AUMENTO DA EFICIÊNCIA OPERACIONAL DE GERADORES EÓLICOS ATRAVÉS DE ANÁLISE DE CONFIABILIDADE E RISCO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AUMENTO DA EFICIÊNCIA OPERACIONAL DE GERADORES EÓLICOS ATRAVÉS DE ANÁLISE DE CONFIABILIDADE E RISCO"

Transcrição

1 AUMENTO DA EFICIÊNCIA OPERACIONAL DE GERADORES EÓLICOS ATRAVÉS DE ANÁLISE DE CONFIABILIDADE E RISCO Resumo Prof. Dr. Daniel Castro CEFET-MG (1) Prof. Ms. Omar Vilela CEFET-MG (2) A eletricidade é hoje o principal suprimento energético indispensável e estratégico para o desenvolvimento social e econômico. No entanto para a geração de energia elétrica na maioria dos países se utiliza como fonte primária de energia o carvão e o petróleo, fontes não renováveis e principais agentes poluidores da atmosfera. A geração de eletricidade através dos ventos representa uma das principais alternativas em substituição às fontes não renováveis, devido a seu baixo impacto ambiental, menor tempo de implantação e uma grande disponibilidade de áreas para a instalação de parques eólicos. Porem, um dos aspectos críticos desta modalidade de geração de energia elétrica está na sua baixa eficiência de produção. Embora em condições favoráveis como regime anual de ventos e altas disponibilidades de operação os sistemas eólicos apresentam, de uma maneira geral, baixo desempenho na sua produção. Neste trabalho é mostrado um estudo realizado em parques eólicos em operação no Nordeste do Brasil, onde foi medida a performance global utilizando o parâmetro OEE (Overall Equipment Efficiency) desenvolvido no TPM (Total Productive Maintenance) e através de estudos de confiabilidade e risco foi possível identificar boa parte das causas da baixa eficiência observada nestes parques eólicos. As conclusões deste trabalho permitem identificar uma estreita relação entre performance operacional e perfil de confiabilidade de equipamentos e pode ser a chave para melhorar de forma significativa a performance de equipamentos, em particular os que apresentam um elevado nível de automação, como é o caso dos geradores eólicos. Palavras-Chave: Parque Eólico - Confiabilidade e Risco - Eficiência Operacional (1)- CEFET-MG Professor de ensino superior e Coordenador de Grupo de pesquisa (2)-CEFET-MG Aluno do curso de Mestrado de Engenharia de Energia-

2 1.0 - Introdução Em trabalhos de pesquisa desenvolvidos em parques eólicos, Castro et. al. (2009) e Castro et. al. (2011), foi observado que esta modalidade de geração de energia elétrica é afetada por paradas imprevistas e também velocidades reduzidas de produção durante seu funcionamento. Através do indicador de eficiência OEE (Overall, Equipment Efficiency) foram quantificados os seguintes parâmetros do OEE: Fator Disponibilidade (A), Fator Desempenho (B) e Fator Qualidade (C), chegando a um valor médio anual de OEE de aproximadamente 40%. Este baixo índice de eficiência incentivou a realização de estudos e pesquisas posteriores com o propósito de encontrar as causas destas perdas operacionais nos parques eólicos. Através de dados fornecidos pelo operador do parque como, potência gerada, velocidade e direção dos ventos e relatórios de manutenção, foi possível fazer um diagnóstico de todo o sistema funcional, observando os modos de falhas de seus componentes e seu respectivo índice de risco. Através da aplicação das técnicas FMEA (Failure Mode and Effect Analysis) e RCM (Reability Centered Maintenance) foi possível identificar as principais causas da baixa performance operacional dos aerogeradores, e também traçar um plano efetivo de manutenção que propicie maior confiabilidade no processo de geração de energia Manutenção Produtiva Análise de Risco e Confiabilidade. O objetivo de toda metodologia moderna relativa à manutenção está em garantir e preservar a função do equipamento. Esta nova maneira de se enxergar o processo de manutenção dentro do sistema produtivo levou, nos primórdios da década de 1970, ao desenvolvimento de uma nova técnica que trazia consigo o conceito de quebra zero. Surge assim a Manutenção Produtiva Total (TPM) como resultado do esforço nipônico em garantir o seu desenvolvimento e expansão de sua indústria. Com isto foi desenvolvido uma base conceitual e filosófica dentro de suas empresas visando aumentar a produtividade e eficiência operacional de seus ativos. O TPM tem como estrutura organizacional o trabalho em equipe, integrando todos os departamentos envolvidos na produção. Seu objetivo está em reduzir a probabilidade de falhas em seus equipamentos, que causa prejuízo e diminuição do tempo de produção. Através do parâmetro de eficiência global de equipamento OEE, foi possível detectar as perdas ocultas encontradas no

3 processo produtivo. Com esta técnica, aplicada principalmente na indústria automobilística, o Japão liderou o mercado mundial na produção de automóveis a partir de então. O conceito do OEE traz consigo uma visão sistêmica do ciclo produtivo, possibilitando aparar qualquer distúrbio que venha a ocorrer na produção perturbando a eficiência produtiva do equipamento. A sua estrutura lógica é composta por três indicadores que operam de forma independente e seu produto gera o indicador de eficiência global do equipamento, o OEE. O indicador de eficiência global OEE pode ser assim definido: OEE= Fator Disponibilidade (A) x Fator Desempenho (B) x Fator Qualidade (C) Fator Disponibilidade (A) É calculado em função do tempo calendário e o tempo de paradas como, manutenções preventivas, corretivas, ajustes na produção. Este fator informa o tempo em que o equipamento está disponível para a produção, e é calculado da seguinte forma: A= Tempo Calendário Tempo de Paradas Tempo Calendário Fator Desempenho (B) É o tempo operacional efetivo. Para isto considera-se um tempo padrão que é o tempo onde o equipamento tem seu melhor desempenho e o número de produtos produzidos, dividido pelo tempo disponível, da seguinte forma: B= Tempo Padrão x Nº de Produtos Produzidos Tempo Calendário Tempo de Paradas Fator Qualidade (C) O Fator de Qualidade vem como resposta do rendimento da produção. É calculado com base no tempo de operação eficaz, ou seja, tempo de produção de qualidade padrão e no tempo operacional. C = N o de Prod. produzidos N o de Prod. rejeitados N o de Prod. produzidos

4 A Manutenção Produtiva Total serviu de alicerce e base conceitual para as novas metodologias que viriam a surgir nas décadas seguintes, século XX. Dentre elas está a Manutenção Centrada na Confiabilidade (MCC). A Manutenção Centrada na Confiabilidade, cujo termo de origem é Reability Centered Maintenance (RCM) surge em razão da incapacidade das técnicas de manutenção anteriores frente à automação ocorrida na indústria na segunda metade da década de 70, século XX (SIQUEIRA, 2005). A manutenção centrada em confiabilidade surge com a proposta de ser uma ferramenta que possibilita aos usuários respostas para os seguintes desafios: produto e serviço com qualidade, seleção de técnicas mais apropriadas, tratamento a cada tipo de processo de falhas, satisfação de todas as necessidades do cliente, produtos de acordo com as especificações e cumprimento do prazo de entrega. A grande contribuição da MCC resultou da constatação de que as maiores partes dos componentes dos sistemas modernos não apresentavam sintomas de falhas por desgaste. Segundo Moubray (2000), estudos feitos em aeronaves civis mostram que apenas 4% dos itens seguem a curva do tipo A (figura 1), conhecida como a típica forma da curva da banheira. A maior parte dos sistemas (68%) responde a curvas do tipo F, onde a probabilidade de falha não depende do tempo. Figura 1 Diferentes tipos de curvas da banheira.

5 3.0 - Características do Parque Eólico. A Unidade Eólico-Elétrica (UEE) em estudo está situada no litoral cearense, em Beberibe, a 100 km da capital, Fortaleza. Apresenta um relevo com pequenas elevações formadas por dunas inferiores a 20 m de altura. A energia gerada pela UEE alimenta a rede da COELCI, conforme contrato de conexão ao sistema de distribuição (CCD), tendo duas linhas de transmissão de 69 kv, uma de 31,7 Km, conectada a subestação de Aracati; e a outra, de 35,1 Km, à subestação de Beberibe. Possui 19 aerogeradores com capacidade de gerar potência nominal de 28,8 MW, com produção anual média de MWh. O gerador elétrico utilizado nos aerogeradores desta UEE foi desenvolvido pela empresa alemã VENSYS com dispositivo de transmissão direta, multipolo, síncrono, com excitação feita por ímãs permanentes, diretamente acoplada ao rotor, não necessitando de caixas multiplicadoras, que gera energia elétrica com frequência variável a uma velocidade de rotação compreendida entre 9 rpm e 19 rpm e pode trabalhar com velocidades de vento na faixa de 3 m/s a 25 m/s. Um conversor de frequência adequa a potência elétrica do gerador que é ingressada na rede através de um transformador. Este aerogerador está equipado com um rotor de três pás, com um diâmetro de 70 m e área de varredura de 3850 m², controle de Pitch e possui uma potência nominal de saída de kw (Máxima KW). Este gerador gera corrente elétrica que alimenta diretamente a rede. A torre de aço, com altura de 85 m, dá sustentação à nacele e ao rotor. Ela consiste em segmentos vinculados entre si, no local de instalação, por intermédio de flanges. O sistema responsável pelo ângulo de rolamento ou Yaw (eixo vertical) do aerogerador está fixado diretamente no extremo superior da torre. Os gabinetes de controle, o conversor, o transformador e o interruptor de meia tensão estão montados na base da torre. O sistema de controle é um PLC que ajusta e controla a operação dos parâmetros da turbina, não dependendo de dados ou controles externos. Este sistema possui sensores para receber informações externas, como velocidade do vento e direção, e todos os parâmetros operativos do aerogerador. O controle do sistema inversor tem a função de controlar as tensões, correntes e ângulo de defasagem entre eles. Diodos semicondutores são utilizados para retificar a corrente reduzindo as perdas de energia, interferências eletromagnéticas e picos de tensão nos enrolamentos do

6 gerador. A potência reativa de saída pode ser controlada em função da necessidade da rede mantendo a tensão mais estável possível. Parâmetros característicos da unidade eólica em estudo Na figura 2, abaixo, é mostrada a distribuição mensal dos ventos médios e sua orientação predominante durante o primeiro ano de operação desta unidade (2010). Figura 2 Distribuições da Velocidade e Direção Médias de A seguir é mostrada a energia total gerada pelo parque eólico comparada com a capacidade nominal do parque. Figura 3 Produção Mensal (2010) em MWh.

7 Na figura 4, é comparada a distribuição mensal de potência gerada pelo parque com a velocidade média dos ventos. Pode se observar que durante o período de abril a agosto de 2010 teve uma redução significativa na geração de potência do parque enquanto o perfil de ventos se manteve aproximadamente constante. Figura 4 Produção [MW] e distribuição da velocidade média dos ventos [m/s] (2010). Os principais motivos para esta redução na potência gerada foram às paradas imprevistas acontecidas em vários aerogeradores do parque durante este período. Além das paradas imprevistas (corretivas), os aerogeradores em operação sofreram também paradas para manutenção preventiva. Na figura 5, abaixo, são mostradas as horas mensais de manutenção corretiva e preventiva, no ano de 2010, do parque eólico.

8 Figura 5 Tempo de paradas imprevistas para Manutenção [horas/mês]. (2010) Indicador OEE do Parque Eólico. Com base nos dados de produção e paradas observadas no parque eólico foi calculado o perfil de eficiência global (OEE) do parque, mostrado na figura 6, Figura 6 Variação do OEE nos 19 aerogeradores da UEE A média anual de eficiência global foi somente de 40%, como é mostrado na seguinte relação: OEE = A X B X C = 0,60 X 0,66 X 1,00 = 0,40 Pode se observar que a o Fator Disponibilidade (A) foi em média de 60% no ano e o Fator Desempenho (B) foi de 66% neste período. Devido a que a

9 unidade de geração eólica não mede perdas de qualidade na energia gerada o Fator Qualidade (C) foi considerado 100% Análise de Confiabilidade e Risco. O baixo Fator Disponibilidade (A) do OEE observado no parque eólico pode ser melhorado utilizando-se de técnicas que possibilitem dar uma maior confiabilidade aos sistemas dos aerogeradores. A fim de dar maior clareza e compreensão do sistema que está sendo estudado, é mostrado na figura abaixo o diagrama de bloco simplificado do aerogerador, com seus principais sistemas. Figura 7 Diagrama de Blocos Simplificado do Sistema Aerogerador O primeiro passo foi identificar os componentes críticos de cada sistema. Para isto foi utilizada a ferramenta FMEA. Esta técnica permite mapear o risco global dos componentes de um sistema através de três indicadores: índice de gravidade (IG), índice de ocorrência (IO) e índice de detecção (ID). O índice de gravidade foi avaliado em função dos níveis de performance da instalação, os quais foram medidos através do OEE. Assim quanto menor fosse o OEE maior o índice de gravidade. Para o índice de ocorrência foi utilizada a taxa de falhas históricas observadas nos diferentes componentes do sistema. Estas taxas de falhas foram extraídas dos históricos de manutenção da instalação. Quanto maior a taxa de falha maior o índice de ocorrência. A figura 8 mostra o mapa de risco com os componentes críticos de cada sistema do aerogerador. Na tabela 1 são mostrados os valores numéricos de cada índice.

10 Tabela 1 Criticidade dos Componentes. PRIORIDADE Figura 8 Mapa de Risco dos Componentes dos Sistemas. Verifica-se na tabela 1, acima e na figura 8, que o sistema conversor e o sistema pitch apresentam os maiores índices de ocorrência de falhas, afetando de forma significativa o OEE, e por isso são tomados como prioridade nas etapas posteriores do trabalho (aplicação da MCC). No entanto é importante salientar que outros sistemas do gerador também se encontram na região de risco inaceitável, como sistema yaw e o próprio gerador. Isto indica que vários componentes podem estar comprometendo a eficiência do sistema como um todo. O sistema pitch permite a movimentação do ângulo de ataque das pás do rotor e tem, portanto, a função de controlar a potência transmitida do rotor ao gerador buscando através do sistema de controle o melhor ângulo de ataque em função da intensidade do vento, de forma a maximizar a potência transferida. Este sistema permite assim controlar a potência transmitida frente a variações da intensidade do vento. Verifica-se que este sistema tem uma função fundamental na eficiência energética do aerogerador e, portanto, é essencial que seus componentes apresentem um grau de confiabilidade elevado (acima de 95%).

11 O sistema yaw permite a rotação da nacele, ou seja, o conjunto onde estão alocados o rotor e o gerador. Esta rotação é necessária para orientar o rotor caso a direção do vento mude. Desta forma este sistema também tem um papel fundamental na garantia de eficiência energética do aerogerador, já que permite otimizar a posição do rotor frente a variações na direção do vento incidente. A função do sistema conversor, que é um dos mais críticos do aerogerador de acordo com o mapa de risco, é o de adequar os parâmetros elétricos gerados pelo aerogerador à rede externa de distribuição de energia elétrica, evitando que o sistema gerador não produza distúrbios de natureza eletromagnética nos sistemas periféricos. Nas figuras 9 e 10 são mostrados os diagramas em bloco dos sistemas conversor e pitch, que são os que apresentaram maiores índices de risco, indicando a relação lógica dos seus componentes. Figura 9 Diagrama de Blocos do Subsistema Pitch. Figura 10 Diagrama de Blocos do Sistema Conversor.

12 6.0 - Análise MCC para os sistemas críticos. De acordo à análise de risco foram identificados componentes críticos em termos de incidência de falhas (taxas de falhas históricas) e comprometimento da eficiência energética do aerogerador (OEE). Estes componentes merecem uma atenção especial, já que sua integridade funcional deve ser garantida de forma contínua para maximizar os níveis de eficiência global do sistema de geração. De acordo com a análise de risco os sistemas mais comprometidos foram o sistema conversor e o sistema pitch, seguidos pelo sistema gerador e o sistema yaw. Desta forma foi implementada uma análise MCC (Manutenção Centrada em Confiabilidade) direcionada aos componentes críticos destes sistemas. No artigo será abordada somente a análise dos elementos mais críticos do sistema conversor e do sistema pitch a fim de ilustrar a metodologia aplicada no trabalho MCC para componentes do sistema de conversor De acordo com a tabela 1 os elementos mais críticos deste sistema foram os seguintes: 1- IBGT 2- Inversor 3- Indutor 4- Diodos Todos estes componentes tem o mesmo nível de risco em termos de eficiência energética (OEE), sendo que o IBGT é o que apresentou maior taxa de falha, seguido pelo Inversor e Indutor e finalmente pelos Diodos. O método MCC permite definir quais são as ações mais eficazes em termos de manutenção ou reprojeto de um sistema de forma a maximizar a função dos componentes de um sistema, garantindo de forma contínua altos níveis de confiabilidade. Para isto se utiliza um diagrama de decisões baseado na criticidade da falha e no tipo de ação de manutenção, priorizando ações de caráter preditivo e preventivo. Caso estas ações não sejam eficazes a MCC prevê a implementação de testes e em última instância indica a necessidade de reprojetar o sistema, de forma a garantir a sua funcionalidade.

13 Nas figuras 11 e 12 são mostrados os diagramas de decisão para os modos de falha observados no componente IBGT do sistema conversor, que foram Falta de Sinal e Queima da Componente : Figura 11 Diagrama de Decisão do IGBT (Modo de Falha: Sem Sinal). Figura 12 Diagrama de Decisão do IGBT (Modo de Falha: IGBT Queima). Como pode se observar dos diagramas de decisão as ações recomendadas para estes modos de falha foram: Programar Teste (falta de sinal), e Re-projeto (queima do IBGT). Devido a que a segunda ação exige a elaboração de um novo projeto, isto indica que o sistema atual não garante a confiabilidade adequada para o sistema em termos de exigências operacionais. Este componente deve sofrer uma análise mais criteriosa em termos de projeto, já que não existe maneira de controlar os seus modos de falha através de ações de manutenção. Este é um resultado muito importante que sinaliza a necessidade de melhoria do sistema para garantir eficiência energética adequada. A segunda ação MCC indica a necessidade de testes periódicos deste componente, o qual não sofre de nenhum tipo de ação de controle em

14 termos de manutenção, ficando assim desprotegido em termos de confiabilidade MCC para componentes do sistema de pitch De forma análoga ao sistema conversor, a análise de risco mostra que os componentes mais críticos deste sistema foram (vide tabela 1): 1- Fonte (c.c.) 2- Pás 3- Motor (c.c.) 4- Sistema de Controle/Proteção Todos estes componentes tem o mesmo nível de risco em termos de eficiência energética (OEE) para o aerogerador, sendo que a Fonte (c.c). é a que apresentou maior taxa de falha, seguido pelas Pás depois o Motor (c.c.) e finalmente pelo Sistema de Controle /Proteção. Nas figuras 13 e 14 são mostrados os diagramas de decisão para os modos de falha observados no componente Fonte (c.c) e nas Pás do sistema pitch, que foram Queima da Fonte e Perda de Controle de Potência do Rotor, respectivamente: Figura 13 Diagrama de Decisão da Fonte de Tensão DC/DC do sistema Pitch.

15 Figura 14 Diagrama de Decisão da Pá (Sistema Pitch) Resultados da aplicação da técnica MCC (plano mestre) Como foi detalhado nos itens anteriores, foi aplicada a técnica MCC através do diagrama de decisões de forma a selecionar as ações mais adequadas para gerenciar os modos de falha mais críticos observados na instalação. A seguir a tabela 2 mostra o resumo da aplicação da análise MCC. Tabela 2 Plano Mestre MCC para os modos de falha críticos

16 7.0 - Análise dos resultados A análise de risco utilizando FMEA mostrou que os aerogeradores em estudo apresentam modos de falha críticos no sistema conversor, responsável pela adequação da tensão fornecida pelo gerador á rede de transmissão, assim como nos sistema Pitch, Yaw e Sistema de Controle, todos os quais são responsáveis pelo posicionamento adequado do rotor e das pás em função da variação da intensidade e direção dos ventos. O problema crítico encontrado neste estudo diz respeito ao fator desempenho (B) dos aerogeradores. Sabe-se que este indicador mede a taxa de produção que o equipamento ou sistema desempenha durante sua operação, indicando velocidades baixas de produção. Como foi mencionado anteriormente neste trabalho o sistema pitch e o sistema yaw, interferem diretamente na eficiência energética do sistema. Para verificar esta dependência foi realizado um teste comparativo entre o fator de performance do OEE (B) e a variação da intensidade dos ventos. A figura 15 e figura 16, abaixo, mostram a intensidade da velocidade e a direção média do vento tomada a intervalos de dez minutos correlacionando o fator desempenho (B) com desvio padrão destes parâmetros. (intensidade e direção do vento). Figura 15 Velocidade dos Ventos medida em intervalos de dez minutos nos dias 09 de abril, 09 de agosto e 09 de novembro de 2010.

17 Figura 16 Direção média dos ventos nos dias 09 de abril, 09 de agosto e 09 de novembro de Verifica-se que, a variabilidade da intensidade e direção do vento afeta de forma significativa a eficiência produtiva do sistema, demonstrando que para uma maior variabilidade da intensidade e direção média do vento (desvio padrão) o fator desempenho (B) diminui significativamente, corroborando em tese a existência de falhas no sistema de controle. A figura 17 mostra o fator desempenho (B) em função do desvio padrão da intensidade média dos ventos [m/s]. A figura 18, mais abaixo, mostra o fator desempenho (B) em função do desvio padrão da direção média dos ventos [graus]. Figura 17 Fator Desempenho (B) em função do desvio padrão da intensidade dos ventos.

18 Figura 18 Fator desempenho (B) em função do desvio padrão da direção média dos ventos Conclusão Os resultados indicam que as perdas de eficiência observadas nos aerogeradores eólicos em estudo são originadas por falhas existentes nos sistemas de controle responsáveis pelo ajuste da posição do rotor e das pás. Como identificado na análise de risco os sistemas Pitch, Yaw e o próprio Sistema de Controle apresentam altos riscos de falha e são os responsáveis pelo ajuste da posição do rotor e das pás às condições de vento existentes no aerogerador. A análise MCC indica que somente alguns modos de falha nestes sistemas críticos podem ser gerenciados adequadamente através de ações de manutenção, a maior parte dos modos de falha exigem ações de reprojeto, o que indica que os sistemas atuais de controle dos aerogeradores não tem performance adequada para atingir as exigências operacionais de alta confiabilidade e eficiência energética necessárias para que os sistemas de geração de energia eólicos sejam competitivos em relação com os sistemas de geração de energia elétrica convencional (sistemas hidráulicos e térmicos), os quais apresentam maior performance de operação. Os resultados obtidos neste trabalho, além de mostrar a importância do processo de análise de falha, via FMEA, associado à MCC na melhoria da eficiência energética de sistemas de geração eólicos, mostra também que falhas funcionais em sistemas eletroeletrônicos afetam de forma significativa a velocidade de operação de sistemas automatizados. Estes resultados podem servir de alerta a outros tipos de equipamentos que apresentem também altos índices de automação, já que sem a adequada análise por parte das áreas de manutenção estes sistemas podem estar sujeitos a significativas perdas de produção.

19 Referências Bibliográficas ANDREWS John, Nick Jelley.( 2007), Energy Science: Principles, Tecnologies and impacts, Oxford University Pres Inc., New York., 328 p. ANEEL. Atlas da Energia Elétrica do Brasil -3ª Edição Disponível em: AYELLO, Renan Bernardes Fernando. SMQEE - SISTEMA DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DE ENERGIA ELÉTRICA. ARAÚJO, Maria Silvia Muylaert, FREITAS, Marcos Aurélio Vasconcelos. Acceptance of renewable energy innovation in Brazil case study of wind energy. Received 6 February 2006; accepted 24 March Disponível em: Acesso em: 12 de Março de A.R.LOBO, C.A.Alvarenga, A.H.Lisboa. Usina Eólio-Elétrica Experimental do Morro do Camelinho - XIII SNPTEE BRASIL. Estudos sobre Aproveitamento de Energias Solar e Eólico em Minas Gerais - Fase BARRETO, A.B. Estudo do Ciclo Diário do Vento à Superfície no Nordeste do Brasil, Campina Grande, p. Dissertação (Mestrado em Meteorologia) Universidade Federal da Paraíba. CARVALHO, B.C. Desenvolvimento de Modelo Computacional de Sistemas Eólicos Uttilizando Geradores Síncronos para Estudos de Desempenho no Contexto da Qualidade de Energia Elétrica. Tese de Doutorado submetida à Universidade Federal de Uberlândia. Novembro CASTRO D. E.; PELLEGRINI C.C., LISBOA A.H., PEDREIRA M. P., Analysis of Productive Efficiency Losses in Wind Energy Conversion Systems (wecs), 20th International Congress of Mechanical Engineering, November 2009, Gramado, RS, Brazil CASTRO D. E.; PELLEGRINI C.C., LISBOA A.H., PEDREIRA M. P., Análise das Perdas de Eficiência Produtiva em Sistemas de Geração de Energia Eólica Utilizando o Coeficiente de Eficiência Global OEE do TPM, 250 Congresso Brasileiro de Manutenção, ABRAMAN, 2010, Bento Gonçalves RS, Brasil

20 CBEE Guia de Projeto Elétrico de Centrais Eólicas volume Disponível em: <http://www. eolica.com. br. Acesso: 10 Fevereiro de 2012 CEMIG. Usina Eólio-Elétrica Experimental do Morro do Camelinho - Relatório de Desempenho Operacional, DUTRA, Marques Ricardo. Propostas de Políticas Específicas para Energia Eólica no Brasil após a Primeira Fase do PROINFA. (TESE DOUTORADO). Rio de Janeiro DEWI/Cemig. Power Quality Measurement and Wind Turbine Operational Improvement at Cemig Morro do Camelinho Wind Farm, FERNANDES, A.R. Manutenção Produtiva Total: Uma Ferramenta Eficaz na Busca da Perda Zero. Disponível em: <http://www.mba.unifei.edu.br/tccs/tccmba04alexandrefernades.pdf.> Acesso em: 04 Março de FOX, R. W., McDONALD, A. T. (2001), Introdução à Mecânica dos Fluidos, 4 ed., LCT, Rio de Janeiro, 504 p. GASCH R., TWELE J., Windkraftanlagen- Grundlagen, Entwurf, Planung und Betrieb (equipamentos de geração de energia eólica: Conceitos básicos, Projeto, Planejamento e Operação), Editora B.G.Teubner, Wiesbaden KARDEC, Alan; NASCIF, Júlio. Manutenção, Função Estratégica. 2_ Edição. São Cristóvão, Rio de Janeiro: Qualitymark, KARDEC, Alan; RIBEIRO, Alan. Gestão Estratégica e Manutenção Autônoma. São Cristóvão, Rio de Janeiro: Qualitymark, p. LAFRAIA, João Ricardo. Manual de Confiabilidade, Mantenabilidade e Disponibilidade. Rio de Janeiro: Qualitymark, [s.d.], LEITE, Andréa; FALCÃO, Djalma; BORGES, Carmen. Modelagem de Usinas Eólicas para Estudos de Confiabilidade. Revista Controle e Automação, v.17n2, p , abril, maio e junho MARTINS, FR, et al. O Aproveitamento da Energia Eólica Acesso em 24/03/12. Revista Brasileira de Ensino de Física São José dos Campos SP Artigo Científico Disponível em: MOUBRAY, J. Manutenção Centrada na Confiabilidade. Edição Brasileira, traduzido por Kleber Siqueira, Aladon Ltd. (2000)

21 N. Dalili a, A. Edrisy a, R. Carriveau b. A review of surface engineering issues critical to wind turbine performance. Received 17 August 2007; accepted 7 November 2007.p Disponível em: Acesso em: 05 de Out de 2011 NUNES, E. L. Manutenção Centrada na Confiabilidade (MCC): Análise da Implantação em um Sistema de Manutenção Preventiva Consolidada PETERSEN, E. L., Mortensen, N.G., Landberg, L., Hojstrup, J., Frank, H.P. (1998). "Wind Power Meteorology. Part 1: Climate and Turbulence." Wind Energy. Vol. 1, pp PINTO, A. K.; XAVIER, J. de A. N. Manutenção: função estratégica. 2ª Ed. Rio de Janeiro. Qualitymark ROEDEL, W.: Physik Unserer Umwelt Die Atmosphäre. Springer-Verlag, ROSAS, P. Teste de Certificação de Turbinas Eólicas de Grande Porte Parte 2 Qualidade da Energia Elétrica. Metrologia, SIQUEIRA, Iony Patriota. Manutenção Centrada na Confiabilidade: Manual de Implementação/ ed. Qualitymark, Rio de Janeiro, TOKE,, David a, BREUKERS, Sylvia b, WOLSINK Maarten. Wind power deployment outcomes: How can we account for the differences? Received 10 September 2010; accepted 13 October P Disponível em: Acesso em: WHITE, F. M. (2001), Fluid Mechanics, 4 ed., WCB/McGraw-Hill, New York, 826 p.

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo 1 Introdução A atual regulamentação do setor elétrico brasileiro, decorrente de sua reestruturação na última década, exige das empresas o cumprimento de requisitos de disponibilidade e confiabilidade operativa

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Informações sobre a disciplina: Professor: Eng. Carlos Bernardo Gouvêa Pereira Site: www.carlosbernardo.com Email: prof_carlospereira@camporeal.edu.br

Leia mais

Palavras-chave: turbina eólica, gerador eólico, energia sustentável.

Palavras-chave: turbina eólica, gerador eólico, energia sustentável. Implementação do modelo de uma turbina eólica baseado no controle de torque do motor cc utilizando ambiente matlab/simulink via arduino Vítor Trannin Vinholi Moreira (UTFPR) E-mail: vitor_tvm@hotmail.com

Leia mais

Guia de Manutenção de Edificações

Guia de Manutenção de Edificações PROJETO DE PESQUISA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE PESQUISA TÍTULO ENTIDADE Abraman Associação Brasileira de Manutenção COMITÊ DE ESTUDOS Comitê de Manutenção Centrada na Confiabilidade COORDENAÇÃO Eng.

Leia mais

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM Como funciona um aerogerador Componentes de um aerogerador Gôndola:contém os componentes chaves do aerogerador. Pás do rotor:captura o vento e transmite sua potência até o cubo que está acoplado ao eixo

Leia mais

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM Geradores de turbinas eólicas O aerogerador converte a energia mecânica em energia elétrica. Os aerogeradores são não usuais, se comparados com outros equipamentos geradores conectados a rede elétrica.

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Brasil: vento, energia e investimento São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 Energia: importância e impactos A energia é um dos principais insumos da indústria

Leia mais

Sistemas de Geração Eólica

Sistemas de Geração Eólica Cronograma Aula 1. Panorâma de geração eólica 22/11 Sistemas de Geração Eólica Aula 2. Operação de sistemas de geração eólica 29/11 Prof. Romeu Reginato Outubro de 2010 1 Aula 3. Tecnologias de geração

Leia mais

Potência Instalada (GW)

Potência Instalada (GW) Modelagem e simulação de um aerogerador a velocidade constante Marcelo Henrique Granza (UTFPR) Email: marcelo.granza@hotmail.com Bruno Sanways dos Santos (UTFPR) Email: sir_yoshi7@hotmail.com Eduardo Miara

Leia mais

DEMANDA GT. Arranjos alternativos para geração eólica

DEMANDA GT. Arranjos alternativos para geração eólica DEMANDA GT Arranjos alternativos para geração eólica OBJETIVOS Desenvolver uma turbina eólica de eixo vertical de pás fixas, de pequeno porte e custo reduzido. Realizar ensaios de rendimento do equipamento

Leia mais

Energia Eólica. História

Energia Eólica. História Energia Eólica História Com o avanço da agricultura, o homem necessitava cada vez mais de ferramentas que o auxiliassem nas diversas etapas do trabalho. Isso levou ao desenvolvimento de uma forma primitiva

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Audiência Pública P - Senado Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle Brasília/DF 19 de junho de 2008 Energia: importância

Leia mais

Aplicação dos princípios de gestão da manutenção em uma fábrica de colchões

Aplicação dos princípios de gestão da manutenção em uma fábrica de colchões Aplicação dos princípios de gestão da manutenção em uma fábrica de colchões 1 Laureilton José Almeida BORGES; 1 Débora Cristina de Souza RODRIGUES; 1 Warley Alves Coutinho CHAVES; 1 Caroline Passos de

Leia mais

Prof. Dr. Luiz Antonio Rossi UNICAMP - Brasil. GEFES Grupo de Estudos em Fontes Eólica e Solar. São Carlos, 22 de Maio de 2015.

Prof. Dr. Luiz Antonio Rossi UNICAMP - Brasil. GEFES Grupo de Estudos em Fontes Eólica e Solar. São Carlos, 22 de Maio de 2015. Geração de Energia Elétrica por Meio de Fonte Eólica: Simulação do desempenho de dois aerogeradores de pequeno porte com perfis aerodinâmicos diferentes Prof. Dr. Luiz Antonio Rossi UNICAMP - Brasil São

Leia mais

Catálogo. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Centro de Energia Eólica. Apoio:

Catálogo. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Centro de Energia Eólica. Apoio: Catálogo Apoio: APRESENTAÇÃO O (CE-EÓLICA) se consolida como uma ação estratégica da PUCRS em função do crescimento das competências nesta área, a partir de atividades especificas realizadas pelo NUTEMA,

Leia mais

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA COMO FONTE DE GERAÇÃO DE ENERGIA COMPLEMENTAR NA INDÚSTRIA PARAIBANA: UM ESTUDO DE CASO

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA COMO FONTE DE GERAÇÃO DE ENERGIA COMPLEMENTAR NA INDÚSTRIA PARAIBANA: UM ESTUDO DE CASO ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA COMO FONTE DE GERAÇÃO DE ENERGIA COMPLEMENTAR NA INDÚSTRIA PARAIBANA: UM ESTUDO DE CASO DA COSTA 1, Cinthya Borges Lopes DA SILVA 2, Michele Gomes FERREIRA 3, João Marcelo Dias

Leia mais

MBA em Engenharia e Gestão de Manufatura e Manutenção. Práticas e Procedimentos Básicos de Manutenção Prof. Sérgio Augusto Lucke

MBA em Engenharia e Gestão de Manufatura e Manutenção. Práticas e Procedimentos Básicos de Manutenção Prof. Sérgio Augusto Lucke MBA em Engenharia e Gestão de Manufatura e Manutenção Práticas e Procedimentos Básicos de Manutenção 1 Práticas e Procedimentos Básicos de Manutenção Ementa 1. Manutenção Corretiva: características básicas,

Leia mais

Controle de Múltiplos Pivôs Centrais com um único Conjunto Motor-Bomba

Controle de Múltiplos Pivôs Centrais com um único Conjunto Motor-Bomba Controle de Múltiplos Pivôs Centrais com um único Conjunto Motor-Bomba Thiago de Lima MUNIZ, Bernardo Pinheiro de ALVARENGA, José Wilson de Lima NERYS, Antônio Marcos de Melo MEDEIROS Escola de Engenharia

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Existe uma grande variedade de denominações das formas de atuação da manutenção, isto provoca certa confusão em relação aos

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

5 Controle de Tensão em Redes Elétricas

5 Controle de Tensão em Redes Elétricas 5 Controle de Tensão em Redes Elétricas 5.1 Introdução O objetivo principal de um sistema elétrico de potência é transmitir potência dos geradores para as cargas e esta responsabilidade é dos agentes que

Leia mais

A metodologia proposta pela WEG para realizar este tipo de ação será apresentada a seguir.

A metodologia proposta pela WEG para realizar este tipo de ação será apresentada a seguir. Eficiência Energética Buaiz Alimentos 1 CARACTERÍSTICAS DA EMPRESA Nome fantasia: Buaiz Alimentos Ramo de atividade: Alimentício Localização: Vitória / ES Estrutura tarifária: Horo-sazonal Azul A4 Demanda

Leia mais

AUDITORIA DO PROCESSO DE MANUTENÇÃO PROATIVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

AUDITORIA DO PROCESSO DE MANUTENÇÃO PROATIVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA ÊNFASE ELETROTÉCNICA NICOLAS MACIEL SOARES WANDERLEY ANTONIO FAUSTINO JUNIOR AUDITORIA

Leia mais

A geração eólio-elétrica no mundo

A geração eólio-elétrica no mundo José Cleber Teixeira FIPEN 2010 Fórum Industrial de Produtividade e Negócios 28 / outubro / 2010 1 A geração eólio-elétrica no mundo Em termos mundiais, a exploração da energia eólica para geração de eletricidade

Leia mais

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA INTRODUÇÃO Nesta exposição apresentam-se as equações e os conhecimentos necessários para a resolução dos exercícios.

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA - SEP PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA Visão global de um sistema

Leia mais

Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP com vistas à otimização energética do parque brasileiro

Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP com vistas à otimização energética do parque brasileiro Superintendência de Regulação dos Serviços de Geração - SRG Workshop: Repotenciação de Usinas Hidrelétricas Brasília-DF 14 de julho de 2011 Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP

Leia mais

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS Campos, M.C. [1], Pugnaloni, I.A.A. [2] [1] Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Departamento

Leia mais

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia Disciplina: Fontes Alternativas de Parte 1 Fontes Renováveis de 1 Cronograma 1. Fontes renováveis 2. Fontes limpas 3. Fontes alternativas de energia 4. Exemplos de fontes renováveis 1. hidrelétrica 2.

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Manutenibilidade: É a característica de um equipamento ou instalação permitir um maior ou menor grau de facilidade na execução dos serviços

Leia mais

SIMULAÇÃO NO WAsP VISANDO À REPOTENCIAÇÃO DO PARQUE EÓLICO DE BEBERIBE. 1 Departamento de Engenharia Mecânica. Universidade Federal de Santa Catarina

SIMULAÇÃO NO WAsP VISANDO À REPOTENCIAÇÃO DO PARQUE EÓLICO DE BEBERIBE. 1 Departamento de Engenharia Mecânica. Universidade Federal de Santa Catarina SIMULAÇÃO NO WAsP VISANDO À REPOTENCIAÇÃO DO PARQUE EÓLICO DE BEBERIBE Franciene I. P. de Sá 1, Júlio C. Passos 1, Yoshiaki Sakagami 2, Pedro A. A. Santos 1, Reinaldo Haas 1, Frederico de F. Taves 3 1

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM Economia Quanto custa um aerogerador O gráfico acima dá uma idéia da faixa de preços dos aerogeradores modernos em fevereiro de 1998. Como pode ver, os preços variam para cada tamanho de aerogerador. Economia

Leia mais

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM Introdução Os motores de tração são os equipamentos responsáveis pela propulsão dos trens. Sua falha implica na diminuição do desempenho

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A visão corrente de que o Brasil possui um dos maiores parques de energia hidrelétrica do mundo, nos afasta de uma realidade um pouco distante disto.

Leia mais

Importância da análise holística de um plano de manutenção por meio de simulação: Uma abordagem de RCM voltada a custo e disponibilidade

Importância da análise holística de um plano de manutenção por meio de simulação: Uma abordagem de RCM voltada a custo e disponibilidade Importância da análise holística de um plano de manutenção por meio de simulação: Uma abordagem de RCM voltada a custo e disponibilidade Celso Luiz Santiago Figueiroa Filho, MSc Eng Alberto Magno Teodoro

Leia mais

Origem do SCO O SCO é baseado no ICS, desenvolvido nos EUA durante as décadas de 70/80, inicialmente para coordenar a resposta a incêndios florestais.

Origem do SCO O SCO é baseado no ICS, desenvolvido nos EUA durante as décadas de 70/80, inicialmente para coordenar a resposta a incêndios florestais. APRESENTAÇÃO DO SCO Conceito de SCO O Sistema de Comando em Operações é uma ferramenta gerencial para planejar, organizar, dirigir e controlar as operações de resposta em situações críticas, fornecendo

Leia mais

Avaliação do potencial eólico em três localidades cearenses

Avaliação do potencial eólico em três localidades cearenses Avaliação do potencial eólico em três localidades cearenses Francisco José Lopes de Lima 1, 3, Emerson Mariano da Silva 2, Enilson Palmeira Cavalcanti 3 1 Bolsista CAPES/CNPq do Curso de Mestrado em Meteorologia.

Leia mais

Eletrotécnica. Comandos Elétricos

Eletrotécnica. Comandos Elétricos Eletrotécnica Comandos Elétricos Teoria e Aplicações Escola Técnica de Brasília - ETB Prof. Roberto Leal Ligação de Motores 1 Motor Elétrico Transformar energia elétrica em energia mecânica Motores de

Leia mais

Energia Renovável Fontes Alternativas de Energia Energias: Eólica e Solar.

Energia Renovável Fontes Alternativas de Energia Energias: Eólica e Solar. Energia Renovável Fontes Alternativas de Energia Energias: Eólica e Solar. Prof. Dr. Luiz Roberto Carrocci Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Campus de Guaratinguetá Definições a) Energia

Leia mais

Tecnólogo em Manutenção Industrial Contexto do Curso

Tecnólogo em Manutenção Industrial Contexto do Curso Tecnólogo em Manutenção Industrial Contexto do Curso Diagramas que descrevem o contexto, objetivos e participantes dos projetos 1 Tecnólogo em Manutenção Industrial Missão: Formar tecnólogos de nível superior

Leia mais

MICRO TURBINAS EÓLICAS DE BAIXO CUSTO

MICRO TURBINAS EÓLICAS DE BAIXO CUSTO VI CONGRESSO NACIONAL DE ENGENHARIA MECÂNICA VI NATIONAL CONGRESS OF MECHANICAL ENGINEERING 18 a 21 de agosto de 2010 Campina Grande Paraíba - Brasil August 18 21, 2010 Campina Grande Paraíba Brazil MICRO

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

Prof.(a): Aline Carvalho Aluno:Valdecir Ribas Vecchiato

Prof.(a): Aline Carvalho Aluno:Valdecir Ribas Vecchiato Energia Eólica Prof.(a): Aline Carvalho Aluno:Valdecir Ribas Vecchiato Energia Eólica A energia eólica provém da radiação solar uma vez que os ventos são gerados pelo aquecimento não uniforme da superfície

Leia mais

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu.

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu. Determinação do momento ótimo para a realização da manutenção preventiva em equipamentos de uma indústria metalúrgica: um estudo voltado para a redução de custos Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR)

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039 /2009

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039 /2009 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039 /2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: Associação Brasileira de Pequenos e Médios Produtores de Energia Elétrica - APMPE AGÊNCIA NACIONAL DE

Leia mais

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto TEMA: Distribuição eléctrica na FEUP PROBLEMA: Como é feita a distribuição de energia eléctrica na FEUP ALUNOS: Ana Barros, João Carvalho, Maria Ribeiro,

Leia mais

Unidades de negócios. Eficiência Energética no Segmento Plástico. Sidnei Amano. Transmissão & Distribuição. Motores Automação Energia.

Unidades de negócios. Eficiência Energética no Segmento Plástico. Sidnei Amano. Transmissão & Distribuição. Motores Automação Energia. Unidades de negócios Eficiência Energética no Segmento Plástico Sidnei Amano Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Unidades de negócios Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição

Leia mais

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios 1 O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios ESTRUTURA SETORIAL CARACTERIZAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO 3 PRINCIPAIS

Leia mais

UNESA Sistemas de Transportes Currículo 108 / 2008 MÓDULO 1 MANUTENÇÃO DE ATIIVOS

UNESA Sistemas de Transportes Currículo 108 / 2008 MÓDULO 1 MANUTENÇÃO DE ATIIVOS 1 INTRODUÇÃO MÓDULO 1 MANUTENÇÃO DE ATIIVOS O homem constrói máquinas, equipamentos, veículos, edificações, com o intuito de melhorar conforto e a segurança da sociedade. Entretanto, sabe-se que nada é

Leia mais

1 Controle da Potência Ativa e da Freqüência

1 Controle da Potência Ativa e da Freqüência 1 Controle da Potência Ativa e da Freqüência 1.1 Introdução Em sistemas de potência, as unidades geradoras compreendem os equipamentos conectados ao sistema capazes de transformar vários tipos de energia

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais Empresa de Pesquisa Energética - EPE

Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais Empresa de Pesquisa Energética - EPE WORKSHOP Integração de mercados de energia elétrica e formação de preços PAINEL IV Harmonização dos mercados TEMA Impacto da ampliação das fontes renováveis na integração dos mercados Amilcar Guerreiro

Leia mais

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 Solução da Elipse Software apresenta rápida integração com os equipamentos da subestação localizada em

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos

Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos F-MEA Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos ADPO ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1 F-MEA Failure Mode and Effects Analisys Conceito É uma metodologia analítica utilizada para garantir que problemas

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ENSINO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS: DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS EÓLICOS E FOTOVOLTAICOS

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ENSINO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS: DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS EÓLICOS E FOTOVOLTAICOS DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ENSINO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS: DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS EÓLICOS E FOTOVOLTAICOS Jorge A. Villar Alé (1) ; Vicente André Paludo (2) Pedro André Marozzin

Leia mais

Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC

Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC ANEXO IV A Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC Diante desta nova regulamentação no setor de Transmissão de Energia Elétrica, os agentes de transmissão devem buscar estratégias para evitar as penalizações

Leia mais

TÍTULO: GERADOR DE INDUÇÃO COMO ALTERNATIVA DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

TÍTULO: GERADOR DE INDUÇÃO COMO ALTERNATIVA DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA TÍTULO: GERADOR DE INDUÇÃO COMO ALTERNATIVA DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA JARAGUÁ DO SUL

Leia mais

CPFL ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A. CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE. CONSULTA PÚBLICA n o 008/2013

CPFL ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A. CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE. CONSULTA PÚBLICA n o 008/2013 CPFL ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A. CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA n o 008/2013 ESTABELECER CONDIÇÕES E PROCEDIMENTOS A SEREM OBSERVADOS PARA INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE ESTAÇÕES DE MEDIÇÃO

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ATIVOS. Como usar as informações das Redes Profibus e Profinet para Diagnósticos e Manutenção de Equipamentos de Automação

GERENCIAMENTO DE ATIVOS. Como usar as informações das Redes Profibus e Profinet para Diagnósticos e Manutenção de Equipamentos de Automação GERENCIAMENTO DE ATIVOS Como usar as informações das Redes Profibus e Profinet para Diagnósticos e Manutenção de Equipamentos de Automação DIRETRIZ SUA AUTOMAÇÃO TEM INTELIGÊNCIA? SEU SISTEMA ENTREGA INFORMAÇÃO?

Leia mais

EESC-USP LABORATÓRIO DE CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA

EESC-USP LABORATÓRIO DE CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA LABORATÓRIO DE CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA Professores: Eduardo Nobuhiro Asada Luís Fernando Costa Alberto Colaborador: Elmer Pablo Tito Cari LABORATÓRIO N 9: MAQUINA SÍNCRONA: (ângulo de carga,

Leia mais

Comercial. Gestão da Qualidade

Comercial. Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Comercial Ferramentas da Qualidade: Ações preventivas são tomadas em problemas potenciais, aqueles que ainda não ocorreram, mas que podem vir a ocorrer no futuro caso não seja tomada

Leia mais

Capítulo V. Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* Manutenção elétrica industrial

Capítulo V. Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* Manutenção elétrica industrial 46 Capítulo V Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* A busca incessante do lucro pelas empresas, focada relegando-a a uma posição secundária ou a ser vista

Leia mais

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015 O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil Mario Lima Maio 2015 1 A Matriz Energética no Brasil A base da matriz energética brasileira foi formada por recursos

Leia mais

Associação Paralelo Ativo e Passivo Vantagens e Benefícios

Associação Paralelo Ativo e Passivo Vantagens e Benefícios Associação Paralelo Ativo e Passivo Vantagens e Benefícios Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 CEP:91040-600 - Porto Alegre RS - Brasil Fone: (51)21312407

Leia mais

Dimensionamento de equipamentos reservas para subestações

Dimensionamento de equipamentos reservas para subestações XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Dimensionamento de equipamentos reservas para subestações Leonardo Labarrere de Souza

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ALEXSANDRO FRAGOSO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ALEXSANDRO FRAGOSO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ALEXSANDRO FRAGOSO ESTRUTURAÇÃO DA AUDITORIA DA FASE 1 DA PIRÂMIDE ESTRUTURAL DA GESTÃO DE ATIVOS TRABALHO DE

Leia mais

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico RESUMO Entre as estratégias gerenciais em empresas de médio e grande porte existe o

Leia mais

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil CONCEITOS E CONSIDERAÇÕES SOBRE O IMPACTO DA GERAÇÃO EÓLICA NA REDE BÁSICA FLAVIA FERREIRA

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil CONCEITOS E CONSIDERAÇÕES SOBRE O IMPACTO DA GERAÇÃO EÓLICA NA REDE BÁSICA FLAVIA FERREIRA VI SBQEE 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil Código: BEL 16 8240 Tópico: Qualidade da Energia em Sistemas com Geração Distribuída CONCEITOS E CONSIDERAÇÕES SOBRE O IMPACTO DA GERAÇÃO EÓLICA NA

Leia mais

MANUTENÇÃO PREDITIVA EM TRANSFORMADORES UTILIZANDO O CRITÉRIO DE ROGERS NA ANÁLISE DE GASES DISSOLVIDOS EM ÓLEO ISOLANTE

MANUTENÇÃO PREDITIVA EM TRANSFORMADORES UTILIZANDO O CRITÉRIO DE ROGERS NA ANÁLISE DE GASES DISSOLVIDOS EM ÓLEO ISOLANTE MANUTENÇÃO PREDITIVA EM TRANSFORMADORES UTILIZANDO O CRITÉRIO DE ROGERS NA ANÁLISE DE GASES DISSOLVIDOS EM ÓLEO ISOLANTE JOÃO LUIS REIS E SILVA (1) resumo O critério de Rogers é uma metodologia científica

Leia mais

Turbocompressor modelo ABS HST 20

Turbocompressor modelo ABS HST 20 Turbocompressor modelo ABS HST 20 Principais Aplicações O turbocompressor modelo ABS HST 20 é altamente adequado para as seguintes áreas de aplicação: Aeração de água, efluentes ou outros líquidos Flotação

Leia mais

Atuando desde 1981 (mil novecentos e oitenta e um), a Henfel fabrica caixas para

Atuando desde 1981 (mil novecentos e oitenta e um), a Henfel fabrica caixas para Atuando desde 1981 (mil novecentos e oitenta e um), a Henfel fabrica caixas para rolamentos, acoplamentos hidrodinâmicos e flexíveis, e hidrovariadores de velocidade, produtos destinados a atender os mais

Leia mais

Afinal, o que Gerenciamento de Energia tem a ver com Automação Industrial?

Afinal, o que Gerenciamento de Energia tem a ver com Automação Industrial? Afinal, o que Gerenciamento de Energia tem a ver com Automação Industrial? Por Murilo Riet Correa* Da forma como vamos mostrar aqui (com controlador inteligente) tem tudo a ver com automação industrial.

Leia mais

O Sistema Elétrico 1.1 INTRODUÇÃO 1.2 PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

O Sistema Elétrico 1.1 INTRODUÇÃO 1.2 PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 1 O Sistema Elétrico 1.1 INTRODUÇÃO A indústria de energia elétrica tem as seguintes atividades clássicas: produção, transmissão, distribuição e comercialização, sendo que esta última engloba a medição

Leia mais

MATERIAL DIDÁTICO SOBRE GERAÇÃO EÓLICA

MATERIAL DIDÁTICO SOBRE GERAÇÃO EÓLICA MATERIAL DIDÁTICO SOBRE GERAÇÃO EÓLICA Paulo C. M. Carvalho carvalho@dee.ufc.br Departamento de Engenharia Elétrica, Universidade Federal do Ceará Campus do Pici Caixa Postal 6001 CEP 60455-760 Fortaleza

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE FELIPE GUILHERME STEIN APLICAÇÃO INDUSTRIAL DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ESTUDO DE

Leia mais

Detecção de falha em compressor de parafuso através da análise de vibrações 1 - INTRODUÇÃO

Detecção de falha em compressor de parafuso através da análise de vibrações 1 - INTRODUÇÃO Detecção de falha em compressor de parafuso através da análise de vibrações 1 - INTRODUÇÃO A globalização hoje se estende no mundo em todos os seus setores e mais do que nunca na indústria mundial, seja

Leia mais

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto TPM Total Productive Maintenance ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto Histórico e panorâmica da sistemática Surgida no Japão, é considerada evolução natural da manutenção corretiva (reativa)

Leia mais

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil As PCHs no contexto energético futuro no Brasil Campinas, 29 de Outubro de 2013. Charles Lenzi Agenda de Hoje Conjuntura Atual Desafios da Competitividade Nossas propostas Conclusões A ABRAGEL Associação

Leia mais

Capítulo VII. Sistema de manutenção planejada e em motores elétricos. Manutenção elétrica industrial. Características. Conceitos. Organização do SMP

Capítulo VII. Sistema de manutenção planejada e em motores elétricos. Manutenção elétrica industrial. Características. Conceitos. Organização do SMP 50 Capítulo VII Sistema de manutenção planejada e em motores elétricos Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* O Sistema de Manutenção Planejada (SMP) é formado por instruções, listas e detalhamento

Leia mais

EQUIPAMENTO ELÉCTRICO DOS GERADORES EÓLICOS

EQUIPAMENTO ELÉCTRICO DOS GERADORES EÓLICOS UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO DEEC / Secção de Energia Energias Renováveis e Produção Descentralizada EQUIPAMENTO ELÉCTRICO DOS GERADORES EÓLICOS 1ª Parte Princípio de funcionamento

Leia mais

Manutenção Efetiva e Competitiva

Manutenção Efetiva e Competitiva Manutenção Efetiva e Competitiva Marcelo Albuquerque de Oliveira (1) Resumo Existem várias técnicas para gerenciamento de manutenção disponíveis, com uma gama de alternativas, facilidades e complexidades.

Leia mais

Metodologia de manutenção

Metodologia de manutenção Metodologia de manutenção Prof. Manoel Henrique Ementa Elementos de manutenção (definições sobre manutenção, tipos e políticas) Introdução à confiabilidade (conceitos, taxa de falhas, e confiabilidade

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Soluções em Energia Solar

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Soluções em Energia Solar Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas www.weg.net Tecnologia para minimizar o consumo das indústrias. Sustentabilidade para maximizar a qualidade de vida das pessoas. O sol é uma

Leia mais

Os Diferentes tipos de No-Breaks

Os Diferentes tipos de No-Breaks Os Diferentes tipos de No-Breaks White Paper # 1 Revisão 4 Resumo Executivo Existe muita confusão no mercado a respeito dos diferentes tipos de No-Breaks e suas características. Cada um desses tipos será

Leia mais

TECNOLOGIA DE GRANDES TURBINAS EÓLICAS: AERODINÂMICA. Professora Dra. Adriane Prisco Petry Departamento de Engenharia Mecânica

TECNOLOGIA DE GRANDES TURBINAS EÓLICAS: AERODINÂMICA. Professora Dra. Adriane Prisco Petry Departamento de Engenharia Mecânica TECNOLOGIA DE GRANDES TURBINAS EÓLICAS: AERODINÂMICA Professora Dra. Adriane Prisco Petry Departamento de Engenharia Mecânica ELETRÔNICA DE POTENCIA AERODINÂMICA ELETRICIDADE DINÂMICA DOS ENGENHARIA CIVIL

Leia mais

Gestão da Manutenção: Um estudo de caso em um laticínio no Centro-Oeste de Minas Gerais

Gestão da Manutenção: Um estudo de caso em um laticínio no Centro-Oeste de Minas Gerais Gestão da Manutenção: Um estudo de caso em um laticínio no Centro-Oeste de Minas Gerais Maria Helena da Silva Miranda 1 ; Marina Ferreira Mendes Bernardes 1 ; Pedro Henrique Silva 1 ; Lucas Pimenta Silva

Leia mais

SISTEMA DE PARTIDA E GERAÇÃO DE ENERGIA PARA TURBINA AERONÁUTICA.

SISTEMA DE PARTIDA E GERAÇÃO DE ENERGIA PARA TURBINA AERONÁUTICA. SISTEMA DE PARTIDA E GERAÇÃO DE ENERGIA PARA TURBINA AERONÁUTICA. Marco Antonio Souza 1, Milton Benedito Faria 2, Carlos Eduardo Cabral Vilela, Prof. MSc 3. Homero Santiago Maciel, Prof. DR 4. UNIVAP,

Leia mais

A APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE ANÁLISE DE CORRENTE PARA DETECÇÃO DE BARRAS QUEBRADAS NOS MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS NA ARCELORMITTAL TUBARÃO

A APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE ANÁLISE DE CORRENTE PARA DETECÇÃO DE BARRAS QUEBRADAS NOS MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS NA ARCELORMITTAL TUBARÃO A APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE ANÁLISE DE CORRENTE PARA DETECÇÃO DE BARRAS QUEBRADAS NOS MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS NA ARCELORMITTAL TUBARÃO Harison Araújo Antunes (1) Rogério Hubner Rocha (2) Jessui de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE AEROGERADORES EM TÚNEL DE VENTO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE AEROGERADORES EM TÚNEL DE VENTO AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE AEROGERADORES EM TÚNEL DE VENTO Jorge Antonio Villar Alé - villar@pucrs.br Gabriel Cirilo da Silva Simioni - simioni@pucrs.br Pedro da Silva Hack - pedro.hack@pucrs.br Luiz Felipe

Leia mais

Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica

Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica Autor: Pedro Machado de Almeida O aproveitamento da energia gerada pelo sol, considerada inesgotável na escala de

Leia mais

Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes. Djalma M. Falcão

Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes. Djalma M. Falcão Smart Grid Trends & Best Practices 17 e 18 de Outubro de 2013 Salvador-BA Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes Djalma M. Falcão Redes Elétricas Inteligentes

Leia mais

RMS Sistema de gestão de energias renováveis. Solução de mobilidade para análise de desempenho de operações em tempo real

RMS Sistema de gestão de energias renováveis. Solução de mobilidade para análise de desempenho de operações em tempo real Solução de mobilidade para análise de desempenho de operações em tempo real RMS Sistema de gestão de energias renováveis Uma plataforma para monitorar e controlar, em tempo real e de forma eficiente, todo

Leia mais

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral Bruno Erik Cabral Smart Grid Agenda Introdução Definição Características Confiabilidade Flexibilidade Eficiência Sustentabilidade Medidores Inteligentes Controle avançado Cenário Internacional Cenária

Leia mais

DESAFIOS NA GESTÃO DE ATIVOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE: EXEMPLO PRÁTICO

DESAFIOS NA GESTÃO DE ATIVOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE: EXEMPLO PRÁTICO DESAFIOS NA GESTÃO DE ATIVOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE: EXEMPLO PRÁTICO Rodrigo O. Sabino, Richardson V. Agra, Giorgio De Tomi Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo Escola Politécnica

Leia mais

A MANUTENÇÃO CENTRADA NA CONFIABILIDADE UMA PRÁTICA CONTEMPORÂNEA

A MANUTENÇÃO CENTRADA NA CONFIABILIDADE UMA PRÁTICA CONTEMPORÂNEA A MANUTENÇÃO CENTRADA NA CONFIABILIDADE UMA PRÁTICA CONTEMPORÂNEA MARCELO JOSÉ SIMONETTI 1 ; ANDERSON LUIZ DE SOUZA 2 ; CLAUDIO ROBERTO LEANDRO 3, ALDIE TRABACHINI 4 ; SANDRA MAUREN ELL 5 ; 1 Professor,

Leia mais