Dissertação de Mestrado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dissertação de Mestrado"

Transcrição

1 Dissertação de Mestrado MANUAL DE OPERAÇÃO DE BARRAGENS DE CONTENÇÃO DE REJEITOS COMO REQUISITO ESSENCIAL AO GERENCIAMENTO DOS REJEITOS E À SEGURANÇA DE BARRAGENS AUTOR: JOSÉ BERNARDO VASCONCELOS RODRIGUES DE OLIVEIRA ORIENTADOR: Prof. Dr. Romero César Gomes (UFOP) MESTRADO PROFISSIONAL EM ENGENHARIA GEOTÉCNICA DA UFOP OURO PRETO - JUNHO DE 2010

2

3 O482m Oliveira, José Bernardo Vasconcelos Rodrigues de. Manual de operação de barragens de contenção de rejeitos como requisito essencial ao gerenciamento dos rejeitos e à segurança de barragens [manuscrito] / José Bernardo Vasconcelos Rodrigues de Oliveira xv, 149 f.: il., color.; grafs.; tabs. Orientador: Prof. Dr. Romero César Gomes. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Ouro Preto. Escola de Minas. NUGEO. Área de concentração: Geotecnia aplicada à mineração. 1. Manual de serviço - Teses. 2. Barragens de terra - Teses. 3. Resíduos - Teses. I. Universidade Federal de Ouro Preto. II. Título. CDU: (035) Catalogação:

4 Todo homem que encontro é superior a mim em alguma coisa. Por isso, dele sempre aprendo alguma coisa. Ralph Waldo Emerson iii

5 DEDICATÓRIA Natália, Lígia e José Pedro, vocês são o que tenho de mais valioso! Vocês são a alegria da minha vida! iv

6 AGRADECIMENTOS A Natália, minha mulher, pela inesgotável fonte de apoio e incentivo, luz que me guiou rumo a esta conquista. A meus Pais, em agradecimento por todos os ensinamentos a mim concedidos, desde criancinha, através dos quais estabeleço minha conduta pessoal frente às adversidades da vida e, igualmente, educo meus filhos. Ao Professor Romero, que desde 1996, no CEEB, data e local que o conheci, sempre segurou e levou consigo a bandeira da pós-graduação em engenharia geotécnica na UFOP, questão de grande relevância educacional e profissional para todos os que militam nesta área de especialização técnica e para todos os que trilharam o caminho que passa por esta Universidade, tive a honra de tê-lo como meu Orientador. A Joaquim Pimenta de Ávila, marco zero da minha jornada profissional, o início de tudo, a quem sou e serei eternamente grato, tanto pelo compartilhamento do saber, quanto pela aplicação na prática, e sobretudo, pela confiança a mim concedida. A Deus, por estar ao meu lado e por ter me permitido viver. v

7 RESUMO O setor minerário brasileiro experimentou um crescimento de produção sem precedentes nos últimos anos, notadamente o segmento do minério de ferro, impulsionado pelo cenário externo favorável em relação a esta commodity. O aumento da produção acarretou o aumento da demanda por novas estruturas para a contenção dos rejeitos, e estas, por sua vez, têm apresentado dimensões cada vez maiores, tanto no que se refere à altura, quanto ao volume do reservatório de rejeitos. Este processo tem provocado uma maior cobrança por parte da sociedade na questão da responsabilidade ambiental e social em relação à segurança dessas barragens. Como resultado, as empresas de mineração têm sido fortemente cobradas no tocante à garantia associada a essas questões. Para que as expectativas da sociedade sejam atendidas, os rejeitos devem ser adequadamente dispostos. Neste cenário, o presente trabalho é de extrema relevância para o ambiente operacional das barragens de rejeitos. O tema se insere no contexto do gerenciamento dos rejeitos e na questão da segurança estrutural das barragens de rejeitos. O trabalho reconhece o Manual de Operação de Barragens de Rejeitos como um requisito de projeto, conforme previsto em norma específica da Associação Brasileira de Normas Técnicas. O trabalho destaca a importância do gerenciamento dos rejeitos que, como elemento essencial e indispensável de apoio ao gerenciamento de longo prazo das barragens de rejeitos e identifica, no Manual de Operação, o conjunto de diretrizes que irão permitir uma operação segura, conduzida em conformidade com procedimentos préestabelecidos, com foco na manutenção da segurança dessas estruturas, na preservação do ambiente, no bem estar social e nas expectativas de todos os envolvidos, durante toda a sua fase operacional. O trabalho reúne, consolida e apresenta informações que evidenciam a importância do vi

8 Manual de Operação para a segurança das barragens de contenção de rejeitos, com foco em respostas obtidas através de pesquisa empreendida junto a engenheiros geotécnicos operadores de barragens de rejeitos, no que concerne a aspectos mais relevantes pelo ponto de vista dos entrevistados. Ao mesmo tempo, busca favorecer o entendimento de diversos aspectos associados à rotina operacional dessas estruturas, necessários à compreensão e interpretação dos procedimentos definidos nos manuais de operação. Ainda, o trabalho contribui positivamente para que as empresas mineradoras proprietárias das barragens de rejeitos, os órgãos governamentais que atuam diretamente no licenciamento ambiental dessas estruturas, projetistas, demais profissionais interessados no assunto e até mesmo a sociedade possam melhor compreender a questão operacional das barragens de rejeitos e a importância dos manuais de operação para a segurança dessas estruturas. vii

9 ABSTRACT The Brazilian mining sector experienced an unprecedented growth in production in recent years, especially the iron ore segment, driven by favorable external scenario for this commodity. The increased production has led to increased demand for new structures for tailings containment, and these, in turn, have produced increasingly larger dimensions, both in relation to height, as in the volume of the tailings reservoir. This process has led to a greater society involvement on the issues, concerning the environmental and social responsibility, regarding the tailings dams safety. As a result, mining companies have been highly charged in terms of security relating to such matters. To attend society s expectations, the tailings must be properly disposed. In this context, this work is extremely relevant to the tailings dams operational environment. The operation manual theme is part of the tailings management discipline and is also associated to the tailings dams structural safety issue. The paper recognizes the Tailings Dams Operation Manual as a design requirement, as recommended by the Brazilian Association of Technical Standards. The work highlights the importance of the Operating Manual of tailings dams, since it contains a set of guidelines that will enable safe operation in accordance with preestablished procedures, focusing on the safety of such structures, the environment preservation, the social welfare, and the expectations of all involved, throughout its operational phase. It also highlights the importance of tailings management as essential and indispensable to support tailings dams long-term management. The work gathers, consolidates and presents informations that show the importance of the operating manual for tailings dams safety and encourages the understanding of several aspects related to the routine operations of these dams which are extremely important for comprehension and interpretation of the procedures defined inside the viii

10 operational manual. Still, the work contributes positively to all the mining companies that own tailings dams, the government agencies who work directly in the environmental licensing of these structures, designers, other professionals interested on the subject and even people in general, as they will get a better understanding of the operational issue of tailings dams and the importance of the operating manuals to the safety of these structures. ix

11 Lista de Figuras Figura 2.1 Influência de um acidente em barragem de contenção de rejeitos no negócio da mineração (TSM, 2004). Figura 2.2 Vida de uma estrutura para acumulação de rejeitos (adaptado DIRT, 2007). Figura 2.3 Estrutura do Gerenciamento de rejeitos (adaptada de MAC, 1998). Figura 2.4 Gestão da segurança de barragens (CDA, 2007). Figura 2.5 Contexto geral do gerenciamento de rejeitos (MCMPR, 2003). Figura 3.1 Representação gráfica das respostas à primeira pergunta. Figura 3.2 Representação gráfica das respostas à segunda pergunta. Figura 3.3 Representação gráfica das respostas à quarta pergunta. Figura 3.4 Representação gráfica das respostas à quinta pergunta. Figura 3.5 Representação gráfica das respostas à sexta pergunta. Figura 3.6 Representação gráfica das respostas à sétima pergunta (quesito cuja resposta foi dada por apenas 3 colaboradores da pesquisa). Figura 3.7 Representação gráfica das respostas à oitava pergunta. Figura 3.8 Representação gráfica das respostas à nona pergunta. Figura 5.1 Organograma funcional típico da Equipe-núcleo. Figura 5.2 Diagrama das fases de maturação de uma equipe (adaptado de Raj et al., 2006). Figura 6.1 Fluxograma típico da operação de uma barragem de rejeitos (MAC, 2005). Figura 7.1 Fluxograma típico da manutenção de uma barragem de rejeitos (MAC, 2005). x

12 Figura 8.1 Fluxograma típico do monitoramento de uma barragem de rejeitos (MAC, 2005). Figura 9.1 Prevenção e resposta em gestão de segurança de barragens (CDA, 2007). xi

13 Lista de Tabelas Tabela 2.1 Classificação de Risco para barragens no estado de Minas Gerais (segundo a deliberação normativa do COPAM n. 87, de 17 de junho de 2005). Tabela 3.1 Síntese das respostas relativas à terceira pergunta. Tabela 3.2 Síntese das respostas relativas à décima pergunta. Tabela 5.1 Principais aspectos físicos a serem descritos. Tabela 5.2 Principais componentes do sistema de rejeitos. Tabela 5.3 Principais pontos-chaves do projeto a serem descritos. Tabela 5.4 Informações sobre a construção. Tabela 5.5 Informações complementares. Tabela 5.6 Exemplo de estruturação da equipe de apoio. Tabela 5.7 Exemplo da matriz de designação de responsabilidades (adaptado de Lopes, 2007). Tabela 5.8 Assuntos a serem abordados no treinamento das equipes de operação (ICOLD, 2006). Tabela 8.1 Principais componentes e parâmetros do monitoramento. xii

14 Abreviações ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas AIO Anotação para Início de Operação ANA Agência Nacional de Águas ANCOLD Australian Committee on Large Dams ANNT Associação Nacional de Normas Técnicas ART Anotação de Responsabilidade Técnica BAT Best Available Techniques CBDB Comitê Brasileiro de Barragens CDA Canadian Dam Association CEDEC Secretaria Nacional de Defesa Civil CERH Conselho Estadual de Recursos Hídricos CGFAI Comitê Gestor de Fiscalização Ambiental Integrada CIGB Comitê Internacional de Grandes Barragens CNB Cadastro Nacional de Barragens CNRH Conselho Nacional de Recursos Hídricos COPAM Conselho Estadual de Política Ambiental CREA Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura DITR Department of Industry, Tourism and Resources DME Department of Minerals and Energy of Western Australia DNRM Department of Natural Resources and Mines DPI Department of Primary Industries EC European Comission EOR Engineer of Records ERC Engenheiro Responsável pela Construção ERF Engenheiro Responsável pela Fiscalização ERO Engenheiro Responsável pela Operação da Barragem ERTO Engenheiro Responsável Técnico pela Operação da Barragem xiii

15 FEAM Fundação Estadual do Meio Ambiente FMEA Failure Mode and Effects Analysis ICME International Council on Metals and Environment ICOLD International Committee on Large Dams IGAM Instituto Mineiro de Gestão de Águas MAC Mining Association of Canada. MC Memória de Cálculo MCMPR Ministerial Council on Mineral and Petroleum Resources MDR Matriz de Designação de responsabilidades MMSD Mining Minerals and Sustained Development MO Manual de Operação N.A. Nível d Água NAP Nota de Alteração de Projeto NBR Norma Brasileira PAE Plano de Ações Emergenciais PE Plano de Emergência da Mina PF Plano de Fechamento da Barragem PNSB Programa Nacional de Segurança de Barragens PO s Procedimentos Operacionais PRE Plano de Respostas Emergenciais QDSMG Queensland Dam Safety Management Guidelines RI Relatório de Incidentes RM Relatório de Monitoramento RT Responsável Técnico SEMAD Secretaria de Estado do Meio Ambiente. SINDEC Sistema Nacional de Defesa Civil SISEMA Sistema Estadual do Meio Ambiente SUPRAM s Superintendências Regionais de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável TSM Tailings Systems Management UNEP United Nations Environment Programme WA Water Act xiv

16 1 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO Considerações Iniciais Objetivo do Trabalho Estrutura do Trabalho... 8 CAPÍTULO 2 GERENCIAMENTO DE REJEITOS Contexto Objetivos Requisitos e Princípios do Gerenciamento de Rejeitos Gerenciamento da Segurança das Barragens de Rejeitos Gerenciamento de Riscos Legislação sobre Segurança de Barragens CAPÍTULO 3 METODOLOGIA Etapas da Pesquisa Metodologia da Pesquisa Externa Apresentação dos Resultados da Pesquisa Externa Comentários sobre os Resultados da Pesquisa Externa CAPÍTULO 4 MANUAL DE OPERAÇÃO NO CONTEXTO DAS BARRAGENS DE CONTENÇÃO DE REJEITOS Barragens de Contenção de Rejeitos Diagnóstico Atual sobre Falhas em Barragens de Rejeitos Aspectos Gerais do Manual de Operação Objetivos e Aplicabilidade do Manual de Operação Formatação do Manual de Operação... 62

17 Estrutura do Manual de Operação CAPÍTULO 5 MANUAL DE OPERAÇÃO: REGISTROS E INFORMAÇÕES BÁSICAS Introdução Descrição da Área da Barragem Lista dos Componentes do Sistema de Rejeitos Dados do Projeto Questões Relevantes Sobre a Construção da Barragem Documentação e Legislação Vigente Papéis e Responsabilidades Responsabilidade Técnica Atribuição de Papéis e Responsabilidades Treinamento e Competências Gerenciamento de Mudanças, Atualizações e Revisões Nível de Atendimento CAPÍTULO 6 MANUAL DE OPERAÇÃO: PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS DE OPERAÇÃO Fundamentos da Operação das Barragens de Rejeitos Procedimentos Operacionais de uma Barragem de Rejeitos Princípios Gerais da Gestão e Operação de Barragens... 98

18 3 6.4 Segurança de Pessoas, Segurança Patrimonial e Documentação Transporte e Disposição dos Rejeitos Descrição Parâmetros Procedimentos Operacionais Gerenciamento das Águas no Reservatório Descrição Parâmetros do Gerenciamento das Águas no Reservatório Procedimentos para Gerenciamento das Águas no Reservatório Controle Ambiental Descrição Parâmetros do Controle Ambiental Procedimentos de Controle Ambiental Alteamentos da Barragem Descrição Parâmetros do Alteamento da Barragem Procedimentos do Alteamento da Barragem CAPÍTULO 7 MANUAL DE OPERAÇÃO: PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS DE MANUTENÇÃO Princípios da Manutenção das Barragens de Rejeitos

19 4 7.2 Itens e Parâmetros da Manutenção Manutenção Preventiva Manutenção Eventual Registro e Documentação das Informações CAPÍTULO 8 MANUAL DE OPERAÇÃO: PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS DO MONITORAMENTO Princípios do Monitoramento das Barragens de Rejeitos Parâmetros do Monitoramento Procedimentos do Monitoramento Registro e Documentação das Informações CAPÍTULO 9 MANUAL DE OPERAÇÃO: PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA Planos de Respostas e de Ações Emergenciais Procedimentos para a Ativação do PRE Responsabilidades e Serviços de Comunicação CAPÍTULO 10 CONCLUSÕES E SUGESTÕES PARA PESQUISAS FUTURAS Conclusões SUGESTÕES PARA PESQUISAS FUTURAS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXO I...146

20 5 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1 Considerações Iniciais A operação de uma mina envolve a execução de diversos processos até que o seu produto final, o minério, atinja o mercado. Numa análise geral, existem três processos básicos essenciais: a extração, o beneficiamento e a comercialização do produto. Outros processos, não menos importantes, também são necessários e integram o fluxograma geral de operação de uma mina. Exemplos destes processos são: escavação e disposição do estéril, alimentação da usina, cominuição, concentração do minério, adução de água nova, transporte de produtos, transporte de rejeitos, tratamento dos efluentes, entre outros. No processo do beneficiamento, o que se pretende é a purificação do minério, ou melhor, a sua concentração. A partir desse momento, os rejeitos surgem como um novo material inerente ao processo global. Os rejeitos são materiais gerados a partir do beneficiamento das commodities dos minérios (Jewell, 1998). As características do material de alimentação da usina e o processo de beneficiamento podem influenciar nas características dos rejeitos e estes podem ser granulares e/ou finos. Uma frente de lavra mais arenosa tende a gerar rejeitos granulares, enquanto que uma frente de lavra contaminada com material argiloso tende a gerar rejeitos mais finos. A maioria dos processos de beneficiamento envolve a adição de água e, por esse fato, comumente os rejeitos são encontrados na forma de polpas. Estas polpas, na maioria das vezes, são dispostas em reservatórios especialmente concebidos para a acumulação desses materiais. Devido ao caráter fluido das polpas, a forma de transporte mais comumente difundida ocorre com o emprego de tubulações, que podem ou não ser pressurizadas (com ou sem bombeamento). Fica claro que o manejo dos rejeitos, na maioria das vezes, requer o manejo de grandes quantidades de água. Os reservatórios, por sua vez, dependem das características dos rejeitos e da área disponível para sua implantação, podendo ser formados a partir da implantação de barragens ou de diques. Os reservatórios podem conter células para a secagem de

21 6 rejeitos (dry-stacking), células para secagem cíclica (do tipo paddock rotativo), áreas para disposição de pastas (rejeitos espessados), pilhas de rejeitos granulares drenados, ou co-dispostos juntamente com outros materiais, mais comumente o próprio estéril de mina. 1.2 Objetivo do Trabalho Nos últimos anos, o setor minerário brasileiro experimentou um elevado crescimento de produção, notadamente o segmento de minério de ferro, impulsionado pelo cenário mundial externo favorável em relação a essa commodity. O aumento da produção acarretou o aumento da demanda por novas estruturas para a contenção de rejeitos. Estas estruturas, por sua vez, têm apresentado dimensões cada vez maiores, tanto em altura, quanto em volume de reservatório, e esse processo tem provocado uma maior cobrança da sociedade na questão da responsabilidade ambiental e social, no que se refere à segurança dessas estruturas. A indústria da mineração deve considerar que a confiança pública é um requisito essencial para que as minas possam ser licenciadas e operadas em benefício das partes interessadas. A indústria da mineração deve ir além da excelência técnica, deve demonstrar que é comprometida e que o seu sistema de controle é capaz de gerenciar adequadamente os rejeitos produzidos, de modo a atender às expectativas das partes interessadas (Brehaut, 1998). As barragens convencionais para fins de geração de energia são estatais, em sua grande maioria, possuem um caráter de utilidade pública e são vistas como um bem valioso. Os proprietários dessas estruturas possuem enormes recursos à sua disposição, conseguem obter lucro com a operação delas e ainda trazem benefícios diretos para a sociedade que consome a energia gerada. A construção, operação e manutenção das hidrelétricas recebem uma série de cuidados especiais em todas as etapas de seu ciclo de vida, além de terem a constante atenção dos seus proprietários que, na maioria das vezes, mantêm um grupo seleto de engenheiros especialistas em seus quadros funcionais à disposição

22 7 da estrutura. Em contrapartida, até há pouco tempo, as barragens de contenção de rejeitos eram vistas pelos seus próprios proprietários como estruturas não lucrativas e que drenavam boa parte dos recursos obtidos na venda do minério, além de não trazerem qualquer benefício direto para a sociedade. Como resultado, as empresas de mineração tendem a ser mais fortemente cobradas e punidas em caso de falhas. Essa diferença de contexto entre o cenário das barragens de geração de energia e o das barragens de rejeitos aponta claramente para o fato de os proprietários dessas últimas estarem menos propensos a consumirem grandes esforços no gerenciamento de seus rejeitos, se comparados com os proprietários das primeiras (Martin, Davies, Rice, Higgs e Lighthall, 2002). Fica claro que as barragens do setor energético são vistas como um bem valioso que proporciona benefícios diretos para seus proprietários e para a sociedade. Ao contrário, as barragens de rejeitos são vistas como estruturas geradoras de despesas que, além de consumirem os recursos obtidos com a venda do minério, trazem junto com elas a atenção e a preocupação da população e de órgãos reguladores, sem benefícios. Portanto a mineração deve se dedicar profundamente ao gerenciamento de suas barragens e à garantia da segurança dessas estruturas para que possa permanecer desenvolvendo sua atividade principal. Os rejeitos devem ser adequadamente gerenciados; as operações de transporte, manejo e disposição devem ser realizadas de forma a atender às expectativas das partes interessadas e de um modo seguro. Neste cenário, o estudo proposto é de extrema relevância para a questão operacional das barragens de rejeitos. O tema está inserido no contexto do gerenciamento dos rejeitos e na questão da segurança estrutural das barragens de rejeitos e reconhece o Manual de Operação de Barragens de Rejeitos como um requisito de projeto, conforme prescrições específicas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT, 2006). O trabalho destaca também a importância do gerenciamento dos rejeitos que, como elemento essencial e indispensável de apoio ao gerenciamento de longo prazo das barragens de rejeitos, tem no Manual de Operação o conjunto de diretrizes que

23 8 permitirão uma operação segura, conduzida mediante procedimentos adequados e previstos, tendo em vista a manutenção da segurança dessas estruturas e a preservação do ambiente, o bem-estar social e as expectativas de todos os envolvidos, ao longo de toda a sua fase operacional. O trabalho pretende reunir, consolidar e apresentar informações que permitam destacar a importância do Manual de Operação para a segurança das barragens de contenção de rejeitos. Ao mesmo tempo, o trabalho busca favorecer o entendimento de diversos aspectos envolvidos na rotina operacional dessas estruturas, necessários à compreensão e interpretação dos procedimentos definidos nos respectivos manuais, assim como subsidiar a tarefa de elaboração dos mesmos, dotando as empresas mineradoras, proprietárias dessas estruturas, os operadores, os órgãos governamentais, os projetistas envolvidos e até mesmo a sociedade de uma maneira geral em relação a uma melhor compreensão da questão operacional das barragens de contenção de rejeitos, além de contribuir para uma maior segurança dessas estruturas, tendo em vista a mais recente literatura técnica disponível. 1.3 Estrutura do Trabalho O presente trabalho foi dividido em 10 capítulos e 1 anexo, com a seguinte formatação: No Capítulo 1, expõe-se a natureza e os objetivos do trabalho, justificando-se, no contexto da mineração, a importância do gerenciamento adequado dos rejeitos e do Manual de Operação das barragens de contenção de rejeitos, de forma a permitir uma operação controlada e segura destas estruturas. O Capítulo 2 apresenta os principais pontos-chave das atividades de gerenciamento de rejeitos no âmbito da mineração, destacando-se os objetivos e a relevância de tais procedimentos. No Capítulo 3, é exposta a metodologia de pesquisa adotada neste trabalho, visando a elaboração de um Manual de Operação de Barragens de Contenção de Rejeitos. A

24 9 metodologia proposta foi subdividida em quatro etapas, incluindo-se a elaboração de um formulário específico contendo questões relativas às atividades de operação de barragens de contenção de rejeitos, que foram encaminhados a profissionais diretamente envolvidos com tais empreendimentos. No Capítulo 4, são enfatizados os principais aspectos e a relevância da aplicação de um manual de operação no âmbito das barragens de contenção de rejeitos, caracterizado como uma ferramenta indispensável à aplicação das boas práticas de engenharia junto a uma condição operacional segura de tais empreendimentos. No Capítulo 5, são apresentadas as informações básicas e essenciais que devem constituir o Núcleo Introdutório do Manual de Operação de uma barragem de rejeitos, incluindo-se a descrição do empreendimento e da área da barragem, o sistema de disposição dos rejeitos, a concepção e os principais dados do projeto, a metodologia construtiva e eventuais intervenções na estrutura, o papel e as responsabilidades de todos os envolvidos na operação da barragem de rejeitos, bem como os procedimentos para garantir que todos os envolvidos na operação da barragem sejam adequadamente treinados para a sua plena operação. Os Capítulos 6 a 9 tratam dos aspectos básicos, parâmetros e procedimentos que devem nortear a elaboração do Manual de Operação de uma barragem de rejeitos, em termos de sua operação, manutenção, monitoramento e atuação em situações emergenciais, respectivamente. O Capítulo 10 sistematiza as principais conclusões do trabalho e apresenta uma proposta de pesquisa complementar, no sentido de se proceder à aplicação dos diversos procedimentos operacionais descritos neste trabalho a quatro diferentes tipos de barragens de rejeitos reais: convencional, alteada por linha de centro, alteada para jusante e alteada para montante.

25 10 CAPÍTULO 2 GERENCIAMENTO DE REJEITOS 2.1 Contexto A produção de minério é o principal objetivo das empresas mineradoras e não a construção e operação de barragens de rejeitos. Atualmente, de modo generalizado, a indústria da mineração brasileira alcançou e assimilou a percepção fundamental de que a garantia do cotidiano operacional de suas minas está intimamente ligada ao desempenho ambiental do seu processo produtivo, à segurança das suas operações e ao retorno da sociedade em relação à sua imagem. A grande responsabilidade existente em toda a cadeia produtiva envolvida no processo de operação de uma mina, de uma forma geral, reside nos sistemas de disposição de rejeitos, pois eles, no caso de falhas significativas, podem acarretar a completa paralisação de atividades e, portanto, afetar a produção. Acidentes envolvendo barragens de contenção de rejeitos impõem pressões enormes nas empresas mineradoras e, ao mesmo tempo, têm forçado reavaliações de suas práticas de engenharia, de segurança e ambientais. Acidentes como o da Barragem I da Itaminas, na Mina de Fernandinho, ocorrido em 1986; o da Barragem Cava 1, da antiga Mineração Rio Verde, em 2001; da Barragem B, da Florestal Cataguases, em 2003 e da Barragem São Francisco, da Mineração Rio Pomba Cataguases, em 2006 e 2007, atingiram alcance nacional e internacional, além de apresentarem exemplos concretos da magnitude dos impactos sócio-econômicoambientais correspondentes. Susskind e Field (1996) apud Greyling (1999) destacam que a mineração deve operar de maneira segura, responsável e de forma compatível com a proteção ambiental que a sociedade anseia. O negócio da mineração perde muito quando a população está descontente ou tensa; os autores destacam ainda que um público descontente pode minar

26 11 a produtividade da empresa, consumindo esforços e tempo dessa com processos legais em defesa própria. A Figura 2.1 ilustra as conseqüências desastrosas do impacto da ruptura de uma barragem de contenção de rejeitos no valor das ações negociadas em bolsa. No exemplo, a ruptura da barragem ocorreu no final do ano 1998, provocando uma queda acentuada do valor dos papéis da empresa que estavam no patamar de U$16,00 (dezesseis dólares americanos) e passaram a valer U$4,00 (quatro dólares). Posteriormente, no ano 2000, um novo acidente, desta vez um vazamento de rejeitos, provocou nova queda nos valores das ações. Reflexo de acidentes envolvendo uma barragem de rejeitos no preço de suas ações Dólares americanos / Ação Figura 2.1 Influência de um acidente em barragem de contenção de rejeitos no negócio da mineração (TSM, 2004). A observação de casos documentados de rupturas de barragens de contenção de rejeitos sinaliza para custos diretos da ordem de 70 a 150 milhões de dólares, em média, de acordo com a dimensão da barragem e com os danos provocados a serem reparados. Uma rápida avaliação do gráfico da Figura 2.1 mostra que, além do custo direto, ainda

27 12 existem custos indiretos decorrentes da ruptura, o que pode colocar o negócio numa situação bastante crítica, além de desvalorizar a imagem pública da empresa. O gerenciamento de rejeitos é fundamental para uma prática segura da acumulação desses materiais, principalmente em razão de a maioria dos acidentes que envolvem barragens de rejeitos terem ocorrido como resultado do gerenciamento inadequado desses depósitos (DME, 1998). Devido à densidade dos rejeitos, o estrago decorrente de vazamentos ou de rupturas de barragens para acumulação desses materiais é muito maior se comparado a danos de vazamentos do mesmo volume de água. Enquanto a água pode alagar casas e outras construções, o rejeito pode empurrá-las e carregá-las junto com o fluxo viscoso (Penman, 1998). Os sistemas de disposição de rejeitos devem ser apropriadamente conduzidos desde a fase de sua conceituação, até o seu descomissionamento, contemplando todas as etapas de seu ciclo de vida, destacando-se os aspectos relativos ao projeto das estruturas envolvidas, interface com cheias, implantação das obras, operação da disposição, monitoramento dos dispositivos de controle, manutenção geral, inspeções, auditorias e revisões de segurança. A condução adequada de todos esses aspectos resulta em boas práticas de engenharia aplicadas à disposição de rejeitos. O termo boas práticas é largamente encontrado na literatura que aborda a questão operacional dos rejeitos. O sentido do termo está associado a uma forma de conduta por meio da qual se atinge um nível superior àquele determinado pela regulamentação existente, de modo a exceder, a superar e a fazer melhor. Portanto, as boas práticas de engenharia aplicadas à disposição dos rejeitos significam a excelência na realização dessa atividade. Atualmente existem diversas normas e diretrizes disponíveis para auxiliar os operadores minerais a estabelecerem um sistema de gerenciamento para as suas operações. Sem essas ferramentas, as estruturas para contenção de rejeitos estariam sujeitas a um elevado potencial de risco. O gerenciamento do sistema de rejeitos é essencial para

28 13 adequadamente monitorar e controlar o ciclo de vida de uma estrutura de contenção de rejeitos (Hardy e Engels, 2007). Neste contexto, evidencia-se a importância do gerenciamento de todas as atividades que regem o processo de disposição de rejeitos, desde a sua geração, visando à continuidade das atividades mineiras e ao bem estar social e ambiental. 2.2 Objetivos A principal função do gerenciamento de rejeitos de uma mina é permitir o seu planejamento, a sua concepção e o seu projeto, bem como a sua implantação, operação e desativação, além de prever os cuidados requeridos para a pós-desativação (aftercare). A Figura 2.2 apresenta os elementos-chave do ciclo de vida de um sistema de gerenciamento de rejeitos. Planejamento e Projeto Construção Operação e Monitoramento Descomissionamento e Desativação Cuidados Pós-Desativação Manutenção e Modificações Tempo Figura 2.2 Vida de uma estrutura para acumulação de rejeitos (adaptado DITR, 2007) O gerenciamento do sistema de contenção de rejeitos permite o controle de todas as atividades inerentes às estruturas envolvidas na estocagem dos mesmos, ao longo de seu ciclo de vida, da sua geração até a sua disposição em uma determinada área específica, compondo um sistema que resulte em uma operação e acumulação destes resíduos de modo seguro e tecnicamente adequado. Para tanto, empregam-se os recursos tecnológicos existentes, com foco nas boas práticas da engenharia e na preservação do meio ambiente. A mineração não tem como existir sem que haja geração de algum tipo de rejeito. Para tanto deve haver uma estratégia de gerenciamento de rejeitos que priorize a segurança das estruturas envolvidas e que permita que as mesmas possam ser descomissionadas

29 14 sem maiores dificuldades. Ainda, a operação dessas estruturas deve ser efetuada de modo eficiente e com vistas para a manutenção da segurança e para o descomissionamento, sem a necessidade de grandes investimentos (Davies e Rice, 2001). A chave para a liderança industrial está no estabelecimento de diretrizes gerenciais. Em se tratando de rejeitos, o gerenciamento deve ser estruturado com foco na observância das normas internacionais ISO 9000 e ISO 14000, em particular a ISO 14001, que estabelece uma estrutura que prescreve objetivos, define responsabilidades, especifica planos e toda uma gama de procedimentos relacionados a todas as etapas do gerenciamento de rejeitos, desde a fase inicial do projeto até o fechamento. Estas certificações, embora não sejam obrigatórias, são de grande representatividade, pois fornecem toda a estruturação necessária a um gerenciamento eficiente, além de possuírem credibilidade internacional. A chave para a obtenção do alto padrão é a aplicação do gerenciamento de modo a garantir que os requisitos para a execução de um trabalho de alta qualidade tenham sido estabelecidos, documentados, perseguidos e executados (Brehaut, 1998). Existem trabalhos específicos sobre o gerenciamento de Estruturas para Contenção de Rejeitos (ECR). Dentre eles, a entidade MINING ASSOCIATION OF CANADA (MAC, 1998) apresenta uma base para o desenvolvimento de sistemas de gerenciamento de rejeitos particularizados para as necessidades específicas de cada empresa de mineração. O documento possui, em anexo, diversas planilhas de verificação (checklists) que contemplam todos os estágios do ciclo de vida de uma estrutura para contenção de rejeitos. Essas planilhas foram concebidas para a utilização no desenvolvimento estruturado de sistemas de gerenciamento de rejeitos que sejam seguros e ambientalmente responsáveis, abrangendo todo o ciclo de vida da estrutura, desde a seleção do local, desenvolvimento do projeto, construção, operação, até o seu descomissionamento e a sua desativação.

30 15 Sempre que possível, o gerenciamento de rejeitos deve ser objetivo. As diretrizes devem permitir que haja flexibilidade a fim de permitir inovações nos sistemas de gerenciamento de rejeitos e ajustar as variações entre diferentes locais, sob a perspectiva física, técnica e social. O propósito maior deve ser o encorajamento na adoção das melhores práticas no gerenciamento dos rejeitos, das mais recentes diretrizes e na minimização dos custos de operação correntes e para as futuras gerações (DPI, 2004). A Figura 2.3 apresenta a essência da estrutura sugerida pela MINING ASSOCIATION OF CANADA (MAC, 1998) para o desenvolvimento de sistemas de gerenciamento de contenção de rejeitos. POLÍTICA E COMPROMETIMENTO CONCEPÇÃO, PROJETO, CONSTRUÇÃO, OPERAÇÃO E DESATIVAÇÃO para que: as estruturas sejam estáveis e estejam em conformidade com as normas da empresa, com a legislação e com os compromissos com os acionistas; os sólidos e a água sejam gerenciados em áreas definidas PLANEJAMENTO DEFINIÇÃO DE REGRAS, RESPONSABILIDADES E OBJETIVOS; GERENCIAMENTO DE RISCOS, MUDANÇAS, RECURSOS E PROGRAMAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO CONTROLE OPERACIONAL, FINANCEIRAO, DOCUMENTAL, DE COMPETÊNCIAS, MONITORAMENTOS E COMUNICAÇÕES VERIFICAÇÕES `E AÇOES CORRETIVAS CHECAGEM E AÇÕES CORRETIVAS REVISÃO DO GERENCIAMENTO VISANDO MELHORIAS CONTÍNUAS REVISÃO ANUALSÊNIOR DA PERFORMANCE DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO DE REJEITOS, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO Figura 2.3 Estrutura do gerenciamento de rejeitos (adaptada de MAC, 1998). O primeiro elemento da estrutura do gerenciamento é a política e o comprometimento com a segurança das estruturas de disposição dos rejeitos. Uma política clara e transparente do gerenciamento de rejeitos deve ser estabelecida, implantada, difundida e perseguida. Deve ser dada atenção à fase de seleção das áreas potenciais para receberem os resíduos da mineração. Os estudos iniciais (de viabilidade, conceituais e básicos) das

31 16 estruturas de disposição dos rejeitos devem ser conduzidos com critério e sob supervisão de consultorias especializadas. A seleção dos projetistas que irão desenvolver o projeto executivo também deve ser criteriosa e as diversas etapas de detalhamento do projeto devem ser acompanhadas, sempre, por um engenheiro especialmente designado pela mineração. Os seguintes aspectos devem ser avaliados cautelosamente: implantação da estrutura, correta operação do sistema de disposição e procedimentos necessários à sua desativação. A alta administração da mineradora deve estar ciente da importância do bom desempenho de seu sistema de rejeitos, assim como aqueles que irão participar desse, de forma direta ou indireta. É o caso da equipe do processo de beneficiamento, por exemplo, que deve fornecer informações sobre variações ou mudanças no processo de geração dos rejeitos que poderão alterar suas características. Essas variações, por exemplo, na densidade dos rejeitos, pode vir a afetar todo o sistema de disposição, com reflexos na capacidade dos reservatórios, o que pode implicar em alteração nos custos anteriormente orçados, gerando solicitações adicionais imprevistas, caso o volume aumente e seja necessário implantar uma nova área de contenção. O gerenciamento de rejeitos deve ser planejado de modo que haja a clara definição da função de todos os participantes do sistema, que exista um organograma funcional e que este seja rigorosamente respeitado. O planejamento deve ser conduzido com foco na identificação de todos os riscos e na análise destes. A implementação do plano deve ser conduzida com vistas para o controle dos pontos-chave do processo: controle operacional, controle de custos e controle de documentos. Periodicamente, os procedimentos rotineiros devem ser avaliados quanto ao seu desempenho, na forma de checagem corretiva. Por exemplo: as estruturas de acumulação devem ser inspecionadas e reavaliadas quanto a possíveis riscos, os quais podem mudar ou surgir conforme a evolução da vida útil da estrutura; os rejeitos devem ser reavaliados quanto à sua caracterização geotécnica; o sistema de transporte deve ser inspecionado e avaliado, assim como os equipamentos em geral; o modo executivo das

32 17 inspeções deve ser revisado. Devem ser estabelecidas medidas corretivas para as não conformidades identificadas a fim de incorporar melhorias ao sistema, continuamente. Finalmente, o sistema deve ser avaliado como um todo, através de auditorias de revisão, inspeções e análises de risco. Um ponto deve ser enfatizado: a contratação de projetos. A contratação de serviços para a concepção e o desenvolvimento de projetos para a disposição de rejeitos não deve ser encarada de forma similar à realização de uma compra de um produto qualquer, quando se busca o menor preço no mercado. A seleção das empresas com capacidade técnica para o desenvolvimento desses projetos deve ser efetuada de modo rigoroso, e as propostas técnicas devem ser avaliadas por elementos tecnicamente experientes e que possuam conhecimento profundo da questão. Na inexistência destes, consultores externos podem efetuar a avaliação das propostas. Sob essa ótica, a questão operacional deve ser bem avaliada uma vez que, a exemplo dos custos operacionais, após a implantação de uma estrutura para a contenção de rejeitos, diversos anos de operação se sucederão, não havendo garantia alguma de que o projeto de menor preço apresentará o menor custo. O caráter individual e peculiar de cada estrutura de contenção de rejeitos, a simples observância de normas, manuais e diretrizes não garante o sucesso do comportamento de tais estruturas. Existem diversos outros fatores que, também, podem interferir em seu comportamento, tais como: a concepção, a construção, a operação, a manutenção, a observação de anomalias, a experiência daqueles que as gerenciam e daqueles que a projetaram. Dessa forma, as normas e as diretrizes devem ser tomadas como recomendações e como a base de consulta para o desenvolvimento e estruturação de trabalhos que irão resultar em sistemas de rejeitos especialmente concebidos para cada necessidade e cenário específico. As normas e as diretrizes devem ser observadas e adaptadas para cada caso em particular, de acordo com a experiência e com o bom senso daqueles que irão conceber, planejar e detalhar esses sistemas, visando a implantação e

33 18 a operação de estruturas para contenção de rejeitos que sejam seguras, eficientes e eficazes. Quanto às experiências obtidas, o International Council on Metals and Environment (ICME, 1998) traz uma substancial contribuição na forma de Estudos de Casos, por meio de relatos sobre as maiores preocupações decorrentes da absorção da experiência do cotidiano operacional das barragens de rejeitos e da compreensão geral das principais técnicas atualmente utilizadas no manejo desses resíduos. Para as pequenas estruturas de acumulação de rejeitos, o Department of Primary Industries (DPI, 2006) apresenta diretrizes de cunho ambiental para aplicação restrita ao gerenciamento de estruturas de rejeitos classificadas como pequenas (ou com baixo conteúdo de contaminação), segundo a legislação do estado de Victoria, na Austrália. Aspectos como a obtenção de licenças, gerenciamento de riscos, normas para elaboração de projetos, acompanhamento de construção, operação e descomissionamento são discutidos em detalhes. O gerenciamento das estruturas para disposição de rejeitos deve ser concebido, operado e fechado de modo a atender ou a superar os critérios estabelecidos pelas partes interessadas e pela sociedade que o cerca. Todas as etapas da vida de uma estrutura para disposição de rejeitos, desde a fase inicial do projeto conceitual, até a fase dos procedimentos pós-fechamento devem ser criteriosamente conduzidas e documentadas de forma a resultar em um documento vivo que contenha todas as informações do plano de gerenciamento de rejeitos. O sistema de gerenciamento deve apresentar dimensão compatível com a escala do projeto concebido e efetivamente implantado (DITR, 2007). 2.3 Requisitos e Princípios do Gerenciamento de Rejeitos Existem dois princípios essenciais ao gerenciamento de rejeitos: a disposição segura desses resíduos e o planejamento criterioso e dinâmico das ações envolvidas na atividade de disposição, durante a operação.

34 19 A maior diferença entre as barragens de rejeito e as barragens convencionais para fins de geração hidroelétrica reside no fato de a construção das barragens de rejeito ser um processo contínuo, em desenvolvimento constante. Portanto, as barragens de rejeito são dinâmicas na sua execução e na sua operação. As dimensões das barragens e de seus reservatórios podem variar conforme a produção da mina; as operações dos depósitos de rejeitos podem requerer obras contínuas, assim como a atenção a quaisquer fatores que afetem a segurança (Blight, 1998). Os sistemas de disposição são dinâmicos e, da mesma maneira, o seu gerenciamento também deve ser. O gerenciamento de rejeitos deve ser passível da incorporação de constantes implementações de melhorias. O foco do gerenciamento deve perseguir a obtenção de estruturas estáveis, além da aplicação das boas práticas operacionais, de modo a garantirem a segurança estrutural e ambiental, com vistas à redução de custos de longo prazo e também dos impactos ambientais. Para que o gerenciamento de rejeitos possa ser efetivo, é necessário um estudo especial dos rejeitos, uma vez que o operador mineral toma para si a custódia temporária de um bem que não lhe pertence, mas sim à comunidade. Para tanto, deve haver um compromisso com as boas práticas, com a minimização dos impactos sobre o ambiente, inovando e implantando melhorias contínuas. Deve haver engajamento entre as partes interessadas e a comunidade, de modo que esse relacionamento seja sempre transparente. Os riscos associados ao transporte e disposição dos rejeitos devem ser sistematicamente avaliados, nas fases de projeto e operacional. A minimização de riscos deve ser buscada e estes devem ser gerenciados também, de modo a permitir o desenvolvimento e a implantação de planos de ações emergenciais envolvendo a comunidade e os órgãos reguladores governamentais (MCMPR, 2003). O gerenciamento de rejeitos deve ser implantado e implementado com o fim de gerar informações para as autoridades pertinentes e para as partes interessadas, além de capacitar pessoas, incluir procedimentos de controle operacional, como o monitoramento e programas de auditoria, além de estar em conformidade com as legislações em vigor. O gerenciamento de rejeitos deve assegurar a estabilidade de

35 20 longo prazo das estruturas, como componente integrante do desenvolvimento do projeto e das operações, minimizando o potencial de impacto ao ambiente quando aquelas forem desativadas e demonstrando por meio de monitoramentos que todos os critérios de desativação foram atingidos. De modo semelhante, um princípio básico do gerenciamento de rejeitos é a melhoria contínua no que se refere à segurança operacional e no desempenho ambiental. Deve haver uma política clara de comprometimento para a garantia da estabilidade das estruturas, para o atendimento às normas da empresa, compromissos com as partes interessadas, legislações pertinentes e o estabelecimento de um plano de revisão e melhorias contínuas para o gerenciamento de riscos associados às estruturas de contenção de rejeitos, sob a ótica da saúde, segurança e ambiente (MAC, 1998). Requer-se planejamento, mediante a definição de regras e responsabilidades, o qual deve ser efetuado de forma clara, nomeando-se a equipe que atuará em todos os estágios da vida útil do empreendimento, bem como das suas respectivas funções. Devem ser estabelecidos os objetivos, as medidas de desempenho, os planos de acompanhamento de processos de obtenção de licenças, os procedimentos de comunicação, os planos de operação, monitoramento e inspeção, treinamentos e capacitações. Adicionalmente, devem ser elaboradas ações para: projetar para o fechamento, gerenciar riscos por meio de avaliações de risco que incluam a identificação e a avaliação da possibilidade de ocorrência de modos de falhas, estabelecer procedimentos de contingência e de emergência, detectar e controlar riscos potenciais, gerenciar mudanças, revisões em documentos e atualizações, programar treinamentos e recursos com antecedência, monitorar e testar equipamentos e dispositivos de controle, calibrar, avaliar, examinar e identificar itens que requeiram medidas corretivas e gerenciar revisões e melhorias contínuas (MAC, 1998).

36 Gerenciamento da Segurança das Barragens de Rejeitos As barragens de contenção de rejeitos podem ser vistas como uma das maiores e mais visíveis estruturas resultantes da atividade da mineração e como um dos maiores legados das obras de engenharia; prevê-se que sejam estruturas estáveis em longo prazo e integradas ao meio ambiente após a sua desativação (DITR, 2007). Portanto, torna-se necessário gerenciar a segurança das barragens de rejeitos mediante sistemas que permitam gerenciar e minimizar os riscos associados a essas estruturas e, ao mesmo tempo, agreguem conceitos e práticas de segurança à rotina operacional e à cultura dos envolvidos no gerenciamento de rejeitos. O gerenciamento da segurança das barragens de rejeitos representa uma filosofia que deve ser aplicada a todas as etapas do ciclo de vida útil das barragens de rejeitos. A segurança de uma barragem se automanifesta quando o seu conjunto se encontra livre de quaisquer condições ou desenvolvimentos que possam conduzir a processos de deterioração ou de destruição. A margem que separa a situação de uma barragem prevista em projeto daquela que conduz ao risco ou à destruição é a própria medida de sua segurança. Portanto, para que uma barragem seja segura, é necessário que esta seja dotada de reservas especialmente previstas, tendo em vista cenários imaginários, que considerem não só a sua utilização normal, mas também situações adversas que necessitem ser superadas, ao longo de toda a sua vida útil (ICOLD, 1987). ICOLD (1987) apresenta diretrizes com o propósito de consolidar princípios básicos, requisitos, métodos e procedimentos de gerenciamento, monitoramento e avaliação de segurança de barragens e reservatórios. A maioria das falhas em barragens ocorre devido à aplicação de métodos inadequados, construção desprovida de supervisão adequada ou negligência em respeito a questões vitais incorporadas a certos estágios da construção (Penman, 1998).

37 22 A implantação da segurança de barragens, em última instância, resulta na consolidação dos seguintes documentos: relatórios da fase investigatória de estudos para o projeto (sondagens e ensaios); relatórios do projeto; relatórios da construção (as built); manuais de operação; relatórios de inspeção e avaliações; relatórios de revisão de segurança da barragem e plano de ações emergenciais (DNRM, 2002). Os proprietários de barragens são responsáveis pelas perdas e danos decorrentes de rupturas ou vazamentos de água de uma barragem. Esse compromisso deve ser consolidado na forma de um plano de gerenciamento de segurança, o qual deve objetivar a minimização dos riscos de ocorrência de alguma falha na barragem, protegendo a vida e a propriedade, além de contemplar a identificação dos riscos associados à estrutura e a avaliação dos efeitos decorrentes sob o ponto de vista da saúde e segurança pública, comunidade e meio ambiente (DNRM, 2002). Mediante o gerenciamento de segurança, os proprietários de barragens podem assegurar que suas estruturas estão em conformidade com as mais recentes normas para segurança, podem garantir que as barragens estão sendo operadas de modo seguro e podem se certificar de que estas serão regularmente avaliadas quanto à segurança, além de estarem constantemente preparados para situações de emergência. Acima de tudo, o gerenciamento de segurança minimiza os riscos associados a uma possível ruptura da barragem.

38 23 A sociedade deve confiar no sistema e, para tanto, em contrapartida, todos os pontoschave do sistema devem ser rigorosamente avaliados quanto aos riscos. A realização de auditorias por especialistas devem ser incentivadas, por contribuírem de forma efetiva para se aumentar a confiabilidade do processo (DPI, 2004). O sistema de gerenciamento dos rejeitos deve possuir um Plano de Gerenciamento de Segurança para as estruturas de contenção de rejeitos que apresentem riscos significativos ou altos, requisito sistematicamente requerido por diversas entidades regulatórias (DITR, 2007). Por outro lado, a MINING ASSOCIATION OF CANADA (MAC, 1998) sugere a realização de avaliações de risco para cada estágio de estudo e projeto de uma estrutura para contenção de rejeitos, para avaliar tudo aquilo que poderia ocorrer de errado com essa estrutura ou com os procedimentos associados à sua operação, de modo a identificar modos de falha, as possibilidades de ocorrências dessas falhas e as respectivas consequências, resultando em uma base para o gerenciamento de todos os riscos analisados. Sugere, ainda, que a avaliação seja conectada com a operação da estrutura, identificando-se procedimentos operacionais de inspeção, manutenção e de resposta a incidentes que possam propiciar a redução de riscos, bem como o estabelecimento de parâmetros e características operacionais que possam ser adotadas, monitoradas e registradas com a finalidade de permitir a detecção avançada de falhas potenciais. A disposição de rejeitos deve ser gerenciada tendo em vista a redução sistemática de riscos. A avaliação de riscos de barragens de rejeitos é, freqüentemente, realizada por análise das possíveis consequências associadas a uma falha. O risco é avaliado tendo em vista a probabilidade de ocorrência de um determinado modo de falha confrontado com os respectivos efeitos. A obstrução da estrutura vertente, com ou sem galgamento da crista, quebras ou rupturas nas tubulações de rejeitos, erosões superficiais provocadas por vazamentos em tubulações de rejeitos ou por lançamento inadequado desses materiais, percolação pela face do maciço devido à aproximação do lago em relação à crista, ruptura por cisalhamento, ruptura global do maciço com descarga de sólidos para

39 24 jusante e piping são os modos de falha mais comumente observados nas avaliações de risco de barragens de contenção de rejeitos (ANCOLD, 1999). É fundamental que o sistema de gerenciamento de segurança de uma barragem (Figura 2.4) contemple os seguintes aspectos (CDA, 2007): Inventário da barragem e de seus componentes; Operação segura, manutenção, monitoramento, respostas emergenciais, segurança pública; Revisões periódicas de segurança da barragem; Acompanhamento, priorização e correção de deficiências no desempenho da barragem, estrutura de apoio, procedimentos de operação, manutenção, monitoramento, segurança e sistema de gerenciamento; Registro permanente de projetos, construção, operação, desempenho da barragem e gerenciamento de sua segurança, incluindo documentos de projeto, leituras de instrumentos, ensaios realizados, relatórios de inspeções, relatórios de revisões da segurança da barragem, documentos sobre a operação, resultados de investigações, atualizações de planos de fechamento, treinamentos; Qualificação e treinamento de todos os profissionais com responsabilidades sobre a barragem; Revisões periódicas do sistema de gerenciamento de segurança da barragem.

40 25 A Figura 2.4 apresenta um fluxograma sobre a gestão da segurança de barragens: POLÍTICA PÚBLICA POLÍTICAS E PRIORIDADES DO PROPRIETÁRIO DA BARRAGEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA DA BARRAGEM Política de Segurança de Barragens Relatar Planejar Rotina de monitoramento e de Revisões periódicas de Segurança da barragem Sim A barragem atende aos requisitos de projeto? Não É suficientemente segura? Não Pode se tornar rapidamente segura? Não Desenvolver opções para implantação de melhorias Sim Sim O que é preferível? Operar, manter, preparar para emergências Melhorar a barragem Reduzir as consequências Aceitar e gerenciar o risco A BARRAGEM É SUFICIENTEMENTE SEGURA Processos de Apoio Figura 2.4 Gestão da segurança de barragens (CDA, 2007). Existe uma política de segurança estabelecida, a qual engloba o planejamento de todas as ações do sistema. O sistema é dinâmico, com estrutura operacional baseada em verificações contínuas do desempenho do sistema, do estabelecimento de ações corretivas e da implementação de melhorias. As informações transitam por diferentes canais de comunicação que relatam a situação do sistema para os controladores do sistema. O sistema conta com uma estrutura de apoio para permitir que as verificações, correções e implementações sejam devidamente efetuadas. O gerenciamento da segurança da barragem é efetuado a partir do controle do monitoramento da estrutura, quando, então, é efetuada uma avaliação do seu comportamento.

41 26 Caso o comportamento esteja na faixa desejada, opera-se a estrutura mantendo a atenção à resposta a possíveis situações emergenciais. Caso o comportamento não seja o previsto, verifica-se o nível de segurança da barragem. Caso a estrutura se encontre em um patamar suficientemente seguro, opera-se e mantém-se a atenção para uma possível eventualidade emergencial. Caso a estrutura não apresente segurança suficiente, avaliase a possibilidade de se aumentar, rapidamente, o nível de segurança da barragem por meio da implementação de uma medida corretiva. Caso seja possível, implementa-se a melhoria e opera-se a estrutura. No caso de a segurança da barragem não ser rapidamente restabelecida, verifica-se se o risco é aceitável e este é gerenciado durante a operação. No caso de o risco ser inaceitável, implementam-se medidas com o fim de minimizar as possíveis consequências e implicações decorrentes do modo de falha em questão Gerenciamento de Riscos Manejar rejeitos é uma atividade de risco e tal atividade requer gerenciamento adequado. O gerenciamento dos riscos envolvidos no processo de gerenciamento de rejeitos permite que os objetivos maiores da corporação possam ser atingidos (ICME/UNEP, 1998). O desempenho de uma estrutura geotécnica que, de alguma forma, venha a produzir consequências indesejáveis para o seu proprietário ou para outras pessoas é considerado uma falha. A possibilidade de ocorrência de uma falha associada ao efeito gerado por ela, ou seja, a sua consequência, permite determinar o risco da estrutura em relação a esta falha. O gerenciamento de riscos de estruturas geotécnicas envolve a avaliação do risco de uma possível falha e a implementação de um sistema de mitigação e de controle de riscos (Robertson e Shaw, 2003). Atualmente existem metodologias específicas desenvolvidas para serem aplicadas na avaliação de riscos em estruturas geotécnicas. Uma delas, talvez, a mais utilizada, é a avaliação de risco que considera o modo de falha e o efeito decorrente dessa falha. Estas

42 27 análises são conhecidas como análises do tipo FMEA Failure Modes e Effects Analysis. Estas análises buscam isolar todos os modos de falha potenciais, dispondo-os em linhas de numa planilha. Cada modo de falha é analisado sob a perspectiva de suas consequências, sob a ótica ambiental, da percepção da sociedade, dos órgãos ambientais, da saúde e segurança e, eventualmente, do custo equivalente ao reparo de uma consequência decorrente de uma falha, disposta nas colunas da planilha. Por meio de tabelas que estabelecem uma escala em relação às possibilidades de ocorrência das falhas (esperada, alta, média, baixa ou não-mensurável) bem como de tabelas que estabelecem uma escala de importância para os efeitos decorrentes (esperada, alta, média, baixa ou não-mensurável), efetua-se a avaliação de todos os riscos identificados por uma falha e um efeito. Posteriormente, cada item da planilha denominada tabela do FMEA é transportado para um quadro de cores que, em função da associação do modo de falha e seu respectivo efeito, irá posicionar o risco avaliado em um quadro de cores que auxilia na percepção do risco, e, é claro, os riscos maiores tendem para a cor vermelha (Robertson e Shaw, 2003). Existem outras metodologias que também podem ser utilizadas na elaboração de análises de riscos aplicáveis a barragens de rejeitos (Espósito e Caldeira, 2010): - Análises por listas de verificação (ou check-lists): ferramenta utilizada para os casos em que não se podem utilizar métodos mais elaborados e que se baseia na avaliação de uma lista de itens que permitem avaliar o comportamento da barragem de um modo sistemático; - Análises preliminares de risco: método que utiliza listas orientadoras para identificação de riscos e situações perigosas. Os riscos são avaliados separadamente a fim de identificar e descrever as suas conseqüências e permitir elencar medidas de proteção para redução dos riscos; - Análises de perigos e operacionalidade: metodologia que permite identificar perigos a fim de avaliar a influência de potenciais desvios em variáveis que podem contribuir para situações que envolvem problemas operacionais ou situações perigosas;

43 28 - Análises por índices de risco: método que permite a determinação do risco de uma obra a partir da determinação de um índice global de risco. Este método é recomendado para os casos em que é necessário estabelecer uma hierarquia nos riscos envolvidos; - Análises por diagramas de localização, causas e indicadores de falha: método através do qual é possível identificar e avaliar as conseqüências de uma onda de inundação decorrente de uma ruptura da barragem - Análises por árvores de eventos: método que permite conectar ocorrências iniciadoras de eventos e suas respectivas conseqüências. Esta metodologia permite a obtenção do entendimento de diversos eventos de modo lógico. - Análises dos modos de ruptura, seus efeitos e sua criticalidade: método semelhante ao FMEA, porém, que acrescenta procedimentos relativos à hierarquização dos modos de ruptura, conforme a influência combinada da sua probabilidade de ocorrência e da severidade de suas conseqüências, o que se denota por criticalidade. Os princípios do gerenciamento de riscos também podem ser aplicados aos danos oriundos da operação dos rejeitos, como os impactos na fauna, geração de poeira e impactos ao ambiente, por exemplo. A avaliação de riscos é uma atividade que pode variar de acordo com as dimensões do sistema de rejeitos avaliado e do nível de experiência dos participantes do processo (MCMPR, 2003). A avaliação dos riscos presentes em estruturas para contenção de rejeitos passa por quatro etapas básicas: - identificação dos danos ou tipos de incidentes; - avaliação da possibilidade ou da probabilidade de ocorrência dos incidentes; - avaliação do potencial de conseqüência dos incidentes; - implementação de ações mitigadoras dos riscos de acordo com uma escala de prioridades.

44 Comunicar e consultar Monitorar e revisar 29 A Figura 2.5 apresenta uma visão geral do processo de gerenciamento de riscos (MCMPR, 2003), sendo que as avaliações dos riscos devem estar sempre atualizadas, principalmente no caso de modificações no processo. Estabelecer o contexto Identificar o risco Analisar o risco Avaliar o risco Tratar o risco Figura 2.5 Contexto geral do gerenciamento de riscos (MCMPR, 2003). Inicialmente se estabelece o contexto em que se insere a avaliação a ser conduzida; identificam-se os riscos de falhas e, em seguida, procede-se à análise das consequências associadas a eles. Identificados, e em seguida analisados, os riscos são avaliados por meio de uma escala de prioridades para serem tratados de acordo com a necessidade maior efetuada na etapa de avaliação. O sistema de gerenciamento de riscos prevê que a qualquer momento, em qualquer etapa do processo, o gerenciamento possa ser monitorado e revisado, assim como os profissionais envolvidos sejam devidamente consultados e comunicados.

45 Legislação sobre Segurança de Barragens A construção de barragens tem evoluído em razão da melhor compreensão do comportamento dos materiais, das experiências adquiridas, do desenvolvimento dos equipamentos de construção e da informática e pelo avanços da mecânica dos solos. Em 1928, criou-se o Comitê Internacional de Grandes Barragens (CIGB), o qual veio a exercer um notável papel em relação à disseminação de informações e intercâmbio de experiências, contribuindo para a construção de barragens mais seguras. Entretanto, na primeira compilação do Cadastro Internacional de Barragens (CIB), produzido entre 1958 e 1964, as barragens de contenção de rejeitos não figuravam na relação. Somente na segunda metade da década de 70, mais precisamente em 1976, é que a questão das barragens de rejeitos foram incluídas na pauta de discussões do 12 Congresso de Grandes Barragens, realizado na Cidade do México, durante o qual se relatou a existência de barragens de contenção de rejeitos com mais de 100m de altura, que exigiam projetos mais criteriosos (Penman, 1998). Órgãos como o ICOLD International Committee on Large Dams, o ANCOLD Australian Committee on Large Dams, QUEENSLAND GOVERNMENT e NEW SOUTH WALES DAM SAFETY COMMITTEE (ambos da Austrália), U.S. BUREAU OF RECLAMATION (dos Estados Unidos da América) e CANADIAN DAM ASSOCIATION são exemplos de entidades que possuem publicações internacionalmente reconhecidas e que abordam o tema da segurança de barragens, na forma de diretrizes e recomendações; algumas dessas instituições produzem também trabalhos periódicos sobre assuntos mais específicos, como a avaliação de riscos e metodologias existentes. Na Austrália, a legislação regulatória sobre os rejeitos é uma questão dos estados e das municipalidades. Não existem requisitos nacionais padronizados para as barragens de contenção de rejeitos, com variações em função dos estados e municípios. Entretanto, o

46 31 ANCOLD fornece diretrizes e compartilha experiências, porém sem poder regulatório (MCMPR, 2003). Outro documento referencial é o chamado Water Act (Australian Government, 2000) que, em sua parte 2, estabelece que todos os direitos relativos ao uso da água são de responsabilidade do Estado e, ao mesmo tempo, aborda a questão da segurança de barragens. Estabelece ainda que as barragens devem ser classificadas quanto ao impacto decorrente de uma falha da barragem e que estas estruturas devem sofrer avaliações quanto aos impactos decorrentes de falhas. Observa-se que as regulamentações contidas no documento supracitado são continuamente acompanhadas de prescrições de penalidades previstas para o não cumprimento de cada item exposto nos termos nele apresentados, as quais são expostas na forma de unidades penalizadoras. Na Europa, os países membros da Comunidade Européia estão ligados aos requisitos preconizados nos termos das diretrizes estabelecidas pela Comissão Européia as chamadas European Community Directives. Estas diretrizes funcionam como orientações e são implementadas por diferentes legislações nacionais. Na Alemanha, a exemplo, a responsabilidade é do Estado, o qual pode apresentar legislação específica sobre os assuntos referentes à extração mineral, inclusive pode inspecionar a atividade minerária e deliberar sobre questões relativas a fechamento. Embora não haja recomendação sobre essa última questão prevista na legislação federal, os operadores minerais são solicitados a promover um fundo de provisões financeiras de modo a garantir a recuperação das áreas afetadas (ICOLD, 1996). Um documento oriundo da EUROPEAN COMISSION (EC, 2003) apresenta uma notável consolidação dos mais importantes aspectos relativos ao gerenciamento de rejeitos e estéreis da atividade minerária, tendo como objetivo maior a redução da poluição e a prevenção e a mitigação de acidentes. O documento discorre sobre o manejo de diversas indústrias da mineração, como a do alumínio; de metais base como o cádmio, cobre, chumbo, estanho, zinco, níquel; do cromo; do ferro; o manganês; do mercúrio; de metais preciosos como o ouro e a prata; caulim; calcáreo; fosfatos e talco, dentre outros. Descreve técnicas e processos de beneficiamento; aborda o tema do

47 32 gerenciamento dos rejeitos, sob a ótica dos métodos de gerenciamento, da segurança das estruturas para contenção de rejeitos, da prevenção de acidentes, bem como do descomissionamento e dos cuidados pós-descomissionamento. O citado documento contempla ainda o gerenciamento dos estéreis, suas características e os métodos empregados em seu manejo; o gerenciamento da água, as emissões fluidas e no ar, a contaminação dos solos e o consumo de energia. O documento busca apresentar as melhores técnicas disponíveis na atualidade (BAT best available techniques), referentes ao gerenciamento de seus sistemas, e fazer com que os proprietários e/ou operadores da mineração as apliquem, com o fim de contribuírem para o desenvolvimento ambiental. No Canadá, a lei federal também tende a ser superada pelas leis estaduais. Entretanto, tem-se verificado um avanço considerável na legislação ambiental em função dos chamados Environmental Protection Act 1988 e do Canadian Environmental Assesment Act No estado de Alberta, por exemplo, a legislação sobre segurança de barragens aborda, também, o tema específico das barragens de contenção de rejeitos. No estado de British Columbia, The Mines Act of 1989 governa todas as atividades da mineração, do licenciamento do empreendimento até o fechamento. Em 1992, esse conjunto de deliberações normativas estabeleceu também um código de saúde, de segurança e de reabilitação a ser adotado em todo o estado de British Columbia (ICOLD, 1996). Nos Estados Unidos, existe uma enormidade de leis aplicadas às atividades de mineração. O processo de licenciamento é complexo e envolve diversas agências. Existem leis locais, estaduais e federais no que se refere aos recursos naturais. No que se refere à mineração, a legislação federal suprema é a Surface Mining Control and Reclamation Act 1977, aplicada à mineração do carvão. Embora de uso restrito ao carvão, esse ato regulatório estabelece que os estados constituem os primeiros responsáveis pela questão da superfície da mineração e da reabilitação. Dessa forma, os estados acabaram por estabelecer seus próprios atos, criando sua própria política a respeito da mineração (ICOLD, 1996).

48 33 No Brasil, em 2003, criou-se um grupo de trabalho na Câmara Técnica de análise de projetos do CNRH Conselho Nacional de Recursos Hídricos, para avaliar o Projeto de Lei número 1.181, o qual propunha uma Política Nacional de Segurança de Barragens PNSB. O grupo elaborou um relatório que, após aprovado pelo CNRH, foi encaminhado para a Câmara dos Deputados na forma de um Substitutivo de Projeto de Lei. Em 2009 o Substitutivo mencionado sofreu modificações e transformou-se no Projeto de Lei número 168, porém, apenas em 04/03/2010 ele teve o seu texto final aprovado. Até a data da defesa dessa dissertação, o Projeto de Lei número 168 ainda aguardava sanção presidencial para ganhar força legal. A ANA Agência Nacional de Águas é o órgão federal responsável pela implementação da PNRH Política Nacional de Recursos Hídricos. O Ministério da Integração Nacional possui a competência de estabelecer diretrizes sobre a Defesa Civil e, desde 2004, vem trabalhando na questão do CNB Cadastro Nacional de Barragens, por meio da Secretaria de Infra-Estrutura Hídrica, onde um grupo foi formado com o objetivo de identificar riscos e minimizar acidentes envolvendo as barragens brasileiras. A SEDEC Secretaria Nacional de Defesa Civil é responsável pela coordenação das ações da Defesa Civil. O SINDEC Sistema Nacional de Defesa Civil, criado em 1997, articula os três níveis do Governo (Legislativo, Executivo e Judiciário) com o fim de planejar e promover a defesa permanente contra os desastres naturais, antropogênicos e mistos no País, e é um órgão acima das coordenadorias estaduais e municipais da Defesa Civil (Almeida Franco, 2008). Assim como o ICOLD, o Comitê Brasileiro de Barragens (CBDB), entidade nacional que se constitui um membro da primeira, possui uma vasta experiência relacionada à questão das barragens bem como um variado acervo técnico sobre o assunto, porém, também sem qualquer poder regulatório. Na forma de um Guia Básico, o CBDB (CBDB, 2001) apresenta uma atualização do trabalho inicialmente publicado em 1999, por ocasião do Seminário Brasileiro de Grandes Barragens ocorrido em Belo Horizonte, o qual, de um modo geral, define requisitos mínimos de segurança, padroniza critérios para a avaliação de segurança,

49 34 além de relatar que a legislação brasileira não apresenta exigências detalhadas sobre a questão da segurança de barragens. Em Minas Gerais, o Sistema Estadual de Meio Ambiente SISEMA é integrado por Órgãos Consultivos e Deliberativos: o Conselho Estadual de Política Ambiental COPAM e o Conselho Estadual de Recursos Hídricos CERH; por Órgãos Seccionais de Apoio: a Fundação Estadual do Meio Ambiente FEAM, o Instituto Estadual de Florestas IEF e o Instituto Mineiro de Gestão das Águas IGAM; por Superintendências Regionais de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável SUPRAM s e pela Polícia Militar Ambiental. A FEAM, pela Lei Delegada 156 / 2007, possui a atribuição de executar, no âmbito do Estado, a política de proteção, conservação e melhoria da qualidade ambiental no que concerne à prevenção, à correção da poluição ou da degradação ambiental provocada pelas atividades industriais, minerárias e de infra-estrutura. A FEAM atua nas áreas de resíduos sólidos, qualidade ambiental e energia, no âmbito do solo e do ar (Torquetti, 2008). De um modo geral, a FEAM atua como participante das incursões fiscalizadoras do Comitê Gestor de Fiscalização Ambiental Integrada (CGFAI), auxilia no atendimento a emergências, notifica os proprietários de barragens a respeito de irregularidades, monitora a devida implantação das recomendações decorrentes do processo de auditoria das barragens de contenção de rejeitos, além de gerenciar as informações sobre o cadastro de barragens. Os SUPRAM s atuam no licenciamento de novas barragens, no licenciamento de alteamento e na revalidação de licenças das barragens em operação, na fiscalização das barragens de rejeitos, no monitoramento do cumprimento de condicionantes ambientais. Todos os órgãos citados anteriormente compõem a SEMAD, Secretaria de Estado de Meio Ambiente. No estado de Minas Gerais, a legislação estadual reconhece e estabelece a necessidade da implantação de sistemas de gestão aplicados às barragens de rejeitos, por parte dos proprietários desses empreendimentos, com o objetivo de garantir a segurança dessas

50 35 estruturas durante a sua implantação, construção, operação e fechamento, tendo em vista a redução do risco de acidentes. Para tanto, as barragens de contenção de rejeitos devem ser classificadas quanto ao risco. Esta classificação de risco leva em consideração a avaliação de parâmetros característicos de cada estrutura: a altura da barragem, seu volume, ocupação antrópica, o interesse ambiental e as instalações a jusante. A classificação de risco das barragens em Minas Gerais resulta em três categorias: Classe I, Classe II e Classe III. A classe da barragem é estabelecida a partir do somatório dos valores específicos associados aos parâmetros de classificação mencionados, de modo que a Classe I é a que apresenta menor risco e a Classe III a que apresenta maior risco (COPAM, 2002). Uma tendência crescente tem sido observada junto às agências reguladoras mais desenvolvidas: os reguladores estão contratando engenheiros geotécnicos especializados na atividade de gerenciamento de rejeitos. Desta forma, os reguladores possuem melhores condições de avaliar os projetos das barragens e também a sua operação. Em British Columbia, no Canadá, por exemplo, o Manual de Operações é exigido para todas as barragens de contenção de rejeitos. O órgão regulador recebe os manuais de operação e efetua a aprovação desses. O conteúdo dos manuais é de completa responsabilidade dos proprietários das barragens, porém os reguladores podem efetuar revisões e, eventualmente, não aprová-lo. Assim como o manual de operação, um plano de monitoramento para as barragens de rejeitos também é exigido. Geralmente esse plano de monitoramento é apresentado dentro do próprio manual de operação da barragem. Outra exigência é o encaminhamento de um relatório anual sobre as condições da barragem (Martin, Davies, Rice, Higgs e Lighthall, 2002). No estado de Minas Gerais, a legislação estadual também estabelece a necessidade da apresentação do Manual de Operação da barragem de rejeitos e de suas estruturas integrantes, bem como o reconhece como requisito obrigatório a ser incluído no sistema de gestão aplicado a barragens. Os outros itens obrigatórios que devem constar no sistema de gestão de barragens são: o próprio projeto executivo da estrutura, a análise do desempenho da barragem, o plano de contingência, o plano de desativação, o

51 36 relatório como-construído (as built), além da realização de auditorias periódicas de segurança (COPAM, 2002). Enfatiza-se que a deliberação normativa COPAM número 87 (COPAM, 2005) altera e complementa a deliberação COPAM número 62 (COPAM, 2002), estabelecendo uma nova pontuação para as classes de barragens: Classe I (pontuação 2); Classe II (2 pontuação 5) e Classe III (pontuação 5), fixando prazo de 1 ano para as auditorias de segurança das barragens de Classe III, de 2 anos para as auditorias das barragens Classe II e de 3 anos para as auditorias de segurança das barragens Classe I. A Tabela 2.1 apresenta a Classificação de Risco para barragens no estado de Minas Gerais; para a determinação da classe de risco da barragem, deve-se avaliar a estrutura segundo cada um dos 5 quesitos apresentados ao longo da primeira linha. Tabela Classificação de Risco para barragens no estado de Minas Gerais (segundo a Deliberação Normativa do COPAM n 87, de 17 de junho de 2005). Altura da barragem H (m) Volume do Reservatório (x10 6 m 3 ) Ocupação humana a jusante Interesse ambiental a jusante Instalações na área de jusante H < 15 V=0 Vr < 0,5 V=0 Inexistente V=0 Pouco significativo V=0 Inexistente V=0 15< = H < =30 V=1 0,5< = Vr < =5 V=1 Eventual V=2 Significativo V=1 Baixa concentração V=1 H > 30 V=2 Vr > 5 V=2 Existente V=3 Elevado V=3 Alta concentração V=2 - - Grande V=4 - - Se V 2: a Barragem é Classe I (baixo potencial de dano ambiental) Se 2 V 5: a Barragem é Classe II (médio potencial de dano ambiental) Se V 5: a Barragem é Classe III (alto potencial de dano ambiental) Tabela 1 Classificação de Risco das Barragens em Minas Gerais (segundo a

52 37 Portanto, devem ser somados as ponderações (ou valores específicos) correspondentes à avaliações do quesito para a obtenção do total de pontos ( V). A classe da barragem será obtida pelos seguintes critérios: se o total de pontos é V 2: a Barragem é Classe I e apresenta baixo potencial de dano ambiental. se o total de pontos é maior que 2 e menor ou igual a 5, ou seja, 2 Barragem é Classe II e apresenta médio potencial de dano ambiental. V 5: a se o total de pontos é maior que 5, ou seja, V apresenta alto potencial de dano ambiental. 5: a Barragem é Classe III e É fundamental que aqueles que trabalham com a operação de barragens de contenção de rejeitos os operadores destas barragens tenham pleno conhecimento da Classe de Risco da estrutura sob sua responsabilidade direta. Duarte (2008) apresenta uma compilação interessante sobre algumas características peculiares de diferentes sistemas estrangeiros de gestão de barragens (convencionais ou de rejeitos) em relação a critérios de classificação dessas estruturas. Em Portugal, por exemplo, os critérios aplicados à gestão de barragens são relativamente rígidos, segundo o estudo mencionado, uma vez que lá são definidas apenas duas classes de barragens: as grandes barragens - aquelas com altura superior a 15,0m ou com volume superior a m 3.

53 38 CAPÍTULO 3 METODOLOGIA 3.1 Etapas da Pesquisa O estudo sobre a questão do Manual de Operação de Barragens de Contenção de Rejeitos proposto nesta dissertação foi desenvolvido em quatro etapas, conforme detalhado nos tópicos seguintes. Etapa 1 Pesquisa Documental Nesta etapa, o trabalho foi conduzido a partir da realização de uma etapa inicial de revisão bibliográfica com o fim de reunir as publicações existentes, nacionais ou internacionais, que discorrem sobre a questão do Manual de Operação de Barragens de Contenção de Rejeitos. Esta revisão contemplou uma pré-avaliação dos documentos disponíveis, incluindo-se artigos, livros, guias, relatórios, normas, diretrizes e recomendações para elaboração destes manuais. Além da literatura diretamente associada à questão dos manuais de operação de barragens de rejeito, constatou-se que o tema também se apresenta associado a documentos que discorrem sobre o gerenciamento de rejeitos e gerenciamento de riscos em segurança de barragens, tais como guias, diretrizes gerais para a sua estruturação e boletins. Etapa 2 Análise de Documentos Na segunda etapa do trabalho, efetuou-se uma análise detalhada dos documentos reunidos, de modo a identificar e selecionar, entre eles, os principais aspectos referentes à questão da operação das barragens de contenção de rejeitos, no horizonte do gerenciamento dos sistemas de rejeitos e da segurança de barragens.

54 39 Etapa 3 Consolidação e Organização dos Dados Numa terceira etapa, procedeu-se à consolidação de todas as informações identificadas e selecionadas na forma de texto, visando discorrer, de modo organizado, sobre os principais tópicos relativos à operação das barragens de rejeitos, tendo em vista o estado da arte atual e os limites futuros que poderão ser alcançados pelos operadores e proprietários de barragens. Buscou-se ainda um objetivo maior que foi o de se apresentar diretrizes que permitam contribuir no desenvolvimento da tarefa de elaboração de manuais de operação de barragens de contenção de rejeitos. Etapa 4 Informações Operacionais de Campo (Pesquisa Externa) Paralelamente à terceira etapa, desenvolveu-se uma ficha de pesquisa com a finalidade de levantar informações sobre a questão operacional das barragens de contenção de rejeitos, no âmbito dos operadores minerais brasileiros, na forma de entrevista. Esta etapa do trabalho apresentou como objetivo a tentativa de se avaliar, na atualidade, o panorama geral da rotina de operação das barragens de rejeitos, em busca do entendimento do procedimento convencionalmente adotados no âmbito destas estruturas e das principais dificuldades associadas à operação. Com isto, foi possível estabelecer uma aquisição direta das informações relativas ao cenário real de operação das barragens de contenção de rejeitos no país, particularmente no estado de Minas Gerais, visando diagnosticar e propor alternativas de controle e de gestão futura para tais empreendimentos. 3.2 Metodologia da Pesquisa Externa Nesta etapa, a pesquisa foi efetuada de modo a permitir que os operadores pudessem fazer suas considerações de forma incógnita ou mediante identificação formal, em casos específicos. Para tanto, informações que permitissem qualquer forma de identificação do operador entrevistado foram solicitadas em termos percentuais, propositalmente, para não se permitir a identificação dos entrevistados. Este procedimento foi utilizado em razão de consultas e avaliações prévias junto aos potenciais colaboradores da

55 40 pesquisa, os quais se manifestaram em favor da não identificação dos responsáveis pelas respostas. É importante destacar que a pesquisa não foi encaminhada para diversas empresas da mineração, de uma forma geral, para que as fichas do questionário apresentassem respostas dadas pelos responsáveis pela operação da barragem de contenção de rejeitos. Houve uma preocupação, por parte do autor, da possibilidade real de as respostas serem, eventualmente, respondidas por pessoas inexperientes, ou que tivessem pouco contato com a questão, ou, até mesmo, por geotécnicos que não conduzissem atividades relacionadas diretamente às operações das barragens de rejeitos. Salienta-se que os colaboradores da pesquisa foram escolhidos dentro de um conjunto de engenheiros geotécnicos praticantes e de atuação direta e restrita junto ao projeto, implantação e operação das barragens de contenção de rejeitos, todos comprovadamente experientes e capacitados a responderem às questões propostas. Todos foram previamente contatados e cientificados dos objetivos da pesquisa em andamento. Ao todo, foram encaminhados 10 questionários (caracterizados como Formulário de Pesquisa sobre a Operação de Barragens de Rejeitos) a diferentes engenheiros geotécnicos envolvidos diretamente com a operação de barragens de contenção de rejeitos de diferentes minerações do estado de Minas Gerais, conforme modelo apresentado no Anexo I. Constando de dez questões, o formulário especificava o limite de opções possíveis para as devidas respostas. Desse total, apenas 5 foram devidamente preenchidos e retornados ao autor deste trabalho. Atribui-se esse baixo índice de retorno das respostas ao fato de a pesquisa abordar alguns questionamentos que são relacionados a falhas observadas em barragens de rejeitos, ainda que a pesquisa tenha sido realizada de modo incógnito. Na opinião do autor, existe uma resistência em responder a quaisquer quesitos relacionados a falhas em barragens, por parte dos operadores dessas estruturas. Embora o índice de retorno ocorrido tenha sido reduzido, as respostas obtidas mostraram-se de grande relevância e qualidade técnica, pois contêm a síntese dos

56 41 aspectos essenciais relacionados às perguntas formuladas e julgados mais importantes. Por outro lado, os colaboradores enfatizaram a necessidade de divulgação e compartilhamento destes dados, com o propósito de se promover melhorias diretamente relacionadas à operação das barragens de rejeitos, contribuindo para um maior aperfeiçoamento da prática de gestão de tais empreendimentos por parte de todos os profissionais envolvidos e interessados no assunto. Ressalta-se que essa atividade (entrevista) considerou as informações efetivamente retornadas pela amostra de participantes e que os resultados devem ser avaliados pelos leitores com a compreensão de que não foram empregados quaisquer métodos estatísticos na seleção amostral efetuada: a seleção foi baseada no direcionamento da pesquisa a engenheiros comprovadamente atuantes na área de operação de barragens de contenção de rejeitos. 3.3 Apresentação dos Resultados da Pesquisa Externa Com o recebimento dos questionários preenchidos, efetuou-se a análise de todas as fichas de pesquisa e a consolidação dos resultados da pesquisa, que foram sistematizados em forma gráfica ou textual, em função da questão proposta. Os resultados de cada pergunta encontram-se apresentados a seguir. No item 3.4 serão apresentados comentários sobre os resultados da pesquisa.

57 42 A Figura 3.1 apresenta a primeira pergunta da pesquisa externa e fornece o resultado gráfico das respostas recebidas. 5 Pergunta 1 - Dentre os tipos de barragens abaixo, indique aqueles com que você já teve contato (em relação à operação). 4 Escolhas % barragem convencional barragem alteada para jusante barragem alteada por linha de centro barragem alteada por montante Escolhas % 80% 60% 80% 80% 0% outro Figura 3.1 Representação gráfica das respostas à primeira pergunta

58 43 A Figura 3.2 apresenta a segunda pergunta da pesquisa externa e fornece o resultado gráfico das respostas recebidas. Pergunta 2 - Em relação à questão anterior, marque a alternativa que apresenta a operação mais complexa e que exige mais empenho da equipe de operação. 5 4 Escolhas % barragem convencional barragem alteada para jusante barragem alteada por linha de centro barragem alteada por montante Escolhas % 20% 0% 20% 60% 0 outro Figura 3.2 Representação gráfica das respostas à segunda pergunta

59 44 A Tabela 3.1 apresenta a terceira pergunta da pesquisa externa e fornece a íntegra das respostas recebidas. O texto apresentado não sofreu qualquer modificação em relação ao recebido. Pergunta 3 - Em relação à resposta anterior, informe duas falhas operacionais potencialmente mais graves que podem ocorrer neste tipo de estrutura Ausência e ou ineficiência do controle do lançamento de rejeito (não cumprimento da ordem de posicionamento do ponto de lançamento, não monitoramento da distância mínima de praia, posicionamento inadequado de tubulações; Falta e/ou ineficiência de inspeções nos dispositivos de drenagem (vertedores e drenos, principalmente) e ao longo dos taludes das estruturas de disposição de rejeitos; Ausência de qualificação e dedicação da equipe de operação; Manejo do sistema de disposição de rejeitos fora da orientação de projeto; Nível d'água aproximando-se da crista; Rompimento de tubulação causando grande erosão; Limpeza para os drenos e tapetes drenantes da fundação; Controle de compactação do maciço; Falta de monitoramento das poropressões na fundação; Falta de controle de compactação. Tabela 3.1 Síntese das respostas relativas à terceira pergunta

60 45 A Figura 3.3 apresenta a quarta pergunta da pesquisa externa e fornece o resultado gráfico das respostas recebidas. Pergunta 4 - Dentre os itens abaixo, indique 3 que são de maior relevância em relação à questão operacional das barragens de rejeitos 5 4 Escolhas % definição de regras e responsabilidad transporte, disposição de rejeitos gerenciamento de cheias e extravasores alteamento da barragem de rejeitos proteção ambiental e a pessoas comunicação procedimentos emergenciais manutenção planejamento e orçamentação monitoramento comissionamen to da barragem de rejeitos Escolhas treinamento da equipe de operação % 60% 40% 0% 20% 0% 0% 0% 40% 0% 60% 0% 80% 0% outro Figura 3.3 Representação gráfica das respostas à quarta pergunta

61 46 A Figura 3.4 apresenta a quinta pergunta da pesquisa externa e fornece o resultado gráfico das respostas recebidas. Pergunta 5 - Ordenar as três alternativas escolhidas na pergunta anterior, pela ordem de importância. (1: mais importante e 3: menos importante) 3 Escolhas % definição de regras e transporte, disposição de gerenciamento de cheias e alteamento da barragem de proteção ambiental e a comunicação procedimentos emergenciais manutenção planejamento e monitoramento comissioname nto da Escolhas treinamento da equipe de % 40% 20% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 40% 0% Observação.: Considerou-se a alternativa mais importante na elaboração do gráfico. outro Figura 3.4 Representação gráfica das respostas à quinta pergunta

62 47 A Figura 3.5 apresenta a sexta pergunta da pesquisa externa e fornece o resultado gráfico das respostas recebidas. Pergunta 6 - Caso tenha presenciado alguma situação adversa (imprevista ou emergencial) envolvendo barragens de rejeitos, marque os modos de falha que são associados ao evento ocorrido 3 2 Escolhas % 1 0 falha na operação falha na fundação falha na estabilidade liquefação piping / percolação falha estrutural em extravasor cheia acima da de projeto Escolhas galgamento % 100% 33% 67% 67% 67% 67% 33% 67% 0% outro Figura 3.5 Representação gráfica das respostas à sexta pergunta

63 48 A Figura 3.6 apresenta a sétima pergunta da pesquisa externa e fornece o resultado gráfico das respostas recebidas. 3 Pergunta 7 - Dentre os modos de falha marcados na questão anterior, ordene as três que são motivo de maior número de incidentes ou situações emergenciais ou acidentes presenciados. (1: mais importante e 3: menos importante) Escolhas % falha na operação falha na fundação falha na estabilidade liquefação piping / percolação falha estrutural em extravasor cheia acima da de projeto Escolhas galgamento % 100% 33% 33% 0% 67% 0% 33% 33% 0% outro Figura 3.6 Representação gráfica das respostas à sétima pergunta (quesito cuja resposta foi dada por apenas 3 colaboradores da pesquisa).

64 49 A Figura 3.7 apresenta a oitava pergunta da pesquisa externa e fornece o resultado gráfico das respostas recebidas. Pergunta 8 - Em relaçao à forma de apresentação de informações e parâmetros no Manual de Operação, a sua preferência é: 5 Escolhas na forma de texto em tabelas outra Escolhas % 80% 60% 20% Obs.: Outras formas mencionadas: gráficos e desenhos esquemáticos ou fluxogramas. % Figura 3.7 Representação gráfica das respostas à oitava pergunta

65 50 A Figura 3.8 apresenta a nona pergunta da pesquisa externa e fornece o resultado gráfico das respostas recebidas. Pergunta 9 - Em relação aos procedimentos operacionais do Manual de Operação, eles devem ser apresentados, em sua maioria: Escolhas % na forma de texto em tabelas outra Obs.: Os seguintes comentários foram apresentados pelos colaboradores: texto claro e objetivo e desenhos para fácil identificação da sequência de lançamento dos rejeitos, localização das estruturas de drenagem, descarga de drenos, instrumentos. Figura 3.8 Representação gráfica das respostas à nona pergunta

66 51 A Tabela 3.2 apresenta a décima pergunta da pesquisa externa e fornece o resultado gráfico das respostas recebidas. Pergunta 10 Sobre o conteúdo do Manual de Operação: a) O que você consideraria essencial e imprescindível em um manual de operação de uma barragem de rejeitos? O Manual deve, de maneira clara e objetiva, instruir e orientar os profissionais envolvidos na operação das barragens, no desenvolvimento de suas atividades. Orientações quanto ao sequenciamento do lançamento e disposição de rejeitos, distância mínima de praia a ser mantida e métodos para o seu controle, procedimentos para a implantação de alteamentos, controle do nível do reservatório (dispositivos para monitoramento de borda livre, procedimentos para alteamento da soleira do sistema extravasor) periodicidade e check list das inspeções de segurança e operacionais e periodicidade da leitura dos instrumentos devem estar discriminadas no Manual de Operação. Introdução, objetivo, ficha técnica, classificação de risco da barragem, bases para a operação do sistema de disposição de rejeitos (geração, adução, disposição, balanço de água, controles), procedimentos/regras para inspeções, monitoramento e auditoria, carta de risco, mapas e desenhos elucidativos, plano de manutenção preventiva e/ou corretiva, definição de responsabilidade, plano de contingências (plano de comunicação, tipos de anomalias e ações mitigadoras, contingência de equipamentos e insumos). Descrever claramente os parâmetros de segurança (como largura de praia) e indicar os principais indícios de risco para iminente rompimento. Procedimentos operacionais. Lista de verificação de inspeção. Metodologia para disposição do rejeito; parâmetros para a avaliação da estabilidade da barragem; principais itens a serem observados nas inspeções rotineiras; criteriosa descrição das responsabilidades da operação e manutenção. b) O que você consideraria desnecessário em um Manual de Operação de uma barragem de rejeitos? Informações técnicas como estudos de estabilidade e percolação e dados de projeto que não influenciam na operação. Procedimentos para uma situação de emergência devem ser contemplados em um documento específico (plano de emergência, plano de ação de rupturas), para não serem confundidos como atividades operacionais / de rotina. Enfim, todas as informações que poderão tornar o manual muito técnico, cansativo ou incompreensível pelos operadores não deverão ser nele apresentadas. Resultado de simulação de Dam Break, desenhos de projetos, descrição detalhada do sistema de beneficiamento / tratamento do minério. Dados ou informações que dizem respeito ao projeto, mas que não se aplicam à operação (como fator de segurança). Tabela 3.2 Síntese das respostas relativas à décima pergunta

67 Comentários sobre os Resultados da Pesquisa Externa Os colaboradores que responderam ao questionário proposto afirmaram ter tido contato com barragens convencionais, alteadas por linha de centro, por montante e por jusante, o que denota a sua real experiência dos mesmos no meio operacional das barragens de rejeitos. Outras formas de sistemas de contenção de rejeitos não foram mencionadas, como baias, bacias escavadas, paddocks, ou mesmo áreas para disposição de rejeitos espessados na forma de pasta (Pergunta 1). Dentre os diferentes tipos de barragens de rejeitos, as alteadas para montante representam as estruturas que os colaboradores acreditam ser de maior complexidade operacional (Pergunta 2). As falhas operacionais relatadas e associadas aos diferentes tipos de barragens de rejeitos envolvidos na pesquisa, na visão dos colaboradores, foram sintetizadas na Tabela 3.1. Foi possível verificar que as falhas mencionadas estão relacionadas não somente à operação, mas também à manutenção e ao monitoramento das barragens de rejeitos (Pergunta 3). Foram levantadas questões associadas ao lançamento e disposição dos rejeitos e alteração do nível d água do lago com aproximação da crista, itens relacionados a procedimentos operacionais de lançamento de rejeitos e de controle do lago. Foram mencionadas falhas na realização de inspeções e no monitoramento de poropressões, itens relacionados ao monitoramento da barragem. Também foram mencionadas falhas decorrentes de não realização de limpeza em saídas de drenos e tapetes, assim como estouro de rompimentos de tubulações, itens relacionados à manutenção das barragens de rejeitos. Outras falhas também foram relatadas: falhas que apontam para a qualificação e dedicação das equipes que acompanham a barragem de rejeitos e falhas na compactação, item relacionado ao monitoramento de obras que exigem o controle de qualidade de maciços executados, sejam eles em solo natural ou em rejeito compactados. Houve uma preocupação maior dos colaboradores com as questões relacionadas ao treinamento das equipes que irão atuar junto à rotina de acompanhamento de uma

68 53 barragem de rejeitos, à atribuição de regras e responsabilidades e monitoramento da barragem, seguidos de preocupações com o transporte e disposição de rejeitos, aspectos relativos à manutenção e à execução de alteamentos das barragens (Pergunta 4). Dentre as falhas anteriores, as mais importantes para os colaboradores estão associadas ao treinamento da equipe e às definições de regras e atribuições, num primeiro nível, seguidas de questões envolvendo o transporte e disposição de rejeitos (Pergunta 5). Dentre os diversos modos de falha apresentados na pergunta, as falhas operacionais foram mencionadas por todos os colaboradores que responderam ao questionamento (Pergunta 6). A falha operacional corresponde à causa associada ao maior número de incidentes ou situações emergenciais no ambiente das barragens de rejeitos, na experiência dos colaboradores da pesquisa. Pipping e problemas associados a percolação aparecem em segunda colocação (Pergunta 7). Sobre a forma da apresentação de informações no Manual de Operação, a preferência geral indicou a forma de texto, seguida da preferência por utilização de tabelas. Houve menção específica apontando para a apresentação de informações na forma de gráficos, desenhos e fluxogramas (Pergunta 8). Em relação à forma de apresentação dos procedimentos operacionais, a preferência geral é para a forma textualizada. A utilização de tabelas foi mencionada também, e houve uma observação dos colaboradores para a necessidade de apresentação dos procedimentos de forma clara e objetiva, com emprego de desenhos ou ilustrações, para facilitar os entendimentos (Pergunta 9). A Tabela 3.2 apresenta a relação completa das descrições fornecidas pelos colaboradores. Vale destacar as menções para a clareza e objetividade na redação do texto do Manual de Operação; para a necessidade do detalhamento da descrição dos procedimentos e dos parâmetros operacionais; para o estabelecimento de regras de manutenção e de monitoramento; para a existência de fichas de auxílio às inspeções (check lists), e para instruções básicas para permitir o controle no caso de haver

69 54 situações de risco, bem como a indicação das medidas corretivas correspondentes (Pergunta 10).

70 55 CAPÍTULO 4 MANUAL DE OPERAÇÃO NO CONTEXTO DAS BARRAGENS DE CONTENÇÃO DE REJEITOS 4.1 Barragens de Contenção de Rejeitos Grande parte da documentação técnica estrangeira pesquisada que discorre sobre temas associados aos rejeitos, na língua inglesa, apresenta uma designação geral para as estruturas que são utilizadas para a disposição desses materiais. Trata-se do termo Tailings Storage Facilities, que pode ser traduzido para o português como: Áreas para Retenção de Rejeitos. A tradução direta para áreas para retenção de rejeitos resultaria em uma terminologia não definida na Norma pertinente Brasileira, conforme será visto a seguir. A Norma Brasileira ABNT NBR (ABNT, 2006), que pretende abordar todos os aspectos contidos nas legislações federal, estadual e local e que discorre sobre os requisitos mínimos para a elaboração e apresentação de projeto de barragens para disposição de rejeitos, sedimentos e de água, aplicada à mineração, define como barragem, qualquer estrutura que forme uma parede de contenção para rejeitos, para sedimentos e/ou para formação do reservatório de água. A Norma Brasileira não menciona o termo área, mas sim a expressão qualquer estrutura. Dessa forma a Norma Brasileira generaliza a definição de barragem. Adicionalmente, a norma apresenta, em nota, a inclusão, na definição anterior, dos termos barragem, barramento, dique ou similar. Ainda no que se refere às terminologias, a NBR define disposição de rejeitos em barragem como acondicionamento dos rejeitos no reservatório da barragem, de forma planejada, projetada e controlada. Portanto, no presente trabalho, entende-se por Barragem de Rejeitos qualquer estrutura que forme uma parede de contenção para rejeitos e que, sob o ponto de vista da disposição desses materiais, acondicione os rejeitos no interior do reservatório da

71 56 barragem de forma planejada, projetada e controlada, independentemente do fato de ser a montante de uma barragem ou de um dique ou de um barramento ou de uma estrutura similar, conforme preconizado na norma supracitada. Doravante, portanto, a terminologia Área para Retenção de Rejeitos, do inglês Tailings Storage Facilities, comumente empregada na Austrália, por exemplo, será considerada e tratada como Barragem de Rejeitos neste trabalho, à luz da Norma Brasileira. Cabe ressaltar que, embora o termo Barragem de Rejeitos seja utilizado, na maioria das vezes, de uma forma ampla e com a finalidade de englobar as estruturas de disposição de rejeitos em geral, existe diferença entre barragem de rejeitos e uma Área para Acumulação de Rejeitos. O primeiro termo está associado a um aterro artificial utilizado para conter rejeitos, enquanto que o segundo está associado a uma área onde ocorre confinamento de rejeitos. Esse segundo termo se refere mais a uma área em geral, onde pode existir mais de uma barragem de rejeitos ou de água ou um sistema de barragens (MCMPR, 2003). 4.2 Diagnóstico Atual sobre Falhas em Barragens de Rejeitos No estado de Minas Gerais existem, atualmente, cerca de 463 registros de barragens de rejeitos, de um total de 720 barragens existentes no banco de dados do cadastro de barragens disponíveis no site da FEAM (www.feam.br). Davies (2002) cita o registro de aproximadamente barragens de rejeitos no mundo. Observa-se que as informações que ele menciona foram obtidas através de contribuições de fontes que também possuem inventários de boa credibilidade: em Western Austrália, existem mais de 350; em Quebec, há 65; em British Columbia, também no Canadá, há 130; na África do Sul há 400 e há mais 500 no Zimbábue. Atualmente, é possível que existam mais de barragens de rejeitos no mundo. As barragens de rejeitos, conforme mencionado anteriormente, são estruturas que apresentam certo risco associado. O conhecimento das principais falhas associadas a problemas que ameaçam a segurança das barragens de rejeitos é fundamental para a

72 57 compreensão da importância da operação dessas estruturas e, por conseguinte, para a percepção dos principais pontos que representam riscos. Assim como em outros campos do desenvolvimento humano, a indústria da mineração evolui a partir de experiências derivadas de fracassos. Entretanto as rupturas das barragens de rejeitos reportadas são ocorrências relativamente raras e não refletem a realidade da indústria da mineração atual, no que se refere à segurança da disposição dos rejeitos, uma vez que a taxa de rupturas ainda é inaceitavelmente elevada (Martin, Davies, Rice, Higgs e Lighthall, 2002). Para Petroski (1992), a engenharia avança mediante os fracassos experimentados, ou seja, os grandes acidentes e rupturas constituem as grandes fontes de aprendizagem e reflexão sobre o conhecimento consolidado. Pierre Londe, ex-presidente do ICOLD, pensa de forma semelhante. Para ele, a humanidade aprende muito pouco com os acertos, mas sim, com os erros e, assim, o aprendizado com os erros é vital para a conquista do conhecimento e para a elaboração de projetos cada vez mais seguros (ICOLD, 2001). Davies (2002), no trabalho já citado, conclui que o conhecimento necessário à manutenção da segurança das barragens de rejeitos, com o fim de preservá-las de falhas ocasionadas por deficiências no projeto ou deficiências operacionais, existe e já foi atingido, porém não é utilizado. Este autor menciona ainda que as falhas observadas nas barragens de rejeitos ocorrem a partir de uma ou da associação de mais de uma deficiência, seja no projeto, na construção ou na operação. Ele defende a idéia de que as falhas em barragens de rejeitos são identificáveis e podem ser previstas, bastando aplicar os conhecimentos atualmente disponíveis. Ao longo dos últimos 30 anos, as barragens de rejeitos experimentaram uma taxa de ruptura de 1,7 por ano e, na maioria dos casos, as rupturas ocorreram devido a pequenos equívocos, ou melhor, à falta de atenção a aspectos secundários ou a detalhes (Penman, 2001). Na Europa, um estudo com o objetivo de se avaliar as principais causas de acidentes envolvendo barragens de rejeitos, foram avaliados 147 casos de ruptura. Do total, 26

73 58 delas se situavam na própria Europa, colocando este continente no segundo lugar do ranking mundial de acidentes, com 18% dos casos de rupturas, atrás dos Estados Unidos da América, com 57 ocorrências comprovadas ou 39% dos casos. De um total de 11 categorias de modos de ruptura de barragens selecionados, o estudo concluiu que o motivo com maior número de rupturas européias estava relacionado a falhas associadas a cheias acima daquelas previstas no projeto (causas meteorológicas), em 35% dos casos. O segundo motivo de maior número de rupturas européias estava associado a falhas na operação da barragem, ou seja, em 12% dos casos. Esta categoria de ruptura, provocada por falhas na operação, por sua vez, estava relacionada a deficiências no gerenciamento da praia de rejeitos, manutenção na drenagem da estrutura, rápida elevação da própria barragem e à presença de equipamentos pesados sobre barragens instáveis (Rico, Benito, Salgueiro, Díez-Herrero e Pereira, 2007). Em relação aos modos de ruptura avaliados para o resto do mundo, e desconsiderando os motivos desconhecidos, o resultado do estudo aponta que o maior motivo de rupturas, conforme mencionado anteriormente, trata-se de evento associado à passagem de cheia superior à cheia de projeto (35%). O segundo motivo decorre de liquefação sísmica, com 14% dos casos mundiais, e o terceiro motivo decorre de falha na operação da barragem, com 10% dos casos mundiais. Não foram identificados casos de liquefação sísmica na Europa no estudo realizado. O Boletim 121 do ICOLD (ICOLD, 2001) traz uma grande contribuição à engenharia de barragens de rejeitos: uma relação com 221 casos de falhas em barragens de rejeitos espalhadas pelo mundo, por meio da integração das bases de dados sobre falhas em barragens do USCOLD, da UNEP e do ICOLD, contendo ainda uma descrição sucinta de cada evento relatado. Uma das principais constatações desse estudo é que a maioria das falhas decorreu de um gerenciamento inadequado, uma vez que os conhecimentos geotécnicos disponíveis são mais que suficientes para garantir a compreensão do comportamento dessas estruturas e para permitir a elaboração de projetos seguros.

74 59 Conclui-se também que a utilização de instrumentação para monitoramento, as observações visuais (inspeções) e a verificação rotineira da condição de extravasores e dispositivos auxiliares, aparentemente, são pontos negligenciados em função da lenta elevação das barragens de rejeitos, quando comparadas às de acumulação de água, que são construídas em ritmo mais acelerado e sobem rapidamente, ou em função da falta de atenção ao detalhes operacionais. Outras constatações foram as seguintes: - é comum a ausência de uma pessoa totalmente responsável pela barragem de rejeitos; - é comum a existência de barragens de rejeitos com instrumentação inadequada para o seu devido monitoramento; - a maioria dos acidentes ocorre por galgamento, instabilidade de taludes, percolação e erosões, todos eles diretamente relacionados à falta de controle no gerenciamento de cheias que transitam pelo reservatório de rejeitos, ou seja, a maioria dos acidentes ocorre durante a operação da barragem de rejeitos e estão associados a problemas operacionais que envolvem a presença de água. Muitos casos de ruptura ocorreram por falta de cuidado ou de zelo, quando os motivos ou mecanismos que desencadearam a falha não foram devidamente observados, identificados e tratados. Fica claro que a questão operacional das barragens de contenção de rejeitos é de extrema importância para a segurança dessas estruturas, para o meio ambiente e para a sociedade. Fica claro que a operação das barragens de rejeito deve ser realizada de acordo com orientações específicas e especialmente descritas para cada estrutura, de forma a mantê-las dentro de uma faixa de controle adequada sob o aspecto da sua segurança global. As barragens de contenção de rejeitos são estruturas que evoluem com o tempo e, para que o seu gerenciamento atinja o nível de sucesso desejado, ou seja, com o mínimo de impacto aceitável sobre o ambiente, necessitam do uso de manuais de operação, de inspeções e da dedicação de uma equipe de operação (Bruce, 1998).

75 60 Assim, o manual de operação de uma de barragem de rejeitos é a condição essencial para uma prática operacional com foco na redução de riscos e na preservação ambiental. O manual de operação é uma ferramenta indispensável à aplicação das boas práticas de engenharia junto às barragens de rejeitos, pois incorpora melhorias ao gerenciamento dos rejeitos a partir da formalização e do estabelecimento de procedimentos operacionais especialmente previstos que visam proporcionar a operação segurança dessas estruturas, durante todo o seu ciclo de vida operacional. 4.3 Aspectos Gerais do Manual de Operação Objetivos e Aplicabilidade do Manual de Operação O Manual de Operação das Barragens de Rejeitos, como instrumento fundamental do sistema de gerenciamento de rejeitos, deve permitir a disposição segura desses resíduos, de modo planejado, criterioso e dinâmico. Deve permitir ainda a contínua incorporação de melhorias a fim de se contribuir para a segurança operacional dessas estruturas e, ao mesmo tempo, refletir os princípios do proprietário e seus acionistas, os anseios da sociedade, cumprindo as determinações dos reguladores e contribuindo para o equilíbrio ambiental. MAC (2005) estabelece que o Manual deve incorporar princípios que conduzam a uma operação baseada na estabilidade de todas as estruturas, no gerenciamento das águas e dos sólidos em conformidade com o projeto, respeitando-se as normas da empresa, os requisitos da legislação e o compromisso com as partes interessadas. O mesmo documento expõe que o objetivo do Manual de Operação é definir e descrever, de forma clara, objetiva e amigável, os componentes mais importantes da estrutura, além dos procedimentos necessários à operação, manutenção e monitoramento, as responsabilidades dos envolvidos na operação da estrutura e os requisitos para a análise e a documentação do desempenho da estrutura.

76 61 O manual de operação deverá conter informações operacionais sobre a barragem de rejeitos e todas as estruturas associadas que requerem consideração durante a fase de operação. No caso de a barragem apresentar desempenho diferente do previsto, o Manual deverá estabelecer uma linha de ação que permita gerenciar as situações em questão (DME, 1998). Os proprietários de barragens devem colocar em prática programas de operação e manutenção. A correta operação e manutenção dessas estruturas torna-se fundamental para a viabilidade delas e para se estabelecer um bom nível de segurança. É necessário que os critérios operacionais sejam conhecidos, que a barragem seja operada segundo estes critérios e que a sua manutenção mantenha o seu desempenho dentro dos limites previstos. Para que isso possa ser alcançado, devem ser estabelecidos procedimentos operacionais que definam responsabilidades para ações críticas que venham a afetar a segurança da barragem, que sejam identificados procedimentos para as atividades rotineiras para que estas sejam executadas de modo seguro e para que os envolvidos na operação possam comunicar ocorrências incomuns aos responsáveis apropriados (DNRM, 2002). Os sistemas de rejeitos, em relação à fase de operação, devem estar alinhados com o projeto concebido, e este, com o manual de operação. O manual de operação da barragem de rejeitos deve fornecer aos operadores todas as informações necessárias a uma operação rotineira adequada e segura, incluindo-se as informações relativas aos serviços de inspeção, manutenção e monitoramento. De um modo geral, o Manual de Operação deve descrever as operações de lançamento dos rejeitos, de manutenção da praia, do sistema extavasor, do nível de água no lago, do sistema de bombeamento e recuperação de água e do sistema de transporte de rejeitos. Ele deve apresentar as frequências das inspeções, das auditorias técnicas, das avaliações de desempenho, de revisões e atualizações do seu texto, de treinamentos e de leitura dos instrumentos de monitoramento. Ainda, o manual de operação deve prever procedimentos de emergência, que possam ser postos em prática, de modo sistemático, no caso de ocorrências de falhas que venham a representar riscos à segurança de pessoas e danos ao ambiente, buscando minimizá-los (DITR, 2007).

77 62 Para efeito da aplicabilidade e delimitação da abrangência deste trabalho, estabelece-se que as diretrizes básicas para a elaboração de Manuais de Operação de Barragens de Rejeitos, tal como proposto, possuem aplicação restrita às estruturas para fins de contenção de rejeitos, que incluam dispositivos de confinamento e que sejam objeto de planejamento, projeto e controle operacional Formatação do Manual de Operação O Manual de Operação de uma barragem de rejeitos deve ser um documento objetivo e claro. Neste documento, estarão as informações que irão governar a operação da barragem de rejeitos e, portanto, a clareza e a objetividade devem imperar. O documento deve apresentar uma formatação que permita o rápido acesso ao assunto ou o rápido resgate da informação requerida. Para tanto, deve possuir uma página com título inicial e, em seguida, uma página índice. O índice deverá conter a numeração dos capítulos e itens principais. Recomenda-se que a numeração das páginas seja efetuada com o número dos capítulos e dos itens. Isto permite que as revisões possam ser efetuadas sem que haja necessidade de revisão e impressão de todo o documento, mas apenas do capítulo revisado, da página de revisão e da página índice. Ao final, o Manual de Operação deve apresentar uma página de revisão contendo o histórico das revisões sofridas, a descrição sintética das revisões efetuadas e o tipo da emissão, que poderá ser: preliminar, para comentários, para aprovação ou aprovada para operação. No anexo, o Manual de Operação deve apresentar a relação dos indivíduos treinados com suas respectivas assinaturas, data do treinamento realizado e a revisão em que se encontrava o documento na época do treinamento. A utilização de uma pasta 4 furos com capas (frontal e posterior) rígidas é recomendada, pois os capítulos revisados podem ser facilmente removidos e substituídos, assim como a página de revisão, ao final. Os capítulos devem ser devidamente separados com folhas separadoras contendo o número e o título do capítulo.

78 Estrutura do Manual de Operação Em termos de sua estruturação, o Manual deve contemplar a seguinte estrutura típica em cinco capítulos de acordo com a Associação Canadense de Barragens (CDA, 2007): 1 Descrição do Projeto; 2 Operação; 3 Manutenção; 4 Monitoramento; 5 Avaliação e testes dos equipamentos de controle de fluxo. MAC (2005), por outro lado, apresenta os principais aspectos a serem observados na elaboração de manuais de operação de barragens de rejeitos. A abordagem do tema, conforme exposta no documento da MAC, abrange uma estrutura em seis capítulos: 1 Atribuição de funções; 2 Descrição das estruturas do sistema de rejeitos; 3 Operação; 4 Manutenção; 5 Monitoramento; 6 Planejamento de ações emergenciais. DME (1998) sugere a utilização de sete seções para o Manual, em termos de: 1 Introdução; 2 Plano de Operação da Acumulação dos Rejeitos; 3 Requisitos para Monitoramentos e Auditorias; 4 Medidas de Reabilitação 5 Plano de Ações Emergenciais 6 Relatórios de Incidentes e

79 64 7 Anexo I - Síntese das Considerações do Projeto e Anexo II - Detalhes dos Serviços de Pré-Disposição. O presente trabalho irá considerar a recomendação da Minning Association of Canada (MAC, 2005), ligeiramente adaptada, como base para a apresentação das informações consolidadas no presente estudo, o qual irá discorrer sobre questões associadas aos manuais de operação das barragens de rejeitos. Na visão do autor deste trabalho, a estrutura apresentada por essa entidade é clara, objetiva, e permite ao usuário um rápido acesso às informações, além dela englobar os tópicos essenciais e indispensáveis à operação adequada de uma barragem de rejeitos. Em relação à ligeira adaptação, esta consiste na apresentação dos capítulos primeiro e segundo propostos na estrutura sugerida por MAC (2005) Atribuição de funções e Descrição das estruturas do sistema de rejeitos, de forma conjunta, ou seja, em um único capítulo, além de outras informações básicas. Dessa forma, o primeiro capítulo a discorrer sobre os manuais de operação, neste trabalho, passará a ser intitulado por Registros e Informações Básicas, conforme será visto no capítulo seguinte (capítulo quinto) desta dissertação. Os demais capítulos dessa dissertação apresentarão as principais questões sobre os manuais de operação mantendo a sugestão de MAC (2005) Operação, Manutenção, Monitoramento e Planejamento de ações emergenciais (capítulos sexto, sétimo, oitavo e nono desta dissertação, respectivamente). A apresentação dos mais variados aspectos operacionais a serem apresentados neste trabalho será efetuada, portanto, mediante uma abordagem que contemplará a divisão do Manual de Operação em cinco capítulos (conforme mencionado no parágrafo anterior) e um anexo (contendo o formulário da pesquisa externa). Os próximos capítulos dessa dissertação irão discorrer sobre a questão dos manuais de operação de barragens, de acordo com a estrutura acima mencionada, buscando contemplar as questões operacionais das barragens de rejeitos mais relevantes, tendo em vista um objetivo maior: a estabilidade estrutural das barragens de rejeitos com foco nas informações obtidas na pesquisa externa.

80 65 CAPÍTULO 5 MANUAL DE OPERAÇÃO: REGISTROS E INFORMAÇÕES BÁSICAS 5.1 Introdução No primeiro capítulo do Manual de Operação, as informações básicas e essenciais sobre a área da barragem de rejeitos são apresentadas. É desejável que essa apresentação seja clara, objetiva e que apresente conexões para outros documentos técnicos nos quais informações mais detalhadas possam ser acessadas. A utilização de tabelas para a apresentação de tais informações é positiva, pois elas tornam a recuperação da informação desejada uma tarefa mais fácil e rápida. No item introdutório, apresenta-se o Manual de Operação como uma ferramenta do gerenciamento de rejeitos que permite garantir que a barragem seja operada adequadamente segundo parâmetros pré-estabelecidos, visando à segurança da barragem. Em seguida, são apresentadas as informações relativas à localização da barragem, sobre seu proprietário, endereço, histórico do projeto e da construção, além de características gerais da mina e do processo de beneficiamento. 5.2 Descrição da Área da Barragem Este segundo item deverá descrever as principais condições físicas da área da barragem de rejeitos e do seu entorno. A qualquer momento, os operadores podem necessitar de recuperar dados sobre a região da barragem. De forma semelhante, os novos membros da equipe de operação precisam de informações iniciais sobre o site e seus arredores, pois não participaram do projeto ou da construção e, mesmo assim, terão que operar a estrutura.

81 66 A Tabela 5.1 lista diversos itens que podem auxiliar na descrição da área da barragem de rejeitos: Tabela 5.1 Principais aspectos físicos a serem descritos. Topografia da área da barragem e locação em coordenadas, planta geral de áreas adjacentes localização, arranjo geral das estruturas (incluindo a barragem, o reservatório, sistema extravasor acessos, usina, tubulações etc), imagem aérea da área apresentada. Vegetação tipologia ambiental do entorno com aspectos da flora Geotecnia dos solos locais caracterização geral, permeabilidades, resistência, compressibilidade Geologia e geoquímica locais estratigrafia, morfologia dos depósitos, mineralogia Hidrogeologia posição no N.A. regional, aquíferos, direção do fluxo, background, características da água, concentrações iniciais de contaminantes detectados Hidrologia precipitações mensais e máxima já registrada, área da bacia de contribuição, vazão de base medida a montante do reservatório Referências locação em coordenadas de marcos topográficos, locação em coordenadas dos pontos de monitoramento ambiental, datum 5.3 Lista dos Componentes do Sistema de Rejeitos Os operadores necessitam conhecer todos os componentes envolvidos na operação da barragem a fim de se garantir sempre o controle sobre todos. Embora pareça trivial, uma

82 67 listagem dos diversos componentes do sistema de rejeitos deve ser produzida e apresentada. Esta medida visa eliminar possíveis lapsos de estruturas, componentes e áreas importantes que requerem operação. A Tabela 5.2 lista diversas estruturas a fim de auxiliar a tarefa de identificação destes componentes básicos. Tabela 5.2 Principais Componentes de Sistemas de Rejeitos. Barragem de rejeitos e componentes (aterro, filtro, tapetes, drenos, bermas, crista), reservatório de rejeitos, bacias para disposição de rejeitos, lago de água, dique de partida, diques internos, diques de alteamento, praias de rejeitos, taludes de rejeito, ombreiras, taludes adjacentes ao reservatório, drenos de fundo, drenos de pé. Extravasor de superfície (emboque, calha, bacia de dissipação), extravasor em galeria (de fundo, inclinada, na ombreira), tulipa (stop-logs, grades de segurança), dispositivos acessórios (de restituição de vazão, de desvio). Acessos, pontes, passarelas metálicas, portões, porteiras, cercas, placas de sinalização, torres de energia elétrica, painéis elétricos, chaves elétricas, cabos elétricos. Canaletas de drenagem, bueiros, descidas d água, canais. Tubulação de rejeitos, bomba de rejeitos, ciclones, mangotes, tripés, válvulas de controle, conexões, calhas, draga (tubulação de recalque, transformador elétrico para draga, ancoragens e cabos de aço, píer), mineroduto. Balsa, bombas, casa de bomba, tubulação de recalque de água recuperada, sifão, estação de tratamento de água. Escritório da operação, veículos leves, caminhonetes, caminhões, tratores, escavadeiras, carregadeiras, guindastes, caminhão munck, caminhão pipa, rádios comunicadores. Medidores de N.A., piezômetros (Casagrande, elétrico, pneumático), leitores de piezômetros, inclinômetros (torpedos), medidores de recalque, marcos superficiais, células de pressão, equipamentos de laboratório.

83 Dados do Projeto Este item deverá descrever, de modo sintético e objetivo, as informações fundamentais consideradas no projeto da barragem de rejeitos, tendo em vista que esses dados irão nortear a operação. As informações sobre o projeto deverão estar disponíveis para que seja possível, a qualquer momento, efetuar-se comparação com a situação operacional corrente. É fundamental que a apresentação sobre a capacidade de acumulação dos rejeitos, bem como o seu manejo, assim como o manejo das águas no interior do reservatório, estejam disponibilizados de forma clara, o que permitirá a sua compreensão. A Tabela 5.3 lista alguns principais pontos-chave a serem considerados. Tabela 5.3 Principais pontos-chave do projeto a serem descritos. Maciço da barragem (cotas e larguras de cristas e bermas, materiais, inclinações de taludes, cota final) e forma de controle da percolação, aspectos sobre sismicidade e liquefação; condições geológico-geotécnicas de fundação; restrições de cotas; sistema extravasor (cota e largura de emboques ou dimensões de tulipas ou demais dispositivos), informar sobre a chuva de projeto, capacidade, trânsito de cheias, curva cota-volume do reservatório, bacia de contribuição, volume útil para armazenamento de cheias, balanço hídrico com apresentação da vazão de restituição, vazão de água liberada dos rejeitos ou de recirculação, demanda por água nova; drenagem pluvial (dimensões e posicionamento dos dispositivos); sistema de transporte de rejeitos (informar sobre as tubulações ou dispositivos de transporte envolvidos, diâmetros, materiais, demais componentes como válvulas, ciclones, inclusive posicionamento); vida útil do reservatório, propriedades geotécnicas dos rejeitos, massas anuais produzidas e depositadas, partições dos rejeitos, densidades de rejeitos e polpas previstos no projeto; cronologia dos alteamentos (se for o caso); critérios operacionais da barragem de rejeitos; orientações sobre o descomissinamento da estrutura; aspectos sobre a qualidade da água superficial descartada e sobre as águas de sub-superfície (parâmetros de monitoramento), potencial de drenagem ácida; informações sobre controle de sedimentos; informações sobre as condições de estabilidade dos taludes na região em torno da barragem; classificação de risco; fatores de segurança da barragem em suas diversas etapas construtivas.

84 69 Observa-se que é comum a ocorrência de barragens em operação que não possuem projeto nem dados sobre a construção, por motivos variados, sejam eles devido ao fato de a barragem ter sido executada há muitos anos, pelas especificidades da mina ou mesmo devido à simples perda das informações de projeto. Embora esta seja uma situação irregular, nesses casos, a adequação da situação operacional da barragem poderá ser implementada mediante a realização de uma avaliação de segurança da estrutura, podendo ser necessária a execução de furos de sondagem para a determinação das condições de fundação, retirada de amostras para realização de ensaios de laboratório para determinação das propriedades geotécnicas das fundações, do maciço e dos rejeitos, bem como da avaliação da estabilidade da estrutura e do trânsito de cheias pelo seu reservatório, considerando as características do vertedouro existente, incluindo-se a posterior elaboração do manual de operação. 5.5 Questões Relevantes Sobre a Construção da Barragem Durante a fase construtiva, modificações de projeto são devidamente registradas na forma de uma Nota de Alteração de Projetos (NAP). Toda e qualquer modificação implementada na fase de construção deverá ser avaliada sob a ótica da operação, e os impactos deverão ser mensurados, para que possam ser devidamente tratados na operação da estrutura. Essas modificações poderão gerar alterações no modo de operação da barragem de rejeitos e, portanto, o Manual deverá ser reavaliado e revisado. É imprescindível que a versão do Manual em utilização tenha incorporado as modificações necessárias oriundas das alterações que tenham surgido durante a obra, garantindo a sua vinculação ao novo cenário decorrente das modificações. Ressalta-se que durante o processo de licenciamento ambiental de uma barragem de rejeitos, o Manual é apresentado para o órgão regulador responsável competente, em sua versão inicial. Fica clara, portanto, a necessidade de, após a construção e, em função das modificações introduzidas na fase de implantação da estrutura, verificar-se o documento de forma que sejam feitas as devidas adequações no modo de operação da barragem.

85 70 A Tabela 5.4 apresenta algumas informações básicas que devem ser apresentadas relativas aos procedimentos construtivos da barragem em análise. Finalmente, a Tabela 5.5 apresenta uma relação de algumas informações complementares importantes que devem ser devidamente referenciadas e adequadamente endereçadas para uma rápida obtenção de informações. Tabela 5.4 Informações sobre a construção. Data de início e término da obra; identificação do engenheiro responsável pela construção (ERC); nome do engenheiro responsável pela fiscalização da qualidade da obra (ERF) identificação do engenheiro responsável pelo registro das informações da obra (EOR); nome do empreiteiro (construtor); relação dos documentos com os detalhes da construção (limpezas e tratamentos de fundação, termos de liberação de fundação, implantação de desvios, NAP s, controles de qualidade da obra); materiais de construção. Tabela 5.5 Informações complementares. Relatórios do projeto executivo (contendo os módulos dos estudos geotécnicos, hidrológicos e hidráulicos); Memórias de Cálculo (MC); Relatórios da Construção e Fiscalização; manuais dos diversos dispositivos de monitoramento e demais equipamentos; Relatórios de Monitoramento (RM) - batimetrias, qualidade da água, instrumentação; Registros de Incidentes (RI); Plano de Ações Emergenciais (PAE); Plano de Fechamento da barragem (PF) Documentação e Legislação Vigente É fundamental que o usuário do Manual tenha acesso à íntegra dos documentos de projeto da barragem, para consulta. Portanto, é importante referenciar todos os documentos que compõem o projeto para que não haja perda de informações importantes, com clara indicação do local de guarda destes documentos.

86 71 Normas de projeto utilizadas, assim como requisitos regulatórios considerados devem ser citados: é prática comum dos órgãos regulatórios efetuarem revisões, adequações e implementações na legislação em vigor. Deste modo, o registro das normas e requisitos regulatórios atendidos pelo projeto, na época de sua elaboração, deve ser efetuado com destaque para esses aspectos, para que necessidades de revisões no Manual possam ser facilmente percebidas e para que a equipe de operação esteja sempre em consonância com as novas demandas regulatórias. 5.7 Papéis e Responsabilidades Responsabilidade Técnica As barragens devem possuir responsáveis técnicos. O responsável técnico (RT) é o responsável pelo projeto, construção ou operação da barragem. Cabe ao proprietário da barragem efetuar o registro das Anotações de Responsabilidade Técnica (ART) dos projetos, da construção e da operação da barragem, bem como dos profissionais envolvidos. O registro da ART é efetuado no Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (CREA). Modificações no projeto ou modificação do engenheiro responsável pela operação da barragem, por exemplo, requerem novas ART s.

87 Atribuição de Papéis e Responsabilidades O papel e as responsabilidades de todos os envolvidos na operação da barragem de rejeitos devem ser explicitadas no Manual de Operação. É conveniente que os diversos envolvidos na operação direta e indireta da barragem sejam separados em duas categorias de atuação: uma equipe - núcleo (de atuação contínua e rotineira) e outra de apoio (de atuação eventual, nos casos de necessidade). A equipe - núcleo geralmente é formada pelo responsável técnico pela operação da barragem, pelo corpo de engenheiros diretamente envolvidos (geotécnicos e demais engenheiros) e pelos técnicos auxiliares, assistidos pelas gerências superiores, inclusive pelo gerente geral, consultores internos e externos e projetistas. A equipe de apoio é composta pelo pessoal que atua nas eventualidades, profissionais responsáveis pela operação da planta de beneficiamento, da manutenção elétrica e mecânica e do controle da frota de equipamentos de terraplenagem. Um organograma funcional da equipe núcleo, encarregada de operar a barragem, deve ser apresentado. Tal organograma deve destacar os integrantes do sistema de operação da barragem, contendo a função, o nome de cada operador e o telefone de contato. O organograma objetiva explicitar a posição, a identificação e a função de cada membro da equipe de operação da barragem, a partir do estabelecimento de uma estrutura hierárquica. É necessário que os envolvidos na operação conheçam a sua posição no organograma, a sua função e suas responsabilidades específicas, bem como as posições, funções e responsabilidades dos demais. É fundamental que o organograma seja conhecido, divulgado e seguido. A Figura 5.1 apresenta um modelo de organograma funcional, típico de uma estrutura gerencial aplicada à operação de uma barragem de rejeitos, com foco nas responsabilidades dos envolvidos.

88 73 ALTA GERÊNCIA ENGENHEIRO Responsável Técnico pela Operação (ERTO) ENGENHEIRO Responsável Operação, Manutenção e Monitoramento (ERO) CONSULTORIA TÉCNICA EXTERNA CONSULTORIA INTERNA Planejamento, Gerenciamento, Orçamento e Meio Ambiente TRAINEE Suporte TÉCNICO Operações e Inspeções TÉCNICO Monitoramento e Inspeções TÉCNICO Manutenção e Inspeções Figura 5.1 Organograma funcional típico da Equipe - Núcleo. O engenheiro responsável técnico pela operação da barragem (ERTO) é quem assina a Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) da operação da estrutura. Geralmente esse profissional é o Gerente da Área Geotécnica e deve figurar no topo do organograma, imediatamente abaixo da Alta Gerência. Nem sempre esse profissional é quem, efetivamente, está encarregado da operação da barragem propriamente dita. Isso pode variar de acordo com a dimensão da empresa de mineração, com a sua respectiva estrutura organizacional e até com o número de barragens da empresa. Uma empresa mineradora que possui apenas uma barragem de rejeitos pode possuir um engenheiro que é, ao mesmo tempo, o Engenheiro Responsável Técnico pela Operação da Barragem (ERTO) e o Engenheiro Responsável pela Operação da Barragem (ERO). Assim, no organograma funcional da equipe - núcleo, abaixo do Responsável Técnico pela operação, deve figurar o Engenheiro Responsável pela Operação da barragem (ERO). Este profissional é que detém o controle de toda a operação da estrutura e, por

89 74 intermédio dele, todas as ações e comunicações devem ser estabelecidas. Trata-se de um profissional tecnicamente capacitado para operar uma barragem de rejeitos, devendo estar ciente de todas as informações sobre o projeto da barragem, detalhes da fase de construção, transporte de rejeitos, a estrutura da empresa, enfim, sobre a rotina operacional da barragem (operação, programação e fiscalização). Em relação à equipe de apoio, esta deve ser apresentada separadamente, na forma de uma planilha, semelhante àquela indicada na Tabela 5.6. Tabela 5.6 Exemplo de Estruturação da Equipe de Apoio. Equipe de Apoio Área Telefones para Contato Contato 1 / Contato 2 Usina de Beneficiamento Nome 1 / Nome 2 Montagem Nome 1 / Nome 2 Elétrica Nome 1 / Nome 2 Mecânica Nome 1 / Nome 2 Controle da Frota Veículos Pesados Nome 1 / Nome 2 Segurança e Saúde Ocupacional Nome 1 / Nome 2 Emergências Médicas Nome 1 / Nome 2 Relações Públicas Nome 1 / Nome 2 Segurança Patrimonial Nome 1 / Nome 2 Meio Ambiente Nome 1 / Nome 2 Tel.1 Tel. 2 A planilha deverá conter a designação da área e do responsável, com os respectivos telefones de contato. Incluem-se, na categoria de apoio, os responsáveis pelos seguintes setores: controle de equipamentos pesados de terraplenagem (caminhões, escavadeiras e tratores), operação da planta de beneficiamento (usina, espessadores, moinho, descarga dos rejeitos), manutenção elétrica, manutenção mecânica, recuperação de água, departamento de meio ambiente, setor de relações públicas, tratamento de efluentes,

90 75 bombeamentos, segurança patrimonial, ambulatório (ou emergências médicas) e, eventualmente, agências reguladoras. Recomenda-se que a tabela conste de, pelo menos, dois contatos disponibilizados no quadro, permitindo acessar um segundo profissional em caso de ausência do primeiro. Para explicitar as atribuições de cada membro da equipe - núcleo, recomenda-se a elaboração de uma Matriz de Designação de Responsabilidades MDR ou Responsability and Assignment Matrix RAM (Raj, Baumotte, Fonseca e Silva, 2006). A matriz deverá conter, na primeira coluna, as principais atividades a serem executadas. Na primeira linha, deverão ser dispostos os integrantes da equipe-núcleo, um em cada coluna. No cruzamento dos nomes, devidamente posicionados na primeira linha e com as atividades elencadas na primeira coluna, deverão ser atribuídas as funções de cada integrante, correspondentes à ação que cada indivíduo deverá desempenhar na execução de uma determinada atividade. A Tabela 5.7 apresenta um exemplo de Matriz de Designação de Responsabilidades, elaborada para um procedimento genérico de transporte e lançamento de rejeitos. Nesta matriz hipotética, a responsabilidade de quase todas as atividades pertence ao profissional João, exceto a atividade de informar a Alta Gerência atividade cuja responsabilidade é direcionada a outro profissional pertence José. Entretanto, João é comunicado de todas as atividades realizadas, recebendo feedback de todos, assim como José. O profissional Paulo executa a inspeção na linha de rejeitos e presta as devidas informações. Ana colabora (auxilia) dando suporte a Paulo na inspeção. Por outro lado, Ana recebe comunicações, executa o registro de diversas ocorrências (informações) e também presta informações.

91 76 Tabela 5.7 Exemplo de uma Matriz de Designação de Responsabilidades (adaptado de Lopes, 2007). Atividades Pessoal Envolvido Engenheiros Técnicos Trainee José João Paulo Sérgio Ana Transportar e dispor rejeitos. C R Autorizar lançamento de rejeitos. R/E/I C C Verificar posição dos espigotes e situação de válvulas. R E/I C S Acionar o sistema de bombeamento. R C/E/I Interromper o sistema de bombeamento. R C/E/I Efetuar "Flushing" na tubulação. R E/I Inspecionar a linha de rejeitos. R E/I S Registrar informações, inspeções, anomalias. C R C/E/I Receber feedback das atividades. Fornecer informações para a alta gerência e diretoria. C R/I R/C Legenda: R Aquele que é Responsável pela atividade E Aquele que Executa a atividade C Aquele que é Comunicado I Aquele que Informa (ou dá feedback) S Aquele que dá Suporte (ou que colabora) A MDR permite que todos os envolvidos possam verificar, de modo fácil e rápido, onde e como devem atuar em cada processo, ou seja, constitui uma ferramenta que permite correlacionar, para cada atividade ou tarefa, o responsável pela sua execução e sua respectiva função (Dinsmore e Neto, 2004). Quanto maior o detalhamento das

92 77 atividades da MDR, maior o grau de percepção e envolvimento do pessoal designado para a realização das tarefas. Recomenda-se a elaboração de matrizes de responsabilidade para a operação, para a manutenção e para o monitoramento da barragem de rejeitos. A matriz deverá ser elaborada por um engenheiro que tenha experiência na operação de barragens de rejeitos e conhecimento dos procedimentos operacionais envolvidos. É recomendável que a MDR seja verificada por um Consultor antes do início efetivo da execução das atividades nela previstas. Esta revisão objetiva verificar a possibilidade de implementação de otimizações, bem como identificar atividades que, eventualmente, possam ter sido esquecidas. Em função da complexidade da barragem de rejeitos, a matriz de responsabilidade pode ser desmembrada em matrizes menores, o que permitirá um maior detalhamento dos processos envolvidos na rotina operacional da estrutura, incluindo-se, nisso, a manutenção, os monitoramentos e os procedimentos emergenciais. Assim como o manual de operação deve ser mais detalhado em função da maior complexidade da estrutura correspondente, o mesmo deve ocorrer com as MDR s. A adoção do organograma funcional da equipe - núcleo, do quadro da equipe de apoio e da matriz de designação de responsabilidades visa explicitar a atuação de todos os colaboradores operacionais da barragem de rejeitos e inibir a ocorrência de erros operacionais ocasionados por falta de percepção ou execução de ações oriundas de indeterminações das funções e responsabilidades dos envolvidos. Todos devem estar cientes do seu papel e dos riscos associados à operação Treinamento e Competências O Manual de Operações deverá definir procedimentos para garantir que todos os envolvidos na operação da barragem sejam apropriadamente treinados em todos os módulos integrantes.

93 78 Além do treinamento, é importante observar que, pelo menos, um membro da equipe responsável pela operação, manutenção e monitoramento da barragem de rejeitos tenha capacitação nessa função, de forma a ser o propagador de conhecimentos do grupo, e, ao mesmo tempo, promover a troca de experiências entre os envolvidos. Pode-se estabelecer um paralelo entre o piloto de um avião e um operador de barragem de rejeitos. Deve-se observar que o piloto de um avião a jato recebe um treinamento de muitas e muitas horas antes de assumir o controle de uma aeronave para transporte de passageiros. Além do treinamento por meio de manuais, ele efetua inúmeras simulações de voo na tentativa de varrer diferentes possibilidades de eventos e procedimentos para situações críticas de voo. Um avião chega a custar milhões de dólares e efetuará o transporte de centenas de pessoas por voo, portanto a segurança dos passageiros está nas mãos do piloto. Igualmente, uma barragem de rejeitos pode chegar a custar milhões de dólares, em função de suas dimensões e da tecnologia empregada. Conforme visto anteriormente, a segurança de pessoas pode ser afetada, no caso de falha da barragem; portanto, aqueles que irão operá-la precisam ser devidamente treinados. Fica claro que é necessário que as barragens com maior risco sejam operadas por profissionais mais experientes e mais preparados. É fácil perceber também que, até mesmo as pequenas barragens devem ser conduzidas por pessoal capacitado. Não se pode designar um profissional qualquer para a operação de uma barragem. Há uma questão de responsabilidade importante: a garantia, em última instância, da segurança de todas as pessoas envolvidas, direta ou indiretamente, no processo. Antes do início da operação de uma barragem, a equipe designada deverá ser devidamente treinada seguindo os requisitos preconizados no Manual de Operação da estrutura. O treinamento na operação de barragens de rejeitos é feito por meio da aplicação das diretrizes operacionais estabelecidas no Manual de Operação da barragem, de forma planejada, ao longo do tempo, e assistida por supervisores que detêm o conhecimento necessário a essa atribuição.

94 79 O ganho de conhecimentos necessários e imprescindíveis à realização das tarefas previstas, por parte dos principiantes, não é instantâneo. Não se pode desejar que um indivíduo que não seja familiarizado com os princípios da operação das barragens de rejeitos consiga entender e captar todo o conjunto de informações disponibilizadas em um Manual de Operação, a ponto de executar seu papel satisfatoriamente, sendo preciso tempo para se atingir o nível de capacitação necessário (Figura 5.2). 1. Equipe inicial 2. Equipe de transição 3. Equipe experiente 4. Equipe madura Figura 5.2 Diagrama das fases de maturação da uma equipe (adaptado de Raj, Baumotte, Fonseca e Silva, 2006). Na etapa inicial, após a composição de uma determinada equipe, faz-se necessária a supervisão das principais atividades por um líder de equipe. Na maioria das vezes, as equipes de trabalho, em uma barragem de rejeitos, não estão preparadas para assumir as responsabilidades a elas atribuídas logo de início, exceto nos casos em que as equipes de operação já possuem uma vasta experiência na realização de suas atividades. Cabe ao líder iniciar o processo de treinamento delegando deveres a uns e depois a todos. É comum questões de inseguranças entre os membros da equipe na forma de operar, de

95 80 inspecionar e de reagir diante de novas situações. Portanto, o líder deve acompanhar a execução das tarefas delegadas que sejam mais complexas até o seu término, pelo menos inicialmente. Todos os membros da equipe devem estar cientes de que compartilham as responsabilidades, os méritos e também os fracassos. Na segunda etapa, à medida que os componentes da equipe desenvolvem suas habilidades e passam a atuar de forma mais segura e experiente, o líder passa a coordenar as atividades de todos e reduz, gradualmente, o nível de supervisão, atuando mais como um gerente das ações de seu grupo, porém controlando os resultados atingidos e orientando em caso de dúvida. Paralelamente, ele atua na obtenção dos recursos necessários ao desenvolvimento dos serviços sobre o seu comando. Na terceira etapa, os membros da equipe já desempenham suas tarefas com desenvoltura e relatam seus movimentos ao coordenador. Este controla a completa realização das tarefas operacionais em concordância com o Manual de Operação, estabelece metas, acompanha os custos e o tempo gasto na realização dos serviços, além de dar retorno a todos sobre o desempenho de cada um. Na quarta etapa, a equipe de operação atua praticamente sem a necessidade do coordenador e apenas o envolve nos casos mais complexos que podem demandar custos expressivos ou atividades incomuns. Em termos de rotina, a própria equipe programa as suas atividades, supervisiona os serviços executados e comunica ao coordenador que, neste caso, atua mais como um gerente, ajudando na tomada de decisões ou auxiliando em caso de dúvidas técnicas. A metodologia de treinamento por trás do esquema apresentado pressupõe que as responsabilidades da equipe sejam estabelecidas com o passar do tempo, e não de forma imediata. Os líderes devem treinar suas equipes na correta realização de suas tarefas e na solução de problemas, desenvolvendo as habilidades individuais, o compromisso mútuo e a superação de dificuldades (Raj, Baumotte, Fonseca e Silva, 2006). Todo novo integrante da equipe de operação deverá receber o mesmo treinamento. Todo indivíduo da própria empresa ou de empresa externa que vier a exercer atividades ou

96 81 serviços na área da barragem deverá receber instruções básicas sobre a rotina operacional dessa estrutura, bem como da importância da contínua observação do comportamento dela e deverá saber a quem comunicar qualquer observação anômala. As pessoas que irão integrar a equipe de operação da barragem deverão ser devidamente informadas e treinadas para executarem adequadamente as tarefas que lhes serão atribuídas. Elas também deverão receber instruções sobre as principais consequências decorrentes da ruptura a barragem. É fundamental que elas tenham conhecimento das implicações de uma operação inadequada para que possam operar com foco na minimização de riscos e o Manual deverá contribuir para disseminar tais instruções. O Manual de Operação é tão importante quanto um componente da barragem de rejeitos, uma estrutura ou um equipamento. Se utilizado de forma inadequada, este documento pode inclusive colocar em risco a segurança da barragem (QDSMG, 2002). A compreensão das implicações decorrentes da operação inadequada, ou em desacordo com os critérios estabelecidos no projeto, devem ser claramente entendidas por todos os envolvidos na operação da barragem de rejeitos, incluindo-se a gerência superior da mina (DITR, 2007). Atenção especial deverá ser dada para a seleção dos operadores da barragem: é fundamental que eles possuam conhecimentos técnicos essenciais e experiência de campo mínima em relação às atividades envolvidas na operação de barragens. Ainda assim, deverão receber capacitação e sofrer avaliações periodicamente. Cabe ao proprietário da barragem de rejeitos garantir que sua equipe de operação apresente experiência suficiente que permita uma operação segura de suas estruturas para acumulação de rejeitos. Pelo menos um dos operadores deve possuir experiência comprovada na operação de barragens, com a mesma magnitude e relevância. É indispensável que as estruturas que apresentem um nível de risco elevado sejam operadas por engenheiros civis qualificados nesta atividade ou por engenheiros geotécnicos (ANCOLD, 1999).

97 82 É conveniente mencionar ainda que existem diferentes alternativas para a realização de treinamentos, com foco na capacitação individual, e que podem ser utilizados de modo isolado, ou associado, para a obtenção de resultado num horizonte de tempo prédeterminado. Raj, Baumotte, Fonseca, e Silva (2006), em seu livro sobre o gerenciamento de pessoas, mencionam 8 formas diferentes de se realizar treinamentos com o fim de obter conhecimentos específicos em uma determinada área: 1. Treinamento presencial tradicional: são cursos ministrados por especialistas internos ou externos (consultores), em salas com a apresentação de temas previamente estabelecidos; 2. Educação a distância: são cursos que podem ser feitos on ou off-line, especialmente formulados para o aprendiz que possui capacidade de receber ensinamentos eletrônicos; 3. Comunidades de prática: são grupos de estudo montados para discutir e estudar temas específicos, podendo ser presenciais ou não. Neste último caso, são conhecidos também como comunidades virtuais; 4. Rodízio de cargos: é uma forma de obtenção de conhecimentos e especialidades baseada na experimentação de diversas atribuições mediante a execução de tarefas pertencentes a diferentes postos de trabalho. Esta metodologia é comum entre as multinacionais do setor da mineração que possuem programas de incentivo ao intercâmbio de pessoas entre países; 5. Programa Shadow: consiste no destacamento do profissional que receberá a capacitação para a função de acompanhar todo o dia e todas as ações de um segundo profissional. Neste caso, aquele que detém conhecimentos que dificilmente poderão ser obtidos em um treinamento convencional. Esse tipo de treinamento é utilizado tanto por executivos quanto por profissionais que estão submetidos a diferentes situações e condições, que, na maioria das vezes,

98 83 requerem rápida tomada de decisões. O aprendiz ou sombra acaba incorporando os métodos daquele que observa e segue; 6. Treinamento on-the-job: tipo de treinamento que nem sempre é notado, mas muito comum nas empresas, no qual o aprendiz desenvolve praticando as tarefas que lhe são solicitadas. Esta forma é bastante eficiente, porém requer supervisão, pois não se pode permitir que o aprendiz execute as atribuições a ele designadas sem o devido acompanhamento. 7. Programa de Mentorização: aquele em que se designa um orientador para assistir e promover o desenvolvimento do aprendiz. Muito utilizado em grandes empresas mineradoras, em seus programas de trainees, em que os trainees possuem um mentor. 8. Programa Coaching: é uma forma de capacitação na qual o líder (ou coach) estimula o desenvolvimento técnico e intelectual do aprendiz. O coach diferencia-se do mentor na essência da transmissão dos ensinamentos: enquanto o mentor ensina o que sabe, o coach vai além e alimenta o talento e instiga o potencial do aprendiz a atingir novas fronteiras do conhecimento e da experiência, podendo esse último dominar o saber em assuntos específicos, muito além dos domínios do seu tutor. Este trabalho incentiva as empresas mineradoras detentoras de barragens de rejeitos a desenvolverem cursos personalizados, específicos para o treinamento das equipes de operação dessas estruturas. A capacitação inicial de futuros operadores deve ser efetuada gradualmente. É necessário que o aprendiz tenha condições de assimilar os princípios fundamentais da operação, manutenção e monitoramento de barragens, assim como utilizar conhecimentos técnicos especializados para serem aplicados em casos de situações de caráter tipicamente emergenciais.

99 84 O treinamento do pessoal-chave ligado à operação de rejeitos deve ser estendido a todos os níveis da corporação, conforme recomendado por ICOLD DRAFT (2006): O mais alto nível corporativo deve possuir o completo entendimento do processo de disposição de rejeitos e das responsabilidades envolvidas e das consequências decorrentes de falhas ou incidentes ambientais; O nível gerencial sênior, além de possuir o completo entendimento dos aspectos acima mencionados, deve ser o ponto de partida para o estabelecimento de treinamentos para as equipes envolvidas com os rejeitos, de políticas de segurança, de controle de qualidade e mecanismos que permitam efetuar auditorias de revisões; O nível de supervisão necessita dominar os aspectos técnicos da disposição de rejeitos, do projeto à operação, a importância do monitoramento, os requisitos das auditorias, das avaliações de risco e dos procedimentos emergenciais; O nível da operação deve possuir um entendimento básico de todas as questões acima e deve ser treinado em procedimentos emergenciais, nos sistemas de monitoramento e manutenção e na operação diária da estrutura. Para o pessoal operacional, a capacitação deve ser a mais abrangente possível, pois caberão aos operadores manter a segurança da barragem de rejeitos. Portanto, esse trabalho também incentiva o treinamento presencial ministrado por especialista, o treinamento on-the-job, o rodízio de cargos, o treinamento a distância com fins de atualização ou em módulos especificamente desenvolvidos para a equipe e, finalmente, as visitas técnicas a outras barragens de rejeitos, preferencialmente aquelas que apresentam rotinas operacionais mais complexas. O treinamento da equipe de operação e de supervisão deve abordar os assuntos listados na Tabela 5.8, conforme recomendações do ICOLD DRAFT (2006).

100 85 Tabela 5.8 Assuntos a serem abordados no treinamento das equipes de operação Fundamentos dos rejeitos Tipos de barragens de rejeitos Componentes das barragens de rejeitos Estabilidade Monitoramento e gerenciamento Meio ambiente Reabilitação e Fechamento (ICOLD DRAFT, 2006) definições, natureza dos rejeitos, potencial de contaminação dos rejeitos, objetivos da disposição de rejeitos, comportamento em relação à consolidação e secagem, propriedades geomecânicas, resistência ao cisalhamento, estabilidade estática e dinâmica, estabilidade hidrodinâmica (piping e filtros), pressões piezométricas, estabilidade química e planejamento para fechamento sistemas de disposição,tipos de barragens, locação das barragens investigações de campo, geometrias de barragens, aplicações dos tipos de barragens, vantagens e desvantagens dos tipos e seleção do tipo apropriado técnicas de disposição, praias de rejeitos, aterro hidráulico e construção em aterro, estruturas extravasoras, sistemas de drenagem superficial e dispositivos de controle de percolação, recirculação de água fatores que afetam a estabilidade, superfícies freáticas, tipos de falhas, fator de segurança, hidrologia, balanço hídrico, modelos hidrológicos responsabilidades, requisitos regulatórios, elaboração de relatórios e procedimentos de comunicação, registros e documentação, interpretação de resultados do monitoramento, requisitos de respostas, avaliação de riscos, gerenciamento de riscos e suporte a auditores externos qualidade da água percolada, controle e monitoramento da percolação, geoquímica da água de processo e dos rejeitos; gerenciamento de poluentes, controle de poeira, saúde e segurança uso do solo, estabilidade de longo termo, gerenciamento da percolação e da água de subterrânea, gerenciamento das águas superficiais, impermeabilização, capeamento ou coberturas, controle de erosão e vegetação. Fica clara e evidente a importância dos operadores, assim como a necessidade e a obrigatoriedade do estabelecimento de treinamentos a fim de se garantir que os mesmos estejam constantemente capacitados a operar as barragens de rejeitos sob a sua responsabilidade. O treinamento deve ser encarado como um meio para se atingir benefícios, como a redução no tempo de execução de uma atividade, a tomada de decisões mais rápidas e qualificadas, redução de custos, melhoria na qualidade e na confiabilidade,

101 86 implementação de melhores práticas, maior nível de coordenação, aperfeiçoamento rápido de pessoal e melhor controle situacional (Kersner, 2006) Gerenciamento de Mudanças, Atualizações e Revisões Durante a operação da barragem, é natural que ocorra necessidade de ajustes ou alterações em procedimentos descritos no Manual. Essas mudanças poderão ocorrer em função de otimizações operacionais, de novas condições encontradas em campo ou mesmo para ajustar a operação a questões eventualmente não previstas. As modificações deverão ser executadas com base em procedimentos específicos para garantir a manutenção dos princípios básicos de projeto e para que todos sejam devidamente informados da mudança. O Manual deverá descrever o procedimento a ser adotado no caso de qualquer tipo de modificação. É fundamental que o procedimento, para implantar modificações, contemple a aprovação da modificação pelo EROP, a comunicação ao EOR, que o projetista seja consultado (caso haja implicações no projeto concebido), que todos os envolvidos sejam comunicados e que todos os exemplares do manual sejam revisados. Caso necessário, será feita uma atualização do treinamento apenas no item ou na atividade modificada, para que todos estejam devidamente cientes disso e capacitados a operar segundo o Manual revisado. A folha de revisão do documento deverá apresentar o item e a data da modificação. Recomenda-se que apenas um membro da equipe de operação (engenheiro responsável pela operação da barragem ou ERO) detenha o controle da implementação de qualquer mudança do manual Nível de Atendimento Toda barragem deve ser operada segundo um determinado nível de atendimento e a sua operação deve ser compatível com o respectivo grau de risco embutido na própria estrutura, ou no sistema formado. O nível de atendimento é o nível de tratamento dedicado à barragem. O tratamento a ser empregado é realizado em função das

102 87 consequências decorrentes de uma possível ruptura, da proximidade da população a jusante, do grau de complexidade operacional em relação ao gerenciamento da disposição dos rejeitos, da passagem de águas e da necessidade de se operarem dispositivos extravasores do tipo tulipa, entre outros fatores. Para explicar com clareza o significado do nível de atendimento da operação de uma barragem de rejeitos, utilizemos exemplos hipotéticos. No primeiro caso, consideremos uma barragem com as seguintes características gerais: mais de 100m de altura e alteada para montante; implantada em um vale por onde existe um curso d água, em área de interesse ambiental e com população situada poucos quilômetros a jusante; barragem inserida em uma grande bacia hidrográfica de contribuição; descarga de rejeitos na extremidade de montante do reservatório de rejeitos, juntamente com a própria vazão de base da bacia afluente a montante; sistema extravasor composto por galeria de fundo associada a tulipas operadas com stop-logs ; diques implantados sobre os próprios rejeitos depositados em seu reservatório, e estes, por sua vez, dotados de seus próprios dispositivos extravasores. Nestas condições, a barragem hipotética está inserida num contexto de obra civil de grande porte e com elevados níveis de complexidade, requerendo, portanto, um programa operacional compatível com tal complexidade estrutural. Uma barragem convencional, em aterro compactado, com 15 m de altura, implantada em vale seco, dotada de vertedouro em soleira livre e em local longe da influência de população ou de algum interesse ambiental específico, requer um nível de atendimento operacional bastante distinto do primeiro caso. Para tanto, o engenheiro responsável pela operação da barragem, auxiliado pela equipe - núcleo, deve garantir que o nível de atendimento operacional empregado seja adequado e compatível com os riscos associados, ou melhor, com a classe de risco da estrutura. O

103 88 proprietário da barragem de rejeitos deve garantir que o nível de atendimento da operação seja compatível com a Classificação de Risco da estrutura (DNRM, 2002). O proprietário da barragem é quem detém a responsabilidade pela segurança da mesma. Ele deve proporcionar uma operação conduzida segundo um nível de atendimento adequado. Para tanto, o proprietário deve ser regularmente informado acerca da situação operacional e da condição de segurança da barragem, para que possa ser abastecido de dados, para que possa analisá-los e emitir respostas a solicitações e a necessidades fundamentais que não coloquem em risco a segurança da estrutura. A alta gerência e a diretoria precisam saber o que acontece no ambiente operacional de suas barragens. Portanto, deve ser estabelecido um canal de comunicação em termos de troca de informações entre a alta gerência e a diretoria da empresa com a equipe de operação da barragem. Um engenheiro deve ser designado para manter esse canal de comunicação sempre aberto e funcional. Este profissional precisa conhecer os principais aspectos do projeto, os detalhes da fase construtiva e as nuances mais delicadas da operação da barragem. É função ainda desse profissional elaborar relatórios detalhados para os níveis administrativos superiores pertinentes, a fim de posicioná-los sobre o status da barragem. Ao mesmo tempo, esse profissional deve disseminar o conjunto de anseios do proprietário e garantir que a operação da barragem ocorra segundo os padrões de conduta e as normas da empresa, estabelecidas pelos acionistas, tendo em vista a manutenção da segurança e o compromisso com as partes interessadas. Esse engenheiro é conhecido como Engineer of Records (EOR). O engenheiro geotécnico é o responsável por diligenciar, junto às áreas operacionais, todas as ações ligadas à operação, manutenção e monitoramento da barragem - Engineer of Records (Ávila, 2009). O EOR deve conhecer o projeto, as restrições operacionais e zelar para que haja aderência da operação ao projeto, fazendo com que ambos estejam alinhados. O EOR não é um título, mas trata-se de um profissional com a função de trabalhar compromissado com a segurança da barragem, intermediando relações entre os diversos

104 89 envolvidos na sua operação, posicionando os proprietários sobre a rotina operacional e zelando pela contínua utilização de boas práticas de engenharia. No Brasil, é incomum as barragens de rejeitos serem operadas por indivíduos que não sejam os próprios proprietários. Nesse caso, a responsabilidade da barragem continua a ser do proprietário, e este deve garantir que o operador designado esteja ciente do potencial de dano associado a diferentes modos de falha da barragem. O proprietário também deve garantir que o operador designado conheça os critérios operacionais, opere em conformidade com o Manual de Operação, participe de inspeções de segurança e do programa de monitoramento e seja capaz de acionar o início de ações emergenciais (DNRM, 2002). Morgenstern (2001) verificou que o gerenciamento de resíduos gerados na mineração, especialmente no caso dos rejeitos, tende a não ser motivo de destaque no âmbito da empresa mas, ao contrário, tem merecido baixo reconhecimento tanto técnica quanto gerencialmente. A partir de diversos estudos de casos relativos à sua experiência profissional, o autor elencou algumas conclusões que apresentam grande valor para aqueles que atuam na geotecnia de barragens de rejeitos, dentre elas, as seguintes: - existem muitas falhas associadas às estruturas de contenção de rejeitos; - a confiabilidade das estruturas para contenção de rejeitos é, de longe, das mais baixas entre as estruturas de terra e o risco assumido pelas partes interessadas é excessivo; - os rejeitos são materiais complexos; muitas vezes eles se comportam conforme o esperado e em muitos casos não; - os casos históricos mostram que o risco não é gerado apenas por falhas técnicas de projeto, mas também por falhas de construção e falhas na operação; - uma corporação bem intencionada, que utiliza consultores qualificados, não é garantia contra incidentes graves; as linhas básicas do manejo dos rejeitos devem ser

105 90 estabelecidas por um engenheiro sênior capacitado e os níveis corporativos mais elevados devem compreender a responsabilidade envolvida em possíveis falhas das suas estruturas de contenção de rejeitos.

106 91 CAPÍTULO 6 MANUAL DE OPERAÇÃO: PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS DE OPERAÇÃO 6.1 Fundamentos da Operação das Barragens de Rejeitos A operação diária de uma barragem de rejeitos deve ser realizada mediante utilização de regras e procedimentos específicos, que permitam garantir o objetivo primordial da segurança de longo prazo do depósito, resultando, assim, no menor impacto possível ao ambiente. No Manual de Operação, devem ser identificadas todas as áreas da barragem de rejeitos que requerem cuidados durante a sua fase de operação, os procedimentos a serem empregados e um curso de ação no caso de comportamento inadequado (DME, 1998). A operação adequada é essencial para a garantia da segurança da barragem de rejeitos. Operações e manutenções impróprias podem conduzir a situações críticas que podem culminar em falhas graves e, até mesmo, em ruptura da barragem (DNRM, 2002). Portanto, os operadores devem estar cientes da importância do seu papel, tanto no contexto da operação da barragem, quanto da mineração em si. Antes do início da primeira descarga de rejeitos no reservatório, a equipe de operação deverá estar plena e devidamente treinada segundo as orientações contidas no manual. O Manual de Operação deverá ser elaborado pela empresa que projetou a barragem, pois se trata de um documento que acompanha o projeto dessa estrutura, conforme preconizado na NBR (ABNT, 2006), sendo indispensável para garantir que a sua operação seja conduzida de forma prevista e alinhada com o projeto. A projetista detém a maior fonte de informações sobre a barragem e os operadores a operam baseados nas orientações desta empresa. Existem barragens antigas que são operadas sem o auxílio do MO. Na maioria das vezes, essas estruturas são operadas de acordo com a experiência de engenheiros e técnicos que, não necessariamente, possuem conhecimento sólido acerca do conceito da

107 92 barragem, do projeto, de sua construção e do seu histórico. É comum a troca de pessoal nas minerações, tanto devido a reestruturações ou adequações funcionais, quanto pela própria ascensão profissional individual. Profissionais que, hoje, operam uma barragem podem ser transferidos e lotados em outros setores, podem trocar de empresas ou serem mesmo promovidos. Portanto, o que se quer destacar é que a memória da barragem de rejeitos está sujeita a lapsos eventuais e, por conseguinte, a uma perda de informações, ou pelo menos, a atrasos (oriundos da transferência de informações de um profissional para outro). No cenário acima, o MO representa a linha-base que irá nortear todas as ações que, presumidamente, serão postas em prática e que corresponderão à disposição segura e adequada dos rejeitos, refletindo os ideais da corporação. Justifica-se, portanto, a recomendação da elaboração do MO para as barragens de rejeitos que não o possuem, como um cuidado adicional, e imprescindível, cujo objetivo é garantir que o operador tenha em mãos as diretrizes que lhe permitam atingir níveis adequados e previstos de segurança, agindo segundo os anseios da corporação e da coletividade, com foco na eficácia das ações empreendidas. As empresas mineradoras podem elaborar os seus próprios manuais de operação, mas recomenda-se que essa função seja atribuída a profissionais devidamente capacitados, com vivência operacional e foco no projeto específico em questão. Ainda, recomenda-se a avaliação e o diagnóstico da estrutura por profissionais que, juntos, venham a interpretar o comportamento da barragem sob a ótica geotécnica, hidrológica, hidráulica, geológica, hidrogeológica e geoquímica. Antes do início formal da operação da estrutura, é indispensável que a futura equipe técnica de operação da barragem de rejeitos verifique a devida implantação de todas as estruturas e de todos os dispositivos que integrarão a barragem de rejeitos, que estará sob a sua total responsabilidade. Para tanto, é indispensável que haja uma inspeção formal da estrutura, na presença da empresa projetista, antes da sua entrega para a equipe de operação e imediatamente após a sua construção. Essa inspeção terá o objetivo de verificar as condições de todas as estruturas que integram a barragem e

108 93 resultará em um documento contendo o registro das possíveis não-conformidades observadas, que poderão ser consideradas pequenas ou graves, de acordo com o entendimento da empresa projetista. Um documento, contendo os registros da situação da barragem pós-construção (RPC), deverá ser encaminhado pela Alta Gerência responsável pela operação da barragem de rejeitos para a Alta Administração da Mineração, para conhecimento. Ciente da situação da barragem após o término de sua construção, a Alta Administração deverá autorizar formalmente o início das operações na barragem, emitindo a chamada Autorização para Início de Operação (AIO) da barragem. Destaca-se que não-conformidades graves deverão ser corrigidas e, em qualquer hipótese, não se recomenda operar a barragem sem que previamente tenham sido implementadas as medidas corretivas pertinentes. A não-observância dessa regra reflete diretamente em riscos desnecessariamente assumidos pela Alta Administração e pelos acionistas, configurando-se em uma ameaça a todas as partes envolvidas e interessadas. Por fim, destaca-se que, por trás do ato de autorizar o início da operação (AIO), além da concessão da autorização formal, a Alta Administração difunde, de modo indireto, um conjunto de anseios e valores da corporação que passarão a ser um exemplo e a reger as ações da equipe de operação: uma aprovação com ressalvas, vinculada a uma ordem para a execução de tarefa, visando à implementação de melhorias ou de correções para a eliminação de possíveis não-conformidades reflete, sobre todos da operação, o grau de exigência da corporação em relação à segurança e ao bem-estar coletivo. 6.2 Procedimentos Operacionais de uma Barragem de Rejeitos De um modo geral, a operação de uma barragem de rejeitos envolve a execução das seguintes atividades básicas (MAC, 2005): Transporte e disposição dos rejeitos;

109 94 Gerenciamento das águas no reservatório; Controle Ambiental; Alteamentos da estrutura. O operador deve estar atendo na correta realização das tarefas a ele atribuídas e ao mesmo tempo, focado nos riscos inerentes à execução das mesmas, baseando o conjunto de suas ações nas linhas gerais indicadas pelo MO. De um modo geral, a operação de uma barragem de rejeitos é realizada mediante a definição de parâmetros operacionais, os quais podem ser entendidos como limites ou faixas operacionais, e da execução de procedimentos operacionais (PO s), que são as ações necessárias à manutenção do comportamento dessas estruturas, dentro dos limites ou das faixas operacionais estabelecidas. Os parâmetros operacionais devem ser conhecidos pelos operadores da barragem, os quais deverão garantir que a mesma seja operada segundo esses critérios, a fim de que venha a se comportar de acordo com os critérios estabelecidos em projeto. Esse processo é realizado por meio do estabelecimento de procedimentos operacionais. Os procedimentos operacionais, por sua vez, irão definir as ações a serem empreendidas e as responsabilidades dos envolvidos, tendo como foco principal a manutenção das condições de segurança da barragem (DNRM, 2002). Os parâmetros operacionais devem ser explicitados no MO, assim como os procedimentos operacionais correspondentes, e também os papéis e responsabilidades de cada membro da equipe de operação. Os proprietários das barragens de rejeitos devem garantir que essas estruturas sejam operadas de acordo com o MO, sendo que a necessidade da elaboração dos procedimentos operacionais deve ser avaliada caso a caso. Portanto, para que o operador possa operar a barragem de rejeitos, além das atividades anteriormente mencionadas, ele precisa que o MO o informe sobre os principais parâmetros envolvidos nessa atividade.

110 95 DNRM (2002) destaca os seguintes benefícios do estabelecimento de procedimentos operacionais: - garantia da aderência do projeto à operação durante todo o ciclo de vida da estrutura, inclusive nos casos de modificações na equipe de operação e de mudança do proprietário da barragem; - garantia da execução da tarefa em sua totalidade e de modo sistemático, reduzindo a possibilidade de erros que possam ameaçar a segurança da barragem, mediante o estabelecimento de protocolos específicos a serem obedecidos. O estabelecimento dos procedimentos operacionais para uma barragem de rejeitos é uma tarefa que deve ser desenvolvida por profissionais experientes. A tarefa de elaboração dos PO s pode não ser simples: como definir o que deve ser transformado em procedimento operacional? A resposta deverá contemplar a análise das seguintes perguntas, as quais certamente irão promover a percepção da real necessidade de desenvolvimento de um determinado procedimento operacional (DNRM, 2002): - no caso de a tarefa ser executada de modo impróprio, quais seriam as implicações que envolvem a segurança da barragem e de pessoas? - quais seriam as implicações ambientais? - quais são os custos envolvidos no caso de a tarefa ser executada de modo impróprio? - existem recursos específicos que podem ser necessários ao controle de uma determinada situação ou para a execução de uma tarefa? - para controlar uma determinada situação, pode ser necessário interromper alguma atividade ou causar prejuízo de tempo? - se hoje fosse meu primeiro dia nessa função, eu teria conhecimentos suficientes sobre a organização que me permitissem a execução dessa tarefa? Se eu precisar de algum apoio ou de uma determinada informação, eu sei a quem recorrer? A quem devo dar feedback do meu serviço?

111 96 Se as conseqüências da execução imprópria de uma tarefa não afetarem a segurança da barragem, pessoas ou equipamentos, se não trouxer reflexos ambientais, impactos em custos, se não interromperem outros processos, se não gerarem perdas de tempo, se não demandarem recursos específicos em sua execução e se o executor tiver amplos conhecimentos sobre a organização funcional da empresa, a tarefa pode não ser traduzida em um procedimento operacional. É oportuno mencionar que o presente trabalho não apresenta a totalidade dos parâmetros operacionais das barragens de rejeito. Os parâmetros apresentados buscam desenvolver uma capacidade individual de perceber, assimilar e permitir a compreensão e o desenvolvimento de manuais de operação, por meio da avaliação de parâmetros fundamentais. Cada barragem deve ser avaliada individualmente quanto aos seus parâmetros de operação e o Manual de Operação correspondente deverá ser desenvolvido conforme a especificidade do caso. Um fluxograma típico da operação de uma barragem de rejeitos é representado na Figura 6.1 (MAC, 2005). Após a definição de uma atividade, define-se a faixa operacional aceitável, ou seja, os limites da operação. Estes limites estão associados aos parâmetros operacionais. Os procedimentos operacionais objetivam manter a operação dentro nos limites estabelecidos e, para isso, torna-se necessário controlar a operação. O controle operacional busca verificar se as operações estão mantidas dentro da faixa operativa, ou dos limites operacionais. Essa verificação é efetuada com o apoio dos procedimentos de monitoramento e manutenção.

112 97 Figura 6.1 Fluxograma Típico da Operação de uma Barragem de Rejeitos (MAC, 2005) O controle operacional busca verificar se as operações estão mantidas dentro da faixa operativa, ou dos limites operacionais. Essa verificação é efetuada com o apoio dos procedimentos de monitoramento e manutenção. Caso a operação esteja nos limites estabelecidos, o processo operacional prossegue e, caso a operação esteja fora dos limites operacionais definidos, registra-se e relata-se a ocorrência. Em seguida, analisase o fato por meio da avaliação do projeto, da operação, da manutenção e do monitoramento e verifica-se a necessidade da implementação de modificações. O importante é que cada anomalia operacional detectada seja rigorosamente avaliada e uma ação adequada seja introduzida no processo.

113 Princípios Gerais da Gestão e Operação de Barragens A tarefa de elaboração de manuais de operação de barragens de rejeitos é complexa até para os mais experientes no assunto. Com o objetivo de contribuir para a execução dessa tarefa, acredita-se que é importante compreender os pontos-chave que envolvem a operação de barragens. CDA (2007) consolida e apresenta os cinco princípios essenciais da operação, manutenção e monitoramento de barragens: - os requisitos para a operação, manutenção e monitoramento da barragem, estabelecidos no MO, devem ser desenvolvidos e documentados de maneira que as informações sejam suficientes e compatíveis com os impactos decorrentes de sua operação e das conseqüências de sua ruptura; - os procedimentos operacionais para a barragem devem ser desenvolvidos e documentados prevendo ações para operação em condições normais, incomuns e de emergência; - os procedimentos de manutenção devem garantir que barragem seja mantida e operada em plenas condições de segurança; - os procedimentos de monitoramento devem permitir a identificação e a mitigação a tempo de condições que possam afetar a segurança da barragem; - os dispositivos para controle da estrutura devem ser testados e serem capazes de operação imediata quando requeridos. O conhecimento dos princípios fundamentais da operação de barragens, os quais constituem o núcleo da filosofia da operação dessas estruturas, é imprescindível para a produção de MO s que atendam aos requisitos desses próprios princípios. Nos itens subseqüentes, serão apresentados, para cada uma das atividades básicas das barragens de rejeito (item 6.2), a descrição geral da atividade básica, uma relação de parâmetros operacionais e os procedimentos operacionais mínimos requeridos pela mesma. Esta seqüência de abordagem favorece uma melhor compreensão da questão

114 99 operacional e do papel do Manual de Operação para aqueles profissionais que venham a operar tais estruturas. Assim, para se operar uma barragem de contenção derejeitos, é preciso conhecer: a atividade a ser executada (a sua descrição); as variáveis fundamentais associadas à execução da atividade específica (os parâmetros operacionais); os passos para a execução da atividade (os procedimentos operacionais). Deste modo, recomenda-se que o Manual de Operação apresente seus tópicos relacionados à operação nesta mesma seqüência. Com base no MO, o responsável pela barragem de rejeitos terá, assim, um controle efetivo de sua operação. O plano de operação de uma barragem de rejeitos é a parte mais importante de um MO e requer uma atenção especial em sua estruturação e em seu conteúdo (DME, 1998). 6.4 Segurança de Pessoas, Segurança Patrimonial e Documentação O Manual de Operações deverá abordar também aspectos relativos ao controle da segurança das pessoas que estejam diretamente envolvidas com as diversas tarefas da rotina operacional das barragens de rejeitos. Salienta-se que esse controle deve ser extensivo àqueles que possam vir a se envolver de forma indireta, como vizinhos, moradores locais e curiosos. É importante que o Manual especifique ações de restrição ao acesso dessas pessoas e estabeleça procedimentos para a utilização de equipamentos e manuseio dos rejeitos a fim de manter níveis adequados de segurança para todo o pessoal envolvido na rotina. A atenção deverá ser direcionada ao controle da entrada de indivíduos na área de disposição dos rejeitos e nos acessos adjacentes (cercas, portões e portarias segurança patrimonial). Os equipamentos que demandarem a operação direta de operadores deverão ser avaliados sob a ótica do risco operacional envolvido, sendo conveniente o apoio de um mapa de riscos englobando todos os equipamentos e áreas acessadas ou operadas por pessoas.

115 100 Adicionalmente, outras informações demandam registro e devem, portanto, serem devidamente explicitadas no Manual de Operação da barragem de rejeitos: comunicações como ordens de serviço, memorandos, informações sobre alteamentos (relatórios como-construídos), programações de serviços, relação de atividades executadas, observações significativas sobre o comportamento da barragem, fotos com legendas explicativas, vídeos, bem como atividades relacionadas à manutenção e ao monitoramento periódico. Enfatiza-se que o registro das informações é fundamental para a realização de acompanhamento e controle gerencial de atividades e custos, como também da segurança geral da barragem de rejeitos. É fundamental a elaboração de relatórios periódicos sobre as condições operacionais contendo informações sobre as principais dificuldades, registros do pessoal e demais recursos mobilizados, ocorrências imprevistas e as respectivas freqüências. O MO deverá definir a periodicidade dos relatórios e todos os registros deverão ser arquivados e disponibilizados para consulta e resgate a qualquer ocasião. 6.5 Transporte e Disposição dos Rejeitos Descrição O sistema de transporte dos rejeitos e a disposição desses resíduos, de forma adequada e segura, implicam uma operação consciente e sistemática. O MO deverá abordar os principais aspectos relacionados ao gerenciamento do sistema de transporte e disposição desses materiais e, ao mesmo tempo, fornecer informações suficientes que permitam que o operador tome conhecimento dos pontos-chave envolvidos e tenha condições de captar os primeiros indícios de alterações que possam vir a serem falhas operacionais. Para que o operador possa dominar a execução da tarefa de transportar e dispor os rejeitos na barragem de rejeitos, o MO deverá apresentar-lhe as principais características do sistema de transporte utilizado. Portanto, o sistema de transporte de rejeitos deve ser descrito desde o ponto de saída desses materiais, na planta de beneficiamento, até a extremidade de descarga da tubulação que o conduz ao reservatório da barragem.

116 101 O MO deve descrever todo o percurso e os componentes da linha de transporte e do sistema de disposição dos rejeitos devem ser mencionados e descritos sucintamente (tubos, conexões, válvulas, bombas, espigotes, ciclones, spray-bars, caixas de concreto, calhas, canaletas, guilhotinas e galerias), seja aquela uma tubulação (que pode ser pressurizada ou não) ou uma calha aberta. No caso do transporte dos rejeitos com lançamento sobre o terreno natural (por gravidade e em fundos de vale), a mesma descrição do percurso também deve ser apresentada, e em qualquer um dos casos, especial atenção deverá ser dada para possíveis interferências de estruturas no desempenho da linha por onde correm os rejeitos (taludes, árvores, travessias, diques, bueiros, acessos, outras tubulações e envoltórios de proteção, etc). Um desenho esquemático da linha de transporte de rejeitos, com início na planta e até o ponto de descarga na barragem, incluindo a rede de acessos de serviço existentes, é bastante elucidativo. Complemento importante é a apresentação de um perfil contendo as cotas do início e do fim da linha, bem como as inclinações dos principais trechos Parâmetros Após a descrição, informações sobre o plano de disposição de rejeitos devem ser fornecidas, uma vez que o operador precisa ter conhecimento dos números envolvidos. Os principais parâmetros operacionais do transporte e disposição dos rejeitos que deverão ser devidamente tratados no MO são: as massas anuais para cada tipo de rejeito gerado, os pontos de descarga dos rejeitos, a vida útil prevista para o empreendimento, os volumes de água liberada após o lançamento no interior do reservatório da barragem, estimativas dos volumes depositados e áreas ocupadas pelos resíduos (curva cota x área x volume), massas produzidas, descargas eventuais para o reservatório, densidades, teores de sólidos, vazões e pressões nas linhas de transporte. Todos esses parâmetros deverão ser relacionados, passando a integrar uma série de pontos de verificação que permitam ao operador avaliar periodicamente o grau de aferição do comportamento real dos rejeitos depositados com o comportamento previsto

117 102 no projeto e, no caso de constatação de desvios, informar ao responsável pelo gerenciamento dos rejeitos. Parâmetros específicos e mais detalhados sobre os rejeitos, como a sua caracterização geotécnica (granulometria, densidade real dos grãos, permeabilidade) e geoquímica (potencial de geração ácida e de lixiviação de metais, propriedades químicas da água contida nos rejeitos), devem ser igualmente disponibilizados, a fim de permitir o acompanhamento do desempenho da barragem e dos rejeitos depositados. Enfatiza-se a necessidade da realização de coletas periódicas de amostras dos rejeitos para análise de suas características, com a finalidade de manter um controle efetivo sobre suas propriedades físicas e químicas e garantir que o plano de disposição esteja em conformidade com o projeto. A densidade real dos grãos deve ser monitorada com especial atenção, conforme será visto no capítulo que trata do monitoramento. Nos casos das barragens que utilizam os próprios rejeitos como material de construção ou de fundação (em estruturas alteadas pelos métodos de linha de centro ou para montante), o monitoramento dos rejeitos deve englobar o acompanhamento contínuo da densidade real dos grãos, dos teores de sólidos presentes, das características granulométricas, das vazões e densidades de polpas, dos parâmetros de permeabilidade e de resistência ao cisalhamento, das propriedades químicas da água liberada, do estado de compacidade dos rejeitos depositados e da taxa de alteamento da estrutura. No caso das barragens convencionais, o monitoramento dos rejeitos deve ser efetuado também de forma adequada, pois a variação de alguns desses parâmetros pode vir a afetar a previsão de enchimento do reservatório, afetando, desta forma, a vida útil do empreendimento. Em qualquer situação, sempre que houver alteração no processo de beneficiamento, uma nova campanha de investigação tecnológica dos rejeitos (ensaios geotécnicos ou não) deverá ser realizada, sendo que o próprio MO deverá estabelecer essa periodicidade. As inclinações e as dimensões da praia de rejeitos para diferentes situações da posição do nível d água do reservatório, geometria e dimensões dos alteamentos previstos e

118 103 datas de início de implantação e de término de execução e as cotas de crista para os diferentes estágios da barragem, ao longo do seu ciclo de vida, são parâmetros igualmente importantes e que devem ser considerados Procedimentos Operacionais Os procedimentos operacionais envolvidos no transporte e na disposição de rejeitos são considerados essenciais, pois, a partir da saída dos rejeitos da planta de beneficiamento, é que se dá início às ações do operador, mediante a condução controlada dos rejeitos até o local previsto para a sua disposição. Para que o operador possa executar essa tarefa adequadamente, o MO precisa estabelecer as ações a serem empreendidas. Independentemente da metodologia de disposição dos rejeitos, todo MO requer, no mínimo, o detalhamento dos aspectos fundamentais dos procedimentos de transporte e disposição de rejeitos. O aspecto operacional básico do procedimento de transporte e disposição dos rejeitos é que a operação deve buscar a estabilização desses materiais o mais rápido possível. Para isso, as águas de processo devem ser separadas dos rejeitos o mais rápido posível, para que estes possam se tornar mais densos e, assim, a drenagem (desaguamento) dos rejeitos deve ser buscada como variável de controle operacional do processo. O aumento da densidade dos rejeitos promove o ganho de resistência, melhora a estabilidade do depósito e aumenta a capacidade de suporte na superfície, permitindo que, com o tempo, seja possível efetuar a reabilitação da área. Além desses ganhos, a capacidade de acumulação aumenta com o aumento da densidade do material depositado, o que prolonga a vida útil da barragem de rejeitos (DIR, 1999). Constata-se, portanto, que se torna indispensável que os procedimentos operacionais relativos ao transporte e à disposição dos rejeitos sejam claramente detalhados no MO. Existem diversos métodos de disposição de rejeitos: o método sub-aéreo, o método subaquoso, o dry-stacking, o método de descarga espessada de rejeitos, a secagem cíclica, a co-disposição de rejeitos e estéreis, o side-hill e o in-pit.

119 104 Independentemente do método de disposição, o MO deve apresentar os passos fundamentais à operação, mencionando a posição dos pontos de descarga, o modo como a descarga deverá ocorrer: se com a utilização de um mangote para lançamento em ponto único ou por meio de uma bateria de ciclones ou por vários espigotes espaçados entre si, o posicionamento das tubulações, as regras de acionamento e interrupção da descarga de rejeitos, os requisitos para a formação de praias de rejeitos, a seqüência de lançamento dos rejeitos, o flushing da linha de transporte e os cuidados gerais a serem observados no sistema. Atenção especial deve-se dar ao controle do volume de rejeitos depositados, ao controle da superfície batimétrica e ao monitoramento contínuo das características dos rejeitos. O MO deve fixar a periodicidade de datas para a realização de ensaios nos rejeitos para que se possa certificar a manutenção das características ou detectar eventuais desvios. Neste último caso, estes devem ser prontamente comunicados ao ERO, pela equipe de operação da barragem. O ERO, por sua vez, deverá comunicar a projetista para que os desvios possam ser avaliados e os possíveis impactos mitigados, já que alterações nas características dos rejeitos podem gerar modificações ou adaptações no projeto. Outros procedimentos operacionais associados ao transporte e disposição de rejeitos também podem fazer parte do MO, como os listados a seguir: procedimentos para manobras de fluxos de rejeitos e de água de processo: é comum a existência de diferentes caminhos e linhas de tubulações que conduzem rejeitos ou demais águas do processo até a barragem. Nestes casos, é conveniente criar procedimentos para as ações que envolvem a operação de dispositivos para desvio de fluxo, caixas, tubulações, derivações, válvulas, calhas, canaletas, reservatórios auxiliares, ou mesmo, talvegues naturais, além de comportas; procedimentos para movimentação ou para rotação de tubulações: com o tempo, as tubulações podem sofrer desgaste interno devido à abrasão, ou mesmo, desgastes externos. Portanto, é conveniente criar procedimentos para a rotação

120 105 dessas tubulações a fim de compensar os possíveis desgastes. As realocações ou os reposicionamentos de tubulações, nos casos de alteamentos de barragens ou de alteração de pontos de lançamentos, também devem ser descritos em procedimentos específicos. procedimentos para realização de testes em equipamentos de bombeamento, válvulas, comportas, ou em linhas de distribuição de rejeitos. MAC (2005) sugere procedimentos para resposta caso haja identificação de desvios nas propriedades dos rejeitos previstas em projeto, e também, no caso de haver falhas no sistema de transporte e disposição dos rejeitos. Os procedimentos operacionais, no MO, devem ser apresentados de modo a permitir que o operador exerça o controle das atividades operacionais e atinja os objetivos da operação. ANCOLD (1999) enumera os objetivos que o operador deve atingir: 1. cumprir os requisitos operacionais previstos no MO; 2. controlar a distribuição dos rejeitos a fim de se alcançar a geometria do depósito prevista, mantendo o lago na posição requerida e garantindo que a segregação dos rejeitos na praia não comprometa a integridade estrutural do depósito; 3. controlar os ciclos de deposição de rejeitos a fim de garantir a sua secagem e o seu recalque conforme projetado; 4. controlar o nível e o posicionamento do lago a fim de preservar a borda livre de projeto, não permitindo galgamentos; 5. controlar concentrações, fluxos e vazões de água no interior do reservatório para não permitir danos; 6. controlar o acesso de pessoas, restringindo a entrada apenas aos operadores, membros do gerenciamento dos rejeitos e àqueles com autorização especial; 7. recircular o máximo possível de água e somente permitir a descarga em conformidade com o projeto; 8. manter as águas não contaminadas separadas das águas que entraram em contato com os rejeitos ou com o processo;

121 controlar a geração de partículas sólidas em suspensão nos períodos de ventos fortes, maximizar as praias úmidas e controlar o tráfego na área. 6.6 Gerenciamento das Águas no Reservatório Descrição O manejo das águas no interior do reservatório deve ser bem conhecido pelo operador, pelos motivos que serão expostos a seguir, devendo o MO discorrer detalhadamente sobre este tema. Enfatiza-se que trabalhos desenvolvidos por ICOLD e UNEP (2001) apontam que as duas maiores causas de rupturas em barragens de rejeitos ativas estão associadas a falhas na estabilidade de seus taludes ou a galgamentos, nesta ordem. De modo semelhante, Rico, Benito, Salgueiro, Díez-Herrero e Pereira (2007) concluíram, em seus estudos, tanto para um banco de dados que envolvia apenas estruturas localizadas na Europa, quanto para um outro conjunto amostral de estruturas espalhadas pelo mundo, que o maior número de falhas em barragens de rejeitos está associado a eventos provocados por causas meteorológicas e, portanto, relacionadas ao gerenciamento de águas no reservatório. Assim, o trânsito de cheias pelo reservatório da barragem deverá ser descrito de modo simples e objetivo, porém com o rigor que lhe cabe, a fim de se identificar os aspectos essenciais e indispensáveis ao conhecimento do operador. O balanço hídrico deve ser igualmente apresentado. Uma barragem de rejeitos deve acomodar, com segurança, todos os ganhos e perdas submetidos a seu reservatório. Estes ganhos são representados pela água e os sólidos que compõem a polpa de rejeitos, toda a precipitação direta somada ao runoff da bacia de contribuição e toda a água descartada pela operação da planta e utilizada em processos de limpeza, ao passo que as perdas são dadas pela água liberada dos rejeitos, a água que sai pelos extravasores, a evaporação e a água percolada (DPI, 2004).

122 107 Os depósitos em fundos de vale requerem maior atenção e cuidados, por parte dos operadores, em relação ao trânsito de cheias. DPI (2004) identifica dois tipos básicos de depósitos de rejeitos, situados dentro e fora dos vales. O primeiro tipo apresenta a necessidade de se desviar constantemente todo o fluxo mediante a utilização, na maioria das vezes, por meio de extravasores de grande porte, enquanto que o segundo apresenta a vantagem de ser uma operação mais simples. A descrição deverá abordar as áreas a montante do reservatório (vegetação, estruturas existentes), as características dos contribuintes laterais, vazões medidas, geometria do reservatório (morfologia, topografia) e dados sobre o carreamento de sedimentos dessas áreas. Um diagrama hídrico contendo as bacias hidrográficas envolvidas, o sentido dos fluxos e todos os barramentos e reservatórios associados é bem elucidativo Parâmetros do Gerenciamento das Águas no Reservatório Os principais parâmetros operacionais associados ao gerenciamento das águas no reservatório da barragem são: tamanho da bacia hidrográfica de contribuição e suas características, tempo de recorrência associado à estrutura extravasora, suas dimensões e geometria, diferença de cota entre a soleira do extravasor e a crista da barragem durante a operação normal do lago (borda livre operacional), diferença de cotas entre o nível d água máximo maximorum durante a cheia de projeto (borda livre mínima), vazão de restituição a jusante prevista na outorga, vazão de bombeamento da água recirculada dos rejeitos, vazão de água nova captada, volume útil para a manutenção da vazão de captação, taxa de assoreamento do reservatório prevista em projeto e vazões dos contribuintes laterais. Dentre estes, há que considerar também as vazões que transitam de extravasores auxiliares de baias e de diques internos do reservatório e de bueiros de acessos de serviço, assim como de canais diversos, dotados de bueiros, sub-bacias desviadas, vazões de canais, de sifões e do sistema extravasor, além de curvas de acumulação de água, levantamentos topo-batimétricos e níveis d água em pontos diversos.

123 Procedimentos para Gerenciamento das Águas no Reservatório Os seguintes procedimentos são considerados fundamentais: 1. operação de dispositivos extravasores com stop-logs: algumas estruturas extravasoras do tipo tulipa ou torres requerem a colocação de stop-logs a fim de não permitirem a passagem de sólidos ou a manutenção de uma lâmina mínima de água no lago para controle da qualidade do efluente descartado. Os cuidados especiais com a segurança de pessoas devem ser destacados. Também é comum a desativação de tulipas ou torres. As ações que envolvem operação ou a desativação de extravasores requerem procedimentos específicos. 2. Recuperação de água do reservatório de rejeitos: o balanço hídrico do reservatório, estabelecido no projeto, deve ser respeitado. É conveniente que as ações que envolvam a captação, o bombeamento e o transporte da água do reservatório estejam descritas em um procedimento específico. Sendo assim, deve haver controle do bombeamento para que as vazões outorgadas não sejam excedidas e as vazões residuais previstas na legislação sejam garantidas. De acordo com a portaria IGAM número 010 (IGAM, 1998) que regulamenta o processo de outorga de direito de uso de águas no estado de Minas Gerais, tem-se a seguinte prescrição: fixa em 30% da Q 7,10 (vazão mínima de sete dias de duração e dez anos de recorrência) o limite máximo de derivações consuntivas a serem outorgadas na porção da bacia hidrográfica limitada por cada seção considerada, em condições naturais, ficando garantida a jusante de cada derivação, fluxos residuais mínimos equivalentes a 70% da Q 7,10. Portanto, há limites que devem ser observados e respeitados e o MO deve considerá-los. Vale observar que o limite da outorga poderá ser superior a 30% da Q 7,10 (IGAM, 1999), caso o curso d água seja regularizado pelo interessado ou por outros usuários e este potencial de regularização seja utilizado, mantendo-se garantida uma vazão residual de 70% da Q 7,10 para jusante. O MO deve especificar, além das ações operacionais, as

124 109 vazões envolvidas na recuperação de água para que os operadores possam garantir o atendimento às demandas da planta por água e, ao mesmo tempo, respeitar os requisitos previstos na legislação ambiental vigente. Atenção especial deverá ser destinada ao controle do volume útil de água no caso de bombeamento de vazões regularizadas no reservatório de rejeitos. Reduções no volume útil podem afetar as vazões a serem bombeadas e o processo de beneficiamento. 3. Controle do trânsito de cheias pelo reservatório: talvez este seja um dos mais complexos itens de operação em uma barragem de rejeitos. Quanto mais complexo o sistema de disposição, mais sub-áreas ou sub-bacias existentes, maior deverá ser a preocupação em relação à operação e maior o grau de detalhamento deste procedimento no MO. O controle do trânsito de cheias implica exercer controle sobre as vazões afluentes e efluentes, a evaporação, infiltração, o runoff (balanço hídrico), o nível dos rejeitos depositados, a posição e nível do lago, a borda livre, a praia de rejeitos e os extravasores. Observa-se que o procedimento de controle do trânsito de cheias pelo reservatório está associado ao procedimento de transporte e lançamento de rejeitos. Portanto, o MO deverá descrevê-los de modo que o operador compreenda que a execução inadequada de ações pertencentes ao primeiro procedimento pode vir a impactar a execução de ações do segundo procedimento, e vice-versa, gerando situações indesejáveis que podem alterar o estado de segurança da estrutura. 6.7 Controle Ambiental Descrição Este item está relacionado tanto aos procedimentos de controle ambiental da fase operacional, quanto aos da fase de descomissionamento ou de desativação. Este trabalho defende a estratégia filosófica do gerenciamento de rejeitos planejamento, projeto,

125 110 implantação e operação das barragens de rejeitos com foco na preservação ambiental e na desativação das estruturas. Existem custos envolvidos na atividade de disposição de rejeitos ambientalmente correta que podem ser administrados em favor do meio ambiente e, ao mesmo tempo, de modo racional para o proprietário de barragem de rejeitos, gerando a satisfação da coletividade. Os custos também podem ser administrados de modo ineficiente, o que provocaria enormes dispêndios no momento da desativação de uma barragem de rejeitos e em insatisfações da comunidade durante toda a sua vida útil. Esses custos podem ser de curto prazo, como os custos de investigações geotécnicas, projeto, construção, operação, manutenção e monitoramento, assim como podem ser de longo prazo, como os serviços de reabilitação das áreas degradadas pela mineração, tratamento de percolados, poluição das águas subterrâneas, gerenciamento de locais contaminados, limpeza e reparos e monitoramentos de descargas de barragens rompidas, construção de coberturas, enfim, uma série de questões associadas ao gerenciamento pobre das práticas de disposição de rejeitos (DPI, 2006). Não é interessante para a mineração a adoção de uma conduta baseada em um gerenciamento inadequado ou na geração de custos imprevistos com reabilitações de áreas degradadas ao final da vida da barragem de rejeitos. As medidas de reabilitação devem ser implantadas desde o princípio, desde a construção de uma barragem de rejeitos, para que o ambiente possa ser adequadamente preservado e, ao final do processo, não haja custos imprevistos e exagerados com ações de reparo ambiental. Mediante a aplicação de uma conduta de respeito ao ambiente, que considere todo o horizonte de existência da barragem de rejeitos (e não somente a sua vida útil), acredita-se que as obrigações e responsabilidades da empresa mineradora podem ser sistematicamente realizadas e diluídas no tempo, tanto no que se refere à efetivação das ações de reabilitação, quanto no que se refere aos custos correspondentes. Acredita-se que a adoção dessa conduta, além de minimizar os possíveis impactos financeiros para a reparação de danos ambientais após a desativação de uma barragem

126 111 de rejeitos, contribui para a manutenção de um elevado grau de satisfação de todos os indivíduos envolvidos no processo, tais como os funcionários da mineração, os proprietários, a comunidade, os órgãos ambientais, os municípios e as demais partes interessadas, uma vez que a atividade mineral terá atingido o seu objetivo: produzir e vender minério preservando a qualidade ambiental Parâmetros do Controle Ambiental Os principais parâmetros operacionais do controle dos efluentes e de sedimentos são: vazão e qualidade do efluente descartado a jusante; propriedades químicas das águas percoladas e liberadas pelo sistema extravasor; teor de sólidos em suspensão no ar; concentrações de elementos químicos dissolvidos, áreas degradadas, erosões, descargas de sólidos no ambiente, características locais da fauna e da flora Procedimentos de Controle Ambiental O MO deve assegurar que as ações necessárias à proteção do ambiente sejam implantadas ao longo da fase operacional da barragem de rejeitos. Nesse cenário, existem alguns procedimentos operacionais de controle ambiental que devem ser considerados: captação, tratamento e recuperação de efluentes descartados: é comum a existência de surgências ou de percolações de água contendo contaminantes ou apresentando padrões de qualidade abaixo dos limites estabelecidos na legislação; vazamentos ou descargas de sólidos para jusante da barragem; vertimento de efluentes fora do padrão (drenagem ácida, metais dissolvidos). Independentemente da origem, se de drenos, tapetes, fundação, maciço ou do próprio reservatório, os efluentes de qualquer fonte poluidora somente poderão ser lançados, direta ou indiretamente, nos corpos de água, após o devido tratamento, obedecendo às condições e aos padrões exigidos na legislação em vigor (por exemplo, CERH, 2008).

127 112 Vale destacar que os rejeitos nada mais são do que resíduos sólidos derivados do beneficiamento de diferentes commodities minerais. A NBR (ABNT, 2004), que classifica os resíduos sólidos, define duas classes para esses materiais: os perigosos ou não perigosos. Em termos gerais, os resíduos perigosos são aqueles que podem trazer malefícios à saúde pública, possuindo algum tipo de toxidade, podendo causar doenças, infecções ou mortes. Os resíduos não perigosos são separados em duas categorias: inertes e não inertes. Os resíduos inertes são aqueles que não apresentam concentrações superiores aos padrões de potabilidade da água, podendo apresentar turbidez e até sabor. Os resíduos não inertes são aqueles que podem se solubilizar na presença de água, podem ser inflamáveis e podem se biodegradar. Essa mesma norma também estabelece limites para as concentrações de diferentes espécies químicas (Boscov, 2008). Existem alguns elementos que podem estar presentes nos rejeitos, devido à própria constituição do corpo de minério, ou devido a adições no processo. Na presença de água, alguns elementos podem ser solubilizados e, em função da sua concentração, induzir algum tipo de risco à saúde de pessoas ou ao meio ambiente. DPI (2004) apresenta uma relação de elementos com maior potencial de geração de impactos e que devem ser avaliados com cautela, no que ser refere às suas concentrações e nas condições que serão submetidos, quando presentes na composição química dos rejeitos: antimônio, arsênio, bário, berílio, boro, cádmio, cromo, cobalto, cobre, chumbo, manganês, mercúrio, molibdênio, selênio e sulfetos. O documento recomenda ainda que os processos de mineração que, porventura, resultem em resíduos com presença de sulfetos, sejam avaliados quanto ao potencial de oxidação desses sulfetos, o que poderia resultar em geração ácida. Os operadores de barragens de rejeitos precisam ter conhecimento da composição e da classificação dos rejeitos sob seus cuidados operacionais para que possam empreender os devidos cuidados relativos à observância da legislação e ao meio ambiente em suas operações diárias.

128 113 Portanto, é conveniente que o MO reserve não só um procedimento para as ações a serem empregadas na captação, tratamento e na recuperação de efluentes como também indique os índices permitidos pela legislação, a fim de assegurar ao operador que os descartes de efluentes sejam efetuados portando padrões adequados de qualidade, como se expõe a seguir: recuperação de áreas degradadas: o procedimento deverá estabelecer as ações e planejar o restabelecimento das áreas afetadas, conforme previsto no projeto ou, em caso omisso, de modo a reintegrar ambientalmente as áreas afetadas; utilização de materiais perigosos ou de reagentes: no caso de manuseio de materiais dessas categorias, o MO deve abordar os aspectos necessários à operação segura desses materiais tendo como objetivo maior a proteção a pessoas e ao ambiente; controle de partículas sólidas em suspensão no ar: não são raros os casos de áreas impactadas pela disposição de rejeitos que apresentam algum tipo de particulado sólido em suspensão, logo o MO deverá abordar a questão do controle da poluição do ar de modo a permitir uma operação que minimize os impactos dessa natureza Alteamentos da Barragem Descrição No caso de o projeto da barragem prever alteamentos durante o lançamento de rejeitos, o ciclo de vida da barragem será dividido em etapas. Assim, cada etapa terá uma data de início e fim, conforme o nível de estocagem dos rejeitos no interior do reservatório. A descrição do sequenciamento das etapas deverá ser apresentado no MO, assim como o cronograma de implantação das dessas. Esta descrição deverá ser simples e objetiva e deverá incluir informações sobre a metodologia de construção a ser empregada (para jusante, por linha de centro ou para montante) e sobre os materiais e equipamentos a serem empregados no alteamento.

129 114 Atenção especial deverá ser dada para a descrição do procedimento de lançamento de rejeitos durante o processo de alteamento: posição das tubulações, espigotes, ciclones, manutenção do nível d água do lago dentro dos limites de operação previstos, controle da qualidade da água, trânsito de equipamentos, drenagem superficial de acessos. É fundamental efetuar o controle das poropressões de fundação e do maciço durante a implantação dos alteamentos. No caso de o alteamento requerer modificação na cota da soleira do extravasor operacional, seja pela introdução de stop-logs, seja pela concretagem de tulipa com utilização de nova torre extravasora, ou mesmo da construção de novo vertedouro de superfície, o MO deverá descrever o processo, citar cotas de soleiras, níveis de operação do lago, datas previstas e época do ano. As características da fundação de cada alteamento deverão ser do conhecimento do operador, assim como as dos insumos a serem utilizados como materiais para a sua construção. É fundamental que essas características sejam conhecidas e estejam em conformidade com as especificações técnicas construtivas previstas no projeto, para que a estrutura não venha a sofrer desvios no seu comportamento geotécnico. Da mesma forma, é fundamental manter um efetivo controle de qualidade da obra de alteamento por meio da realização de ensaios de campo para a correta aplicação dos critérios de projeto (para determinação da densidade relativa no caso de necessidade de compactação de rejeitos granulares ciclonados ou lançados por espigotes, bem como determinação do grau de compactação e do desvio de umidade, no caso de alteamentos em solo compactado) Parâmetros do Alteamento da Barragem Os principais parâmetros operacionais, para a implantação dos alteamentos, são: geometria dos alteamentos (larguras de bermas, inclinação de taludes), cotas de crista, materiais empregados, dimensões mínimas da praia durante o alteamento, cotas de soleiras, níveis de operação do lago, poropressões, período para a implantação do

130 115 alteamento, condições das fundações (densidade relativa do material depositado), cronograma do alteamento, volumes de rejeitos envolvidos nos alteamentos, tipos dos materiais de proteção e dimensões dos dispositivos de drenagem superficial Procedimentos do Alteamento da Barragem Os principais procedimentos operacionais envolvidos com as etapas de alteamento da barragem são os seguintes: Avaliação e preparo de fundações para os alteamentos: os alteamentos terão suas fundações lançadas sobre superfícies que poderão ser o próprio rejeito e, neste caso, o MO deve estabelecer critérios para a liberação da área de fundação e dispor sobre os requisitos básicos dos tratamentos dessas superfícies. Implantação dos alteamentos: os requisitos operacionais envolvidos no processo de alteamento devem ser apresentados no MO, instruindo o operador sobre questões essenciais, tais como: áreas de empréstimo, transporte, espalhamento e compactação de aterros em solo ou em rejeitos lançados; execução de filtros verticais, drenos ou tapetes, implantação de proteções superficiais, drenagens superficiais, dispositivos de controle e instrumentação, além dos aspectos relativos aos controles tecnológicos necessários à garantia da qualidade da execução desses trabalhos. O projeto executivo de uma barragem de rejeitos deve apresentar um caderno contendo as especificações técnicas construtivas da obra para permitir a sua execução. Entretanto, podem ocorrer situações em que essas especificações sejam utilizadas apenas pelo construtor da barragem na época de sua implantação ou mesmo que essas especificações apresentem somente aspectos relativos à fase de implantação da barragem e não aqueles relativos a futuros alteamentos. Isto pode ocorrer em função de questões contratuais ou de escopos específicos de serviços. Nesses casos, é fundamental que o MO apresente todos os procedimentos a serem adotados nos casos em que os mesmos não estejam adequada e previamente estabelecidos.

131 116 CAPÍTULO 7 MANUAL DE OPERAÇÃO: PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS DE MANUTENÇÃO 7.1 Princípios da Manutenção das Barragens de Rejeitos O objetivo da manutenção em uma barragem de rejeitos é o de identificar e descrever todos os componentes que, de alguma forma, requerem manutenção preventiva, rotineira e eventual, decorrente de incidentes, bem como os procedimentos que façam com que tais componentes sejam mantidos em conformidade com os critérios previstos, com a legislação vigente e também alinhados com a operação (MAC, 2005). É oportuno mencionar que os componentes da barragem de rejeitos podem ser identificados visualmente e integram as obras civis, mecânicas, elétricas e inclusive as do sistema de instrumentação instalado. A manutenção deve ser estabelecida mediante um plano de manutenção adequado (PM). Os objetivos do PM deverão ser explicitados, assim como a responsabilidade geral pela manutenção da estrutura. Como mencionado previamente, é importante que o plano apresente uma definição clara de papéis e responsabilidades de todo o efetivo envolvidos nas atividades de manutenção. É fundamental que aqueles que irão integrar a equipe de manutenção tenham conhecimento do MO da estrutura. O plano deve permitir a identificação de todos os itens de manutenção, ou seja, deve apresentar a relação completa dos componentes que demandam operação, sua localização, o tipo de manutenção associada que pode ser preventiva, rotineira ou eventual decorrente de incidente ou falha, os equipamentos a serem utilizados e o cronograma de verificação dos equipamentos de rotina e de emergência. A Figura 7.1 apresenta um fluxograma típico do esquema de manutenção de uma barragem de rejeitos (MAC, 2005). Analogamente ao fluxograma de operação, impõese estabelecer a definição da atividade, os parâmetros e os respectivos procedimentos de manutenção. Verificações quanto aos limites operacionais pré-estabelecidos da

132 117 manutenção são conduzidas para que ações corretivas possam ser tomadas no caso de possíveis desvios, procedendo-se aos ajustes que se tornem necessários. Figura 7.1 Fluxograma Típico da Manutenção de uma Barragem de Rejeitos (MAC, 2005) As informações fundamentais e as ações empreendidas são registradas e relatórios sobre a manutenção são produzidos. Há um acompanhamento contínuo da operação e do monitoramento para que se possa compreender o comportamento da estrutura e possibilitar a identificação de alterações no seu padrão. ANCOLD (1999) destaca que o princípio a ser utilizado na priorização das manutenções é o de prestar o atendimento na seguinte ordem: itens que afetam a estrutura da barragem; itens que afetam o ambiente e itens da manutenção rotineira.

133 118 É importante destacar que o plano de manutenção deve prever ações em resposta a situações adversas, as quais podem se estabelecer no caso de incidentes ou falhas que venham a requerer algum tipo de manutenção, ou até mesmo quebras ou danos a equipamentos e estruturas. Observa-se, entretanto, que essas ações em resposta a situações adversas diferem de respostas emergenciais, que são devidamente tratadas nos Planos de Ações Emergenciais. 7.2 Itens e Parâmetros da Manutenção Os itens e parâmetros de manutenção devem ser rigorosamente informados para que possam ser efetivamente gerenciados, compreendendo os seguintes: componentes de sistemas de drenagem superficial, como as canaletas, escadas d água, canais, caixas coletoras e de derivação, bueiros e alas, vertedouros, tulipas e torres; acessos de serviço, taludes, bermas, cristas, vegetação e erosões; chaves, medidores e quadros elétricos, saídas e entradas de drenos e tapetes drenantes; tubulações e bombas; acessos e trilhas. Os parâmetros de manutenção referem-se às espessuras de minerodutos e de tubos de transporte de rejeitos, à posição dessas peças ao longo da linha de transporte, às condições de tubos e bombas, à altura da vegetação, à condição das chaves e quadros elétricos, à situação dos dispositivos de drenagem superficial e das superfícies de taludes, bermas e cristas, assim como às dimensões de erosões e às situações de acessos. Enfatiza-se que este trabalho não apresenta a totalidade dos parâmetros de manutenção pertencentes à atividade de manutenção das barragens de rejeitos, mas uma amostra daqueles denominados essenciais, sendo que outros parâmetros podem e devem ser avaliados caso a caso. 7.3 Manutenção Preventiva É importante que o plano de manutenção da barragem contemple um plano de manutenção preventiva. Neste plano, as ações para implementação de manutenção

134 119 podem ser estabelecidas com base em programações pré-definidas pelos operadores da barragem, elencadas com base na experiência destes ou de necessidades existentes. MAC (2005) sugere também que a manutenção preventiva seja realizada com base em uma priorização decorrente de uma análise de risco e conseqüências. Nesse caso, a análise deve ser realizada previamente e uma lista de prioridade deverá ser produzida ao final. A manutenção preventiva deve ser programada tomando-se como base os históricos dos equipamentos de operação, os custos envolvidos e as condições locais, tudo isso a fim de se otimizar os serviços e evitar custos excessivos e quebras gerando perdas de tempo. 7.4 Manutenção Eventual Este tipo de manutenção decorre de incidentes ou necessidades específicas, podendo também ser chamada de manutenção forçada, uma vez que o incidente pode forçar uma manutenção não planejada, o que pode ocorrer após uma chuva de alta intensidade, por exemplo. Neste caso, a incidência de grandes volumes de água ao interior de uma canaleta pré-fabricada, por exemplo, pode induzir o seu transbordamento e resultar em erosão do terreno local, demandando serviços de manutenção. Desta forma, o MO deve prever rotinas de convocação da equipe de manutenção forçada, procedimentos básicos de segurança, registro e documentação da manutenção realizada e dos planos de ação de manutenção para tais ocorrências, contemplando, inclusive, possíveis substituições de peças, equipamentos ou outras componentes. Caso as condições adversas conduzam a situações que venham a requerer manutenções forçadas em mais de um local ou em diferentes componentes, é importante que o plano de ação de manutenção contenha elementos que permitam que a própria equipe de manutenção possa estabelecer as devidas prioridades. Conforme citado no item anterior, essa escolha poderá ser conduzida por meio da priorização de uma avaliação de risco e de conseqüências (a qual deverá ter sido realizada com antecedência a fim de se definir as prioridades).

135 Registro e Documentação das Informações O Manual de Operação deverá estabelecer o conjunto de informações que deverá ser registradas e arquivadas, assim como daquelas que deverão ser comunicadas. Estes registros de informações incluem, de um modo geral, o diário de obras (ou diários de manutenção, contendo o histórico de serviços realizados incluindo datas, tempo gasto, pessoal mobilizado e equipamentos utilizados, sejam elas preventivas ou rotineiras), solicitações de serviços, memorandos e comunicações, programações de manutenção, modificações e cancelamentos de programações, fotos e relatórios de incidentes, incluindo-se as causas da ocorrência e análises das falhas detectadas. MAC (2005) sugere ainda registros em termos dos relatórios sobre as condições operacionais que demandam manutenções e relatórios sobre observações de atividades de manutenção que exijam maiores esforços, tempo e custos que as previstas e, ainda, relatórios sobre as manutenções eventuais ou forçadas.

136 121 CAPÍTULO 8 MANUAL DE OPERAÇÃO: PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS DO MONITORAMENTO 8.1 Princípios do Monitoramento das Barragens de Rejeitos As falhas em barragens, na maioria das vezes, são precedidas por sinais ou indicações tais como o aparecimento de trincas ou de descargas de águas turvas ou contendo sedimentos. Esses sinais podem ser exteriorizados durante anos e, em certos casos, em períodos muito mais curtos, da ordem de poucas horas. O propósito do monitoramento é identificar esses sinais no comportamento da barragem para que medidas corretivas mitigadoras de riscos possam ser postas em prática antes da ocorrência de conseqüências indesejáveis (CDA, 2007). O monitoramento pode ser entendido, portanto, como o acompanhamento geral e sistemático do comportamento da barragem de rejeitos, tendo como objetivo maior a preservação da sua segurança estrutural e de sua integridade física ao longo do seu ciclo de vida. O monitoramento é efetuado com base nas definições das atividades e na observação e avaliação de seus parâmetros, que podem ser de origem qualitativa ou quantitativa, mas que permitam comparar o comportamento real da estrutura com o previsto e, ao mesmo tempo, possibilitar o estabelecimento de ações de remediação caso haja constatação de desvios. É importante que toda a equipe envolvida na operação da barragem esteja engajada com o monitoramento da estrutura. A compreensão da importância da realização das atribuições de cada colaborador envolvido na equipe técnica do empreendimento, paralelamente à preocupação contínua para com a estrutura, tendo em vista a percepção de anomalias e de condições específicas que possam surgir, é de fundamental relevância para a manutenção da segurança não somente estrutural, mas também da segurança de pessoas e do ambiente.

137 122 A Figura 8.1 apresenta um fluxograma do processo de monitoramento em uma barragem de rejeitos (MAC, 2005). Figura 8.1 Fluxograma Típico do Monitoramento de uma Barragem de Rejeitos Em termos gerais, as atividades de monitoramento da barragem de rejeito envolvem os seguintes objetivos: identificação das condições destoantes e/ou conflitantes com as do desempenho esperado; análise dessas condições, visando o reconhecimento de situações que possam vir a se estabelecer e que possam contribuir para um comportamento indesejado da estrutura;

SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida.

SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida. SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente POLÍCIA Aspectos institucionais do fechamento de barragens de rejeito O papel do órgão ambiental Zuleika S. Chiacchio Torquetti Diretora de Qualidade e Gestão Ambiental

Leia mais

Considerando o contido no Relatório à Diretoria 114/2015/C, que acolhe,

Considerando o contido no Relatório à Diretoria 114/2015/C, que acolhe, Decisão CETESB nº 279 DE 18/11/2015 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 20 nov 2015 Dispõe sobre procedimentos relativos à segurança de barragens de resíduos industriais. A Diretoria Plena da

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NA GESTÃO DE PROJETOS DE BARRAGENS DE REJEITOS

BOAS PRÁTICAS NA GESTÃO DE PROJETOS DE BARRAGENS DE REJEITOS SEMINÁRIO SOBRE A GESTÃO DA SEGURANÇA DE BARRAGENS EM MINERAÇÃO DNPM/IBRAM/SINDIEXTRA/FEAM/CREA-MG BOAS PRÁTICAS NA GESTÃO DE PROJETOS DE BARRAGENS DE REJEITOS ENG. JOAQUIM PIMENTA DE ÁVILA ENG. RICARDO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.334, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010. Estabelece a Política Nacional de Segurança de Barragens destinadas à acumulação de água

Leia mais

14º Congresso Brasileiro de Mineração O Papel do Órgão Ambiental, como Fiscalizador da Aplicação da Nova Legislação

14º Congresso Brasileiro de Mineração O Papel do Órgão Ambiental, como Fiscalizador da Aplicação da Nova Legislação 14º Congresso Brasileiro de Mineração O Papel do Órgão Ambiental, como Fiscalizador da Aplicação da Nova Legislação Rosangela Gurgel Machado Diretora de gestão de Resíduos Deliberação Normativa COPAM n.º

Leia mais

Gestão de Segurança de Barragens de Mineração

Gestão de Segurança de Barragens de Mineração Gestão de Segurança de Barragens de Mineração FIEMG, Novembro 2014 Paulo Franca Tópicos Sistema de gestão conceitos fundamentais Oportunidades/ pontos a serem considerados Tamanho do problema A cada ±30

Leia mais

Núcleo Regional de Minas Gerais: o desafio de se tornar um fórum de discussão sobre barragens

Núcleo Regional de Minas Gerais: o desafio de se tornar um fórum de discussão sobre barragens Núcleo Regional de Minas Gerais: o desafio de se tornar um fórum de discussão sobre barragens Reportagem: CLÁUDIA RODRIGUES BARBOSA Newsletter CBDB - O que diferencia o Núcleo Regional de Minas Gerais

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Requisitos da Legislação Ambiental de Minas Gerais para barragens de rejeitos e resíduos

Requisitos da Legislação Ambiental de Minas Gerais para barragens de rejeitos e resíduos Requisitos da Legislação Ambiental de Minas Gerais para barragens de rejeitos e resíduos Fundação Estadual do Meio Ambiente FEAM Zuleika Stela Chiacchio Torquetti Presidente Novembro, 2014 Contextualização

Leia mais

AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES

AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES M. H. M. Nunes(*), L. M. Castro * Mineração de Alumínio da Votorantim Metais, maura.nunes@vmetais.com.br. RESUMO

Leia mais

PORTARIA Nº 416, DE 03 DE SETEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 416, DE 03 DE SETEMBRO DE 2012 PORTARIA Nº 416, DE 03 DE SETEMBRO DE 2012 Cria o Cadastro Nacional de Barragens de Mineração e dispõe sobre o Plano de Segurança, Revisão Periódica de Segurança e Inspeções Regulares e Especiais de Segurança

Leia mais

Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Fundação Estadual do Meio Ambiente. Inventário Estadual de Barragens do Estado de MINAS GERAIS

Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Fundação Estadual do Meio Ambiente. Inventário Estadual de Barragens do Estado de MINAS GERAIS Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Fundação Estadual do Meio Ambiente Inventário Estadual de Barragens do Estado de MINAS GERAIS Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos

Leia mais

PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCO

PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCO 1. Introdução PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCO Por Edson Haddad Os estudos de análise de risco são considerados como importantes ferramentas de gerenciamento, tanto sob o ponto de vista ambiental, como

Leia mais

TEMA GERAL DO SEMINÀRIO: GESTÃO DA SEGURANÇA DE BARRAGENS DE MINERAÇÂO TEMA ESPECÍFICO: GESTÃO DE RISCOS EM BARRAGENS DE MINERAÇÃO

TEMA GERAL DO SEMINÀRIO: GESTÃO DA SEGURANÇA DE BARRAGENS DE MINERAÇÂO TEMA ESPECÍFICO: GESTÃO DE RISCOS EM BARRAGENS DE MINERAÇÃO TEMA GERAL DO SEMINÀRIO: GESTÃO DA SEGURANÇA DE BARRAGENS DE MINERAÇÂO TEMA ESPECÍFICO: GESTÃO DE RISCOS EM BARRAGENS DE MINERAÇÃO Palestra: Dinésio Franco / DFConsultoria ltda INTRODUÇÃO O título do presente

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS. Lei 12.334/2010. Carlos Motta Nunes. Dam World Conference. Maceió, outubro de 2012

POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS. Lei 12.334/2010. Carlos Motta Nunes. Dam World Conference. Maceió, outubro de 2012 POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS Lei 12.334/2010 Carlos Motta Nunes Dam World Conference Maceió, outubro de 2012 Características da barragem para enquadramento na Lei 12.334/10 I - altura do

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

YK Risk Consultoria em Gestão Empresarial Ltda. Apresentação Institucional v.3 (2014)

YK Risk Consultoria em Gestão Empresarial Ltda. Apresentação Institucional v.3 (2014) YK Risk Consultoria em Gestão Empresarial Ltda. Apresentação Institucional v.3 (2014) Quem somos? Uma empresa com foco na geração de valor com serviços em Gestão de Riscos associados à Sustentabilidade.

Leia mais

IBRAM INSTITUTO BRASILEIRO DE MINERAÇÃO

IBRAM INSTITUTO BRASILEIRO DE MINERAÇÃO IBRAM INSTITUTO BRASILEIRO DE MINERAÇÃO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DE PROCEDIMENTOS DE GESTÃO E SEGURANÇA A DAS BARRAGENS DE REJEITOS Necessidade de uma boa gestão da segurança IBRAM- INSTITUTO BRASILEIRO

Leia mais

CAPÍTULO I DO OBJETIVO E DAS DEFINIÇÕES

CAPÍTULO I DO OBJETIVO E DAS DEFINIÇÕES RESOLUÇÃO N o 143, DE 10 DE JULHO DE 2012. Estabelece critérios gerais de classificação de barragens por categoria de risco, dano potencial associado e pelo seu volume, em atendimento ao art. 7 da Lei

Leia mais

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA REVISÃO DOS DADOS 04 RELAÇÃO DE CARGOS Auxiliar de Montagem Montador Supervisor de Produção Técnico de Programação da Produção Coordenador de Produção IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

Código de Fornecimento Responsável

Código de Fornecimento Responsável Código de Fornecimento Responsável Breve descrição A ArcelorMittal requer de seus fornecedores o cumprimento de padrões mínimos relacionados a saúde e segurança, direitos humanos, ética e meio ambiente.

Leia mais

Política de. Segurança. Informação

Política de. Segurança. Informação Política de Segurança da Informação Diretrizes para a conduta adequada no manuseio, controle e proteção das informações contra a destruição, modificação, divulgação indevida e acessos não autorizados,

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO GESOL Nº 19/2009

RELATÓRIO TÉCNICO GESOL Nº 19/2009 RELATÓRIO TÉCNICO GESOL Nº 19/2009 Assunto: Gestão de barragens de rejeitos e resíduos em empreendimentos industriais e minerários de Minas Gerais. Referência: Resultados obtidos a partir das diretrizes

Leia mais

PORTARIA FEPAM N.º 127/2014.

PORTARIA FEPAM N.º 127/2014. PORTARIA FEPAM N.º 127/2014. Estabelece os critérios e as diretrizes que deverão ser considerados para execução das auditorias ambientais, no Estado do Rio Grande do Sul. O DIRETOR PRESIDENTE da FUNDAÇÃO

Leia mais

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS TRANSQUALIT Transqualit GRIS GERENCIAMENTO DE RISCOS INTRODUÇÃO Organizações de todos os tipos estão cada vez mais preocupadas em atingir e demonstrar um desempenho em termos de gerenciamento dos riscos

Leia mais

Curso de treinamento do PAE

Curso de treinamento do PAE Curso de treinamento do PAE Conteúdo do PAE Maria Teresa Viseu LNEC 1 Curso de Treinamento do PAE > ÍNDICE > Enquadramento legal > Introdução à Lei 12.334 e resoluções relacionadas > Implicações da legislação

Leia mais

Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos

Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos Outubro/2007 PRODIR GESTÃO DA QUALIDADE NO PROCESSO DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS Engº. Fernandes J. dos Santos outubro/07

Leia mais

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam definir termos e conceitos da qualidade. Para tal, pretende-se discutir a relação que se estabelece

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

BARRAGENS DE TERRA E DE ENROCAMENTO AULA 1. Prof. Romero César Gomes - Departamento de Engenharia Civil /UFOP

BARRAGENS DE TERRA E DE ENROCAMENTO AULA 1. Prof. Romero César Gomes - Departamento de Engenharia Civil /UFOP BARRAGENS DE TERRA E DE ENROCAMENTO AULA 1 Prof. Romero César Gomes - Departamento de Engenharia Civil /UFOP Conceitos Gerais As barragens convencionais são estruturas construídas transversalmente aos

Leia mais

Comissionamento de Infraestrutura. Mauro Faccioni Filho, Dr.Engº.

Comissionamento de Infraestrutura. Mauro Faccioni Filho, Dr.Engº. Comissionamento de Infraestrutura Mauro Faccioni Filho, Dr.Engº. Resumo: O comissionamento é basicamente a confirmação de um processo ou processos. No entanto, há uma falta de conhecimento de como ele

Leia mais

I. PROGRAMA GLOBAL DE COMPLIANCE

I. PROGRAMA GLOBAL DE COMPLIANCE POLÍTICA DE COMPLIANCE Revisado em Março de 2013 I. PROGRAMA GLOBAL DE COMPLIANCE A The Warranty Group, Inc. (corporação) e suas empresas subsidiárias têm o compromisso de realizar seus negócios de modo

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DAS BARRAGENS DE CONTENÇÃO DE REJEITOS DE MINERAÇÃO E DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS NO ESTADO DE MINAS GERAIS EM RELAÇÃO AO POTENCIAL DE RISCO

CLASSIFICAÇÃO DAS BARRAGENS DE CONTENÇÃO DE REJEITOS DE MINERAÇÃO E DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS NO ESTADO DE MINAS GERAIS EM RELAÇÃO AO POTENCIAL DE RISCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SANEAMENTO, MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS CLASSIFICAÇÃO DAS BARRAGENS DE CONTENÇÃO DE REJEITOS DE MINERAÇÃO E DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS

Leia mais

MBA em Administração e Qualidade

MBA em Administração e Qualidade MBA em Administração e Qualidade Sistemas ISO 9000 e Auditorias da Qualidade Aula 5 Prof. Wanderson Stael Paris Olá! Confira no vídeo a seguir alguns temas que serão abordados nesta aula. Bons estudos!

Leia mais

Análise da Estabilidade de Sitemas de Disposição Compartilhada de Rejeitos e Estéreis em Cavas Exauridas de Minas

Análise da Estabilidade de Sitemas de Disposição Compartilhada de Rejeitos e Estéreis em Cavas Exauridas de Minas Análise da Estabilidade de Sitemas de Disposição Compartilhada de s e Estéreis em Cavas Exauridas de Minas Aureliano Robson Corgozinho Alves Solosconsult Engenharia, Belo Horizonte, Brasil, aureliano.alves@solosconsult.com.br

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Páginas: 1 de 13 APROVAÇÃO Este Manual de Gestão está aprovado e representa o Sistema de Gestão Integrada implementado na FOX Comércio de Aparas Ltda. Ricardo Militelli Diretor FOX Páginas: 2 de 13 1.

Leia mais

A FISPQ e a Responsabilidade Social das Empresas. Andressa Baldi

A FISPQ e a Responsabilidade Social das Empresas. Andressa Baldi A FISPQ e a Responsabilidade Social das Empresas Andressa Baldi Química de P&D na Weber Saint-Gobain. Bacharel em Química Ambiental, IQ-USP/São Paulo. Mestranda do Curso de Engenharia Civil em Construções

Leia mais

JOANES SILVESTRE DA CRUZ LUIZ PANIAGO NEVES DIFIS/DNPM

JOANES SILVESTRE DA CRUZ LUIZ PANIAGO NEVES DIFIS/DNPM JOANES SILVESTRE DA CRUZ LUIZ PANIAGO NEVES DIFIS/DNPM 1- Lei 12.334/2010 Sumário 2- Resolução CNRH- 143/2012- Classificação das Barragens quanto ao Dano Potencial Associado e Categoria de Risco 3- Portaria

Leia mais

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES Eng. ZULMAR TEIXEIRA Rio, 19/10/2010 PRINCÍPIOS DA GESTÃO MODERNA III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES SUCESSO DO EMPREENDIMENTO ABORDAGEM DE PROCESSO SÉCULO XXI O SÉCULO DO DESAFIO O

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORAÇÃO RADIOLÓGICA AMBIENTAL

PROGRAMA DE MONITORAÇÃO RADIOLÓGICA AMBIENTAL POSIÇÃO REGULATÓRIA 3.01/008:2011 PROGRAMA DE MONITORAÇÃO RADIOLÓGICA AMBIENTAL 1. REQUISITO DA NORMA SOB INTERPRETAÇÃO Esta Posição Regulatória refere se ao requisito da Norma CNEN NN 3.01 Diretrizes

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI)

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI) REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI) ÍNDICE CAPÍTULO 1 DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Introdução...

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DAS INSTALAÇÕES MARÍTIMAS DE PERFURAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DAS INSTALAÇÕES MARÍTIMAS DE PERFURAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DAS INSTALAÇÕES MARÍTIMAS DE PERFURAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL ÍNDICE CAPÍTULO 1 DISPOSIÇÕES GERAIS 1 OBJETIVO...

Leia mais

DOCUMENTOS E REGISTROS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

DOCUMENTOS E REGISTROS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DOCUMENTOS E REGISTROS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 2011 WANDERSON S. PARIS INTRODUÇÃO Não se pretende aqui, reproduzir os conteúdos das normas ou esgotar o tema versado por elas. A ideia é apenas

Leia mais

INAC 2009, Rio de Janeiro, RJ, Brazil.

INAC 2009, Rio de Janeiro, RJ, Brazil. 2009 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2009 Rio de Janeiro,RJ, Brazil, September27 to October 2, 2009 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-03-8 IMPLEMENTAÇÃO

Leia mais

Eleição :: Diretoria do Núcleo Regional de Minas Gerais

Eleição :: Diretoria do Núcleo Regional de Minas Gerais Eleição :: Diretoria do Núcleo Regional de Minas Gerais A eleição da nova Diretoria do Núcleo Regional de Minas Gerais para o triênio 2014 / 2017 ocorreu no dia 26 de junho de 2014, em Belo Horizonte.

Leia mais

- DIMENSIONAMENTO DE VERTEDOUROS -

- DIMENSIONAMENTO DE VERTEDOUROS - V CONGRESSO BRASILEIRO DE MINA A CÉU C U ABERTO ASPECTOS CRÍTICOS DE PROJETO PARA FECHAMENTO DE BARRAGENS DE REJEITOS - DIMENSIONAMENTO DE VERTEDOUROS - MÁRIO CICARELI PINHEIRO Engenheiro Civil, especialidade

Leia mais

A MANUTENÇÃO CENTRADA NA CONFIABILIDADE UMA PRÁTICA CONTEMPORÂNEA

A MANUTENÇÃO CENTRADA NA CONFIABILIDADE UMA PRÁTICA CONTEMPORÂNEA A MANUTENÇÃO CENTRADA NA CONFIABILIDADE UMA PRÁTICA CONTEMPORÂNEA MARCELO JOSÉ SIMONETTI 1 ; ANDERSON LUIZ DE SOUZA 2 ; CLAUDIO ROBERTO LEANDRO 3, ALDIE TRABACHINI 4 ; SANDRA MAUREN ELL 5 ; 1 Professor,

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA QUALIDADE TOTAL E A CERTIFICAÇÃO ISO 9000 NA AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DE BARRAGENS DA CESP

A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA QUALIDADE TOTAL E A CERTIFICAÇÃO ISO 9000 NA AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DE BARRAGENS DA CESP COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS XXVII SEMINÁRIO NACIONAL DE GRANDES BARRAGENS BELÉM PA, 03 A 07 DE JUNHO DE 2007 T101 A02 A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA QUALIDADE TOTAL E A CERTIFICAÇÃO ISO 9000 NA AVALIAÇÃO

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO

NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO DADOS DA INSPEÇÃO Órgão Responsável pelo Estabelecimento Endereço CNAE Inspetor (es) Estabelecimento Contato Numero de Servidores Referências técnicas (Além desta NR)

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) Ao longo dos últimos anos, a Fundação Carlos Alberto Vanzolini vem trabalhando com a Certificação ISO 14000 e, com o atual processo de

Leia mais

RESÍDUOS DA INDÚSTRIA EXTRATIVA O PROCESSO DE LICENCIAMENTO GESTÃO, PROJETO, CONSTRUÇÃO E ENCERRAMENTO DE INSTALAÇÕES DE RESÍDUOS MINEIROS SEMINÁRIO

RESÍDUOS DA INDÚSTRIA EXTRATIVA O PROCESSO DE LICENCIAMENTO GESTÃO, PROJETO, CONSTRUÇÃO E ENCERRAMENTO DE INSTALAÇÕES DE RESÍDUOS MINEIROS SEMINÁRIO GESTÃO, PROJETO, CONSTRUÇÃO E ENCERRAMENTO DE INSTALAÇÕES DE RESÍDUOS MINEIROS SEMINÁRIO RESÍDUOS DA INDÚSTRIA EXTRATIVA O PROCESSO DE LICENCIAMENTO Patrícia Falé patricia.fale@dgeg.pt ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012 Atuação Responsável anos 1992-2012 Programa Atuação Responsável 20 anos do Atuação Responsável no Brasil Requisitos do Sistema de Gestão Associação Brasileira da Indústria Química Associação Brasileira

Leia mais

Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC

Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC ANEXO IV A Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC Diante desta nova regulamentação no setor de Transmissão de Energia Elétrica, os agentes de transmissão devem buscar estratégias para evitar as penalizações

Leia mais

Módulo 4. Conceitos e Princípios de Auditoria

Módulo 4. Conceitos e Princípios de Auditoria Módulo 4 Conceitos e Princípios de Auditoria NBR: ISO 14001:2008 Sistemas da Gestão Ambiental Requisitos com orientações para uso NBR:ISSO 19011: 2002 Diretrizes para auditorias de sistema de gestão da

Leia mais

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Manuel Victor da Silva Baptista (1) Engenheiro Químico com pós-graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental, SENAI-CETSAM,

Leia mais

Guia de Manutenção de Edificações

Guia de Manutenção de Edificações PROJETO DE PESQUISA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE PESQUISA TÍTULO ENTIDADE Abraman Associação Brasileira de Manutenção COMITÊ DE ESTUDOS Comitê de Manutenção Centrada na Confiabilidade COORDENAÇÃO Eng.

Leia mais

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2. A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.000 consultores que se dedicam de forma integral à gestão de riscos

Leia mais

Gestão dos Negócios. Desempenho da Economia. Consumo de Energia Elétrica GWh

Gestão dos Negócios. Desempenho da Economia. Consumo de Energia Elétrica GWh Desempenho da Economia Em 2005, o PIB do Brasil teve crescimento de 2,6 %, segundo estimativas do Banco Central. A taxa de desemprego registrou leve recuo, cedendo de 10,2 % em janeiro/05 para 9,6 % em

Leia mais

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\ ATO DE SANÇÃO N.º 003/2010. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ACAUÃ, ESTADO DO PIAUÍ, no uso de suas atribuições legais, sanciona por meio do presente, o Projeto de Lei do Executivo de N.º 002/2010, Ementa: Dispõe

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 7, de 04 de fevereiro de 2015 D.O.U de 09/02/2015

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 7, de 04 de fevereiro de 2015 D.O.U de 09/02/2015 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 7, de 04 de fevereiro de 2015 D.O.U de 09/02/2015 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE 1. OBJETIVO: Este Termo de Referência têm como objetivo estabelecer diretrizes para elaboração do Plano de Emergência para Transporte de Produtos Perigosos. O plano deverá garantir de imediato, no ato

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE

FERRAMENTAS DA QUALIDADE FERRAMENTAS DA QUALIDADE FEMEA Análise do Modo e Efeito das Falhas Desenvolvido pela Professora Patrícia Roggero 1 Análise do Modo e Efeito das Falhas Desenvolvido pela Professora Patrícia Roggero 2 -

Leia mais

AGENCIA NACIONAL DE ÁGUAS ANA ITAIPU BINACIONAL FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU CURSO SEGURANÇA DE BARRAGENS PLANO DE ENSINO

AGENCIA NACIONAL DE ÁGUAS ANA ITAIPU BINACIONAL FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU CURSO SEGURANÇA DE BARRAGENS PLANO DE ENSINO Versão 12/07/13 AGENCIA NACIONAL DE ÁGUAS ANA ITAIPU BINACIONAL FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU CURSO SEGURANÇA DE BARRAGENS PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: SEGURANÇA DE BARRAGENS Público:

Leia mais

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Fortaleza, 28 de novembro de 2012. Análise de Causa-Raiz É um método utilizado na engenharia, nas investigações de acidentes industriais, nucleares,

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

A P R E S E N T A Ç Ã O

A P R E S E N T A Ç Ã O A P R E S E N T A Ç Ã O O presente documento técnico integra o Estudo de Impacto Ambiental (EIA) referente à Extração de Minério de Ferro, na Fazenda Trindade, no Município de São Mamede no estado da Paraíba,

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

CAPITULO I DO OBJETIVO

CAPITULO I DO OBJETIVO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 144, DE 10 DE JULHO DE 2012 (Publicada no D.O.U em 04/09/2012) Estabelece diretrizes para implementação da Política Nacional

Leia mais

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) São Paulo, 10 de março de 2003.

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) São Paulo, 10 de março de 2003. NORMA ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) São Paulo, 10 de março de 2003. http://www.ibamapr.hpg.ig.com.br/14001iso.htm ii Índice INTRODUÇÃO...3

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005):

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005): Surgimento da ISO 9000 Com o final do conflito, em 1946 representantes de 25 países reuniram-se em Londres e decidiram criar uma nova organização internacional, com o objetivo de "facilitar a coordenação

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS 1 OBJETIVO Revisão 00 fev/2014 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam

Leia mais

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável;

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável; Lei Delegada nº 125, de 25 de janeiro de 2007. (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 26/01/2007) (Retificação Diário do Executivo Minas Gerais 30/01/2007) Dispõe sobre a estrutura orgânica básica

Leia mais

OHSAS-18001:2007 Tradução livre

OHSAS-18001:2007 Tradução livre SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL - REQUISITOS (OCCUPATIONAL HEALTH AND SAFETY MANAGEMENT SYSTEMS - REQUIREMENTS) OHSAS 18001:2007 Diretrizes para o uso desta tradução Este documento

Leia mais

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS Autores: Rita de Cássia Junqueira: Cargo atual: Tecnóloga Sanitarista Formação: Tecnologia Sanitária Universidade de Campinas -

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Laboratório Weinmann Ltda.

CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Laboratório Weinmann Ltda. CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Laboratório Weinmann Ltda. 1 Objetivo Descrever e comunicar os princípios que norteiam o relacionamento do Laboratório Weinmann Ltda. com as suas partes interessadas

Leia mais

REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO

REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO 1 REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO 2 1. CARACTERIZAÇÃO DO SETOR 1.1. Definição do Gerenciamento A definição do gerenciamento pode ser dada sob diversos enfoques, dentre os quais destacamos o texto escrito por

Leia mais

Alinhando ABNT-NBR-ISO/IEC 17799 e 27001 para a Administração Pública -USP

Alinhando ABNT-NBR-ISO/IEC 17799 e 27001 para a Administração Pública -USP Alinhando ABNT-NBR-ISO/IEC 17799 e 27001 para a Administração Pública -USP César Augusto Asciutti Agência USP de Inovação, São Paulo (SP), 3091-2933, asciutti@usp.br Resumo Este artigo apresenta uma breve

Leia mais

BANCO CENTRAL DO BRASIL 2009/2010

BANCO CENTRAL DO BRASIL 2009/2010 BANCO CENTRAL DO BRASIL 2009/2010 CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS E PLANOS DE CONTINGÊNCIA Professor: Hêlbert A Continuidade de Negócios tem como base a Segurança Organizacional e tem por objeto promover a proteção

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa 2 NBR ISO 10005:1997 1 Objetivo 1.1 Esta Norma fornece diretrizes para auxiliar os fornecedores na preparação, análise crítica, aprovação e revisão de planos da qualidade. Ela pode ser utilizada em duas

Leia mais

Management criteria and tools for inoperative iron mines

Management criteria and tools for inoperative iron mines Management criteria and tools for inoperative iron mines Simone Picarelli, Vale S/A, Brazil Alessandro Resende, Vale S/A, Brazil Filipe Silveira, Vale S/A, Brazil Germano Araújo, Vale S/A, Brazil Gersonito

Leia mais

Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada. Política de Gerenciamento de Risco Operacional

Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada. Política de Gerenciamento de Risco Operacional Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada Política de Gerenciamento de Risco Operacional Ratificada pela Reunião de Diretoria de 29 de abril de 2014 1 Introdução

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA EMPRESA FL BRASIL LTDA UM ESTUDO DE CASO

IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA EMPRESA FL BRASIL LTDA UM ESTUDO DE CASO IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA EMPRESA FL BRASIL LTDA UM ESTUDO DE CASO Meny Aparecida da Silva PUC-MG Departamento de Administração de Empresas / Email: meny92@hotmail.com Av. Dom José

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos 2014

Relatório de Gestão de Riscos 2014 Relatório de Gestão de Riscos 2014 2/16 Sumário 1. Introdução... 3 2. Perfil da Instituição... 3 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3.1 Gestão de Risco de Mercado... 5 3.1.1 Instrumentos de monitoramento

Leia mais