KATARINE LARA SILVA DE SOUZA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "KATARINE LARA SILVA DE SOUZA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO KATARINE LARA SILVA DE SOUZA APLICAÇÃO DO MÉTODO FMEA NO RESTAURANTE SUPERPERTO GOURMET NATAL 2014

2 KATARINE LARA SILVA DE SOUZA APLICAÇÃO DO MÉTODO FMEA NO RESTAURANTE SUPERPERTO GOURMET Trabalho de conclusão de curso apresentado à Coordenação do Curso de Graduação em Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, como requisito parcial da obtenção do Título de Bacharel em Administração. Orientador: Carlos Alberto Freire Medeiros, Ph.D. NATAL 2014

3 Catalogação da Publicação na Fonte. UFRN / Biblioteca Setorial do CCSA Souza, Katarine Lara Silva de. Aplicação do método FMEA no Restaurante Superperto Gourmet/ Katarine Lara Silva de Souza. Natal, RN, f. Orientador: Prof. Ph. D. Carlos Alberto Freire Medeiros. Monografia (Graduação em Administração) Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro de Ciências Sociais Aplicadas. Departamento de Ciências Administrativas. 1. Administração Monografia. 2. Qualidade nos serviços Monografia. 3. Serviço ao consumidor Monografia. I. Medeiros, Carlos Alberto Freire. II. Universidade Federal do Rio Grande do Norte. III. Título. RN/BS/CCSA CDU

4 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO APLICAÇÃO DO MÉTODO FMEA NO RESTAURANTE SUPERPERTO GOURMET KATARINE LARA SILVA DE SOUZA Monografia apresentada e aprovada em 09 de Junho de 2014, pela banca examinadora composta pelos seguintes membros: Ph.D Carlos Alberto Freire Medeiros - UFRN Orientador Prof. M.Sc - Antônio Carlos Ferreira - UFRN Examinador Prof. Leandro Trigueiro Fernandes- UFRN Examinador Natal, 09 de Junho de 2014.

5 Dedico este trabalho aos meus queridos pais, Sandra de Souza Nóbrega de Assis e José Antônio de Assis, cuja presença e força jamais deixaram-me desistir de alcançar meus objetivos. Que plantaram a semente da busca do conhecimento e não mediram esforços para que eu realizasse meus sonhos e viesse alcançar todo o sucesso, pois sempre dedicaram amor e confiança para comigo.

6 AGRADECIMENTOS A Deus, porque Sua Palavra mais uma vez se cumpriu e se fez verdadeira em minha vida. Aos meus familiares por estarem junto a mim em todos os grandes momentos de minha vida.. De forma presente, apoiando-me e enriquecendo-me com sábios conselhos. Em especial aos meus pais Sandra e José Antônio, minha querida avó Francisca, meu namorado, e meu tio Hilton os quais se fizeram mais presentes e partilharam este momento tão importante de minha vida, lembrando-me sempre de jamais desistir de meus objetivos. Ao meu Professor Orientador Carlos Alberto Freire Medeiros, pela paciência, dedicação ao me orientar, visto que sua contribuição foi de suma importância para a realização deste trabalho. À todos os meus professores do curso de Administração da UFRN, que se fizeram presentes e de alguma forma me ajudaram a alcançar este sonho, lembrando-me sempre de meu potencial. Aos amigos que sempre me incentivaram com tamanho companheirismo em todos os momentos. Agradecimento a todas as pessoas que, de uma forma direta ou indireta, através de um simples sorriso, ou mesmo um bom dia, a troca de informações e discussões, contribuíram com o enriquecimento deste trabalho.

7 Podemos escolher recuar em direção à segurança ou avançar em direção ao crescimento. A opção pelo crescimento tem que ser feita repetidas vezes. E o medo tem que ser superado a cada momento. Abraham Maslow

8 RESUMO Com um mercado extremamente competitivo e com clientes cada vez mais exigentes, as empresas procuram, constantemente, a inovação em seus processos de fabricação, buscando, neste aspecto, maior qualidade e confiabilidade em seus produtos, através de sistemas de prevenção de falhas. Uma das ferramentas da Gestão da Qualidade que atende a estes requisitos é o método da FMEA (Análise de Modo e Efeitos de Falha), utilizado para indicar os possíveis modos de falha em um determinado processo, agindo preventivamente para eliminação dos mesmos. O presente trabalho apresenta estudos realizados em um restaurante, com base no método mencionado anteriormente. Logo, procura-se passar uma visão clara e eficiente sobre os conceitos de Qualidade, características da metodologia FMEA e sua aplicabilidade prática no desenvolvimento do trabalho em questão. Por oportuno, tal estudo caracteriza-se como uma pesquisa exploratória descritiva, subtipo como estudo de caso. Esta análise contemplou uma pesquisa interna de modo a identificar as falhas pertinentes ao local estudado, objetivando avaliar os resultados e, posteriormente, criar ações que pudessem preveni-las e/ou evitá-las, procurando mostrar que a FMEA pode ser uma opção inovadora para a garantia da qualidade, segurança e sucesso de empresas que estão voltadas para o ramo alimentício, sendo tão eficaz quanto outras metodologias existentes. Portanto, graças aos resultados obtidos, através das análises desta pesquisa, foi possível confirmar a eficácia do método, propondo, assim, melhorias significativas ao restaurante, de modo a contribuir para uma eficiente prestação de serviço e fornecimento de alimentos submetidos a um rígido controle de qualidade, tornando-o um diferencial com relação as empresas deste ramo. Palavras-chave: FMEA, Qualidade, Serviço, Produto, Modo de Falha, Controle.

