MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL"

Transcrição

1 MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL Publicado:Fevereiro 2012 ESCLARECIMENTO REFERENTE À ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ISO/TS 16949:2009 APLICÁVEL A MHBR BRASIL LTDA

2 1-Generalidade Este anexo da Qualidade Assegurada de Fornecimento especifica e regulamenta todas as medidas de qualidade assegurada designadas pelas partes e serve como um complemento às Condições e Termos Gerais de Compras da MHBR. Além disso, o Fornecedor tem como obrigação tomar todas as medidas eficazes de qualidade assegurada para alcançar a qualidade acordada e especificada pelas partes para todos os fornecimentos. 2-Referência Normativa Documentos / Manuais aplicáveis aos fornecedores da MHBR BRASIL Anexo 1 Metas da Qualidade (PPM) Anexo 2 Carta aos Fornecedores Anexo 3 Etiqueta de Amostra de Identificação de Componentes (RQ 337) Manual de referência: Manual APQP -Planejamento Avançado da Qualidade do Produto e Plano de Controle -2ª edição Manual FMEA -Análise do Efeito dos Modos de Falhas -4ª edição Manual MSA -Análise do Sistema de Medição -3ª edição Manual CEP -Controle Estatístico do Processo -2ª edição Manual PPAP -Processo de Aprovação de Peças de Produção -4ª edição ISO 17025:1999 Requisitos gerais para Competência de Laboratórios de Calibração e Ensaio. 3-Termos e Definições MHBR: Mann Hummel Brasil Ltda PPM: Peças por milhão Método que mensura a quantidade de produtos devolvidos em relação às entregas do período. PPM = x peças rejeitadas / peças recebidas. IPFM: Índice de Performance de Fornecedores MHBR BRASIL. IPQ: Índice de Performance de Qualidade. IPL: Índice de Performance de Logística. IPC: Índice de Performance de Compras. IPD: Índice de Performance de Desenvolvimento Rate Metodologia utilizada para demonstrar que o fornecedor tem capacidade produtiva de atender o volume contratado. RPS:Solução Rápida de Problemas Peça ativa: Uma peça atualmente fornecida para a MANN para a produção de equipamentos originais ou serviços. Uma peça é considerada ativa até que a MANN forneça autorização para sucateamento do ferramental. Quando o ferramental pertencer ao fornecedor ou quando peças múltiplas forem feitas da mesma ferramenta, a MANN deverá fornecer uma confirmação por escrito para desativar a peça.equipamentos originais ou serviços. Uma peça é considerada ativa até que a MANN forneça autorização para sucateamento do ferramental. Quando o ferramental pertencer ao fornecedor ou quando peças múltiplas forem feitas da mesma ferramenta, a MANN deverá fornecer uma confirmação por escrito para desativar a peça.

3 Planejamento Avançado da Qualidade do Produto (APQP): É uma metodologia que foca na prevenção de defeitos e na melhoria contínua, de modo a criar processos seguros e robustos de modo a evitar que produtos defeituosos sejam produzidos. Plano de controle: Fornece uma descrição resumida por escrito dos sistemas usados para minimizar as variações de processo e produto, descrevendo as ações necessárias em cada fase do processo. FMEA (análise de efeitos e modos de falha): É uma técnica analítica utilizada pela equipe responsável pelo projeto/processo com a finalidade de assegurar que os modos potenciais de falha e suas causas/mecanismos foram avaliados. Sistema de medição: uma coleção de instrumentos ou medidores, normas, operações, métodos, aparelhos, softwares, pessoal, meio ambiente e asserções usadas para quantificar a unidade de medida ou fazer uma avaliação da característica sendo medida. Análise do sistema de medição (MSA): como mencionado no manual AIAG MSA. Peça ou produto: material que é ou poderia ser montado em um veículo, sendo na forma de material a granel, um componente de um subconjunto ou o subconjunto completo. Certificado de Submissão (PSW): formulário padrão da indústria automotiva necessário para todos os produtos recentemente montados ou revisados, em que o fornecedor confirma que todas as inspeções e testes para a peça estão em conformidade com os requisitos da MANN. Capacidades do processo: um indicador da faixa total de variação inerente em um processo estável. Pode ser determinada através de dados de tabelas de controle e verificada por meio de um histograma e outros cálculos usados para determinar a estabilidade do processo. Os cálculos Cp, Cpk, Pp e Ppk são referenciados no manual de controle estatístico AIAG. Diagrama de fluxo de processo: como mencionado nos manuais AIAG APQP e PAPP, também pode ser referido como um diagrama em que o fluxo de materiais através do processo é detalhado por meio de símbolos padronizados. É usado para enfatizar o impacto de fontes de variação em todo o processo, incluindo qualquer operação autônoma. Processo de Aprovação da Peça de Produção (PAPP): como mencionado no manual AIAG PAPP é um conjunto pré-determinado de documentos, atividades e produtos de amostragem do fornecedor encaminhados a MANN para aprovação final para todos os materiais de produção, material a granel, bem como peças de reposição. Peças de produção: Peças fabricadas através de ferramental definitivo, instrumentos, processos, materiais, ambiente, configurações como pressões e tempos de ciclo, etc. Run at Rate (Avaliação da Capacidade): Verificação da capacidade de produção quando todo o ferramental de produção está no seu devido lugar e operando com capacidade máxima, usando todo o pessoal regular direto e indireto de produção e sistemas de suporte, conforme mencionado. CEP (Controle Estatístico do Processo): Ferramentas estatísticas, como gráficos ou cartas de controle, para analisar um processo de modo a determinar se existem quaisquer causas especiais de variação, que fariam com que o processo se tornasse instável. Fornecedor: referido neste manual como fornecedor da MANN, no mínimo, de um produto que deverá ser usado em um veículo, independentemente de ser uma peça, componente, sub-componente, subconjunto, materiais a granel ou prestador de serviço para aquele produto.

