada em 29/08/2008 Deliberações da 169ª reunião ordinária, realizada em 29/08/2008 1. Homologadas os seguintes ad referendum dados pela Presidência: - Doação de bens móveis do campus de São Carlos da UFSCar. Resol. ConsUni

Leia mais

Código da Ciência, Tecnologia e Inovação (PL 2177/2011) e fomento à tecnologia

Código da Ciência, Tecnologia e Inovação (PL 2177/2011) e fomento à tecnologia Código da Ciência, Tecnologia e Inovação (PL 2177/2011) e fomento à tecnologia Roberto Nicolsky Diretor Geral da Protec Apresentação no Reunião do IPDEletron 14 de agosto de 2012, ABINEE, São Paulo, SP

Leia mais

Desafios da Indústria e da Política de Desenvolvimento Produtivo

Desafios da Indústria e da Política de Desenvolvimento Produtivo Desafios da Indústria e da Política de Desenvolvimento Produtivo Josué Gomes da Silva IEDI Seminário Internacional: A Hora e a Vez da Política de Desenvolvimento Produtivo BNDES / CNI CEPAL / OCDE 22/09/2009

Leia mais

Siglas, termos e expressões

Siglas, termos e expressões Siglas, termos e expressões ABDI ACTC Adab ANCEFN Andifes AUIP BAM C,T&I Capes Cesumar CFE CFO CFOC CGEE CI CIB CIC/UnB CNE CNPq COFECUB Conaes CONICET CTC/Capes DAS DCI/UFPE DPP DS Agência Brasileira

Leia mais

Os Desafios do Estado na implementação dos Parques Tecnológicos

Os Desafios do Estado na implementação dos Parques Tecnológicos Os Desafios do Estado na implementação dos Parques Tecnológicos Marcos Cintra Subsecretário de Ciência e Tecnologia Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia Outubro/2013 Brasil 7ª

Leia mais