9 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Método FMEA para a priorização de ações de melhoria Figura 2 - Etapas do método FMEA Figura 3 - Tabela do FMEA Figura 4 - Critério para pontuação da severidade da falha do produto Figura 5 - Relação entre causa da falha produto e modo de falha processo Figura 6 - Critério para pontuação da probalidade da ocorrência da falha do produto Figura 7 - Critério para atribuição da nota detecção... 33

10 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Tabela 1 - Modo de falha: Falta de mercadoria base na hora da produção Tabela 2 - Modo de falha: Comida produzida fora do padrão Tabela 3 - Modo de falha: Folhagens, frutas e verduras consideravelmente sujas e murchas Tabela 4 - Modo de falha: Prato montado fora das especificações Tabela 5 - Modo de falha: Demora na montagem do prato Tabela 6 - Modo de falha: Envio do produto errado pelo setor de montagem Tabela 7 - Modo de falha: Mesas sujas Tabela 8 - Modo de falha: Troca do produto Tabela 9 - Modo de falha: Comanda eletrônica em aberto Tabela 10 - Modo de falha: Suco fora do padrão Tabela 11 - Modo de falha: Demora em servir o prato Tabela 12 - Modo de falha: Falta de cordialidade no atendimento Tabela 13 - Modo de falha: Esquecimento de produto Tabela 14 - Modo de falha: Troca do produto na entrega Tabela 15 - Modo de falha: Troco errado e/ou falta do troco Tabela 16 - Modo de falha: Atraso no pedido... 68

11 LISTA DE QUADROS Quadro 1 - Plano de ação: Setor Produção/ Higienização Quadro 2 - Plano de ação: Setor Montagem Quadro 3 - Plano de ação: Setor Salão/ Delivery Quadro 4 - Plano de ação: Setor Salão/ Delivery

12 LISTA DE SIGLAS ANVISA APQP CCSA COVISA FMEA KDS NASA RPN TQM Agência Nacional de Vigilância Sanitária Advanced Product Quality Planning Centro de Ciências Sociais Aplicadas Coordenação de Vigilância Sanitária Análise do Modo e Efeito da Falha Kitchen Display System National Aeronautics and Space Administration Número de Prioridade de Risco Gerenciamento Total da Qualidade

13 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO CARATERIZAÇÃO DA EMPRESA CONTEXTUALIZAÇÃO E PROBLEMA OBJETIVOS Geral Específicos JUSTIFICATIVA REFERENCIAL TEÓRICO QUALIDADE Conceitos de Qualidade Necessidade de garantir a qualidade no produto/serviço oferecido Importância e benefícios de se oferecer produtos de qualidade ANÁLISE DO MODO E EFEITO DA FALHA (FMEA) Tipos de FMEA Etapas do método FMEA Tabela FMEA e como realizá-la Benefícios e dificuldades da aplicação do FMEA METODOLOGIA CARACTERIZAÇÃO DA PESQUISA POPULAÇÃO E AMOSTRA INSTRUMENTOS DE COLETA DE DADOS TRATAMENTO ESTATÍSTICO E FORMA DE ANÁLISE ANÁLISES E RESULTADOS IDENTIFICAÇÃO DE FALHAS E DEFINIÇÃO DE PRIORIDADES Setor Produção... 39

14 4.1.2 Setor Montagem Setor Salão PLANO DE AÇÃO Setor Produção/ Higienização Setor Montagem Setor Salão/ Delivery CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 78

15 13 1. INTRODUÇÃO Inicialmente, vale mencionar que a globalização elevou a competitividade das empresas, onde, naturalmente, os consumidores passaram a exigir mais qualidade nos produtos e nos serviços oferecidos pelas mesmas. Logo, os consumidores passaram a receber diversas ofertas, sendo agraciados com centenas de opções, motivo pela qual tornaram-se mais rigorosos na escolha dos produtos/serviços que outrora. Diante desse cenário mercadológico e avassalador, os consumidores devem ser o principal foco das empresas, sendo necessário compreendê-los com intuito de desenvolver políticas atrativas, a fim de conquistar e encantar, buscando transformar os consumidores em clientes e, consequentemente, conseguir sua fidelidade. Sabe-se que a qualidade numa empresa é uma arma estratégica, sendo um diferenciador com relação aos concorrentes, principalmente com relação aos produtos e serviços que são direcionados aos mais variados tipos de clientes, com necessidades peculiares e distintas. Portanto, é necessário que as empresas se qualifiquem a fim de manter um elevado padrão de qualidade, de forma que este seja notado pelo seu público alvo. Assim, o presente trabalho busca identificar a importância da Gestão da Qualidade no desempenho do restaurante em tela. Destarte, a ideia primordial é focar na análise do modo e do efeito da falha em todas as áreas que o abrangem, permitindo, de imediato, observar os pontos mais críticos e, posteriormente, focar no desenvolvimento de possíveis ações de melhorias, corretivas/preventivas a partir da determinação dos mesmos, sendo possível, diante desta análise, a priorização para a escolhas de ações que sejam capazes de eliminar, ao máximo, as falhas. Conforme se verificará a seguir, o estudo está dividido em cinco partes. Primeiramente será abordado a caracterização da empresa, a contextualização e problema, os objetivos e a justificativa. Já o segundo capítulo busca compreender o referencial teórico que descreve o que é qualidade e sua importância, e os conceitos da FMEA (Failure Mode and Effect Analysis), assim como sua aplicabilidade, etapas de análise, critérios para pontuação dos índices analisados e, por fim, seus benefícios e dificuldades de aplicação do método. No terceira parte, será apresentada a metodologia que especifica o tipo de pesquisa, com a caracterização desta, população e amostra, dados e instrumentos de coleta e forma de análise. Na

16 14 sequência, por meio da quarta etapa, os resultados irão abranger as análises do método e, posteriormente, a elaboração de um plano de ação. Por fim, a conclusão do presente trabalho e as referências bibliográficas. 1.1 CARATERIZAÇÃO DA EMPRESA Em meados de 2010 o restaurante SuperPerto foi fundado. A princípio, o citado estabelecimento era uma frutaria que fornecia aos clientes frutas diferenciadas, tendo uma proposta distinta dos demais concorrentes. Porém, a inexistência de ramos análogos fez com que surgisse a ideia de incrementar o mix de produtos. Sendo assim, saladas dos mais variados gostos, sanduíches e sucos naturais, tal como saladas de frutas, começaram a serem vendidos para agregar valor e prestar um novo tipo de serviço ao consumidor. No decorrer do primeiro semestre de 2011, o SuperPerto, foi aos poucos passando por uma reformulação à medida que fora surgindo, naturalmente, uma crescente demanda pelos novos produtos, reduzindo assim o espaço destinado à frutaria, possibilitando uma maior abertura para o que viria a surgir em pouco tempo. Em pouco tempo, houve uma leve alteração no nome do estabelecimento objeto de estudo, passando a denominar: SuperPerto Gourmet. Tornando-se um restaurante destinado à alimentação saudável, sendo oferecido aos clientes desde saladas de verduras/legumes e saladas de frutas, sucos naturais, sanduíches, açaís e pratos quentes. Vale mencionar que o grande diferencial da casa é a praticidade e simplicidade dos produtos oferecidos, com qualidade e rapidez no atendimento. É possível consumir os produtos na própria loja, pedi-los pelo delivery ou, se preferir, comprar os produtos e levá-los para "viagem". O restaurante, inicialmente, localizava-se perto do Shopping Midway Mall, na Rua Clóvis Beviláqua 730, esquina com a Rua Alberto Silva,Lagoa Seca Natal/RN, lugar estratégico e de fácil acesso, pois encontrava-se em área comercial. O crescimento da empresa foi tão expressivo que em pouco tempo houve a necessidade da procura de um espaço maior para comportar o crescente quadro de funcionários e de novos clientes que passaram a surgir. Por oportuno, a empresa encontrou um novo espaço para funcionamento localizada próxima ao antigo estabelecimento, na rua deste, tornando o restaurante mais acessível e visível para seus atuais e futuros clientes. Revela-se que o novo espaço conta aumentou

17 15 consideravelmente o número de mesas e cadeiras, além de contar com uma equipe mais qualificada. O novo espaço do Super Perto Gourmet encontra-se localizada na Rua Alberto Silva, n. 1266, sentido shopping Midway Mall, Lagoa Seca. O antigo espaço, no momento, encontra-se desativado, porém, os planos para o ano de 2015 é de reabri-lo com uma proposta diferente, que ainda está sendo desenvolvido. O restaurante não é um local destinado especificamente para dietas, portanto, o seu público alvo são pessoas que buscam se alimentar melhor, e fazer refeições mais rápidas. Pelo fato de possuir um mix de produtos bastante abrangente - tornando um diferencial - não está restrito a um público específico, pois o ambiente é frequentado por crianças até idosos, por homens e mulheres. Sendo o foco principal de seus clientes a busca por uma melhor qualidade de vida. O SuperPerto Gourmet, tem por missão fornecer aos clientes novas possibilidades para uma melhor alimentação de forma prática, simples e saudável, visando além da satisfação dos clientes e a motivação de seus colaboradores, a manutenção do padrão de qualidade. 1.2 CONTEXTUALIZAÇÃO E PROBLEMA A Gestão da Qualidade surgiu em meados da década de 50 quando o mundo sentiu a necessidade da melhora de seus elementos em todos os âmbitos. Com essa mudança, trouxe a carência de organização e estruturação. Com o passar das décadas, vieram às produções em massa, as indústrias cresceram e viram o nível de exigência dos consumidores aumentarem. Por isso, houve uma reorientação das organizações com fundamento na resolução dos problemas e na busca da perfeição. O foco passou a ser na Gestão de Qualidade Total por tratar-se de uma gestão com pensamentos estratégicos que antecedem o agir e o produzir. Sendo importante também para a mudança de postura gerencial e a forma de entender o sucesso de uma organização. Então, a gestão de qualidade vem tão somente para a total eficiência e sucesso das instituições. A valorização do cliente está em primeiro lugar. Ao longo desses anos, as mudanças que ocorreram contribuíram para que nos dias atuais fosse possível haver um maior controle da qualidade dentro das organizações, sejam elas de pequeno, médio e grande porte e seja qual for seu ramo de atividade.

18 16 A gestão da qualidade e seus respectivos métodos de controle passaram a ser mais presentes dentro das organizações, e a medida que a sociedade evoluiu seus gostos também mudaram. No que diz respeito mais especificamente ao ramo alimentício, atualmente para abrir um negócio neste segmento é preciso estar preparado para realizar alguns investimentos que serão necessários no cumprimento das normas exigidas pela ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), de modo a garantir a qualidade dos alimentos oferecidos e manipulação correta dos mesmos. Sendo assim, o controle e fiscalização da qualidade dos produtos que são vendidos neste segmento veio aumentando ao longo dos anos, juntamente com a criação de novas leis e normas para regulamentar este tipo de atividade. A Coordenação de Vigilância Sanitária de cada município (COVISA) é responsável por desenvolver atividades que visam o controle da qualidade dos alimentos e dos serviços a eles relacionados, tendo em vista a preservação e promoção da saúde da população. Para receber o certificado da COVISA é preciso que o estabelecimento esteja de acordo com o cumprimento de todas as normas exigidas, para que a saúde do consumidor esteja segura e que o mesmo tenha mais confiança ao consumir o alimento do local escolhido. A busca no ramo alimentício por comidas mais saudáveis passou a ser algo intrínseco da mesma. Há alguns anos pessoas que eram vegetarianas ou que buscavam uma alimentação mais saudável fora de casa eram minoria, tanto que os grandes fast-foods eram os que mais lucravam. De uns anos para cá esta realidade vem mudando, e agora o mercado está voltado para estas pessoas que buscam se alimentar bem, tornando este tipo de negócio bastante lucrativo para quem souber como atuar nele. Apesar de ter ocorrido mudanças no mercado alimentício, o consumidor continua a buscar por coisa similares, porém com maiores exigências. Ele, por conhecer mais seus direitos acaba por exigir mais dos estabelecimentos, além de qualidade e preço justo, ele busca por lugares que sejam confiáveis no quesito higiene. As redes sociais passaram a ser utilizadas com mais afinco com intuito de buscar e dar referências dos estabelecimentos. A divulgação dos mesmos também está mais presente, trazendo a tona aqueles clientes mais expressivos que gostam de elogiar e criticar perante as redes sociais, cujos são mais antenados com as novidades e por isso está cada vez mais difícil fidelizá-los, justamente por haver

19 17 tantas opções, entretanto poucas com a qualidade que é exigida pelos órgãos fiscalizadores. Desta forma, ao tratar deste segmento, muito está em jogo, além da prestação de um serviço de qualidade, alimentos dentro das especificações que são exigidas, manipuladores capacitados, clientes adentrando neste novo mercado e sua expansão, é preciso que haja uma fiscalização contínua. Assim como consta na cartilha da ANVISA, ao lidar com alimentos e água, consequentemente se não houver um trabalho cem por cento sério corre o risco da saúde do cliente ser prejudicada, chegando até mesmo ao óbito em casos mais extremos. Quando um estabelecimento trabalha de forma séria, além de realizar os procedimentos de manipulação dos alimentos de forma correta, existe uma forte fiscalização justamente para que falhas não cheguem até o consumidor final de modo a evitar que a imagem da empresa seja afetada mas sobretudo para evitar qualquer ameaça à saúde de seus clientes. Visto isto, o presente trabalho insere-se neste contexto. Através do método FMEA é possível identificar os modos e efeitos da falha no restaurante em estudo e posteriormente sugerir melhorias e ações preventivas, provando assim sua eficácia? 1.3 OBJETIVOS Geral O objetivo geral deste trabalho é implantar e analisar o método FMEA no estabelecimento estudado de modo a prover ações de melhorias, e uma conduta preventiva em relação à falhas por parte da organização Específicos a)identificar falhas e definir as prioridades para realizar a etapa seguinte; b)elaborar um plano de ação para eliminar as falhas;

20 JUSTIFICATIVA A empresa escolhida foi o Restaurante SuperPerto Gourmet por trabalhar com seriedade, estar sempre em busca de melhorias em seus processos, de forma a reduzir desperdícios, prestar um serviço e oferecer produtos de qualidade, visando satisfazer os seus clientes. O tema gestão da qualidade e a análise do método FMEA dentro da organização foi escolhido por ser um ponto central da administração e por focar exaustivamente na qualidade através da identificação das falhas e posteriormente no auxílio da elaboração de ações de melhorias e/ou preventivas, dando ênfase na satisfação dos clientes para com a empresa, além de estar vinculado neste caso mesmo que de forma indireta, à segurança alimentar tornando o estudo de caso mais interessante e preciso. Dessa forma, espera-se com esta pesquisa fermentar o conhecimento sobre a qualidade, o controle das falhas dentro de uma organização através do método de análise sugerido, sendo este trabalho mais uma etapa do caminho que é desenvolvido durante toda a vida, qual seja: o caminho do conhecimento. Assim, espera-se contribuir indiretamente com a sociedade, e diretamente com a empresa, possibilitando uma visão mais especifica dos seus pontos críticos e auxiliando-a a descobrir novas formas de melhorias que venham a contribuir para seu sucesso.

21 19 2. REFERENCIAL TEÓRICO O referencial teórico da presente pesquisa foi estruturado em dois grandes tópicos, a saber: Qualidade - onde foi explicitado seus conceitos perante alguns estudiosos; a necessidade de garantir a qualidade no produto/serviço oferecido; importância e benefícios de se oferecer produtos de qualidade -, e Análise do Modo e Efeito da falha (FMEA) - onde também foi explicitado seu conceito; tipos de FMEA, etapas do método; tabela FMEA e por fim seus benefícios e dificuldades de aplicação do método. 2.1 QUALIDADE Atualmente, fornecer produtos de qualidade tornou-se um costume, ou melhor, uma necessidade. Hoje, já não é o valor do produto que define a compra, se possível, busca-se a qualidade e a segurança do produto, e para isso é preciso conhecê-lo para assim decidir a compra por um determinado produto e não pelo do concorrente (TROGIANI et al., 2006, p.10 e 14). Portanto, conhecer o seu cliente é de suma importante para que seja possível atender às suas necessidades e para isto é preciso saber a real definição de um produto ou serviço de qualidade. Campos (1992, p.229) define um produto ou serviço de qualidade como sendo aquele que atenda perfeitamente, de forma confiável, de forma acessível, de forma segura e no tempo certo, às necessidades do cliente. Para que seja possível garantir a satisfação do consumidor é preciso buscar formas de atende-lo de maneira mais ágil, segura, de forma a conhecer suas preferências, analisando assim sua satisfação em promoções, preço, qualidade, atendimento e fidelidade. Deve-se estar atento ao que mais impacta na decisão de compra e o que se espera do produto quando se decide comprá-lo (MONTEBELLER, 2002, p.17 apud FRAZELLE; GOELZER, 1999). Com o crescimento do marketing boca a boca, as empresas passaram a se empenhar mais para prestar um serviço e vender produtos com uma maior qualidade.

