SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO"

Transcrição

1 SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO REVISÃO: 01 DATA: 18/02/08 VAL: 18/02/09

2 Pág: 2/41 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO OBJETIVO DO MANUAL CAMPO DE APLICAÇÃO EMPRESA PRODUTOS E SERVIÇOS APROVAÇÃO CONTROLE DE REVISÕES SISTEMÁTICAS SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DA QUALIDADE INTEGRADO AO PROCESSO TERMOS GERAIS E CONDIÇÕES DE COMPRA REQUISITOS PARA O SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DA QUALIDADE DOS FORNECEDORES PROCESSO DE SELEÇÃO DE FORNECEDORES, AVALIAÇÃO PERIÓDICA E AUDITORIAS NO FORNECEDOR (CHECK-LIST) PROCESSO DE APROVAÇÃO DE PEÇAS DE PRODUÇÃO (PPAP, PRODUCTION PART APROVAL PROCESS) PEÇAS COM DEFEITOS E AÇÕES CORRETIVAS SEGURANÇA E PROTEÇÃO AMBIENTAL APÊNDICES GLOSSÁRIO LISTA DE CONTATOS MANUAIS DE REFERÊNCIA FORMULÁRIOS... 32

3 Pág: 3/41 1. APRESENTAÇÃO 1.1 OBJETIVO DO MANUAL A Madal Palfinger e suas afiliadas e subsidiárias, fabricam equipamentos para movimentação de cargas, os quais devem atender demandas particularmente altas de segurança e qualidade. Um produto da Madal Palfinger é competitivo sob o ponto de vista da qualidade, satisfazendo os mais rígidos requisitos de segurança, e de entrega no tempo devido. A parceria entre a Madal Palfinger e seus fornecedores está se tornando cada vez mais importante. A Madal Palfinger espera de seus fornecedores pontualidade na entrega, excelência em qualidade, zero defeitos, produtos que não agridem o ambiente, e preços competitivos. A decisão de comprar de um determinado fornecedor depende essencialmente da capacidade do fornecedor em atender, sem nenhuma restrição, os objetivos de qualidade da Madal Palfinger. O objetivo da nova edição deste Manual de Fornecedores é a melhoria contínua de todo o processo de compras, da qualidade e da produtividade, em forte parceria entre a Madal Palfinger e seus fornecedores. A Madal Palfinger espera que todos os fornecedores potenciais atendam aos requisitos da QS-9000, especialmente o Processo de Aprovação de Peças de Produção PPAP descrito no Manual de PPAP da QS-9000, em caráter geral. Em caráter detalhado, devem ser seguidas estas diretrizes. A certificação do sistema de qualidade do fornecedor de acordo com a ISO 9001 ou uma norma da indústria automobilística, como QS-9000, VDA 6.1 ou ISO/TS 16949, não é obrigatória, mas desejável. Além disso, todos os fornecedores potenciais devem seguir os processos e procedimentos de acordo com estas diretrizes. A partir de agora, o Manual de Fornecedores é um elemento de todos os contratos de compra entre fornecedores e a Madal Palfinger e suas afiliadas e subsidiárias, relacionadas no Apêndice B. Todos os fornecedores efetivos e potenciais devem confirmar a obediência aos requisitos descritos. A Madal Palfinger reserva-se o direito de encerrar a parceria com um fornecedor que não ofereça suporte a este programa. Em caso de conflito entre as regulamentações de outros contratos com o fornecedor e as regulamentações deste Manual de Fornecedores, este Manual prevalecerá sobre as outras regulamentações. Na busca pela Excelência de Negócios, a Madal Palfinger decidiu integrar o Manual de Fornecedores como elemento de cada contrato de compra.

4 Pág: 4/41 Este Manual de Fornecedores continua sendo de propriedade da Madal Palfinger, mas o fornecedor está autorizado a fazer cópias dele para uso próprio, sempre que necessário. 1.2 CAMPO DE APLICAÇÃO Este Manual aplica-se a todos potenciais fornecedores, bem como fornecedores ativos, abrangendo produtos e serviços. 1.3 EMPRESA Razão Social: Madal Palfinger S/A Endereço: Flávio Francisco Bellini, nº 350, Bairro Salgado Filho Cidade: Caxias do Sul / RS Cep: Telefone/Fax: +55 (54) PRODUTOS E SERVIÇOS 1.5 APROVAÇÃO Projeto, Desenvolvimento, Fabricação e Assistência Técnica de Guindastes Articulados (KBC) e Telescópicos (TCCT) Antonio Carlos Vieira Gerente da Qualidade Gustavo Rigon Gerente de Compras Caxias do Sul, 01 de Fevereiro de CONTROLE DE REVISÕES Revisão Data Descrição 00 01/09/2006 Emissão /02/2008 Revisão Geral.

5 Pág: 5/41 2 SISTEMÁTICAS 2.1 SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DA QUALIDADE INTEGRADO AO PROCESSO A Madal Palfinger implementou um Sistema de Administração de Qualidade Integrado ao Processo, que inclui a norma internacional ISO Este Sistema de Administração da Qualidade é certificado em todo o grupo por uma empresa de certificação internacional. O objetivo principal deste Sistema de Administração Integrado ao Processo é melhorar o sistema continuamente todos os processos internos e externos relacionados aos negócios da Madal Palfinger. A administração de processos é a base para o ciclo (PDCA) para a melhoria contínua de nossos processos de negócio:

6 Pág: 6/41 Mapa do Processo de Garantia da Qualidade do Fornecedor NOTA: Este Mapa de Processo de Garantia da Qualidade do Fornecedor é aplicado a todos os fornecedores Madal Palfinger que fornecem itens que serão utilizados como protótipos, projetos pilotos, fornecimento contínuo e reposição de peças para o cliente. 2.2 TERMOS GERAIS E CONDIÇÕES DE COMPRA PRINCIPAIS TERMOS E CONDIÇÕES As relações legais entre o fornecedor e a Madal Palfinger devem ser baseadas no documento Termos Gerais de Condições de Fornecimento e outros contratos escritos com estas diretrizes, como o Manual de Fornecedores.

7 Pág: 7/41 Quaisquer alterações e complementos devem ser feitos por escrito. Outros Termos Gerais e Condições de Negócio não são aplicáveis, mesmo se, em um caso específico, não houver contradição expressa. Condições especiais como contratos de fornecimento, contratos de ferramentas ou outros está descrito no contrato entre a Madal Palfinger e o fornecedor. Além disso, as condições de pagamento e eventual reembolso para peças entregues por engano, entrega de material sucateado, retrabalho na Madal Palfinger, rejeição pela Madal Palfinger ou outra ação do fornecedor que não atenda aos requisitos definidos são descritas em contratos de compra ou no pedido de compra PRINCIPAIS TERMOS E CONDIÇÕES A Madal Palfinger espera de 100% de seus fornecedores um desempenho de entregas, baseado em quantidade, qualidade e datas e períodos de entrega contratados. A ocasião do recebimento dos produtos no devido local da Madal Palfinger, conforme indicado pela mesma, é determinante em relação à observação de data ou período de entrega. A Madal Palfinger aceita lotes de peças apenas através de contrato escrito. Em relação aos embarques de peças contratados, o restante do pedido deve ser notificado por escrito, indicando a data de entrega. Se a data de entrega não for cumprida pela segunda vez, a Madal Palfinger fica autorizada, sem emissão de advertência, a rescindir o contrato ou a fazer reclamações por danos devido o nãocumprimento do contrato. Além disso, a Madal Palfinger fica autorizada a cobrar multa contratual por atrasos, que deverá compensar reclamações por danos relativos ao atraso. A aceitação irrestrita de um lote atrasado não deve ser interpretada como renúncia ao direito de fazer reclamações por danos ou de cobrar uma multa contratual. No caso de atraso na entrega, o fornecedor deve notificar a Madal Palfinger imediatamente, indicando os motivos e a duração do atraso. Este ainda tem a obrigação de reembolsar a Madal Palfinger por todas as perdas indiretas e diretas decorrentes do atraso. O direito é reservado expressamente para defesa contra futuras reclamações legais. Em caso de entrega antes da data contratada, a Madal Palfinger reserva-se o direito de enviar os produtos de volta, a custo e risco do fornecedor. Se Madal Palfinger não se utilizar de seu direito de devolver os produtos em caso de entrega prematura, os produtos serão armazenados na Madal Palfinger até a data de entrega contratada, a custo e risco do fornecedor. Isto também se aplica ao caso de entrega de produtos em excesso. A Madal Palfinger não tem nenhuma obrigação de aceitar excesso de produtos.

8 Pág: 8/41 Salvo acordo contrário, o despacho é feito, a princípio, a custo e risco do fornecedor, até o momento da entrega no endereço do embarque, indicado pela Madal Palfinger. Todos os detalhes relacionados a multas são regulamentados por contratos individuais entre o fornecedor e a Madal Palfinger SIGILO As partes contratantes devem garantir e tratar como segredos comerciais de todos os detalhes comerciais e técnicos que não sejam de domínio público, cujos detalhes venham a ser divulgado a eles em virtude de suas relações comerciais. Desenhos, modelos, originais, peças de amostra, portadoras de dados de ERP, e outras ferramentas de fabricação, bem como informações confidenciais fornecidas ou vendidas ao fornecedor pela Madal Palfinger podem ser usadas apenas para consignação a terceiros com consentimento escrito da Madal Palfinger. Estes devem permanecer sob propriedade da Madal Palfinger e devem ser a ela devolvidos mediante solicitação, a qualquer momento, durante o uso estipulado. Não deverá ser retidas cópias. Não deve haver nenhum direito de retenção em relação a tais itens. Estes itens podem ser apenas transmitidos ou, de alguma forma, tornados acessíveis a terceiros apenas se for estritamente necessário para o cumprimento do contrato e se os terceiros tiverem sido submetidos às regras acima. A equipe do contratado também deve ser obrigada a observar esta cláusula. A duplicação de tais itens é permitida apenas dentro do contexto dos requisitos operacionais e direitos de propriedade. As partes contratantes podem fazer publicidade utilizando seus relacionamentos comerciais com permissão prévia por escrito DIREITOS DE PROPRIEDADE O fornecedor é responsável por todas as reclamações decorrentes do contexto do uso contratual dos itens fornecidos, com base na infração de direitos de propriedade e solicitações de registro do mesmo. O fornecedor é notificado de que os produtos da Madal Palfinger são utilizados em todo o mundo. O fornecedor indenizará a Madal Palfinger e seus clientes por todas as reclamações decorrentes da infração de tais direitos de propriedade. O fornecedor deve garantir que, antes de abrir um pedido, ele tenha sido informado pela Madal Palfinger da utilização dos direitos de propriedade publicados e nãopublicados que sejam de sua propriedade e de solicitações de registro do mesmo, em relação ao item fornecido. As partes contratantes se comprometem a informar imediatamente a outra parte de quaisquer riscos de infração e casos de infração alegados dos quais eles possam ter

9 Pág: 9/41 conhecimento e a dar uma à outra a oportunidade de responder às reclamações correspondentes por acordo mútuo EMBALAGEM, ETIQUETAGEM, NOTA DE ENTREGA, FATURA Os produtos devem ser embalados de modo apropriado para transporte e etiquetados conforme contratado com a Madal Palfinger. Em relação a cada lote, a Madal Palfinger deve receber uma nota de entrega e uma fatura em separado. A fatura e a nota de entrega devem ser passadas à Madal Palfinger em duplicata. Elas devem conter indicações individuais, como número do fornecedor; data e número do pedido ou solicitação de entrega e efetivação da compra; quantidade e número do material; número e data da nota de entrega; pesos bruto e líquido; número do lote (se aplicável); bem como detalhes adicionais fornecidos pela Madal Palfinger (alocação de conta, ponto de descarga), além das unidades de preço/quantidade contratados para os produtos faturados. Se a fatura for relativa a produtos de vários pedidos, as indicações devem ser relacionadas separadamente para cada pedido. Cada entrega deve ter em anexo à embalagem o índice exato do conteúdo, indicando o número do pedido. Se os documentos de embarque (nota de entrega, fatura e etiqueta de embalagem) não contiverem as indicações exigidas, ou se outros documentos exigidos estiverem faltando, a Madal Palfinger tem o direito de devolver o lote ou armazená-lo até que todas as informações exigidas tenham sido fornecidas, a custo e risco do fornecedor. Atrasos resultantes de indicações incompletas em documentos de embarque não podem ser atribuídas à Madal Palfinger GARANTIA Se a Madal Palfinger encontrar produtos com defeito antes do início da produção na empresa ou em seus clientes, o fornecedor terá a oportunidade de remover itens rejeitados, fazer retrabalho nos produtos ou fazer uma entrega de substituição, a critério da Madal Palfinger. Se o fornecedor não puder atender a tal solicitação dentro de 48 horas e se o retrabalho ou a substituição falharem, a Madal Palfinger pode rescindir o contrato e devolver os produtos a risco e custo do fornecedor. Em casos de urgência, a Madal Palfinger pode, após informar o fornecedor, efetuar os retrabalhos ou solicitá-los a terceiros. O fornecedor deve arcar com os custos incorridos nessa operação. A Madal Palfinger também tem o direito, a seu critério, de reduzir o preço de compra. Se os mesmos produtos forem fornecidos com defeitos novamente, a Madal Palfinger tem o direito de rescindir todo o contrato.

