Antonio Fernando Silveira Alves. Avaliação de Riscos Ambientais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Antonio Fernando Silveira Alves. Avaliação de Riscos Ambientais"

Transcrição

1 Antonio Fernando Silveira Alves Avaliação de Riscos Ambientais

2 APRESENTAÇÃO É com satisfação que a Unisa Digital oferece a você, aluno(a), esta apostila de Avaliação de Riscos Ambientais, parte integrante de um conjunto de materiais de pesquisa voltado ao aprendizado dinâmico e autônomo que a educação a distância exige. O principal objetivo desta apostila é propiciar aos(às) alunos(as) uma apresentação do conteúdo básico da disciplina. A Unisa Digital oferece outras formas de solidificar seu aprendizado, por meio de recursos multidisciplinares, como chats, fóruns, aulas web, material de apoio e . Para enriquecer o seu aprendizado, você ainda pode contar com a Biblioteca Virtual: a Biblioteca Central da Unisa, juntamente às bibliotecas setoriais, que fornecem acervo digital e impresso, bem como acesso a redes de informação e documentação. Nesse contexto, os recursos disponíveis e necessários para apoiá-lo(a) no seu estudo são o suplemento que a Unisa Digital oferece, tornando seu aprendizado eficiente e prazeroso, concorrendo para uma formação completa, na qual o conteúdo aprendido influencia sua vida profissional e pessoal. A Unisa Digital é assim para você: Universidade a qualquer hora e em qualquer lugar! Unisa Digital

3 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CONTEXTO HISTÓRICO Histórico Mundial Grandes Acidentes Consequências Resumo do Capítulo Atividades Propostas RISCO AMBIENTAL Conceito de Risco Outros Conceitos Básicos Tipos de Risco Resumo do Capítulo Atividades Propostas TÉCNICAS DE IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS Relação das Técnicas de Identificação de Perigos Análise Preliminar de Perigos (APP) Preliminary Hazard Analysis (PHA) Análise de Perigos e Operabilidade HazOp (Hazard and Operability Study) Análise E se... ( What if...? ) Lista de Verificação (Checklist) Análise de Modos de Falhas e Efeitos (AMFE) Failure Modes and Effects Analysis (FMEA) Análise Histórica de Acidentes Inspeção de Segurança Análise de Árvore de Falhas (AAF) Fault Tree Analysis (FTA) Análise de Árvore de Eventos (AAE) Event Tree Analysis (ETA) Análise de Causas e Consequências Resumo do Capítulo Atividades Propostas ESTUDO DE ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL (EAR) Etapas de um Estudo de Análise de Risco (EAR) Caracterização do Empreendimento e da Região Identificação dos Perigos e Consolidação de Cenários de Acidentes Estimativa dos Efeitos Físicos e Análises de Vulnerabilidade Estimativa de Frequências Estimativa e Avaliação de Riscos Avaliação dos Riscos Gerenciamento de Riscos Comunicação de Riscos Resumo do Capítulo Atividades Propostas...96

4 RESPOSTAS COMENTADAS DAS ATIVIDADES PROPOSTAS REFERÊNCIAS...105

5 INTRODUÇÃO Este material busca apresentar a você, aluno(a) da área de Ciências Exatas, na modalidade a distância, os conceitos a respeito de Avaliação de Riscos Ambientais como parte importante da área Ambiental. Este é um tema de extrema importância e muito utilizado na área de Gestão Ambiental. O Estudo de Análise de Riscos (EAR) mantém uma correlação com os estudos de EIA/RIMA. Em algumas situações, o EAR acaba sendo um dos elementos do processo de Licenciamento Ambiental e do EIA/RIMA. Durante o desenvolvimento desta disciplina, iremos abordar conceitos importantes, como Técnicas de Identificação de Perigos, Avaliação de Riscos Ambientais, entre outros. Entre os objetivos principais desta disciplina, esperamos que você, ao concluir esta disciplina, esteja apto a aplicar os conceitos aqui apresentados, como identificar e aplicar a(s) técnica(s) mais adequada(s) de identificação de perigos para cada situação e desenvolva a habilidade para efetuar um Estudo de Análise de Riscos, percorrendo todas as etapas desse processo. Entre os documentos oficiais que apresentaremos nesta apostila, iremos nos fundamentar basicamente em dois documentos, sendo um deles elaborado pela CETESB e outro desenvolvido pela FEPAM. Em geral, esses documentos são referências para outros estados, mas, caso você venha a desenvolver atividades correlatas a esta área, verifique antes se o seu estado não possui um documento com parâmetros específicos. Aproveitamos a oportunidade, para orientá-lo(a) em relação às leituras complementares indicadas nesta apostila. Tivemos a atenção especial de indicar textos importantes para você e que complementarão os estudos aqui apresentados. Entre esses textos indicados, gostaríamos de destacar o texto que fala sobre Contabilidade Ambiental do BNDES. Indicamos também a leitura de sites, sendo dois deles muito importantes. O primeiro é o site do órgão responsável pela área de Riscos Ambientais nos EUA (a tradução desse site utilizando a ferramenta tradutor do Google funciona muito bem), e o segundo, um site com um software gratuito para efetuar os cálculos mais complexos para a Avaliação de Riscos. Não deixe também de consultar os links indicados nas referências bibliográficas no final desta apostila. Entre eles, relacionamos 10 links contendo um curso completo de Gestão de Riscos Ambientais, elaborado pela empresa D.N.V. para utilização do Ministério do Meio Ambiente. Antonio Fernando Silveira Alves 5

6 1 CONTEXTO HISTÓRICO Caro(a) aluno(a), neste capitulo iremos abordar as origens dos estudos de análise de riscos, fazendo uma ligação com o estudo de análise de riscos ambientais. Aproveitando o embasamento histórico, faremos um breve relato dos grandes acidentes ambientais mundiais ocorridos a partir dos anos 1960, cuja gravidade e impactos gerados levaram à implementação das primeiras leis e normas baseadas em análise de riscos ambientais, com o objetivo de minimizar o potencial de acidentes ambientais e suas consequências. No Brasil, o órgão responsável no âmbito federal pela elaboração das leis e normas é o Ministério do Meio Ambiente (MMA) e seus órgãos vinculados, como o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Renováveis (IBAMA), e colegiados, como o Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA). No entanto, as Secretarias Estaduais de Meio Ambiente, por meio de seus órgãos vinculados, também possuem autonomia para efetuar essa normatização, de acordo com as particularidades de cada região. Na esfera estadual, merecem destaque a CETESB, Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental de São Paulo, a FEPAM, Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luiz Roessler, do Rio Grande do Sul, e o INEA, Instituto Estadual do Ambiente, do Rio de Janeiro, que foi criado em 4 de outubro de 2007 e instalado em 12 de janeiro de 2009, unificando e ampliando a ação dos três órgãos ambientais vinculados à Secretaria de Estado do Ambiente do Rio de Janeiro (SEA): a Fundação Estadual de Engenharia e Meio Ambiente (FEEMA), a Superintendência Estadual de Rios e Lagoas (SERLA) e o Instituto Estadual de Florestas (IEF). Antes de efetuar essa abordagem histórica, vamos comentar brevemente alguns conceitos, sobre os quais estabeleceremos as teorias aqui apresentadas. Esses conceitos serão definidos precisamente nos capítulos posteriores. Atenção Os conceitos e metodologias estabelecidos nesta apostila estão baseados nas referências do IBAMA, CETESB e FEPAM. Os modelos de Estudo de Análise de Riscos (EAR) utilizados pela FEPAM e CETESB estão direcionados ao segmento industrial, e a avaliação de riscos aplica- -se à população externa da indústria, não incluindo, portanto, a avaliação dos riscos à saúde e à segurança dos trabalhadores ou danos aos bens patrimoniais das instalações analisadas. Entende-se por consequências externas os danos causados às pessoas (mortes ou lesões) nas áreas circunvizinhas, situadas além dos limites físicos da instalação. Em sua dissertação de mestrado, Berrêdo Viana (2010) afirma que palavras como impacto, avaliação, ambiente e risco não foram cunhadas propositadamente para expressar um conceito preciso, esclarecedor, como nas outras ciências. Foram apropriadas do vernáculo e fazem parte do jargão profissional desse campo, criando diversas ambiguidades na sua interpretação. Ao efetuar um estudo sobre o tema central desta disciplina, observamos, por meio da pesquisa bibliográfica, que estes e outros termos ora são tratados como sinônimos, ora são definidos de forma distinta. Entre esses termos, vamos destacar três palavras e três expressões, que dividiremos em dois grupos. O primeiro grupo inclui as palavras: Risco, Perigo e Dano. O segundo grupo inclui as expressões Análise de Riscos e Avaliação de Riscos e Gerenciamento de Riscos. Note 7

