Fatores ergonômicos relacionados à saúde e à segurança em trabalhadores de um viveiro florestal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fatores ergonômicos relacionados à saúde e à segurança em trabalhadores de um viveiro florestal"

Transcrição

1 Fatores ergonômicos relacionados à saúde e à segurança em trabalhadores de um viveiro florestal Marília Dutra Massad Engenheira Agrônoma Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Norte de Minas Gerais (IFNMG Campus Salinas-MG) Ângelo Márcio Pinto Leite Engenheiro Florestal Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM Campus Diamantina-MG) Tiago Reis Dutra Engenheiro Florestal Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Norte de Minas Gerais (IFNMG Campus Salinas-MG) Resumo: O objetivo geral deste estudo foi o de avaliar os fatores ergonômicos potenciais de gerarem dor e desconforto em trabalhadores de um viveiro de produção de mudas clonais de eucalipto, em Curvelo-MG. O estudo foi desenvolvido em dezembro de 2009, por intermédio de entrevistas, observações in loco e avaliações ergonômicas. A pesquisa apontou que a jornada de trabalho é de 10 horas diárias, perfazendo 50 horas semanais. Foram identificados dores e desconfortos nas regiões do pescoço, dos ombros, dos braços, nas partes superior e inferior das costas, nas pernas e nos pés. Os trabalhadores estão expostos a condições climáticas adversas, além de, não receberem orientações quanto aos procedimentos necessários à segurança. Quanto ao Índice de Capacidade para o Trabalho, 33,33% dos trabalhadores apresentam boa condição para o trabalho e, 66,67% ótima condição. As doenças cardiovasculares estão presentes em 8,33% dos entrevistados e as músculos-esqueléticas em 50%. Palavras-chave: Ergonomia; Trabalho; Mudas. 1. Introdução O ambiente de trabalho é constituído por uma série de fatores que influenciam a qualidade de vida das pessoas e o resultado do próprio trabalho. A qualidade de vida no trabalho está relacionada com a introdução de fatores no ambiente que promovam o bem-estar à mobilização do pessoal, incluindo elementos organizacionais, ambientais e comportamentais, visando modificar aspectos do trabalho, a fim de criar uma situação nova, mais favorável à satisfação dos empregados e à produtividade da empresa (Fiedler et al., 2006). 1

2 Em um viveiro de produção de mudas, o trabalhador é um componente essencial envolvido em diversas atividades com exigência de posturas e pesos diferenciados (Alves et al., 2006). Para caracterizar a mão-de-obra e as condições de trabalho é preciso conhecer os fatores relacionados aos trabalhadores, bem como as condições de trabalho, saúde, segurança, entre outros aspectos. O conhecimento desses fatores é fundamental para que a área de trabalho, seu arranjo, equipamentos e ferramentas sejam bem adaptados às capacidades psicofisiológicas, antropométricas e biomecânicas do trabalhador, atingindo assim um bom desempenho, reduzindo a sobrecarga física, a fadiga, os erros, os acidentes, proporcionando maior conforto, satisfação e bem estar social (Fontana & Seixas, 2007). A adaptação do homem ao seu trabalho é bastante complexa e, neste contexto, a ergonomia parte do conhecimento do ser humano para projetar o ambiente de trabalho, ajustando-o às suas capacitações e limitações. A ergonomia visa a segurança, a satisfação e o bem-estar dos trabalhadores no seu relacionamento com os sistemas produtivos, tendo contribuído significativamente para a melhoria das condições de trabalho humano (Fontana & Seixas, 2007). Assim, a eficiência não deve ser tida como objetivo principal de uma empresa, já que isoladamente pode significar sacrifício e sofrimento dos trabalhadores, sendo isso inaceitável do ponto de vista ergonômico. Como a ergonomia visa em primeiro lugar ao bem estar do trabalhador, a eficiência virá como resultado de todo o processo (Iida, 2005). Ainda que seja um aspecto de caráter subjetivo, o nível de satisfação do trabalhador com a atividade desempenhada na empresa está diretamente ligado à sua motivação e perspectiva de aceitar novos desafios para o crescimento profissional, além de influenciar diretamente na produtividade, qualidade dos produtos e serviços prestados, número de acidentes, entre outros aspectos (Leite, 2002). Os trabalhadores de um viveiro de produção de mudas estão expostos a diversos riscos para sua integridade física como acidentes, aparecimento de lesões por esforços repetitivos e doenças ortomusculares (Lima et al., 2005), além de riscos psicológicos, podendo levá-los a acidentes e ao afastamento por períodos de tempo consideráveis, prejudicando não só a si mesmo e sua família mas, também, implicando em prejuízos para as empresas em virtude de, na maioria das vezes, não haver mão-de-obra treinada para substituir o acidentado, interferindo na produtividade. O trabalho que exige posturas diversificadas como o de produção de mudas pode trazer conseqüências para a saúde do trabalhador, sendo considerada postura nociva aquela que mais se afasta da posição de neutralidade funcional ou anatômica do segmento corporal. O aparecimento das dores e desconfortos deve-se, portanto, a movimentos repetitivos, posturas inadequadas e ao excesso de pressão (Silva et al., 2007). Para manter uma postura ou realizar um movimento, as articulações devem ser conservadas, tanto quanto possível, na sua posição neutra. Nessa posição, os músculos e 2

3 ligamentos que se estendem entre as articulações são tencionados o mínimo. Além disso, os músculos são capazes de liberar a força máxima, quando as articulações estão na posição neutra (Alves et al., 2006). A alta intensidade e a duração prolongada do trabalho físico e intelectual levam à fadiga. Além desses aspectos, fatores psicológicos como monotonia e a falta de motivação, fatores ambientais e sociais contribuem para o agravamento da situação. A sobrecarga ocorre quando as solicitações feitas sobre o indivíduo excedem a capacidade de resposta do mesmo, e isso depende do grau de liberdade que o operador dispõe para resolver o problema, da estratégia adotada para solucioná-lo e, também, dos conhecimentos e habilidades da pessoa (Iida, 2005). A avaliação do próprio trabalhador sobre sua capacidade para o trabalho é tão importante quanto avaliações clínicas especializadas. Para a avaliação da capacidade de execução do trabalho de um trabalhador, no presente ou em um futuro próximo, em função das exigências do estado de saúde, das exigências físicas e mentais é utilizado o Índice de Capacidade para o Trabalho (ICT). Esta metodologia auxilia no desenvolvimento de medidas para intervir, promover e manter a saúde, prevenindo perda da capacidade para o trabalho e desempemho profissional no futuro (Tuomi et al., 1997). Segundo Alves et al. (2002), a implementação de novas técnicas adaptadas à realidade ocupacional do trabalhador pode promover melhoria nas condições de trabalho e garantir sua satisfação e sua produtividade na empresa. A aplicação dos estudos ergonômicos nas operações de produção de mudas visa, portanto, amenizar a fadiga física e mental dos trabalhadores, além de aumentar a satisfação, a segurança e o bem-estar, levando, conseqüentemente, à melhoria da qualidade e produtividade no processo de produção de mudas. Neste contexto, o principal objetivo deste trabalho foi avaliar os fatores ergonômicos potenciais de gerar dor e desconforto em trabalhadores de um viveiro de produção de mudas, em Curvelo - MG. 2. Material e Métodos Este estudo foi desenvolvido em um viveiro de produção de mudas de eucalipto clonal, localizado no município de Curvelo-MG (S 18º 43 46, W 044º ), em dezembro de A jornada de trabalho diária do viveiro tem duração de 10 horas, iniciando às 7 horas e finalizando às 17 horas, com intervalo de 1 hora para almoço, de 11 às 12 horas, e café de 20 minutos, de 15 às 15:20 horas. Para a definição do número de indivíduos avaliados utilizou-se a metodologia proposta por Little (1997), nível mais rigoroso (A), objetivando uma adequada representatividade e confiabilidade nos resultados. A coleta de dados para a análise das condições gerais do 3

4 trabalho foi realizada por meio de um questionário específico e em forma de entrevista, no próprio local de trabalho. Tamanho da população Tamanho mínimo da amostra sugerido A (*)% B(*)% C(*)% 2 a a a a a a a maior que a a 2 (*) A mais rigoroso; B mediamente rigoroso; C menos rigoroso. QUADRO 1 Diretrizes 105 D para a seleção do tamanho da amostra. Fonte: Little (1997). Na avaliação de sintomas de dor e de desconforto foi utilizada a escala proposta por Corlett & Manenica (1980), a fim de identificar a parte do corpo do trabalhador mais susceptível aos sintomas (Figura 1). Para a caracterização qualitativa e quantitativa da intensidade da dor e de desconforto nas diferentes regiões do corpo dos trabalhadores foi utilizada a escala proposta pelo mesmo autor. 4

5 FIGURA 1 Diagrama para indicar partes do corpo onde se localizam as dores provocadas por problemas de postura. FONTE: Corlett e Manemica (1980) Extremamente confortável 2 Confortável 3 Pouco confortável 4 Médio 5 Pouco desconfortável 6 Desconfortável 7 Extremamente desconfortável Avaliou-se as atividades de coleta de miniestacas, estaqueamento do material vegetativo, preparo do substrato e enchimento dos tubetes, transporte das mudas para casa de vegetação e casa de sombra, e 1ª e 2ª seleções em aclimatação a céu aberto. As observações do ambiente de trabalho nos setores do viveiro durante a coleta de dados foram identificadas com o objetivo de analisar as condições ergonômicas gerais do 5

6 local, e condições biomecânicas: risco de lombalgia e lesões sucessivas devido à força e sobrecarga física; repetitividade; posturas inadequadas e uso ou não de ferramentas. O Índice de Capacidade para o Trabalho foi determinado por intermédio de questionários respondidos pelos trabalhadores do viveiro que atuam nos processos de produção durante a jornada de trabalho, conforme metodologia proposta por Tuomi et al. (1997). 3. Resultados e discussão As miniestacas confeccionadas no minijardim clonal com uso de uma tesoura afiada, exigem cerca de 4 a 6 cortes com essa ferramenta, acarretando uma repetitividade de movimento com as mãos, na posição de pinça. Após sua confecção, as miniestacas são acondicionadas em caixas pequenas de isopor contendo água gelada, localizadas no chão, embaixo dos caletões, exigindo uma postura inadequada da coluna lombar. Em seguida, o mesmo trabalhador faz o estaqueamento do material, a fim de possibilitar o revezamento de atividade. Os trabalhadores estão na maior parte do tempo com uma postura estática e em pé. A posição em pé apresenta vantagens de proporcionar grande mobilidade corporal; os braços e pernas alcançam os controles das máquinas e grandes distâncias, porém é altamente fatigante porque exige trabalho estático da musculatura (Iida, 2005). Na realidade, o corpo não fica totalmente estático, mas, oscilando, o que exige reposicionamentos, dificultando a realização de movimentos precisos. Nesta postura, o coração encontra maiores resistências para bombear sangue para os extremos do corpo e o consumo de energia torna-se elevado. Como a jornada de trabalho dos trabalhadores é de 10 horas, com 4 e 5 horas seguidas, respectivamente, de manhã e à tarde, na posição em pé, há um grande esforço das pernas, ocasionando o fechamento dos vasos capilares, o que interrompe o fluxo de nutrientes e oxigenação adequada e, conseqüentemente, causando fadigamento da musculatura destas. Nos setores de produção de miniestacas e estaqueamento, o trabalhador está exposto a frio, vento, chuva, neblina, radiação solar, jatos de nebulização e contato direto com o substrato. Desta forma, se torna importante o uso de capas de chuva, chapéu de abas largas, luvas e protetor solar, equipamentos de proteção individual que não foram encontrados no local, proporcionando um trabalho de riscos conforme as normas de segurança e saúde (Alonço et al., 2006). A não utilização de luvas durante a operação expõe o trabalhador a agentes químicos, acarretando problemas à pele, como alergias, eczema ou prurido. O trabalhador está exposto também ao risco ergonômico devido à realização do trabalho em pé, podendo ocasionar algum problema (lesão ou desconforto) na coluna, nas pernas e nos pés. Conforme o diagrama proposto por Corlett & Manenica (1980), foram identificados dor e desconforto nesse setor, provocados por problemas de postura, nas regiões: 6

7 pescoço (1), coxas (16 e 19), e pernas (17 e 20), na intensidade caracterizada pela escala do tipo Likert, como desconfortável (6). Sempre que uma pessoa trabalha em pé, é necessário dispor de um espaço livre sob a bancada ou a máquina, para que esta possa acomodar adequadamente as pernas e os pés. Isso permite uma aproximação do local de trabalho sem a necessidade de curvar o tronco ou esticar os membros superiores, além de permitir mudanças freqüentes de posturas e movimentação das pernas e dos pés. Segundo Iida (2005), o trabalho onde a repetitividade está presente com tarefas de ciclos pequenos, pode se tornar monótono tende a diminuir o nível de excitação do cérebro e, de todo o organismo, havendo a necessidade de modificação em sua execução (variação ou enriquecimento da tarefa). O trabalho repetitivo é um dos geradores de patologias de origem osteomusculares, além da fadiga, o que aumenta o risco de acidentes. Na realidade brasileira, os casos de Lesão por Esforços Repetitivos (LER) / Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT) constituem 65% dos casos de doenças ocupacionais reconhecidos pela Previdência Social, os quais a cada dia vêm aumentando, segundo o Núcleo de Saúde do Trabalhador, citado por Couto (2000). As atividades de preparo do substrato e enchimento de tubetes são feitas pelo mesmo trabalhador. Além disso, ele é responsável também por dispor as bandejas na bancada para o estaqueamento e pelo transporte das mudas até a casa de vegetação. O preparo do substrato baseia-se na medição em caixas plásticas e mistura em uma betoneira dos seguintes materiais: vermiculita expandida, fibra de côco e casca de arroz, na proporção de 1:1:1. A betoneira promove a mistura (homogeneização) de todo o material e, em seguida, ele é despejado numa caixa de madeira, rente ao solo, para se promover o enchimento dos tubetes. O substrato é coletado com uma pá da caixa de madeira e despejado no agitador de tubetes, onde antes de ser ligado, o trabalhador promove com as mãos um espalhamento do material para um prévio enchimento e, posteriormente, liga a máquina que por agitação completa a operação. Após desligá-la, o trabalhador promove batidas nas bandejas com as mãos no intuito de pressionar / compactar o substrato nos tubetes, garantindo o completo enchimento destes. Durante essas atividades o trabalhador não faz uso de luvas, óculos, máscara e protetor auricular, ficando exposto a agentes físicos e químicos, o pode levar à ocorrência de alergias, prurido e eczema, lesão no trato respiratório por inalação do material e, finalmente, comprometimento da audição. Após o enchimento das bandejas com o substrato, ao colocá-las no carrinho para o transporte à casa de vegetação e ao acomodá-las no chão no setor o trabalhador sustenta nos braços uma carga de aproximadamente 12 quilos, o que pode acarretar algum dano na coluna vertebral, ficando à mercê no que se refere à segurança e saúde ocupacional. O trabalho produz transformações no corpo dos trabalhadores, tanto em nível físico como mental, podendo ser profundamente maléfico quando estes ficam expostos a esforços 7

8 exaustivos e estressantes, gerando alienação, tensão e desgaste (Fiedler et al., 2007). Tal situação ocorre não por falta de legislação ou equipamentos de segurança adequados, mas pela falta de conscientização sobre o aspecto de prevenção de perdas, principalmente quanto aos acidentes e às doenças ocupacionais (Alonço et al., 2006), sendo estas acometidas tanto nos membros superiores como na coluna vertebral dos trabalhadores, constituindo numa das causas mais comuns dos sintomas músculo-esqueléticos relacionados ao trabalho. Durante a acomodação das bandejas no chão, o trabalhador adota uma postura inadequada com o encurvamento da coluna vertebral, podendo constituir um fator predisponente ou de comprometimento da saúde. Para Kroemer & Grandjean (2005), uma pessoa que se curva de modo a seu tronco ficar praticamente na horizontal, promove um efeito de alavanca e uma pressão muito grande nos discos da coluna lombar, podendo comprometer toda a região. Em qualquer atividade laboral pode não estar presente a relação entre trabalho e saúde, isso porque na maioria das atividades realizadas ocorre postura estática, esforço físico intenso, repetitivo e ritmos intensos de trabalho, sendo estas situações as causas mais comuns para o aparecimento ou agravamento de lesões, principalmente do sistema músculo-esquelético (Bogo et al., 2009). No setor de aclimatação a céu aberto as mudas passam pela 1ª e 2ª seleções, com a retirada de ramos laterais e classificação pelo tamanho e aparência. Nesta atividade, os trabalhadores são expostos a frio, chuva, neblina e radiação solar. O uso de chapéu de abas largas, luvas, protetor solar e ingestão de água freqüente se tornam de fundamental importância durante a operação. Os equipamentos de proteção individual são indispensáveis para a segurança do trabalhador durante o trabalho e deve-se orientar e treinar o trabalhador sobre o uso adequado de tais equipamentos (Alonço et al., 2006). Observou-se o trabalho em pé e sem apoio para estes, com repetitividade de movimentos com as mãos, utilizando-se uma tesoura afiada, na posição de pinça. Esta posição em pé parada é considerada fatigante ao organismo quando realizada por períodos prolongados. A fadiga é uma incapacidade de manutenção de produção de potência ou força durante contrações musculares repetidas, ocorrendo nas atividades nas quais o trabalho muscular é repetitivo e dinâmico ou, repetitivo e estático. A permanência em pé pode provocar câimbras, fadiga muscular de membros inferiores e fadiga generalizada quando caracterizada como trabalho estático, exigindo muito esforço da musculatura envolvida para manter essa postura, além de dificultar o uso dos próprios pés para o trabalho, prejudicando a saúde e segurança do trabalhador (Fiedler et al., 2008). Nesse setor, conforme o diagrama proposto por Corlett & Manenica (1980), foi identificado dor e desconforto, provocados por problemas de postura, nas regiões: pescoço (1), ombros (6 e 11), braço direito (7), costas-inferior (4), bacia (5), coxas (16 e 19), pernas 8

9 (17 e 20), tornozelos e pés (18 e 21), na intensidade caracterizada pela escala do tipo Likert, como desconfortável (6). É preciso levar em conta as características dos trabalhadores e do trabalho que se realiza, alcançando desse modo, maior eficiência produtiva, assim como maior grau de conforto e segurança na tarefa, proporcionando-se uma melhoria das condições de trabalho. Todos os funcionários avaliados trabalham em jornada de 10 horas diárias, totalizando 50 horas semanais, descumprindo a Constituição Federal de 1988, segundo a qual a duração do trabalho normal não deve ser superior a oito horas diárias e quarenta e quatro semanais. Os resultados para o Índice de Capacidade para o Trabalho (ICT) mostraram que 33,33% dos trabalhadores apresentam boa capacidade para o trabalho e 66,67% ótima capacidade. Conforme os trabalhadores, as operações desempenhadas exigem tanto esforço físico quanto mental, estando o desempenho produtivo atrelado tanto à saúde, quanto a estes aspectos. Com relação às doenças, observa-se que as patologias músculo-esqueléticas foram as mais comuns, encontradas em 50% dos trabalhadores, principalmente nas regiões do pescoço, ombro, braços, partes superior e inferior das costas, das pernas e dos pés. Esse fato provavelmente está relacionado com a postura dos trabalhadores durante as operações, a repetitividade das atividades, além da falta de uma ginástica laboral. As doenças cardiovasculares ocupam o segundo (2º) lugar, representando 8,33%. 4. Conclusões De maneira geral, a maioria dos trabalhos na empresa avaliada é realizada em condições adversas à segurança e à saúde dos trabalhadores constatando-se, muitas vezes, posturas inadequadas, atividades repetitivas, sobrecarga física, e ausência no uso correto de equipamentos de proteção. Todas as atividades avaliadas apresentam risco de lesão em pelo menos uma fase do ciclo e, em pelo menos uma articulação do corpo. Referências ALONSO, A.S.; MEDEIROS, C.A.; MEDEIROS, F.A.; WERNER, V. Análise ergonômica do trabalho em atividades desenvolvidas com uma roçadora manual motorizada. Ciência Rural, v.36, n.5, p , ALVES, J.U.; MINETTI, L.J.; SOUZA, A.P.; GOMES, J.M. Avaliação dos fatores humanos e condição de trabalhadores em viveiros florestais. Revista Árvore, v.26, n.1, p , ALVES, J.U.; SOUZA, A.P.; MINETTI, L.J.; GOMES, J.M.; SILVA, K.R.; MARÇAL, M.A.; SILVA, E.P. Avaliação biomecânica de atividades de produção de mudas de Eucalyptus ssp. Revista Árvore, v.30, n.3, p , BOGO, A.; CAÑELLAS, K.; ODEBRECHT, C.; FORCELINI, F. Avaliação de conforto ambiental nos espaços de trabalho de escritório de empresas em Blumenau SC. In: X Encontro Nacional e VI Encontro Latino Americano de Conforto no Ambiente Construído, Anais... Natal, v.único, CD-ROM. 9

10 CORLETT, E.N.; MANENICA, I. The effects and measurement of working postures. Applied Ergonomics, Trondheim, v.11, n.1, p.7-16, COUTO, H.A. Novas perspectivas na abordagem preventiva das LER/DORT: o fenômeno L.E.R. D.O.R.T. no Brasil: natureza, determinantes e alternativas das organizações e dos demais atores sociais para lidar com a questão. Belo Horizonte: Ergo, p. FIEDLER, N.C.; VENTUROLI, F.; MINETTI, L.J. Análise de fatores ambientais em marcenarias no Distrito Federal. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.10, n.3, p , FIEDLER, N.C.; FERREIRA, A.H.S.; VENTUROLI, F.; MINETTI, L.J. Avaliação da carga de trabalho físico exigido em operações de produção de mudas ornamentais no Distrito Federal-Estudo de caso. Revista Árvore, v.31, n.4, p , FIEDLER, N.C.; ALVES, R.T.; GUIMARÃES, P.P.; WANDERLEY, F.B. Análise da carga física de trabalho dos operadores em marcenarias no sul do Espírito Santo. Floresta, v.38, n.3, FONTANA, G.; SEIXAS, F. Avaliação ergonômica do posto de trabalho de modelos de Forwarder e Skidder. Revista Árvore, v.31, n.1, p.71-81, Iida, I. Ergonomia: projeto e produção. São Paulo: Ed. Edgard Blücher Ltda, p. KROEMER, K.H.E.; GRANDJEAN, E. Manual de Ergonomia: adaptando o trabalho ao homem. Porto Alegre: Bookman, p. LEITE, A.M.P. Análise da terceirização na colheita florestal no Brasil. Viçosa: Universidade Federal de Viçosa, p. Tese Doutorado. LIMA, J.S.S.; SOUZA, A.P.; MACHADO, C.C.; OLIVEIRA, R.B. Avaliação de alguns fatores ergonômicos nos tratores feller-buncher e skidder utilizados na colheita de madeira. Revista Árvore, v.29, n.1, p , LITTLE, A.D. Auditoria de meio ambiente, saúde ocupacional e segurança industrial. Fundamentos, habilidades e técnicas. São Paulo: Arthur D. Little, p. SILVA, E.P.; MINETTI, L.J.; SOUZA, A.P. Análise ergonômica do trabalho de coveamento semimecanizado para o plantio de eucalipto. Scientia Forestalis, n.76, p.77-83, TUOMI, K.; ILMARINE, J.; JAHKOLA, A.; KATAJARINNE, L.; TULKKI, A. Índice de capacidade para o trabalho. In: F.M.E.A. Tradução: Frida Marina Fischer. Ed. Helsinki: Instituto de Saúde Ocupacional da Finlândia, p. 10

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

Análise de fatores ergonômicos em um salão de beleza da cidade de Horizontina.

Análise de fatores ergonômicos em um salão de beleza da cidade de Horizontina. Análise de fatores ergonômicos em um salão de beleza da cidade de Horizontina. Diana Michele Pilz (FAHOR) dp000682@fahor.com.br Ricardo Muller (FAHOR) rm000820@fahor.com.br Luciéli Della Flora (FAHOR)

Leia mais

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte LER/DORT Dr. Rodrigo Rodarte Há dois lados em todas as questões (Pitágoras, 410 445 a.c.) Definição: As L.E.R. são Lesões por Esforços Repetitivos (definição mais antiga) A D.O.R.T. (conhecidas como doenças

Leia mais

ERGONOMIA. FACCAMP Tecnologia em Segurança no Trabalho Profº Vitorino

ERGONOMIA. FACCAMP Tecnologia em Segurança no Trabalho Profº Vitorino FACCAMP Tecnologia em Segurança no Trabalho Profº Vitorino O que é ergonomia? (e não ergonometria e muito menos ergologia) Adaptação do trabalho ao ser humano: O trabalho tem todo um pano de fundo de sofrimento:

Leia mais

Estudo de efeitos e causas do esforço físico em diversas áreas de trabalho enfatizando o campo agrário florestal

Estudo de efeitos e causas do esforço físico em diversas áreas de trabalho enfatizando o campo agrário florestal Estudo de efeitos e causas do esforço físico em diversas áreas de trabalho enfatizando o campo agrário florestal Jadir Vieira da Silva Estudante de Graduação do Curso Superior de Silvicultura IFMG campus

Leia mais

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos ERGONOMIA ERGONOMIA relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e conhecimentos de anatomia, fisiologia e psicologia na solução dos problemas surgidos deste relacionamento. Em

Leia mais

XX Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 à 24 de Outubro de 2014

XX Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 à 24 de Outubro de 2014 XX Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 à 24 de Outubro de 2014 AVALIAÇÃO DO OPERADOR NO POSTO DE TRABALHO DO TRATOR AGRÍCOLA DURANTE O PREPARO DO SOLO Mara Alice Maciel dos Santos

Leia mais

ERGONOMIA: ATIVIDADES QUE COMPROMETEM A SAÚDE DO TRABALHADOR

ERGONOMIA: ATIVIDADES QUE COMPROMETEM A SAÚDE DO TRABALHADOR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ERGONOMIA: ATIVIDADES QUE COMPROMETEM A SAÚDE DO TRABALHADOR Danielle Satie Kassada 1 ; Fernando Luis Panin Lopes 2 ; Daiane Ayumi Kassada 3 RESUMO: O

Leia mais

Avaliação ergonômica dos postos de trabalho dos funcionários de uma lavanderia industrial área industrial

Avaliação ergonômica dos postos de trabalho dos funcionários de uma lavanderia industrial área industrial Avaliação ergonômica dos postos de trabalho dos funcionários de uma lavanderia industrial área industrial Paolo Cinque Pequini (Faculdade Área 1) ppeqhini@cpunet.com.br Carlos Brasileiro (Faculdade Área

Leia mais

LER/DORT. www.cpsol.com.br

LER/DORT. www.cpsol.com.br LER/DORT Prevenção através s da ergonomia DEFINIÇÃO LER: Lesões por Esforços Repetitivos; DORT: Doenças Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho; São doenças provocadas pelo uso inadequado e excessivo

Leia mais

Biomecânica como ferramenta ergonômica para análise do trabalho florestal

Biomecânica como ferramenta ergonômica para análise do trabalho florestal Biomecânica como ferramenta ergonômica para análise do trabalho florestal Autores Angelo Casali de Moraes - Eng. Florestal - UFV (angelo.moraes@ufv.br) Luciano José Minette - Eng. Florestal UFV (minette@ufv.br)

Leia mais

Carina Cristiane Teodoro Pierini¹; Terezinha Gomes Faria²

Carina Cristiane Teodoro Pierini¹; Terezinha Gomes Faria² V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 7 CONTRIBUIÇÕES DA GINÁSTICA LABORAL PARA A MELHORIA DA CONDIÇÃO FÍSICA DOS ORIENTADORES DE ESTACIONAMENTO REGULAMENTADO

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R O QUE SÃO AS LESÕES POR ESFORÇOS REPETITIVOS LER são doenças do trabalho provocadas pelo uso inadequado e excessivo do

Leia mais

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE UM ESTUDO QUANTO À APLICABILLIDADE DO PROGRAMA PARA COLETORES DE LIXO DO MUNICÍPIO DE NITERÓI ALESSANDRA ABREU LOUBACK, RAFAEL GRIFFO

Leia mais

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 NR 17 - ERGONOMIA Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ROTATIVIDADE PESSOAL EM INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO DE CARNES COM INTERVENÇÃO ERGONÔMICA NO PROCESSO

AVALIAÇÃO DA ROTATIVIDADE PESSOAL EM INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO DE CARNES COM INTERVENÇÃO ERGONÔMICA NO PROCESSO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 AVALIAÇÃO DA ROTATIVIDADE PESSOAL EM INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO DE CARNES COM INTERVENÇÃO ERGONÔMICA NO PROCESSO José Maximiano Candido Neto 1, Rafael

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

Ergo (trabalho) Nomos (regras)

Ergo (trabalho) Nomos (regras) ERGONOMIA Ergo (trabalho) Nomos (regras) Ergonomia é o estudo do relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamentos, ferramentas e ambiente, visando à solução dos problemas surgidos desse relacionamento

Leia mais

AVALIAÇÃO ERGONÔMICA: APLICAÇÃO DO MÉTODO OWAS EM UMA LOJA DE CALÇADOS

AVALIAÇÃO ERGONÔMICA: APLICAÇÃO DO MÉTODO OWAS EM UMA LOJA DE CALÇADOS AVALIAÇÃO ERGONÔMICA: APLICAÇÃO DO MÉTODO OWAS EM UMA LOJA DE CALÇADOS Mariana de Barros Cruz Pereira Mota (UCAM) marianamota01@hotmail.com Mayara Ribeiro Castilho (UCAM) mayararc2005@hotmail.com Leandro

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

Sintomas da LER- DORT

Sintomas da LER- DORT LER-DORT A LER e DORT são as siglas para Lesões por Esforços Repetitivos e Distúrbios Osteo-musculares Relacionados ao Trabalho. Os termos LER/DORT são usados para determinar as afecções que podem lesar

Leia mais

DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO EM PROFISSIONAIS DA LIMPEZA

DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO EM PROFISSIONAIS DA LIMPEZA DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO EM PROFISSIONAIS DA LIMPEZA ROSEMARA SANTOS DENIZ AMARILLA (1), BRUNO BORSATTO (2), RODRIGO EDUARDO CATAI (3) (1) Mestrado em Engenharia Civil / UTFPR

Leia mais

AVALIAÇÃO BIOMECÂNICA DE ATIVIDADES DE PRODUÇÃO DE MUDAS DE Eucalyptus ssp. 1

AVALIAÇÃO BIOMECÂNICA DE ATIVIDADES DE PRODUÇÃO DE MUDAS DE Eucalyptus ssp. 1 331 AVALIAÇÃO BIOMECÂNICA DE ATIVIDADES DE PRODUÇÃO DE MUDAS DE Eucalyptus ssp. 1 José Urbano Alves 2, Amaury Paulo de Souza 3, Luciano José Minette 4, José Mauro Gomes 3, Kátia Regina da Silva 5, Marcio

Leia mais

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Ms. João Eduardo de Azevedo Vieira Fisioterapeuta (PUC-PR / 2000) Esp. Fisiologia do Exercício e do Desporto (IBPEX / 2001) Esp. Fisioterapia do Trabalho

Leia mais

AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL

AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL Junior, A. C. de J. Sebastião, J. S. Pimentel, E. S. Moreira, R. S. T.. RESUMO A área da ginástica laboral vem crescendo bastante

Leia mais

Mairá Moreno Lima. Rangel de Andrade Silva FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. Usina Hidroelétrica de Porto Colômbia, Planura, Minas Gerais

Mairá Moreno Lima. Rangel de Andrade Silva FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. Usina Hidroelétrica de Porto Colômbia, Planura, Minas Gerais ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DE TRABALHADORES DO SETOR ADMINISTRATIVO DA EMPRESA FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A., UNIDADE DE PORTO COLÔMBIA, PLANURA,

Leia mais

DISCUSSÕES SOBRE ERGONOMIA E CONFORTO TÉRMICO EM RELAÇÃO AO VESTUÁRIO. Maristela Gomes de Camargo

DISCUSSÕES SOBRE ERGONOMIA E CONFORTO TÉRMICO EM RELAÇÃO AO VESTUÁRIO. Maristela Gomes de Camargo DISCUSSÕES SOBRE ERGONOMIA E CONFORTO TÉRMICO EM RELAÇÃO AO VESTUÁRIO Maristela Gomes de Camargo Resumo: Este estudo discute os aspectos de usabilidade e ergonomia relacionados ao conforto térmico; e o

Leia mais

Análise postural dos operadores de uma fábrica de tijolos: aplicação do Método de NIOSH

Análise postural dos operadores de uma fábrica de tijolos: aplicação do Método de NIOSH Análise postural dos operadores de uma fábrica de tijolos: aplicação do Método de NIOSH Caroline PASSOS 1 ; Débora RODRIGUES 2 ; Rafaela LEITE 3 ; Wemerton EVANGELISTA 4. 1 Estudante de Engenharia de Produção.

Leia mais

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva.

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidades: Entender os benefícios

Leia mais

ANAIS DO X ENCONTRO NACIONAL DE TRADUTORES & IV ENCONTRO INTERNACIONAL DE TRADUTORES (ABRAPT-UFOP, Ouro Preto, de 7 a 10 de setembro de 2009)

ANAIS DO X ENCONTRO NACIONAL DE TRADUTORES & IV ENCONTRO INTERNACIONAL DE TRADUTORES (ABRAPT-UFOP, Ouro Preto, de 7 a 10 de setembro de 2009) 909 A carência de cuidados na prevenção de DORT na atuação do intérprete de LIBRAS Judith Vilas Boas Santiago (Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais) Juliano Salomon de Oliveira (Universidade

Leia mais

Márcia de Matos, Acadêmica Ana Regina de Aguiar Dutra, Dra. INTRODUÇÃO

Márcia de Matos, Acadêmica Ana Regina de Aguiar Dutra, Dra. INTRODUÇÃO PROJETO DE UMA FERRAMENTA PARA A COLETA E TRANSPORTE DE LIXO A SER UTILIZADA PELOS GARIS NOS MORROS DE FLORIANÓPOLIS, A PARTIR DAS METODOLOGIAS ERGONÔMICAS E DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO. Márcia de Matos,

Leia mais

A GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO SETOR DE COZINHA EM RESTAURANTES

A GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO SETOR DE COZINHA EM RESTAURANTES A GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO SETOR DE COZINHA EM RESTAURANTES Alexandre Crespo Coelho da Silva Pinto Fisioterapeuta Mestrando em Engenharia de Produção UFSC

Leia mais

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE TAUBATÉ

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE TAUBATÉ TÍTULO: PREVALÊNCIA DE DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADO AO TRABALHO EM CIRURGIÕES-DENTISTAS ATUANTES NA REDE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE CAÇAPAVA-SP CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

A relação trabalho, fábricas, máquinas, homens e(m) movimento há alguns

A relação trabalho, fábricas, máquinas, homens e(m) movimento há alguns TÍTULO:PROMOVENDO E RECUPERANDO A SAÚDE DO TRABALHADOR NA EMPRESA: GINÁSTICA LABORAL E CORREÇÃO FUNCIONAL NA ELECTROLUX DO BRASIL. AUTORES: DUARTE, A. C. G. O.; OLIVEIRA, S. B.; ARRUDA, E. A. B.; VENÂNCIO,

Leia mais

ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM

ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM ROSÂNGELA MARION DA SILVA 1 LUCIMARA ROCHA 2 JULIANA PETRI TAVARES 3 O presente estudo, uma pesquisa descritiva bibliográfica, tem por

Leia mais

Ginástica Laboral Realizada no Hospital Cristo Rei Ibipora PR. Sidnei Luiz Alves e Aldeviro Cardoso

Ginástica Laboral Realizada no Hospital Cristo Rei Ibipora PR. Sidnei Luiz Alves e Aldeviro Cardoso Ginástica Laboral Realizada no Hospital Cristo Rei Ibipora PR Sidnei Luiz Alves e Aldeviro Cardoso Resumo No seu contexto geral a Ginástica Laboral procura promover a saúde e melhorar as condições dos

Leia mais

Aplicação da equação do NIOSH para uma análise ergonômica em um mercado hortifruti.

Aplicação da equação do NIOSH para uma análise ergonômica em um mercado hortifruti. Aplicação da equação do NIOSH para uma análise ergonômica em um mercado hortifruti. Luciana MENDONÇA 1 ; Marislaine COSTA 1 ; Poliane LOPES 1 ; Valdevan MORAIS 1 ; Wemerton LUIS 2. 1 Estudante de Engenharia

Leia mais

ESTUDO SOBRE OS SINTOMAS DAS LER/DORT EM OPERADORES DE COMPUTADORES NA CIDADE DE SANTA MARIA (RS).

ESTUDO SOBRE OS SINTOMAS DAS LER/DORT EM OPERADORES DE COMPUTADORES NA CIDADE DE SANTA MARIA (RS). ESTUDO SOBRE OS SINTOMAS DAS LER/DORT EM OPERADORES DE COMPUTADORES NA CIDADE DE SANTA MARIA (RS). Daniel Donida Schlottfeldt Graduando de Engenharia de Produção e Tecnologia de Segurança no Trabalho UNISA

Leia mais

TRABALHADOR NA APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS

TRABALHADOR NA APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS TRABALHADOR NA APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS CONSELHO DELIBERATIVO DO SENAR Presidente do Conselho Deliberativo João Martins da Silva Júnior Secretário Executivo Daniel Klüppel Carrara Chefe do Departamento

Leia mais

LEVANTAMENTO DAS DEMANDAS ERGONÔMICAS NO SETOR DE PRENSAS ELETRO-HIDRÁULICAS EM UMA EMPRESA DE CONFECÇÃO DE LOUÇAS DE METAL

LEVANTAMENTO DAS DEMANDAS ERGONÔMICAS NO SETOR DE PRENSAS ELETRO-HIDRÁULICAS EM UMA EMPRESA DE CONFECÇÃO DE LOUÇAS DE METAL LEVANTAMENTO DAS DEMANDAS ERGONÔMICAS NO SETOR DE PRENSAS ELETRO-HIDRÁULICAS EM UMA EMPRESA DE CONFECÇÃO DE LOUÇAS DE METAL Jonhatan Magno Norte da Silva (UFCG) Jonhatanmagno@hotmail.com IALY CORDEIRO

Leia mais

O uso de práticas ergonômicas e de ginástica laboral nas escolas

O uso de práticas ergonômicas e de ginástica laboral nas escolas O uso de práticas ergonômicas e de ginástica laboral nas escolas Dessyrrê Aparecida Peixoto da Silva¹; Júlio César dos Santos² ¹Estudante de Engenharia de Produção, Bolsista de Extensão Universitária (PIBEX)

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UTILIZANDO A GINÁSTICA LABORAL

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UTILIZANDO A GINÁSTICA LABORAL QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UTILIZANDO A GINÁSTICA LABORAL Alessandra Prado de Souza, Ana Eliza Gonçalves Santos, Jaciara Nazareth Campos Palma, Karine Aparecida Silvério, Leonardo Ferreira, Matheus

Leia mais

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Objetivo Objetivo Apresentar os conceitos científicos sobre o Risco Ergonômico e sua relação com o corpo humano. Fazer

Leia mais

GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto

GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto OFICINA PRÁTICA Aprenda a ministrar aulas de ginástica laboral GINÁSTICA LABORAL - Objetivos e benefícios do programa - Formas de aplicação atualmente - Periodização

Leia mais

Palavras-chaves: Ergonomia, costureiras, ERA.

Palavras-chaves: Ergonomia, costureiras, ERA. ANÁLISE DOS RISCOS ERGONÔMICOS EM COSTUREIRAS UTILIZANDO O SOFTWARE ERA (ERGONOMIC RISK ANALYSIS) EM UMA EMPRESA DO PÓLO DE CONFECÇÕES DO AGRESTE DE PERNAMBUCO Rafaela Barbosa de Sena (FIR) rafabsena@yahoo.com.br

Leia mais

Título: Modelo Bioergonomia na Unidade de Correção Postural (Total Care - AMIL)

Título: Modelo Bioergonomia na Unidade de Correção Postural (Total Care - AMIL) Projeto: Unidade de Correção Postural AMIL Título: Modelo Bioergonomia na Unidade de Correção Postural (Total Care - AMIL) Autores: LACOMBE,Patricia, FURLAN, Valter, SONSIN, Katia. Instituição: Instituto

Leia mais

GINÁSTICA LABORAL OUTRAS DENOMINAÇÕES

GINÁSTICA LABORAL OUTRAS DENOMINAÇÕES GINÁSTICA LABORAL GYMNASTIKÉ = Arte de exercitar o corpo LABOR = Trabalho OUTRAS DENOMINAÇÕES - Ginástica Ocupacional - Cinesioterapia Laboral - Ginástica do trabalho Sua prática é responsável pela redução

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SOBRE A GINÁSTICA LABORAL

A PERCEPÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SOBRE A GINÁSTICA LABORAL 10. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

ESTUDO ERGONÔMICO NO SETOR DE CAIXA DE UM SUPERMERCADO DE MÉDIO PORTE EM QUISSAMÃ/RJ: UM ESTUDO DE CASO.

ESTUDO ERGONÔMICO NO SETOR DE CAIXA DE UM SUPERMERCADO DE MÉDIO PORTE EM QUISSAMÃ/RJ: UM ESTUDO DE CASO. ESTUDO ERGONÔMICO NO SETOR DE CAIXA DE UM SUPERMERCADO DE MÉDIO PORTE EM QUISSAMÃ/RJ: UM ESTUDO DE CASO. Brenno Rangel Cavalcante (UCAM) brenno_rangel@hotmail.com breno mota medeiros (UCAM) br-mm89@hotmail.com

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 QUESTÃO 31 Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, obedecendo ao Quadro II da NR- 4, subitem 4.4, com redação dada pela Portaria nº

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CARGA FÍSICA DE TRABALHO EXIGIDA EM ATIVIDADES DE FABRICAÇÃO DE MÓVEIS NO DISTRITO FEDERAL

AVALIAÇÃO DA CARGA FÍSICA DE TRABALHO EXIGIDA EM ATIVIDADES DE FABRICAÇÃO DE MÓVEIS NO DISTRITO FEDERAL Avaliação da carga física de trabalho exigida em atividades de fabricação de... 117 AVALIAÇÃO DA CARGA FÍSICA DE TRABALHO EXIGIDA EM ATIVIDADES DE FABRICAÇÃO DE MÓVEIS NO DISTRITO FEDERAL Nilton Cesar

Leia mais

PREVDORT - Projeto de Prevenção de DORTs

PREVDORT - Projeto de Prevenção de DORTs 1 PREVDORT - Projeto de Prevenção de DORTs 1. RESUMO Sara Cristina Freitas de Oliveira O PREVDORT - Projeto de Prevenção de DORTs é um projeto vinculado à Diretoria de Programas Comunitários da Pró- Reitoria

Leia mais

Adaptação do trabalho às pessoas.

Adaptação do trabalho às pessoas. NR- 17 Estabelece parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto, segurança e desempenho

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS COLABORADORES ATRAVÉS DA BIOMECÂNICA OCUPACIONAL

AVALIAÇÃO DOS COLABORADORES ATRAVÉS DA BIOMECÂNICA OCUPACIONAL AVALIAÇÃO DOS COLABORADORES ATRAVÉS DA BIOMECÂNICA OCUPACIONAL Daniela da Maia José Marques de Carvalho Júnior Antonio Vinicius Soares 2010 INTRODUÇÃO É um laboratório especializado em análise biomecânica

Leia mais

ESTUDO DE CASO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE CONTROLE ERGONÔMICO EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL

ESTUDO DE CASO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE CONTROLE ERGONÔMICO EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL ESTUDO DE CASO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE CONTROLE ERGONÔMICO EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL Márcio Alves Marçal 1,2, Ph.D. Cláudia Ferreira Mazzoni 2, Ph.D. Aguinaldo Diniz Filho 3 1 Centro Universitário

Leia mais

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade 13 Epidemiologia e Flexibilidade: Aptidão Física Relacionada à Promoção da Saúde Gláucia Regina Falsarella Graduada em Educação Física na Unicamp Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Leia mais

NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS. Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila

NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS. Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS Alunos: Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila NR 7 PCMSO - PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Esta Norma Regulamentadora - NR

Leia mais

A ERGONOMIA NA SALA DE AULA: UMA ABORDAGEM SOBRE A SÍNDROME DO IMPACTO DO OMBRO NO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA

A ERGONOMIA NA SALA DE AULA: UMA ABORDAGEM SOBRE A SÍNDROME DO IMPACTO DO OMBRO NO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA A ERGONOMIA NA SALA DE AULA: UMA ABORDAGEM SOBRE A SÍNDROME DO IMPACTO DO OMBRO NO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA Pedro Ferreira Reis Antonio Renato Pereira Moro 1 Introdução No mundo contemporâneo, percebe-se

Leia mais

Adaptação do trabalho ao homem. Pessoas diferentes Capacidades físicas e mentais diferentes.

Adaptação do trabalho ao homem. Pessoas diferentes Capacidades físicas e mentais diferentes. Adaptação do trabalho ao homem. Pessoas diferentes Capacidades físicas e mentais diferentes. Tarefas que exijam elevada acuidade visual Visão desfocada e sensação de olhos a arder. Teclar de forma incorrecta

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA NR 17

NORMA REGULAMENTADORA NR 17 NORMA REGULAMENTADORA NR 17 NORMA REGULAMENTADORA - NR 17 ERGONOMIA 17.1. Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características

Leia mais

TRABALHADOR NA ORDENHA MANUAL

TRABALHADOR NA ORDENHA MANUAL TRABALHADOR NA ORDENHA MANUAL CONSELHO DELIBERATIVO DO SENAR Presidente do Conselho Deliberativo João Martins da Silva Júnior Secretário Executivo Daniel Klüppel Carrara Chefe do Departamento de Educação

Leia mais

Qualidade de vida no trabalho o papel da ginástica laboral

Qualidade de vida no trabalho o papel da ginástica laboral Qualidade de vida no trabalho o papel da ginástica laboral Márcia de Ávila e Lara Estudante do curso de Educação Física - (UFV) - avilaelara@yahoo.com.br Felipe Alves Soares Estudante do curso de Educação

Leia mais

Controle e Mapeamento de Doenças Ósteo-musculares. José Waldemir Panachão Médico do Trabalho Health Total - TRF3

Controle e Mapeamento de Doenças Ósteo-musculares. José Waldemir Panachão Médico do Trabalho Health Total - TRF3 Controle e Mapeamento de Doenças José Waldemir Panachão Médico do Trabalho Health Total - TRF3 O porque da realização do controle no TRF da 3ª região : 1. Procura espontânea dos Servidores 2. Processos

Leia mais

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura Cuidando da Coluna e da Postura Texto elaborado por Luciene Maria Bueno Coluna e Postura A coluna vertebral possui algumas curvaturas que são normais, o aumento, acentuação ou diminuição destas curvaturas

Leia mais

Norma Regulamentadora NR 17

Norma Regulamentadora NR 17 Norma Regulamentadora NR 17 17.1. Esta Norma Regulamentadora visa estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo

Leia mais

Higiene do Trabalho. Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho ERGONOMIA. Programa de Higiene do Trabalho GESTÃO DE PESSOAS. 3o bimestre / 2013

Higiene do Trabalho. Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho ERGONOMIA. Programa de Higiene do Trabalho GESTÃO DE PESSOAS. 3o bimestre / 2013 GESTÃO DE PESSOAS CEFET-MG / DIVINÓPOLIS 3o bimestre / 2013 Prof. MSc. Antônio Guimarães Campos Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho Higiene do Trabalho Conjunto de normas e procedimentos que visa

Leia mais

Avaliação biomecânica do trabalho de extração manual de madeira em áreas acidentadas

Avaliação biomecânica do trabalho de extração manual de madeira em áreas acidentadas Scientia Forestalis Avaliação biomecânica do trabalho de extração manual de madeira em áreas acidentadas Biomechanical evaluation of manual timber removal work in mountainous areas Emília Pio da Silva¹,

Leia mais

Análise de DORT na instalação de forros térmicos através da Análise Ergonômica do Trabalho

Análise de DORT na instalação de forros térmicos através da Análise Ergonômica do Trabalho Análise de DORT na instalação de forros térmicos através da Análise Ergonômica do Trabalho Lizandra Garcia Lupi Vergara (UTESC) lizandra@eps.ufsc.br Lúcia Lunelli (UTESC) lucialunelli@ig.com.br Wagner

Leia mais

Programas de Promoção de Saúde Para o Trabalhador Escolar: Ginástica Laboral e Controle do Estresse

Programas de Promoção de Saúde Para o Trabalhador Escolar: Ginástica Laboral e Controle do Estresse 12 Programas de Promoção de Saúde Para o Trabalhador Escolar: Ginástica Laboral e Controle do Estresse Ricardo Martineli Massola Mestre em Qualidade de Vida, Saúde Coletiva e Atividade Física na UNICAMP

Leia mais

SECRETARIA DE RESSOCIALIZAÇÃO. Programa de Alívio e Relaxamento do Estresse

SECRETARIA DE RESSOCIALIZAÇÃO. Programa de Alívio e Relaxamento do Estresse SECRETARIA DE RESSOCIALIZAÇÃO Programa de Alívio e Relaxamento do Estresse SUMÁRIO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS EXECUÇÃO CONDIÇÕES GERAIS JUSTIFICATIVA As facilidades e a agitação da vida moderna trouxeram

Leia mais

Qualidade de vida laboral

Qualidade de vida laboral Qualidade de vida laboral Qualidade de vida laboral INTRODUÇÃO: Prevenir doenças ocupacionais (DORT Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho / LER Lesões por Esforços Repetitivos) decorrentes

Leia mais

Palavras Chave: Fisioterapia preventiva do trabalho; LER/DORT; acidente de trabalho, turnover.

Palavras Chave: Fisioterapia preventiva do trabalho; LER/DORT; acidente de trabalho, turnover. A eficácia da fisioterapia preventiva do trabalho na redução do número de colaboradores em acompanhamento no ambulatório de fisioterapia de uma indústria de fios têxteis Rodrigo Mendes Wiczick (UTFPR)rodrigo_2006@pg.cefetpr.br

Leia mais

1. Documento: 20026-2015-3

1. Documento: 20026-2015-3 1. Documento: 20026-2015-3 1.1. Dados do Protocolo Número: 20026/2015 Situação: Ativo Tipo Documento: Comunicação Interna - CI Assunto: Planejamento estratégico - Metas Unidade Protocoladora: SES - Secretaria

Leia mais

ERGONOMIA CENTRO DE EDUCAÇÃO MÚLTIPLA PROFESSOR: RODRIGO ARAÚJO 3 MÓDULO NOITE

ERGONOMIA CENTRO DE EDUCAÇÃO MÚLTIPLA PROFESSOR: RODRIGO ARAÚJO 3 MÓDULO NOITE ERGONOMIA CENTRO DE EDUCAÇÃO MÚLTIPLA PROFESSOR: RODRIGO ARAÚJO 3 MÓDULO NOITE A ERGONOMIA ESTUDA A SITUAÇÃO DE TRABALHO: Atividade Ambiente (iluminação, ruído e calor) Posto de trabalho Dimensões, formas

Leia mais

Qualidade de vida no Trabalho

Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Introdução É quase consenso que as empresas estejam cada vez mais apostando em modelos de gestão voltados para as pessoas, tentando tornar-se as empresas mais humanizadas,

Leia mais

POSTURA CORPORAL/DOENÇAS OCUPACIONAIS: UM OLHAR DA ENFERMAGEM SOBRE AS DOENÇAS OSTEOARTICULARES

POSTURA CORPORAL/DOENÇAS OCUPACIONAIS: UM OLHAR DA ENFERMAGEM SOBRE AS DOENÇAS OSTEOARTICULARES Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 54 60 POSTURA CORPORAL/DOENÇAS OCUPACIONAIS: UM OLHAR DA ENFERMAGEM SOBRE AS DOENÇAS OSTEOARTICULARES BARBOSA, Bruno Ferreira do Serrado 1 SILVA,

Leia mais

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA Juliana Camilla

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil

Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Fiedler, Nilton Cesar; S. Ferreira, Antônio Henrique; Venturoli, Fábio; Minetti, Luciano José Avaliação da carga de

Leia mais

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO 1. Objetivos 1.1 Definir critérios para a caracterização e controle dos riscos à saúde dos trabalhadores decorrentes

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

Evanir Soares da Fonseca

Evanir Soares da Fonseca CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde AÇÕES DE COMBATE AO ESTRESSE: PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DE PARACATU - MG Evanir Soares

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Técnico em Segurança do Trabalho

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Técnico em Segurança do Trabalho INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Técnico em Segurança do Trabalho JÉSSICA NUEVO DA SILVA A RELAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO E A INCIDÊNCIA

Leia mais

Dr. Ailton Luis da Silva. www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300

Dr. Ailton Luis da Silva. www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300 ACOMPANHAMENTO E MONITORAMENTO DO TRABALHADOR EM TELEATENDIMENTO (CALL CENTERS) Dr. Ailton Luis da Silva www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300 O segmento transformou-se no

Leia mais

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 79 à 88

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 79 à 88 Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 79 à 88 ERGONOMIA APLICADA EM MOBILIÁRIO DE SECRETÁRIA Josiane Lino da Silva 1 Cristina Freire da Silva 2 RESUMO A presente pesquisa

Leia mais

Postura. As posturas prolongadas podem prejudicar os músculos e as articulações.

Postura. As posturas prolongadas podem prejudicar os músculos e as articulações. Postura A postura é, freqüentemente, determinada pela natureza da tarefa ou do posto de trabalho. Um porteiro de hotel tem uma postura estática, enquanto um carteiro passa a maior parte do tempo andando.

Leia mais

CARACTERIZAÇAO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL COMO PREVENÇÃO E REDUÇÃO DA LER/DORT

CARACTERIZAÇAO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL COMO PREVENÇÃO E REDUÇÃO DA LER/DORT CARACTERIZAÇAO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL COMO PREVENÇÃO E REDUÇÃO DA LER/DORT PINHEIRO, L. C.; DUTRA, J.; BRASILINO, F.F; MORALES, P. J. C.; HUCH, T.P. Universidade da Região de Joinville Depto.

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação Análise Ergonômica do Trabalho - AET Ponto 02 Mario S. Ferreira Março, 2010 CONCEITUAÇÃO Análise Ergonômica do Trabalho Intervenção, no ambiente de trabalho, para estudo

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

Avaliação da postura de trabalhadores nas atividades de plantio e adubação em florestas plantadas

Avaliação da postura de trabalhadores nas atividades de plantio e adubação em florestas plantadas 584 Janaine Vosniak et al. Avaliação da postura de trabalhadores nas atividades de plantio e adubação em florestas plantadas Janaine Vosniak 1, Eduardo da Silva Lopes 2, Mario Takao Inoue 2, Adriano Batista

Leia mais

A GINÁSTICA LABORAL: OS CONTRASTES NOS RESULTADOS QUANDO ORIENTADA PELO EDUCADOR FÍSICO

A GINÁSTICA LABORAL: OS CONTRASTES NOS RESULTADOS QUANDO ORIENTADA PELO EDUCADOR FÍSICO A GINÁSTICA LABORAL: OS CONTRASTES NOS RESULTADOS QUANDO ORIENTADA PELO EDUCADOR FÍSICO Wagner Hauer Argenton 1 Rafael Godoy Cancelli Evandete Mitue Centro Universitário Positivo, Curitiba, PR Resumo:

Leia mais

Vantagens e limitações de duas ferramentas de análise e registro postural quanto à identificação de riscos ergonômicos

Vantagens e limitações de duas ferramentas de análise e registro postural quanto à identificação de riscos ergonômicos Vantagens e limitações de duas ferramentas de análise e registro postural quanto à identificação de riscos ergonômicos João Paulo Campos de Souza (PPGEP UFPB) souza.jp@gmail.com Prof. Dr. Celso Luiz Pereira

Leia mais

ANÁLISE ERGONÔMICA POSTURAL DO POSTO DE TRABALHO DO SERVENTE NA CONSTRUÇÃO CIVIL

ANÁLISE ERGONÔMICA POSTURAL DO POSTO DE TRABALHO DO SERVENTE NA CONSTRUÇÃO CIVIL ISSN 1984-9354 ANÁLISE ERGONÔMICA POSTURAL DO POSTO DE TRABALHO DO SERVENTE NA CONSTRUÇÃO CIVIL Fernando Onuka (UTFPR) Daniel da Fonseca Arantes (UTFPR) Fernando Cunha De Andrade (UTFPR) Rodrigo Eduardo

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE SINTOMAS MUSCULOESQUELÉTICOS EM ELETRICISTAS DE UMA CONCESSIONÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

DIAGNÓSTICO DE SINTOMAS MUSCULOESQUELÉTICOS EM ELETRICISTAS DE UMA CONCESSIONÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ISSN 1984-9354 DIAGNÓSTICO DE SINTOMAS MUSCULOESQUELÉTICOS EM ELETRICISTAS DE UMA CONCESSIONÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Victor Manuel de Almeida Seabra de Vasconcelos (UFSC) Elaine Cristina

Leia mais

NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS Transcrito pela Nutri Safety * O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO no uso de suas atribuições legais, e CONSIDERANDO o disposto nos artigos 155

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING O Curso de Formação em Iso Stretching é ministrado pelo fundador da técnica, o osteopata e fisioterapeuta francês Bernard Redondo. O método Iso Stretching foi desenvolvido

Leia mais