MANUAL DE GESTÃO DE FORNECEDORES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE GESTÃO DE FORNECEDORES"

Transcrição

1 MANUAL DE GESTÃO DE FORNECEDORES

2 1.Intrduçã Plítica d Sistema de Gestã Integrad Objetiv deste Manual Abrangência Desenvlviment d Frnecedr Hmlgaçã e Desenvlviment de frnecedres Atividades de Desenvlviment de Requisits Gerais Cndições Cmerciais Cndições gerais de qualidade Cndições ambientais Cnfidencialidade Embarque Cntrlad Avaliaçã de Desempenh d Frnecedr Mnitrament mensal Mnitrament e Revalidaçã d prcess d frnecedr Blquei d Frnecedr Dcumentaçã de PPAP Acmpanhament d Plan de Açã Crretiva Tratativa de peças críticas / Peça de Segurança...16 Pág. 1

3 SEQUÊNCIAS DOS PROCESSOS DA TECNOCURVA. Pág. 2

4 1.0 Intrduçã Em atendiment a Plítica d Sistema de Gestã Integrada, que define que a Tecncurva deve Estabelecer relações cmerciais claras, bjetivas, e duraduras, faz-se necessária uma série de ações cmbinadas, a saber: Avaliaçã e seleçã de que tenham impact sbre a Qualidade e/u Mei-Ambiente; Definiçã clara ds requisits de cntrataçã, através de narrativas de cmpras cmpletas; Desenvlviment d Sistema de Gestã Integrada ds ; Avaliaçã d desempenh ds Plítica d Sistema de Gestã Integrad TECNOCURVA, TRADICIONAL FABRICANTE DE CONJUNTOS TUBULARES E SOLDADOS, DESTINADOS AO SEGUIMENTO AUTOMOBILÍSTICO. CLIENTE Recnhecer s clientes cm parceirs d negóci, estar cmprmetid em atender seus requisits, e superar suas expectativas, sã princípis básics para sucess da rganizaçã. ORGANIZAÇÃO Estar cmprmetid em atender s Requisits d Sistema de Gestã Integrad. ACIONISTA Obter retrn sbre capital investid. COLABORADORES Prmver em tda rganizaçã uma cultura vltada as bjetivs da empresa, através d desenvlviment cntínu da mtivaçã, d trabalh em equipe, das capacidades pessais, da partilha de sucess, e d estabeleciment de um ambiente segur. FORNECEDORES Estabelecer relações cmerciais claras, bjetivas e duraduras. SOCIEDADE Cntribuir cm bem estar e a qualidade de vida da cmunidade a qual pertence, através d respeit e transparência de nssas ações, prevençã da pluiçã e preservaçã d Mei Ambiente. REGULAMENTAÇÕES Estar cmprmetid em atender tdas as legislações, regulamentações, nrmas aplicáveis definidas pelas partes interessadas. MELHORIA CONTÍNUA Melhrar cntinuamente s prcesss, prduts, Sistema de Gestã Integrad e sua Eficácia. *Plítica d SGI é cntrlada apenas n MGI, utras divulgações sã infrmativs que nã necessitam de cntrle. Pág. 3

5 3.0 Objetiv deste Manual Definir s requisits d Sistema de Gestã exigid ds que tenham impact sbre a Qualidade d Prdut frnecid para a Tecncurva e a Mei-ambiente. Estabelecer s passs necessáris a Desenvlviment d Sistema de Gestã ds ns seguintes aspects: Qualidade; Entrega; Desenvlviment de nvs prduts/prcesss; Atendiment Cmercial. 4.0 Abrangência de Prdut. Ex.: Matérias-Primas; Prduts Químics; Cmpnentes; Embalagens; Insums para Sldagem Serviçs. Ex.: Ferramentaria (Ver também IT 9.1 guia de cnst. disp. de cntrle); Calibraçã; Mediçã e Ensais; Manutençã, incluind Manutençã e Recargas de Equipaments de Cmbate a Incêndi; Dispsiçã de Resídus, incluind Dispsiçã de Óle Usad / Cntaminad; Mediçã e Testes em Vass de Pressã; Restaurante Industrial; Limpeza Industrial; Assessria, incluind Assessria em Legislaçã Ambiental; Treinaments, incluind: a Qualificaçã de Auditres Interns e da Brigada de Emergência/Incêndi); Transprte, incluind Transprte de Resídus Perigss; Beneficiament; Cnversã de dads; Pltagem de desenhs. Pág. 4

6 5.0 Desenvlviment d Frnecedr: Para tds s de matérias-primas, cmpnente que sã agregads as prduts frnecids para a Tecncurva, Cmpras deve bter evidências da situaçã d sistema de Gestã ds através de cnsulta a web site da empresa, cadastr d CB25 e CB38 (web site d Inmetr), slicitaçã de cópia d certificad ( ISO 9000, ISO/TS, ISO 14001, etc). Ferramentarias que desenvlvem dispsitivs (principalmente de cntrle) deverã seguir também IT 9.1 guia para cnstruçã de dispsitivs de cntrle Hmlgaçã e Desenvlviment de : Ter n mínim certificaçã ISO 9001; Ser avaliad através de auditria ptencial (FORM. 344) cm base na VDA ; Ser avaliad através de auditria de prcess/ prdut através d check-list de avaliaçã FORM Auditria VDA, pr auditres qualificads da Tecncurva e ter pntuaçã mínima de 70 pnts - cnceit C; Ferramentarias deverã seguir IT 9.1 guia para cnstruçã de dispsitivs de cntrle. 5.2 Atividades de Desenvlviment de : Crngramas de implementaçã/certificaçã ISO/TS ; Carta atestand a realizaçã de etapas imprtantes d prcess de Certificaçã (Exempls: cntrataçã d órgã certificadr, análise d manual d sistema de gestã, realizaçã de pré-auditria, realizaçã de auditria de certificaçã); Carta de recmendaçã à certificaçã pel Órgã Certificadr; Certificad emitid pel Órgã Certificadr; PPAP frnecedr Nível 3 para tds s cmpnentes e beneficiament,nível 1 para matéria prima e frnecedr (distribuidr) PPAP nível 1 + PPAP nível 3 d fabricante. Quand se tratar de material, cmpnente, beneficiament a ser agregad em prdut da GM à submissã d PPAP deve ser nível 5. Estas evidências estarã sujeitas à auditria/cmprvaçã pr parte da Tecncurva. Pág. 5

