Uma nova perspectiva no controle dos riscos da utilização de tecnologia médico-hospitalar.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uma nova perspectiva no controle dos riscos da utilização de tecnologia médico-hospitalar."

Transcrição

1 Uma nova perspectiva no controle dos riscos da utilização de tecnologia médico-hospitalar. Gerson Florence e Saide Jorge Calil Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação DEB - Departamento de Engenharia Biomédica Caixa Postal 610, CEP: , Campinas, SP. Resumo Existe uma preocupação crescente dos profissionais de saúde com a segurança de suas equipes e de seus pacientes no ambiente hospitalar. Dentre os fatores que afetam a segurança estão os perigos que envolvem o uso de equipamentos eletromédicos (EEMs), como a ocorrência de eventos perigosos devido a falhas de desempenho de EEMs (e.g., erro de dosagem de medicamento entregue ao paciente pela bomba de infusão, não acionamento de alarmes nos equipamentos de monitoração e de suporte à vida), ineficiência nos sistemas de segurança elétrica (choque elétrico no paciente ou na equipe de saúde durante procedimentos cirúrgicos, tendo como causa problemas no sistema de isolamento e no aterramento elétrico do EEM), interferência eletromagnética, infecção hospitalar, dentre outros. Diante deste contexto, à medida que evoluímos tecnologicamente, aumentam as exigências de segurança na utilização de equipamentos nos ambientes hospitalares. Neste sentido, complementando os programas de manutenção preventiva e corretiva, o gerenciamento de risco abre perspectivas para um controle mais eficiente dos riscos provenientes do uso de EEMs, por meio de uma ampla abordagem das questões de segurança que envolvem esses tipos de equipamentos. Palavras chaves: gerenciamento de risco, tecnologia médico-hospitalar.

2 Introdução A evolução da medicina vem sendo acompanhada pela crescente complexidade dos equipamentos eletromédicos (EEM). As técnicas cirúrgicas minimamente invasivas, os novos procedimentos e equipamentos de diagnóstico, os avanços farmacológicos e a melhor compreensão das doenças permitiram o aumento da eficácia no tratamento médicohospitalar. Contudo, o aumento da complexidade de EEMs traz como conseqüência um aumento significativo dos erros de operação no uso da tecnologia. Nos EUA, um estudo (1) feito com base em 1300 notificações de incidentes com desfibriladores indicou que a maioria das falhas de desfibriladores acontece por causa de erros de operação do equipamento (Fig.01 - modelo de desfibrilador). Outros estudos revelam que incidentes causados por problemas com EEMs estão relacionados à falta de manutenção, ao uso incorreto dos equipamentos e aos problemas de desempenho (2). Cabe ressaltar que as conseqüências financeiras desses incidentes envolvem considerável soma em indenizações devido a ações legais movidas por pacientes que sofreram algum tipo de dano. Fig.01: Desfibrilador Cardíaco Semi-automático. O desfibrilador mostrado na Fig.01, à esquerda, é um equipamento destinado ao atendimento médico de emergência nos casos de complicações cardíacas graves, como a fibrilação ventricular. Este equipamento representa um alto risco de utilização, uma vez que falhas no seu funcionamento podem levar o paciente a óbito. O uso seguro de EEMs depende de diversos fatores que dizem respeito à tecnologia, infra-estrutura hospitalar, treinamento da equipe de saúde na utilização de EEMs, prestação de serviços técnicos especializados de manutenção, e à adoção de uma política de segurança pelo hospital. Neste sentido, o gerenciamento de risco apresenta uma nova

3 perspectiva no controle dos riscos do uso de tecnologia médico-hospitalar, atuando nos variados fatores que interferem na segurança. Uma vez que esta atuação tem um caráter multidisciplinar, sua coordenação é feita por um comitê composto de profissionais das áreas técnica, administrativa e de saúde, possibilitando uma gestão compartilhada que intervém nas diferentes questões de segurança relativas a cada área profissional. Devido à crescente complexidade tecnológica dos produtos para saúde, os métodos de determinação e controle de risco vêm sendo aprimorados para garantir a segurança na utilização desses produtos. Atualmente existem normas internacionais específicas para o gerenciamento de risco aplicado ao desenvolvimento de produtos para a saúde, como a EN1441:1998, a IEC :1999 e a ISO14971:2000. A principal delas é a ISO14971:2000, sendo a NBR ISO14971:2003 a Norma Brasileira equivalente. Nessa estão estabelecidos métodos e atividades de gerenciamento de risco que visam orientar a formação de programas de segurança na indústria de equipamentos médico-hospitalares. O processo industrial de desenvolvimento de um EEM é focalizado na eficiência em conceber um produto que satisfaça suas exigências de projeto. O gerenciamento de risco aperfeiçoa este processo, identificando como o produto pode falhar no atendimento às exigências do cliente (3). A análise de risco tem o objetivo de avaliar possíveis situações de falha do equipamento em uso e, baseado neste estudo, concentrar esforços para eliminar, ou pelo menos minimizar, os efeitos que estas falhas podem ocasionar. Uma vez identificados esses pontos críticos, são adotadas soluções técnicas de segurança na fase de projeto. Por exemplo, nos casos de perigo de choque elétrico produzido por equipamentos conectados diretamente ao paciente, sistemas de isolamento elétrico são implementados pelo fabricante. No ambiente hospitalar, o gerenciamento de risco deve estar integrado ao sistema de gerenciamento de equipamentos médicos. Este sistema envolve basicamente programas de manutenção e rotinas de testes de segurança (Fig.2 teste de desempenho). Com este sistema gerencial integrado, as deficiências nos serviços de manutenção de EEMs que podem provocar a ocorrência de incidentes são, na medida do possível, identificadas e eliminadas (4) (5) (6). Como pôde ser observado, existem dois momentos distintos da aplicação do gerenciamento de risco no controle dos riscos de utilização de EEMs. Em um primeiro

4 momento, quando aplicado pelos fabricantes na fase de desenvolvimento do produto, tem como objetivo garantir o fornecimento de equipamentos inerentemente seguros. Em um segundo momento, após a aquisição dos EEMs pelo hospital, o gerenciamento de risco tem como meta garantir as condições necessárias para um funcionamento seguro desses equipamentos por meio de uma manutenção adequada, dentre outros fatores. As rotinas de testes de desempenho de EEMs é de fundamental importância para a utilização segura destes tipos de equipamentos. Um EEM de infusão controlada de medicamento no paciente ( bomba de infusão ), quando descalibrado, pode ocasionar erros na dosagem do medicamento e possibilitar o agravamento do estado de saúde do paciente. Fig.02: Apresentação de rotinas de teste de desempenho de EEMs. O Projeto Hospitais Sentinela, criado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA, representa um importante avanço na questão de segurança nos ambientes hospitalares. Seu objetivo é, através de hospitais credenciados pela ANVISA, estabelecer uma rede em todo o país de notificação eventos adversos e queixas técnicas de produtos de saúde, insumos, materiais e medicamentos, saneantes, kits para provas laboratoriais e equipamentos médico-hospitalares em uso no Brasil (os detalhes deste projeto estão no site: Fazem parte deste projeto hospitais particulares e públicos, a exemplo do Hospital das Clínicas da UNICAMP. Além da sua participação no Projeto Hospitais Sentinela, a UNICAMP por meio do Departamento de Engenharia Biomédica tem desenvolvido trabalhos no sentido de estender as atividades estabelecidas na NBR ISO14971:2003 para sua aplicação na área hospitalar (7) (8). Apesar da importância da implementação de programas de gerenciamento de risco na garantia de condições mínimas segura em ambientes hospitalares, isto ainda não é uma

5 prática comum nos hospitais brasileiros. Uma das principais dificuldades para a sua disseminação é o desconhecimento dos profissionais acerca das técnicas e conceitos envolvidos no gerenciamento de risco. Deste modo, é de fundamental importância a ampliação das discussões sobre este tema, difundindo seus fundamentos. Neste sentido, nos tópicos subseqüentes deste artigo, será feita uma breve introdução sobre o tema gerenciamento de risco, abordando os seus principais conceitos e técnicas aplicadas. Conceitos básicos Há uma grande confusão sobre os conceitos utilizados para a definição de risco e perigo, normalmente empregados para representar algo que pode gerar algum tipo de dano. Contudo, seus significados são completamente distintos. Perigo é uma fonte potencial de dano, como, por exemplo, um choque elétrico produzido por um equipamento durante procedimento cirúrgico. O risco é um valor estimado que leva em consideração a probabilidade de ocorrência de um dano e a gravidade de tal dano (9). Além do risco e do perigo, existem outros conceitos importantes como: fator de risco, modo de falha e dano. O fator de risco é uma condição que favorece a ocorrência de falha(s), como exemplo disto, a falta de manutenção nos EEMs (10) (11). O modo de falha é o efeito pelo qual uma determinada falha é observada em um componente de sistema, e.g., o equipamento não liga (12). O dano é um tipo de lesão física ou de prejuízo à propriedade ou ao meio ambiente (9). Este dano é avaliado de acordo com seu nível de gravidade (e.g., morte do paciente, queimadura) e com a freqüência de ocorrência (e.g., usual, remoto). Na Fig.03 é apresentado um diagrama com os principais conceitos de gerenciamento de risco, com inter-relacionamentos e exemplos. No diagrama há uma seqüência lógica de causa e efeito, desde a existência de fatores de risco até a ocorrência de um dano ao paciente. A inexistência de rotinas de testes de desempenho (fator de risco) pode levar ao uso de bombas de infusão descalibradas (modo de falha). Isto possibilita a ocorrência de erros de dosagem de medicamento infundido no paciente (perigo), podendo causar a sua morte (dano).

6 Modos de Falha Fatores de risco Perigos: Danos Falta de manutenção; infra-estrutura predial inapropriada; Falta de treinamento dos usuários dos EEMs, etc. Equipamento não liga; Emissão de ruído; Cheiro de peça queimada; Componentes soltos, etc. choque elétrico; gravidade Super ou subdosagem de medicamento; Infecção hospitalar; Parâmetros fisiológicos incorretos, etc. freqüência Estimativa de risco: gravidade x freqüência Fig.03: Diagrama de causa e efeito. Etapas do Gerenciamento de Risco O gerenciamento de risco é estruturado basicamente nas atividades de identificação dos perigos existentes e de suas causas, cálculo dos riscos que estes perigos representam, elaboração e aplicação de medidas de redução destes riscos quando necessárias, com a posterior verificação da eficiência das medidas adotadas. Essas atividades são dividas em quatro etapas de acordo com o diagrama da Fig.04. A primeira etapa é a Etapa determinação de risco. Esta envolve as etapas Etapa análise de risco e Etapa avaliação de risco. Na análise de risco são feitas a identificação dos perigos e suas causas (Etapa 1.1.a - análise de perigo) e o cálculo dos riscos associados aos perigos identificados (Etapa 1.1.b - estimativa de risco). Na avaliação de risco é avaliada a necessidade de redução dos riscos estimados anteriormente. Caso os riscos estejam dentro de um patamar acima do aceitável, passa-se para a Etapa Controle de risco. Nesta são elaborados e implementados os procedimentos de controle de risco. Na Etapa Análise dos resultados obtidos, as etapas anteriores são reavaliadas segundo os resultados obtidos com os procedimento de controle de risco adotados. Estas etapas estão descritas na Norma NBR ISO14971:2003.

7 1.0- Determinação de Risco 1.1- Análise de Risco 1.1.a- Análise de Perigo: identificação do perigo e suas causas. 1.1.b- Estimativa de Risco: estimativa em função da gravidade do dano e da sua freqüência de ocorrência Avaliação de Risco - Avaliação da necessidade de redução do risco Controle de Risco - Elaboração e implementação dos procedimentos de controle de risco Análise dos Resultados Obtidos - Reavaliação das etapas anteriores. Fig.04: Esquema da estrutura do gerenciamento de risco (JONES et al., 2002) Etapa 1.0 Determinação de risco Etapa Análise de risco Etapa 1.1.a - Análise de perigo A identificação do perigo é uma atividade por vezes difícil de ser implementada, uma vez que alguns perigos não são tão óbvios a ponto de serem facilmente identificados. É recomendado que este processo de identificação deva começar por uma descrição de todos os aspectos funcionais do produto. A partir destes dados, são levantados os possíveis problemas que poderão ocorrer. Ao final desta atividade, uma lista de perigos é produzida. Todavia, esta lista não deve ser considerada completa, pois existe a possibilidade de existirem perigos ocultos ainda não identificados pela equipe de gerenciamento de risco. Deste modo, esta lista deve ser periodicamente revisada e atualizada. Algumas técnicas podem ser utilizadas para análise de risco, como Análise da Árvore de Falhas FTA, Estudo do Perigo e da Operabilidade HAZOP e Análise de

8 Modos de Falha e Efeitos FMEA (13) (14) (15) (16). Estas técnicas já são muito utilizadas nos programas de controle de qualidade. A FTA parte de um efeito indesejado provocado por problemas no produto analisado e, de maneira dedutiva, são identificadas as causas possíveis ou modos defeituosos que provocaram este efeito (ver Norma IEC61025). HAZOP é uma técnica sistemática para identificar perigos e problemas operacionais. Envolve uma revisão detalhada da operação do produto, focalizando os possíveis desvios dos processos operacionais (ver Norma IEC 61882). A FMEA é uma técnica pela qual os efeitos do modo de falha de um produto analisado são identificados e avaliados sistematicamente. Esta técnica pode ser ampliada para incorporar uma investigação do nível de gravidade das conseqüências e suas probabilidades de ocorrência. Neste caso, a técnica passa a ser chamada de Análise Crítica de Modos de Falha e Efeitos FMECA (ver Norma IEC60812). Etapa 1.1.b - Estimativa de risco O risco é estimado para cada perigo identificado. O conceito de risco é a combinação de dois componentes: a freqüência de ocorrência de dano (dividida em categorias, por exemplo: freqüente, ocasional, raro e remoto) e gravidade deste dano (dividida em categorias, por exemplo: catastrófica, crítica, marginal e desprezível). O risco normalmente é estimado multiplicando-se os pesos referentes às categorias de freqüência da ocorrência e da gravidade do dano (17), ver Tabela 01. A Norma NBR ISO14971: 2003 estipula que é o gerente de risco quem decide quantas categorias são necessárias e como devem ser definidas. Tabela 01: Tabela de estimativa de risco (17).

9 Risco = peso (gravidade) x peso (frequência) FREQ ÜENC IA freqüente (peso=4) catastrófica (peso=4) G RAVIDADE crítica (peso=3) marginal (peso=2) desprezível (peso=1) ocasional (peso=3) raro (peso=2) remoto (peso=1) A estimativa pode ser quantitativa ou qualitativa. Na estimativa quantitativa, a freqüênc ia é calculada em função de dados estatísticos. Um parâmetro importante para esta estimativa é o Tempo Médio Entre Falhas - TMEF, tempo que o dispositivo levará em média para voltar a falhar (18). Na estimativa de risco qualitativa, a freqüência é calculada com base em dados subjetivos. Estes dados são extraídos através de relatos de profissionais com larga experiência na utilização do EEM analisado. Etapa Avaliação de risco Cada risco estimado deve ser sistematicamente avaliado, considerando-se a necessidade de redução do risco. Quando o risco é aceitável, não é necessário iniciar um processo de redução do risco. Nos casos em que o risco está em um patamar acima do aceitável, mas em que é possível a convivência com o mesmo devido aos benefícios associados e à inviabilidade de reduzi-lo, pode-se considerá-lo como risco tolerável. Contudo, se este risco não for compensado pelo benefício produzido pelo EEM, este é considerado inaceitável e o EEM deverá ser retirado do uso. Os riscos estimados na Tabela 01 podem ser categorizados em três regiões exemplificas na Tabela 02 mostrada na seqüência (a depender das necessidades da avaliação, os limites entre essas regiões descritas abaixo podem ser diferentes para cada tipo de EEM). Essas três regiões podem ser definidas como: região amplamente aceitável (em branco), região ALARP - tão baixo quanto razoavelmente praticável (em cinza claro) e região intolerável ou inaceitável (em cinza escuro). A primeira região engloba os riscos que estão dentro dos limites definidos como aceitáveis. Nesses casos, não haverá necessidade do controle de risco. A região ALARP é uma região de transição entre a zona

10 amplamente aceitável e a zona inaceitável. O risco, neste caso, é considerado tolerável. A ISO 14971:2000 recomenda que qualquer que seja o risco, é importante reduzi-lo ao nível mínimo praticável. A região inaceitável abrange os riscos inaceitáveis, ou seja, riscos que não sejam aceitos pela sociedade, que não possam ser reduzidos ou que os benefícios oferecidos pelo EEM não compensem estes riscos. Avaliaç ão de risco FREQ UENC IA catastrófica (peso=4) freqüente (peso=4) Tabela 02: Tabela de avaliação de risco (17). G RAVIDADE crítica (peso=3) marginal (peso=2) desprezível (peso=1) ocasional (peso=3) raro (peso=2) rem oto (peso=1) Etapa Controle de Risco Na fase de desenvolvimento do EEM, três modos de redução do risco são sugeridos: segurança inerente ao projeto, medidas de proteção no próprio EEM ou no processo de produção e informações para segurança. É recomendado que o EEM seja projetado para ser inerentemente seguro. Caso não seja possível, os procedimentos de proteção como barreiras ou alarmes são indicados. A última opção de procedimento de proteção é uma contra-indicação, ou um aviso escrito. Nos hospitais, os procedimentos de controle de risco são direcionados principalmente aos serviços especializados de engenharia (manutenção preventiva e corretiva, aquisição de EEM, treinamento do usuário, etc.) e infra-estrutura (instalações elétricas, hidráulicas, gases, etc.), permitindo, com isso, estabelecer as condições de segurança necessárias para a utilização dos EEM em ambientes hospitalares.

11 Os procedimentos de controle de risco são aplicados quando um perigo representa um risco que não seja aceitável. Deve ser feita uma análise da viabilidade técnica e econômica de tais medidas. Nas situações em que não é possível a redução deste risco para patamares aceitáveis, é recomendada uma análise de risco e benefício para determinar se o benefício do EEM para o paciente se sobrepõe ao risco que este representa. Etapa Análise dos Resultados Obtidos O fabricante deve estabelecer e manter um sistema de análise das informações obtidas sobre o EEM na fase de pós-venda. Estas informações devem ser avaliadas se existirem perigos que não foram reconhecidos anteriormente, se o risco estimado proveniente de um perigo não for mais aceitável e se a avaliação de risco feita pelo fabricante for invalidada. Nos hospitais, informações que possam a vir ajudar na avaliação da eficiência dos procedimentos de risco adotados são obtidas, principalmente, através de relatos de incidentes ocorridos no hospital e de relatórios das manutenções executadas pela equipe de engenharia clínica nos EEMs. Com base nessas informações, deve ser feita uma análise que revise as etapas do processo de gerenciamento de risco do EEM. Caso haja a possibilidade do risco e de sua aceitabilidade terem sido modificados, deve-se avaliar o impacto sobre as medidas de controle de risco implementadas anteriormente. Conclusão Uma extensa classe de perigos associados aos problemas que podem ocorrer com os EEMs merece um cuidado especial. Nos hospitais brasileiros, programas isolados (e.g., programas de manutenção preventiva e calibração de equipamentos eletromédicos) são executados para diminuir a ocorrência desses perigos, não havendo, contudo, um sistema de gerenciamento específico que aborde esses problemas de maneira abrangente e que englobe as diversas questões que interferem na segurança.

12 A aplicação do gerenciamento de risco em EEM abre uma grande perspectiva para redução dos riscos atuais de utilização destas tecnologias através de ações de controle sobre os diversos fatores de risco que favorecem a ocorrência de incidentes nos hospitais. À medida que são implementadas as etapas de gerenciamento de risco: identificação dos diversos problemas de segurança (perigos, fatores de risco, modos de falha e suas causas), a estimativa e a avaliação dos riscos relacionados a esses problemas, e a elaboração de procedimentos de controle de acordo com a avaliação feita com base na tolerância do risco torna-se possível reduzir esses riscos a níveis aceitáveis. Através do gerenciamento de risco, os recursos financeiros empregados no controle dos riscos são aplicados de forma racional, visto que as etapas deste gerenciamento possibilitam a seleção do que é necessário e prioritário na execução dos procedimentos de controle de risco. Em última instância, o gerenciamento de risco é um importante meio de prevenção de incidentes, na medida em que os riscos são mantidos dentro de níveis aceitáveis. Todavia, isto só é possível através do comprometimento de todos (fabricantes, administradores hospitalares, engenheiros clínicos, técnicos e equipe de saúde) no cumprimento dos requisitos estabelecidos pelo gerenciamento de risco, com o rigor necessário ao êxito na garantia da segurança. Referências Bibliográficas 1. ECRI. Risk Analysis Medical Technology: Defibrillator Failures. Healthcare Risk Control HRC, v.3, n.13, p.1-11, jan ANVISA. Apresenta trabalhos sobre o Projeto Hospitais Sentinelas e sobre o tema gerenciamento de risco. Disponível em: <http://www.anvisa.gov.br/tecnovigilância/ material.html>. Acesso em: 15 jan SCHMULAND, C. Creating a Value Added Risk Management Process. Biomedical Instrumentation & Technology, v. 37, n. 5, p , Sep./Oct DOLAN, A. M. Risk Management and Medical Devices. Biomedical Instrumentation & Technology, v. 33, n. 4, p , Jul./Aug

13 5. DUNN, S. Ensuring Asset Integrity A Risk-based Approach. Plant Maintenance Resource Center, Booragoon, Disponível em: <http://www.plantmaintenance.com/rcm-intro.shtml>. Acesso em 10 jun WEAN, J. O.; SIMMONS, D. A. Hospital Safety Manual. 2nd Edition, Scientific Enterprises, Inc., Florence, G.; Calil, S. J. Development of Methodology for Medical Device Risk Management. In: CD - ANAIS DO WORLD CONGRESS ON MEDICAL PHYSICS AND BIOMEDICAL ENGINEERING, Sydney, Florence, G.; Calil, S. J. Adaptation of The ISO/IEC14971 to the Medical Devices Risk TH Management in Hospitals. In: CD - ANAIS DO 4 EUROPEAN SYMPOSIUM ON BIOMEDICAL ENGINEERING, Patras, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS ABNT. Produtos para Saúde Aplicação de Gerenciamento de Risco em Produtos para Saúde. Norma NBRISO14971, Rio de Janeiro, ASSOCIATION FOR THE ADVANCE OF MEDICAL INSTRUMENTATION AAMI. Design of Clinical Engineering Assurance and Risk Management Programs, Arlington, GULLIKSON, M. L; DAVID, Y.; BLAIR, C. A. The Role of Quantificable Risk Factors in a Medical Technology Management Program. EC / PTSM Series, n.3, p , INTERNATIONAL ELECTROTECHNICAL COMMISSION IEC. Analysis techniques for system reliability - Procedure for failure mode and effects analysis (FMEA). IEC60812, Suisse, RIDGWAY, M. Analyzing Planned Maintenance (PM) Inspection Data by Failure Mode and Effect Analysis Methodology. Biomedical Instrumentation & Technology, v.37, n.03, p , may/jun PASSEY, R. D. Foresight Begins with FMEA, Delivering Accurate Risk Assessments. Medical Device Technology, v. 10, n. 02, p , marc GRISSINGER, M.; RICH, D. JCAHO: Meeting the Standards for Patient Safety, A Focus on Medication Safety is Required under Joint Commission Standards, and Tools are Available to Help Pharmacists Achieve the Best Possible Outcomes. The Journal of The American Pharmaceutical Association, v. 42, n. 05, sep./ oct ECRI. An Introdution to FMEA, Using Failure Mode Effects Analysis to Meet JCAHO s Proactive Risk Assessment Requirement. Health Devices, v. 31, n. 06, p , jun

14 17. JONES, P. L.; JORGENS III, J.; TAYLOR, A. R.; WEBER, M. Risk Management in The Design of Medical Device Software Systems. Biomedical Instrumentation & Technology, v.36, n.4, p , jul./aug SEIXAS, E. S. Confiabilidade e Risco na Manutenção. Associação Brasileira de Manutenção ABRAMAN, p. 1-99, mai

ano, mapear a abordagem dos hospitais e operadoras com relação aos

ano, mapear a abordagem dos hospitais e operadoras com relação aos Business Club Healthcare, a TM Jobs e a Integrare 360 - Marketing de Conteúdo deram início a uma série de estudos de mercado para, ao longo do ano, mapear a abordagem dos hospitais e operadoras com relação

Leia mais

Aplicação da Metrologia no Serviço de. Hospitalar

Aplicação da Metrologia no Serviço de. Hospitalar Aplicação da Metrologia no Serviço de Instalações e Equipamentos de uma Unidade Hospitalar Carlos Patrício, Presidente da ATEHP Director do Serviço de Instalações e Equipamentos do CHTS, EPE Introdução

Leia mais

Certificado de Boas Práticas de Fabricação em Produtos Para Saúde

Certificado de Boas Práticas de Fabricação em Produtos Para Saúde Certificado de Boas Práticas de Fabricação em Produtos Para Saúde Práticas atuais e perspectivas futuras Novembro 2013 Estrutura do Guia Capítulos 1 e 3 O conteúdo dos Capítulo 1 e 3 foi baseado nas perguntas

Leia mais

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Belo Horizonte - MG, setembro de 2013. Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Patricia Fernanda Toledo Barbosa

Leia mais

OHSAS-18001:2007 Tradução livre

OHSAS-18001:2007 Tradução livre SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL - REQUISITOS (OCCUPATIONAL HEALTH AND SAFETY MANAGEMENT SYSTEMS - REQUIREMENTS) OHSAS 18001:2007 Diretrizes para o uso desta tradução Este documento

Leia mais

Estudo. Hospitais Emergência (1984)

Estudo. Hospitais Emergência (1984) 1. Introdução A partir da segunda metade do século XX é possível constatarmos um acentuado desenvolvimento tecnológico na área médica, sobretudo no que diz respeito ao diagnóstico e à terapia. Além disso,

Leia mais

Engenharia Clínica Aspectos Técnicos 18 de Setembro de 2015

Engenharia Clínica Aspectos Técnicos 18 de Setembro de 2015 Engenharia Clínica Aspectos Técnicos 18 de Setembro de 2015 Iliane Alencar Engenheira Eletrônica Universidade Federal de PE [UFPE] Especialista em Adm Hospitalar Universidade Politécnica de PE Valência-Espanha

Leia mais

Introdução aos testes de segurança elétrica: Parte I

Introdução aos testes de segurança elétrica: Parte I Introdução aos testes de segurança elétrica: Parte I Documento técnico Limite da sensibilidade Os dispositivos eletro-médicos são alimentados por eletricidade ou por uma fonte de energia interna (baterias)

Leia mais

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Fortaleza, 28 de novembro de 2012. Análise de Causa-Raiz É um método utilizado na engenharia, nas investigações de acidentes industriais, nucleares,

Leia mais

Gestão de Equipamentos Médico-Hospitalares. Eng. Ricardo Maranhão

Gestão de Equipamentos Médico-Hospitalares. Eng. Ricardo Maranhão Gestão de Equipamentos Médico-Hospitalares Eng. Ricardo Maranhão Introdução Qualidade A qualidade nos serviços de saúde, segundo a OMS, é definida como: um alto nível de excelência profissional; uso eficiente

Leia mais

Software Médico. Embarcado

Software Médico. Embarcado Software Médico Embarcado III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica Porto Alegre 24 de Novembro de 2012 Tecnologias utilizadas no século passado em EEm s nas décadas de 60/70 Programação de Sistemas

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário Guia de Farmacovigilância - Anvisa ANEXO IV - Glossário De acordo com a RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 10/02/09 (DOU 11/02/09): Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos

Leia mais

I International Symposium on Patient Safety and Quality. Segurança do Paciente: Cenário Nacional. Walter Mendes

I International Symposium on Patient Safety and Quality. Segurança do Paciente: Cenário Nacional. Walter Mendes I International Symposium on Patient Safety and Quality Segurança do Paciente: Cenário Nacional Walter Mendes O que é segurança do paciente? Um fenômeno mundial Índia Portugal EUA Brasil Uma das dimensões

Leia mais

PAPEL DO ENGENHEIRO HOSPITALAR NAS UNIDADES DE SAÚDE

PAPEL DO ENGENHEIRO HOSPITALAR NAS UNIDADES DE SAÚDE RBE. VaL.7 N. 11990 PAPEL DO ENGENHEIRO HOSPITALAR NAS UNIDADES DE SAÚDE por SAlDE JORGE CALIL RESUMO - a papel da Engenharia Hospitalar numa unidade de saúde tem se tornado cada vez mais importante nos

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação INF-108 Segurança da Informação Gestão de Segurança da Informação Prof. João Henrique Kleinschmidt (slides cedidos pelo Prof. Carlos Kamienski - UFABC) Gerenciamento e Avaliação de Riscos Terminologia

Leia mais

Treinamento e-learning Gerenciamento de Riscos e Técnicas para Análise de Riscos: APP, What if, AAF, HAZOP, FMEA.

Treinamento e-learning Gerenciamento de Riscos e Técnicas para Análise de Riscos: APP, What if, AAF, HAZOP, FMEA. Treinamento e-learning Gerenciamento de Riscos e Técnicas para Análise de Riscos: APP, What if, AAF, HAZOP, FMEA. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica

Leia mais

Parte A - DISPOSIÇÕES GERAIS.

Parte A - DISPOSIÇÕES GERAIS. SETEMBRO Agência Nacional de Vigilância Sanitária 1-2004 A aquisição de equipamentos médico-hospitalares tem ocasionado vários problemas técnicos ou mesmo econômicos por não obedecer a determinados parâmetros.

Leia mais

Guia de Manutenção de Edificações

Guia de Manutenção de Edificações PROJETO DE PESQUISA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE PESQUISA TÍTULO ENTIDADE Abraman Associação Brasileira de Manutenção COMITÊ DE ESTUDOS Comitê de Manutenção Centrada na Confiabilidade COORDENAÇÃO Eng.

Leia mais

Aplicabilidade das Data: FMEA Falta de Energia Elétrica. 3º SEPAGE - Coren-SP 22/07/2011

Aplicabilidade das Data: FMEA Falta de Energia Elétrica. 3º SEPAGE - Coren-SP 22/07/2011 Aplicabilidade das Ferramentas Título da da Palestra: Qualidade Data: FMEA Falta de Energia Elétrica 3º SEPAGE - Coren-SP 22/07/2011 História dos Riscos Construção do Empire State 1930 102 andares Cenário

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE

FERRAMENTAS DA QUALIDADE FERRAMENTAS DA QUALIDADE FEMEA Análise do Modo e Efeito das Falhas Desenvolvido pela Professora Patrícia Roggero 1 Análise do Modo e Efeito das Falhas Desenvolvido pela Professora Patrícia Roggero 2 -

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Requisitos necessários a todos as subseções

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Ensino e Segurança: Educar para transformar cultura. Graduação Universidade Federal Fluminense

Ensino e Segurança: Educar para transformar cultura. Graduação Universidade Federal Fluminense Ensino e Segurança: Educar para transformar cultura. Graduação Universidade Federal Fluminense Luis Antonio dos Santos Diego Docente da Faculdade de Medicina da Uff Presidente da Comissão de Qualidade

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 3, DE 21 DE JUNHO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 3, DE 21 DE JUNHO DE 2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 3, DE 21 DE JUNHO DE 2011 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das atribuições que lhe conferem o art. 11, inciso IV, do Regulamento da Anvisa,

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

Segurança Elétrica em. Prof. Ernesto F. F. Ramírez

Segurança Elétrica em. Prof. Ernesto F. F. Ramírez Segurança Elétrica em Ambiente Hospitalar Prof. Ernesto F. F. Ramírez Choque Elétrico Intensidade da corrente circulação de corrente elétrica através do organismo humano Percurso da corrente Duração do

Leia mais

Fatores humanos na identificação de perigos e avaliação de riscos

Fatores humanos na identificação de perigos e avaliação de riscos Fatores humanos na identificação de perigos e avaliação de riscos Marcello Guimarães Couto, M.Sc. HGB Consultoria e Gestão Ltda. marcello@hgb.com.br mgcouto@gmail.com Resumo Este artigo aborda os novos

Leia mais

4 Confiabilidade Metrológica do Ventilador Pulmonar

4 Confiabilidade Metrológica do Ventilador Pulmonar 4 Confiabilidade Metrológica do Ventilador Pulmonar A metrologia avançou muito na área industrial e científica, mas, apesar de sua óbvia importância, sua aplicação ainda é incipiente na área da saúde.

Leia mais

MÓDULO 6 ÁRVORE DE FALHAS. Curso de Especialização em Transporte Ferroviário de Carga

MÓDULO 6 ÁRVORE DE FALHAS. Curso de Especialização em Transporte Ferroviário de Carga MÓDULO 6 ÁRVORE DE FALHAS . Árvore de Falhas O Método de Análise da Árvore de Falhas (FailureTree Analysis - FTA) foi desenvolvido por volta de 96, por W.A.Watson, da Bell Laboratories e aperfeiçoada pela

Leia mais

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2. A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.000 consultores que se dedicam de forma integral à gestão de riscos

Leia mais

ANÁLISE DE CAMADAS DE PROTEÇÃO: UM MEIO EFICAZ NA REDUÇÃO DE ACIDENTES

ANÁLISE DE CAMADAS DE PROTEÇÃO: UM MEIO EFICAZ NA REDUÇÃO DE ACIDENTES ANÁLISE DE CAMADAS DE PROTEÇÃO: UM MEIO EFICAZ NA REDUÇÃO DE ACIDENTES Autor: Elisio Carvalho Silva Data: 30/03/2012 INTRODUÇÃO O perigo está relacionado a qualquer atividade que fazemos. Enquanto ele

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia

PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia PÁG. 1/12 1. OBJETIVO Estabelecer a sistemática para gestão de anomalias na BAHIAGÁS, determinando os critérios para seu registro, comunicação, investigação e a metodologia para definição e implantação

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 7, de 04 de fevereiro de 2015 D.O.U de 09/02/2015

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 7, de 04 de fevereiro de 2015 D.O.U de 09/02/2015 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 7, de 04 de fevereiro de 2015 D.O.U de 09/02/2015 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007)

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007) Gestão e otimização da produção Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional () Marco Antonio Dantas de Souza MSc. Engenharia de Produção Engenheiro de Segurança do Trabalho Introdução Fonte: Ministério da

Leia mais

Alinhando ABNT-NBR-ISO/IEC 17799 e 27001 para a Administração Pública -USP

Alinhando ABNT-NBR-ISO/IEC 17799 e 27001 para a Administração Pública -USP Alinhando ABNT-NBR-ISO/IEC 17799 e 27001 para a Administração Pública -USP César Augusto Asciutti Agência USP de Inovação, São Paulo (SP), 3091-2933, asciutti@usp.br Resumo Este artigo apresenta uma breve

Leia mais

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha)

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) FMEA FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) Técnica auxiliar no projeto de sistemas, produtos, processos ou serviços. Flávio Fogliatto Confiabilidade 1 FMEA - Definição

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL

ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL Wanderley Feliciano Filho CRQ IV- Novembro/ 006 Conceito Constituicional Artigo Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial

Leia mais

Anexo F Diretriz clínica para a prevenção de falhas relacionadas a conexões de linhas de infusão e cabos

Anexo F Diretriz clínica para a prevenção de falhas relacionadas a conexões de linhas de infusão e cabos SEGURANÇA DO PACIENTE: CONHECENDO OS RISCOS NAS ORGANIZAÇÕES DE SAÚDE Anexo F Diretriz clínica para a prevenção de falhas relacionadas a conexões de linhas de infusão e cabos Sandra Vasconcelos e Barbara

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA E DE COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA E DE COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA E DE COMPUTAÇÃO Investigação de Estratégias de Mitigação de Riscos para a Segurança do Paciente Associados aos Sistemas de Registro Eletrônico

Leia mais

INAC 2009, Rio de Janeiro, RJ, Brazil.

INAC 2009, Rio de Janeiro, RJ, Brazil. 2009 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2009 Rio de Janeiro,RJ, Brazil, September27 to October 2, 2009 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-03-8 IMPLEMENTAÇÃO

Leia mais

Turismo de aventura. Sistema de gestão. gestão da segurança - Requisitos PROJETO 54:003.02-001. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas SET 2005

Turismo de aventura. Sistema de gestão. gestão da segurança - Requisitos PROJETO 54:003.02-001. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas SET 2005 SET 2005 PROJETO 54:003.02-001 Turismo de aventura Sistema de gestão da segurança - Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 / 28º andar CEP 20031-901

Leia mais

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE GESTÃO DE MUDANÇAS

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE GESTÃO DE MUDANÇAS Impresso em 26/08/2015 10:31:18 (Sem título Aprovado ' Elaborado por Daniel Trindade/BRA/VERITAS em 01/11/2013 Verificado por Cintia Kikuchi em 04/11/2013 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em

Leia mais

Experiência: PROJETO HOSPITAIS SENTINELA: UMA ESTRATÉGIA DE VIGILÂNCIA PARA A PÓS-COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS DE SAÚDE

Experiência: PROJETO HOSPITAIS SENTINELA: UMA ESTRATÉGIA DE VIGILÂNCIA PARA A PÓS-COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS DE SAÚDE Experiência: PROJETO HOSPITAIS SENTINELA: UMA ESTRATÉGIA DE VIGILÂNCIA PARA A PÓS-COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS DE SAÚDE Agência Nacional de Vigilância Sanitária Ministério da Saúde Responsável: Clarice

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O E A -31000 Maildo Barros da Silva 1 e Fco.Rodrigo P. Cavalcanti 2 1 Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Fortaleza-CE, Brasil phone: +55(85) 96193248,

Leia mais

GESTÃO DE ATIVOS E O PAS 55 UM NOVO PARADIGMA? Valéria Simões de Marco Engenheira Eletricista

GESTÃO DE ATIVOS E O PAS 55 UM NOVO PARADIGMA? Valéria Simões de Marco Engenheira Eletricista GESTÃO DE ATIVOS E O PAS 55 UM NOVO PARADIGMA? Valéria Simões de Marco Engenheira Eletricista RESUMO O documento PAS 55 é uma especificação disponível publicamente, que foi emitida em 2004 pela British

Leia mais

Segurança e Auditoria de Sistemas Normas de Segurança. Profa. Cynara Carvalho cynaracarvalho@yahoo.com.br

Segurança e Auditoria de Sistemas Normas de Segurança. Profa. Cynara Carvalho cynaracarvalho@yahoo.com.br $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV$SOLFDGDVH6RFLDLVGH3HWUROLQD )$&$3( Segurança e Auditoria de Sistemas Normas de Segurança Profa. Cynara Carvalho cynaracarvalho@yahoo.com.br

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS BOAS PRÁTICAS DE ENGENHARIA APLICADAS À GESTÃO DOS SISTEMAS INSTRUMENTADOS DE SEGURANÇA: UMA ABORDAGEM DE SIL

INTRODUÇÃO ÀS BOAS PRÁTICAS DE ENGENHARIA APLICADAS À GESTÃO DOS SISTEMAS INSTRUMENTADOS DE SEGURANÇA: UMA ABORDAGEM DE SIL INTRODUÇÃO ÀS BOAS PRÁTICAS DE ENGENHARIA APLICADAS À GESTÃO DOS SISTEMAS INSTRUMENTADOS DE SEGURANÇA: UMA ABORDAGEM DE SIL Ana Cristina Costa Almeida Risk and Reliability Senior Consultant DNV Energy

Leia mais

PROVA ENGENHARIA CLÍNICA

PROVA ENGENHARIA CLÍNICA LÍNGUA PORTUGUESA 01. Assinale a alternativa em que a palavra deve ser obrigatoriamente acentuada: (A) Publica. (B) Ironia. (C) Analise. (D) Malefico (E) Distante. 02. Considere o período e as afirmações

Leia mais

INTERFERÊNCIA ELETROMAGNÉTICA NO AMBIENTE HOSPITALAR

INTERFERÊNCIA ELETROMAGNÉTICA NO AMBIENTE HOSPITALAR INTERFERÊNCIA ELETROMAGNÉTICA NO AMBIENTE HOSPITALAR Suzy Cristina Bruno Cabral, Sérgio Santos Mühlen Departamento de Engenharia Biomédica FEEC e CEB / UNICAMP Resumo: Todos os equipamentos eletrônicos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES

GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES 1. OBJETIVO O Gerenciamento de Modificações consiste em prover um procedimento ordenado e sistemático de análise dos possíveis riscos introduzidos por modificações, de identificação

Leia mais

1. A HISTÓRIA DA ACREDITAÇÃO

1. A HISTÓRIA DA ACREDITAÇÃO 1. A HISTÓRIA DA ACREDITAÇÃO Os registros sobre a origem da acreditação nos Estados Unidos identificam como seu principal precursor, em 1910, o Doutor e Professor Ernest Amony Codman, proeminente cirurgião

Leia mais

SInASE <> Carla Gonçalves Pereira Fernando Rodrigues

SInASE <<TITULO APRESENTAÇÃO>> Carla Gonçalves Pereira Fernando Rodrigues Lisboa 28 28 de Junho 2011 Museu do Oriente Qualidade Risco em Saúde Carla Gonçalves Pereira Fernando Rodrigues 1º Estudo Nacional 11,1% admissões

Leia mais

Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção. Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia

Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção. Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia Tópicos 1. CCIH no Brasil 2. CCIH e a Segurança do Paciente: Qual

Leia mais

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente?

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente? O tema Segurança do Paciente vem sendo desenvolvido sistematicamente pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) desde sua criação, cooperando com a missão da Vigilância Sanitária de proteger

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação contínua de perigos, avaliação de riscos de e determinação de medidas de controle para redução dos riscos de, seguindo a hierarquia: eliminação,

Leia mais

UNESA Sistemas de Transportes Currículo 108 / 2008 MÓDULO 1 MANUTENÇÃO DE ATIIVOS

UNESA Sistemas de Transportes Currículo 108 / 2008 MÓDULO 1 MANUTENÇÃO DE ATIIVOS 1 INTRODUÇÃO MÓDULO 1 MANUTENÇÃO DE ATIIVOS O homem constrói máquinas, equipamentos, veículos, edificações, com o intuito de melhorar conforto e a segurança da sociedade. Entretanto, sabe-se que nada é

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 2, de 13 de janeiro de 2009. D.O.U de 17/02/09 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

A NOVA ERA DA GESTÃO DE RISCOS

A NOVA ERA DA GESTÃO DE RISCOS Francesco De Cicco Abril, 2012 A NOVA ERA DA GESTÃO DE RISCOS AGENDA A nova definição de Risco e sua importância para as organizações. Os novos documentos internacionais e brasileiros de referência em

Leia mais

ABNT NBR 15331 Turismo de aventura Sistema de gestão da segurança Requisitos

ABNT NBR 15331 Turismo de aventura Sistema de gestão da segurança Requisitos NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15331 Primeira edição 30.12.2005 Válida a partir de 30.01.2006 Turismo de aventura Sistema de gestão da segurança Requisitos Adventure tourism Safety management system Requirements

Leia mais

VÁLVULAS BORBOLETA COM SEDE RESILIENTE MANUAL DE SEGURANÇA

VÁLVULAS BORBOLETA COM SEDE RESILIENTE MANUAL DE SEGURANÇA VÁLVULAS BORBOLETA COM SEDE RESILIENTE MANUAL DE SEGURANÇA The High Performance Company ÍNDICE 1.0 Introdução...1 1.1 Termos e abreviações... 1 1.2 Acrônimos... 1 1.3 Suporte ao produto... 2 1.4 Literatura

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade III GOVERNANÇA DE TI Information Technology Infrastructure Library ITIL Criado pelo governo do Reino Unido, tem como objetivo a criação de um guia com as melhores práticas

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume III Análise de Riscos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

A experiência da Engenharia Clínica no Brasil

A experiência da Engenharia Clínica no Brasil Página 1 de 5 Sobre a Revista Ed 24 - fev 04 Home Medical Infocenter Med Atual Edição Atual Serviços Global Home Brasil Home Busca Mapa do Site Fale Conosco Edição Atual Edição Atual Matéria de Capa Artigo

Leia mais

Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido

Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido Nasario de S.F. Duarte Jr. (São Paulo, SP) Resumo: o objetivo deste artigo é ressaltar a importância de se estabelecer um sistema de

Leia mais

Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC

Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC ANEXO IV A Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC Diante desta nova regulamentação no setor de Transmissão de Energia Elétrica, os agentes de transmissão devem buscar estratégias para evitar as penalizações

Leia mais

SOlUçõES PARA O CAPItAl HUMANO de SUA EMPRESA

SOlUçõES PARA O CAPItAl HUMANO de SUA EMPRESA SOlUçõES PARA O CAPItAl HUMANO de SUA EMPRESA fundada em 1986 É precursora na implementação de serviços especializados em mapeamentos de competências humanas. Empresa de pesquisa aplicada especializada

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS MÉDICOS HOSPITALARES

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS MÉDICOS HOSPITALARES GERENCIAMENTO DE MATERIAIS MÉDICOS HOSPITALARES Jurema da Silva Herbas Palomo Diretora Coordenação de Enfermagem Instituto do Coração HC / FMUSP Enfermeiro Gestor Compete a responsabilidade da n Definição

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Documentaçã. ção da Qualidade. Rosiane Nickel DVGQB LACEN/PR

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Documentaçã. ção da Qualidade. Rosiane Nickel DVGQB LACEN/PR SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NOS LABORATÓRIOS RIOS CLÍNICOS: Documentaçã ção da Qualidade Rosiane Nickel DVGQB LACEN/PR QUALIDADE QUALIDADE Grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz

Leia mais

OUTUBRO Agência Nacional de Vigilância Sanitária 06/2004 CERTIFICADOS DE CALIBRAÇÃO

OUTUBRO Agência Nacional de Vigilância Sanitária 06/2004 CERTIFICADOS DE CALIBRAÇÃO OUTUBRO Agência Nacional de Vigilância Sanitária 06/2004 Muitas vezes ao longo das investigações de Tecnovigilância de acidentes relacionados com equipamentos médico-hospitalares, principalmente quando

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK

Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK 180 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK Thiago Roberto Sarturi1, Evandro Preuss2 1 Pós-Graduação em Gestão de TI Universidade

Leia mais

Segurança do Paciente e Gerenciamento de Risco. Enf. Vera Lúcia Borrasca Gerente de Segurança Assistencial vera.lucia@hsl.org.br

Segurança do Paciente e Gerenciamento de Risco. Enf. Vera Lúcia Borrasca Gerente de Segurança Assistencial vera.lucia@hsl.org.br Segurança do Paciente e Gerenciamento de Risco Enf. Vera Lúcia Borrasca Gerente de Segurança Assistencial vera.lucia@hsl.org.br Premissas para qualidade do cuidado à saúde IOM 2001 Segurança Eficácia e

Leia mais

ATIVIDADES PARA A INCORPORAÇÃO DE EQUIPAMENTOS MÉDICO- HOSPITALARES Ênfase em software/firmware

ATIVIDADES PARA A INCORPORAÇÃO DE EQUIPAMENTOS MÉDICO- HOSPITALARES Ênfase em software/firmware ATIVIDADES PARA A INCORPORAÇÃO DE EQUIPAMENTOS MÉDICO- HOSPITALARES Ênfase em software/firmware firmware Saide Jorge Calil Centro de Engenhara Biomédica Departamento de Engenharia Biomédica Faculdade de

Leia mais

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo 1 Introdução A atual regulamentação do setor elétrico brasileiro, decorrente de sua reestruturação na última década, exige das empresas o cumprimento de requisitos de disponibilidade e confiabilidade operativa

Leia mais

Fortalecendo o Sistema de Farmacovigilância para a introdução de novos medicamentos para a tuberculose no Brasil

Fortalecendo o Sistema de Farmacovigilância para a introdução de novos medicamentos para a tuberculose no Brasil Fortalecendo o Sistema de Farmacovigilância para a introdução de novos medicamentos para a tuberculose no Brasil Introdução Em 2009, o Ministério da Saúde (MS) do Brasil mudou seu esquema de tratamento

Leia mais

Análise de Risco na Validação de Sistemas Computadorizados

Análise de Risco na Validação de Sistemas Computadorizados Análise de Risco na Validação de Sistemas Computadorizados Meg Lima Andrade Agenda Objetivos; Conceito de Sistemas Computadorizados; Conceito de Risco; Identificação de Riscos; Avaliação de Riscos; Classificação;

Leia mais

Guia de Auxílio na Implantação de Boas Práticas em Produtos Para Saúde. Guilherme Portilho Carrara

Guia de Auxílio na Implantação de Boas Práticas em Produtos Para Saúde. Guilherme Portilho Carrara Guia de Auxílio na Implantação de Boas Práticas em Produtos Para Saúde ABIMO JUNHO PAÍS 2013 RICO É PAÍS SEM POBREZA Guilherme Portilho Carrara Estrutura do Guia Capítulos 1 e 3 O conteúdo dos Capítulo

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

Priorização de ações ergonômicas a partir de uma análise de riscos através da adaptação do FMEA como ferramenta de avaliação e gerenciamento.

Priorização de ações ergonômicas a partir de uma análise de riscos através da adaptação do FMEA como ferramenta de avaliação e gerenciamento. Priorização de ações ergonômicas a partir de uma análise de riscos através da adaptação do FMEA como ferramenta de avaliação e gerenciamento. Eduardo Ferro dos Santos Universidade Federal de Itajubá/MG

Leia mais

O papel da empresa na relação com o meio natural

O papel da empresa na relação com o meio natural Gestão Ambiental O papel da empresa na relação com o meio natural Visão Tradicional Empresa Consumidor Compreensão Básica: - Relações econômicas determinadas pela Oferta/Procura -Visão do lucro como o

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

Melhorar a segurança do paciente: primeiros passos

Melhorar a segurança do paciente: primeiros passos Parceria Africana para Segurança do Paciente Melhorar a : primeiros passos Este documento descreve uma abordagem para melhorar a utilizando um modelo de parceria, estruturado em torno do aperfeiçoamento

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MOIRA CAROLINE COSTA ROSA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MOIRA CAROLINE COSTA ROSA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MOIRA CAROLINE COSTA ROSA COMPARATIVO ENTRE OS REQUISITOS DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO E AS NORMAS ISO :2008 E ISO :2004, APLICADO À INDÚSTRIA DE PRODUTOS PARA A SAÚDE

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd)

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) Antonio Keh Chuan Chou Gerente EHS GSC Latin America Sherwin Williams São Paulo, 22 de agosto de 2013 workshop AGENDA workshop Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho Operações

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

DRA. GLÁUCIA BERRETA RUGGERI MÉDICA ENDOCRINOLOGISTA DO CENTRO DE SAÚDE OCUPACIONAL HOSPITAL ISRAELITA ALBERT EINSTEIN glauciabr@einstein.

DRA. GLÁUCIA BERRETA RUGGERI MÉDICA ENDOCRINOLOGISTA DO CENTRO DE SAÚDE OCUPACIONAL HOSPITAL ISRAELITA ALBERT EINSTEIN glauciabr@einstein. DRA. GLÁUCIA BERRETA RUGGERI MÉDICA ENDOCRINOLOGISTA DO CENTRO DE SAÚDE OCUPACIONAL HOSPITAL ISRAELITA ALBERT EINSTEIN glauciabr@einstein.br Segurança do Paciente => 1999 => Marco => TheError is Human

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

SISTEMA DE TECNOVIGILÂNCIA DE BIO-MANGUINHOS, EM ATENDIMENTO A RDC N 0 67 / ANVISA / 21/12/2009

SISTEMA DE TECNOVIGILÂNCIA DE BIO-MANGUINHOS, EM ATENDIMENTO A RDC N 0 67 / ANVISA / 21/12/2009 MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ INSTITUTO DE TECNOLOGIA EM IMUNOBIOLÓGICOS BIO-MANGUINHOS SISTEMA DE TECNOVIGILÂNCIA DE BIO-MANGUINHOS, EM ATENDIMENTO A RDC N 0 67 / ANVISA / 21/12/2009 ASCLIN

Leia mais

8 Referências Bibliográficas

8 Referências Bibliográficas 8 Referências Bibliográficas [1] Monteiro, E.C., Lessa M.L., A metrologia na área de saúde: Garantia da Segurança e da Qualidade dos Equipamentos Eletromédicos. Engevista, [em impressão]. [2] Silva, Pedro

Leia mais

ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GERENCIAMENTO PARA REDE DE EQUIPAMENTOS EM AMBIENTES HOSPITALARES

ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GERENCIAMENTO PARA REDE DE EQUIPAMENTOS EM AMBIENTES HOSPITALARES ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GERENCIAMENTO PARA REDE DE EQUIPAMENTOS EM AMBIENTES HOSPITALARES Priscilla Fróes Sebbe 1,Renato Amaro Zângaro 2 1- Faculda Ciência da Saú 5 o. Ano Engenharia Biomédica

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013.

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013. ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE

Leia mais

Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software

Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software Bolívar Arthur Butzke 1, Karine Baiotto 1, Msc. Adalberto Lovato 1, Msc. Vera Lúcia Lorenset Benedetti 1 1 Sistemas de Informação

Leia mais

Aplicação do FMEA nas Centrais de Quimioterapia. Mario Luiz P. Ferreira Área da Qualidade

Aplicação do FMEA nas Centrais de Quimioterapia. Mario Luiz P. Ferreira Área da Qualidade Aplicação do FMEA nas Centrais de Quimioterapia Mario Luiz P. Ferreira Área da Qualidade Introdução O tema Segurança do Paciente se transformou em preocupação, nas instituições de saúde, a partir de 2003

Leia mais