7 Antonio Fernando Silveira Alves que dependendo do contexto, esses termos parecem semelhantes. Porém, de acordo com o enfoque que adotaremos nesta apostila, esses termos irão representar significados distintos. Berrêdo Viana (2010) verificou que a literatura mundial acaba por utilizar as expressões avaliação de risco, gerenciamento de riscos e análise de risco como sinônimos, devido às diferenças nas traduções e discrepâncias entre os países. Por exemplo, segundo Kirchhoff (2004), no Canadá a avaliação de risco engloba a análise de risco, enquanto que nos Estados Unidos a análise de riscos é algo abrangente, com diversas etapas, e, entre estas, a avaliação de risco. No desenvolvimento dos conceitos utilizados nesta apostila, iremos utilizar o ponto de vista americano, uma vez que aparenta ser o mais comum, além de que a literatura nacional adotada nos documentos oficiais dos órgãos citados tende a essa escolha, como poderemos observar mais adiante, ao detalharmos os trabalhos da CETESB e da FEPAM. Dessa forma, asseguramos que todos os referenciais teóricos adotados nesta apostila estão baseados nos documentos oficiais editados pelos órgãos citados. 1.1 Histórico Mundial As indústrias de processo, há mais de 40 anos, demonstraram as primeiras preocupações em relação às possíveis falhas e perigos oriundos de suas atividades, onde observaram que essas falhas poderiam causar perda de vida e de propriedade. A indústria alimentícia dos Estados Unidos manifestou esse interesse ainda nos anos Já na década de 1930, pesquisadores de laboratórios de toxicologia, na indústria, iniciaram avaliações das propriedades tóxicas de produtos potencialmente perigosos. Em 1931, o pesquisador H. W. Heinrich efetuou uma pesquisa sobre os custos de um acidente em termos de Seguro Social e introduziu, pela primeira vez, a filosofia de acidentes com danos à propriedade, ou seja, acidentes sem lesão, em relação aos acidentes com lesão incapacitante. A partir desse momento, diversos estudos sobre acidentes industriais com danos à propriedade multiplicaram-se, com o objetivo de estimar os custos derivados das perdas. No final dos anos 1960 surgiram vários relatórios sobre segurança nas plantas químicas, tais como Safety and Management, pela Association of British Chemical Manufactures (ABCM), 1964, e Safe and Sound, pelo British Chemical Industry Safety Coucil (BCISCl), 1969, ambos na Grã-Bretanha. Também, nos Estados Unidos, Frank Bird Jr. fundamentou sua teoria de Controle de Danos (1966), a partir da análise de uma série de acidentes ocorridos numa empresa metalúrgica americana. Além disso, o desenvolvimento das tecnologias utilizadas pelas indústrias resultou em grandes mudanças nas indústrias químicas e petroquímicas, tais como alterações nas condições de pressão e temperatura, tendo como consequência um aumento na energia armazenada nos processos, representando, portanto, um perigo maior. Ao mesmo tempo, as instalações de processo começaram a crescer, quase dez vezes mais, em tamanho. Também, começaram a operar em fluxo contínuo, aumentando o número de interligações com outras plantas, para a troca de subprodutos, tornando, dessa forma, os processos mais complexos. Simultaneamente, outros temas emergiram no contexto social, tais como a poluição ambiental, e começaram a se tornar motivo de preocupação para o público e para os governos. Como consequência, a indústria foi obrigada a examinar os efeitos de suas operações sobre o público ex- 8

8 Avaliação de Riscos Ambientais terno e, em particular, a analisar mais cuidadosamente os possíveis perigos decorrentes de suas atividades. Basicamente até o início da década de 1970, o foco principal em relação à segurança nas indústrias centrava-se na segurança dos equipamentos e do projeto em questão. Assim, a ênfase concentrava-se na produção, em detrimento dos aspectos de saúde e segurança. A preocupação ambiental era praticamente ignorada e esse tema quase não era mencionado nas discussões de investimentos das empresas. Também não havia interferências externas, seja do poder público ou da população. Os governos não impunham grandes exigências de controle para a poluição ambiental. No entanto, a partir da década de 1970, devido à grande repercussão das consequências dos acidentes industriais que causaram a morte de milhares de pessoas e impactos de grandes dimensões ao meio ambiente, esse tema veio à tona de forma mais contundente, mobilizando os governos e a população. Em 1970, no Canadá, John A. Fletcher, prosseguindo a obra iniciada por Bird, propôs o estabelecimento de programas de Controle Total de Perdas, objetivando reduzir ou eliminar todos os acidentes que pudessem interferir ou paralisar um sistema. Em 1972, criou-se uma nova mentalidade baseada nos trabalhos desenvolvidos pelo engenheiro Willie Hammer, especialista em Segurança de Sistemas, o qual empregou a experiência adquirida na Força Aérea e nos programas espaciais norte-americanos para desenvolver diversas técnicas a serem aplicadas na indústria, a fim de preservar os recursos humanos e materiais dos sistemas de produção. Em paralelo, a indústria nuclear começou a desenvolver suas atividades de consultoria na área de confiabilidade, e as indústrias passaram a adotar técnicas desenvolvidas pelas autoridades de energia atômica na avaliação de riscos maiores e na estimativa de taxas de falhas de instrumentos de proteção. 1.2 Grandes Acidentes Bhopal É bem provável que você já tenha ouvido falar sobre esse acidente ambiental, pois foi e ainda é muito comentado na mídia mundial, devido às circunstâncias em que ocorreu e à grande extensão de sua gravidade e danos à população e ao meio ambiente. Esse acidente ocorreu numa unidade da Union Carbide, situada nos arredores da cidade de Bhopal, na Índia. Na madrugada de 03/12/1984, uma nuvem tóxica de isocianato de metila causou a morte de milhares de pessoas. O isocianato de metila é um produto utilizado na fabricação de inseticidas, comercialmente conhecidos como Sevin e Temik, da família dos carbamatos, utilizados como substitutos de praguicidas organoclorados, como o DDT. Em condições normais, o isocianato de metila é líquido à temperatura de 0 ºC e pressão de 2,4 bar. A causa provável do acidente foi atribuída à entrada de água num dos tanques do complexo industrial, causando a elevação da pressão dos tanques de armazenamento a mais de 14 bar e da temperatura dos reservatórios para aproximadamente 200 ºC, causando assim uma reação altamente exotérmica. Os vapores emitidos deveriam ter sido neutralizados em torres de depuração; porém, como uma dessas torres se encontrava desativada, o sistema não funcionou possibilitando a liberação do produto para a atmosfera. 9

9 Antonio Fernando Silveira Alves Este é conhecido como a maior catástrofe da indústria química. O número de mortes estimadas gira em torno de pessoas, além de causar a intoxicação de cerca de pessoas. Figura 1 Foto das instalações da Union Carbide no dia do desastre ambiental. Fonte: Saiba mais Bhopal, Índia. O pior desastre químico da história Leia este documento para saber um pouco mais sobre esse acidente ambiental, que teve grande repercussão mundial na época. Saiba mais Disponível em: Flixborough Aproximadamente às 17 horas do dia 01/06/1974, ocorreu uma explosão na planta de produção de caprolactama da fábrica Nypro Ltda., situada em Flixborough, Inglaterra. A explosão ocorreu devido ao vazamento de ciclohexano, causado pelo rompimento de uma tubulação temporária instalada como by-pass devido à remoção de um reator para a realização de serviços de manutenção. O vazamento formou uma nuvem de vapor inflamável que entrou em ignição, resultando uma violenta explosão seguida de um incêndio que destruiu a planta industrial. 10

10 Avaliação de Riscos Ambientais A ruptura da tubulação de 20 polegadas foi atribuída a um projeto mal elaborado, uma vez que a estrutura instalada para a sustentação do duto não suportou a sua movimentação, em função da pressão e da vibração a que o tubo foi submetido durante a operação. Estimou-se que cerca de 30 toneladas de ciclohexano vazaram, formando rapidamente uma nuvem de vapor inflamável, a qual encontrou uma fonte de ignição entre 30 e 90 segundos após o início do vazamento. Os efeitos da sobrepressão ocorrida foram estimados como sendo equivalentes à explosão de uma massa variando entre 15 e 45 toneladas de TNT. Ocorreram danos catastróficos nas edificações próximas, situadas ao redor de 25 metros do centro da explosão. Além da destruição da planta, em função do incêndio ocorrido, 28 pessoas morreram e 36 foram gravemente feridas. Ocorreram ainda impactos nas vilas situadas nas proximidades da planta, afetando residências e 167 estabelecimentos comerciais. As perdas foram estimadas em US$ 412 milhões. Esse acidente tornou-se um marco na questão da avaliação de riscos e prevenção de perdas na indústria química. O acidente levou ao estabelecimento do Advisory Committee on Major Hazards (ACMH), na Inglaterra, que durou de 1975 a 1983 e introduziu uma legislação para controle de riscos maiores nas indústrias. Seveso Por volta das 12h30 do dia 10/06/1976, numa planta industrial situada em Seveso, uma província de Milão, Itália, ocorreu a ruptura do disco de segurança de um reator, que resultou na emissão para a atmosfera de uma grande nuvem tóxica. O reator fazia parte do processo de fabricação de TCP (triclorofenol) e a nuvem tóxica formada continha vários componentes, entre eles o próprio TCP, etilenoglicol e 2,3,7,8-tetraclorodibenzoparadioxina (TCDD). A nuvem se espalhou numa grande área, contaminando pessoas, animais e o solo na vizinhança da unidade industrial. A planta operava em regime de batelada e, no momento do acidente, encontrava-se paralisada para o final de semana. No entanto, o reator continha material a uma elevada temperatura. Provavelmente, a presença de etilenoglicol com hidróxido de sódio causou uma reação exotérmica descontrolada, fazendo com que a pressão interna do vaso excedesse a pressão de ruptura do disco de segurança, causando a emissão. A reação ocorrida, associada a uma temperatura entre 400 e 500 C, contribuiu para a formação do TCDD. O reator não possuía um sistema automático de resfriamento e como a fábrica se encontrava com poucos funcionários, já que paralisaria suas operações no final de semana, não foram desencadeadas ações de resfriamento manual do reator para minimizar a reação ocorrida. Dessa forma, a emissão ocorreu durante cerca de 20 minutos, até que um operador conseguisse paralisar o vazamento. Toda a vegetação nas proximidades da planta morreu de imediato devido ao contato com compostos clorados. No total, hectares foram afetados. A região denominada Zona A, com uma área de 108 hectares possuía uma alta concentração da dioxina TCDD (240 µg/m²). Foram evacuadas 736 pessoas da região, sendo que 511 retornaram para as suas casas no final de 1977, mas as que moravam na Zona A perderam suas residências, em função do nível de contaminação ainda existente nessa área, a qual permaneceu isolada por muitos anos. Toda a vegetação e solo contaminados foram removidos e as edificações tiveram que ser descontaminadas. Os custos estimados na operação de evacuação das pessoas e na remediação das áreas contaminadas foram da ordem de US$ 10 milhões. Os efeitos imediatos à saúde das pessoas se limitaram ao surgimento de 193 casos de cloroacne (doença de pele atribuída ao contato com a dioxina). Os efeitos à saúde de longo prazo ainda são monitorados. 11

11 Antonio Fernando Silveira Alves Esse acidente gerou um profundo impacto na Europa, ainda sob o impacto do acidente de Flixborough na Inglaterra, em 1974, e originou o desenvolvimento da Diretiva de Seveso EC Directive on Control of Industrial Major Accident Hazards, em Cidade do México Na manhã de 19/11/1984, por volta das 5h35 ocorreu a explosão de uma nuvem de vapor e uma série de BLEVEs na base de armazenamento e distribuição de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) da empresa PEMEX, localizada no bairro de San Juanico, Cidade do México. Dicionário BLEVE: do original inglês Boiling Liquid Expanding Vapor Explosion. Fenômeno decorrente da explosão catastrófica de um reservatório, quando um líquido nele contido atinge uma temperatura bem acima da sua temperatura de ebulição à pressão atmosférica com projeção de fragmentos e de expansão adiabática (CETESB, 2003). A base recebia GLP de três refinarias diferentes por meio de gasoduto. A capacidade principal de armazenamento da base era de m³ (aproximadamente kg) de GLP, distribuídos em: duas esferas com capacidade individual de m³, quatro esferas menores de m³ de capacidade individual e 48 cilindros horizontais (capacidades individuais variando de 36 m³ a 270 m³). No momento do acidente, a PE- MEX estava com o armazenamento em torno de m³ de GLP. A catástrofe iniciou-se com o vazamento de gás devido à ruptura de uma tubulação de 8 polegadas de diâmetro que transportava o gás de uma das esferas para os reservatórios cilíndricos. A sala de controle da PEMEX registrou por volta das 5h30 uma queda de pressão em suas instalações e também em um duto localizado a 40 km de distância, porém a sala de controle não conseguiu identificar a causa dessa queda de pressão. A liberação aconteceu por 5-10 minutos, formando uma imensa nuvem de gás inflamável, a qual foi levada por um vento de destino sudoeste, ajudado pela inclinação do terreno, até encontrar a fonte de ignição e explodir. Nesse caso, a fonte de ignição direta foi o flare instalado inadequadamente ao nível do solo, pois, no entendimento da empresa, dada a força dos ventos no local, a instalação do flare a uma altura mais elevada comprometeria a sua eficiência. A explosão da nuvem atingiu cerca de 10 residências e iniciou o incêndio nas instalações da base. A vizinhança pensou tratar-se de um terremoto devido ao forte barulho da explosão. Por volta das 5h45 da manhã ocorreu o primeiro BLEVE, após um minuto outro BLEVE aconteceu, sendo o mais violento dessa catástrofe, gerando uma bola de fogo com mais de 300 m de diâmetro. Ocorreram mais de 15 explosões, BLEVE nas quatro esferas menores e em muitos dos reservatórios cilíndricos, explosões dos caminhões- -tanque e botijões, chuva de gotículas de GLP, transformando tudo que atingiam em chamas; alguns reservatórios e pedaços das esferas transformaram-se em verdadeiros projéteis, atingindo edificações e pessoas. Os trabalhos de extinção do fogo e prevenção de novas explosões terminaram às 23 horas. As consequências desse acidente foram trágicas: morte de 650 pessoas, mais de feridos e destruição total da base. Vila Socó Cubatão Este é outro exemplo de um acidente ambiental que provavelmente você tenha conhecimento. Infelizmente, o Brasil não deixou de sofrer com os problemas decorrentes de um grande acidente ambiental. Por volta das 22h30 do dia 24/02/1984, moradores da Vila Socó (atual Vila São José), Cubatão/ SP, perceberam o vazamento de gasolina em um dos oleodutos da Petrobras, que ligava a Refinaria Presidente Bernardes ao Terminal de Alemoa. A tubulação passava em região alagadiça, em frente à vila constituída por palafitas. Na noi- 12

12 Avaliação de Riscos Ambientais te do dia 24, um operador alinhou inadequadamente e iniciou a transferência de gasolina para uma tubulação (falha operacional) que se encontrava fechada, gerando sobrepressão e ruptura da mesma, espalhando cerca de 700 mil litros de gasolina pelo mangue. Muitos moradores, visando a conseguir algum dinheiro com a venda de combustível, coletaram e armazenaram parte do produto vazado em suas residências. Com a movimentação das marés, o produto inflamável espalhou-se pela região alagada e cerca de 2 horas após o vazamento aconteceu a ignição seguida de incêndio. O fogo se alastrou por toda a área alagadiça superficialmente coberta pela gasolina, incendiando as palafitas. O número oficial de mortos é de 93, porém algumas fontes citam um número extraoficial superior a 500 vítimas fatais (baseado no número de alunos que deixou de comparecer à escola e à morte de famílias inteiras sem que ninguém reclamasse os corpos), dezenas de feridos e a destruição parcial da vila. 1.3 Consequências Esses acidentes caracterizaram-se por extrapolar as divisas das indústrias, projetando-se nas populações e meio ambiente a posteriori, com efeitos de médio e longo prazo. Como consequência, essas discussões levaram ao surgimento das primeiras leis e regulamentações sobre segurança industrial e controle ambiental nos principais países industrializados. 1.4 Resumo do Capítulo Caro(a) aluno(a), neste capítulo você pôde verificar que a preocupação com a questão ambiental é algo relativamente recente no contexto industrial, pois até a década de 1970 esse tema era praticamente ignorado pelas grandes indústrias. A preocupação à época restringia-se a minimizar as perdas e danos relativos ao processo industrial, praticamente inexistindo a preocupação com os danos causados à população e ao meio ambiente. Devido à repercussão das consequências dos acidentes ambientais ocorridos nos anos 1970, esse tema veio à tona e tornou-se objeto de extrema importância para os governos, originando, assim, as primeiras normas e legislações ambientais. Você também conheceu e aprendeu um pouco mais sobre alguns dos principais acidentes ambientais ocorridos em diversos países do mundo, onde foram expostas as causas e consequências, e também teve ciência dos documentos que servirão de base para os conceitos e referenciais teóricos que serão estudos no decorrer desta disciplina, cujo teor será discutido nos próximos capítulos. 13

13 Antonio Fernando Silveira Alves 1.5 Atividades Propostas 1. Faça uma pesquisa e comente sobre a aplicação do Estudo de Análise de Riscos (EAR) em outras áreas da ciência. 2. Faça uma pesquisa e comente sobre outros acidentes ambientais que tiveram grande repercussão mundial. 3. Comente sobre os riscos da utilização da energia nuclear e faça uma reflexão posicionando-se em relação à sua utilização no Brasil. Você é a favor ou contra? Apresente seus argumentos, justifique. Dê consistência à sua posição! 4. Faça uma pesquisa e comente sobre alguns acidentes nucleares e suas consequências para a população e o meio ambiente. 14

14 2 RISCO AMBIENTAL 2.1 Conceito de Risco Caro(a) aluno(a), neste capítulo iremos efetuar uma breve discussão sobre o emprego das palavras Risco, Perigo e Dano, e em seguida apresentar as definições que serão utilizadas e as classificações e definições para os diversos tipos de risco. Como afirmado no capítulo anterior, encontramos na literatura diversos significados para a palavra risco. Também é comum aplicarmos a palavra risco em nosso cotidiano nos mais variados contextos e com significados distintos. Como exemplo, podemos citar o emprego da palavra risco, que utilizamos com o sentido probabilístico, matemático, a partir do qual essa palavra representa certa chance de algo acontecer. Dessa forma, entendemos que o risco é considerado elevado quando algum fato nos parece certo ou tem grande chance de acontecer, e consideramos um fato com risco baixo quando observamos que a chance desse fato correr é reduzida. Sob a ótica ambiental, é costumeiro observar os efeitos das substâncias químicas consideradas poluentes sobre o homem ou, mais amplamente, sobre o meio ambiente. Os efeitos podem decorrer das emissões contínuas ou intermitentes provenientes das indústrias, das diversas formas de transporte ou, genericamente, da atividade antrópica. É possível estimar e avaliar o risco dessas atividades, bem como propor formas de gerenciamento desse risco. Atenção Antrópico: é um termo usado em Ecologia que se refere a tudo aquilo que resulta da atuação humana. Por exemplo: ação antrópica é a ação do homem sobre o habitat e as modificações dela resultantes. Formalmente, o risco, tratado dentro da visão mencionada, é definido como a combinação entre a frequência de ocorrência de um acidente e a sua consequência. A adequada composição desses fatores possibilita estimar o risco de um empreendimento, sendo o estudo de análise de risco a ferramenta utilizada para esse fim. Com a estimativa realizada, é possível comparar as diversas formas de expressão do risco com padrões previamente estabelecidos, fazendo-se então a avaliação do risco, sendo, portanto, possível decidir sobre a viabilidade ambiental de um empreendimento. O emprego predominante do estudo de análise de risco acontece durante o licenciamento ambiental de fontes potencialmente geradoras de acidentes ambientais. Risco segundo a Society for Risk Analysis é: o potencial de realização de consequências adversas indesejadas para a saúde ou vida humana, para o ambiente ou para bens materiais. 15

15 Antonio Fernando Silveira Alves Risco pode ser definido como a probabilidade de uma comunidade sofrer consequências econômicas, sociais ou ambientais, em uma área particular e durante um tempo de exposição determinado. Exemplos: ferimento e/ou morte de seres vivos; avaria de bens; prejuízo na capacidade produtiva; interrupção da atividade econômica. São fatores de risco: a periculosidade; a vulnerabilidade; a exposição ao perigo. Se qualquer um desses fatores aumentarem, o risco aumenta. A CETESB (2013), por meio da Norma P4.261, define risco como sendo a medida de danos à vida humana, resultante da combinação entre a frequência de ocorrência e a magnitude das perdas ou danos (consequências). A adequada composição desses fatores possibilita estimar o risco de um empreendimento, sendo o estudo de análise de risco a ferramenta utilizada para esse fim. Consultando a apostila do curso sobre Estudo de Análise de Riscos e Programa de Gerenciamento de Riscos do IBAMA, encontramos a seguinte definição: o Risco de uma determinada atividade pode ser entendido como o potencial de ocorrência de consequências indesejadas decorrentes da realização da atividade. Dois aspectos importantes dessa definição: 1. O potencial de ocorrência expressa o elemento de incerteza inerente ao conceito de risco. A sua expressão quantitativa pode ser feita com o conceito de probabilidade de ocorrência ou analogamente com a frequência esperada de ocorrência. 2. As consequências indesejadas caracterizam o fato de que o conceito de risco está intimamente ligado a algum tipo de dano, seja para a saúde, para a vida, para o meio ambiente ou para as finanças individuais ou sociais. Quantitativamente, o risco tem sido expresso como algum tipo de combinação (uma função matemática) entre a frequência esperada de ocorrência do evento indesejado e a magnitude das suas consequências. Observe que as três definições apresentadas são idênticas e podem ser resumidas genericamente como: RISCO = COMBINAÇÃO DE FREQUÊNCIA E CONSEQUÊNCIA O IBAMA destaca, ainda nesse estudo, dois conceitos importantes em análise de risco, que são os conceitos de risco e perigo. Embora ainda haja alguma confusão entre os dois, existe atualmente um consenso bastante grande sobre as definições desses dois termos. Como destacado desde a introdução desta apostila, observe que são termos distintos. 16

16 Avaliação de Riscos Ambientais Atenção PERIGO RISCO PERIGO Característica de uma atividade ou substância que expressa a sua condição de causar algum tipo de dano a pessoas, a instalações ou ao meio ambiente. Situação ou condição que tem potencial de acarretar consequências indesejáveis. É a propriedade intrínseca de uma substância perigosa ou de uma situação física de poder provocar danos à saúde humana e/ou ao ambiente RISCO Medida da capacidade que um perigo tem de se transformar em um acidente. Está relacionado com a chance de ocorrerem falhas que libertem o perigo e da magnitude dos danos gerados. Contextualização de uma situação de perigo, ou seja, a possibilidade da materialização do perigo ou de um evento indesejado ocorrer. Assim, temos que: PERIGO = Fonte de Riscos Analisando as definições apresentadas, vamos definir o conceito de Risco de modo mais formal. Assim, Risco será definido como o produto da probabilidade de ocorrência de um determinado evento pela magnitude das consequências. R = P x C (Probabilidade x Magnitude da Consequência) Efetuando uma análise matemática da equação representada, concluímos que a única forma de se ter risco zero consiste na completa eliminação do perigo (o resultado de uma multiplicação só é igual a zero se um dos fatores for zero), o que na maioria das vezes é impossível e este é o motivo de efetuarmos o Gerenciamento de Riscos. Mas, por outro lado, esses riscos podem e devem ser minimizados, tornando-os tão baixos quanto seja necessário, adotando para isso algumas salvaguardas. Mas alguns fatores devem ser levados em consideração, como os custos que essas alterações podem implicar. Para isso, foram adotados alguns critérios de aceitabilidade de riscos (seja qualitativo ou quantitativo). Caso contrário, não haveria como se tomar decisões relativas a investimentos em medidas para se aumentar a segurança de uma instalação. 2.2 Outros Conceitos Básicos Com base no Manual de Análise de Riscos (nº 01/2001) da FEPAM e no Manual de Orientação para a Elaboração de Estudos de Análise de Riscos da CETESB Norma P4.261, 2003, iremos apresentar algumas definições para os termos específicos e técnicos que serão utilizados no desenvolvimento do Estudo de Análise de Risco. À frente de cada terno, temos a fonte utilizada. Alguns termos estão relacionados duas vezes, apresentando os conceitos utilizados pela CETESB e pela FEPAM. 17

17 Antonio Fernando Silveira Alves Acidente (CETESB) Evento específico não planejado e indesejável, ou uma sequência de eventos que geram consequências indesejáveis. Acidente (FEPAM) Acontecimento não desejado que possa vir a resultar em danos físicos, lesões, doença, morte, agressões ao meio ambiente, prejuízos na produção etc. ALARA (FEPAM) Do inglês As Low as Reasonably Achievable (tão baixo quanto razoavelmente atingível), significa que os riscos devem ser reduzidos sempre que o custo das medidas necessárias para redução for razoável quando comparado com os benefícios obtidos em termos de redução de riscos. Às vezes também mencionado na forma ALARP As Low as Reasonably Possible (tão baixo quanto razoavelmente possível). Análise (FEPAM) Procedimento técnico baseado em uma determinada metodologia, cujos resultados podem vir a ser comparados com padrões estabelecidos. Análise de riscos (CETESB) Estudo quantitativo de riscos numa instalação industrial, baseado em técnicas de identificação de perigos, estimativa de frequências e consequências, análise de vulnerabilidade e na estimativa do risco. Análise de risco (FEPAM) Constitui-se em um conjunto de métodos e técnicas aplicados a uma atividade proposta ou existente. Identifica e avalia qualitativa e quantitativamente os riscos que essa atividade representa para a população vizinha, ao meio ambiente e à própria empresa. Os principais resultados de uma análise de riscos são a identificação de cenários de acidentes, suas frequências esperadas de ocorrência e a magnitude das possíveis consequências. Análise de vulnerabilidade (CETESB) Estudo realizado por intermédio de modelos matemáticos para a previsão dos impactos danosos às pessoas, instalações e ao meio ambiente, baseado em limites de tolerância estabelecidos através do parâmetro Probit para os efeitos de sobrepressão advinda de explosões, radiações térmicas decorrentes de incêndios e efeitos tóxicos advindos da exposição a uma alta concentração de substâncias químicas por um curto período de tempo. Área vulnerável (FEPAM) Área no entorno da atividade, onde ambiente, população e trabalhadores encontram-se expostos aos efeitos de acidentes. A abrangência dessa área é determinada pela Análise de Vulnerabilidade. Auditoria (CETESB) Atividade pela qual se pode verificar, periodicamente, a conformidade dos procedimentos de operação, manutenção, segurança e treinamento, a fim de se identificar perigos, condições ou procedimentos inseguros, para verificar se a instalação atende aos códigos e práticas normais de operação e segurança; realizada normalmente através da utilização de checklists, podendo ser feita de forma programada ou não. Auditoria (FEPAM) Conjunto de procedimentos que visam a avaliar a conformidade da atividade com os regulamentos, padrões, condições e restrições estabelecidos pela autoridade ambiental. Avaliação de riscos (CETESB) Processo pelo qual os resultados da análise de riscos são utilizados para a tomada de decisão, através de critérios comparativos de riscos, para definição da estratégia de gerenciamento dos ris- 18

18 Avaliação de Riscos Ambientais cos e aprovação do licenciamento ambiental de um empreendimento. Antes de prosseguir com a leitura das definições que estamos apresentando, volte e releia atentamente as definições apresentadas para os termos Análise de Riscos e Avaliação de Riscos. Neste momento, fica clara a diferenciação entre as expressões Análise de Risco e Avaliação de Risco, que chamamos a atenção no início do Capítulo 1. Segundo a definição da CETESB, a Avaliação de Risco é um processo que será aplicado após a Análise de Riscos e que será utilizado para definir as estratégias que serão implementadas para o Gerenciamento de Riscos. Já a Análise de Riscos é basicamente o processo pelo qual aplicamos as técnicas de Identificação dos Perigos (assunto do próximo capítulo), obtendo, assim, dados quantitativos e qualitativos e que servirão de base para efetuarmos a Avaliação de Riscos. O Estudo de Análise de Riscos compreende, ainda, outras etapas, que serão discutidas nos capítulos posteriores desta apostila. BLEVE (CETESB) Do original inglês Boiling Liquid Expanding Vapor Explosion. Fenômeno decorrente da explosão catastrófica de um reservatório, quando um líquido nele contido atinge uma temperatura bem acima da sua temperatura de ebulição à pressão atmosférica com projeção de fragmentos e de expansão adiabática. Bola de fogo (fireball) (CETESB) Fenômeno que se verifica quando o volume de vapor inflamável, inicialmente comprimido num recipiente, escapa repentinamente para a atmosfera e, devido à despressurização, forma um volume esférico de gás, cuja superfície externa queima, enquanto a massa inteira eleva-se por efeito da redução da densidade provocada pelo superaquecimento. Categorias de risco (FEPAM) Hierarquia de risco estabelecida com base na potencialidade dos danos causados por acidentes, visando à priorização das ações de controle e fiscalização. Concentração letal 50 (CL 50 ) (CETESB) Concentração calculada e estatisticamente obtida de uma substância no ar que ingressa no organismo por inalação e que, em condições bem determinadas, é capaz de causar a morte de 50% de um grupo de organismos de uma determinada espécie. É normalmente expressa em ppm (partes por milhão), devendo também ser mencionado o tempo de duração da exposição do organismo à substância. Confiabilidade (FEPAM) Probabilidade de que um equipamento ou sistema opere com sucesso por um período de tempo especificado e sob condições de operação definidas. Curva F-N (CETESB) Curva referente ao risco social determinada pela plotagem das frequências acumuladas de acidentes com as respectivas consequências expressas em número de fatalidades. Curva de iso-risco (CETESB) Curva referente ao risco individual determinada pela intersecção de pontos com os mesmos valores de risco de uma mesma instalação industrial. Também conhecida como contorno de risco. Dano (CETESB) Efeito adverso à integridade física de um organismo. Diagrama de instrumentação e tubulações (P & ID) (CETESB) Representação esquemática de todas as tubulações, vasos, válvulas, filtros, bombas, compres- 19

19 Antonio Fernando Silveira Alves sores etc. do processo. Os P & IDs mostram todas as linhas de processo, linhas de utilidades e suas dimensões, além de indicar também o tamanho e a especificação das tubulações e válvulas, incluindo toda a instrumentação da instalação. Dispersão atmosférica (CETESB) Mistura de um gás ou vapor com o ar. Essa mistura é o resultado da troca de energia turbulenta, a qual é função da velocidade do vento e do perfil da temperatura ambiente. Distância à população fixa (d p ) (CETESB) Distância, em linha reta, da fonte de vazamento à pessoa mais próxima situada fora dos limites da instalação em estudo. Distância segura (d s ) (CETESB) Distância determinada pelo efeito físico decorrente do cenário acidental considerado, onde a probabilidade de fatalidade é de até 1% das pessoas expostas. Dose letal 50 (DL 50 ) (CETESB) Quantidade calculada e estatisticamente obtida de uma substância administrada por qualquer via, exceto a pulmonar, e que, em condições bem determinadas, é capaz de causar a morte de 50% de um grupo de organismos de determinada espécie. Duto (CETESB) Qualquer tubulação, incluindo seus equipamentos e acessórios, destinada ao transporte de petróleo, derivados ou de outras substâncias químicas, situada fora dos limites de áreas industriais. Efeito dominó (CETESB) Evento decorrente da sucessão de outros eventos parciais indesejáveis, cuja magnitude global é o somatório dos eventos individuais. Empreendimento (CETESB) Conjunto de ações, procedimentos, técnicas e benfeitorias que permitem a construção de uma instalação. Erro humano (CETESB) Ações indesejáveis ou omissões decorrentes de problemas de sequenciamento, tempo (timing), conhecimento, interfaces e/ou procedimentos, que resultam em desvios de parâmetros estabelecidos ou normais e que colocam pessoas, equipamentos e sistemas em risco. Estabilidade atmosférica (CETESB) Medida do grau de turbulência da atmosfera, normalmente definida em termos de gradiente vertical de temperatura. A atmosfera é classificada, segundo Pasquill, em seis categorias de estabilidade, de A a F, sendo A a mais instável, F a mais estável e D a neutra. A classificação é realizada a partir da velocidade do vento, radiação solar e percentagem de cobertura de nuvem; a condição neutra corresponde a um gradiente vertical de temperatura da ordem de 1 ºC para cada 100 m de altitude. Estimativa de consequências (CETESB) Estimativa do comportamento de uma substância química quando de sua liberação acidental no meio ambiente. Estudo de Impacto Ambiental (EIA) (CETESB) Processo de realização de estudos preditivos sobre um empreendimento, analisando e avaliando os resultados. O EIA é composto de duas partes: uma fase de previsão, em que se procura prever os efeitos de impactos esperados antes que ocorra o empreendimento e outra em que se procura medir, interpretar e minimizar os efeitos ambientais durante a construção e após a finalização do empreendimento. O EIA conduz a uma estimativa do impacto ambiental. 20

20 Avaliação de Riscos Ambientais Explosão (CETESB) Processo onde ocorre uma rápida e violenta liberação de energia, associado a uma expansão de gases acarretando o aumento da pressão acima da pressão atmosférica. Explosão de vapor confinado (CVE) (CETESB) A explosão de vapor confinado (CVE Confined Vapour Explosion) é o fenômeno causado pela combustão de uma mistura inflamável num ambiente fechado, com aumento na temperatura e na pressão internas, gerando uma explosão. Esse tipo de explosão pode ocorrer com gases, vapores e pós. Nesse caso, grande parte da energia manifesta-se na forma de ondas de choque e quase nada na forma de energia térmica. Explosão de nuvem de vapor não confinado (UVCE) (CETESB) A explosão de nuvem de vapor não confinado (UVCE Unconfined Vapour Cloud Explosion) é a rápida combustão de uma nuvem de vapor inflamável ao ar livre, seguida de uma grande perda de conteúdo, gerada a partir de uma fonte de ignição. Nesse caso, somente uma parte da energia total irá se desenvolver sobre a forma de ondas de pressão e a maior parte na forma de radiação térmica. Fator de Distância (FD) (FEPAM) onde distância (m) é a menor distância, em metros, entre o ponto de liberação do fator de perigo e o ponto de interesse onde estão localizados os recursos vulneráveis. Fator de Perigo (FP) (FEPAM) MLA e MR ver adiante. Consideram-se situações graves aquelas onde se possa observar: a) Concentração no ar de substância tóxica capaz de causar morte em 1% das pessoas expostas durante um tempo de 30 minutos; b) Fluxo de radiação térmica capaz de causar morte em 1% das pessoas expostas durante um tempo de 60 segundos; c) Explosão gerando combinação de sobrepressão e impulso capaz de causar morte em 1% das pessoas expostas. Flashfire (CETESB) Incêndio de uma nuvem de vapor em que a massa envolvida não é suficiente para atingir o estado de explosão. É um fogo extremamente rápido em que todas as pessoas que se encontram dentro da nuvem recebem queimaduras letais. Fluxograma de processo (CETESB) Representação esquemática do fluxo seguido no manuseio ou na transformação de matérias- -primas em produtos intermediários e acabados. É constituída de equipamentos de caldeiraria (tanques, torres, vasos, reatores etc.); máquinas (bombas, compressores etc.); e tubulações, válvulas e instrumentos principais, onde devem ser apresentados dados de pressão, temperatura, vazões, balanços de massa e de energia e demais variáveis de processo. Frequência (CETESB) Número de ocorrências de um evento por unidade de tempo. Gerenciamento de riscos (CETESB) Processo de controle de riscos compreendendo a formulação e a implantação de medidas e procedimentos técnicos e administrativos que têm por objetivo prevenir, reduzir e controlar os riscos, bem como manter uma instalação operando dentro de padrões de segurança considerados toleráveis ao longo de sua vida útil. 21

Gerenciamento de Riscos Ambientais Aula 2

Gerenciamento de Riscos Ambientais Aula 2 Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão, Auditoria e Perícia Ambiental Gerenciamento de Riscos Ambientais Aula 2 Alexandre Martins Fernandes afernandes@cena.usp.br Sorocaba Agosto 2010 Histórico

Leia mais

NORMA EM REVISÃO NORMA TÉCNICA P4.261. Manual de orientação para a elaboração de estudos de análise de riscos. Mai/2003 122 PÁGINAS

NORMA EM REVISÃO NORMA TÉCNICA P4.261. Manual de orientação para a elaboração de estudos de análise de riscos. Mai/2003 122 PÁGINAS NORMA TÉCNICA P4.261 Mai/2003 122 PÁGINAS Manual de orientação para a elaboração de estudos de análise de riscos Companhia Ambiental do Estado de São Paulo Avenida Professor Frederico Hermann Jr., 345

Leia mais

DÉCADA DE 80, DEVIDO A GRANDES ACIDENTES, PREOCUPAÇÃO MUNDIAL BRASIL, 1984, PREOCUPAÇÃO GEROU ÊNFASE APÓS ROMPIMENTO DE DUTO, SEGUIDO DE

DÉCADA DE 80, DEVIDO A GRANDES ACIDENTES, PREOCUPAÇÃO MUNDIAL BRASIL, 1984, PREOCUPAÇÃO GEROU ÊNFASE APÓS ROMPIMENTO DE DUTO, SEGUIDO DE DÉCADA DE 80, DEVIDO A GRANDES ACIDENTES, PREOCUPAÇÃO MUNDIAL BRASIL, 1984, PREOCUPAÇÃO GEROU ÊNFASE APÓS ROMPIMENTO DE DUTO, SEGUIDO DE INCÊNDIO, CAUSANDO CERCA DE 500 VÍTIMA, 93 FATAIS. VILA SOCÓ CUBATÃO

Leia mais

Curso de formação: Análise de Risco, Segurança Operacional e Confiabilidade

Curso de formação: Análise de Risco, Segurança Operacional e Confiabilidade CETESB Companhia Ambiental do Estado de São Paulo FDTE Fundação para o Desenvolvimento Tecnológico da Engenharia LabRisco Laboratório de Análise, Avaliação e Gerenciamento de Risco da USP Curso de formação:

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL

ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL Wanderley Feliciano Filho CRQ IV- Novembro/ 006 Conceito Constituicional Artigo Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial

Leia mais

Prof. Kerley Oliveira professorkerley@yahoo.com.br. GrupoKerley.webnode.com.br

Prof. Kerley Oliveira professorkerley@yahoo.com.br. GrupoKerley.webnode.com.br Prof. Kerley Oliveira professorkerley@yahoo.com.br GrupoKerley.webnode.com.br 29/07/2011 CAS 141-78-6 1 tanque de 65m 3 Distância segura 26,5 metros 30 m 15 m 25 m 40 m Acidentes Ambientais O Despertar

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA EM VASOS DE PRESSÃO ESFÉRICOS CONTENDO GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO

AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA EM VASOS DE PRESSÃO ESFÉRICOS CONTENDO GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA EM VASOS DE PRESSÃO ESFÉRICOS CONTENDO GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO Luciano de Oliveira Castro Lara Departamento de Engenharia Mecânica Faculdade de Aracruz UNIARACRUZ castrolara@hotmail.com

Leia mais

Definição dos objetivos da análise, caracterização da instalação e da região de interesse;

Definição dos objetivos da análise, caracterização da instalação e da região de interesse; CAPÍTULO 10 ESTUDO DE ANÁLISE DE RISCO O Estudo de Análise de Riscos (EAR) foi desenvolvido pela empresa RCA Rabaneda Consultoria Ambiental, subcontratada da CPEA e contempla as futuras instalações do

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd)

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) Antonio Keh Chuan Chou Gerente EHS GSC Latin America Sherwin Williams São Paulo, 22 de agosto de 2013 workshop AGENDA workshop Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho Operações

Leia mais

SEGURANÇA COM GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO - GLP. Fernando Vieira Sobrinho Fundacentro/SP

SEGURANÇA COM GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO - GLP. Fernando Vieira Sobrinho Fundacentro/SP SEGURANÇA COM GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO - GLP Fernando Vieira Sobrinho Fundacentro/SP O GLP é basicamente uma mistura de propano e butano e sua composição é função de disponibilidade dos gases nas refinarias.

Leia mais

AULA 2 A CONTABILIDADE E O MEIO AMBIENTE. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO

AULA 2 A CONTABILIDADE E O MEIO AMBIENTE. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO 1 2 1. Conceituar a Contabilidade Ambiental; 2. Definir Meio Ambiente 3. Citar as finalidades da Contabilidade Ambiental; 4. Conhecer a evolução histórica; 3

Leia mais

Os perigos do Gás G s Liquefeito de Petróleo (GLP) e a segurança no uso doméstico

Os perigos do Gás G s Liquefeito de Petróleo (GLP) e a segurança no uso doméstico Os perigos do Gás G s Liquefeito de Petróleo (GLP) e a segurança no uso doméstico José Possebon 20/10/2010 Características do GLP O GLP normalmente é uma mistura de propano e butano e sua composição é

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO M4 D4 GERÊNCIA DE RISCOS II GUIA DE ESTUDO PARTE I SEGURANÇA DE PROCESSO AULA 50

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO M4 D4 GERÊNCIA DE RISCOS II GUIA DE ESTUDO PARTE I SEGURANÇA DE PROCESSO AULA 50 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO M4 D4 GERÊNCIA DE RISCOS II GUIA DE ESTUDO PARTE I SEGURANÇA DE PROCESSO AULA 50 PROFESSOR AUTOR: ENGª MARIA CRISTINA DOS REIS PROFESSOR TELEPRESENCIAL:

Leia mais

Grandes Acidentes Industriais Mundiais Convenção 174 da OIT

Grandes Acidentes Industriais Mundiais Convenção 174 da OIT Grandes Acidentes Industriais Mundiais Convenção 174 da OIT Eng. Nelson Agostinho Burille - Presidente Associação Nacional de Engenharia de Segurança do Trabalho 3 o Seminário Nacional de Segurança e Saúde

Leia mais

Classificação de incidentes

Classificação de incidentes norma técnica Classificação de incidentes Código: NT.00036.GN Edição: 1 O texto seguinte corresponde a uma tradução do Procedimento original Clasificación de incidentes (NT.00036.GN), Edição 1, com o fim

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Documento sujeito a revisões periódicas CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-2118 / 3232-1975 / 0800-281-1975

TERMO DE REFERÊNCIA. Documento sujeito a revisões periódicas CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-2118 / 3232-1975 / 0800-281-1975 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ESTUDO DE ANÁLISE DE RISCO PARA PROJETOS DE ARMAZENAMENTO E REVENDA DE RECIPIENTES

Leia mais

MANUAL PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÃO DE RISCO DE ACIDENTE DE ORIGEM TECNOLÓGICA. 1 Introdução

MANUAL PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÃO DE RISCO DE ACIDENTE DE ORIGEM TECNOLÓGICA. 1 Introdução MANUAL PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÃO DE RISCO DE ACIDENTE DE ORIGEM TECNOLÓGICA 1 Introdução Os acidentes industriais ocorridos nos últimos anos, em particular na década de 80, contribuíram de forma significativa

Leia mais

Módulo 1: Conceitos Fundamentais, Formas de Expressão e Critérios de Aceitabilidade de Riscos

Módulo 1: Conceitos Fundamentais, Formas de Expressão e Critérios de Aceitabilidade de Riscos APOSTILA DO CURSO SOBRE ESTUDO DE ANÁLISE DE RISCOS E PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Relatório Nº: Apostila Análise Risco/2006 Revisão Nº: 2 Módulo 1: Conceitos Fundamentais, Formas de Expressão e

Leia mais

Entupimento em Bicos Queimadores O produto SAFE 405 mantém os bicos queimadores sempre limpos, evitando entupimentos indesejados.

Entupimento em Bicos Queimadores O produto SAFE 405 mantém os bicos queimadores sempre limpos, evitando entupimentos indesejados. JohnsonDiversey SAFE 405 Aditivo para óleos combustíveis. Anti-corrosivo Evita o processo corrosivo em tanques de armazenagem de óleo tipo BPF. Com a melhora da queima do combustível, reduz a quantidade

Leia mais

ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A

ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A AIHA (AMERICAN INDUSTRIAL HYGIENE ASSOCIATION) O problema básico na avaliação da exposição ocupacional é reconhecer todas as exposições, avaliar

Leia mais

LÓGICA DA GESTÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS PERIGOSOS

LÓGICA DA GESTÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS PERIGOSOS LÓGICA DA GESTÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS PERIGOSOS III Seminário Estadual de Acidentes com Produtos Perigosos Belo Horizonte, 27 a 29 de maio de 2008. Gilmar da Cunha Trivelato FUNDACENTRO - CRMG Objetivo

Leia mais

A importância da Gestão de Riscos para o Contexto Industrial. 1 Ten PM Nerval

A importância da Gestão de Riscos para o Contexto Industrial. 1 Ten PM Nerval A importância da Gestão de Riscos para o Contexto Industrial 1 Ten PM Nerval Objetivos Explanação acerca de alguns conceitos relacionados a gestão de riscos; Apresentação dos acidentes mais comuns a atividade

Leia mais

Módulo 8: Estudo de Caso Posto de Combustíveis

Módulo 8: Estudo de Caso Posto de Combustíveis APOSTILA DO CURSO SOBRE ESTUDO DE ANÁLISE DE RISCOS E PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Relatório Nº: Apostila Análise Risco/2006 Revisão Nº: 2 Módulo 8: Estudo de Caso Posto de Combustíveis Preparado

Leia mais

Incêndio em Veículos com GNV

Incêndio em Veículos com GNV 1/4 1. FINALIDADE Padronizar e minimizar a ocorrência de desvios na execução de tarefas fundamentais para o funcionamento correto do processo de atendimento de ocorrências emergenciais do tipo EM VEÍCULOS

Leia mais

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n. ANEXO I da NR-20 1 e 2.... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.º 9: a) o inventário e características dos inflamáveis

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA n.º 20 SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO COM INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS

NORMA REGULAMENTADORA n.º 20 SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO COM INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS NORMA REGULAMENTADORA n.º 20 SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO COM INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS SUMÁRIO 20.1 Introdução 20.2 Abrangência 20.3 Definições 20.4 Classificação das Instalações 20.5 Projeto da Instalação

Leia mais

Prevenção e Combate a Incêndios

Prevenção e Combate a Incêndios Prevenção e Combate a Incêndios Fogo É uma forma de combustão Combustão É uma forma de oxidação Incêndio É um acidente provocado pelo fogo Analogias Geométricas do Fogo Triângulo do Fogo Tetraedro do Fogo

Leia mais

Atmosferas Explosivas. Segurança e confiabilidade

Atmosferas Explosivas. Segurança e confiabilidade Atmosferas Explosivas Segurança e confiabilidade Atmosferas Explosivas Quando o assunto é área de risco o uso de produtos apropriados e a manutenção adequada são exigências obrigatórias para atender normas

Leia mais

TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA. Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br

TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA. Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br PERFIL DOS ACIDENTES ATENDIDOS PELA FEPAM Emergências Ambientais no RS - Geral TIPO

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO. Pág. 1 de 107

ANÁLISE DE RISCO. Pág. 1 de 107 Pág. 1 de 107 ÍNDICE: 1. INTRODUÇÃO...4 1.1 SUMÁRIO EXECUTIVO...4 1.2 RESULTADOS E CONCLUSÕES...6 Risco Individual...6 Risco Social...7 1.3 RESULTADOS E CONCLUSÕES COM AS MEDIDAS MITIGADORAS...8 1.3 INTRODUÇÃO...10

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO APP TERMOELÉTRICA GÁS NATURAL

ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO APP TERMOELÉTRICA GÁS NATURAL ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO APP TERMOELÉTRICA GÁS NATURAL Sub-subsistema: Alimentação de Gás Natural (CityGate) / Distribuição ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO - APP Grande tubulações do CityGate Pequeno

Leia mais

METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DE RISCOS DE INSTALAÇÕES NUCLEARES. Vanderley de Vasconcelos(*), Murillo Senne Jr.(*), Elizabete Jordão(**)

METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DE RISCOS DE INSTALAÇÕES NUCLEARES. Vanderley de Vasconcelos(*), Murillo Senne Jr.(*), Elizabete Jordão(**) METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DE RISCOS DE INSTALAÇÕES NUCLEARES Vanderley de Vasconcelos(*), Murillo Senne Jr.(*), Elizabete Jordão(**) (*) Centro de Desenvolvimento da Tecnologia Nuclear - CDTN/CNEN Caixa

Leia mais

ALTO POTENCIAL DE RISCOS DE ACIDENTES

ALTO POTENCIAL DE RISCOS DE ACIDENTES 1 O QUE É ESPAÇO CONFINADO? CARACTERÍSTICAS VOLUME CAPAZ DE PERMITIR A ENTRADA DE EMPREGADOS LIMITAÇÕES E RESTRIÇÕES PARA ENTRADA E SAIDA DE PESSOAL NÃO E PROJETADO PARA OCUPAÇÃO CONTÍNUA POSSUI, EM GERAL,

Leia mais

Referências - Item 32.3.8 / Subitem 32.3.8.1.1 - Dos Gases Medicinais

Referências - Item 32.3.8 / Subitem 32.3.8.1.1 - Dos Gases Medicinais 1801 a) Preto: Líquidos inflamáveis e combustíveis; b) Amarelo: Gás não liquefeito (ex: gás natural); c) Azul: Ar comprimido; d) Verde: Mangueiras de oxigênio (solda oxiacetilênica) e água industrial;

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS 1 SUMÁRIO RESUMO......2 1 INTRODUÇÃO......3 1.1 OBJETIVO......3 1.2 APLICABILIDADE...3 1.3 TERMOS E DEFINIÇÕES...3 2 LICENCIAMENTO AMBIENTAL......3

Leia mais

Temas abordar. Workshop 2010 03 10. Situações causadoras de emergência. Quais são os constituintes de um PEI. Regulamentação associada ( novo RGSCIE)

Temas abordar. Workshop 2010 03 10. Situações causadoras de emergência. Quais são os constituintes de um PEI. Regulamentação associada ( novo RGSCIE) Workshop 2010 03 10 Temas abordar Situações causadoras de emergência O que é um Plano de Emergência Interno PEI Quais são os constituintes de um PEI Regulamentação associada ( novo RGSCIE) Como fazer ACIB

Leia mais

Avaliação e Gestão de Riscos Industriais Refinaria Gabriel Passos REGAP

Avaliação e Gestão de Riscos Industriais Refinaria Gabriel Passos REGAP Avaliação e Gestão de Riscos Industriais Refinaria Gabriel Passos REGAP - João Eustáquio Beraldo Teixeira Engenheiro de Segurança do Trabalho - Marcos José Jeber Jardim Gerente de Segurança. Meio Ambiente

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR. Francisco J. M. Chaves

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR. Francisco J. M. Chaves ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR ANÁLISE DE RISCOS No início da década de 60, a indústria de processamento apresentou um grande avanço tecnológico, com a utilização de condições de pressão e temperaturas

Leia mais

Paula Scardino. Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados

Paula Scardino. Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados Paula Scardino Coordenação Nacional da Norma - ABNT NBR 14.787, publicada em Dezembro de 2001 Membro do GT Tripartite da NR-33,

Leia mais

Análise e Gerenciamento de Risco

Análise e Gerenciamento de Risco Análise e Gerenciamento de Risco Introdução APR HAZOP Árvores Versão: Setembro de 2015 Risco Risco Risco Risco f (frequência, severidade) Risco f (frequência, severidade) Frequência Seguros Probabilidade

Leia mais

Paraformaldeido Página 1 de 5 FISPQ nº: 002.067 Ultima Revisão: 07/07/2005

Paraformaldeido Página 1 de 5 FISPQ nº: 002.067 Ultima Revisão: 07/07/2005 Paraformaldeido Página 1 de 5 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto : Paraformaldeido Código do produto : 002.067 Empresa Corpo de Bombeiros : 193 Polícia Militar : 190 : Metalloys &

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUíMICOS (FISPQ)

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUíMICOS (FISPQ) 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Aplicação: Redutor de ph Empresa: Micheloto Ind. e Com. de Prod. Químicos Ltda EPP Endereço: Est. Vic. Dr. Eduardo Dias de Castro Km 03 B Zona Rural Fernão/SP

Leia mais

HIDRÓXIDO DE SÓDIO (SODA CAÚSTICA ESCAMAS)

HIDRÓXIDO DE SÓDIO (SODA CAÚSTICA ESCAMAS) HIDRÓXIDO DE SÓDIO (SODA CAÚSTICA ESCAMAS) Número ONU 1823 Rótulo de risco Número de risco 80 Classe / Subclasse 8 Sinônimos SODA CAUSTICA Aparência SÓLIDO, FLOCOS OU PELOTAS; BRANCO; SEM ODOR; AFUNDA

Leia mais

FLIXBOROUGH 25 ANOS. P. E. Pascon

FLIXBOROUGH 25 ANOS. P. E. Pascon FLIXBOROUGH 25 ANOS P. E. Pascon Flixborough é um nome bastante conhecido para os profissionais da indústria química. Representa uma linha divisória na filosofia de segurança aplicada pelo setor. O inquérito

Leia mais

Disciplina: Gerenciamento de Riscos Ambientais

Disciplina: Gerenciamento de Riscos Ambientais Disciplina: Prof. Msc. Alexandre Martins Fernandes 1 Este texto de referência tem por objetivo proporcionar ao leitor um rápido acesso aos principais conceitos e métodos disponíveis na literatura a respeito

Leia mais

Tipos de Embalagens Usadas para o Transporte de Materiais Radioativos

Tipos de Embalagens Usadas para o Transporte de Materiais Radioativos WNTI W O R L D N U C L E A R T R A N S P O RT I N S T I T U T E FICHA DESCRITIVA Tipos de Embalagens Usadas para o Transporte de Materiais Radioativos Dedicado ao transporte seguro, eficiente e confiável

Leia mais

Nuvem de Vapor Inflamável: Prevenção, Detecção e Mitigação

Nuvem de Vapor Inflamável: Prevenção, Detecção e Mitigação Nuvem de Vapor Inflamável: Prevenção, Detecção e Mitigação Nuvem de Vapor Inflamável: Prevenção, Detecção e Mitigação INTRODUÇÃO A nuvem de vapor é um dos maiores perigos nas áreas produtivas onde ocorrem

Leia mais

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos 18 1. Introdução Nos últimos anos, o crescimento econômico dos países desenvolvidos provocou o aumento da demanda mundial por energia. Com esta também veio um forte aumento da dependência do petróleo e

Leia mais

Riscos das reações químicas reações de Runaway

Riscos das reações químicas reações de Runaway Riscos das reações químicas reações de Runaway Riscos das reações químicas reações de Runaway INTRODUÇÃO Atualmente um grande número de indústrias, principalmente as químicas, empregam reagentes que, sob

Leia mais

Conselho Regional de Química IV Região (SP)

Conselho Regional de Química IV Região (SP) Conselho Regional de Química IV Região (SP) Programa de Gerenciamento de Riscos para a a Prevenção e de Acidentes Ministrante: Ricardo Rodrigues Serpa Bacharel em Química Tecnológica, Diretor Executivo

Leia mais

Eng. Rosiane Albuquerque

Eng. Rosiane Albuquerque Eng. Rosiane Albuquerque NR - 20 Definição e Classes: - Líquidos e Combustíveis Inflamáveis Tanques de Armazenagem e suas Características Salas de armazenamento de Líquidos Inflamáveis NR - 23 Classes

Leia mais

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Projeto Nobrecel de Troca de Combustível na Caldeira de Licor Negro (Nobrecel fuel switch in black liquor boiler Project) Introdução: O objetivo deste relatório é o

Leia mais

Treinamento e-learning Gerenciamento de Riscos e Técnicas para Análise de Riscos: APP, What if, AAF, HAZOP, FMEA.

Treinamento e-learning Gerenciamento de Riscos e Técnicas para Análise de Riscos: APP, What if, AAF, HAZOP, FMEA. Treinamento e-learning Gerenciamento de Riscos e Técnicas para Análise de Riscos: APP, What if, AAF, HAZOP, FMEA. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO - APP UNIDADE DE REGASEIFICAÇÃO

ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO - APP UNIDADE DE REGASEIFICAÇÃO ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO - APP UNIDADE DE REGASEIFICAÇÃO Sub-subsistema: Navio de Transporte de GNL ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO APP Vazamentos Danos aos tanques de Formação de Visual Seguir rigorosamente

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Giovanni Moraes, M.Sc Eng. Químico Eng

Leia mais

OHSAS-18001:2007 Tradução livre

OHSAS-18001:2007 Tradução livre SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL - REQUISITOS (OCCUPATIONAL HEALTH AND SAFETY MANAGEMENT SYSTEMS - REQUIREMENTS) OHSAS 18001:2007 Diretrizes para o uso desta tradução Este documento

Leia mais

Metodologias de Análise de Riscos

Metodologias de Análise de Riscos Metodologias de Análise de Riscos #1 Metodologia aplicada: Identificação de perigos» Caracterização de Fontes de risco internas» Caracterização de Fontes de risco externas» Análise da perigosidade das

Leia mais

DZ-1314.R-0 - DIRETRIZ PARA LICENCIAMENTO DE PROCESSOS DE DESTRUIÇÃO TÉRMICA DE RESÍDUOS

DZ-1314.R-0 - DIRETRIZ PARA LICENCIAMENTO DE PROCESSOS DE DESTRUIÇÃO TÉRMICA DE RESÍDUOS DZ-1314.R-0 - DIRETRIZ PARA LICENCIAMENTO DE PROCESSOS DE DESTRUIÇÃO TÉRMICA DE RESÍDUOS Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 2 968, de 14 de setembro de 1993 Publicada no DOERJ de 05 de outubro de

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos (MSDS)

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos (MSDS) Página: 1/5 1 - Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: TEMED (N,N,N,N -Tetramethylenediamine) - Código de identificação do produto: 161-0800N - Nome da Empresa: BioAgency Biotecnologia

Leia mais

Módulo 4 Metodologias de análise de risco: APP, What if, AAF e HAZOP

Módulo 4 Metodologias de análise de risco: APP, What if, AAF e HAZOP Módulo 4 Metodologias de análise de risco: APP, What if, AAF e HAZOP Metodologias para análise de riscos/perigos APP ou APR Análise Preliminar de Perigo/Risco What if O que aconteceria se? AAF Análise

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Técnico em Segurança do Trabalho Gerenciamento de Riscos Professor: Marcio Ruiz Maia AULA 02 Conceitos na Gerencia de Riscos 2.1) Revisão de conceitos de Segurança 2.2) Conceitos Básicos de SST 2.3) As

Leia mais

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2. A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.000 consultores que se dedicam de forma integral à gestão de riscos

Leia mais

Parte III Classes de temperatura, documentação, exemplos em CAD 2D e CAD 3D

Parte III Classes de temperatura, documentação, exemplos em CAD 2D e CAD 3D 32 Capítulo VIII Requisitos para automação de projetos e para estudos de classificação de áreas (com atmosferas explosivas de gases inflamáveis e de poeiras combustíveis em maquetes eletrônicas utilizando

Leia mais

TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS NA COMGAS AGOSTO/02

TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS NA COMGAS AGOSTO/02 TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS NA COMGAS AGOSTO/02 Sistema de Gerenciamento de SSM na Comgás Liderança e Comprometimento Política e Objetivos Estratégicos Organização, Responsabilidades, Recursos, Padrões

Leia mais

Carta de Santos O que ocorreu e o que precisa mudar

Carta de Santos O que ocorreu e o que precisa mudar Carta de Santos O que ocorreu e o que precisa mudar Aos vinte dias de maio do ano de dois mil e quinze, realizou-se na Associação de Engenheiros e Arquitetos de Santos - AEAS o fórum Incêndio Alemoa O

Leia mais

PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCO

PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCO 1. Introdução PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCO Por Edson Haddad Os estudos de análise de risco são considerados como importantes ferramentas de gerenciamento, tanto sob o ponto de vista ambiental, como

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS: CLASSIFICAÇÃO DE RISCOS DA ONU, PAINEL DE SEGURANÇA E RÓTULO DE RISCOS

IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS: CLASSIFICAÇÃO DE RISCOS DA ONU, PAINEL DE SEGURANÇA E RÓTULO DE RISCOS IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS: CLASSIFICAÇÃO DE RISCOS DA ONU, PAINEL DE SEGURANÇA E RÓTULO DE RISCOS 1. Introdução Por Edson Haddad, Ricardo Serpa e Rodolfo Arias As atividades que

Leia mais

3. Identificação dos Perigos Perigos mais importantes : Ação irritante para olhos, pele e sistema respiratório.

3. Identificação dos Perigos Perigos mais importantes : Ação irritante para olhos, pele e sistema respiratório. Tripolifosfato de Sódio Página 1 de 5 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto : Tripolifosfato de Sódio Código do produto : 001.019 Empresa Corpo de Bombeiros : 193 Polícia Militar : 190

Leia mais

ÁREAS DE ATUAÇÃO SENAC EM JUNDIAÍ. Inspeções Internas. João Gama Godoy. Técnico de Segurança do Trabalho. Senac - 2009

ÁREAS DE ATUAÇÃO SENAC EM JUNDIAÍ. Inspeções Internas. João Gama Godoy. Técnico de Segurança do Trabalho. Senac - 2009 ÁREAS DE ATUAÇÃO SENAC EM JUNDIAÍ Inspeções Internas João Gama Godoy Técnico de Segurança do Trabalho Senac - 2009 É proibida a reprodução do conteúdo desta apresentação em qualquer meio de comunicação,

Leia mais

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico FOSFATO DE ZINCO SOLUÇÃO

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico FOSFATO DE ZINCO SOLUÇÃO Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Nome da Empresa/Fornecedor: Resimapi Produtos Químicos Ltda. Endereço: Av. Osaka, 800 Arujá São Paulo Telefone da Empresa: (xx11)

Leia mais

Revisão 15 Abril/13 FISPQ N o 0002-13 Página 1 de 5

Revisão 15 Abril/13 FISPQ N o 0002-13 Página 1 de 5 FISPQ N o 0002-13 Página 1 de 5 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME COMERCIAL Thinner 2750 NOME DO FABRICANTE ANJO QUIMICA DO BRASIL LTDA Rodovia SC, 447 Km 02 Criciúma Santa Catarina CEP: 88.817-440

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

zeppini@zeppini.com.br www.zeppini.com.br Estrada Sadae Takagi, 665 CEP 09852-070 Fone (11) 4393-3600 Fax (11) 4393-3609 Zeppini Comercial Ltda

zeppini@zeppini.com.br www.zeppini.com.br Estrada Sadae Takagi, 665 CEP 09852-070 Fone (11) 4393-3600 Fax (11) 4393-3609 Zeppini Comercial Ltda + Sideraço Industrial do Brasil Ltda Rua Francisco Reis, 785-3º Distrito Industrial CEP 88311-710 Itajaí - SC Fone (47) 3341-6700 Fax (47) 3341-6717 vendas@sideraco.com.br www.sideraco.ind.br Zeppini Comercial

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FIS 00001 1/6 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Empresa: Endereço: Água sanitária Super Cândida Indústrias Anhembi S/A Matriz: Rua André Rovai, 481 Centro Osasco SP Telefone: Matriz:

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

4. Acidentes Recentes em Dutos da Petrobras

4. Acidentes Recentes em Dutos da Petrobras 51 4. Acidentes Recentes em Dutos da Petrobras Neste capítulo serão apresentados os acidentes que ocorreram recentemente nos dutos da Petrobras e abalaram a imagem da empresa, o cenário nacional no momento

Leia mais

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CLORETO DE AMÔNIO

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CLORETO DE AMÔNIO Página 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Nome da Empresa/fornecedor: Endereço: Resimapi Produtos Químicos Ltda Av. Osaka, 800 Arujá São Paulo Telefone da Empresa: (xx11)

Leia mais

ANÁLISE QUANTITATIVA DE RISCO DE UMA UNIDADE DE RECUPERAÇÃO DE ENXOFRE DE UMA REFINARIA DE PETRÓLEO

ANÁLISE QUANTITATIVA DE RISCO DE UMA UNIDADE DE RECUPERAÇÃO DE ENXOFRE DE UMA REFINARIA DE PETRÓLEO ANÁLISE QUANTITATIVA DE RISCO DE UMA UNIDADE DE RECUPERAÇÃO DE ENXOFRE DE UMA REFINARIA DE PETRÓLEO First Author Heitor de Oliveira Duarte UFPE, Av. Acadêmico Helio Ramos, s/n, Cidade Universitária, Recife-PE,

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO Ano III / N o 01 Janeiro-Fevereiro/98

BOLETIM TÉCNICO Ano III / N o 01 Janeiro-Fevereiro/98 BOLETIM TÉCNICO Ano III / N o 01 Janeiro-Fevereiro/98 ANÁLISE DE RISCO 1. INTRODUÇÃO A utilização da Análise de Riscos, em atividades industriais ou não, tem como objetivo minimizar o potencial de ocorrência

Leia mais

Sob condições normais de uso não deve apresentar riscos significativos à saúde. Não se espera nenhum efeito sobre o meio ambiente

Sob condições normais de uso não deve apresentar riscos significativos à saúde. Não se espera nenhum efeito sobre o meio ambiente 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto Lubrificante para corrente Código interno de identificação 00.00.000.000 Nome da empresa Endereço Aeroflex Indústria de Aerosol Ltda. Rod. BR 116

Leia mais

NR 13 NORMA REGULAMENTADORA 13

NR 13 NORMA REGULAMENTADORA 13 NR 13 NORMA REGULAMENTADORA 13 CUSTOS VISÍVEIS MÃO DE OBRA MATERIAIS SERVIÇOS DE TERCEIROS C U S T O S I N V I S I V E I S CUSTO DE MANUTENÇÃO / CUSTOS TOTAIS CUSTO DE MANUTENÇÃO / FATURAMENTO CUSTOS

Leia mais

Guia de Análise de Vulnerabilidades e Medidas de Proteção

Guia de Análise de Vulnerabilidades e Medidas de Proteção Guia de Análise de Vulnerabilidades e Medidas de Proteção Ênio Viterbo Jr. (Bayer) Coordenador da Comissão de Proteção Empresarial César Garcia (neologos)) Consultor Guias de Proteção da Abiquim Guia de

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico - FISPQ

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico - FISPQ PRODUTO: G.L.P. Página 1 de 6 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: G.L.P. Código interno de identificação: Pb0025. Nome da empresa: Petróleo Brasileiro S. A. Endereço: Avenida Chile,

Leia mais

Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC

Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC ANEXO IV A Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC Diante desta nova regulamentação no setor de Transmissão de Energia Elétrica, os agentes de transmissão devem buscar estratégias para evitar as penalizações

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Página: 1 de 5 FISPQ Nº: 037 Data da última revisão: 26/10/2010 Nome do Produto: Betugrout 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Betugrout Código do Produto: 026050025. Nome da Empresa:

Leia mais

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resolução CONAMA Nº 009/1993 - "Estabelece definições e torna obrigatório o recolhimento e destinação adequada de todo o óleo lubrificante usado ou contaminado".

Leia mais

ÁREAS DE ATUAÇÃO SENAC EM JUNDIAÍ. Inspeções Internas. João Gama Godoy. Técnico de Segurança do Trabalho. Senac - 2009

ÁREAS DE ATUAÇÃO SENAC EM JUNDIAÍ. Inspeções Internas. João Gama Godoy. Técnico de Segurança do Trabalho. Senac - 2009 ÁREAS DE ATUAÇÃO SENAC EM JUNDIAÍ Inspeções Internas João Gama Godoy Técnico de Segurança do Trabalho Senac - 2009 É proibida a reprodução do conteúdo desta apresentação em qualquer meio de comunicação,

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Código do produto: PSL97 Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Código do produto: Aplicação: Fornecedor: PSL97 Telefone de emergência: (19) 2103-6000 REMOVEDOR DE TINTA CURADA PPG INDUSTRIAL

Leia mais

PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO

PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO DEFINIÇÃO DO FOGO O FOGO É UMA REAÇÃO QUIMICA QUE LIBERA LUZ E CALOR. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO 193 QUAL É O NUMERO DO CORPO DE BOMBEIROS?

Leia mais

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico ANTIOXIDANTE BHT ANTIOXIDANTE BHT ANTIOXIDANTE BHT. Utilizado como antioxidante.

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico ANTIOXIDANTE BHT ANTIOXIDANTE BHT ANTIOXIDANTE BHT. Utilizado como antioxidante. Folha: 1 / 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Código Interno: Principais usos recomendados: Utilizado como antioxidante. Cas number: 128-37-0 Empresa: Endereço: Basile Química

Leia mais

TRANSPORTE E MANUSEIO DE PRODUTO QUÍMICO

TRANSPORTE E MANUSEIO DE PRODUTO QUÍMICO TRANSPORTE E MANUSEIO DE PRODUTO QUÍMICO ÍCARO LOGÍSTICA AMBIENTAL QUÍMICO ORION DE VARGAS FLORES TELEFONE COMERCIAL: 51-3051-7544 TELEFONE DE EMERGÊNCIA: 51-9918-9135 icaroamb@cpovo.net orion.phoenix@terra.com.br

Leia mais

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR Prof. Humberto A. Machado Departamento de Mecânica e Energia DME Faculdade de Tecnologia de Resende - FAT Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

Apresentação do Módulo 2... 3. Perfil dos Autores... 3. Perfil do professor Aramis Cardoso Beltrami... 3. Perfil do professor Edson Haddad...

Apresentação do Módulo 2... 3. Perfil dos Autores... 3. Perfil do professor Aramis Cardoso Beltrami... 3. Perfil do professor Edson Haddad... ÍNDICE Apresentação do Módulo 2... 3 Perfil dos Autores... 3 Perfil do professor Aramis Cardoso Beltrami... 3 Perfil do professor Edson Haddad... 4 Perfil do professor Carlos Eid... 4 Objetivos do Módulo

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico - FISPQ

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico - FISPQ Produto: Antiderrapante para Correias Página 1 de 5 1 Informação do Produto e da Empresa Nome do Produto: Antiderrapante para Correias Fornecedor Nome: Ultralub Química Ltda. Endereço: Estrada dos Crisântemos,

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Introdução Crescimento industrial das últimas décadas Industrias maiores e mais complexas Acidentes industriais Investir na prevenção Histórico Engenharia de Confiabilidade - Análise

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume III Análise de Riscos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

GASES PERIGOSOS NOS ESPAÇOS CONFINADOS

GASES PERIGOSOS NOS ESPAÇOS CONFINADOS GASES PERIGOSOS NOS ESPAÇOS CONFINADOS Nos diversos ambientes, muitos deles existentes no subsolo, como galerias, esgotos, os porões nas edificações, tanques etc., pela natureza de seus projetos e finalidades,

Leia mais