22 Conceitos de Qualidade Pode-se considerar qualidade como sendo algo fundamental ao produto visto que a mesma visa acima de tudo atender às necessidades dos clientes ou usuários, ao ponto que são estes que fazem com que os produtos permaneçam no mercado. Ademais, ter qualidade ao vender um produto ou ao prestar um serviço é o estopim para o sucesso, pois força o cliente, de forma positiva, a acreditar que sua empresa possui um diferencial de mercado justamente por satisfazer às suas necessidades e por criar um provável desejo de fidelidade. De forma mais explicativa, segue logo abaixo alguns das várias definições para este tema: a) Para Feingenbaum (1994), Qualidade é a composição total das características de marketing, engenharia, produção e manutenção de um produto ou serviço, através das quais o mesmo produto ou serviço em uso, atenderá as expectativas do cliente. b) Para Juran (1991), Qualidade é o nível de satisfação alcançado por um determinado produto, no atendimento aos objetivos do usuário, durante a sua utilização, chamado de adequação ao uso. c) Para Deming (1990), Qualidade é o controle estatístico do processo (redução da variabilidade). Apesar de existir diferentes definições para este tema, é possível verificar que a sua essência acaba por criar a mesma ideia, onde necessidade, satisfação, cliente, produto, serviço e controle tornam-se diretrizes a serem seguidas para chegar até a Qualidade Total Necessidade de garantir a qualidade no produto/serviço oferecido É preciso saber conciliar a necessidade de oferecer produtos e serviços com qualidades e ao mesmo tempo saber como reduzir o desperdício, esperas e atividades que não agregam valor, evitando produzir sucatas e diminuir os custos de produção. Para que estes objetivos sejam alcançados busca-se a padronização dos produtos, assim a empresa reduz gastos supérfluos, gerando um retorno positivo, ou seja, a baixa de preço dos produtos e qualidade na produção final

23 21 aumentando, consequentemente a satisfação dos clientes (MOURA, MARTINS e DUARTE, 2002, p.01). Para garantir a qualidade dos seus produtos, as empresas aderem ao TQM Gerenciamento Total da Qualidade / Total Quality Manager. Para Feigenbaum (1994, p.63) O conceito Controle da Qualidade Total deve ser visto como um sistema abrangente e extensivo a todas as empresas que visam atender plenamente a todas as exigências do consumidor. Controle da Qualidade Total é um sistema eficiente que visa integrar esforços para o desenvolvimento, a manutenção e o aperfeiçoamento da qualidade de vários grupos numa organização, de forma a permitir marketing, engenharia, produção e assistência, dentro dos níveis mais econômicos e que possibilitem satisfação integral do consumidor. Redução de despesas, erros e desperdícios são também uma das principais necessidades da gestão da qualidade, afinal de contas ao reduzir custos torna-se mais viável o investimento no produto e/ou serviço que será oferecido ao cliente sendo mais fácil agradá-lo por oferecer algo com qualidade. Mesmo que de forma indireta, ao averiguar que aquele produto e/ou serviço atende às suas necessidades e têm grandes chances de tornar-se um diferencial no mercado competitivo, é possível que a empresa passe a enxergar mais as necessidades de seus próprios funcionários. Inclui-se neste raciocínio a valorização, o reconhecimento e a motivação dos funcionários dentro da empresa, visto que, quando estes têm orgulho em realizar suas atividades diárias, os mesmo produzem com mais qualidade e satisfação, agradando os clientes internos e externos (MARQUES, 2007, p.01) Importância e benefícios de se oferecer produtos de qualidade Atualmente, as organizações estão mais preocupadas com a busca da qualidade total e contínua, pois sabem que para os clientes a qualidade é essencial, algo que exige o aumento da eficiência nas produções visando assim, oferecer um produto de alta qualidade que satisfaça o desejo de cada cliente. Os benefícios de se oferecer produtos de qualidade são fundamentais para o conhecimento do mesmo no mercado, garantindo com que a empresa sobreviva no mercado competitivo devido à excelente qualidade do produto final e a valorização e apreço dos clientes, deixando para trás a concorrência (MARQUES, 2007, p.01).

24 22 Segundo Deming (1990, p.77) Qualidade não significa luxúria. Qualidade é um grau previsível de uniformidade e dependência, baixo custo, satisfação do mercado. Em outras palavras, qualidade é aquilo de que sempre o cliente necessita e quer. E já que as necessidades e os desejos dos clientes estão sempre mudando, a solução para definir qualidade em termos do cliente é redefinir as especificações constantemente. A qualidade nada mais é que a satisfação total dos clientes ou usuários, e para esta satisfação total deve-se oferecer produtos com qualidade total. Segundo Zacharias (2009, p.01) para que isso aconteça, todos os clientes internos da empresa devem estar comprometidos e não só envolvidos, pois não são somente os operários da linha de produção que fazem a qualidade e são responsáveis por ela, mas sim todos os funcionários da empresa, desde os responsáveis pela higienização da empresa até o mais alto nível hierárquico, todos devem estar conscientes dessas responsabilidades e envolvidos com todo o processo. Os benefícios trazidos pela qualidade dentro da empresa são de suma importância, visto que se tem a satisfação dos clientes o que faz com que a organização continue no mercado competitivo, não ficando para trás dos seus concorrentes (SANTOS, 2002, p.82). Em suma, investir na empresa e na qualidade dos seus produtos/serviços é fundamental e pode definir o futuro da mesma, visto que, a qualidade dos mesmos é o que agrada e fideliza os clientes - e são eles que vão dizer quais produtos permanecem ou não no mercado e em suas casas - mostrando assim que a necessidade da qualidade cada dia mais se faz presente, tornando os clientes peças cada vez mais importantes neste jogo de oferta e demanda. 2.2 ANÁLISE DO MODO E EFEITO DA FALHA (FMEA) A ferramenta Análise do Modo e Efeito de Falha FMEA foi desenvolvida em 1949 por militares americanos, e a partir de 1988 começou a ser utilizada em empresas como a Chrysler, Ford e General Motors, como parte dos chamados programas avançados de planejamento da qualidade em projetos e processos.

25 23 O FMEA, do inglês Failure Mode and Effect Analysis, é um método usado no desenvolvimento de produto e processo para o desenvolvimento de ações de melhoria para a minimização ou eliminação de falhas consideradas mais críticas segundo alguns critérios. Pode ser aplicado tanto na melhoria de produto quanto na melhoria de processo de fabricação. Em caso de novos produtos ou processos, o FMEA pode ser usado para desenvolver ações que visem minimizar a chance de ocorrência de uma falha potencial. (CARPINETTI, 2012, p.125) Sendo assim, se o método FMEA for aplicado ao produto ou processo o foco estará direcionado ao desenvolvimento de possíveis ações de melhoria, corretivas e preventivas a partir do conhecimento de todos os possíveis modos de falhas; seus efeitos sobre o desempenho do produto ou processo; e suas respectivas causas. De acordo com Carpinetti. (2012, p. 125) a partir da análise do modo de falha a priorização para a tomada de ações para a eliminação/minimização de falhas é feita com base nos critérios de: Gravidade (severidade) do efeito: qual a severidade do efeito da falha no cliente; Ocorrência de falha: a partir da análise da causa e de outras evidências, qual a frequência de ocorrência da falha; Detecção da falha: qual a chance de se detectar a ocorrência da falha antes que ela gere o efeito indesejável no cliente. A partir da quantificação do risco baseado na combinação desses três fatores, as ações são priorizadas e implementadas. A Figura 1 ilustra esse processo. Figura 1 Método FMEA para a priorização de ações de melhoria Modo de falha Efeito Causa Controle Severidade (S) Ocorrência (O) Risco = SxOxD Ações de melhoria Detecção (D) Fonte: CARPINETTI (2012, p.126)

FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha. José Carlos de Toledo Daniel Capaldo Amaral GEPEQ Grupo de Estudos e Pesquisa em Qualidade DEP - UFSCar

FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha. José Carlos de Toledo Daniel Capaldo Amaral GEPEQ Grupo de Estudos e Pesquisa em Qualidade DEP - UFSCar FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha José Carlos de Toledo Daniel Capaldo Amaral GEPEQ Grupo de Estudos e Pesquisa em Qualidade DEP - UFSCar FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha 1 1 Introdução

Leia mais

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos)

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Curso e-learning FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE

FERRAMENTAS DA QUALIDADE FERRAMENTAS DA QUALIDADE FEMEA Análise do Modo e Efeito das Falhas Desenvolvido pela Professora Patrícia Roggero 1 Análise do Modo e Efeito das Falhas Desenvolvido pela Professora Patrícia Roggero 2 -

Leia mais

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha)

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) FMEA FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) Técnica auxiliar no projeto de sistemas, produtos, processos ou serviços. Flávio Fogliatto Confiabilidade 1 FMEA - Definição

Leia mais

Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software

Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software Bolívar Arthur Butzke 1, Karine Baiotto 1, Msc. Adalberto Lovato 1, Msc. Vera Lúcia Lorenset Benedetti 1 1 Sistemas de Informação

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos

Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos F-MEA Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos ADPO ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1 F-MEA Failure Mode and Effects Analisys Conceito É uma metodologia analítica utilizada para garantir que problemas

Leia mais

Universidade São Judas Tadeu

Universidade São Judas Tadeu Universidade São Judas Tadeu São Paulo, 01 de Outubro de 2010 Nomes: Cícero Marcelino RA: 200509458 Daniele Teixeira RA: 200605045 Edson Pereira RA: 200607727 Matheus Monteiro RA: 200709765 Rodrigo Pavin

Leia mais

APLICAÇÃO DA FERRAMENTA FMEA NOS PROCESSOS DA MICRO EMPRESA MARMITEX EXPRESS

APLICAÇÃO DA FERRAMENTA FMEA NOS PROCESSOS DA MICRO EMPRESA MARMITEX EXPRESS 1 APLICAÇÃO DA FERRAMENTA FMEA NOS PROCESSOS DA MICRO EMPRESA MARMITEX EXPRESS Bruno Ricardo Duarte 1 João Koji Fujita Ribeiro de José Antonio Bueno 4 Renato Francisco Saldanha Silva 5 RESUMO O presente

Leia mais

Desenvolvimento de um sistema de tratamento de não conformidades de auditorias em uma Indústria Farmacêutica

Desenvolvimento de um sistema de tratamento de não conformidades de auditorias em uma Indústria Farmacêutica ISSN 1984-9354 Desenvolvimento de um sistema de tratamento de não conformidades de auditorias em uma Indústria Farmacêutica Priscyla Abramowicz (LATEC/UFF) Resumo: A Indústria farmacêutica deve, por legislação,

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Fortaleza, 28 de novembro de 2012. Análise de Causa-Raiz É um método utilizado na engenharia, nas investigações de acidentes industriais, nucleares,

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROCESSOS

FERRAMENTAS DA QUALIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROCESSOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 FERRAMENTAS DA QUALIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROCESSOS Priscila Pasti Barbosa 1, Sheila Luz 2, Fernando Cesar Penteado 3, Generoso De Angelis Neto 4, Carlos

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA 1. Introdução A apresentação dos Projetos de Inovação e Melhoria - PIM pelos Escalões/Divisões possui os seguintes objetivos: a. Estimular os Escalões e Divisões do Cmdo

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo 1 Introdução A atual regulamentação do setor elétrico brasileiro, decorrente de sua reestruturação na última década, exige das empresas o cumprimento de requisitos de disponibilidade e confiabilidade operativa

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 3 Disponibilidade em Data Center O Data Center é atualmente o centro nervoso

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves QUALIDADE II Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING 1. Estabelecer a constância de propósitos para a melhoria dos bens e serviços A alta administração deve demonstrar constantemente seu comprometimento com os objetivos

Leia mais

8.3. FMEA (Failure Mode and Effects Analysis)

8.3. FMEA (Failure Mode and Effects Analysis) seu produto nas unidades respectivas de cada grandeza, isto é, o produto tem $4,50 na característica "custo", 170 mm na característica "dimensão", e assim por diante. As colunas "concorrente };' e "concorrente

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços

Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços Guia Fundamental para Gestão de Qualidade em Serviços Objetivo Capacitar os participantes a interpretarem os requisitos da Norma ISO 9001:2008, relacionados aos

Leia mais

a norma utiliza o termo PANE para expressar falha.

a norma utiliza o termo PANE para expressar falha. FMEA Prof. Andréa CONCEITO DE FMEA CONCEITO DE FMEA ABNT, na norma NBR 5462 (1994), adota a sigla originária do inglês FMEA (Failure Mode and Effects Analysis) e a traduz como sendo Análise dos Modos de

Leia mais

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 2 Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 Para a gestão da qualidade na realização do produto a ISO 9001: 2000 estabelece requisitos de gestão que dependem da liderança da direção, do envolvimento

Leia mais

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo.

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. A Manutenção Produtiva Total (TPM) tem sido uma ferramenta muito importante para os setores de manufatura intensivos em equipamentos.

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA Disciplina: FATEC - IPATINGA Gestão de ISSO TQC - Controle da Total Vicente Falconi Campos ISO 9001 ISO 14001 OHSAS 18001 Prof.: Marcelo Gomes Franco Conceitos TQC - Total Quality Control Controle da Total

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

Deming (William Edwards Deming)

Deming (William Edwards Deming) Abordagens dos principais autores relativas ao Gerenciamento da Qualidade. Objetivo: Estabelecer base teórica para o estudo da Gestão da Qualidade Procura-se descrever, a seguir, as principais contribuições

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 O que é ISO? A ISO - International Organization for Standardization é uma organização sediada em Genebra, na Suíça. Foi fundada em 1946; A sigla ISO foi

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO

FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO Dennis Pessoa da Silva 1 RESUMO Ferramentas administrativas são técnicas utilizadas na gestão de empresas para solucionar problemas. Elas controlam

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

FMEA. Definição Medição Análise Melhoria Controle. Pág 1

FMEA. Definição Medição Análise Melhoria Controle. Pág 1 FMA Controle de Qualidade FMA Pág 1 FMA que vamos aprender... FMA Ferramentas de Definição Pág 2 FMA FMA Failure Mode & ffects Analysis FMA é um método sistemático para identificar, analisar, priorizar

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2 COMO QUEBRAR PARADIGMAS SEM CAUSAR UM IMPACTO NEGATIVO NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO, CRM E DBM EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

O PAPEL DA GESTÃO DE RISCO NA PREVENÇÃO DE EVENTOS ADVERSOS

O PAPEL DA GESTÃO DE RISCO NA PREVENÇÃO DE EVENTOS ADVERSOS O PAPEL DA GESTÃO DE RISCO NA PREVENÇÃO DE EVENTOS ADVERSOS Gestão de Riscos RDC 36 de 2013 Aplicação sistêmica e contínua de políticas, procedimentos, condutas e recursos na identificação, análise,

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi

GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA QUALIDADE GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi MARÇO/2010

Leia mais

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Leia mais

Gerência da Qualidade

Gerência da Qualidade Gerência da Qualidade Curso de Engenharia de Produção e Transportes PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Temas Abordados Qualidade Ferramentas da Qualidade 5 Sensos PDCA/MASP Os Recursos Humanos e o TQM

Leia mais

O que é e como encontrar uma oportunidade?

O que é e como encontrar uma oportunidade? CRIAÇÃO DE NOVOS NEGÓCIOS Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc O que é e como encontrar uma oportunidade? CRIAÇÃO DE NOVOS NEGÓCIOS É mais fácil perceber uma carência ou uma necessidade do que uma oportunidade.

Leia mais

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de viabilidade As perguntas seguintes terão que ser respondidas durante a apresentação dos resultados do estudo de viabilidade e da pesquisa de campo FOFA.

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações Fonte: Introdução à Administração de Antonio Cesar Amaru Maximiano Índice Definição de planejamento Incertezas Eventos previsíveis Processo de planejamento Decisões de planejamento Planejar Atitudes em

Leia mais

Mensagem do presidente

Mensagem do presidente Mensagem do presidente A giroflex-forma está em um novo momento. Renovada, focada em resultados e nas pessoas, ágil e mais competitiva no mercado de assentos e de mobiliário corporativo. Representando

Leia mais

Passar o bastão - Desenvolver parcerias

Passar o bastão - Desenvolver parcerias CAPÍTULO VI CONSTRUINDO A VISÃO DA QUALIDADE TOTAL... não fui desobediente à visão celestial Apóstolo Paulo Como já vimos anteriormente, as empresas vivem num cenário de grandes desafios. A concorrência,

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO Política da QUALIDADE A satisfação do cliente está na base das operações do Grupo Volvo. A Qualidade é um pré

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL Luiz Rodrigo Carvalho de Souza (1) RESUMO O alto nível de competitividade exige que as empresas alcancem um nível de excelência na gestão de seus

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu.

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu. Determinação do momento ótimo para a realização da manutenção preventiva em equipamentos de uma indústria metalúrgica: um estudo voltado para a redução de custos Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR)

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS

SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS Curitiba, 18 de março de 2015. 1 SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS Sumário APRESENTAÇÃO... 3 JUSTIFICATIVAS E BENEFÍCIOS... 3 COMO OBTER O SELO...

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

Como facilitar sua Gestão Empresarial

Como facilitar sua Gestão Empresarial Divulgação Portal METROCAMP Como facilitar sua Gestão Empresarial Aplique o CANVAS - montando o seu(!) Modelo de Gestão Empresarial de Werner Kugelmeier WWW.wkprisma.com.br Por que empresas precisam de

Leia mais

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011 Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 6/4/211 PRODUTIVIDADE O que é o melhoria contínua? Quando se tem o Gerenciamento da Rotina implantado temos a melhoria tipo escada sempre melhorando o resultado

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Com a globalização da economia, a busca da

Com a globalização da economia, a busca da A U A UL LA Introdução à manutenção Com a globalização da economia, a busca da qualidade total em serviços, produtos e gerenciamento ambiental passou a ser a meta de todas as empresas. O que a manutenção

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 1 EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 NADINE WASSMER TREINA E-LEARNING treina@treina.com.br ROSANA GOMES CONTEÚDOS E HABILIDADES EDUCAÇÃO CORPORATIVA DESCRIÇÃO DE PROJETO

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Prof. Andréa Cristina dos Santos, Dr. Eng. andreaufs@gmail.com

Leia mais

Análise de Modo e Efeito de Falha Potencial - FMEA. Apostila e Tabelas Recomendadas para Severidade Ocorrência e Detecção

Análise de Modo e Efeito de Falha Potencial - FMEA. Apostila e Tabelas Recomendadas para Severidade Ocorrência e Detecção Análise de Modo e Efeito de Falha Potencial - FMEA Apostila e Tabelas Recomendadas para Severidade Ocorrência e Detecção Professores: Diego Mondadori Rodrigues Ernani Matschulat Viviane Dorneles Tobias

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas O que é qualidade? Qualidade é a adequação ao uso. É a conformidade às exigências. (ISO International

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky Tradução: Diogo Kosaka Gostaria de compartilhar minha experiência pessoal como engenheiro

Leia mais

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia Elaine Gomes Assis (UNIMINAS) elainega@uniminas.br Luciane

Leia mais

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009.

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. Introdução Segundo as informações disponíveis no site do

Leia mais

Cód. Doc. TAB-RHU-003

Cód. Doc. TAB-RHU-003 1 de 27 ÁREA: SUPERINTENDÊNCIA CARGO: Diretor Superintendente Garantir o correto funcionamento dos sistemas de informação utilizados pela empresa; Aprovar projetos de melhorias nos equipamentos e sistemas

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos

Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos Giovani faria Muniz (FEG Unesp) giovanifaria@directnet.com.br Jorge Muniz (FEG Unesp) jorgemuniz@feg.unesp.br Eduardo

Leia mais

Qualidade na empresa. Fundamentos de CEP. Gráfico por variáveis. Capacidade do processo. Gráficos por atributos. Inspeção de qualidade

Qualidade na empresa. Fundamentos de CEP. Gráfico por variáveis. Capacidade do processo. Gráficos por atributos. Inspeção de qualidade Roteiro da apresentação Controle de Qualidade 1 2 3 Lupércio França Bessegato UFMG Especialização em Estatística 4 5 Abril/2007 6 7 Conceito de Qualidade Não há uma única definição. Melhoria da Empresa

Leia mais

COMUNICAÇÃO INTERNA DESAFIOS E ÊXITOS

COMUNICAÇÃO INTERNA DESAFIOS E ÊXITOS O gerenciamento do sistem,a COMUNICAÇÃO INTERNA DESAFIOS E ÊXITOS Dandare Manuelle Pereira (1) Historiadora formada pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Trabalha desde 2012 na SANASA no cargo

Leia mais

Portfolio de cursos TSP2

Portfolio de cursos TSP2 2013 Portfolio de cursos TSP2 J. Purcino TSP2 Treinamentos e Sistemas de Performance 01/07/2013 Como encantar e fidelizar clientes Visa mostrar aos participantes a importância do conhecimento do cliente,

Leia mais

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação QP Informe Reservado Nº 70 Maio/2007 Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QP. Este guindance paper

Leia mais