7 6.0 Requisits Gerais 6.1 Cndições Cmerciais: Acrds de preçs : O Frnecedr deve atender s preçs, prazs e cndições de pagaments cnstantes ns pedids de cmpra e demais exigências d acrd de preçs, quand previamente estabelecids O Frnecedr deve emitir as Ntas Fiscais, em cnfrmidade cm a legislaçã vigente, mencinand sempre númer d nss dcument de aquisiçã (Exempl: Pedid de Cmpra) e códig d prdut.cas frnecedr nã envie nta fiscal junt das peças, será debitad valr de R$200,00 pr item e pr event, fra s demérits n IQF O Frnecedr deve enviar prduts de acrd cm a revisã d dcument (Especificações Técnicas, desenhs, nrmas, etc) indicad n pedid. Sempre que a revisã d dcument fr diferente d pedid frnecedr deve avisar d crrid e slicitar dcument na revisã crreta para departament de cmpras O desempenh de entrega deve ser 100% n praz e na quantidade, cas cntrári será demeritad na sua pntuaçã de IQF mensal. N cas de material em atras, a Tecncurva se reserva n direit de prceder a seu reprgrama u até mesm seu cancelament. A Tecncurva se reserva n direit de repassar custs referentes à parada de linha, multas, custs de transprte especial, etc.; decrrentes d nã atendiment a praz de entrega preestabelecid e frmalizad Ns cass de ferramental cedid pela Tecncurva, frnecedr deve firmar cntrat de cmdat O Frnecedr deve atender tds s requisits de cntrataçã descrits ns dcuments de aquisiçã: Pedid de cmpra; Cntrats; Cntrats de cmdat; Ntas-fiscais de beneficiament; Pedid de crte. Estes dcuments pdem, ainda, referenciar utrs, que também devem ser atendids : Desenh; Especificaçã Técnica; Nrma Internacinal (Ex. DIN, ASTM); Nrma Nacinal (NBR) Nã serã aceits materiais cm quantidade excedente a dcument de Cmpra. Pág. 6

8 6.1.8 Para verificar as revisões de desenhs e/ u dcuments válids entregues a frnecedr, este deve cnsultar diret cm respnsáveis na TECNOCURVA O lançament ds prduts pel frnecedr n prtal da Tecncurva pde agilizar a peraçã de recebiment, esta utilizaçã é uma ba pratica que favrece ambas as partes n recebiment. 6.2 Cndições Gerais de qualidade: O frnecedr deve cnsiderar n desenvlviment de nvs prduts e prcess, Cadern de Encargs, pedid de cmpra u ferramental e manuais vigentes d AIAG: APQP, PPAP, FMEA, CEP e MSA, das edições atuais em vigência; O Frnecedr deve identificar lte de fabricaçã de frma clara nas embalagens u n própri material sem dan para mesm e também na Nta Fiscal; O Frnecedr de cmpnente (distribuidr u fabricante) deve enviar quand slicitad pela Tecncurva, juntamente cm a Nta Fiscal, relatóri de cnfrmidade e/u certificad de qualidade (cntend ensais físic-químics e dimensinal de características chaves) de cada lte de fabricaçã. Este relatóri deve citar númer da nta fiscal. O frneciment de certificad de qualidade cntend ensais físic-químics e dimensinal para matéria prima é brigatóri para tds s ltes ; O Frnecedr deve enviar, quand slicitad pela Tecncurva, juntamente cm a Nta Fiscal (pel Certificad d Material) u prdut (na etiqueta), evidência de Cntrle de materiais u seja Revisã de desenh / nível de mdificaçã d prdut enviad; O Frnecedr é respnsável pela cnfrmidade d material frnecid a Tecncurva em relaçã a dcument de aquisiçã; Em cas de nã-cnfrmidade d prdut, u se a nta fiscal nã estiver emitida de acrd cm as indicações acima, a Tecncurva reserva-se direit de devlver td lte de entrega, u parte dele (mediante seleçã de peças nã cnfrme), num praz de 30 dias; O "critéri de zer defeit" deve ser utilizad para tdas as características especificadas, para definir laud d material. Para tant, Frnecedr garante que prdut será prduzid e entregue de acrd cm as especificações n dcument de aquisiçã; A Tecncurva se reserva direit de debitar s custs envlvids cm retrabalh e/u seleçã de respnsabilidade d frnecedr, quer retrabalh seja nas instalações da Tecncurva u nas instalações ds nsss clientes; O Frnecedr deve atender tdas as exigências gvernamentais atuais relacinadas cm segurança e mei ambiente, requisits elétrics e radiaçã eletrmagnética, cnfrme regulamentaçã vigente d país que fabrica e cmercializa; Pág. 7

9 Quand huver necessidade de alteraçã de prcess u prdut, Frnecedr deve infrmar antes da alteraçã a Tecncurva para aprvaçã e submeter nv PPAP/ amstra inicial; O Frnecedr deve desenvlver seu Sistema da Qualidade para adequaçã à ISO/TS O Frnecedr deve ser certificad ISO Cas esteja em prcess de implementaçã e/u certificaçã ISO/TS , deverá encaminhar Crngrama a departament de cmpras crprativ da Tecncurva; O Frnecedr deve atender as requisits da Tecncurva quant à submissã de amstra inicial - (PPAP frnecedr Nível 3 para tds s cmpnentes,nível 1 para matéria prima e frnecedr [distribuidr] PPAP nível 1 + PPAP nível 3 d fabricante. Quand se tratar de material, cmpnente, beneficiament a ser agregad em prdut da GM à submissã d PPAP deve ser nível 5). A mens que especificad de utra frma pr representante autrizad da Tecncurva. O IMDS é brigatóri na submissã d PPAP de ambs s níveis (IMDS cadastrad cm semi cmpnentes para cmpnentes e beneficiament/matéria prima deve ser cadastrad cm material). Quand frnecedr nã enviar amstra inicial (u na sua resubmissã d PPAP) d cmpnente, PPAP estará autmaticamente reprvad; O Frnecedr deve incluir na FMEA a análise ds mds de falhas sbre etiquetagem; O Frnecedr deve mnitrar Desempenh ds seus Prcesss de Manufatura; O Frnecedr (Serviçs Terceirs), é respnsável quant a gerenciament das cmpetências de pessal/infrmaçã a Tecncurva de mudança de quadr; Quand aplicável, a auditria de aprvaçã de PPAP u auditria de prcess de manufatura deve cnsiderar também s requisits ds manuais CQI-9, CQI-11 e CQI-12; A Tecncurva se reserva direit de clcar frnecedr em Embarque Cntrlad nível I u II de acrd cm item da Nrma ISO/TS-16949; Se nã fr acrdad de utra frma cm representante autrizad da Tecncurva, a freqüência para inspeçã de lay ut é anual; Para frneciment de FERRAMENTAS Frnecedr deverá executar acmpanhament cnfrme Frm Check list para frneciment de ferramentais, Frm Descriçã Técnica de Ferramentais, Frm. 436 Check List de Dispsitivs + submissã d relatóri dimensinal APROVADO de 3 peças (u mais cnfrme critéri infrmad pela Tecncurva n desenvlviment) + Capa d PPAP aprvada, após esta submissã seguirá as rtinas de pagament pré acrdadas n pedid de cmpras d ferramental. A Tecncurva nã aceitará ferramentas sem a aprvaçã d pré-prjet, pdend debitar 5% d valr ttal d pedid de desenvlviment, cas nã seja atendid requisit acima. Também deverá a ferramentaria estar de acrd cm a IT 9.1 guia para cnstruçã de dispsitivs de cntrle.; Pág. 8

10 Para frneciment de Prtótips se faz necessári envi de Relatóri Dimensinal + Relatóri de matéria prima, enviads juntamente cm lte; Identificaçã de Amstras inicial, Re-submissã e Prtótips será necessári envi ds mesms cm a etiqueta padrã Tecncurva FORM.246 dispnível n Website; A Tecncurva, seu cliente e/u representante d cliente se reservam n direit de verificar / auditar s prcesss e prduts adquirids nas instalações d Frnecedr; O frnecedr deve mnitrar desempenh ds seus prcesss de manufatura de itens que cntenham sub-cmpnentes cm parafus e/u tratament superficial na sua cmpsiçã deverã ficar atents para qual CLIENTE TECNOCURVA ele estará sub-frnecend. O frneciment de item, que irá para as mntadres VOLKSWAGEN E MAN, brigatriamente devem ser de fntes cnfrme a lista de frnecedres hmlgads pr estas mntadres (lista está n site Tecncurva: Cndições ambientais: É desejável que Frnecedr se certifique à ISO O Frnecedr deve enviar a evidência da certificaçã u da Implementaçã (Crngrama) as cuidads de Cmpras de prduts flrestais (ex.: estrads e caixas de madeira): O Frnecedr deve apresentar a Tecncurva cmprvaçã da legitimidade ds prduts frnecids cnfrme lei nº Frnecedr de serviç de transprte de prduts/substâncias especificadas (ex.: transprte de resídus): O Frnecedr deve apresentar a TECNOCURVA certificad de capacitaçã para transprte de prduts perigss à granel; O Frnecedr de Transprte de prduts perigss deve atender decret 96044/88; alterada pel decret 4097 de 23/01/2002; O Frnecedr deve atender a Prtaria INMETRO Nº 110 de 26/05/1994; O Frnecedr deve atender ANTT Nº 420 de 12/02/2004; O Frnecedr deve atender a resluçã CONTRAN Nº 732 de 14/06/1989; O Frnecedr deve atender a PORTARIA SUP - DER Nº 48, DE 26/05/2004; Pág. 9

11 O Frnecedr deve atender a PORTARIA DETRAN Nº 12, DE 07/01/ O Frnecedr de transprte de prduts perigss deve atender decret 96044/ O Frnecedr deve atender a Prtaria INMETRO Nº 110 de 26/05/1994; O Frnecedr deve atender a Resluçã CONTRAN Nº 91 de 04/05/1999; O Frnecedr deve atender a ANTT Nº 420 de 12/02/ Frnecedr de serviç de cnstruçã civil: O Frnecedr é brigad a dar destinaçã ambientalmente crreta as resídus pr ele gerads; Cas gere resídus que cntenham amiant (ex.: telhas, caixas d água), a destinaçã ds mesms deve ser feita cm resídus perigss; O Frnecedr deve atender a Resluçã CONAMA Nº 307 de 05/07/2002, alterada pr resluçã CONAMA Nº 348 de 16/08/2004; Atender a DECISÃO NORMATIVA CONFEA Nº 20, DE Veículs mvids a Diesel: Os devem atender a prtaria IBAMA Nº 85, de 17/10/1996; Os veículs serã avaliads, pr amstragem, nas instalações da Tecncurva, utilizand-se a escala Ringelmann. Cas s resultads nã estejam de acrd cm s limites especificads na prtaria MINTER Nº 100 de 14/07/1980, frnecedr será, inicialmente ntificad pr escrit, e n cas de reincidência, impedid de adentrar nas instalações da empresa Transprtadras em Geral Devem atender a deliberaçã CONTRAN Nº 30/2001; Devem atender Decret ; Devem atender a Lei de ; Devem atendem a Prtaria DENATRAN Nº 20 de 18//2002; Devem atendem a Resluçã CONTRAN Nº 732 de 14/06/1989; O Frnecedr deve atender a resluçã CONTRAN Nº 168 de 14/12/2004. Pág. 10

12 6.3.8 de prduts químics Os prduts químics devem ser devidamente rtulads, identificads e frnecids cm a Ficha de Infrmaçã de Segurança de Prdut Químic - (FISPQ); O frnecedr de prduts químics (slventes) devem atender a resluçã ANP 24 de 06/09/2006; de prduts perigss frnecids em embalagens cuja massa líquida nã exceda 400 quilgramas u cuj vlume nã exceda a 450 litrs devem ter as embalagens certificads pr rganisms de certificaçã de prduts (OCP) acreditads pel INMETRO (ARTS.. 2º E 3º); REGISTRO DA LICENÇA DE FUNCIONAMENTO EXPEDIDA PELA POLÍCIA FEDERAL DEVE ATENDER LEI Nº DE 27/12/2001; PRODUTOS QUÍMICOS UTILIZADOS DEVERÃO TER A SUA INDICAÇÃO QUANTITATIVA PORTARIA INMETRO Nº 364, DE ; ETIQUETAS NOS PRODUTOS CONFORME DECISÃO DE DIRETORIA CETESB Nº, DE Frneciment de GLP O Frnecedr deve atender a Prtaria ANP 2 de 30/12/1999; O Frnecedr deve atender a Prtaria ANP 297 de 18/11/20; O Frnecedr deve atender a Prtaria ANP 24 de 29/08/ Frneciment de Água: O Frnecedr deve atender a resluçã SS Nº 48 de 31// de prduts siderúrgics: O frnecedr de prduts siderúrgic: chapas, bbinas, tarug, barras devem atender a resluçã cntran 699 de 30/08/ de Serviçs de Inspeçã Técnica de Manutençã em Extintres de Incêndi: O Frnecedr deve atender a Prtaria INMETRO nº 54 de 13/02/2004, alterada pela prtaria INMETRO nº 158 de 27/06/2006 e Prtaria INMETRO nº 171 de 30/09/2004. Pág. 11

13 de Serviçs de Tratament em madeiras: O Frnecedr deve atender INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SDA - ANVISA - IBAMA Nº 01, DE Alterada pr: INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SDA - ANVISA - IBAMA Nº 01, DE de Serviçs de Tratament Agrtóxics e afins: O Frnecedr deve atender LEI Nº 4.002, DE Alterada pr: LEI Nº 5.2, DE ; DECRETO Nº 44.8, DE 15 DE JUNHO DE de Prduts Perigss e afins: O Frnecedr deve atender a Prtaria INMETRO Nº 326, de 11/12/2006; O Frnecedr deve atender a Instruçã Nrmativa IBAMA Nº 37, de 29/06/2004 alterada pr instruçã nrmativa IBAMA Nº 52, de 22/09/2004; LICENÇA DEVE SER REQUERIDA CONFORME PORTARIA MJ Nº 1.274, DE de C-prcessament: Que utilizam frns de Clínquer devem atender Resluçã CONAMA Nº 264 de 26/09/ de Subprduts Flrestais: Frnecedr deve atender Lei Nº de 09// de Embalagem: Frnecedr deve atender Lei Nº de 26/12/1994. Pág. 12

14 de manutençã em AR cndicinad e relacinads: CASO UTILIZE SUBSTÂNCIAS, CONTROLADAS OU ALTERNATIVAS PELO PROTOCOLO DE MONTREAL DEVE ANTENDER INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA Nº 37, DE de manutençã em Vass de Pressã (cmpressr): Atender DECISÃO NORMATIVA CONFEA Nº 45, DE Transprtadres de Substâncias Perigsas: Atender LEI Nº , DE ; PORTARIA LOG Nº, DE ; PORTARIA LOG Nº 05, DE Relaçã a Guia de Trafeg (GT) Cnfidencialidade: O Frnecedr nã deve divulgar infrmações relacinadas as desenvlviments de prduts da Tecncurva (desenhs, mdels, especificações e nrmas n frmat da Tecncurva e d Cliente) a terceirs; A nã bservância de qualquer das dispsições estabelecidas neste term sujeitará a parte infratra a pagament, u recmpsiçã, de tdas as perdas e dans sfrids e estimads pela utra parte, inclusive as de rdem mral u cncrrencial, bem cm as de respnsabilidades civil e criminal respectivas, as quais serã apuradas em regular prcess judicial u administrativ. 6.5 Embarque Cntrlad. O embarque cntrlad é uma ferramenta utilizada quand s cntrles n frnecedr nã estã send suficientes para prteger a Tecncurva de receber prdut nã cnfrme. Existem dis tips de embarque cntrlad: nível I u nível II Embarque Cntrlad nível I Este tip de cntrle é exigid quand s cntrles n frnecedr têm demnstrad nã serem suficientes para prteger a Tecncurva, mas a situaçã nã é reincidente u existe um plan de açã apresentad pel frnecedr que demnstre ser capaz de slucinar prblema. Neste cas representante autrizad da Tecncurva deve exigir que seja realizada uma inspeçã 100% nas instalações d frnecedr cm seus própris recurss. Evidência da implementaçã u relatóris cm registr destas inspeções pdem ser slicitads pel Pág. 13

15 representante autrizad da Tecncurva. O critéri de saída é a ttal implementaçã d plan de açã cnsistente e autrizaçã pr escrit d representante autrizad da Tecncurva Embarque Cntrlad nível II Este tip de cntrle é exigid quand prblema é reincidente pr parte d frnecedr, quand prblema já afetu um cliente u ainda quand plan de açã d frnecedr nã demnstra ser eficaz para slucinar prblema. Neste cas frnecedr deverá praticar Embarque Cntrlad nível I e cntratar um empresa cm a aceitaçã da Tecncurva para realizar uma nva inspeçã 100% cm tds s custs pags pel frnecedr. O critéri de saída é a implementaçã de um plan de açã cnsistente e autrizaçã pr escrit d representante autrizad da Tecncurva. 7.0 Avaliaçã de desempenh d frnecedr: 7.1 Mnitrament mensal. O frnecedr é mensalmente mnitrad através d Indicadr de Qualidade d Frnecedr IQF (Sistema da Qualidade, auditria de prcess em frnecedres, atras de entrega e nã cnfrmidades) Deve-se atribuir demérit, metas e bjetivs cnfrme IT Mnitrament e Revalidaçã d prcess d frnecedr. O critéri de pririzaçã para revalidar um frnecedr deve levar em cnsideraçã a atual classificaçã u perfrmance de desempenh mensal. N que diz respeit á classificaçã serã cnsiderads pr rdem de priridade s frnecedres cm classificaçã C, B e A respectivamente, cm segue: SITUAÇÃO DO FORNECEDOR FREQUÊNCIA DE AUDITORIA Resultad da auditria abaix de 80% (C) Anualmente u cnfrme fechament das ações (plan de açã - auditria de prcess). Resultad da auditria - de 80% a 89% (B) a cada 02 ans Resultad da auditria de 90% a 100% (A) a cada ans Pág. 14

16 7.3 Blquei d Frnecedr Ficam blqueads para frneciment de nvs prduts s frnecedres cm desempenh C (abaix de 70 %). Será mnitrad seu plan de açã desta auditria e irá passar pr uma nva auditria in lc realizada pr auditres qualificads da Tecncurva. 7.4 Dcumentaçã de PPAP O frnecedr é respnsável pr manter tda a dcumentaçã de PPAP atualizada, a partir da crrência das situações que devem mtivar a ntificaçã e/u re-submissã previstas n Manual AIAG PPAP ediçã mais recente. A cada ans (u antes, cnfrme aprpriad) a Tecncurva realiza analise ds PPAP s pdend slicitar a re-emissã de PPAP a frnecedr, levand em cnsideraçã históric de nã cnfrmidades, mudança de prcess / planta, e utrs aplicáveis (ver regras ver manual PPAP AIAG); Pág. 15

17 8.0 Acmpanhament d Plan de Açã Crretiva: As ações crretivas geradas pr uma reclamaçã/fnc da Tecncurva devem ser enviadas cnfrme abaix: Cntençã n praz máxim de 24 hras ; Respsta para Açã Crretiva n praz máxim de 05 dias. Os Plans de Açã devem ser mnitrads pel Frnecedr e pdem ter acmpanhament da Tecncurva, nas instalações d Frnecedr u à distância quant a: implementaçã das ações n praz (e slicitaçã de evidências da implementaçã); verificaçã da eficácia das ações (e slicitaçã de evidências da eficácia). Pág. 16

18 9.0 Tratativa de peças críticas / peças de segurança: Quand se tratar de uma peça que tenha característica crítica, esta será indicada n desenh da Tecncurva e será representada pela letra C. Quand se trata de característica de segurança, será representada pela letra S. Quand se tratar de uma peça de característica especial esta será representad pela letra E cnfrme indicad n desenh abaix: 9.1 Característica Especial / Peça de Segurança Quand huver a identificaçã uma característica especial u de segurança, brigatriamente esta deve ser bjet de estud inicial de capabilidade de prcess e mnitrada através de Cntrle Estatístic de Prcess u aplicaçã de métds a prva de err (pka-yke). Outras frmas de cntrles pdem ser negciadas cm representante autrizad da Tecncurva desde que esteja de acrd cm as exigências ds nsss clientes. O índice de capabilidade mínim aceitável para características críticas u de segurança é Ppk / Cpk > Exigências adicinais para Peça de Segurança: Sã necessáris dcuments específics e cmprvantes de qualidade para tdas as fases de frmaçã d prdut e prcess, e também para a prduçã em série. O frnecedr Pág. 17

19 deve efetuar registr cmplet, dcumentaçã e arquivament ds dcuments técnics. Devem ser registrads s testes de qualidade em relaçã à bservância de características especificadas pela Tecncurva e sujeitas à dcumentaçã O frnecedr tem a brigaçã de especificar, a partir de sua experiência, características adicinais imprtantes, incluind-as na cmprvaçã brigatória que eventualmente nã tenham sid especificadas pela Tecncurva Quand a peça fr de segurança s registrs de qualidade devem ser diferenciads e retids pr um praz mínim de 15 ans a prva de inundaçã, rub u incêndi. Devem ser cnsiderads, p. ex.: Plans de fabricaçã, parâmetrs de prcesss, plans de ensai; Resultads de ensai, cmprvaçã de capacidade; Mnitrament ds meis de ensai; Flhas de registr para dads de segurança; Cmprvaçã de cmpatibilidade cm mei ambiente O arquivament deve ser executad de tal frma que permite, em qualquer instante, acess rápid a dcuments específics Para cumprir as exigências de qualidade ds prduts é decisiva a qualificaçã/capacidade ds prcesss e ds ensais das peças A rastreabilidade das peças para prcesss anterires e materiais empregads deve ser garantida em td cas A direçã da empresa e pessal utilizad para a prduçã e ensai das peças deve ser qualificad para a respnsabilidade específica. Cada funcinári deve ser instruíd sbre s riscs que pdem crrer em cas de desvis de características especificadas, imprtantes d prdut e prcess Uma auditria que evidencia cumpriment de tdas estas exigências deve ser realizada sb respnsabilidade d frnecedr. Pág. 18

20 A simblgia de segurança da Tecncurva é a seguinte (cnfrme IT Características Especiais Simblgia): Os subfrnecedres que influenciam características cm cmprvaçã brigatória sã brigads a manter um prcediment análg de cmprvaçã. Pág. 19

21 Rev. Data HISTÓRICO DE ALTERAÇÃO Analisad Aprvad Inclusã da IT 9.1 guia de cnstruçã de dispsitivs de cntrle (para ferramentarias) e inclusã de simblgia de segurança 02 25/09/2013 Item hmlgads na MAN/VOLKS /05/2013 Inclusã de debit a frnecedr cas nã envie NOTA FISCAL cm as peças e nã envi de pré-prjet antes ds dispsitivs de cntrle e/u ferramental (item 6.1.2) /09/2012 Emissã Inicial (Esta manual nã substitui acrd de frneciment frm. 57). Pág. 20

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE Flha 1 de 8 Rev. Data Cnteúd Elabrad pr Aprvad pr 0 16/06/2004 Emissã inicial englband a parte técnica d GEN PSE 004 Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade 1 31/01/2006 Revisã geral Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade

Leia mais

Lista de Verificação Norma de Referência Selo de Qualificação ABPM Categoria Pleno

Lista de Verificação Norma de Referência Selo de Qualificação ABPM Categoria Pleno Lista de Verificaçã Nrma de Referência Sel de Qualificaçã ABPM Categria Plen REGRAS GERAIS SOBRE A AUDITORIA E USO DA LISTA DE VERIFICAÇÃO Esta lista de verificaçã aplica-se smente às auditrias para Categria

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Anexo 01 - Mapeamento Documentos ISO. Mapeamento dos Documentos ISO. Pasta/ forma Sala Supervisão. Pasta documentos da ISO

Anexo 01 - Mapeamento Documentos ISO. Mapeamento dos Documentos ISO. Pasta/ forma Sala Supervisão. Pasta documentos da ISO Item 01 02 03 04 05 06 Refere a dcument PQN-02 PQN-02 07 PQN-05 08 09 10 Identificaçã Nme d registr Cntrle de emissã e distribuiçã de dcuments Matriz ds registrs da qualidade Ficha de cntrle de atualizações

Leia mais

Excluídas as seguintes definições:

Excluídas as seguintes definições: Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Entre PM AM.08 APLICAÇÃO DE PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE CONTRATAÇÃO E PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE LASTRO DE VENDA & PdC AM.10 MONITORAMENTO DE INFRAÇÃO

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO UC_REQ-MK_ACF-001 27/01/2015 00 1 / 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Objetiv... 2 Públic Alv... 2 Escp... 2 Referências... 2 DESCRIÇÃO GERAL DO PRODUTO... 2 Características d Usuári... 2 Limites, Supsições e

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade)

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade) Legenda da Mensagem de Respsta à Verificaçã de Elegibilidade (respstaelegibilidade) Mensagem : Respta à verificaçã de elegibilidade (respstaelegibilidade) - Flux : Operadra para Prestadr Códig da mensagem

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

Requerimentos de Energia Temporária: Requerimentos Mandatórios:

Requerimentos de Energia Temporária: Requerimentos Mandatórios: Requeriments de Energia Temprária: Requeriments Mandatóris: Adtar s requeriments mínims definids n Códig Básic da Iniciativa Ética Cmercial (IEC) / Ethical Trading Initative (ETI): O empreg deverá ser

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

NORMA BRASILEIRA. / ///Quality management systems -'Requirements

NORMA BRASILEIRA. / ///Quality management systems -'Requirements NRMA BRASILIRA ABNT NBR IS 9001 Segunda ediçã 28.11.2008 Válida a partir de 28.12.2008 in g a. t^ J d LL ili _j f- : ir D Í 9 : 3 Cl Versã crrígida 11.09.2009 /Sistemas de gestã dá qualidade Requisits

Leia mais

SUMÁRIO. A Stavale & CCT oferece treinamentos abertos e in company.

SUMÁRIO. A Stavale & CCT oferece treinamentos abertos e in company. A Stavale & CCT ferece treinaments aberts e in cmpany. Clabradres mais qualificads e empresa mais lucrativa. Sluções mais rápidas e efetivas. Treinaments custmizads para sua empresa. Dispms de sala cm

Leia mais

Workshop Nova Legislação que regula a aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos (PF)

Workshop Nova Legislação que regula a aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos (PF) Wrkshp Nva Legislaçã que regula a aplicaçã de Prduts Fitfarmacêutics (PF) Quinta d Vallad, Vilarinh ds Freires Branca Teixeira 23 de mai de 2013 Nva Legislaçã Lei nº26/2013 de 11 de abril Regula as actividades

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI 6.1 Requisits de Capacidade e Experiência d Prestadr A ANEEL deveria exigir um puc mais quant a estes requisits, de frma a garantir uma melhr qualificaçã da empresa a ser cntratada.

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL Códig: MAP-DILOG-002 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Gerência de Instalações Aprvad pr: Diretria de Lgística 1 OBJETIVO Estabelecer cicl d prcess para a manutençã predial crretiva e preventiva,

Leia mais

WORKSHOP 1 Critérios ambientais e sociais na contratação: Como fazer?

WORKSHOP 1 Critérios ambientais e sociais na contratação: Como fazer? WORKSHOP 1 Critéris ambientais e sciais na cntrataçã: Cm fazer? Paula Trindade Investigadra LNEG Crdenadra Building SPP Helena Esteván EcInstitut Tratad da Uniã Eurpeia Princípis: Livre mviment de bens

Leia mais

Manual de Operação WEB SisAmil - Gestão

Manual de Operação WEB SisAmil - Gestão Manual de Operaçã WEB SisAmil - Gestã Credenciads Médics 1 Índice 1. Acess Gestã SisAmil...01 2. Autrizaçã a. Inclusã de Pedid...01 b. Alteraçã de Pedid...10 c. Cancelament de Pedid...11 d. Anexs d Pedid...12

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇAO DE CONTRATO DE LEILÃO DE VENDA EDITAL DE LEILÃO Nº 001 / 2002 - MAE PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment

Leia mais

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal;

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal; Requeriments de Obstáculs Hipism Crss Cuntry: Requeriments Mandatóris: Tda madeira e demais prduts flrestais utilizads devem ser cmpsts de fibra reciclada (us n pós-cnsum) u vir de fntes legais e respnsáveis,

Leia mais

GERENCIAMENTO DE DOCUMENTOS, CONTEÚDO E PROCESSOS GED/ECM. Solução de Gestão Eletrônica de Documentos Acadêmicos

GERENCIAMENTO DE DOCUMENTOS, CONTEÚDO E PROCESSOS GED/ECM. Solução de Gestão Eletrônica de Documentos Acadêmicos GERENCIAMENTO DE DOCUMENTOS, CONTEÚDO E PROCESSOS GED/ECM Sluçã de Gestã Eletrônica de Dcuments Acadêmics OBJETIVOS DA SOLUÇÃO BENEFÍCIOS GERAIS A Sluçã ECMDOC de Gestã de Dcuments Acadêmics, tem cm principais

Leia mais

NORMATIVA ADMINISTRATIVA

NORMATIVA ADMINISTRATIVA Assunt: DIRETRIZES PARA COMPRA E APROVEITAMENTO DE Data de Emissã: Data de Revisã: De: 18/12/2013 Assunts Estratégics Tdas as áreas d 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estabelecer regras e parâmetrs que

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO R.M. Infrmática Cmérci e Serviç Ltda CNPJ: 04.831.742/0001-10 Av. Rdrig Otávi, 1866, Módul 22 Distrit Industrial - Manaus - AM Tel./Fax (92) 3216-3884 http://www.amaznit.cm.br e-mail: amaznit@amaznit.cm.br

Leia mais

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal;

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal; Requeriments de Obstáculs Hipism Salts: Requeriments Mandatóris: Tda madeira e demais prduts flrestais utilizads devem ser cmpsts de fibra reciclada (us n pós-cnsum) u vir de fntes legais e respnsáveis,

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

Capítulo 17. Sistema de Gestão Ambiental e Social e Plano de Gestão Ambiental e Social

Capítulo 17. Sistema de Gestão Ambiental e Social e Plano de Gestão Ambiental e Social Capítul 17 Sistema de Gestã Ambiental e Scial e Plan de Gestã Ambiental e Scial ÍNDICE 17 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL E SOCIAL E PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL E SOCIAL 17-1 17.1 INTRODUÇÃO 17-1 17.2 VISÃO

Leia mais

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário MTur Sistema Artistas d Turism Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 9 4.1. CADASTRAR REPRESENTANTE... 9 4.2. CADASTRAR

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PdC CZ.01 PM 3.5 Versã 1 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid índice. Alterada

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

Contabilidade Martins

Contabilidade Martins DOCUMENTOS PARA CONTABILIDADE Visand melhrar nss intercâmbi administrativ e s serviçs prestads pr este escritóri, remetems instruções cm relaçã a sua mvimentaçã mensal, dand ênfase a cntrle de arquivs,

Leia mais

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital Banc Industrial d Brasil S.A. Gerenciament de Capital 2014 1 Sumári 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 4 4. PLANO DE CAPITAL... 5 5. RESPONSABILIDADES... 6

Leia mais

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 1 / 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 2.1.1 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO CRONOGRAMA DE BARRAS TIPO GANTT:...2 2.1.2 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO

CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO POLÍTICA SOBRE PRESENTESE ENTRETENIMENTO Oferecer u receber presentes cmerciais e entreteniment é frequentemente uma frma aprpriada

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais:

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais: PROCEDIMENTOS PARA CERTIFICAÇÃO E/OU RENOVAÇÃO DO CEBAS CNAS CERTIFICAÇÃO/RENOVAÇÃO O Certificad é um ds dcuments exigids para slicitar as seguintes isenções de cntribuições sciais: Parte patrnal da cntribuiçã

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL Objetivs: Gestã Empresarial Desenvlver cmpetências para atuar n gerenciament de prjets, prestand cnsultria

Leia mais

Roteiro de Implantação Estoque

Roteiro de Implantação Estoque Rteir de Implantaçã Estque Revisã: 23/07/2004 Abrangência Versã 7.10 Cadastrs Básics Dicas: Explique a necessidade d preenchiment ds brigatóris (camps na cr azul). Verifique se cliente necessita que mais

Leia mais

INTEGRAÇÃO Gestão de Frete Embarcador x Datasul 11.5.3

INTEGRAÇÃO Gestão de Frete Embarcador x Datasul 11.5.3 Prdut: GFE - Prtheus Plan d Prjet INTEGRAÇÃO Gestã de Frete Embarcadr x Datasul 11.5.3 PLANO DO PROJETO 24/01/2013 Respnsável pel dcument: Jã Victr Fidelix TOTVS - 1 Prdut: GFE - Prtheus Plan d Prjet ÍNDICE

Leia mais

Boletim Comercial. Tema: BC003 Plano de Disponibilidade Ilimitada de Recursos UV. Introdução

Boletim Comercial. Tema: BC003 Plano de Disponibilidade Ilimitada de Recursos UV. Introdução Bletim Cmercial Tema: BC003 Plan de Dispnibilidade Ilimitada de Recurss UV Intrduçã Sistemas de cura UV sã cada vez mais presentes em indústrias que imprimem grandes vlumes de materiais, independente d

Leia mais

Lista de Documentos o Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de alimentos Documentos para estabelecimentos comerciais (pessoa física)

Lista de Documentos o Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de alimentos Documentos para estabelecimentos comerciais (pessoa física) Lista de Dcuments Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de aliments Dcuments para estabeleciments cmerciais (pessa física) 1) Ficha de Inscriçã Cadastral, preenchida na própria VISA; 2) Cópia

Leia mais

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 1 REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 PARTICIPANTES A Olimpíada Jurídica 2014 é uma cmpetiçã direcinada a aluns que estejam regularmente matriculads ns curss de graduaçã de Direit de Instituições de

Leia mais

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

Requerimentos para Energia Temporária: Requerimentos para práticas de trabalho:

Requerimentos para Energia Temporária: Requerimentos para práticas de trabalho: Requeriments para Energia Temprária: Requeriments para práticas de trabalh: Adtar s requeriments mínims definids n Códig Básic da Iniciativa Ética Cmercial (IEC) / Ethical Trading Initative (ETI): O empreg

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

SCPI 8.0 - Módulo Compras

SCPI 8.0 - Módulo Compras SCPI 8.0 - Módul Cmpras Guia d usuári Junh / 2014 Versã: 8.21.14.1396 script: 7116 Firilli Sc. Civil Ltda. Sftware Assistência e Cnsultria Municipal. Av. Marginal, 65 Distrit Industrial CEP 15.140-000

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS Etapa 3 Cadastr d Prcess Seletiv O Presidente da CRM cadastra s dads d prcess n sistema. O prcess seletiv é a espinha drsal d sistema, vist que pr mei dele regem-se tdas as demais

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versã: 1 Data: 28/10/2013 M5. ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AÇÃO 5.1. CRIAÇÃO DE AGRUPAMENTOS E ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais

Legenda da Guia de Tratamento Odontológico

Legenda da Guia de Tratamento Odontológico Legenda da Guia de Tratament Odntlógic Term Registr NS Nº da n prestadr Num. d Camp na Númer da principal 3 Data da autrizaçã Senha senha 1 2 4 5 6 Nme d camp na Registr NS Númer da n prestadr Númer da

Leia mais

Gerenciamento do Escopo

Gerenciamento do Escopo Pós-graduaçã Gestã Empresarial Módul GPE Gestã de Prjets Empresariais Prf. MSc Jsé Alexandre Mren prf.mren@ul.cm.br agst_setembr/2009 1 Gerenciament d Escp 3 Declaraçã d escp Estrutura Analítica d Prjet

Leia mais

Proposta de texto NR 01 PREVENÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

Proposta de texto NR 01 PREVENÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Prpsta de text NR 01 PREVENÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SUMÁRIO 1. OBJETIVO E APLICAÇÃO... 3 2. DEFINIÇÕES BÁSICAS... 4 3. PREVENÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO... 5 3.8. ORGANIZAÇÃO PARA

Leia mais

Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014

Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014 Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014 A Diretria d SEBRAE/RS trna públic presente edital e cnvida Artesãs representads pr Assciações e/u Cperativas de Artesanat d Ri Grande d Sul a inscreverem-se

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização Bletim Técnic CAGED Prtaria 1129/2014 MTE Prdut : TOTVS 11 Flha de Pagament (MFP) Chamad : TPRQRW Data da criaçã : 26/08/2014 Data da revisã : 12/11/2014 País : Brasil Bancs de Dads : Prgress, Oracle e

Leia mais

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estud de Cas Camila Gmes da Silva 1, Vilma da Silva Sant 2, Paul César Ribeir Quintairs 3, Edsn Aparecida de Araúj Querid Oliveira 4 1 Pós-graduada em

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

Regulamento do programa de bolsas de estudos

Regulamento do programa de bolsas de estudos Regulament d prgrama de blsas de estuds Unidades Ri de Janeir e Sã Paul Data de publicaçã: 13/05/2015 Regulament válid até 30/08/2015 1 1. Sbre prgrama Através de um prcess seletiv, prgrama de blsas de

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

1ª EDIÇÃO. Regulamento

1ª EDIÇÃO. Regulamento 1ª EDIÇÃO Regulament 1. OBJETIVO O Prêmi BRASILIDADE é uma iniciativa d Serviç de Api às Micr e Pequenas Empresas n Estad d Ri de Janeir SEBRAE/RJ, idealizad pr Izabella Figueired Braunschweiger e cm a

Leia mais

PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT

PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT GRUPO HISPASAT Mai de 2014 PRIVADO PRIVADO E CONFIDENCIAL E Dcument Dcument prpriedade prpriedade HISPASAT,S.A. da 1 Prcess de atendiment a cliente

Leia mais

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição Julh 2010 Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids à EDP Distribuiçã DGF/Departament Gestã de Materiais e Equipaments Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

Adesão à CCEE. Versão 1 -> Versão 2

Adesão à CCEE. Versão 1 -> Versão 2 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Adesã à CCEE Versã 1 -> Versã 2 Versã 2 METODOLOGIA DO Text em realce refere-se à inserçã de nva redaçã Text tachad refere-se à exclusã de redaçã. Alterações

Leia mais

EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA. Seleção de Bolsistas para o Programa de Bolsa Socioeconômica para o período de 2014

EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA. Seleção de Bolsistas para o Programa de Bolsa Socioeconômica para o período de 2014 EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA Seleçã de Blsistas para Prgrama de Blsa Sciecnômica para períd de 2014 O Reitr d Centr Universitári Tled Unitled, ns terms d Regulament aprvad pel CONSEPE, cm vistas à seleçã

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Data: 17-09-2008 Data: Aprvad: Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Events.dc

Leia mais

PROPOSTA TÉCNICA. Curitiba PR http://www.softwar.com.br comercial@softwar.com.br

PROPOSTA TÉCNICA. Curitiba PR http://www.softwar.com.br comercial@softwar.com.br PROPOSTA TÉCNICA Curitiba PR http://www.sftwar.cm.br cmercial@sftwar.cm.br Prpsta Técnica Aderência Prdut desenvlvid especificamente para Cnstrutras e empresas d Setr, utilizand linguagem cnhecid pr prfissinais

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema.

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema. Mdel de Cmunicaçã Prescriçã Eletrónica de Medicaments Revisã 2 Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da Prescriçã Eletrónica de Medicaments

Leia mais

Apresentação. Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho

Apresentação. Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho Apresentaçã Higiene, Segurança e Medicina n Trabalh 2011 Autrizações: ACT nº 697 07 1 01 11 DGS nº 065/2011 easymed Av. Clumban Brdal Pinheir, nº61c, 1º - Esc. 13 Tel: +351 21 301 01 00 1070-061 LISBOA

Leia mais

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos PLANO DE CURSO MSOBRPCMME PAG1 Plan de curs Planejament e Cntrle da Manutençã de Máquinas e Equipaments Justificativa d curs Nã é fácil encntrar uma definiçã cmpleta para Gestã da manutençã de máquinas

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL

AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO DODF Nº 158 DE 05 DE AGOSTO DE 2014 ALTERADA POR MEIO DA PORTARIA Nº 112, DE 13 DE AGOSTO DE 2014, PUBLICADA NO

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social;

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social; Mdel de Cmunicaçã Certificads de Incapacidade Temprária Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes n âmbit ds CIT Certificads de Incapacidade Temprária.

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA O prcess de cntrle de estque de gôndla fi desenvlvid cm uma prcess de auxili a cliente que deseja cntrlar a quantidade de cada item deve estar dispnível para venda

Leia mais

Lista de Verificação Norma de Referência Certificado de Energia Renovável Categoria PLENO

Lista de Verificação Norma de Referência Certificado de Energia Renovável Categoria PLENO Lista de Verificaçã Nrma de Referência Certificad de Energia Renvável REGRAS GERAIS PARA REALIZAÇÃO DA AUDITORIA / USO DA LISTA DE VERIFICAÇÃO CERTIFICADO CATEGORIA PLENO FONTE DE GERAÇÃO DE ENERGIA: HÍDRICA

Leia mais

www.highskills.pt geral@highskills.pt

www.highskills.pt geral@highskills.pt www.highskills.pt geral@highskills.pt Índice Designaçã d Curs... 2 Duraçã Ttal d Curs de Frmaçã... 2 Destinatáris... 2 Objetiv Geral... 2 Objetivs Específics... 2 Estrutura mdular e respectiva carga hrária...

Leia mais