4 4-Sistema de gestão da Qualidade 4.1 Seleção de Fornecedores A seleção de novos fornecedores para MHBR (nacional e internacional) para produtos/serviços é de responsabilidade da área de Compras. Todos os fornecedores cujos produtos/serviços afetam requisitos do cliente, a menos que especificado de outra maneira pela MHBR, devem possuir certificação NBR ISO 9001 ou NBR ISO 9001 ou ISO/TS Quando um novo fornecedor nacional é selecionado, a área de Compras informa a Qualidade de Fornecedores para realização da auditoria de processo. No caso de novo fornecedor de serviços ambientais ou compradores de resíduos, a área de Compras informa área de Meio Ambiente para que realização da auditoria. 4.2 Auditoria de Processo Novo Fornecedor A Qualidade de fornecedores agenda e realiza auditoria de processo, conforme "Questionário de Avaliação de Fornecedores -Processo de Fabricação/Produto -VDA 6.3:1998" e caso a empresa não seja certificada ISO 14001, é enviado "Questionário de auto-avaliação SGA". Para produtos novos fornecidos por fornecedores já aprovados e cadastrados pela MHBR, mas produzidos em planta diferente da aprovada, uma nova auditoria deverá ser realizada. Após auditoria, a Qualidade de fornecedores emite relatório e envia cópias para área de Compras. A classificação da avaliação pode ser: A = % Plenamente Qualificado A-B = 80 -< 90 % Qualificado B = 60 -< 80 % Condicionalmente Qualificado C = 0 -< 60 % Não Qualificado (Entrega de Amostras Iniciais bloqueadas) Caso algum requisito da auditoria seja pontuado com nota zero, deve-se baixar a classificação da auditoria em um nível. (Ex.: de acordo com o pontos obtidos na auditoria o fornecedor foi classificado como A, porém se houver alguma nota zero, a classificação será B ). Caso a empresa seja aprovada na Avaliação, ou seja, o resultado seja 60% a empresa candidata, deve encaminhar ao comprador da MHBR todos os documentos e certificados solicitados para realização do cadastro na MHBR. Em caso de não conformidades/oportunidades de melhorias observadas nas auditorias, um plano de ação deverá ser estabelecido. A Qualidade de Fornecedores/Meio Ambiente é responsável pelo acompanhamento das ações corretivas, verificação das evidências junto ao fornecedor. Caso seja constatado que o fornecedor não tomou as devidas providências, o mesmo será chamado para uma reunião na MHBR.

5 4.2.2 Fornecedor cadastrado As auditorias são realizadas conforme cronograma anual e agendadas com antecedência pela área da Qualidade de Fornecedores. As auditorias de fornecedores existentes são realizadas pela área da Qualidade de Fornecedores conforme "Questionário de Avaliação de Fornecedores -Processo de Fabricação/Produto -VDA 6.3. Durante a auditoria as não-conformidades encontradas são devidamente notificadas ao fornecedor e registradas no questionário de avaliação. Após a avaliação os auditores preparam o relatório final e em conjunto com o representante do fornecedor analisam os resultados obtidos. Em caso de não conformidades/oportunidades de melhorias observadas nas auditorias, um plano de ação deverá ser estabelecido. 4.3 Controle de Alteração Será adotado o critério descrito no Manual de PPAP 4 edição. Todas as solicitações de alterações devem ser inicialmente comunicadas ao Departamento de Compras. Essas Alterações incluem: Modificação dos Materiais Modificação de ferramentas, matrizes, moldes, modelos que influenciam na integridade do produto final Modificação ou reorganização de ferramental ou equipamento que contemple modificação e/ou reconstrução de ferramenta ou máquina; incrementar capacidade ou desempenho ou reorganização de seqüência do fluxo produto/processo. Ferramental ou equipamento transferido entre plantas/ prédios Produção após o produto estar durante 12 meses sem produção Alterações em fornecedores ou alterações em produto ou processo relacionado a componentes Alterações no método de ensaio/inspeção Modificação da seqüência de processos Modificação dos métodos de envio e da embalagem Para essas alterações deve ser resubmitido o PPAP e o material deve ser acompanhado de etiqueta de identificação (RQ-337). O Fornecedor não está autorizado a adquirir peças compradas de diferentes fornecedores após terem sido aprovadas as amostras iniciais. O Fornecedor tem a obrigação de obter aprovação por escrito da MHBR antes da mudança de fornecedores. Se o Fornecedor empregar fornecedores sem obter primeiramente autorização por escrito da MHBR ou implementar uma modificação que não foi aprovada, esta terá o direito de rescindir o respectivo contrato a qualquer momento dentro de um período de seis meses após tomar ciência da mudança (rescisão por justa causa). O Fornecedor deve assumir quaisquer custos que a MHBR deva pagar devido à decisão do Fornecedor de mudar de fornecedor sem aprovação da MHBR. De qualquer forma, com isso não ficam excluídas outras reivindicações legais.

6 4.4 Retenção de Registros Tempo de retenção: a) Vida da peça + 15 anos calendário: submissão de peças, registros de ferramentais, ordens de compra, emendas de contrato, cartas de controle, resultados de testes funcionais, registros de performance; b) 3 anos: relatórios de auditorias Internas da Qualidade e atas de reunião de análise crítica do Sistema de Gestão. Essa exigência não substitui nenhum regulamento governamental. 4.5 Planejamento da Realização do Produto A metodologia deve ser baseada na última edição do manual de APQP Planejamento Avançado da Qualidade do Produto. 4.6 Confidencialidade O Fornecedor deve garantir a confidencialidade dos produtos e projetos contratados (desenvolvimento e fornecimento). 4.7 Características Especiais As simbologias de características especiais estão indicadas abaixo: A ausência destas características nas especificações fornecidas pela MHBR não isenta os fornecedores das responsabilidades pelos produtos fornecidos. SÍMBOLO DESCRIÇÃO REQUISITOS BÁSICOS Q + Característica importante Estudos MSA e CEP Q - Característica secundária Estudos MSA e CEP QD Características de Segurança e Regulamentação Estudos MSA e CEP, identificação no posto de trabalho e treinamento dos operadores. Identificação Capabilidade a curto prazo Capabilidade preliminar do processo Capabilidade a longo prazo Abreviatura cmk ppk cpk Valor > 1.67 > 1.67 > 1.33

7 4.8 Projeto e Desenvolvimento A MHBR reconhece os manuais de APQP como referência no desenvolvimento de novos produtos. Na elaboração do FMEA, deverão ser adotados os critérios definidos no Manual de FMEA 4ª edição para determinar a priorização por ações e as tomadas de ação. Porém quando o critério no requisito específico de Cliente for diferente do adotado pelos Manuais, os Analistas da Qualidade de Desenvolvimento dos fornecedores devem informar qual o critério a ser adotado. Requisitos específicos do produto devem ser acordados com representantes da Qualidade da MHBR. No início do um novo desenvolvimento também poderão ser acordadas utilização de formulários específicos de clientes MHBR para atendimento de Requisitos Específicos Processo de Aprovação de Produto O objetivo do Processo de Aprovação da Peça de Produção (PAPP) é determinar se os requisitos da especificação de engenharia da MHBR são corretamente compreendidos pelo fornecedor e se o processo desenvolvido para um componente / produto específico possui o potencial para produzir o componente / produto consistentemente na taxa de produção mencionada. É responsabilidade do fornecedor estar em conformidade com a norma AIAG para o PAPP que estabelece os requisitos mínimos para os fornecedores da MHBR. Para envio do PPAP são requeridos 18 tipos diferente de documentos os quais estão relacionados na tabela abaixo:

8 OBS: O Nível de Submissão está relacionado aos documentos que devem ser apresentados para a MHBR. Porém toda a documentação contida na tabela DEVE estar disponível independente do nível de submissão. Exemplo: No Nível de Submissão 1, o fornecedor deve submeter para MHBR apenas o Relatório de Aprovação de Aparência (RAA) e Certificado de Submissão de Peças (PSW), porém todos os demais documentos devem estar retidos no Fornecedor e devem estar disponíveis a MHBR sempre que solicitado. Todo produto novo entregue para MHBR, deverá ser acompanhado do PPAP 4ª edição e identificado com etiqueta de amostras (RQ-337). Porém quando o critério no requisito específico de Cliente for diferente do adotado pelos Manuais, os Analistas da Qualidade de Desenvolvimento dos Fornecedores e/ou Comprador devem informar qual o critério a ser adotado e orientar os fornecedores quanto ao preenchimento. Será exigido nível 3 de submissão da documentação, exceções deverão ser previamente negociadas com a área de Compras. Os componentes fornecidos à MHBR deverão estar de acordo com: Diretiva Européia /53/EC de 18 de Setembro de 2000 e; Anexo II da Diretiva de 20 de Setembro de O cadastro de IMDS (Internnational Material Data System) deverá ser realizado e o número de ID (Identificação) deveráá constar na capa do PAPP. O cadastro é realizado atraavés do site e submetido à aprovação pelo ID n.º 1126.

9 5 Fontes aprovadas pelo cliente Quando especificado em desenho, contrato ou requisito declarado, o fornecedor deve utilizar subfornecedores designados pela MHBR. 6 Desempenho de Fornecedores O acompanhamento do desempenho dos fornecedores nacionais de materiais produtivos é feito mensalmente através do Índice de Performance de Fornecedores Mann (IPFM). O IPFM é composto por: IPQ Índice de Performance de Qualidade; IPC Índice de Performance de Compras; IPL Índice de Performance de Logística; IPD Índice de Performance de Desenvolvimento e Inovação Classificação do IPFM: O fornecedor que tiver a pontuação abaixo da nota mínima entra em escalonamento. Cada Índice vale 100 pontos, e a nota final do IPFM será calculada com base nos seguintes critérios:

10 Cada Índice vale 100 pontos, e a nota final do IPFM será calculada com base nos seguintes critérios: Índices com nota acima de 70, o IPFM será a média dos quatro índices: IPD,IPC,IPL ou IPQ <70 = média Índices com nota abaixo de 70, a menor nota será considerada como IPFM: IPD,IPC,IPL ou IPQ <70 = menor nota Fornecedor não avaliado no IPD, esse índice não será considerado no cálculo do IPFM. Período de Apuração: outubro de 2011 a setembro de Conceito

11 IPC ÍNDICE DE PERFORMANCE DE COMPRAS IPC Índice de Performance de Compras Quesito Nota Contratos Contrato de Fornecimento atualizado = 25 pontos Contrato de Fornecimento não atualizado = 0 ponto 0 a 25 Flexibilidade Apresentação de Breakdown = 25 pontos Sem apresentação do Breakdown = 0 ponto 0 a 25 Maior ou igual a 44 dias = 25 pontos Prazo de Pagamento Entre 30 e 43 dias = 15 pontos 0 a 25 Abaixo de 29 dias = 0 ponto Velocidade Cotações nos prazos negociados = 15 pontos Cotações fora dos prazos = 0 ponto 0 a 15 Documentos Formulário de cotação completo = 10 pontos Formulário de cotação incompleto = 0 ponto 0 a 10 Proatividade Sugestões para Melhoria de processos/ produtividade/ inovação = +10 pontos Apresentação final no programa Participação Ativa = +10pontos +10 Reduções de preços = +25pontos Competitividade Manutenção de preços = 0 ponto -25 a +25 Aumento de preços = -25 pontos IPC Total 0 a 100

12 IPQ- Índice de Performance de Qualidade OBJETIVO >75 IPQ Índice de Performance de Qualidade Quesito Nota PPM Retrabalho Comprometimento - respostas a planos de ação (RACP-F, auditorias, IPQ) Sistemas de Qualidade PPM 0 = 50 pontos PPM < 36 = 45 pontos PPM > 36 = 0 ponto 0 retrabalho = 20 pontos 1 retrabalho = 10 pontos >1 retrabalho = 0 ponto dentro do prazo = 20 pontos fora do prazo = 0 ponto possui ISO/TS e ISO = 10 pontos possui ISO 9001:2000 ou ISO/TS = 7 pontos não possui certificação = 0 ponto 0 a 50 0 a 20 0 a 20 0 a 10 Confiabilidade de PAPP PAPP s e amostras não atendem aos requisitos -10 Qualidade no Cliente cliente afetado (sem demérito p/ MHBR) = -50 pontos cliente afetado (com demérito e custo p/ MHBR) = -100 pontos -50 a -100 IPQ Total 0 a 100 IPL ÍNDICE DE PERFORMANCE DE LOGÍSTICA

