Manual de Fornecedores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Fornecedores"

Transcrição

1 Revisão03 Maio,2011 ThyssenKrupp ManualdeFornecedores ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo

2 ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo PREFÁCIO O acirramento da competição global pela liderança e conquista de novos mercados exige que as empresas adotem rapidamente um novo paradigma empresarial- oferecer produtos, preços, prazos,serviçosetecnologiadepadrão classemundial. AsempresasdogrupoThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpoLtda,inseridasnestecontexto, requerem de seus fornecedores a prática da melhoria Contínua, como forma de garantir sua participaçãonomercadoenodesenvolvimentodenovosnegóciosemtodacadeiaprodutiva. Este novo padrão de desempenho exigido pelo mercado, demanda o desenvolvimento e aprimoramento de um Sistema da Qualidade que direcione nossos fornecedores a atingir estes objetivos. Assim, encaminhamos este Manual para que ele sejaumguiabásicoqueiraorientarosfuturos relacionamentos entre nossas organizações. Seguindo estas diretrizes sua companhia estará classificadacomofornecedorpreferencialnosnegóciosfuturosdenossaempresa Colocamo-nosàdisposiçãoparaprestartodososesclarecimentosquesefizeremnecessários. MARCOSDESÁF.MACEDO MARCIOZILLETTI GerentedaQualidadeeSistemasdeProduçãoGerentedaCadeiadeAbastecimento ThyssenKrupp Metalúrgica Campo Limpo Ltda., Av. Alfried Krupp, 1050, Campo Limpo Paulista SP, , Brazil Phone : (+55 11) Fax: (+55 11) Internet : CNPJ : / /38

3 3/38 ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo Índice 1.Objetivo Aplicação... 3.Requisitosaosfornecedores Segurança Meioambiente Atendimentoarequisitoslegais Sistemadaqualidade Objetivosdaqualidade... 4.Processodeconsulta/homologaçãodenovofornecedor Consulta/cotação ExigênciaseverificaçãodaclarezadosdocumentosenviadospelaTKMCL Verificaçãodaviabilidadeantesdaelaboraçãodacotação Enviodacotação... 5.Homologaçãodenovosfornecedores Fornecedorespré-definidospelocliente Homologaçãodenovosfornecedores Fornecedoresdematéria-prima(aço/blocos)ecomponentes FornecedoresparaaáreadeMatrizaria... 6.Requistosdelogísticaeembalagem Visãologísticaparafornecedores Respostaimediataaproblemas Programaçãodemateriais TrocaEletrônicadeDados-(EletronicDataInterchange-EDI) Regrasdeplanejamento Penalidades Aumentodecapacidade NotificaçãoAntecipadadeEmbarque(AdvancedShippingNotice- ASN) Embalagem RequerimentosGerais Etiquetadeidentificaçãodeembalagem Especificaçõesdasetiquetas Embarque/transporte Avaliaçãodosistemadelogística AvaliaçãodeArmazens... 7.Desenvolvimentosdeprodutoeprocesso(matéria-primaecomponentes) Desenvolvimentodofornecedoremconjuntocomoclientefinal Requisitosdecapabilidadeparacaracterísticasespeciais Requisitosderastreabilidadeeretençãoderegistros

4 4/38 ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo 7.4.CadastronoIMDS InternationalDataSystem SubmissãodeAmostra Protótipos AmostrasdeProcessodeAprovaçãodeProdução PPAP Auditoriade ReadinessAudit Avaliaçãodecapacidade RunatRate Auditoriadeprodutoeprocesso InspeçãodeLayouteensaiofuncional Requisitosdeprocessosespecias Processosdetratamentotérmico Processosdetratamentosuperficial... 8.Alteraçõesdeprocessoedeproduto... 9.Aprovaçãodedesvios/retrabalho SistemadeAvaliaçãodefornecedoresdecomponentesematéria-prima Metasdosistemadeavaliaçãodefornecedores PerformancedeQualidade(QP) MétododecálculodeQPparafornecedoresde matéria-primaecomponentesdeproduto NotadoSistemadaQualidade(QSR) AuditoriasdeprocessoVDA PerformancedeEntrega(DP) AtendimentoaClientes(CC) PerformanceGlobaldoFornecedor(GSP) AnálisedaPerformanceGlobaldoFornecedor(GSP) Sistemadeavaliaçãodeprestadoresdeserviçosdeusinagem,montageme tratamentotérmicodematrizeseacessóriosparaforjamento MétododecálculodoICFparafornecedoresdamatrizaria Documentaçãodefornecimento Avaliaçãodetratamentotérmico Problemasnofornecimento Açõesdecontenção RecuperaçãodeCustos Documentosdesuporte Anexos Tabeladerevisões

5 ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo 1.Objetivo O objetivo deste Manual é estabelecer um sistema de avaliação, seleção e desenvolvimento de fornecedores. Estesistemadeveasseguraraqualidadeearegularidadedosfornecedoresquantoaoatendimento denossosrequisitostécnicosecomerciais. 2.Aplicação A sistemática descrita neste Manual, aplica-se a todos os fornecedores da ThyssenKrupp Metalurgica Campo Limpo Ltda., ThyssenKrupp Metalúrgica Santa Luzia Ltda e ThyssenKrupp MetalúrgicadeMéxicoS.A.deC.V.,nossegmentosabaixo: -Matéria-primadeaçoparaforjamentoeparablocosdematrizes; -Fornecedoresdecomponentes; -Prestadoresdeserviçosemprodutos; -Prestadoresdeserviçosdecalibraçãoemequipamentos; -Prestadoresdeserviçosdeusinagem,montagemetratamentotérmicodematrizeseacessórios paraforjamento; -Prestadoresdeserviçodeseleção,retrabalhoeinspeçãodepeças. 5/38

6 ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo 3.Requisitosaosfornecedores Aratificaçãodosrequisitosespecíficosaosfornecedores,expectativasdaThyssenKruppe eventuaispremiaçõesafornecedorescomdestaquenaperformanceglobal,sãoapresentadase discutidasperiodicamente,depreferênciaacadadoisanos,atravésdeworkshopsdefornecedores. 3.1.Segurança Recomenda-seaofornecedoroestabelecimentodeumprogramadesegurançacomevidênciasde busca contínua e eficaz da redução da taxa de acidente. Preferencialmente a empresa deverá ter umsistemaaderenteànormaoshas Meioambiente Recomenda-seaofornecedormelhorardeformacontínuaeeficienteasituaçãoambientalcom baseempadrõesinternacionaisdegestãoambientalcomoanormaiso AtendimentoarequisitosLegais Ofornecedordevecertificar-sequeatendeosrequisitosdaleivigenteemseuPaís,bemcomoos requisitos específicos das leis brasileiras e da ThyssenKrupp, relativos à segurança do produto, proteção ambiental, salários, horas de trabalho, proibição de trabalho infantil, saúde e saúde ocupacional. 3.4.Sistemadaqualidade OgrupoThyssenKruppesperadosseusfornecedoresaimplementaçãoeaplicaçãodeum sistemadegestãodaqualidadesegundoosrequisitosminimosdanormaiso9001. Aeficáciadosistemadegestãodaqualidaderefleteem: -Melhoriacontínuaedemonstráveldosprocessos,sistemaseprodutos, -Qualidadedefornecimento, -Fidelidadedefornecimento, -Eficáciaerapidezdarealizaçãodeaçõescorretivas, -Comunicaçãoemtodososníveis, -Execuçãocorretadeprojetosnovosedealteraçãoquantoaoconteúdoeprazo. Atravésdestesistemadegestãodaqualidade,devemserdirecionadasaçõesparaoobjetivoem comumdezerodefeito. AThyssenKruppreserva-seodireitodeauditarosistemadegestãodaqualidade,sistemas/ processoseprodutosdofornecedorouterceirizarestaauditoria,medianteavisopreliminar. 6/38

7 ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo OsrequisitosmínimosrelativosaSistemadaQualidadeparafornecimentoestãodescritosnatabela abaixo: Segmentodefornecimento Requisitos -Matéria-primadeforjamentoeaçoparaferramenta; -Componentes; -Prestadoresdeserviçosemprodutos. -Prestadoresdeserviçosdecalibração. ISO9001e/ou ISOTS16949 ISOIEC PrestadoresdeserviçosparaaMatrizaria. -Prestadoresdeserviçosdeseleção,retrabalhoe inspeçãodepeças. ISO9001ouaprovação emavaliação Autoavaliaçãoouda avaliaçãodatkmcl CabeaestesfornecedoresatenderecertificarosseusSistemasdaQualidadeemconformidadeaos requisitosacimadefinidos.acertificaçãodosistemadegestãodaqualidadedeveseratestadapor umórgãocertificadorcredenciado. Éresponsabilidadedofornecedor,manteroscertificadosatualizadosnaáreadecomprasda ThyssenKrupp. 3.5.Objetivosdaqualidade Paraamediçãoeavaliaçãodaqualidadeobtida,ofornecedordevedefinirobjetivosinternose externosdaqualidade.nestecontextovalemosseguintesrequisitosmínimos: -Apuraçãodastaxasinternaseexternasdenão-conformidadesembasePPM; -AThyssenKruppacordaráobjetivosdaqualidadecomosfornecedoresanualmenteatravésdeum acordodemetascombasenosprodutosfornecidos.avisãodesejadaéozerodefeitoemtodaa nossacadeiaprodutiva. Osobjetivosabragemrequisitoslogísticos,comerciasedaqualidade.Onãoalcancedosobjetivos estabelecidosdesencadearáumplanodeaçãoporpartedofornecedorsemprequenecessário. 7/38

