15º Encontro e Exposição Brasileira de Tratamentos de Superfície 4º INTERFINISH Latino Americano

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "15º Encontro e Exposição Brasileira de Tratamentos de Superfície 4º INTERFINISH Latino Americano"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DE SPUTTERING COMO ALTERNATIVA À GALVANOPLASTIA Mônia Aline Hunger Geiger (1,2)*, Luciane Fuhr (1) 1 Universidade FEEVALE, Novo Hamburgo, RS, Brasil e- mail: 2 Metalsinos Ind. Com. Repr. Ltda, Araricá, RS, Brasil RESUMO O processo galvânico tem alto grau poluidor, com geração elevada de resíduos. Além disso, é prejudicial para a saúde do trabalhador. Frente a isso, o desenvolvimento de novas tecnologias, que resultem em processos resistentes, ambientalmente corretos e economicamente viáveis torna-se necessário. Este estudo apresenta como opção o processo de sputtering, com a deposição de alumínio, comparando suas características de resistência à corrosão por meio de salt spray e ensaios eletroquímicos com o acabamento tradicional cromado, ambos aplicados sobre zamac. Foi comparada ainda a resistência a abrasão. Além disso, foi realizado diagnóstico ambiental comparativo com o uso da ferramenta FMEA, bem como estudo da viabilidade de implantação do processo. Observou-se que o acabamento depositado através do sputtering apresenta características equivalentes às peças cromadas nos ensaios de corrosão, comportamento positivo no diagnóstico ambiental e viabilidade econômica. Palavras-chave: Sputtering; Galvanoplastia; Resistência a Corrosão; Avaliação Ambiental. ABSTRACT The galvanic process has high polluter degree, with high waste generation. Also, it is harmful to workers' health. Faced with this, the development of new technologies, resulting in resistant process, environmentally friendly and economically viable becomes necessary. This study presents the sputtering process with aluminum deposition, and compare their characteristics with the traditional chrome finish plated through salt spray test and electrochemical corrosion tests, both on zamak. Abrasion resistance was also compared. Comparative environmental assessment was conducted through the FMEA methodology, and study of the feasibility of implantation process. It was observed that the finish deposited by sputtering has similar characteristics to the chrome parts in corrosion tests, positive behavior in the environmental assessment and economic feasibility. Key-words: Sputtering. Electroplating. Corrosion Resistance. Enviroment evaluation

2 1. INTRODUÇÃO 15º Encontro e Exposição Brasileira de Tratamentos de Superfície Os puxadores, também chamados de ferragens, são peças normalmente injetadas em zamac (DAVIS, 2010; FAN; CHEN, 2010) e que serão aplicadas em móveis. Tem por características específicas representar não somente a sua utilidade, mas também ser um elemento estético capaz de criar uma personalidade própria ao móvel (MOVERGS, 2014). Como necessidades exigidas pelos clientes para este tipo de peça, pode-se destacar a resistência à corrosão e bom acabamento (ABNT, 1983; 2005). A alternativa comumente utilizada para conferir a resistência à corrosão necessária para as peças de zamac são os banhos galvânicos, e dentre os acabamentos mais utilizados nos puxadores destaca-se o de cromo. Porém, a galvanoplastia é hoje reconhecida como uma importante fonte de poluição ambiental. Além disso, os produtos utilizados no processo produtivo são, em sua maioria, altamente tóxicos(baral; ENGELKEN, 2002; MEYER, 1997). Por isso, pesquisas em todo o mundo buscam tecnologias alternativas para estes processos (SILVA, 2010; BERNARDES, 2000; CAVALCANTI, 2012; LADEIRA; PEREIRA, 2008). Os processos de Physical vapour deposition (PVD), e com destaque o sputtering, têm se mostrado uma solução promissora, tanto no aspecto tecnológico como econômico, para substituir processos galvânicos. O PVD é uma tecnologia limpa e que não gera danos para a saúde do trabalhador (BIASSOLI, 2004; KOLEV; 2012; NAVINSEK; PANJAN; MILOSEV, 2000; BAILE; MENARGUES; PICAS, 2010; MATTOX, 2010). Com base no exposto, este trabalho tem como objetivo geral comparar os processos galvânicos e de sputtering para a geração de revestimentos protetores e decorativos destinados ao mercado moveleiro. Para tal, os seguintes objetivos específicos foram traçados: - Analisar a resistência à corrosão de puxadores em névoa salina neutra, bem como o comportamento eletroquímico dos dois acabamentos. - Analisar a resistência à abrasão dos dois acabamentos. - Comparar os aspectos ambientais envolvidos nos processos galvânicos e de sputtering. - Analisar os custos iniciais e de produção envolvidos nos dois tipos de acabamento, bem como as capacidades produtivas. Analisar os custos ambientais e de saúde ocupacional envolvidos na produção de cada acabamento.

3 2. MATERIAIS E MÉTODOS O trabalho realizado consistiu na coleta de peças injetadas e vibradas e posterior revestimento das mesmas pelo processo galvânico (cromo) e de sputtering (alumínio) com verniz. Posteriormente, um conjunto de peças foi testado em névoa salina neutra, enquanto outro foi seccionado em pequenas partes para realização de testes eletroquímicos. Além disso, foram realizados testes de abrasão em amostras dos puxadores nos dois acabamentos (SATRA,1995). Paralelo a isso foi realizado um diagnóstico ambiental comparativo entre o processo de revestimento galvânico e por sputtering, por meio da ferramenta FMEA (TOLEDO; AMARAL, 2009)] e o levantamento de custos de cada processo. 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO 3.1 ANÁLISE DOS CORPOS DE PROVA EM NÉVOA SALINA NEUTRA As peças foram submetidas ao ensaio de corrosão por água salina e avaliadas a cada 24 horas. Observou-se que não houve alteração visual e corrosão no acabamento superficial das amostras com banho de cromo e também deposição de alumínio por sputtering durante o período de ensaio, evidenciando a resistência à corrosão dos dois acabamentos é semelhante, e, de acordo com este aspecto, o revestimento de sputtering poderia ser utilizado para a substituição do acabamento galvânico de cromo, atendendo a exigência dos clientes. Figura 1 Imagem dos corpos-de-prova de zamac banhados em cromo (A) e alumínio (B) submetidos a ensaio de névoa salina com inclinação de 30 C, ciclos até 120h A B

4 3.2 ANÁLISE ELETROQUÍMICA DAS AMOSTRAS Potencial de circuito aberto O potencial de circuito aberto fornece informações importantes sobre o comportamento dos metais. Esse potencial é um valor assumido pelo metal frente a um eletrólito de baixa resistividade elétrica. Os ensaios de potencial de circuito aberto OCP (open circuit potential) das amostras banhadas em cromo forneceram o gráfico mostrado na figura 2. A figura 3 apresenta o gráfico obtido das amostras com depósito de alumínio. Os resultados encontrados para as amostras Al1, AL3 e Al8 foram descartados pois apresentaram comportamentos fora dos padrões apresentados pelas demais amostras, devido a interferências. Figura 2 - Potencial de circuito aberto das amostras banhadas em cromo. Ensaio realizado em 1Mol.L-1 NaCl

5 Figura 3 - Potencial de circuito aberto das amostras revestidas em alumínio. Ensaio realizado em 1M NaCl Observa-se que no ensaio realizado com a amostra banhada em cromo houve uma variação nos potenciais encontrados. As amostras Cr1,Cr2,Cr3 e Cr7 tiveram o potencial variando entre -1,05 e -0,95V. Já as amostras Cr4, Cr5, Cr6 e Cr8 tiveram o potencial variando entre -0,7 e -0,5V, indicando comportamento mais nobre. Tal variação pode estar relacionada com a camada de banho aplicada. Esta camada varia em função de diversos fatores, ligados a distribuição de corrente elétrica durante o processo de banho. Entre os fatores que podem ter favorecido a diferença de camada pode-se citar a posição das peças na gancheira. A camada nas peças posicionadas nas extremidades normalmente é maior devido à entrada de corrente. Peças banhadas em diferentes gancheiras no mesmo banho também podem apresentar diferenças de camada. Além disso, a limpeza dos contatos elétricos também pode influenciar. No ensaio das peças com depósito de alumínio o potencial manteve-se praticamente estável durante os 1200s, oscilando entre -1,05 e -0,95V. Amostras de cromo apresentaram potenciais variados, mas mesmo com os resultados mais oxidantes (cerca de -1V), tiveram bom comportamento no ensaio de salt spray. Além disso, deve-se levar em conta que as peças foram processadas conforme já é realizada a produção nesta metalúrgica, e a empresa não tem problemas de devolução das peças feitas pelos clientes. Este potencial menos nobre foi muito semelhante ao das peças testadas em alumínio. Com base nisso, pode-se considerar que os acabamentos estão equivalentes.

6 3.3 ABRASÃO 15º Encontro e Exposição Brasileira de Tratamentos de Superfície A figura 4 apresenta as amostras banhadas em cromo e as amostras revestidas em alumínio após o ensaio de abrasão conforme SATRA TM 177. As peças foram submetidas a 400 ciclos. O laudo enviado pelo IBTec, responsável pela realização dos ensaios, indicou a escala 1-sem danos para os dois acabamentos. Com esse resultado é possível afirmar que a resistência à abrasão dos dois acabamentos ficou equivalente. Figura 4 - Amostras ensaiadas no teste de abrasão conforme SATRA TM ciclos A tabela 1 apresenta o diagnóstico ambiental referente ao processo galvânico, no qual estão representados os principais tipos de falha, ou seja, aspectos ambientais negativos relacionados. Na tabela 2 pode-se observar o diagnóstico referente ao processo de sputtering. É importante destacar que os dois diagnósticos se basearam em produções de cerca de peças, o que equivale a produção de 1 mês no sputtering e cerca de 4 meses na galvânica, considerando os equipamentos disponíveis na empresa avaliada. Comparando os resultados obtidos observa-se que o somatório dos coeficientes de risco (R) resultante no processo galvânico foi muito superior ao encontrado no processo de

7 sputtering. O valor equivale ao triplo do somatório encontrado, o que indica que o processo galvânico é muito mais prejudicial ao meio ambiente. Para a produção de uma quantidade igual de peças, a galvanoplastia gera um volume de lodo 215 vezes maior. Este resíduo é classificado como Classe I- Perigoso, por apresentar riscos ao meio ambiente se manuseado de forma inadequada. Hoje, a maior parte das galvanoplastias destina estes resíduos para aterros de resíduos perigosos. Sabe-se, que legalmente, o gerador de resíduo é responsável pela destinação final, independente da contratação de terceiros. Isso indica que, se houver problemas no transporte ou após o destino final, o gerador é responsabilizado. Quanto mais resíduos perigosos a empresa gera, mais está exposta a estes riscos. Além disso, o aterro não elimina o resíduo, ou seja, não representa uma solução final. Uma alternativa para a destinação final do lodo é o co- processamento, técnica de destruição térmica, em altas temperaturas, em fornos de fabricação de clínquer (principal matéria prima do cimento) devidamente licenciados para este fim. Porém, com alta geração de lodo o custo é muito alto. Enquanto a destinação do resíduo classe I em aterros custa, em média R$ 145,00/m³, a destinação para o co- processamento no Estado do RS custa R$ 750,00/t³. Além disso, são necessárias algumas condições para realizar esta destinação, entre elas um poder calorífico mínimo adequado de 1620 Kcal/ Kg (CONSEMA N 2, 2000) quando utilizados na forma de mistura de resíduos. O lodo galvânico gerado não possui este prérequisito e, por isso, é encaminhado para aterro. Para o lodo proveniente da cabine de pintura de verniz UV, que tem uma geração muito pequena, o processo deve ser utilizado, não gera altos custos e há transformação total do resíduo. A quantidade de efluente gerada na galvânica também é superior. Mesmo com sistemas de reciclo nas águas de lavagem através de sistemas de troca iônica utilizado pela empresa avaliada, o valor estimado de geração para a produção é mais de 100 vezes maior. Segundo Cavalcanti (2012), o volume de efluente gerado na galvanoplastia depende do porte da indústria e situa-se entre 250 e 2000L/h. O valor gerado ainda é 20% menor que o índice mínimo citado pelo autor. Considerando 250L/h, com 20 horas trabalhadas, 22 dias por mês e os 4 meses de produção necessários para a produção das peças citadas, a geração é de 440m ³. A quantidade de sucata gerada no processo de sputtering é superior em função dos problemas de verniz encontrados, tais como pontos por sujeiras, pequenas bolhas e acúmulo. Mesmo com a geração de efluente menor do que indicada pelo autor na galvânica, o sputtering se demonstrou uma ótima alternativa. Além disso, temos que considerar que no efluente galvânico, há a presença de uma enorme quantidade de contaminantes, tais como metais pesados e cianetos. Hoje o principal método de tratamento deste efluente é a precipitação química que muitas vezes não é eficiente, sendo que ainda restam concentrações desses íons metálicos acima dos permitidos pela legislação (LADEIRA, PEREIRA, 2008).

8 Como a maioria das linhas são manuais, depende-se do cuidado que os operadores tem no arraste de metais para as águas, podendo ter cargas muito variadas. O tratamento possui eficiência, porém, se houver cargas muito altas e até mesmo presença indesejada de materiais complexantes que ocasionam reações paralelas, a remoção dos contaminantes pode não ser tão efetiva. O efluente da cabine de pintura do sputtering é enviado para tratamento externo, pois as gerações são muito pequenas. Ele é composto principalmente de sólidos suspensos e matéria orgânica. A água recircula nas cabines durante um mês, e só depois deste período é coletada e trocada. Uma opção para reduzir ainda mais a geração deste efluente seria a instalação de equipamento para separação contínua da borra através de flotação. Desta maneira a água poderia recircular por muito mais tempo, e o lodo seria separado constantemente, evitando também a mão de obra de limpeza e tornando-a menos frequente. A quantidade de energia elétrica consumida na galvânica também supera o consumo no sputtering, em função do maior número de equipamentos envolvidos. A quantidade de EPI s descartados indica que, na galvânica o cuidado necessário é muito maior, pois os processos são mais prejudiciais a saúde do trabalhador. As emissões atmosféricas não foram medidas, mas, devido ao número de processos de banhos onde ocorrem emissões, este valor certamente seria superior aos valores encontrados no processo de verniz UV. Cabe destacar que existem novas tecnologias sendo desenvolvidas e que podem ser aplicadas nos processos galvânicos proporcionando redução no efluente e lodo, e, consequentemente, redução nos custos. Porém, a maior parte das galvanoplastias da região ainda não tem acesso a tais tecnologias em função do investimento necessário e a própria falta de conhecimento. Tabela 1 - Diagnóstico ambiental do processo galvânico Produção de peças cromadas

9 Tabela 2 - Diagnóstico ambiental do processo de sputtering Produção de peças com depósito de alumínio 3.4 PRINCIPAIS CUSTOS ENVOLVIDOS Os principais custos avaliados foram o do investimento inicial, custos de insumos necessários para a produção, e os custos ambientais e de saúde ocupacional. A Tabela 3 apresenta o comparativo entre os dois processos. Tabela 3 Comparativo entre os principais custos envolvidos no processo de deposição eletrolítica de cromo e de alumínio por meio de sputtering Aspectos avaliados Cromo decorativo depositado na galvânica Deposição de alumínio por sputtering + verniz Investimento Inicial (R$) , ,00 Avaliação do Sputtering em Superior Relação à Galvânica Custos de produção / peça 0,32 0,11 3x Inferior Custos Ambientais 11038, ,00 5,7 x Inferior Custos mensais com Saúde Ocupacional 2070,00 596,00 2,7x Inferior 3,5 x

10 O investimento inicial necessário no sputtering considerando os equipamentos disponíveis na empresa analisada é mais alto. Considerando a deposição do alumínio, uma opção seria a utilização do equipamento de evaporação térmica para a deposição. O custo do mesmo é de cerca de 1/3 do equipamento de sputtering e desta forma o investimento inicial seria bem menor. Porém, o processo de sputtering possibilita uma variedade de acabamentos muito maior. O valor estimado está de acordo com a literatura (JORGENSEN; MADSEN, 2012) que informa que o investimento inicial no processo de sputtering é maior que no processo galvânico. Porém, devem ser analisados outros custos para avaliar a viabilidade do processo. Em relação a quantidade de insumos, a quantidade e variedade necessária é muito maior na galvânica, e isso se reflete no valor dos insumos necessários para o acabamento das peças. No processo galvânico o consumo de insumos equivale ao triplo de consumo em uma peça no sputtering. O valor mensal gasto com as despesas relacionadas a meio ambiente para produzir peças cromadas é quase 6 vezes maior que o valor gasto com a questão ambiental na produção de peças com deposição de alumínio. A quantidade de efluente gerada também é muito superior para a mesma quantidade de peças. Enquanto no primeiro processo são gerados 81,32m³, no processo de sputtering gera-se apenas 3m³ mensais. Este volume é muito pequeno e é proveniente da cortina d água das cabines de pintura de aplicação do verniz UV, que trabalham em circuito fechado até saturação. O lodo gerado nas cabines também é muito baixo, uma quantidade 50 vezes menor que na galvânica. O processo de sputtering é totalmente seco e não gera resíduos. Foram levantados também os dados de custos com EPI s nos 2 processos. A galvânica para a cromação de puxadores teria um custo mensal aproximado de R$ 2070,00. Já no processo de deposição de alumínio por sputtering seriam necessários R$ 596,00. O processo galvânico é crítico para a saúde ocupacional e acaba exigindo um uso maior de EPI s e trocas mais frequentes. A quantidade de EPI s utilizada na deposição do alumínio está mais ligada a aplicação de verniz UV do que a deposição de alumínio no equipamento. O dado estimado está de acordo com as informações de Milosev e colaboradores (1999), que afirmam que o sputtering é muito mais seguro para os operadores (NAVINSEK; PANJAN; MILOSEV, 2000). Analisando estes custos e a geração de resíduos pode-se concluir que, além de um processo muito mais limpo, a deposição de alumínio por sputtering tem se demonstrado uma alternativa sustentável para substituição do acabamento cromado, uma vez que reduz custos, traz benefícios para os operadores e comunidade, e também para o meio ambiente.

11 3.5 COMPARATIVO ENTRE OS RESULTADOS A tabela 3 apresenta um resumo comparativo dos aspectos analisados nas tecnologias de deposição estudadas. Tabela 3 Comparativo entre os processos estudados. Aspectos avaliados Avaliação Cromo decorativo Deposição do Sputtering em depositado na de alumínio por Relação à galvânica sputtering + verniz Galvânica Salt Spray 120h 120h Equivalent e OCP Entre 1,05 e Entre 1,05 e Equivalent -0,95 V -0,95 V e Abrasão 400 ciclos 400 ciclos Equivalent e Capacidade produtiva mensal ( 4,3x peças) Superior Investimento Inicial (R$) , ,00 2,7x Superior Custos de produção 0,32 0,11 3x Inferior Coeficiente de risco (FMEA) x Inferior Custos Ambientais 11038, ,00 5,7 x Inferior Custos mensais com Saúde 3,5 x 2070,00 596,00 Ocupacional Inferior 4. CONCLUSÃO A análise dos resultados experimentais, do diagnóstico ambiental e dos demais levantamentos comparativos entre o processo de deposição de cromo realizado em galvânica e o processo de deposição de alumínio através do sputtering permite que as seguintes conclusões sejam apresentadas: - A resistência à corrosão da peça cromada foi semelhante à resistência da peça com depósito de alumínio, sem alterações após 120 h de ensaio.

12 - O potencial de corrosão avaliado no ensaio de OCP foi equivalente entre os dois acabamentos avaliados. A peça cromada apresentou variação de seu potencial, devido a variação de camada depositada na peça. - O diagnóstico ambiental demonstrou que a criticidade do processo galvânico é muito maior que no processo de sputtering, principalmente devido a alta geração de resíduos. - O levantamento dos investimentos iniciais necessários demonstrou que o valor necessário para o processo de sputtering é maior. - O cálculo da capacidade produtiva comparativa apontou que o processo de sputtering tem maior velocidade de processo e, consequentemente, maior produção no mesmo espaço de tempo. - O levantamento dos custos para a produção indicou que os valores de insumos no processo de sputtering é menor. - O levantamento de custos ambientais e de EPI s comprovou que o processo de sputtering gera menos resíduos e é menos crítico para a saúde ocupacional que o processo galvânico, tendo, consequentemente, custos inferiores. Os dados indicados acima indicam que o acabamento de alumínio depositado por sputtering pode substituir o processo convencional de deposição de cromo através do processo galvânico na peça estudada, trazendo ainda vantagens tais como um impacto ambiental muito menor, melhoria na qualidade de vida do trabalhador, custo menores de insumos de produção e ambientais. 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 14033:Móveis para cozinha ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 8094:Ensaio de corrosão por névoa salina neutra- método de ensaio.1983 BAILE, M. T.; MENARGUES, S.; PICAS, J.A. Decorative PVD coatings as an environmentally clean alternative to chrome plating. Light Alloys and Surface Treatments Design Centre (CDAL), Spain, BARAL, Anil; ENGELKEN, Robert D. Chromium-based regulations and greening in metal finishing industries in the USA.Enviromental Science&Policy, USA, BERNARDES, A.M. et al. Manual de orientações básicas para a minimização de efluentes e resíduos na indústria galvânica. Porto Alegre RS: Senai, 1.Ed, 2000.

13 BIASSOLI, Manuela; D ESPOSITO, Antonio. Nanotecnologie e plastiche nanostrutturate. La revista del colore- Verniciatura Industriale, Cologno Monzese, MI. 20 jul Disponívelem:<http://www.kolzer.com/files/nanotecnologie_kolzer.pdf>. Acesso em: 16 nov CAVALCANTI, José Eduardo W. de A., Manual de tratamento de efluentes industriais. São Paulo, EditoraCavalcanti, 2 Ed., 2012 DAVIS, Jr. Metals Hanbook: Properties and Selection. 2.ed. Editora ASM, ENGERS, B. ; BAUER, H.U. Cost - effective PVD coatings in batch systems. Surface and coatings Technology, Germany, 1999 FAN, C.H.; CHEN.Z.H.Effects of the casting temperature on microestructure and mechanical properties of the squeeze cast Al-Zn-Mg-Cu alloy. Journal of Alloys and Compounds, JORGENSEN, Lars B; MADSEN, Thomas Lind. Aluminium coating with additives deposited by sputtering process for improves alkaline corrosion protection. Practical Surface Engineering, 2012 KOLEV, Ivan. Technology designed for a wide range of solutions. Hauzer Techno Coating BV-nº 20. Venlo. Netherland, LADEIRA, A. C. Q.; PEREIRA, D. B. A. Avaliação do potencial poluidor da indústria galvânica: caracterização, classificação e destinação de resíduos. Revista Metalurgia e Materiais, MATTOX, Donald M. Handbook of physical vapor deposition ( PVD) Processing. British Library, Boston, 2 Ed., 2010 MEYER, E. Chemistry of Hazardous Materials. New Jersey: Prentice- Hall, Inc., 1997 MOVERGS. Associação das indústrias de móveis do Rio Grande do Sul: Disponível em: <http://www.movergs.com.br/>. Acesso: 23 abr NAVINSEK, B.; PANJAN.P; MILOSEV.I.PVD coatings as an environmentally clean alternative to electroplating and electroless processes. Surface and Coatings Technology, Slovenia, 2000 SATRA TM 177: Resistência ao desgaste por abrasão vai e vem. 1995

14 SILVA, Carlos Sérgio da. Um estudo crítico sobre a saúde dos trabalhadores de galvânicas, por meio das relações entre as avaliações ambientais, biológicas e otorrinolaringológicas. São Paulo :Fundacentro, TOLEDO, José Carlos de; AMARAL, Daniel Capaldo; FMEA- Análise do Tipo e Efeito de falha. UFSCar, São Paulo, 2009.

ESTUDO SOBRE DESTINAÇÃO ADEQUADA AOS RESÍDUOS LÍQUIDOS, SÓLIDOS E GASOSOS GERADOS NO PROCESSO DE GALVANOPLASTIA DA INDÚSTRIA I. T.

ESTUDO SOBRE DESTINAÇÃO ADEQUADA AOS RESÍDUOS LÍQUIDOS, SÓLIDOS E GASOSOS GERADOS NO PROCESSO DE GALVANOPLASTIA DA INDÚSTRIA I. T. ESTUDO SOBRE DESTINAÇÃO ADEQUADA AOS RESÍDUOS LÍQUIDOS, SÓLIDOS E GASOSOS GERADOS NO PROCESSO DE GALVANOPLASTIA DA INDÚSTRIA I. T. Jaqueline Aparecida Toigo IC-Fecilcam, Engenharia de Produção Agroindustrial,

Leia mais

SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS)

SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS) 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS) Janaina de Melo Franco 1, Célia Regina Granhen Tavares 2,

Leia mais

15º Encontro e Exposição Brasileira de Tratamentos de Superfície 4º INTERFINISH Latino Americano

15º Encontro e Exposição Brasileira de Tratamentos de Superfície 4º INTERFINISH Latino Americano RECUPERAÇÃO DE NÍQUEL POR MEIO DE ELETRODIÁLISE Mônia Aline Hunger Geiger 1,2, Olavo Geiger 1,2 Tatiane Benvenuti, 3 Marco Antônio Siqueira Rodrigues 1 1 Universidade FEEVALE, Novo Hamburgo, RS, Brasil

Leia mais

DA INFLUÊNCIA DA RUGOSIDADE NO DESENVOLVIMENTO DE RESVESTIMENTOS CERÂMICOS ANTICORROSIVOS EM SUBSTRATOS METÁLICOS DE AÇO AISI 316L

DA INFLUÊNCIA DA RUGOSIDADE NO DESENVOLVIMENTO DE RESVESTIMENTOS CERÂMICOS ANTICORROSIVOS EM SUBSTRATOS METÁLICOS DE AÇO AISI 316L ÓXIDOS NANOESTRUTURADOS DE TiO 2 /Al 2 O 3 : ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA RUGOSIDADE NO DESENVOLVIMENTO DE RESVESTIMENTOS CERÂMICOS ANTICORROSIVOS EM SUBSTRATOS METÁLICOS DE AÇO AISI 316L Andreza Menezes Lima

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: A água nunca está em estado puro, livre de

Leia mais

Os setores industriais geradores de materiais secundários e resíduos com potencial de uso em fertilizantes contendo micronutrientes

Os setores industriais geradores de materiais secundários e resíduos com potencial de uso em fertilizantes contendo micronutrientes Os setores industriais geradores de materiais secundários e resíduos com potencial de uso em fertilizantes contendo micronutrientes Sérgio Pompéia Workshop A Cadeia produtiva do setor industrial de fertilizantes

Leia mais

Rendimento de alumínio obtido por reciclagem de escória primária

Rendimento de alumínio obtido por reciclagem de escória primária RESUMO Rendimento de alumínio obtido por reciclagem de escória primária Este trabalho tem como objetivo apresentar um estudo estatístico das variáveis que impactam na Produtividade e no Rendimento da reciclagem

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Preciso de informações sobre reciclagem de thinner, fabricante de máquinas para reciclagem e viabilidade.

RESPOSTA TÉCNICA. Preciso de informações sobre reciclagem de thinner, fabricante de máquinas para reciclagem e viabilidade. RESPOSTA TÉCNICA Título Reciclagem de Thinner Resumo Informações de como é feita a reciclagem de solventes orgânicos como o thinner, fornecedores de equipamentos para reciclagem dos mesmos e viabilidade

Leia mais

TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIE TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIES

TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIE TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIES TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIES Sorocaba - SP Porto Alegre - RS Betim - MG Recife - PE R. de Janeiro - RJ A CASCADURA Simões Filho - BA Fundada em 1950, na cidade de São Paulo. Atualmente, possui 06 fábricas

Leia mais

REDUÇÃO DA GERAÇÃO DE EFLUENTES GALVÂNICOS APLICANDO FERRAMENTAS DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA (P+L) Tatiane Benvenuti¹, Daiana Maffessoni 2

REDUÇÃO DA GERAÇÃO DE EFLUENTES GALVÂNICOS APLICANDO FERRAMENTAS DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA (P+L) Tatiane Benvenuti¹, Daiana Maffessoni 2 REDUÇÃO DA GERAÇÃO DE EFLUENTES GALVÂNICOS APLICANDO FERRAMENTAS DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA (P+L) Tatiane Benvenuti¹, Daiana Maffessoni 2 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Programa de Pós

Leia mais

Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes

Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes Ana Paula Alves da Silva 1, a, Aline Resmini Melo 1,b, Carolina Resmini Melo 1,c. 1 Engenharia

Leia mais

O Conceito de Corrosão Engenharia SACOR, setembro/1999

O Conceito de Corrosão Engenharia SACOR, setembro/1999 O Conceito de Corrosão Engenharia SACOR, setembro/1999 A corrosão é a deterioração de metais e ligas por ação química do meio ambiente. Sendo este meio a água do mar ou o solo, metais e ligas que nele

Leia mais

POLICARBONATO CHAPAS COMPACTAS. Estilo com Tecnologia. Alveolar - Compacto - Telhas - Acessórios de Instalação

POLICARBONATO CHAPAS COMPACTAS. Estilo com Tecnologia. Alveolar - Compacto - Telhas - Acessórios de Instalação POLICARBONATO CHAPAS COMPACTAS Estilo com Tecnologia Alveolar - Compacto - Telhas - Acessórios de Instalação CHAPAS COMPACTAS Chapa em policarbonato compacto, com tratamento em um dos lados contra o ataque

Leia mais

Surface Finishes: Acabamentos Nano e Organometálicos. Marco Aurélio Almeida de Oliveira

Surface Finishes: Acabamentos Nano e Organometálicos. Marco Aurélio Almeida de Oliveira Surface Finishes: Acabamentos Nano e Organometálicos Marco Aurélio Almeida de Oliveira Nova Categoria de Acabamento Final para PWB. Visibilidade Garantida. Visibilidade. Permite inspecionar os painéis

Leia mais

AÇÕES PARA UM PROCESSO DE PINTURA SUSTENTÁVEL

AÇÕES PARA UM PROCESSO DE PINTURA SUSTENTÁVEL AÇÕES PARA UM PROCESSO DE PINTURA SUSTENTÁVEL Luciane Souza, Ronnie Oliveira Mercedes-Benz do Brasil, unidade Juiz de Fora RESUMO A Mercedes-Benz tem como princípio a sustentabilidade. Baseado nesse princípio,

Leia mais

JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO

JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO www.sinto.com.br JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO O Jateamento com abrasivo é um método de trabalho a frio que consiste no arremesso de partículas contra uma determinada superfície, a elevadas velocidades,

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para Celulose & Papel

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para Celulose & Papel Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Tintas Soluções para Celulose & Papel Soluções para Celulose e Papel A WEG Tintas fornece tecnologia em tintas para diversos tipos de ambientes

Leia mais

TESTES DE CORROSÃO Domingos J C Spinelli SurTec do Brasil Ltda Abril/2000

TESTES DE CORROSÃO Domingos J C Spinelli SurTec do Brasil Ltda Abril/2000 TESTES DE CORROSÃO Domingos J C Spinelli SurTec do Brasil Ltda Abril/2000 1 O Teste de corrosão é a interpretação dos resultados que pode ser um dos mais controvertidos assuntos na indústria de galvanoplastia.

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO

A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO GRUPO HUMMA Eng Fawler Morellato Av. Fagundes Filho, 191 - Cj. 103D Depto. Engenharia e Desenvolvimento

Leia mais

Relatório Técnico 128 091-205

Relatório Técnico 128 091-205 Relatório Técnico 128 091-205 Belmetal 30 de maio de 2012 Ensaios em chapas de alumínio CLIENTE Belmetal Indústria e Comércio Ltda. UNIDADE RESPONSÁVEL Centro de Integridade de Estruturas e Equipamentos

Leia mais

ENG. ELVIRA LÍDIA STRAUS SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

ENG. ELVIRA LÍDIA STRAUS SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS 4a Reunião Ordinária do GT Interinstitucional sobre Uso de Resíduos Industriais Indicados como Matéria-Prima para Fabricação de Produtos Fornecedores de Micronutrientes Utilizados como Insumo Agrícola

Leia mais

Aspectos e Impactos Ambientais

Aspectos e Impactos Ambientais PÁGINA: 1/18 1 OBJETIVO Estabelecer e garantir uma sistemática para identificar, avaliar e gerenciar os aspectos e impactos ambientais das atividades, produtos ou serviços, da empresa x que possam ser

Leia mais

XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO

XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO COMPARAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO TIJOLO DE SOLO-CIMENTO INCORPORADO COM RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PROVENIENTES DE CATAGUASES - MG E O RESÍDUO DE BORRA DE TINTA PROVENIENTE DAS INDÚSTRIAS PERTENCENTES

Leia mais

EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS

EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS UMA EXPERIÊNCIA PRÁTICA Luciano Pereira da Silva Francisco

Leia mais

Soldabilidade de Metais. Soldagem II

Soldabilidade de Metais. Soldagem II Soldabilidade de Metais Soldagem II Soldagem de Ligas Metálicas A American Welding Society (AWS) define soldabilidade como a capacidade de um material ser soldado nas condições de fabricação impostas por

Leia mais

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO Série de procedimentos destinados a reduzir a quantidade ou o potencial poluidor dos

Leia mais

SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE FULIGEM

SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE FULIGEM SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE FULIGEM Para atender às regulamentações ambientais de hoje, os gases emitidos por caldeiras que utilizam bagaço de cana e outros tipos de biomassa similares devem, obrigatoriamente,

Leia mais

Processo de fundição: Tixofundição

Processo de fundição: Tixofundição Processo de fundição: Tixofundição Disciplina: Processos de Fabricação. Professor Marcelo Carvalho. Aluno: Gabriel Morales 10/44940. Introdução O processo de fabricação conhecido como fundição pode ser

Leia mais

MOTORES ENERGIA AUTOMAÇÃO TINTAS. Preparação de tintas e vernizes, limpeza e descarte de embalagens visando à preservação Ambiental

MOTORES ENERGIA AUTOMAÇÃO TINTAS. Preparação de tintas e vernizes, limpeza e descarte de embalagens visando à preservação Ambiental MOTORES ENERGIA AUTOMAÇÃO TINTAS Preparação de tintas e vernizes, limpeza e descarte de embalagens visando à preservação Ambiental Versão 03 Novembro / 2009 A WEG aliada aos princípios de sustentabilidade

Leia mais

DADOS PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. ANTUNES, Celso V. Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, celso.antunes@gmail.

DADOS PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. ANTUNES, Celso V. Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, celso.antunes@gmail. MÉTODO PARA COLETA E ANÁLISE DE DADOS PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL DA INDÚSTRIA METAL MECÂNICA ANTUNES, Celso V. Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, celso.antunes@gmail.com

Leia mais

MINIMIZAÇÃO DE EFLUENTES NO PROCESSO INDUSTRIAL

MINIMIZAÇÃO DE EFLUENTES NO PROCESSO INDUSTRIAL MINIMIZAÇÃO DE EFLUENTES NO PROCESSO INDUSTRIAL JOSÉ LUIZ PAPA ACQUA ENGENHARIA E CONSULTORIA S/C LTDA. www.acquaeng.com.br - Introdução - Escolha do Processo Industrial - Avaliação de Parâmetros de Poluição

Leia mais

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria;

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria; Um local de grande potencialidade de reutilização de efluentes de ETE s é o setor industrial, afirma Giordani (2002), visto que várias fases dos processos produtivos podem aceitar águas de menor qualidade,

Leia mais

EVAPORADOR ELIMINADOR DE GOTEJAMENTO

EVAPORADOR ELIMINADOR DE GOTEJAMENTO EVAPORADOR ELIMINADOR DE GOTEJAMENTO Aparelho Bivolt 110v 220v ATENÇÃO: INSTALAR EXTERNAMENTE * Capacidade total em 220v. Em 110v, redução de 50% a 60% na capacidade de evaporação. *Não testar com água

Leia mais

Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás. Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder

Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás. Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder Sumário A Empresa - Petrobras A Exploração e Produção de Óleo e Gás Gestão Ambiental

Leia mais

Orientações e Procedimentos para o Manuseio e Armazenagem de Óleo Diesel B

Orientações e Procedimentos para o Manuseio e Armazenagem de Óleo Diesel B Setembro, 2010. Orientações e Procedimentos para o Manuseio e Armazenagem de Óleo Diesel B Com a criação do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel, em 2004, e a aprovação da Lei 11.097, de 13

Leia mais

Recomendações Importantes sobre as tintas Saturno

Recomendações Importantes sobre as tintas Saturno Recomendações Importantes sobre as tintas Saturno A Saturno é uma empresa com mais de 60 anos de experiência na fabricação de tintas e vernizes para diversos segmentos da comunicação visual e decoração

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para a Indústria de Cimento

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para a Indústria de Cimento Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Tintas A WEG Tintas fornece tecnologia em tintas para diversos tipos de ambientes agressivos. São produtos com maior retenção de cor e brilho,

Leia mais

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 3 Elos Soluções Ambientais Alternativa para otimizar a destinação de resíduos: Crescente necessidade das

Leia mais

III-026 - MINIMIZAÇÃO DE RESÍDUOS EM INDÚSTRIA DE ACABAMENTO DE METAIS (ESTUDO DE CASO)

III-026 - MINIMIZAÇÃO DE RESÍDUOS EM INDÚSTRIA DE ACABAMENTO DE METAIS (ESTUDO DE CASO) III-026 - MINIMIZAÇÃO DE RESÍDUOS EM INDÚSTRIA DE ACABAMENTO DE METAIS (ESTUDO DE CASO) Márcia Capelini (1) Engenheira de Produção Mecânica formada pela Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade

Leia mais

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR 1 o SIMPÓSIO SINDIREPA-RS TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR Felipe Saviczki - cntl.att@senairs.org.br Engenheiro Ambiental Técnico de Desenvolvimento - Área de Consultoria

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS No momento em que se decide ter uma Indústria Cosmética um dos fatores preponderantes é providenciar as diversas licenças requeridas que

Leia mais

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO De acordo com o meio corrosivo e o material, podem ser apresentados diferentes mecanismos. Os principais são: MECANISMO QUÍMICO

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Período: 2º semestre de 2014 Docente: Priscila Borges Alves Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Prontuário: 20.006-2 Regime de trabalho: [ X ] RDE [ ] 40h [ ] 20h Área: [ ]

Leia mais

Telhas em Aço Inoxidável. abinox@abinox.org.br

Telhas em Aço Inoxidável. abinox@abinox.org.br Telhas em Aço Inoxidável abinox@abinox.org.br Potencial do mercado (1/2) Mercado de telhas de Aço no Brasil é de aprox. 300 mil ton / ano. Considerando a proporção do inox para o carbono de 2%, estimamos

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1. Tipo e Características do solo: 1.2. Topografia: 1.3. Cobertura Vegetal: 1.4. Descrição do acesso: 1.5.

Leia mais

MANUSEIO E ARMAZENAMENTO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS

MANUSEIO E ARMAZENAMENTO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS MANUSEIO E ARMAZENAMENTO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS Com a criação do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel, em 2004, e a aprovação da Lei nº 11.097, de 13 de janeiro de 2005,

Leia mais

Innovation in Building Chemicals

Innovation in Building Chemicals Innovation in Building Chemicals Engº José Roberto Saleme Jr. MC-Bauchemie MC Muller Chemie Bau Construção Chemie Químicos MC-Bauchemie Multinacional Alemão Privado 48 anos de experiência 19 fábricas e

Leia mais

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO Empreendedor: RECITEC RECICLAGEM TÉCNICA DO BRASIL LTDA.

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO Empreendedor: RECITEC RECICLAGEM TÉCNICA DO BRASIL LTDA. FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO RESUMO Parecer Técnico GEDIN 078 / 2008 A RECITEC Reciclagem Técnica do Brasil Ltda., detentora da Licença Prévia 107/2004, da Licença de Instalação 273/2005

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies Gianfranco Verona DESCARTE ZERO NUMA CABINE DE PINTURA SKIMMERFLOT Para o tratamento e a reutilização de águas provenientes

Leia mais

Prêmio Ambiental Fiesp. Página 1/11. Eliminação do Cianeto dos banhos galvânicos 29-03-2012

Prêmio Ambiental Fiesp. Página 1/11. Eliminação do Cianeto dos banhos galvânicos 29-03-2012 1/11 2/11 SUMÁRIO 1. Integrantes da Equipe...3 2. Overview do Grupo Bosch...4 3. Conhecendo a Galvânica...5 4. Considerações Gerais...6 5. A outra face da moeda...7 6. Análise do problema...8 7. Desafios

Leia mais

Análise de Óleo. Artigo Técnico

Análise de Óleo. Artigo Técnico Análise de Óleo O uso da análise de óleo como técnica de manutenção começou a ser aplicada na década 50. A crise do petróleo intensificou o uso da análise de óleo, que passou a cumprir uma nova função

Leia mais

Reator Térmico T Inertizante

Reator Térmico T Inertizante Super Zinco Tratamento de Metais Reator Térmico T Inertizante Emilio Arturo Rojas Veloso 2007 INTRODUÇÃO O Brasil gera aproximadamente três milhões de toneladas de resíduos industriais por ano. Os resíduos

Leia mais

POLICARBONATO COMPACTO

POLICARBONATO COMPACTO POLICARBONATO COMPACTO Chapa em policarbonato compacto, com tratamento em um dos lados contra o ataque dos raios ultravioleta (garantia de 10 anos contra amarelamento). Por sua alta transparência, a chapa

Leia mais

DIVISÃO AMBIENTAL. Nosso diferencial:

DIVISÃO AMBIENTAL. Nosso diferencial: A EMPRESA Apoiada em sólidas parcerias, a VIP Soluções é uma empresa de gerenciamento ambiental, provedora de soluções tecnológicas integradas. Nosso diferencial: Ética e segurança para nossos clientes,

Leia mais

JUSTIFICATIVAS PROPOSTA de LIMITES DE EMISSÕES FONTES EXISTENTES REFINARIAS

JUSTIFICATIVAS PROPOSTA de LIMITES DE EMISSÕES FONTES EXISTENTES REFINARIAS JUSTIFICATIVAS PROPOSTA de LIMITES DE EMISSÕES FONTES EXISTENTES REFINARIAS 1. Objetivo: Considerando os limites estabelecidos pela CONAMA 382 como referências para as fontes existentes, este documento

Leia mais

Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química

Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química Apresentação: José Leildon QSA - ASSESSORIA EMPRESARIAL Ltda 2 Abordagem tradicional - controle corretivo Recursos Naturais Produtos Ambiente Rejeitos

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

ESTUDO DE ALTERNATIVAS PARA A CONSTRUÇÃO DE MALHAS DE ATERRAMENTO NUM SOLO COM ALTA RESISITIVIDADE ELÉTRICA

ESTUDO DE ALTERNATIVAS PARA A CONSTRUÇÃO DE MALHAS DE ATERRAMENTO NUM SOLO COM ALTA RESISITIVIDADE ELÉTRICA ESTUDO DE ALTERNATIVAS PARA A CONSTRUÇÃO DE MALHAS DE ATERRAMENTO NUM SOLO COM ALTA RESISITIVIDADE ELÉTRICA Kaisson Teodoro de Souza, Msc; Ricardo Frangiosi de Moura,Msc; Gabriel Cintra Escola Técnica

Leia mais

NANOCLEAN VIDROS PROGRAMA VIDROS

NANOCLEAN VIDROS PROGRAMA VIDROS NANOCLEAN VIDROS PROGRAMA VIDROS Nano Coat NANOCLEAN Vidros TRATAMENTOS NANO TECNOLÓGICOS PARA VIDROS NOVOS E EM USO. Nanotecnologia. Nanotecnologia e Nano Biônicos são consideradas as tecnologias chave

Leia mais

III-046 USO DE RESÍDUO DE CURTUME EM PEÇAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL

III-046 USO DE RESÍDUO DE CURTUME EM PEÇAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL III-046 USO DE RESÍDUO DE CURTUME EM PEÇAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL Ana Luiza Ferreira Campos Maragno (1) Engenheira Civil pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Professora Adjunto 1 da Faculdade

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

TINTAS EM PÓ 12/09/2012 HISTÓRICO RESUMIDO. No final da década de 1950, surgiu a hoje chamada tinta em pó. TERMOCONVERSIVEIS USA

TINTAS EM PÓ 12/09/2012 HISTÓRICO RESUMIDO. No final da década de 1950, surgiu a hoje chamada tinta em pó. TERMOCONVERSIVEIS USA TINTAS EM PÓ V.A.B HISTÓRICO RESUMIDO No final da década de 1950, surgiu a hoje chamada tinta em pó. TERMOCONVERSIVEIS USA Entre 1960 e 1964, Houve desenvolvimento e introdução dos métodos de EXTRUSÂO,

Leia mais

A FORMAÇÃO DA CAMADA PROTETORA DE MAGNETITA EM CALDEIRA

A FORMAÇÃO DA CAMADA PROTETORA DE MAGNETITA EM CALDEIRA A FORMAÇÃO DA CAMADA PROTETORA DE MAGNETITA EM CALDEIRA Antonio Sergio Barbosa Neves CONSUCAL -CONSULTORIA QUÍMICA PARA CALDEIRAS S/C LTDA asbneves@cwaynet.com.br 6 COTEQ Conferência sobre Tecnologia de

Leia mais

FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006

FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006 FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006 Joaquim Pereira Quintela PETROBRAS/CENPES Victor Solymossy PETROBRAS/CENPES INTRODUÇÃO Vantagens do emprego de revestimentos

Leia mais

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA COMPLEXO AMBIENTAL FIAT DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA VALORES EQUIPE DA GESTÃO AMBIENTAL ALTA ADMINISTRAÇÃO ENGENHARIA AMBIENTAL e ENERGIA U. OP. PRENSAS U. OP. FUNILARIA

Leia mais

MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA EM CALDEIRAS

MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA EM CALDEIRAS 1/5 MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA EM CALDEIRAS Uma parcela considerálvel do custo de operação de caldeiras envolve o gasto com combustível. Independente do tipo utilizado (óleo combustível, gás natural,

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL.

DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL. DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL. Silvia de Veras Néri Rosilea França Garcia UNOCHAPECÓ-CHAPECÓ-SC-BRASIL

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1) Geração e Transferência de Tecnologia 1.1) Estudo de viabilidade técnico-econômica de projetos Princípios fundamentais de aplicação de capital. Mecanismos de aplicação. Investimentos.

Leia mais

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste.

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Recobrimento metálico Um problema Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Essa proteção pode

Leia mais

Protocolo, ed. V 21/01/2013

Protocolo, ed. V 21/01/2013 2013 Protocolo, ed. V Preparo e Dosagem 21/01/2013 www.ecosynth.com.br Protocolo ATM - ed.05 (jan/2013) Página 2 1. APRESENTAÇÃO A propriedade de ocupar áreas destinadas a expansão industrial, custo de

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio TRATAMENTO DA ÁGUA Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio Água poluída: água inadequada para beber ou para fazer nossa higiene. Diversas substâncias naturalmente presentes na água são

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE CINZAS PROVENIENTES DA QUEIMA DE MADEIRA EM CALDEIRA DE AGROINDÚSTRIA COMO ADITIVO EM ARGAMASSAS PARA FINS NÃO ESTRUTURAIS.

UTILIZAÇÃO DE CINZAS PROVENIENTES DA QUEIMA DE MADEIRA EM CALDEIRA DE AGROINDÚSTRIA COMO ADITIVO EM ARGAMASSAS PARA FINS NÃO ESTRUTURAIS. UTILIZAÇÃO DE CINZAS PROVENIENTES DA QUEIMA DE MADEIRA EM CALDEIRA DE AGROINDÚSTRIA COMO ADITIVO EM ARGAMASSAS PARA FINS NÃO ESTRUTURAIS. Alexsandro Luiz Julio (1) Biólogo pela Universidade Comunitária

Leia mais

Resultados do 4T13. 20 de Fevereiro de 2014

Resultados do 4T13. 20 de Fevereiro de 2014 Resultados do 4T13 20 de Fevereiro de 2014 Grupo Eucatex 2 Destaques Gerais do 4T13 Receita Líquida R$ 293,1 milhões, crescimento de 10,7% EBITDA Recorrente R$ 56,7 milhões, aumento de 10,7% Margem EBITDA

Leia mais

ANÁLISE DE DESCONTINUIDADES EM REVESTIMENTOS DE CARBETOS SOBRE AÇO. Haroldo de Araújo Ponte UNIVERSIDADE FEDER AL DO PARANÁ LESC

ANÁLISE DE DESCONTINUIDADES EM REVESTIMENTOS DE CARBETOS SOBRE AÇO. Haroldo de Araújo Ponte UNIVERSIDADE FEDER AL DO PARANÁ LESC ANÁLISE DE DESCONTINUIDADES EM REVESTIMENTOS DE CARBETOS SOBRE AÇO Haroldo de Araújo Ponte UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LESC hponte@engquim.ufpr.br Lígia Fernanda Kaefer UNIVERSIDADE FEDER AL DO PARANÁ

Leia mais

ELETRODO OU SEMIPILHA:

ELETRODO OU SEMIPILHA: ELETROQUÍMICA A eletroquímica estuda a corrente elétrica fornecida por reações espontâneas de oxirredução (pilhas) e as reações não espontâneas que ocorrem quando submetidas a uma corrente elétrica (eletrólise).

Leia mais

I-099 - REUSO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS GERADAS EM PROCESSOS DE GALVANOPLASTIA

I-099 - REUSO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS GERADAS EM PROCESSOS DE GALVANOPLASTIA I-099 - REUSO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS GERADAS EM PROCESSOS DE GALVANOPLASTIA Ruben Bresaola Júnior (1) Engenheiro Civil formado pela Escola de Engenharia de São Carlos. Mestre e Doutor em Hidráulica e Saneamento

Leia mais

TopComfort Brasilit. Temperatura agradável e muito mais conforto.

TopComfort Brasilit. Temperatura agradável e muito mais conforto. TopComfort Brasilit Nova telha térmica de fibrocimento Temperatura agradável e muito mais conforto. TopComfort Telhas Térmicas de Fibrocimento A Brasilit inovou outra vez. Agora, a linha de fibrocimento

Leia mais

REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM

REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM Para maior facilidade de análise e prevenção, procura-se geralmente identificar o(s) mecanismo(s) predominante(s) de remoção de material.

Leia mais

1 st Internacional Workshop Advances in Cleaner Production IV Semana Paulista de P+L

1 st Internacional Workshop Advances in Cleaner Production IV Semana Paulista de P+L 1 st Internacional Workshop Advances in Cleaner Production IV Semana Paulista de P+L Centro SENAI de Produção Mais Limpa Cleaner Production Center - CPC 21-23 de Novembro de 2007 São Paulo O objetivo do

Leia mais

Workshop Embalagem & Sustentabilidade

Workshop Embalagem & Sustentabilidade Workshop Embalagem & Sustentabilidade São Paulo/2013 Eduardo Lima Agenda Alumínio e Sustentabilidade - Conceito Embalagens de alumínio Diferenciais das embalagens de alumínio PNRS Reciclagem de alumínio

Leia mais

Atividades Impactantes e Impactos Ambientais Oriundos da Indústria de Móveis Pólo Moveleiro de Ubá MG. Celso Coelho de Souza 1, Elias Silva 2

Atividades Impactantes e Impactos Ambientais Oriundos da Indústria de Móveis Pólo Moveleiro de Ubá MG. Celso Coelho de Souza 1, Elias Silva 2 1 Atividades Impactantes e Impactos Ambientais Oriundos da Indústria de Móveis Pólo Moveleiro de Ubá MG Celso Coelho de Souza 1, Elias Silva 2 A partir da década de 90, alguns segmentos da indústria brasileira

Leia mais

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração 01/33 Apresentação do Instrutor: Eduardo Fleck *Engenheiro Químico UFRGS, 1990; **Mestre em Engenharia

Leia mais

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD Revestimentos de Alto Desempenho - RAD O mercado de revestimentos para pisos de concreto se desenvolveu mais expressivamente no Brasil na década de 1980. Foi nesse momento que os revestimentos autonivelantes

Leia mais

MANUSEIO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS

MANUSEIO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS MANUSEIO E ARMAZENAMENTO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS Com a criação do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel, em 2004, e a aprovação da Lei 11.097, de 13 de janeiro de 2005,

Leia mais

Projeto Oficina Verde

Projeto Oficina Verde 2009 Projeto Oficina Verde PROJETO OFICINA VERDE Responsáveis: Daniel Filipe, Glauber Franco e Alexandre Xavier Centro de Experimentação e Segurança Viária CESVI BRASIL S/A I.Q.A Instituto de Qualidade

Leia mais

MANUAL DE USO E CONSERVAÇÃO DOS PRODUTOS

MANUAL DE USO E CONSERVAÇÃO DOS PRODUTOS MANUAL DE USO E CONSERVAÇÃO DOS PRODUTOS MANUAL DE USO E CONSERVAÇÃO E CERTIFICADO DE GARANTIA A Italínea produz móveis qualificados e utiliza em sua fabricação o MDP e MDF que são matérias-primas renováveis

Leia mais

SOLUÇÕES DE CURADO PARA CONCRETO

SOLUÇÕES DE CURADO PARA CONCRETO SOLUÇÕES DE CURADO PARA CONCRETO PANORAMA DOS SISTEMAS Resultados Imediatos à vista Qualidade e melhor apresentação no seu Produto final Redução de Florescentes na superfície dos Concreto Resistências

Leia mais

Revestimentos de Eletrodeposição AquaEC

Revestimentos de Eletrodeposição AquaEC UMA MARCA AXALTA COATING SYSTEMS Revestimentos de Eletrodeposição AquaEC Soluções inovadoras para demandas de E-Coat Um início brilhante de classe mundial com proteção anticorrosiva. O mercado altamente

Leia mais

SMAMA LICENÇA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LO N : 0019/2013.

SMAMA LICENÇA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LO N : 0019/2013. LO N : 0019/2013. A Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, criada pela Lei Municipal n 368 de 20/05/77, no uso das atribuições que lhe confere a Lei n 6.938, de 31/08/81, que dispõe sobre

Leia mais

XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. SENDI 2010 22 a 26 de novembro. São Paulo - SP - Brasil

XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. SENDI 2010 22 a 26 de novembro. São Paulo - SP - Brasil XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Título do Trabalho: Reciclagem de Porcelanas danificadas para confecção de placas de concreto

Leia mais

ASPERSÃO TÉRMICA EQUIPAMENTOS PLASMA SPRAY PROCESSO PLASMA

ASPERSÃO TÉRMICA EQUIPAMENTOS PLASMA SPRAY PROCESSO PLASMA ASPERSÃO TÉRMICA PROCESSO Resumidamente, Aspersão Térmica consiste em um grupo de processos em que materiais metálicos e não metálicos são projetados na forma fundida ou semifundida sobre uma superfície

Leia mais

ANEXO IV ESPECIFICAÇÃO DE PINTURA PARA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA

ANEXO IV ESPECIFICAÇÃO DE PINTURA PARA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA Celesc Di Celesc Distribuição S.A. ANEXO IV ESPECIFICAÇÃO DE PINTURA PARA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA PINTURA SISTEMAS DE PROTEÇÃO ANTICORROSIVA PARA APLICAÇÃO EM : TRANSFORMADORES

Leia mais

COMO REDUZIR AS PERDAS INDUSTRIAIS ATUANDO SOBRE A LIMPEZA DE CANA. Carlos A. Tambellini

COMO REDUZIR AS PERDAS INDUSTRIAIS ATUANDO SOBRE A LIMPEZA DE CANA. Carlos A. Tambellini COMO REDUZIR AS PERDAS INDUSTRIAIS ATUANDO SOBRE A LIMPEZA DE CANA. Carlos A. Tambellini 1 1.0 COLHEITA / TRANSPORTE / RECEPÇÃO DE CANA - HISTÓRICO 1ª FASE (1960/ 70): Cana queimada Corte manual Carregamento

Leia mais

Investigação Laboratorial do Uso de Resíduo da Construção Civil como Agregado Graúdo em Estaca de Compactação Argamassada

Investigação Laboratorial do Uso de Resíduo da Construção Civil como Agregado Graúdo em Estaca de Compactação Argamassada Investigação Laboratorial do Uso de Resíduo da Construção Civil como Agregado Graúdo em Estaca de Compactação Argamassada Ronaldo Alves de Medeiros Junior Universidade de Pernambuco-UPE, Recife, Brasil,

Leia mais

INOVAÇÃO para a SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL. Eng. Márcio Torres Diretor CNTL SENAI/UNIDO/UNEP Novembro de 2012

INOVAÇÃO para a SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL. Eng. Márcio Torres Diretor CNTL SENAI/UNIDO/UNEP Novembro de 2012 INOVAÇÃO para a SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Eng. Márcio Torres Diretor CNTL SENAI/UNIDO/UNEP Novembro de 2012 SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade Ambiental x Econômica Megatendências... Crescimento da

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 187 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 190

RESUMOS DE PROJETOS... 187 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 190 186 RESUMOS DE PROJETOS... 187 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 190 RESUMOS DE PROJETOS 187 ANÁLISE DAS PROPRIEDADES E VIABILIDADE ECONÔMICA DA CERÂMICA VERMELHA UTILIZADA COMO AGREGADO RECICLADO MIÚDO PARA

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais