Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 16 de Março de 2012 (RA E) 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 16 de Março de 2012 (RA-4901-797-E) 1"

Transcrição

1 Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 16 de Março de 2012 (RA E) 1

2 Conteúdo 1.0 Introdução Escopo Objetivo Fundamentação Requisitos do Sistema de Qualidade Requisitos Gerais do Sistema de Qualidade Planejamento Avançado da Qualidade do Produto (APQP) Reunião de Pré-Fornecimento Entregas de Protótipos de Engenharia Características Especiais Capabilidade do processo e Controles Controle de Sub-Fornecedores Ferramental, Calibradores e Embalagens Retornáveis Pré Produção e Requisito para Peça Piloto Revisão do Processo de Manufatura Processo de Aprovação de Peças de Produção (PPAP) Mudanças em Processos e Produtos Aprovados Re-Qualificação Anual Certificados de Conformidade Diretriz ELV e Requisitos IMDS Revisões de Verificação de Produtos Comprados Identificação e Embalagem do Produto Desempenho de Entregas e Requisitos EDI Planos de Contingência Melhoria Contínua Resolução e Prevenção de Problemas Classificação do Desempenho do Fornecedor Processo 4 Passos Requisitos de Contenção Desvios de Produto ou Processo Recuperação de Custos e Garantia Requisitos de Segurança e Conformidade do Produto Encargos a Fornecedor Responsável por Não Conformidades Retenção de Registros Documentos de Suporte Documentos de Suporte Meritor Documentos de Suporte à Indústria Registros de Revisões Aprovações 18 2 Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 12 de Março de 2012 (RA E)

3 1.0 Introdução 1.1 Escopo Os detalhes estipulados neste manual são os requisitos mínimos mandatórios para fornecedores de produtos e serviços (incluindo Aftermaket).Estes requisitos também se aplicam às fábricas da Meritor fornecedora a outras localidades Meritor. A Meritor está comprometida a fornecer produtos e serviços pontualmente e com qualidade, que atendam às necessidades de seus clientes e requer o mesmo comprometimento de seus fornecedores. A criação de relacionamentos de vantagens mútuas fortalecidos pelo sucesso permanece fundamental para atender as expectativas crescentes dos clientes. 1.2 Objetivo O objetivo deste documento é comunicar os requisitos da Meritor com relação ao Sistema de Gestão da Qualidade às empresas que fornecem produtos e/ou serviços à Meritor. A Meritor requer que seus fornecedores: a) Implementem sistemas e controles apropriados para assegurar a entrega pontual de 100% dos produtos conformes e livre de defeitos. b) Gerenciem instalações, processos, sistemas de qualidade e pessoas para que consistentemente fabriquem produtos e forneçam serviços que atendam as necessidades da Meritor. c) Desenvolvam e implementem um Sistema de Gestão da Qualidade documentado, incluindo um processo de Planejamento Avançado da Qualidade do Produto, de acordo com os requerimentos da ISO/TS e manual do APQP - Planejamento Avançado da Qualidade do Produto do AIAG e Plano de Controle, de modo a garantir que todos os requisitos da Meritor sejam atendidos. d) Forneçam evidências objetivas de que todos os produtos e serviços entregues satisfaçam os requisitos do PAPP (Processo de Aprovação de Peças de Produção) do AIAG, incluindo capabilidade de processo aceitável para características especiais e de controle. e) Utilizem técnicas estatísticas apropriadas para controle e melhoria dos processos em andamento (como estabelecido no manual do SPC - Controle Estatístico do Processo do AIAG). f) Melhorem continuamente através da redução das variações de peça para peça e eliminando desperdícios. g) Conduzam suas operações para assegurar que todos os materiais e produtos fornecidos à Meritor atendam ou excedam às leis e regulamentações ambientais aplicáveis às jurisdições onde os fornecedores tenham negócios. Além disso, os fornecedores são fortemente encorajados a implementar em suas fábricas sistemas ambientais compatíveis com a ISO h) Cumprir todos os estatutos governamentais, regulamentações e padrões relacionados à segurança de veículos automotores ou emissões dentro da região de utilização (por exemplo, Leis e Regulamentos Governamentais, ver site Lei 9503 de 23/09/97 que institui o código de trânsito brasileiro; Resolução do Conselho Nacional de Trânsito de 1998 da Lei 9503 de 23/09/97; Resolução CONAMA de 1984 a 2000). Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 16 de Março de 2012 (RA E) 3

4 i) Atendam aos requisitos da Meritor com relação ao uso, controle e fornecimento de embalagens retornáveis. Os fornecedores são responsáveis por solicitar qualquer documentação específica diretamente à unidade de negócio, sempre que necessário. j) Sejam capazes de receber e enviar transações eletrônicas EDI (por exemplo: receber Liberações, enviar Avisos Avançados de Embarque). 1.3 Fundamentação Os Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor (SQSR) Meritor são baseados nas últimas edições da ISO/TS Estes requisitos são de aspectos legais e integram os Pedidos de Compra da Meritor. Apesar de não alterar ou reduzir nenhum outro requisito do contrato, tem a intenção de apresentar uma explicação concisa de nossas expectativas quanto a qualidade. Este manual se sobrepõe a todos os manuais de requisitos de sistemas de qualidade Meritor anteriormente editados. Uma cópia controlada do manual de Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor (SQSR) está disponível na página do fornecedor Meritor na Internet, no seguinte endereço: 2.0 Requisitos do Sistema de Qualidade 2.1 Requisitos Gerais do Sistema de Qualidade Fornecedores atuais e potenciais da Meritor, devem operar dentro de um sistema abrangente de qualidade. Os fornecedores devem fornecer provas escritas de conformidade e evidências objetivas de certificações por terceira parte da ultima revisão da ISO/TS Certificação ISO 9001 é o primeiro passo para atingir esse objetivo. Fornecedores certificados devem submeter seus certificados de Sistema de Gestão da Qualidade e suas renovações ao departamento de Compras da Meritor em até 10 dias após o recebimento do mesmo. Além disso, os fornecedores são obrigados a notificar imediatamente a Meritor, caso sua entidade certificadora os coloque em "suspensão". Fornecedores que não são certificados ISO/TS devem ter um plano de ação para tornarem-se certificados disponível para revisão da Meritor. Os fornecedores também devem atender aos requisitos especificados nos seguintes Manuais de Referência do AIAG: Planejamento Avançado da Qualidade do Produto (APQP), Processo de Aprovação de Peças de Produção (PPAP), Análise de Modos de Falhas e Efeitos Potencias (FMEA), Análise de Sistemas de Medição (MSA) e Controle Estatístico de Processos (SPC). Requisitos adicionais estão descritos neste manual. A Meritor pode comunicar outros requisitos decorrentes de mudanças em suas necessidades ou de seus clientes. É responsabilidade dos fornecedores da Meritor, tanto atuais como novos, obter e manter atualizado todos os documentos relacionados com a ISO/TS e AIAG (ver 3.2 Documentos de Suporte à Indústria para informações sobre onde adquirir documentações). Comentários e dúvidas relacionados ao manual de Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor devem ser direcionados ao Analista de Qualidade Meritor. 4 Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 12 de Março de 2012 (RA E)

5 2.2 Planejamento Avançado da Qualidade do Produto (APQP) Fornecedores são obrigados a gerar um Plano Avançado da Qualidade do Produto de acordo com o manual de referencia APQP do AIAG e submeter à revisão pela Meritor. Este plano deve incluir, mas não é limitado a: a) Notificação de riscos que afetam a integridade do produto ou planejamento do projeto. b) Implementação de dispositivos a prova de erros (poka-yoke) para obter Defeito Zero. c) Identificação de mudanças necessárias às especificações do produto ou processo. Fornecedores designados como "críticos" pela Meritor serão solicitados a utilizar e submeter o Relatório de Status do APQP para Fornecedor Crítico. Este relatório pretende rastrear o progresso do fornecedor durante o processo de lançamento (ver link para o formulário do Relatório para Fornecedor Crítico em 3.1 Documentos de Suporte Meritor). 2.3 Reunião de Pré-Fornecimento A Reunião de Pré-Fornecimento para fornecedores atuais e potenciais, deve ser feita antes da emissão de uma Ordem de Compra (a menos que seja formalmente dispensado pela Meritor baseado em evidências histórica de sucesso no atendimento aos requisitos da Meritor). Pontos técnicos, de qualidade, fabricação, engenharia, compras, entrega e comerciais devem ser revistos durante esta reunião para dar ao fornecedor uma perfeita compreensão dos requisitos da Meritor. Na maioria das circunstâncias, Compras deve agendar a reunião e incluir os membros das equipes multifuncionais de acordo com as necessidades. Os fornecedores devem atender todos os requisitos acordados durante a Reunião de Pré-Fornecimento como condição de fechamento de negócios. Acordos devem ser documentados nas minutas da Reunião de Pré-Fornecimento e aprovados formalmente com assinatura na Lista de Verificações (Checklist) da Reunião de Pré- Fornecimento do Fornecedor (ver link em 3.1 Documentos de Suporte Meritor). Fornecedores responsáveis por projeto são solicitados a respeitar os padrões de desenho da Engenharia da Meritor, que podem ser obtidos através de solicitação ao comprador responsável. 2.4 Entregas de Protótipos de Engenharia Peças de protótipos de engenharia com documentação evidenciando o atendimento às especificações devem ser entregues pelo fornecedor à Meritor para testes de validação. Cada protótipo ou amostra deve ser claramente etiquetado como tal e acompanhado por relatórios completos de Resultados Dimensionais, Resultado de Teste de Materiais e Resultados de Teste de Desempenho, como descrito no Manual PPAP do AIAG. Instruções específicas além dos requisítos mencionados podem ser acordadas e documentadas pela Meritor através da Reunião de Pré-Fornecimento ou outra documentação formal. 2.5 Características Especiais Características especiais são quaisquer características de produto ou processo que afetem a segurança ou conformidade com leis, montagem, função ou processamento subsequentes do produto. Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 16 de Março de 2012 (RA E) 5

6 De acordos com os requisitos da ISO/TS-16949, as Características Especiais devem ser identificadas e reportadas no DFMEA, PFMEA, Planos de Controle, Fluxogramas de Processo, Instruções de Trabalho e outros documentos associados. Características Especiais designadas pela Meritor são identificadas em desenhos / especificações ou em um documento separado (QCC - Quality Control Characteristics) que faz referência a estas características no desenho / especificação. Os fornecedores são responsáveis por entender a aplicação do seu produto e também por identificar características Especiais. Isto inclui fornecedores de sistemas "black box". Os fornecedores também são responsáveis por assegurar que Características Especiais relevantes sejam, compreendidas e controladas por seus sub-fornecedores. 2.6 Capabilidade do processo e Controles Os fornecedores devem atender aos requisitos de capabilidade do processo como definido nos manuais de referência PPAP e SPC do AIAG, a menos que seja especificado de outra forma pela Meritor. O fornecedor é responsável por assegurar a capabilidade do processo e que os requisitos de controle sejam documentados em seu plano de controle e que os índices de capabilidade sejam atingidos e melhorados durante todo o processo de produção. 2.7 Controle de Sub-Fornecedores Cada fornecedor da Meritor é responsável pelo controle e melhoria contínua de seus fornecedores. Entretanto, a Meritor se reserva o direito de visitar sub-fornecedores. Os fornecedores da Meritor devem exigir que seus fornecedores de serviços ou produtos estejam de acordo com os requisitos especificados neste documento e devem implementar e documentar controles apropriados. 2.8 Ferramental, Calibradores e Embalagens Retornáveis Ferramental de fornecedores (matrizes, gabaritos, moldes, ferramentas especiais) e calibradores devem ser marcados de maneira permanente com um número de série único e com o nome da empresa, de maneira que a propriedade de cada item seja facilmente identificada. Embalagens retornáveis devem ser marcadas de maneira permanente com o nome da empresa proprietária. Para ferramentas de propriedade da Meritor, uma etiqueta de ativo da Meritor pode ser necessária. O fornecedor deve estabelecer procedimentos de manutenção preventiva / preditiva em todo ferramental. Evidências da execução dos procedimentos devem estar disponíveis quando solicitadas. Cronogramas de manutenção preventiva/preditiva e registro do histórico da ferramenta devem ser documentados e disponíveis para revisão. Nenhum ferramental deve ser vendido ou consignado a outra entidade sem a devida notificação e autorização por escrito da Meritor. Nestes casos, ou em caso de relocação de ferramental para outra planta do fornecedor, é responsabilidade do fornecedor contactar a Meritor com relação a eventual necessidade de Re-Submissão de PPAP antes da remoção da ferramenta. 2.9 Pré-produção e Requisitos para Peça Piloto Os fornecedores devem atender aos requisitos de Pré-produção e Requisito para Peça Piloto Meritor. Estes requisitos serão documentados pela Meritor através da Reunião de Pré-Fornecimento ou outro comunicado formal. A documentação necessária (por exemplo: Planos de Controle) deve ser mantida atualizada. 6 Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 12 de Março de 2012 (RA E)

7 Se espera que os fornecedores identifiquem claramente "produção antecipada" ou "peça piloto" para garantir que a planta Meritor que receberá as peças não as misture com peças "normais" de produção. Também se espera que os fornecedores trabalhem junto com o pessoal de Planejamento e Controle de Material da planta da Meritor para minimizar obsolescências desnecessárias. A identificação deve ser feita de acordo com os requisitos da planta da Meritor que receberá as peças e devem ser diferenciadas de etiquetas de entregas de produção normal, a menos que as peças já sejam aprovadas por PPAP. A Identificação do fornecedor, número de peça, nível de engenharia e quantida devem ser claramente marcados na etiqueta da embalagem para assegurar uma fácil separação das embalagens / materiais. Além disso, uma folha de papel de cor forte, com dimensões mínimas de 200 x 250 mm (A5 ou maior) devem ser anexadas em pelo menos dois lados da embalagem ou do material, indicando uma das seguintes marcações: Material de Pré-Produção Peças de Pré-Produção Material Piloto Peças Piloto Os fornecedores que não atendam aos requisitos acima podem ser colocados em Contenção, como descrito na Seção Revisão do Processo de Manufatura Uma revisão sistemática do processo de manufatura do fornecedor pode ser conduzido na planta do fornecedor antes da submissão do PPAP. Este processo pode ser conforme requisito Meritor ou conforme requisito de cliente Meritor (por exemplo: PSO, AUPP/PAPA, Run at Rate) Processo de Aprovação de Peças de Produção (PPAP) Toda entrega de amostras de peças de produção deve estar de acordo com os requisitos do manual de PPAP do AIAG, e conforme definido na reunião de Pré fornecimento. PPAP Nível 3, fornecido eletronicamente, é o nível padrão de entrega, a menos que acordado de maneira diferente com o departamento de Qualidade. Pacotes de PPAP do fornecedor devem incluir, no mínimo, o PSW de todos os componentes (internos e de sub- fornecedores) e podem requerer documentação adicional de acordo com o departamento de Qualidade da Meritor. Os PPAP's devem ser entregues ao departamento de Qualidade da planta usuária e as amostra de peças PPAP deve ser claramente identificada como tal. A aprovação interina ou definitiva de PPAP é necessária antes da remessa de peças de produção à Meritor. Qualquer entrega de peças de produção recebida pela Meritor antes da obtenção desta aprovação será rejeitado. Qualquer excessão deve ser documentada e aprovada em um documento de desvio da Meritor Mudanças em Processos e Produtos Aprovados Fornecedores e sub-fornecedores não devem fazer nenhuma modificação não autorizada ao produto (por exemplo: material, componente, sub-montagem, etc.) ou processo utilizado para produção que tenha o PPAP previamente aprovado pela Meritor. Isto inclui modificações aos Planos de Controle de Processo. Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 16 de Março de 2012 (RA E) 7

8 Os requisitos de notificação e entrega da Meritor estão claramente descritos no manual PPAP do AIAG. O representante de Qualidade da planta usuária da Meritor deve ser notificado das intenções de mudança no produto ou processo antes da implementação de qualquer mudança. O fornecedor deve entregar uma Solicitação do Fornecedor para Mudança de Produto ou Processo (ver link para formulário em 3.1 Documentos de Suporte Meritor) e receber uma autorização por escrito do departamento de Qualidade da planta antes de implementar a mudança. Qualquer mudança desta natureza feita sem a autorização previa por parte da Meritor será não somente uma quebra dos termos e condições do pedido de compra, mas também um sério desacato às práticas comuns do mercado automobilístico. Fornecedores que não respeitem a este requisito serão responsáveis por todas as perdas, danos e responsabilidades atribuídas a qualquer mudança não aprovada realizada pelo fornecedor ou um de seus fornecedores (por exemplo: rejeição de cliente, multas e penalidades por parada de linha de cliente, custos por falhas em campo, despesas de garantia). Além disso, o fornecedor pode não receber novos pedidos até que os pontos em discussão sejam resolvidos Re-Qualificação Anual Exceto em caso de liberação por escrito da Meritor, o fornecedor deve inspecionar e testar anualmente uma amostra de cada produto de fornecimento ativo, para assegurar a conformidade a todos os requisitos especificados pela Meritor (por exemplo: dimensões, materiais e desempenho). Estes requisitos de inspeção devem ser incluídos no plano de controle de produção do fornecedor. Testes de material devem ser realizados por um laboratório qualificado. A documentação da validação anual deve ser arquivada pelo fornecedor e estar disponível quando solicitada pela Meritor. Se uma não conformidade for encontrada durante a validação anual, o fornecedor deve notificar ao departamento de qualidade da planta Meritor usuária imediatamente, para que medidas necessárias possam ser determinadas e implantadas. Sempre que a Meritor tenha que submeter um PPAP a seus clientes, os fornecedores cujas documentação de seus PPAP tenham mais de um ano, podem ser solicitados a re-submeter o PPAP, conforme diretrizes do departamento de Qualidade da planta Meritor usuária Certificados de Conformidade Um certificado de conformidade assinado deve ser mantido em arquivo pelo fornecedor e pode ser requerido para acompanhar cada lote de produtos a ser entregue. O certificado de conformidade deve conter os resultados reais de testes, medições e/ou análises confirmando a conformidade com todos os requisitos especificados. A planta Meritor usuária dará instruções específicas durante a Reunião de Pré-Fornecimento ou através de outra comunicação formal. O fornecedor deve ter um sistema capaz de buscar e submeter o certificado de conformidade requisitado em até 24 horas após solicitação da Meritor Diretriz ELV e Requisitos IMDS A Diretriz Européia para Veículos em Fim de Vida (ELV- End of Life Vehicles) 2000/53EC, que se tornou válida em 21 de Outubro de 2000, impõe regras específicas para materiais utilizados em veículos. Todos os fornecedores da Meritor são responsáveis por assegurar que a Diretriz ELV seja respeitada e têm que informar a Meritor sobre o conteúdo de cada peça através dos IMDS. Para assegurar o atendimento obrigatório à Diretriz ELV ou qualquer outra regulamentação aplicavel 8 Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 12 de Março de 2012 (RA E)

9 sobre substancia, é necessário documentar a composição dos materiais e substâncias de todo o veículo. O IMDS (Sistema Internacional de Dados de Materiais) permite aos OEM s e fornecedores coletar e gerenciar as informações referentes à composição dos materiais e das substâncias de todos os componentes do veículo, de maneira que a Diretriz ELV seja documentada. Os fornecedores da Meritor são obrigados a reportar o conteúdo dos produtos que fornecem à Meritor no IMDS, sob o ID número 2199 do IMDS. Ver os seguintes links para mais informações: Diretriz ELV 2000/53EC: IMDS:http://www.mdsystem.com A responsabilidade recai sobre o fornecedor caso os componentes sendo fornecidos à Meritor não estejam conforme com os requisitos estatutários pertinentes. Todo e qualquer custo incorrido nestas instâncias serão de total responsabilidade do fornecedor e não da Meritor. Informações sobre os requisitos da política ambiental da Meritor e/ou Sistema Internacional de Dados de Materiais (IMDS) podem ser obtidos através de solicitação ao Analista da Qualidade Revisões de Verificação de Produtos Comprados O fornecedor deve permitir à Meritor, ou a um representante de terceira parte ou a nossos clientes, o direito a verificar, nas instalações do fornecedor, que o produto ou produto(s) sub-contratado(s) estão em conformidade com os requisitos especificados. Antes de conduzir estas revisões de verificação, a pessoa da Meritor responsável deve especificar o tipo e o método para a realização das revisões Identificação e Embalagem do Produto Cada container, caixa, rack ou pallet de material enviado à Meritor deve ser identificado de acordo com as instruções da planta Meritor usuária. Requisitos específicos serão identificados e documentados pela Meritor durante a Reunião de Pré-Fornecimento ou através de outro comunicado formal. Etiquetas devem ser colocadas de acordo com os requisitos da planta Meritor usuária. No mínimo a identificação do fornecedor, número de peça, nível de revisão de engenharia, quantidade e número do lote, devem estar legíveis na etiqueta da embalagem das peças, tanto para humanos quanto para leitor de código de barras. Todos os códigos de barras devem ser escaneados pelo fornecedor para certificar-se sobre sua efetiva leitura. A identificação deve permitir a rastreabilidade até os números de lote de matéria prima do fornecedor, assim como os registros de manufatura, inspeção e testes. O fornecedor também deve ser capaz de rastrear o destino de entregas de produtos feitas sob as mesmas condições (mesmo lote de matéria prima, mesma linha de manufatura/lote, etc.). Os fornecedores devem utilizar e enviar material seguindo a prática FIFO - First In/First Out. Lotes sequenciais devem ser identificados na etiqueta da embalagem por código de data ou número de lote. Critérios de identificação relacionados com segurança devem estar de acordo com todas as regulamentações governamentais e requisitos da Meritor. Nenhuma excessão a estes requisitos deve ser permitida, exceto quando autorizado por escrito pela Meritor. Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 16 de Março de 2012 (RA E) 9

10 Os fornecedores devem assegurar que seus produtos sejam transportados de maneira a prevenir danos e ou deteriorações. Os fornecedores devem manter documentos detalhando a embalagem apropriada, nível de limpeza, armazenamento e instruções de entrega de seus produtos. Estas instruções devem estar de acordo com os requisitos da planta Meritor usuária. Para maiores informações, consultar as especificações aplicáveis em: Fornecedores para o Aftermaket devem consultar o Guia de Embalagem e Remessa TP02100 em: Desempenho de Entregas e Requisitos EDI O fornecedor deve prover 100% de conformidade aos requisitos de entregas especificados pela planta Meritor usuária. Custos incorridos pela Meritor devido a uma não-conformidade de entrega causada por um fornecedor será de responsabilidade do fornecedor. Quando solicitado, os fornecedores devem apresentar planos de ação corretiva para entregas não conformes. Para informações adicionais sobre Entregas e requisitos EDI, consultar as especificações aplicáveis em: Planos de Contingência Os fornecedores devem preparar planos de contingência (por exemplo: Interrupção de maquina, falta de pessoal, falha em equipamentos chave, etc) para proteger o fornecimento de produtos para a Meritor no evento de uma emergência, exceto em caso de desastres naturais e infortúnios Melhoria Contínua O fornecedor deve melhorar continuamente a qualidade, a entrega, custos e outros eventuais serviços fornecidos. Para ajudar no atendimento destes requisitos, a Organização do fornecedor deve estabelecer, monitorar, priorizar e agir para atingir os objetivos chaves de desempenho e metas. Os objetivos devem ser estabelecidos com base em (no mínimo) planos de negócios, sistemas de gerenciamento, qualidade de produto, capacitação de processos e metas de satisfação do cliente. As ações tomadas para retornar a níveis anteriores de performance são ações corretivas e não melhoria contínua. A Meritor se reserva o direito de visitar qualquer fornecedor para avaliar os programas de melhoria contínua e práticas de manufatura enxuta, e fazer recomendações para melhorias. Além disso, a Meritor pode alocar pessoal para focar em pontos específicos de melhoria. Na maioria dos casos, a economia gerada por este exercício serão compartilhadas entre a Meritor e o fornecedor Resolução e Prevenção de Problemas O fornecedor deve ter pessoal treinado (preferencialmente certificado) com habilidade para resolver de maneira rápida e permanente problemas de produto e processo usando ferramentas e técnicas de resolução de problemas baseadas em dados. A resolução de problemas deve ser conduzida usando um processo definido e estruturado, como 8D, Seis Sigma - DMAIC (Definir, Medir, Analisar, Melhorar, 10 Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 12 de Março de 2012 (RA E)

11 Controlar) ou qualquer processo que inclua a verificação da causa e a validação da eficiência de ações corretivas. Técnicas baseadas em dados também devem ser utilizadas nas fases de projeto do processo, verificação e validação do processo do APQP e efeito para previnir problemas com produtos e processos novos ou sendo modificados. Estas ferramentas e técnicas baseadas em dados incluem, mas não estão limitadas a: Análise de Modos e Efeitos de Falhas (FMEA), Análise do Sistemas de Medição (MSA), Controle Estatístico de Processos (SPC), Projeto de Experimentos (DOE) e Método Taguchi. Fornecedores responsáveis por projetos de produtos devem utilizar métodos de confiabilidade durante as fases de projeto do produto, verificação e validação do processo do APQP para garantir a robustez e durabilidade do produto para a aplicação desejada ou de acordo com a especificação da Meritor Classificação do Desempenho do Fornecedor Os fornecedores de produtos produtivos da Meritor devem monitorar o seu desempenho mensalmente na página da Meritor na Internet em: Para monitorar o seu desempenho, o fornecedor deve seguir os passos indicados abaixo: 1. Obter um número (DUNS NUMBER). Para obter um DUNS NUMBER, o fornecedor deve se registrar no site da Dunn & Bradstreet, no endereço Este registro não tem custo e deve ser feito por cada fábrica do fornecedor que envie material à Meritor. 2. Começar a entregar produtos produtivos à Meritor. 3. Se cadastrar no site de Classificação do Desempenho do Fornecedor da Meritor. Ao cadastrar uma determinada fábrica no sistema, assegure-se de identificar todas as plantas Meritor usuárias dos produtos daquela fábrica, juntamente com o código do fornecedor que se encontra na ordem de compra de cada planta Meritor. Uma vez finalizado o cadastro, o fornecedor receberá um de confirmação do mesmo e poderá começar a monitorar o seu desempenho mensalmente. Novos dados no sistema são atualizados no dia 15 de cada mês (por exemplo, dados de junho não serão exibidos no sistema antes do dia 15 de julho). O fornecedor deve informar quaisquer erro nos dados para a planta Meritor correspondente, para que os erros possam ser corrigidos. A correção de erros é importante, uma vez que o departamento de Compras utiliza o sistema para determinar viabilidade de novos negócios com o fornecedor. Nos relatórios de desempenho, o objetivo de desempenho do fornecedor para cada divisão da Meritor é anotado. A comparação do desempenho do fornecedor com estes objetivos é um método utilizado por nossas fábricas para determinar se um fornecedor deve ser convidado para uma reunião IQ Meeting, super IQ Meeting ou colocado em quarentena para recebimento de novos pedidos (ver Passos 3 e 4 abaixo). Atingir estes objetivos não libera o fornecedor da responsabilidade de entrega pontual de 100% dos produtos livre de defeitos. Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 16 de Março de 2012 (RA E) 11

12 2.23 Processo 4 Passos A Meritor utiliza o Processo 4 Passos para resolver problemas de desempenho do fornecedor (por exemplo: qualidade, entrega, etc.). Os quatro passos são mostradas no diagrama abaixo: Diagrama 4 Passos Comunicação do Problema e Geração de NMDE Passo 1 Eficácia do Fornecedor na Resolução do Problema Ação Corretiva Não Efetiva Working Meeting Passo 2 Ação Corretiva Não Efetiva Qualidade da Planta IQ Meeting Passo 3 Ação Corretiva Não Efetiva Super IQ Meeting Passo 4 Ação Corretiva Não Efetiva Quarentena para Pedidos de Novos Produtos ou Busca de Novo Fornecedor Qualidade da Divisão NBH Nível de Escalada da Reunião com o Fornecedor Passo 1 - Comunicação do Problema e Geração de NMDE Um relatório de não conformidade NMDE ou Alerta de Qualidade é gerado sempre que uma planta Meritor recebe material ou serviço que não atende às especificações de qualidade e entrega. Em até 24 horas do recebimento do relatório de não conformidade, o fornecedor deve entregar o NMDE ou Alerta de Qualidade para o departamento de Qualidade da Meritor. Como mínimo, deverá descrever as ações imediatas de contenção (incluindo a notificação para todas as plantas Meritor usuárias) que foram implementadas para assegurar que produtos não conforme não sejam enviados à Meritor. Medidas de contenção devem estar de acordo com a Seção 2.24 deste manual. Para não conformidades que tenha um grande impacto (por exemplo: interrupção de entrega, parada de linha, retenção no pátio), um plano de ação é necessario imediatamente após a notificação. O Relatório para Resolução de Problema (NMDE) completo deve ser entregue em até dez (10) dias após o recebimento do relatório de não conformidade, exceto por orientação diferente da Meritor. Custos e encargos incorridos pela Meritor, associados com remessas, manuseio, processamento, retrabalhos, inspeções, verificações de engenharia e substituição de material defeituoso de responsabilidade do fornecedor, incluindo custos de operações realizadas antes da identificação do defeito são de responsabilidade do fornecedor. Passo 2 Working Meeting Uma working meeting é uma atividade realizada pela planta Meritor para discutir problemas específicos de desempenho do fornecedor que não foram resolvidos em tempo satisfatório durante o Passo 1. As working meeting enfocam o desenvolvimento de um plano de ação para prevenir ou eliminar a causa do problema. Se espera que o fornecedor envie atualizações periódicas do plano de ação até que o problema 12 Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 12 de Março de 2012 (RA E)

13 seja resolvido. Passo 3 - IQ Meeting Uma Reunião de IQ Meeting é uma atividade realizada pela planta Meritor para discutir problemas de desempenho do fornecedor que não foram resolvidos em tempo satisfatório durante o Passo 2. O objetivo das reuniões de IQ é identificar, e acordar mutuamente, todas as ações necessárias para a resolução permanente de problemas sistêmicos que levaram ao desempenho não satisfatório do fornecedor. O fornecedor deve comparecer preparado para discutir os seguintes pontos: Resumo dos eventos relacionados com os problemas de desempenho; Relatório com ações sistemicas para Resolução de Problemas; Planos de ação preventiva e status da implementação deste; Plano estratégico de melhorias. Na Reunião de Qualidade IQ Meeting, a Meritor e o fornecedor devem acordar um Critério de saída para o fornecedor do status atual. Planos de ação que ultrapassem 90 dias podem necessitar de justificativa do fornecedor e requerer reuniões para revisão do IQ Meeting. Se espera que o fornecedor envie atualizações periódicas do plano de ação até que o problema seja resolvido. Passo 4 - Super IQ Meeting Uma Reunião Super IQ Meeting é uma atividade realizada pela Corporação, envolvendo a Gerência Executiva da Meritor e do fornecedor. A reunião discute problemas que não foram resolvidos em tempo satisfatório durante o Passo 3. Neste estágio, o fornecedor pode ser proibido de participar de quotações para novos negócios e/ou pode correr o risco de perder os negócios atuais. Fornecedores que não mostrem melhorias em até três meses após a realização da Super IQ Meeting ficam automaticamente suspensos para o recebimento de novos negócios. Os fornecedores suspensos de novos negócios devem ficar dentro das tolerâncias por seis meses consecutivos para serem removidos da suspensão. Os fornecedores serão formalmente notificados pelo comprador da Meritor quando eles forem suspensos ou removidos da suspensão de novos negócios. A Meritor pode solicitar uma auditoria extra do organismo certificador do fornecedor em casos de problemas constantes de desempenho. O custo da auditoria será de responsabilidade do fornecedor Requisitos de Contenção Contenção para Novas Peças de Produção a) A contenção de peças novas de produção inicia com lotes de pre-produção e continua durante os primeiros 90 dias de produção depois da aprovação do PPAP. b) Requisitos de contenção para novas peças de produção serão documentados pelo fornecedor no Plano de Controle de Pré-Produção e devem ser revisados pelo representante de qualidade da planta Meritor usuária antes da fabricação de peças de pré-produção. c) Os fornecedores podem sair da contenção de nova produção se conseguirem obter zero defeitos na contenção de 90 dias após a aprovação do PPAP, exceto por orientação diferente da Meritor. Se forem encontrados defeitos na contenção durante este período, a contagem será reiniciada e outros 90 dias sem defeitos devem ser atingida partindo deste ponto. Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 16 de Março de 2012 (RA E) 13

14 d) Os fornecedores são solicitados a submeter dados de inspeção junto a cada lote enviado para a Meritor, devendo incluir dados de medições variáveis quando aplicável. e) Os fornecedores devem desenvolver planos de ação para resolver modos de falhas não considerados no FMEA ou necessidades de melhorias de capabilidade do processo. Contenção para Peças Não Conformes Os fornecedores devem implementar a Contenção Nível I imediatamente após a notificação da não conformidade pela Meritor. Contenções Nível I devem incluir no mínimo: a) Entrega de um plano de ação documentado para a contenção de todas as peças na cadeia de fornecimento. Isto inclui, mas não se limita a, peças no fornecedor, em trânsito e recebidas pela Meritor. O plano deve incluir uma folha de dados da contenção, PPM por lote, PPM por defeito e um plano de ação para resolver os problemas detectados durante a atividade de contenção. b) Comunicação regular dos resultados da contenção à Meritor. c) Comunicação da maneira pela qual o produto será identificado como qualidade assegurada. d) Suporte na planta da Meritor e, juntamente com o pessoal da Meritor, aos clientes da Meritor se necessário. e) Utilização de um serviço terceirizado de inspeção quando as circunstâncias não permitirem que o fornecedor ofereça uma contenção eficaz e adequada. Fornecedores cujas ações de contenção não foram eficientes podem ser colocados pela Meritor em Contenção Nível II. O Nível II inclui todos os pontos do Nível I e ainda uma inspeção por uma empresa terceirizada aprovada pela Meritor. Esta empresa especializada será contratada e paga pelo fornecedor. Baseado na seriedade do problema, a Meritor pode determinar que o fornecedor vá diretamente para Contenção Nível II. O fornecedor deve permanecer em contenção (seja Nível I ou Nível II) até que uma ação permanente tenha sido implementada e sua eficiência tenha sido validada. Os fornecedores podem sair da contenção Nível I ou do Nível II quando os seguintes critérios tenham sido atingidos: a) Nenhum defeito foi encontrado durante os 30 dias de produção sob contenção, exceto por orientação diferente da Meritor. Se forem encontrados defeitos na contenção durante este período, a contagem será re-iniciada e outros 30 dias sem defeitos devem ser contados. b) Um Relatório para Resolução de Problema (8D), com suporte de evidências, foi entregue à planta usuária da Meritor e um fechamento tenha sido acordado. Os fornecedores devem aceitar todos os custos e gastos incorridos pela Meritor que estejam associados com as atividades de contenção, como entregas, manuseio, processamento, retrabalhos, inspeções e substituição de material defeituoso, incluindo custos de operações realizadas antes da identificação da não conformidade, assim como custos de inspeções contratadas de terceiros Desvios de Produto ou Processo É política da Meritor não aceitar produtos que não atendam aos requisitos dos desenhos ou especificações aplicáveis. Solicitações de desvios para produtos não conformes devem ser entregues a planta Meritor usuária para revisão e aprovação, e para obtenção da aprovação pelo cliente da Meritor quando necessário, antes de remessas. Desvios devem ser aprovados somente por um determinado período ou quantidade de peças. Nenhum desvio permanente será permitido. 14 Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 12 de Março de 2012 (RA E)

15 Uma solicitação de desvio deve estar acompanhada de um Relatório para Resolução de Problema (ver 3.1 Documentos de Suporte Meritor para o link do relatório (8D)). Este relatório deve incluir a identificação de um ponto claro onde os produtos estejam conformes e a maneira como os produtos serão identificados, incluindo como será mantida a rastreabilidade Recuperação de Custos e Garantia Os requisitos para recuperação de custos e garantia são identificados no Pedido de Compra da Meritor. A Meritor pode identificar outros requisitos específicos de garantia durante a Reunião de Pré-Fornecimento. Em alguns casos, um acordo de garantia compartilhada pode ser solicitado por Compras e/ou Unidade de Negócios Requisitos de Segurança e Conformidade do Produto Notificação Avançada de Possíveis Não Conformidades Relacionadas com Segurança: O fornecedor deve notificar a Meritor o mais rápido possível após a identificação de uma não conformidade relacionada ao funcionamento do produto que proporcione riscos de morte, ferimentos ou danos a propriedades, causados pelo projeto, construção ou funcionamento do produto. Esta notificação deve ser feita por escrito. A Meritor e o fornecedor trabalharão juntos utilizando o processo de Segurança e Regulamentação do Produto (PSAC) da Meritor para a identificação da causa da não conformidade e o desenvolvimento de um plano para sua imediata resolução. Atendimento às Regulamentações: O fornecedor deve estar ciente de todos os estatutos, regulamentações e normas governamentais aplicáveis que se relacionem com a segurança de veículos automotores na região onde será utilizado (por exemplo, Leis e Regulamentos Governamentais, ver site Lei 9503 de 23/09/97 que institui o código de trânsito brasileiro; Resolução do Conselho Nacional de Trânsito de 1998 da Lei 9503 de 23/09/97; Resolução CONAMA de 1984 a 2000). Notificação Regulamentária: O fornecedor deve entregar a Meritor cópias de quaisquer dados, materiais ou informações enviados à entidades governamentais que estejam relacionadas aos produtos fornecidos à Meritor, incluindo quaisquer dados de testes, manufatura, desempenho ou garantia. O fornecedor deve entregar esta informação em até 10 dias úteis da data de entrega à entidade do governo. NOTA : O fornecedor deve notificar imediatamente à Meritor se foi entregue ao governo informação relacionada a recall de produtos que sao idênticos ou muito similares, independente se este recall foi voluntário ou determinado pelo governo Encargos a Fornecedor Responsável por Não Conformidades Encargos apropriados podem ser impostos pela planta Meritor usuária nos seguintes casos: a) Relatórios de Não Conformidade (por exemplo: NMDE ou Alerta de Qualidade) ou Serviço Não Conforme. b) Requisição de Desvio para Produto Não Conforme. c) Rejeição de entrega de PPAP, entrega ou remessa de produto não aprovado. d) Falhas na entrega (além de todos os outros custos incorridos pela Meritor associados com a falha). Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 16 de Março de 2012 (RA E) 15

16 Um fornecedor que causar uma parada na linha da Meritor pode ser solicitado a ressarcir à Meritor todos os custos de parada da linha, assim como qualquer custo imposto pela OEM. Se o fornecedor acreditar que encargos administrativos tenham sido injustamente cobrados, o representante de Compras deve ser procurado para iniciar um processo de questionamento para o caso. Nota: Questionamentos sobre não conformidades reais devem ser feitos através do representante de Qualidade da planta Retenção de Registros Os fornecedores devem manter os pacotes do Processo de Aprovação de Peças de Produção (PPAP), registros de inpeção de layout e validação anual, registros de ferramentas, registros de rastreabilidade, registros de engenharia, ordens de compra pelo período em que a peça (ou família de peças) esteja ativa em produção acrescido de um ano, ou por um período mínimo de 10 anos, o que for mais longo, exceto quando orientado de outra forma pela Meritor. Registros de Ações Corretivas devem ser mantidos por 5 anos. Registros de Qualidade devem ser mantidos por 10 anos. Os tempos acima são considerados mínimos. Todos os tempos de arquivamento devem estar de acordo ou exceder os requisitos acima e qualquer outro requisito governamental. 3.0 Documentos de Suporte 3.1 Documentos de Suporte Meritor Para estes e outros documentos de suporte da Meritor, consultar o item apropriado no link abaixo: Abreviações e Definições Relatório de Andamento do APQP para Fornecedor Crítico Relatório para Resolução de Problema (8D) - Impresso específico disponibilizado pela Meritor, Osasco Lista de Verificações (Checklist) da Reunião de Pré-Fornecimento com o Fornecedor Solicitação do Fornecedor para Mudança de Produto ou Processo - Impresso específico disponibilizado pela Meritor, Osasco 3.2 Documentos de Suporte à Indústria Os documentos a seguir estão disponíveis através do Grupo de Ação da Indústria Automobilística (AIAG). Estes documentos contêm informações que são obrigatórias para os fornecedores da Meritor. Requisitos do Sistema de Qualidade ISO/TS Processo de Aprovação de Peças de Produção (PPAP) Planejamento Avançado da Qualidade do Produto e Plano de Controle (APQP) Análise de Modos de Falhas e Efeitos Potencias (FMEA) Análise de Sistemas de Medição (MSA) Controle Estatístico de Processos (SPC) 16 Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 12 de Março de 2012 (RA E)

17 Estes documentos podem ser adquiridos na seguinte localidade: Brasil IQA - Instituto de Qualidade Automotiva Alameda dos Aicás, 95 Indianópolis, São Paulo Brasil CEP Telefone / Fax: Registros e Aprovações de Revisões Revisão No. Data Modificação 5 18 de Outubro de 2004 Atualizado, esclarecido e reordenado todo o documento e adicionadas referências da ISO/TS (atualizações anotadas em azul). Adicionadas as seguintes seções: 2.9 Requisitos de Produção Antecipada e Peça Piloto, 2.15 Diretriz ELV e Requisitos IMDS Europeus; 2.19 Planos de Contingência; 2.20 Melhoria Contínua; 2.21 Resolução e Prevenção de Problemas do Fornecedor; 2.22 Classificação de Desempenho do Fornecedor (SPR); 2.27 Requisitos de Segurança e Regulamentação do Produto; 2.29 Arquivo de Registro; 2.30 Pontuações (Scorecards) de Fornecedor Chave; 2.31 Requisitos para Fornecedores Minoritários; and 2.32 Relatórios de Compras de Tier II Minoritários. Também liberado um Relatório de Resolução de Problema (8D/NMDE) e Relatório de Andamento do APQP para Fornecedor Crítico como documentos de suporte. Atualizado a Lista de Verificações (Checklist) da Reunião de Pré- Fornecimento com o fornecedor, atualizadas Abreviações e Definições: ambos se tornaram documentos de suporte. Adicionado Diagrama de 4 Passos do Fornecedor. Revisada folha de aprovações para refletir as mudanças organizacionais de Março de 2012 Alterado o nome da empresa de ArvinMeritor para Meritor. Alterado o requisito de tempo de resposta à não conformidade de 30 dias para 10 dias. Motivo: Compatibilizar com o requisito das OEM (ver item 2.23) Alterado os links dos Documentos de Suporte Meritor. Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 16 de Março de 2012 (RA E) 17

18 4.1 Revisado pela equipe de Qualidade e Compras da Meritor, Osasco, Brasil: Rafael Souza 16 de Março de 2012 Gerente de Compras Data da Aprovação Dimmer Diferro 16 de Março de 2012 Gerente de Qualidade Data da Aprovação 18 Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 12 de Março de 2012 (RA E)

19

REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo

REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo 1. Objetivo Este documento tem por objetivo comunicar os requisitos mínimos a todos os fornecedores de componentes, matérias

Leia mais

Manual da Qualidade Fornecedores 2007

Manual da Qualidade Fornecedores 2007 Manual da Qualidade Fornecedores 2007 www.metalurgicanunes.com.br 2 ÍNDICE 01 Introdução. 3 02 Filosofia da Qualidade 3 03 Políticas da Metalúrgica Nunes 4 04 Requisitos de Qualidade para fornecimento

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

Manual da Qualidade para Fornecedores

Manual da Qualidade para Fornecedores Manual da Qualidade para Fornecedores Elaborado por: Indústrias Romi S.A. Departamento de Suprimentos Santa Bárbara d'oeste - SP 09 de Fevereiro de 2009 Edição C N.O.: 26-02 1 0019.C 2 SUMÁRIO GLOSSÁRIO...

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES Requisitos e diretrizes para o sistema de gestão da qualidade e ambiental Página 1 de 9 1. REQUISITOS ESPECÍFICOS... 3 1.1 Objetivo... 3 1.2 Geral... 3 1.3 Documentos

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL Publicado:Fevereiro 2012 ESCLARECIMENTO REFERENTE À ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ISO/TS 16949:2009 APLICÁVEL A MHBR BRASIL LTDA 1-Generalidade Este anexo da Qualidade

Leia mais

Manual da Qualidade e Desenvolvimento de Fornecedores Dana Holding Corporation LLC

Manual da Qualidade e Desenvolvimento de Fornecedores Dana Holding Corporation LLC Manual da Qualidade e Desenvolvimento de Fornecedores Dana Holding Corporation LLC Supplier Development Dana Holding Corporation LLC Agosto 2012 SUMÁRIO i. INTRODUÇÃO... 4 ii. CONDUTA EMPRESARIAL... 5

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores Este Manual é de propriedade da Martiaço Indústria Ltda. Sem autorização não pode ser distribuído ou copiado. SUMÁRIO 1. A EMPRESA... 3 2. OBJETIVO... 4

Leia mais

Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP.

Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP. Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP. FMEA, ISO/TS, APQP, PPAP Pretendemos, neste módulo, mostrar todas as ligações e vínculos existentes entre a ferramenta do

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT Betim, 25 de Março de 2011 CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT Atualiza e substitui, a partir de 11/04/2011, a CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA Agosto de 2009 Revisão 05 INDICE 1. Apresentação... 03 2. Política da Qualidade e Ambiental da Sultécnica... 03 3. Expectativa para Fornecedores...

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF.

CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF. Três Corações, 12 de janeiro de 2015. CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF. 01/2015 Este documento pode ser utilizado

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR METALÚRGICA KNIF LTDA Junho/2013 1 REGISTRO DAS MODIFICAÇÕES REVISÃO DATA MOTIVO 00 02/04/09 Emissão do documento 01 05/08/09 Modificação dos itens 5.5 e 7.5 02 27/07/10

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Gestão da Qualidade TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Interpretação / Implantação da ISO 9001:2008 Compreender a filosofia

Leia mais

www.megacursos.com.br O QUE É ISO?

www.megacursos.com.br O QUE É ISO? 1 O QUE É ISO? ISO significa International Organization for Standardization (Organização Internacional de Normalização), seu objetivo é promover o desenvolvimento de normas, testes e certificação, com

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO Página: 1/15 MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO Página: 2/15 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 5 1.1 Missão da empresa... 5 1.2 Política da Qualidade e Ambiental...5 1.3 Glossário... 6 2. DISPOSIÇÕES GERAIS...

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Betim, 30 de Março de 2015 CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Esta carta atualiza e substitui, a partir de 15/04/2015, a CARTA DE REQUISITOS

Leia mais

MANUAL DA GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DA GESTÃO DA QUALIDADE Seção 1 Introdução / Escopo do Sistema de Gestão da Qualidade Seção 1 Introdução / Escopo do Sistema de Gestão da Qualidade Na busca contínua da melhoria da Qualidade, a SMIDDA preparou e aprovou este

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

M A N U A L DA Q U A L I D A D E D O F O R N E C E D O R

M A N U A L DA Q U A L I D A D E D O F O R N E C E D O R M A N U A L DA Q U A L I D A D E D O F O R N E C E D O R Sem controle após a impressão SUMÁRIO 1. Objetivo Webdesk\Manual da Qualidade\Subsistema I Logística Pág. - 1 - de 23 2. Responsabilidade do Fornecedor

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Requisitos e diretrizes para o Sistema de Gestão da Qualidade e Meio Ambiente, conforme padrões definidos pelas normas NBR ISO 9001:2008, NBR ISO 14001:2004 e pela

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8

REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8 REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Aplicação... 3 4. Documentos de Referência... 3 5. Sistema de Gestão... 3 6. Requisitos Gerais... 4 7. Requisitos Automotivos...

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva Joel Alves da Silva, Diretor Técnico JAS-METRO Soluções e Treinamentos

Leia mais

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA METALÚRGICA NAKAYONE LTDA Manual de Instruções Para Fornecedores Revisão Maio/2010 Código Capítulo CONTROLE DE REVISÃO Índice Pág. De M.DIR. 02-01 Instruções Preliminares 01 50 M.DIR. 02-02 Premissa 02

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR MANUAL DO FORNECEDOR OBJETIVOS A FlexLink exige que todos os fornecedores desenvolvam sistemas com base nos Padrões Internacionais (ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS18001) tendo como objetivo a melhoria contínua

Leia mais

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL 1. Prefácio 1.1 Dados gerais O presente acordo de qualidade assegurada (QSV) define as exigências de qualidade para os fornecedores da REHAU. Assim, o acordo de qualidade assegurada REHAU QSV é a norma

Leia mais

Haldex. Manual do Fornecedor. Sistemas de Tração. Sistemas Hidráulicos. Sistemas para Veículos Comerciais. Arames Garphyttan

Haldex. Manual do Fornecedor. Sistemas de Tração. Sistemas Hidráulicos. Sistemas para Veículos Comerciais. Arames Garphyttan Haldex Manual do Fornecedor Sistemas de Tração Sistemas Hidráulicos Sistemas para Veículos Comerciais Arames Garphyttan 1 Esta é uma cópia não registrada. Sempre verifique sua validade junto a seu contato

Leia mais

2.1 Fornecedores...04. 2.2 Abrangência...05. 3.1 Homologação...05. 3.2 Documentos Obrigatórios...06. 4.1 Fornecedor de Tratamento Superficial...

2.1 Fornecedores...04. 2.2 Abrangência...05. 3.1 Homologação...05. 3.2 Documentos Obrigatórios...06. 4.1 Fornecedor de Tratamento Superficial... SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...04 2. OBJETIVO...04 2.1 Fornecedores...04 2.2 Abrangência...05 3. REQUISITOS...05 3.1 Homologação...05 3.2 Documentos Obrigatórios...06 4. SUBMISSÃO DE PPAP...07 4.1 Fornecedor

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Manual de Requisitos. Específicos. Para Fornecedores MANUAL DE REQUISITOS ESPECIFICOS

Manual de Requisitos. Específicos. Para Fornecedores MANUAL DE REQUISITOS ESPECIFICOS Manual de Requisitos Específicos Para Fornecedores Elaborado por: Carlos Nascimento Aprovado por: Océlio Paggiatto Sistema da Qualidade Carlos Nascimento Océlio 02 2 SUMÁRIO: 1.0 Termo de Recebimento e

Leia mais

Manual de Qualidade de Fornecedor Requisitos do Programa. Índice

Manual de Qualidade de Fornecedor Requisitos do Programa. Índice Norma John Deere Manual de Qualidade de Fornecedor Requisitos do Programa Índice 1 Escopo... 2 2 Termos e Definições... 2 3 Sistema de Gerenciamento da Qualidade... 6 4 Responsabilidade de Gerenciamento...

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam definir termos e conceitos da qualidade. Para tal, pretende-se discutir a relação que se estabelece

Leia mais

Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda. Manual Do Fornecedor

Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda. Manual Do Fornecedor Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda Manual Do Fornecedor Revisão 08 21/03/2014 1 Sumário 1. Apresentação... 5 2. Generalidades... 5 3. Processo de Aprovação de Peça de Produção (PAPP)... 5 3.1 - Definição...

Leia mais

Anexo 61 Manual de Fornecedores STIHL MANUAL DE FORNECEDORES

Anexo 61 Manual de Fornecedores STIHL MANUAL DE FORNECEDORES MANUAL DE FORNECEDORES LS 0082 Manual de Fornecedores 1 de 50 04.12.2013 Sumário INTRODUÇÃO... 5 DIRETRIZES DO FORNECEDOR... 6 CONTRATOS STIHL... 6 OBJETIVOS... 7 GESTÃO DA QUALIDADE... 8 1. SISTEMA DE

Leia mais

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos)

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Curso e-learning FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE 14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade da direção

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS

REQUISITOS ESPECÍFICOS REQUISITOS ESPECÍFICOS ALPINO Indústria Metalúrgica Ltda. Página 1 de 18; Revisado em Março/ 2014 ÍNDICE 1. Introdução 2. Política do Sistema de Gestão Integrado 3. Código de Conduta 4. Meio Ambiente 5.

Leia mais

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025 FORMULÁRIO REVISÃO: 04 NOV/2008 Laboratório(s) avaliado(s): Nº Período de Avaliação: Data inicial da avaliação: / / Data término

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Revisão03 Maio,2011 ThyssenKrupp ManualdeFornecedores ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo PREFÁCIO O acirramento da competição global pela liderança e conquista de novos

Leia mais

ISO 9000 ISO 9001:2008

ISO 9000 ISO 9001:2008 ISO 9001:2008 QUALIDADE II ISO 9000 A ISO 9000 - Qualidade é o nome genérico utilizado pela série de normas da família 9000 (ISO) que estabelece as diretrizes para implantação de Sistemas de Gestão da

Leia mais

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa 2 NBR ISO 10005:1997 1 Objetivo 1.1 Esta Norma fornece diretrizes para auxiliar os fornecedores na preparação, análise crítica, aprovação e revisão de planos da qualidade. Ela pode ser utilizada em duas

Leia mais

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br N786-1 ISO CD 9001 Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento N786-1 ISO CD 9001 para treinamento - Rev0 SUMÁRIO Página Introdução 4 0.1 Generalidades 4 0.2 Abordagem

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001 Capítulo 8 Gerenciamento da Qualidade do Projeto O Gerenciamento da Qualidade do Projeto inclui os processos necessários para garantir que o projeto irá satisfazer as necessidades para as quais ele foi

Leia mais

2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 7.ª

2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 7.ª REVISÕES Edição Data Alteração da Revisão 1.ª 19/12/2003 Emissão Inicial 2.ª 19/08/2004 Adequação 3.ª 23/12/2004 Adequação 4.ª 01/05/2006 Reedição do Manual 5.ª 02/01/2008 Reedição do Manual 6.ª 01/03/2011

Leia mais

Requisitos Específicos. Sampel Peças Automotivas

Requisitos Específicos. Sampel Peças Automotivas Requisitos Específicos Sampel Peças Automotivas REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 7 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Aplicação... 3 4. Documentos de Referência... 3 5. Sistema de Gestão...

Leia mais

Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011

Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011 Distribuidor: Associado: ISO 9001:2008 Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011 02 03 03 03 04 05 05 06 06 06 07 08 08 08 09 09 10 10 12 12 13 14 14 15 Índice Missão, visão, valores 1. O manual do fornecedor

Leia mais

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP.

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CQ Consultoria Cirius Quality e Treinamento 1º Edição Interpretação da NBR ISO 9001:2008 Cirius Quality Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CEP: 09980-150 i www.ciriusquality.com.br e contato@ciriusquality.com.br

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO NBR ISO 9001:2008 INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO 8 Princípios para gestão da qualidade Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem de processos Abordagem sistêmica para a gestão Melhoria

Leia mais

Curso e-learning APQP 2ª. EDIÇÃO (Planejamento Avançado da Qualidade do Produto)

Curso e-learning APQP 2ª. EDIÇÃO (Planejamento Avançado da Qualidade do Produto) Curso e-learning APQP 2ª. EDIÇÃO (Planejamento Avançado da Qualidade do Produto) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

APQP PLANEJAMENTO AVANÇADO DA QUALIDADE DO PRODUTO

APQP PLANEJAMENTO AVANÇADO DA QUALIDADE DO PRODUTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E GESTÃO APQP PLANEJAMENTO AVANÇADO DA QUALIDADE DO PRODUTO Daniel Chaves H. da Silva Orientador: Professor Carlos Henrique Pereira Mello

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES DA INDÚSTRIAS MANGOTEX LTDA.

REQUISITOS ESPECÍFICOS APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES DA INDÚSTRIAS MANGOTEX LTDA. Revisão: 01 Data: 09/10/14 Nº páginas: 1/17 REQUISITOS ESPECÍFICOS APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES DA INDÚSTRIAS MANGOTEX LTDA. Revisão: 01 Data: 09/10/14 Nº páginas: 2/17 ÍNDICE REQUISITOS PÁGINA Histórico

Leia mais

FAPARMAS. Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO

FAPARMAS. Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO FAPARMAS Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO Sistema de Gestão da Qualidade ISO/TS 16949:22 2 / 5 Autor/Data José Ferraz 04/10/26 Aprovação/Data Sergio De Bortoli 04/10/26 s Descrições das

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

ISO 17025 Versão 2005

ISO 17025 Versão 2005 1º Fórum Regional de Química - ES ISO 17025 Versão 2005 Rev. 14 Samuel Vieira JUN/2010 1 Terminologia e Siglas ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e Vocabulário ABNT NBR

Leia mais

Introdução à ISO 9001 ano 2008

Introdução à ISO 9001 ano 2008 Introdução à ISO 9001 ano 2008 1. A FAMÍLIA DE NORMAS ISO 9000 1.1 Histórico A primeira Norma de Garantia da Qualidade foi publicada em 1979 pela British Standards Institution (BSI) em três partes como

Leia mais

Programa de Melhoria da Qualidade do Fornecedor Cummins

Programa de Melhoria da Qualidade do Fornecedor Cummins Índice A. Finalidade... 3 B. Intenção... 3 C. Escopo... 3 D. Código de Conduta do Fornecedor Cummins... 4 E. Acrônimos e Definições...5-9 F. Gestão de riscos empresariais...10-11 G. Requisitos de Sistema

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

DIS ISO 9001:2015 Publicado em Maio de 2014

DIS ISO 9001:2015 Publicado em Maio de 2014 DIS ISO 9001:2015 Publicado em Maio de 2014 Abordagem de Processos Risk-based thinking (Pensamento baseado em Risco) Anexo SL (Estrutura de Alto Nível) Anexo SL (Estrutura de Alto Nível) 1 - Escopo 2 -

Leia mais

Uso Exclusivo em Treinamento

Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br ABNT NBR ISO 9001:2008 Uso Exclusivo em Treinamento SUMÁRIO 0. Introdução 2 0.1 Generalidades 2 0.2 Abordagem de processo 3 0.3 Relação com a norma NBR ISO 9004 5 0.4

Leia mais

MANUAL DE FORNECEDORES

MANUAL DE FORNECEDORES ÍNDICE 1. O MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 Introdução... 3 1.2 Objetivo... 3 1.3 Relações com Fornecedores... 3 1.4 Política do Sistema Integrado de Gestão (Qualidade e Meio Ambiente)... 4 2. DESENVOLVENDO

Leia mais

5ª Edição Janeiro de 2008.

5ª Edição Janeiro de 2008. EMPRESAS RANDON MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES 5ª Edição Janeiro de 2008. Apresentação 4 1 - Introdução 5 1.1 Escopo 5 1.2 Objetivo Geral 5 2 - Aprovação de Fornecedores e Planejamento da Produção

Leia mais

ENCONTRO DA QUALIDADE IQA / MBB VDA 2

ENCONTRO DA QUALIDADE IQA / MBB VDA 2 ENCONTRO DA QUALIDADE IQA / MBB VDA 2 Novembro 2014 Paulo Bento Gerenciamento da Qualidade de Fornecedores Eixo,Motor e Cambio 1 TE/OSV-P Daimler Trucks 2 Temas : Processo de gestão da qualidade de fornecedores.

Leia mais

FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br

FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015 Requisitos específicos Bepo Manual para Fornecedores Índice: 1) Apresentação da Empresa ---------------------------------------------------------------------------pg.03

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos MB Consultoria Av. Constantino Nery, Nº 2789, Edifício Empire Center, Sala 1005 a 1008 Manaus - Amazonas - Brasil CEP: 69050-002 Telefones: (92) 3656.2452 Fax: (92) 3656.1695 e-mail: mb@netmb.com.br Site:

Leia mais

Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 90003

Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 90003 Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 90003 Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO90003 Capítulo 5: CMMI Capítulo 6: PSP Capítulo

Leia mais

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS.

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Módulo 2 Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Conteúdos deste módulo Discriminação Decomposição da variação do sistema de medição Variação

Leia mais

C.G.E. Sociedade Fabricadora de Peças Plásticas LTDA Rua: General Castilho de Lima, Nº 150 Mauá SP CEP: 09371-345. CNPJ / MF: 57.563.

C.G.E. Sociedade Fabricadora de Peças Plásticas LTDA Rua: General Castilho de Lima, Nº 150 Mauá SP CEP: 09371-345. CNPJ / MF: 57.563. MANUAL DA QUALIDADE PARA CORPORATIVO C.G.E. Sociedade Fabricadora de Peças Plásticas LTDA Rua: General Castilho de Lima, Nº 150 Mauá SP CEP: 09371-345. CNPJ / MF: 57.563.694/0001-92 - Inscrição Estadual:

Leia mais

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Este é um documento controlado somente quando no formato de arquivo eletrônico e utilizado como fonte a cópia na web site www.dhb.com.br para o status do nível

Leia mais

FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br

FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013 Requisitos específicos Bepo Manual para Fornecedores Índice: 1) Apresentação da empresa ------------------------------------------------------------------------pg.03

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

MANUAL DE QUALIDADE PARA FORNECEDORES DA VS LIMA & PÓ KOLT PINTURAS

MANUAL DE QUALIDADE PARA FORNECEDORES DA VS LIMA & PÓ KOLT PINTURAS 1 de 17 UMA PARCERIA DE SUCESSO É O SEGREDO PARA A QUALIDADE TOTAL! DE QUALIDADE PARA FORNECEDORES DA VS LIMA & PÓ KOLT PINTURAS Elaborado por: N - Data da Revisão Data da Emissão Aprovado por: CARIMBO

Leia mais

13 ANEXO 01 - ESTUDOS DE CASO - GESTÃO DA QUALIDADE

13 ANEXO 01 - ESTUDOS DE CASO - GESTÃO DA QUALIDADE 13 ANEXO 01 - ESTUDOS DE CASO - GESTÃO DA QUALIDADE O estudo de caso a seguir, procura simular os acontecimentos em uma auditoria de sistema de gestão da qualidade baseado na norma ISO 9001:2000. Identifique

Leia mais

UNESP - 2013. Pós -graduação Lato Sensu. Carlos Henrique Lencioni

UNESP - 2013. Pós -graduação Lato Sensu. Carlos Henrique Lencioni Normas de Sistemas de Gestão da Qualidade Especialização em Gestão da Produção Pós -graduação Lato Sensu Carlos Henrique Lencioni 1 chlencioni@gmail.com.br Engenheiro Elétrico pela Escola Federal de Engenharia

Leia mais

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Luís Felipe Schilling "Escolha batalhas suficientemente grandes para importar, suficientemente pequenas para VENCER." Jonathan Kozol GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK 1 GERÊNCIA

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS

REQUISITOS ESPECÍFICOS REQUISITOS ESPECÍFICOS ALPINO Indústria Metalúrgica Ltda. Página 1 de 21; Revisado em Dezembro/ 2015 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES 1. Introdução 2. Política do Sistema de Gestão Integrado

Leia mais

Gerenciamento de Qualidade

Gerenciamento de Qualidade UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Qualidade Engenharia de Software 2o. Semestre de

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE - Exemplo Fictício

MANUAL DA QUALIDADE - Exemplo Fictício Exemplo de Manual da Qualidade (Quality Manufacturing - Empresa Fictícia) Baseado nos 20 elementos da qualidade ISO 9001, existe uma correspondência de um para um entre os sistemas da qualidade da ISO

Leia mais

Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM*

Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM* Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM* (*organismos geneticamente modificados) 1ª Edição - Novembro 2006 Programa de Certificação de Alimentação Humana,

Leia mais

ISO TS 16949:2002. Um ISO/PAS ou ISO/TS é revisto a cada três anos com o objetivo de decidir se pode ser transformado em uma Norma Internacional.

ISO TS 16949:2002. Um ISO/PAS ou ISO/TS é revisto a cada três anos com o objetivo de decidir se pode ser transformado em uma Norma Internacional. Prefácio A ISO(Organização Internacional para Normalização) é uma federação mundial de organizações de normalizações nacionais (entidades membros ISO). O trabalho de preparação de normas internacionais

Leia mais

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013 RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013 Aprova o Regulamento Técnico de Boas Práticas de Fabricação de Produtos Médicos e Produtos para Diagnóstico de Uso In Vitro e dá outras

Leia mais