METALÚRGICA NAKAYONE LTDA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "METALÚRGICA NAKAYONE LTDA"

Transcrição

1 METALÚRGICA NAKAYONE LTDA Manual de Instruções Para Fornecedores Revisão Maio/2010 Código Capítulo CONTROLE DE REVISÃO Índice Pág. De M.DIR Instruções Preliminares M.DIR Premissa M.DIR Metas para Fornecedores M.DIR Lista de Contatos M.DIR Contrato de Comodato M.DIR Ações Corretivas / Desvios M.DIR Níveis de Contenção I e II M.DIR Débitos M.DIR Transmissão Eletrônica de Dados M.DIR Critérios para Avaliação do Sistema da Qualidade do Fornecedor 10 a M.DIR Avaliação de Desempenho de fornecedores de Itens Controlados 13 a M.DIR Processo de Aprovação de Peças de Produção 15 a M.DIR M.DIR M.DIR Retenção de Registros da Qualidade / Inspeção de Lay-Out / Lista de Sub- Fornecedores Aprovados. Qualificação de Auditores Internos da Qualidade/ Simbologia de Características de Segurança/ Critérios de Aceitação. Manutenção Preventiva/ Plano de Contingência/ Controle de Produto Não Conforme M.DIR Análise do sistema de Medição/ Requisitos de Laboratório/ Planos de Controle M.DIR Anexos. 28 a 49 50

2 PÁGINA: 01 Instruções Preliminares M.DIR A Metalúrgica Nakayone Ltda se empenha em estabelecer relações de colaboração com seus fornecedores. O elemento fundamental em todas as relações entre a Metalúrgica Nakayone Ltda e seus fornecedores é a necessidade no desenvolvimento e melhoramento de um sistema produtivo eficaz para controlar e melhorar a qualidade dos processos e produtos. Tais sistemas produtivos utilizados pelos fornecedores devem satisfazer alguns requisitos definidos pela Metalúrgica Nakayone Ltda e esses requisitos devem refletir a filosofia da qualidade da Metalúrgica Nakayone Ltda na melhoria contínua. O sistema de avaliação desses requisitos é baseado nos seguintes pontos: Constatação do Sistema da Qualidade do Fornecedor: Constatação do sistema da qualidade conforme norma ISO 9001/ 2008 acreditado através de uma auditoria de 3ª parte nas quais auxiliarão o fornecedor a obter um alinhamento aos procedimentos Standards vigentes. Obs: Todos os fornecedores da Metalúrgica Nakayone Ltda devem estar encorajados a buscar a certificação ISO/TS em sua versão mais atual e brevemente quando a Nakayone solicitar deverão estar preparados para outras certificações, como por exemplo a ISO Auditoria de Processo Produto A fim de verificar as conformidades do processo de manufatura do fornecedor. Desempenho: Avaliações periódicas do desempenho da qualidade de fornecimento e pontualidade nas entregas. Requisitos Específicos: Aos fornecedores que satisfaçam os requisitos de avaliação do sistema da qualidade, esse manual descreve os requisitos específicos para o procedimento de aprovação de amostras iniciais e as responsabilidades do fornecedor pelos problemas de qualidade.

3 PÁGINA: 02 Premissa M.DIR A política da Metalúrgica Nakayone Ltda é de incrementar o relacionamento comercial com os fornecedores que continuamente se empenham para melhorar a qualidade e produtividade. Essa política reconhece que os fornecedores atuam numa função prioritária e contribuem com os objetivos da Metalúrgica Nakayone Ltda no sentido de conjugar custos menores aos produtos da mais alta qualidade e de fornecer ao cliente preços compatíveis. A nakayone tem como premissa a responsabilidade social, e assim avalia seus fornecedores em relação à código de conduta ética e condição de trabalho na indústria automotiva. Esse sistema foi desenvolvido e implementado para identificar através de um sistema de avaliação aqueles fornecedores com os quais se deseja uma relação de trabalho a longo prazo. Os fornecedores que atingirem ou superarem esses objetivos serão reconhecidos e terão prioridade quando novas oportunidades de negócios surgirem. Política de Qualidade Nakayone Cie Automotive. Política da Qualidade, Meio Ambiente e Prevenção de Riscos. Na Cie Automotive Metalúrgica Nakayone somos um fornecedor de referência no setor automotivo, com múltiplas tecnologias. Estamos localizados onde o cliente nos necessita. Damos ao cliente (interno/externo) o que ele necessita, quando e como o necessita. Cliente Interno: Pessoal da Cie/Nakayone... seguro e satisfeito Cliente Externo: Acionistas... Crescimento sustentado e rentável. Fornecedores... Longa relação. Clientes... Inovação e serviço. Comunidade... Respeito. Acrescentamos valor agregado a nossos clientes em cada uma das nossas atividades do dia-a-dia. A qualidade, meio ambiente e a segurança no trabalho são nossas prioridades máximas. Por isto: Cumprimos com a legislação e os requisitos de nossos clientes, temos o compromisso da prevenção, trabalhamos sempre na melhoria contínua, estamos todos comprometidos e participantes com um claro objetivo: Zero defeitos, Zero acidentes e zero contaminação. Avançamos em direção a excelência.

4 PÁGINA: 03 Metas para Fornecedores da Metalúrgica Nakayone M.DIR Objetivos: APP = Avaliação Processo Produto Mínimo 75% DEF = Desempenho de Entrega de Fornecedores Mínimo 90% DQF = Desempenho de Qualidade de Fornecedores Mínimo 70% DGF = Desempenho Global do Fornecedor APP + DEF + DQF / 3 = Mínimo 80% PPM = Parte por Milhão devolução / rejeição abaixo de 60 ppm Sistema da qualidade em conformidade com a ISO 9001:2008. Obs: Requerido acreditação por um órgão certificador independente. Ter todos os produtos fornecidos a Nakayone em regime de Skip Lot. Não haver incidência de fretes especiais. Não haver reclamação de cliente final. Não haver retorno de campo. Não haver parada de linha. O processo de manufatura do fornecedor é monitorado através do PPM, controlado no recebimento e no processo Nakayone.

5 PÁGINA: 04 Lista de Contatos M.DIR Segue abaixo a lista dos contatos Nakayone dos principais setores e seus responsáveis para auxílio a fornecedores: - Logística: Geraldo L. Barreto Filho Tel. (11) Compras: Antonio Baggio Tel. (11) Qualidade: Glauber Gonçalves Tel. (11) Engenharia: Marcelo R. Batista Tel. (11) Recebimento: Sidney A. Lourenço Tel. (11) Joaldo Pedro de Jesus Tel. (11) Ricardo Marques - Tel. (11) PABX: Tel. (11) Contatos Fornecedor É de responsabilidade do fornecedor manter atualizada a lista de contatos do fornecedor no site www,nakayone.com.br, contendo nome, função e telefone.

6 PÁGINA: 05 Contrato de Comodato M.DIR Nos casos de bens de propriedade da Nakayone e/ou de seus clientes transferidos a fornecedores, à nota fiscal do mesmo será anexado um contrato de comodato, o qual deverá ser assinado pelo pessoal legalmente responsável pela empresa, com firma reconhecida, e devolvida ao departamento de compras no prazo máximo de 15 dias.

7 PÁGINA: 06 Ações Corretivas / Desvio M.DIR Todos os produtos entregues, que por ventura estiverem fora dos requisitos de qualidade exigidos, estarão sob averiguação pelo departamento da Garantia da Qualidade Nakayone. Desvios Caso seja necessário o fornecedor poderá solicitar um desvio para o departamento de qualidade, para o fornecimento de produtos que por ventura sofreram desvios nas especificações de qualidade e ou logísticas. Utilizar formulário de 8D Nakayone para a formalização do mesmo. Este desvio deverá constar todas as informações necessárias que envolva o produto, e deve ser encaminhado ao departamento de qualidade com as respectivas analises e causas pelo ocorrido. Somente após concessão do departamento da qualidade Nakayone o fornecedor poderá enviar o produto respeitando a quantidade autorizada e informando o prazo de próximo lote corrigido. Observação: este desvio só poderá ser concedido para produtos que não seja de segurança ou cotas de características especiais ou significativas. Ações Corretivas O fornecedor receberá a notificação de peças com problema através de ou telefone e esse deverá preparar um formulário contendo no mínimo os seguintes passos: Passo 01 Determinação do grupo de ação. Passo 02 Descrição do problema / solicitação de desvio. Passo 03 Ação de contenção. Passo 04 Definição de causa. Passo 05 Ações propostas. Passo 06 Verificação das ações propostas. Passo 07 Avaliação da eficácia. Passo 08 Fechamento da ação corretiva. O fornecedor deverá responder essa notificação num prazo de 24 horas após o recebimento da mesma, contendo no mínimo as respostas até o passo 03 e num prazo de 05 dias úteis contendo as respostas até o passo 06 e num prazo adequado todos os passos respondidos. Caso o fornecedor Não responda as notificações de peça com problema como descrito acima, automaticamente serão bloqueados os próximos lotes de entrega do produto em questão, sendo todos os custos dos transtornos gerados por essa ação repassados ao fornecedor, mais deméritos no desempenho de qualidade do fornecimento (D.Q.F.). Obs: O formulário para resposta do 8 passos está anexo a esse manual. Caso a eficácia da ação corretiva não possa ser comprovada e houver reincidência da falha, uma nova notificação de peça com problema será aberta, e níveis de contenção serão aplicados ao fornecedor.

8 PÁGINA: 07 Níveis de Contenção I e II M.DIR Para todas as notificações de peças com problema que por ventura sejam Reincidentes por motivos de qualquer natureza o fornecedor estará sujeito a aplicação de níveis de contenção I e II sendo: Nível I O fornecedor deverá fazer seleção 100% do lote antes do seu embarque a Nakayone. As peças selecionadas deverão conter uma marca indelével na mesma que comprove essa seleção. Documentos comprobatórios que o problema vem sendo resolvido e apropriadamente contido quanto ao número de discrepâncias encontradas, como o resultado as ações de contenção tomadas deverão ser enviados a Nakayone por um período de 90 dias. Todos os lotes em contenção enviados a Nakayone deverão vir com uma identificação Nível de Contenção I ou II anexado a embalagem de forma que esteja bem visível. Nível II A mesma tratativa descrita em nível I, porém as ações descritas deverão ser executadas por terceiros, indicados pela Nakayone com todos os custos envolvidos sob responsabilidade do fornecedor. O objetivo dessas ações é construir uma barreira para que a Nakayone e seus clientes não sejam afetados com produtos defeituosos e entregues por nossos fornecedores. Obs: As notificações de níveis de contenção I e II estão anexas a esse manual.

9 PÁGINA: 08 Débitos M.DIR Quaisquer custos adicionais a Nakayone decorrente de problemas com produtos entreguem por nossos fornecedores serão debitados dos mesmos, tais problemas podem ser, porém não se restringem a esses. Campanha de pátio. Embarques extras, de qualquer natureza. Horas extras de funcionário Nakayone. Paradas de linha, etc... Débitos/ Valores: - Não envio do certificado de submissão de amostra inicial PPAP = R$ 100,00 mais 5% do total da nota do desempenho de qualidade do fornecedor DQF por lote recebido. - Nota de Débito = R$ 500,00, podendo esse valor ser acrescido em função da extensão do problema e suas possíveis conseqüências em nosso cliente (ver formulário de débito anexo). - Não envio das respostas de ação corretiva no tempo determinado (ver capítulo ações corretivas desse manual) = R$ 300,00 mais 5% do total da nota do desempenho de qualidade do fornecedor DQF por lote recebido.

10 PÁGINA: 09 Transmissão Eletrônica de Dados M.DIR Processo para acesso a cadeia de fornecimento. Os indicadores de performance de qualidade e release são disponibilizados através do site da Metalúrgica Nakayone. Mensalmente ou conforme necessário, estes indicadores/ release de entrega são atualizados. Em caso de dúvidas ou impossibilidade de atendimento as quantidades e prazos lá estabelecidos, o fornecedor deverá consultar aos departamentos cabíveis da Metalúrgica Nakayone. Importante: Ressaltamos que o não atendimento aos prazos estabelecidos, sem a realização de acordos formais, se caracterizará como atraso de entrega, gerando assim deméritos para o fornecedor. Como acessar: 01- Acesse o site 02- Selecione a opção Fornecedor. 03- Informar o CNPJ de sua empresa (desconsiderar pontos, barras e traço). 04- Informar Senha de Acesso. (ao acessar a primeira vez, o fornecedor deverá enviar um com os dados da empresa (razão social e CNPJ) para o endereço de posse dos dados o departamento de informática Nakayone enviará a senha de acesso ao fornecedor. Para fornecedores que possuam capacidade de receber e enviar os dados eletronicamente, os mesmos serão trafegados via EDI. Observação: Quando necessário, as programações poderão ser encaminhadas via fax.

11 PÁGINA: 10 Critérios para Avaliação do Sistema da Qualidade do fornecedor M.DIR Critérios para Avaliação de Fornecedores de Produtos Controlados Todos os fornecedores de produtos controlados serão avaliados em intervalos definidos em função de um levantamento realizado a cada 06 meses para verificação da quantidade de não conformidades apresentadas, seguindo os critérios do diagrama de pareto divido em níveis A, B, C Critérios para que seja necessária a realização de uma nova avaliação: 3 não-conformidades reincidentes de um mesmo produto no período 4 não conformidades no período Classificação: Nível A = Auditoria reprogramada para o 2º ao 3º mês subseqüente. Nível B = Auditoria reprogramada para o 4º ao 6º mês subseqüente. Nível C = Realizar um estudo das não conformidades apresentadas para identificar a significância do impacto e caso necessário reprogramar à avaliação As avaliações serão executadas conforme Tabela dos Índices de Qualidade dos Fornecedores seguindo os critérios definidos abaixo: Fornecedor Nível "01" Fornecedor de produtos/serviços que são incorporados ao produto final. Requisitos: ISO 9001:00 ou ISO/ TS 16949:02 Auditoria Produto/Processo (Conforme Check-list Avaliação Processo Produto) Todos os fornecedores serão avaliados em intervalos não superiores a 36 meses independentemente do número de não conformidades apresentadas Fornecedor Nível "02" Fornecedor de prestação de serviços. Requisitos - Laboratórios: O laboratório deve ser acreditado pela ISO/IEC ou equivalente nacional, ou Deve haver evidência que o laboratório externo é aceito pelo cliente Avaliação apenas no início do fornecimento Requisitos - Pintura: ISO 9001:00/ TS 16949:02 Avaliação (Conforme Check-List Aval. de Fornecedores de Serviços) Todos os fornecedores serão avaliados em intervalos não superiores a 36 meses independentemente do número de não conformidades apresentadas Fornecedor Nível 03 Fornecedor que será utilizado somente para transporte de produtos no qual terão que atender os requisitos específicos para esse tipo de fornecimento.

12 PÁGINA: 11 Critérios para Avaliação do Sistema da Qualidade do fornecedor M.DIR Fornecedor Nível 04 Fornecedor para serviços de informática e ferramentaria. Requisitos: ISO 9001:00, ou Avaliação (Check-List Informática- Ferramentaria) Fornecedor avaliado apenas no início do fornecimento. Obs: Em caso de novo desenvolvimento será avaliada a necessidade de re-qualificação do fornecedor de ferramentaria Para fornecedores de produtos vinculados ao cliente Ford as auditorias serão realizadas em intervalos não superior a 12 meses, conforme requisito específico do cliente Para o fornecedor de peça de segurança a avaliação será executada juntamente com uma avaliação de documentação de peças de segurança O auditor designado terá como meta principal assegurar um desenvolvimento coerente com a estrutura do fornecedor objetivando um "Up Grade" afim de que o mesmo obtenha conformidades com os requisitos desejáveis Questões Ambientais Todo o produto, equipamento ou serviço que contenha requisitos legais aplicáveis ou que possa ter Impacto significativo no Meio Ambiente, deve ser controlado (Ex. empresas de manutenção de ar condicionados e refrigeradores, transportadores de Resíduos e outras que tenham algum impacto ambiental) A reavaliação do fornecedor se dará quando da revalidação dos documentos comprobatórios fornecidos pelos mesmos, ou de acordo com a necessidade da empresa Critérios para Homologação de Fornecedores de Produtos Controlados Fornecedor sem restrições Aprovado A.P.P. acima de 95% e todas a características críticas, especiais ou padrão em conformidade e aprovado na documentação de segurança (quando aplicável) Fornecedor Aprovado, porém necessita ações corretivas: evidencia para próxima Auditoria Fornecedor impedido para novos produtos A.P.P. entre 75% e 94,99% e todas as características críticas e especiais em conformidade e aprovado na documentação de segurança (quando aplicável). A.P.P. acima de 75%, porém algumas das características críticas ou especiais não conforme ou em desacordo na documentação de segurança (quando aplicável) podendo retornar ao status descrito em ou após nova avaliação. Fornecedor Reprovado A.P.P. abaixo de 75% ou reprovado na documentação de segurança deve apresentar um plano de ação, podendo retornar ao status descrito em ou após nova avaliação para verificação das ações tomadas. A.P.P.= Avaliação de Processo Produto

13 PÁGINA: 12 Critérios para Avaliação do Sistema da Qualidade do fornecedor M.DIR No fechamento da pontuação da avaliação, será considerado o sistema de gestão da qualidade do fornecedor, conforme os seguintes critérios: Sistema Implementado Pontos Perdidos ISO/TS % ISO 9001/ ISO % Cronograma de Implantação 8% Sem Previsão 10% Obs: Os fornecedores nível 2, 3 e 4 não serão demeritados por não possuir a certificação ISO/TS

14 PÁGINA: 13 Avaliação de Desempenho de Fornecedores de Itens Controlados M.DIR Avaliação de Desempenho de fornecedores de itens controlados Os critérios para avaliação do D.G.F. (Desempenho Global do Fornecedor) estão baseados no D.E.F. (Desempenho de Entrega do Fornecedor), D.Q.F (Desempenho de Qualidade do Fornecedor), A.P.P. (Avaliação de Processo Produto) A fórmula para cálculo do desempenho global do fornecedor e: D.G.F = D.E.F. + D.Q.F. + A.P.P Esse índice é repassado mensalmente a todos os fornecedores através do site O desempenho global do fornecedor deve ser maior ou igual a 80%, caso contrário planos de ações deve ser considerado Forma de aplicação de deméritos em fornecedores de itens controlados no requisito qualidade (D.Q.F). Classificação da Não Conformidade DQF 1ª Ocorrência Leve = um lote fornecido no período apresentou Não Conformidade não causando, entretanto maiores problemas na aplicação ou não envio de Certificado de Qualidade. Moderada = um ou mais lotes no período apresentaram Não Conformidade, sendo necessário retrabalho ou seleção do(s) lote(s) fornecido. Grave = paralisação da produção do nosso Cliente, ou ocorrência de problema no cliente necessitando substituição do item defeituoso em mais de uma unidade. Nota: % de deméritos por ocorrência 2ª Ocorrência 3ª Ocorrência 4ª Ocorrência - 5 % - 10 % - 15 % - 20 % - 10 % - 20 % - 30 % - 30 % Aplicar Nota 01 Verificar a possibilidade de alteração da fonte fornecedora. 1- O fornecedor que apresentar um DQF igual ou inferior a 70% no mês deverá apresentar um plano de ação e no caso de reincidência de uma não conformidade grave níveis de contenção serão impostos junto com execução de auditoria de processo/ produto. 2- O produto fornecido atinge Qualidade Assegurada (Skip Lot) após fornecer 05 lotes consecutivos com D.Q.F. = 100%. 3- O produto fornecido perde o status Qualidade Assegurada quando o fornecedor apresentar A.P.P. < 75% e/ou DGF < 80%.

15 PÁGINA: 14 Avaliação de Desempenho de Fornecedores de Itens Controlados M.DIR Forma de aplicação do demérito em fornecedores de itens controlados no requisito entrega (D.E.F.) Dias de atraso por pedido Deméritos Até 01 dia 05% De 02 a 05 dias 10% De 06 a 10 dias 50% Maior que 11 dias 100% Quantidade menor por pedido Deméritos Até 10% 05% De 11% a 20% 10% De 21% a 30% 50% Maior que 30% 100% Devido a política da Nakayone prever estoques mínimos de 10%, serão providenciadas ações corretivas junto ao fornecedor quando o DEF for menor que 90%. Nota: Os fretes extras para fornecimento serão monitorados.

16 PÁGINA: 15 Processo de Aprovação de Peças de Produção M.DIR Processo de Aprovação de Peças de Produção Descrição, Definição e Finalidade. Descrição Este manual abrange os requisitos genéricos para aprovação de amostras das peças de produção e/ ou dos materiais a serem fornecidos a Metalúrgica Nakayone que deve ser utilizado em adição ao PPAP do AIAG em sua versão atual. É necessária a análise e aprovação da peça de produção, antes da primeira remessa nas situações detalhadas no item 3.2 deste manual. Definição As peças de produção devem ser fabricadas no local de produção, usando-se o ferramental de produção, calibradores, processos, materiais, operadores, ambientes e ajustes de processos. As peças para aprovação do processo devem ser colhidas de lotes de produção significativos, 300 peças mínimas ou conforme definido nos pedidos de compra (principalmente nos casos de amostras iniciais) ou conforme acordado quando a natureza do produto assim o requerer. Finalidade A finalidade da aprovação de peça de produção é determinar se todos os requisitos de desenho e especificação do produto foram adequadamente compreendidos pelo fornecedor e se o processo tem potencial para produzir produtos que atendam tais requisitos durante um lote efetivo de produção Quando a Submissão é Necessária. A aprovação de peças de produção é sempre necessária antes da primeira expedição do produto, nas seguintes situações: Peça ou conjunto novo (Ex. Uma peça específica ou material não previamente fornecida para a NAKAYONE). Correção de discrepância(s) em peça ou conjunto submetido anteriormente. Produto modificado por uma alteração de engenharia no desenho, na especificação ou material. Obs: Quando houver revisão (nova data), porém sem alteração no produto o fornecedor deverá submeter somente a capa do PPAP (PSW) mencionando o ocorrido no campo adequado. Adicionalmente, os fornecedores devem notificar a NAKAYONE e submeter a aprovação da peça antes da primeira expedição nas seguintes situações, exceto se dispensado pela NAKAYONE.

17 PÁGINA: 16 Processo de Aprovação de Peças de Produção M.DIR Uso de construção ou material opcional em relação ao que foi usado na peça ou conjunto anteriormente aprovado. Produção após reparo ou rearranjo no ferramental ou equipamento. Produção após qualquer alteração no processo ou método de manufatura. Produção com ferramental e equipamento transferido para uma outra unidade de fabricação. Mudança de fornecedores de peças, materiais, ou serviços (Ex: Tratamento Superficial, etc), Ferramental ter ficado inativo para produção normal por doze meses ou mais. A finalidade desses requisitos é identificar as alterações que poderiam afetar a Nakayone, cliente Nakayone ou o comprador do veículo ou componente. Os fornecedores são responsáveis pelos materiais e serviços fornecidos Requisitos para Aprovação. Os documentos e itens abaixo relacionados devem ser preenchidos pelo fornecedor para cada peça, quando ocorrer qualquer uma das situações indicadas no item 3.2 Quando a Submissão é Necessária. As instruções sobre quais dos itens abaixo citados devem ser fornecidos para a Nakayone estão definidas no item Níveis de Submissão. Certificado de Submissão de Peça de Produção. Amostras de peças ou conforme acordado entre a NAKAYONE e o fornecedor de forma escrita. Todos os desenhos do produto do fornecedor e da NAKAYONE (Ex: dados CAD /CAM, desenhos da peças, especificações), inclusive desenhos de detalhes. Quaisquer documentos sobre alterações de engenharia ainda não incorporados no desenho do produto, mas já incorporados na peça. Avaliações dimensionais relacionadas com requisitos de desenho da peça ou um desenho marcado (inclusive cortes transversais, traçados ou croquis, se aplicável). Meios de inspeção (modelos, gabaritos, mylars, etc., específicos para a peça que está sendo submetida) usados na inspeção ou ensaio. Resultados de ensaios de materiais, desempenho, e durabilidade conforme especificado no desenho do produto. Cadastro no IMDS. Diagrama de fluxo do processo. FMEA (Análise de Efeito e Modo de Falha) do processo, se o fornecedor for responsável pelo projeto, também é necessário uma FMEA do projeto. Obs: A Nakayone não determina pontuação de níveis de prioridade de risco (NPR) para iniciar uma ação recomendada, porém todos os PFMEA deverão conter no mínimo uma ação, que deve seguir o critério abaixo: - Índice de Severidade > 8 requer ação preventiva. - Índice de Severidade 5-8 combinado com ocorrência 4-10 requer ação preventiva. Planos de controle que incluam todas as características especiais de produto e processo no mínimo. Resultados de capabilidade do processo para características especiais. Estudos de variação do sistema de medição (R/R) para todos os meios de medição relacionados com verificação de características especiais.

18 PÁGINA: 17 Processo de Aprovação de Peças de Produção M.DIR Níveis de Submissão A identificação do nível de submissão a ser usada para cada relação/ peça será determinada pela NAKAYONE com os seguintes fatores: Conformidade do fornecedor referente às normas vigentes. Desempenho qualitativo. Experiência com submissões anteriores de peças similares. Especialização do fornecedor com a peça em questão. Criticidade da peça. Os níveis de submissão são: Nível 1: Submeter apenas a certificação de submissão da peça de produção (sem amostra do produto). Nível 2: Submeter amostras do produto, certificado de submissão da peça de produção e os seguintes dados comprobatórios: - Registros de projeto - Documentos sobre alterações (se houver) - Resultados dimensionais - Resultados de ensaios Nível 3: Submeter amostras do produto, certificado de submissão de peças de produção e to dos os dados comprobatórios descritos em 3.3. Na falta de classificação de nível, o nível 3 deverá ser utilizado Requisitos do Processo Desenhos e Esquemas Auxiliares O número da peça, nível de alteração, data do desenho e nome do fornecedor devem ser mostrado em todos os documentos complementares (Ex: Folhas de resultados de Lay- Out, croquis, traçados, cortes transversais, dimensionamento geométrico e folhas de tolerância, ou outros desenhos complementares usados em conjunto com o desenho da peça). Cópias destes documentos devem acompanhar os resultados dimensionais conforme o quadro de requisitos de retenção / submissão. Deverá ser incluído um traçado do comparador ótico, quando este for necessário para a inspeção Inspeção Específica ou Dispositivo de Ensaio Se um produto, no todo ou em parte, exige que seja feita uma inspeção específica, ou seja, utilizado um dispositivo de ensaio, o fornecedor deve providenciá-lo na submissão, quando assim solicitado.

19 PÁGINA: 18 Processo de Aprovação de Peças de Produção M.DIR O fornecedor deve certificar que todos aspectos dos meios de medição estejam de acordo com os requisitos dimensionais da peça. O fornecedor deve ter documentação mostrando que todas as alterações de engenharia foram liberadas, em função do nível de submissão, e tenham sido incorporadas nos meios de medição. Os fornecedores são responsáveis pela manutenção de tais dispositivos por toda vida da peça. Devem ser feitos estudos de variação nos sistemas de medição (R & R) conforme os requisitos da NAKAYONE Características Especiais Identificadas pela NAKAYONE A NAKAYONE utilizara símbolos exclusivos para identificar características especiais conforme abaixo: TERMO SÍMBOLO DESCRIÇÃO Características de Segurança, D, TLD, s S,ou C Característica do produto para a qual uma variação tem a probabilidade de afetar significativamente a segurança ou regulamentação. Característica Especial / Regulamentação (E) Especial ou (R)Regulamentação Característica do produto para a qual uma variação tem probabilidade de afetar significativamente a satisfação do cliente, adequação ou função. Características padrão (P) Padrão ou Características do produto ou processo a qual uma variação razoável não afeta a satisfação do cliente, adequação, função, segurança ou regulamentação Estudos Preliminares da Capabilidade do Processo Um nível aceitável da capabilidade preliminar do processo deve ser determinado antes da submissão, para todas as características designadas pela NAKAYONE ou pelo fornecedor (No caso da Nakayone não determinar a característica, o fornecedor fará a escolha) como sendo especiais, que podem ser avaliadas usando-se dados estatísticos do tipo variáveis (mensuráveis). A finalidade deste requisito é determinar se o processo de produção poderá produzir produtos que atendam aos requisitos da NAKAYONE. O procedimento convencional para estimar a capabilidade do processo está descrito abaixo, outros métodos mais apropriados para determinados processos ou produtos podem ser introduzidos com a aprovação prévia da NAKAYONE. Os estudos preliminares do processo são de curto prazo e não poderão prever os efeitos do tempo e variação quanto a pessoas, materiais, métodos, equipamentos, sistemas de medição e ambiente. Mesmo para tais estudos de curto prazo, é importante coletar e analisar os dados na ordem em que são produzidos, usando-se as cartas de controle.

20 PÁGINA: 19 Processo de Aprovação de Peças de Produção M.DIR Para as características que podem ser estudadas usando-se as cartas Xbarra e R, um estudo de curto prazo deveria ser baseados em 25 ou mais sub-grupos de dados contendo pelo menos um total de 125 leituras individuais. A carta de controle deve ser examinada quanto a sinais de instabilidade. Se existir sinais de instabilidade, deve ser tomada uma ação corretiva. Se a estabilidade não puder ser atingida, contatar a NAKAYONE e determinar um plano de ação apropriado. Somente com a concordância da Nakayone, o requisito de dados preliminares pode ser substituído por resultados de longo prazo do mesmo processo, ou processo similar. Para certos processos, considera-se adequado o emprego de ferramentas analíticas alternativas tais como, cartas de valores individuais e amplitude Avaliação Dimensional A avaliação dimensional deve ser feita em todas as peças e materiais de produção a fim de verificar a conformidade com todas as especificações de Engenharia. Todas as dimensões (exceto as dimensões de referência), características e especificações, conforme desenho do produto e plano de controle do Processo deverá ser relacionado em um formato conveniente, juntamente com os resultados obtidos. Indicar a data do desenho do produto, nível de alteração e qualquer documento de alteração de Engenharia que ainda não tenha sido incorporada ao desenho do produto. Se o desenho do produto estiver em CAD, deverá ser submetida uma cópia do desenho para mostrar de onde as medições foram tomadas. Uma das peças medidas deve ser identificada como amostra padrão. Peso da peça (massa): para cada submissão, o fornecedor deve determinar o peso da peça. O peso deverá ser registrado no Certificado, expresso em quilogramas (Kg) com até quatro casas decimais (0,000). Este peso será usado apenas para análise componente e não afeta o processo de aprovação. O peso não deve incluir os protetores de transporte, acessórios e materiais de embalagem. Para determinar o peso da peça pesar individualmente 10 peças escolhidas ao acaso, calcular e registrar o peso médio. No caso de peças com peso inferior a 0,100 Kg, pesar 10 peças juntas, calcular e registrar o peso médio. Nota: Não serão aceitas declarações genéricas de conformidade (ex.: OK, Satisfaz, etc...) Ensaio de Materiais Ensaios de materiais devem ser feitos em todas as peças e materiais de produção, quando forem especificados requisitos químicos, físicos ou metalúrgicos. O fornecedor deve executar os ensaios exigidos pelas especificações de materiais e Plano de Controle.

21 PÁGINA: 20 Processo de Aprovação de Peças de Produção M.DIR Todos ensaios exigidos pelo desenho do produto deverão ser listados em um formato conveniente, juntamente com a quantidade ensaiada e os resultados de cada ensaio. Indicar a data em que o ensaio ocorreu. Indicar o nome do fornecedor sempre que fazer uso do mesmo Ensaio de Desempenho Ensaios de desempenho devem ser feitos em todas as peças e materiais quando forem especificados requisitos de desempenho (ou funcionais). O fornecedor deverá fazer os ensaios exigidos pelas especificações de desempenho e pelo Plano de Controle. Se o fornecedor não puder fazer os ensaios necessários, poderá contratar os serviços de uma fonte qualificada ou, através de acordo e quando possível a sua realização, utilizar laboratórios da NAKAYONE. Quando forem utilizados os serviços de laboratórios de terceiros, os resultados deverão ser submetidos em impressos próprios destes ou em formato de relatório normal. O nome do laboratório que fez os ensaios deverá ser indicado. Todos os ensaios exigidos pelo desenho do produto deverão ser listados, juntamente com a quantidade ensaiada e os resultados de cada ensaio. Indicar o nível de alteração do produto, das peças ensaiadas e o número, data e nível de alteração das especificações pelas qual a peça foi ensaiada. Indicar também a data e o local em que o ensaio ocorreu Certificado de Submissão de Peça (PSW) Após a conclusão de todas as medições e ensaios, o fornecedor deve preencher o certificado de submissão de peças. Um certificado individual deverá ser preenchido para cada número de peça, exceto quando acordado diferentemente com a NAKAYONE. Após comprovar que todos os resultados dos ensaios e medições mostram conformidade com os requisitos da NAKAYONE e que toda a documentação necessária está pronta, o representante do fornecedor, assinará o certificado e colocará data, cargo e número do telefone para contato Alterações de Engenharia Para submissões decorrentes de alterações de Engenharia, os requisitos de inspeção e ensaios são determinados pela extensão da alteração. Por exemplo, se determinadas dimensões foram alteradas, a avaliação dimensional deverá ser limitada as áreas afetadas pela alteração.

22 PÁGINA: 21 Processo de Aprovação de Peças de Produção M.DIR Moldes de Cavidade Múltipla, Ferramentas, Matrizes e Modelos. Se as peças de produção forem produzidas em mais de uma cavidade, modelo, ferramenta, ou matriz, é necessária uma avaliação dimensional completa em uma peça de cada cavidade, modelo, etc. O fornecedor deverá explicar na linha explicações / comentários do certificado em um anexo, as cavidades, moldes, etc., específicos para as quais a peça está sendo submetida Registros e Amostras Padrão. O fornecedor deverá manter um registro completo dos resultados para cada submissão, incluindo os resultados de CEP. Este registro deverá mostrar conformidade com todas especificações dimensionais, químicas, metalúrgicas, físicas, de desempenho e outros ensaios. A documentação necessária para este registro inclui cópias de: Resultados de inspeção com referências e acompanhado pelo desenho do produto aprovado pela engenharia da NAKAYONE para todos os requisitos dimensionais. Relatórios de laboratórios cobrindo todos os ensaios químicos, metalúrgicos, físicos e de desempenho especificados para o material e para a peça. Resultados preliminares de desempenho do processo para todas as características especiais. Resultados da Análise do Sistema de Medição (R & R), Diagrama de fluxo do Processo, FMEAs do Processo ( e quando aplicável, do projeto), Planos de Controle, Avaliação Preliminar do Desempenho do Processo, Certificado de fornecedores. Todos os fornecedores devem preencher e reter cópias da documentação identificadas na seção requisitos para aprovação, independente do nível de submissão, indicado pela NAKAYONE. É necessária a retenção de amostras padrão pelo fornecedor Disposição da Submissão da Peça Os fornecedores serão notificados pela NAKAYONE quanto a disposição da submissão. Após a aprovação de peça de produção, os fornecedores ficarão responsáveis por assegurar que a produção futura continue a atender a todos os requisitos da NAKAYONE. Para a relação fornecedor / peça classificada como Nível 1, a submissão da documentação exigida, com a indicação do responsável, será considerada como aprovada, exceto se o fornecedor tiver sido informado do contrário. Os fornecedores não deverão expedir lotes de produção antes de receber a aprovação.

23 PÁGINA: 22 Processo de Aprovação de Peças de Produção M.DIR Aprovação de produção indica que a peça atende a todos os requisitos e especificações da NAKAYONE. O fornecedor está, portanto, autorizado a entregar lotes de produção da peça conforme programação da NAKAYONE. Aprovação condicional permite a entrega de material para as necessidades de produção com base em uma limitação de tempo ou quantidade. A aprovação condicional somente será concedida quando o fornecedor: Definir claramente a causa da não conformidade que impedia a aprovação de produção. Preparar um plano de ação para aprovação condicional aprovado pela NAKAYONE. A resubmissão para obter aprovação é necessária, exceto se o fornecedor for notificado que a NAKAYONE revisou os desenhos e especificações para aceitar as peças conforme fabricado. Serão rejeitados os materiais com aprovações condicionais que deixarem de cumprir o plano de ação, seja por expiração da data ou quantidade. Nenhuma entrega adicional será autorizada a não ser que seja concedida uma prorrogação do plano de ação. Rejeitado significa que a submissão do lote de produção e a documentação não atendem a todos os requisitos da NAKAYONE. O produto e documentação corrigidos deverão ser submetidos e aprovados antes da expedição de quantidades de produção Instruções Adicionais Embalagem e Identificação: Cada amostra submetida a NAKAYONE deve ter embalagem própria e ser identificada com uma etiqueta á cargo do fornecedor, devendo a mesma ser clara quanto á identificação Amostra. Nos casos em que várias amostras forem embarcadas numa embalagem de maior tamanho, a etiqueta deverá identificar esta situação e cada amostra para submissão contida na embalagem maior deve ser embalada e etiquetada com identificação própria. Os modelos de impressos a serem aplicados devem ser cópias dos modelos padrões anexos a esse documento. O seu preenchimento deverá ser completo com todos os dados disponíveis, estando a NAKAYONE á disposição para qualquer esclarecimento adicional. Qualquer solicitação de dispensa para sub-itens do Processo de Aprovação de Peça de Produção deve ser feito por escrito a área de qualidade Metalúrgica Nakayone Ltda Preenchimento do Certificado Para: Metalúrgica Nakayone Ltda.

24 PÁGINA: 23 Processo de Aprovação de Peças de Produção M.DIR Número da Peça: Número da peça liberada pela Engenharia de produto da NAKAYONE Nome da Peça: Nome da peça liberada pela Engenharia de produto da NAKAYONE Comprador: Nome do comprador da NAKAYONE Número do Desenho: Número do desenho liberado pela Engenharia de produto da NAKAYONE para a peça em questão Alteração de Engenharia / Data: Último Nível de alteração de Engenharia constante no desenho Projeto: Número do projeto referente á peça em questão Peso (KG): Peso em quilogramas com até 4 casas decimais Número do ID que comprove que os materiais utilizados estão cadastrados no IMDS (Sistema Internacional de Dados de Material) Item de Segurança / Regulamentação Governamental: Sim se for indicado no desenho da peça; caso contrário Não Alterações Adicionais de Engenharia/ Data: Listar todas as alterações de Engenharia não incorporadas no desenho, mas que já fazem parte da peça, ou preencher com o número do documento de Engenharia que autoriza tais alterações Informações do fornecedor: Preencher os dados da planta do fornecedor onde o produto foi fabricado Razões para Submissão: Marcar as razões para submissão ou incluir detalhes adicionais na seção outros Nível de Submissão: Identificar o nível de submissão do fornecedor, determinado pela NAKAYONE Resultados da Submissão: Marcar os quadros apropriados quanto ao atendimento ou não dos requisitos de desenho e especificações Explicação / Comentários: Fornecer detalhes sobre os resultados da submissão que não atenderam aos requisitos de desenho e especificações Declaração: Após comprovar que os resultados mostram conformidade com todos os requisitos da NAKAYONE e que toda a documentação necessária está á disposição, o representante responsável do fornecedor assinará e fornecerá seu cargo, número de telefone e fax A Ser Preenchido Pela NAKAYONE: Deixar em branco.

25 PÁGINA: 24 Retenção de Registros da Qualid. Inspeção de Lay-Out Lista de Sub-Fornecedores Aprov. M.DIR Retenção de Registros da Qualidade. Devem ser mantidos em arquivos para pronta recuperação todos os registros da qualidade durante um ano após a emissão do registro mais um ano calendário, exceto:- Registros da qualidade de características de segurança / regulamentação (ver pág. 17) os quais devem ser mantidos por 15 anos no mínimo. Registros das análises críticas pela administração devem ser mantidos por mais 03 anos além do ano após a emissão dos mesmos. Registros de amostras iniciais (PPAP), enquanto o produto estiver ativo mais 01 ano calendário Inspeção de Lay-Out. Todas as características dimensionais e de laboratório descritas no desenho do produto fornecido à Nakayone devem ser checadas periodicamente num prazo não superior a 24 meses salvo aquelas características descritas nos planos de controle Fonte de Fornecimento Previamente Aprovada. A Nakayone não possui uma lista de sub-fornecedores aprovados, sendo de total responsabilidade do fornecedor a qualificação do sub-fornecedor e controle do produto por este fornecido mesmo que esse seja indicado pela Nakayone, exceto quando o subfornecedor estiver definido em contrato ou desenho.

26 PÁGINA: 25 Qualificação de Auditores Internos da Qualidade Simbologia de Caract. de Segurança Critérios de Aceitação M.DIR Qualificação de Auditores Internos da Qualidade. As auditorias internas da qualidade devem ser conduzidas por auditores qualificados no mínimo nos requisitos da norma ISO 9001:2008 e nos requisitos descritos nesse manual e devem revisar todos os processos da organização. Esta revisão deve ser conduzida no mínimo anualmente. Os requisitos da norma ISO 9001:2008 podem ser ministrados por empresas ou especialistas de reconhecimento comprovado que já conduziram no mínimo 5 (cinco) auditorias de acordo com a ISO 9001:2008 durante os últimos 24 meses. As auditorias deverão abranger os requisitos descritos nesse manual e todos os processos que impactam diretamente na qualidade das peças Nakayone Simbologia de características de Segurança. O fornecedor pode utilizar sua própria simbologia para identificar as características de segurança em seus documentos internos, no entanto deve ser providenciada uma tabela de correlação definida no sistema documental do fornecedor (ver pág. 18) Critérios de Aceitação. Os critérios de aceitação para verificar a conformidade por amostragem devem ser 0 (zero) defeito.

27 PÁGINA: 26 Manutenção Preventiva Plano de Contingência Controle de Prod. Não Conforme M.DIR Manutenção Preventiva. O fornecedor deve implementar um sistema documentado para manutenção preventiva, isso inclui a revisão adequada das atividades planejadas de manutenção e um plano de ação documentado para endereçar qualquer problema. Obs: Manutenção preditiva deve ser usada sempre que possível, baseado em técnicas apropriadas e considerando o custo da qualidade antes da implementação Plano de Contingência. O fornecedor deve notificar os setores de logística e compras da Nakayone dentro de um período de 24 horas sobre interrupção de produção na organização. A natureza do problema e as ações tomadas devem ser comunicadas a Nakayone. Nota: Interrupção de produção é definida como uma inabilidade de atender aos volumes de capacidade de produção especificado pela Nakayone.

28 PÁGINA: 27 Análise do Sistema de Medição Requisitos de Laboratório Planos de Controle M.DIR Análise do Sistema de Medição. Todos os meios de controle usados para verificar as peças/componentes de acordo com o plano de controle deve ter os estudos de R/R (Repetitividade e Reprodutibilidade) de acordo com os métodos apropriados para determinar a capacidade de medição. Os estudos dos instrumentos por variáveis devem utilizar 10 peças, 03 operadores e 03 corridas de medições. Os estudos dos instrumentos por atributos devem utilizar 50 peças, 03 operadores e 03 corridas de medições. O uso de estudos por famílias de instrumentos é aceitável, exceto quando esse for um instrumento dedicado Requisitos de Laboratório. As instalações de laboratório independentes/comerciais devem ser aprovados antes do seu uso. O critério de aceitação deve ser baseado na ISO/IEC em sua última versão (ou padrão nacional equivalente) e deve ser documentado Planos de Controle. Todas as peças Nakayone devem ter seus devidos planos de controle. Os controles de processo neles descritos devem focalizar na prevenção ao invés da detecção e correção. Produtos reparados ou retrabalhados devem ser inspecionados de acordo com o plano de controle e/ou procedimentos documentados.

29 PÁGINA: 28 Anexos M.DIR Anexos: 4.1- Folha de Rosto de Questionário de Avaliação de Processo Produto Check-List para Avaliação de Processo Produto. (Nível 01) Check-List para Avaliação de fornecedores de Serviços (Nível 02) Check-List para Avaliação de Fornecedores de Transportes (Nível 03) Check-List para Avaliação de Fornecedores de Informática/ Ferramentaria (Nível 04) Check-List para Avaliação referente a Documentação de Segurança Check-List para Avaliação referente a Conduta Ética e Condições de Trabalho Formulário para Ações Corretivas formalizadas durante a auditoria Modelo da Capa do Certificado de Submissão de Peça de Produção Modelo do Formulário das Análises Dimensionais Modelo do Formulário das Análises de Laboratório Modelo de Notificação de Contenção Nível Modelo de Notificação de Contenção Nível Modelo do Formulário de Ação Corretiva 8D Registro de Verificação do Sistema de Tratamento Térmico Formulário Nota de Débito.

30 PÁGINA: 29 Anexos M.DIR Folha de Rosto de Questionário de Avaliação de Processo Produto. QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO NOME DA EMPRESA AVALIADA CÓDIGO DO FORNECEDOR ENDEREÇO TELEFONE/FAX DESCRIÇÃO DO(S) PRODUTO(S) FORNEC. NÍVEL: CONTATO/CARGO MOTIVO DA AVALIAÇÃO: PRETENDENTE PROGRAMA PERIÓDICO NOVAS INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS REAVALIAÇÃO PROBLEMAS DE QUALIDADE PEÇAS DE SEGURANÇA OUTROS (Especificar) STATUS GERAL DA AVALIAÇÃO PLANTA AVALIADA ESTA CONFORME DIRETRIZES DE ACEITAÇÃO. SIM REQUERIDA AÇÃO CORRETIVA E/OU MELHORIAS. SIM REQUERIDO CRONOGRAMA DE AÇÕES CORRETIVAS E/OU MELHORIAS SIM A SEREM TOMADAS. PLANTA AVALIADA: ESTÁ APTA A FORNECER E/OU CONTINUAR A FORNECER SIM PRODUTOS OU PRESTAR SERVIÇOS A NAKAYONE. NOME(S) LEGÍVEL(EIS) AVALIADOR(ES) / VISTO ASSINATURA DO FORNECEDOR ASSINATURA - AUDITOR LÍDER DATA / / FORNECEDOR POSSUI CERTIFICADO: ISO 9001 OUTROS, ESPECIFICAR ( ) ISO/ TS SISTEMA DA QUALIDADE EM IMPLANTAÇÃO

31 PÁGINA: 30 Anexos M.DIR Check-List para Avaliação de Processo Produto. (Nível 01). CHECK-LIST PARA AUDITORIA DE PROCESSO PRODUTO DE FORNECEDORES NÍVEL 01 ITEM 01 Q U E S T Õ E S - As exigências para com a qualidade do produto estão garantidas com os equipamentos de fabricação/ferramentas utilizadas? Pontuação:- (0)- Não documentado e não praticado. (1)- Não documentado, porém praticado parcialmente. (2)- Não documentado, porém praticado com algumas falhas. (3)- Parcialmente documentado, porém praticado (4)- Documentado e praticado a contento. 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) 3 ( ) 4 ( ) As exigências dos clientes estão disponíveis? (Ex. desenhos, normas, características significativas, etc...). - As capacidades para a realização do desenvolvimento do produto foram planejadas? (Ex. pessoal qualificado, ferramentas, instalações, etc...) - Foi elaborada a FMEA do processo e foram definidas as medidas de melhoria, e em caso de modificação a FMEA do processo foi atualizado no decurso do processo? - Foi elaborado um plano de garantia da qualidade para casos de produtos novos/modificados? - Estão disponíveis as exigências para o produto? ( Ex. leis, normas, condições técnicas de fornecimento, características importantes e materiais) - As exigências de qualidade podem ser monitoradas de forma eficiente durante a fabricação em série com os equipamentos de medição e ensaios utilizados? - Está assegurada a qualidade das peças compradas? (Ex.: suficientes possibilidades de ensaios dimensionais de laboratório) - Existem documentações relativas a produção e aos ensaios e estão elas completas? (Ex.: pressões, temperaturas, tempos, velocidades, dados relativos a máquinas/ferramentas, etc...) - São utilizados apenas fornecedores liberados com aptidão qualificativas? (Ex.: Avaliação de Sistema de Qualidade - São executados sistematicamente as teses em amostras para novos produtos e aqueles modificados? - Os estoques dos materiais comprados foram ajustados às necessidades da produção? (Ex. FIFO) - O material comprado, sobras internas, rejeitados são adequadamente armazenados e identificados? - Está assegurada a qualificação do pessoal em caso de necessidade de substituição? 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) 3 ( ) 4 ( ) 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) 3 ( ) 4 ( ) 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) 3 ( ) 4 ( ) 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) 3 ( ) 4 ( ) 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) 3 ( ) 4 ( ) 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) 3 ( ) 4 ( ) 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) 3 ( ) 4 ( ) 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) 3 ( ) 4 ( ) 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) 3 ( ) 4 ( ) 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) 3 ( ) 4 ( ) 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) 3 ( ) 4 ( ) 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) 3 ( ) 4 ( ) 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) 3 ( ) 4 ( ) São aplicadas técnicas motivacionais aos colaboradores? (Ex.: Proposta de melhorias) - As medidas corretivas são executadas dentro do prazo e verificadas quanto a sua eficácia? (Ex.: Reclamação do cliente, análise de risco, FMEA, etc...) - Os refugos e/ou peças destinadas ao retrabalho e a montagem bem como as sobras de produção, são devidamente separadas e identificadas? - Ferramentas, dispositivos e meios de ensaios são adequadamente armazenados? 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) 3 ( ) 4 ( ) 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) 3 ( ) 4 ( ) 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) 3 ( ) 4 ( ) 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) 3 ( ) 4 ( ) 19 - Existe um processo para liberação do processo. 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) 3 ( ) 4 ( )

32 PÁGINA: 31 Anexos M.DIR Check-List para Avaliação de Processo Produto (Nível 01) Continuação Os processos e os produtos são regularmente auditados? Nível Continuação 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) 3 ( ) 4 ( ) 21 - Estão disponíveis os indicadores da qualidade e são divulgados para a organização. 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) 3 ( ) 4 ( ) Quanto as entregas, são cumpridas as exigências dos clientes? (Assistência Técnica, protocolo de visitas, acordos, qualidade, quantidade, etc...) - O pessoal tem qualificação para as exigências das tarefas? 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) 3 ( ) 4 ( ) 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) 3 ( ) 4 ( ) 24 - Meio de comunicação, incluindo contingência, foram definidos e estão à disposição. 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) 3 ( ) 4 ( ) ITEM REGULAMENTAÇÕES GOVERNAMENTAIS ÀS EXIGÊNCIAS 01 Licença de Funcionamento. ( ) Sim ( ) Não ( ) N.A. 02 Cia. Téc. Saneamento Ambiental. ( ) Sim ( ) Não ( ) N.A. 03 Secretaria de Segurança Pública. ( ) Sim ( ) Não ( ) N.A. 04 Polícia Científica. ( ) Sim ( ) Não ( ) N.A. 05 Ministério do Exército. ( ) Sim ( ) Não ( ) N.A. Inspeção de Lay-Out Peça nº:- Rev.: Item Especificado Encontrado Desvio Critério p/ Aprovação::- Totalidade de ptos obtidos = x 100% = % Totalidade de ptos possíveis Insp. de Lay-Out:- Característica de segurança identificado sim não Característica especial identificado sim não Característica OK:- sim não

33 PÁGINA: 32 Anexos M.DIR Check-List para Avaliação de fornecedores de Serviços (Nível 02). CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES DE SERVIÇOS NÍVEL 02 Nº QUESTÕES Grau de Satisfação das Exigências Os recursos do fornecedor (capital, humana) são adequados a dimensão e complexidade do serviço prestado? ( ) = 2 As instalações e condições ambientais são adequadas para a preservação do produto ou ( ) = 2 execução de processo? Existem áreas destinadas para armazenamento dos produtos? ( ) = 2 Os métodos de manuseio são adequados para a preservação da qualidade dos produtos? ( ) = 2 A sistemática de identificação existente é adequada para o controle do processo e também para evitar mistura de produtos? ( ) = 2 O fornecedor, possui recursos adequados específicos para recebimento e expedição de ( ) = 2 produtos? As embalagens ou acondicionamentos de produto é adequado a sua natureza para ( ) = 2 preservação de suas características? Os equipamentos possuem capacidade para execução do serviço? ( ) = 2 O nível de qualificação do pessoal que executa atividade relacionado com o serviço é adequado a complexidade do serviço? ( ) = 2 Os recursos utilizados para controle de (instrumentos de medição, gabaritos e ( ) = 2 dispositivos) são adequados? A quantidade destes instrumentos, gabaritos e dispositivos é suficiente para o controle ( ) = 2 de serviço na extensão necessária? Existe responsabilidade e autoridade definida para controle de produto não conforme? ( ) = 2 O fornecedor possui capacidade de atendimento dos prazos de entrega? ( ) = 2 O fornecedor atende clientes nesse seguimento a mais de 02 anos? ( ) = 2 O fornecedor possui suporte técnico para solução de problemas? ( ) = 2 Existe programa de manutenção de Equipamentos? ( ) = 2 O controle sobre produtos adquiridos é satisfatório? ( ) = 2 Os produtos críticos são adquiridos de fornecedores confiáveis? ( ) = 2 É assegurado que produtos não conforme não são enviados aos clientes? ( ) = 2 As melhorias desenvolvidas pelo fornecedor nos últimos 02 anos atendem ou são coerentes com as necessidades de seus clientes? ( ) = 2 Item Regulamentações Governamentais Atende as exigências 01 Licença de Funcionamento ( ) Sim ( ) Não ( ) Não Aplica 02 Cia. Téc. Saneamento Ambiental ( ) Sim ( ) Não ( ) Não Aplica 03 Secretaria de Segurança Pública ( ) Sim ( ) Não ( ) Não Aplica 04 Polícia Cientifica ( ) Sim ( ) Não ( ) Não Aplica 05 Ministério do Exército ( ) Sim ( ) Não ( ) Não Aplica Pontos Obtidos = x 100 = Pontos Possíveis Assinatura do Auditor

34 PÁGINA: 33 Anexos M.DIR Check-List para Avaliação de Fornecedores de Transportes (Nível 03). CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES DE SERVIÇO DE TRANSPORTES - NÍVEL 03 Nº QUESTÕES PARCIAL - Existe manutenção preventiva nos veículos 01 utilizados pela empresa? OBSERVAÇÃO 02 - Os veículos oferecem meios para os produtos serem transportados livres de intempéries? 03 - Os motoristas são qualificados para desempenharem suas funções? 04 - Existe um número de veículos satisfatório para a execução dos serviços na extensão necessária? 05 - A empresa possui seguro que cubra as perdas de carga num possível acidente/ sinistro? 06 - As melhorias desenvolvidas pelo fornecedor nos últimos 02 anos atendem ou são coerentes com as necessidades de seus clientes? Item Regulamentações Governamentais Atende as exigências 01 Licença de Funcionamento ( ) Sim ( ) Não ( ) Não Aplica 02 Cia. Téc. Saneamento Ambiental ( ) Sim ( ) Não ( ) Não Aplica Os itens acima mencionados são os requisitos mínimos necessários para inclusão de empresas de serviços de transporte na lista de fornecedores controlados, caso alguns dos itens auditados estejam parcialmente atendidos um plano de ação deve ser emitido pelo fornecedor. Aprovado:- Sim Não / / / / Ass. Auditor Data Fornecedor Data

35 PÁGINA: 34 Anexos M.DIR Check-List para Avaliação de Fornecedores de Informática/ Ferramentaria (Nível 04). CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES DE SERVIÇOS DE INFORMÁTICA E FERRAMENTARIA - NÍVEL 04 Nº QUESTÕES Grau de Satisfação das Exigências O fornecedor tem conhecimento do Caderno de Encargos (Especificações Técnicas / Comerciais? As instalações/ Equipamentos e condições ambientais são adequadas para a execução dos serviços? O fornecedor possui softwares adequados para recebimento de dados para execução do serviço? Qual? ( ) = 2 ( ) = 2 ( ) = 2 O fornecedor possui recursos (pessoal/tecnologia) para executar os projetos? ( ) = 2 Os equipamentos de medição dos serviços/produtos são adequados com os trabalhos a serem realizados? Os recursos utilizados para o controle de instrumentos de medição, gabaritos e dispositivos são adequados? O nível de qualificação pessoal que executa as atividades relacionadas ao serviço é adequado ao mesmo? Os métodos de manuseio (ponte rolante, empilhadeira) são adequados para a prestação do serviço e qualidade? O fornecedor possui prensa para try-out adequada para realizar os ajustes dos serviços? O fornecedor possui capacidade de atendimento ao prazo? Obs: Necessita verificar a disponibilidade de horas a cada novo pedido? O fornecedor possui suporte técnico para solução de problemas durante o desenvolvimento? ( ) = 2 ( ) = 2 ( ) = 2 ( ) = 2 ( ) = 2 ( ) = 2 ( ) = 2 A qualidade dos equipamentos é suficiente para o serviço na extensão necessária? ( ) = 2 Existe responsabilidade e autoridade definida para os serviços executados? ( ) = 2 Existe programa de manutenção dos equipamentos? ( ) = 2 O fornecedor atende o mercado neste seguimento a mais de 2 anos? ( ) = 2 A sistemática de identificação, armazenamento, recebimento, limpeza é aplicada em geral? O fornecedor possui métodos para garantir a qualidade do material empregado na construção da ferramenta? (ante e após tratamento). O fornecedor possui normas relacionadas a carimbo datador (país, código, fornecedor), especificações técnicas referente ao produto a ser desenvolvido? ( ) = 2 ( ) = 2 ( ) = 2 ( ) = 2 ( ) = 2 Item Regulamentações Governamentais Atende as exigências 01 Licença de Funcionamento ( ) Sim ( ) Não ( ) Não Aplica 02 Cia. Téc. Saneamento Ambiental ( ) Sim ( ) Não ( ) Não Aplica Pontos Obtidos = x 100 = Pontos Possíveis Assinatura do Auditor

36 PÁGINA: 35 Anexos M.DIR Check-List para Avaliação referente a Documentação de Segurança. Check-List para Avaliação Referente à Documentação de Segurança Item 01 Questões Existe uma metodologia documentada e divulgada sobre a importância da documentação de uma peça de segurança? Pontuação: 0- Não atende 1- Atende com Restrições 2- Atende a contento 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) Todos os documentos técnicos relativos a peça de segurança estão disponíveis, identificadas e com as características de segurança identificadas? Dentro das suas responsabilidades pelo produto, são documentadas também aquelas características que não estão identificadas como sendo de segurança, mas são vistas como tal? São guardados com segurança e por pelo menos 15 anos as documentações relativas as técnicas de fabricação 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) 05 Na documentação das peças de segurança estão contidos todos os dados decisivos? 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) O arquivamento é conduzido de tal forma que seja possível um acesso rápido a documentação das peças de segurança? Os subfornecedores que influem nas características de segurança estão obrigados a comprovações análogas? Os subfornecedores que influem nas características de segurança foram devidamente auditados e as exigências comprovadamente seguradas? Todos os parâmetros decisivos da fabricação relativos as características de segurança estão definidos por escrito e são regularmente registrados? A aptidão do processo relativo a característica de segurança foi comprovada, ou é realizado o ensaio total no caso de falta dessa comprovação? São apropriados os métodos para avaliação das aptidões relativas as características de segurança? Esta assegurado a possibilidade de acompanhamento retroativo em consequência da identificação da característica de segurança? 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) 13 As características de segurança são suficientemente consideradas? 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) O pessoal que influencia/confirma as características de segurança esta instruída a respeito da sua responsabilidade? A aptidão do pessoal envolvido nas operações de manufatura e ensaios esta documentalmente comprovada. No caso da necessidade de troca de pessoal, existem outros colaboradores qualificados para preencher a função. 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) 0 ( ) 1 ( ) 2 ( ) Critério de Aprovação: Aprovado Todos os itens pontuados como nível 2 Aprovado Condicional Algum dos itens pontuado como nível 1 Reprovado Algum dos itens pontuados como nível 0 / / Data Auditor

37 PÁGINA: 36 Anexos M.DIR Check-List para Avaliação referente a Conduta Ética e Condições de Trabalho. CHECK LIST PARA AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES EM RELAÇÃO A CONDUTA ÉTICA E CONDIÇÕES DE TRABALHO Nº QUESTÕES 01 O fornecedor tem um código de conduta ética divulgado e disseminado na empresa? ( ) SIM ( ) 02 A empresa possui procedimentos para assegurar a confidencialidade de informações sensíveis e sigilosas sobre clientes, parceiros, fornecedores e trabalhadores de acordo com a legislação aplicável e regulamentar? ( ) SIM ( ) 03 O fornecedor tem conhecimento sobre a preocupação e importância dos princípios em relação as condições de trabalho na indústria automotiva? ( ) SIM ( ) 04 A empresa possui uma política trabalhista e/ ou ética que empeça a contratação de trabalho infantil? ( ) SIM ( ) 05 Há um representante da gerência designado pela empresa para garantir e facilitar a conformidade com as leis trabalhistas, leis de ética nos negócios, regulamentos e códigos? ( ) SIM ( ) 06 A empresa possui registros pessoais, incluindo evidencias da data de nascimento de cada trabalhador? (certidões de nascimento, identidade, atestado de escolaridade, etc.) ( ) SIM ( ) Assinatura do Responsável: Data: / /

38 PÁGINA: 37 Anexos M.DIR Formulário para Ações Corretivas formalizadas durante a auditoria. EVIDÊNCIAS OBJETIVAS (DEFICIÊNCIAS) AÇÃO CORRETIVA PRAZO

39 PÁGINA: 38 Anexos M.DIR Modelo da Capa do Certificado de Submissão de Peça de Produção. Certificado de Submissão de Peça de Produção Nome da Peça Exposto no Desenho Nº Núm. da Peça - Cliente Núm. Peça - Fornec. Nível de Alteração de Engenharia Data Alterações Adicionais de Engenharia Data Regul. Governamental e/ou Ítem de Segurança Sim Não Nº do Pedido de Compra Peso (kg) Nº Auxiliar de Verif. Nível de Alteração Eng. - Auxiliar de Verif. Data INFORMAÇÕES DO FORNECEDOR INFORMAÇÕES DE SUBMISSÃO - CLIENTE Nome do Fornecedor e Código Nome do Cliente / Divisão Rua Comprador / Código do Comprador Cidade Estado CEP País Aplicação INFORMAÇÃO SOBRE OS MATERIAIS Existem informações sobre substâncias de uso restrito a serem reportadas? Sim Não Não Aplicável Submetido através do IMDS ou por outro formato do cliente: As peças plásticas estão identificadas com os códigos de marcação ISO apropriados? RAZÃO PARA SUBMISSÃO (Marque pelo menos um) Submissão Inicial Alterações de Engenharia Ferramental:Transferência, Reposição, Reparo ou Adicional Correção de Discrepância Ferramental inativo por mais de 1 ano Material / Construção Opcional Sub-Fornecedor ou Mudança na Fonte do Material Mudança no Processo da Peça Outras - Especifique abaixo: Sim Não Não Aplicável Peças Produzidas em outra Localidade NÍVEL DE SUBMISSÃO REQUERIDO (Marque um) Nível 1 - Certificado apenas (e para os itens desigandos de aparência, um Relatório de Aprovação de Aparência) submetido ao cliente. Nível 2 - Certificado, com amostras de peças de produção e uma quantidade limitada de dados de suporte submetidos ao cliente. Nível 3 - Certificado, com amostras de peças de produção e dados de suporte completos submetidos ao cliente. Nível 4 - Certificado e outros requerimentos definidos pelo cliente. Nível 5 - Certificado, com amostras de peças de produção e dados de suporte analisados criticamente no local de manufatura do fornecedor. RESULTADOS DA SUBMISSÃO Os resultados de medições dimensionais ensaios de materiais e funcionais critérios de aparência dados estatísticos Estes resultados atendem a todos os requisitos de desenhos e especificações: Sim Não (Se "" - Explicar Abaixo) Molde / Cavidade / Processo de Produção DECLARAÇÃO Por meio deste afirmo que as amostras representadas por este certificado são representativas das nossas peças, que foram fabricadas por um processo que atende aos requisitos do Manual de Processo de Aprovação de Peça de Produção, 4ª edição. Além disso afirmo que estas amostras foram produzidas na razão de produção de / horas. Eu também certifico que evidência documentada de conformidade está arquivada e disponível para análise crítica. Eu anotei qualquer desvio desta declaração abaixo. EXPLICAÇÃO/COMENTÁRIOS: Cada Ferramenta de Propriedade do Cliente está corretamente etiquetada e numerada? Sim Não Não Aplicável Assinatura Autorizada Fornecedor Data Nome Legível Telefone Fax Cargo/Depto. Disposição do Certificado PPAP: PARA USO SOMENTE PELO CLIENTE (SE ) Aprovado Rejeitado Outra Assinatura do Cliente Data Nome do Cliente: Nº de Controle do Cliente (opcional)

40 PÁGINA: 39 Anexos M.DIR Modelo do Formulário das Análises Dimensionais. Aprovação de Peça de Produção Resultados Dimensionais FORNECEDOR: CÓDIGO DO FORNECEDOR: NOME DO LOCAL DE INSPEÇÃO: NÚM. DA PEÇA - CLIENTE: NOME DA PEÇA: NÍVEL DE ALTERAÇÃO DE ENGENHARIA: DOCUMENTOS DA ALTERAÇÃO DE ENGENHARIA: ITEM DIMENSÃO / ESPECIFICAÇÃO LIMITES DE ESPECIFICAÇÃO DATA DE ENSAIO QUANT. ENSAIADA RESULTADOS DAS MEDIÇÕES PELO FORNECEDOR (DADOS) OK OK Declarações gerais de conformidade são inaceitáveis para quaisquer resultados de ensaio. ASSINATURA CARGO/DEPTO. DATA

41 PÁGINA: 40 Anexos M.DIR Modelo do Formulário das Análises de Laboratório. Aprovação de Peça de Produção Resultados dos Ensaios de Materiais FORNECEDOR: CÓDIGO DO FORNECEDOR: FORNECEDOR DO MATERIAL: *FORNEC. ESPECIFICADO PELO CLIENTE / CÓD. DO FORNEC.: *Se uma fonte aprovada é requerida, incluir o fornecedor(fonte) e o código designado pelo cliente. NÚMERO DA ESPECIFICAÇÃO DO MATERIAL / REVISÃO / DATA LIMITES DE ESPECIFICAÇÃO DATA DE ENSAIO QUANT. ENSAIADA NÚM. DA PEÇA - CLIENTE: NOME DA PEÇA: NÍVEL DE ALTERAÇÃO DE ENGENHARIA: DOC. DA ALTERAÇÃO DE ENG.: NOME DO LABORATÓRIO: RESULTADOS DE ENSAIO PELO FORNECEDOR (DADOS) OK OK Declarações gerais de conformidade são inaceitáveis para quaisquer resultados de ensaio. ASSINATURA CARGO/DEPTO. DATA

42 PÁGINA: 41 Anexos M.DIR Modelo de Notificação de Contenção Nível 1. Notificação de Contenção Nível 1 / / É nossa expectativa prover aos nossos clientes produtos livres de defeitos e no prazo acordado. A fim de alcançar este nível no atendimento aos nossos clientes, a extensão de nossos empreendimentos deve possuir os mesmos objetivos. Quando nossos fornecedores falham ao atingir essa meta, nosso foco é desnecessariamente alterado, passamos da preocupação de produzir produtos sem defeitos para a construção de uma barreira nas nossas operações e na dos clientes contra materiais não conforme. Como resultado de uma identificação positiva de problemas na nossa planta, os seguintes part numbers estão sendo colocados em Contenção Nível 1 na sua unidade: 1) Número da Peça: 2) Descrição: 3) Descrição do Problema: 4) Ações Corretivas: Contudo, as seguintes ações por parte de nosso fornecedor se fazem necessárias: 1. Retornar uma cópia desta carta com uma assinatura reconhecendo, confirmando e entendendo o recebimento desta notificação bem como os seus requerimentos. 2. Executar imediatamente ação de contenção 100% para o material listado. 3. Iniciar resolução de 8D através da fase de contenção com prazos em todas as outras disciplinas dentro de 24 horas após o recebimento da notificação. Enviar por ou fax o 8D inicial ao contato apropriado na Qualidade. 4. Identificar todos os futuros embarques de produtos em contenção com etiqueta de Embarque Controlado. Todos os embarques em contenção, mas não devidamente identificados serão segregados como material não conforme e será requerida avaliação por amostragem do fornecedor na Metalúrgica Nakayone Ltda. Para sair do Embarque Controlado, V.Sa. deve providenciar o seguinte: 1. Dados devem mostrar que o problema vem sendo resolvido e apropriadamente contido quanto ao número de discrepâncias encontradas como o resultado das ações de contenção tomadas por V.Sa. por um período mínimo de 90 dias. 2. Um plano de ação evidenciando as ações corretivas que foram implementadas ao longo do período para comprovação de que o problema não ocorrerá novamente. O propósito desta ação é garantir que defeitos adicionais não sejam mais enviados à Metalúrgica Nakayone Ltda e que a solução do problema seja iniciada em tempo hábil. Se suas ações de contenção imediatas não protegerem a Metalúrgica Nakayone Ltda de maneira a garantir o recebimento de defeitos futuros, V.Sa. receberá uma notificação que sua empresa estará sendo tratada com Notificação de Contenção Nível II e será requerida a contratação de auditoria de terceira parte indicada pela Metalúrgica Nakayone Ltda, sob suas custas, para executar a contenção em seu produto. Se V.Sa. possui alguma questão sobre este assunto, por favor contate-nos pelo telefone Atenciosamente,

43 PÁGINA: 42 Anexos M.DIR Modelo de Notificação de Contenção Nível 1 Continuação Confirmação Nível 1 CONFIRMAÇÃO NÍVEL 1 Nós acusamos o recebimento de sua carta alertando nossa organização sobre a ação de instaurar a Contenção Controlado nível 1 em nossa unidade. Nós entendemos que contenção e seu conseqüente fim estão discutidos nesta carta. Representante da Qualidade

44 PÁGINA: 43 Anexos M.DIR Modelo de Notificação de Contenção Nível 2. Notificação de Contenção Nível 2 / / Devido a ocorrência de falhas na contenção Nível 1 na Metalúrgica Nakayone Ltda, nós acreditamos que a sua organização não está apta à proteger a nossa empresa de receber produto não conforme. Desta forma a Contenção Nível 2 é requerida na sua organização para conter todos os defeitos até que vocês possam reestabelecer o controle do processo. Todas as despesas das atividades de inspeção de terceira parte serão de vossa responsabilidade. A empresa de inspeção de terceira parte será responsável por inspecionar as peças de sua produção, separando as peças defeituosas, e fornecendo dados para utilização nas análises de causa raiz. Contenção de terceira parte deverá agilizar a resposta e o desenvolvimento das ações corretivas. O(s) seguinte(s) componente(s) está(ão) sendo colocado(s) em Contenção Nível 2 na sua planta: Part Number: Descrição da peça: Descrição do(s) Problema(s): Ação corretiva: Contudo, as seguintes ações do fornecedor são requeridas: 1. Retornar uma cópia deste documento com assinatura do responsável autorizado confirmando que vocês receberam a notificação e entenderam os requisitos. 2. Entrar em contato com a empresa de inspeção de terceira parte para enviar a ordem de compra e determinar os detalhes do serviço. 3. Se aplicável, participar de reunião de Contenção Nível 2 com representantes da Qualidade da Metalúrgica Nakayone Ltda, pessoal de terceira parte, e Desenvolvimento de Fornecedores. 4. Estabelecer uma análise diária na sua planta para entender os defeitos registrados pela inspeção de terceira parte e direcionar as ações necessárias para melhoria. 5. Continuar com as atividades de Contenção Nível 2 até que seja instruído de outra maneira pelo pessoal da Metalúrgica Nakayone Ltda. Para sair da Contenção Nível 2, deve ser providenciado o seguinte: 1. Dados que apresentem contínua redução do número de defeitos encontrados como resultado da seleção realizada durante a inspeção de terceira parte, por no mínimo 90 dias. 2. Repetir entregas que não demonstrem qualquer defeito. 3. Resolução do 8D indicando a implementação de ações corretivas permanentes e melhorias do sistema da qualidade e/ou mudanças de processo que irão prevenir re-ocorrência. O objetivo desta ação é assegurar que defeitos adicionais não serão entregues para Metalúrgica Nakayone Ltda e que a resolução dos problemas está iniciada adequadamente. Para maiores informações, por favor entre em contato no telefone (011) Atenciosamente,

45 PÁGINA: 44 Anexos M.DIR Modelo de Notificação de Contenção Nível 2 Continuação... Confirmação Nível 2 Temos a ciência de ter recebido a sua notificação avisando que a nossa organização está sendo colocada em Contenção Nível 2. Nós entendemos a contenção e os requisitos/critérios de saída discutidos nesta notificação. Gerente da Qualidade / Data

46 PÁGINA: 45 Anexos M.DIR Modelo do Formulário de Ação Corretiva 8D RELATÓRIO DE AÇÃO CORRETIVA - R.A.C. (Oito Disciplinas) DATA: RAC Nº 1º Grupo de Ação: Peça nº: INTERNA EXTERNA FONTES ( NAKAYONE ) cliente 2º Descrição do Problema: 3º Ação de Contenção: fornecedor Lider: 4º Definição da(s) Causa(s) Principal(is): Utilizar sistema de 5 porquês (verso), e após esta analise utilizar Diagrama de Causa / Efeito Mão de Obra Meios de Medição Método Descrição: Máquina Meio Ambiente Matéria Prima 5º Descrição das Ações Corretivas: Responsável Data 6º Verificação das Ações Corretivas: Sim Não Revisão de FMEA Revisão Plano de Controle Revisão Procedimentos Revisão Instrução Operacional Revisão Plano de Embalagem 7º Avaliação da Eficácia: 8º Congratulações: Encerrado em / / Não encerrado

47 PÁGINA: 46 Anexos M.DIR Registro de Verificação do Sistema de Tratamento Térmico. METALÚRGICA NAKAYONE LTDA Registro de Verificação do Sistema de Tratamento Térmico Informações Gerais Fornecedor: Endereço: Cidade: CEP: Tel: ( ) Fax.: Resp. p/ Informações: Ass. Se o Tratamento Térmico for Terceirizado Fornecedor: Endereço: Cidade: CEP: Tel: ( ) Fax.: Resp. p/ Informações: Ass. Fornecedor em Conformidade com a Verificação Requerido Ação Corretiva? do Sistema de Tratamento Térmico? SIM SIM Auditor Processos de Tratamento Térmico Disponíveis Recozimento Cementação Tratamento de Aços Rápidos Brilhante Leito Fluído (Alto Carbono) Total Gás Leito Fluído Homogenização Ionização Forno Isotérmico Cestos Sal Local (chama, indução) Sal Vácuo Esferoidificar (globolizar) Vacuo Reposição de Carbono Alumínio/ Não Ferrosos Temperar Carburação Nitro Ferrítico T- 5 Conductivo T- 6 Chama (fogo) Carbonitretação Austêmpera Forno Leito Fluído Tratamento p/ Indução Gás congelamento Indução-Atmosfera Sal Sais neutros Baixo endurecimento Soldagem Precipitação superfic. Vacuo Imersão Vácuo Cementação Nitro Forno Ferrítico Maçarico Nitretação Vacuo Leito Fluido Tratamento Aço Ferramenta Martempera Gás Leito Fluído Tempera por pressão Ionização Forno Tratamento a vapor Sal Sal Sinterização Vácuo Tempera/ Alívio tensões Endireitamento Normalização Solução Recristalização

48 PÁGINA: 47 Anexos M.DIR Registro de Verificação do Sistema de Tratamento Térmico Continuação... Equipamento de Tratamento Térmico Forno Atmosfera Elétrico Leito Fluidificado Gás/ Queima de Óleo Banho de Sal Vacuo Atmosfera Amônia (NH 3 ) Amônia Dissociada Geradores Endotérmico Exotérmico Nitrogênio Outros (Especif.) Temperatura/ Instrumentos Controlando Indicando Registrando Termopar Pirômetro Teste Termopar Teste Termopar Padrão Medidor de Fluxo Válvulas Misturadoras Outros Queimadores (listar) Unidade de Indução Controle de Atmosfera Controle/ Monitoração Por Infra Vermelho Teste de Resistência Prova Oxigênio Outros Tipos de Sistemas de Resfrimento Disponíveis Óleo Sal Sintético Água Caustico Outros (listar) Equipamentos de Inspeção e Testes Disponíveis Espectômetro Emissão Preparação Amostras Metalográficas Analisador Carbono/ Enxofre Scanning electron Microscope Durômetros: Metalografia Vickers Eddy Current (Corrente de Foucault Brinnel ou parasita. Rockwell (HRB/ HRC) Cromatografia Gasosa Rockwell Superficial (HRT/ HRN) Medidor Velocidade Esfriamento Micro Dureza (TUKON/ VICKERS) Fluoroscópia Insp. Penetração Magnética Ultra Som Insp. Líquido Penetrante Outros (listar) Equip. Teste Mecânico Equip. Corte Serra, Abrasivo, etc...

49 PÁGINA: 48 Anexos M.DIR Registro de Verificação do Sistema de Tratamento Térmico Continuação... Listar as Peças, Processos e Especificações Fornecidas a Nakayone Número da Peça Nome da Peça Material Utilizado Processo Utilizado Dureza Superf./ Núcleo Profundidade Camada Efetiva/ Total Forma de Pontuação do Questionário p/ Verificação do Sistema Tratamento Térmico - Cada elemento do questionário para verificação do sistema de T.T. deve ser pontuado de 0 a 10 pontos, obedecendo o seguinte critério: 0-2 pontos = Requisito não é atendido no todo ou há inconsistências maiores na implantação. 3-5 pontos = O requsito é atendido, mas há inconsistências menores na implantação. 6-8 pontos = O requisito é atendido e efetivamente implementado pontos = O requisito é atendido e mostra melhorias significativas para o cliente, ao longo dos últimos 12 meses. - Critérios de Aprovação: S/ Restrições = Todas as questões com pontuação acima de sete ( 7 ) pontos e com um total de 160 pontos no questionário "Planejamento da Qualidade". C/ Restrições = Pontuação do questionário para verificação do sistema de T.T. abaixo de 160 pontos e/ou algum item desse abaixo de sete ( 7 ) pontos. Deverá ser apresentado um plano de ação para adequação desses itens com prazo de implantação não superior a 180 dias.

50 PÁGINA: 49 Anexos M.DIR Registro de Verificação do Sistema de Tratamento Térmico Continuação... Questionário de Verificação do Sistema de Tratamento Térmico Item Questões da Avaliação Planejamento da Qualidade - A responsabilidade, pelo Planejamento da Qualidade do Processo de Trat. Térmico, esta claramente definida? Avaliar o esforço de adequação dos operadores ao planejamento da qualidade. Identificar os contatos chave pessoal/departamento, com conhecimento do assunto de planejamento da qualidade. Incluir nomes, departamentos e número de telefones. *Tier1 e o fornecedor de trat. térmico discute em detalhes sobre o produto a ser tratado. Discussão não é limitada a: especificação do produto, química, uso desejado do produto tratado térmicamente. - São os (FMEA) e os planos de contole utilizados como base, para o estabelecimento de programas de qualidade para processos de trat. térmicos? Os tratadores térmicos usam processo de analises para determinar as características especiais e os parâmetros do processo? O processo de Planejamento da Qualidade considerou os anseios do cliente/usuário final do produto tratado térmicamente? - Os fornecedores de T.T têm disponivel e usam, procedimento para revisão do desenho da peça e mudanças do processo de T.T. antes da implementação? São os FMEAs e planos de controle revisados e atualizados como parte do procedimento? Aprovação do Cliente é obtida antes da implementação das modificações? Existe procedimento para atualização das instruções de trabalho e auxílios visuais, para mudanças de processo e produto? Nota ( 0-10 ) Métodos Estatísticos O Controle Estatístico do Processo (CEP) é utilizado para escolha das características especiais do produto e parâmetros do processo? Como são escolhidas a caracteristicas especiais? Descreva método do CEP usado. São eles apropriados aos fatores sendo controlados? Avalie a reação do fornecedor de T.T. nas condições fora-de controle. A reação é conforme especificado no Plano de Controle? Qual é o papel do operador? Avalie a aplicação do CEP, pelo fornecedor, baseado em evidências das cartas de controle, registros do processo e outras documentações apropriadas Existe verificação de processo/ estudos de capabilidade, conduzidos para caracteristicas de novos produtos e parâmetros de processo de trat. térmico? Existem cartas de controle estatístico sendo usada efetivamente para monitorar o processo? As cartas de controle indicam que o controle estatístico foi conseguido e a capabilidade do processo ficou demonstrada? Nos casos onde a capabilidade do processo não ficou demonstrado, existe um plano de melhoria do processo? Ha uma ação provisória apropriada, sendo tomada para impedir embarque de peças não conformes? - O fornecedor de T.T., tem um programa que possa responder sobre, melhoria contínua em qualidade e produtividade? Descreva o programa; Indicar as ferramentas sendo usadas para a melhoria contínua. - O fornecedor de T.T. possui um sistema eficaz que garanta a qualidade dos produtos e serviços adquiridos? Como o CEP animou os fornecedores Tier 1 e Tier 2? Avaliar a adequação do controle de qualidade dos serviços que eles recebem? Métodos Estatísticos Total - O monitoramento do processo/ produto, as funções do controle e as responsabilidades estão claramente definidas? Indicar qual atividade da planta conduz o controle e monitoramento do processo/ produto.. Avaliar a adequação do programa de controle deles Existe procedimentos escrito definindo a qualidade ligado com as funções disponíveis? São esses procedimentos apropriados, e adequados para as operações de tratamentos térmicos? Os procedimentos estão implementados conforme esta escrito? Existe um processo de revisão para verificar a implementação? Existe um procedimento adequado reagindo com ES, ES-M, qualificação do produto e testes de falhas?

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA METALÚRGICA NAKAYONE LTDA Manual de Instruções Para Revisão JULHO/2015 CONTROLE DE REVISÃO Código Capítulo Índice Pág. De M.DIR. 02-01 Instruções Preliminares 01 17 M.DIR. 02-02 Premissa 02 17 M.DIR. 02-03

Leia mais

Manual da Qualidade Fornecedores 2007

Manual da Qualidade Fornecedores 2007 Manual da Qualidade Fornecedores 2007 www.metalurgicanunes.com.br 2 ÍNDICE 01 Introdução. 3 02 Filosofia da Qualidade 3 03 Políticas da Metalúrgica Nunes 4 04 Requisitos de Qualidade para fornecimento

Leia mais

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores Este Manual é de propriedade da Martiaço Indústria Ltda. Sem autorização não pode ser distribuído ou copiado. SUMÁRIO 1. A EMPRESA... 3 2. OBJETIVO... 4

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS

REQUISITOS ESPECÍFICOS REQUISITOS ESPECÍFICOS ALPINO Indústria Metalúrgica Ltda. Página 1 de 18; Revisado em Março/ 2014 ÍNDICE 1. Introdução 2. Política do Sistema de Gestão Integrado 3. Código de Conduta 4. Meio Ambiente 5.

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA Agosto de 2009 Revisão 05 INDICE 1. Apresentação... 03 2. Política da Qualidade e Ambiental da Sultécnica... 03 3. Expectativa para Fornecedores...

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL Publicado:Fevereiro 2012 ESCLARECIMENTO REFERENTE À ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ISO/TS 16949:2009 APLICÁVEL A MHBR BRASIL LTDA 1-Generalidade Este anexo da Qualidade

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR METALÚRGICA KNIF LTDA Junho/2013 1 REGISTRO DAS MODIFICAÇÕES REVISÃO DATA MOTIVO 00 02/04/09 Emissão do documento 01 05/08/09 Modificação dos itens 5.5 e 7.5 02 27/07/10

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES Requisitos e diretrizes para o sistema de gestão da qualidade e ambiental Página 1 de 9 1. REQUISITOS ESPECÍFICOS... 3 1.1 Objetivo... 3 1.2 Geral... 3 1.3 Documentos

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8

REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8 REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Aplicação... 3 4. Documentos de Referência... 3 5. Sistema de Gestão... 3 6. Requisitos Gerais... 4 7. Requisitos Automotivos...

Leia mais

Manual da Qualidade para Fornecedores

Manual da Qualidade para Fornecedores Manual da Qualidade para Fornecedores Elaborado por: Indústrias Romi S.A. Departamento de Suprimentos Santa Bárbara d'oeste - SP 09 de Fevereiro de 2009 Edição C N.O.: 26-02 1 0019.C 2 SUMÁRIO GLOSSÁRIO...

Leia mais

Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda. Manual Do Fornecedor

Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda. Manual Do Fornecedor Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda Manual Do Fornecedor Revisão 08 21/03/2014 1 Sumário 1. Apresentação... 5 2. Generalidades... 5 3. Processo de Aprovação de Peça de Produção (PAPP)... 5 3.1 - Definição...

Leia mais

Anexo 61 Manual de Fornecedores STIHL MANUAL DE FORNECEDORES

Anexo 61 Manual de Fornecedores STIHL MANUAL DE FORNECEDORES MANUAL DE FORNECEDORES LS 0082 Manual de Fornecedores 1 de 50 04.12.2013 Sumário INTRODUÇÃO... 5 DIRETRIZES DO FORNECEDOR... 6 CONTRATOS STIHL... 6 OBJETIVOS... 7 GESTÃO DA QUALIDADE... 8 1. SISTEMA DE

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO Página: 1/15 MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO Página: 2/15 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 5 1.1 Missão da empresa... 5 1.2 Política da Qualidade e Ambiental...5 1.3 Glossário... 6 2. DISPOSIÇÕES GERAIS...

Leia mais

Manual de Requisitos. Específicos. Para Fornecedores MANUAL DE REQUISITOS ESPECIFICOS

Manual de Requisitos. Específicos. Para Fornecedores MANUAL DE REQUISITOS ESPECIFICOS Manual de Requisitos Específicos Para Fornecedores Elaborado por: Carlos Nascimento Aprovado por: Océlio Paggiatto Sistema da Qualidade Carlos Nascimento Océlio 02 2 SUMÁRIO: 1.0 Termo de Recebimento e

Leia mais

MANUAL DE FORNECEDORES

MANUAL DE FORNECEDORES ÍNDICE 1. O MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 Introdução... 3 1.2 Objetivo... 3 1.3 Relações com Fornecedores... 3 1.4 Política do Sistema Integrado de Gestão (Qualidade e Meio Ambiente)... 4 2. DESENVOLVENDO

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF.

CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF. Três Corações, 12 de janeiro de 2015. CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF. 01/2015 Este documento pode ser utilizado

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT Betim, 25 de Março de 2011 CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT Atualiza e substitui, a partir de 11/04/2011, a CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS

Leia mais

2.1 Fornecedores...04. 2.2 Abrangência...05. 3.1 Homologação...05. 3.2 Documentos Obrigatórios...06. 4.1 Fornecedor de Tratamento Superficial...

2.1 Fornecedores...04. 2.2 Abrangência...05. 3.1 Homologação...05. 3.2 Documentos Obrigatórios...06. 4.1 Fornecedor de Tratamento Superficial... SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...04 2. OBJETIVO...04 2.1 Fornecedores...04 2.2 Abrangência...05 3. REQUISITOS...05 3.1 Homologação...05 3.2 Documentos Obrigatórios...06 4. SUBMISSÃO DE PPAP...07 4.1 Fornecedor

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011

Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011 Distribuidor: Associado: ISO 9001:2008 Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011 02 03 03 03 04 05 05 06 06 06 07 08 08 08 09 09 10 10 12 12 13 14 14 15 Índice Missão, visão, valores 1. O manual do fornecedor

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS

REQUISITOS ESPECÍFICOS REQUISITOS ESPECÍFICOS ALPINO Indústria Metalúrgica Ltda. Página 1 de 21; Revisado em Dezembro/ 2015 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES 1. Introdução 2. Política do Sistema de Gestão Integrado

Leia mais

FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br

FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015 Requisitos específicos Bepo Manual para Fornecedores Índice: 1) Apresentação da Empresa ---------------------------------------------------------------------------pg.03

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo

REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo 1. Objetivo Este documento tem por objetivo comunicar os requisitos mínimos a todos os fornecedores de componentes, matérias

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Betim, 30 de Março de 2015 CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Esta carta atualiza e substitui, a partir de 15/04/2015, a CARTA DE REQUISITOS

Leia mais

MANUAL DE QUALIDADE PARA FORNECEDORES DA VS LIMA & PÓ KOLT PINTURAS

MANUAL DE QUALIDADE PARA FORNECEDORES DA VS LIMA & PÓ KOLT PINTURAS 1 de 17 UMA PARCERIA DE SUCESSO É O SEGREDO PARA A QUALIDADE TOTAL! DE QUALIDADE PARA FORNECEDORES DA VS LIMA & PÓ KOLT PINTURAS Elaborado por: N - Data da Revisão Data da Emissão Aprovado por: CARIMBO

Leia mais

Requisitos Específicos. Sampel Peças Automotivas

Requisitos Específicos. Sampel Peças Automotivas Requisitos Específicos Sampel Peças Automotivas REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 7 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Aplicação... 3 4. Documentos de Referência... 3 5. Sistema de Gestão...

Leia mais

FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br

FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013 Requisitos específicos Bepo Manual para Fornecedores Índice: 1) Apresentação da empresa ------------------------------------------------------------------------pg.03

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES 1/32 MANUAL DA QUALIDADE DE MAXION STRUCTURAL COMPONENTS Unidade de Cruzeiro-SP Rua Dr. Othon Barcellos, 83 - Centro CEP 12.730-900 Cruzeiro-SP Fone : (12) 3184-1000 Fax.: (12) 3144-0247 Este Manual foi

Leia mais

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 MANUAL FORNECEDORES A Fundimisa Fundição e Usinagem Ltda pretende com este Manual aprimorar a relação com seus fornecedores e padronizar informações entre as partes.

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Revisão03 Maio,2011 ThyssenKrupp ManualdeFornecedores ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo PREFÁCIO O acirramento da competição global pela liderança e conquista de novos

Leia mais

ISO 17025 Versão 2005

ISO 17025 Versão 2005 1º Fórum Regional de Química - ES ISO 17025 Versão 2005 Rev. 14 Samuel Vieira JUN/2010 1 Terminologia e Siglas ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e Vocabulário ABNT NBR

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Manual da Qualidade e Desenvolvimento de Fornecedores Dana Holding Corporation LLC

Manual da Qualidade e Desenvolvimento de Fornecedores Dana Holding Corporation LLC Manual da Qualidade e Desenvolvimento de Fornecedores Dana Holding Corporation LLC Supplier Development Dana Holding Corporation LLC Agosto 2012 SUMÁRIO i. INTRODUÇÃO... 4 ii. CONDUTA EMPRESARIAL... 5

Leia mais

Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP.

Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP. Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP. FMEA, ISO/TS, APQP, PPAP Pretendemos, neste módulo, mostrar todas as ligações e vínculos existentes entre a ferramenta do

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 12 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

Manual da Qualidade para Fornecedores MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES

Manual da Qualidade para Fornecedores MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 APLICAÇÃO... 3 3 SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES... 3 3.1 Empresas Certificadas... 4 3.2 Empresas não Certificadas... 4 3.3 Avaliação

Leia mais

www.megacursos.com.br O QUE É ISO?

www.megacursos.com.br O QUE É ISO? 1 O QUE É ISO? ISO significa International Organization for Standardization (Organização Internacional de Normalização), seu objetivo é promover o desenvolvimento de normas, testes e certificação, com

Leia mais

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025 FORMULÁRIO REVISÃO: 04 NOV/2008 Laboratório(s) avaliado(s): Nº Período de Avaliação: Data inicial da avaliação: / / Data término

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR MANUAL DO FORNECEDOR Página: 1/21 MANUAL DO FORNECEDOR 1 ÍNDICE 1 ÍNDICE... 2 2 INTRODUÇÃO... 3 3 PRÉ-REQUISITOS PARA FORNECIMENTO... 4 4 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS FORNECEDORES... 6 5 AMOSTRAS INICIAIS...

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) Ao longo dos últimos anos, a Fundação Carlos Alberto Vanzolini vem trabalhando com a Certificação ISO 14000 e, com o atual processo de

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Requisitos e diretrizes para o Sistema de Gestão da Qualidade e Meio Ambiente, conforme padrões definidos pelas normas NBR ISO 9001:2008, NBR ISO 14001:2004 e pela

Leia mais

FAPARMAS. Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO

FAPARMAS. Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO FAPARMAS Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO Sistema de Gestão da Qualidade ISO/TS 16949:22 2 / 5 Autor/Data José Ferraz 04/10/26 Aprovação/Data Sergio De Bortoli 04/10/26 s Descrições das

Leia mais

MANUAL DE FORNECEDORES

MANUAL DE FORNECEDORES MANUAL DE FORNECEDORES Versão: b Manual de Fornecedores 1 de 56 PREFÁCIO Este Manual de Fornecedores está dividido em oito blocos, conforme destacado a seguir: Gestão da Qualidade Desenvolvimento Auditorias

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES DA INDÚSTRIAS MANGOTEX LTDA.

REQUISITOS ESPECÍFICOS APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES DA INDÚSTRIAS MANGOTEX LTDA. Revisão: 01 Data: 09/10/14 Nº páginas: 1/17 REQUISITOS ESPECÍFICOS APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES DA INDÚSTRIAS MANGOTEX LTDA. Revisão: 01 Data: 09/10/14 Nº páginas: 2/17 ÍNDICE REQUISITOS PÁGINA Histórico

Leia mais

Certificações VMG ISO 9001 - TS 16949 - VDA 6.3

Certificações VMG ISO 9001 - TS 16949 - VDA 6.3 Certificações ISO 9001 - TS 16949 - VDA 6.3 As informações contidas neste documento são propriedades da INDÚSTRIA METALURGICA LTDA. Este documento não pode ser revelado, duplicado ou usado com nenhuma

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Revisão 18 (12/01/2012) Página 1 de 30

Revisão 18 (12/01/2012) Página 1 de 30 Revisão 18 (12/01/2012) Página 1 de 30 Manual do Fornecedor Revisão 18 (12/01/2012) ITEM ÍNDICE PÁG. CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO... 4 1.1 Aplicabilidade... 4 1.2 Objetivos... 4 1.3 Política da Qualidade, Meio

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL (com abordagem para Itens de Segurança) Manual Informativo Para Fornecedores MIF 02 QAS

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL (com abordagem para Itens de Segurança) Manual Informativo Para Fornecedores MIF 02 QAS SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL (com abordagem para Itens de Segurança) Manual Informativo Para Fornecedores MIF 02 QAS Elaboração e Aprovação: Departamento de Gestão da Qualidade e

Leia mais

Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 16 de Março de 2012 (RA-4901-797-E) 1

Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 16 de Março de 2012 (RA-4901-797-E) 1 Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 16 de Março de 2012 (RA-4901-797-E) 1 Conteúdo 1.0 Introdução 3 1.1 Escopo 3 1.2 Objetivo 3 1.3 Fundamentação 4 2.0 Requisitos do Sistema de Qualidade

Leia mais

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL 1. Prefácio 1.1 Dados gerais O presente acordo de qualidade assegurada (QSV) define as exigências de qualidade para os fornecedores da REHAU. Assim, o acordo de qualidade assegurada REHAU QSV é a norma

Leia mais

ENCONTRO DA QUALIDADE IQA / MBB VDA 2

ENCONTRO DA QUALIDADE IQA / MBB VDA 2 ENCONTRO DA QUALIDADE IQA / MBB VDA 2 Novembro 2014 Paulo Bento Gerenciamento da Qualidade de Fornecedores Eixo,Motor e Cambio 1 TE/OSV-P Daimler Trucks 2 Temas : Processo de gestão da qualidade de fornecedores.

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES 7.431 Rev: 2 Data: 13/5/214 1 de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. ESCOPO... 4 3. APLICABILIDADE... 4 4. OBJETIVO... 5 5. REQUISITOS AMBIENTAIS... 5 6. ÉTICA

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Gestão da Qualidade TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Interpretação / Implantação da ISO 9001:2008 Compreender a filosofia

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

Manual de Fornecedores Blitz Rev. 7

Manual de Fornecedores Blitz Rev. 7 Sumário 1. Mensagem ao Fornecedor...- 2-2. Política da Qualidade...- 2-3. Objetivo do manual...- 2-4. Aplicação...- 3-5. Definições...- 3-6. Confidencialidade...- 3-7. Requisitos Gerais...- 4-8. Verificação

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

C.G.E. Sociedade Fabricadora de Peças Plásticas LTDA Rua: General Castilho de Lima, Nº 150 Mauá SP CEP: 09371-345. CNPJ / MF: 57.563.

C.G.E. Sociedade Fabricadora de Peças Plásticas LTDA Rua: General Castilho de Lima, Nº 150 Mauá SP CEP: 09371-345. CNPJ / MF: 57.563. MANUAL DA QUALIDADE PARA CORPORATIVO C.G.E. Sociedade Fabricadora de Peças Plásticas LTDA Rua: General Castilho de Lima, Nº 150 Mauá SP CEP: 09371-345. CNPJ / MF: 57.563.694/0001-92 - Inscrição Estadual:

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANUAL DA QUALIDADE DE DOALPLASTIC INDUSTRIA E COMÉRCIO LTDA. MATRIZ: AVENIDA DIRCEU DIAS CARNEIRO, 151 DISTRITO INDUSTRIAL II - CEP 13457-198 SANTA BÁRBARA D' OESTE - SP - BRASIL FILIAL: AVENIDA MAESTRO

Leia mais

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Este é um documento controlado somente quando no formato de arquivo eletrônico e utilizado como fonte a cópia na web site www.dhb.com.br para o status do nível

Leia mais

Especificação Técnica ÍNDICE DE REVISÕES

Especificação Técnica ÍNDICE DE REVISÕES UNIDADE: GERAL 1 de 15 ÍNDICE DE REVISÕES Rev. 0 EMISSÃO INICIAL DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS 1 2 6.1.6-b inclusão: repetibilidade de 0,1% (zero virgula um por cento); 6.1.7 inclusão: Desvio padrão

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP.

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CQ Consultoria Cirius Quality e Treinamento 1º Edição Interpretação da NBR ISO 9001:2008 Cirius Quality Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CEP: 09980-150 i www.ciriusquality.com.br e contato@ciriusquality.com.br

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR MANUAL DO FORNECEDOR OBJETIVOS A FlexLink exige que todos os fornecedores desenvolvam sistemas com base nos Padrões Internacionais (ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS18001) tendo como objetivo a melhoria contínua

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

M A N U A L DA Q U A L I D A D E D O F O R N E C E D O R

M A N U A L DA Q U A L I D A D E D O F O R N E C E D O R M A N U A L DA Q U A L I D A D E D O F O R N E C E D O R Sem controle após a impressão SUMÁRIO 1. Objetivo Webdesk\Manual da Qualidade\Subsistema I Logística Pág. - 1 - de 23 2. Responsabilidade do Fornecedor

Leia mais

5ª Edição Janeiro de 2008.

5ª Edição Janeiro de 2008. EMPRESAS RANDON MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES 5ª Edição Janeiro de 2008. Apresentação 4 1 - Introdução 5 1.1 Escopo 5 1.2 Objetivo Geral 5 2 - Aprovação de Fornecedores e Planejamento da Produção

Leia mais

2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 7.ª

2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 7.ª REVISÕES Edição Data Alteração da Revisão 1.ª 19/12/2003 Emissão Inicial 2.ª 19/08/2004 Adequação 3.ª 23/12/2004 Adequação 4.ª 01/05/2006 Reedição do Manual 5.ª 02/01/2008 Reedição do Manual 6.ª 01/03/2011

Leia mais

Haldex. Manual do Fornecedor. Sistemas de Tração. Sistemas Hidráulicos. Sistemas para Veículos Comerciais. Arames Garphyttan

Haldex. Manual do Fornecedor. Sistemas de Tração. Sistemas Hidráulicos. Sistemas para Veículos Comerciais. Arames Garphyttan Haldex Manual do Fornecedor Sistemas de Tração Sistemas Hidráulicos Sistemas para Veículos Comerciais Arames Garphyttan 1 Esta é uma cópia não registrada. Sempre verifique sua validade junto a seu contato

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS.

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Módulo 2 Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Conteúdos deste módulo Discriminação Decomposição da variação do sistema de medição Variação

Leia mais

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam definir termos e conceitos da qualidade. Para tal, pretende-se discutir a relação que se estabelece

Leia mais

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013 RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013 Aprova o Regulamento Técnico de Boas Práticas de Fabricação de Produtos Médicos e Produtos para Diagnóstico de Uso In Vitro e dá outras

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA 1 Solicitação de Abertura do Processo de Homologação 1.1 Os fornecedores interessados em ter seus materiais

Leia mais

MANUAL PARA FORNECEDORES

MANUAL PARA FORNECEDORES MANUAL PARA FORNECEDORES Regras para Seleção, Qualificação e Monitoria dos Fornecedores. Regras para Desenvolvimento de Produtos Regras para Aprovação do Produto e do Processo Edição 01 Outubro de 2011

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido

Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido Nasario de S.F. Duarte Jr. (São Paulo, SP) Resumo: o objetivo deste artigo é ressaltar a importância de se estabelecer um sistema de

Leia mais

13 ANEXO 01 - ESTUDOS DE CASO - GESTÃO DA QUALIDADE

13 ANEXO 01 - ESTUDOS DE CASO - GESTÃO DA QUALIDADE 13 ANEXO 01 - ESTUDOS DE CASO - GESTÃO DA QUALIDADE O estudo de caso a seguir, procura simular os acontecimentos em uma auditoria de sistema de gestão da qualidade baseado na norma ISO 9001:2000. Identifique

Leia mais

DIVISÃO DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO ORIENTAÇÃO PARA FORNECEDORES DO COMAER SOBRE A ATIVIDADE DA GARANTIA GOVERNAMENTAL DA QUALIDADE

DIVISÃO DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO ORIENTAÇÃO PARA FORNECEDORES DO COMAER SOBRE A ATIVIDADE DA GARANTIA GOVERNAMENTAL DA QUALIDADE DIVISÃO DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO ORIENTAÇÃO PARA FORNECEDORES DO COMAER SOBRE A ATIVIDADE DA GARANTIA GOVERNAMENTAL DA QUALIDADE Rev. Abril 2011 1 1 - Objetivo Orientar o fornecedor requerente

Leia mais

GUIA DE EMBALAGENS DE PEÇAS COMPRADAS

GUIA DE EMBALAGENS DE PEÇAS COMPRADAS GUIA DE EMBALAGENS DE PEÇAS COMPRADAS E PADRÃO DE ETIQUETAS 1ª Edição Julho, 2010 INDICE 1- INTRODUÇÃO... 03 2- RESPONSABILIDADES... 04 3- RECOMENDAÇÕES IMPORTANTES... 05 4- PROCEDIMENTOS... 06 5- DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE 14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade da direção

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E SERVIÇOS

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E SERVIÇOS CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E SERVIÇOS Este documento tem por finalidade regulamentar o fornecimento de equipamentos e serviços pela ENGEVAP ENGENHARIA E EQUIPAMENTOS LTDA., de acordo com a legislação em

Leia mais

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva Joel Alves da Silva, Diretor Técnico JAS-METRO Soluções e Treinamentos

Leia mais

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma empresa no Selo Excelência ABCEM.

Leia mais

MBA em Administração e Qualidade

MBA em Administração e Qualidade MBA em Administração e Qualidade Sistemas ISO 9000 e Auditorias da Qualidade Aula 5 Prof. Wanderson Stael Paris Olá! Confira no vídeo a seguir alguns temas que serão abordados nesta aula. Bons estudos!

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

TRANSELETRON SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS LTDA SUMÁRIO

TRANSELETRON SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS LTDA SUMÁRIO Página 2 de 26 SUMÁRIO 1. Objetivo 05 2. Definições e Termos 05 3. Apresentação da Organização 05 3.1.1 Identificação 06 3.1.2 Histórico 06 3.1.3 Principais Clientes 06 3.1.4 Principais Fornecedores 07

Leia mais