10 Pág: 10/41 No caso de produtos com defeito, a Madal Palfinger envia juntamente com as peças um Relatório de Não-Conformidade (RNC). Nesse caso, o fornecedor deve preencher as informações solicitadas e dar um retorno à Madal Palfinger dentro de 48 horas. Se o defeito for observado apenas após o início da produção, a Madal Palfinger pode também independentemente dos direitos acima exigir indenização pelas perdas que pode vir a sofrer devido às despesas adicionais incorridas. Mediante solicitação do fornecedor, a Madal Palfinger irá prover ao fornecedor, imediatamente e por conta deste, as peças que este deverá substituir. A garantia para reclamações de campo é encerrada em 12 (doze) meses (sem limite de quilometragem) após a efetiva entrega do produto para a Madal Palfinger por parte do fornecedor. O fornecedor será cobrado pelos custos de substituição, manuseio, mão-de-obra e desmontagem das peças com defeito. Os detalhes são descritos no contrato de fornecimento. Outras reclamações estatutárias ou contratuais permanecerão inalteradas. O fornecedor deve garantir os testes dos produtos de acordo com os requisitos do PPAP, para obter entregas com nível de zero defeitos. A Madal Palfinger limita sua inspeção de embarques recebidos à verificação de defeitos evidentes, da identificação e da quantidade. A Madal Palfinger notificará imediatamente ao fornecedor, por escrito, os defeitos em um lote (Relatório Não-Conformidade) assim que tais defeitos sejam percebidos, de acordo com as circunstâncias do devido andamento do negócio. Em relação a isso, o fornecedor renuncia ao direito de reclamações sobre a notificação de defeitos atrasada RESPONSABILIDADE O fornecedor tem a obrigação de recuperar quaisquer perdas que possam vir a ser incorridas pela Madal Palfinger, direta ou indiretamente, que decorra de defeitos em peças ou outros motivos que possam ser atribuídos ao fornecedor. Se, com base na responsabilidade pela ausência de falhas, for feita uma reclamação à Madal Palfinger em relação a um direito invariável em relação a terceiros, o fornecedor deve, imediatamente, indenizar e manter a Madal Palfinger fora de risco, pois ele próprio poderia ser o responsável direto. No caso em que o cliente solicite à Madal Palfinger ou outra autoridade que tome alguma medida (por exemplo, recall ou campanha de serviço) para evitar perdas ou danos devido a uma peça com defeito entregue pelo fornecedor, este será responsável por todos os custos, perdas, danos e indenizações, bem como por manter a Madal Palfinger afastada de riscos.

11 Pág: 11/41 O fornecedor se compromete a fazer, com uma seguradora de boa reputação, um seguro de garantia do fabricante e do produto, incluindo cobertura de perdas pecuniárias resultantes de produtos para quem está contratando a Madal Palfinger, bem como de custos de recall RETENÇÃO DO TÍTULO Qualquer retenção do título por parte do fornecedor exige um contrato expresso separado para se tornar válido. Na medida em que a Madal Palfinger fornece peças para o fornecedor, ela se reserva o direito de propriedade das peças. Processamento ou reformas pelo fornecedor devem ser realizados para a Madal Palfinger. Em caso de processamento ou incorporação, a Madal Palfinger compra a co-propriedade do novo objeto, na proporção do valor na ocasião do processamento dos objetos fornecidos pela Madal Palfinger em relação aos outros objetos processados. 2.3 REQUISITOS PARA O SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DA QUALIDADE DOS FORNECEDORES O fornecedor deve manter um Sistema de Administração da Qualidade que atenda aos requisitos da Madal Palfinger. A diretoria do fornecedor deve dar suporte a uma estratégia de zero defeitos, com os seguintes elementos: Prevenção de defeitos; Análise e eliminação de causas de defeitos; Funcionários com atitude positiva e consciente da qualidade; Aplicação de procedimentos preventivos e analíticos para garantia da qualidade; Uma filosofia de melhorias contínuas relacionada aos produtos e processos, combinada a um potencial de redução de custos. A Madal Palfinger avalia os fornecedores efetivos e potenciais de acordo com o Check- List de Avaliação de Fornecedores, para certificar-se de que o processo do fornecedor se enquadra nos requisitos Madal Palfinger. Em todos os casos, a Madal Palfinger exige dos fornecedores novos e atuais um Processo de Aprovação de Peça de Produção (PPAP) de acordo com o manual de PPAP da QS-9000 e conforme descrito nestas diretrizes. Se o fornecedor receber equipamentos, software, serviços, materiais ou outros fornecimentos de terceiros para produção ou teste, para a fabricação ou garantia da qualidade de seus produtos, o fornecedor deve garantir que estão em conformidade com seu Sistema da qualidade, seja em virtude de contrato com essas partes ou devido à necessidade de realização de tais testes.

12 Pág: 12/ PROCESSO DE SELEÇÃO DE FORNECEDORES, AVALIAÇÃO PERIÓDICA E AUDITORIAS NO FORNECEDOR (CHECK-LIST) PROCESSO DE SELEÇÃO DE FORNECEDORES E AVALIAÇÃO PERIÓDICA O objetivo da Madal Palfinger é contratar apenas fornecedores confiáveis e aprovados para novos projetos. Um novo fornecedor potencial deve atender pelo menos nossos requisitos básicos. São eles: Confirmar a aceitação do Manual de Fornecedores; Responder o Questionário de Auto-avaliação da Qualidade do Fornecedor, (Check-List), que será enviado pela Madal Palfinger antes de iniciar os negócios; Ser avaliado por auditoria técnica pela SQA da Madal Palfinger; Usar o Processo de Aprovação de Peça de Produção como ferramenta padrão. O status de fornecedor aprovado requer: Confirmar a aceitação do Manual de Fornecedores; Aprovação da SQA Madal Palfinger na auditoria técnica; Usar o Processo de Aprovação de Peça de Produção como ferramenta padrão AUDITORIAS TÉCNICAS DO PROCESSO NAS INSTALAÇÕES DO FORNECEDOR Na indústria, um sistema da qualidade é parte da estratégia da empresa e fornece pré-condições organizacionais para atender a requisitos de alta qualidade em produtos e processos. Auditorias do sistema são utilizadas para rever a eficácia dos sistemas de qualidade em intervalos programados regulares. O período entre o desenvolvimento de um produto/serviço e suas produção/fornecimento, cada dia menor, requer também um paralelismo cada vez maior de operações entre as várias áreas da empresa. Isto resulta em cada vez mais requisitos no processo. Com mais requisitos de qualidade, a auto-avaliação e a redução de gastos de tempo e dinheiro em inspeção e teste também podem ser realizados apenas através de processos capacitados e controlados. Isto se aplica ao processo de desenvolvimento de produtos e à produção em série, bem como ao processo de desenvolvimento e ao fornecimento do serviço. A Madal Palfinger espera que todos os fornecedores monitorem constantemente seus processos para garantir sua confiabilidade e sejam capazes de implementar

13 Pág: 13/41 rapidamente as ações corretivas adequadas em caso de não-conformidades. Um instrumento importante para a monitoração do processo é a auditoria do processo. A Madal Palfinger utiliza a auditoria de processo como ferramenta, para avaliar a capacidade de qualidade para produtos especiais e/ou grupos de produtos e seus processos. O objetivo é a obtenção de processos eficazes e controlados que sejam resistentes a falhas. Auditorias de processo podem ser realizadas de modo programado (orientadas pelo processo ou pelo sistema) ou não-programado (orientadas por eventos). Antes da realização da auditoria nas instalações de um fornecedor, a equipe de auditoria definirá quais processos deverão ser examinados. Normalmente, toda a cadeia de processo será objeto da auditoria, mas pode haver algumas exceções. Todas as deficiências detectadas pelo auditor do processo serão requisitadas ao fornecedor um plano de ação corretivo para adequação do processo ao sistema Madal Palfinger. O auditor pode estabelecer a necessidade e o planejamento para uma pós-auditoria, logo após a discussão de conclusão, podendo documentá-las no relatório final. O relatório da auditoria deverá ser assinado pelo auditor e pelas partes aditadas durante a discussão final. Ao assinar o relatório, a parte aditada confirma que os resultados foram estabelecidos de acordo com sua posição. 2.5 PROCESSO DE APROVAÇÃO DE PEÇAS DE PRODUÇÃO (PPAP, PRODUCTION PART APROVAL PROCESS) A seguir é descrito o Processo de Aprovação de Peças de Produção (PPAP) para fornecedores da Madal Palfinger. É praticamente idêntico ao processo de aprovação descrito no manual do PPAP da QS Abrange os requisitos genéricos para aprovação da peça de produção para todos os materiais de produção (veja o Glossário), materiais de consumo e também peças de serviço. O objetivo do PPAP é: Determinar se todas as especificações de engenharia descritos nos desenhos da Madal Palfinger foram compreendidas pelo fornecedor; Garantir que o processo tem possibilidade de produzir produtos de modo consistente, atendendo a estes requisitos durante a execução da produção real à taxa de produção contratada. O fornecedor deve obter aprovação total da SQA (Supplier Quality Assurance, Garantia da Qualidade do Fornecedor) responsável da Madal Palfinger para:

14 Pág: 14/41 Uma peça ou produto novo (por exemplo, uma peça ou material específico); Correção de uma discrepância em uma peça apresentada anteriormente; Produto modificado por uma alteração de engenharia no projeto ou plantas, especificações ou materiais; Quaisquer situações de submissão e notificação requerida no Manual do PPAP da QS Se houver quaisquer dúvidas relacionadas aos requisitos para aprovação da peça de produção, o fornecedor deve entrar em contato com a SQA responsável da Madal Palfinger (veja o Apêndice B). As peças de produção são fabricadas no local de produção com o uso de ferramental, instrumentos de medição, processos, materiais, operadores, ambiente e ajustes de processo (taxas de alimentação, velocidades, tempos de ciclo, pressões, temperaturas, etc.) de produção. As peças para a aprovação devem representar um ciclo de produção significativo. Esse ciclo é normalmente de uma hora a um turno de produção, com a quantidade de produção específica mínima de 100 peças (para materiais de consumo: não é exigido nenhum número de peças), salvo especificação contrária pela SQA responsável da Madal Palfinger. Peças de cada posição de uma matriz, um molde, uma ferramenta ou um padrão de múltiplas cavidades devem ser medidas e as peças representativas devem ser testadas. Exemplos de materiais de consumo incluem, mas não se limitam a: adesivos e materiais de vedação (soldas, elastômeros); materiais químicos (lavadores, polidores, tratamentos, corantes/pigmentos, solventes); revestimentos (revestimentos de acabamento, revestimentos inferiores, primers, fosfatos, tratamentos superficiais); fluidos de arrefecimento de motores (anticongelantes); tecidos; filmes e laminados; metais ferrosos e não-ferrosos (aço bruto, alumínio, bobinas, lingotes); materiais de fundição (areia/sílica, materiais de liga, outros minerais/materiais inorgânicos); combustíveis e seus componentes; vidros e seus componentes; lubrificantes (óleos, graxas, etc.); monômeros, pré-polímeros e polímeros (borrachas, plásticos, resinas e suas matérias-primas) e fluidos de acionamento (transmissão, direção hidráulica, freio, arrefecimento) REQUISITOS PARA NOTIFICAÇÃO E APRESENTAÇÃO O fornecedor deve notificar a SQA responsável sobre quaisquer alterações de projeto e produto, conforme indicado no manual do Processo de Aprovação de Peças de Produção (3ª edição) da QS-9000 (veja o Apêndice C) NÍVEIS DE APRESENTAÇÃO O nível de apresentação identifica a extensão dos documentos que devem ser apresentados à Madal Palfinger.

15 Pág: 15/41 Os níveis de apresentação utilizados pela Madal Palfinger, de acordo com o manual do PPAP da QS-9000, são os seguintes: Nível 1: Garantia de Apresentação de Peça (PSW), dados de relatórios de aparência apresentados à Madal Palfinger. Nível 2: Garantia de Apresentação de Peça (PSW), com amostras do produto e dados de suporte limitados apresentados à Madal Palfinger. Nível 3: Garantia de Apresentação de Peça (PSW) com amostras do produto e dados completos de suporte apresentados à Madal Palfinger. Nível 4: Garantia de Apresentação de Peça (PSW) e outros requisitos definidos pela Madal Palfinger, com formulário específico. Nível 5: Garantia de Apresentação de Peça (PSW) no fornecedor, com amostras do produto e dados completos de suporte apresentados à Madal Palfinger. O nível de apresentação padrão para fornecedores da Madal Palfinger é o Nível 3. Se o nível de apresentação for alterado, o fornecedor será informado por escrito pelo Departamento de Compras da Madal Palfinger (formulário, veja o Apêndice D). Todos os requisitos relevantes para o Processo de Aprovação de Peça de Produção (PPAP) são parte do contrato de fornecimento com o fornecedor. O fornecedor deve apresentar os seguintes documentos relacionados ao PPAP (formulários no Apêndice D, ou enviados em formato digital, se solicitados) à Madal Palfinger: Garantia de Apresentação de Peça; Relatório de Aprovação de Aparência; Resultados Dimensionais; Resultados de Testes de Material; Resultados de Desempenho. Apenas para fins de informação ao fornecedor, utilizaremos traduções locais dos formulários específicos. Se não houver advertência contrária expressa da Madal Palfinger, o fornecedor deve manter todos os documentos relacionados ao PPAP durante o tempo em que uma peça estiver ativa, mais um ano fiscal, mas pelo menos por 10 anos. Este requisito não substitui nenhum requisito governamental. Se o fornecedor não tiver certeza sobre o tempo pelo qual a peça está ativa, deve consultar a Madal Palfinger por escrito. (ver quadro na próxima página).

16 Validação do Processo e do Produto Desenvolvimen to do Processo Desenvolvimento do Produto TÍTULO Pág: 16/41 Fase 1 2 Requisitos Registro de projeto Produto à venda: - para componentes proprietários/detalhes - para todos os outros componentes/detalhes Documentos de Alteração de Engenharia, se houver Nível 1 Nível de Submissão Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5 R S S * R R R R * R 3 Aprovação da Engenharia do Cliente, se exigido R S S * R 4 FMEA de projeto (Ver ) R S S * R 5 Diagramas de Fluxo de Processo R S S * R 6 FMEA de Processo R S S * R 7 Resultados Dimensionais R S S * R 8 Material, Desempenho (Resultados de Ensaio) CP, CPK, MSA. R S S * R 9 Estudo Inicial de Processo R S S * R 10 Estudos de Análise dos Sistemas de Medição R S S * R 11 Documentação de Laboratório Qualificado R S S * R 12 Plano de Controle R S S * R Certificado de Submissão de Peça de Produção (PSW) Relatório de Aprovação de Aparência, (RAA) se aplicável Relação de Requisitos para Material a Granel (somente para PPAP de material a granel) S S S S R S S S * R R R R * R 16 Amostras de Produto R S S * R 17 Amostras Padrão (Ver ) R R R * R 18 Auxílios para Verificação R R R * R 19 Registros de Conformidade com Requisitos Específicos do Cliente R R S * R

17 Pág: 17/41 S O fornecedor deve apresentar à SQA designada da Madal Palfinger e manter uma cópia dos itens de registro ou documentação nos locais apropriados, inclusive na manufatura. R O fornecedor deve manter nos locais apropriados, inclusive na manufatura, e disponibilizá-lo imediatamente à Madal Palfinger mediante solicitação. * O fornecedor deve manter nos locais apropriados e apresentar à Madal Palfinger mediante solicitação RELATÓRIO DE APROVAÇÃO DE PEÇAS DE PRODUÇÃO O fornecedor deve garantir que os devidos registros de PPAP de uma peça substituída sejam incluídos ou referenciados no novo arquivo de PPAP. Todos os registros relacionados a seguir são requisitos da Madal Palfinger para todos os materiais de produção, materiais de consumo e também peças de serviço REGISTROS NA FASE DE DESENVOLVIMENTO DO PRODUTO Registros de Projeto O fornecedor deve ter todos os registros de projeto para o produto comercializável, inclusive registros de projeto para componentes ou detalhes do produto comercializável. Quando os dados de projeto estiverem em formato eletrônico por exemplo, dados matemáticos de CAD/CAM, desenhos de peças, especificações o fornecedor deve produzir uma cópia impressa para identificar as medidas tomadas. Para qualquer produto, peça ou componente comercializável, há apenas um registro de projeto, independentemente de quem tenha a responsabilidade pelo projeto (eventualmente a Madal Palfinger). O registro de projeto pode fazer referência a outros documentos, tornandoos parte do registro de projeto. Para materiais de consumo, os registros de projeto podem incluir a identificação de matérias-primas, formulações, etapas e parâmetros de processamento e especificações do produto final ou critérios de aceitação. Se os resultados dimensionais não forem aplicáveis, então os requisitos de CAD/CAM também não serão aplicáveis. Documentos de Alteração de Engenharia O fornecedor deve ter quaisquer documentos de alteração de engenharia autorizados que ainda não tenham sido registrados no

18 Pág: 18/41 registro de projeto, mas tenham sido incorporados ao produto, componente ou ferramental. Aprovação da Engenharia Quando for especificado pelo projeto, o fornecedor deve ter evidências da aprovação pela engenharia da Madal Palfinger. FMEA do Projeto O fornecedor deve ter uma FMEA (Failure Mode and Effects Analysis, Análise do Modo e dos Efeitos da Falha) de Projeto, desenvolvida de acordo com os requisitos da 3ª edição da QS-9000 e em conformidade com esta, para peças e materiais para os quais o fornecedor tenha responsabilidade pelo projeto. A interface com a FMEA da Madal Palfinger deve ser considerada pelo fornecedor. Entre em contato com o departamento de engenharia responsável da Madal Palfinger para obter mais informações REGISTROS NA FASE DE VALIDAÇÃO DO PRODUTO E DO PROCESSO Resultados Dimensionais O fornecedor deve fornecer evidências de que as verificações dimensionais exigidas no projeto do produto e no Plano de Controle foram realizadas e que os resultados indicam a conformidade aos requisitos especificados. O fornecedor deve ter os resultados dimensionais para cada processo de fabricação individual, por exemplo, células ou linhas de produção, e todas as cavidades, moldes, padrões ou matrizes. O fornecedor deve indicar a data do desenho do produto, nível da alteração e qualquer documento de alteração de engenharia autorizada que ainda não tenha sido incorporado ao projeto do produto para o qual a peça foi feita. O fornecedor deve identificar uma das peças medidas como sendo a amostra-padrão. O fornecedor deve registrar o nível da alteração, a data do desenho, o nome do fornecedor e o código da peça em todos os documentos auxiliares (por exemplo, resultados dos pontos de inspeção em um Centro de Medição, traçagem, folhas de tolerâncias). Todas as dimensões, características e especificações, conforme especificado no desenho do produto e no Plano de Controle, devem ser relacionadas em formato conveniente, com o registro dos resultados reais. O formulário de resultados dimensionais do Apêndice D pode ser utilizado para esta finalidade.

19 Pág: 19/41 Deve-se apresentar uma cópia do desenho com todas as dimensões, testes e/ou especificações identificados com um número único, o qual deve ser inserido no relatório dimensional. Os resultados dimensionais normalmente não se aplicam a materiais de consumo. Resultados de Testes de Material O fornecedor deve ter registros dos resultados de testes de materiais (formulário no Apêndice D) para os testes especificados no desenho do produto ou Plano de Controle. O fornecedor deve realizar testes para os materiais de todas as peças e produtos quando forem especificados requisitos químicos, físicos ou metalúrgicos no desenho do produto ou Plano de Controle. Todos os testes exigidos no desenho do produto e especificações relacionadas devem ser listados em formato conveniente, juntamente com a quantidade testada e os valores reais de cada teste. Indique também quaisquer documentos de alterações de engenharia autorizadas. Para produtos com especificações desenvolvidas pelo cliente e uma lista de subcontratados autorizados da Madal Palfinger, o fornecedor deve comprar materiais e/ou serviços (por exemplo, pintura, revestimento, tratamento térmico) de subcontratados que constem nessa lista. O relatório de teste do material deve indicar O nível de alteração do desenho do produto das peças testadas, data e nível de alteração das especificações em relação às quais as peças foram testadas. A data na qual o teste foi realizado. O nome do subcontratado para o material e, quando solicitado pela Madal Palfinger, seu código de fornecedor (da lista de subcontratados aprovados pela Madal Palfinger) para o material. Resultados de Testes de Desempenho O fornecedor deve manter registros dos resultados dos testes de desempenho (formulário no Apêndice D) para os testes especificados no desenho do produto ou Plano de Controle. O fornecedor deve realizar testes para os materiais de todas as peças e produtos quando forem especificados no desenho do produto ou Plano de Controle. O relatório de teste deve indicar:

20 Pág: 20/41 O nível de alteração do desenho do produto das peças testadas, data e nível de alteração das especificações em relação às quais as peças foram testadas. Quaisquer documentos de alterações de engenharia autorizados que ainda não tenham sido incorporados ao desenho do produto. A data na qual o teste foi realizado. Os resultados para todos os testes exigidos do desenho do produto ou nas especificações relacionadas devem ser relacionados em formato compreensível e incluírem a quantidade testada. Estudo Inicial do Processo O nível de capacidade ou desempenho iniciais do processo devem ser determinados como aceitáveis antes da apresentação de todas as características especiais designadas pela Madal Palfinger ou pelo fornecedor (se isso não tiver sido feito pela Madal Palfinger). O fornecedor deve realizar uma análise do sistema de medição para compreender como o erro de medição está afetando as medições de estudo. O estudo inicial do processo concentra-se apenas em dados variáveis (não em atributos). O objetivo do estudo inicial do processo é o de compreender a variação do processo. Estudos iniciais do processo são de curto prazo e não irão prever os efeitos do tempo e da variação das pessoas, materiais, métodos, equipamentos, sistemas de medição e ambiente. O fornecedor deve maximizar o número de peças produzidas durante a produção de peças piloto, para ter a maior quantidade de amostras possível, que serão utilizadas nos estudos de capacidade. A Madal Palfinger exige que um mínimo de 100 peças de produção sejam estudadas para determinar a capacidade preliminar do processo, salvo especificação contrária especificada pela SQA. Quando a Madal Palfinger especificar características especiais (S/C significativas e/ou C/C críticas; consulte o Apêndice A) e o uso anual estimado for inferior a 500 peças, o fornecedor deve efetuar inspeção de 100% e registrar os resultados. Para características especiais, a Madal Palfinger espera que o fornecedor utilize uma das seguintes técnicas para estudar a estabilidade do processo: gráficos de X-bar e R, n = 5, com plotagem de no mínimo 6 subgrupos ou Intervalo de X-Móvel individual com plotagem de no mínimo, 30 pontos de dados. Índices de Qualidade (para informações detalhadas, consulte o manual do SPC (CEP) da QS-9000): Quando dados de histórico estiverem disponíveis ou se houver dados iniciais suficientes para plotar um gráfico de controle (pelo menos 100

Manual da Qualidade Fornecedores 2007

Manual da Qualidade Fornecedores 2007 Manual da Qualidade Fornecedores 2007 www.metalurgicanunes.com.br 2 ÍNDICE 01 Introdução. 3 02 Filosofia da Qualidade 3 03 Políticas da Metalúrgica Nunes 4 04 Requisitos de Qualidade para fornecimento

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES Requisitos e diretrizes para o sistema de gestão da qualidade e ambiental Página 1 de 9 1. REQUISITOS ESPECÍFICOS... 3 1.1 Objetivo... 3 1.2 Geral... 3 1.3 Documentos

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8

REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8 REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Aplicação... 3 4. Documentos de Referência... 3 5. Sistema de Gestão... 3 6. Requisitos Gerais... 4 7. Requisitos Automotivos...

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA Agosto de 2009 Revisão 05 INDICE 1. Apresentação... 03 2. Política da Qualidade e Ambiental da Sultécnica... 03 3. Expectativa para Fornecedores...

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP.

Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP. Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP. FMEA, ISO/TS, APQP, PPAP Pretendemos, neste módulo, mostrar todas as ligações e vínculos existentes entre a ferramenta do

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL Publicado:Fevereiro 2012 ESCLARECIMENTO REFERENTE À ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ISO/TS 16949:2009 APLICÁVEL A MHBR BRASIL LTDA 1-Generalidade Este anexo da Qualidade

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO Página: 1/15 MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO Página: 2/15 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 5 1.1 Missão da empresa... 5 1.2 Política da Qualidade e Ambiental...5 1.3 Glossário... 6 2. DISPOSIÇÕES GERAIS...

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Manual da Qualidade para Fornecedores

Manual da Qualidade para Fornecedores Manual da Qualidade para Fornecedores Elaborado por: Indústrias Romi S.A. Departamento de Suprimentos Santa Bárbara d'oeste - SP 09 de Fevereiro de 2009 Edição C N.O.: 26-02 1 0019.C 2 SUMÁRIO GLOSSÁRIO...

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa 2 NBR ISO 10005:1997 1 Objetivo 1.1 Esta Norma fornece diretrizes para auxiliar os fornecedores na preparação, análise crítica, aprovação e revisão de planos da qualidade. Ela pode ser utilizada em duas

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores Este Manual é de propriedade da Martiaço Indústria Ltda. Sem autorização não pode ser distribuído ou copiado. SUMÁRIO 1. A EMPRESA... 3 2. OBJETIVO... 4

Leia mais

Manual da Qualidade e Desenvolvimento de Fornecedores Dana Holding Corporation LLC

Manual da Qualidade e Desenvolvimento de Fornecedores Dana Holding Corporation LLC Manual da Qualidade e Desenvolvimento de Fornecedores Dana Holding Corporation LLC Supplier Development Dana Holding Corporation LLC Agosto 2012 SUMÁRIO i. INTRODUÇÃO... 4 ii. CONDUTA EMPRESARIAL... 5

Leia mais

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001 Capítulo 8 Gerenciamento da Qualidade do Projeto O Gerenciamento da Qualidade do Projeto inclui os processos necessários para garantir que o projeto irá satisfazer as necessidades para as quais ele foi

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE 14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade da direção

Leia mais

www.megacursos.com.br O QUE É ISO?

www.megacursos.com.br O QUE É ISO? 1 O QUE É ISO? ISO significa International Organization for Standardization (Organização Internacional de Normalização), seu objetivo é promover o desenvolvimento de normas, testes e certificação, com

Leia mais

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP.

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CQ Consultoria Cirius Quality e Treinamento 1º Edição Interpretação da NBR ISO 9001:2008 Cirius Quality Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CEP: 09980-150 i www.ciriusquality.com.br e contato@ciriusquality.com.br

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br N786-1 ISO CD 9001 Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento N786-1 ISO CD 9001 para treinamento - Rev0 SUMÁRIO Página Introdução 4 0.1 Generalidades 4 0.2 Abordagem

Leia mais

Haldex. Manual do Fornecedor. Sistemas de Tração. Sistemas Hidráulicos. Sistemas para Veículos Comerciais. Arames Garphyttan

Haldex. Manual do Fornecedor. Sistemas de Tração. Sistemas Hidráulicos. Sistemas para Veículos Comerciais. Arames Garphyttan Haldex Manual do Fornecedor Sistemas de Tração Sistemas Hidráulicos Sistemas para Veículos Comerciais Arames Garphyttan 1 Esta é uma cópia não registrada. Sempre verifique sua validade junto a seu contato

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Uso Exclusivo em Treinamento

Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br ABNT NBR ISO 9001:2008 Uso Exclusivo em Treinamento SUMÁRIO 0. Introdução 2 0.1 Generalidades 2 0.2 Abordagem de processo 3 0.3 Relação com a norma NBR ISO 9004 5 0.4

Leia mais

Manual da Qualidade para Fornecedores MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES

Manual da Qualidade para Fornecedores MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 APLICAÇÃO... 3 3 SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES... 3 3.1 Empresas Certificadas... 4 3.2 Empresas não Certificadas... 4 3.3 Avaliação

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos)

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Curso e-learning FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

ISO 17025 Versão 2005

ISO 17025 Versão 2005 1º Fórum Regional de Química - ES ISO 17025 Versão 2005 Rev. 14 Samuel Vieira JUN/2010 1 Terminologia e Siglas ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e Vocabulário ABNT NBR

Leia mais

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS.

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Módulo 2 Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Conteúdos deste módulo Discriminação Decomposição da variação do sistema de medição Variação

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS

REQUISITOS ESPECÍFICOS REQUISITOS ESPECÍFICOS ALPINO Indústria Metalúrgica Ltda. Página 1 de 18; Revisado em Março/ 2014 ÍNDICE 1. Introdução 2. Política do Sistema de Gestão Integrado 3. Código de Conduta 4. Meio Ambiente 5.

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Gestão da Qualidade TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Interpretação / Implantação da ISO 9001:2008 Compreender a filosofia

Leia mais

Requisitos Específicos. Sampel Peças Automotivas

Requisitos Específicos. Sampel Peças Automotivas Requisitos Específicos Sampel Peças Automotivas REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 7 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Aplicação... 3 4. Documentos de Referência... 3 5. Sistema de Gestão...

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT Betim, 25 de Março de 2011 CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT Atualiza e substitui, a partir de 11/04/2011, a CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Betim, 30 de Março de 2015 CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Esta carta atualiza e substitui, a partir de 15/04/2015, a CARTA DE REQUISITOS

Leia mais

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025 FORMULÁRIO REVISÃO: 04 NOV/2008 Laboratório(s) avaliado(s): Nº Período de Avaliação: Data inicial da avaliação: / / Data término

Leia mais

Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda. Manual Do Fornecedor

Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda. Manual Do Fornecedor Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda Manual Do Fornecedor Revisão 08 21/03/2014 1 Sumário 1. Apresentação... 5 2. Generalidades... 5 3. Processo de Aprovação de Peça de Produção (PAPP)... 5 3.1 - Definição...

Leia mais

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA METALÚRGICA NAKAYONE LTDA Manual de Instruções Para Fornecedores Revisão Maio/2010 Código Capítulo CONTROLE DE REVISÃO Índice Pág. De M.DIR. 02-01 Instruções Preliminares 01 50 M.DIR. 02-02 Premissa 02

Leia mais

DIVISÃO DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO ORIENTAÇÃO PARA FORNECEDORES DO COMAER SOBRE A ATIVIDADE DA GARANTIA GOVERNAMENTAL DA QUALIDADE

DIVISÃO DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO ORIENTAÇÃO PARA FORNECEDORES DO COMAER SOBRE A ATIVIDADE DA GARANTIA GOVERNAMENTAL DA QUALIDADE DIVISÃO DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO ORIENTAÇÃO PARA FORNECEDORES DO COMAER SOBRE A ATIVIDADE DA GARANTIA GOVERNAMENTAL DA QUALIDADE Rev. Abril 2011 1 1 - Objetivo Orientar o fornecedor requerente

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR METALÚRGICA KNIF LTDA Junho/2013 1 REGISTRO DAS MODIFICAÇÕES REVISÃO DATA MOTIVO 00 02/04/09 Emissão do documento 01 05/08/09 Modificação dos itens 5.5 e 7.5 02 27/07/10

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO NBR ISO 9001:2008 INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO 8 Princípios para gestão da qualidade Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem de processos Abordagem sistêmica para a gestão Melhoria

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE

FERRAMENTAS DA QUALIDADE FERRAMENTAS DA QUALIDADE FEMEA Análise do Modo e Efeito das Falhas Desenvolvido pela Professora Patrícia Roggero 1 Análise do Modo e Efeito das Falhas Desenvolvido pela Professora Patrícia Roggero 2 -

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) Ao longo dos últimos anos, a Fundação Carlos Alberto Vanzolini vem trabalhando com a Certificação ISO 14000 e, com o atual processo de

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Este anexo aplica-se às certificações cujas quais não apresentam critérios específicos para definição de laboratórios no Programa de Avaliação da Conformidade. Nestes casos,

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo IV Integração

Gerenciamento de Projetos Modulo IV Integração Gerenciamento de Projetos Modulo IV Integração Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR MANUAL DO FORNECEDOR OBJETIVOS A FlexLink exige que todos os fornecedores desenvolvam sistemas com base nos Padrões Internacionais (ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS18001) tendo como objetivo a melhoria contínua

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL (com abordagem para Itens de Segurança) Manual Informativo Para Fornecedores MIF 02 QAS

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL (com abordagem para Itens de Segurança) Manual Informativo Para Fornecedores MIF 02 QAS SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL (com abordagem para Itens de Segurança) Manual Informativo Para Fornecedores MIF 02 QAS Elaboração e Aprovação: Departamento de Gestão da Qualidade e

Leia mais

01. A empresa e todos os seus funcionários têm a preocupação de atender as necessidades e expectativas dos clientes?

01. A empresa e todos os seus funcionários têm a preocupação de atender as necessidades e expectativas dos clientes? Questionário de auto-avaliação Nível 1 MÓDULO 1 - ADMINISTRAÇÃO 01. A empresa e todos os seus funcionários têm a preocupação de atender as necessidades e expectativas dos clientes? 02. A empresa tem definidos

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRAS

CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRAS - 1 de 6 CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRAS Revisão 2 26/01/2012 1 - PEDIDO 1.1 - Todo e qualquer pedido só será válido se tiver sido feito por escrito, provido das assinaturas das pessoas devidamente autorizadas,

Leia mais

Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011

Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011 Distribuidor: Associado: ISO 9001:2008 Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011 02 03 03 03 04 05 05 06 06 06 07 08 08 08 09 09 10 10 12 12 13 14 14 15 Índice Missão, visão, valores 1. O manual do fornecedor

Leia mais

2.1 Fornecedores...04. 2.2 Abrangência...05. 3.1 Homologação...05. 3.2 Documentos Obrigatórios...06. 4.1 Fornecedor de Tratamento Superficial...

2.1 Fornecedores...04. 2.2 Abrangência...05. 3.1 Homologação...05. 3.2 Documentos Obrigatórios...06. 4.1 Fornecedor de Tratamento Superficial... SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...04 2. OBJETIVO...04 2.1 Fornecedores...04 2.2 Abrangência...05 3. REQUISITOS...05 3.1 Homologação...05 3.2 Documentos Obrigatórios...06 4. SUBMISSÃO DE PPAP...07 4.1 Fornecedor

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade

Leia mais

Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido

Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido Nasario de S.F. Duarte Jr. (São Paulo, SP) Resumo: o objetivo deste artigo é ressaltar a importância de se estabelecer um sistema de

Leia mais

Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM*

Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM* Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM* (*organismos geneticamente modificados) 1ª Edição - Novembro 2006 Programa de Certificação de Alimentação Humana,

Leia mais

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 MANUAL FORNECEDORES A Fundimisa Fundição e Usinagem Ltda pretende com este Manual aprimorar a relação com seus fornecedores e padronizar informações entre as partes.

Leia mais

Manual de Requisitos. Específicos. Para Fornecedores MANUAL DE REQUISITOS ESPECIFICOS

Manual de Requisitos. Específicos. Para Fornecedores MANUAL DE REQUISITOS ESPECIFICOS Manual de Requisitos Específicos Para Fornecedores Elaborado por: Carlos Nascimento Aprovado por: Océlio Paggiatto Sistema da Qualidade Carlos Nascimento Océlio 02 2 SUMÁRIO: 1.0 Termo de Recebimento e

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANUAL DA QUALIDADE DE DOALPLASTIC INDUSTRIA E COMÉRCIO LTDA. MATRIZ: AVENIDA DIRCEU DIAS CARNEIRO, 151 DISTRITO INDUSTRIAL II - CEP 13457-198 SANTA BÁRBARA D' OESTE - SP - BRASIL FILIAL: AVENIDA MAESTRO

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos MB Consultoria Av. Constantino Nery, Nº 2789, Edifício Empire Center, Sala 1005 a 1008 Manaus - Amazonas - Brasil CEP: 69050-002 Telefones: (92) 3656.2452 Fax: (92) 3656.1695 e-mail: mb@netmb.com.br Site:

Leia mais

Introdução à ISO 9001 ano 2008

Introdução à ISO 9001 ano 2008 Introdução à ISO 9001 ano 2008 1. A FAMÍLIA DE NORMAS ISO 9000 1.1 Histórico A primeira Norma de Garantia da Qualidade foi publicada em 1979 pela British Standards Institution (BSI) em três partes como

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Revisão03 Maio,2011 ThyssenKrupp ManualdeFornecedores ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo PREFÁCIO O acirramento da competição global pela liderança e conquista de novos

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 12 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

ISO 9000 ISO 9001:2008

ISO 9000 ISO 9001:2008 ISO 9001:2008 QUALIDADE II ISO 9000 A ISO 9000 - Qualidade é o nome genérico utilizado pela série de normas da família 9000 (ISO) que estabelece as diretrizes para implantação de Sistemas de Gestão da

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo

REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo 1. Objetivo Este documento tem por objetivo comunicar os requisitos mínimos a todos os fornecedores de componentes, matérias

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 16 de Março de 2012 (RA-4901-797-E) 1

Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 16 de Março de 2012 (RA-4901-797-E) 1 Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 16 de Março de 2012 (RA-4901-797-E) 1 Conteúdo 1.0 Introdução 3 1.1 Escopo 3 1.2 Objetivo 3 1.3 Fundamentação 4 2.0 Requisitos do Sistema de Qualidade

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 15 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

DIS ISO 9001:2015 Publicado em Maio de 2014

DIS ISO 9001:2015 Publicado em Maio de 2014 DIS ISO 9001:2015 Publicado em Maio de 2014 Abordagem de Processos Risk-based thinking (Pensamento baseado em Risco) Anexo SL (Estrutura de Alto Nível) Anexo SL (Estrutura de Alto Nível) 1 - Escopo 2 -

Leia mais

Especificação Técnica ÍNDICE DE REVISÕES

Especificação Técnica ÍNDICE DE REVISÕES UNIDADE: GERAL 1 de 15 ÍNDICE DE REVISÕES Rev. 0 EMISSÃO INICIAL DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS 1 2 6.1.6-b inclusão: repetibilidade de 0,1% (zero virgula um por cento); 6.1.7 inclusão: Desvio padrão

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ 290.0339 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVAÇÃO CARLOS ROBERTO KNIPPSCHILD Gerente da Qualidade e Assuntos Regulatórios Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013

Leia mais

REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO

REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO 1 REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO 2 1. CARACTERIZAÇÃO DO SETOR 1.1. Definição do Gerenciamento A definição do gerenciamento pode ser dada sob diversos enfoques, dentre os quais destacamos o texto escrito por

Leia mais

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL 1. Prefácio 1.1 Dados gerais O presente acordo de qualidade assegurada (QSV) define as exigências de qualidade para os fornecedores da REHAU. Assim, o acordo de qualidade assegurada REHAU QSV é a norma

Leia mais

M A N U A L DA Q U A L I D A D E D O F O R N E C E D O R

M A N U A L DA Q U A L I D A D E D O F O R N E C E D O R M A N U A L DA Q U A L I D A D E D O F O R N E C E D O R Sem controle após a impressão SUMÁRIO 1. Objetivo Webdesk\Manual da Qualidade\Subsistema I Logística Pág. - 1 - de 23 2. Responsabilidade do Fornecedor

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E SERVIÇOS

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E SERVIÇOS CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E SERVIÇOS Este documento tem por finalidade regulamentar o fornecimento de equipamentos e serviços pela ENGEVAP ENGENHARIA E EQUIPAMENTOS LTDA., de acordo com a legislação em

Leia mais

Caderno de Encargos de Ferramental

Caderno de Encargos de Ferramental Caderno de Encargos de Ferramental TEV-MM-TLL 09.2009 Página 1 de 11 Índice 1. Objetivo 3 2. Procedimento 3 3. Escopo 3 4. Condições 4 5. Custos 4 6. Protótipo da ferramenta 4 7. Construção da ferramenta

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28 o. andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE AUDITORIA AMBIENTAL TIPOS DE AUDITORIA

CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE AUDITORIA AMBIENTAL TIPOS DE AUDITORIA CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE AUDITORIA AMBIENTAL A auditoria ambiental pode ser restrita a um determinado campo de trabalho ou pode ser ampla, inclusive, abrangendo aspectos operacionais, de decisão

Leia mais

MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO

MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO TECNOLOGIA, QUALIDADE E ENERGIA A SERVIÇO DA ECONOMIA. Engelétrica Indústria, Comércio e Serviços Elétricos Ltda. Rua Xavier da Rocha, 10 Vila Prudente

Leia mais

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT FOREST STEWARDSHIP COUNCIL INTERNATIONAL CENTER NORMA FSC Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT 2007 Forest Stewardship Council A.C. Todos

Leia mais

Manual de Fornecedores Blitz Rev. 7

Manual de Fornecedores Blitz Rev. 7 Sumário 1. Mensagem ao Fornecedor...- 2-2. Política da Qualidade...- 2-3. Objetivo do manual...- 2-4. Aplicação...- 3-5. Definições...- 3-6. Confidencialidade...- 3-7. Requisitos Gerais...- 4-8. Verificação

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Saúde e Segurança Ocupacional SAS é um certificado de conformidade com a norma:

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Saúde e Segurança Ocupacional SAS é um certificado de conformidade com a norma: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação * Revisão da documentação SAS conforme ABNT NBR ISO/IEC 17021:2011

Leia mais

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva Joel Alves da Silva, Diretor Técnico JAS-METRO Soluções e Treinamentos

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES 1/32 MANUAL DA QUALIDADE DE MAXION STRUCTURAL COMPONENTS Unidade de Cruzeiro-SP Rua Dr. Othon Barcellos, 83 - Centro CEP 12.730-900 Cruzeiro-SP Fone : (12) 3184-1000 Fax.: (12) 3144-0247 Este Manual foi

Leia mais

NPC 7 ATIVO IMOBILIZADO. Objetivo

NPC 7 ATIVO IMOBILIZADO. Objetivo NPC 7 ATIVO IMOBILIZADO Objetivo 1 O objetivo deste Pronunciamento é determinar o tratamento contábil para o ativo imobilizado. As principais questões na contabilização do ativo imobilizado são: a) a época

Leia mais