13 IPD ÍNDICE DE PPERFORMANCE DE DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO

14 Os fornecedores serão avaliados separadamente por cada unidade, sendo elas: MHBR Indaiatuba MHBR Manaus MHBR Contagem 6.2 Sistema de Escalonamento de Fornecedores O objetivo desta atividade é proporcionar pontuações mais justas aa fornecedores que estiverem dentro da meta do PPM, intensificar o foco nas respostas de RPS e cartas de IPQ, consequentemente na definição das causas raízes e melhor distribuição e impacto das pontuações referentes a certificações. Mensalmente é enviada para fornecedor a carta do IPQ (RQ-254) contendo as pontuações para cada quesito avaliado no IPQ. O sistema de escalonamento é composto de seis etapas: 1º Passo -Fornecedor há um mês com IPQ < 75 Elaboração de um plano de ação para carta do IPQ Abertura e análise de RPS na planta do fornecedor 2º Passo -Fornecedor háá dois meses consecutivos com IPQ < 75 Reunião no fornecedor com a Gestão da Qualidade MHBR, para revisão do plano enviado no primeiro passo Plano de controle agressivo no fornecedor, com o aumento da freqüência de inspeção no recebimento, processo e expedição Revisão de todas as RPS s no fornecedor com a participação do AQF da MHBR 3º Passo -Fornecedor há três meses consecutivos com IPQ < 75 Recomendação para que o fornecedor não participe de novos desenvolvimentos Definição de embarque controlado "1" (na planta do fornecedor), com pareto de defeitos para produtos críticos Realizar Kaizen Qualidade no fornecedor Reunião com a alta direção do fornecedor e Comitê Executivo MHBR (Presidência, Diretoria Industrial, Gerência da Qualidade, Supervisão Qualidade de Fornecedores, AQF e Compras) para apresentação de um plano de ação sistêmico e robusto. Definição de um assistente técnico para os produtos MHBR Acompanhamento semanal do plano de ação para os defeitos apontados no pareto. Caso haja necessidade de desenvolver itens novos com fornecedor em escalonamento nível 3, deverá haver aprovação do Comitê Executivo e um plano de ação deverá ser estabelecido para evitar problemas de qualidade na MHBR e clientes.

15 4º Passo -Fornecedor há quatro meses consecutivos com IPQ < 75 Definição do embarque controlado "2" (Recebimento MHBR) por empresa terceira Revisão (no fornecedor) do plano de ação baseado nos defeitos apontados no pareto do embarque controlado "1". 5º Passo -Fornecedor há seis meses consecutivos com IPQ < 75. Revisão das ações do Kaizen Qualidade pelo AQF MHBR. Elaboração, pelo AQF MHBR, de um plano de ação emergencial para fornecimento seguro. Reunião do Comitê Executivo da MHBR no fornecedor 6º Passo -Fornecedor há sete meses consecutivos com IPQ < 75. Encaminhar solicitação de substituição do fornecedor ao Comitê Executivo MHBR. Tratativa diferenciada dos indicadores do fornecedor Caso haja necessidade de manter fornecedor em escalonamento nível 6 no quadro de fornecedores MHBR, deverá haver aprovação do Comitê Executivo e um plano de ação deverá ser estabelecido para evitar problemas de qualidade na MHBR e clientes. 6.3 Avaliação e monitoramento de Fornecedores Ambientais Anualmente é realizada auditoria nos fornecedores ambientais responsáveis pela destinação e tratamento dos resíduos gerados pela MHBR. A responsabilidade pelas auditorias é da área de Meio Ambiente. É utilizado o questionário Avaliação dos Sistemas de Gestão da Qualidade e Ambiental e o resultado deverá ser 60%. Caso o resultado da auditoria seja < 60%, um plano de ação é estabelecido e acompanhado pela área de Meio Ambiente. 7 Propriedade do Cliente O fornecedor deve identificar, verificar, proteger e salvaguardar toda propriedade da MHBR fornecida para uso ou incorporação ao produto. Caso ocorra perda, dano ou demonstre não conformidade para o uso, o fornecedor deve registrar e informar a MHBR. Isto inclui também propriedade intelectual; embalagem retornável; equipamento e ferramental de inspeção ensaios e produção. 8 Laboratórios Externos

16 Os laboratórios de ensaios / calibração utilizados devem ser certificados conforme ISO/IEC através de avaliações de 3ª parte, ou auditoria de 2ª parte, quando necessário. 9 Inspeção de Lay Out e Ensaios As inspeções de layout devem ser executadas anualmente após a aprovação do produto, isto inclui análise dimensional, material e funcional de todos os produtos fornecidos conforme especificados nos planos de controle. 9 Não conformidade do produto / Ação Corretiva As ações corretivas geradas por uma reclamação da MHBR devem ser enviadas no prazo conforme descrito abaixo: Ações de contenção, disponibilizar peças conforme em até 24 horas. Submeter a MHBR em 5 dias úteis, as ações de contenção realizadas e as ações corretivas planejadas, em formulário RPS. 30 dias ações corretivas implementadas e relatório RPS respondido. Atrasos comprometeram a nota do IPQ do fornecedor. 10 Embarque Controlado Nível 1 e 2 (CSL 1, CSL 2) Se houver sérios desvios de qualidade ou de fornecimento de serviços acordados, os objetivos originais devem ser alcançados através de um procedimento de Embarque Controlado. Embarque controlado é um requisito que a MHBR pode exigir dos Fornecedores, no qual o Fornecedor deve conduzir verificações adicionais para segregar produtos com defeito, uma vez que a causa atual de falha ainda tenha sido eficazmente identificada dentro daquele período. Há dois níveis de embarque controlado: Nível 1 (CSL1) Processamentos do Nível 1 incluem: Repetição de reclamações Se a MHBR considerar uma falha que representa um risco significativo à MHBR ou aos seus clientes Falha em campo Dados do Fornecedor interno/externo O Fornecedor deve desenvolver um processo de verificação nas suas dependências que tenha capacidade de assegurar que nenhum produto com defeito é fornecido à MHBR. Nível 2 (CSL2) Processamentos do Nível 2 incluem: Desvios de status do nível 1 Novas informações com relação ao processamento CSL1

17 Nível 2 compreende de todos os requisitos do Nível 1 bem como testes adicionais conduzidos pela MHBR ou de um terceiro atuando em seu interesse. Quaisquer terceiros autorizados pelo Fornecedor devem primeiramente ser aprovados pela MHBR. A MHBR decidirá se essas verificações adicionais devem ser conduzidos no Fornecedor ou em outro local apropriado para esta finalidade. Pessoas autorizadas pela MHBR ou clientes da MHBR podem visitar a planta, a fim de observar como as verificações estão sendo conduzidas. Se as medidas no Nível 2 se provarem ineficazes, a MHBR poderá solicitar que outras medidas sejam implementadas. A MHBR pode exigir que, a partir do Nível 2, o Fornecedor informe sua empresa de certificação da ISO TS/16949 sobre o status atual Conclusão do Embarque Controlado Nível 1 e 2 Os seguintes critérios devem ser cumpridos para concluir a embarque controlado do Nível 1/ Nível 2:. Dados de 20 dias úteis indicando que as medidas foram implementadas eficazmente. Esses 20 dias se referem ao período após as medidas corretivas terem sido implementadas.. Documentação mostrando que a causa atual da falha foi identificada e que as medias corretivas tenham sido implementadas eficazmente.. Documentos relevantes foram revisados e atualizados (FMEA, plano de teste, fluxograma do processo, documentos do processo, instruções aos empregados etc).. Sejam disponibilizados dados estatísticos relevantes.. Todos os requisitos adicionais da MHBR tenham sido cumpridos.. Todas as medidas do plano de ação tenham sido concluídas. Os testes de eficácia tenham sido aprovados pela MHBR, ou por um cliente da MHBR. O Fornecedor assumirá todos os custos resultantes do processo de embarque controlado.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA Agosto de 2009 Revisão 05 INDICE 1. Apresentação... 03 2. Política da Qualidade e Ambiental da Sultécnica... 03 3. Expectativa para Fornecedores...

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES Requisitos e diretrizes para o sistema de gestão da qualidade e ambiental Página 1 de 9 1. REQUISITOS ESPECÍFICOS... 3 1.1 Objetivo... 3 1.2 Geral... 3 1.3 Documentos

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação

Leia mais

Manual da Qualidade Fornecedores 2007

Manual da Qualidade Fornecedores 2007 Manual da Qualidade Fornecedores 2007 www.metalurgicanunes.com.br 2 ÍNDICE 01 Introdução. 3 02 Filosofia da Qualidade 3 03 Políticas da Metalúrgica Nunes 4 04 Requisitos de Qualidade para fornecimento

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT Betim, 25 de Março de 2011 CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT Atualiza e substitui, a partir de 11/04/2011, a CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS

Leia mais

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores Este Manual é de propriedade da Martiaço Indústria Ltda. Sem autorização não pode ser distribuído ou copiado. SUMÁRIO 1. A EMPRESA... 3 2. OBJETIVO... 4

Leia mais

Manual da Qualidade para Fornecedores

Manual da Qualidade para Fornecedores Manual da Qualidade para Fornecedores Elaborado por: Indústrias Romi S.A. Departamento de Suprimentos Santa Bárbara d'oeste - SP 09 de Fevereiro de 2009 Edição C N.O.: 26-02 1 0019.C 2 SUMÁRIO GLOSSÁRIO...

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR METALÚRGICA KNIF LTDA Junho/2013 1 REGISTRO DAS MODIFICAÇÕES REVISÃO DATA MOTIVO 00 02/04/09 Emissão do documento 01 05/08/09 Modificação dos itens 5.5 e 7.5 02 27/07/10

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8

REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8 REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Aplicação... 3 4. Documentos de Referência... 3 5. Sistema de Gestão... 3 6. Requisitos Gerais... 4 7. Requisitos Automotivos...

Leia mais

FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br

FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015 Requisitos específicos Bepo Manual para Fornecedores Índice: 1) Apresentação da Empresa ---------------------------------------------------------------------------pg.03

Leia mais

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA METALÚRGICA NAKAYONE LTDA Manual de Instruções Para Fornecedores Revisão Maio/2010 Código Capítulo CONTROLE DE REVISÃO Índice Pág. De M.DIR. 02-01 Instruções Preliminares 01 50 M.DIR. 02-02 Premissa 02

Leia mais

2.1 Fornecedores...04. 2.2 Abrangência...05. 3.1 Homologação...05. 3.2 Documentos Obrigatórios...06. 4.1 Fornecedor de Tratamento Superficial...

2.1 Fornecedores...04. 2.2 Abrangência...05. 3.1 Homologação...05. 3.2 Documentos Obrigatórios...06. 4.1 Fornecedor de Tratamento Superficial... SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...04 2. OBJETIVO...04 2.1 Fornecedores...04 2.2 Abrangência...05 3. REQUISITOS...05 3.1 Homologação...05 3.2 Documentos Obrigatórios...06 4. SUBMISSÃO DE PPAP...07 4.1 Fornecedor

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo

REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo 1. Objetivo Este documento tem por objetivo comunicar os requisitos mínimos a todos os fornecedores de componentes, matérias

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO Página: 1/15 MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO Página: 2/15 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 5 1.1 Missão da empresa... 5 1.2 Política da Qualidade e Ambiental...5 1.3 Glossário... 6 2. DISPOSIÇÕES GERAIS...

Leia mais

Manual da Qualidade e Desenvolvimento de Fornecedores Dana Holding Corporation LLC

Manual da Qualidade e Desenvolvimento de Fornecedores Dana Holding Corporation LLC Manual da Qualidade e Desenvolvimento de Fornecedores Dana Holding Corporation LLC Supplier Development Dana Holding Corporation LLC Agosto 2012 SUMÁRIO i. INTRODUÇÃO... 4 ii. CONDUTA EMPRESARIAL... 5

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Gestão da Qualidade TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Interpretação / Implantação da ISO 9001:2008 Compreender a filosofia

Leia mais

FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br

FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013 Requisitos específicos Bepo Manual para Fornecedores Índice: 1) Apresentação da empresa ------------------------------------------------------------------------pg.03

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES DA INDÚSTRIAS MANGOTEX LTDA.

REQUISITOS ESPECÍFICOS APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES DA INDÚSTRIAS MANGOTEX LTDA. Revisão: 01 Data: 09/10/14 Nº páginas: 1/17 REQUISITOS ESPECÍFICOS APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES DA INDÚSTRIAS MANGOTEX LTDA. Revisão: 01 Data: 09/10/14 Nº páginas: 2/17 ÍNDICE REQUISITOS PÁGINA Histórico

Leia mais

Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda. Manual Do Fornecedor

Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda. Manual Do Fornecedor Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda Manual Do Fornecedor Revisão 08 21/03/2014 1 Sumário 1. Apresentação... 5 2. Generalidades... 5 3. Processo de Aprovação de Peça de Produção (PAPP)... 5 3.1 - Definição...

Leia mais

Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP.

Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP. Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP. FMEA, ISO/TS, APQP, PPAP Pretendemos, neste módulo, mostrar todas as ligações e vínculos existentes entre a ferramenta do

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF.

CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF. Três Corações, 12 de janeiro de 2015. CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF. 01/2015 Este documento pode ser utilizado

Leia mais

Requisitos Específicos. Sampel Peças Automotivas

Requisitos Específicos. Sampel Peças Automotivas Requisitos Específicos Sampel Peças Automotivas REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 7 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Aplicação... 3 4. Documentos de Referência... 3 5. Sistema de Gestão...

Leia mais

Anexo 61 Manual de Fornecedores STIHL MANUAL DE FORNECEDORES

Anexo 61 Manual de Fornecedores STIHL MANUAL DE FORNECEDORES MANUAL DE FORNECEDORES LS 0082 Manual de Fornecedores 1 de 50 04.12.2013 Sumário INTRODUÇÃO... 5 DIRETRIZES DO FORNECEDOR... 6 CONTRATOS STIHL... 6 OBJETIVOS... 7 GESTÃO DA QUALIDADE... 8 1. SISTEMA DE

Leia mais

Manual de Requisitos. Específicos. Para Fornecedores MANUAL DE REQUISITOS ESPECIFICOS

Manual de Requisitos. Específicos. Para Fornecedores MANUAL DE REQUISITOS ESPECIFICOS Manual de Requisitos Específicos Para Fornecedores Elaborado por: Carlos Nascimento Aprovado por: Océlio Paggiatto Sistema da Qualidade Carlos Nascimento Océlio 02 2 SUMÁRIO: 1.0 Termo de Recebimento e

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Revisão03 Maio,2011 ThyssenKrupp ManualdeFornecedores ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo PREFÁCIO O acirramento da competição global pela liderança e conquista de novos

Leia mais

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Este é um documento controlado somente quando no formato de arquivo eletrônico e utilizado como fonte a cópia na web site www.dhb.com.br para o status do nível

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES 1/32 MANUAL DA QUALIDADE DE MAXION STRUCTURAL COMPONENTS Unidade de Cruzeiro-SP Rua Dr. Othon Barcellos, 83 - Centro CEP 12.730-900 Cruzeiro-SP Fone : (12) 3184-1000 Fax.: (12) 3144-0247 Este Manual foi

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Betim, 30 de Março de 2015 CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Esta carta atualiza e substitui, a partir de 15/04/2015, a CARTA DE REQUISITOS

Leia mais

Certificações VMG ISO 9001 - TS 16949 - VDA 6.3

Certificações VMG ISO 9001 - TS 16949 - VDA 6.3 Certificações ISO 9001 - TS 16949 - VDA 6.3 As informações contidas neste documento são propriedades da INDÚSTRIA METALURGICA LTDA. Este documento não pode ser revelado, duplicado ou usado com nenhuma

Leia mais

C.G.E. Sociedade Fabricadora de Peças Plásticas LTDA Rua: General Castilho de Lima, Nº 150 Mauá SP CEP: 09371-345. CNPJ / MF: 57.563.

C.G.E. Sociedade Fabricadora de Peças Plásticas LTDA Rua: General Castilho de Lima, Nº 150 Mauá SP CEP: 09371-345. CNPJ / MF: 57.563. MANUAL DA QUALIDADE PARA CORPORATIVO C.G.E. Sociedade Fabricadora de Peças Plásticas LTDA Rua: General Castilho de Lima, Nº 150 Mauá SP CEP: 09371-345. CNPJ / MF: 57.563.694/0001-92 - Inscrição Estadual:

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

MANUAL DE QUALIDADE PARA FORNECEDORES DA VS LIMA & PÓ KOLT PINTURAS

MANUAL DE QUALIDADE PARA FORNECEDORES DA VS LIMA & PÓ KOLT PINTURAS 1 de 17 UMA PARCERIA DE SUCESSO É O SEGREDO PARA A QUALIDADE TOTAL! DE QUALIDADE PARA FORNECEDORES DA VS LIMA & PÓ KOLT PINTURAS Elaborado por: N - Data da Revisão Data da Emissão Aprovado por: CARIMBO

Leia mais

Requisitos Específicos para ISO TS 16949

Requisitos Específicos para ISO TS 16949 Requisitos Específicos para ISO TS 16949 Revisão 01 MWM INTERNATIONAL Motores 1 Requisitos Específicos da MWM INTERNATIONAL Motores Para uso em conjunto com a norma ISO/TS 16949 1. ESCOPO Este documento

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL (com abordagem para Itens de Segurança) Manual Informativo Para Fornecedores MIF 02 QAS

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL (com abordagem para Itens de Segurança) Manual Informativo Para Fornecedores MIF 02 QAS SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL (com abordagem para Itens de Segurança) Manual Informativo Para Fornecedores MIF 02 QAS Elaboração e Aprovação: Departamento de Gestão da Qualidade e

Leia mais

5ª Edição Janeiro de 2008.

5ª Edição Janeiro de 2008. EMPRESAS RANDON MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES 5ª Edição Janeiro de 2008. Apresentação 4 1 - Introdução 5 1.1 Escopo 5 1.2 Objetivo Geral 5 2 - Aprovação de Fornecedores e Planejamento da Produção

Leia mais

Revisão 18 (12/01/2012) Página 1 de 30

Revisão 18 (12/01/2012) Página 1 de 30 Revisão 18 (12/01/2012) Página 1 de 30 Manual do Fornecedor Revisão 18 (12/01/2012) ITEM ÍNDICE PÁG. CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO... 4 1.1 Aplicabilidade... 4 1.2 Objetivos... 4 1.3 Política da Qualidade, Meio

Leia mais

Manual de Fornecedores Blitz Rev. 7

Manual de Fornecedores Blitz Rev. 7 Sumário 1. Mensagem ao Fornecedor...- 2-2. Política da Qualidade...- 2-3. Objetivo do manual...- 2-4. Aplicação...- 3-5. Definições...- 3-6. Confidencialidade...- 3-7. Requisitos Gerais...- 4-8. Verificação

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Requisitos e diretrizes para o Sistema de Gestão da Qualidade e Meio Ambiente, conforme padrões definidos pelas normas NBR ISO 9001:2008, NBR ISO 14001:2004 e pela

Leia mais

Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 16 de Março de 2012 (RA-4901-797-E) 1

Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 16 de Março de 2012 (RA-4901-797-E) 1 Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 16 de Março de 2012 (RA-4901-797-E) 1 Conteúdo 1.0 Introdução 3 1.1 Escopo 3 1.2 Objetivo 3 1.3 Fundamentação 4 2.0 Requisitos do Sistema de Qualidade

Leia mais

MANUAL PARA FORNECEDORES

MANUAL PARA FORNECEDORES MANUAL PARA FORNECEDORES Regras para Seleção, Qualificação e Monitoria dos Fornecedores. Regras para Desenvolvimento de Produtos Regras para Aprovação do Produto e do Processo Edição 01 Outubro de 2011

Leia mais

2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 7.ª

2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 7.ª REVISÕES Edição Data Alteração da Revisão 1.ª 19/12/2003 Emissão Inicial 2.ª 19/08/2004 Adequação 3.ª 23/12/2004 Adequação 4.ª 01/05/2006 Reedição do Manual 5.ª 02/01/2008 Reedição do Manual 6.ª 01/03/2011

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

Curso e-learning APQP 2ª. EDIÇÃO (Planejamento Avançado da Qualidade do Produto)

Curso e-learning APQP 2ª. EDIÇÃO (Planejamento Avançado da Qualidade do Produto) Curso e-learning APQP 2ª. EDIÇÃO (Planejamento Avançado da Qualidade do Produto) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA METALÚRGICA NAKAYONE LTDA Manual de Instruções Para Revisão JULHO/2015 CONTROLE DE REVISÃO Código Capítulo Índice Pág. De M.DIR. 02-01 Instruções Preliminares 01 17 M.DIR. 02-02 Premissa 02 17 M.DIR. 02-03

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE GESTÃO AUTOMOTIVA SEMINÁRIO APQP / PPAP Propiciar aos participantes uma visão crítica do APQP e do PPAP, seus benefícios

Leia mais

Haldex. Manual do Fornecedor. Sistemas de Tração. Sistemas Hidráulicos. Sistemas para Veículos Comerciais. Arames Garphyttan

Haldex. Manual do Fornecedor. Sistemas de Tração. Sistemas Hidráulicos. Sistemas para Veículos Comerciais. Arames Garphyttan Haldex Manual do Fornecedor Sistemas de Tração Sistemas Hidráulicos Sistemas para Veículos Comerciais Arames Garphyttan 1 Esta é uma cópia não registrada. Sempre verifique sua validade junto a seu contato

Leia mais

PROGRAMA ANUAL TREINAMENTOS EMPRESARIAIS 2008

PROGRAMA ANUAL TREINAMENTOS EMPRESARIAIS 2008 PROGRAMA ANUAL TREINAMENTOS EMPRESARIAIS 2008 Assessoria Treinamento e Gestão Rua Cel Nogueira Padilha, 1011 - Sala 6 - Sorocaba - São Paulo Fone / Fax 15 32345920 www.profort.com.br Página 1 de 9 TE-001

Leia mais

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva Joel Alves da Silva, Diretor Técnico JAS-METRO Soluções e Treinamentos

Leia mais

ENCONTRO DA QUALIDADE IQA / MBB VDA 2

ENCONTRO DA QUALIDADE IQA / MBB VDA 2 ENCONTRO DA QUALIDADE IQA / MBB VDA 2 Novembro 2014 Paulo Bento Gerenciamento da Qualidade de Fornecedores Eixo,Motor e Cambio 1 TE/OSV-P Daimler Trucks 2 Temas : Processo de gestão da qualidade de fornecedores.

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS

REQUISITOS ESPECÍFICOS REQUISITOS ESPECÍFICOS ALPINO Indústria Metalúrgica Ltda. Página 1 de 18; Revisado em Março/ 2014 ÍNDICE 1. Introdução 2. Política do Sistema de Gestão Integrado 3. Código de Conduta 4. Meio Ambiente 5.

Leia mais

MANUAL DE FORNECEDORES

MANUAL DE FORNECEDORES ÍNDICE 1. O MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 Introdução... 3 1.2 Objetivo... 3 1.3 Relações com Fornecedores... 3 1.4 Política do Sistema Integrado de Gestão (Qualidade e Meio Ambiente)... 4 2. DESENVOLVENDO

Leia mais

MANUAL DA GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DA GESTÃO DA QUALIDADE Seção 1 Introdução / Escopo do Sistema de Gestão da Qualidade Seção 1 Introdução / Escopo do Sistema de Gestão da Qualidade Na busca contínua da melhoria da Qualidade, a SMIDDA preparou e aprovou este

Leia mais

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa 2 NBR ISO 10005:1997 1 Objetivo 1.1 Esta Norma fornece diretrizes para auxiliar os fornecedores na preparação, análise crítica, aprovação e revisão de planos da qualidade. Ela pode ser utilizada em duas

Leia mais

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP.

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CQ Consultoria Cirius Quality e Treinamento 1º Edição Interpretação da NBR ISO 9001:2008 Cirius Quality Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CEP: 09980-150 i www.ciriusquality.com.br e contato@ciriusquality.com.br

Leia mais

International Partner. International Partner. Para continuar a crescer a este ritmo é necessário : Parceiros confiáveis que. France.

International Partner. International Partner. Para continuar a crescer a este ritmo é necessário : Parceiros confiáveis que. France. Objetivo : O Workshop com Parceiros tem por objetivo identificar na Cadeia Produtiva e na Estrutura das Empresas, oportunidades de reduções de custo, melhoria nos níveis de qualidade e fornecimento de

Leia mais

www.megacursos.com.br O QUE É ISO?

www.megacursos.com.br O QUE É ISO? 1 O QUE É ISO? ISO significa International Organization for Standardization (Organização Internacional de Normalização), seu objetivo é promover o desenvolvimento de normas, testes e certificação, com

Leia mais

Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011

Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011 Distribuidor: Associado: ISO 9001:2008 Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011 02 03 03 03 04 05 05 06 06 06 07 08 08 08 09 09 10 10 12 12 13 14 14 15 Índice Missão, visão, valores 1. O manual do fornecedor

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos)

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Curso e-learning FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

M A N U A L DA Q U A L I D A D E D O F O R N E C E D O R

M A N U A L DA Q U A L I D A D E D O F O R N E C E D O R M A N U A L DA Q U A L I D A D E D O F O R N E C E D O R Sem controle após a impressão SUMÁRIO 1. Objetivo Webdesk\Manual da Qualidade\Subsistema I Logística Pág. - 1 - de 23 2. Responsabilidade do Fornecedor

Leia mais

FAPARMAS. Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO

FAPARMAS. Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO FAPARMAS Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO Sistema de Gestão da Qualidade ISO/TS 16949:22 2 / 5 Autor/Data José Ferraz 04/10/26 Aprovação/Data Sergio De Bortoli 04/10/26 s Descrições das

Leia mais

Manual da Qualidade do Fornecedor Global

Manual da Qualidade do Fornecedor Global Índice Sobre nos... 5 Perfil da Empresa... 6 Prefacio... 7 1.0 Introdução... 8 1.1 Política da Qualidade... 8 1.2 Escopo... 8 1.3 Finalidade... 8 1.4 Expectativas... 9 1.5 Meta... 9 1.6 Responsabilidades...

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

Manual de Qualidade de Fornecedor Requisitos do Programa. Índice

Manual de Qualidade de Fornecedor Requisitos do Programa. Índice Norma John Deere Manual de Qualidade de Fornecedor Requisitos do Programa Índice 1 Escopo... 2 2 Termos e Definições... 2 3 Sistema de Gerenciamento da Qualidade... 6 4 Responsabilidade de Gerenciamento...

Leia mais

AGENDA: Apresentação Horário Assunto

AGENDA: Apresentação Horário Assunto 1 AGENDA: Apresentação Horário Assunto Lucio Simões 13:30 Abertura Ivan Reszecki 13:35 1 Apresentação Metaltork Lindolfo Pascutti 14:15 2 Acordo com o fornecedor Intervalo 14:45 Coffee Break Ailton Viezzer

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

MANUAL DE FORNECEDORES

MANUAL DE FORNECEDORES MANUAL DE FORNECEDORES Versão: b Manual de Fornecedores 1 de 56 PREFÁCIO Este Manual de Fornecedores está dividido em oito blocos, conforme destacado a seguir: Gestão da Qualidade Desenvolvimento Auditorias

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

CRE - Sistema de Controle de Requisitos Específicos. Requisitos Específicos Dos Processos. Data 27/5/2010 13:20:15 Página 1 de 20 Relatório frmrel002

CRE - Sistema de Controle de Requisitos Específicos. Requisitos Específicos Dos Processos. Data 27/5/2010 13:20:15 Página 1 de 20 Relatório frmrel002 s Específicos Dos Processos CRE - Sistema de Controle de s Específicos Página 1 de 20 ADM - ADMINISTRAÇÃO 4.2.4 CONTROLE DE REGISTROS DA 5 RESPONSABILIDADES DA DIRECAO 5.1 COMPROMETIMENTO DA DIRECAO PGI

Leia mais

SISTEMA DE QUALIDADE FARMACÊUTICA Q10

SISTEMA DE QUALIDADE FARMACÊUTICA Q10 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL PARA HARMONIZAÇÃO DE REQUISITOS TÉCNICOS PARA REGISTRO DE MEDICAMENTOS PARA USO HUMANO GUIA ICH HARMONIZADO PELO TRIPARTITE SISTEMA DE QUALIDADE FARMACÊUTICA Q10 Versão atual

Leia mais

Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido

Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido Nasario de S.F. Duarte Jr. (São Paulo, SP) Resumo: o objetivo deste artigo é ressaltar a importância de se estabelecer um sistema de

Leia mais

ISO 17025 Versão 2005

ISO 17025 Versão 2005 1º Fórum Regional de Química - ES ISO 17025 Versão 2005 Rev. 14 Samuel Vieira JUN/2010 1 Terminologia e Siglas ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e Vocabulário ABNT NBR

Leia mais

Elementos de um Processo

Elementos de um Processo Auditor Interno ISO/TS 16949:2002 Arquivo com alguns slides do curso, já incluindo nova abordagem solicitada pelo IATF aos auditores durante os exames de requalificação em 2006. (Abordagem do IATF) 1 Elementos

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Programa de Melhoria da Qualidade do Fornecedor Cummins

Programa de Melhoria da Qualidade do Fornecedor Cummins Índice A. Finalidade... 3 B. Intenção... 3 C. Escopo... 3 D. Código de Conduta do Fornecedor Cummins... 4 E. Acrônimos e Definições...5-9 F. Gestão de riscos empresariais...10-11 G. Requisitos de Sistema

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR MANUAL DO FORNECEDOR Página: 1/21 MANUAL DO FORNECEDOR 1 ÍNDICE 1 ÍNDICE... 2 2 INTRODUÇÃO... 3 3 PRÉ-REQUISITOS PARA FORNECIMENTO... 4 4 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS FORNECEDORES... 6 5 AMOSTRAS INICIAIS...

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL 1. Prefácio 1.1 Dados gerais O presente acordo de qualidade assegurada (QSV) define as exigências de qualidade para os fornecedores da REHAU. Assim, o acordo de qualidade assegurada REHAU QSV é a norma

Leia mais

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE 14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade da direção

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS

REQUISITOS ESPECÍFICOS REQUISITOS ESPECÍFICOS ALPINO Indústria Metalúrgica Ltda. Página 1 de 21; Revisado em Dezembro/ 2015 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES 1. Introdução 2. Política do Sistema de Gestão Integrado

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES 7.431 Rev: 2 Data: 13/5/214 1 de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. ESCOPO... 4 3. APLICABILIDADE... 4 4. OBJETIVO... 5 5. REQUISITOS AMBIENTAIS... 5 6. ÉTICA

Leia mais

M agius M etalúrgica Industrial S.A.

M agius M etalúrgica Industrial S.A. M agius M etalúrgica Industrial S.A. MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES MAGIUS Rua David Campista, 188 Fone : 55 41 2169-9400 - Fax : 55 41 3282-1870 São José dos Pinhais - Paraná - Brasil 1 GENERALIDADES

Leia mais

Palavras Chave: PPAP, comparação, melhoria contínua, seis sigma, Cpk mínimo, Ppk, ISO-9000, QS- 9000.

Palavras Chave: PPAP, comparação, melhoria contínua, seis sigma, Cpk mínimo, Ppk, ISO-9000, QS- 9000. Comparação do Cpk/Ppk para Melhoria Contínua e Conformidade PPAP Palavras Chave: PPAP, comparação, melhoria contínua, seis sigma, Cpk mínimo, Ppk, ISO-9000, QS- 9000. Sumário A melhoria contínua é um ponto

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR EDIÇÃO 10 Junho / 2015

MANUAL DO FORNECEDOR EDIÇÃO 10 Junho / 2015 MANUAL DO FORNECEDOR EDIÇÃO 10 Junho / 2015 Elaborado por: Rogério Pereira Desenvolvimento de Fornecedores Revisado por: Dalton Ângelo Massaine Diretor de Suprimentos Julio Cesar Martins de Oliveira Vice-Presidente

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO FORMAÇÃO DE ESPECIALISTA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO FORMAÇÃO DE ESPECIALISTA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO PARTE 1 ESTRUTURA DO SGI Módulo SGI-1.0 - Introdução (04 horas) Apresentação da metodologia do Programa de Formação Manual do Aluno Critérios de aprovação e reposição de módulos Uso da plataforma do Ambiente

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE

FERRAMENTAS DA QUALIDADE FERRAMENTAS DA QUALIDADE FEMEA Análise do Modo e Efeito das Falhas Desenvolvido pela Professora Patrícia Roggero 1 Análise do Modo e Efeito das Falhas Desenvolvido pela Professora Patrícia Roggero 2 -

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 12 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos

Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO GERÊNCIA DO ESCOPO GERÊNCIA DO TEMPO GERÊNCIA DE CUSTO GERÊNCIA DA QUALIDADE Desenvolvimento do Plano

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais