ANÁLISE DE RISCOS NAS ATIVIDADES DE EXECUÇÃO DE FORMAS NA OPERAÇÃO COM SERRA CIRCULAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DE RISCOS NAS ATIVIDADES DE EXECUÇÃO DE FORMAS NA OPERAÇÃO COM SERRA CIRCULAR"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE CURSO DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO ANÁLISE DE RISCOS NAS ATIVIDADES DE EXECUÇÃO DE FORMAS NA OPERAÇÃO COM SERRA CIRCULAR DEISE DELFINO NUNES ROSILDA MARIA DE SOUZA CRICIÚMA, ABRIL 2007

2 1 DEISE DELFINO NUNES ROSILDA MARIA DE SOUZA ANÁLISE DE RISCOS NAS ATIVIDADES DE EXECUÇÃO DE FORMAS NA OPERAÇÃO COM SERRA CIRCULAR Monografia apresentada como requisito final à obtenção do título de Especialista em Engenharia de Segurança do Trabalho, à Universidade do Extremo Sul Catarinense, Curso de Pós-Graduação (lato sensu) em Engenharia de Segurança do Trabalho. Orientadora: Prof. Vera Lúcia Duarte do Valle Pereira, Dra. Co-Orientadora: Prof. Simone T. F. Lopes da Costa, M.Sc. CRICIÚMA, ABRIL 2007

3 2 TERMO DE APROVAÇÃO DEISE DELFINO NUNES ROSILDA MARIA DE SOUZA ANÁLISE DE RISCOS NAS ATIVIDADES DE EXECUÇÃO DE FORMAS NA OPERAÇÃO COM SERRA CIRCULAR Monografia apresentada como requisito final à obtenção do título de Especialista em Engenharia de Segurança do Trabalho, à Universidade do Extremo Sul Catarinense. Prof. Vera Lúcia D. do Valle Pereira, Dra. Coordenadora do Curso Banca Examinadora: Prof. Vera Lúcia D. do Valle Pereira, Dra. Orientadora Prof. Simone T. F. Lopes da Costa, M.Sc. Co-Orientadora Prof. Marcelo Fontanella Webster, M.Sc. CRICIÚMA, ABRIL 2007

4 SUMÁRIO LISTA DE TABELAS...6 LISTA DE FIGURAS...7 LISTA DE SIGLAS...8 RESUMO...9 ABSTRACT...10 CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Problemática Objetivos Objetivo Geral Objetivo Específico Justificativa Metodologia Base Filosófica Método de Pesquisa Caracterização da Pesquisa Natureza da Pesquisa Caráter da Pesquisa Profundidade da Pesquisa Técnicas da Pesquisa Relevância à Engenharia de Segurança do Trabalho Limitações Estrutura do Trabalho...17 CAPÍTULO II CONSTRUÇÃO CIVIL Característica do setor Desenvolvimento tecnológico da construção civil no Brasil Normatização técnica e certificação de conformidade Segurança na construção civil Conceitos básicos Acidente e Quase-acidentes Condições inseguras e atos inseguros Perigo e risco Normatização em Segurança e Saúde na Indústria da Construção Norma Regulamentadora N o 4 (SESMT) Norma Regulamentadora N o 5 (CIPA) Norma Regulamentadora N o 7 (PCMSO) Norma Regulamentadora N o 9 (PPRA) Norma Regulamentadora N o 18 (PCMAT) Estatística do setor da Construção Civil para o estado de Santa Catarina Por que investir em segurança (custos e responsabilidade social)? Ações em segurança e saúde no trabalho na indústria da construção civil Sistema de Formas Definições Características Classificação dos sistemas de formas para concreto Formas para elementos verticais Formas para elementos horizontais

5 2.4.4 Execução de formas na operação com serra circular Descrição do Processo de Execução de Formas Procedimento de segurança a ser realizado Preparação do Material Elaboração das Formas Remoção das Formas Retiradas de Escoras Analise dos Riscos dos Serviços de Execução de Formas com Serra Circular Riscos na operação da Serra Circular Causas dos riscos na operação da Serra Circular Medidas Preventivas Análise de Riscos Principais técnicas de análise de riscos Objetivos das Técnicas de Análise de Riscos Aplicação das técnicas de análise de riscos Técnicas de identificação de perigos What-if Check-list Técnicas de Análise de Riscos Análise Preliminar de Riscos (APR) - Preliminary Hazard Analysis (PHA) Também chamada de Análise Preliminar de Perigos (APP) Análise de Operabilidade de Perigos - Hazard and Operability Studies (HAZOP) Análise de Modos de Falha e Efeitos (AMFE) - Failure Modes and Effects Analysis (FMEA) Técnicas Avaliação de Riscos Análise de Árvore de Falhas (AAF) - Fault Tree Analysis (FTA)...62 CAPÍTULO III ESTUDO DE CASO Estudo de Caso Histórico da Empresa Procedimentos Metodológicos Fluxograma de Execução de Formas Método Metodologia de implantação das Técnicas APR e AMFE Serra circular na execução de formas Identificação de riscos na serra circular a serem observados in loco Retrocesso da madeira Dentes ou videas quebrados ou trincados Desequilíbrio da Madeira decorrente da própria operação da serra Contato acidental das mãos com os dentes da Serra, caso não possua coifa protetora Contato acidental com o disco da serra, no final da operação de serragem, caso não possua coifa protetora e empurrador Contato com o disco da serra na parte inferior (abaixo) da bancada, falta de proteção nas laterais Falta de organização no canteiro de obras Coletor de serragem e suportes de apoio Etapas para aplicação da APR

6 3.9 Aplicação da APR Etapas para Aplicação da AMFE Aplicação da AMFE Abordagem sistêmica Componentes da serra circular...83 CAPÍTULO IV Resultados obtidos Análise Preliminar de Riscos (APR) Análise de Modos de Falhas e Efeitos (AMFE)...90 CAPÍTULO V Conclusões e Recomendações para futuros trabalhos Conclusões A Importância da Engenharia de Segurança do Trabalho Recomendações para Futuros Trabalhos...97 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

7 6 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Indicadores de Acidente do Trabalho para o ano Tabela 2 Indicadores de Acidente do Trabalho para o ano Tabela 3 Indicadores de Acidente do Trabalho para o ano Tabela 4 Indicadores de Acidente do Trabalho para o ano 2002 Edificações diversas...37 Tabela 5 Indicadores de Acidente do Trabalho para o ano 2003 Edificações diversas...37 Tabela 6 Indicadores de Acidente do Trabalho para o ano 2004 Edificações diversas...37 Tabela 7 - Modelo de ficha para Análise Preliminar de Riscos...56 Tabela 8 - Categoria de severidade dos cenários utilizados em APR...57 Tabela 9 - Palavras-guia do estudo HAZOP e respectivos desvios...58 Tabela 10 - Modelo de relatório para um estudo HAZOP...59 Tabela 11 - Modelo de Aplicação de uma AMFE...60 Tabela 12 - Modelo de formulário para AMFE...62 Tabela 13 - Álgebra booleana e simbologia usada na árvore de falhas...66 Tabela 14 - Relacionamento e leis representativas da Álgebra de Boole...67 Tabela 15 Categoria de severidade dos cenários utilizados em APR (adaptada)...79 Tabela 16 Grupo de Trabalho...80 Tabela 17 - Formulário para AMFE...81 Tabela 18: Análise preliminar de risco do subsistema empilhamento de madeira...87 Tabela 19: Análise preliminar de risco do subsistema madeira isenta de pregos...87 Tabela 20: Análise preliminar de risco do subsistema transporte da madeira a serra Tabela 21: Análise preliminar de risco do subsistema colocação da madeira Tabela 22: Análise preliminar de risco do subsistema organização do canteiro...89 Tabela 23 Análise preliminar de risco do subsistema organização do canteiro...89 Tabela 24: Análise preliminar de risco do subsistema organização do canteiro...90 Tabela 25: Análise de modos de falha e efeitos do disco...91 Tabela 26: Análise de modos de falha e efeitos da coifa protetora...91 Tabela 27: Análise de modos de falha e efeitos do cutelo divisor...92 Tabela 28: Análise de modos de falha e efeitos dos empurradores...92 Tabela 29: Análise de modos de falha e efeitos da chave liga/desliga...93 Tabela 30: Análise de modos de falha e efeitos do aterramento...93

8 7 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Estrutura fundamental de uma AMFE...63 Figura 2 - Simbologia lógica de uma árvore de falha...65 Figura 3 - Esquema de uma árvore de falhas...68 Figura 4 - Quadro de áreas do Residencial Jardim di Ébanos...70 Figura 5 - Fluxograma do processo de Execução de Formas...72 Figura 6 - Etapa para implantação APR e AMFE...73 Figura 7 - Tábua de pinus com nós e rachaduras...74 Figura 8 - Serra com dentes ou videas quebrados ou trincados...75 Figura 9 - Desequilíbrio da madeira...75 Figura 10 - Contato acidental das mãos com os dentes da Serra...76 Figura 11-Contato acidental com o disco da serra caso não possua coifa protetora ou empurrador...77 Figura 12 - Contato com o disco da serra na parte inferior da bancada sem proteção nas laterais...77 Figura 13 - Falta de organização e limpeza no canteiro de obras...78 Figura 14 - Coletor de serragem e suportes de apoio...79 Figura 15 - Processo da Serra circular Figura 16 - Disco da serra circular...83 Figura 17 - Coifa protetora...84 Figura 18 - Cutelo divisor ou Lâmina reparadora...84 Figura 19 Empurradores...85

9 8 LISTA DE SIGLAS AAF - Análise de Árvores de Falhas ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas AIDS - - Acquirite Imuno-Deficience Syndrom (Síndrome de Imunodeficiência Adquirida- SIDA) AMFE - Análise dos Modos de Falhas e Efeitos APP - Análise Preliminar de Perigos APR - Análise Preliminar de Riscos Check List - Lista de Verificações CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CLT - Consolidação das Leis do Trabalho CNAE - Classificação Nacional de Atividades Econômicas CONMETRO - Conselho Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial DRT - Delegacia Regional do Trabalho DSST - Departamento de Saúde e Segurança do Trabalho EPC - Equipamento de proteção coletiva EPI - Equipamento de proteção individual FGTS - Fundo de Garantia por Tempo de Serviço-- FMEA - Failure Modes and Effects Analysis FMECA - Failure Modes and Criticality Analysis FTA - Fault Tree Analysis FUNDACENTRO - Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho HAZOP- Hazard and Operability Studies INMETRO - Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial ITQC - Instituto de Tecnologia da Qualidade na Construção NB - Norma Brasileira NR - Norma Regulamentadora MET - Ministérios do Trabalho e Emprego OIT - Organização Internacional do Trabalho OMC - Organização Mundial do Comércio PBQPH - Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade do Habitat PCMAT - Programa de Condições e Meio Ambiente na Indústria da Construção Civil PCMSO - Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional PHA - Preliminary Hazard Analysis PIB - Produto Interno Bruto PIB PNRAFT - Programa Nacional de Redução de Acidentes Fatais do Trabalho PPA - Plano Plurianual PPRA - Programa de Prevenção de Riscos Ambientais SESMT - Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho SINMETRO - Sistema Nacional de Metrologia, Normatização e Qualidade Industrial SIPAT - Semana Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho SST - Segurança e Saúde no Trabalho SST WHAT IF - O que - se

10 9 RESUMO O presente trabalho tem por finalidade identificar os riscos na atividade de execução de formas com utilização da serra circular e propor medidas de segurança, através de análises de Análise Preliminar de Riscos (APR) e Análise de Modos de Falha e Efeitos (AMFE). A relevância deste segmento implica na necessidade de prevenção de acidentes na operação com serra circular objetivando minimizar os riscos relacionados a segurança e a saúde do trabalhador. A partir da compreensão desses conceitos as autoras apresentam estudo de caso na operação com serra circular da construção civil com o objetivo de evidenciar a importância desta pesquisa. Palavras-chave: Análise de riscos. Serra circular. Segurança.

11 10 ABSTRACT The purpose of this work, is to identify in the concrete forms execution, the risks involved in the use of circular saw, also, it is proposed, by using Preliminary Risk Analysis (PRA) and (FMEA) Failure Modes and Effect Analysis. In order to assure safety and health to the worker in the civil construction segment it is of paramount need to develop means for circular saw safer operation. By this study and application of risk analysis to a case study of circular saw in the civil construction sector the authors hope to make come it practices contribution. Word-key: Risks Analysis. Circular Saw Machine. Safety.

12 11 CAPÍTULO I 1 INTRODUÇÃO No contexto atual, a construção civil é um dos setores que apresenta considerável crescimento e importância, sendo assim, discute-se muito e com elevado interesse, o investimento em segurança. Em função disto abordar-se-á neste trabalho o seguinte tema: Análise de riscos nas atividades de execução de formas utilizando serra circular. O interesse pelo tema busca apresentar diretrizes básicas, visando à melhoria continua da segurança do trabalho nesta atividade. Com o intuito de contribuir para a evolução do setor, a partir da busca pelas melhores práticas, com a redução dos riscos de acidentes e um melhor desempenho das equipes e profissionais da construção civil. Tendo como objetivo, analisar os riscos à segurança do trabalhador nos serviços executados, para tal tornar-se-á necessário levantar os riscos de cada tipo de serviço executado no canteiro de obras. Neste, levantar-se-á os riscos na atividade de execução de formas, mais precisamente, na utilização da serra circular. Os riscos serão levantados nos serviços executados no Canteiro de Obras do Residencial Jardim di Ébanos, no qual consta de onze casas geminadas, com área de 983,08m², localizada em Criciúma SC. Através de análise prática vivenciada diariamente no canteiro de obras, pretendese analisar o procedimento de execução de formas, utilizando serra circular, levantar os riscos inerentes neste serviço. Após abordagem no canteiro de obras e diagnóstico dos riscos decorrentes do uso da serra circular, analisar-se-á as aplicações práticas utilizadas no canteiro de obras para combater os riscos existentes, verificando também a eficácia das ações. Para realização destas análises utilizou-se de conhecimentos e experiência como profissionais atuando na área de Engenheira Civil.

13 Problemática Ainda hoje somos desafiados a evitar acidentes todos os dias. Nos canteiros de obras há riscos a serem neutralizados e controlados. A ênfase neste trabalho será voltada para os serviços de execução de formas utilizando serra circular, em função disso definimos a seguinte problemática: Quais são os riscos de acidentes de trabalho nos serviços de execução de formas com a utilização da serra circular? 1.2 Objetivos Objetivo Geral Identificar os riscos de acidentes nos serviços de execução de formas com utilização serra circular Objetivo Específico Tem-se como objetivo específico: - Realizar uma revisão bibliográfica com o intuito de estabelecer conceitos, conhecer a legislação e as normas de segurança relativas aos riscos na atividade; - Observar e descrever as atividades dos trabalhadores envolvidos na atividade de execução de formas;

14 13 - Utilizar as técnicas de análise de risco para identificar os riscos de maior incidência. 1.3 Justificativa Devido à existência dos riscos dentro dos procedimentos dos serviços executados na construção civil, há a necessidade de identificá-los e criar condições e procedimentos que aliem segurança do trabalhador e qualidade da obra. Observando-se a necessidade de analisar os riscos aos trabalhadores envolvidos na atividade de execução de formas e tendo como premissa que a Engenharia de Segurança do Trabalho atua na prevenção de acidentes é que se optou por fazer o presente trabalho. Além de haver preocupação da empresa quanto ao aspecto de oferecer serviços com qualidade e segurança aos seus empregados. Propor-se-á nesta monografia, um estudo sobre os riscos inerentes ao trabalho na atividade de execução de formas, bem como a apresentação e pesquisa de técnicas de análise de riscos, enfatizando as técnicas Análise Preliminar de Riscos (APR) e Análise dos Modos de Falha e Efeitos (AMFE). Estas ferramentas serão especificamente utilizadas no estudo de caso com serra circular. O estudo das técnicas de análise de riscos se faz necessário porque permite avaliar detalhadamente um objeto com a finalidade de identificar perigo e avaliar os riscos associados. O objeto pode ser tanto organização como a área, sistema, processo, atividade ou operação. Embora não tenha ocorrido nenhum acidente no canteiro de obras, tem-se a informação da ocorrência de acidentes em outras obras do setor. Diante disto, considerou-se importante contribuir nesta área de segurança associando os perigos agregados a serra circular com as técnicas de análise de riscos de maneira a preveni-los antes que ocorram.

15 Metodologia Base Filosófica Segundo Pacheco Jr e Pereira (2003), o estruturalismo busca estudar o processo em que as variáveis estão envolvidas e, desse modo, maior importância se dá ao conhecimento do próprio processo, em detrimento da relação entre variáveis. Para Triviños (1987), a estrutura é própria de todos os fenômenos, coisas, objetos e sistemas que existem na realidade. E uma forma interior que caracteriza a existência do objeto. Ela preserva a unidade que peculiariza a coisa através das conexões estáveis que se estabeleceu entre os diferentes elementos que a constituem Método de Pesquisa Os métodos utilizados nesta pesquisa foram o dedutivo que, partindo das teorias e leis, na maioria das vezes prediz a ocorrência dos fenômenos particulares e o descritivo, pois parte de observações de como são executados os serviços na atividade de execução de formas com subseqüente descrição o que possibilita conclusões finais sobre o objeto de pesquisa. O método dedutivo, de acordo com Pacheco Jr e Pereira (2003), é o método que parte do geral e, a seguir, desce ao particular e com o objetivo de explicar o conteúdo das premissas de pesquisa. Segundo Pacheco Jr e Pereira (2003), método descritivo é o processo de raciocínio em que se parte da premissa de que os fenômenos para serem compreendidos em suas especificidades devem ser objeto de observação [...].

16 Caracterização da Pesquisa Serão considerados três aspectos: - Natureza; - Caráter; - Profundidade; - Técnicas da Pesquisa Natureza da Pesquisa A abordagem qualitativa foi selecionada como método de pesquisa, tendo em vista que o estudo tem natureza exploratório-interpretativa, visando a captar através do estudo de caso dados primários (observações sobre risco com atividade de serra circular) e secundários (bibliografia), os índices oficiais de ocorrência de acidentes Caráter da Pesquisa Conforme Malhotra (2001, p.155), pesquisa qualitativa é a metodologia de pesquisa não-estruturada, exploratória, baseada em pequenas amostras que proporciona insights e compreensão do contexto do problema. Segundo Pacheco Junior, W e Pereira, V. L. D. V.(2003), a pesquisa caracterizase por ser exploratória, quando não se conhece muito bem sobre o tema ou fenômeno objeto de pesquisa e, desse modo buscam-se informações e relações entre os elementos em estudo, possibilitando obter-se um maior conhecimento. De acordo com Triviños (1987), são os estudos exploratórios que permitem ao investigador aumentar sua experiência em torno de determinado problema.

17 Profundidade da Pesquisa O estudo de caso é uma das formas de fazer pesquisa em estudos organizacionais e gerenciais contribuindo com a essência do tema para aumentar o conhecimento científico sobre o assunto e relacionar as melhorias e resultados operacionais e estratégicos das empresas em estudo. Para Yin (2001) um estudo de caso é uma investigação empírica que investiga um fenômeno contemporâneo dentro de um contexto de vida real, especialmente quando os limites entre o fenômeno e o contexto não estão claramente definidos. O estudo de caso representa uma maneira de se investigar um tópico empírico, através de procedimentos específicos. Segundo Triviños (1987), o estudo de caso tem por objetivo aprofundar a descrição de determinada realidade. No estudo de caso, os resultados são válidos só para o caso que se estuda, mas fornece o conhecimento aprofundado de uma realidade delimitada que os resultados atingidos podem permitir e formular hipóteses para o encaminhamento de outras pesquisas. Para o desenvolvimento do trabalho, inicialmente, proceder-se-á a seleção de bibliografia de referência para o necessário embasamento teórico dos principais conceitos relacionados ao tema do trabalho. Após, realizar-se-á uma pesquisa qualitativa baseado em estudo de caso em uma empresa da construção civil, Construtora Nunes Técnicas da Pesquisa As técnicas utilizadas serão: a) Levantamento bibliográfico de informações disponíveis sobre construção civil; b) Levantamento técnico-documental e bibliográfico sobre análise de riscos, técnicas aplicáveis, dados construtivos e especificações técnicas de serra circular; e, c) Aplicação prática das técnicas de análise de risco APR e AMFE em uma empresa da construção civil da cidade de Criciúma/SC (estudo de caso).

18 Relevância à Engenharia de Segurança do Trabalho A relevância deste trabalho se dá: - Como referência a novos trabalhos sobre análise de riscos nas atividades de execução de formas; - Na prevenção de acidentes na operação com serra circular; - Este estudo pode servir como diretriz para que outras empresas possam fazer programas para evitar acidentes de trabalho no serviço analisado. 1.6 Limitações Este trabalho limitou-se à aplicação de análise de riscos e técnicas existentes da APR e AMFE no estudo de caso. O objeto desta pesquisa será realizado no Residencial Jardim di Ébanos, obra da Construtora Nunes localizada em Criciúma- SC. 1.7 Estrutura do Trabalho Objetivando situar o leitor nas partes que compõem essa monografia, será apresentada uma síntese de cada capítulo. No capítulo I far-se-á uma descrição do que é o trabalho, sua relevância e limitações. No capítulo II será feita a revisão bibliográfica, na qual apresentar-se-á uma exposição sobre Construção Civil, caracterizar a indústria, suas particularidades, uma breve revisão referente à atividade nos serviços de execução de formas. No capítulo III far-se-á um histórico da empresa onde será aplicado o estudo de caso, descrever-se-á como é o serviço de execução de formas, apresentar-se-á em forma de fluxograma, far-se-á observação do serviço de execução de formas de forma a levantar todos

19 18 os riscos a que o trabalhador está exposto, e por fim do capitulo 3, será apresentado o fluxograma do serviço mostrando os riscos de cada etapa. No capítulo IV serão apresentados os resultados das observações sobre análises de riscos na atividade de execução de formas com serra circular. No capítulo V far-se-á uma análise dos dados levantados e recomendações para melhorar a segurança nas atividades de execução de formas.

20 19 CAPÍTULO II 2 CONSTRUÇÃO CIVIL 2.1 Característica do setor É incontestável a importância da indústria da construção, principalmente nos grandes centros urbanos, onde os canteiros de obras são presenças constantes, seja nos grandes e modernos prédios comerciais, nas moradias, pontes, viadutos, estradas etc., uma atividade que nas últimas décadas, obteve um desenvolvimento bastante acentuado. O crescimento do setor da construção não atingiu, no entanto, a todos que nele estão envolvidos: os seus trabalhadores continuam a levar uma vida de poucas oportunidades e conquistas. Com baixos salários e precárias condições de trabalho, a indústria da construção lidera as estatísticas de acidentes de trabalho apresentando inúmeras peculiaridades, envolvendo um elevado número de riscos, razão pela qual são mais difíceis e complexas as medidas preventivas. Em cada fase da obra, mesmo com a evolução de técnicas construtivas ao longo dos anos, predominam técnicas artesanais e a interferência de fatores ambientais como chuva, umidade, calor, frio, velocidades dos ventos, entre outros. A falta de um efetivo gerenciamento do ambiente de trabalho, do processo produtivo e de orientação aos trabalhadores, fez com que inúmeros acidentes de trabalho, principalmente os graves e fatais, tivessem um significativo aumento em relação a outros ramos de atividades. É importante ressaltar que a reformulação da Norma Regulamentadora (NR) Nº 18, publicada no Diário Oficial da União em 07 de julho de 1995, se constituía num mecanismo de constantes avanços na melhoria das condições de trabalho nos canteiros de obras, o que reforça a necessidade de se implementar ações integradas na indústria da construção (http:// Mesmo sendo a Construção Civil o setor da economia responsável pela criação e manutenção de grande número de empregos diretos e indiretos no Brasil, o descaso com os trabalhadores continua gerando elevados índices de acidentes de trabalho. Esses elevados índices se caracterizam devido a uma série de peculiaridades que acabam tornando as medidas

21 20 preventivas para acidentes de trabalho muito complexas. Segundo pesquisas, amplamente divulgadas pelo Ministério do Trabalho e Emprego, a Construção Civil é responsável por 21,55% (FUNDACENTRO, 1981) de todos os acidentes registrados no país. Este elevado índice deve-se à situação precária, no que diz respeito à higiene, segurança, treinamento e meio ambiente, que se encontra o setor da Construção Civil. Essas más condições de higiene e segurança no trabalho existentes nos canteiros de obra, segundo Saurin (2000, pg. 01), tem sido apontadas com freqüência como um dos símbolos do atraso tecnológico e gerencial que caracteriza a indústria da construção. Por outro lado, nos últimos anos tem se observado no país um grande esforço no sentido de modernizar este setor industrial, principalmente motivado pelo aumento da competição e pelo crescente grau de exigência de qualidade por parte dos consumidores e produtividade por parte dos empreendedores. Os empregados da indústria da construção civil apresentam instabilidade empregatícia; em épocas de crescimento do setor, são recrutados da zona rural ou de estados mais pobres sem nenhum treinamento específico e, portanto, sem qualificação profissional (BARROS JÚNIOR et al., 1990). A baixa qualificação, a elevada rotatividade e o reduzido investimento por parte das empresas em treinamento e desenvolvimento costumam ser algo característico dessa indústria (ANDRADE E BASTOS, 1999). A modernização da indústria da construção civil, com ênfase na gestão da produção, levou a exigência de maior produtividade e qualidade do produto, fazendo as empresas passar a se preocupar com os operários, no sentido de treiná-los, capacitá-los e fazêlos criar vínculos de fidelidade com as mesmas (CORDEIRO e MACHADO, 2002). Os índices vêm diminuindo com as contribuições da NR18 e das ações desenvolvidas pelos Comitês Permanentes Regionais sobre Condições e Meio Ambiente do Trabalho na Indústria da Construção (CADERNO..., 2003). Tendo-se, no Brasil, uma grande massa de trabalhadores em situação de informalidade das relações contratuais, a tendência é elevar-se a subnotificação acidentária, já importante no país (RIGOTTO, 1998). Essa situação, acrescida do fato de que a população ser formada ainda por uma grande parcela de pessoas desconhecedoras de seus direitos, faz com que os trabalhadores acabem admitindo a culpa pelos acidentes de trabalho, não chegando a procurar atendimento à saúde ou, quando o fazem, omitem o seu problema de saúde como sendo relacionado ao trabalho.

22 21 Perante todas estas situações resulta um numeroso conjunto de riscos objetivos e bastante elevados, que transformam este setor num dos setores de atividade com maiores probabilidades de ocorrência de acidentes de trabalho, associados à forte precariedade, rotatividade e prática de subcontratação Desenvolvimento tecnológico da construção civil no Brasil Diante de um país com grande déficit habitacional, a incorporação de meios e técnicas construtivas voltadas para racionalização, diminuição dos custos e melhoria da qualidade de uma habitação, são de extrema importância no sentido de sanar, ou, pelo menos diminuir este déficit. A partir do final da década de 1980, uma nova realidade sócioeconômica caracteriza a sociedade e a economia mundial. Em meados da década de 1990 é promulgado o código de defesa do consumir e o governo federal desenvolve políticas mais efetivas visando à estabilidade econômica. Este quadro político, social e a crise econômica reduzem significativamente o mercado consumidor. Este fato promove acirrada concorrência entre as empresas, que passam a investir em eficiência na utilização dos seus recursos e na qualidade de seus produtos (THOMAZ, 2001). Além disso, força as empresas a buscarem alternativas no seu modo de produção, a oferecerem produtos mais acessíveis e melhores e obriga a repensarem sua forma de produzir, visando sua sobrevivência neste mercado. As indústrias estão estruturadas por meio de cadeias de dependências, com elos mais fortes ou fracos, dependendo do grau de desenvolvimento e do patamar tecnológico das unidades que participam desta cadeia, na qual existe um centro hegemônico de todo processo político e produtivo. Este centro domina por completo todas as relações entre as partes que compõem a estrutura. Se uma unidade se torna obsoleta, em relação ao todo, ela será substituída por outra mais adequada e, provavelmente, desaparecerá do mercado. Enquanto que nos setores industrializados em geral o poder de decisão está concentrado na indústria polarizadora, na construção civil ele está pulverizado em vários segmentos que participam da macro-estrutura produtiva. Esta gama de agentes com interesses diversos e diferentes graus de desenvolvimento tecnológico, interfere de forma decisiva no

23 22 produto final do setor (MARTUCCI, 1990), como também, no seu ritmo de modernização tecnológica, fazendo com que este se dê de forma lenta em relação a outros segmentos industriais. A passagem da construção civil do estágio de processo artesanal para o de indústria de montagem, adquire contornos irreversíveis, apesar das resistências que ainda sobrevivem. Certas posturas e vícios de comportamento ainda estão por mudar, paralelamente ao que se refere ao conhecido tripé tecnologia/qualidade/produtividade. Sinal dos tempos, sete anos atrás se fundava o Instituto de Tecnologia da Qualidade na Construção (ITQC), mesma época em que um grande número de empresas brasileiras começou a desaparecer - umas foram incorporadas, outras simplesmente deixaram de existir, porque não souberam se renovar em tempo hábil. E antes ainda, o Instituto de Engenharia, se adiantando, já havia deflagrado a discussão em torno do problema, "A criação do ITQC foi uma das conseqüências da preocupação dos diversos segmentos do setor da construção civil com sua sobrevivência, lembra o vice-presidente do órgão, profº Vahan Agopian. Eles se juntaram e criaram o ITQC, que é apenas um aglomerador, incentivador da evolução da tecnologia e da qualidade. O Instituto não executa, apenas levanta o problema, articula e, principalmente em projetos de âmbito nacional em que trabalham várias instituições, o ITQC atua como canalizador e integrador de informações, viabilizando trabalhos e estudos". Para o professor Vahan, "há muito a ser feito ainda no Brasil pela melhora da construção civil, uma indústria atípica no mundo inteiro, o que não quer dizer que nossa indústria seja pior do que a americana, japonesa, ou australiana. Ela é diferente". Ele concorda que, "quando se fala em qualidade, não existe esse fator isolado, mas todos os elos da cadeia ficam envolvidos: o material, a execução, a manutenção, a fiscalização e assim por diante. A construtora tem de interagir com a empreiteira, quando uma construtora implanta qualidade, ela acaba incentivando toda a corrente produtiva". É importante ressaltar que a indústria da construção civil está inserida num mundo interdependente, sofrendo conseqüências de ações que não estão diretamente associados às decisões tomadas por ela. Por muitos anos, a construção civil ficou adormecida e o mercado de trabalho sem perspectiva de melhora. Existe, no momento, a confiança de um novo tempo com perspectivas positivas de desenvolvimento e crescimento. O papel desta indústria está associado às melhorias da qualidade de vida das pessoas e isto faz com que este papel seja

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Técnico em Segurança do Trabalho Gerenciamento de Riscos Professor: Marcio Ruiz Maia AULA 02 Conceitos na Gerencia de Riscos 2.1) Revisão de conceitos de Segurança 2.2) Conceitos Básicos de SST 2.3) As

Leia mais

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO.

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO. EMPRESA Conforme o Art. 157 da CLT - Consolidação das Leis Trabalhistas Cabe às empresas: Cumprir e fazer cumprir as normas de segurança e medicina do trabalho; Instruir os empregados, através de ordens

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NR 1 - Disposições Gerais As Normas Regulamentadoras são de observância obrigatória por

Leia mais

Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho (SESMT) são mantidos, obrigatoriamente, pelas

Leia mais

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ELABORADO APROVADO FOLHA: 1/24 NOME Vivan Gonçalves Coordenador do SESMT Teresinha de Lara Coordenador do SGI DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 ÍNDICE 1. Objetivo 4 1.1. Escopo do SGSSO TELEDATA 5 2. Referências

Leia mais

Cesar Penteado Kossa. Outubro/2014

Cesar Penteado Kossa. Outubro/2014 Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho Fundacentro Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho na construção de rodovias: Estudo de caso com foco na atividade de terraplenagem

Leia mais

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Sinópse Generalidades. Antecedentes Históricos. Conceitos Básicos: - Acidente do Trabalho; - Atividades e Operações Insalúbres; - Riscos Ocupacionais; - Equipamentos

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4 Competências a serem trabalhadas nesta aula Estabelecer os parâmetros e diretrizes necessários para garantir um padrão

Leia mais

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS Módulo II STH - SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS BASES TÉCNICAS PARA O CONTROLE DOS FATORES DE RISCO E A MELHORIA DOS AMBIENTES E CONDIÇÕES DE TRABALHO A eliminação ou a redução

Leia mais

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir.

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir. 2.6.16 - Este programa contém as principais ações que têm sido tomadas para prevenir os danos à saúde e integridade física dos trabalhadores e da população da região, os prejuízos materiais e possíveis

Leia mais

Segurança do Trabalho no Canteiro de Obras PARTE 2

Segurança do Trabalho no Canteiro de Obras PARTE 2 Segurança do Trabalho no Canteiro de Obras PARTE 2 Equipamento de Proteção Coletiva (EPC): 2 Áreas vazadas: Equipamento de Proteção Coletiva (EPC) 18.13.1. É obrigatória a instalação de proteção coletiva

Leia mais

OHSAS-18001:2007 Tradução livre

OHSAS-18001:2007 Tradução livre SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL - REQUISITOS (OCCUPATIONAL HEALTH AND SAFETY MANAGEMENT SYSTEMS - REQUIREMENTS) OHSAS 18001:2007 Diretrizes para o uso desta tradução Este documento

Leia mais

Anexo contratual: Health and Safety (HAS)

Anexo contratual: Health and Safety (HAS) Com a premissa fundamental de perpetuar a visão preventiva e o controle eficaz dos riscos operacionais, este anexo contratual determina os princípios legais e gerenciais para a manutenção da integridade

Leia mais

Palavras-Chave: acidente de trabalho; construção civil; análise de registros.

Palavras-Chave: acidente de trabalho; construção civil; análise de registros. ANÁLISE DESCRITIVA DOS REGISTROS DE ACIDENTES DO TRABALHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Nelson Borges Soares Neto 1,3 ; Sueli Martins de Freitas Alves 2,3 1 Acadêmico do Curso de Engenharia Civil, Unidade Universitária

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

Fatores humanos na identificação de perigos e avaliação de riscos

Fatores humanos na identificação de perigos e avaliação de riscos Fatores humanos na identificação de perigos e avaliação de riscos Marcello Guimarães Couto, M.Sc. HGB Consultoria e Gestão Ltda. marcello@hgb.com.br mgcouto@gmail.com Resumo Este artigo aborda os novos

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia

PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia PÁG. 1/12 1. OBJETIVO Estabelecer a sistemática para gestão de anomalias na BAHIAGÁS, determinando os critérios para seu registro, comunicação, investigação e a metodologia para definição e implantação

Leia mais

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS Elaborado em: 05/01/2011 Autor: Borges 1.Introdução É comum entre empregadores e colaboradores que exerçam cargos de confiança a preocupação em gerir

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS 1) OBJETO 1.1) As diretrizes aqui apresentadas tem o objetivo de instruir as empresas contratadas pela, UNILA, quanto

Leia mais

1.1 Segurança do trabalho

1.1 Segurança do trabalho 1.1 Segurança do trabalho A Segurança do Trabalho pode ser entendida como o conjunto de medidas adotadas, visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, bem como proteger a integridade

Leia mais

NR 4 - Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT)

NR 4 - Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT) Zelãene dos Santos SEGURANÇA DO TRABALHO E MEIO AMBIENTE NR 4 - Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT) 4.1. As empresas privadas e públicas, os órgãos públicos

Leia mais

REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO

REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO 1 REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO 2 1. CARACTERIZAÇÃO DO SETOR 1.1. Definição do Gerenciamento A definição do gerenciamento pode ser dada sob diversos enfoques, dentre os quais destacamos o texto escrito por

Leia mais

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2. A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.000 consultores que se dedicam de forma integral à gestão de riscos

Leia mais

INTEGRAÇÃO - EHS MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO

INTEGRAÇÃO - EHS MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO INTEGRAÇÃO - EHS MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Sustentabilidade Para garantir um futuro próspero às próximas gerações, nós fomentamos a Sustentabilidade como um pilar fundamental para o

Leia mais

GRUPO 01 GRUPO 02 GRUPO 03 NÃO SE APLICA

GRUPO 01 GRUPO 02 GRUPO 03 NÃO SE APLICA CONCEITO DE AVALIAÇÃO CHECK LIST 1. MEMORIAL SOBRE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NAS NOTA MÉDIA FINAL: 6,71NOTA MÉDIA FINAL: 4,82NOTA MÉDIA FINAL: 8,97 ATIVIDADES E OPERAÇÕES a) O memorial contempla

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS FAP E NTEP

NORMAS REGULAMENTADORAS FAP E NTEP NORMAS REGULAMENTADORAS FAP E NTEP LEGISLAÇÃO A Portaria n 3214, de 08/06/1978, aprovou as normas regulamentadoras NR do capítulo V, Título II, da CLT, relativas a segurança e medicina do trabalho. Atualmente

Leia mais

Manual de Segurança e higiene do trabalho Procedimento para CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

Manual de Segurança e higiene do trabalho Procedimento para CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes Revisão: 00 Folha: 1 / 10 1. Definição CIPA Acidente 2. Objetivo A CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo a tornar compatível permanentemente o trabalho

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

Conceitos básicos em Medicina e Segurança do Trabalho

Conceitos básicos em Medicina e Segurança do Trabalho Conceitos básicos em Medicina e Segurança do Trabalho A Consolidação das Leis do Trabalho foi aprovada pelo decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de l.943. Em seu art. 1º a Consolidação estatui as normas

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume III Análise de Riscos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Programa de Segurança e Saúde do Trabalho "Segurança o Tempo Todo"

Programa de Segurança e Saúde do Trabalho Segurança o Tempo Todo Página: 1/14 1. OBJETIVO Descrever as principais rotinas gerenciais de segurança e saúde do trabalho à serem desenvolvidas pela equipe da ENDICON, visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais,

Leia mais

Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1

Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1 Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1 1. INTRODUÇÃO 1.1. Justificativa O tema estudado no presente trabalho é a expansão de habitações

Leia mais

Estel Serviços Industriais Ltda Av. Presidente Castelo Branco, S/N Centro Empresarial - Aracruz - ES CEP: 29192-503 www.estel.com.br / Tel.

Estel Serviços Industriais Ltda Av. Presidente Castelo Branco, S/N Centro Empresarial - Aracruz - ES CEP: 29192-503 www.estel.com.br / Tel. Estel Serviços Industriais Ltda Av. Presidente Castelo Branco, S/N Centro Empresarial - Aracruz - ES CEP: 29192-503 www.estel.com.br / Tel.: (27) 3256 9393 1 - Objetivo 2 - Documentos de Referência 3 -

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ASSUNTO PADRONIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, A SEREM EXECUTADAS PELAS EMPRESAS CONTRATADAS PELA INFRAERO RESPONSÁVEL DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO (DA) GERÊNCIA DE DINÂMICA LABORAL

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DE ASPECTOS DA NR-18 EM CANTEIROS DE OBRAS NA CIDADE DE CRUZ DAS ALMAS E REGIÃO

AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DE ASPECTOS DA NR-18 EM CANTEIROS DE OBRAS NA CIDADE DE CRUZ DAS ALMAS E REGIÃO AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DE ASPECTOS DA NR-18 EM CANTEIROS DE OBRAS NA CIDADE DE CRUZ DAS ALMAS E REGIÃO SANTANA, Diego da Silva 1 ; PAES, Filipe Pereira 2 ; SANTANA, Valquiria Melo de 3, CERQUEIRA, Milena

Leia mais

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br (41) 35620280 medicinaocupacional@saudemais.med.br http://www.saudemais.med.br Temos a satisfação de apresentar nossos serviços de Saúde Ocupacional. Oferecemos assessoria completa em segurança e medicina

Leia mais

Curso de Pós Graduação Lato Sensu em Engenharia de Segurança no Trabalho. Projeto Pedagógico

Curso de Pós Graduação Lato Sensu em Engenharia de Segurança no Trabalho. Projeto Pedagógico FACCAMP FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA COORDENADORIA DE EXTENSÃO E PESQUISA Curso de Pós Graduação Lato Sensu em Engenharia de Segurança no Trabalho Projeto Pedagógico Campo Limpo Paulista 2014 FACCAMP

Leia mais

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base [informe a unidade/complexo] Anexo 1 do PGS-3209-46-63 Data - 07/10/2013 Análise Global: - [informe o número e data da análise] p. 1/27 Sumário

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único Curso Técnico Segurança do Trabalho Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único SeÄÅo IX Das InstalaÄÉes ElÑtricas Art. 179 - O Ministério do Trabalho disporá sobre as condições de segurança e as medidas

Leia mais

Aplicar os princípios de ergonomia na realização do trabalho;

Aplicar os princípios de ergonomia na realização do trabalho; Curso: Técnico de Segurança do Trabalho Curso Reconhecido pelo MEC: PORTARIA N 959/2007 Apresentação: O curso de Técnico de Segurança do Trabalho da Conhecer Escola Técnica é reconhecido pela excelência

Leia mais

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente PERFIL PROFISSIONAL Profissional capaz de orientar e intervir na realidade do processo produtivo, promovendo mudanças em relação às aplicações tecnológicas

Leia mais

ANÁLISE DE ACIDENTES DE TRABALHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL DE CRICIÚMA/SC NO PERÍODO DE 2012 E 2013 ESTUDO DE CASO

ANÁLISE DE ACIDENTES DE TRABALHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL DE CRICIÚMA/SC NO PERÍODO DE 2012 E 2013 ESTUDO DE CASO ANÁLISE DE ACIDENTES DE TRABALHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL DE CRICIÚMA/SC NO PERÍODO DE 2012 E 2013 ESTUDO DE CASO RESUMO Cindi Niero Mazon (1), Clóvis Norberto Savi (2); UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

Parte Geral Doutrina INTRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO LILIANA COLLINA MAIA

Parte Geral Doutrina INTRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO LILIANA COLLINA MAIA Parte Geral Doutrina A Responsabilidade das Empresas Frente aos Programas Previdenciários SAT e PPP e as Reais Consequências para a Saúde do Trabalhador Brasileiro LILIANA COLLINA MAIA Advogada em Belo

Leia mais

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas 1. Objetivo Este Procedimento tem como objetivo fixar os requisitos de segurança e medicina do trabalho para as atividades de empresas contratadas, que venham a executar obras e/ou serviços nas dependências

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Visão Sistêmica e Abrangente

Gerenciamento de Riscos Visão Sistêmica e Abrangente Gerenciamento de Riscos Visão Sistêmica e Abrangente Sobre o curso: O curso proporcionará aos participantes a compreensão sobre a importância de realizar a gestão de riscos, e o entendimento de ferramentas

Leia mais

NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS Transcrito pela Nutri Safety * O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO no uso de suas atribuições legais, e CONSIDERANDO o disposto nos artigos 155

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PORTARIA N.º 25, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1994 (*) (DOU de 30/12/94 Seção 1 págs 21.280 a 21.282) (Republicada em 15/12/95 Seção

Leia mais

Sistema de gestão integrado da qualidade, saúde e segurança do trabalho baseado na norma SiAC e no Guia Britânico BS 8800

Sistema de gestão integrado da qualidade, saúde e segurança do trabalho baseado na norma SiAC e no Guia Britânico BS 8800 Sistema de gestão integrado da qualidade, saúde e segurança do trabalho baseado na norma SiAC e no Guia Britânico BS 8800 GONZALEZ, Edinaldo F. (UFSC) edinaldofg@yahoo.com.br KURTZ, Carlos E. (UFSC) engcarloskurtz@yahoo.com.br

Leia mais

10º CONEST Florianópolis de 20 a 22 de setembro de 2007

10º CONEST Florianópolis de 20 a 22 de setembro de 2007 MAFFEI, José Carlos (2001) - Estudo de Potencialidades da Integração de Sistemas de Gestão da Qualidade, Meio Ambiente, Segurança e Saúde Ocupacional, Dissertação de Mestrado da UFSC, Florianópolis. PACHECO,

Leia mais

PRINCIPAIS FALHAS EM AUDITORIAS DO PBQP-H

PRINCIPAIS FALHAS EM AUDITORIAS DO PBQP-H PRINCIPAIS FALHAS EM AUDITORIAS DO PBQP-H PARA COMEÇAR......A VERSÃO 2012 VERSÃO 2012 A versão 2012 do SiAC incluiu alguns requisitos, antes não verificados em obras. São eles: 1. Indicadores de qualidade

Leia mais

Segurança e Saúde no Trabalho

Segurança e Saúde no Trabalho www.econcursando.com.br Segurança e Saúde no Trabalho Autor: Flávio O. Nunes Auditor Fiscal do Trabalho Todos os direitos reservados ao professor Flávio Nunes cópia proibida 1 NR-07 - PCMSO CLT: Art. 168

Leia mais

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2)

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) Página 1 de 6 NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) 7.1. Do objeto. 7.1.1. Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte

Leia mais

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO R & W Engenharia Fundada em 19 de abril de 1991. Prestação de serviços em segurança do trabalho atendendo em especial as NRs6, 9, 13, 15, 16 e 17 com emissão de laudos técnicos. Treinamentos como: Cipa,

Leia mais

O que é e como encontrar uma oportunidade?

O que é e como encontrar uma oportunidade? CRIAÇÃO DE NOVOS NEGÓCIOS Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc O que é e como encontrar uma oportunidade? CRIAÇÃO DE NOVOS NEGÓCIOS É mais fácil perceber uma carência ou uma necessidade do que uma oportunidade.

Leia mais

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007)

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007) Gestão e otimização da produção Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional () Marco Antonio Dantas de Souza MSc. Engenharia de Produção Engenheiro de Segurança do Trabalho Introdução Fonte: Ministério da

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático Sistemas de Qualidade Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT 1 Conteúdo Programático Introdução aos sistemas de garantia da qualidade. Normas de qualidade e certificação. Sistemas ISO 9000, ISO 14000, QS

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES 1. JUSTIFICATIVA 1.1. Motivação para a Contratação: A contratação constante do objeto em questão é justificada em virtude do término do atual contrato; da impreterível necessidade

Leia mais

Titulação: Especialista em Engenharia de Segurança do Trabalho PLANO DE CURSO

Titulação: Especialista em Engenharia de Segurança do Trabalho PLANO DE CURSO C U R S O D E E N G E N H A R I A D E P R O D U Ç Ã O Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10 Componente Curricular: Higiene e Segurança do Trabalho Código: Pré-requisito:

Leia mais

CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTE

CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTE CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTE OBJETIVO Prevenir acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo a tornar compatível permanentemente o trabalho com a preservação da vida e a promoção

Leia mais

Elaboração de propostas para minimizar o risco de acidentes em altura na fase final de uma obra: estudo de caso em uma empresa da construção civil

Elaboração de propostas para minimizar o risco de acidentes em altura na fase final de uma obra: estudo de caso em uma empresa da construção civil Elaboração de propostas para minimizar o risco de acidentes em altura na fase final de uma obra: estudo de caso em uma empresa da construção civil ADRIANO AZEVEDO MOURA (FEAMIG) adriano.moura85@hotmail.com

Leia mais

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Responsável: Diretoria de Administração (DA) Superintendência de Recursos Humanos (DARH) Gerência de Dinâmica Laboral

Leia mais

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Odilon Machado de Saldanha Júnior Belo Horizonte 2009 2 GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e PORTARIA SSST Nº 11, de 13/10/1994 "Publica a minuta do Projeto de Reformulação da Norma Regulamentadora nº 9 - Riscos Ambientais com o seguinte título: Programa de Proteção a Riscos Ambientais". A SECRETARIA

Leia mais

RRelevância do curso. OObjetivo do curso. FFundamentação Teórica: ATENDIMENTO E POSTURA NO AMBIENTE DE TRABALHO. Público-alvo

RRelevância do curso. OObjetivo do curso. FFundamentação Teórica: ATENDIMENTO E POSTURA NO AMBIENTE DE TRABALHO. Público-alvo Vigilantes, vigias, porteiros ou interessados em ingressar nessas funções. A empresa que presta serviços de vigilância tem a grande preocupação de manter a segurança de seu cliente, mas também de não receber

Leia mais

NR 4. SESMT Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho. Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978

NR 4. SESMT Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho. Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978 NR 4 SESMT Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978 A Norma Regulamentadora 4, cujo título é Serviços Especializados em Engenharia

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd)

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) Antonio Keh Chuan Chou Gerente EHS GSC Latin America Sherwin Williams São Paulo, 22 de agosto de 2013 workshop AGENDA workshop Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho Operações

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO - SST No Brasil a Segurança e Medicina no Trabalho é regulamentada pela portaria 3214/78, atualmente com 36 Normas Regulamentadoras do Ministério

Leia mais

Sistema de gestão de segurança e saúde no trabalho em uma empresa de fabricação de sucos e polpas de frutas

Sistema de gestão de segurança e saúde no trabalho em uma empresa de fabricação de sucos e polpas de frutas Sistema de gestão de segurança e saúde no trabalho em uma empresa de fabricação de sucos e polpas de frutas Cristiane Kelly F. da Silva(UFPB) criskfsilva@yahoo.com.br Derylene da Fonseca Ferreira (UFPB)

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 Prof. Me. Vítor Hugo Magalhães Vono Engenheiro de Segurança do Trabalho Lei 6514 de 12/77 Capítulo V da CLT da Segurança e Medicina do Trabalho (art.

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3 Competências a serem trabalhadas nesta aula Estabelecer os parâmetros e diretrizes necessários para garantir um padrão

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho (ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001) Prof. Livre Docente Otávio J. Oliveira UNESP CONTEXTUALIZAÇÃO - Diluição

Leia mais

SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Aline Barbosa Pinheiro Prof. Andréia Alexandre Hertzberg Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Graduação Tecnológica

Leia mais

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS)

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS) 1/20 DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE Emitido pelo Coordenador de EHS Luis Fernando Rocha Aguiar Aprovado pela Gerência da Usina de Itaúna Valério Toledo de Oliveira 2/20 Índice: 1 Objetivo e campo de aplicação

Leia mais

III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR

III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR Sônia Cristina Bittencourt de Paiva Consultora em Saúde Ocupacional e Ergonomia A RELAÇÃO

Leia mais

Art. 1º - Aprovar o texto da Norma Regulamentadora n.º 7 EXAMES MÉDICOS, que passa a ter a seguinte redação:

Art. 1º - Aprovar o texto da Norma Regulamentadora n.º 7 EXAMES MÉDICOS, que passa a ter a seguinte redação: MINISTÉRIO DO TRABALHO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PORTARIA N.º 24, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1994 (D.O.U. de 30/12/94 Seção 1 págs. 21.278 e 21.280) O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO,

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS As Normas Regulamentadoras estabelecem critérios e procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho, que devem ser seguidos por empresas de acordo com

Leia mais

GESTÃO DO RISCO OCUPACIONAL: uma ferramenta em favor das organizações e dos colaboradores. Paulo Egydio Berkenbrock 1 Irionson Antonio Bassani 2

GESTÃO DO RISCO OCUPACIONAL: uma ferramenta em favor das organizações e dos colaboradores. Paulo Egydio Berkenbrock 1 Irionson Antonio Bassani 2 Blumenau, v.4, n.1, p.43-56, Sem I 2010. GESTÃO DO RISCO OCUPACIONAL: uma ferramenta em favor das organizações e dos colaboradores Paulo Egydio Berkenbrock 1 Irionson Antonio Bassani 2 RESUMO Gestão do

Leia mais

INTRODUÇÃO AO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO

INTRODUÇÃO AO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO INTRODUÇÃO AO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA (Lei 8.213 de 1991 Art. 19) 1º A empresa é responsável pela adoção e uso das medidas coletivas e individuais de proteção e segurança

Leia mais

Treinamento e-learning Gerenciamento de Riscos e Técnicas para Análise de Riscos: APP, What if, AAF, HAZOP, FMEA.

Treinamento e-learning Gerenciamento de Riscos e Técnicas para Análise de Riscos: APP, What if, AAF, HAZOP, FMEA. Treinamento e-learning Gerenciamento de Riscos e Técnicas para Análise de Riscos: APP, What if, AAF, HAZOP, FMEA. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica

Leia mais

1.2 EXAME MÉDICO MÓDULO 1 ADMISSÃO

1.2 EXAME MÉDICO MÓDULO 1 ADMISSÃO MÓDULO 1 ADMISSÃO 1.2 EXAME MÉDICO ESTE FASCÍCULO SUBSTITUI O DE IGUAL NÚMERO ENVIADO ANTERIORMENTE AOS NOSSOS ASSINANTES. RETIRE O FASCÍCULO SUBSTITUÍDO, ANTES DE ARQUIVAR O NOVO, PARA EVITAR A SUPERLOTAÇÃO

Leia mais

Saliente-se ainda que toda caldeira somente deverá ser operada por trabalhador habilitado para este fim, devidamente certificado.

Saliente-se ainda que toda caldeira somente deverá ser operada por trabalhador habilitado para este fim, devidamente certificado. Com o objetivo de manter sua empresa informada a respeito das obrigatoriedades legais previstas na atual redação das Normas Regulamentadoras de Segurança e Medicina do Trabalho, Portaria MTE. 3214/78,

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE UNIVERSITARIA DIVISÃO DE SERVIÇOS GERAIS SETORES DE ADMINISTRAÇÃO DE PREDIOS E VIGILANCIA.

PREFEITURA DA CIDADE UNIVERSITARIA DIVISÃO DE SERVIÇOS GERAIS SETORES DE ADMINISTRAÇÃO DE PREDIOS E VIGILANCIA. Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Pró-Reitoria de Recursos Humanos Coordenadoria de Qualidade de Vida do Servidor PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL PREFEITURA

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S T R A

Leia mais

ISO 9000 para produção de SOFTWARE

ISO 9000 para produção de SOFTWARE ISO 9000 para produção de SOFTWARE A expressão ISO 9000 designa um grupo de normas técnicas que estabelecem um modelo de gestão da qualidade para organizações em geral, qualquer que seja o seu tipo ou

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005):

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005): Surgimento da ISO 9000 Com o final do conflito, em 1946 representantes de 25 países reuniram-se em Londres e decidiram criar uma nova organização internacional, com o objetivo de "facilitar a coordenação

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 1 Prof.ª Marivaldo Oliveira

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 1 Prof.ª Marivaldo Oliveira FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 1 Prof.ª Marivaldo Oliveira COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Desenvolver e aplicar os conceitos de

Leia mais

Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC

Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC ANEXO IV A Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC Diante desta nova regulamentação no setor de Transmissão de Energia Elétrica, os agentes de transmissão devem buscar estratégias para evitar as penalizações

Leia mais

saúde/trabalho e introduziram a questão da valorização da participação dos trabalhadores

saúde/trabalho e introduziram a questão da valorização da participação dos trabalhadores Introdução A legislação brasileira que trata da segurança e da saúde no trabalho passou a adotar um novo enfoque, a partir do final de 1994, ao estabelecer a obrigatoriedade das empresas elaborarem e implementarem

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E ENGENHARIAS Curso de Pós Graduação Lato Sensu em Engenharia de Segurança do Trabalho LARA BORGES WELTER

Leia mais

Construção Civil e Sustentabilidade

Construção Civil e Sustentabilidade CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 07 maio de 2014 Organização:

Leia mais

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização 1º FORUM LISTER DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Antônio Sampaio Diretor Técnico INTRODUÇÃO Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos

Leia mais