8 ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo 4.Processodeconsulta/homologaçãodenovofornecedor 4.1.Consulta/cotação As consultas/ cotações com os respectivos documentos e informações relevantes ocorrem pelo setordesuprimentosdathyssenkrupp. 4.2.ExigênciaseverificaçãodaclarezadosdocumentosenviadospelaThyssenKrupp Ofornecedordematéria-primaoucomponentes,detentordascertificaçõesmandatáriasconforme item3.4,recebeasinformaçõesedadosrelevantes(desenhos,composiçõesquímicadomaterial, volume anual, etc.) para elaboração da oferta. Caso estes dados e/ou informações não estejam clarosoutenhamnecessidadesdecorreções,ofornecedoréresponsávelpelasolicitaçãoimediata deesclarecimentoe/oucorreçõesjuntoathyssenkrupp. TodososdocumentoseinformaçõesdosquaisaThyssenKruppdetémosdireitosautorais,sãoe permanecem de nossa propriedade, sendo estes documentos confidenciais e não podem ser repassadosaterceirossemanossapréviaautorizaçãoporescrito. 4.3.Verificaçãodaviabilidadeantesdaelaboraçãodacotação Ofornecedoréresponsávelpelaexeqüibilidadedoprodutoporeleofertadoincluindoexeqüibilidade técnica(possibilidade de produção sobre condições de séries, conforme especificações/normas, com a capabilidade de processo exigida) e também os aspectos de embalagem, logística, qualidade,prazos,custos,etc. 4.4.EnviodaCotação Recebida a cotação, após avaliação de sua competitividade comercial, caso seja de interesse da ThyssenKrupp,éagendadavisitaparaavaliarafábricaeoprocessoprodutivodestapossívelnova fonte.estaavaliaçãoéefetuadapelasáreasdaqualidadeedesuprimentosdathyssenkrupp. 8/38

9 ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo 5.Homologaçãodenovosfornecedores 5.1Fornecedorespré-definidospelocliente Fornecedoresdefinidospeloclientedevematenderosrequisitosestabelecidospelomesmoeestão isentos da avaliação prévia, uma vez que já foram homologados pelo cliente, porém obrigatoriamentedevemcumprirtodososrequisitosestabelecidosnestemanual. 5.2.Homologaçãodenovosfornecedores O fornecedor que apresenta avaliação favorável das áreas da Qualidade e Suprimentos deve desenvolver amostras para que a ThyssenKrupp submeta o produto final a aprovação de nosso cliente. Esta solicitação é efetuada pelos departamentos de Vendas e da Qualidade da ThyssenKrupp. A emissão dopedidodecompracomaprogramaçãomensal(programaderemessa)éefetuada somente após homologação/ validação do cliente ThyssenKrupp. Caso o cliente não aceite ou valideestanovafonte,odesenvolvimentoéimediatamentecancelado Fornecedoresdematéria-prima(aço/blocos)ecomponentes Os novos fornecedores podem ser submetidos a uma avaliação prévia, Roteiro de avaliação de fornecedor,paraobteraautorizaçãodefornecimento.seráfeitaumaavaliaçãodesegundaparte in loco, ou o fornecedor preencherá o questionário como auto avaliação, dependendo da complexidadedoprodutoemdesenvolvimento. O fornecedor será considerado apto ao inicio de desenvolvimento do processo ou produto após receber parecer favorável desta avaliação por parte das áreas da Qualidade, Suprimentos e LogísticadaThyssenKrupp. Ofornecedordeveatenderaosrequisitosrelativosaosistemadaqualidadeconformeitem3.4. Os fornecedores de componentes e matéria-prima que não atendem os requisitos de sistema da qualidade,sóestãoautorizadosafornecerapósarealizaçãodeumaauditoriasegundoospadrões VDA6.3,obtendoíndicesdequalificaçãoadequados. 5.3.FornecedoresparaaáreadeMatrizaria Os novos fornecedores são submetidos a uma avaliação prévia para obter a autorização de fornecimento.aavaliaçãoéfeitanasinstalaçõesdomesmo,comoacompanhamentodossetores dequalidade,produçãodamatrizariaesuprimentosdathyssenkrupp. Ofornecedorseráconsideradoaptoaofornecimentoapósavaliação,análiseeumparecerfavorável detodasasáreas. 9/38

10 ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo 6.Requistosdelogísticaeembalagem 6.1.Visãologísticaparafornecedores AThyssenKruppestávoltadaacriarumarelaçãodeparceriacomseusfornecedoreseacreditaque achavedosucessodessaparceriatemcomobase:acomunicaçãoaberta,amelhoriacontínuaeo trabalhoemequipe.paraalcançaresteobjetivo,confiamosànossabasedefornecedoresatarefa decriaremanterbenefíciosmútuoseambientesdesuporteemqueambos,fornecedorecliente possamobtersucesso. 6.2.Respostaimediataaproblemas A ThyssenKrupp requer de seus parceiros fornecedores uma lista de contatos que inclua pelo menos um nome de colaborador, que tenha autoridade para lidar com os assuntos pertinentes à cadeiadefornecimentodathyssenkrupp,equepossaserlocalizadoaqualquermomento. 6.3.Programaçãodemateriais TrocaEletrônicadeDados-(EletronicDataInterchange-EDI) AThyssenKruppsegueaspráticasdenegóciosrecomendadasparatrocaeletrônicadedados(EDI) e tem como objetivo que todos os seus fornecedores recebam as programações de materiais atravésdestesistema.portantoathyssenkrupprecomendaqueseusfornecedoresseadequemao sistemaparaatingirumobjetivocomum RegrasdeplanejamentoeEntregas - A ThyssenKrupp se compromete a disponibilizar suas programações de entrega no período semanalouquinzenal(deacordocomoestabelecidocomcadafornecedor),provendoumavisãode planejamento de 90 dias. Todas as programações, ajustes ou previsões serão enviados de conforme AcordodeMateriais.Osfornecedorestêmaresponsabilidadedenotificaroplanejador demateriaisdathyssenkruppsobrequalquerproblemaoudonãorecebimentodeprogramaçãode entregasnasdatasacordadas. - Aumentos ou quedas nas programações dentro do período firme pré-estabelecidos devem ser mutuamenteacordadosantesdeseremaplicados. -Tamanhodolote/Quantidademínimadeentrega:deacordocomodeterminadono Acordode materiais. -Estoquedesegurança:Oestoquedesegurançanosfornecedoresérecomendáveleosníveisde inventário devem ser mutuamente determinados no Acordo de Materiais. Dos fornecedores é esperado que mantenham estoque de segurança disponível nas suas plantas para atender as variaçõesdedemandadosclientesdathyssenkruppequedeverãoserrevisadosacada6meses eajustadossenecessário. - Flutuações: As demandas dos clientes da ThyssenKrupp podem oscilar em períodos curtos. Quando os aumentos nas quantidades planejadas não puderem ser cobertos pelo estoque de segurança, o fornecedor deverá contatar imediatamente o planejador de materiais da ThyssenKruppparaqueseelaboreumplanodeação. -Osfornecedorescomprometem-seaentregarasordensfirmadasnasquantidadescorretasenas datasespecificadas.sequalqueralteraçãofornecessáriaporpartedosfornecedores,éobrigatório 10/38

11 ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo que os mesmos recebam uma autorização por da área de Planejamento de Materiais da ThyssenKrupp.Osfornecimentosqueestejamemdesacordocomoplanejadonãoserãorecebidos etodososcustosenvolvidosserãoderesponsabilidadedofornecedor Penalidades AThyssenKruppnãoassumirácustosadicionaisassociadosafalhasoperacionaisdosfornecedores no atendimento das programações. A ThyssenKrupp reserva-se o direito de debitar dos fornecedoresoscustosassociadosaonãoatendimentodosprogramasconformedescritonoitem Aumentodecapacidade Na medida em que os volumes de negócios da ThyssenKrupp evoluam, revisões nas capacidades produtivasdosfornecedoresserãorequeridas NotificaçãoAntecipadadeEmbarque(AdvancedShippingNotice-ASN) AThyssenKruppsegueaspraticasdenegóciosrecomendadasparatrocaeletrônicadedados(ASN-Padrão EDIFACT/ RND) e tem como objetivo que todos os seus fornecedores enviem a notificação eletrônica de embarqueatravésdestesistema.portantoathyssenkrupprecomendaqueseusfornecedoresseadequem aosistemaparaatingirumobjetivocomum. OnãoenviodoASNouoASNenviadocomerroteráimpactonegativonosindicadoresdeperformancedos fornecedores. 6.4.Embalagem Requerimentosgerais Osprodutosdevemserembaladosdemodoaproverproteçãoadequadacontrasubseqüentedegradação do mesmo enquanto: ainda estiver em poder do fornecedor; ainda estiver sendo transportado para a ThyssenKruppeaindaestiverarmazenadonasdependênciasdaThyssenKrupp. O preenchimento do formulário Packaging Data Sheet é obrigatório para o processo de aprovação, e deverásersubmetidoantesdasuaimplementação.qualquermodificaçãorequeridaapósaprovaçãodeverá teroformuláriorevisadoesubmetidoparanovaaprovação(anexo1). Devidoarequisitosambientais,émandatárioparatodososfornecedoresdaThyssenKruppqueseadequem asmedidasfitossanitáriasinternacionais(nimf15)queproíbeousodemadeirabrutasemtratamentocomo embalagem(paleteoucaixa). Nota:AThyssenKrupptemcomoobjetivoquetodososfornecedoresoperemcomasembalagensconforme determinação Etiquetadeidentificaçãodeembalagem As embalagens devem ser etiquetadas de modo a prover a completa rastreabilidade dos produtos da ThyssenKrupp,desdeasaídadofornecedoratéadisponibilizaçãodosmesmosparaamontagem. 11/38

12 ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo Especificaçõesdasetiquetas Adocumentaçãocomasregrasparaodesenvolvimento,aprovaçãoeimplementaçãodaEtiqueta decódigodebarrasdathyssenkruppdevesersolicitadaaoresponsáveldatkmcl. Nota: A ThyssenKrupp tem como objetivo que todos os fornecedores operem com as etiquetas conformeespecificações. 6.5.Embarque/transporte Todos os embarques deverão ser realizados pelo transportador e rota determinados pela ThyssenKrupp. Asinstruçõesdeembarqueserãodefinidasno AcordodeMateriais. OstermosdetransporteserãoconsideradosconformeContratoComercial. 6.6.Avaliaçãodosistemadelogística A Thyssenkrupp recomenda aos seus fornecedores de matérias-primas e componentes, que verifiquem a aderência de seu sistema de logística ao MMOG-LE(Master Global Materials Management Operations Guidelines/Logistics Evaluation) e estabeleçam planos de ações para os itensquetenhamimpactodiretonaoperaçãoenosrequisitosespecíficosdathyssenkrupp. AThyssenKruppreserva-senodireitodeauditarosprocessosdelogísticadosseusfornecedores. 6.7.AvaliaçãodeArmazens Empresasprestadorasdeserviçosdearmazenamento,gerenciamentodeestoqueeexpediçãode pecas Thyssenkrupp serão auditadas a cada período de 3 anos, para ratificar a qualidade dos processosenvolvidosecondiçõesdasinstalaçõeseequipamentosutilizados. Paraessaavaliação,seráutilizadooformulário"WarehouseProcessesAudit"(Anexo10). 12/38

13 ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo 7.Desenvolvimentodeprodutoeprocesso(matéria-primaecomponentes) OsdesenvolvimentosdeprodutosdevemseguirosrequisitosdefinidospelaAIAGatravésdeseus manuais,ediçãoatalizada: -AdvancedProductQualityPlanning(APQP); -ProductProcessApprovalProcess(PPAP); -FailureModeEffectAnalysis(FMEA),edemaismanuaisAIAGdevemserutilizadoscomoreferência. Para fornecedores de aço a submissão de PPAP é restrita ao processo de fabricação, material e plantaindependentementedabitolaenvolvida. Para itens novos ou modificados, o fornecedor deve apresentar o cronograma de APQP, contemplando as ações necessárias para cumprimento dos prazos, fornecimento de amostras e iniciodeprodução.ofornecedordevesubmeternovasamostrasearespectivadocumentaçãode PPAPparaaaprovaçãodoprodutoedoprocessodefabricação. É requerido dos fornecedores o nível 3 de submissão do PPAP, salvo outra solicitação informada pelaáreadeengenhariadequalidadedefornecedores. Documentos tais como: Certificado de submissão de peças de produção(anexo 2), relatório dimensional(anexo 3) e de teste de material(anexo 4), devem ser preenchidos e enviados à ThyssenKrupp quando da solicitação do PPAP. Demais documentos devem seguir os padrões do AIAG. 7.1.Desenvolvimentodofornecedoremconjuntocomoclientefinal Desenvolvimentosdematéria-primaoucomponentesemconjuntocomoclientefinaldaaplicação do produto devem ser compartilhados com a ThyssenKrupp, impreterivelmente, já na fase de elaboração de protótipos. Esta diretriz visa evitar possíveis falhas de projeto, qualidade e principalmente, reservando-nos o direito de opinar sobre um item que levará a imagem da ThyssenKruppjuntoaocliente. 7.2.RequisitosdeCapabilidadeparaCaracterísticasEspeciais Ascaracterísticasespeciaissãoinformadasaosfornecedoresatravésdosdesenhose/ounormas. Outras características especiais podem ser identificadas pelo próprio fornecedor durante o desenvolvimentodoproduto. Estascaracterísticasdevemserincorporadaspelofornecedoremseusplanosdecontrole,paraque sejamavaliadasatravésdemétodosestatísticosdeacordocomosrequisitosdefinidospelaaiag. Características críticas deverão obter valores de PPK acima de 2,0 por ocasião da aprovação do produtoepelomenosumcpkmaiorque1,67duranteosprocessoscontínuos. CaracterísticasmaioresousignificativasdeverãoobtervaloresdePPKacimade1,67naaprovação doproduto,eacapabilidadecontínuadeprocessodeproduçãonormal(cpk)deverásermaiorque 1,33. 13/38

14 ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo Casoamediçãodestascaracterísticasnãosejapossível(ex.:testesdestrutivos),osparâmetrosde processo que influenciam a geração da característica deverão ser determinadas estatisticamente. Estas características deverão ser documentadas e controladas dentro de limites de controle estabelecidos. A capabilidade das características atributivas poderá ser comprovada através do controledosparâmetrosdeprocesso. Nestescasospoderásertambémaplicadoocritérioatributivode0PPM.Naamostrainicialmente 300/0(testar300,com0rejeição)ououtroíndiceacordadocomaThyssenKrupp. Processos que se demonstrem instáveis ou não capazes deverão ter um plano que garanta o atendimentodasespecificações(ex.:inspeção100%). 7.3Requisitosderastreabilidadeeretençãoderegistros Ofornecedordeveterumsistemaderastreabilidadeeregistrosestendidaaossubcontratados,que atenda as necessidades da ThyssenKrupp. Em caso de danos em uso do produto final, deve ser capazdedemonstrar,atravésderegistros,oatendimentoasespecificaçõespré-determinadas. 7.4.CadastronoIMDS InternationalDataSystem AThyssenKrupp,dentrodesuacadeiaprodutiva,exigequeseusfornecedores,cadastremos elementosquímicosedadosquantitativosno mdsystem,abrangendofornecedoresdematériaprimaedecomponentesdestinadosàmanufaturadoprodutofinal. Ainformaçãodeverserintroduzidanositewww.mdsystem.comesubmetidaàaprovaçãoda ThyssenKruppnoID5983,independentementedaplantausuáriadoproduto,juntocoma documentaçãodeaprovaçãodoproduto(ppap).aaprovaçãodoppapficacondicionadaá submissãodoimds. Asinformaçõesnãopodemsercadastradasempáginaspúblicasdevidoàconfidencialidadeda informação. 7.5.Submissãodeamostra Protótipos Quando do fornecimento de protótipos, estes deverão estar devidamente identificados com a etiqueta SampleSubmission (Anexo5),acompanhadosdosrespectivosrelatóriosdimensionale dematerial Amostrasdeprocessodeaprovaçãodeprodução PPAP Amostras de submissão para aprovação de PPAP devem ser encaminhadas com todos os documentos,relatórioseanaliseestatísticasdefinidosnosmanuaisdaindústriaautomotivaaiag. A ThyssenKrupp reserva-se o direito de acompanhar e aprovar o lote padrão de 300 peças nas instalações do fornecedor. A quantidade estabelecida para o lote poderá ser ajustada à conveniênciadaspartes,desdequedecomumacordoeatravésdecomunicaçãoescrita. 14/38

15 ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo Noiníciodaproduçãodenovocomponente,podeserrequeridoumplanodecontrolediferenciado paraos(03)trêsprimeirosmesesdefornecimento.nãohavendoocorrênciadeproblemasdurante esteperíodo,oplanodecontrolevoltaráaospadrõesnormais. Todososrequisitosdositens7. Desenvolvimentosdeprodutoeprocesso e7.2 Requisitosde capabilidadeparacaracterísticasespeciais devemseratendidos. Asamostrasdevemserenviadasdevidamentedocumentadaseidentificadascomaetiqueta SampleSubmission (Anexo5). Nãoserãoaceitasamostrasquenãocumpriremtodasasetapasdesteprocedimento AuditoriadeReadinessAudit ApósaprovaçãoinicialdasamostrasdePPAPemfunçãodacomplexidadedoproduto,processoe riscosenvolvidos,athyssenkruppsereservanodireitoderealizarumaauditoriadeverificaçãoda realcapacidadeinstaladanosprimeiroslotesdeproduçãoemsérie. A ReadinessAudit verificaseosresultadosdosprocessosdemanufaturaatingiramosrequisitos de qualidade, conforme estabelecidos na documentação de aprovação de PPAP e capacidade de produção. Caso a ThyssenKrupp não venha a fazer a auditoria, a mesma será de responsabilidade do fornecedor.talevidênciaserásolicitadaporocasiãodequalquerauditoriafutura Avaliaçãodecapacidade RunatRate Podem ser realizadas avaliações de capacidade de fornecimento(volume) nas instalações do fornecedor, de maneira a identificar as operações gargalo de cadaprocessodemanufatura,bem comorequererumplanodeaçãoparagarantirosvolumescontratados. As avaliações deverão ser executadas conforme metodologia definida pela ThyssenKrupp e serão efetuadas sempre que necessário emdecorrênciadeproblemasoulevantamentodenecessidade nasreuniõesmensais.cabe,obrigatoriamente,aofornecedorexecutarorunatratedoprocesso. 7.6.Auditoriadeprodutoeprocesso O fornecedor deve estabelecer uma sistemática regular de auditorias de produto e processo abrangendo manufatura, inspeções e testes, identificação, preservação, limpeza, embalagem e documentosdedespacho. Os resultados de medição devem ser documentados e as efetividades das medições devem ser demonstradas. 7.7.Inspeçãodelayouteensaiofuncional Fornecedoresdecomponentesdevemrealizaracada2anosumainspeçãodelayoutabrangendo todasasespecificaçõesdefinidasnodesenhodoproduto,sejamelasdimensionais,metalúrgicas, 15/38

16 ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo ensaios e testes. Os registros devem ser enviados á ThyssenKrupp. Pecas cuja aplicação final involve os clientes GM, Ford, MIM, Cummins e DaimlerCrysler, terão a frequiencia anual. A Thyssenkruppéresponsávelporinformaraaplicaçãodocomponenteaofornecedor. 7.8.Requisitosdeprocessosespecias Processosdetratamentotérmico Os processos de tratamento térmicos e tratamentos superficiais devem seguir as diretrizes do padrão normativo CQI-9(Heat Treat System Assessment). É de responsabilidade do fornecedor auditarestesprocessoscombasesanuaisefornecerumacópiadaavaliaçãocomrespectivoplano deaçãoáthyssenkrupp.esterequisitoéestendidoaosserviçosrealizadosporsubfornecedores. AThyssenKruppreserva-senodireitodeverificaressasauditoriassemprequenecessário Processosdetratamentossuperficiais OsprocessosdetratamentossuperficiaisdevemseguirasdiretrizesdospadrõesnormativosCQI- 11eCQI-12(PlatingSystemAssessment/CoatingSystemAssessment).Éderesponsabilidadedo fornecedor auditar estes processos com bases anuais e fornecer uma cópia da avaliação com respectivo plano de ação á Thyssenkrupp. Este requisito é estendido aos serviços realizados por subfornecedores. AThyssenKruppreserva-senodireitodeverificaressasauditoriassemprequenecessário 16/38

17 ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo 8.Alteraçõesdeprocessoedeproduto TodaaalteraçãodeprocessodeveserobrigatoriamenteinformadaàThyssenKrupp,paraqueseja analisadaanecessidadedeumanovasubmissãodeamostras.osrequisitosdescritosnoitem7 devemseratendidosdeacordocomasuaaplicabilidadeemfunçãodaalteração.aáreade QualidadedeFornecedoreséresponsávelporinformarositensaplicados. Quando ocorrerem alterações no produto o fornecedor deverá submeter novas amostras e documentaçãodeppapparaaaprovaçãodoprodutoeprocessodefabricação. AThyssenKruppsolicitaqueestesprocessossejamcomunicadosomaispreviamentepossível,pois taisalteraçõespoderãoincorreremumanovasubmissãoaoclientefinal. 9.Aprovaçãodedesvios/retrabalho O fornecimento de produtos com pequenos desvios em relação a especificação só poderá ser efetuadomedianteumpedidoformalàthyssenkruppatravésdodocumento ConcessionRequest Authorization (Anexo 8). O Documento deve ser previamente elaborado e enviado à área de QualidadedeFornecedores,contendoasseguintesinformações:quantidadeenvolvidaouperíodo defornecimento,causaseaçõesparaevitarrecorrência. O mesmo procedimento se aplica quando da ocorrência de retrabalho não previsto no processo inicialmenteaprovado,quetenhariscodeviracausarqualquerprejuízoaaplicaçãodoprodutoou namanufaturadentrodathyssenkrupp. 17/38

18 ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo 10.Sistemadeavaliaçãodefornecedoresdecomponentesematéria-prima EstaavaliaçãotemcomoobjetivoamelhoriacontínuadosfornecedoresThyssenKupp. Permite gerar informações quemostramodesempenhorealdofornecedor,demodoadirecionar ações de melhoria, bem como permite o reconhecimento dos fornecedores com melhor potencial Técnico/Comercial,sendodiretriznodesenvolvimentodenovosnegócios. A avaliação dos fornecedores cujos produtos são enviados para mais de uma planta do grupo ThyssenKruppserárealizadadeformaglobal. Os fornecedores são avaliados segundo os requisitos Comerciais, Logísticos e de Qualidade, atravésdosíndicesdescritosaseguir: PerformanceGlobaldoFornecedor GSP(GlobalSupplierPerformance) Índice que expressa de forma global a capacidade do fornecedor em atingir os requisitos comerciais,logísticosedequalidade,retratandoograudesatisfaçãodathyssenkrupp. PerformancedeQualidade-QP(QualityPerformance) Índice que expressa a Qualidade do produto fornecido, com base no histórico de qualidade do recebimentodosprodutoseduranteasuautilizaçãonoprocessodemanufatura. SistemadeQualidade QSR(QualitySystemRate) ÍndicequeexpressaostatusdecertificaçãodosistemadegestãodeQualidade,SegurançaeMeio AmbientedofornecedoremrelaçãoàsexigênciasdaThyssenKrupp. PerformancedeEntrega DP(Deliveryperformance) Índicequeexpressaograudecumprimentodaquantidadeedoprazodeentrega. AtendimentoaClientes CC(CustomerCare) Índice que retrata o comportamento das relações Cliente-Fornecedor contra as expectativas da ThyssenKrupp MetasdoSistemadeAvaliaçãodeFornecedores OsobjetivosestabelecidospelaThyssenKruppestãodescritosaseguir: ÍndicesdeAvaliação GSP-PerformanceGlobaldoFornecedor QP-PerformancedeQualidade QSR-SistemadeQualidade DP-PerformancedeEntrega Objetivos > > CC-AtendimentoaCliente >90 18/38

19 ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo PerformancedeQualidade(QP) Éoíndicedequalidadecalculadocombasenohistóricodorecebimentodosprodutos.Aqualidade do lote fornecido pode ser avaliada na inspeção de recebimento ou durante a sua utilização no processodemanufatura. Fornecedoresqueapresentaremproblemasdefornecimentoqueafetemdiretamenteaproduçãoda ThyssenKrupp,deverãoapresentar,imediatamenteapóscomunicaçãoformal,planodeaçãopara correçãodasnãoconformidades. OsfornecedoressãoclassificadosemfunçãodoQPconformetabelaabaixo: PerformancedeQualidade Classificação a99,9 80a89,9 60a79,9 Excelente Bom Regular Deficiente Abaixode60 Inadequado MétododeCálculodeQPparafornecedoresdematéria-primaecomponentes QP=ResultadosdeInspeção(IR)x0,2+SCARSx0,5+PPMx0,3 Onde: ResultadosdeInspeção(IR)=Médiadasnotasobtidasnoslotesdefornecidosbaseadonolaudo deinspeção AP=LoteAprovado =100 AL=LoteAprovadocomAlerta =80 AC=LoteAprovadoCondicional=50 RJ=LoteRejeitado =20 SCARS=Pontuaçãobaseadanonúmerodesolicitaçõesdeaçõescorretivasabertasemfunçãode problemasencontradosnorecebimento,duranteaproduçãoounocliente. No.deNotas Pontuação á4 5oumais /38

20 ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo PPM=Notabaseadanonúmerodepeçasdetectadascomproblemasnainspeçãoderecebimento, ounoprocesso,eorespectivovaloremppm(partepormilhão)atribuídocomodeméritonomêsem análise. Critérioparacomponentes PPM Pontuação 0 1á á á á800 >800 Critérioparamatéria-prima PPMno forjamento PPMna usinagem Pontuação >1000 > Obs.:Valoresmáximosporfaixa.PPMexpressoemrelaçãoaopesofornecido. Seráatribuídaapiorpontuaçãoentreossegmentosusinadoseforjados. 20/38

21 ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo NotadoSistemadaQualidade(QSR) AThyssenKruppexigequeseusfornecedoressejamcertificadospororganismosexternos,conformetabela doitem3.4,ereserva-seodireitodeoptarpelarealizaçãodeauditoriasnasinstalaçõesdofornecedorcaso julguenecessário. O fornecedor deve mostrar ações direcionadas a obtenção de certificações dos sitemas de gestão de Qualidade,SegurançaeMeioAmbiente. A ThyssenKrupp poderá adquirir produtos de fornecedores não certificados mediante concessão de seus clientesoumediantearealizaçãodeumaauditoriadeprocessosegundoovda-6.3. O critério para a pontuação do índice do Sistema da Qualidade QSR é determinado em função das certificaçõesobtidaspelofornecedordeacordocomatabelaabaixo. PontuaçãodoQSR TipodeCertificação ISO/TS16949 X X X X ISO9001 X X X X ISO14001 X X X X OHSAS18001 X X X X QualificaçãoVDA-6.3 X SegueClassificação: PerformancedeQualidade Classificação 95á á85 Excelente Ótimo Bom 70 Aceitável AuditoriasdeProcessoVDA-6.3 Os fornecedores de componentes e matéria-prima podem ter os seus processos auditados pelo PadrãonormativoVDA6.3nasseguintessituações: - Fornecedores que não atendam os requisitos de Sistema da Qualidade. Uma vez obtida uma pontuação acima ou igual a 72 pontos, com plano de ação compatível, o fornecedor será consideradoaptoaofornecimento. -Necessidadelevantadanareuniãomensaldeanálisedeperformancedefornecedor. 21/38

22 ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo -Fornecedorescomaltoíndicedeproblemasoucomproblemacujamagnitudedoefeitopossavira causar danos sérios a produtividade interna ou qualquer tipo de prejuízo ao cliente final. Nestes casosserásolicitadoumplanodeaçãoaofornecedoreasuarespectivanotadeqsrinicialmente estabelecidapoderáseralteradaemfunçãodapontuaçãoobtidanaauditoria. - Fornecedores estratégicos auditados conforme planejamento de auditorias interna. Os fornecedoresdevemapresentarumplanodeaçãoparaosproblemasencontrados. Osfornecedoresserãoclassificadosem3categoriasquantoaoatendimentodosrequisitosdoVDA edeverãoseravaliadosnafreqüênciaestabelecidanatabelaabaixo: VDA6.3-GraudeAtendimentoGlobal(%) Classificação Freqüência(anos) 92até100 A 3 82a91,9 B 2 72a81,9 C 1 Para os fornecedores com classificação B ou C obtida mediante auditoria realizada pela Thyssenkrupp,terãosuanotadoQSRsubstituídapelanotaobtidanaauditoria. A Thyssenkrupp reserva-se o direito de avaliar os novos fornecedores antes da emissão do seu primeiropedidodecompra. A auditoria podera ser substituída por uma auto avaliação do fornecedor, exceto quando estabelecido em requisito especifico de Cliente. Nestas situações a classificação atribuída no maximobindependentedapontuaçãoobtidaedeveraserrenovadaacada2anos PerformancedeEntrega(DP) A avaliação da performance de entrega do fornecedor é baseada no grau de cumprimento da quantidadeedoprazodeentrega. AThyssenKrupprequerdeseusfornecedoresumdesempenhodeentregade100%noprazoeda quantidadedeacordocomopedido. DP=Médiaponderadadetodososmateriaisentreguesduranteomês Fornecedoresqueapresentaremproblemasdefornecimentoqueafetemdiretamenteaproduçãoda ThyssenKrupp,deverãoapresentar,imediatamenteapóscomunicaçãoformal,planodeaçãopara correçãodasnãoconformidades. MensalmenteaThyssenKruppfazaanálisecríticadosindicadoresdepontualidadeesolicitaações corretivascasojulguenecessário. 22/38

23 ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo Ofornecedoréclassificadoconformetabelaabaixo: ÍndicedePerformancedeEntrega(DP) a99,9 90a94,9 Classificação Excelente Bom Regular abaixode90 Inadequado AtendimentoaClientes(CC) Sistema que apura mensalmente o nível de satisfação da ThyssenKrupp com relação aos fatores mencionados a seguir na relações Cliente- Fornecedor. Cabe às suas diversas áreas internas atribuíremnotasaestesitens. A.EficácianaResoluçãodeProblemasLogísticos. B.CondiçõesdeRecebimento(Embalagem,Identificação,TransporteeDocumentação); C.EficácianaResoluçãodeProblemasdeQualidade; D.PosturaPró-ativanasrelaçõescomerciais; E.Preço; AtendimentoAdministrativo(CC)=Somadasnotasatribuídaspelasrespectivasáreas. Osfornecedoressãoclassificadosconformetabelaaseguir: ÍndicedeComportamentoAdministrativo Classificação 90a100 80a89,9 70a79,9 Excelente Bom Regular abaixode70 Inadequado PerformanceGlobaldoFornecedor(GSP) Através da conjugação dos indicadores de desempenho Comercial, Logístico e de Qualidade, é estabelecidoaperformanceglobaldofornecedor(gsp),quepermiteclassificarosfornecedores deacordocomsuashabilidadesemedirograudesatisfaçãodathyssenkrupp: GSP=(QPx0,40+QSRx0,20+DPx0,20+CCx0,20) 23/38

24 ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo OsfornecedoressãoclassificaçãoemrelaçãoaoGSP,conformetabelaabaixo: PerformanceGlobaldoFornecedor(GSP) Classificação 95a100 85a94,9 75a84,9 Excelente Bom Regular abaixode75 Inadequado 10.2.AnálisedaPerformanceGlobaldoFornecedore(GSP) O fornecedor é informado, mensalmente, de seu desempenho através do Global Supplier Performance (Anexo6)enviadopelaáreadeSuprimentosdaThyssenKrupp. A ThyssenKrupp analisa, mensalmente, a nota de GSP do fornecedor na reunião de avaliação de performance dos fornecedores. Fornecedores com pontuação de GSP abaixo de 85 pontos serão informados quanto à necessidade de comparecer a ThyssenKrupp para apresentar ações para a melhoria da performance. A análise terá como base os indicadores de QP, DP, CC e histórico envolvidodaempresa. QuandooGSPestiverabaixode85eobservadaestatendênciadecrescentenumperíodomaiorou igual(3) três meses consecutivos, será realizada uma auditoria pela área da qualidade segundo VDA-6.3.Ofornecedordeveráapresentarumplanodeaçãoformalizadoparacorreçãodeeventuais nãoconformidades. Fornecedores que apresentarem performance de GSP abaixo de 75, por mais de(3) três meses consecutivos ou por(5) cinco vezes no período de um ano, a área de compras da ThyssenKrupp iniciaráodesenvolvimentodeumafontealternativa.casoofornecedorsejaindicadopelocliente,o clienteseránotificadodaperformanceinadequadadaatualfontedefornecimentoeseráinformado danecessidadededesenvolvimentodeumanovafonte. Na reunião mensal de performance dos fornecedorespodemserdefinidasauditoriasdeprocesso adicionaisemfunçãodeproblemasdequalidade. 24/38

25 ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo 11.SistemadeAvaliaçãodePrestadoresdeServiçosdeUsinagem,MontagemeTratamento TérmicodeMatrizeseAcessóriosparaForjamento MétododecálculodaPerformancedeQualidadeQPparafornecedoresdamatrizaria Os fornecedores e prestadores de serviços destinados a fabricação de ferramental,sãoavaliados segundo sua performance mensal de Qualidade. Esta avaliação é utilizada para a definição dos fornecedorescommelhorpotencialtécnico/comercialenodesenvolvimentodenegóciosfuturos. OíndicedePerfomancedeQualidade(QP)paraestesegmentoécalculadocombasenohistórico do recebimento dos produtos. A qualidade do lote fornecido pode ser avaliada na inspeção de recebimentoouduranteasuautilizaçãonoprocessodemanufatura. QP=Médiadasnotasobtidasnoslotesdefornecidos Notaparacadalaudo: AP=LoteAprovado =100 AL=LoteAprovadocomAlerta=80 AC=LoteAprovadoCondicional=50 RJ=LoteRejeitado =20 AThyssenKruppenviarámensalmenteaclassificaçãoàseusfornecedores Documentaçãodefornecimento Ofornecedordeveenviarjuntamentecomosítensfornecidos,um RelatóriodeInspeção contendo as especificações e valores encontrados em todas as características medidas nesses itens. Esse relatório será objeto de consulta e eventual comparativo entre as medições encontradas pelo fornecedor e pela ThyssenKrupp. O não envio desse relatório à ThyssenKrupp pode gerar um deméritoaofornecedor Avaliaçãodetratamentotérmico Os fornecedores que executem serviços de tratamento térmico, deverão realizar anualmente auditoria no processo conforme o padrão CQI-9(Heat Treat System Assessment). Um plano de açãodeveráserestabelecidoparaositensemdesacordocomanorma.athyssenkruppreservasenodireitodesolicitaressesregistrosquandonecessário. 25/38

26 ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo 12.ProblemasnoFornecimento SemprequeforemidentificadosprodutosemdesacordocomasespecificaçõesdaThyssenKrupp, serãosolicitadasaçõesjuntoaofornecedor. Caso seja efetuada a abertura de uma solicitação de ação corretiva, será de responsabilidade do fornecedor identificar a(s) causa(s) e comunicar formalmente as ações corretivas que eliminem a possibilidadedenovaocorrência. O fornecedor deverá responderemumprazode24horas,descrevendoasrespectivasanálisese ações de contenção estabelecidas para conter o problema dentro da ThyssenKrupp, peças em trânsitoepeçasdentrodasdependênciasdofornecedor. O Fornecedor terá um prazo de 5 dias úteis para o envio das ações corretivas para evitar a reincidência,osrespectivosprazosparacadaaçãoindividualeosresponsáveis.faz-senecessária que a resposta seja efetuada no padrão de formato enviado na abertura da Solicitação de Ação Corretiva (Anexo 7), para que seja possível importar a resposta dentro do sistema SAP na ThyssenKrupp. Após a implementação das ações definidas, os fornecedores devem documentar evidências objetivas(fotos, planilhas, atas, etc), que mostrem que o problema foi contido para que seja realizadaaverificaçãodaaçãoimplementada,eanálisedeencerramentodesserelatório. A ThyssenKrupp reserva-se o direito de optar por uma verificação das ações implementadas nas instalaçõesdofornecedorescasojulguenecessário. Caso ocorra um retorno de campo, para de linha do cliente ThyssenKrupp ou outro problema consideradograve,athyssenkrupppoderácomunicaroorganismocertificadordofornecedorpara queomesmotomeasmedidascabíveis. 12.1Açõesdecontenção Naocorrênciadeproblemas,aThyssenKruppreserva-senodireitodeaplicarosprocedimentosde embarquecontroladonível1(cs1:contençãopró-ativa)realizadopeloprópriofornecedor;nível2 (CS2: Contenção Reativa), realizado dentro da ThyssenKrupp, por empresas terceirizadas especializadas,sendoquealiberaçãodosprodutoséderesponsabilidadedathyssenkrupp. As despesas inerentes à contenção serão custeadas pelo fornecedor, de maneira a garantir a conformidadedoscomponentesentregues. O fornecedor será informado formalmente sobre os critérios para a aplicação de tais procedimentos,bemcomosobreaduraçãodetaismedidas. SemesmoassimascontençõesCS1eCS2nãoforemsuficientesparaasseguraraconformidade dos produtos fornecidos, este fornecedor deve ser desconsiderado para novos negócios com a ThyssenKrupp,atéqueestabeleçaplanodeaçãoeficaz,capazderesolveranãoconformidade. 26/38

27 ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo Esgotadastodasaspossibilidades,ofornecedorqueaindaserevelarincapazdeapresentaruma soluçãodefinitivaparaanãoconformidadeserádescredenciadoparaofornecimentodoproduto emquestão. Asaçõesdecontençõesdentrodasdependênciasdoclienteouarmazénspoderãoserconduzidas por terceiros sem a avaliação da mesma, caso as empresas sejam indicadas pelo cliente, ou possuam capacitação demonstrada em serviços similares. Nestes casos um representante da ThyssenKruppcoordenaráarealizaçãodostrabalhosaseremexecutados 12.2.RecuperaçãodeCustos Eventuais paradas de linha, retrabalhos, seleções e outros custos associados a materiais não conformes ou falta dos mesmos são de responsabilidade dos fornecedores, e devem ser ressarcidosàthyssenkrupp. OFornecedorseránotificadoatravésdodocumento PreAlertDebitNote (Anexo9)edeveretornar em até 5 dias úteis do seu recebimento. O não recebimento da resposta dentro do prazo será consideradocomoumaceiteautomáticoaodébito. 13.Documentosdesuporte É exigido que os fornecedores utilizem os documentos citados abaixo como referência para implementaçãodeseusistemadequalidade. RequisitosdoSistemadaQualidadeconformeISOTS16949e/ouISO9001; ISOIEC17025paraPrestadoresdeServiçosdeCalibraçãodeEquipamentosdeMedição; ManualdePlanodeControleePlanejamentoAvançadodaQualidade(APQP) ProcessodeAprovaçãodePeçadeProdução(PPAP) ManualdeAnálisedeSistemadeMedição(MSA) ManualdeFundamentosdeControleEstatísticodeProcesso(SPC) ManualAnálisesdeTipoeEfeitodeFalhas(FMEA) CQI-9-HeatTreatSystemAssessment CQI-11-PlatingSystemAssessment CQI-12-CoatingSystemAssessment MMOG/LE-MasterGlobalMaterialsManagementOperationsGuidelines/LogisticsEvaluation 27/38

28 ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo 14.Anexos Anexo1 28/38

29 ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo Anexo2 29/38

30 ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo Anexo3 30/38

31 ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo Anexo4 31/38

32 ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo Anexo5 Anexo6 32/38

33 ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo Anexo7 33/38

34 ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo 34/38

35 ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo Anexo8 35/38

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA Agosto de 2009 Revisão 05 INDICE 1. Apresentação... 03 2. Política da Qualidade e Ambiental da Sultécnica... 03 3. Expectativa para Fornecedores...

Leia mais

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores Este Manual é de propriedade da Martiaço Indústria Ltda. Sem autorização não pode ser distribuído ou copiado. SUMÁRIO 1. A EMPRESA... 3 2. OBJETIVO... 4

Leia mais

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 MANUAL FORNECEDORES A Fundimisa Fundição e Usinagem Ltda pretende com este Manual aprimorar a relação com seus fornecedores e padronizar informações entre as partes.

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Betim, 30 de Março de 2015 CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Esta carta atualiza e substitui, a partir de 15/04/2015, a CARTA DE REQUISITOS

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO Página: 1/15 MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO Página: 2/15 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 5 1.1 Missão da empresa... 5 1.2 Política da Qualidade e Ambiental...5 1.3 Glossário... 6 2. DISPOSIÇÕES GERAIS...

Leia mais

Manual da Qualidade para Fornecedores

Manual da Qualidade para Fornecedores Manual da Qualidade para Fornecedores Elaborado por: Indústrias Romi S.A. Departamento de Suprimentos Santa Bárbara d'oeste - SP 09 de Fevereiro de 2009 Edição C N.O.: 26-02 1 0019.C 2 SUMÁRIO GLOSSÁRIO...

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR METALÚRGICA KNIF LTDA Junho/2013 1 REGISTRO DAS MODIFICAÇÕES REVISÃO DATA MOTIVO 00 02/04/09 Emissão do documento 01 05/08/09 Modificação dos itens 5.5 e 7.5 02 27/07/10

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES Requisitos e diretrizes para o sistema de gestão da qualidade e ambiental Página 1 de 9 1. REQUISITOS ESPECÍFICOS... 3 1.1 Objetivo... 3 1.2 Geral... 3 1.3 Documentos

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Manual da Qualidade Fornecedores 2007

Manual da Qualidade Fornecedores 2007 Manual da Qualidade Fornecedores 2007 www.metalurgicanunes.com.br 2 ÍNDICE 01 Introdução. 3 02 Filosofia da Qualidade 3 03 Políticas da Metalúrgica Nunes 4 04 Requisitos de Qualidade para fornecimento

Leia mais

FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br

FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015 Requisitos específicos Bepo Manual para Fornecedores Índice: 1) Apresentação da Empresa ---------------------------------------------------------------------------pg.03

Leia mais

Manual da Qualidade para Fornecedores MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES

Manual da Qualidade para Fornecedores MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 APLICAÇÃO... 3 3 SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES... 3 3.1 Empresas Certificadas... 4 3.2 Empresas não Certificadas... 4 3.3 Avaliação

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação

Leia mais

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação?

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação? O que é a norma ISO? Em linhas gerais, a norma ISO é o conjunto de cinco normas internacionais que traz para a empresa orientação no desenvolvimento e implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF.

CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF. Três Corações, 12 de janeiro de 2015. CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF. 01/2015 Este documento pode ser utilizado

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR MANUAL DO FORNECEDOR Página: 1/21 MANUAL DO FORNECEDOR 1 ÍNDICE 1 ÍNDICE... 2 2 INTRODUÇÃO... 3 3 PRÉ-REQUISITOS PARA FORNECIMENTO... 4 4 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS FORNECEDORES... 6 5 AMOSTRAS INICIAIS...

Leia mais

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL 1. Prefácio 1.1 Dados gerais O presente acordo de qualidade assegurada (QSV) define as exigências de qualidade para os fornecedores da REHAU. Assim, o acordo de qualidade assegurada REHAU QSV é a norma

Leia mais

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva Joel Alves da Silva, Diretor Técnico JAS-METRO Soluções e Treinamentos

Leia mais

FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br

FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013 Requisitos específicos Bepo Manual para Fornecedores Índice: 1) Apresentação da empresa ------------------------------------------------------------------------pg.03

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT Betim, 25 de Março de 2011 CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT Atualiza e substitui, a partir de 11/04/2011, a CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS

Leia mais

2.1 Fornecedores...04. 2.2 Abrangência...05. 3.1 Homologação...05. 3.2 Documentos Obrigatórios...06. 4.1 Fornecedor de Tratamento Superficial...

2.1 Fornecedores...04. 2.2 Abrangência...05. 3.1 Homologação...05. 3.2 Documentos Obrigatórios...06. 4.1 Fornecedor de Tratamento Superficial... SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...04 2. OBJETIVO...04 2.1 Fornecedores...04 2.2 Abrangência...05 3. REQUISITOS...05 3.1 Homologação...05 3.2 Documentos Obrigatórios...06 4. SUBMISSÃO DE PPAP...07 4.1 Fornecedor

Leia mais

Manual da Qualidade e Desenvolvimento de Fornecedores Dana Holding Corporation LLC

Manual da Qualidade e Desenvolvimento de Fornecedores Dana Holding Corporation LLC Manual da Qualidade e Desenvolvimento de Fornecedores Dana Holding Corporation LLC Supplier Development Dana Holding Corporation LLC Agosto 2012 SUMÁRIO i. INTRODUÇÃO... 4 ii. CONDUTA EMPRESARIAL... 5

Leia mais

Manual de Requisitos. Específicos. Para Fornecedores MANUAL DE REQUISITOS ESPECIFICOS

Manual de Requisitos. Específicos. Para Fornecedores MANUAL DE REQUISITOS ESPECIFICOS Manual de Requisitos Específicos Para Fornecedores Elaborado por: Carlos Nascimento Aprovado por: Océlio Paggiatto Sistema da Qualidade Carlos Nascimento Océlio 02 2 SUMÁRIO: 1.0 Termo de Recebimento e

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

CARTILHA PARA O USO DA MARCA

CARTILHA PARA O USO DA MARCA Página 1 de 11 PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO Este procedimento é parte integrante do Sistema de Gestão da Qualidade da BRICS. Quando disponível em domínio público, está sujeito a alterações sem aviso

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ 290.0339 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVAÇÃO CARLOS ROBERTO KNIPPSCHILD Gerente da Qualidade e Assuntos Regulatórios Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL AQUISIÇÃO / QUALIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES

PROCEDIMENTO OPERACIONAL AQUISIÇÃO / QUALIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Histórico de Revisões Rev. Modificações 01 30/04/2007 Primeira Emissão 02 15/06/2009 Alteração de numeração de PO 7.1 para. Alteração do título do documento de: Aquisição para: Aquisição / Qualificação

Leia mais

01. A empresa e todos os seus funcionários têm a preocupação de atender as necessidades e expectativas dos clientes?

01. A empresa e todos os seus funcionários têm a preocupação de atender as necessidades e expectativas dos clientes? Questionário de auto-avaliação Nível 1 MÓDULO 1 - ADMINISTRAÇÃO 01. A empresa e todos os seus funcionários têm a preocupação de atender as necessidades e expectativas dos clientes? 02. A empresa tem definidos

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL Publicado:Fevereiro 2012 ESCLARECIMENTO REFERENTE À ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ISO/TS 16949:2009 APLICÁVEL A MHBR BRASIL LTDA 1-Generalidade Este anexo da Qualidade

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR MANUAL DO FORNECEDOR OBJETIVOS A FlexLink exige que todos os fornecedores desenvolvam sistemas com base nos Padrões Internacionais (ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS18001) tendo como objetivo a melhoria contínua

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL

PROCEDIMENTO GERENCIAL PÁGINA: 1/10 1. OBJETIVO Descrever o procedimento para a execução de auditorias internas a intervalos planejados para determinar se o sistema de gestão da qualidade é eficaz e está em conformidade com:

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título)

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS em 08/01/2015 Verificado por Neidiane Silva em 09/01/2015 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em 12/01/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo

REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo 1. Objetivo Este documento tem por objetivo comunicar os requisitos mínimos a todos os fornecedores de componentes, matérias

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 Aprova os Procedimentos Comuns para as Inspeções nos Fabricantes de Produtos Médicos e Produtos para Diagnóstico de Uso in vitro nos Estados Partes, e dá

Leia mais

SUMÁRIO. Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Coordenação de Qualidade e Meio Ambiente. Gerência Suprimentos e Logística

SUMÁRIO. Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Coordenação de Qualidade e Meio Ambiente. Gerência Suprimentos e Logística Suprimentos e Logística Pág. 1 de 14 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 2 2 ABRANGÊNCIA / NÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO... 2 3 SIGLAS UTILIZADAS... 2 4 GLOSSÁRIO / CONCEITOS... 2 5 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA... 3 6 CONTEÚDO...

Leia mais

RM 12 DIRETRIZES PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA

RM 12 DIRETRIZES PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO O presente documento tem como objetivo estabelecer diretrizes e orientações para realização

Leia mais

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum.

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum. MERCOSUL/XXXVI SGT Nº11/P. RES. N /11 PROCEDIMENTOS COMUNS PARA AS INSPEÇÕES NOS FABRICANTES DE PRODUTOS MÉDICOS E PRODUTOS PARA DIAGNÓSTICO DE USO IN VITRO NOS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DAS RES. GMC Nº

Leia mais

AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Elaboração Juscelino Bourbon PRO - GADS - 03-01 Versão Data Histórico Aprovação 00 30/05/11 Emissão de procedimento. Katty Cavalcanti Separação entre avaliação e 01 08/11/11 seleção

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8

REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8 REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Aplicação... 3 4. Documentos de Referência... 3 5. Sistema de Gestão... 3 6. Requisitos Gerais... 4 7. Requisitos Automotivos...

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA 1 Solicitação de Abertura do Processo de Homologação 1.1 Os fornecedores interessados em ter seus materiais

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Requisitos Específicos. Sampel Peças Automotivas

Requisitos Específicos. Sampel Peças Automotivas Requisitos Específicos Sampel Peças Automotivas REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 7 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Aplicação... 3 4. Documentos de Referência... 3 5. Sistema de Gestão...

Leia mais

REFERENCIAL TÉCNICO. Insumos Uso Apropriado na Produção Orgânica

REFERENCIAL TÉCNICO. Insumos Uso Apropriado na Produção Orgânica na produção orgânica Aprovação: C. Página: 1/10 REFERENCIAL TÉCNICO Insumos Uso Apropriado na Produção Orgânica Este documento é de propriedade da ECOCERT. Toda reprodução integral ou parcial feita sem

Leia mais

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional. 1 POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1.1 Introdução O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PROCEDIMENTO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 07 01/12/2011 01/12/2011 APROVADO POR Marcio Adriano Franco SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. OBJETIVO...

Leia mais

Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011

Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011 Distribuidor: Associado: ISO 9001:2008 Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011 02 03 03 03 04 05 05 06 06 06 07 08 08 08 09 09 10 10 12 12 13 14 14 15 Índice Missão, visão, valores 1. O manual do fornecedor

Leia mais

Correspondência entre OHSAS 18001, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000

Correspondência entre OHSAS 18001, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000 Anexo A (informativo) Correspondência entre, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000 Tabela A.1 - Correspondência entre, ISO 14001:1996 e ISO 9001:1994 Seção Seção ISO 14001:1996 Seção ISO 9001:1994

Leia mais

FAPARMAS. Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO

FAPARMAS. Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO FAPARMAS Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO Sistema de Gestão da Qualidade ISO/TS 16949:22 2 / 5 Autor/Data José Ferraz 04/10/26 Aprovação/Data Sergio De Bortoli 04/10/26 s Descrições das

Leia mais

Padrões para Fornecedores da GS1 BRASIL

Padrões para Fornecedores da GS1 BRASIL Padrões para Fornecedores da GS1 BRASIL O objetivo deste documento é informar aos fornecedores dos pontos e valores fundamentais de nosso processo de compras. A GS1 Brasil mantém a ética, a transparência

Leia mais

Enviado por sanson@tecpar.br. em 19/12/11. Recebido por

Enviado por sanson@tecpar.br. em 19/12/11. Recebido por Pedido nº.: Destinatário/ Addressee: PREFEITURA MUNICIPAL DE COLOMBO ((41) 3656-8161) Data/Date: 16 / 12 / 2011 Nome/Name: ISMAILIN SCHROTTER Fax N : Remetente/Sender: TECPAR CERTIFICAÇÃO Páginas/Pages:

Leia mais

Procedimento de Segurança para Terceiros

Procedimento de Segurança para Terceiros Página 1 de 6 1. OBJETIVO Sistematizar as atividades dos prestadores de serviços, nos aspectos que impactam na segurança do trabalho de forma a atender à legislação, assim como, preservar a integridade

Leia mais

Relatório de Atividade Técnica

Relatório de Atividade Técnica RUA DESEMBARGADOR JÚLIO GUIMARÃES, 275 SAÚDE -SÃO PAULO -BR-SP CEP: 04158-060 CNPJ: 46.995.494/0001-92 Telefone: (11) 5058-6066 Pessoa de Contato: ALMO BRACCESI (almo@betta.com.br) Tipo: Auditoria de Manutenção

Leia mais

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS SELO ABRAIDI Programa de BPADPS Reuniões: Julho a Agosto de 2010 Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes PAUTA * OBJETIVOS * ASPECTOS FUNDAMENTAIS * HISTÓRICO * SITUAÇÃO ATUAL

Leia mais

Requisitos Específicos para ISO TS 16949

Requisitos Específicos para ISO TS 16949 Requisitos Específicos para ISO TS 16949 Revisão 01 MWM INTERNATIONAL Motores 1 Requisitos Específicos da MWM INTERNATIONAL Motores Para uso em conjunto com a norma ISO/TS 16949 1. ESCOPO Este documento

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Maio de 2003 CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Dia 12/05/2003 Certificação e homologação de produtos, serviços e empresas do setor aeroespacial,com enfoque na qualidade Dia 13/05/2003 ISO 9001:2000 Mapeamento

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS

REQUISITOS ESPECÍFICOS REQUISITOS ESPECÍFICOS ALPINO Indústria Metalúrgica Ltda. Página 1 de 18; Revisado em Março/ 2014 ÍNDICE 1. Introdução 2. Política do Sistema de Gestão Integrado 3. Código de Conduta 4. Meio Ambiente 5.

Leia mais

REQUISITOS PARA RECONHECIMENTO DA CONFORMIDADE PARA CABOS PROFIBUS PA - DP

REQUISITOS PARA RECONHECIMENTO DA CONFORMIDADE PARA CABOS PROFIBUS PA - DP Página 1 1 OBJETIVO Estabelecer os critérios para o Programa de Reconhecimento da Conformidade de Cabos Profibus PA e Profibus DP, atendendo aos requisitos técnicos, visando garantir a segurança na utilização

Leia mais

Política de Sustentabilidade Link Server.

Política de Sustentabilidade Link Server. Página 1 de 15 Hortolândia, 24 de Janeiro de 2014. Política de Sustentabilidade Link Server. Resumo Conceitua os objetivos da Política de Sustentabilidade da Link Server. Estabelece as premissas, a governança

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 12 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR. Setor de Suprimentos

MANUAL DO FORNECEDOR. Setor de Suprimentos MANUAL DO FORNECEDOR Setor de Suprimentos ÍNDICE 1. A EMPRESA... 3 2. LOCALIZAÇÃO... 3 3. POLÍTICA DA QUALIDADE ISO 9001/2008... 3 4. MISSÃO, VISÃO E VALORES... 4 4.1. MISSÃO... 4 4.2. VISÃO... 4 4.3.

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL 1. Introdução O Falcão Bauer Ecolabel é um programa de rotulagem ambiental voluntário que visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação da conformidade do produto com

Leia mais

MANUAL DE FORNECEDORES

MANUAL DE FORNECEDORES ÍNDICE 1. O MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 Introdução... 3 1.2 Objetivo... 3 1.3 Relações com Fornecedores... 3 1.4 Política do Sistema Integrado de Gestão (Qualidade e Meio Ambiente)... 4 2. DESENVOLVENDO

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança?

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança? INTERPRETAÇÃO NBR ISO 14001 (1996), JULHO 2001 CB-38/SC-01/GRUPO DE INTERPRETAÇÃO INTRODUÇÃO O CB-38, Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental, da ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, decidiu criar

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANUAL DA QUALIDADE DE DOALPLASTIC INDUSTRIA E COMÉRCIO LTDA. MATRIZ: AVENIDA DIRCEU DIAS CARNEIRO, 151 DISTRITO INDUSTRIAL II - CEP 13457-198 SANTA BÁRBARA D' OESTE - SP - BRASIL FILIAL: AVENIDA MAESTRO

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

2. DEFINIÇÃO E CONCEITO

2. DEFINIÇÃO E CONCEITO 1/5 1. OBJETIVO Estabelecer procedimentos para controlar todos os equipamentos e instrumentos do Laboratório do Grupo Santa Helena garantindo suas inspeções, manutenções e calibrações de forma a mantê-los

Leia mais

PROGRAMA FORTALECER Edital de Projetos REGULAMENTO

PROGRAMA FORTALECER Edital de Projetos REGULAMENTO PROGRAMA FORTALECER Edital de Projetos REGULAMENTO Sumário 1. O EDITAL... 2 1.1. Natureza e objetivos... 2 1.2. Princípios orientadores... 2 1.3. Foco temático do edital... 2 2. QUEM PODE PARTICIPAR...

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

Aplica-se obrigatoriamente a todas as áreas que possuem empresas contratadas na Vale Fertilizantes.

Aplica-se obrigatoriamente a todas as áreas que possuem empresas contratadas na Vale Fertilizantes. Responsável Técnico: Alex Clementino Ferreira Gerência de Sistema de Gestão Público-alvo: Empregados designados para realizarem as auditorias. 1. OBJETIVO Nº: PGS-3209-82-04 Pág.: 1 de 8 Código de Treinamento:

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

PSQ 290.0300 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

PSQ 290.0300 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ - (4.2.3 - Controle de Documentos) (820.40 Document Control) APROVAÇÃO MARCOS FERNANDES NUNES Gerente da QA/RA Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO GISELA CRISTINA LUÇOLLI NASS Assistente Administrativo APARECIDA

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Processo de Certificação PGMQ -TV RSQM-DO-028-04-DECLARAÇÃO_DOCUMENTADA_PROCESSO_DE_CERTIFICAÇÃO

Processo de Certificação PGMQ -TV RSQM-DO-028-04-DECLARAÇÃO_DOCUMENTADA_PROCESSO_DE_CERTIFICAÇÃO Processo de Certificação PGMQ -TV O que é OCC? Organismos de Certificação Credenciado (Acreditado) pela CGCRE Conduzem e concedem a certificação de conformidade, com base em normas nacionais, regionais,

Leia mais

Entidade Setorial Nacional Mantenedora

Entidade Setorial Nacional Mantenedora Entidade Setorial Nacional Mantenedora Associação Nacional da Indústria Cerâmica ANICER Santa Luzia, 651, 12º andar Centro - Rio de Janeiro / RJ Tel/Fax: (21) 2524-0128 Site: www.anicer.com.br E-mail:

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

SUPRIMENTOS - FORNECEDORES

SUPRIMENTOS - FORNECEDORES SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 2 2. ÂMBITO... 2 3. CONCEITOS... 2 4. NORMAS E LEGISLAÇÕES APLICÁVEIS... 3 5. INSTRUÇÕES GERAIS... 3 6. PROCEDIMENTOS... 4 7. NATUREZA DAS ALTERAÇÕES... 7 8. ANEXOS... 7 Elaboração:

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 9 1. OBJETIVO: Este procedimento estabelece o processo para concessão, manutenção, extensão e exclusão da certificação de Sistema de Gestão de Segurança da Informação, em conformidade com norma ABNT

Leia mais

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO MBA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE SÃO PAULO 2009 Gerson C. Anis e grupo de trabalho SUMÁRIO RESUMO...2

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

Certificado de Garantia Bosch Sistemas de Segurança

Certificado de Garantia Bosch Sistemas de Segurança Certificado de Garantia Bosch Sistemas de Segurança 2 Certificado de Garantia Bosch Sistemas de Segurança Certificado de Garantia 1. A Robert Bosch Ltda., divisão Sistemas de Segurança, assume a responsabilidade

Leia mais

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN Resumo das diretrizes e critérios da COSERN/ Grupo Neoenergia para patrocínios a projetos socioculturais e ambientais. Guia Básico do Proponente 1 Índice Introdução 2 1.

Leia mais

Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL

Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL É proibida a reprodução total ou parcial deste documento por quaisquer meios

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais